Pº R.P. 7/2010 SJC-CT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pº R.P. 7/2010 SJC-CT"

Transcrição

1 Pº R.P. 7/2010 SJC-CT Coisas que se encontram no domínio público (fora do comércio jurídico). Insusceptibilidade da sua aquisição por usucapião. Recusa. Imposto de selo. DELIBERAÇÃO 1., advogado, apresentou pessoalmente na Conservatória do Registo Predial de, no dia de de (Ap. ), pedido de registo de aquisição a favor dos ora recorrentes de prédio pertencente à freguesia de, omisso no registo e inscrito na matriz sob o artigo da mesma freguesia em nome de 1.1. Como título juntou escritura de justificação de de de, outorgada no Cartório da Notária, sito na cidade de, com averbamento de publicação no jornal de de de, da qual consta que os justificantes declararam ser possuidores de prédio urbano sito no, com o qual confronta de Norte, Sul e Nascente, confrontando com do lado Poente, composto de com 7m2 e destinado a comércio. Como circunstância determinante do início da posse, em razão da qual invocam a aquisição do imóvel por usucapião, os justificantes indicaram a compra verbal, não reduzida a escritura pública, à indicada titular da inscrição matricial, ocorrida no ano de 1984, e como circunstâncias consubstanciadoras dessa posse apontaram que desde a data da referida compra verbal tem sido por eles conservado e explorado comercialmente, assim como têm pago os impostos pelo mesmo devidos, bem como a licença de ocupação da via pública à Câmara Municipal de... e todas as despesas correntes com água e energia eléctrica ( sublinhado nosso) A escritura inclui a menção de exibição de documento matricial, comprovativo não só do teor da respectiva inscrição mas também da proveniência ( do artigo actual) do artigo da extinta freguesia da, inscrito antes de 7 de Agosto de A indicada referência à circunstância do pagamento de licença de ocupação da via pública levou a Senhora Conservadora a dar por manifestada a natureza dominial pública do prédio - fora do comércio jurídico( art. 202º/2 do Código Civil)- e a afirmar que estamos perante a figura do detentor ou possuidor precário, que corresponde à situação daquele que, tendo embora o corpus da posse( artigo 1251º do Código Civil), a detenção da coisa, não exerce o poder de facto com o animus de exercer o direito real - 1 -

2 correspondente ( com animus possidendi ) neste sentido vide ainda o artigo 1253º do Código Civil. Aí assentou o juízo de qualificação do pedido, considerando não titulado o facto e recusando o seu registo nos termos do disposto nos artigos 68º e 69º, nº 1, b) do C.R.P.. 3. À recusa reagiram os justificantes impugnando-a hierarquicamente, interpondo o respectivo recurso no dia de de ( Ap. ), cujos termos aqui se dão por integralmente reproduzidos. Começando por afirmar que não vislumbram em que se baseou a recorrida para afirmar que o bem integra o domínio público alegam, por um lado, que o quiosque é um prédio urbano ( art. 204º, nº 1 do Código Civil), pois é facto público e notório que é um edifício em alvenaria com alicerces incorporados no solo, e não, uma estrutura amovível e de carácter temporário e, por outro, que o mesmo não integra o domínio público, invocando em síntese que: a) O mesmo está inscrito na matriz em nome de um particular; b) O pagamento de uma taxa de ocupação da via pública à Câmara Municipal não significa que integre o domínio público, já que a ocupação da via pública pode respeitar a ocupação da mesma com mesas e cadeiras ; c) A escritura foi publicada nos termos da lei e não mereceu oposição de entidade pública ou privada; d) Se desconhece qualquer legislação que o afecte ao domínio público; e) o seu destino comércio afasta a sua utilização para fins públicos. 4. A recorrida sustentou a recusa com base na seguinte contra-argumentação: a. O prédio objecto de registo encontra-se implantado no ( como resulta das confrontações constantes da caderneta predial ) parcela esta destinada à satisfação de relevantes interesses colectivos (estacionamento público ) e com o uso directo e imediato pelo público e salvo melhor opinião, fica assim verificada a dominialidade pública ; b. A inscrição matricial do prédio em nome do justificante nos termos definidos no artigo 92º do Código do Notariado ( na redacção introduzida pelo D.L. 273/01, de 13/10) funciona como condição ou requisito de legitimidade para outorgar a escritura de justificação notarial naquela qualidade, nada na letra da lei permite concluir que a titularidade da inscrição matricial faça prova do respectivo direito constituindo quando muito, um mero factor indiciário( ) daí que os elementos fornecidos pela matriz - 2 -

3 não possam nem devam ser havidos como prova da dominialidade a favor de quem, em dada altura, figure como seu titular ; c. O edifício encontra-se implantado em pleno domínio público, continuando o solo, na falta de desafectação, a ser público; d. O pagamento respeitante à licença de ocupação da via pública diz respeito ao quiosque e se assim não fosse questiona-se porque é que não foi exibida ou identificada a referida licença de forma a que fiquem dissipadas qualquer dúvidas, uma vez que é facto assente de que esta licença de ocupação da via pública existe ; e. A publicitação do acto também não impede a oposição posterior de eventuais interessados designadamente a impugnação judicial ; f. O artigo 84º da Constituição da República Portuguesa e o D.L. nº 477/80 de 15 de Outubro enumeram expressamente os bens do domínio público. Questão Prévia O requerimento de recurso foi acompanhado de fotocópia da caderneta predial relativa ao anterior artigo de matriz ( da extinta freguesia da, como se deixou relatado), para demonstrar o que é alegado no ponto 7º, isto é, que a inscrição em nome da referida já vigorava em 31 de Dezembro de 1937, data da emissão dessa caderneta. Integra também os autos uma Cópia do ofício dirigido pela Câmara Municipal de à Conservatória já depois da data de apresentação do recurso, através da qual se pretendeu dar conhecimento do pedido de eliminação do artigo matricial do prédio justificado, promovido na mesma data pela indicada Câmara Municipal, conforme cópia de requerimento que se juntou àquele ofício, com fundamento no facto de ter sido mal inscrito, uma vez que faz parte do espaço denominado que pertence ao Domínio Público conforme certidão em anexo. Desta consta certificado que o dito, identificado com a respectiva área e confrontações, pertence ao Domínio Público Municipal e que qualquer inscrição matricial efectuada na respectiva área foi efectuada por mero lapso. Ora, não tendo qualquer dos indicados documentos contado para a elaboração da decisão objecto de impugnação, não pode a entidade ad quem levá-los em consideração na apreciação do mérito da mesma impugnação, como por diversas vezes este Conselho já teve ocasião de deixar entendido, no contexto da interpretação do disposto no art. 142º-A, nº 3 do C.R.P Uma das últimas ocasiões em que tal aconteceu e já depois da entrada em vigor da alteração introduzida ao art. 147º-B do C.R.P. pelo D.L. nº 116/2008, de 4 de Julho, que se traduziu na determinação - 3 -

4 Saneamento: O processo é o próprio, as partes legítimas, o recurso tempestivo, e inexistem questões prévias ou prejudiciais que obstem ao conhecimento do mérito. Pronúncia: A posição deste Conselho vai expressa na seguinte Deliberação 1. As coisas que se encontram no domínio público, estão fora do comércio jurídico e não podem ser objecto de direitos privados ( art. 202º, nº 2 do Código Civil) decorrendo da imperatividade dessa exclusão a insusceptibilidade da sua aquisição por usucapião O conceito de estradas constante do artigo 84º, nº 1, d) da Constituição da República Portuguesa abrange todas as vias públicas (incluindo assim v.g. os largos, praças ou rossios 3 ), que por seu lado devem ser compreendidas como universalidades da aplicação subsidiária do disposto no Código de Procedimento Administrativo ao recurso hierárquico - no Pº R.P. 168/2008 SJC-CT, disponível intranet. foi 2 O direito público, maxime o constitucional, não nos fornece uma definição de coisas públicas, nem é esse o desiderato da indicada disposição de direito privado, que se limita a considerá-las excluídas desse âmbito privado, sem embargo do disposto no art. 1304º do mesmo Código Civil. A indicada insusceptibilidade aquisitiva é doutrinalmente pacífica. Cfr., por todos, Ana Raquel Gonçalves Moniz, in O Domínio Público O Critério E O Regime Jurídico da Dominialidade, pág Nos presentes autos não se discute a natureza pública do, na cidade de, com a qual estão de acordo recorrida e recorrentes não se justificando que em abstracto e/ou em concreto se introduzam aqui quaisquer considerações acerca dos critérios da aquisição do carácter dominial. Refira-se apenas que segundo Cândido de Figueiredo, in Grande Dicionário, Bertrand Editora, 24ª Ed., entende-se por Rossio: Terreiro que era roçado ou fruído, em comum, pelo povo; logradouro público; Lugar espaçoso; terreiro; praça larga (Port. Ant. ressio). Em tabela está saber, em razão das declarações constantes do título apresentado para registo, qual a natureza da ligação existente entre o bem que se pretende ver registado com base no usucapião e esse Rossio, que faz parte do domínio público municipal

5 (englobando v.g. as obras de arte, passeios, sinais de trânsito ou túneis), fazendo tudo parte do chamado domínio público rodoviário ou circulatório Constando o objecto mediato do pedido de registo identificado no título (escritura de justificação notarial, com invocação de usucapião) como sendo um prédio urbano composto de quiosque, com área determinada, sito em praça ( rossio ) pública(o), com o qual confronta por três dos lados, essa identificação não é suficiente, por si só, para dar por manifesto que a referida área de implantação está integrada no domínio público 5. 4 Para um estudo aprofundado destes dois planos do sentido abrangente do conceito em questão, cfr. Durval Ferreira, in Posse e Usucapião, pág. 103 a 106, o qual dá notícia de que esse sentido é comum na Doutrina e na Jurisprudência. 5 A situação concreta que foi objecto de apreciação no Pº R.P. 143/2004 DSJ-CT, disponível intranet, oferece, quanto ao essencial, algumas afinidades com a dos presentes autos. Ali, a realidade material era um açude e pesqueira no Rio, com o qual confrontava por três dos lados, aqui é um quiosque no, com o qual confronta por três dos lados, ambas as realidades são qualificadas (nos títulos) como prédios urbanos, num caso sem indicação da respectiva área e no outro com essa indicação, como tal inscritos na matriz. Tendo sido possível, naquele caso, concluir que não se pretendera invocar a usucapião sobre a parcela do leito do Rio, não houve que fazer entrar a insusceptibilidade dessa aquisição na decisão de qualificação, antes se tendo imposto uma abordagem abrangente das diversas hipóteses de possível enquadramento da situação, quer no âmbito da comercialidade de direito público, quer no da sobreposição dos estatutos da propriedade pública e da propriedade privada, quer ainda no da constituição(onerosa) pela entidade administrativa de direitos reais menores, mais propriamente de direitos de superfície, sobre bens dominiais. Depois de se ter dado por inverificado qualquer dessas hipóteses de enquadramento, concluiu-se por um outro, considerando que se tratava de aquisição da propriedade de obra em parcela dominial, não sujeita a publicidade registral, já que a obra em si mesma não é prédio, por falta de solo ( art. 204º do C.C.). Conjugando, in casu, o titulo e o pedido de registo, afigura-se-nos que se pretendeu invocar a usucapião de um prédio urbano, integrando portanto a construção e o respectivo solo, o que significa que se fosse admissível, exclusivamente com base nos referidos elementos de identificação, dar por manifesto que esse solo integrava o domínio público( o Rossio de...), teria igualmente que considerar-se o facto por manifestamente nulo, dada a dita insusceptibilidade de aquisição desse solo por usucapião, o que constituiria desde logo motivo de recusa com fundamento no disposto nos artigos 280º, nº 1 do Código Civil e 69º, nº 1, d) do C.R.P.. Ora não nos parece que assim deva entender-se. Por um lado, nem pela natureza das coisas nem por força da lei se pode dar por imperativo que os quiosques assentem, nele incorporados ou não, em solo com natureza pública, embora se saiba que na generalidade ou em muitos casos assim acontece. Um quiosque segundo Cândido de Figueiredo, ob. cit. - é uma Pequena construção, geralmente de madeira, espécie de pavilhão, situado em praças, jardins, etc., e que serve habitualmente para venda de tabaco, jornais, bebidas, etc

6 4. O mesmo não se pode afirmar no caso em que, simultaneamente com aquela identificação,, os justificantes declararam (na escritura), no âmbito da menção das circunstâncias consubstanciadoras da posse( art. 89º, nº 2 do Código do Notariado), que têm pago a licença de ocupação da via pública à Câmara Municipal, se não existir qualquer outro elemento que admita que se questione a pertinência dessa licença à ocupação provocada pelo próprio quiosque Nos termos do art. 1º, nº 3, a) do Código do Imposto de Selo a aquisição por usucapião é considerada transmissão gratuita, sujeita à incidência do imposto fixado na verba 1.2 da Tabela Geral, constituindo a falta de prova do cumprimento das obrigações fiscais correspondentes fundamento da qualificação do registo como provisório por dúvidas( cfr. art. 68º, 70º e 72º do C.R.P. e art. 63º do Código do Imposto de Selo) 7. Por outro lado, a natureza pública do Rossio de, o qual é indicado como local da situação do quiosque e com o qual este confina por três lados, não significa necessariamente que o solo onde o quiosque assenta faça parte integrante desse Rossio e esteja compreendido na correspondente universalidade. O facto de ser situado no, não significa que não possa estar fora dele, embora confinando com ele, além de que, nem a lei nem a natureza das coisas impõem que uma praça pública não possa sofrer um solução de continuidade, isto é, incluir no seu perímetro algo que não esteja integrado no domínio público. O que acabou de ser dito não significa que os elementos de identificação do prédio não justificassem por si só a dúvida acerca da natureza do solo, caso em que seria de exigir prova de que não fazia parte do domínio público, mediante documento emitido pela respectiva Câmara Municipal. Caso fosse de se entender que o solo não estava incluído na realidade material objecto de justificação, imporse-ia a recusa nos termos e com o fundamento constantes do supra indicado processo, para o qual se remete, neste ponto e nos outros supra referidos, já que também aqui está fora de questão que a situação possa ser enquadrada (dada como titulada) segundo qualquer das outras hipóteses indicadas. O mesmo se diga quanto ao que nesse processo de deixou entendido (cfr. nota 12) quanto à relevância da inscrição matricial, da qual os recorrentes pretendem retirar o argumento de que ela pressupõe a natureza de prédio ( também para feitos civis) não integrado no domínio público. 6 Os recorrentes, como ficou relatado supra no texto, alegam que o pagamento de uma taxa de ocupação da via pública ( ) não confere o domínio público do quiosque em causa pois a ocupação da via pública pode respeitar a ocupação da mesma por mesas e cadeiras. Ora, não constando do título a referência a qualquer outra área de ocupação que não seja a própria área de implantação da obra, não é possível admitir que o pagamento invocado se refira a uma licença de ocupação de uma via pública que não a correspondente à ocupação provocada por essa implantação. 7 Não fora a qualificação de recusa que anteriormente defendemos e a falta de prova de cumprimento das obrigações fiscais que se verifica in casu, constituiria motivo de uma qualificação de provisoriedade por - 6 -

7 Em face do exposto, é entendimento deste Conselho que o recurso deve improceder 8 Deliberação aprovada em sessão do Conselho Técnico de 26 de Maio de Luís Manuel Nunes Martins, relator. Esta deliberação foi homologada pelo Exmo. Senhor Presidente em dúvidas apesar de este motivo não ter sido suscitado pela recorrida, seguindo o entendimento que vem sendo defendido por este Conselho ( Cfr., entre outros,, o Pº R.P. 107/2004 DSJ-CT, disponível intranet). 8 Afigura-se-nos no entanto mais rigoroso, de acordo com o que ficou anteriormente dito, enquadrar a recusa na alínea d) do nº 1 do art. 69º do C.R.P., diferentemente do que fez a recorrida, que invocou a alínea b) do mesmo nº

8 Pº R.P. 7/2010 SJC-CT (Ficha) Súmula das questões tratadas Pedido o registo de aquisição por usucapião, com base em escritura pública de justificação notarial, de prédio urbano identificado como situado em praça pública, com a qual confronta por três lados, composto de quiosque, com determinada área, com a indicação pelos justificantes, no âmbito das circunstâncias consubstanciadoras da posse, de que têm pago a licença de ocupação da via pública à Câmara Municipal. Interpretação do título quanto a saber se a realidade material justificada inclui ou não o solo. Concluindo-se que inclui o solo, saber este é ou não manifestamente público, quer apreciando isoladamente os elementos de identificação, quer conjugando-os com a referência a licença de ocupação de via pública. Concluindo-se que o solo faz parte do domínio público, (in)susceptibilidade da respectiva aquisição por usucapião, considerando a extra comercialidade de direito privado das coisas que integram esse domínio ( art. 202º, nº 2 do Código Civil). Incidência do imposto de selo relativo à transmissão gratuita na aquisição por usucapião (art. 1º, nº 3, a) do Código do Imposto de Selo e verba 1.2 da respectiva Tabela Geral). 8

Pº R.P. 71/2008 SJC-CT

Pº R.P. 71/2008 SJC-CT Pº R.P. 71/2008 SJC-CT Aditamento a alvará de loteamento Ampliação de área de lote por redução da área do domínio público municipal Título para registo. DELIBERAÇÃO Relatório: O Município de. requisitou

Leia mais

Deliberação. 1 Em especial, no âmbito dos P.ºs CP 83/2008 SJC-CT e R.P. 227/2009 SJC-CT.

Deliberação. 1 Em especial, no âmbito dos P.ºs CP 83/2008 SJC-CT e R.P. 227/2009 SJC-CT. P.º n.º R.P. 60/2010 SJC-CT Penhora. Cancelamento não oficioso. Eventual conexão com o registo de aquisição, conjuntamente requerido. Tributação emolumentar DELIBERAÇÃO 1 Os presentes autos respeitam à

Leia mais

formalizada por escritura pública de compra e venda, de 28 de Novembro de, entre a 1.ª Ré e os 2ºs Réus;

formalizada por escritura pública de compra e venda, de 28 de Novembro de, entre a 1.ª Ré e os 2ºs Réus; 1 Pº R. P. 170/2008 SJC-CT: Registo de acção de preferência pedido de cancelamento do registo de aquisição a favor do comprador e do registo de aquisição a favor de terceiro adquirente. DELIBERAÇÃO 1.

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório

DELIBERAÇÃO. Relatório Pº R.P. 241/2007 DSJ-CT- Consentimento do credor como título para cancelamento de hipoteca (artigo 56º do C.R.P.) Forma legal Reconhecimento de assinatura por advogado ou solicitador - Registo informático

Leia mais

N/Referência: PROC.: R. P. 10/2014 STJ-CC Data de homologação: 14-04-2014 DELIBERAÇÃO

N/Referência: PROC.: R. P. 10/2014 STJ-CC Data de homologação: 14-04-2014 DELIBERAÇÃO N.º 24/ CC /2014 N/Referência: PROC.: R. P. 10/2014 STJ-CC Data de homologação: 14-04-2014 Recorrente: P. Proença V.., solicitadora. Recorrido: Conservatória do Registo Predial de Assunto: Documento particular

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório:

DELIBERAÇÃO. Relatório: Pº R.P. 274/2007 DSJ-CT- Modificação do conteúdo do direito de propriedade horizontal Alteração do regime de uso de certa parte comum de edifício destinado a parqueamento automóvel Suficiência da verificação,

Leia mais

P.º R. P. 189/2009 SJC-CT-

P.º R. P. 189/2009 SJC-CT- P.º R. P. 189/2009 SJC-CT- Pedido de rectificação de averbamento à descrição, ao abrigo do disposto no artigo 121.º do Código do Registo Predial Recusa Impugnação hierárquica Legitimidade da entidade ad

Leia mais

A posição deste Conselho vai expressa na seguinte. Deliberação

A posição deste Conselho vai expressa na seguinte. Deliberação P.º n.º C.P. 72/2010 SJC-CT Pedidos de registo dependentes formulados por via electrónica. Apresentação em diferentes Conservatórias. Inversão da ordem de anotação no Diário. Artigo 75.º, n.º 4 do Código

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Do despacho de recusa foi interposto recurso hierárquico, cujos termos aqui se dão por integralmente reproduzidos.

DELIBERAÇÃO. Do despacho de recusa foi interposto recurso hierárquico, cujos termos aqui se dão por integralmente reproduzidos. Pº R.P. 16/2008 SJC-CT- Registo de hipoteca legal nos termos do artº 195º do CPPT Título Suficiência Despacho do Chefe de Serviço de Finanças competente que a requerimento do executado autorize a substituição

Leia mais

Pº R.P. 154/2004 DSJ-CT.- Inscrição de servidão de gás Menções Efeitos Título para registo Trato sucessivo.

Pº R.P. 154/2004 DSJ-CT.- Inscrição de servidão de gás Menções Efeitos Título para registo Trato sucessivo. Pº R.P. 154/2004 DSJ-CT.- Inscrição de servidão de gás Menções Efeitos Título para registo Trato sucessivo. PARECER Recorrente:, S.A. Recorrida: 2ª Conservatória do Registo Predial de. Registo a qualificar:

Leia mais

1. Sobre um determinado prédio pertencente ao município consulente foi

1. Sobre um determinado prédio pertencente ao município consulente foi Pº C.P.59/2013 STJ-CC Consulente: Município de.. Sumário: propriedade horizontal em direito de superfície Extinção do direito de superfície causada pela reunião do direito de propriedade do solo e dos

Leia mais

P.º n.º R.P. 75/2011 SJC-CT Depósito electrónico de documento particular autenticado. Artigo 7.º da Portaria n.º 1535/2008 de 30 de Dezembro.

P.º n.º R.P. 75/2011 SJC-CT Depósito electrónico de documento particular autenticado. Artigo 7.º da Portaria n.º 1535/2008 de 30 de Dezembro. P.º n.º R.P. 75/2011 SJC-CT Depósito electrónico de documento particular autenticado. Artigo 7.º da Portaria n.º 1535/2008 de 30 de Dezembro. DELIBERAÇÃO A. O prédio da ficha nº...... prédio rústico inscrito

Leia mais

6. Em despacho proferido ao abrigo do disposto no art. 142º-A do C.R.P. foi sustentada a qualificação.

6. Em despacho proferido ao abrigo do disposto no art. 142º-A do C.R.P. foi sustentada a qualificação. P.º n.º R.P. 212/2011 SJC-CT Aquisição em comum e sem determinação de parte ou direito. Averbamento de transmissão de posição. Provisoriedade por dúvidas. DELIBERAÇÃO 1. Por escritura de 2011/07/22, denominada

Leia mais

P.º R. P. 22/2009 SJC-CT-

P.º R. P. 22/2009 SJC-CT- P.º R. P. 22/2009 SJC-CT- Averbamento de rectificação da descrição quanto à área, fundado em erro de medição. Enquadramento do respectivo pedido na previsão legal do artigo 28.º-C do CRP ou no processo

Leia mais

P.º R. P. 98/2009 SJC-CT-

P.º R. P. 98/2009 SJC-CT- P.º R. P. 98/2009 SJC-CT- Aquisição com base em doação de quinhão hereditário Recusa do registo Prédios com inscrição de aquisição em compropriedade, por usucapião e não em comunhão hereditária Alegado

Leia mais

Pº C.Bm. 24/2009 SJC-CT.

Pº C.Bm. 24/2009 SJC-CT. Pº C.Bm. 24/2009 SJC-CT. Objecto da consulta: Pedido de registo automóvel online por comprador autenticado electronicamente com cartão de cidadão, com digitalização da declaração de compra e venda. Relatório:

Leia mais

Pº R.P.135 136 /2009 SJC-CT-

Pº R.P.135 136 /2009 SJC-CT- Pº R.P.135 e 136 /2009 SJC-CT- (Im)possibilidade legal de incluir a cláusula de reversão dos bens doados em contrato de partilha em vida. DELIBERAçÃO Relatório 1. Os presentes recursos hierárquicos vêm

Leia mais

P.ºn.º R.P. 89/2010 SJC-CT Anexação. Hipoteca. Indivisibilidade. Cancelamento. Arredondamento de estremas de prédio confinante.

P.ºn.º R.P. 89/2010 SJC-CT Anexação. Hipoteca. Indivisibilidade. Cancelamento. Arredondamento de estremas de prédio confinante. P.ºn.º R.P. 89/2010 SJC-CT Anexação. Hipoteca. Indivisibilidade. Cancelamento. Arredondamento de estremas de prédio confinante. DELIBERAÇÃO 1. É a seguinte a situação registral dos dois prédios abrangidos

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0891/09 Data do Acordão: 18-11-2009 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO VALENTE TORRÃO SISA AQUISIÇÃO DE PREDIO PARA REVENDA

Leia mais

P.º R.P. 67/2009 SJC-CT

P.º R.P. 67/2009 SJC-CT P.º R.P. 67/2009 SJC-CT Escritura pública versus documento particular autenticado e depositado electronicamente Compra e venda Documento particular outorgado e assinado pelas partes e por solicitador Recusa

Leia mais

Pº C.Co.36/2012 SJC-CT

Pº C.Co.36/2012 SJC-CT Pº C.Co.36/2012 SJC-CT Consulente: Registo Nacional de Pessoas Coletivas. Sumário: Publicação das alterações de estatutos das fundações com natureza de Instituições Particulares de Solidariedade Social(IPSS)

Leia mais

Nessa mesma escritura os justificantes declararam vender ao ora recorrente, e este declarou comprar àqueles, o mencionado imóvel.

Nessa mesma escritura os justificantes declararam vender ao ora recorrente, e este declarou comprar àqueles, o mencionado imóvel. Pº R.P. 143/2004 DSJ-CT. Leitos de curso de água navegáveis ou flutuáveis Domínio público Utilização privativa de bens dominiais Açude e pesqueira enquanto obra Irregistabilidade da sua transmissão. PARECER

Leia mais

Pº R.P. 38/2010 SJC-CT

Pº R.P. 38/2010 SJC-CT Pº R.P. 38/2010 SJC-CT Registo on line apresentado por notário (que previamente emitiu certidão de escritura de compra e venda, a digitalizou e transferiu electronicamente através de upload no sítio www.predialonline.mj.pt)

Leia mais

P.º R.P. 204/2007 DSJ-CT-

P.º R.P. 204/2007 DSJ-CT- P.º R.P. 204/2007 DSJ-CT- Anexação de dois prédios urbanos, sendo um deles um terreno para construção urbana, destinado, por vontade do titular inscrito de ambos, a logradouro do outro (edifício de r/c,

Leia mais

Assunto: Enfiteuse. Domínio útil. Aforamento pelo Território de Macau. Artigo 7.º da

Assunto: Enfiteuse. Domínio útil. Aforamento pelo Território de Macau. Artigo 7.º da . Recurso jurisdicional em matéria cível. Recorrentes: A e B. Recorrido: Ministério Público. Assunto: Enfiteuse. Domínio útil. Aforamento pelo Território de Macau. Artigo 7.º da Lei Básica. Data do Acórdão:

Leia mais

Pº R.P.16/2005 DSJ-CT Usufruto Alienação conjunta, gratuita ou onerosa, por nu proprietário e usufrutuário Eficácia real Efeitos tabulares.

Pº R.P.16/2005 DSJ-CT Usufruto Alienação conjunta, gratuita ou onerosa, por nu proprietário e usufrutuário Eficácia real Efeitos tabulares. Pº R.P.16/2005 DSJ-CT Usufruto Alienação conjunta, gratuita ou onerosa, por nu proprietário e usufrutuário Eficácia real Efeitos tabulares. PARECER Registo a qualificar: Aquisição da fracção autónoma U1

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO- RECURSO CONTENCIOSO - DECISÃO JUDICIAL. Tribunal Judicial da Comarca de Setúbal

JUSTIFICAÇÃO- RECURSO CONTENCIOSO - DECISÃO JUDICIAL. Tribunal Judicial da Comarca de Setúbal JUSTIFICAÇÃO- RECURSO CONTENCIOSO - DECISÃO JUDICIAL I RELATÓRIO Tribunal Judicial da Comarca de Setúbal Maria ( ) interpôs recurso da decisão proferida pelo Conservador da 1.ª Conservatória do Registo

Leia mais

Pº R.P. 129/2009 SJC-CT- AUGI-

Pº R.P. 129/2009 SJC-CT- AUGI- Pº R.P. 129/2009 SJC-CT- AUGI- Parcelas cedidas para o domínio público - Direito de propriedade pública sobre as parcelas de terreno, a favor do Município - Desafectação do domínio público - Registo de

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório:

DELIBERAÇÃO. Relatório: P.º n.º R. P. 234/2007DSJ-CT:Contrato de arrendamento comercial incidente sobre parte de prédio urbano, com duração superior a seis anos - Sua registabilidade. DELIBERAÇÃO Relatório: 1 Em 28 de Setembro

Leia mais

P.º n.º R.P.70/2012 SJC-CT Revogação de doação entre casados. Eficácia quanto a terceiros. PARECER

P.º n.º R.P.70/2012 SJC-CT Revogação de doação entre casados. Eficácia quanto a terceiros. PARECER P.º n.º R.P.70/2012 SJC-CT Revogação de doação entre casados. Eficácia quanto a terceiros. PARECER 1. Pela Ap. /20120523 foi pedida por G, advogado, na Conservatória do Registo Predial de, a aquisição

Leia mais

P. n.º CP 5/2010 SJC-CT Direito real de habitação periódica. Duração mensal. Deliberação

P. n.º CP 5/2010 SJC-CT Direito real de habitação periódica. Duração mensal. Deliberação P. n.º CP 5/2010 SJC-CT Direito real de habitação periódica. Duração mensal. Deliberação 1. Considerando os constrangimentos de ordem informática identificados pela Conservatória do Registo Predial de

Leia mais

PARECER. 1 Por decisão superior foi determinada a audição deste Conselho acerca da seguinte questão:

PARECER. 1 Por decisão superior foi determinada a audição deste Conselho acerca da seguinte questão: P.º n.º C.P. 34/2011 SJC-CT Procedimento especial de transmissão, oneração e registo imediato de imóveis. Digitalização do documento que titula o negócio jurídico no âmbito do referido procedimento. Possibilidade

Leia mais

Pº C.P.51/2005 DSJ-CT-

Pº C.P.51/2005 DSJ-CT- Pº C.P.51/2005 DSJ-CT- Registo de propriedade horizontal antes de concluída a construção do prédio Existência da coisa objecto da propriedade horizontal - Conjunto imobiliário a executar por fases - Conclusão

Leia mais

CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA

CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA Entre: ESTAMO PARTICIPAÇÕES IMOBILIÁRIAS, S.A., pessoa colectiva número 503152544, matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa, com sede na Av. Defensores

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Assunto: Casamentos entre nubente português e nubente estrangeiro casamentos brancos procedimentos

DELIBERAÇÃO. Assunto: Casamentos entre nubente português e nubente estrangeiro casamentos brancos procedimentos DELIBERAÇÃO Pº CC 14/2011 SJC-CT Assunto: Casamentos entre nubente português e nubente estrangeiro casamentos brancos procedimentos As senhoras conservadoras de V e de A vêm solicitar tomada de posição

Leia mais

- 1 - P.º n.º R.P. 22/2012 SJC-CT Registo de ação. Recusa. PARECER

- 1 - P.º n.º R.P. 22/2012 SJC-CT Registo de ação. Recusa. PARECER P.º n.º R.P. 22/2012 SJC-CT Registo de ação. Recusa. PARECER 1. Em ação de execução específica intentada contra C, Lda - titular inscrita do prédio descrito sob o nº da freguesia de, concelho de - J e

Leia mais

- 1 - Pº C. Bm. 10/2011 SJC-CT. Consulente: Conservatória do Registo Automóvel de..

- 1 - Pº C. Bm. 10/2011 SJC-CT. Consulente: Conservatória do Registo Automóvel de.. Pº C. Bm. 10/2011 SJC-CT Consulente: Conservatória do Registo Automóvel de.. Relatório 1. A senhora Conservadora da Conservatória do Registo Automóvel de.. deu conhecimento ao IRN, através de e-mail dirigido

Leia mais

P.º n.º R.P. 171/2010 SJC-CT Hipoteca. Registo provisório. Conversão. PARECER

P.º n.º R.P. 171/2010 SJC-CT Hipoteca. Registo provisório. Conversão. PARECER P.º n.º R.P. 171/2010 SJC-CT Hipoteca. Registo provisório. Conversão. PARECER Pela Ap.... de / /, nas fichas nºs e, ambas da freguesia de, do concelho de, foi registada provisoriamente por natureza nos

Leia mais

REGISTO COMERCIAL. Isabel Quinteiro. Adjunta da Conservadora na Conservatória do Registo Predial e Comercial de Montemor-o-Velho

REGISTO COMERCIAL. Isabel Quinteiro. Adjunta da Conservadora na Conservatória do Registo Predial e Comercial de Montemor-o-Velho REGISTO COMERCIAL Isabel Quinteiro Adjunta da Conservadora na Conservatória do Registo Predial e Comercial de Montemor-o-Velho Outubro de 2010 Introdução IRN, IP É um instituto público integrado na administração

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0831/11 Data do Acordão: 16-11-2011 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: PEDRO DELGADO Descritores: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS IRS IRC HIPOTECA PRIVILÉGIO

Leia mais

Consulta: Como efectuar o registo comercial de transformação de sociedade civil em sociedade comercial ou em sociedade civil sob forma comercial?

Consulta: Como efectuar o registo comercial de transformação de sociedade civil em sociedade comercial ou em sociedade civil sob forma comercial? Pº C. Co. 101/2010 SJC-CT. Consulta: Como efectuar o registo comercial de transformação de sociedade civil em sociedade comercial ou em sociedade civil sob forma comercial?... solicitou ao IRN, I.P. que

Leia mais

- 1 - Pº C. Bm. 47/2008 SJC-CT

- 1 - Pº C. Bm. 47/2008 SJC-CT Pº C. Bm. 47/2008 SJC-CT Consulente: Conservatória do Registo Predial, Comercial e Automóvel de... Objecto da Consulta: Termo final do contrato de locação financeira/vigência do registo. Relatório 1. Por

Leia mais

P.º CP 100/2008 SJC-CT- Apresentação por telecópia extravio consequências. PARECER. Relatório

P.º CP 100/2008 SJC-CT- Apresentação por telecópia extravio consequências. PARECER. Relatório P.º CP 100/2008 SJC-CT- Apresentação por telecópia extravio consequências. PARECER Relatório 1.., solicitador, vem junto do Sector de Acção Inspectiva e Disciplinar do IRN, I.P. solicitar que na apresentação

Leia mais

Sumário: Registo da propriedade de veículos ao abrigo do regime transitório especial consagrado no Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro.

Sumário: Registo da propriedade de veículos ao abrigo do regime transitório especial consagrado no Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro. P.º R. Bm. 4/2008 SJC-CT Sumário: Registo da propriedade de veículos ao abrigo do regime transitório especial consagrado no Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro. Recorrente: Manuel. Recorrida: Conservatória

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Logo nesse mesmo dia (1/6/2012), por via eletrónica, e a coberto da ap. n.º...,

DELIBERAÇÃO. Logo nesse mesmo dia (1/6/2012), por via eletrónica, e a coberto da ap. n.º..., 1 P.º n.º R.P. 87/2012 SJC-CT Hipoteca voluntária. Constituição de hipoteca para ampliação de anterior hipoteca registada a favor de sujeito diverso do novo credor. Trato sucessivo. DELIBERAÇÃO Sobre a

Leia mais

P.º R. P. 80/2009 SJC-CT-

P.º R. P. 80/2009 SJC-CT- P.º R. P. 80/2009 SJC-CT- Obrigação de registar Determinação do momento relevante para efeitos do cumprimento da obrigação de registar relativamente a acto cujo registo é promovido por via electrónica,

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Crime que foi introduzido no ordenamento jurídico português pela Lei nº 23/2007, de 4 de Julho, nos seguintes termos:

DELIBERAÇÃO. Crime que foi introduzido no ordenamento jurídico português pela Lei nº 23/2007, de 4 de Julho, nos seguintes termos: Pº C.C. 24/2010 SJC-CT DELIBERAÇÃO Assunto: Emissão pelos Serviços Consulares de certificado de capacidade matrimonial havendo suspeita de destinar-se a casamento de conveniência Os competentes Serviços

Leia mais

PARECER. Foi atribuído à permuta o valor de 500,00, não havendo lugar ao pagamento de qualquer quantia, por inexistir diferença declarada de valores.

PARECER. Foi atribuído à permuta o valor de 500,00, não havendo lugar ao pagamento de qualquer quantia, por inexistir diferença declarada de valores. P.º R. P. 127/2006 DSJ-CT- Contrato de permuta. Sua caracterização. Registo de aquisição do imóvel permutado. Verificação do cumprimento das obrigações fiscais. Anexação de prédios. Requisitos essenciais

Leia mais

Questões iniciais 1. 1.1.

Questões iniciais 1. 1.1. P.º n.º R.P. 151/2010 SJC-CT Parcela de terreno para arredondamento de estremas. Relevância da área e composição da parcela desanexada em face da finalidade prevista no título. PARECER 1. Por escritura

Leia mais

P.º R. P. 18/2010 SJC-CT Expropriação por utilidade pública. Integração do bem expropriado no domínio público. Reflexo a nível tabular.

P.º R. P. 18/2010 SJC-CT Expropriação por utilidade pública. Integração do bem expropriado no domínio público. Reflexo a nível tabular. P.º R. P. 18/2010 SJC-CT Expropriação por utilidade pública. Integração do bem expropriado no domínio público. Reflexo a nível tabular. PARECER 1 Os presentes autos respeitam ao pedido de averbamento ao

Leia mais

Encontra-se consagrado no artigo 408º do Código Civil português, o

Encontra-se consagrado no artigo 408º do Código Civil português, o XV Congresso Internacional de Direito Registral Fortaleza, Novembro de 2005 II tema: Regularização fundiária Breves notas sobre os procedimentos legais conducentes à primeira inscrição, no registo predial

Leia mais

PARECERES DO CONSELHO TÉCNICO

PARECERES DO CONSELHO TÉCNICO PARECERES DO CONSELHO TÉCNICO Proc. nº 32/96 - R.P.4 - Certidão negativa que instruiu escritura de justificação possível divergência entre o seu conteúdo e a realidade tabular. 1 - Isabel Maria Oliveira

Leia mais

P.º R.P. 161/2006 DSJ-CT-

P.º R.P. 161/2006 DSJ-CT- P.º R.P. 161/2006 DSJ-CT- Compatibilização do regime legalmente previsto (D. L. n.º 68/04, de 25/03) que exige a certificação pelo notário na celebração de qualquer escritura pública que envolva a aquisição

Leia mais

Pº R.P. 17/2010 SJC-CT

Pº R.P. 17/2010 SJC-CT Pº R.P. 17/2010 SJC-CT Aquisição. Registo requerido online. Recusa. Falta de pagamento, no prazo legalmente previsto, do emolumento devido pelo processo de recurso. Rejeição do recurso nos termos do disposto

Leia mais

P.º R.P. 31/2010 SJC-CT

P.º R.P. 31/2010 SJC-CT P.º R.P. 31/2010 SJC-CT e P.º C.P. 16/2010 SJC-CT Impugnação hierárquica de conta. Averbamento de actualização do estado civil do titular inscrito do prédio. Constituição de servidão de passagem e constituição

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório. 1. Na Conservatória do Registo Predial de, encontram-se descritos os seguintes prédios:

DELIBERAÇÃO. Relatório. 1. Na Conservatória do Registo Predial de, encontram-se descritos os seguintes prédios: Pº R. P. 255/2007 DSJ-CT- Declaração judicial de nulidade de transacção homologada por sentença transitada em julgado cancelamento de registos. Caso julgado decisão e fundamentos. Baldios. DELIBERAÇÃO

Leia mais

P.º R. Co. 5/2008 DSJ-CT

P.º R. Co. 5/2008 DSJ-CT P.º R. Co. 5/2008 DSJ-CT Sumário: Deliberação sociais. Reflexos de eventuais vícios nos registos. Poderes de qualificação do conservador. Alteração do contrato social. Título para registo. Relatório: 1

Leia mais

P.º R. P. 250/2008 SJC-CT-

P.º R. P. 250/2008 SJC-CT- P.º R. P. 250/2008 SJC-CT- Registo de aquisição, provisório por natureza, com base em contrato-promessa não assinado por todos os titulares inscritos do prédio contitulares de herança indivisa - em comum

Leia mais

Pº R.P. 177/2008 SJC-CT-

Pº R.P. 177/2008 SJC-CT- Pº R.P. 177/2008 SJC-CT- Conversão de prédio ou fracção autónoma para sistema informático na pendência de pedidos de conversão e renovação Apresentação de petição de recurso hierárquico pela via da telecópia

Leia mais

DELIBERAÇÃO. depois sido transcrita na conservatória de sob o n.º... do L.º -

DELIBERAÇÃO. depois sido transcrita na conservatória de sob o n.º... do L.º - 1 P.º n.º R.P. 125/2011 SJC-CT Justificação notarial. Condicionalismo consoante se destine a estabelecer novo trato ou a reatar o trato estabelecido. Área de prédio misto. Conjugação entre registo, matriz

Leia mais

P.º n.º R.P. 76/2012 SJC-CT Emissão de certidão negativa respeitante a prédio indiciariamente integrado no domínio público.

P.º n.º R.P. 76/2012 SJC-CT Emissão de certidão negativa respeitante a prédio indiciariamente integrado no domínio público. 1 P.º n.º R.P. 76/2012 SJC-CT Emissão de certidão negativa respeitante a prédio indiciariamente integrado no domínio público. PARECER Em 31/05/2012, perante a conservatória do registo predial de..., apresentou

Leia mais

2776 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 75 17 de Abril de 2006 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Artigo 6. o. Lei Orgânica n. o 2/2006

2776 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 75 17 de Abril de 2006 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Artigo 6. o. Lei Orgânica n. o 2/2006 2776 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 75 17 de Abril de 2006 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei Orgânica n. o 2/2006 de 17 de Abril Quarta alteração à Lei n. o 37/81, de 3 de Outubro (Lei da Nacionalidade)

Leia mais

1 Registe-se que, segundo o previsto no artigo 99.º, n.º 1, do Código do Notariado, no caso de reatamento do

1 Registe-se que, segundo o previsto no artigo 99.º, n.º 1, do Código do Notariado, no caso de reatamento do P.º n.º R.P. 39/2010 SJC-CT Aquisição. Usucapião. Justificação notarial. Acessão na posse. Interpretação e aplicação do disposto no artigo 1256.º do Código Civil. (Im)possibilidade de afastar, em sede

Leia mais

1 Vide, a este respeito, a opinião expressa por Catarino Nunes, in Código do Registo Predial

1 Vide, a este respeito, a opinião expressa por Catarino Nunes, in Código do Registo Predial P.º n.º R. P. 16/2010 SJC-CT Relevância da declaração inserta em escritura de partilha de que o furo artesiano existente num dos prédios partilhados continua a pertencer em comum e partes iguais aos quatro

Leia mais

PARECER N.º 38/CITE/2005

PARECER N.º 38/CITE/2005 PARECER N.º 38/CITE/2005 Assunto: Parecer nos termos do n.º 3 do artigo 133.º do Código do Trabalho e da alínea j) do n.º 1 do artigo 496.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho Não renovação de contrato

Leia mais

Fórum Jurídico. Julho 2014 Contencioso INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/5

Fórum Jurídico. Julho 2014 Contencioso INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/5 Julho 2014 Contencioso A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação visa a

Leia mais

Pº R. Co. 39/2005 DSJ-CT- Averbamento de mudança de sede para concelho limítrofe Título. DELIBERAÇÃO

Pº R. Co. 39/2005 DSJ-CT- Averbamento de mudança de sede para concelho limítrofe Título. DELIBERAÇÃO Pº R. Co. 39/2005 DSJ-CT- Averbamento de mudança de sede para concelho limítrofe Título. Recorrente:, Ldª. DELIBERAÇÃO Recorrida: Conservatória do Registo Comercial Registo a qualificar: Averbamento à

Leia mais

Pº RP 233/2009 SJC-CT

Pº RP 233/2009 SJC-CT 1 Pº RP 233/2009 SJC-CT -Documento particular autenticado distinção entre assinatura do termo, de um lado, e rubrica das respectivas folhas, do outro. Relevância da omissão de um ou outro dos requisitos

Leia mais

Principais questões jurídicas: SUMÁRIO

Principais questões jurídicas: SUMÁRIO Processo n.º 7 / 2010 Recurso de Decisão Jurisdicional em Matéria Administrativa Data da conferência: 18 de Junho de 2010 Recorrente: Secretário para a Segurança Recorrido: A Principais questões jurídicas:

Leia mais

P.º n.º R.P. 160/2010 SJC-CT Crédito garantido por hipoteca. Transmissão por morte. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 160/2010 SJC-CT Crédito garantido por hipoteca. Transmissão por morte. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 160/2010 SJC-CT Crédito garantido por hipoteca. Transmissão por morte. DELIBERAÇÃO 1. A situação registral do prédio descrito sob o nº... da freguesia de, concelho de, é a seguinte: a) Ap.

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(13)

Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(13) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(13) d) Livro de obra, com menção do termo de abertura; e) Plano de segurança e saúde. 2 Quando a emissão do alvará seja antecedida de deferimento

Leia mais

Parecer proferido no P.º R. P. 72/2013 STJ-CC. Sumário: doação - cláusula de reserva do direito de dispor de coisa determinada extinção.

Parecer proferido no P.º R. P. 72/2013 STJ-CC. Sumário: doação - cláusula de reserva do direito de dispor de coisa determinada extinção. Parecer proferido no P.º R. P. 72/2013 STJ-CC Recorrente: Carlos M. Recorrida: Conservatória do Registo Predial de.. Sumário: doação - cláusula de reserva do direito de dispor de coisa determinada extinção.

Leia mais

Consulta n.º 10/10 Assunto: norma especial norma geral

Consulta n.º 10/10 Assunto: norma especial norma geral Consulta n.º 10/10 Assunto: Livre consulta de processos e pedidos de certidões por Advogados sem necessidade de prévia junção ou exibição de procuração Artigo 74.º, n.º 1, do Estatuto da Ordem dos Advogados

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0715/09 Data do Acordão: 18-11-2009 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO JORGE LINO PENHORA GARANTIA REAL REGISTO TERCEIRO

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0892/08 Data do Acordão: 11-02-2009 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO MIRANDA DE PACHECO IRS MAIS VALIAS TRANSMISSÃO ONEROSA

Leia mais

DELIBERAÇÃO. A situação registral respeitante às referidas fracções é actualmente a seguinte:

DELIBERAÇÃO. A situação registral respeitante às referidas fracções é actualmente a seguinte: P.º R. P. 5/2007 DSJ-CT- Aceitação da herança forma expressa ou tácita. Registo dos bens da herança. Decisão arbitral repúdio da herança e direito de representação. Extinção do direito de superfície. DELIBERAÇÃO

Leia mais

Lei nº 37/81, de 3 de Outubro

Lei nº 37/81, de 3 de Outubro Lei nº 37/81, de 3 de Outubro TÍTULO I Atribuição, aquisição e perda da nacionalidade CAPÍTULO I Atribuição da nacionalidade Artigo 1.o Nacionalidade originária 1 São portugueses de origem: a) Os filhos

Leia mais

Processo nº 240/2010. ASSUNTO: - Simulação

Processo nº 240/2010. ASSUNTO: - Simulação Processo nº 240/2010 (Autos de Recurso Civil e Laboral) Data: 12 de Janeiro de 2012 ASSUNTO: - Simulação SUMÁ RIO: - Para verificar a simulação do preço nos termos do nº 1 do artº 232º do C.C. é necessário

Leia mais

Reforma do Registo Predial Decreto-Lei n.º 116/2008, de 4 de Julho

Reforma do Registo Predial Decreto-Lei n.º 116/2008, de 4 de Julho Reforma do Decreto-Lei n.º 116/2008, de 4 de Julho Paula Isabel Galhardas Reforma do Abolição da competência territorial Registo predial obrigatório Eliminação da necessidade de apresentação junto dos

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 01319/12 Data do Acordão: 13-03-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: FERNANDA MAÇÃS Descritores: Sumário: IMPOSTO DE SELO USUCAPIÃO PRÉDIO RÚSTICO CONSTRUÇÃO JUSTIFICAÇÃO NOTARIAL Nº

Leia mais

N/Referência: P.º RP 17/2015 STJ-CC Data de homologação: 06-05-2015

N/Referência: P.º RP 17/2015 STJ-CC Data de homologação: 06-05-2015 DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 32/ CC / 2015 N/Referência: P.º RP 17/2015 STJ-CC Data de homologação: 06-05-2015 Recorrente: Hermínia A... Recorrido: Conservatória do Registo Predial

Leia mais

trata de lapsus calami : a hipoteca, não o termo de cancelamento da mesma, é que se manterá sobre a área remanescente.

trata de lapsus calami : a hipoteca, não o termo de cancelamento da mesma, é que se manterá sobre a área remanescente. Pº R. P. 237/2006 DSJ-CT- Possibilidade ou não de destaque de parcela, resultante de doação a município para integração no seu domínio privado, de prédio sobre o qual se encontra em vigor um registo de

Leia mais

PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE

PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE: R-1283/99 (A6) DATA: Assunto: Código dos Impostos

Leia mais

2º JUÍZO SECÇÃO DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO

2º JUÍZO SECÇÃO DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO Acórdão do Tribunal Central Administrativo Sul Processo: 06247/10 Secção: Data do Acordão: Relator: Descritores: Sumário: 2º JUÍZO SECÇÃO DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO 14-10-2010 RUI PEREIRA OPOSIÇÃO À

Leia mais

Processo n.º 88/2002 Data do acórdão: 2002-07-11

Processo n.º 88/2002 Data do acórdão: 2002-07-11 Processo n.º 88/2002 Data do acórdão: 2002-07-11 (Recurso civil) Assuntos: Contrato de desenvolvimento para a habitação (CDH) Art.º 22.º do Decreto-Lei n.º 13/93/M, de 12 de Abril Execução de dívida relacionada

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 163 24 de Agosto de 2007 5659 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 40/2007 de 24 de Agosto Aprova um regime especial de constituição imediata de associações e actualiza o

Leia mais

dinheiro respeitante à parte restante do preço pago nada se esclarece, sendo de presumir que pertença a ambos.

dinheiro respeitante à parte restante do preço pago nada se esclarece, sendo de presumir que pertença a ambos. P.º n.º R. P. 38/2012 SJC-CT Registos de aquisição titulados por escritura de doação efetuada por cônjuges casados entre si no regime de separação de bens. Indefinição da natureza dos bens transmitidos.

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Página 1 de 11 Acórdãos STA Processo: 0606/14 Data do Acordão: 10-09-2014 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: PEDRO DELGADO Descritores: Sumário: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório

DELIBERAÇÃO. Relatório P.º R. P. 237/2008 SJC-CT- Registo de aquisição. Escritura pública de compra e venda de edifício inacabado. Exigência ou não da apresentação da licença de construção em vigor, face à não ocorrência de

Leia mais

NOTA JURÍDICA. corresponde a 343,28. Consequentemente, o valor referido no artigo em apreço equivale a mil vezes o dito índice 100, ou seja, 343.280.

NOTA JURÍDICA. corresponde a 343,28. Consequentemente, o valor referido no artigo em apreço equivale a mil vezes o dito índice 100, ou seja, 343.280. NOTA JURÍDICA 1) A MULTICENCO ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS, S.A., ora CONSULENTE, solicitou esclarecimentos sobre a seguinte questão: a celebração, entre a CONSULENTE e o MUNICÍPIO DE SETÚBAL, de contrato

Leia mais

EX.MO SR. DR. JUIZ DE DIREITO DO TRIBUNAL ADMINISTRATIVO E FISCAL DE PONTA DELGADA ACÇÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL. contra

EX.MO SR. DR. JUIZ DE DIREITO DO TRIBUNAL ADMINISTRATIVO E FISCAL DE PONTA DELGADA ACÇÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL. contra EX.MO SR. DR. JUIZ DE DIREITO DO TRIBUNAL ADMINISTRATIVO E FISCAL DE PONTA DELGADA SINDICATO DEMOCRÁTICO DOS PROFESSORES DOS AÇORES, Pessoa Colectiva n.º 512029261, com sede na Rua Arcanjo Lar, n.º 7,

Leia mais

BOLETIM DOS REGISTOS E DO NOTARIADO

BOLETIM DOS REGISTOS E DO NOTARIADO BOLETIM DOS REGISTOS E DO NOTARIADO Outubro 9/2002 II Caderno PARECERES DO CONSELHO TÉCNICO Proc. nº R.P. 240/2001 DSJ-CT - Inscrições provisórias por natureza e por dúvidas - Prazos para a sua conversão.

Leia mais

ARTIGO 1º Âmbito O presente Regulamento define as condições de candidatura, avaliação e distinção dos

ARTIGO 1º Âmbito O presente Regulamento define as condições de candidatura, avaliação e distinção dos REGULAMENTO ENQUADRAMENTO O mais recente diploma legal que estabelece o regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos - Decreto-Lei n.º 39/2008, de 7 de Março,

Leia mais

Processo nº 984/2010. ASSUNTO: - Modificabilidade da decisão de facto - Usucapião do domínio útil

Processo nº 984/2010. ASSUNTO: - Modificabilidade da decisão de facto - Usucapião do domínio útil Processo nº 984/2010 (Autos de Recurso Civil e Laboral) Data: 12 de Janeiro de 2012 ASSUNTO: - Modificabilidade da decisão de facto - Usucapião do domínio útil SUMÁ RIO: - Nos termos do nº 1 do artº 599º

Leia mais

Síntese de diversas matérias fiscais de maior relevo ocorridas na 2.ª quinzena de julho de 2015 1

Síntese de diversas matérias fiscais de maior relevo ocorridas na 2.ª quinzena de julho de 2015 1 Síntese de diversas matérias fiscais de maior relevo ocorridas na 2.ª quinzena de julho de 2015 1 1 - Estatuto das Instituições Particulares de Solidariedade Social: - Lei n.º 76/2015 de 28 de julho. Primeira

Leia mais

Processo nº 80/2003 Data: 07.05.2003

Processo nº 80/2003 Data: 07.05.2003 Processo nº 80/2003 Data: 07.05.2003 Assuntos : Recurso judicial do despacho de recusa de registo de marca. Autorização do titular da firma que figura na marca. SUMÁRIO 1. A marca é um sinal que tem como

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo:

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo: Acórdãos STA Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Processo: 01351/13 Data do Acordão: 25-09-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: CASIMIRO GONÇALVES Descritores: Sumário: Nº Convencional: JSTA000P16246

Leia mais

BOLETIM DOS REGISTOS E DO NOTARIADO

BOLETIM DOS REGISTOS E DO NOTARIADO BOLETIM DOS REGISTOS E DO NOTARIADO Junho II Caderno PARECERES DO CONSELHO TÉCNICO 6/2002 Proc. nº R.Co. 85/2001 DSJ-CT - Aumento de capital - Titularidade da participação social por fundo de investimento.

Leia mais

Decreto-Lei n.º 111/2005, de 08/07

Decreto-Lei n.º 111/2005, de 08/07 Contém as alterações dos seguintes diplomas: DL n.º 33/2011, de 07/03 DL n.º 99/2010, de 02/09 DL n.º 247-B/2008, de 30/12 DL n.º 318/2007, de 26/09 DL n.º 125/2006, de 29/06 DL n.º 76-A/2006, de 29/03

Leia mais

Regulamento para atribuição do Cartão Municipal do Idoso na área do Município de Lagoa Açores

Regulamento para atribuição do Cartão Municipal do Idoso na área do Município de Lagoa Açores Regulamento para atribuição do Cartão Municipal do Idoso na área do Município de Lagoa Açores Preâmbulo Aos Municípios incumbem, em geral, prosseguir os interesses próprios, comuns e específicos das populações

Leia mais