DELIBERAÇÃO. Do despacho de recusa foi interposto recurso hierárquico, cujos termos aqui se dão por integralmente reproduzidos.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DELIBERAÇÃO. Do despacho de recusa foi interposto recurso hierárquico, cujos termos aqui se dão por integralmente reproduzidos."

Transcrição

1 Pº R.P. 16/2008 SJC-CT- Registo de hipoteca legal nos termos do artº 195º do CPPT Título Suficiência Despacho do Chefe de Serviço de Finanças competente que a requerimento do executado autorize a substituição da hipoteca voluntária a constituir nos termos do artº 199º CPPT por hipoteca legal Provisoriedade por dúvidas do registo de hipoteca legal de prédio bem comum relativamente ao qual não seja comprovada a participação do cônjuge do executado no procedimento da formação da decisão de constituição de garantia. Relatório: DELIBERAÇÃO A fracção autónoma está registada em nome do ora recorrente, no estado de casado sob o regime de comunhão de adquiridos com Maria, por compra (G-2 Ap. 08/ ). O título base do registo peticionado é uma certidão extraída dos autos de execução fiscal nº e aps, pendentes no Serviço de Finanças de, em que é executado por reversão o ora recorrente, no estado de casado no citado regime de bens com aquela Maria, que certifica que por despacho de do Chefe de Serviço de Finanças foi aceite a constituição de hipoteca legal sobre a referida fracção autónoma para efeitos de prestação de garantia do crédito tributário nos termos do art. 199º do CPPT, no valor de ,58. Anexo à certidão figura fotocópia de uma informação e juntada de , em que o mesmo funcionário certificador declara que o executado por reversão apresentou requerimento solicitando que seja emitida certidão na qual conste que o mesmo deverá efectuar hipoteca legal sobre a fracção em vez de hipoteca voluntária, e informa que o executado apresentou oposição à reversão, tendo na mesma altura solicitado a suspensão da execução ao abrigo do art. 169º do CPPT, e apresentado como garantia o imóvel que lhe pertence, e ainda que por despacho de foi autorizado o registo de hipoteca voluntária sobre a fracção do executado. Consta ainda da citada fotocópia um despacho de 8 de Outubro de 2007 do Chefe do Serviço de Finanças, do seguinte teor: Visto a informação supra [não pode ser a anteriormente referida, de ], autorizo a substituição da hipoteca voluntária oferecida pelo executado por hipoteca legal a ser constituída a favor da Fazenda Nacional, bem como a prorrogação por mais 30 dias do prazo para apresentar a referida hipoteca legal. O pedido de registo foi recusado, de acordo com o despacho do seguinte teor: Nem se apresentou título suficiente para fundamentar o registo, nem o apresentante tem legitimidade para esse pedido. A hipoteca legal constituída nos termos previstos no art. 195º do CPPT deve constar de acto constitutivo do órgão de execução fiscal, cabendo a este a legitimidade para requerer o respectivo registo. Art. 195º CPPT; art. 43º, 68º e 69º nº 1 al. b) do CRP. Do despacho de recusa foi interposto recurso hierárquico, cujos termos aqui se dão por integralmente reproduzidos. A Senhora Conservadora recorrida sustentou a decisão de recusa em despacho cujos termos também aqui se dão por integralmente reproduzidos. O processo é o próprio, as partes legítimas, o recurso é tempestivo (cfr. despacho de sustentação), o recorrente está devidamente representado, e inexistem questões prévias ou prejudiciais que obstem ao conhecimento do mérito. 1

2 A posição deste Conselho vai expressa na seguinte Deliberação 1- O registo de hipoteca legal constituída nos termos do art. 195º do Código de Procedimento e de Processo Tributário (CPPT) é efectuado com base em documento comprovativo da decisão do órgão de execução fiscal que declarou constituída aquela garantia, devendo considerar-se que consubstancia essa decisão o despacho do Chefe de Serviço de Finanças por onde corre a execução fiscal que, a requerimento do executado, autorizou a substituição de hipoteca voluntária a constituir nos termos do art. 199º do CPPT por hipoteca legal Decorre dos autos que contra o ora recorrente foi revertida a execução. Este deduziu oposição à execução, mas para que a execução seja suspensa é necessário constituir garantia nos termos do art. 195º ou prestar garantia nos termos do art. 199º (cfr. arts. 212º e 169º, do CPPT). Pelos vistos, o executado por reversão pretendeu inicialmente prestar garantia nos termos do art. 199º do CPPT, mediante hipoteca voluntária da fracção autónoma. Mas, em determinado momento, resolveu requerer ao órgão de execução fiscal que a hipoteca voluntária que não chegou a constituir fosse substituída por hipoteca legal. A nosso ver, o despacho do órgão de execução fiscal consubstancia uma decisão de constituição de hipoteca legal. Reconhecemos que a letra autorizo a substituição da hipoteca voluntária ( ) por hipoteca legal a ser constituída ( ) (sublinhados nossos) pode sugerir que o despacho não é o acto constitutivo da garantia. Mas não cremos que assim se deva entender. O que a Administração Tributária fez foi aceitar a proposta do executado por reversão, de que fosse constituída hipoteca legal para garantia da dívida tributária. Pelo que o despacho, ao aceitar a proposta, mais não fez do que constituir a garantia, sendo certo aliás que o autor do despacho era a entidade legítima (legitimidade substantiva) para tal. Claro que será discutível se a decisão está, ou deveria estar, fundamentada. A nova redacção do nº 1 do art. 195º do CPPT, introduzida pelo D.L. nº 53-A/2006, de 29.12, omitiu a referência à necessidade de fundamentação da decisão constitutiva da garantia. Aliás, o nº 2 daquele art. 195º, na redacção introduzida pelo citado Decreto-Lei, diz-nos que «a hipoteca legal é constituída com o pedido de registo à conservatória competente, que é efectuado por via electrónica, sempre que possível», o que, conjugado com o nº 1, pode sugerir, um pouco à imagem do regime da penhora, que o pedido de registo (comunicação) da hipoteca legal, formulado pelo órgão de execução fiscal, vale como título. Porém, no nosso modo de ver, continua a ser necessária uma decisão fundamentada do órgão de execução fiscal, e é esta decisão que consubstancia o acto constitutivo da hipoteca legal, de que terá que ser feita prova no processo de registo (ainda que o pedido seja formulado por via electrónica). Julgamos ser esta também a posição de Jorge Lopes de Sousa, in Código de Procedimento e de Processo Tributário, 5ª ed., Vol. II, 2007, pág É claro que, se o título é a decisão fundamentada do órgão de execução fiscal, o pedido de registo pode ser formulado por pessoa legítima de acordo com as regras do processo de registo (cfr. art. 36º do C.R.P.), sendo então indiscutível que o próprio executado por reversão titular do bem hipotecado tem legitimidade para pedir. 2

3 2- Deverá ser efectuado provisoriamente por dúvidas o registo de hipoteca legal de prédio que à face das tábuas é bem comum do casal, se não estiver comprovado que o cônjuge do executado participou no procedimento de formação da decisão de constituição da garantia 2. Porém, o que verdadeiramente importa questionar é se o princípio da legalidade plasmado no art. 68º do C.R.P. impõe ao conservador a apreciação da validade da decisão do órgão de execução fiscal que declarou constituída a hipoteca legal. Cremos muito convictamente que nem aquele princípio nem qualquer outro impõem tal apreciação. Como defende Jorge Lopes de Sousa (ob. cit., págs. 285/287), a decisão de constituição da garantia é um acto de natureza administrativa, a que têm de ser aplicados os requisitos procedimentais exigidos para tal tipo de actos e os requisitos gerais dos actos administrativos em matéria tributária, inclusivamente no que concerne ao direito de audição e sua dispensa e de fundamentação. Mas não só. Exactamente pela mesma razão, a decisão de constituição de hipoteca legal está sujeita a notificação aos que por tal acto sejam afectados (art. 268º, nº 3, da Constituição) e pode ser impugnada contenciosamente (mesma disposição legal), no caso, tratando-se de decisão tomada em processo de execução fiscal, através da reclamação prevista no art. 276º do CPPT. Assim sendo, mal se perceberia que, sendo o acto constitutivo da garantia susceptível de apreciação contenciosa no próprio processo de execução fiscal onde foi praticado, o conservador recusasse o ingresso do facto no Registo a pretexto da sua invalidade. Portanto, o conservador não é a nosso ver competente para apreciar a validade desta decisão. Ainda que entenda que a hipoteca legal não pode ser constituída sobre bens de responsáveis subsidiários contra quem tenha sido dirigida a execução fiscal (cfr.art. 153º do CPPT e Jorge Lopes de Sousa, ob. cit., pág. 286), ou que a decisão que a declarou constituída não está fundamentada, o conservador não deve levantar obstáculos ao registo. O titular do bem sobre que recaiu a garantia é que poderá reagir através da respectiva reclamação contenciosa. 2 - Questão diversa, e que também está colocada nos autos, é a de saber se o conservador terá que apreciar a responsabilidade do cônjuge do executado ou, ainda que não tenha que fazê-lo, se deverá exigir a comprovação da sua participação no procedimento de formação da decisão de constituição da garantia. Quanto à apreciação da responsabilidade do cônjuge do executado. No Código de Processo Tributário (CPT), art. 302º, o cônjuge do executado só era citado para requerer a separação judicial de bens quando na execução para cobrança de coimas eram imediatamente penhorados bens comuns. Como então sustentavam Alfredo José de Sousa e José da Silva Paixão, in Código de Processo Tributário, 1991, pág. 579, «o preceito em anotação é aplicável apenas às execuções por coimas fiscais, mas já não se aplica às execuções por contribuições, impostos ou taxas, na medida em que pelo seu pagamento respondem sempre os bens comuns». De acordo com o art. 220º do CPPT, o cônjuge do executado deverá ser citado para requerer a separação judicial de bens não só na execução para cobrança de coima fiscal mas também na execução com fundamento em responsabilidade tributária exclusiva de um dos cônjuges. Aliás, já no domínio do CPT havia quem fizesse a interpretação extensiva do referido art. 302º (cfr. Jorge Lopes de Sousa, ob. cit., pag. 450). Porém, para além disso, diz-nos o art. 239º, nº 1, do CPPT que, feita a penhora e junta a certidão de ónus, o cônjuge do executado também será citado quando a penhora incida 3

4 sobre bens imóveis ou bens móveis sujeitos a registo. Comentando esta norma em confronto com a norma da al.a) do nº 1 do art. 864º do CPC em que o cônjuge do executado só será citado quando o executado não puder alienar livremente o imóvel sobre que tenha recaído a penhora -, sustenta Jorge Lopes de Sousa (ob. cit., pág. 490) que a razão de ser desta obrigatoriedade de citação do cônjuge, no processo de execução fiscal, não é, primacialmente, a defesa dos interesses patrimoniais deste, mas antes a protecção do interesse da segurança e estabilidade das vendas no processo de execução fiscal. Mas o ponto que aqui pretendemos salientar é que, em qualquer dos casos, o registo da penhora pode ser definitivamente efectuado sem a prévia intervenção no processo de execução fiscal do cônjuge do executado (portanto, quando no processo o cônjuge não assume também ele ab initio a posição de executado). Podendo mesmo vir a acontecer que, não tendo por lapso sido citado o cônjuge do executado, a venda entretanto efectuada não possa ser anulada porque no caso o exequente não foi o exclusivo beneficiário (cfr. art. 864º, nº 10, do CPC). Em face do exposto, cremos que está completamente fora do âmbito de competência do conservador apreciar se a responsabilidade tributária que o órgão de execução fiscal em determinado processo visa accionar é de ambos os cônjuges ou exclusiva de um deles (o que obviamente não impede que o conservador deva conhecer que «as dívidas derivadas de responsabilidade subsidiária, nos casos em que ela tem por base uma actuação real ou presumidamente culposa do responsável subsidiário que tenha provocado condições para a falta de pagamento de dívidas tributárias» serão da exclusiva responsabilidade de um dos cônjuges (o responsável subsidiário), cabendo tais dívidas no conceito de «indemnizações» referido na al. b) do art. 1692º do C.C. cfr. Jorge Lopes de Sousa, ob. cit., pág. 451). Em ambos os casos, de responsabilidade de ambos os cônjuges ou de responsabilidade exclusiva de um deles, podem ser imediatamente penhorados bens comuns, e é essa penhora que o Registo deve acolher sem obstáculos. Obstáculos apenas se justificariam se fosse penhorado um bem pertencente exclusivamente ao cônjuge do executado por reversão (cfr. parecer emitido no Pº nº 4/96 R.P. 4, in BRN nº 6/96, onde na conclusão I existe um lamentável lapso de impressão onde está ( ) pertencente exclusivamente ao cônjuge por reversão deveria figurar ( ) pertencente exclusivamente ao cônjuge do executado por reversão ). Sendo assim, como se nos afigura, no âmbito do registo da penhora, não descortinamos como deva ou possa ser de modo diverso no âmbito do registo da hipoteca legal «decidida» no processo de execução fiscal. Não podemos perder de vista que in casu estamos perante uma hipoteca legal de contornos especiais. Trata-se de uma hipoteca que é constituída num procedimento administrativo enxertado no próprio processo de execução fiscal e sujeito ele mesmo a controlo contencioso que poderá ser desencadeado no próprio processo. Pelo que não se justifica que o conservador exerça aqui qualquer tipo de actividade de apuramento da natureza da responsabilidade tributária para o efeito de determinar se o concreto bem hipotecado poderia ou não ser afectado à garantia daquela responsabilidade. Cremos que ao caso não é aplicável a doutrina do parecer emitido no Pº R.P. 43/2000 DSJ-CT, in BRN nº 8/2000, págs. 17 e segs. Quanto à exigência de intervenção do cônjuge do executado no procedimento de formação da decisão de constituição de hipoteca legal. Como já salientámos na nota anterior, a decisão de constituição de hipoteca legal é um acto de natureza administrativa em matéria tributária a que devem ser aplicados os 4

5 Em face do exposto, é entendimento do Conselho que o recurso merece provimento parcial, devendo o registo de hipoteca legal ser efectuado provisoriamente por dúvidas, podendo estas vir a ser removidas com a comprovação de que o cônjuge do executado por reversão participou no procedimento de formação da decisão do órgão de execução fiscal que declarou constituída a garantia. João Guimarães Gomes de Bastos, relator Deliberação aprovada em sessão do Conselho Técnico de 26 de Junho de Esta deliberação foi homologada pelo Exmo. Senhor Presidente em requisitos gerais. Portanto, parece-nos que no procedimento de formação da decisão constitutiva da garantia o cônjuge do executado, contitular do imóvel hipotecado, deve intervir. O ponto está em saber se o conservador deve exigir a comprovação dessa intervenção. Numa visão algo fundamentalista da função registral, na perspectiva do registo consolidativo, até se justificaria que o registo da hipoteca legal só fosse efectuado definitivamente depois de a decisão constitutiva da garantia se tornar, ela própria, definitiva. E ela só se tornará definitiva se não for interposta reclamação no prazo legal (cfr. art. 277º do CPPT) ou se, interposta reclamação, esta vier a ser julgada improcedente. Aliás, cumpre salientar que com a nova redacção do art. 276º do CPPT, introduzida pela Lei nº 109-B/2001, de 27.12, o «terceiro» afectado nos seus direitos ou interesses legítimos, e não apenas o executado, pode deduzir reclamação. Porém, não cremos que assim se deva entender. Desde logo, porque a lei não prevê a provisoriedade por natureza do registo da hipoteca legal, tal como prevê a provisoriedade por natureza do registo da hipoteca judicial antes de passada em julgado a sentença [cfr. art. 92º, nº 1, l), do C.R.P.]. Além de que, como aliás já acentuámos e este ponto é a nosso ver determinante -, a decisão pode ser atacada por forma expedita no próprio processo de execução fiscal, pelo que quer o executado quer o «terceiro» seu cônjuge não sofrerão uma intolerável intromissão na sua esfera patrimonial com o registo definitivo da decisão antes de ela própria se tornar definitiva. Mas se advogamos que o conservador não exija a comprovação da definitividade da decisão constitutiva da hipoteca legal, e também não exija a comprovação da intervenção do executado no concreto procedimento de formação daquela decisão porque, bem vistas as coisas, o executado já é sujeito processual -, não podemos deixar de defender a exigência da comprovação no processo de registo da participação do cônjuge do executado no procedimento de formação da decisão de constituição da hipoteca legal. É, a nosso ver, o mínimo exigível, na perspectiva do trato sucessivo. Como comprovar a participação do cônjuge do executado no procedimento de formação da decisão constitutiva da hipoteca legal? Não cremos que seja absolutamente necessário certificar que ele foi notificado da decisão (o que eventualmente poderia prejudicar o acesso através do registo à prioridade do direito de garantia). Tal só se revelará necessário nos casos legalmente previstos de inexistência de audição dos interessados (cfr. art. 103º do CPA). Tendo havido audiência do cônjuge do executado, bastará certificar isso mesmo. 5

6 6

Sumário: Registo da propriedade de veículos ao abrigo do regime transitório especial consagrado no Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro.

Sumário: Registo da propriedade de veículos ao abrigo do regime transitório especial consagrado no Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro. P.º R. Bm. 4/2008 SJC-CT Sumário: Registo da propriedade de veículos ao abrigo do regime transitório especial consagrado no Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro. Recorrente: Manuel. Recorrida: Conservatória

Leia mais

P.º R. P. 301/04 DSJ-CT

P.º R. P. 301/04 DSJ-CT P.º R. P. 301/04 DSJ-CT - Registo de hipoteca legal por dívidas à Segurança Social sobre bens dos gerentes da sociedade devedora. Documentos instrutórios : certidão comprovativa da dívida e cópia autenticada

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0715/09 Data do Acordão: 18-11-2009 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO JORGE LINO PENHORA GARANTIA REAL REGISTO TERCEIRO

Leia mais

Pº R.P. 177/2008 SJC-CT-

Pº R.P. 177/2008 SJC-CT- Pº R.P. 177/2008 SJC-CT- Conversão de prédio ou fracção autónoma para sistema informático na pendência de pedidos de conversão e renovação Apresentação de petição de recurso hierárquico pela via da telecópia

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0831/11 Data do Acordão: 16-11-2011 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: PEDRO DELGADO Descritores: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS IRS IRC HIPOTECA PRIVILÉGIO

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório:

DELIBERAÇÃO. Relatório: P.º n.º R. P. 234/2007DSJ-CT:Contrato de arrendamento comercial incidente sobre parte de prédio urbano, com duração superior a seis anos - Sua registabilidade. DELIBERAÇÃO Relatório: 1 Em 28 de Setembro

Leia mais

DE ACTO PRATICADO PELO ÓRGÃO DA EXECUÇÃO FISCAL MORTE DO EXECUTADO PENHORA HERANÇA INDIVISA DESPACHO VENDA

DE ACTO PRATICADO PELO ÓRGÃO DA EXECUÇÃO FISCAL MORTE DO EXECUTADO PENHORA HERANÇA INDIVISA DESPACHO VENDA Acórdãos STA Processo: 0485/13 Data do Acordão: 15-05-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: CASIMIRO GONÇALVES Descritores: Sumário: Nº Convencional: JSTA000P15725 Nº do Documento: SA2201305150485 Data de Entrada:

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo:

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo: Acórdãos STA Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Processo: 01351/13 Data do Acordão: 25-09-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: CASIMIRO GONÇALVES Descritores: Sumário: Nº Convencional: JSTA000P16246

Leia mais

P.º R. P. 80/2009 SJC-CT-

P.º R. P. 80/2009 SJC-CT- P.º R. P. 80/2009 SJC-CT- Obrigação de registar Determinação do momento relevante para efeitos do cumprimento da obrigação de registar relativamente a acto cujo registo é promovido por via electrónica,

Leia mais

P.º R. P. 22/2009 SJC-CT-

P.º R. P. 22/2009 SJC-CT- P.º R. P. 22/2009 SJC-CT- Averbamento de rectificação da descrição quanto à área, fundado em erro de medição. Enquadramento do respectivo pedido na previsão legal do artigo 28.º-C do CRP ou no processo

Leia mais

Pº R.P.135 136 /2009 SJC-CT-

Pº R.P.135 136 /2009 SJC-CT- Pº R.P.135 e 136 /2009 SJC-CT- (Im)possibilidade legal de incluir a cláusula de reversão dos bens doados em contrato de partilha em vida. DELIBERAçÃO Relatório 1. Os presentes recursos hierárquicos vêm

Leia mais

P.º R.P. 67/2009 SJC-CT

P.º R.P. 67/2009 SJC-CT P.º R.P. 67/2009 SJC-CT Escritura pública versus documento particular autenticado e depositado electronicamente Compra e venda Documento particular outorgado e assinado pelas partes e por solicitador Recusa

Leia mais

dinheiro respeitante à parte restante do preço pago nada se esclarece, sendo de presumir que pertença a ambos.

dinheiro respeitante à parte restante do preço pago nada se esclarece, sendo de presumir que pertença a ambos. P.º n.º R. P. 38/2012 SJC-CT Registos de aquisição titulados por escritura de doação efetuada por cônjuges casados entre si no regime de separação de bens. Indefinição da natureza dos bens transmitidos.

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0347/13 Data do Acordão: 03-07-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: FERNANDA MAÇÃS Descritores: GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS Sumário: Nº Convencional: JSTA000P16033 Nº do Documento: SA2201307030347

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório:

DELIBERAÇÃO. Relatório: Pº R.P. 274/2007 DSJ-CT- Modificação do conteúdo do direito de propriedade horizontal Alteração do regime de uso de certa parte comum de edifício destinado a parqueamento automóvel Suficiência da verificação,

Leia mais

Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal. Samuel Fernandes de Almeida

Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal. Samuel Fernandes de Almeida Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal Samuel Fernandes de Almeida Introdução O problema político da humanidade écombinar três coisas: eficiência económica, justiça social e liberdade individual

Leia mais

P.º R. P. 250/2008 SJC-CT-

P.º R. P. 250/2008 SJC-CT- P.º R. P. 250/2008 SJC-CT- Registo de aquisição, provisório por natureza, com base em contrato-promessa não assinado por todos os titulares inscritos do prédio contitulares de herança indivisa - em comum

Leia mais

2- Com o devido respeito, esta é uma falsa questão. Senão vejamos:

2- Com o devido respeito, esta é uma falsa questão. Senão vejamos: Pº CP 3/06 DSJ-CT: Desjudicialização - Processo especial de justificação - Acção declarativa comum para reconhecimento do direito de propriedade - Competência material dos julgados de paz CONSULTA: Parecer

Leia mais

Pº R.P.16/2005 DSJ-CT Usufruto Alienação conjunta, gratuita ou onerosa, por nu proprietário e usufrutuário Eficácia real Efeitos tabulares.

Pº R.P.16/2005 DSJ-CT Usufruto Alienação conjunta, gratuita ou onerosa, por nu proprietário e usufrutuário Eficácia real Efeitos tabulares. Pº R.P.16/2005 DSJ-CT Usufruto Alienação conjunta, gratuita ou onerosa, por nu proprietário e usufrutuário Eficácia real Efeitos tabulares. PARECER Registo a qualificar: Aquisição da fracção autónoma U1

Leia mais

Pº R.P. 71/2008 SJC-CT

Pº R.P. 71/2008 SJC-CT Pº R.P. 71/2008 SJC-CT Aditamento a alvará de loteamento Ampliação de área de lote por redução da área do domínio público municipal Título para registo. DELIBERAÇÃO Relatório: O Município de. requisitou

Leia mais

BOLETIM DOS REGISTOS E DO NOTARIADO

BOLETIM DOS REGISTOS E DO NOTARIADO BOLETIM DOS REGISTOS E DO NOTARIADO Outubro 9/2002 II Caderno PARECERES DO CONSELHO TÉCNICO Proc. nº R.P. 240/2001 DSJ-CT - Inscrições provisórias por natureza e por dúvidas - Prazos para a sua conversão.

Leia mais

No Site do Instituto de Registos e Notariado (www.irn.mj.pt) poderão obter se os Contactos dos Serviços de Registo Predial.

No Site do Instituto de Registos e Notariado (www.irn.mj.pt) poderão obter se os Contactos dos Serviços de Registo Predial. VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! As normas da compra e venda são aplicáveis aos outros contratos onerosos pelos quais se alienam bens ou se estabeleçam encargos sobre eles, na medida

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Página 1 de 15 Acórdãos STA Processo: 01500/14 Data do Acordão: 20-05-2015 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: ISABEL MARQUES DA SILVA Descritores: CONTRIBUIÇÕES DÍVIDA À SEGURANÇA SOCIAL PRESCRIÇÃO INTERRUPÇÃO

Leia mais

ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE

ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE 6 de Junho de 2006 Nome: N.º Leia atentamente as questões

Leia mais

2º JUÍZO SECÇÃO DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO OPOSIÇÃO À AQUISIÇÃO DA NACIONALIDADE PORTUGUESA PROCESSO CRIME PENDENTE SUSPENSÃO DA INSTÂNCIA

2º JUÍZO SECÇÃO DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO OPOSIÇÃO À AQUISIÇÃO DA NACIONALIDADE PORTUGUESA PROCESSO CRIME PENDENTE SUSPENSÃO DA INSTÂNCIA Acórdão do Tribunal Central Administrativo Sul Processo: 06722/10 Secção: 2º JUÍZO SECÇÃO DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO Data do Acordão: Relator: Descritores: Sumário: 14-10-2010 RUI PEREIRA OPOSIÇÃO À

Leia mais

Especificidades do Processo Administrativo relativamente ao actual Código de Processo Civil

Especificidades do Processo Administrativo relativamente ao actual Código de Processo Civil Especificidades do Processo Administrativo relativamente ao actual Código de Processo Civil A 3ª Reunião Anual da Justiça Administrativa, tem como tema Um Novo Processo para a Justiça Administrativa. O

Leia mais

A REFORMA DA ACÇÃO EXECUTIVA E O REGISTO PREDIAL I INTRODUÇÃO

A REFORMA DA ACÇÃO EXECUTIVA E O REGISTO PREDIAL I INTRODUÇÃO A REFORMA DA ACÇÃO EXECUTIVA E O REGISTO PREDIAL Armindo Ribeiro Mendes I INTRODUÇÃO 1. Entrou em vigor em 15 de Setembro do corrente ano um conjunto de diplomas que corporiza a chamada Reforma da Acção

Leia mais

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES PROCº 3718/12.1TBBCL.G1 I - RELATÓRIO Visam os presentes autos a resolução do conflito de competência entre os Senhores Juizes do 2º e 3º Juízos Cíveis do Tribunal Judicial de Barcelos que, por despachos

Leia mais

PARECER. 3 O registo foi efectuado como provisório por dúvidas com base nos motivos a seguir transcritos:

PARECER. 3 O registo foi efectuado como provisório por dúvidas com base nos motivos a seguir transcritos: P.º n.º R.P. 222/2010 SJC-CT Partilha de herança. Natureza jurídica. Bem atribuído a herdeira casada no regime de comunhão de adquiridos. Natureza do bem. Pagamento de tornas à custa de dinheiro comum

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO- RECURSO CONTENCIOSO - DECISÃO JUDICIAL. Tribunal Judicial da Comarca de Setúbal

JUSTIFICAÇÃO- RECURSO CONTENCIOSO - DECISÃO JUDICIAL. Tribunal Judicial da Comarca de Setúbal JUSTIFICAÇÃO- RECURSO CONTENCIOSO - DECISÃO JUDICIAL I RELATÓRIO Tribunal Judicial da Comarca de Setúbal Maria ( ) interpôs recurso da decisão proferida pelo Conservador da 1.ª Conservatória do Registo

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0210/12 Data do Acordão: 21-11-2012 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: PEDRO DELGADO Descritores: Sumário: RECLAMAÇÃO GRACIOSA IMPUGNAÇÃO TEMPESTIVIDADE NULIDADE DIREITO DE AUDIÇÃO Nº Convencional:

Leia mais

BOLETIM DOS REGISTOS E DO NOTARIADO. II Caderno PARECERES DO CONSELHO TÉCNICO

BOLETIM DOS REGISTOS E DO NOTARIADO. II Caderno PARECERES DO CONSELHO TÉCNICO BOLETIM Abril DOS REGISTOS E DO NOTARIADO 4/2002 II Caderno PARECERES DO CONSELHO TÉCNICO Proc. nº R.P. 103/2001 DSJ-CT - Registo de arrolamento. 2 Proc. nº R.P. 131/2001 DSJ-CT - Registos de aquisição

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Processo: 0252/14 Data do Acordão: 23-04-2014 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: PEDRO DELGADO Descritores: Sumário: GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS IRS HIPOTECA

Leia mais

P.º 110.SJC.GCS/2010

P.º 110.SJC.GCS/2010 PARECER: DESPACHO: P.º 110.SJC.GCS/2010 ASSUNTO: Disposição transitória do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro. 1. O Senhor Chefe do Gabinete de Sua Excelência, o Secretário de Estado

Leia mais

Supremo Tribunal Administrativo:

Supremo Tribunal Administrativo: Acórdãos STA Processo: 01241/09 Data do Acordão: 24-03-2010 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO DULCE NETO IRS MAIS VALIAS REINVESTIMENTO EMPRÉSTIMO

Leia mais

Consulta: Como efectuar o registo comercial de transformação de sociedade civil em sociedade comercial ou em sociedade civil sob forma comercial?

Consulta: Como efectuar o registo comercial de transformação de sociedade civil em sociedade comercial ou em sociedade civil sob forma comercial? Pº C. Co. 101/2010 SJC-CT. Consulta: Como efectuar o registo comercial de transformação de sociedade civil em sociedade comercial ou em sociedade civil sob forma comercial?... solicitou ao IRN, I.P. que

Leia mais

Decreto-Lei n.º 111/2005, de 08/07

Decreto-Lei n.º 111/2005, de 08/07 Contém as alterações dos seguintes diplomas: DL n.º 33/2011, de 07/03 DL n.º 99/2010, de 02/09 DL n.º 247-B/2008, de 30/12 DL n.º 318/2007, de 26/09 DL n.º 125/2006, de 29/06 DL n.º 76-A/2006, de 29/03

Leia mais

formalizada por escritura pública de compra e venda, de 28 de Novembro de, entre a 1.ª Ré e os 2ºs Réus;

formalizada por escritura pública de compra e venda, de 28 de Novembro de, entre a 1.ª Ré e os 2ºs Réus; 1 Pº R. P. 170/2008 SJC-CT: Registo de acção de preferência pedido de cancelamento do registo de aquisição a favor do comprador e do registo de aquisição a favor de terceiro adquirente. DELIBERAÇÃO 1.

Leia mais

Assim, não há lugar a despacho liminar, nem a citação prévia do executado nas execuções baseadas em:

Assim, não há lugar a despacho liminar, nem a citação prévia do executado nas execuções baseadas em: Decreto-Lei n.º 38/2003, de 8 de março A revisão do Código de Processo Civil operada pelo Decreto-Lei n.º 329-A/95, de 12 de dezembro, e pelo Decreto-Lei n.º 180/96, de 25 de setembro, complementada pelo

Leia mais

P.º n.º R.P. 113/2010 SJC-CT Locação financeira. Resolução do contrato. Cancelamento do registo. Título. PARECER

P.º n.º R.P. 113/2010 SJC-CT Locação financeira. Resolução do contrato. Cancelamento do registo. Título. PARECER 1 P.º n.º R.P. 113/2010 SJC-CT Locação financeira. Resolução do contrato. Cancelamento do registo. Título. PARECER 1. O... S.A. vem interpor recurso hierárquico da decisão de recusa do cancelamento de

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0409/11 Data do Acordão: 11-05-2011 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO ISABEL MARQUES DA SILVA RECLAMAÇÃO PRESCRIÇÃO DO

Leia mais

1. Legislação Aplicável

1. Legislação Aplicável VAI COMPRAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! Compra e venda é o contrato pelo qual se transmite a propriedade de uma coisa ou outro direito, mediante um preço Art.º 874.º do Código Civil 1. Legislação

Leia mais

Só em circunstâncias muito excepcionais pode o advogado ser autorizado a revelar factos sujeitos a sigilo profissional.

Só em circunstâncias muito excepcionais pode o advogado ser autorizado a revelar factos sujeitos a sigilo profissional. - Dispensa de sigilo profissional n.º 88/SP/2010-P Através de comunicação escrita, registada com o n.º ( ), recebida a 15.04.2010 pela Secretaria do Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados,

Leia mais

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Poderes do Tribunal de Última Instância em matéria de facto. Matéria

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Poderes do Tribunal de Última Instância em matéria de facto. Matéria Processo n.º 26/2005. Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Recorrente: Secretário para a Segurança. Recorridos: A e B. Assunto: Poderes do Tribunal de Última Instância em matéria de facto.

Leia mais

- 1 - P.º n.º R.P. 22/2012 SJC-CT Registo de ação. Recusa. PARECER

- 1 - P.º n.º R.P. 22/2012 SJC-CT Registo de ação. Recusa. PARECER P.º n.º R.P. 22/2012 SJC-CT Registo de ação. Recusa. PARECER 1. Em ação de execução específica intentada contra C, Lda - titular inscrita do prédio descrito sob o nº da freguesia de, concelho de - J e

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0578/10 Data do Acordão: 16-12-2010 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: 2 SECÇÃO JORGE LINO IRS MAIS VALIAS VENDA PROCESSO EXECUTIVO Sumário:

Leia mais

Processo n.º 88/2002 Data do acórdão: 2002-07-11

Processo n.º 88/2002 Data do acórdão: 2002-07-11 Processo n.º 88/2002 Data do acórdão: 2002-07-11 (Recurso civil) Assuntos: Contrato de desenvolvimento para a habitação (CDH) Art.º 22.º do Decreto-Lei n.º 13/93/M, de 12 de Abril Execução de dívida relacionada

Leia mais

Processo nº 581/2012 Data: 11.10.2012 SUMÁ RIO. por um interveniente já admitido a intervir nos autos.

Processo nº 581/2012 Data: 11.10.2012 SUMÁ RIO. por um interveniente já admitido a intervir nos autos. Processo nº 581/2012 Data: 11.10.2012 (Autos de recurso penal) Assuntos : Omissão de pronúncia. Nulidade. Devolução dos autos. SUMÁ RIO 1. Incorre-se em nulidade, por omissão de pronúncia, se o Tribunal,

Leia mais

Deliberação. 1 Em especial, no âmbito dos P.ºs CP 83/2008 SJC-CT e R.P. 227/2009 SJC-CT.

Deliberação. 1 Em especial, no âmbito dos P.ºs CP 83/2008 SJC-CT e R.P. 227/2009 SJC-CT. P.º n.º R.P. 60/2010 SJC-CT Penhora. Cancelamento não oficioso. Eventual conexão com o registo de aquisição, conjuntamente requerido. Tributação emolumentar DELIBERAÇÃO 1 Os presentes autos respeitam à

Leia mais

Parecer proferido no P.º R. P. 68/2013 STJ-CC

Parecer proferido no P.º R. P. 68/2013 STJ-CC Parecer proferido no P.º R. P. 68/2013 STJ-CC Recorrente: Carla Maria.., Advogada Recorrida: Conservatória do Registo Predial.. Sumário: Recusa de ato de registo em oposição a recusa de retificação Qualificação

Leia mais

Prática Processual Civil II 7 Julho de 2006. Considere a hipótese seguinte e responda às questões colocadas:

Prática Processual Civil II 7 Julho de 2006. Considere a hipótese seguinte e responda às questões colocadas: Prática Processual Civil II 7 Julho de 2006 Considere a hipótese seguinte e responda às questões colocadas: Numa acção executiva baseada em sentença proferida em 20/01/2006 (que julgou a acção totalmente

Leia mais

Encontra-se consagrado no artigo 408º do Código Civil português, o

Encontra-se consagrado no artigo 408º do Código Civil português, o XV Congresso Internacional de Direito Registral Fortaleza, Novembro de 2005 II tema: Regularização fundiária Breves notas sobre os procedimentos legais conducentes à primeira inscrição, no registo predial

Leia mais

Deliberação Relatório

Deliberação Relatório P.ºRP 52/2009 SJC-CT- partilha judicial adjudicação de quota indivisa de medida quantitativamente inferior à do direito inscrito a favor da comunhão conjugal do inventariado. Deliberação Relatório De acordo

Leia mais

O NOVO CÓDIGO DO PROCESSO CIVIL

O NOVO CÓDIGO DO PROCESSO CIVIL Nº 52 Setembro de 2013 Direcção: Pedro Costa Azevedo Colaboração: Rui Ferreira d Apresentação Sara Félix No início deste mês, entrou em vigor o novo Código do Processo Civil, diploma estrutural da vida

Leia mais

Ofício-Circulado 60009, de 21/05/1999 - Direcção de Serviços de Justiça Tributária

Ofício-Circulado 60009, de 21/05/1999 - Direcção de Serviços de Justiça Tributária Ofício-Circulado 60009, de 21/05/1999 - Direcção de Serviços de Justiça Tributária PLANOS PRESTACIONAIS - DEC-LEI Nº 124/96 REDUÇÃO DA TAXA DE JUROS DE MORA VINCENDOS CONSTITUIÇÃO DE GARANTIAS - DEC-LEI

Leia mais

DIRETIVA n.º 3/2014. Novo Regime Jurídico do Processo de Inventário. A intervenção do Ministério Público

DIRETIVA n.º 3/2014. Novo Regime Jurídico do Processo de Inventário. A intervenção do Ministério Público DIRETIVA n.º 3/2014 Novo Regime Jurídico do Processo de Inventário. A intervenção do Ministério Público A entrada em vigor do Regime Jurídico do Processo de Inventário, aprovado pela Lei n.º 23/2013, de

Leia mais

Pº C.Bm. 24/2009 SJC-CT.

Pº C.Bm. 24/2009 SJC-CT. Pº C.Bm. 24/2009 SJC-CT. Objecto da consulta: Pedido de registo automóvel online por comprador autenticado electronicamente com cartão de cidadão, com digitalização da declaração de compra e venda. Relatório:

Leia mais

P.º R.P. 161/2006 DSJ-CT-

P.º R.P. 161/2006 DSJ-CT- P.º R.P. 161/2006 DSJ-CT- Compatibilização do regime legalmente previsto (D. L. n.º 68/04, de 25/03) que exige a certificação pelo notário na celebração de qualquer escritura pública que envolva a aquisição

Leia mais

Pº R. Co. 39/2005 DSJ-CT- Averbamento de mudança de sede para concelho limítrofe Título. DELIBERAÇÃO

Pº R. Co. 39/2005 DSJ-CT- Averbamento de mudança de sede para concelho limítrofe Título. DELIBERAÇÃO Pº R. Co. 39/2005 DSJ-CT- Averbamento de mudança de sede para concelho limítrofe Título. Recorrente:, Ldª. DELIBERAÇÃO Recorrida: Conservatória do Registo Comercial Registo a qualificar: Averbamento à

Leia mais

Conciliação para empresas em dificuldades

Conciliação para empresas em dificuldades Conciliação para empresas em dificuldades Em vez de recorrer aos tribunais, uma empresa com dificuldades em cumprir as suas obrigações pode recorrer ao procedimento extrajudicial de conciliação, através

Leia mais

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Fases do Processo de Contra-Ordenações)

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Fases do Processo de Contra-Ordenações) FASES DO PROCESSO DE CONTRA ORDENAÇÕES Auto de Notícia Menciona os factos constitutivos da infracção, o dia, a hora, o local e as circunstâncias desta. É levantado pelo agente de autoridade. Notificação

Leia mais

Pº C.P.51/2005 DSJ-CT-

Pº C.P.51/2005 DSJ-CT- Pº C.P.51/2005 DSJ-CT- Registo de propriedade horizontal antes de concluída a construção do prédio Existência da coisa objecto da propriedade horizontal - Conjunto imobiliário a executar por fases - Conclusão

Leia mais

P.º n.º R.P. 75/2011 SJC-CT Depósito electrónico de documento particular autenticado. Artigo 7.º da Portaria n.º 1535/2008 de 30 de Dezembro.

P.º n.º R.P. 75/2011 SJC-CT Depósito electrónico de documento particular autenticado. Artigo 7.º da Portaria n.º 1535/2008 de 30 de Dezembro. P.º n.º R.P. 75/2011 SJC-CT Depósito electrónico de documento particular autenticado. Artigo 7.º da Portaria n.º 1535/2008 de 30 de Dezembro. DELIBERAÇÃO A. O prédio da ficha nº...... prédio rústico inscrito

Leia mais

VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE!

VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! As normas da compra e venda são aplicáveis aos outros contratos onerosos pelos quais se alienam bens ou se estabeleçam encargos sobre eles, na medida

Leia mais

Exmo. Sr. Dr. Alfredo José de Sousa M.I.Provedor de Justiça. Lisboa, 23 de Fevereiro de 2010

Exmo. Sr. Dr. Alfredo José de Sousa M.I.Provedor de Justiça. Lisboa, 23 de Fevereiro de 2010 Exmo. Sr. Dr. Alfredo José de Sousa M.I.Provedor de Justiça Lisboa, 23 de Fevereiro de 2010 Assunto: Regulamento Nacional de Estágio Ordem dos Advogados Apresentamos a V.Exa. exposição anexa, respeitante

Leia mais

Documento Metodológico

Documento Metodológico Documento Metodológico Registo Predial ( Modelo 287 Mapa de actividade mensal) Código: 502 Versão: 1.0 Introdução O Registo Predial destina-se essencialmente a dar publicidade à situação jurídica dos prédios,

Leia mais

Proc.º n.º C. Bm. 1/2012 SJC-CT

Proc.º n.º C. Bm. 1/2012 SJC-CT Proc.º n.º C. Bm. 1/2012 SJC-CT Sumário: Registo de veículo automóvel com reserva de propriedade a favor de sociedade comercial. Transmissão deste bem por efeito de fusão. Extinção da reserva de propriedade.

Leia mais

Questões iniciais 1. 1.1.

Questões iniciais 1. 1.1. P.º n.º R.P. 151/2010 SJC-CT Parcela de terreno para arredondamento de estremas. Relevância da área e composição da parcela desanexada em face da finalidade prevista no título. PARECER 1. Por escritura

Leia mais

Processo nº 590/2010 Data do Acórdão: 24MAIO2012. Assuntos: Marca Marca livre Direito de prioridade SUMÁ RIO

Processo nº 590/2010 Data do Acórdão: 24MAIO2012. Assuntos: Marca Marca livre Direito de prioridade SUMÁ RIO Processo nº 590/2010 Data do Acórdão: 24MAIO2012 Assuntos: Marca Marca livre Direito de prioridade SUMÁ RIO Não se pode invocar o direito de prioridade a que se refere o artº 202º/2 do Regime Jurídico

Leia mais

ACÓRDÃO N.º 33 /10 17.DEZ-1ªS/SS

ACÓRDÃO N.º 33 /10 17.DEZ-1ªS/SS ACÓRDÃO N.º 33 /10 17.DEZ-1ªS/SS RECURSO ORDINÁRIO Nº 02/2010-EMOL (Processo de fiscalização prévia n.º 996/2010) SUMÁRIO 1. O contrato destinado a disponibilizar o sistema de cobrança de portagens e o

Leia mais

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime Lisboa, 2014 www.bportugal.pt http://clientebancario.bportugal.pt SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS 3.ª reedição, janeiro de 2016 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho O n.º 1 do artigo 117.º do Código da Estrada, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 114/94, de 3 de Maio, na última redacção que lhe foi

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0892/08 Data do Acordão: 11-02-2009 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO MIRANDA DE PACHECO IRS MAIS VALIAS TRANSMISSÃO ONEROSA

Leia mais

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes Advertência: O IRN disponibiliza conteúdos com caráter informativo e geral, sobre o pedido de registo Automóvel Online. Esta informação não substitui o atendimento técnico e qualificado

Leia mais

Nos termos da alínea a) do Nº 1 do artigo 198º da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Nos termos da alínea a) do Nº 1 do artigo 198º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Das neue Gesetzesdekret über das Sofortunternehmen Decreto-Lei Nº 111/2005 de 8 de Julho O desenvolvimento da competitividade da economia portuguesa é uma prioridade fundamental do XVII Governo Constitucional.

Leia mais

INFORMÁTICA JURÍDICA

INFORMÁTICA JURÍDICA INFORMÁTICA JURÍDICA REGISTO AUTOMÓVEL ON-LINE 6ª Sessão Carla de Sousa Advogada 1º Curso de Estágio 2011 1 Enquadramento Legal Código de Registo Automóvel, alterado pelos: Regulamento do Registo Automóvel

Leia mais

26-09-12 - Reversão fiscal em caso de insolvência

26-09-12 - Reversão fiscal em caso de insolvência 26-09-12 - Reversão fiscal em caso de insolvência Com vista à salvaguarda da igualdade entre os contribuintes, e de proteção do interesse público de cobrança dos créditos tributários por força da declaração

Leia mais

FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE

FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE Câmara dos Solicitadores Colégio de Especialidade de Agentes de Execução Número 6/2012 Data: 06/03/2012 FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE Descrição: Comunicações com os tribunais e actualização estatística

Leia mais

Processo nº 305/2010. Data: 06 de Março de 2014. ASSUNTO: - Marca notória e prestigiada

Processo nº 305/2010. Data: 06 de Março de 2014. ASSUNTO: - Marca notória e prestigiada Processo nº 305/2010 (Autos de Recurso Civil e Laboral) Data: 06 de Março de 2014 ASSUNTO: - Marca notória e prestigiada SUMÁ RIO: - Para que uma marca possa ser qualificada como notória e prestigiada,

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo 1de 10 Acórdãos STA Processo: 0507/07 Data do Acordão: 14-11-2007 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: JORGE LINO Descritores: Sumário: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo IVA IMPOSTO AUTOMÓVEL Nº Convencional:

Leia mais

Processo de arbitragem. Sentença

Processo de arbitragem. Sentença Processo de arbitragem Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional de Informação

Leia mais

Pº RP 233/2009 SJC-CT

Pº RP 233/2009 SJC-CT 1 Pº RP 233/2009 SJC-CT -Documento particular autenticado distinção entre assinatura do termo, de um lado, e rubrica das respectivas folhas, do outro. Relevância da omissão de um ou outro dos requisitos

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório

DELIBERAÇÃO. Relatório Pº R.P. 241/2007 DSJ-CT- Consentimento do credor como título para cancelamento de hipoteca (artigo 56º do C.R.P.) Forma legal Reconhecimento de assinatura por advogado ou solicitador - Registo informático

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Diário da República, 1. a série 4765 da CPLP, incluindo a República de Angola, tenham depositado na sede da CPLP, junto ao seu Secretariado Executivo, os respectivos instrumentos de ratificação ou documentos

Leia mais

828 Diário da República, 1. a série N. o 20 29 de Janeiro de 2007 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

828 Diário da República, 1. a série N. o 20 29 de Janeiro de 2007 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES 828 Diário da República, 1. a série N. o 20 29 de Janeiro de 2007 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Portaria n. o 138/2007 Manda o Governo, pelo Secretário de Estado Adjunto, das

Leia mais

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Apensação de recurso contencioso. Suspensão da eficácia do acto.

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Apensação de recurso contencioso. Suspensão da eficácia do acto. Processo n.º 4/2016. Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Recorrente: A Recorrido: Chefe do Executivo. Assunto: Apensação de recurso contencioso. Suspensão da eficácia do acto. Prejuízo de

Leia mais

ACTA DE REUNIÃO DE TRABALHO

ACTA DE REUNIÃO DE TRABALHO NOME José Henrique Delgado Carvalho Teresa Maria de Melo Madail Manuel Nunes Ferreira Fernando J. F. Brites Maria Manuela Araújo Novais Estrela Celeste Simões Agentes de Execução INTERVENIENTES FUNÇÃO

Leia mais

( Até às alterações do Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro) REGISTO AUTOMÓVEL

( Até às alterações do Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro) REGISTO AUTOMÓVEL ( Até às alterações do Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro) REGISTO AUTOMÓVEL Artigo 1.º 1 - O registo de veículos tem essencialmente por fim dar publicidade à situação jurídica dos veículos a motor

Leia mais

Direcção: Pedro Costa Azevedo Colaboração: Rui Ferreira d Apresentação Sara Félix. Nº 39 Agosto de 2012 EDITORIAL

Direcção: Pedro Costa Azevedo Colaboração: Rui Ferreira d Apresentação Sara Félix. Nº 39 Agosto de 2012 EDITORIAL Nº 39 Agosto de 2012 Direcção: Pedro Costa Azevedo Colaboração: Rui Ferreira d Apresentação Sara Félix EDITORIAL A Internet e os avanços tecnológicos que se seguiram nos aparelhos de uso pessoal, como

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Fevereiro, 2015. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 2. III Jurisprudência Comunitária 6

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Fevereiro, 2015. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 2. III Jurisprudência Comunitária 6 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Fevereiro, 2015 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 2 III Jurisprudência Comunitária 6 IV Jurisprudência Nacional 8 V Outros 9 NEWSLETTER FISCAL

Leia mais

Modelos artigo 15ºA da Portaria 331-B/2009

Modelos artigo 15ºA da Portaria 331-B/2009 Modelos artigo 15ºA da Portaria 331-B/2009 Implementação de actos específicos para cumprimento do disposto no artigo 15ºA da Portaria 331-B/2009 de 30 de Março. Proposta de modelos para SISAAE/GPESE e

Leia mais

CURSO DE INSOLVÊNCIA. Efeitos da declaração de insolvência

CURSO DE INSOLVÊNCIA. Efeitos da declaração de insolvência CURSO DE INSOLVÊNCIA EFEITOS DA DECLARAÇÃO DE INSOLVÊNCIA: Efeitos da declaração de insolvência Considerações gerais: - Na sua maioria são decalcados do C.P.E.R.E.F; - Introdução de alterações no C.I.R.E.

Leia mais

Proc. nº 101/96 Jurisdição voluntária Alimentos Alteração. Acordam, em conferência, na Secção Cível do Tribunal Supremo:

Proc. nº 101/96 Jurisdição voluntária Alimentos Alteração. Acordam, em conferência, na Secção Cível do Tribunal Supremo: Proc. nº 101/96 Jurisdição voluntária Alimentos Alteração Sumário: I. A jurisdição de menores reveste as características de jurisdição voluntária, na qual o tribunal não se acha circunscrito à prova apresentada

Leia mais

TEXTOS DE APOIO ÀS ACÇÕES DE FORMAÇÃO MINISTRADAS NO ÂMBITO DA REFORMA DA ACÇÃO EXECUTIVA

TEXTOS DE APOIO ÀS ACÇÕES DE FORMAÇÃO MINISTRADAS NO ÂMBITO DA REFORMA DA ACÇÃO EXECUTIVA Eduardo Paiva e Helena Cabrita Juízes de Direito TEXTOS DE APOIO ÀS ACÇÕES DE FORMAÇÃO MINISTRADAS NO ÂMBITO DA REFORMA DA ACÇÃO EXECUTIVA Câmara dos Solicitadores 2009 1 TÍTULOS EXECUTIVOS Em primeiro

Leia mais

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Artigo 242.º, n.º 1, alínea a), do Estatuto dos Trabalhadores da

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Artigo 242.º, n.º 1, alínea a), do Estatuto dos Trabalhadores da Processo n.º 75/2015. Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Recorrente: A. Recorrido: Secretário para a Economia e Finanças. Assunto: Artigo 242.º, n.º 1, alínea a), do Estatuto dos Trabalhadores

Leia mais

ADIANTAMENTOS POR CONTA DE LUCROS E DIVIDENDOS ANTECIPADOS

ADIANTAMENTOS POR CONTA DE LUCROS E DIVIDENDOS ANTECIPADOS ADIANTAMENTOS POR CONTA DE LUCROS E DIVIDENDOS ANTECIPADOS José Alberto Pinheiro Pinto Economista Professor auxiliar convidado da Faculdade de Economia do Porto e da Universidade Católica Portuguesa As

Leia mais

Programa de Formação para Profissionais

Programa de Formação para Profissionais Programa de Formação para Profissionais 1 O ACESSO À INFORMAÇÃO DE SAÚDE DIREITOS, PROCEDIMENTOS E GARANTIAS Sérgio Pratas smpratas@gmail.com Maio e Junho 2015 2 Programa: 1. O acesso à informação de saúde

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, de 08-05-2013

Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, de 08-05-2013 Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, de 08-05-2013 Processo: 6686/07.8TBCSC.L1.S1 Relator: BETTENCOURT DE FARIA Meio Processual: REVISTA Decisão: NEGADA A REVISTA Fonte: www.dgsi.pt Sumário I - O promitente

Leia mais

N/Referência: PROC.: R. P. 10/2014 STJ-CC Data de homologação: 14-04-2014 DELIBERAÇÃO

N/Referência: PROC.: R. P. 10/2014 STJ-CC Data de homologação: 14-04-2014 DELIBERAÇÃO N.º 24/ CC /2014 N/Referência: PROC.: R. P. 10/2014 STJ-CC Data de homologação: 14-04-2014 Recorrente: P. Proença V.., solicitadora. Recorrido: Conservatória do Registo Predial de Assunto: Documento particular

Leia mais

Recomendação n.º 8 /B/2004 [art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril]

Recomendação n.º 8 /B/2004 [art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] Número: 8/B/2004 Data: 17-06-2004 Entidade visada: Ministra da Justiça Assunto: Código das Custas Judiciais Prazo de validade dos cheques. Decreto n.º 12 487, de 14 de Outubro de 1926 Prazo de reclamação

Leia mais