ADESÃO DE ADULTOS À TERAPIA EM VOZ NA CLÍNICA DE FONOAUDIOLOGIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ADESÃO DE ADULTOS À TERAPIA EM VOZ NA CLÍNICA DE FONOAUDIOLOGIA"

Transcrição

1 ADESÃO DE ADULTOS À TERAPIA EM VOZ NA CLÍNICA DE FONOAUDIOLOGIA Autores: THAISY SANTANA DA SILVA, ADRIANA DE OLIVEIRA CAMARGO GOMES, ANA NERY BARBOSA DE ARAÚJO, JONIA ALVES LUCENA, ZULINA SOUZA DE LIRA, Palavras-chave: voz, fonoaudiologia, adulto INTRODUÇÃO A adesão ao tratamento em saúde, medicamentoso ou não, tem sido objeto de investigação na academia por ser considerada como fator fundamental para a reabilitação do paciente. 1 É de interesse na literatura especializada a definição desse termo, assim como os fatores que estão relacionados a esse processo. A adesão é definida como o comportamento do paciente que segue as orientações do médico ou outros profissionais de saúde, comparecendo às consultas marcadas, seguindo as prescrições estabelecidas e adotando mudanças no estilo de vida. 2 É a colaboração ativa entre o paciente e seu médico, num trabalho cooperativo, com o objetivo de obter o sucesso terapêutico, sendo os programas educativos uma das estratégias mais utilizadas para melhorar esse índice. 3 É fato indiscutível a enorme dificuldade vivida pelas pessoas persistirem seguindo as recomendações médicas, com expressiva frequência de abandono do tratamento. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), em países desenvolvidos a não adesão a terapias de longo prazo está quantificada em cerca de 50%; já em países menos desenvolvidos estes valores são superiores. 4 Na pesquisa realizada sobre a aderência de diabéticos ao tratamento medicamentoso com hipoglicemiantes orais, o grau de adesão dos usuários ao tratamento medicamentoso também se mostrou inferior ao percentual dito recomendável. 5 Outro estudo aponta que a não adesão do paciente hipertenso ao tratamento indicado resulta no controle inadequado da pressão arterial. 6 Os motivos relacionados à adesão terapêutica são multifatoriais e podem estar relacionados aos fatores culturais, estado de saúde, idade do indivíduo e origem da população estudada. 7 Em uma pesquisa com pacientes em um serviço de tratamento da tuberculose verificou-se as razões para baixa

2 adesão foram dificuldades de tomar muitos comprimidos, efeitos colaterais, e melhoras dos sintomas criando uma ilusão de cura. 8 Considerando a problemática envolvida nessa questão, é de extrema relevância a investigação sobre o processo e as possibilidades de otimização da adesão dos pacientes às orientações propostas, garantindo dessa forma, a qualidade de vida para o indivíduo. 9 Pesquisando a bibliografia fonoaudiológica nacional referente a investigação da adesão de adultos ao tratamento em voz, percebe-se que existe uma carência de estudos. Entre os trabalhos encontrados, uma pesquisa realizada analisou a adesão às orientações fonoaudiológicas de professores disfônicos. Os resultados obtidos evidenciaram que a maioria (87%) dos indivíduos seguiram as orientações fonoaudiológicas. 10 OBJETIVOS OBJETIVO GERAL Investigar a adesão dos adultos à terapia vocal na clínica de Fonoaudiologia. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Caracterizar o perfil sócio-educacional dos adultos usuários do serviço; Identificar as principais queixas vocais apresentadas pelos pacientes; Identificar a origem dos encaminhamentos para o tratamento fonoaudiológico; Identificar as patologias vocais mais frequentes encontradas na população pesquisada; Verificar os motivos de desligamento e/ou alta. MÉTODOS

3 O estudo possui caráter retrospectivo, quanti/qualitativo e de corte transversal. Sua realização baseou-se na análise dos prontuários de pacientes adultos que já realizaram tratamento vocal na clínica de Fonoaudiologia, pertencente a uma instituição de ensino, no período de 2000 a Não foi necessária a aplicação de Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) por se tratar de dados secundários, sendo o estudo já autorizado pela coordenação da clinica de Fonoaudiologia. Na referida clínica, ao ingressar em um tratamento fonoaudiológico, o paciente tem o livre arbítrio de consentir ou não a permissão de seus dados para fins de científicos, o qual se oficializa por meio da assinatura do TCLE. Não houve riscos para os pacientes e os preceitos éticos foram respeitados. Para a coleta de dados foi utilizado um protocolo desenvolvido para essa finalidade, cujo conteúdo está relacionado às questões do processo terapêutico que se resume aos dados de identificação dos pacientes, dados da adesão ao tratamento e evolução do tratamento fonoaudiológico. Foram adotados como critérios de inclusão: ter idade superior a 18 anos, o que corresponde ao término da menoridade de acordo com o estatuto da criança e do adolescente (Lei 8.069/1990), e possuir menos de 60 anos, idade máxima correspondente de acordo com o Estatuto do Idoso (Lei /2003), a alteração vocal ser de origem funcional e/ou orgânica. Os critérios de exclusão foram as patologias vocais secundárias a problemas neurológicos. Para compreender melhor e analisar os resultados, as informações coletadas na pesquisa foram apresentadas de forma objetiva por meio de tabelas e gráficos. RESULTADOS Dos 195 prontuários analisados observou-se a omissão de dados referentes ao perfil dos pacientes, principalmente, sobre dados de identificação tais como: município que o paciente reside, origem do encaminhamento, entre outros. Todos os atendimentos registrados (100%) foram realizados de forma individual. Dos 195 pacientes estudados, 152 (77.94 %) eram do sexo feminino e 43 (22.06%) do sexo masculino cujas idades variaram de 18 a 60 anos. A tabela 1 apresenta dados referentes à idade dos indivíduos. Tabela 1. Distribuição dos pacientes de acordo com a faixa etária (N=195)

4 Idade Número de pacientes % 18 a 30 anos a > 45 anos Total A maioria dos pacientes 161 (82.56%) residiam na região metropolitana, ou seja, próximo ao local de atendimento onde se localiza a Clínica de Fonoaudiologia (gráfico 1). Gráfico 1- Distribuição percentual do município de residência (N=195)

5 Em relação à escolaridade, 29 (15%) dos pacientes referiram ter o ensino superior completo ou estar cursando. Gráfico 2- Distribuição dos pacientes segundo escolaridade (N=195) No gráfico 3, é possível perceber a predominância de professores atendidos na clínica, contabilizando % (26) dos casos.

6 Gráfico 3- Distribuição dos pacientes de acordo com a ocupação (N=195) Como descrito no gráfico 4, a maior parcela 145 (74.35%) da população estudada não realizava outras atividades que utiliza a voz. No grupo pesquisado % das pessoas cantavam (41). Gráfico 4- Distribuição dos pacientes de acordo com a utilização da voz em outras atividades (n=195)

7 Observa-se no gráfico 5 que a maioria dos pacientes foram encaminhados pelo otorrinolaringologista totalizando % da população estudada (138). Gráfico 5- Distribuição dos pacientes de acordo com a origem do encaminhamento (N=195)

8 No que se refere ao diagnóstico médico das patologias vocais apresentadas com maior frequência pelos pacientes, a fenda glótica foi a alteração predominante, apresentando 32.82% (64) das ocorrências, seguido por nódulos vocais que apresentou % (48) dos casos. Gráfico 6- Distribuição das patologias vocais mais frequentes de acordo com o diagnóstico médico (N=195) O gráfico 7 indica a distribuição dos pacientes de acordo com o diagnóstico fonoaudiológico. Observa-se que a maior parcela % (59) dos indivíduos apresentou disfonia funcional seguido de 28.71% (56) com disfonia organofuncional.

9 Gráfico 7- Distribuição dos pacientes de acordo com o diagnóstico fonoaudiológico (N=195) DIAGNÓSTICO FONOAUDIOLÓGICO Disfonia orgânica Disfonia psicogênica Dificuldade na projeção Disfonia orgânica Pós operatório de Disfonia discreta Disfonia referente a cisto Não registrado Disfonia funcional Disfonia orgânofuncional DIAGNÓSTICO FONOAUDIOLÓGICO Conforme consta no gráfico 8, o percentual das queixas mais frequentes apresentadas pelos pacientes foi a rouquidão representando % (131) do total relatadas.

10 Gráfico 8- Distribuição dos pacientes de acordo com as principais queixas apresentadas (N=195) Como é possível verificar no gráfico 9, a avaliação perceptivo-auditiva e acústica realizadas em conjunto foi o tipo de avaliação vocal mais utilizada pelos alunos estagiários da clínica. Gráfico 9- Distribuição dos pacientes de acordo com as avaliações realizadas pelo aluno estagiário (N=195)

11 Conforme visualizado no gráfico 10, observa-se que (58%) dos pacientes realizaram a videolaringoscopia como exame complementar. Gráfico 10- Distribuição dos pacientes de acordo com os exames complementares realizados (n=195) A maioria dos pacientes % (89) não realizava outros tratamentos simultaneamente à fonoterapia (gráfico 11).

12 Gráfico 11- Distribuição dos pacientes de acordo com os principais tratamentos realizados (n=195) O gráfico 12 ilustra os procedimentos realizados pelo aluno-estagiário durante o período de tratamento do paciente. A anamnese, avaliação e terapia realizadas conjuntamente representaram 77% dos procedimentos, já a anamnese, avaliação, terapia e encaminhamento 18%. Dentre os encaminhamentos realizados pelo aluno-estagiário, otorrinolaringologista e psicólogo foram os mais comuns. Os casos da realização de apenas anamnese podem ser justificados por pacientes que não iniciaram de fato o tratamento comparecendo apenas alguns dias. Gráfico 12- Distribuição dos pacientes de acordo com os procedimentos realizados pelo aluno-estagiário (N=195)

13 O gráfico 13 ilustra a evolução dos atendimentos realizados na clínica. Percebe-se que a maior parcela 61.53% (120) recebeu o desligamento do tratamento fonoaudiológico. Gráfico 13. Distribuição dos pacientes de acordo com a evolução do tratamento (N=195) Dentre os registros referentes à escolaridade dos pacientes desligados da terapia vocal registra-se que a maioria % (13) cursou o ensino superior.

14 Gráfico 14. Distribuição dos pacientes desligados de acordo com a escolaridade (N=120) De acordo com o gráfico 15 os principais motivos de desligamento da terapia vocal foi o excesso de faltas 48.33% (58) seguido de incompatibilidade de horário 17.5% (21). Gráfico 15- Distribuição dos pacientes de acordo com os motivos de desligamento (N=120)

15 * O tópico outros inclui: mudança para o interior, problemas pessoais, solicitação do otorrinolaringologista, migração para o plano de saúde e migração para outro serviço especializado em saúde. Em relação aos principais motivos de alta, observa-se que 94% dos pacientes concluíram o tratamento por ter obtido a adequação das estruturas e funções do mecanismo vocal (gráfico 16). Gráfico 16- Distribuição dos pacientes de acordo com os motivos de alta (N=75).

16 Conclusões A pesquisa realizada mostrou que a população feminina é predominante no tratamento vocal na clínica de Fonoaudiologia. Portanto, é possível inferir que as mulheres se preocupam mais no que diz respeito aos aspectos da voz. Além disto, significativa parcela dos pacientes atendidos na clínica eram professores, os quais utilizam a voz intensamente nas suas atividades profissionais, o que corrobora a literatura, isto é, a ocorrência de associação entre disfonia e uso profissional da voz. A maioria dos pacientes residia na região metropolitana, onde se localiza o serviço de atendimento, estava cursando ou tinha concluído o ensino superior e tinha encaminhamento de otorrinolaringologistas. Isto sugere que nem a localização geográfica do serviço nem o nível de escolaridade são fatores que interferem significativamente no processo de adesão. A queixa principal foi a rouquidão e as patologias vocais mais frequentes foram a fenda glótica e os nódulos vocais, cujas alterações são características de mau uso da voz. Os motivos relacionados à alta foi a adequação das estruturas e funções, já os desligamentos ocorreram devido ao excesso de faltas. A adesão de pacientes à terapia vocal é um grande desafio para os profissionais, visto que o índice de desligamento ainda é elevado. Com a

17 realização desta pesquisa, espera-se contribuir para a criação de estratégias que favoreçam o atendimento nesta área. REFERÊNCIAS 1. GUASMÃO, J. L; JR, D.M. Adesão ao tratamento - conceitos. Revista brasileira de Hipertensão, vol. 13 n.1. São Paulo, OIGMAN, W. Métodos de avaliação da adesão ao tratamento antihipertensivo. Revista Brasileira de Hipertensão, vol. 13 n.1. Rio de Janeiro, OLIVEIRA, V. Z; GOMES, W.B. Comunicação médico-paciente e não adesão ao tratamento em adolescentes portadores de doenças orgânicas crônica. Revista Estudos de Psicologia, Mendes, E.V. As redes de atenção à saúde. Organização Pan- Americana da Saúde; Brasília, ARAÚJO, M.F.M; GONÇALVES, T.C; DAMASCENO, M.M.C; CAETANO, J.A. Aderência de diabéticos ao tratamento medicamentoso com hipoglicemiantes orais. Esc Anna Nery Rev Enferm abr-jun; 14 (2): , BARBOSA, R.G.B; LIMA, N.K.C. Índices de adesão ao tratamento antihipertensivo no Brasil e mundo. Rev Bras Hipertens vol.13(1): 35-38, 2006.

18 7. RAMONDI, F. A; CABRERA, M.A.S; SOUZA, R.K.T. Não adesão ao tratamento medicamentoso contínuo: prevalência e determinantes em adultos de 40 anos a mais. Caderno de Saúde Pública vol.30 no.1, Rio de Janeiro, SÁ, L.D; SOUZA, K.M.J; NUNES, M.G; PALHA, P.F; NOGUEIRA, J.A; VILLA, T.C.S. Tratamento da tuberculose em unidades de saúde da família: histórias de abandono. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, Out-Dez; 16(4): LUTOSA, M. A, et al. Adesão do paciente ao tratamento no Hospital Geral. Revista Brasileira de Hipertensão, vol. 14 n.2. Rio de janeiro, GAMA, A.C.C; BICALHO, V.S; VALENTIM, A.F; BASSI, I.B; TEIXEIRA, L.C; ASSUNÇÃO, A.A. adesão a orientações fonoaudiológicas após a alta do tratamento vocal em docentes: estudo prospectivo. Revista Cefac. Jul-Ago; 14(4): , 2012.

Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados

Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados Cadimiel Gomes¹; Raíla Dornelas Toledo²; Rosimar Regina da Silva Araujo³ ¹ Acadêmico do Curso

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PRESCRIÇÃO, DISPENSAÇÃO E USO DE QUETIAPINA EM UMA FARMÁCIA DE MEDICAMENTOS EXCEPCIONAIS DE TERESINA, PI.

AVALIAÇÃO DA PRESCRIÇÃO, DISPENSAÇÃO E USO DE QUETIAPINA EM UMA FARMÁCIA DE MEDICAMENTOS EXCEPCIONAIS DE TERESINA, PI. Área: CV ( X ) CHSA ( ) ECET ( ) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI Coordenadoria de Pesquisa CPES Campus Universitário Ministro Petrônio Portela, Bloco 06 Bairro Ininga Cep: 64049-550

Leia mais

CNC-CENTRO DE NEFROLOGIA DE CANINDÉ

CNC-CENTRO DE NEFROLOGIA DE CANINDÉ CNC-CENTRO DE NEFROLOGIA DE CANINDÉ Praça Frei Aurélio 1397,Centro-Canindé-Ce CEP:62.700-000 Fone:(85)3343-1826 Fax:(85)3343-1838 E-mail:cnccaninde@yahoo.com.br RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO

Leia mais

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1 FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1 ENFERMAGEM NOS CUIDADOS INTEGRAIS AO ADULTO E IDOSO NO PERÍODO PERI OPERATÓRIO Acadêmico: Curso: Período: Turno: Disciplina(s): Local: Campos de Observação: Profissional responsável

Leia mais

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado XXX Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo 13/abril/2016 O SUS e a Atenção

Leia mais

RESULTADO DE AVALIAÇÕES DAS REUNIÕES PLENÁRIAS DO CEP - CESUMAR ATÉ O DIA 14/12/2012

RESULTADO DE AVALIAÇÕES DAS REUNIÕES PLENÁRIAS DO CEP - CESUMAR ATÉ O DIA 14/12/2012 RESULTADO DE AVALIAÇÕES DAS REUNIÕES PLENÁRIAS DO CEP - CESUMAR ATÉ O DIA 14/12/2012 NÃO ACEITO Nº CAAE TÍTULO DO PROJETO SITUAÇÃO 01 07303612.0.0000.5539 PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS E DA ATIVIDADE ELETROMIOGRÁFICA

Leia mais

Terceiro Componente: Elaborando um Plano Conjunto de Manejo dos Problemas

Terceiro Componente: Elaborando um Plano Conjunto de Manejo dos Problemas 12 Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade Oficina:Método Clínico Centrado na Pessoa Terceiro Componente: Elaborando um Plano Conjunto de Manejo dos Problemas Alexandre Moreira de Melo

Leia mais

COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL?

COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL? COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL? Profa. Dra. Rosália Morais Torres VI Diretrizes Brasileiras de hipertensão arterial Arq Bras Cardiol 2010; 95 (1 supl.1): 1-51 HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS)

Leia mais

Marcos Sekine Enoch Meira João Pimenta

Marcos Sekine Enoch Meira João Pimenta FIBRILAÇÃO ATRIAL NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE CIRURGIA CARDÍACA COM CIRCULAÇÃO EXTRA-CORPÓREA. Avaliação de fatores pré-operatórios predisponentes e evolução médio prazo. Marcos Sekine Enoch Meira João

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTO EM METODOLOGIA CIENTÍFICA E INTERPRETAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO NÍVEL MESTRADO PROVA A. Candidato:

PROVA DE CONHECIMENTO EM METODOLOGIA CIENTÍFICA E INTERPRETAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO NÍVEL MESTRADO PROVA A. Candidato: UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIENCIAS DA SAÚDE - Processo seletivo 2017 PROVA DE CONHECIMENTO EM METODOLOGIA CIENTÍFICA E INTERPRETAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

Leia mais

Conhecendo a Estratégia Nacional para o Autocuidado em

Conhecendo a Estratégia Nacional para o Autocuidado em Conhecendo a Estratégia Nacional para o Autocuidado em Diabetes Mellitus MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção a Saúde - SAS Departamento de Atenção Básica - DAB Coordenação Nacional de Hipertensão

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS A asma é uma doença inflamatória crônica caracterizada por hiper-responsividade das vias aéreas inferiores e por limitação variável ao fluxo aéreo, reversível espontaneamente ou com

Leia mais

Maio, Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco. Hipertensão Arterial

Maio, Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco. Hipertensão Arterial Maio, 2014 Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco Hipertensão Arterial Sumário: O que é a Hipertensão Arterial (HTA)?; Causas da HTA; Fatores de Risco; Como prevenir a HTA; Sintomas; Problemas

Leia mais

Residência Saúde 2013 PROVA OBJETIVA PROVA DISCURSIVA ENFERMAGEM PROVA DISCURSIVA. Residência Multiprofissional em Saúde do Idoso ORGANIZADOR

Residência Saúde 2013 PROVA OBJETIVA PROVA DISCURSIVA ENFERMAGEM PROVA DISCURSIVA. Residência Multiprofissional em Saúde do Idoso ORGANIZADOR Residência Saúde 2013 ENFERMAGEM Residência Multiprofissional em Saúde do Idoso 1 CONTEÚDO GERAL Em um ambulatório de geriatria, a equipe multiprofissional atende a um idoso de 85 anos, que comparece acompanhado

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN Ana Paula Araujo de Souza 1 ; Luciana Karla Miranda Lins 2 1 Secretaria Municipal do Trabalho e Assistência

Leia mais

Manejo do Diabetes Mellitus na Atenção Básica

Manejo do Diabetes Mellitus na Atenção Básica Manejo do Diabetes Mellitus na Atenção Básica Daiani de Bem Borges Farmacêutica (NASF/PMF) Preceptora da Residência Multiprofissional em Saúde/UFSC/PMF Doutoranda - Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva/UFSC

Leia mais

Implantação do protocolo de acolhimento com classificação de risco nas unidades ambulatoriais do Tribunal de Justiça de São Paulo

Implantação do protocolo de acolhimento com classificação de risco nas unidades ambulatoriais do Tribunal de Justiça de São Paulo Implantação do protocolo de acolhimento com classificação de risco nas unidades ambulatoriais do Tribunal de Justiça de São Paulo Josinete Ap.da Silva Bastos Cerullo Doutora em Enfermagem Noemi de Melo

Leia mais

Verónica Gómez, Milene Fernandes, Violeta Alarcão, Cristiana Areias, Diana Souto, Elisa Lopes, Paulo Nicola, Evangelista Rocha

Verónica Gómez, Milene Fernandes, Violeta Alarcão, Cristiana Areias, Diana Souto, Elisa Lopes, Paulo Nicola, Evangelista Rocha Controlo e Adesão à Terapêutica Anti-hipertensora em Hipertensos Adultos e Idosos nos Cuidados de Saúde Primários da Região de Lisboa resultados preliminares do estudo DIMATCH-HTA Verónica Gómez, Milene

Leia mais

A implantação do Modelo de Atenção às Condições Crônicas para organização da Rede Hiperdia Minas.

A implantação do Modelo de Atenção às Condições Crônicas para organização da Rede Hiperdia Minas. A implantação do Modelo de Atenção às Condições Crônicas para organização da Rede Hiperdia Minas. Palestrante: Flávia Gomes de Carvalho Coordenadora de Hipertensão e Diabetes do Estado de Minas Gerais

Leia mais

PROPOSTA DA LINHA DE CUIDADO DA SAÚDE DO IDOSO. Área Técnica Saúde da Pessoa Idosa

PROPOSTA DA LINHA DE CUIDADO DA SAÚDE DO IDOSO. Área Técnica Saúde da Pessoa Idosa PROPOSTA DA LINHA DE CUIDADO DA SAÚDE DO IDOSO Área Técnica Saúde da Pessoa Idosa OBJETIVOS GERAIS Orientar e potencializar a atenção primária para detecção precoce de situações de vulnerabilidade social

Leia mais

A EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA ATENÇÃO PRIMÁRIA E O CONTROLE DA HIPERTENSÃO

A EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA ATENÇÃO PRIMÁRIA E O CONTROLE DA HIPERTENSÃO A EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA ATENÇÃO PRIMÁRIA E O CONTROLE DA HIPERTENSÃO Ana Beatriz Gouveia de Araújo¹ Evanilza Maria Marcelino² Joyce Kelly Araújo da Silva³ Mayse Cristelle de Sales Mélo 4 Rodrigo Pinheiro

Leia mais

Revista CEFAC ISSN: Instituto Cefac Brasil

Revista CEFAC ISSN: Instituto Cefac Brasil Revista CEFAC ISSN: 1516-1846 revistacefac@cefac.br Instituto Cefac Brasil Teixeira Nascimento, Isabel; Caldas Teixeira, Letícia; Pereira de Araújo Zarzar, Patrícia Maria Bioética: esclarecimento e fonoaudiologia

Leia mais

Avaliação da glicemia e pressão arterial dos idosos da UNATI da UEG-GO

Avaliação da glicemia e pressão arterial dos idosos da UNATI da UEG-GO Avaliação da glicemia e pressão arterial dos idosos da UNATI da UEG-GO Maira Ayumi Matsuoka 1 * (IC), Deborah Cunha da Silva 2 Freitas 3 (PQ) (IC), Jaqueline Gleice Aparecida de 1 Graduação, bolsista da

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES HIPERTENSOS E HIPERTENSO/DIABÉTICOS

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES HIPERTENSOS E HIPERTENSO/DIABÉTICOS QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES HIPERTENSOS E HIPERTENSO/DIABÉTICOS Autores: Ana Raquel de Figueiredo Rego 1, Mônica Oliveira da Silva Simões 2, Rômulo Lustosa Pimenteira de Melo 3, Paulo Cesar Dantas da

Leia mais

Rogério Muniz de Andrade Gisele Mussi Ricardo Baccarelli Carvalho Lys Esther Rocha

Rogério Muniz de Andrade Gisele Mussi Ricardo Baccarelli Carvalho Lys Esther Rocha Rogério Muniz de Andrade Gisele Mussi Ricardo Baccarelli Carvalho Lys Esther Rocha SERVIÇO DE SAÚDE OCUPACIONAL Hospital das Clínicas da FMUSP Instituto Central, Prédio dos Ambulatórios, 4º. Andar, Bloco

Leia mais

Case Hospital Alemão Oswaldo Cruz

Case Hospital Alemão Oswaldo Cruz Case Hospital Alemão Oswaldo Cruz Maio/2017 Quem Somos Quem somos Instituição filantrópica privada sem fins lucrativos com 119 anos de existência, fundado pelas comunidades alemã, austríaca e suíça. Hospital

Leia mais

Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos

Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos Portaria MS 2.616 / 98 regulamenta as ações de controle de infecção hospitalar no país Estabelece o serviço de farmácia como membro consultor da Comissão

Leia mais

FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE NUTRIÇÃO PLANO DE ESTÁGIO

FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE NUTRIÇÃO PLANO DE ESTÁGIO FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE NUTRIÇÃO PLANO DE ESTÁGIO 2013.1 DADOS DO ESTÁGIO CÓDIGO ÁREA CARGA HORÁRIA PERÍODO HORÁRIO Nutrição Social 230h 7 7h30 às 12h30 SUPERVISOR(A) Eliete

Leia mais

IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS: AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA

IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS: AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS: AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA Cristina Marques de Almeida Holanda 1, Michele Alexandre da Silva 2 cristinamahd@gmail.com 1, michelebr@live.com 2 Universidade Federal

Leia mais

ÍNDICE DE DESVANTAGEM VOCAL NOS LARINGECTOMIZADOS TOTAIS

ÍNDICE DE DESVANTAGEM VOCAL NOS LARINGECTOMIZADOS TOTAIS Gabrielly Valentim Oliveira Priscila Guimarães Kimura ÍNDICE DE DESVANTAGEM VOCAL NOS LARINGECTOMIZADOS TOTAIS Trabalho apresentado à banca examinadora para conclusão do Curso de Fonoaudiologia da Faculdade

Leia mais

PROGRAMA DE ATENÇÃO A PACIENTES CRÔNICOS UNIMED NATAL. Ass. Social ROSSANA CHACON Gerência de Prevenção e Saúde

PROGRAMA DE ATENÇÃO A PACIENTES CRÔNICOS UNIMED NATAL. Ass. Social ROSSANA CHACON Gerência de Prevenção e Saúde PROGRAMA DE ATENÇÃO A PACIENTES CRÔNICOS UNIMED NATAL Ass. Social ROSSANA CHACON Gerência de Prevenção e Saúde rossanachacon@unimednatal.com.br Programa de Atenção a Pacientes Crônicos Elaborado pela Gerência

Leia mais

PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO DE PACIENTES COM ESCLEROSE MÚLTIPLA EM GOIÂNIA, GO, BRASIL.

PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO DE PACIENTES COM ESCLEROSE MÚLTIPLA EM GOIÂNIA, GO, BRASIL. Introdução: A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença desmielinizante, progressiva, crônica que atinge o sistema nervoso central. Essa desmielinização afeta as fibras nervosas do cérebro e da medula espinhal

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS

CADERNO DE EXERCÍCIOS CADERNO DE EXERCÍCIOS MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Ms.C. Ana Beatriz Monteiro http://avaliacaoemeducacaofisica.webnode.com Nome: Introdução Crescimento é a atividade biológica dominante

Leia mais

Sorine Adulto. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. Solução nasal 0,5 mg/ml

Sorine Adulto. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. Solução nasal 0,5 mg/ml Sorine Adulto Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. Solução nasal 0,5 mg/ml BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Sorine cloridrato de nafazolina

Leia mais

PREVALENCIA DAS DOENÇAS CRONICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS EM IDOSOS NO ESTADO DA PARAIBA

PREVALENCIA DAS DOENÇAS CRONICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS EM IDOSOS NO ESTADO DA PARAIBA PREVALENCIA DAS DOENÇAS CRONICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS EM IDOSOS NO ESTADO DA PARAIBA Rita de Cássia Sousa Silva (1); Daniele Fidelis de Araújo (1); Ítalo de Lima Farias (2); Socorro Malaquias dos Santos

Leia mais

CIRURGIA SEGURA. Data Versão/Revisões Descrição Autor 25/10/ Proposta inicial MDS, DAL,IPAM,MMS

CIRURGIA SEGURA. Data Versão/Revisões Descrição Autor 25/10/ Proposta inicial MDS, DAL,IPAM,MMS 1 de 8 Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial MDS, DAL,IPAM,MMS 1 Objetivo Melhorar a segurança do paciente cirúrgico reduzindo danos

Leia mais

LESÕES DE BORDA DE PREGAS VOCAIS E TEMPOS MÁXIMOS DE FONAÇÃO

LESÕES DE BORDA DE PREGAS VOCAIS E TEMPOS MÁXIMOS DE FONAÇÃO 134 LESÕES DE BORDA DE PREGAS VOCAIS E TEMPOS MÁXIMOS DE FONAÇÃO Vocal folds edge lesions and maximum phonation times Bárbara Costa Beber (1), Carla Aparecida Cielo (2), Márcia Amaral Siqueira (3) RESUMO

Leia mais

CONSULTA DE ENFERMAGEM PARA O IDOSO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

CONSULTA DE ENFERMAGEM PARA O IDOSO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA CONSULTA DE ENFERMAGEM PARA O IDOSO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA INDIARA CARVALHO DOS SANTOS PLATEL (NEPB/UFPB) MARIA ANDRÉA FERNANDES (MESTRANDA E BOLSISTA DA CAPES/UFPB) ANA ALINE LACET ZACCARA (MESTRANDA

Leia mais

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO FICHA DE OBSERVAÇÃO ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE E ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Acadêmico: Curso: Período: Turno: Disciplina: Atenção Primária à Saúde e Estratégia de Saúde da Família Local: Profissional

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS COM DIABETES MELLITUS

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS COM DIABETES MELLITUS TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS COM DIABETES MELLITUS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO. Nutricionista Entrevistado(a) Nome CRN- RT / QT

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO. Nutricionista Entrevistado(a) Nome CRN- RT / QT CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO UF ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA DATA DA VISITA NUTRIÇÃO CLÍNICA HOSPITAL E INSTITUIÇÕES SIMILARES Nº DA VISITA VISITA AGENDADA

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO ATENDIMENTO FONOAUDIOLÓGICO DE PACIENTES TRATADOS DO CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO ATENDIMENTO FONOAUDIOLÓGICO DE PACIENTES TRATADOS DO CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO ATENDIMENTO FONOAUDIOLÓGICO DE PACIENTES TRATADOS DO CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO Palavras chaves: qualidade de vida, questionários, avaliação da qualidade Introdução: Diferentes

Leia mais

TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR

TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FARMÁCIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

_Comentários Iniciais

_Comentários Iniciais _manualdousuário _Comentários Iniciais O presente Manual medbem foi desenvolvido para proporcionar o monitoramento domiciliar da glicemia à distância, visando ações preventivas para o gerenciamento de

Leia mais

PSICOLOGIA MÉDICA ATIVIDADES PROGRAMADAS

PSICOLOGIA MÉDICA ATIVIDADES PROGRAMADAS UFRJ-CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA E MEDICINA LEGAL DISCIPLINA: PSICOLOGIA MÉDICA PSICOLOGIA MÉDICA ATIVIDADES PROGRAMADAS 1º SEMESTRE DE 2005 COORDENADORA

Leia mais

DESCARTE DE MATERIAL PERFURO-CORTANTE POR PACIENTES INSULINO DEPENDENTES USUÁRIOS DE UMA FARMÁCIA PÚBLICA DE VIÇOSA, MG

DESCARTE DE MATERIAL PERFURO-CORTANTE POR PACIENTES INSULINO DEPENDENTES USUÁRIOS DE UMA FARMÁCIA PÚBLICA DE VIÇOSA, MG DESCARTE DE MATERIAL PERFURO-CORTANTE POR PACIENTES INSULINO DEPENDENTES USUÁRIOS DE UMA FARMÁCIA PÚBLICA DE VIÇOSA, MG Elaine Tristão Rodrigues 1, Bruno Rodrigues do Nascimento 2, Thais Ribeiro Viana

Leia mais

Outubro Rosa: Mulheres na luta contra o câncer de mama.

Outubro Rosa: Mulheres na luta contra o câncer de mama. Sociedade de Educação e Cultura de Goiânia - SECG Departamento de Enfermagem Curso de Enfermagem autorizado pela Portaria Ministerial n 3.768 de 12/2003. Outubro Rosa: Mulheres na luta contra o câncer

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI E D I T A L DE ABERTURA CPD Nº 082 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR SUBSTITUTO, DE 17

Leia mais

Remissão prolongada da atividade metabólica da Doença de Paget. tratamento com Risendronato oral e Pamidronato endovenoso.

Remissão prolongada da atividade metabólica da Doença de Paget. tratamento com Risendronato oral e Pamidronato endovenoso. Remissão prolongada da atividade metabólica da Doença de Paget Óssea após Ibandronatooral J Clin Endocrinol Metab, em um February paciente 2012, 97(2):366 376 com rápida recidiva após tratamento com Risendronato

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTO EM METODOLOGIA CIENTÍFICA E INTERPRETAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO NÍVEL DOUTORADO PROVA A. Candidato:

PROVA DE CONHECIMENTO EM METODOLOGIA CIENTÍFICA E INTERPRETAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO NÍVEL DOUTORADO PROVA A. Candidato: UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIENCIAS DA SAÚDE - Processo seletivo 2017 PROVA DE CONHECIMENTO EM METODOLOGIA CIENTÍFICA E INTERPRETAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

Leia mais

PANORAMA DAS INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SANTARÉM-PA

PANORAMA DAS INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SANTARÉM-PA BELÉM 2013 PANORAMA DAS INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SANTARÉM-PA Tarcys Mallony Teixeira Printes Camila Santos do Amaral Fernando Costa Araújo Zilma Nazaré de Souza Pimentel

Leia mais

CORDEIRO, Mário J. G.

CORDEIRO, Mário J. G. CORDEIRO, Mário J. G. Risco em saúde infantil / Mário J. G. Cordeiro [e] Maria Celsa Afonso de Carvalho. - Lisboa : Direcção Geral dos Cuidados de Saúde Primários, 1990. - 17 p. : il. ; 30 cm.. - (Manter

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE PACIENTES DISFÔNICOS ACOMPANHADOS PELO PROVOX

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE PACIENTES DISFÔNICOS ACOMPANHADOS PELO PROVOX PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE PACIENTES DISFÔNICOS ACOMPANHADOS PELO PROVOX RESUMO GAMA, Beatriz Soares¹ COSTA, Daniel Fonsêca Nicolau² CABRAL, Gyllyane Furtado² NUNES, Paulo Arthur do Nascimento² LOPES, Leonardo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS Unidade: Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi - FACISA Endereço: Rua Vila Trairi, s/n, Centro, Santa

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS

Leia mais

15º FÓRUM DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA AUDITÓRIO 10

15º FÓRUM DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA AUDITÓRIO 10 Fóruns 28 de setembro de 2013 15º FÓRUM DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA AUDITÓRIO 10 Insuficiência Cardíaca Como abordar na: IC Fração de ejeção reduzida / normal IC descompensada IC Crônica IC Chagásica

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM DOR Unidade Dias e Horários Período

Leia mais

DIAS E HORÁRIOS DAS APRESENTAÇÕES DOS TRABALHOS ENFERMAGEM TODOS OS AUTORES DEVERÃO CHEGAR IMPRETERIVELMENTE NO HORÁRIO MARCADO.

DIAS E HORÁRIOS DAS APRESENTAÇÕES DOS TRABALHOS ENFERMAGEM TODOS OS AUTORES DEVERÃO CHEGAR IMPRETERIVELMENTE NO HORÁRIO MARCADO. TÍTULO ORIENTADOR SALA DATA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS COMUNIDADES INDÍGENAS INFECÇÕES HOSPITALARES: REPENSANDO A IMPORTÂNCIA DA HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM HANSENÍASE:

Leia mais

DISFONIA. Justificativa Tipos N máximo de sessões Videolaringoscopia: é um exame

DISFONIA. Justificativa Tipos N máximo de sessões Videolaringoscopia: é um exame DISFONIA Justificativa Tipos N máximo de Videolaringoscopia: é um exame Disfonias Funcionais: São alterações realizado com anestesia tópica e permite uma detalhada avaliação da estrutura anatômica da hipofaringe

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA U.E.F.S DEPARTAMENTO DE SAÚDE PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA U.E.F.S DEPARTAMENTO DE SAÚDE PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA U.E.F.S DEPARTAMENTO DE SAÚDE PROGRAMA DE DISCIPLINA CÓDIGO DISCIPLINA REQUISITOS SAU 245 ENFERMAGEM EM SAÚDE MENTAL CHF 907 Psicologia Aplicada à Saúde CARGA

Leia mais

Protocolos de Enfermagem para Pacientes Crônicos: experiência de Florianópolis. Lucas Alexandre Pedebôs

Protocolos de Enfermagem para Pacientes Crônicos: experiência de Florianópolis. Lucas Alexandre Pedebôs apresentam Protocolos de Enfermagem para Pacientes Crônicos: experiência de Florianópolis Lucas Alexandre Pedebôs Por que construir um protocolo de enfermagem? Lei 7.498/1986 Art. 11 - O enfermeiro exerce

Leia mais

COLÍRIO GEOLAB. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Solução Oftálmica 0,15mg + 0,3mg

COLÍRIO GEOLAB. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Solução Oftálmica 0,15mg + 0,3mg COLÍRIO GEOLAB Geolab Indústria Farmacêutica S/A Solução Oftálmica 0,15mg + 0,3mg Colírio Geolab não deve ser utilizado por pacientes com alergia ou intolerância aos componentes da fórmula. Não use em

Leia mais

PERFIL DOS IDOSOS INTERNADOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO EM CAMPINA GRANDE

PERFIL DOS IDOSOS INTERNADOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO EM CAMPINA GRANDE PERFIL DOS IDOSOS INTERNADOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO EM CAMPINA GRANDE Autora: Kézia Naiana de Oliveira Gomes (1); Co-autora e Orientadora: Gerlane Ângela da Costa Moreira Vieira (2). Universidade

Leia mais

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO Médico Clínico 1 Médico Pediatra 1 Médico Ginecologista 1

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO Médico Clínico 1 Médico Pediatra 1 Médico Ginecologista 1 1. FUNCIONÁRIOS - EFETIVOS Médico Clínico 6 Médico Pediatra 2 Médico de Estratégia PSF 0 Psicólogo Clínico 30 horas 0 Psicólogo Clínico 40 horas 1 Cirurgião Dentista 4 Auxiliar de Saúde Bucal 4 Técnico

Leia mais

COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL EM PACIENTES QUE ADERIRAM A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA PARA O CONTROLE DA HIPERTENSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIA

COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL EM PACIENTES QUE ADERIRAM A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA PARA O CONTROLE DA HIPERTENSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIA COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL EM PACIENTES QUE ADERIRAM A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA PARA O CONTROLE DA HIPERTENSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIA KLEIN, Mônica 1 ; SOUZA, Bernardes Maísa 2 ; CORRÊA, Marinês

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI EDITAL DE ABERTURA CPD Nº 004/2017 CONCURSO PÚBLICO, DE 25 DE JANEIRO DE 2017. A Fundação Universidade Federal de

Leia mais

MEDICAMENTO DE USO PRÓPRIO - DOMICILIAR

MEDICAMENTO DE USO PRÓPRIO - DOMICILIAR 1 de 5 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta CESC, FA, LAS, RFC. 1 Objetivo Validar Estabelecer processo de segurança para o paciente

Leia mais

LINHA DE CUIDADO EM CARDIOLOGIA PNEUMOLOGIA E DOENÇAS METABÓLICAS

LINHA DE CUIDADO EM CARDIOLOGIA PNEUMOLOGIA E DOENÇAS METABÓLICAS LINHA DE CUIDADO EM CARDIOLOGIA PNEUMOLOGIA E DOENÇAS METABÓLICAS Nome da atividade: Estágio Supervisionado em Fisioterapia Cardiovascular Tipo de atividade: Disciplina de Graduação Responsáveis: Profª

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: TÉCNICO DE ENFERMAGEM Qualificação: Técnico

Leia mais

Prevenção de Eventos Cardiovasculares em Pacientes com Hipertensão Arterial PREVER 2 SEGUIMENTO 15 MESES

Prevenção de Eventos Cardiovasculares em Pacientes com Hipertensão Arterial PREVER 2 SEGUIMENTO 15 MESES Prevenção de Eventos Cardiovasculares em Pacientes com Hipertensão Arterial PREVER 2 Número do Centro l ID do Participante l Data do Atendimento l l l / l l l / 201l l Iniciais do Participante SEGUIMENTO

Leia mais

ACONSELHAMENTO SOBRE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA: PRÁTICA E ADESÃO EM USUÁRIOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE.

ACONSELHAMENTO SOBRE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA: PRÁTICA E ADESÃO EM USUÁRIOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE. ACONSELHAMENTO SOBRE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA: PRÁTICA E ADESÃO EM USUÁRIOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE. Camila Silva Souza graduanda, milasspsi@gmail.com Cristiane Aparecida dos Santos- graduanda, cristyanne17@yahoo.com.br

Leia mais

Autoras: Enfermeiras Carla Silva, Manuela Dias e Susana Martins. Trabalho desenvolvido CSAH:

Autoras: Enfermeiras Carla Silva, Manuela Dias e Susana Martins. Trabalho desenvolvido CSAH: Autoras: Enfermeiras Carla Silva, Manuela Dias e Susana Martins Trabalho desenvolvido pela equipa do GSC do CSAH: Enfermeiras Carla Silva, Cecília Couto, Manuela Dias, Manuela Silva, Matilde de Aysa, Susana

Leia mais

Na hipertensão arterial

Na hipertensão arterial Erros frequentes na prática clínica como evitá-los? Na hipertensão arterial - Novembro de 2013 - Liliana Marta Serviço de Cardiologia, Hospital de Santarém Hipertensão Arterial Importante problema de saúde

Leia mais

Prevenção Secundária da Doença Renal Crônica Modelo Público

Prevenção Secundária da Doença Renal Crônica Modelo Público Prevenção Secundária da Doença Renal Crônica Modelo Público VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica Maria Eugênia Fernandes Canziani Universidade Federal de São Paulo Brasília, 2012

Leia mais

EVOLUÇÃO DA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO SOBRE A RENDA DA PESSOA FÍSICA. Seminário Nacional do Programa do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física

EVOLUÇÃO DA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO SOBRE A RENDA DA PESSOA FÍSICA. Seminário Nacional do Programa do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física EVOLUÇÃO DA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO SOBRE A RENDA DA PESSOA FÍSICA Seminário Nacional do Programa do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física Restrições ao uso e o fim da Declaração simplificada on-line Por

Leia mais

CARTILHA ATENÇÃO À SAÚDE

CARTILHA ATENÇÃO À SAÚDE CARTILHA PROGRAM AS DE ATENÇÃO À SAÚDE PROGRAMAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE A Unimed Cerrado pensando na saúde e bem-estar do seu cliente, disponibiliza diversos Programas de Atenção Integral à Saúde.

Leia mais

Nome do Programa Programa de Complementação Especializada em Arritmologia Clínica

Nome do Programa Programa de Complementação Especializada em Arritmologia Clínica COMISSÃO DE CULTURA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CCEX Av. Dr. Arnaldo, 455 1º andar sala 1301 FORMULÁRIO DE PROGRAMA DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA Nome do Programa Programa de Complementação Especializada

Leia mais

VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA. HiperDia, desafios futuros e o que esperar?

VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA. HiperDia, desafios futuros e o que esperar? VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA SBC/DHA HiperDia, desafios futuros e o que esperar? MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção a Saúde - SAS Departamento de Atenção Básica - DAB Coordenação Nacional de Hipertensão

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESPERDÍCIO, QUALIDADE DO CARDÁPIO E PESQUISA DE SATISFAÇÃO DE CLIENTES EM UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

AVALIAÇÃO DO DESPERDÍCIO, QUALIDADE DO CARDÁPIO E PESQUISA DE SATISFAÇÃO DE CLIENTES EM UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO AVALIAÇÃO DO DESPERDÍCIO, QUALIDADE DO CARDÁPIO E PESQUISA DE SATISFAÇÃO DE CLIENTES EM UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA CIDADE DE SETE LAGOAS MG Anna Luiza Fernandes de SOUZA 1 Juliana Costa LIBOREDO

Leia mais

O PAPEL DA SOCIEDADE E DO GOVERNO NA ABORDAGEM DO PACIENTE HIPERTENSO O que o governo faz e pode fazer?

O PAPEL DA SOCIEDADE E DO GOVERNO NA ABORDAGEM DO PACIENTE HIPERTENSO O que o governo faz e pode fazer? O PAPEL DA SOCIEDADE E DO GOVERNO NA ABORDAGEM DO PACIENTE HIPERTENSO O que o governo faz e pode fazer? Políticas públicas são ferramentas indispensáveis para prevenir e controlar as DCNTs prevenir e/ou

Leia mais

Epidemiologia. Tipos de Estudos Epidemiológicos. Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde

Epidemiologia. Tipos de Estudos Epidemiológicos. Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde Epidemiologia Tipos de Estudos Epidemiológicos Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde TIPOS DE ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS Observacionais Experimental x Observacional Relatos de Casos Série de casos Transversal

Leia mais

A ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM FRENTE ÀS TRANSFORMAÇÕES NO CORPO DA MULHER DURANTE O CLIMATÉRIO: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

A ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM FRENTE ÀS TRANSFORMAÇÕES NO CORPO DA MULHER DURANTE O CLIMATÉRIO: UMA REVISÃO INTEGRATIVA A ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM FRENTE ÀS TRANSFORMAÇÕES NO CORPO DA MULHER DURANTE O CLIMATÉRIO: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Tiago Lima Lacerda de Medeiros. Universidade Potiguar UnP. E-mail: tiagolacerdamedeiros@hotmail.com

Leia mais

Memorias Convención Internacional de Salud Pública. Cuba Salud La Habana 3-7 de diciembre de 2012 ISBN

Memorias Convención Internacional de Salud Pública. Cuba Salud La Habana 3-7 de diciembre de 2012 ISBN CO-INFECÇÃO TUBERCULOSE-HIV: ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE SALVADOR-BAHIA, ENTRE E Karina Araújo Pinto 1, Haína de Jesus Araújo 2, Sheila Queiroz Rios de Azevedo 3 A tuberculose (TB) é uma doença

Leia mais

DATA/TURNO CANDIDATO TEMAS DIA 05/11/12. - Processo de trabalho em enfermagem/registros. - Crescimento e desenvolvimento na criança até 2 anos.

DATA/TURNO CANDIDATO TEMAS DIA 05/11/12. - Processo de trabalho em enfermagem/registros. - Crescimento e desenvolvimento na criança até 2 anos. DATA/TURNO CANDIDATO TEMAS DIA 05/11/12 MANHÃ RENATA MARIA MEDEIROS FREITAS BARBOSA ANDRÉA CLÁUDIA CAMPÊLO MACIEL TERESA KARINY PONTES BARROSO GIRLIANE SILVA DE SOUSA VANESSA DIAS DA SILVA RITA VIANA GOMES

Leia mais

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016.

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Cristiane Aparecida Rosa 1, Tissiane Narai de Oliveira Ferreira 1, Nayane Aparecida Araújo Dias 2, Renata de

Leia mais

Protocolo para controle glicêmico de paciente não crítico com diagnóstico prévio ou não de diabetes mellitus

Protocolo para controle glicêmico de paciente não crítico com diagnóstico prévio ou não de diabetes mellitus Protocolo para controle glicêmico de paciente não crítico com diagnóstico prévio ou não de diabetes mellitus A) PACIENTES SEM DIAGNÓSTICO DE DIABETES MELLITUS PRÉVIO B) PACIENTES COM DIABETES MELLITUS

Leia mais

Venopatia portal obliterativa (VPO): achados de imagem na TC

Venopatia portal obliterativa (VPO): achados de imagem na TC Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Venopatia portal obliterativa (VPO): achados de imagem na TC Especializando: Eduardo Lima E4 Orientador:

Leia mais

Autor(es) MILENE FRANCISCHINELLI. Orientador(es) FÁTIMA CRISTIANE LOPES GOULARTE FARHAT. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1.

Autor(es) MILENE FRANCISCHINELLI. Orientador(es) FÁTIMA CRISTIANE LOPES GOULARTE FARHAT. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DOS PROBLEMAS RELACIONADOS AO MEDICAMENTO DE PORTADORES DE DIABETES MELLITUS ACOMPANHADOS EM ATENÇÃO FARMACÊUTICA Autor(es) MILENE FRANCISCHINELLI Orientador(es)

Leia mais

APRESENTAÇÕES DE PÔSTERES 19 de outubro de 2016 (quarta-feira) SALA 1 BIBLIOTECA CENTRAL

APRESENTAÇÕES DE PÔSTERES 19 de outubro de 2016 (quarta-feira) SALA 1 BIBLIOTECA CENTRAL 1. 8h MEDICINA 2. 8h15 MEDICINA 3. 8h30 MEDICINA 4. 8h45 MEDICINA - FELIPE CARLUCCIO FALAVIGNA - MARCELO RODRIGO TAVARES(ORIENTADOR) - KATIA SANTOS DE OLIVEIRA - EDUARDO POLETTI CAMARA - ANTONIO JOSE ASSIS

Leia mais

Principais sintomas: - Poliúria (urinar muitas vezes ao dia e em grandes quantidades); - Polidipsia (sede exagerada); - Polifagia (comer muito);

Principais sintomas: - Poliúria (urinar muitas vezes ao dia e em grandes quantidades); - Polidipsia (sede exagerada); - Polifagia (comer muito); O diabetes mellitus é uma doença crônica que se caracteriza por uma elevada taxa de glicose (açúcar) no sangue. Essa elevação ocorre, na maioria das vezes, por uma deficiência do organismo em produzir

Leia mais

OCORRÊNCIA DE ANTECEDENTES FAMILIARES EM PACIENTES COM DISTÚRBIOS DO MOVIMENTO DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS NO ESTADO DE GOIÁS

OCORRÊNCIA DE ANTECEDENTES FAMILIARES EM PACIENTES COM DISTÚRBIOS DO MOVIMENTO DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS NO ESTADO DE GOIÁS Introdução: Os distúrbios do movimento (DM) englobam doenças agudas e crônicas caracterizadas por movimentos involuntários e/ou perda do controle ou eficiência em movimentos voluntários. DM são diversos

Leia mais

ENCONTRO DE TRABALHOS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE E DA SEGURANÇA SOCIAL CIDADE VELHA 8 A12 AGOSTO DE 2016

ENCONTRO DE TRABALHOS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE E DA SEGURANÇA SOCIAL CIDADE VELHA 8 A12 AGOSTO DE 2016 ENCONTRO DE TRABALHOS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE E DA SEGURANÇA SOCIAL CIDADE VELHA 8 A12 AGOSTO DE 2016 O PAPEL DA ENFERMAGEM NA ABORDAGEM DAS DOENÇAS CRÓNICAS O Concelho Dos Mosteiros Estende-se por uma

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR 2014/2 Aprovada pela Resolução nº 15 CONSEPE, de 18 de junho de 2014.

ESTRUTURA CURRICULAR 2014/2 Aprovada pela Resolução nº 15 CONSEPE, de 18 de junho de 2014. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE MEDICINA DO MUCURI FAMMUC CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA ESTRUTURA CURRICULAR 2014/2 Aprovada pela Resolução

Leia mais

Demonstrativo Financeiro por Conta Orçamentária Período: 01/01/2004 até 30/04/2014. Documento Data Discriminação Valor Crédito Valor Débito Saldo

Demonstrativo Financeiro por Conta Orçamentária Período: 01/01/2004 até 30/04/2014. Documento Data Discriminação Valor Crédito Valor Débito Saldo 1 Conta Orçamentária: 14101001 - Crédito (PROJETO) 225592 225594 226854 227324 227323 232157 382013 - FT 05/11/2013 Universidade Federal da Bahia - crédito 1 parcela, conf FT 038/2013 14.444,80 0,00 14.444,80

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 8/2016

PARECER CREMEC N.º 8/2016 PARECER CREMEC N.º 8/2016 12/09/2016 Processo-Consulta protocolo CREMEC nº 6539/2016 Assunto: Atendimento de pacientes: critérios de prioridade Interessado: Clínica Sim Parecerista: Conselheiro José Roosevelt

Leia mais

Doença de Addison DOENÇA DE ADDISON

Doença de Addison DOENÇA DE ADDISON Enfermagem em Clínica Médica Doença de Addison Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com DOENÇA DE ADDISON A insuficiência adrenal (IA) primária, também denominada doença de Addison, geralmente

Leia mais

Insulinoterapia no pré per e pós operatório. Profa. Fernanda Oliveira Magalhães

Insulinoterapia no pré per e pós operatório. Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Insulinoterapia no pré per e pós operatório Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Mais de 50% dos pacientes diabéticos têm chance de serem submetidos a alguma cirurgia pelo menos uma vez na vida. O diagnóstico

Leia mais

Análise de erro de medicação sob a ótica de auxiliares/técnicos de enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva

Análise de erro de medicação sob a ótica de auxiliares/técnicos de enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva VI Simpósio Internacional de Enfermagem (SIEN) Análise de erro de medicação sob a ótica de auxiliares/técnicos de enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva Daniela Benevides Ortega Enfermeira da UTI

Leia mais

MÉTODO SOAP NA MEDICINA

MÉTODO SOAP NA MEDICINA MÉTODO SOAP NA MEDICINA uma excelente maneira de documentar seus atendimentos na Atenção Primária à Saúde Daniel Coriolano Núcleo M.D. 2017 MÉTODO SOAP NA MEDICINA uma excelente maneira de documentar seus

Leia mais