CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS LINA GARDÊNIA BENEVIDES CAVALCANTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS LINA GARDÊNIA BENEVIDES CAVALCANTE"

Transcrição

1 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS LINA GARDÊNIA BENEVIDES CAVALCANTE A GESTÃO FINANCEIRA NO PROCESSO DECISÓRIO DAS ORGANIZAÇÕES FORTALEZA 2013

2 LINA GARDÊNIA BENEVIDES CAVALCANTE A GESTÃO FINANCEIRA NO PROCESSO DECISÓRIO DAS ORGANIZAÇÕES Monografia submetida à aprovação Coordenação do Curso de Ciências Contábeis do Centro superior do Estado do Ceara, como requisito parcial para obtenção do grau de Graduação. Orientação: Profa. Dra. Marcia Maria Machado Freitas FORTALEZA 2013

3 LINA GARDÊNIA BENEVIDES CAVALCANTE A GESTÃO FINANCEIRA NO PROCESSO DECISÓRIO DAS ORGANIZAÇÕES Monografia como pré-requisito para obtenção do titulo de Bacharelado em Ciências Contábeis, outorgado pela Faculdade Cearense FAC, tendo sido aprovada pela banca examinadora composta pelos professores. Data de aprovação: / / BANCA EXAMINADORA Professor: Dra. Marcia Maria Machado Freitas Orientadora Prof. Dra. Liliane Lacerda Prof. Espec. Aline Casseb

4 A minha Mãe D. Rosemar e aos meus irmãos Franciandre, Alan Karlan e Halysson pela confiança e companheirismo investidos em toda a minha trajetória acadêmica.

5 AGRADECIMENTOS Primeiramente a Deus, autor da vida e fiel amigo. Em segundo lugar à minha mãe, a meus irmãos e ao meu namorado (Joacides Sousa), que estiveram ao meu lado em todos os momentos, inclusive nos momentos que pensei em desistir. Aos meus colegas de sala, que sempre me ajudaram. Aos amigos que de alguma forma puderam participar e vivenciar fases importantes nessa trajetória. A minha querida orientadora Dra. Marcia Machado pela paciência e amizade dedicada ao longo desse trabalho, não me deixando desistir em momentos de tristeza. A todos que contribuíram de forma direta ou indireta não só para a realização deste trabalho, como também em toda minha vida acadêmica. Deixo aqui o meu MUITO OBRIGADA!

6 Ei dor! Eu não te escuto mais. Você não me leva a nada. Ei medo! Eu não te escuto mais. Você não me leva a nada. Milton Nascimento

7 RESUMO A gestão financeira é o conjunto de ações que envolvem planejamento, disciplina, análise e tomada de decisões em tempo hábil. Tendo como principal objetivo melhorar e maximizar os resultados das organizações. Uma boa gestão financeira só é possível mediante uso continuo de planejamento e controle financeiro. O estudo teve como foco, demonstrar a importância da gestão financeira para tomada de decisões e apresentar as ferramentas que mais auxiliam os gestores nesta hora tão difícil. O presente trabalho teve como objetivos analisar o fluxo de caixa, traçar o perfil do gestor financeiro e verificar o planejamento financeiro para o cumprimento de suas obrigações, conseguindo assim atingir todos os objetivos e a problemática proposta. A pesquisa possui caráter qualitativo, foram utilizadas também pesquisas bibliográficas e sistemas de buscas, como os metabuscadores. Os resultados obtidos foram satisfatórios, uma vez que o período financeiro estudado demonstrou falhas, e sugestões de melhorias puderam ser dadas. Para chegarmos a estas sugestões utilizou-se a ferramenta de Excel e as analises horizontais e verticais onde possibilitou a comparação de períodos distintos. Por último, foram recomendadas melhorias no controle do Fluxo de Caixa, otimizando a tomada de decisões por parte dos gestores financeiros. Melhorias estas, todas voltadas para a organização financeira, principalmente do controle de contas a pagar da empresa analisada, onde apresentava maiores falhas. PALAVRAS- CHAVE: Gestão Financeira. Fluxo de Caixa. Tomada de Decisão

8 ABSTRACT Financial management is the set of actions that involve planning, discipline, analysis and decision making in a timely manner. Its main objective is to improve and maximize the results of organizations. Sound financial management is only possible through continued use of financial planning and control. The study focused on demonstrating the importance of financial management for decision making and provide the tools to help managers in this most difficult time. This study aimed to analyze the cash flow profile the financial manager and check the financial planning for the fulfillment of its obligations, thus achieving all objectives and problematic proposal. The research has a qualitative character, were also used literature searches and search systems such as metabuscadores. The results were satisfactory, since the financial period studied showed flaws, and suggestions for improvements could be provided. To arrive at these suggestions have used the Excel tool and horizontal and vertical analysis which allows the comparison of different periods. Finally, improvements were recommended to control the cash flow, optimizing decision-making by financial managers. These improvements, all geared to the financial organization, especially the control of accounts payable of the analyzed company, which had major flaws. KEYWORDS: Financial Management. Cash flow.decisionmaking

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1 Tripé do Planejamento Financeiro...21 FIGURA 2 Organograma do Gestor Financeiro...22 FIGURA 3 Balanço Patrimonial...24 FIGURA 4 Demonstração do Resultado do Exercício...25 FIGURA 5 Demonstração das Mutações do Patrimônio Liquido...26 FIGURA 6 Demonstração do Valor Adicionado...28 FIGURA 7 Fluxo de Caixa- Modelo Direto...32 FIGURA 8 Fluxo de Caixa- Modelo Indireto...35

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Modelo de Fluxo de Caixa...40 Tabela 2 Desembolsos de Caixa...41 Grafico1 Análise do Desembolso de Caixa...41 Tabela 3 Contas a Receber...42 Tabela 4: Comparação Faturamento X Obrigações Financeira...43

11 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS BP - Balanço Patrimonial CFC - Conselho Federal de Contabilidade DOAR - Demonstração de Origem e Aplicação de Recurso DRE - Demonstração do Resultado do Exercício NBC - Normas Brasileiras de Contabilidade CRC - Conselho Regional de Contabilidade DFC - Demonstração do Fluxo de Caixa CPC - Comitê de Pronunciamentos Contábeis DVA - Demonstração do Valor Adicionado FCO -Fluxo de Caixa Operacional NE - Notas Explicativas DMPL - Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido LP - Longo Prazo CP - Curto Prazo ERP - Enterprise Resourcing Planning IBRACON Instituto dos Auditores Independentes IBEF- Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequenas Empresas UNAMA Universidade da Amazônia

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Problematização Objetivos Objetivo geral Objetivos específicos Metodologia Justificativa PLANEJAMENTO Planejamento financeiro Demonstrações contábeis Balanço patrimonial Demonstração do resultado do exercício Demonstrações das mutações do PL Notas explicativas Demonstração do valor adicionado Demonstração de fluxo de caixa Legislação DFC Utilização DFC Vantagem DFC METODOLOGIA Escolha do tema Tipo de pesquisa A GESTÃO FINANCEIRA PARA TOMADA DE DECISÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS...46

13 13 1 INTRODUÇÃO Para a obtenção de um resultado positivo em qualquer organização, independente do ramo é necessário um ótimo planejamento, e do comprometimento de todos que fazem parte dessa organização. O planejamento é uma atividade constante nas empresas, desde a etapa inicial até o seu fim. A função financeira é sem dúvidas o ponto crucial para sobrevivência de todas as entidades, quando bem administrada possibilita inúmeros benefícios, dentro eles a acessão da atividade e a maximização do patrimônio dos acionistas. No decorrer dos capítulos será demonstrada a importância do orçamento financeiro, seus benefícios, bem como a importância da figura do administrador ou gestor da área. Outra ferramenta bastante importante, considerada até indispensável dentro da gestão financeira, é o fluxo de caixa, seja ele de contas a receber, ou de contas a pagar. É importante a utilização fluxo de caixa e o controle financeiro para as organizações independente de serem grandes, médias ou pequenas. Principalmente nas empresas de pequeno porte, que seus administradores, normalmente são os sócios e/ou os donos e não possuem tanto domínio referente a gestão financeira e que por sua vez até acham desnecessários esse cuidado com a gestão financeira. Demonstrando os inúmeros benefícios que uma boa gestão financeira pode trazer para a organização. Existem 02 tipos de fluxo de caixa, o outflow, que representam todas as saídas da empresa, e o inflow, que representam todas as entradas de recursos na organização. O responsável por esse controle e análise, deve ser a pessoa que tenha conhecimento de todas as áreas da empresa, tanto do contas a receber, do contas a pagar, do setor de compras, do setor de custos e matéria prima, em fim que domine ou pelo menos entenda todos os setores e todas as atividades desenvolvidas pela entidade. Não é uma atividade fácil, deve ser desenvolvida com o máximo de cuidado, pois quando for mal interpretada, poderá levar a organização a decisões incorretas e sérios prejuízos.

14 14 Quando o mesmo é bem respeitado ou quando não se há grandes alterações podem-se prever situações que poderiam dificultar a gestão financeira, mas quando não pegam as empresas de surpresa não fazem tanto diferença, pois quando se pode prever alguma situação futura, pode-se de certa forma se preparar para conseguir tirar algum benefício da situação. Para entendedores dessa área, é possível afirmar que a administração financeira quando bem elaborada e trabalhada, pode levar ao sucesso ou ao insucesso no curto, médio ou longo prazo de qualquer entidade. Uma das atividades mais importantes do setor financeiro encontra-se no setor de conciliação bancária, pois é nela que se observa e analisa se tudo foi realmente pago, ou se foi realmente recebido como estava previsto. Agindo assim a empresa tem uma situação real da empresa, mas devemos ressaltar que essa atividade deve ser realizada diariamente, não podendo jamais haver acúmulos ou dúvidas em seus lançamentos. Esse trabalho será dividido, da seguinte forma: No capítulo um será abordada a introdução, problemática, objetivos, justificativa e metodologia. No segundo capítulo abordar-se-á a importância da gestão financeira e do fluxo de caixa; o perfil do gestor dessa área; as dificuldades encontradas para desempenhar uma boa gestão financeira e exemplos de fluxos de caixa. No capítulo três será abordada a metodologia utlizada para desenvolver esta pesquisa. No quarto capítulo será apresentada uma análise da gestão financeira no processo de tomada de decisão das organizações. No capítulo cinco trará a conclusão e em seguida as referências bibliográficas.

15 DEFINIÇÃO TEMÁTICA E PROBLEMÁTICA Atualmente observa-se através de estudos que as empresas estão fechando suas portas pouco tempo depois que são abertas, seja por falta de capital, por falta de tino comercial ou qualquer outra adversidade. A dificuldade em se organizar financeiramente também se dá por conta do acúmulo de funções dentro principalmente das pequenas e médias empresas. Independente do ramo escolhido, do tamanho ou do tipo da atividade empresarial, é fundamental uma ótima gestão financeira para que haja seu crescimento e sua continuidade. Para que isso ocorra será mostrado, como dá suporte às empresas auxiliando a terem um bom resultado empresarial, entendendo algumas ferramentas disponíveis e necessárias para a obtenção do resultado positivo. Para isso criou-se o seguinte questionamento. Quais as ferramentas necessárias e indispensáveis para uma boa gestão financeira, que proporcione um resultado positivo à gestão das organizações? 1.2. OBJETIVOS Este estudo tem como principal objetivo analisar a importância da gestão financeira para tomada de decisão nas atividades empresariais OBJETIVOS ESPECÍFICOS Analisar o gerenciamento do fluxo de caixa; Verificar o planejamento financeiro; Acompanhar o cumprimento das metas, evitando desperdícios; Identificar o perfil do gestor financeiro. 1.3 JUSTIFICATIVA As primeiras orientações de gestão financeira surgiram em 1952 para atender a necessidade de alguns investidores que não conseguiam conciliar o risco

16 16 e a segurança em suas atividades, principalmente quando se tratava de investimentos longos, pois não tinham como prever as consequências desses investimentos, devido à inflação. A gestão financeira é o conjunto de ações que envolvem planejamento, disciplina, análise e tomadas de decisões em tempo hábil. Tem como principal objetivo, maximizar os resultados positivos da empresa, gerando lucro, visando o crescimento da organização, bem como analisar os recursos financeiros disponíveis para sua melhor utilização e captação de recursos caso seja necessário, evitando desperdícios, e alocando os recursos disponíveis de forma eficaz. Tendo como principal objetivo melhorar o resultado da organização; aumentar cada vez mais o valor do lucro líquido, e desenvolver ações de melhorais dentro dos diversos setores da empresa. Através da atividade de Crédito e Cobrança, é feito uma análise referente aos recebíveis da organização, se o prazo oferecido para os clientes atende as necessidades de ambos (cliente x empresa), ou seja, se temos tempo entre o recebimento dessa compra ao pagamento das obrigações adquiridas pela entidade. A atividade de Cobrança é uma ferramenta indispensável, pois é através dela que se pode recuperar prejuízos inerentes a inadimplência, portanto os analistas de crédito ou recuperador de créditos são figuras mais que importantes dentro de qualquer organização, pois eles poderão melhorar os recebíveis e aumentar o fluxo de caixa da entidade. Essa atividade deve ser acompanhada bem de perto, pois é através deles que os clientes veem a empresa, através de suas atitudes que formam a imagem da mesma, e devido a atividade ser difícil, diria até estressante, deve sempre haver atividades motivacionais, como por exemplo, comissões, bônus extra, como tipo de reconhecimento e motivação pelo excelente trabalho desempenhado. A falta de uma gestão financeira eficaz, trás inúmeros problemas a qualquer entidade, dentre eles pode-se destacar: O saldo incorreto das contas, trazendo assim uma informação inverídica no fluxo de caixa; O controle incorreto do saldo das contas do estoque, possibilitando perdas de mercadorias;

17 17 A falta de controle de pagamentos, podendo haver o prejuízo com encargos e multas, devido ao atraso nos pagamentos; A falta de controle de recebíveis, possibilitando a captação de recursos através de empréstimos e/ou financiamentos desnecessários no momento; Possibilidade de prejuízos decorrentes ao preço de venda da mercadoria ou do serviço calculado de forma incorreta; A elaboração incorreta das demonstrações financeiras e contábeis da entidade; Falta de controle nas retiradas de valores inerentes a pró - labore dos sócios; Não efetuar um controle diário de pagamentos e recebimentos, através da atividade de conciliação bancária; Na falta da conciliação bancária, existe a possibilidade de pagamentos duplicados, acarretando em prejuízo; A falta de planejamento e controle financeiro, possibilita a descontinuidade da empresa em apenas cinco anos após seu nascimento, chegando a até 70% fecharem suas portas em um pequeno intervalo de tempo. Devido a imaturidade de seus administradores, que não conseguem enxergam a real importância dessas ferramentas - SEBRAE/MG. Conforme Patrícia Liz - SEBRAE/SP (2009), A gestão financeira é um conjunto de ações e procedimentos administrativos que envolvem o planejamento, a análise e o controle das atividades financeiras da empresa. O objetivo é melhorar os resultados apresentados pela empresa e aumentar o valor do patrimônio por meio da geração de lucro líquido. No entanto, é muito comum que empresas deixem de realizar uma adequada gestão financeira. Uma correta administração financeira permite que se visualize a atual situação da empresa. Registros adequados permitem analises e colaboram com o planejamento para aperfeiçoar resultados. O responsável pela gestão financeira de qualquer empresa, é uma pessoa de confiança dos sócios ou proprietários, porém recai sobre ele uma responsabilidade muito grande, pois ele é capaz de levar a organização ao sucesso ou insucesso.

18 18 Ele deve ser uma pessoa leal, de boa Fé, que diante de um mercado tão competitivo deve sempre ter atitudes inovadoras e criativas, que busque tomar decisões ariscadas, porém que tenha cautela, e sempre meça os riscos de toda e qualquer operação, seja ela uma simples transferência até um alto investimento. Ressalta-se que é fundamental importância que ele tenha eficiência e eficácia, e preferencialmente já tenha um grande conhecimento ou uma bagagem de outras entidades, que venha de fato a somar a equipe da organização. 1.4 METODOLOGIA Este trabalho tem como propósito responder o questionamento antes realizado com detalhamento e precisão, para que possa ficar esclarecida a questão abordada. O conteúdo analisado para realizar essa pesquisa, foi teórico, os artifícios utilizados para fundamentação desta pesquisa foram artigos publicados na internet e livros que abordam o assunto, dissertações, artigos, dentre outros.

19 19 2 PLANEJAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATEGICA A gestão financeira busca através de seus métodos encontrarem meios que atinjam seus objetivos e suas metas de curto, médio e longo prazo. Porém essa não é uma atividade fácil, requer conhecimento para identificar problemas em tempo hábil, ainda na fase inicial, providenciar soluções para esses problemas, buscando sempre tirar dos imprevistos as melhores alternativas e possíveis benefícios para si próprio. Para a obtenção de um bom resultado é necessário ter um excelente planejamento empresarial, pois ele é uma peça vital para ascensão de qualquer organização, é nele que se analisam todas as possíveis ações a serem tomadas. Planejamento nada mais é do que um processo onde identifica aonde se quer chegar, como chegar, da forma mais eficaz para a organização, ou seja, são ações presentes que implicarão no futuro. É de fundamental importância que se defina as etapas do planejamento, e ponha em prática todas elas, seguindo-as rigorosamente. Para Correa, (Web 2008). O planejamento é o processo derivado da função da administração de planejar, que significa especificar os objetivos a serem atingidos e decidir antecipadamente as ações apropriadas que devem ser executadas para atingir esses objetivos. Agindo desta forma, a organização colherá inúmeros benefícios, dentre eles, terá uma redução significativa de perda de tempo e de recursos, evitando atividades repetitivas, pois será cada vez mais objetiva e clara em suas atividades. Terá o envolvimento de todos ou boa parte da equipe, onde todos se sentirão importantes para a organização, sabendo que estão contribuindo de forma benéfica para a organização no qual fazem parte. É na etapa de planejamento que se inicia a delimitação da missão, da visão e dos objetivos da organização. A missão é saber para que a empresa existe. A visão é saber aonde a empresa quer chegar durante um prazo definido. Os objetivos é a delimitação do foco. Independente do ramo de atividade ou do tamanho da organização é importantíssimo definir sua missão no mercado e

20 20 em seguida definir sua visão, já que a mesma é um processo futuro e deve sempre ser baseada em sua missão. 2.1 PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA EMPRESARIAL Outra ferramenta bastante importante é o planejamento financeiro. Ter um controle financeiro seja pessoal ou empresarial não é nada fácil, porém é de suma importância tê-lo. O Planejamento Financeiro deve ser visto como um processo para evitar ou minimizar problemas financeiros com o intuito de maximizar os objetivos e metas antes pré-estabelecidas. Pois além de criar metas e objetivos realistas deve lutar ao máximo para conseguir cumpri-las por completo ou pelo menos boa parte delas. De acordo com Gitman (1997, p. 589) O planejamento financeiro é um aspecto importante para o funcionamento e sustentação da empresa, pois fornece roteiros para dirigir, coordenar e controlar suas ações na consecução de seus objetivos. Para Teló (web 2004) O planejamento financeiro estabelece o modo pelo qual os objetivos financeiros podem ser alcançados. Um plano financeiro é, portanto, uma declaração do que deve ser feito no futuro. passos: Para obter sucesso no planejamento financeiro, deve-se seguir alguns Identificar metas e objetivos; Definição de prazos; Analisar a definição dos prazos, possíveis aumentos, caso seja necessário; Definição das estratégias: Plano A, Plano B, Plano C; Pôr em prática as estratégias; Revisão periódica dos planos e objetivos. Não se deve esperar por um insucesso para desenvolver um planejamento, pois ele é a diferença entre sonhadores e realizadores, e quando mais cedo for estabelecido e desenvolvido, mais resultados positivos trará para a organização.

21 21 O mercado está cada vez mais competitivo, hoje para ter sucesso e crescimento empresarial deve além de ter um diferencial, deve ter um ótimo planejamento financeiro, pois é através dele que se pode analisar se a situação financeira da organização esta favorável ou desfavorável, se há necessidade de captar recursos, ou aplicar recursos, se irá cumprir com as obrigações financeiras dentro do prazo estabelecido. Através de um conjunto de controles e procedimentos que se tem uma visão futura da vida financeira da organização, proporcionando uma antecipação de atitudes e um aproveitamento melhor das situações. O planejamento financeiro empresarial pode ser desenvolvido em qualquer momento, mas o ideal é que seja estabelecido no inicio da atividade empresarial, pois como já foi dito anteriormente, é nessa etapa que se defini e se delimita alguns pontos crucias para a sobrevivência de organização. Segundo Sá (2008) o planejamento financeiro pode ser observado através de um tripé. Conforme demonstrado na figura 1. Figura 1: Tripé do Planejamento Financeiro Projeção do Fluxo de Caixa Saldo Mínimo de Caixa Operações de Tesouraria FONTE: Princípios da Administração Financeira, Jordan (2008) Esse tripé demonstra que quanto maior for à incerteza da projeção do fluxo de caixa, maior deve ser o saldo mínimo de caixa, ou seja, se não podemos confiar no fluxo de caixa, deve-se resguardar no saldo de caixa. Para a obtenção de um bom resultado, e para que os sócios ou os proprietários da organização possam sentir confiança na gestão financeira, a figura do gestor financeiro é importantíssima.

22 22 Pois ele deve ser responsável por características que fazem todo o diferencial perante obstáculos que surgirão em toda vida financeira, como por exemplo: deve ter comprometimento com a organização e com sua equipe; ser orientado e orientar para obtenção de resultados positivos; ser motivado e motivador; ser ético; ter disciplina; ser proativo; saber gerenciar seu tempo e o de sua equipe; ter inteligência emocional e interpessoal, dentre outros. Existem diferenças entre empresas de grande e de pequeno porte. As de pequeno porte o diretor financeiro não só apenas é responsável pela gestão financeira como as vezes pela controladoria. Já nas empresas de grande porte a divisão de atividades e de responsabilidades é bem significativa. Pode-se observar onde o gestor ou diretor financeiro está em uma organização considerada de grande porte, através do organograma demonstrado na Figura 2. Figura 2: Organograma Conselho de Administração Presidente do Conselho e Diretor Executivo Geral Presidente e Diretor Geral de Operações Diretor de Marketing Diretor Financeiro Diretor de Produção Tesoureiro Controller Gerente de Caixa Gerente de Credito Planejamento Financeiro Gerente de Planejamento Fiscal Gerente de Contabilidade de Custos Gerente de Contabilidade Financeira FONTE: Princípios da Administração Financeira, Jordan (2008)

23 23 O ato de planejar antecipadamente as ações e reações só tem a somar e fazer o diferencial em qualquer empresa. Porém devemos lembrar que somente isso não é suficiente. Outra ferramenta bastante importante que devemos usá-la é a contabilidade gerencial/financeira, que é indispensável para tomada de decisões, apesar de ser uma contabilidade que engloba tudo de uma forma geral ela assume um papel importantíssimo. O principal objetivo da contabilidade é fornecer dados e informações que auxiliem na tomada de decisões, sejam por meio de relatórios ou de comunicados. Basta saber interpretar e analisar essas informações de forma eficaz. Relatório contábil é a exposição resumida e ordenada de dados colhidos pela contabilidade. Objetiva relatar às pessoas que se utilizam da contabilidade (usuários da contabilidade) os principais fatos registrados pela contabilidade em determinado período. (Jose Carlos Marion, 2008, p.39). Para que essa análise seja feita e bem interpretada utilizam-se as demonstrações contábeis. As demonstrações contábeis servem para demonstrar a vida financeira da organização, facilitando que a vida econômico-financeira de qualquer organização seja facilmente interpretada ajudando nas tomadas de decisões, como também auxiliam na hora de identificar se estão capazes de investir ou se precisam de captações financeiras. As demonstrações contábeis por si só não avaliam a organização, elas fornecem informações para que as análises sejam feitas, fazendo com que assim a gestão financeira seja mais eficaz e que tenha mais resultados positivos. É através das demonstrações contábeis que uma empresa pode captar recursos junto a órgãos financeiros, pois é através delas que se observa a capacidade de pagamento de suas obrigações financeiras. De acordo com definição IBRACON (NPC 27) "As demonstrações contábeis são uma representação monetária estruturada da posição patrimonial e financeira em determinada data e das transações realizadas por uma entidade no período findo nessa data. O objetivo das demonstrações contábeis de uso geral é fornecer informações sobre a posição patrimonial e financeira, o resultado e o fluxo financeiro de uma entidade, que são úteis para uma ampla variedade de usuários na tomada de decisões. As demonstrações contábeis também mostram os resultados do gerenciamento, pela Administração, dos recursos que lhe são confiados."

24 24 De acordo com Camargo, (2007, p.157) "as demonstrações financeiras são relatórios que contém dados sobre o patrimônio de uma entidade e formam o seu sistema contábil". Podem-se dividir as demonstrações contábeis em: BP =>Balanço Patrimonial; DRE => Demonstração do Resultado do Exercício; DMPL => Demonstração das Mutações do Patrimônio Liquido; NE =>Notas Explicativas; DVA => Demonstração do Valor Adicionado; DFC => Demonstração de Fluxo de Caixa; BALANÇO PATRIMONIAL (BP) É considerada a mais importante demonstração, pois apresenta a situação econômica e financeira das organizações. O Balanço Patrimonial é uma maneira simples de demonstrar o que empresa possui e o que ela tem de obrigações. De acordo com Avila (2006). O patrimônio de uma entidade é composto dos bens, direitos e obrigações. Os bens e direitos compõem o ativo, as obrigações compõem as contas do passivo. São demonstrados de forma simplificada, da seguinte maneira em forma de "t". A Lei nº 6.404/76 classifica o ativo em três grupos: o ativo circulante, ativo realizável a longo prazo e o ativo não circulante. Já o Passivo é dividido em passivo circulante, passivo exigível a longo prazo, resultados do exercício e Patrimônio liquido (PL). A Figura 3 traz um modelo de Balanço Patrimonial para facilitar o entendimento.

25 25 Figura 3: Balanço Patrimonial Fonte: Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças do Espírito Santo, DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) É o relatório dinâmico responsável por evidenciar a situação econômica da empresa, onde demonstra em um período todas as operações realizadas pela empresa, destacando o lucro liquido. De acordo Ludícibus (2004, p.194) A Demonstração do Resultado do Exercício é um resumo ordenado das receitas e despesas da empresa em determinado período. É apresentada de forma dedutiva (vertical), ou seja, das receitas subtraem-se as despesas e em seguida, indica-se o resultado (lucro ou prejuízo). A DRE é responsável por medir o desempenho da organização, geralmente o período estimado é de um trimestre ou de um ano. A Figura 4 apresenta a Demonstração do Resultado do Exercício.

26 26 Figura 4: Demonstração do Resultado do Exercício RECEITA OPERACIONAL BRUTA Vendas de Produtos Vendas de Mercadorias Prestação de Serviços (-) DEDUÇÕES DA RECEITA BRUTA Devoluções de Vendas Abatimentos Impostos e Contribuições Incidentes sobre Vendas = RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA (-) CUSTOS DAS VENDAS Custo dos Produtos Vendidos Custo das Mercadorias Custo dos Serviços Prestados = RESULTADO OPERACIONAL BRUTO (-) DESPESAS OPERACIONAIS Despesas Com Vendas Despesas Administrativas (-) DESPESAS FINANCEIRAS LÍQUIDAS Despesas Financeiras (-) Receitas Financeiras Variações Monetárias e Cambiais Passivas (-) Variações Monetárias e Cambiais Ativas OUTRAS RECEITAS E DESPESAS Resultado da Equivalência Patrimonial Venda de Bens e Direitos do Ativo Não Circulante (-) Custo da Venda de Bens e Direitos do Ativo Não Circulante (=) RESULTADO OPERACIONAL ANTES DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL E SOBRE O LUCRO (-) Provisão para Imposto de Renda e Contribuição Social Sobre o Lucro (=) LUCRO LÍQUIDO ANTES DAS PARTICIPAÇÕES (-) Debêntures, Empregados, Participações de Administradores, Partes Beneficiárias, Fundos de Assistência e Previdência para Empregados (=) RESULTADO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO Fonte: (2013) DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO (DMPL) A Demonstração das Mutações do Patrimônio Liquido (DMPL), é uma demonstração facultativa, e mais completa do que as anteriores, pois mostra a movimentação de todas as contas do patrimônio liquido durante o exercício social. A DMPL, evidencia os fluxos que impactam os saldos das contas do Patrimônio Liquido. Para fins de publicação, por ser mais abrangente, a DMPL substitui a DLPA, esta sim, obrigatória de acordo com a legislação. Hoji (2004, p.268) A DMPL apesar de ser uma demonstração mais completa é mais fácil de ser elaborada. A Figura 5 traz um modelo desta demonstração.

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças Prof. Moab Aurélio Competências a serem trabalhadas PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO GESTÃO FINANCEIRA CONTABILIDADE ACI : ESTUDO

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Resumo Demonstrações contábeis são informações e dados que as empresas oferecem ao fim de cada exercício, com a finalidade de mostrar aos acionistas, ao governo e todos os interessados,

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DLPA DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS A DLPA expõe as variações ocorridas, durante o exercício, na conta Lucros ou Prejuízos Acumulados. Ela pode ser incluída na DMPL Demonstração das Mutações

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO Nádia Nascimento Cardoso 1, Carla Cristina Ferreira de Miranda orientadora 2 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas Universidade do Vale Paraíba,

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Resumo de Contabilidade Geral

Resumo de Contabilidade Geral Ricardo J. Ferreira Resumo de Contabilidade Geral 4ª edição Conforme a Lei das S/A, normas internacionais e CPC Rio de Janeiro 2010 Copyright Editora Ferreira Ltda., 2008-2009 1. ed. 2008; 2. ed. 2008;

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 11 Demonstração dos Fluxos de Caixa

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 11 Demonstração dos Fluxos de Caixa 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração dos Fluxos de Caixa Tópicos do Estudo Demonstração dos Fluxos de Caixa. Demonstrações Financeiras para montagem da Demonstração do Fluxo de Caixa - DFC.

Leia mais

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS 1. CONCEITOS A Demonstração do Fluxo de Caixa demonstra a origem e a aplicação de todo o dinheiro que transitou pelo Caixa em um determinado período e o resultado desse fluxo (Iudícibus e Marion, 1999).

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA DISTRIBUIÇÃO DA APRESENTAÇÃO - Aspectos Conceituais - Definições Teóricas e Acadêmicas

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Fluxo de Caixa 6 Demonstração das Mutações

Leia mais

Balanço Patrimonial e DRE

Balanço Patrimonial e DRE Balanço Patrimonial e DRE Administração financeira e orçamentária Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com 2 Demonstrações Financeiras (Contábeis) Dados Dados Coletados Coletados

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Contabilidade Geral ICMS-RJ/2010

Contabilidade Geral ICMS-RJ/2010 Elias Cruz Toque de Mestre www.editoraferreira.com.br Temos destacado a importância das atualizações normativas na Contabilidade (Geral e Pública), pois em Concurso, ter o estudo desatualizado é o mesmo

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS 81 Assinale a alternativa que apresente a circunstância em que o Sistema de Custeio por Ordem de Produção é indicado. (A) O montante dos custos fixos é superior ao valor

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Estrutura da Demonstração do Valor Adicionado 2.1 - Grupo de Receita Bruta - Outras Receitas 2.2 - Grupo de Insumos Adquiridos

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0401 01 IDENTIFICAÇÃO Título: CONTABILIDADE E EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO DO NEGÓCIO Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: ACOMPANHAMENTO CONTÁBIL O QUE É : Este é

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

Marketing Prof. Sidney Leone. Hoje Você Aprenderá: Ferramentas. Gestão Financeira: Planejamento Financeiro

Marketing Prof. Sidney Leone. Hoje Você Aprenderá: Ferramentas. Gestão Financeira: Planejamento Financeiro Marketing Prof. Sidney Leone Gestão Financeira: Planejamento Financeiro Hoje Você Aprenderá: Demonstrativos financeiros da empresa (Balanço Patrimonial, DRE, DMPL etc...) Análise econômicofinanceira.(fluxo

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos MP627 Alterações Fiscais sobre o Ajuste a Valor Presente

Parecer Consultoria Tributária Segmentos MP627 Alterações Fiscais sobre o Ajuste a Valor Presente 11/03/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 4 3. Análise da Legislação... 5 a. Ajuste a Valor Presente no Contas a Receber... 5 b. Ajuste

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

Equipe de Professores da FECAP

Equipe de Professores da FECAP São Paulo, 28 de fevereiro de 2014. Exame de Suficiência CFC 02/2013 Setembro/2013 Prezados professores, alunos, ex-alunos da Fecap e demais interessados, Apresentamos a seguir nosso trabalho de apresentação,

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

Exame de Suficiência Setembro 2011 Bacharel

Exame de Suficiência Setembro 2011 Bacharel Exame de Suficiência Setembro 2011 Bacharel 01 - Acerca das demonstrações contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I - O recebimento de caixa resultante da venda de Ativo

Leia mais

Bloco Contábil e Fiscal

Bloco Contábil e Fiscal Bloco Contábil e Fiscal Contabilidade e Conciliação Contábil Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos Contabilidade e Conciliação Contábil, que fazem parte do Bloco Contábil

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007 Autor - Manoel Moraes Jr OBJETIVOS DA DOAR Apresentar de forma ordenada e sumariada as informações relativas

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com

Leia mais

A demonstração dos fluxos de caixa evidencia a variação ocorridas no saldo das disponibilidades da companhia, em um determinado exercício ou período,

A demonstração dos fluxos de caixa evidencia a variação ocorridas no saldo das disponibilidades da companhia, em um determinado exercício ou período, A demonstração dos fluxos de caixa evidencia a variação ocorridas no saldo das disponibilidades da companhia, em um determinado exercício ou período, por meio eo da exposição posção dos fluxos de recebimentos

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade II DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 3 INTRODUÇÃO 1 2 A demonstração dos fluxos de caixa (DFC), a partir de 01/01/08, passou a ser uma demonstração obrigatória, conforme estabeleceu a lei

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012.

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012. Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

DVA Demonstração do Valor Adicionado

DVA Demonstração do Valor Adicionado DVA Demonstração do Valor Adicionado A DVA foi inserida pela Lei nº 11.638/2007, (artigo 176, inciso V), no conjunto de demonstrações financeiras que as companhias abertas devem apresentar ao final de

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 - BALANÇO PATRIMONIAL CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 - BALANÇO PATRIMONIAL CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis PROFESSOR : Salomão Dantas Soares TURMA 6º CCN AULA 02 Turno/Horário Noturno Apostila

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

As Demonstrações Contábeis para Pequenas e Médias Empresas (PMEs) NBC T 19.41 Resolução 1255/09 do CFC

As Demonstrações Contábeis para Pequenas e Médias Empresas (PMEs) NBC T 19.41 Resolução 1255/09 do CFC As Demonstrações Contábeis para Pequenas e Médias Empresas (PMEs) NBC T 19.41 Resolução 1255/09 do CFC Profa Marcia Ferreira Neves Tavares Prof. Severino Ramos da Silva O que vamos conversar... Por quê

Leia mais

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis:

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: 4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA Exercícios: 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF)) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CAPÍTULO 2: PASSIVO EXIGÍVEL E RECEITAS DIFERIDAS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro Contabilidade e Balanço Patrimonial Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio

Leia mais

Resumindo, teríamos as seguintes companhias obrigadas à elaboração da DFC:

Resumindo, teríamos as seguintes companhias obrigadas à elaboração da DFC: Aula 4 Questões Comentadas e Resolvidas Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). Demonstração do Valor Adicionado. 1.(Analista de Gestão Corporativa-Contabilidade-Empresa de Pesquisa

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

19. Patrimônio líquido 19.1 Capital 20. Balanço patrimonial de acordo com a Lei n.º 6.404/76 e alterações Questões de provas comentadas

19. Patrimônio líquido 19.1 Capital 20. Balanço patrimonial de acordo com a Lei n.º 6.404/76 e alterações Questões de provas comentadas Sumário CAPÍTULO 1 CONCEITOS BÁSICOS 1. Conceito de contabilidade 1.1 Ciência social 1.1.1 Princípios de contabilidade 1.2 Objeto da contabilidade 1.3 Objetivo da contabilidade 1.4 Finalidade da contabilidade

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

Principais Alterações na Estrutura das Demonstrações Contábeis a Lei nº 11.638/07

Principais Alterações na Estrutura das Demonstrações Contábeis a Lei nº 11.638/07 1 Principais Alterações na Estrutura das Demonstrações Contábeis a Lei nº 11.638/07 Eliane Sayuri Takahashi Nishio 1 Gerardo Viana Priscila Juliana Batista Ricardo Pereira Rios 2 Resumo Este estudo versa

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Auditoria 1. Uma das diferenças entre o auditor independente e o auditor interno é que o primeiro

Maratona Fiscal ISS Auditoria 1. Uma das diferenças entre o auditor independente e o auditor interno é que o primeiro Maratona Fiscal ISS Auditoria 1. Uma das diferenças entre o auditor independente e o auditor interno é que o primeiro (A) necessita de registro no Conselho Regional de Contabilidade e o segundo, não. (B)

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 EXERCÍCIOS EXTRAS 1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 S.DEVEDORES (APLICAÇÕES)............ S.CREDORES (ORIGENS)...... t o t a

Leia mais

CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA II DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO (DMPL)

CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA II DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO (DMPL) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA II DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO Prof. Emanoel Truta Conceito É uma demonstração contábil que visa evidenciar as variações ocorridas em todas as contas que compõem o Patrimônio

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 09. Demonstração do Valor Adicionado

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 09. Demonstração do Valor Adicionado COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 09 Demonstração do Valor Adicionado PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO 1-2 ALCANCE E APRESENTAÇÃO 3 8 DEFINIÇÕES 9 CARACTERÍSTICAS DAS

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul Educação financeira. Esta é a palavra-chave para qualquer

Leia mais

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade:

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade: Olá, pessoal! Como já devem ter visto, dois bons concursos estão na praça: Fiscal do ISS de São Paulo e Auditor Fiscal do Ceará. As bancas são, respectivamente, a Fundação Carlos Chagas (FCC) e a Escola

Leia mais

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs. 1 A Contabilidade como Ferramenta de Gestão: Nova Visão Empresarial Benefícios e Vantagens; Parceria do Administrador e do Profissional

Leia mais

Estrutura das Demonstrações Financeiras

Estrutura das Demonstrações Financeiras Estrutura das Demonstrações Financeiras 1 - ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS A Análise das demonstrações financeiras exige noções do seu conteúdo, significado, origens e limitações. Através de uma

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 7 Demonstração

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007 PLANO DE S FOLHA: 000001 1 - ATIVO 1.1 - ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 - DISPONÍVEL 1.1.1.01 - BENS NUMERÁRIOS 1.1.1.01.0001 - (0000000001) - CAIXA 1.1.1.02 - DEPÓSITOS BANCÁRIOS 1.1.1.02.0001 - (0000000002)

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS NOTA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Curso: Administração de Empresas Turma: Disciplina: Administração Financeira Professor : Maxwell Lucena / Aluno(a): Maxwe R.A.: Assinatura: Data: / / 1ª. Questão

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08 Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 39 partes

Leia mais

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Conhecimento essencial em Gestão de Controladoria Depois de sucessivas crises econômicas, os investidores pressionam cada vez mais pela

Leia mais

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente ADMINISTRAR ----- NÃO É ABSOLUTO. SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... INTEGRAÇÃO = PESSOAS / EMPRESAS = ESSENCIAL SATISFAÇÃO FINANCEIRA RESULTANTE DA SINERGIA Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais