INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ"

Transcrição

1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ RELATÓRIO DO QUESTIONÁRIO APLICADO AO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO II SEMESTRE/2014 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA) Bambuí-MG 2015

2 1- Histórico do curso de Engenharia de Produção O curso superior de Bacharelado em Engenharia de Produção é ofertado pelo Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG) - Campus Bambuí que fica localizado à Fazenda Varginha, Rodovia Bambuí - Medeiros, Km 05, Bambuí, MG, CEP Essa instituição tem como missão: educar e qualificar pessoas para serem cidadãos críticos, criativos, responsáveis e capazes de atuar na transformação da sociedade. O curso de Engenharia de Produção iniciou suas atividades em 2010, sendo autorizado pela portaria IFMG nº 176, de 04 de março de Diante das mudanças que vem acontecendo com a crescente industrialização, o rápido desenvolvimento, o mercado altamente competitivo e a globalização, criou-se esse curso com a finalidade de formar profissionais com a capacidade de enfrentar os desafios do mercado, através de uma sólida base teórica e prática nos conteúdos básicos, profissionalizantes e específicos do curso. Além disso, preparar profissionais para atuarem tanto no processo produtivo, quanto no desenvolvimento técnico e científico, considerando-se os aspectos políticos, sociais, culturais, econômicos, ambientais, humanos e éticos. A implantação do curso de Engenharia de Produção no IFMG Campus Bambuí é o resultado de um processo de discussão entre os Docentes dos Departamentos de Ciências Exatas e Ciências Gerenciais. A verticalização dos cursos Integrado de Mecânica e Técnicos Subsequentes em Mecânica Automotiva e Mecânica Agrícola, o corpo docente formado por profissionais nas áreas de engenharia e administração e a demanda regional foram fatores fundamentais na escolha da abertura deste curso na Instituição. Esta proposta de criação do curso apoia-se nas orientações institucionais contidas no Plano de Desenvolvimento Institucional do IFMG (PDI) e nos conceitos e metodologias contidos em Projetos Políticos-Pedagógicos de cursos de Engenharia de Produção de outras Instituições, além, naturalmente, da observação dos preceitos contidos nas regulamentações legais que dispõem sobre os cursos de Engenharia de Produção. Dessa forma, elaborou-se o curso com uma estrutura sólida, em que o aluno deve cursar 4120 horas de disciplinas obrigatórias e cumprir, no mínimo, 200 horas de disciplinas optativas e 200 horas de atividades práticas complementares. Por fim, o aluno deve cumprir 40 horas na elaboração do trabalho de conclusão de curso e 360

3 horas de estágio supervisionado curricular. Esse conjunto de tarefas que devem ser desenvolvidas pelos estudantes ao longo da sua graduação totalizam horas. O curso de Engenharia de Produção é ofertado na modalidade presencial com regime de matrícula por disciplina. Os prazos mínimo e máximo de integralização são de 10 semestres e 20 semestres, respectivamente. O curso oferta 40 vagas por ano e possui funcionamento em período integral. A Engenharia de Produção desenvolveu-se, ao longo do século XX, em resposta às necessidades de desenvolvimento de métodos e técnicas de gestão dos meios produtivos demandada pela evolução tecnológica e mercadológica. Enquanto os ramos tradicionais da Engenharia, cronologicamente seus precedentes, evoluíram na linha do desenvolvimento da concepção, fabricação e manutenção de sistemas técnicos, a Engenharia de Produção concentra-se no desenvolvimento de métodos e técnicas que permitem otimizar a utilização de todos os recursos produtivos. O aparecimento da Engenharia de Produção como um componente mais gerencial pode ter ocorrido devido ao fato dos cursos da área das Ciências da Administração de Empresas conduzirem seus egressos a uma formação de característica mais analítica, sem o foco principal na resolução de problemas, característica bem mais típica da Engenharia. Esta diferenciação torna o profissional de Engenharia de Produção apto a lidar com problemas relacionados com a mobilização de recursos técnicos, dentro da função de cumprir as tarefas a que se destina a empresa ou instituição a que serve. Portanto, acredita-se que o profissional graduado neste curso será capaz de desempenhar seu papel com competência e com postura profissional adequada a uma sociedade cada vez mais competitiva e exigente. Além disso, o mesmo deve contribuir para o desenvolvimento e melhoria da vida da comunidade e interferir positivamente nos processos produtivos, proporcionando maior eficácia e eficiência. 2- Metodologia A avaliação foi realizada no período de 19 de novembro a 01 de dezembro de 2014, por meio da disponibilização de um questionário em um link via dos discentes. O questionário abordava particularidades da gestão, dos setores do Campus e da coordenação do curso, contendo 23 questões com as seguintes alternativas de resposta: Desconheço, Péssimo, Ruim, Regular, Bom e Ótimo.

4 Os membros da CPA (Comissão Própria de Avaliação) Local visitaram as salas de aula do curso apresentando aos discentes a CPA, sua constituição e objetivos e esclarecendo a importância da participação dos mesmos no processo de avaliação. Após o período de avaliação, os dados foram tabulados e procederam-se a avaliação e discussão, para elaboração do presente relatório. 3- Resultados e discussão A Tabela 1 apresenta o percentual de respostas para cada uma das opções (Desconheço, Péssimo, Ruim, Regular, Bom e Ótimo) em cada pergunta abordada no questionário.

5 Perguntas Desconheço Péssimo Ruim Regular Bom Ótimo Busca de melhorias e na resolução de problemas relacionados ao ensino 0,0% 0,0% 0,0% 40,6% 50,0% 9,4% Busca de melhorias e na resolução de problemas relacionados à pesquisa e à extensão 18,8% 3,1% 0,0% 21,9% 50,0% 6,3% Busca de melhorias e na resolução de problemas relacionados à infraestrutura 3,1% 3,1% 21,9% 25,0% 25,0% 21,9% Busca de melhorias e na resolução de problemas relacionados ao registro e controle acadêmico 9,4% 3,1% 0,0% 37,5% 34,4% 15,6% Incentivo da Coordenação e Instituição aos professores e alunos quanto à publicação e apresentação de trabalhos em eventos de caráter científico (congressos, encontros, seminários, etc) no IFMG e em outras instituições,com a oferta de apoio logístico. Incentivo em políticas de formação e capacitação do corpo técnico-administrativo (participação em congressos, feiras de iniciação científica, cursos de capacitação, etc) 0,0% 3,1% 15,6% 18,8% 31,3% 31,3% 6,3% 0,0% 18,8% 12,5% 43,8% 18,8% Divulgação do Projeto Pedagógico do Curso (PPC) junto à comunidade escolar 18,8% 3,1% 18,8% 21,9% 28,1% 9,4% Envolvimento da comunidade escolar na atualização do Projeto Pedagógico do Curso PPC. 28,1% 3,1% 15,6% 34,4% 15,6% 3,1% Disponibilidade da Coordenação para atendimento, resolução de problemas e/ou esclarecimentos acadêmicos ao aluno, em horários predeterminados Orientação pela Coordenação e/ou responsável em relação a estágios curriculares, Trabalho de Conclusão de Curso (TCC e atividades complementares em conformidade com o Projeto Pedagógico Ações realizadas para a melhoria do curso decorrentes de avaliações internas e externas (por exemplo: a partir dos resultados do questionário de Avaliação Institucional CPA). 3,1% 12,5% 15,6% 34,4% 21,9% 12,5% 25,0% 12,5% 9,4% 25,0% 18,8% 9,4% 31,3% 3,1% 6,3% 21,9% 28,1% 9,4% Divulgação das propostas do Núcleo Docente Estruturante (NDE) e das deliberações do Colegiado de Curso. 21,9% 3,1% 9,4% 25,0% 28,1% 12,5% Existência de uma estrutura (grade) curricular flexível que possibilita a integração dos conteúdos, bem como uma visão 0,0% 3,1% 9,4% 28,1% 37,5% 21,9%

6 global do curso e do mercado de trabalho Promoção de debates e desenvolvimento de atividades com foco nos temas relacionados aos três pilares de sustentabilidade: econômico, social e ambiental Desenvolvimento de atividades voltadas para a educação das relações étnico raciais, para o tratamento de questões e temáticas relacionadas ao afrodescendentes, bem como para a valorização dos direitos humanos. 9,4% 3,1% 0,0% 31,3% 37,5% 18,8% 0,0% 6,3% 6,3% 21,9% 43,8% 21,9% Oportunidade de realização de projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação tecnológica. 3,1% 3,1% 3,1% 25,0% 43,8% 21,9% Desenvolvimento de projetos de extensão relacionados às atividades acadêmico culturais, artísticas e/ou desportivas. 9,4% 3,1% 9,4% 31,3% 34,4% 12,5% Disponibilização do acesso a informações, editais, programas e bolsas de Assistência Estudantil e mérito acadêmico 0,0% 0,0% 0,0% 6,3% 50,0% 43,8% Atualização e quantitativo de referências bibliográficas básicas, complementares e periódicos científicos, na modalidade física e virtual, que atenda a demanda do curso. Condição de salas de aula quanto à capacidade de acomodação, ventilação, limpeza, iluminação, acessibilidade e mobiliário 6,3% 6,3% 9,4% 9,4% 50,0% 18,8% 0,0% 0,0% 12,5% 12,5% 50,0% 25,0% Acesso à internet nas salas de aulas, biblioteca e laboratórios didáticos 0,0% 9,4% 53,1% 21,9% 9,4% 6,3% Condição dos laboratórios didáticos especializados quanto à disponibilidade (qualidade e quantidade) de softwares, insumos e equipamentos necessários ao bom desenvolvimento das aulas 0,0% 0,0% 21,9% 21,9% 40,6% 15,6% Disponibilidade de técnicos de laboratório para atendimento das demandas de ensino/pesquisa em horários condizentes com as necessidades do curso Tabela1: Tabela com percentual de respostas. Fonte: Elaborado pelos autores (2015). 6,3% 3,1% 6,3% 31,3% 28,1% 25,0%

7 Com relação a busca de melhorias e a resolução de problemas relacionados ao ensino, 59,4% dos discentes classificaram como Bom e Ótimo e 40,6% como Regular, indicando uma satisfação dos mesmos em relação às questões do ensino. Um posicionamento semelhante foi obtido com relação à pesquisa e à extensão (56,3% classificaram como Bom e Ótimo), mas destaca-se o fato de 18,8% dos discentes afirmarem Desconheço. Isto mostra uma necessidade de maior divulgação das questões e ações que envolvem a Pesquisa e Extensão no Campus. Os discentes também se mostraram satisfeitos com a busca de melhorias e na resolução de problemas relacionados ao Registro e Controle Acadêmico, visto que 50% das avaliações foram classificadas como Bom e Ótimo e 37,5% como Regular. Na questão relativa à busca de melhorias e na resolução de problemas relacionados à infraestrutura, obteve-se 25% das respostas como Péssimo e Ruim e 25% como Regular, evidenciando a necessidade de identificar pontualmente onde estão os problemas relacionados à infraestrutura. Para o incentivo da Coordenação e Instituição aos professores e alunos quanto à publicação e apresentação de trabalhos em eventos de caráter científico com a oferta de apoio logístico, bem como o incentivo em políticas de formação e capacitação do corpo técnicoadministrativo, 62,6% dos discentes avaliaram como Bom e Ótimo. Estes resultados mostram um aumento da satisfação em relação aos dados da pesquisa anterior, no qual foram obtidos 48% e 37%, respectivamente, para professores/alunos e técnicos-administrativos. Com relação à divulgação do Projeto Pedagógico do Curso (PPC) junto à comunidade escolar, os resultados apresentaram-se bastante divididos. Apesar de uma 37,5% dos discentes do curso avaliarem esta questão com os conceitos Bom e Ótimo, 21,9% a avaliaram como regular, 21,9% como Ruim e Péssimo e 18,8% afirmaram desconhecer a divulgação do PPC. Neste sentido, observa-se a necessidade de melhorar as ações de divulgação do PPC entre os alunos do curso. Ainda sobre o PPC, quando questionados sobre o envolvimento da comunidade escolar na atualização do mesmo, os conceitos que se destacam são o Regular (34,4%) e o Desconheço, que aumentou de 17% na avaliação anterior para 28,1%. Assim, observa-se também a necessidade de mais ações voltadas para o conhecimento e a participação dos alunos do curso nas questões inerentes ao PPC. Um ponto positivo, que merece destaque é o percentual de respostas nos conceitos Ruim e Péssimo que reduziu de 37% para 18,7%, quando comparado à última avaliação.

8 Sobre a questão da disponibilidade da Coordenação para atendimento, resolução de problemas e/ou esclarecimentos acadêmicos ao aluno, em horários predeterminados, nota-se novamente uma divisão entre as respostas dos alunos. Os percentuais se dividem entre Péssimo/Ruim (28,1%), Regular (34,4%) e Bom/Ótimo (34,4%). Ainda que esta questão não se apresente como uma fragilidade ou potencialidade, podem-se direcionar esforços para que esta venha a se tornar uma potencialidade nas próximas avaliações. Outro item avaliado foi a orientação pela Coordenação e/ou responsável em relação a estágios curriculares, Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e atividades complementares em conformidade com o Projeto Pedagógico. 25% dos alunos, afirmam desconhecer esta orientação, enquanto outros 25% a consideram regular. 28,2% avaliaram como Bom e Ótimo e 21,9% como Péssimo e Ruim. As avaliações permanecem divididas, o que reforça a necessidade de uma atuação mais intensa da coordenação do curso para promover melhorias nesse quesito avaliado. As ações realizadas para a melhoria do curso decorrentes de avaliações internas e externas (por exemplo: a partir dos resultados do questionário de Avaliação Institucional CPA), ainda que avaliadas por 37,5% dos alunos nos conceitos Bom e Ótimo, também são desconhecidas por 31,3% dos alunos e foi avaliada como regular por outros 21,9%; o que indica ser preciso aprimorar a divulgação destas ações entre os alunos. A divulgação das propostas do Núcleo Docente Estruturante (NDE) e das deliberações do Colegiado de Curso foram consideradas satisfatórias para 40,6% dos alunos, que avaliaram esta questão como Bom e Ótimo. Esta questão também merece destaque quando comparada à avaliação do ano anterior, uma vez que houve uma melhoria considerável em sua avaliação, considerando que em 2013, 38% dos alunos afirmaram desconhecer tal divulgação e 42% a avaliaram em Ruim e Péssimo. Já em 2014, o percentual de alunos que desconhecem foi de 21,9% e os que avaliaram como Ruim e Péssimo foi de 12,5%. Com relação à existência de uma estrutura (grade) curricular flexível que possibilita a integração dos conteúdos, bem como uma visão global do curso e do mercado de trabalho, 21,9 % dos alunos que responderam ao questionário, consideraram Ótimo e 37,5 % Bom. Embora esses dados indiquem uma avaliação positiva, 28,1 % avaliaram como Regular, demonstrando ainda a necessidade de adoção de medidas que revejam os conteúdos da matriz curricular ou que promovam a integração dos conteúdos, buscando principalmente conhecer as exigências do mercado de trabalho. Essas questões devem ser tomadas pelo Núcleo

9 Docente Estruturante (NDE) do curso analisando a necessidade de atualizações e melhorias nas propostas do projeto pedagógico. A promoção de debates e desenvolvimento de atividades com foco nos temas relacionados aos três pilares de sustentabilidade (econômico, social e ambiental) recebeu avaliações de 31,3 % para regular, 37,5 % Bom e 18,8 % Ótimo. Essas questões devem ser abordadas no âmbito institucional e também pelo próprio curso, que poderá dar um enfoque nas suas áreas específicas. A avaliação do desenvolvimento de atividades voltadas para a educação das relações étnico-raciais, para o tratamento de questões e temáticas relacionadas aos afrodescendentes, bem como a valorização dos direitos humanos indicou uma satisfação por parte da maioria dos alunos, tendo sido considerado Bom e Ótimo por 43,8% e 21,9%, respectivamente. A oportunidade de realização de projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação tecnológica recebeu avaliações de 25% para regular, 43,8% Bom e 21,9% Ótimo, demonstrando uma satisfação da maioria dos alunos, o que pode ser considerado uma potencialidade para o curso. O desenvolvimento de projetos é uma questão que depende de políticas institucionais com relação ao financiamento dos mesmos, mas também é uma característica muito peculiar de cada curso e do seu corpo docente. Como o Campus ainda está nas primeiras turmas do curso de Engenharia de Produção, é possível, que ainda não tenham se estabelecido linhas de pesquisa por parte dos docentes e esta é uma questão que pode ser trabalhada para tornar ainda melhor as oportunidades para os alunos atuarem em pesquisa. Por outro lado, o desenvolvimento de projetos de extensão relacionados às atividades acadêmico-culturais, artísticas e/ou desportivas, não foi avaliado de forma tão satisfatória, uma vez que, 31,3% dos alunos consideram regular, 34,4 % Bom e 12,5% consideraram Ótimo. Pode-se, portanto, verificar que para essa questão o nível de satisfação foi inferior, e precisa de atenção por parte da coordenação, colegiado e NDE do curso com intuito de verificar as possibilidades de promoção de melhorias ou para detectar se esse é um fator inerente às características das áreas de atuação do curso. Deve-se destacar a avaliação dos alunos em relação a disponibilização do acesso a informações, editais, programas e bolsas de assistência estudantil e mérito acadêmico, pois 50% consideram Bom e 43,8% consideraram Ótimo, indicando que esta é uma grande potencialidade.

10 No quesito atualização e quantitativo de referências bibliográficas básicas, complementares e periódicos científicos, na modalidade física e virtual, que atenda a demanda do curso 68,8% dos alunos consideraram Bom e Ótimo aumentando em 10% o nível de satisfação em relação à avaliação anterior. Na análise da condição de salas de aula quanto à capacidade de acomodação, ventilação, limpeza, iluminação, acessibilidade e mobiliário, 75% dos alunos consideraram Bom e Ótimo. Houve 16% de aumento na satisfação dos alunos, quando comparado com a avaliação anterior, diminuindo de 28% para 12,5% o índice de alunos que consideraram o quesito como regular. Com relação ao quesito acesso à internet nas salas de aulas, biblioteca e laboratórios didáticos 53,1% dos alunos consideraram Ruim. Houve aumento da insatisfação quando comparado com a avaliação anterior (26%). No entanto, cabe ressaltar que, nesse semestre, a Coordenadoria de Gestão de Tecnologia da Informação iniciou a implantação do projeto de Rede Wireless no Campus. O projeto prevê o fornecimento de acesso à internet e outros serviços de rede via wifi para toda comunidade acadêmica, maximizando este tipo de acesso em todos ambientes e setores do Campus. A condição dos laboratórios didáticos especializados quanto à disponibilidade (qualidade e quantidade) de softwares, insumos e equipamentos necessários ao bom desenvolvimento das aulas foi considerada satisfatória, uma vez que, 56,2% dos alunos avaliaram como Bom e Ótimo. Houve aumento em 10% do nível de satisfação quando comparado com a avaliação anterior. Quanto à disponibilidade de técnicos de laboratório para atendimento das demandas de ensino/pesquisa em horários condizentes com as necessidades do curso, as avaliações para Bom e Ótimo somaram 53,1%, enquanto 31,3% avaliaram como regular indicando a satisfação da maioria dos alunos. 4- Conclusões De maneira geral pode-se considerar que o curso de Engenharia de Produção vem se estruturando cada vez mais, concomitantemente com a evolução da própria instituição, tendo observado um aumento na satisfação dos discentes quando comparado ao último ano. No entanto, é importante ressaltar que os resultados aqui demonstrados referem-se a uma parcela

11 de 32 alunos que responderam ao questionário, o que é considerado uma baixa participação embora a CPA tenha se preocupado em fazer o convite nas salas de aula. À partir dos dados levantados nesse relatório a CPA local considera que alguns aspectos necessitam de atenção para promover a melhoria do curso: - Infraestrutura: é necessário realizar um levantamento mais detalhado entre os discentes para identificar os reais problemas relacionados à infraestrutura, uma vez que o questionário aplicado aborda a satisfação de maneira geral em relação a esse aspecto. Como foi detectado um índice considerável de insatisfação, sugere-se que a coordenação do curso realize um levantamento visando identificar tais problemas. - Projeto Pedagógico do Curso (PPC): observou-se a necessidade de adoção de medidas que promovam maior divulgação do PPC entre os discentes e também maior envolvimento da comunidade na atualização do mesmo. Este aspecto deverá ser observado pela coordenação do curso e pela Diretoria de Ensino a fim de verificar se essa realmente é uma falha ou se refere-se apenas a um desconhecimento por parte dos discentes em relação às medidas que por ventura já estejam sendo aplicadas. - Coordenação/Orientação de estágios, TCC e atividades complementares: para essa avaliação observou-se também uma divisão entre as opiniões dos discentes, podendo, portanto, serem tomadas medidas que promovam maior conhecimento das atividades prestadas em relação a esse serviço. - Acesso à internet: observou-se grande insatisfação por parte dos discentes em relação ao acesso à internet nas salas de aulas, biblioteca e laboratórios didáticos. No entanto, é de conhecimento geral da comunidade acadêmica que a Coordenadoria de Gestão de Tecnologia da Informação já iniciou a implantação do projeto de Rede Wireless no Campus, o que prevê a melhoria na prestação desse serviço para toda a comunidade. Por outro lado, alguns aspectos foram avaliados positivamente e demonstram o potencial do curso: - Promoção de debates e desenvolvimento de atividades com foco nos temas relacionados aos três pilares de sustentabilidade (econômico, social e ambiental) - Desenvolvimento de atividades voltadas para a educação das relações étnico-raciais, para o tratamento de questões e temáticas relacionadas aos afrodescendentes, bem como a valorização dos direitos humanos.

12 - Oportunidade de realização de projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação tecnológica. - Disponibilização do acesso a informações, editais, programas e bolsas de assistência estudantil e mérito acadêmico. - Condição de salas de aula quanto à capacidade de acomodação, ventilação, limpeza, iluminação, acessibilidade e mobiliário.

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX RELATÓRIO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO INTEGRAL CAMPUS PL PERÍODO 2014 1 INSTITUTO METODISTA

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

Eixo 1 - Ensino. As questões respondidas pelos discentes sobre a temática do ensino somam oito interrogações, as quais seguem em análise:

Eixo 1 - Ensino. As questões respondidas pelos discentes sobre a temática do ensino somam oito interrogações, as quais seguem em análise: Relatório de análise de dados O presente relatório trata da análise dos resultados provenientes de informações obtidas por meio dos questionários da autoavaliação referentes ao curso de graduação em Dança

Leia mais

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX RELATÓRIO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CURSO DE DIREITO - CAMPUS VN PERÍODO 2014 1 INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX CENTRO

Leia mais

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX RELATÓRIO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - LICENCIATURA CAMPUS PL PERÍODO 2014 1 INSTITUTO METODISTA

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 2014 Dados da Instituição FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM Código: 508 Faculdade privada sem fins lucrativos Estado: Minas Gerais

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

Reitor Prof. Dr. Reinaldo Centoducatte. Vice-Reitora Profª. Drª. Ethel Leonor Noia Maciel

Reitor Prof. Dr. Reinaldo Centoducatte. Vice-Reitora Profª. Drª. Ethel Leonor Noia Maciel Reitor Prof. Dr. Reinaldo Centoducatte Vice-Reitora Profª. Drª. Ethel Leonor Noia Maciel PROGRAMA DE AUTOAVALIAÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Pró-Reitoria de Graduação

Leia mais

Comissão Própria de Avaliação - CPA

Comissão Própria de Avaliação - CPA AVALIAÇÃO DO CEFET-RJ PELOS DISCENTES -2010/2 A avaliação das Instituições de Educação Superior tem caráter formativo e visa o aperfeiçoamento dos agentes da comunidade acadêmica e da Instituição como

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

Instrumento: Docentes

Instrumento: Docentes COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CAMPUS PRESIDENTE EPITÁCIO CURSO: TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Resultado da Autoavaliação Institucional Instrumento: Docentes Presidente Epitácio -

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

MODELO. Professor, UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Preenchimento do FORMULÁRIO ELETRÔNICO de avaliação

MODELO. Professor, UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Preenchimento do FORMULÁRIO ELETRÔNICO de avaliação Professor, Apresentamos um modelo do Formulário Eletrônico a ser preenchido pelo coordenador do curso durante o processo de autorização ou reconhecimento de cursos. Colocamos na última coluna sugestão

Leia mais

ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013

ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013 ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013 1.1 Organização Institucional Q1 Cumprimento da missão da

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO DE CURSO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DO ALUNO

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO DE CURSO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DO ALUNO 1 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO DE CURSO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DO ALUNO PERÍODO: 7 A 16 DE JULHO DE 2010 (DURANTE A MATRÍCULA) LOCAL: LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA FACULDADE

Leia mais

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso.

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso. Anexo II Dimensões Elementos Indicadores quantitativos Indicadores qualitativos % de cursos com projeto pedagógico/ adequados ao Projeto Condições de implementação dos Projetos Projeto Pedagógico dos Institucional

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

Câmpus FLORIANÓPOLIS. 12 23,08% Discentes (alunos) 10 19,23% Comunidade 0 0,00%

Câmpus FLORIANÓPOLIS. 12 23,08% Discentes (alunos) 10 19,23% Comunidade 0 0,00% Diagnóstico Planejamento PDI 2014-2018 Período de respostas: 05/09/13 a 18/09/13 Questionários Respondidos 52 Docentes 30 57,69% Técnicos-Administrativos 12 23,08% Discentes (alunos) 10 19,23% Comunidade

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MADEIREIRA 1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UNIDADE 2014/2018 APRESENTAÇÃO O Curso de Engenharia Industrial Madeireira da UFPR foi criado

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CORPO DOCENTE - 2014.1

FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CORPO DOCENTE - 2014.1 FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CORPO DOCENTE - 2014.1 A Comissão Própria de Avaliação (CPA) é o órgão responsável por coordenar,

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

IFSP CAMPUS: SUZANO RELATÓRIO ANALÍTICO

IFSP CAMPUS: SUZANO RELATÓRIO ANALÍTICO IFSP CAMPUS: SUZANO RELATÓRIO ANALÍTICO Comissão Própria de Avaliação Institucional: Representante Docente: Fábio Nazareno Machado-da-Silva Representante Técnico-administrativo: Diego Martins Braga Representante

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ENSINO EAD

RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ENSINO EAD RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ENSINO EAD 2º SEMESTRE 2014 CENTRO UNIVERSITÁRIO INTERNACIONAL UNINTER COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA RELATÓRIO GERENCIAL DA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD.

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. 2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer a opinião

Leia mais

RESULTADO DE ENQUETE APLICADA PELO PORTAL

RESULTADO DE ENQUETE APLICADA PELO PORTAL 01/11/2012 10:31:12 1 Código Nome da Enquete D. Inicio D. Fim 597 Outras Dimensões - 4º ano A 08/10/12 31/10/12 1-1. 1ª Dimensão Planejamento Institucional: Você acessa as normas institucionais (Regimento,

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE E AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM GRADUAÇÃO PRESENCIAL

RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE E AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM GRADUAÇÃO PRESENCIAL RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE E AMBIENTE VIRTUAL DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL 2º SEMESTRE 2014 CENTRO UNIVERSITÁRIO INTERNACIONAL UNINTER COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA RELATÓRIO GERENCIAL

Leia mais

Comissão Própria de Avaliação -CPA. Ações e Melhorias Institucionais 2010/2011/2012

Comissão Própria de Avaliação -CPA. Ações e Melhorias Institucionais 2010/2011/2012 Comissão Própria de Avaliação -CPA Ações e Melhorias Institucionais 2010/2011/2012 Comissão Própria de Avaliação - CPA A auto-avaliação objetiva sempre a melhoria da qualidade dos serviços educacionais

Leia mais

Resultado na ótica discente. Comissão Própria de Avaliação Dezembro/2014

Resultado na ótica discente. Comissão Própria de Avaliação Dezembro/2014 Resultado na ótica discente Comissão Própria de Avaliação Dezembro/2014 Metodologia PÚBLICO-ALVO: Discentes dos cursos de graduação da FAESA. METODOLOGIA DA PESQUISA: A metodologia utilizada por meio de

Leia mais

Representante da Sociedade Civil Organizada Calixto Nunes da França. Representante Discente Artur da Costa Júnior

Representante da Sociedade Civil Organizada Calixto Nunes da França. Representante Discente Artur da Costa Júnior I DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome: Faculdade de Medicina de Juazeiro do Norte Código da IES INEP: 1547 Caracterização da IES: Instituição Privada Sem Fins Lucrativos Estado: Ceará Cidade: Juazeiro do Norte Composição

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ELABORAÇÃO DO PPC INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) deve orientar a ação educativa, filosófica e epistemológica do mesmo, explicitando fundamentos políticos,

Leia mais

A Avaliação na Universidade Federal do Pampa: para além da regulação

A Avaliação na Universidade Federal do Pampa: para além da regulação A Avaliação na Universidade Federal do Pampa: para além da regulação Profª. Drª. Amélia Rota Borges de Bastos Coordenadora de Avaliação Pró-Reitoria de Planejamento, Desenvolvimento e Avaliação Março de

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 2014/01 a 2014/02 APRESENTAÇÃO O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2015 COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO DO CENTRO DE TECNOLOGIA

PLANO DE AÇÃO 2015 COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO DO CENTRO DE TECNOLOGIA PLANO DE AÇÃO 2015 COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO DO CENTRO DE TECNOLOGIA EIXO 1 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e Avaliação * Gerais 1.1; 1.2; Divulgação dos resultados

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB Ministério da Educação Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Pró-Reitoria de Ensino Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação Pró-Reitoria de Extensão DIRETRIZES PARA A

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA E TECNOLÓGICA

RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA E TECNOLÓGICA RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA E TECNOLÓGICA FACINTER - EAD 2º SEMESTRE - 2011 FACULDADE INTERNACIONAL DE CURITIBA FACINTER COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA RELATÓRIO GERENCIAL

Leia mais

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação 2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer

Leia mais

RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010

RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010 RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010 UBERLÂNDIA, MG JANEIRO, 2011 1 Este relatório aqui apresentado foi elaborado pela Comissão Própria de Avaliação da Faculdade

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO DE AÇÃO 2015 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO DE AÇÃO

FACULDADE CAPIXABA DA SERRA RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO DE AÇÃO 2015 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO DE AÇÃO FACULDADE CAPIXABA DA SERRA Situação Real/Reclamações Professores O índice de insatisfação vem diminuindo em relação ao apresentado desde 2011. - Permanece sendo realizado o processo de seleção: edital;

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

Autoavaliação Institucional

Autoavaliação Institucional Autoavaliação Institucional Relatório da Comissão Própria de Ano de 2014 1 SUMÁRIO I - DADOS DA INSTITUIÇÃO 3 II- COMPOSIÇÃO DA CPA 3 III CONSIDERAÇÕES INICIAIS 3 IV -DESENVOLVIMENTO 4 V. AÇÕES PLANEJADAS

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE ROLIM DE MOURA (FAROL)

RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE ROLIM DE MOURA (FAROL) 1 RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE ROLIM DE MOURA (FAROL) Rolim de Moura 1 RESUMO O relatório apresentado é o resultado do processo auto avaliativo desta Instituição, realizado pela Comissão

Leia mais

FACULDADE MODELO CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO. RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º Semestre de 2010

FACULDADE MODELO CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO. RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º Semestre de 2010 FACULDADE MODELO CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º Semestre de 2010 1. APRESENTAÇÃO O relatório que segue apresenta a Avaliação Institucional da Faculdade Modelo

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015.

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO Ji-Paraná RO, 15. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES

Leia mais

Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional. Ciclo Avaliativo 2013 2015

Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional. Ciclo Avaliativo 2013 2015 Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional Ciclo Avaliativo 2013 2015 Cascavel 2014 CPA Comissão Própria de Avaliação Presidente Prof. Gelson Luiz Uecker Representante Corpo Docente Profa. Anália

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História 1. Apoio institucional. Clara manifestação de apoio por parte da IES proponente, expressa tanto no provimento da infraestrutura necessária,

Leia mais

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DA FACULDADE DE ROLIM DE MOURA (FAROL)

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DA FACULDADE DE ROLIM DE MOURA (FAROL) 1 RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DA FACULDADE DE ROLIM DE MOURA (FAROL) Rolim de Moura 2014 2 RESUMO O relatório apresentado é o resultado do processo auto avaliativo desta Instituição, realizado pela Comissão

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA)

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA) UNIESP FACULDADES INTEGRADAS DE RIBEIRÃO PIRES FIRP COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA) RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RIBEIRÃO PIRES DEZEMBRO DE 2014 2 COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO PRÓPRIA

Leia mais

Direito. 592 Nível (Bacharelado, Turno. Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas 201111874 24-08-2011

Direito. 592 Nível (Bacharelado, Turno. Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas 201111874 24-08-2011 Curso Direito Código INEP Código UFLA 592 Nível (Bacharelado, Turno Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas Processo e-mec- Tipo Autorização Número Data 201111874 24-08-2011 Despacho

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DA ATUAÇÃO E CONDIÇÕES DE TRABALHO DOS TUTORES DE POLO DE APOIO PRESENCIAL

RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DA ATUAÇÃO E CONDIÇÕES DE TRABALHO DOS TUTORES DE POLO DE APOIO PRESENCIAL RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DA ATUAÇÃO E CONDIÇÕES DE TRABALHO DOS TUTORES DE POLO DE APOIO PRESENCIAL ENSINO A DISTÂNCIA 2º SEMESTRE - 2014 CENTRO UNIVERSITÁRIO INTERNACIONAL UNINTER COMISSÃO PRÓPRIA

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA Faculdades Integradas Dom Pedro II São José do Rio Preto - SP

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA Faculdades Integradas Dom Pedro II São José do Rio Preto - SP RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DAS FACULDADES INTEGRADAS DOM PEDRO II SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS As, ao apresentar o Relatório do sistema de autoavaliação (CPA), consideram

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 28/7/2009, Seção 1, Pág. 53. Portaria n 760, publicada no D.O.U. de 28/7/2009, Seção 1, Pág. 53. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

Plano de Gestão 2013-2016 IFSP Campus Caraguatatuba

Plano de Gestão 2013-2016 IFSP Campus Caraguatatuba Visão Institucional O Campus Caraguatatuba do IFSP desenvolveu-se nos últimos anos, ampliando os cursos oferecidos, desde a Formação Inicial e Continuada, passando pelos Cursos Técnicos, de Tecnologia,

Leia mais

Estrutura do PDI 2014-2018

Estrutura do PDI 2014-2018 APRESENTAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG) além de constituir um requisito legal, tal como previsto no Artigo

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO

ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO Este documento tem a finalidade de estabelecer um referencial para o exercício da função de supervisão dos Cursos das Instituições do Ensino Superior, do Sistema Estadual

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

PROGRAMA SELO DE QUALIDADE

PROGRAMA SELO DE QUALIDADE CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA IV REGIÃO (SP) COMISSÃO DE ENSINO TÉCNICO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE PARA CURSOS TÉCNICOS DA ÁREA QUÍMICA CRITÉRIOS PARA A RECERTIFICAÇÃO VERSÃO 1 - NOVEMBRO DE 2010 WWW.CRQ4.ORG.BR

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, RESOLUÇÃO Nº 07/2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

Relatório Parcial Referente às Atividades da Comissão Própria de Avaliação (CPA) em 2014

Relatório Parcial Referente às Atividades da Comissão Própria de Avaliação (CPA) em 2014 Relatório Parcial Referente às Atividades da Comissão Própria de Avaliação (CPA) em 2014 Introdução Ao longo do primeiro semestre de 2014, a Comissão Própria de Avaliação (CPA), em trabalho conjunto de

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior CONAES Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica Pró-Reitoria de Ensino do IFG Gilda Guimarães Dulcinéia de Castro Santana Goiânia_ 2012/1 1- PARÂMETROS LEGAIS LEI Nº 11.892, DE 29 DE

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Regulação e Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim 7ª edição março 2015 Avaliação Institucional: um ato de consolidação para as universidades! Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO Atualmente a FIBRA encontra-se em novas instalações contando com 33 salas de aula climatizadas, com instalações de equipamentos de multimídia, auditório climatizado com

Leia mais

NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO Dispõe sobre Normas para criação de cursos Técnicos de Nível

Leia mais

FACULDADE ANCHIETA DE ENSINO SUPERIOR DO PARANÁ RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2SEM2013 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

FACULDADE ANCHIETA DE ENSINO SUPERIOR DO PARANÁ RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2SEM2013 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE ANCHIETA DE ENSINO SUPERIOR DO PARANÁ RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2SEM2013 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Constituída em atendimento à Lei nº 10.861/2004, regulamentada pela Portaria

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS

FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS Fevereiro 2011 PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS DA FEAMIG Introdução Desde o final do ano de 2007 e o início de 2008, a FEAMIG

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 12/05/2008 (*) Portaria/MEC nº 561, publicada no Diário Oficial da União de 12/05/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

Guia de Orientação ao Aluno

Guia de Orientação ao Aluno Guia de Orientação ao Aluno Curso de Ciência da Computação Universidade Federal de Pelotas Centro de Desenvolvimento Tecnológico Março de 2012 1. Palavras iniciais Este Guia de Orientação serve para orientar

Leia mais