PROGRAMA INSTITUCIONAL DE ATENDIMENTO AO DISCENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA INSTITUCIONAL DE ATENDIMENTO AO DISCENTE"

Transcrição

1 CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE ATENDIMENTO AO DISCENTE SÃO LUÍS - MA 2009

2 DIRETORIA ACADÊMICA Diretor Acadêmico Malverique Neckel NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO NADEP Assessoras do NADEP: Maria do Perpetuo Socorro Vieira Gomes Lígia Costa Saraiva

3 SUMÁRIO 1. Apresentação Justificativa Objetivos Objetivos Gerais Objetivos Específicos Atividades Permanentes Anexos (Normas e Programas de Atendimento ao Discente)... 8

4 1. Apresentação A Faculdade Atenas Maranhense FAMA, institucionalizando as diretrizes do seu Plano de Desenvolvimento Institucional, cria, a partir desse documento, o Programa Institucional de Atendimento ao Discente. Tendo em vista a importância, na missão da IES, da formação de cidadãos éticos e profissionais competentes para o contexto atual, é lógico que se passe a pensar em termos de acesso e permanência dos ingressantes na Instituição. Conforme o artigo 26, parágrafo 1º, da Declaração Universal de Direitos Humanos, o acesso à Educação Superior deve ser baseado no mérito, capacidade, esforços, perseverança e determinação, demonstrados pelos que a buscam. A Educação Superior deve ser oferecida em qualquer idade e para quaisquer pessoas, com base nas competências adquiridas anteriormente. A igualdade de acesso, pois, não admite qualquer discriminação em termos de raça, sexo, idioma, religião, ou de condições sociais e de deficiências físicas. Por outro lado, além do acesso, é preciso pensar na permanência dos alunos. Para tanto, entra em pauta o desenvolvimento de soluções educacionais que minimizem as variáveis que interferem nas condições de permanência. A atenção dispensada ao binômio acesso/permanência, bem como as definições da Política Institucional para o Ensino, no que se refere à formação dos acadêmicos, implica a superação dos obstáculos enfrentados pelos mesmos, o que deu origem a este documento que apenas sistematiza e fixa ações que já fazem parte do processo histórico da IES, tudo com o objetivo de contribuir tanto em termos de acesso, como de permanência dos alunos na Faculdade Atenas Maranhense FAMA.

5 2. Justificativa Este programa se justifica, primeiramente, em razão das próprias políticas nacionais para o ensino superior que determinam condições institucionais mínimas para o atendimento processual e permanente ao discente. Segundo o INEP, o conceito referencial mínimo de qualidade se constitui quando se verifica a adequação das políticas de acesso, seleção e permanência de estudantes (critérios utilizados: acompanhamento pedagógico, espaço de participação e de convivência) praticadas pela IES e há adequada relação com as políticas públicas e com o contexto social. Dessa forma, as políticas de apoio ao estudante na FAMA são viabilizadas, fundamentalmente, pela Diretoria Acadêmica por intermédio do Núcleo de Assessoramento e de Desenvolvimento Pedagógico NADEP que implementa, junto às coordenações e outros departamentos gestores da IES, as políticas de atendimento e relacionamento com os estudantes, por meio da promoção, execução e acompanhamento de programas e projetos que contribuam para a formação dos alunos, proporcionando-lhes condições favoráveis à integração na vida universitária, assim como propõe-se a adotar mecanismos de recepção e acompanhamento dos discentes, criandolhes condições para o acesso e permanência no ensino superior. 3. Objetivos 3.1 Objetivo Geral Trata-se de um Programa institucional macro que objetiva a democratização da permanência, a integração, a participação, apoio e atendimento devidos aos alunos matriculados na IES, a partir da

6 promoção e execução de programas e projetos propostos por vários setores da FAMA. 3.2 Objetivos Específicos Visando alcançar, em sua plenitude, o objetivo geral deste Programa institucional, a Faculdade Atenas Maranhense dimensiona e executa permanentemente os seguintes objetivos: Atualizar e disponibilizar constantemente o Manual do Aluno; Elaborar, acompanhar e avaliar os programas de atendimento discente; Desenvolver novas alternativas para o acesso e permanência discente; Identificar alunos com carências educacionais e realizar ações de superação das dificuldades; Realizar ações de acompanhamento aos alunos que necessitam de atendimento especial; Viabilizar oportunidades de estágio, monitoria, iniciação científica, dentre outras, para os alunos dos cursos da FAMA; Articular a formação discente com a educação continuada; Monitorar e acompanhar os egressos. 4. Atividades Permanentes Visando alcançar os objetivos propostos, o Programa Institucional de Atendimento ao Discente é desdobrado nas seguintes atividades, de forma permanente: 4.1 Identificação e minimização das lacunas que os alunos trazem de sua formação anterior, promovendo mecanismos de nivelamento e

7 oferecendo condições para aprendizagens significativas na Educação Superior (Programa de Nivelamento Acadêmico); 4.2 Identificação e minimização dos problemas de ordem psicológica ou psicopedagógica que interfiram na aprendizagem (Programa de Atendimento Psicopedagógico); 4.3 Investimento nas potencialidades e disponibilidades evidenciadas pelos alunos, através do estímulo à canalização desse diferencial em monitorias de ensino (Programa de Monitoria); 4.4 Estímulo à participação em projetos de iniciação científica, promovendo a possibilidade do fornecimento de bolsas e incentivos para tal (Programa de Iniciação Científica); 4.5 Fornecimento de alternativas para os problemas de ordem financeira que impossibilitam, muitas vezes, a permanência nos cursos em que lograram obter acesso (PROUNI, FIES e PROFAMA Programa de Financiamento Alternativo da FAMA); 4.6 Acolhimento especial aos alunos novos, ingressantes por processo seletivo ou por transferência, viabilizando sua integração ao meio acadêmico (Programa de Iniciação Acadêmica); 4.7 Inclusão dos alunos com necessidades educacionais especiais advindas de deficiências físicas, visuais e auditivas, através de ações específicas (Programa de Inclusão); 4.8 Incentivo e auxílio no processo de representação estudantil (Diretórios Acadêmicos e Conselhos) e para alunos representantes de turma, como forma de participação dos discentes na gestão institucional, a partir do fornecimento de espaço e fomento de programas específicos (Programa de Capacitação de Líderanças);

8 4.9 Preparação dos alunos de cursos de graduação para inserção antecipada e prática no mercado de trabalho (Programa de Estágio); 4.10 Apoio aos egressos dos cursos da FAMA em suas ações de qualificação Profissional (Programa Institucional de Educação Continuada e Programa de Ensino de Pós-graduação); 4.11 Acompanhamento permanente dos egressos dos cursos da FAMA acerca da realidade profissional como fonte de informações para intervir no ensino-aprendizagem (Programa PAE Programa de Acompanhamento de Egressos); 4.12 Participação discente no processo de auto-avaliação institucional, utilizando seus resultados como forma de articulação do apoio que necessitam (CPA Comissão Própria de Avaliação); 4.13 Disponibilização de serviços de orientação profissional e vocacional (visitas, palestras, aplicação e análise de testes vocacionais) para os alunos da FAMA e para a comunidade escolar de ensino médio de São Luís e região (Programa de Orientação Profissional); 4.14 Apoio à participação dos discentes em eventos (seminários, congressos, encontros, palestras e outros) internos e externos (Programa de Apoio à Participação Discente em Eventos); 4.15 Elaboração semestral de Relatório do Programa Institucional de Atendimento ao Discente. 5. Anexos (Normas e Programas de Atendimento ao Discente)

DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA

DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - Sinaes Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais

REGIMENTO INTERNO FACULDADE

REGIMENTO INTERNO FACULDADE 2014 REGIMENTO INTERNO FACULDADE Este é o Regimento Interno em vigor, e tem como objetivo normatizar e disciplinar o funcionamento da FACULDADE DE ECONOMIA E FINANÇAS IBMEC - RJ. SUMÁRIO TÍTULO I... 7

Leia mais

Ministério da Educação MEC

Ministério da Educação MEC Ministério da Educação MEC PLANO DE METAS COMPROMISSO TODOS PELA EDUCAÇÃO GUIA DE PROGRAMAS BRASÍLIA, JUNHO DE 2007. 1 SUMÁRIO GESTÃO EDUCACIONAL 1. Planejamento Estratégico da Secretaria PES 2. Plano

Leia mais

Equipe de Gestores. Colaborador. Cargo. E-mail paulogoncalves@fasam.edu.br italocastro@fasam.edu.br. Diretor-Geral Diretor Administrativo e Financeiro

Equipe de Gestores. Colaborador. Cargo. E-mail paulogoncalves@fasam.edu.br italocastro@fasam.edu.br. Diretor-Geral Diretor Administrativo e Financeiro Apresentação Com o intuito de interagir alunos e administração, a Faculdade Sul-Americana preparou este Manual do Aluno da Fasam, contendo o informações importantes sobre a Faculdade, procedimentos administrativos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO

CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO Aprovado no Conselho de Ensino e Pesquisa - CEP Parecer n.º 23/2006 Aprovado no Conselho de Administração

Leia mais

A GESTÃO EDUCACIONAL E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A ORGANIZAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO ESCOLAR.

A GESTÃO EDUCACIONAL E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A ORGANIZAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO ESCOLAR. A GESTÃO EDUCACIONAL E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A ORGANIZAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO ESCOLAR. Ionara Bezerra Nelson * narinha.b@hotmail.com RESUMO Este trabalho tem por objetivo investigar a gestão

Leia mais

SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Lourdes Passaura* RESUMO: Este artigo relata a experiência de um trabalho efetuado por meio do projeto de supervisão

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO UNIVERSITÁRIA FASE/FMP

ADMINISTRAÇÃO UNIVERSITÁRIA FASE/FMP 1 ADMINISTRAÇÃO UNIVERSITÁRIA FASE/FMP Supervisora Geral Profª Maria Isabel de Sá Earp de Resende Chaves Diretor da Faculdade de Medicina de Petrópolis FMP Prof. Paulo Cesar Guimarães Diretora da Faculdade

Leia mais

Programa de Apoio Ao Estudante - PAE

Programa de Apoio Ao Estudante - PAE Coleção Documentos Normativos da UnP Série Verde: Gestão de Recursos Humanos Título: Programa de Apoio ao Estudante Volume: 5 Programa de Apoio Ao Estudante - PAE (Criado pela Resolução n. 037/2006-ConSUni-UnP,

Leia mais

Diretrizes do Programa Ensino Integral

Diretrizes do Programa Ensino Integral 1 Diretrizes do Programa Ensino Integral GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Governador Geraldo Alckmin Vice Governador Guilherme Afif Domingos Secretário da Educação Herman Jacobus Cornelis Voorwald Secretário-Adjunto

Leia mais

NORMA OPERACIONAL BÁSICA DE RECURSOS HUMANOS DO SUAS NOB-RH/SUAS

NORMA OPERACIONAL BÁSICA DE RECURSOS HUMANOS DO SUAS NOB-RH/SUAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional da Assistência Social NORMA OPERACIONAL BÁSICA DE RECURSOS HUMANOS DO SUAS NOB-RH/SUAS SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SUAS

Leia mais

ASSITÊNCIA ESTUDANTIL

ASSITÊNCIA ESTUDANTIL ASSITÊNCIA ESTUDANTIL Apoio ao Acadêmico A Assistência Estudantil da FAMEC tem a missão de apoiar o acadêmico na busca de soluções e oportunidades que contribuam para sua permanência na faculdade e conclusão

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ADAPTAÇÕES CURRICULARES ESTRATÉGIAS PARA A EDUCAÇÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Secretaria de Educação Fundamental Iara Glória Areias Prado Secretaria

Leia mais

HISTÓRIA E CONSTRUÇAO DA PROFISSIONALIZAÇAO NOS CURSOS DE LICENCIATURAS

HISTÓRIA E CONSTRUÇAO DA PROFISSIONALIZAÇAO NOS CURSOS DE LICENCIATURAS 1 HISTÓRIA E CONSTRUÇAO DA PROFISSIONALIZAÇAO NOS CURSOS DE LICENCIATURAS Neide Cavalcante Guedes (UFPI) Maria Salonilde Ferreira (UFRN) A formação do professor e sua prática se constituem, atualmente,

Leia mais

Política Nacional de Educação Infantil: pelo direito das crianças de zero a seis anos à Educação

Política Nacional de Educação Infantil: pelo direito das crianças de zero a seis anos à Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Política Nacional de Educação Infantil: pelo direito das crianças de zero a seis anos à Educação 2006 Diretora de Políticas de Educação Infantil e do

Leia mais

Heloísa Lück Dimensões da gestão escolar e suas competências

Heloísa Lück Dimensões da gestão escolar e suas competências Heloísa Lück Dimensões da gestão escolar e suas competências Editora Positivo Curitiba 2009 Ficha Catalográfica Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP,

Leia mais

profissional técnica de nível médio

profissional técnica de nível médio As novas diretrizes curriculares nacionais para a educação básica e suas implicações na educação profissional técnica de nível médio Francisco Aparecido Cordão * Resumo O artigo apresenta o arcabouço legal

Leia mais

Introdução ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7

Introdução ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 Introdução ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 O quadro atual ---------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

SENADO FEDERAL SECRETARIA ESPECIAL DE EDITORAÇÃO E PUBLICAÇÕES SUBSECRETARIA DE EDIÇÕES TÉCNICAS. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional

SENADO FEDERAL SECRETARIA ESPECIAL DE EDITORAÇÃO E PUBLICAÇÕES SUBSECRETARIA DE EDIÇÕES TÉCNICAS. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional SENADO FEDERAL SECRETARIA ESPECIAL DE EDITORAÇÃO E PUBLICAÇÕES SUBSECRETARIA DE EDIÇÕES TÉCNICAS Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional BRASÍLIA - 2005 LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Guia da Gestão da Capacitação por Competências

Guia da Gestão da Capacitação por Competências MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO E DESEMPENHO INSTITUCIONAL COORDENAÇÃO-GERAL DE POLÍTICAS DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Guia da

Leia mais

Notícia: Diretrizes Curriculares Nacionais Para os Cursos de Graduação em Psicologia 1

Notícia: Diretrizes Curriculares Nacionais Para os Cursos de Graduação em Psicologia 1 Psicologia: Teoria e Pesquisa Mai-Ago 2004, Vol. 20 n. 2, pp. 205-208 Notícia: Diretrizes Curriculares Nacionais Para os Cursos de Graduação em Psicologia 1 Câmara de Educação Superior Conselho Nacional

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Assistência Social

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Assistência Social MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Assistência Social Brasília DF Julho 2007 Plano Decenal - SUAS Plano 10 2007 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DE BETIM CURSO DE DIREITO Portaria de Autorização nº 109, de 02.02.2007 Portaria de Reconhecimento nº 11 de 02.03.

FACULDADE PITÁGORAS DE BETIM CURSO DE DIREITO Portaria de Autorização nº 109, de 02.02.2007 Portaria de Reconhecimento nº 11 de 02.03. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES AO ENSINO (ACE) DO DA FACULDADE PITÁGORAS DE BETIM RESOLUCAO N.º 006 /2013 Regulamenta as atividades complementares ao ensino (ACE) do curso de Direito da Faculdade

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

NOB-RH/SUAS: ANOTADA E COMENTADA

NOB-RH/SUAS: ANOTADA E COMENTADA NOB-RH/SUAS: ANOTADA E COMENTADA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DEPARTAMENTO DE GESTÃO DO SUAS COORDENAÇÃO-GERAL DE IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO

Leia mais

COLETA DE DADOS Conceitos e orientações

COLETA DE DADOS Conceitos e orientações Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) Diretoria de Avaliação (DAV) COLETA DE DADOS Conceitos e orientações Manual de preenchimento da Plataforma Sucupira

Leia mais

Institui o Estatuto do Portador de Deficiência e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta:

Institui o Estatuto do Portador de Deficiência e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Institui o Estatuto do Portador de Deficiência e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: LIVRO I PARTE GERAL TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Fica instituído o Estatuto da Pessoa

Leia mais

PONTOS DE VISTA: O que pensam outros especialistas?

PONTOS DE VISTA: O que pensam outros especialistas? PONTOS DE VISTA: O que pensam outros especialistas? INFORMÁTICA EDUCATIVA NO BRASIL: um pouco de história... Maria Candida Moraes* A informática educativa no Brasil tem suas raízes históricas plantadas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 46/10-CEPE

RESOLUÇÃO Nº 46/10-CEPE RESOLUÇÃO Nº 46/10-CEPE Dispõe sobre os estágios na Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, órgão normativo, consultivo e deliberativo da administração superior, no uso

Leia mais

Diálogos sobre a Gestão Municipal Processos na Educação

Diálogos sobre a Gestão Municipal Processos na Educação Diálogos sobre a Gestão Municipal Processos na Educação Diálogos sobre a Gestão Municipal Processos na Educação I. APRESENTAÇÃO II. GESTÃO DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO MUNICIPAL 1. O panorama da Política Municipal

Leia mais