Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas. Renata Santana Santos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas. Renata Santana Santos renata@ensicon.com."

Transcrição

1 Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas

2 O que é o e-social? AD EXECUTIVO SUFIS Nº 05, DE 17/07/2013

3 O que é o e-social?

4 O que é o e-social?

5 O que é o e-social?

6 O que é o e-social?

7 O que é o e-social? INTRODUÇÃO esocial: Trabalhador celetista Prestador de serviços Autônomos Sócios/acionistas Demais envolvidos na folha de pgto (Estagiários, médicos)

8 O que é o e-social? INTRODUÇÃO esocial: Preparado para ter uma DR com seus terceiros??

9 O que é o e-social? É uma nova forma de registro dos eventos por meio de um canal digital único que geram direitos e obrigações trabalhistas, previdenciárias e fiscais.

10 Objetivos do e-social Unificar a captação das informações da folha pgto, RAIS, DIRF, CAGED, SEFIP, MANAD etc Reduzir o custo de produção, controle e disponibilização das informações, além da informalidade na relação de emprego

11 Objetivos do e-social Melhorar a distribuição da carga tributária sobre os contribuintes através de um vigoroso combate à fiscalização, com cruzamentos de dados e auditoria eletrônica. Além de combater as fraudes na concessão de benefícios previdenciários e no seguro desemprego Ampliar a base de arrecadação dos tributos incidentes sobre a remuneração, sem aumentar a carga tributária

12 Finalidade A Escrituração Fiscal Digital Social tem por finalidade: a) Viabilizar a garantia de direitos previdenciários e trabalhistas; b) Simplificar o cumprimento das obrigações acessórias trabalhistas e previdenciárias; c) Maior controle da RFB na fiscalização das empresas contribuições e obrigações provenientes do trabalho (com e sem vinculo empregatício); d) Aprimorar a qualidade de informações das relações de trabalho, previdenciárias e fiscais.

13 Cenário Atual

14 Cenário Ideal

15 Novidades na EFD Social

16 Novidades na EFD Social DCTF-Prev: Unificação dos procedimentos no âmbito da RFB de cobrança, parcelamento, compensação, restituição e certidão negativa

17 Empresas abrangidas De acordo com o Ato Declaratório SUFIS nº 5/2013, as empresas, empregadores ou equiparados, deverão transmitir em meio eletrônico a Escrituração Digital Social (). Os empregadores, inclusive o doméstico, a empresa e a eles equiparados em legislação específica; e o segurado especial inclusive em relação a trabalhadores que lhe prestem serviço.

18 Classificação e registro das informações Os eventos que compõem devem ser transmitidos através de arquivos preparados segundo os leiautes estabelecidos para cada um. Os eventos são classificados segundo sua natureza, conforme segue: a) Eventos iniciais; b) Eventos de tabelas c) Eventos não periódicos; d) Eventos periódicos

19 Classificação e registro das informações

20 Classificação e registro das informações

21 Classificação e registro das informações

22 Classificação e registro das informações

23 Circular nº 642 CEF, de 06 de Janeiro de 2014

24 - Um novo prazo! Suporte à geração do e-social Qualificação Cadastral dos trabalhadores disponibilização de aplicativo 03/2014 Manual de especificação técnica do XML e conexão webservice 04/2014 Ambiente de testes de conexão webservice e recepção de eventos iniciais (pré-produção) produção) 05/2014 Ambiente de testes de conexão webservice e recepção dos eventos iniciais dos trabalhadores 07/2014

25 - Um novo prazo! OBRIGATORIEDADE DA esocial Eventos Iniciais 120 dias após publicação da regulamentação da EC 72/2013 empregado doméstico EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 72, DE 2 DE ABRIL DE 2013 Altera a redação do parágrafo único do art. 7º da Constituição Federal para estabelecer a igualdade de direitos trabalhistas entre os trabalhadores domésticos e os demais trabalhadores urbanos e rurais.

26 - Um novo prazo! Implementação por fases: Grupo 1 Pequeno Produtor Rural e segurado especial: Implantação do e-social com recolhimento unificado- 01/05/2014 Lucro Real: Até 31/10/2014 Cadastramento Inicial A partir de 10/2014 Envio dos eventos mensais de folha de pagamento e apuração dos tributos. A partir de 01/2015 substituição da GFIP/SEFIP

27 - Um novo prazo! Implementação por fases: Grupo 2 Lucro Presumido, Simples Nacional, Imune ou Isentas, MEI, Produtores rurais e demais equiparados a empresas: em análise Entes públicos: Cadastro inicial até 31/01/2015. Entrega da primeira competência (01/2015) até 07/02/2015 Substituição da DIRF, RAIS, CAGED e outras obrigações acessórias e entrada do módulo de reclamatória trabalhista: A partir do AC 01/2015

28 - Um novo prazo! Qual a diferença entre Pequeno Produtor Rural e Produtor Rural? Ainda vai sair definição oficial. Estas informações foram apresentadas por Daniel Belmiro Fontes, Coordenador Nacional do Projeto, em evento realizado pelo CRC-SP, ontem, terça-feira (18/03)

29 Circular nº 642 CEF, de 06 de Janeiro de 2014 OBRIGATORIEDADE DA esocial Eventos não periódicos deverão ser transmitidos imediatamente após a transmissão dos eventos iniciais

30 DCTF PREVICENCIÁRIA (WEB)

31 DCTF PREVICENCIÁRIA (WEB)

32 PORTAL esocial (EMPREGADOR DOMÉSTICO)

33 REGISTRO DE EVENTOS TRABALHISTAS

34 Navegação

35 Navegação

36 PREVISÕES DE TELA (AINDA NÃO DEFINIDO...)

37 PREVISÕES DE TELA (AINDA NÃO DEFINIDO...)

38 PREVISÕES DE TELA (AINDA NÃO DEFINIDO...)

39 PREVISÕES DE TELA (AINDA NÃO DEFINIDO...)

40 PREVISÕES DE TELA (AINDA NÃO DEFINIDO...)

41 PREVISÕES DE TELA (AINDA NÃO DEFINIDO...)

42 PREVISÕES DE TELA (AINDA NÃO DEFINIDO...)

43 PREVISÕES DE TELA (AINDA NÃO DEFINIDO...)

44 IDENTIFICADORES DA esocial Empresas CNPJ (CNO - Cadastro Nacional de Obra) Trabalhadores CPF (CAEPF - Cadastro de Atividade Econômica de Pessoa Física) QUALIFICAÇÃO CADASTRAL (CPF x NIS x Data de nascimento)

45

46 CERTIFICADO DIGITAL O arquivo da será enviado em XML DISPENSA DA ASSINATURA ELETRÔNICA Empregadores domésticos Micro Empreendedor Individual (MEI) Contribuinte individual equiparado à empresa, com até 2 empregados Pequeno produtor rural, com até 2 empregados permanentes Segurado especial

47 QUAL CERTIFICADO PRECISO PARA EMITIR A esocial? O certificado digital é necessário para garantir a segurança de comunicação do empregador com o Governo. Formatos: CERTIFICADO e-cpf: Permite a integridade e autoria na transmissão da Representante Legal da empresa na RFB CERTIFICADO e-cnpj: Permite a integridade e autoria na transmissão da O certificado digital da matriz vale também para a filial

48 VANTAGENS

49

50 RIC REGISTRO DE IDENTIDADE CIVIL Carteira de trabalho será substituída por cartão eletrônico O governo do PT terá uma novidade a apresentar na campanha de Se tudo correr como quer a presidente Dilma Rousseff, em meados do ano que vem a velha carteira de trabalho será aposentada e substituída por um cartão eletrônico. Batizado de Escrituração Fiscal Digital Social (EFD Social), o projeto está na Câmara de Gestão e Dilma quer vê-lo pronto ainda neste ano. Fonte: Estadão 21/01/2013

51 Circular nº 642 CEF, de 06 de Janeiro de 2014 REGISTROS DO e-social Eventos Iniciais S-1000, S-1060, S-2100 e S-2600 Eventos de Tabelas S-1010 a S-1080 Eventos não periódicos S-2200 a S-2900 Eventos periódicos S-1100 a S-1800 Obs: Previsão de transmissão = Síncrona (eventos e folha)

52 Circular nº 642 CEF, de 06 de Janeiro de 2014 PRAZOS PARA TRANSMISSÃO Eventos Iniciais: S-1000 e S º Registro a ser transmitido a S-2100 e S-2600 Até o final do mês de início de obrigatoriedade da e-social

53 Circular nº 642 CEF, de 06 de Janeiro de 2014 PRAZOS PARA TRANSMISSÃO Eventos de Tabelas: S-1010 a S-1080 Antes de enviar algum evento que requeira essas informações, inclusive futuras alterações

54 Circular nº 642 CEF, de 06 de Janeiro de 2014 PRAZOS PARA TRANSMISSÃO Eventos não periódicos: S-2200 e S-2600 Antes do início das atividades do trabalhador e prestação de serviço S º dia útil da data do acidente e, em caso de morte, imediatamente S º dia útil da data de desligamento (APT) e até 10 dias depois da data de desligamento nos demais casos S-2220 a Os demais eventos até o dia 07 do mês subsequente

55 Circular nº 642 CEF, de 06 de Janeiro de 2014 PRAZOS PARA TRANSMISSÃO Eventos periódicos: S-1100 a S-1800 Até o dia 07 do mês subsequente

56 EVENTOS INICIAIS Cadastro do Empregador (S-1000)

57 EVENTOS INICIAIS Estabelecimentos e obras de construção civil (S-1060 Filiais)

58 EVENTOS INICIAIS Cadastramento inicial de vínculo (S-2100) Obs: Sem vínculo S-2600

59 EVENTOS DE TABELAS Rubricas da folha de pagamento (S-1010 Prov. e Desc.) AUDITORIA DE RUBRICAS (IMPACTOS NO RH/DP) De x Para dos códigos do sistema de folha de pgto com os códigos da

60 EVENTOS DE TABELAS

61

62 EVENTOS DE TABELAS Lotações e Departamentos (S-1020 Local e Centro Custo)

63 EVENTOS DE TABELAS Cargos (S-1030 CBO) GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS Cuidado nas descrições dos cargos Salário = CBO

64 EVENTOS DE TABELAS Funções (S-1040 Detalhamento) GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS Cuidado nas descrições principalmente das funções Remuneração = Mérito/Prêmio

65 EVENTOS DE TABELAS Horários de trabalhadores (S-1050)

66 EVENTOS DE TABELAS Processos administrativos e judiciais (S-1070 Justiça etc) Operadores Portuários, cadastrados pelo OGMO Órgão Gestor de Mão de Obra (S-1080)

67 EVENTOS NÃO PERIÓDICOS Alterações Cadastro (S-2220) e Contrato (S-2240)

68 EVENTOS NÃO PERIÓDICOS Comunicação Acidente de Trabalho (S-2260)

69 EVENTOS NÃO PERIÓDICOS Atestado de Saúde Ocupacional (ASO S-2280)

70 EVENTOS NÃO PERIÓDICOS Aviso de Férias (S-2300) Foi retirado do leiaute

71 EVENTOS NÃO PERIÓDICOS Afastamento Temporário (S-2320, S-2325 e S-2330)

72 EVENTOS NÃO PERIÓDICOS Aviso prévio (S-2400)

73 EVENTOS NÃO PERIÓDICOS Desligamento (S-2800)

74 EVENTOS PERIÓDICOS Folha de Pagamento (S-1100, S-1200, S-1300, S-1399, S-1400 e as exceções das NFs: S-1310 a S-1360)

75 OLHAR DA FISCALIZAÇÃO ELETRÔNICA RPA x NFS x Vínculo Empregatício ECD EFD esocial

76 OLHAR DA FISCALIZAÇÃO ELETRÔNICA Registro Eletrônico de Ponto (REP) REP 220h 8h Rubrica 8h x HN + HE

77 ANÁLISE DE OUTROS REGISTROS LEIAUTE GUIA PRÁTICO esocial

78 FONTES: Legislação da esocial Ato Declaratório Executivo Sufis nº 5, de 17/07/2013 Circular nº 642 CEF, de 06/01/2014 Portal da - Manual de Orientação da (Guia Prático V 1.2- versão beta) Perguntas e Respostas V.1.0

79 OLHAR DA FISCALIZAÇÃO ELETRÔNICA Resultado de fiscalizações encerradas no ano de 2010 sobre diferença de valores de contribuições previdenciárias devidas que foram informadas em folha de pagamento e não foram declaradas em GFIP: R$ ,60 Resultado de fiscalizações encerradas em 2010 sobre salários e ordenados pagos a empregados não incluídos em folha de pagamento pelas empresas: R$ ,93

80 INTRODUÇÃO PROJETO SPED (esocial 2009):

81 Classificação e registro das informações Todos os arquivos de eventos, ao serem transmitidos, passarão por validação e somente serão aceitos se estiverem consistentes com o Registro de Eventos Trabalhistas (RET). Deste modo, caso a empresa tenha um evento de desligamento do empregado, este só será aceito se o mesmo enviou anteriormente um evento de admissão. O RET também será utilizado para a validação da folha de pagamento, que só será aceita se todos os trabalhadores constantes no RET como ativos constarem na mesma e, por outro lado, todos os trabalhadores constantes na folha constarem no RET.

82 Identificação e cadastro do empregador A partir da data de entrada em vigor do os empregadores serão identificados apenas pelo CNPJ, se pessoa jurídica e apenas pelo CPF, se pessoa física. No lugar da matricula CEI para as pessoas físicas, foi criado o Cadastro de Atividades da Pessoa Física (CAEPF), que será um numero sequencial, acoplado ao numero do CPF. A pessoa física deverá providenciar registro no CAEPF, obedecendo a normas previstas em ato normativo próprio a ser publicado oportunamente. Fundamentação: item 2.5 do Manual de Orientação do, versão 1.0

83 Identificação e cadastro de obra de construção civil Para as obras de construção civil foi criado no lugar do Cadastro Específico do INSS (CEI) o Cadastro Nacional de Obras (CNO), que será sempre acoplado a um CNPJ ou CPF. Desta forma, as empresas que possuírem obras de construção civil, deverão providenciar o CNO no lugar do CEI, sendo que as matriculas existentes na data de implantação do relativas a obras, comporão o cadastro inicial do CNO. Fundamentação: item 2.5 do Manual de Orientação do, versão 1.0

84 Identificação e cadastro dos trabalhadores As empresas deverão cadastrar e identificar seus trabalhadores através de identificadores obrigatórios, tais como CPF e o NIS (NIT, PIS ou Pasep). Vale esclarecer que, o par CPF x NIS devera estar consistente com o Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS) e será validado no ato da transmissão, sendo que, sua inconsistência gerará recusa no recebimento da informação. Os empregadores deverão dar atenção especial as informações cadastrais de seus trabalhadores, certificando-se de sua consistência com o CNIS e, se necessário proceder a regularização das inconsistências antes da data de entrada em vigor do. Fundamentação: item 2.5 do Manual de Orientação do, versão 1.0

85 Identificação e cadastro dos trabalhadores Foi desenvolvido o aplicativo de "Qualificação Cadastral que permite ao usuário verificar se o Cadastro de Pessoa Física CPF e o Número de Identificação Social NIS (NIT/PIS/PASEP) estão aptos para serem utilizados no. Caso haja divergência nos dados informados, o aplicativo apresentará as orientações para que se proceda a correção. Se a divergência for relativa ao CPF, para a correção cadastral, o direcionamento será para os conveniados da Receita Federal do Brasil RFB (Banco do Brasil, CAIXA e Correios) e, caso a divergência seja relativa ao NIS, o interessado será orientando a se dirigir ao responsável pelo cadastro do NIS (INSS, CAIXA ou BANCO DO BRASIL).

86 Identificação e cadastro dos trabalhadores A solução em WEBSERVICE para grandes volumes ficará para um segundo momento.

87 Transmissão do arquivo O sistema não terá um aplicativo para download no ambiente do contribuinte que importe o arquivo e faça as validações antes de transmitir. O arquivo pode ser gerado de duas formas: 1. Gerado diretamente pelo sistema próprio ou contratado pelo empregador, assinado digitalmente e transmitido ao por meio de webservice, recebendo um protocolo de entrega (Comprovante); 2. Gerado diretamente no Portal do na internet cujo preenchimento e salvamento dos campos e telas já operam a geração e trasnmissão do evento. As validações do serão feitas online por evento no momento da transmissão.

88 Transmissão dos arquivos - Sequencia Para o envio do arquivo os empregadores deverão obedecer a uma sequencia lógica de informações, pois as informações dos primeiros arquivos são necessárias para processamento dos posteriores. Sendo assim, para transmissão dos mencionados arquivos, deverá ser observado a seguinte sequencia:

89 Transmissão dos arquivos - Sequencia A) Eventos Iniciais: Informação do Empregador: evento onde são fornecidas pelo empregador as informações cadastrais, alíquotas e demais dados necessários ao preenchimento validação. Arquivos de Tabelas, tais como: tabela de cargos, tabela de funções, horários, etc. Cadastramento inicial dos vínculos.

90 Transmissão dos arquivos - Sequencia Esse cadastramento inicial dos vínculos, também chamado de Carga Inicial deve ser realizado até a data de obrigatoriedade do. Durante a transmissão, se um arquivo com a mesma informação for enviado mais de uma vez, o arquivo mais recente será o válido e o enviado anteriormente será desprezado. OBS: Não esquecer os afastados na carga inicial.

91 Transmissão dos arquivos - Sequencia B) Eventos trabalhistas: geração dos arquivos na medida em que ocorrerem. B.1) Cadastramento inicial: O evento que será enviado pela empresa no inicio da implantação do, servindo de base para construção do Registro de Eventos Trabalhistas RET, o qual será utilizado para validação dos eventos de folha de pagamento dos demais eventos enviados posteriormente. Para cada vinculo trabalhista existente na empresa na data de implantação do deverá ser gerado um registro correspondente, contendo as informações cadastrais e contratuais atualizados até a data base.

92 Transmissão dos arquivos - Sequencia B.2) Admissão Com base no art. 29 da CLT a CTPS deve ser registrada na data de admissão. Desta forma, no dia em que o empregado assumir suas atividade na empresa o registro deve estar efetivado e a CTPS deve ser devolvida ao trabalhador em até 48 horas. Todavia, no ao se admitir um funcionário, o arquivo com a respectiva informação deverá ser transmitida antes que o empregado inicie suas atividades profissionais.

93 Transmissão dos arquivos - Sequencia B.3) Alteração cadastral Entende-se como alteração cadastral, todas as modificações de dados cadastrais do trabalhador, tais como: documentação pessoal, endereço, escolaridade, estado civil, contato, etc. o qual deve ser utilizado tanto para segurados empregados quanto para outros trabalhadores sem vinculo empregatício (avulsos, diretores não empregados, cooperados, etc). Cumpre esclarecer que, o evento não deve ser utilizado em caso de alteração de informações relativas ao contrato de trabalho, tais como alteração de salários, jornada, funções, etc.

94 Transmissão dos arquivos - Sequencia B.4) Alteração contratual De acordo com o art. 468 da CLT, qualquer alteração no contrato de trabalho só é válida, desde que, seja por mutuo consentimento e ainda assim que não cause prejuízo direito ou indireto ao empregado. Desta forma, desde que respeitada as regras expostas acima, poderão ser feitas alterações no contrato de trabalho, tais como: remuneração, duração do contrato de trabalho, local de trabalho, função, jornada de trabalho, etc.

95 Transmissão dos arquivos - Sequencia B.5) Comunicado de Acidente de Trabalho CAT Seguirá os mesmos prazos e normas constantes nos arts. 355 e 359 da Instrução Normativa do INSS nº 45/2010; Até o primeiro dia útil seguinte ao da ocorrência; De imediato em caso de morte.

96 Transmissão dos arquivos - Sequencia B.6) Atestado de Saúde Ocupacional Também deverão ser apresentados seguindo a Norma Regulamentadora nº 7. Vale lembrar que o ASO admissional deve ser informado antes da data de admissão.

97 Transmissão dos arquivos - Sequencia B.8) Afastamento Temporário

98 Transmissão dos arquivos - Sequencia B.9) Alteração Afastamento Temporário A alteração de afastamento temporário deverá ser utilizada em situações especificas, nos casos em que ocorre, de fato, modificação do motivo do afastamento. Neste evento deverá ser comunicado a alteração do motivo de afastamento. B.10) Retorno de Afastamento Temporário No será considerada a data do dia de retorno do afastamento.

99 Transmissão dos arquivos - Sequencia B.11) Estabilidade Inicio Deverão ser informados todos os fatos geradores de estabilidade, tais como: - Membros da CIPA; - Gestantes; - Dirigentes Sindicais; - Acidentes de trabalho; - Diretores de Cooperativas, etc. B.12) Estabilidade Término Informar a data final das estabilidade acima citadas de acordo com a legislação vigente.

100 Transmissão dos arquivos - Sequencia B.13) Condição Diferenciada de Trabalho Inicio Para fins de informação ao será considerado como condições diferenciadas de trabalho, quando trabalhador estiver exposto a agentes insalubres ou perigosos. Vale esclarecer que será considerado como trabalho insalubre, aquelas atividades ou operações que por sua natureza, condições ou métodos de trabalho exponham os empregados a agentes nocivos a saúde, acima dos limites de tolerância fixados em razão da natureza e da intensidade do agente ou do tempo de exposição aos seus efeitos. Também serão consideradas as atividades perigosas.

101 Transmissão dos arquivos - Sequencia B.14) Condição Diferenciada de Trabalho Término A eliminação ou a neutralização da insalubridade ocorrerá: a) Com a adoção de medidas que conservem o ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Com a utilização de equipamentos de proteção individual, que diminuam a intensidade do agente agressivo a limites de tolerância. Caberá as Delegacias Regionais do Trabalho, comprovada a insalubridade, notificar as empresas, estipulando prazos para sua eliminação ou neutralização.

102 Transmissão dos arquivos - Sequencia B.15) Aviso Prévio Destina-se a registrar a comunicação do Aviso prévio dado tanto pelo Empregado quanto pelo Empregador. A principio, o evento deverá ser informado no período a partir da data da efetiva comunicação, até 10 dias após esta data.

103 Transmissão dos arquivos - Sequencia B.16) Cancelamento do Aviso Prévio De acordo com o art. 489 da CLT, dado o aviso prévio, a rescisão torna-se efetiva depois de expirado o respectivo prazo, mas se a parte notificante reconsiderar o ato antes de seu término, à outra parte é facultado aceitar ou não a reconsideração. Caso seja aceita a reconsideração ou continuando a prestação depois de expirado o prazo, o contrato continuará a vigorar, como se o aviso não tivesse sido dado.

104 Transmissão dos arquivos - Sequencia B.17) Atividade Desempenhadas Todo empregado exerce uma atividade dentro da empresa, sendo que essa atividade a partir da implantação do deverá ser indicada pela empresa, servindo assim de subsidio para compor o Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP). Assim, sempre que ocorrerem modificações nas atividades desempenhadas, ainda que seja pelo acréscimo de nova atividade não relacionada anteriormente, ou pelo encerramento da execução de determinada atividade, deverá ocorrer o envio de novo evento, com a relação completa das atividades executadas pelo trabalhador.

105 Outras Informações Comunicação de Fato Relevante Este evento se destina a registrar a comunicação de fatos relevantes ocorridos no decorrer da vida laboral do trabalhador, durante o vinculo trabalhista, que não foram registrados em Evento específico. Podemos citar como exemplo de um fato relevante os seguintes eventos: a) Advertência ou suspensão disciplinar; b) Aposentadoria por tempo de serviço sem extinção do contrato de trabalho, etc. Funciona como uma anotação de um determinado fato nos registros funcionais do trabalhador. A principio, o evento deverá ser informado no periodo do dia da ocorrência do fato, até 10 dias após essa data.

106 Outras Informações Desligamento Este evento se destina a registrar o desligamento do trabalhador do quadro da empresa. A principio, este deve ser o ultimo evento relativo a um determinado vinculo trabalhista. Reintegração Evento enviado em caso de reintegração de trabalhador previamente desligado da empresa. E o único evento que pode ser enviado com data posterior a data do evento de desligamento. A partir do envio do evento, fica restabelecido o vinculo de trabalho.

107 Evento Folha de Pagamento Abertura da Folha de Pagamento Arquivo de envio mensal A empresa e o equiparado estão obrigados a elaborar a folha de pagamento mensal da remuneração paga, devida ou creditada a todos os segurados a seu serviço, de forma coletiva por estabelecimento, por obra de construção civil e por tomador de serviços, com a correspondente totalização e resumo geral, nela constando:

108 Evento Folha de Pagamento a) discriminados, o nome de cada segurado e respectivo cargo, função ou serviço prestado; b) Agrupados, por categoria, os segurados empregado, trabalhador avulso e contribuinte individual; c) identificados, os nomes das seguradas em gozo de salário maternidade; d) Destacadas, as parcelas integrantes e não integrantes da remuneração e dos descontos legais; e) Indicado, o numero de cotas de salário família atribuídas a cada segurado empregado ou trabalhador avulso. Fundamentação: Art. 47 da Instrução Normativa nº 971/2009.

109 Evento Folha de Pagamento Remuneração dos trabalhadores Um arquivo para cada trabalhador Arquivo contendo todas as parcelas que integram a remuneração do trabalhador. Integram o salário não só a importância fixa estipulada, como também as comissões, percentagens, gratificações, abonos, etc.

110 Evento Folha de Pagamento Serviços Tomados A empresa contratante de serviços prestados mediante cessão de mão de obra ou empreitada deverá reter 11% (onze por cento) do valor bruto da NF, fatura ou recibo de prestação de serviços ou 3,5% se estiver desonerado. Vale esclarecer que no SEFIP a obrigação de informar a retenção previdenciária é da empresa prestadora do serviço, ficando o tomador obrigado apenas a recolher à previdência social a importância retida. Com a implantação do o evento S-1310 deve ser informado pelas empresas tomadoras dos serviços.

111 Evento Folha de Pagamento Serviços Prestados Preenchimento exclusivo de pessoa jurídica prestadora de serviço. Serviços tomados de cooperativa Este evento deve necessariamente ser preenchido pela empresa contratante de serviços por cooperados por intermédio de cooperativas de trabalho As cooperativas de trabalho deverão informar no evento S-1340, identificando as empresas tomadoras de serviços de cooperativa e detalhando as notas fiscais de serviços prestados pela cooperativa.

112 Evento Folha de Pagamento Encerramento Finalização da transmissão da folha de pagamento e outras informações.

113 Informações Permanentes no As informações de natureza permanente serão armazenadas em tabelas no ambiente nacional do, buscando assim melhor otimização dos arquivos, bem como das informações armazenadas. Esclarecemos que serão consideradas informações de natureza permanente, aquelas que podem ser utilizadas em mais de um arquivo, ou em mais de uma competência, tais como:

114 Informações Permanentes no a) Rubricas da folha de pagamento; b) Lotações e Departamentos; c) Cargos; d) Funções; e) Horários de trabalhadores; f) Estabelecimentos e obras de Construção Civil; g) Processos administrativos e judiciais; h) Operadores portuários, cadastrados pelo OGMO; Fundamentação: item 2.7 do Manual de Orientação do, versão 1.0

115 Tabelas Auxiliares Consultar páginas 172 a 178 do Manual de Orientação do versão 1.0

116 Penalidades "Art. 57. O sujeito passivo que deixar de cumprir as obrigações acessórias exigidas nos termos do art. 16 da Lei no 9.779, de 19 de janeiro de 1999, ou que as cumprir com incorreções ou omissões será intimado para cumprilas ou para prestar esclarecimentos relativos a elas nos prazos estipulados pela Secretaria da Receita Federal do Brasil e sujeitar-se-á às seguintes multas:

117 Penalidades a) R$ 500,00 (quinhentos reais) por mês-calendário ou fração, relativamente às pessoas jurídicas que estiverem em início de atividade ou que sejam imunes ou isentas ou que, na última declaração apresentada, tenham apurado lucro presumido ou pelo Simples Nacional; b) R$ 1.500,00 (mil e quinhentos reais) por mêscalendário ou fração, relativamente às demais pessoas jurídicas;

118 Penalidades c) R$ 100,00 (cem reais) por mês-calendário ou fração, relativamente às pessoas físicas; II - por não cumprimento à intimação da Secretaria da Receita Federal do Brasil para cumprir obrigação acessória ou para prestar esclarecimentos nos prazos estipulados pela autoridade fiscal: R$ 500,00 (quinhentos reais) por mês-calendário;

119 Penalidades III - por cumprimento de obrigação acessória com informações inexatas, incompletas ou omitidas: a) 3% (três por cento), não inferior a R$ 100,00 (cem reais), do valor das transações comerciais ou das operações financeiras, próprias da pessoa jurídica ou de terceiros em relação aos quais seja responsável tributário, no caso de informação omitida, inexata ou incompleta;

120 Penalidades b) 1,5% (um inteiro e cinco décimos por cento), não inferior a R$ 50,00 (cinquenta reais), do valor das transações comerciais ou das operações financeiras, próprias da pessoa física ou de terceiros em relação aos quais seja responsável tributário, no caso de informação omitida, inexata ou incompleta.

121 Penalidades 3º A multa prevista no inciso I do caput será reduzida à metade, quando a obrigação acessória for cumprida antes de qualquer procedimento de ofício. 4º Na hipótese de pessoa jurídica de direito público, serão aplicadas as multas previstas na alínea a do inciso I, no inciso II e na alínea b do inciso III."(NR) Art. 58. A Lei no , de 15 de março de 2004, passa a vigorar acrescida do seguinte art. 2º-A

122 Vigência O leiaute que compõe o Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (), será exigido para os eventos ocorridos a partir da competência janeiro de Art. 1º do Ato Declaratório SUFIS nº 5/2013.

123 Cronograma A Circular CAIXA nº 642/14 estabelece também, que as informações referentes ao FGTS transmitidas pelos eventos decorrentes das obrigações fiscais, previdenciárias e trabalhistas serão utilizadas pela CAIXA para consolidar os dados cadastrais e financeiros da empresa e dos trabalhadores, no uso de suas atribuições legais. Por fim, as informações por meio deste novo leiaute deverão ser transmitidas até o dia 7 do mês seguinte ao que se referem.

124 Empregador Doméstico Já está disponível o portal do para empregadores domésticos. Esta versão do portal é de uso opcional e atende apenas o empregador doméstico para registro de informações referentes às competências a partir do mês de junho de 2013 (06/2013), independente da data de admissão do empregado. A obrigatoriedade será 120 dias após a regulamentação de EC 72/2013.

125 Acesso via Web Importação, validação e assinatura do arquivo digital; Apuração dos tributos incidentes; Folha de pagamento digital simplificada, escrituração simplificada na Web: I - empregadores domésticos; II - Micro Empreendedor Individual (MEI); III - contribuinte individual equiparado à empresa, com até 2 (dois) empregados; IV - pequeno produtor rural, com até 2 (dois) empregados permanentes; e V - segurado especial.

126 Leiautes O leiaute da versão 1.1 está disponibilizado no site: Os leiautes de arquivos estão sendo disponibilizados em versão inicial e sua divulgação tem caráter informativo aos setores da sociedade. Será disponibilizado ato normativo dos órgãos competentes que conterá as regras de obrigatoriedade para transmissão.

127 Arquivos que serão enviados - Mensal

128 Arquivos que serão enviados - Eventos

129 Folha de Pagamento

130 Novos Desafios

131 OBRIGADA! Tel. (27) Cel. (27)

Dra. Valéria de Souza Telles. esocial - Dra. Valéria de Souza Telles 1

Dra. Valéria de Souza Telles. esocial - Dra. Valéria de Souza Telles 1 Dra. Valéria de Souza Telles esocial - Dra. Valéria de Souza Telles 1 Manual de Orientação do e - Social Versão 1.0 (Ato Declaratório Executivo SUFIS nº 5/13 DOU de 18/07/2013) Manual de Orientação do

Leia mais

esocial esocial Diminuir o custo de produção, o controle e disponibilização das informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais;

esocial esocial Diminuir o custo de produção, o controle e disponibilização das informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais; Ref.: nº 26/2015 esocial 1. Conceito O esocial é um projeto do Governo Federal que vai coletar as informações descritas em seu objeto, armazenando-as em Ambiente Nacional, possibilitando aos órgãos participantes,

Leia mais

FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013

FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013 FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013 OBRIGATORIEDADE A empresa é obrigada a elaborar mensalmente a folha de pagamento da remuneração paga devida ou creditada a todos os segurados

Leia mais

Finalidade. Entes envolvidos. Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas

Finalidade. Entes envolvidos. Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas ariane@ensicon.com.br Finalidade A Escrituração Fiscal Digital Social tem por finalidade: a) Prestar informações

Leia mais

NONO NONONO NO NONO NONO NONONO NONO CIESP Centro das Indústrias do Estado de São Paulo DR de Sorocaba

NONO NONONO NO NONO NONO NONONO NONO CIESP Centro das Indústrias do Estado de São Paulo DR de Sorocaba SPED Sistema Público de Escrituração Digital esocial NONO NONONO NO NONO NONO NONONO NONO CIESP Centro das Indústrias do Estado de São Paulo DR de Sorocaba 7 de outubro de 2014 O SPED Sistema Público de

Leia mais

Uma nova era nas relações entre Empregados, Empregadores e Governo

Uma nova era nas relações entre Empregados, Empregadores e Governo Uma nova era nas relações entre Empregados, Empregadores e Governo CONSTRUÇÃO CONJUNTA Receita Federal do Brasil; Caixa; Instituto Nacional do Seguro Social INSS; Ministério da Previdência Social MPS;

Leia mais

esocial Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Copyright 2013 1

esocial Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Copyright 2013 1 esocial Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Copyright 2013 1 O que é esocial? É o projeto de escrituração digital da folha de pagamento e das obrigações trabalhistas, previdenciárias

Leia mais

Não muda legislação, muda procedimentos.

Não muda legislação, muda procedimentos. Versão 1.1 esocial Não muda legislação, muda procedimentos. esocial = Transparência Fiscal Circular n. 642, de 06/01/2014 Aprova e divulga o leiaute do Sistema de Escrituração Fiscal Digital das obrigações

Leia mais

Evento esocial. Prof. Edison Garcia Junior

Evento esocial. Prof. Edison Garcia Junior Evento esocial Prof. Edison Garcia Junior INTRODUÇÃO PROJETO SPED (esocial 2009): AD EXECUTIVO SUFIS Nº 05, DE 17/07/2013 INTRODUÇÃO esocial: Preparado para ter uma DR com seus terceiros?? INTRODUÇÃO esocial:

Leia mais

esocial Informações e Orientações Atualizadas

esocial Informações e Orientações Atualizadas esocial Informações e Orientações Atualizadas Conceito e Objetivos do esocial O esocial é uma ação conjunta destes órgãos e entidades do governo federal: Caixa Econômica Federal Instituto Nacional do Seguro

Leia mais

e-social Alexandre Corrêa

e-social Alexandre Corrêa e-social Alexandre Corrêa e-social O e-social consiste na escrituração digital da folha de pagamento e das obrigações trabalhistas, previdenciárias e fiscais. Permitirá uma fiscalização muito mais eficaz,

Leia mais

Assunto. esocial. Diminuir o custo de produção, o controle e disponibilização das informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais;

Assunto. esocial. Diminuir o custo de produção, o controle e disponibilização das informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais; Ref.: nº 34/2013 esocial 1. Conceito O esocial é um projeto do Governo Federal que vai coletar as informações descritas em seu objeto, armazenando-as em Ambiente Nacional, possibilitando aos órgãos participantes,

Leia mais

e-social - (ex-efd Social)

e-social - (ex-efd Social) Relações do Trabalho, Folha de Pagamento e Obrigações á partir de JANEIRO-2014! O QUE VAI MUDAR? NOVO MODELO OPERACIONAL? POR ONDE COMEÇAR? E - SOCIAL e-social - (ex-efd Social) Projeto e-social Com a

Leia mais

O que é? Pra que serve? Quem promove? Como vai funcionar? O dia a dia? Quando começa? Agenda. E agora, o que tenho que fazer????

O que é? Pra que serve? Quem promove? Como vai funcionar? O dia a dia? Quando começa? Agenda. E agora, o que tenho que fazer???? Fevereiro de 2014 O que é? Pra que serve? Quem promove? Como vai funcionar? O dia a dia? Quando começa? Agenda E agora, o que tenho que fazer???? O QUE É AFINAL? Componente do SPED (Sistema Público de

Leia mais

esocial EFD FOLHA DE PAGAMENTO

esocial EFD FOLHA DE PAGAMENTO Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE

Leia mais

esocial: Integração no Ambiente Sped SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL

esocial: Integração no Ambiente Sped SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL esocial: Integração no Ambiente Sped SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL NF-e Abrangência ECD esocial EFD EFD - IRPJ CT-e NFS-e E-Lalur FCont O esocial é um projeto do governo federal que vai unificar

Leia mais

e-social Divisão Trabalhista e Previdenciária Agosto de 2013

e-social Divisão Trabalhista e Previdenciária Agosto de 2013 Divisão Trabalhista e Previdenciária Agosto de 2013 Conceito de EFD-Social O (EFD-Social) é um projeto do governo federal que visa a unificação das obrigações trabalhistas, previdenciárias e tributárias

Leia mais

Palestrantes: Reginaldo da Silva dos Santos, André Bocchi e. Luis Antônio dos Santos

Palestrantes: Reginaldo da Silva dos Santos, André Bocchi e. Luis Antônio dos Santos esocial SEMINÁRIO Uma realidade RETENÇÕES a ser DE enfrentada IMPOSTOS pelos E CONTRIBUIÇÕES profissionais de RH, Contabilidade e de Gestão Administrativa Palestrantes: André Bocchi da Silva Reginaldo

Leia mais

Cenário Atual. Os empregadores devem preencher inúmeras declarações e documentos que possuem as mesmas informações.

Cenário Atual. Os empregadores devem preencher inúmeras declarações e documentos que possuem as mesmas informações. índice O que é o esocial?...03 Cenário Atual...04 Cenário Ideal...05 Abrangência...06 Identificadores das Empresas...07 Identificadores...08 Módulo Consulta Cadastral...09 Órgãos envolvidos no Projeto...11

Leia mais

VISÃO GERAL DO E-SOCIAL

VISÃO GERAL DO E-SOCIAL VISÃO GERAL DO E-SOCIAL 1 VISÃO GERAL DO E-SOCIAL SUMÁRIO 1.0 Introdução......03 2.0 Considerações Iniciais......03 2.1 Objeto do esocial......03 2.2 Conceito do esocial......03 2.3 Objetivos do projeto......03

Leia mais

SPED Folha de Pagamento

SPED Folha de Pagamento SPED Folha de Pagamento Ricardo Nogueira www.ocftreinamento.com.br Cenário atual Os empregadores são obrigados a preencher diversas declarações e documentos que possuem, em muitos casos, as mesmas informações...

Leia mais

esocial Sistema de Escrituração das Obrigações Fiscais, Previdênciárias e Trabalhistas

esocial Sistema de Escrituração das Obrigações Fiscais, Previdênciárias e Trabalhistas esocial Sistema de Escrituração das Obrigações Fiscais, Previdênciárias e Trabalhistas O que é o esocial? O Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (esocial)

Leia mais

03/05/2015. Entendendo o esocial

03/05/2015. Entendendo o esocial Entendendo o esocial 1 O que é o esocial O esocialé o instrumento de unificação da prestação das informações referentes à escrituração das obrigações fiscais, previdenciárias e trabalhistas e tem por finalidade

Leia mais

uma nova era nas relações entre Empregadores, Empregados e Governo. esocial - FECON 19/02/2014

uma nova era nas relações entre Empregadores, Empregados e Governo. esocial - FECON 19/02/2014 esocial - FECON 19/02/2014 Contextualização - Objetivo do Projeto OBJETIVOS - O que é o esocial Conceitos básicos - Qualificação cadastral - Povoamento da base - Eventos Não periódicos - Eventos periódicos

Leia mais

Projeto esocial Aspectos Legais

Projeto esocial Aspectos Legais Projeto esocial Aspectos Legais ÍNDICE O que é o esocial Cenários e Leiaute Cronograma do Governo Fiscalização e Penalidades ÍNDICE O que é o esocial? O esocial é um projeto do Governo Federal, com implantação

Leia mais

uma nova era nas relações entre Empregadores, Empregados e Governo. CISPED, 21/11/2013

uma nova era nas relações entre Empregadores, Empregados e Governo. CISPED, 21/11/2013 CISPED, 21/11/2013 Aspectos Técnicos Utilização do CPF como chave do trabalhador associado ao PIS/NIT; Validação na base do CNIS CPF/PIS/Data de nascimento; Cadastramento inicial apenas dos vínculos ativos;

Leia mais

As novas obrigações trabalhistas e previdenciárias

As novas obrigações trabalhistas e previdenciárias As novas obrigações trabalhistas e previdenciárias JOHNATAN ABREU Janeiro de 2014 O que é o esocial? De acordo com o art. 2º da minuta da Portaria interministerial que regulamenta a ferramenta, é um instrumento

Leia mais

Sistema Público de Escrituração Digital SPED

Sistema Público de Escrituração Digital SPED Sistema Público de Escrituração Digital SPED NF-e NFS-e ECD Contábil F-cont EFD - Folha EFD ICMS CT-e e-lalur EFD PIS/Cofins Contribuições Contribuinte RFB SEFAZ Leiaute Banco de Dados Procuração Eletrônica

Leia mais

SPED: instituído pelo Decreto 6.022/2007

SPED: instituído pelo Decreto 6.022/2007 e Social e-social E-Social SPED: instituído pelo Decreto 6.022/2007 Art. 2º - O SPED é instrumento que unifica as atividades de recepção, validação, armazenamento e autenticação de livros e documentos

Leia mais

Linha do Tempo até esocial

Linha do Tempo até esocial Linha do Tempo até esocial 2005 Nfe 2006 Sped Fiscal 2007 Sped Contábil 2011 Desoneração da Folha de Pagamento 2013 esocial Sped Folha INVESTIMENTO DA RFB T REX Fabricado pela IBM e montado nos Estados

Leia mais

Principais Aspectos do Sistema Público de Escrituração Digital SPED

Principais Aspectos do Sistema Público de Escrituração Digital SPED Principais Aspectos do Sistema Público de Escrituração Digital SPED Como trabalhamos? no passado a pouco tempo Daqui para frente ECD Escrituração Contábil Digital IN RFB 787/07 O que é? : É a substituição

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEPMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL PALESTRA

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL PALESTRA CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEERIO PALESTRA e-social

Leia mais

TAX. esocial 2014. PAINEL FIEAM, CIEAM e CAMARA- NIPO BRASILEIRA. Abril de 2014 Tax

TAX. esocial 2014. PAINEL FIEAM, CIEAM e CAMARA- NIPO BRASILEIRA. Abril de 2014 Tax TAX esocial 2014 PAINEL FIEAM, CIEAM e CAMARA- NIPO BRASILEIRA Abril de 2014 Tax kpmg 1 Histórico T-Rex e Harpia A partir de 2006 a Receita Federal do Brasil colocou em operação um equipamento capaz de

Leia mais

Como o esocial muda o dia a dia da sua empresa?

Como o esocial muda o dia a dia da sua empresa? Como o esocial muda o dia a dia da sua empresa? SISTEMA HUMANUS DE GESTÃO DE RH O QUE É O ESOCIAL? O esocial é um projeto do governo federal que vai unificar o envio de informações pelo empregador em relação

Leia mais

Rio de Janeiro, 17/09/2013

Rio de Janeiro, 17/09/2013 Rio de Janeiro, 17/09/2013 Daniel Belmiro Fontes José Alberto Maia Cenário atual Os empregadores são obrigados a preencher diversas declarações e documentos que possuem as mesmas informações... Termo de

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL COMITÊ GESTOR DO ESOCIAL RESOLUÇÃO Nº 4, DE 20 DE AGOSTO DE 2015

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL COMITÊ GESTOR DO ESOCIAL RESOLUÇÃO Nº 4, DE 20 DE AGOSTO DE 2015 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL COMITÊ GESTOR DO ESOCIAL RESOLUÇÃO Nº 4, DE 20 DE AGOSTO DE 2015 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Decreto nº 8.373, de 11 de dezembro de 2014; Resolução n 2, de 3 de julho de

Leia mais

Pilares do SPED EFD ICMS/IPI EFD IRPJ. esocial ECF ECD. EFD Contribuições. (NF-e, NFS-e, CT-e) Doc. Fiscais Eletrônicos

Pilares do SPED EFD ICMS/IPI EFD IRPJ. esocial ECF ECD. EFD Contribuições. (NF-e, NFS-e, CT-e) Doc. Fiscais Eletrônicos Nossa trajetória... Doc. Fiscais Eletrônicos (NF-e, NFS-e, CT-e) ECD EFD ICMS/IPI EFD Contribuições EFD IRPJ Pilares do SPED esocial ECF Perfil 21 anos de atuação com dedicação exclusiva em projetos da

Leia mais

esocial 2.0: Nova realidade para Escritórios Contábeis e seus Clientes Cátia Maria Soares Medeiros 19/05/2015 Vitória - ES

esocial 2.0: Nova realidade para Escritórios Contábeis e seus Clientes Cátia Maria Soares Medeiros 19/05/2015 Vitória - ES esocial 2.0: Nova realidade para Escritórios Contábeis e seus Clientes Cátia Maria Soares Medeiros 19/05/2015 Vitória - ES Regulamentação O que existia: Ato Declaratório SUFIS 05/2013 de 17 de julho de

Leia mais

Perguntas e Respostas do esocial Empregador Doméstico

Perguntas e Respostas do esocial Empregador Doméstico Perguntas e Respostas do esocial Empregador Doméstico Versão 1.0 29/09/2015 Alterações em relação à versão anterior Não se aplica Simples Doméstico esocial 1. O que é o SIMPLES Doméstico? Vivemos um momento

Leia mais

e-social - VERSÃO 2.1

e-social - VERSÃO 2.1 Recursos Humanos OBRIGAÇÕES TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA NA FOLHA DE PAGAMENTO Março de 2016 - Brasília Realização Workshop OBRIGAÇÕES TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA NA FOLHA DE PAGAMENTO Apresentação Com

Leia mais

EFD-Social. Rio de Janeiro, 23 de Janeiro de 2013

EFD-Social. Rio de Janeiro, 23 de Janeiro de 2013 EFD-Social Arquitetura Rio de Janeiro, 23 de Janeiro de 2013 Simplificação das Obrigações Tributárias Prestação de Serviço ao Contribuinte-Cidadão x Modelo Tributário Complexo Pacto Federativo Combate

Leia mais

Uma marca global, para uma empresa com serviços globais!

Uma marca global, para uma empresa com serviços globais! Uma marca global, para uma empresa com serviços globais! Quem somos? Fundada em 1998 em Curitiba, a Executiva é focada em soluções na área de Recursos Humanos, mais especificamente em Outsourcing de Processos

Leia mais

Andrezza Célia Moreira

Andrezza Célia Moreira Andrezza Célia Moreira Contadora e Perita Sócia da JANIR MOREIRA & CONTADORES ASSOCIADOS Conselheira do Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais CRC-MG O esocial é um projeto do governo federal

Leia mais

Uma nova era nas relações entre Empregados, Empregadores e Governo

Uma nova era nas relações entre Empregados, Empregadores e Governo Uma nova era nas relações entre Empregados, Empregadores e Governo JOSE DE SOUZA MARQUES Contador e Advogado, pós graduado em Controladoria e Auditoria e em Direito Processual Tributário. Obrigações atuais

Leia mais

esocial Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas

esocial Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas esocial Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas SPED DECRETO 6.022/07 O QUE É? Art. 2º O esocial é o instrumento de unificação da prestação das informações

Leia mais

Legislação. Lei Complementar n 150/2015. Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal

Legislação. Lei Complementar n 150/2015. Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal Simples Doméstico Legislação Lei Complementar n 150/2015 Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal Quem é empregado doméstico? Art. 1 o da LC n 150/2015 Ao empregado doméstico, assim considerado

Leia mais

Aprovação e divulgação do leiaute (padronização)

Aprovação e divulgação do leiaute (padronização) Legislação Início legal Ato Declaratório Executivo Sufis nº 5 de 17/07/2013, publicado no DOU em 18/07/2013 Aprovação e divulgação do leiaute (padronização) Manual V. 1.1 Site esocial - www.esocial.gov.br

Leia mais

Andrezza Célia Moreira

Andrezza Célia Moreira Andrezza Célia Moreira Contadora e Perita Sócia da JANIR MOREIRA & CONTADORES ASSOCIADOS Conselheira do Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais CRC-MG O esocial é um projeto do governo federal

Leia mais

e-social expert PDF Trial Outubro 2013 Apoio O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade da Lefisc.

e-social expert PDF Trial Outubro 2013 Apoio O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade da Lefisc. Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

Decreto 6.022 de 22/01/2007 Procedimentos para Janeiro de 2014

Decreto 6.022 de 22/01/2007 Procedimentos para Janeiro de 2014 Decreto 6.022 de 22/01/2007 Procedimentos para Janeiro de 2014 ...Art. 2º O Sped (Sistema Público de Escrituração Digital) é instrumento que unifica as atividades de recepção, validação, armazenamento

Leia mais

14/11/2013. Centralização do FGTS. Surgimento do REMAG. Surgimento da GFIP. Surgimento do SPED. Histórico das Obrigações JOHNATAN ABREU

14/11/2013. Centralização do FGTS. Surgimento do REMAG. Surgimento da GFIP. Surgimento do SPED. Histórico das Obrigações JOHNATAN ABREU JOHNATAN ABREU Histórico das Obrigações Centralização do FGTS Surgimento do REMAG Surgimento da GFIP Surgimento do SPED 1 Objetivos do Projeto OBJETIVO: O esocial tem por objeto, informações trabalhistas,

Leia mais

II Seminário esocial Uma nova era nas relações entre empregadores, empregados e governo

II Seminário esocial Uma nova era nas relações entre empregadores, empregados e governo II Seminário esocial Uma nova era nas relações entre empregadores, empregados e governo Câmara Americana de Comércio São Paulo / SP 02/10/2015 Paulo Roberto Magarotto Auditor-Fiscal da Receita Federal

Leia mais

E-SOCIAL. Comunicamos que entrará em vigor, a partir de Abril de 2014, o novo projeto do governo, denominado E-Social.

E-SOCIAL. Comunicamos que entrará em vigor, a partir de Abril de 2014, o novo projeto do governo, denominado E-Social. E-SOCIAL Comunicamos que entrará em vigor, a partir de Abril de 2014, o novo projeto do governo, denominado E-Social. O E-Social é um projeto do governo federal que vai unificar o envio de informações

Leia mais

Planejamento, suporte e transparência para garantir seus objetivos!

Planejamento, suporte e transparência para garantir seus objetivos! Planejamento, suporte e transparência para garantir seus objetivos! CAMPINAS Centro Empresarial Conceição Rua Conceição, 233 Centro 23º andar conj.2303 CEP 13010 916 Tel: 19 3231 0399 SÃO PAULO Edifício

Leia mais

Agenda: ü Conceito do e- Social; ü Saúde e Segurança do Trabalho SSO- EHS; ü e- Social e a Saúde e Segurança do Trabalho;

Agenda: ü Conceito do e- Social; ü Saúde e Segurança do Trabalho SSO- EHS; ü e- Social e a Saúde e Segurança do Trabalho; Agenda: ü Conceito do e- Social; ü Saúde e Segurança do Trabalho SSO- EHS; ü e- Social e a Saúde e Segurança do Trabalho; 1. O que é o esocial? Um Sistema de Escrituração Fiscal Digital das obrigações

Leia mais

uma nova era nas relações entre Empregadores, Empregados e Governo. FIESP, 23/10/2013

uma nova era nas relações entre Empregadores, Empregados e Governo. FIESP, 23/10/2013 FIESP, 23/10/2013 O que é o esocial? Cenário atual Os empregadores são obrigados a preencher diversas declarações e documentos que possuem as mesmas informações... Termo de Rescisão Seguro Desemprego Consequências

Leia mais

esocial e PUC Programa de Unificação do Crédito e PUC

esocial e PUC Programa de Unificação do Crédito e PUC esocial e PUC Programa de Unificação do Crédito VI Fórum Interestadual de Regularidade 9 de outubro de 2014 Frederico Faber Coordenador de Cobrança Cenário Atual Os empregadores são obrigados a preencher

Leia mais

Projeto EFD Social Programa de Unificação do Crédito (Fazendário e Previdenciário)

Projeto EFD Social Programa de Unificação do Crédito (Fazendário e Previdenciário) Projeto EFD Social Programa de Unificação do Crédito (Fazendário e Previdenciário) Projeto EFD Social Integra o Programa de Unificação do Crédito Previdenciário) PUC 1 (Fazendário e Iniciativa

Leia mais

Soft Trade, desenvolvendo soluções para RH há 26 anos. WORKSHOP esocial. www.esocial.gov.br www.softtrade.com.br 14/02/2014

Soft Trade, desenvolvendo soluções para RH há 26 anos. WORKSHOP esocial. www.esocial.gov.br www.softtrade.com.br 14/02/2014 Soft Trade, desenvolvendo soluções para RH há 26 anos WORKSHOP esocial www.esocial.gov.br www.softtrade.com.br 14/02/2014 E agora, José?? Carlos Drummond de Andrade Solução? Problema? Afinal é bom para

Leia mais

uma nova era nas relações entre Empregadores, Empregados e Governo. ABEMI Associação Brasileira de Engenharia Industrial São Paulo, 03/12/2013

uma nova era nas relações entre Empregadores, Empregados e Governo. ABEMI Associação Brasileira de Engenharia Industrial São Paulo, 03/12/2013 ABEMI Associação Brasileira de Engenharia Industrial São Paulo, 03/12/2013 Jeziel Tadeu Fior Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil O que é o esocial? Sistema de Escrituração Digital das Obrigações

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS SOCIAIS DA APM

OBRIGAÇÕES FISCAIS SOCIAIS DA APM COMUNICADO FDE / DRA Nº 001/2015 OBRIGAÇÕES FISCAIS E SOCIAIS DA APM 2 0 1 5 Página 1 de 9 O objetivo deste texto é informar aos dirigentes das Associações de Pais e Mestres APMs de Escolas Estaduais conveniadas

Leia mais

Planejamento, suporte e transparência para garantir seus objetivos!

Planejamento, suporte e transparência para garantir seus objetivos! Planejamento, suporte e transparência para garantir seus objetivos! CAMPINAS Centro Empresarial Conceição Rua Conceição, 233 Centro 23º andar conj.2303 CEP 13010-916 Tel: 19 3231 0399 SÃO PAULO Edifício

Leia mais

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010 1 CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010 Dia 06-10-2010 (Quarta-feira): SALÁRIOS Todos os empregadores, assim definidos pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Fato

Leia mais

esocial Abril 2014 Equipe de Legislação

esocial Abril 2014 Equipe de Legislação esocial Abril 2014 Equipe de Legislação O que é o esocial? É um projeto do governo federal que vai unificar o envio de informações pelo empregador em relação aos seus empregados. Está sendo desenvolvido,

Leia mais

esocial Como iniciar a implantação Parceria Fenabrave-SC Anelore B Tolardo

esocial Como iniciar a implantação Parceria Fenabrave-SC Anelore B Tolardo esocial Como iniciar a implantação Parceria Fenabrave-SC Anelore B Tolardo O que é o esocial Nova forma de enviar as informações dos trabalhadores para o governo. SPED Sistema Público de Escrituração Digital

Leia mais

O que é o esocial? esocial subprojeto do SPED. MTE, CAIXA, RFB, Previdência, outros

O que é o esocial? esocial subprojeto do SPED. MTE, CAIXA, RFB, Previdência, outros O que é o esocial? esocial subprojeto do SPED Transmissão única Informações de folha de pagamento e de outras obrigações trabalhistas, previdenciárias e tributárias pelo empregador em relação aos seus

Leia mais

1) O que é o esocial?

1) O que é o esocial? 1) O que é o esocial? O Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (esocial) é um projeto do governo federal que vai unificar o envio de informações pelo empregador

Leia mais

Impactos do esocial. Projeto multidisciplinar. Impactos. Substituição da GFIP e MANAD (RAIS, CAGED e DIRF prevista para 2015)

Impactos do esocial. Projeto multidisciplinar. Impactos. Substituição da GFIP e MANAD (RAIS, CAGED e DIRF prevista para 2015) Impactos do esocial Impactos Substituição da GFIP e MANAD (RAIS, CAGED e DIRF prevista para 2015) Disponibilização da DCTF Web PER/DCOMP como meio para compensações após a extinção da GFIP Projeto multidisciplinar

Leia mais

Saiba tudo sobre o esocial

Saiba tudo sobre o esocial Saiba tudo sobre o esocial Introdução Com a criação do Sistema Público de Escrituração Digital (Sped), o Governo propiciou maior controle e agilidade na fiscalização das informações contábeis e fiscais

Leia mais

Desvendando o esocial

Desvendando o esocial 2011 Março de 2012 Outubro de 2012 1º semestre de 2013 Julho/2013 Primeiros layouts (não oficiais) Estudo dos layouts Primeira proposta de solução Segunda proposta de solução Indefinições do Governo Não

Leia mais

Escrituração Fiscal da Folha de Pagamento e das Obrigações Previdenciárias (EFD-Social) esocial

Escrituração Fiscal da Folha de Pagamento e das Obrigações Previdenciárias (EFD-Social) esocial Escrituração Fiscal da Folha de Pagamento e das Obrigações Previdenciárias (EFD-Social) esocial O esocial vem mudar a legislação? Qual o prazo para o registro de funcionários? Art. 5º O empregador anotará

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Ministério da Previdência Social Instituto Nacional do Seguro Social Diretoria Colegiada INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre a contribuição para o financiamento da aposentadoria

Leia mais

ÍNDICE. Com a criação do Sistema Público de INTRODUÇÃO. Introdução. Legislação. Empresas. Obrigações Abrangidas. Identificadores

ÍNDICE. Com a criação do Sistema Público de INTRODUÇÃO. Introdução. Legislação. Empresas. Obrigações Abrangidas. Identificadores 1 ÍNDICE 2 3 8 13 13 14 19 19 22 23 Introdução Legislação Empresas Obrigações Abrangidas Identificadores Envio, Prazo, Transmissão e Retificação Fiscalização e Autuação Carga Inicial Segurados Sistema

Leia mais

Regramentos Funcionalidades

Regramentos Funcionalidades Regramentos e Funcionalidades 1 O que é o esocial? O esocial é um projeto do Governo Federal que vai coletar as informações trabalhistas, previdenciárias, tributarias, fiscais e do FGTS, relativas à contratação

Leia mais

Entendendo o esocial

Entendendo o esocial Entendendo o esocial O que éo esocial O esocial éo instrumento de unificação da prestação das informações referentes àescrituração das obrigações fiscais, previdenciárias e trabalhistas e tem por finalidade

Leia mais

Café da Manhã ANEFAC Os desafios da folha de pagamento eletrônica esocial Palestra + Discussão = Informação

Café da Manhã ANEFAC Os desafios da folha de pagamento eletrônica esocial Palestra + Discussão = Informação Café da Manhã ANEFAC Os desafios da folha de pagamento eletrônica esocial Palestra + Discussão = Informação Agenda Simpósio Serão 3 palestras seguidas, de 15 minutos cada, os temas e tópicos serão os seguintes:

Leia mais

esocial Uma nova forma de registro dos eventos trabalhistas

esocial Uma nova forma de registro dos eventos trabalhistas esocial Uma nova forma de registro dos eventos trabalhistas José Maia Ministério do Trabalho e Previdência Social Eduardo Tanaka Receita Federal Apresentação: - Visão geral do projeto - Aspectos conceituais

Leia mais

uma nova era nas relações entre Empregadores, Empregados e Governo. AMCHAM-RJ, 24/02/2014

uma nova era nas relações entre Empregadores, Empregados e Governo. AMCHAM-RJ, 24/02/2014 AMCHAM-RJ, 24/02/2014 Cenário atual Os empregadores são obrigados a preencher diversas declarações e documentos que possuem as mesmas informações... Termo de Rescisão Seguro Desemprego Evento Trabalhista

Leia mais

São Paulo, 14/11/2014 Samuel Kruger Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil

São Paulo, 14/11/2014 Samuel Kruger Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil São Paulo, 14/11/2014 Samuel Kruger Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil Cenário atual Termo de Rescisão Empresa Único Cana l Ambiente Nacional Direitos Gar antidos Proces sos Simplificados Informações

Leia mais

CNS - Confederação Nacional de Serviços. Principais Reflexos no FGTS

CNS - Confederação Nacional de Serviços. Principais Reflexos no FGTS CNS - Confederação Nacional de Serviços Principais Reflexos no FGTS Números Grandes R$ 410,6 bilhões Total Ativo R$ 311,6 bilhões 70 Milhões de clientes Saldo Contas Vinculadas R$ 77,8 bilhões Patrimônio

Leia mais

O que é o esocial? Empregado

O que é o esocial? Empregado CICLO DE PALESTRAS O que é o esocial? É uma nova forma de registro de informações, também conhecida como folha de pagamento digital que unificará todos os sistemas. Empregado O Ato Declaratório Executivo

Leia mais

Soft Trade, desenvolvendo soluções para RH há 26 anos. WORKSHOP esocial. www.esocial.gov.br www.softtrade.com.br 09/10/2013

Soft Trade, desenvolvendo soluções para RH há 26 anos. WORKSHOP esocial. www.esocial.gov.br www.softtrade.com.br 09/10/2013 Soft Trade, desenvolvendo soluções para RH há 26 anos WORKSHOP esocial www.esocial.gov.br www.softtrade.com.br 09/10/2013 Sejam bem vindos, clientes e amigos Equipe da Soft Trade responsável pelo workshop

Leia mais

O que é o esocial? esocial subprojeto do SPED

O que é o esocial? esocial subprojeto do SPED O que é o esocial? esocial subprojeto do SPED Transmissão única Informações de folha de pagamento e de outras obrigações trabalhistas, previdenciárias e tributárias pelo empregador em relação aos seus

Leia mais

Instrução Normativa RFB n 1.353/13 MAIO DE 2.013

Instrução Normativa RFB n 1.353/13 MAIO DE 2.013 Instrução Normativa RFB n 1.353/13 MAIO DE 2.013 PRINCIPAIS CONSIDERAÇÕES O Art. 1 da IN RFB n 1353/13 instituiu a Escrituração Fiscal Digital do Imposto sobre a Renda e da Contribuição Social sobre o

Leia mais

EFD-Contribuições Informações PIS/COFINS

EFD-Contribuições Informações PIS/COFINS EFD-Contribuições Informações PIS/COFINS 1. Introdução 2. Obrigatoriedade e dispensa 3. Periodicidade e prazo de entrega (Alterações IN nº 1.305/2012 e ADE Cofis nº 65/2012) 4. Dispensa do Dacon 5. Forma

Leia mais

esocial PROJETO, IMPLANTAÇÃO E PRINCIPAIS IMPACTOS JUNTO A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

esocial PROJETO, IMPLANTAÇÃO E PRINCIPAIS IMPACTOS JUNTO A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA esocial PROJETO, IMPLANTAÇÃO E PRINCIPAIS IMPACTOS JUNTO A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PÚBLICO-ALVO Servidores de órgãos públicos federais, estaduais ou municipais e sociedades de economia mista, empresas privadas

Leia mais

esocial Sua folha de pagamento vai mudar!! Saiba como... Danilo Lollio

esocial Sua folha de pagamento vai mudar!! Saiba como... Danilo Lollio esocial Sua folha de pagamento vai mudar!! Saiba como... Danilo Lollio Antes da esocial Falta de padronização na folha de pagamento Multiplicidade de obrigações acessórias Redundância no envio dos dados

Leia mais

Decreto nº 6.022-22/01/07. Objetivo: Institui o Sistema Público de Escrituração Digital - S P E D

Decreto nº 6.022-22/01/07. Objetivo: Institui o Sistema Público de Escrituração Digital - S P E D 1 Facilitador: JOSÉ AUGUSTO PICÃO Contador e Administrador de Empresas, com ênfase em Administração Tributária; Pós-Graduado em Contabilidade, Auditoria e Legislação Tributária Fundace - USP; Especialista

Leia mais

E S P E CIAL I S TA E M AU DITO RIA E CONTROLADORIA. W W W. Z E NAI DECARVALHO.COM.BR

E S P E CIAL I S TA E M AU DITO RIA E CONTROLADORIA. W W W. Z E NAI DECARVALHO.COM.BR 1 I NSTRUTO RA: Z E NAI DE CARVALHO CONTADORA E ADMINISTRADORA, E S P E CIAL I S TA E M AU DITO RIA E CONTROLADORIA. W W W. Z E NAI DECARVALHO.COM.BR Administradora e Contadora Zenaide Carvalho Pós-graduada

Leia mais

Escrituração Fiscal Digital EFD ICMS/IPI. Dulcineia L. D. Santos

Escrituração Fiscal Digital EFD ICMS/IPI. Dulcineia L. D. Santos Escrituração Fiscal Digital EFD ICMS/IPI Dulcineia L. D. Santos Sistema Público de Escrituração Digital SPED Decreto n. 6.022, de 22/01/2007. Objetivos do SPED: unificar as atividades de recepção, validação,

Leia mais

Adequação ao esocial Como se preparar?

Adequação ao esocial Como se preparar? www.pwc.com.br/esocial Adequação ao esocial Como se preparar? Agenda 1 2 3 4 5 Introdução O que é o esocial? Pesquisa Como as empresas estão se preparando? Impactos Mudanças no manual e seus impactos Discussão

Leia mais

Area : Fiscal Data: 11/08/2015 Autor : Sueli Sousa Revisor : Sueli Sousa

Area : Fiscal Data: 11/08/2015 Autor : Sueli Sousa Revisor : Sueli Sousa 2015-08/02 - Boletim Informativo SISCOSERV Area : Fiscal Data: 11/08/2015 Autor : Sueli Sousa Revisor : Sueli Sousa IRKO Organização Contábil Ltda. Rua Dom Jose de Barros, 177 2º andar São Paulo - Fone:

Leia mais

ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA

ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA LEGISLAÇÃO Lei 8.212 de 24/07/91, com alterações estabelecidas pelas Leis 9.528/97 e 11.941/2009 Dispõe sobre a exigência de entrega de GFIP

Leia mais

O esocial e os desafios trabalhistas. A mudança na rotina de pessoal.

O esocial e os desafios trabalhistas. A mudança na rotina de pessoal. O esocial e os desafios trabalhistas. A mudança na rotina de pessoal. esocial -É o Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhista (esocial); -Trata-se de um projeto

Leia mais

04/02/2013. EFD SOCIAL Sua folha de pagamento vai mudar!! Saiba como... Antes da EFD Social. Obrigações acessórias trabalhistas/previdenciárias

04/02/2013. EFD SOCIAL Sua folha de pagamento vai mudar!! Saiba como... Antes da EFD Social. Obrigações acessórias trabalhistas/previdenciárias EFD SOCIAL Sua folha de pagamento vai mudar!! Saiba como... 1 Antes da EFD Social Falta de padronização na folha de pagamento Multiplicidade de obrigações acessórias Redundância no envio dos dados índice

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MENSAIS

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MENSAIS Data Vencimento 07 Obrigação Salário Mensal Fato Gerador e Fundamento Legal Pagamento mensal da remuneração. (ver nota 1) Salário-Mínimo Valor atual de R$ 788,00 - Decreto nº 8.381/14. Pró-labore Código

Leia mais