GANHOS MÉDIOS ABRIL Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GANHOS MÉDIOS ABRIL 2013. Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho"

Transcrição

1

2 GANHOS MÉDIOS ABRIL 2013 Fonte: Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho Abril 2013 Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho/GEE do MEE- Gabinete de Estratégia e Estudos do Ministério da Economia e Emprego. Elaboração: Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho janeiro 2014

3 NOTA INTRODUTÓRIA A Secretaria Regional da Educação e Recursos Humanos, através da Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho, em colaboração com o GEE (Gabinete de Estratégia e Estudos), tem a seu cargo a realização das Estatísticas sobre Remunerações de Base médias mensais e Ganhos médios na Região Autónoma da Madeira. Os dados divulgados nesta breve síntese, respeitam aos resultados apurados para estes tipos de remuneração, resultantes do tratamento estatístico do Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho relativo a abril de O Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho disponibiliza informação que permite conhecer a remuneração média mensal de base, ganho médio e a duração de trabalho dos trabalhadores por conta de outrem, a tempo completo por níveis profissionais e atividades e sobre a proporção de trabalhadores a tempo completo abrangidos pela retribuição mínima mensal garantida (salário mínimo) que é objeto de publicação própria editada igualmente pela Direção Regional do Trabalho. O inquérito é realizado semestralmente, com referência aos meses de abril e outubro, junto de uma amostra de cerca de 750 estabelecimentos pertencentes a todas as atividades regionais com exclusão do setor agrícola (CAE A), da Administração Pública e Defesa; Segurança Social Obrigatória (CAE O) e Atividades das Famílias Empregadoras (CAE T) e na Educação e Saúde, as partes respeitantes ao setor público.

4 ALGUNS CONCEITOS UTILIZADOS Remuneração base mensal montante ilíquido, antes da dedução de quaisquer descontos, em dinheiro e/ou géneros pago com caráter regular e garantido aos trabalhadores no período de referência e correspondente ao tempo normal de trabalho. Ganho mensal montante ilíquido, antes da dedução de quaisquer descontos, em dinheiro e/ou géneros pago mensalmente com caráter regular pelas horas de trabalho efetuadas, assim como o pagamento das horas remuneradas mas não efetuadas. Inclui, para além da remuneração base, todos os prémios e subsídios regulares (diuturnidades, subsídios de função, de alimentação, de alojamento, de transporte, de antiguidade, de assiduidade, de turno, de isenção de horário, por trabalhos penosos, perigosos e sujos, etc.) bem como o pagamento por horas suplementares ou extraordinárias. Duração normal remunerada do trabalho número de horas efetuadas no período normal de trabalho. Duração total remunerada de trabalho soma do número de horas efetuadas no período normal de trabalho com o número de horas suplementares ou extraordinárias. Trabalhadores a tempo completo trabalhadores cujo período de trabalho semanal tem uma duração igual à duração normal de trabalho fixada no instrumento de regulamentação coletiva do trabalho, no contrato individual de trabalho ou em vigor na empresa/unidade local, para a respetiva categoria profissional ou na respetiva profissão. Trabalhadores por conta de outrem trabalhadores ligados à entidade empregadora por um contrato de trabalho no período de referência e que auferem uma remuneração de base mensal. - Resultado nulo SINAL CONVENCIONAL UTILIZADO

5 ANÁLISE DE RESULTADOS Em abril de 2013, o ganho médio mensal dos trabalhadores por conta de outrem, a tempo completo, atingiu o valor estimado de 1 086,20 euros. Comparativamente a abril de 2012, este montante representa um acréscimo de cerca de (+)2,2%. Face ao semestre anterior (outubro de 2012) a variação foi de +0,2%. No Continente, o ganho médio de abril cifrou-se em 1 124,83 euros, valor que corresponde a um acréscimo de (+)0,9% face ao período homólogo de Em termos comparativos, o ganho médio regional representa cerca de 97% do valor apurado para o Continente. GANHO MÉDIO E REMUNERAÇÃO DE BASE MENSAIS Variações nominais homólogas () A remuneração de base média mensal cifrou-se, em abril de 2013, nos 904,36 euros, valor que representa, em termos homólogos, um aumento de 3,3%, e de 1,2% em relação a outubro de No Continente, situou-se nos de 962,96 euros, mais 1,3% em comparação com abril do ano anterior. Por sexos, o ganho médio mensal dos homens foi de 1 181,18 euros e o das mulheres de 957,41 euros. Estes valores representam variações homólogas de +3,0% para os homens e de +1,0% para as mulheres. O gap salarial entre mulheres e homens aumentou ligeiramente (0,4 pp) entre outubro de 2012 e abril de 2013, mas diminuiu em (-)2,4pp face a abril de 2011, ao descer de 21,3% para 18,9%. No Continente, a diferença salarial era 1,2pp superior à da RAM, situando-se nos 20,1%. PROPORÇÃO DO GANHO DAS MULHERES FACE AO DOS HOMENS

6 Os Empregados e os Operários, que são os níveis profissionais com maior representatividade em termos de emprego, apresentam em abril de 2013, um ganho médio de, respetivamente, 1 071,48 euros e 897,67 euros. Em termos homólogos, estes valores representam um acréscimo de (+)1,9% para os Empregados e uma diminuição de 1,4% para os Operários. GANHO MÉDIO MENSAL POR NÍVEL PROFISSIONAL Euros Abril Outubro Abril Outubro Abril Outubro Abril 1 046, , , , , , ,20 Dirigentes 2 848, , , , , , ,88 Empregados 1 074, , , , , , ,48 Operários 888,91 887,20 938,31 910,65 910,67 899,71 897,67 Aprendizes e Praticantes 592,16 587,06 617,82 625,36 635,13 646,43 577,73 Ao nível das atividades económicas, os ganhos médios mensais mais elevados verificam-se, à semelhança do Continente, na Secção K Atividades Financeiras e de Seguros -, com 2 053,49 euros e na Secção D Eletricidade -, com 2 051,54 euros. Já os ganhos mais baixos registam-se na Secção S Outras Atividades de Serviços -, com 851,17 euros e na Secção Q Atividades de Saúde Humana e Apoio Social -, com 844,49 euros. Quanto à duração média normal semanal remunerada dos trabalhadores a tempo completo, cifrou-se em 38,9 horas e a duração total (constituída pela duração normal agregada do trabalho suplementar) atingiu as 39,2 horas. Por sexos os homens trabalharam semanalmente 39,3 (sendo 38,9 horas de trabalho normal e 0,4 horas de trabalho suplementar) e as mulheres 39,1 horas (38,9 normais e 0,2 de trabalho suplementar).

7 QUADROS DE APURAMENTO

8 GANHO MÉDIO MENSAL DOS TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM, Quadro 1 AT EMPO COMPLETO, POR ATIVIDADES, SEGUNDO O NÍVEL PROFISSIONAL Dirigentes Empregados Operários Aprendizes TOTAL 1086, , ,48 897,67 577,73 B INDÚSTRIAS EXTRATIVAS 1114, , ,41 732,06 C INDÚSTRIAS TRANSFORMADORAS 1030, , ,07 837,77 614,75 E AR FRIO 2051, , , ,89 - GESTÃO DE RESÍDUOS E DESPOLUIÇÃO 1093, , ,97 829,83 - F CONSTRUÇÃO 979, , ,55 883,48 695,61 AUTOM., MOTOC. E BENS DE USO PES. E DOM. 987, ,22 958,13 808,50 556,25 H TRANSPORTES E ARMAZENAGEM 1620, , , ,53 - I ALOJAMENTO, RESTAURAÇÃO E SIMILARES 936, ,07 851,97 694,94 543,86 J ATIV. DE INFORMAÇÃO E DE COMUNICAÇÃO 1821, , ,85 833,50 - K ATIVIDADES FINANCEIRAS E DE SEGUROS 2053, , , , ,27 L ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS 1021, ,06 801, M ATIV. DE CONSULTORIA, CIENTÍFICAS E TÉCNICAS 1273, , ,21-494,70 N ATIVIDADES ADM. E DOS SERVIÇOS DE APOIO 886, , ,88 627,60 668,29 P EDUCAÇÃO 1103, , ,49 801,48 - Q ATIVIDADES DE SAÚDE HUMANA E APOIO SOCIAL 844, ,27 833,26 651,33 - R ATIVIDADES ART., DE ESPETÁC., DESP. E RECREATIVAS 1368, , ,62 704,21 - S OUTRAS ATIVIDADES DE SERVIÇOS 851, ,47 852,08 666,39 573,73 REMUNERAÇÃO DE BASE MÉDIA MENSAL DOS TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM, Quadro 2 A TEMPO COMPLETO, POR ATIVIDADES, SEGUNDO O NÍVEL PROFISSIONAL Dirigentes Empregados Operários Aprendizes TOTAL 904, ,93 893,43 722,63 516,34 B INDÚSTRIAS EXTRATIVAS 936, ,17 877,04 657,26 C INDÚSTRIAS TRANSFORMADORAS 839, ,56 836,50 669,31 504,28 E AR FRIO 1461, , , ,92 - GESTÃO DE RESÍDUOS E DESPOLUIÇÃO 860, ,73 923,80 687,34 - F CONSTRUÇÃO 821, , ,67 722,27 536,20 AUTOM., MOTOC. E BENS DE USO PES. E DOM. 830, ,21 793,87 686,44 502,18 H TRANSPORTES E ARMAZENAGEM 1176, , ,17 960,07 - I ALOJAMENTO, RESTAURAÇÃO E SIMILARES 843, ,31 772,06 648,27 528,26 J ATIV. DE INFORMAÇÃO E DE COMUNICAÇÃO 1383, , ,28 560,50 - K ATIVIDADES FINANCEIRAS E DE SEGUROS 1437, , ,92 986,17 807,55 L ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS 903, ,82 694, M ATIV. DE CONSULTORIA, CIENTÍFICAS E TÉCNICAS 1160, , ,06-494,70 N ATIVIDADES ADM. E DOS SERVIÇOS DE APOIO 751, ,66 868,61 540,41 600,75 P EDUCAÇÃO 1000, ,12 987,95 714,84 - Q ATIVIDADES DE SAÚDE HUMANA E APOIO SOCIAL 704, ,38 689,30 536,21 - R ATIVIDADES ART., DE ESPETÁC., DESP. E RECREATIVAS 1259, , ,44 620,06 - S OUTRAS ATIVIDADES DE SERVIÇOS 752, ,67 748,40 563,49 511,82

9 GANHO MÉDIO MENSAL DOS TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM, Quadro 3 A TEMPO COMPLETO, POR ATIVIDADES, SEGUNDO O NÍVEL PROFISSIONAL Homens Dirigentes Empregados Operários Aprendizes TOTAL 1181, , ,02 948,57 591,21 B INDÚSTRIAS EXTRATIVAS 1138, , ,41 732,06 C INDÚSTRIAS TRANSFORMADORAS 1088, , ,54 869,60 649,47 E AR FRIO 2047, , , ,37 - GESTÃO DE RESÍDUOS E DESPOLUIÇÃO 1086, , ,53 835,14 - F CONSTRUÇÃO 970, , ,79 883,50 691,63 AUTOM., MOTOC. E BENS DE USO PES. E DOM. 1034, , ,05 821,79 554,70 H TRANSPORTES E ARMAZENAGEM 1555, , , ,52 - I ALOJAMENTO, RESTAURAÇÃO E SIMILARES 1089, ,07 918,40 770,29 558,36 J ATIV. DE INFORMAÇÃO E DE COMUNICAÇÃO 1920, , ,00 833,50 - K ATIVIDADES FINANCEIRAS E DE SEGUROS 2198, , , , ,27 L ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS 1668, , , M ATIV. DE CONSULTORIA, CIENTÍFICAS E TÉCNICAS 1466, , , N ATIVIDADES ADM. E DOS SERVIÇOS DE APOIO 1002, , ,11 744,73 494,70 P EDUCAÇÃO 1230, , , Q ATIVIDADES DE SAÚDE HUMANA E APOIO SOCIAL 949, ,69 884,29 656,77 - R ATIVIDADES ART., DE ESPETÁC., DESP. E RECREATIVAS 1675, , ,07 753,55 - S OUTRAS ATIVIDADES DE SERVIÇOS 1125, , ,15 713,21 705,00 REMUNERAÇÃO DE BASE MÉDIA MENSAL DOS TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM, Quadro 4 A TEMPO COMPLETO, POR ATIVIDADES, SEGUNDO O NÍVEL PROFISSIONAL Dirigentes Empregados Homens Operários Aprendizes TOTAL 971, ,22 981,30 752,18 523,29 B INDÚSTRIAS EXTRATIVAS 955, ,19 877,04 657,26 C INDÚSTRIAS TRANSFORMADORAS 879, ,11 879,78 692,66 508,20 E AR FRIO 1447, , , ,68 - GESTÃO DE RESÍDUOS E DESPOLUIÇÃO 841, ,73 905,96 688,32 - F CONSTRUÇÃO 810, , ,33 722,29 531,92 AUTOM., MOTOC. E BENS DE USO PES. E DOM. 871, ,85 849,89 695,48 554,70 H TRANSPORTES E ARMAZENAGEM 1126, , ,74 921,10 - I ALOJAMENTO, RESTAURAÇÃO E SIMILARES 968, ,49 828,10 709,33 - J ATIV. DE INFORMAÇÃO E DE COMUNICAÇÃO 1438, , ,53 560,50 - K ATIVIDADES FINANCEIRAS E DE SEGUROS 1545, , , ,86 - L ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS 1450, ,40 973, M ATIV. DE CONSULTORIA, CIENTÍFICAS E TÉCNICAS 1354, , , N ATIVIDADES ADM. E DOS SERVIÇOS DE APOIO 857, ,56 920,03 607,70 - P EDUCAÇÃO 1085, , , Q ATIVIDADES DE SAÚDE HUMANA E APOIO SOCIAL 830, ,80 771,60 520,77 - R ATIVIDADES ART., DE ESPETÁC., DESP. E RECREATIVAS 1559, , ,51 657,75 - S OUTRAS ATIVIDADES DE SERVIÇOS 958, ,18 920,89 599,26 569,00

10 GANHO MÉDIO MENSAL DOS TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM, Quadro 5 A TEMPO COMPLETO, POR ATIVIDADES, SEGUNDO O NÍVEL PROFISSIONAL Mulheres Dirigentes Empregados Operários Aprendizes TOTAL 957, ,88 963,85 709,27 564,45 B INDÚSTRIAS EXTRATIVAS 914,19-914, C INDÚSTRIAS TRANSFORMADORAS 886, ,28 919,99 690,94 529,89 E AR FRIO 2090, , ,69 - GESTÃO DE RESÍDUOS E DESPOLUIÇÃO 1127, ,46 742,52 - F CONSTRUÇÃO 1067, , ,89 831,76 720,44 AUTOM., MOTOC. E BENS DE USO PES. E DOM. 927, ,33 890,51 758,26 556,44 H TRANSPORTES E ARMAZENAGEM 1873, , , ,47 - I ALOJAMENTO, RESTAURAÇÃO E SIMILARES 791, ,65 788,43 638,66 526,26 J ATIV. DE INFORMAÇÃO E DE COMUNICAÇÃO 1636, , K ATIVIDADES FINANCEIRAS E DE SEGUROS 1896, , , ,60 - L ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS 784, ,72 676, M ATIV. DE CONSULTORIA, CIENTÍFICAS E TÉCNICAS 1136, , ,81-668,29 N ATIVIDADES ADM. E DOS SERVIÇOS DE APOIO 818, , ,23 574,25 - P EDUCAÇÃO 1074, , ,86 801,48 - Q ATIVIDADES DE SAÚDE HUMANA E APOIO SOCIAL 827, ,90 825,70 650,09 - R ATIVIDADES ART., DE ESPETÁC., DESP. E RECREATIVAS 767, ,07 779,42 644,13 - S OUTRAS ATIVIDADES DE SERVIÇOS 701, ,16 711,81 630,71 562,75 REMUNERAÇÃO DE BASE MÉDIA MENSAL DOS TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM, Quadro 6 A TEMPO COMPLETO, POR ATIVIDADES, SEGUNDO O NÍVEL PROFISSIONAL TOTAL 812, ,57 810,86 613,27 509,48 B INDÚSTRIAS EXTRATIVAS 775,53-775, C INDÚSTRIAS TRANSFORMADORAS 739, ,63 774,85 561,59 494,70 E AR FRIO 1590, ,61 941,71 - GESTÃO DE RESÍDUOS E DESPOLUIÇÃO 947,45-978,89 671,21 - F CONSTRUÇÃO 936, ,10 929,16 665,00 562,94 Dirigentes Empregados Operários AUTOM., MOTOC. E BENS DE USO PES. E DOM. 778, ,38 733,66 652,30 495,76 H TRANSPORTES E ARMAZENAGEM 1372, , , ,87 - I ALOJAMENTO, RESTAURAÇÃO E SIMILARES 724, ,06 718,46 602,66 517,72 J ATIV. DE INFORMAÇÃO E DE COMUNICAÇÃO 1280, , K ATIVIDADES FINANCEIRAS E DE SEGUROS 1320, , ,31 736,78 - L ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS 702, ,62 604, M ATIV. DE CONSULTORIA, CIENTÍFICAS E TÉCNICAS 1023, ,22 958,70-600,75 N ATIVIDADES ADM. E DOS SERVIÇOS DE APOIO 688, ,03 833,48 509,76 - P EDUCAÇÃO 980, ,06 977,99 714,84 - Q ATIVIDADES DE SAÚDE HUMANA E APOIO SOCIAL 683, ,50 677,12 539,73 - R ATIVIDADES ART., DE ESPETÁC., DESP. E RECREATIVAS 672, ,00 681,07 574,18 - S OUTRAS ATIVIDADES DE SERVIÇOS 639, ,56 658,13 536,23 507,04 Mulheres Aprendizes

11 HORAS REMUNERADAS MÉDIAS SEMANAIS DOS TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM, Quadro 7 A TEMPO COMPLETO, POR NÍVEL PROFISSIONAL SEGUNDO O SEXO Horas remuneradas médias semanais Horas Horas remuneradas médias semanais no período normal NÍVEL PROFISSIONAL Homens Mulheres Homens Mulheres TOTAL 39,2 39,3 39,1 38,9 38,9 38,9 DIRIGENTES 39,0 38,8 39,3 38,9 38,7 39,3 EMPREGADOS 39,2 39,3 39,0 39,0 39,0 38,9 OPERÁRIOS 39,4 39,5 39,4 38,7 38,6 39,2 APRENDIZES 38,9 38,6 39,2 38,9 38,5 39,2

ESTATÍSTICAS. Os dados publicados nesta síntese referem-se ao Continente e aos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo.

ESTATÍSTICAS. Os dados publicados nesta síntese referem-se ao Continente e aos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo. Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho disponibiliza informação que permite conhecer o nível médio mensal da remuneração

Leia mais

Salários por Profissões na Construção. janeiro 2013

Salários por Profissões na Construção. janeiro 2013 Salários por Profissões na Construção ELABORAÇÃO: Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho Direção Regional do Trabalho julho 2013 Fonte: Inquérito aos Salários por Profissões na Construção - Direção

Leia mais

GANHOS MÉDIOS. Abril Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho e da

GANHOS MÉDIOS. Abril Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho e da GANHOS MÉDIOS Abril 2015 Fonte: Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do trabalho e da Ação Inspetiva e Gabinete de Estratégia e

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO S R REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO (RETRIBUIÇÃO MÍNIMA MENSAL GARANTIDA NA REGIÃO) Outubro de

Leia mais

Quadros de Pessoal 3,1% Empresas, Estabelecimentos e Pessoas ao Serviço. Q uadro 1 Empresas, estabelecimentos, pessoas ao serviço.

Quadros de Pessoal 3,1% Empresas, Estabelecimentos e Pessoas ao Serviço. Q uadro 1 Empresas, estabelecimentos, pessoas ao serviço. ESTATÍSTICAS e m SÍNTESE Quadros de Pessoal O Relatório Único referente à informação sobre a atividade social da empresa, constitui uma obrigação anual, a cargo dos empregadores, com conteúdo e prazo de

Leia mais

BREVE NOTA DE APRESENTAÇÃO

BREVE NOTA DE APRESENTAÇÃO BREVE NOTA DE APRESENTAÇÃO As entidades empregadoras que pretendam promover despedimentos coletivos, conforme estipulado no número 5 do artigo 360º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei nº 7/2009 de

Leia mais

ÍSTICAS LABORAIS TRABALHO E DA AÇÃO INSPETIVA ESTATÍSTICAS DO TRABALHO síntese de resultados

ÍSTICAS LABORAIS TRABALHO E DA AÇÃO INSPETIVA ESTATÍSTICAS DO TRABALHO síntese de resultados ÍSTICAS LABORAIS TRABALHO DA AÇÃO ISPTIVA STATÍSTICAS DO TRABALHO síntese de resultados R QUADROS D PSSOAL (Relatório Único Anexo A) A regulamentação do Código do Trabalho, aprovado pela Lei nº 7/29 de

Leia mais

Fonte: Inquérito aos Salários por Profissões na Construção outubro 2015 Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do

Fonte: Inquérito aos Salários por Profissões na Construção outubro 2015 Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Fonte: Inquérito aos Salários por Profissões na Construção outubro 2015 Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho e da Ação Inspetiva/GEP do MSESS Elaboração: Direção

Leia mais

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014 08 de setembro de 2014 Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014 Diminuição homóloga do Índice de Volume de Negócios na Indústria Em termos nominais,

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012 Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 212 Divulgação dos Quadros do Setor das empresas não financeiras da Central de Balanços dados de 211 O Banco de Portugal divulga hoje no BPStat Estatísticas

Leia mais

COLECÇÃO ESTATÍSTICAS

COLECÇÃO ESTATÍSTICAS MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E SEGURANÇA SOCIAL Gabinete de Estratégia e Planeamento COLECÇÃO ESTATÍSTICAS QUADROS DE PESSOAL 2010 Quadros de Pessoal 2010 QUADROS DE PESSOAL 2010 Gabinete de Estratégia

Leia mais

91% das empresas com 10 e mais pessoas ao serviço utilizam Internet de banda larga

91% das empresas com 10 e mais pessoas ao serviço utilizam Internet de banda larga 06 de novembro de 2012 Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2012 91% das empresas com 10 e mais pessoas ao serviço utilizam Internet

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

I RELATÓRIO SOBRE DIFERENCIAÇÕES SALARIAIS POR RAMOS DE ATIVIDADE

I RELATÓRIO SOBRE DIFERENCIAÇÕES SALARIAIS POR RAMOS DE ATIVIDADE I RELATÓRIO SOBRE DIFERENCIAÇÕES SALARIAIS POR RAMOS DE ATIVIDADE (em cumprimento da alínea a) do nº 1 da Resolução do Conselho de Ministros nº 13/2013, de 8 de março) JUNHO, 2014 1 ÍNDICE SUMÁRIO EXECUTIVO...

Leia mais

RELATÓRIOS E ANÁLISES

RELATÓRIOS E ANÁLISES RELATÓRIOS E ANÁLISES Relatório de Conjuntura n.º 128 1.º Trimestre de 2012 Relatório de Conjuntura n.º 1.º Trimestre de 2012 Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) Ministério da Solidariedade e da

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal janeiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

Noções de Processamento Salarial

Noções de Processamento Salarial C A P Í T U L O I Noções de Processamento Salarial MANUAL PRÁTICO LIDEL n Noções de Processamento Salarial Apresentamos neste capítulo algumas noções básicas de processamento salarial na vertente administrativa

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente

Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente 26 de junho de 2014 Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação Maio de 2014 Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente O valor médio de avaliação bancária 1 do total do País foi de 995 euros/m

Leia mais

Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais de revitalização (2007-2013)

Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais de revitalização (2007-2013) Abril de 2014 Boletim n.º 15 DESTAQUE ESTATÍSTICO TRIMESTRAL 4º Trimestre de 2013 Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

SALÁRIOS POR PROFISSÕES

SALÁRIOS POR PROFISSÕES REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIOS POR PROFISSÕES NA CONSTRUÇÃO JULHO 2006 Fonte: Inquérito aos Salários por Profissões

Leia mais

Utilização da Internet cresce quase 20 por cento nos últimos dois anos nas famílias portuguesas

Utilização da Internet cresce quase 20 por cento nos últimos dois anos nas famílias portuguesas Utilização da cresce quase 20 por cento nos últimos dois anos nas famílias portuguesas Mais de metade das famílias portuguesas ainda não dispõe de computador mas o parque informático dos agregados familiares

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais de revitalização (2007-2014)

Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais de revitalização (2007-2014) 995 1.037 2.229 1.143 1.151 2.209 1.823 1.774 2.238 2.059 2.063 2.311 3.071 3.116 2.595 3.707 5.492 5.314 5.429 5.337 4.397 5.052 5.265 4.065 Julho de 2014 Boletim n.º 17 DESTAQUE ESTATÍSTICO TRIMESTRAL

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 1 (DESPESAS ELEGÍVEIS)

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 1 (DESPESAS ELEGÍVEIS) ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 1 (DESPESAS ELEGÍVEIS) SISTEMA DE APOIO ÀS TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO AVISO NORTE - 46-2015 - 03 PROMOÇÃO DO ESPÍRITO EMPRESARIAL AVISO NORTE - 51-2015

Leia mais

Acidentes de Trabalho

Acidentes de Trabalho Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Acidentes de Trabalho COLEÇÃO ESTATÍSTICAS ACIDENTES DE TRABALHO Gabinete de Estratégia e Estudos (GEE) Ministério da Economia (ME), 2014 Coleção

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DA HOTELARIA DE PORTUGAL: INDICADORES DE MAIO MARCADOS POR EVENTOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS

ASSOCIAÇÃO DA HOTELARIA DE PORTUGAL: INDICADORES DE MAIO MARCADOS POR EVENTOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS Lisboa, 30 de julho de 2014 ASSOCIAÇÃO DA HOTELARIA DE PORTUGAL: INDICADORES DE MAIO MARCADOS POR EVENTOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS Grande Lisboa puxou o mês A AHP Associação da Hotelaria de Portugal

Leia mais

Inquérito Multi- Objectivo Contínuo

Inquérito Multi- Objectivo Contínuo Inquérito Multi- Objectivo Contínuo Estatísticas Sobre o Trabalho das Crianças Principais resultados (preliminares) Praia, 27 de Junho de 2013 PLANO DE APRESENTAÇÃO OBJECTIVOS METODOLOGIA PRINCIPAIS RESULTADOS:

Leia mais

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015 Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Outubro de 2015 29 de janeiro de 2016 Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015 De acordo

Leia mais

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático de Declaração de Remunerações (2016 V5.10) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR

Leia mais

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro.

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro. Julho 2012 Jun-02 Jun-03 Jun-04 Jun-05 Jun-06 Jun-07 Jun-08 Jun-09 Jun-10 Jun-11 Jun-12 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro 13 de janeiro de 2015 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2014 A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro Em 2014, o Índice de

Leia mais

Associação da Hotelaria de Portugal divulga dados do Tourism Monitor do primeiro trimestre de 2014

Associação da Hotelaria de Portugal divulga dados do Tourism Monitor do primeiro trimestre de 2014 Lisboa, 3 de junho de 2014 Associação da Hotelaria de Portugal divulga dados do Tourism Monitor do primeiro trimestre de 2014 De acordo com a Associação da Hotelaria de Portugal, houve um crescimento de

Leia mais

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem Gastos e operações com o pessoal Os recursos humanos implicam gastos: Remunerações fixas e/ou variáveis recebidas pelos trabalhadores vinculados à empresa por contrato individual de trabalho; Remunerações

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice Introdução Proveito Médio de Aposento Conceitos Anexos Proveitos

Leia mais

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático de Declaração de Remunerações (2016 V5.16) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO SOCIAL DOS AGREGADOS FAMILIARES PORTUGUESES COM MENORES EM IDADE ESCOLAR Alguns resultados

CARACTERIZAÇÃO SOCIAL DOS AGREGADOS FAMILIARES PORTUGUESES COM MENORES EM IDADE ESCOLAR Alguns resultados CARACTERIZAÇÃO SOCIAL DOS AGREGADOS FAMILIARES PORTUGUESES COM MENORES EM IDADE ESCOLAR Alguns resultados Os dados apresentados resultam do estudo: "Caracterização Social dos Agregados Familiares Portugueses

Leia mais

Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores de novembro de 2012

Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores de novembro de 2012 Lisboa, 4 de fevereiro de 2013 Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores de novembro de 2012 TAXA DE OCUPAÇÃO QUARTO SOBE 10,64%, NO PORTO, e 5,75% EM LISBOA COM BOM DESEMPENHO DE TODAS AS

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego. Abril 2011

Pesquisa Mensal de Emprego. Abril 2011 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2011 1 1 Rio de Janeiro, 26/05/2011 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro O Janeiro

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

(124) Planeamento urbano para a integração de imigrantes

(124) Planeamento urbano para a integração de imigrantes A análise dos grupos profissionais da população activa portuguesa e estrangeira residente na Área Metropolitana do Porto, de acordo com o concelho é a seguinte: Figura 25. Repartição da população activa

Leia mais

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA MARÇO - 2014 Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres O mercado de trabalho metropolitano de Fortaleza,

Leia mais

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Introdução De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 27/2012 de 7 de Março de 2012

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 27/2012 de 7 de Março de 2012 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 27/2012 de 7 de Março de 2012 Considerando a persistente instabilidade dos mercados financeiros nacionais e internacionais e as dificuldades

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO O mercado de trabalho em 2012 Dia Nacional da Consciência Negra A rota de redução de desigualdades na RMSP O crescimento

Leia mais

Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram

Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram Estatísticas do Comércio 2013 26 de dezembro de 2014 Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram Em 2013 o setor do Comércio era constituído

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

síntese estatística do emprego público 4.º trimestre 2013

síntese estatística do emprego público 4.º trimestre 2013 trimestral de postos de trabalho (N.º) trimestral de postos de trabalho (%) homóloga de postos de trabalho (%) síntese estatística do emprego público 4.º trimestre 17 de fevereiro 2014 A Síntese Estatística

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal julho 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

O mercado de trabalho no biênio 2011-2012. Dia Nacional da Consciência Negra

O mercado de trabalho no biênio 2011-2012. Dia Nacional da Consciência Negra PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO DO ABC O mercado de trabalho no biênio 2011-2012 Dia Nacional da Consciência Negra 1. Compreende

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED Março DE 2014 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 352 Em movimento típico para o período, cresce a taxa de desemprego Nível de ocupação se reduz na Indústria

Leia mais

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA JUNHO DE 2014 Redução da taxa de desemprego Ano 20 - Número 6 1. A Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED),

Leia mais

Relatório Semestral de Acompanhamento

Relatório Semestral de Acompanhamento 4.º relatório semestral Relatório Semestral de Acompanhamento 1º semestre 2012 Município de Mondim de Basto julho de 2012 1 ÍNDICE I. Introdução...3 II. Execução do Plano de Contenção de Despesa Corrente...4

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Índice Introdução Preço Médio por Dormida Proveito Médio de Aposento por Cama Conceitos Anexos 2 Introdução Com base em indicadores estatísticos disponibilizados pelo

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSOS HUMANOS

INFORMAÇÃO SOBRE GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSOS HUMANOS INFORMAÇÃO SOBRE GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSOS HUMANOS Geral Empresa, corpos estatutários e empregados têm de estar inscritos na Segurança Social. Os corpos estatutários poderão ser dispensados dos

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal maio 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal novembro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone Análise dos resultados Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone móvel celular para uso pessoal ampliou a investigação rotineira da PNAD, que restringe o levantamento sobre o assunto

Leia mais

"Retrato social" de Portugal na década de 90

Retrato social de Portugal na década de 90 "Retrato social" de Portugal na década de 9 Apresentam-se alguns tópicos da informação contida em cada um dos capítulos da publicação Portugal Social 1991-21, editada pelo INE em Setembro de 23. Capítulo

Leia mais

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático de Declaração de Remunerações (2016 V5.4) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR

Leia mais

LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO

LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 Nº 09 Resultados de setembro de 2015 LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego no PED-DF, realizada pela

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013 38% DAS PESSOAS COM IDADE ENTRE 16 E 74 ANOS CONTACTAM COM ORGANISMOS

Leia mais

{dybanners}1,1,,meioweb Links Patrocinados{/dybanners} Fonte: IBGE

{dybanners}1,1,,meioweb Links Patrocinados{/dybanners} Fonte: IBGE {dybanners}1,1,,meioweb Links Patrocinados{/dybanners} Fonte: IBGE A taxa de desocupação ficou praticamente estável, pois suas variações em relação a março (9,0%) de 2009 e também a abril de 2008 (8,5%)

Leia mais

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson

Leia mais

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2013 Direção Regional de Estatística da Madeira Uma porta aberta para um universo de informação estatística Catalogação Recomendada Sector Empresarial da

Leia mais

União Geral de Trabalhadores. Compilação de Dados Estatísticos sobre Sinistralidade Laboral e Doenças Profissionais em Portugal.

União Geral de Trabalhadores. Compilação de Dados Estatísticos sobre Sinistralidade Laboral e Doenças Profissionais em Portugal. União Geral de Trabalhadores Compilação de Dados Estatísticos sobre Sinistralidade Laboral e Doenças Profissionais em Portugal Com o apoio Nota Prévia A produção nacional de estatísticas de acidentes de

Leia mais

NOVAS REGRAS DO TRABALHO. Lisboa, 10 de Julho de 2012

NOVAS REGRAS DO TRABALHO. Lisboa, 10 de Julho de 2012 NOVAS REGRAS DO TRABALHO Lisboa, 10 de Julho de 2012 Lei 23/2012, de 15 de Junho (altera Código do Trabalho) (início vigência 1 de Agosto de 2012) OBRIGAÇÕES ADMINISTRATIVAS Isabel Valente Dias OBRIGAÇÕES

Leia mais

Alterações ao Código do Trabalho A partir de 1 de Agosto de 2012

Alterações ao Código do Trabalho A partir de 1 de Agosto de 2012 Alterações ao Código do Trabalho A partir de 1 de Agosto de 2012 A Lei nº 23/2012, de 25 de Junho procede à terceira alteração ao Código do Trabalho, aprovado pela Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro. Principais

Leia mais

Um retrato social de Portugal: uma leitura de evoluções ocorridas nos últimos anos

Um retrato social de Portugal: uma leitura de evoluções ocorridas nos últimos anos 27 de dezembro de 2012 Indicadores Sociais 2011 Um retrato social de Portugal: uma leitura de evoluções ocorridas nos últimos anos Em Portugal, existe cada vez maior esperança média de vida à nascença.

Leia mais

Expectativas de aumento do investimento empresarial em 2014

Expectativas de aumento do investimento empresarial em 2014 Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de abril de 2014 09 de julho de 2014 Expectativas de aumento do investimento empresarial em 2014 De acordo com as intenções manifestadas pelas empresas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Abril 2012 Indicador de Sentimento Económico Após uma melhoria em Janeiro e Fevereiro, o indicador de sentimento

Leia mais

Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013

Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013 Estatísticas do Turismo 2013 24 de junho de 2014 Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013 Em 2013, de acordo com os dados provisórios da Organização Mundial de Turismo,

Leia mais

!( 63 62!( 62!( 61 60!( 59!( 58!( 25!( 26!( 27!( 28!( 24!( 37 9!( 28!( 28

!( 63 62!( 62!( 61 60!( 59!( 58!( 25!( 26!( 27!( 28!( 24!( 37 9!( 28!( 28 ± Enquadramento administrativo da Zona industrial/empresarial do Alto de Colaride Enquadramento da área cartografada 6 61 6 62 62 62 LEGENDA 59 25 25 25 5 Edificio multiempresas (Ocupação com mais de uma

Leia mais

Dr. Orlando Santos Monteiro Responsável do Inquérito ao Emprego E-mail : orlando.monteiro@ine.go.cv

Dr. Orlando Santos Monteiro Responsável do Inquérito ao Emprego E-mail : orlando.monteiro@ine.go.cv Instituto Nacional de Estatística Inquérito Multi-objectivo contínuo Estatísticas do emprego e do Mercado de trabalho Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Av. Cidade

Leia mais

Artigo 7.º Fiscalização

Artigo 7.º Fiscalização Artigo 7.º Fiscalização 1 - Todas as pessoas, singulares ou coletivas, de direito público ou de direito privado, a quem sejam concedidos benefícios fiscais, automáticos ou dependentes de reconhecimento,

Leia mais

Desigualdades criam dificuldades à sustentabilidade da Segurança Social Pág. 1

Desigualdades criam dificuldades à sustentabilidade da Segurança Social Pág. 1 Desigualdades criam dificuldades à sustentabilidade da Segurança Social Pág. 1 A ELIMINAÇÃO DA DESIGUALDADE DAS REMUNERAÇÕES ENTRE HOMENS E MULHERES EM PORTUGAL MELHORARIA A REPARTIÇÃO DA RIQUEZA E A SUSTENTABILIDADE

Leia mais

GUIA PRÁTICO REGIME DE LAYOFF

GUIA PRÁTICO REGIME DE LAYOFF Manual de GUIA PRÁTICO REGIME DE LAYOFF INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/20 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Regime de Layoff (6006 v1.15) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

TOTAL NACIONAL OUTUBRO 1999

TOTAL NACIONAL OUTUBRO 1999 NÚMERO DE EMPRESAS DO CONTINENTE E REGIÕES AUTÓNOMAS, POR ACTIVIDADE ECONÓMICA NACIONAL OUTUBRO 1999 ACTIVIDADES (CAE - REV.2) 244239 234850 4604 4785 A AGRICULTURA, PROD. ANIMAL, CAÇA E SILVIC. 9302 8468

Leia mais

PEQUENO AUMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL

PEQUENO AUMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 Nº 01 Resultados de janeiro de 2015 PEQUENO AUMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL 1. De acordo com a Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, a taxa

Leia mais

APOIOS AO EMPREGO. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada

APOIOS AO EMPREGO. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada APOIOS AO EMPREGO Açores Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada Índice EMPREGO INTEGRA... 2 PROGRAMA DE INCENTIVO À INSERÇÃO DO ESTAGIAR L E T... 4 ESTAGIAR... 6 PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE RECONVERSÃO

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2015

OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2015 OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2015 Às Escolas Básicas e Secundárias. Agrupamentos de Escolas Escolas Profissionais Públicas. X X X DATA: 2015/janeiro/07 ASSUNTO: Processamento de Remunerações em 2015

Leia mais

indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem

indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem boletim trimestral - n.º 6 - outubro 2014 algarve conjuntura turística indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem 1.

Leia mais

CLAUSULA 1ª Âmbito e Área

CLAUSULA 1ª Âmbito e Área AE entre a VARZIM SOL TURISMO, JOGO E ANIMAÇÃO, S.A. e o SINDICATO DOS TRABALHADORES DA INDUSTRIA DE HOTELARIA, TURISMO, RESTAURANTES E SIMILARES DO NORTE Artigo de revisão No AE celebrado entre a Varzim

Leia mais

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6%

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% 09 de janeiro de 2012 Estatísticas do Comércio Internacional Novembro de 2011 Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% No período de setembro a novembro de 2011, as saídas

Leia mais

Estatísticas de Empresas Inquérito Anual às Empresas, 2013 1

Estatísticas de Empresas Inquérito Anual às Empresas, 2013 1 Estatísticas de Empresas Inquérito Anual às Empresas, 2013 1 Instituto Nacional de Estatística Estatísticas de Empresas Inquérito Anual às Empresas 2013 Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto

Leia mais

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO Agosto de 2012 Leis n. os 23/2012, de 25 de junho e 47/2012, de 29 de agosto TRABALHO DE MENORES Requisitos de admissão de menor a prestar trabalho no tocante

Leia mais