Noções de Processamento Salarial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Noções de Processamento Salarial"

Transcrição

1 C A P Í T U L O I Noções de Processamento Salarial

2 MANUAL PRÁTICO LIDEL n Noções de Processamento Salarial Apresentamos neste capítulo algumas noções básicas de processamento salarial na vertente administrativa e processual na base do enquadramento legal em vigor, que podem ser pertinentes e úteis no apuramento das componentes remunerativas e retributivas. Aliás, neste sentido fazemos considerações sobre a diferença entre estes dois conceitos e sobre as rubricas que integram o salário base e o vencimento base, para que, no acerto de contas aos colaboradores, possamos saber que variáveis devemos considerar para que se possam minimizar os erros no processamento salarial, contribuindo para o reforço do reconhecimento dos colaboradores na empresa. S umário: 1.1 Retribuição versus Remuneração 1.2 Diferença entre Salário Base e Vencimento Base 1.3 Retribuição Horária 1.4 Retribuição Total 1.5 Descontos considerações gerais 1.6 Cálculo das Contribuições arredondamentos 1.7 Forma de Pagamento da Retribuição 1.8 Protecção do trabalhador em caso de não pagamento pontual da retribuição 1.9 Local e Prazo de Pagamento 1.10 Suspensão do Contrato Individual de Trabalho 1.11 Juros de Mora 1.1 Retribuição versus Remuneração As práticas e políticas retributivas fazem parte de um dos objectivos centrais das direcções de Recursos Humanos. O dever de liquidar periodicamente a retribuição aos colaboradores pende sobre as entidades patronais, não devendo existir qualquer discriminação, pelo sexo, proveniência étnica ou religiosa, cumprindo-se, assim, o princípio da igualdade, registado no art. 25 do Código do Trabalho, n. os 1 e 2. 2 LIDEL EDIÇÕES TÉCNICAS

3 Noções de Processamento Salarial Esta noção é reforçada no art. 270 da Lei 7/2009 de 12 de Fevereiro, a determinação do valor da retribuição deve ter-se em conta a quantidade, natureza e qualidade do trabalho, observando -se o princípio de que, para trabalho igual ou de valor igual, salário igual. No âmbito dos princípios gerais que norteiam a noção de retribuição, o art. 258, define no n. 1 que Só se considera retribuição aquilo a que, nos termos do contrato, das normas que o regem ou dos usos, o trabalhador tem direito como contrapartida do seu trabalho. Nesta contrapartida do trabalho, no n. 2, ( ) inclui-se a retribuição base e todas as prestações regulares e periódicas feitas, directa ou indirectamente, em dinheiro ou em espécie. No entanto, as empresas deverão ter especial cuidado porque presume-se constituir retribuição toda e qualquer prestação do empregador ao trabalhador (n. 3, art. 258). Desta forma, os bens adquiridos a apurar aos colaboradores, fruto da sua relação de trabalho, são garantidos, nos termos do n. o 4, determinando que à prestação qualificada como retribuição é aplicável o correspondente regime de garantias previsto neste código. A retribuição é adstrita ao contrato individual de trabalho, a um nível hierárquico de funções, a uma categoria profissional ou a um escalão funcional, cujo pagamento seja regular e periódico e salvaguarde a expectativa de a poder receber no mês subsequente. 1: O Eng. Tiago tinha acordado com a empresa XPTO um VB de 1.250,00 euros e um prémio de produtividade de 275,00 euros mensais. No contrato individual de trabalho não está mencionado o prémio de produtividade, mas o Eng. Tiago há vários anos que recebe sempre esta rubrica separada do vencimento base e sem qualquer tipo de critérios na sua atribuição, nunca lhe foi dado qualquer requisito nem de cumprimento de performance, nem de assiduidade, nem de índices 2: de reclamações; o que o Eng. Tiago sabe é que sempre recebeu 275,00 euros de prémio de produtividade. Com uma alteração da direcção de RH, retiraram o prémio de produtividade ao Eng. Tiago com a fundamentação de que era uma rubrica benévola, sendo possível retirar a qualquer momento se a estratégia da empresa na atribuição desta rubrica tiver mudado. É claro que o Eng. Tiago foi até à Autoridade das Condições de Trabalho (ACT) e esta solicitou à empresa 3: XPTO que repusesse esta rubrica ao colaborador, porque a empresa não conseguiu fazer prova da fundamentação na atribuição do prémio de produtividade, devendo integrar esta rubrica dada a sua regularidade no conceito da retribuição, ou seja, o Eng. Tiago tinha sempre como expectativa legítima receber no mês seguinte o prémio de produtividade. A empresa XPTO tinha duas opções: ou continuava a liquidar a rubrica como prémio de produtividade ou integrava esta rubrica no VB do colaborador. 4: LIDEL EDIÇÕES TÉCNICAS 3 5:

4 MANUAL PRÁTICO LIDEL É de particular interesse o que se define no art. 262 (Cálculo de prestações complementares e acessórias), referindo-se que apenas servem de base de cálculo às prestações complementares a acessórias a retribuição base e diuturnidades. Importa saber agora o que integra a retribuição base, daí que, no n. 2, entende-se por: Retribuição base Aquela que, nos termos do contrato ou instrumento de regulamentação colectiva de trabalho, corresponde ao exercício da actividade desempenhada pelo trabalhador de acordo com o período normal de trabalho que tenha sido definido, ou seja, 40 horas semanais, 25 horas semanais, ; A retribuição base integra a remuneração base, como seja, o vencimento base, a isenção de horário de trabalho, o subsídio de turno, a percentagem no atingimento dos objectivos que compõem as comissões e outras rubricas que, sem suporte de requisitos na sua atribuição e pela sua regularidade na sua atribuição, não podendo defraudar a expectativa do trabalhador, integram a retribuição base do colaborador. Diuturnidade A prestação pecuniária, de natureza retributiva e com vencimento periódico, devida ao trabalhador, nos termos do contrato ou do instrumento de regulamentação colectiva de trabalho, com fundamento na antiguidade. O código do trabalho faz referência particular no art. 264 à retribuição do período de férias, correspondendo a retribuição que o colaborador tem direito à que o trabalhador receberia se estivesse em serviço efectivo. O colaborador tem ainda direito a um subsídio de férias cujo montante compreende a retribuição base e as demais prestações retributivas que sejam contrapartida do modo específico da execução do trabalho. A sua forma de pagamento deve, salvo acordo escrito em contrário, ser pago antes do início do período de férias e, proporcionalmente, nos casos previstos do n. 8 do artigo 239 (gozo mínimo 10 dias úteis de férias). Mas este subsídio pode ser pago num único mês, fora da regra enunciada, se o pagamento do subsídio de férias é feito só em Agosto, os colaboradores até podem ter marcado 10 dias úteis de férias antes deste mês, mas só irão receber o subsídio no mês de Agosto. Quanto ao subsídio de Natal, os trabalhadores têm direito a um valor igual a um mês de retribuição, que será pago até 15 de Dezembro de cada ano. O valor do subsídio de natal é proporcional ao tempo de serviço prestado no ano civil, nas seguintes situações: No ano da admissão do colaborador; No ano da cessação do contrato de trabalho; Em caso de suspensão do contrato de trabalho, salvo se por facto respeitante ao empregador. 4 LIDEL EDIÇÕES TÉCNICAS

5 Noções de Processamento Salarial 1: A retribuição corresponde à remuneração base e a todas as outras prestações regulares ou periódicas. Da remuneração fazem parte também as contrapartidas pelo trabalho prestado de carácter ocasional e não previsto. 2: A Diana Almeida é uma vendedora na empresa XPTO, tendo um VB de 750,00 euros e no último ano recebeu de comissões: Fev ,00 euros Mar ,00 euros 3: Abr ,00 euros Mai ,00 euros Jun ,00 euros Jul ,00 euros Ago ,00 euros Set ,00 euros 4: Out ,00 euros Nov ,00 euros Dez ,00 euros Jan ,00 euros Fev ,00 euros Mar : 450,00 euros Abr ,00 euros A Diana Almeida marcou 10 dias úteis de férias em Maio. Como é que devia ser apurado o subsídio de férias da colaboradora? Como sabemos, muitos vendedores têm um vencimento base mais baixo para o incentivar às vendas, recebendo por isso uma rubrica de comissões sobre as vendas efectuadas mensalmente e, em muitos 6: casos, só recebem estas comissões após boa cobrança dessas vendas. As comissões integram uma contrapartida de modo específico na função de vendedor, devendo integrar a retribuição do colaborador. Desta forma, devemos calcular a média das comissões dos últimos 12 meses, anteriores ao mês do gozo de férias, dividir esse montante por 12 meses para apuramento da média das comissões e em rubrica em separado no recibo de vencimento deverá vir expresso esse montante. 7: Por exemplo: 001 Subsídio de Férias 750,00 euros (Ilíquidos) 002 Subsídio de Férias / Comissões 345,83 euros (Ilíquidos) 8: LIDEL EDIÇÕES TÉCNICAS 5

6 MANUAL PRÁTICO LIDEL Em princípio não integra a retribuição a remuneração de trabalho extraordinário, as ajudas de custo, os abonos de viagem, as despesas de transporte, abonos de instalações e outros equivalentes, gratificações, participação nos lucros, subsídio de alimentação, abono para falhas... O disposto nas alíneas b) e c) do n.º 1, do artº. 260, não se aplica: a) às gratificações que sejam devidas por força do contrato ou das normas que o regem, ainda que a sua atribuição esteja condicionada aos bons serviços do trabalhador, nem àquelas que, pela sua importância e carácter regular e permanente, devam, segundo os usos, considerar -se como elemento integrante da retribuição daquele; b) às prestações relacionadas com os resultados obtidos pela empresa quando, quer no respectivo título atributivo quer pela sua atribuição regular e permanente, revistam carácter estável, independentemente da variabilidade do seu montante. Importa então clarificar que a retribuição engloba todas as prestações que o trabalhador recebe da entidade patronal (salário, subsídio de férias, subsídio de turno, ), e não propriamente dito o salário, ordenado, ou vencimento tecnicamente chamado retribuição base, que representa a quantia certa, paga pela entidade patronal ao trabalhador, no fim de cada semana, quinzena ou mês. No art. 261, na apresentação das modalidades de retribuição, esta pode ser certa, variável ou mista. A retribuição certa deve ser calculada em função do horário de trabalho semanal. A retribuição variável deve ser calculada, segundo o art. 261, pela média dos valores que o trabalhador recebeu ou tinha direito a receber nos últimos 12 meses ou no tempo da execução do contrato, se este tiver durado menos tempo. No entanto, o legislador deixa uma porta aberta para outras formas de apuramento da retribuição variável, segundo o disposto nos CCT e, na sua falta, segundo o prudente arbítrio do julgador. O que tem vindo a suceder nas organizações é a introdução cada vez mais corrente da componente mista da retribuição, composta pelas modalidades certa e variável, fazendo com que se estabeleçam objectivos capazes de poderem ser atingidos pelos trabalhadores, sendo estes recompensados por isso. Actualmente, face à volatilidade dos negócios, a componente fixa da retribuição deve ser estabilizada, introduzindo-se componentes variáveis para que se possa partilhar o sucesso com todos na organização. Neste sentido, o empregador deve procurar orientar a retribuição dos seus trabalhadores no sentido de incentivar o aumento de níveis de produtividade à medida que 6 LIDEL EDIÇÕES TÉCNICAS

7 Noções de Processamento Salarial lhe for sendo possível estabelecer, para além do simples rendimento do trabalho, bases satisfatórias para a definição de produtividade. Existem muitas outras rubricas atribuídas aos colaboradores ao serviço do empregador que nos merecem especial atenção pela forma encapotada de retribuição que podem conter. Encontramos aqui, entre outras, os abonos de viagem, valores atribuídos aos colaboradores ao serviço do empregador e dentro dos limites considerados. Estes abonos de viagem sem suporte justificativo, sendo frequente a sua atribuição na parte que exceda os respectivos montantes normais ou tenham sido previstos no contrato ou se devam considerar pelos seus usos, são considerados como elementos integrantes da retribuição. Uma rubrica que por vezes causa algumas dúvidas em que conceito se integra é a Retribuição por Isenção de Horário de Trabalho, mas o CT, no seu art. 265, tenta clarificar, designando trabalhador isento de horário de trabalho aquele que tem direito a retribuição específica, estabelecida por instrumento de regulamentação colectiva de trabalho ou, na falta deste, não inferior a: a) uma hora de trabalho suplementar por dia; b) duas horas de trabalho suplementar por semana, quando se trate de regime de isenção de horário com observância do período normal de trabalho. Já os trabalhadores que exerçam cargos de administração ou de direcção podem renunciar à retribuição referida nas alíneas a) e b). Princípio geral da retribuição ser irredutível O empregador não pode diminuir a retribuição, salvo nos casos previstos no CT e em IRCT (art. 129, al.d). Existem algumas situações em que o CT legitima a diminuição da retribuição: Quando o colaborador deixa de exercer funções a que corresponde uma retribuição mais elevada; Quando o trabalhador a tempo completo passa a trabalhar a tempo parcial, tem direito à retribuição base prevista na lei ou na regulamentação colectiva ou, caso seja mais favorável, à auferida por trabalhador a tempo completo numa situação comparável, em proporção do respectivo período normal de trabalho semanal (art. 154, n. 3, alínea a); Quando cessa a comissão de serviço, tendo o trabalhador direito a exercer a actividade desempenhada antes da comissão ou as funções correspondentes à categoria a que entretanto tenha sido promovido (art. 164); LIDEL EDIÇÕES TÉCNICAS 7

8 MANUAL PRÁTICO LIDEL Quando após acidente, são atribuídas ao trabalhador sinistrado funções compatíveis com o seu estado; Quando o trabalhador retoma funções anteriores, inerentes à categoria inferior que possuía, após ter desempenhado transitoriamente funções, de nível superior, salvo previsão em contrário contida em IRCT, o trabalhador não adquire a categoria correspondente às funções que exerça temporariamente (art. 120/5); Quando existe uma período de redução ou suspensão da actividade por facto respeitante ao trabalhador (art. 304); Quando se esteja perante um encerramento temporário do estabelecimento ou diminuição temporária da actividade devido a caso fortuito ou de força maior (art. 309). 1.2 Diferença entre Salário Base e Vencimento Base O salário base compõe-se por todas as condições base acordadas entre o colaborador e a empresa, como são: Vencimento Base; IHT; Subsídio Turno; Percentagem atingimento de objectivos; Abono para falhas; Prémio produtividade; Pagamento horas nocturnas; Outras variáveis acordadas... O vencimento base compõe-se por uma única rubrica, mencionada no contrato individual de trabalho, inerente a uma grelha salarial por níveis hierárquicos de funções ou definida por uma CCT. Uma questão se coloca desde já: o que deve ser objecto da retribuição e do vencimento hora, quando apuramos os bens adquiridos? A isenção do horário de trabalho, o subsídio de turno, as comissões regulares ou por objectivos também dizem respeito à retribuição. Agora, o abono para falhas também é regular e periódico!? O prémio de produtividade pode ser regular e periódico!? Estas rubricas também dizem respeito à retribuição? 8 LIDEL EDIÇÕES TÉCNICAS

9 Noções de Processamento Salarial O abono para falhas deve ser aplicado só no exercício de funções que movimentem ou transportem valores, unicamente aquando do desempenho diário, daí que, quando o colaborador estiver de férias, como veremos mais à frente, este não está a lidar com o dinheiro da empresa, porque não está no exercício diário das suas funções, não devendo por este facto ter o abono para falhas incluído no subsídio de férias. Se o colaborador tem conhecimento das regras de atribuição do prémio de produtividade, a sua justificação está devidamente suportada pela qualidade dos produtos finais, índice de reclamações, ou quantidade de produtos elaborados, o colaborador até pode não receber qualquer prémio mensal, se não cumprir o que foi previamente estipulado, este não tem expectativa em como o venha a receber efectivamente no mês subsequente, em suma, não integra a retribuição, diz respeito à remuneração. O apuramento do vencimento hora é crucial em toda a componente do processamento salarial e dentro do salário base devemos ter em atenção quais as rubricas que fazem parte da retribuição e da remuneração. Como vimos anteriormente, o raciocínio deve ser suportado por justificação baseada em factos, cuja expectativa dos colaboradores não esteja antecipadamente garantida. Por exemplo, o prémio de avaliação do desempenho, liquidado anualmente pelas empresas; este prémio não está só sujeito a critérios de atribuição pela avaliação individual, é muito mais abrangente na maioria dos casos, está relacionado com a performance durante um exercício da empresa e do departamento de que o colaborador faz parte. Não se garante a ninguém que a empresa no final de Janeiro de determinado ano vai liquidar uma determinada verba aos colaboradores, pelo contrário, é estipulado com os colaboradores objectivos que devem ser cumpridos e se estes não forem atingidos o colaborador sabe que não terá direito a receber o prémio pelo desempenho, ou, pelo contrário, o colaborador x teve um desempenho excelente, mas, por a empresa não ter atingido na sua globalidade a rentabilidade esperada, também não irá receber qualquer prémio de avaliação do desempenho. Esta rubrica, se suportada e justificada, com indicadores de performance e vectores de análise, qualitativos e quantitativos individuais, de equipa e de negócio, sendo atribuída ocasionalmente, não integra a retribuição. Será que o acréscimo pecuniário por trabalho nocturno, efectuado por colaboradores que desempenhem toda a sua actividade no período nocturno, deve integrar o subsídio de férias e de Natal? Para responder a esta questão, teremos de analisar duas situações: a) Quanto ao subsídio de Natal, o seu valor deve ser igual a um mês de retribuição (art. 263, n. os 1 e 2). Considera-se retribuição aquilo a que, nos termos do contrato, das normas que o regem ou dos usos, o trabalhador tem direito como contrapartida do trabalho. Consequentemente, sendo o pagamento como con- LIDEL EDIÇÕES TÉCNICAS 9

10 MANUAL PRÁTICO LIDEL traprestação do trabalho nocturno regularmente devido, deve esse pagamento ser feito no subsídio de Natal. b) Quanto ao subsídio de férias, compreende a retribuição base e as demais prestações retributivas que sejam contrapartida do modo específico da execução do trabalho (art. 264, n. 2). Nesta especificidade estão incluídas todas as condições correlacionadas com a prestação, nomeadamente a penosidade, a salubridade, toxicidade, alteração horária, abrangendo este o trabalho nocturno. Podemos concluir que, também no subsídio de férias deve ser incluído o pagamento do trabalho nocturno, sendo ou não toda a prestação de trabalho efectuada no período nocturno. Os trabalhadores podem exigir continuar a ter o pagamento do subsídio de turno, com a cessação da prestação da actividade em regime de turnos? O subsídio pela prestação de trabalho em regime de turnos é definido pelo IRCT de cada sector de actividade. Para saber se este subsídio pode deixar de ser atribuído, quando o trabalhador deixa de exercer a sua actividade nesse regime de organização dos tempos de trabalho, devemos analisar duas hipóteses: O acréscimo atribuído ao trabalhador pelo facto de trabalhar em regime de turnos foi estabelecido em IRCT, através de um aumento fixo da retribuição base; Acréscimo retributivo atribuído ao trabalhador pelo facto de trabalhar em regime de turnos foi estabelecido em IRCT, através da atribuição de um subsídio de turno. Na primeira hipótese, caso o trabalhador deixe de prestar trabalho em regime de turnos, não poderá ver diminuída a sua retribuição sob pena de o empregador violar o disposto na alínea d) do art. 129 do CT. Na segunda situação, o empregador pode retirar o subsídio de turno ao trabalhador que deixe de prestar trabalho em regime de turnos sem que tal comportamento constitua uma violação do princípio da irredutibilidade da retribuição. A IHT deve fazer parte integrante do subsídio de Natal e de férias? Sendo o valor do subsídio de Natal e de férias igual a um mês de retribuição, integrando estes as prestações regulares e periódicas, nas quais se inclui a remuneração atribuída por Isenção de Horário de Trabalho, deve esta ser integrada no subsídio de Natal e de férias. 1.3 Retribuição Horária É sabido que o trabalhador deve desempenhar as suas funções para as quais foi contratado, pelo que se o empregador determinar o exercício, ainda que complementar e 10 LIDEL EDIÇÕES TÉCNICAS

11 1: Noções de Processamento Salarial acessório, de funções a que corresponda uma retribuição mais elevada, o colaborador tem efectivo direito a receber esta retribuição e enquanto a mesma perdurar. O vencimento hora calcula-se: 2: Retribuição mensal x 12 meses (semanas do ano) x n. (carga horária semanal) 3: O António é Operador de Registo de Dados e efectuou 6 horas de trabalho suplementar (3H a 50% e 3H a 75% de acréscimo) e 6 horas de trabalho nocturno com acréscimo de 25% para além do seu horário normal de trabalho. 4: VB 650,00 euros Diuturnidade 35,00 euros Subsídio de Assiduidade 80,00 euros Qual o valor líquido a receber no final do mês de Junho 2010? Desconto de IRS: 6% (Não casado 0 dep.) Devemos desde logo apurar a retribuição base do António, que é de 685,00 euros. Depois, apuramos o VH (RBx12)/(52x40H) = 3,95 euros 5: 3H Trab. Sup. X 3,95 = 11,85 X 50% = 5,93 Total 3H a 50% = 17,78 euros 3H Trab. Sup. X 3,95 = 11,85 X 75% = 8,89 Total 3H a 75% = 20,74 euros 6H Trab. Noct. X 3,95 = 23,70 X 25% = 5,93 Total 3H a 25% = 29,63 euros Devemos agora apurar os Descontos após ter o valor ilíquido sujeito a descontos em IRS e TSU: 6: VB 650,00 + Diut. 35,00 = 685,00 euros Sub. Assiduidade = 80,00 euros 6H Trab. Sup = 38,52 euros 6H Trab. Noct. = 29,63 euros Total Valor Ilíquido 7: = 833,15 euros x (TSU 11%) = 91,65 euros x (IRS 7%) = 58,32 euros Total desc.: 149,97 euros Total Líquido a receber no final do mês de Junho 2010: = 683,18 euros 8: LIDEL EDIÇÕES TÉCNICAS 11

12 MANUAL PRÁTICO LIDEL Existem outras rubricas atribuídas aos colaboradores ao serviço do empregador que nos merecem especial atenção pela forma encapotada de retribuição que podem conter. Encontramos aqui, entre outras, os abonos de viagem, valores atribuídos aos colaboradores ao serviço do empregador e dentro dos limites considerados. Estes abonos de viagem sem suporte justificativo, sendo frequente a sua atribuição na parte que exceda os respectivos montantes normais ou tenham sido previstos no contrato ou se devam considerar pelos seus usos, são considerados como elementos integrantes da retribuição. As despesas de transporte são valores atribuídos aos colaboradores ao serviço do empregador contra entrega de documento de despesa. Estas despesas de transporte sem suporte justificativo, sendo frequente a sua atribuição na parte que exceda os respectivos montantes normais ou tenham sido previstos no contrato ou se devam considerar pelos seus usos, são considerados como elementos integrantes da retribuição. Os abonos de instalações e outros equivalentes são valores atribuídos aos colaboradores ao serviço do empregador na criação de novas instalações ou por deslocações feitas a estas ou outras filiais. Estes abonos de instalações sem suporte justificativo, sendo frequente a sua atribuição na parte que exceda os respectivos montantes normais ou tenham sido previstos no contrato ou se devam considerar pelos seus usos, são considerados como elementos integrantes da retribuição. As gratificações são prestações extraordinárias concedidas pelo empregador como recompensa ou prémio pelos bons resultados obtidos pela empresa. As prestações decorrentes de factos relacionados com o desempenho ou mérito profissionais, bem como a assiduidade do trabalhador, cujo pagamento, nos períodos de referência respectivos, não esteja antecipadamente garantido. Se estas gratificações são garantidas por contrato de trabalho, o seu carácter de aplicação é regular e permanente, deve, segundo os usos, considerar-se elemento integrante da retribuição. A participação nos lucros, não se considera retribuição a participação nos lucros da empresa, desde que ao trabalhador esteja assegurada pelo contrato uma retribuição certa, variável ou mista, adequada ao seu trabalho. Os prémios de produtividade funcionam como um incentivo ao desempenho periódico e, apesar de poder ser regular o seu pagamento, funciona como uma prestação benévola que pode ser retirada a qualquer momento. O abono para falhas, este valor varia consideravelmente consoante os acordos de empresa e os CCT. Como já foi referido, o abono para falhas só deve ser pago no exercí- 12 LIDEL EDIÇÕES TÉCNICAS

NEWSLETTER Fevereiro 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014

NEWSLETTER Fevereiro 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014 NEWSLETTER Fevereiro 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014 Índice 1. INTRODUÇÃO 3 2. ALTERAÇÕES SEGURANÇA SOCIAL 4 3. BASES DE INCIDÊNCIA 6 3 1. Introdução Com a entrada em vigor da Lei do Orçamento

Leia mais

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático de Declaração de Remunerações (2016 V5.4) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR

Leia mais

Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA. de 2012. de 2012

Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA. de 2012. de 2012 Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA de de 2012 ÍNDICE SUJEIÇÃO CONCEITO DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ACESSÓRIA EXEMPLOS DE REMUNERAÇÕES SUJEITAS BREVE ANÁLISE DO CONCEITO DE REMUNERAÇÃO DO CÓDIGO

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (SEM TERMO) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (SEM TERMO) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (SEM TERMO) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho sem termo, sendo permitido o acréscimo e a eliminação de cláusulas

Leia mais

GUIA PRÁTICO REGIME DE LAYOFF

GUIA PRÁTICO REGIME DE LAYOFF Manual de GUIA PRÁTICO REGIME DE LAYOFF INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/20 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Regime de Layoff (6006 v1.15) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO CERTO) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO CERTO) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO CERTO) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho a termo certo, sendo permitido o acréscimo e a eliminação

Leia mais

TRABALHO TEMPORÁRIO. Trabalho Temporário assenta numa relação triangular traduzida nos seguintes contratos:

TRABALHO TEMPORÁRIO. Trabalho Temporário assenta numa relação triangular traduzida nos seguintes contratos: TRABALHO TEMPORÁRIO O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Trabalho Temporário assenta numa relação triangular traduzida nos seguintes contratos: Contrato de Trabalho Temporário Celebrados entre Ou uma empresa de

Leia mais

Sistemas de Remuneração. Gestão dos Recursos Humanos OGE+GE+AP

Sistemas de Remuneração. Gestão dos Recursos Humanos OGE+GE+AP Sistemas de Remuneração Gestão dos Recursos Humanos OGE+GE+AP 1 Características dos salários Pagos em dinheiro ou espécie Assume um carácter de regularidade e periodicidade Assume-se enquanto contrapartida

Leia mais

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático de Declaração de Remunerações (2016 V5.10) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho entre menores com 16 anos de idade

Leia mais

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático de Declaração de Remunerações (2016 V5.16) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR

Leia mais

A inscrição das pessoas colectivas na segurança social é obrigatória e é feita oficiosamente:

A inscrição das pessoas colectivas na segurança social é obrigatória e é feita oficiosamente: ENTIDADES EMPREGADORAS 1. Inscrição na segurança social Como é feita a inscrição A inscrição das pessoas colectivas na segurança social é obrigatória e é feita oficiosamente: Através dos elementos remetidos

Leia mais

Decreto Regulamentar n.º 12/83, de 12 de Fevereiro. Regulamenta a base de incidência das contribuições para a segurança social

Decreto Regulamentar n.º 12/83, de 12 de Fevereiro. Regulamenta a base de incidência das contribuições para a segurança social Decreto Regulamentar n.º 12/83, de 12 de Fevereiro Regulamenta a base de incidência das contribuições para a segurança social 1. A regulamentação vigente sobre a base de incidência das contribuições para

Leia mais

Direito a férias (art.ºs 237º ss do Código de Trabalho)

Direito a férias (art.ºs 237º ss do Código de Trabalho) Direito a férias (art.ºs 237º ss do Código de Trabalho) Nos termos do Código de Trabalho ( CT ) em vigor, aprovado pela Lei nº 07/2009 de 12/02, com as alterações introduzidas pela Lei n.º 23/2012, de

Leia mais

PARECER N.º 88/CITE/2010. Assunto: Subsídio de Natal Pagamento na sequência de licença de maternidade Emissão de Parecer Processo n.

PARECER N.º 88/CITE/2010. Assunto: Subsídio de Natal Pagamento na sequência de licença de maternidade Emissão de Parecer Processo n. PARECER N.º 88/CITE/2010 Assunto: Subsídio de Natal Pagamento na sequência de licença de maternidade Emissão de Parecer Processo n.º 396 DV/2008 I OBJECTO 1.1. A CITE recebeu em 28 de Julho de 2008, um

Leia mais

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE NECESSIDADES DE RECORRER AO TRABALHO TEMPORÁRIO As Empresas de Trabalho

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Ana Pinelas Pinto 17 e 18 de Fevereiro 2011 QUESTÕES FISCAIS NA EXPATRIAÇÃO 17 e 18 de Fevereiro 2011 Principais Dificuldades/ Riscos Criação de EE para a entidade empregadora não

Leia mais

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem Gastos e operações com o pessoal Os recursos humanos implicam gastos: Remunerações fixas e/ou variáveis recebidas pelos trabalhadores vinculados à empresa por contrato individual de trabalho; Remunerações

Leia mais

NOTA: ESTE DOCUMENTO DEVERÁ ESTAR EXPOSTO DE 15 DE ABRIL A 31 DE OUTUBRO

NOTA: ESTE DOCUMENTO DEVERÁ ESTAR EXPOSTO DE 15 DE ABRIL A 31 DE OUTUBRO Mapa de Férias O mapa de Férias tem que ser elaborado até ao dia 15 de Abril. O mapa de férias com a indicação do início e fim dos períodos de férias de cada trabalhador deve ser elaborado até ao dia 15

Leia mais

ASSUNTO:- Exigências impostas aos empregadores pelo Código do Trabalho

ASSUNTO:- Exigências impostas aos empregadores pelo Código do Trabalho ASSUNTO:- Exigências impostas aos empregadores pelo Código do Trabalho Em 1 de Dezembro de 2003, entrou em vigor o Código do Trabalho (C.T.) aprovado pela Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto, que se encontra

Leia mais

As principais novidades da Reforma do Código do Trabalho A Lei n.º 23/2012 de 25 de Junho

As principais novidades da Reforma do Código do Trabalho A Lei n.º 23/2012 de 25 de Junho As principais novidades da Reforma do Código do Trabalho A Lei n.º 23/2012 de 25 de Junho A tão aguardada e falada terceira alteração ao Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009 de 12 de Fevereiro,

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

www.act.gov.pt CADERNOS INFORMATIVOS RELAÇÕES DE TRABALHO TRABALHO TEMPORÁRIO

www.act.gov.pt CADERNOS INFORMATIVOS RELAÇÕES DE TRABALHO TRABALHO TEMPORÁRIO CADERNOS INFORMATIVOS RELAÇÕES DE TRABALHO www.act.gov.pt TRABALHO TEMPORÁRIO CADERNOS INFORMATIVOS RELAÇÕES DE TRABALHO www.act.gov.pt TRABALHO TEMPORÁRIO EDITOR Autoridade para as Condições do Trabalho

Leia mais

BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO

BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO Última atualização 15.04.2015 1 Tipos de bolsas 1.1 Quais os tipos de bolsas e montantes definidos no Regulamento das Bolsas? As bolsas distinguem-se de

Leia mais

Alterações ao Código do Trabalho A partir de 1 de Agosto de 2012

Alterações ao Código do Trabalho A partir de 1 de Agosto de 2012 Alterações ao Código do Trabalho A partir de 1 de Agosto de 2012 A Lei nº 23/2012, de 25 de Junho procede à terceira alteração ao Código do Trabalho, aprovado pela Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro. Principais

Leia mais

ESTATÍSTICAS. Os dados publicados nesta síntese referem-se ao Continente e aos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo.

ESTATÍSTICAS. Os dados publicados nesta síntese referem-se ao Continente e aos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo. Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho disponibiliza informação que permite conhecer o nível médio mensal da remuneração

Leia mais

BALANÇO SOCIAL. (Decreto-Lei nº 9/92, de 22 de Janeiro) Instruções de Preenchimento (Modelo 1218)

BALANÇO SOCIAL. (Decreto-Lei nº 9/92, de 22 de Janeiro) Instruções de Preenchimento (Modelo 1218) BALANÇO SOCIAL (Decreto-Lei nº 9/92, de 22 de Janeiro) (Modelo 1218) IDENTIFICAÇÂO DA EMPRESA (capa) 4. Actividade principal da empresa - Considere aquela de que a empresa aufere maior volume de vendas

Leia mais

Código Contributivo Uma nova visão. Luís Leon 30 de Novembro de 2010 2010 Deloitte & Associados, SROC, SA

Código Contributivo Uma nova visão. Luís Leon 30 de Novembro de 2010 2010 Deloitte & Associados, SROC, SA Código Contributivo Uma nova visão Luís Leon 30 de Novembro de 2010 2 Novo Código Contributivo Tax Global Employer Services Alargamento da base contributiva Código Contributivo Aproximação ao Código do

Leia mais

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO Agosto de 2012 Leis n. os 23/2012, de 25 de junho e 47/2012, de 29 de agosto TRABALHO DE MENORES Requisitos de admissão de menor a prestar trabalho no tocante

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Notas Sobre o Direito do Trabalho Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Notas sobre o Direito do Trabalho As empresas já instaladas bem como

Leia mais

CATEGORIA A TRABALHO DEPENDENTE

CATEGORIA A TRABALHO DEPENDENTE CATEGORIA A TRABALHO DEPENDENTE A tributação nesta Categoria de rendimentos é fundamentalmente baseada na existência de uma remuneração proveniente do trabalho por conta de outrém. A classificação como

Leia mais

Ponto da situação sobre a aposentação

Ponto da situação sobre a aposentação Ponto da situação sobre a aposentação Com a publicação da Lei nº 11/2008, de 20 de Fevereiro, são introduzidas mudanças pontuais ao regime de aposentação que já tinha sido alterado nos anos mais recentes.

Leia mais

Orientação Normativa N.º 1/2004, de 20/02/2004 Módulo de Férias do Manual de Formação Técnica RH

Orientação Normativa N.º 1/2004, de 20/02/2004 Módulo de Férias do Manual de Formação Técnica RH ORIENTAÇÃO NORMATIVA N.º 2/2009 Data: 25 de Maio de 2009 RECURSOS HUMANOS Assunto: FÉRIAS Enquadramento Convencional e Legal: Acordo de Empresa Código do Trabalho Revogações: Orientação Normativa N.º 1/2004,

Leia mais

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE. Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho)

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE. Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho) ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho) Artigo 17.º (Trabalhador-estudante) O disposto nos artigos 81.º e 84.º do Código do Trabalho assim como

Leia mais

Nota Informativa Nº 8 / GGF / 2012. ASSUNTO: SUBSÍDIO DE FÉRIAS E DE NATAL Artigo 21º da Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro

Nota Informativa Nº 8 / GGF / 2012. ASSUNTO: SUBSÍDIO DE FÉRIAS E DE NATAL Artigo 21º da Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro Nota Informativa Nº 8 / GGF / 2012 ASSUNTO: SUBSÍDIO DE FÉRIAS E DE NATAL Artigo 21º da Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro Tendo em atenção algumas dúvidas que têm vindo a ser colocadas pelas escolas sobre

Leia mais

Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS

Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164.º, alínea d), 167.º, alínea g), e 169.º, n.º 2, da Constituição, o seguinte: Artigo

Leia mais

Novo Código Contributivo da Segurança Social

Novo Código Contributivo da Segurança Social Novo Código Contributivo da Segurança Social O Código Contributivo para a Segurança Social, aprovado através da Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro tem a sua entrada em vigor agendada para 1 de Janeiro

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO 1. Objectivos da Política de Remuneração dos órgãos de administração e fiscalização da Companhia de Seguros Açoreana, SA (

Leia mais

Informação 2013 / 18 15/10/2013. Fundos de Compensação do Trabalho (FGCT, FCT, ME)

Informação 2013 / 18 15/10/2013. Fundos de Compensação do Trabalho (FGCT, FCT, ME) Informação 2013 / 18 15/10/2013 Fundos de Compensação do Trabalho (FGCT, FCT, ME) Estimado Cliente, A Lei nº 70/2013, de 30 de agosto, veio consagrar os regimes jurídicos do Fundo de Compensação do Trabalho

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2015

OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2015 OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2015 Às Escolas Básicas e Secundárias. Agrupamentos de Escolas Escolas Profissionais Públicas. X X X DATA: 2015/janeiro/07 ASSUNTO: Processamento de Remunerações em 2015

Leia mais

DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO I - CONCEITOS E DEFINIÇÕES

DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO I - CONCEITOS E DEFINIÇÕES DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES I - CONCEITOS E DEFINIÇÕES Tempo de Trabalho qualquer período durante o qual o trabalhador está a desempenhar a actividade ou permanece

Leia mais

Advocacia e Cidadania. e Paternidade. Inês Albuquerque e Castro

Advocacia e Cidadania. e Paternidade. Inês Albuquerque e Castro As Mudanças na Maternidade e Paternidade Inês Albuquerque e Castro Nova terminologia Licença em situação de risco clínico durante a gravidez; Licença por interrupção de gravidez; Licença parental, em qualquer

Leia mais

Obrigações Patronais

Obrigações Patronais Obrigações Patronais Registo de tempo de trabalho a) Manter, em local acessível e por forma que permita a sua consulta imediata, um registo que permita apurar o número de horas de trabalho prestadas pelo

Leia mais

A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009

A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009 STPT Sindicato dos Trabalhadores 1 do Grupo Portugal Telecom Fundamentação Económica A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009 A proposta de revisão do AE/PT-C que para efeitos de negociação

Leia mais

PARECER N.º 185/CITE/2013

PARECER N.º 185/CITE/2013 PARECER N.º 185/CITE/2013 I OBJETO A CITE recebeu um pedido de parecer sobre o assunto referido em epígrafe. A Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego (CITE) tem por missão prosseguir a igualdade

Leia mais

NOVAS REGRAS DO TRABALHO. Lisboa, 10 de Julho de 2012

NOVAS REGRAS DO TRABALHO. Lisboa, 10 de Julho de 2012 NOVAS REGRAS DO TRABALHO Lisboa, 10 de Julho de 2012 Lei 23/2012, de 15 de Junho (altera Código do Trabalho) (início vigência 1 de Agosto de 2012) OBRIGAÇÕES ADMINISTRATIVAS Isabel Valente Dias OBRIGAÇÕES

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício

IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício Anexo à Instrução nº 5/96 IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os custos correntes do exercício 70 - JUROS E CUSTOS EQUIPARADOS 703 - Juros de recursos

Leia mais

Aspetos legislativos, no domínio sócio-laboral

Aspetos legislativos, no domínio sócio-laboral Aspetos legislativos, no domínio sócio-laboral Lei n.º 53/2011, de 14 de outubro, que procede à segunda alteração ao Código do Trabalho, aprovado em anexo à Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro, estabelecendo

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 187 28 de Setembro de 2011 38699 MINISTÉRIO PÚBLICO. Procuradoria-Geral da República

Diário da República, 2.ª série N.º 187 28 de Setembro de 2011 38699 MINISTÉRIO PÚBLICO. Procuradoria-Geral da República Diário da República, 2.ª série N.º 187 28 de Setembro de 2011 38699 MINISTÉRIO PÚBLICO Procuradoria-Geral da República Parecer n.º 10/2011 Titular de cargo político Aposentação Pensão de aposentação Remuneração

Leia mais

APOIO PRINCIPAL: Orçamento do Estado 2013

APOIO PRINCIPAL: Orçamento do Estado 2013 APOIO PRINCIPAL: Orçamento do Estado 2013 AGENDA Redução Remuneratória Duodécimos Subsídio de Natal Faltas por Doença Subsídio de Férias IRS CES Horário de Trabalho Esclarecimentos Horário de Trabalho

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSOS HUMANOS

INFORMAÇÃO SOBRE GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSOS HUMANOS INFORMAÇÃO SOBRE GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSOS HUMANOS Geral Empresa, corpos estatutários e empregados têm de estar inscritos na Segurança Social. Os corpos estatutários poderão ser dispensados dos

Leia mais

Gabinetes dos Secretários de Estado do Orçamento e da Administração Pública DESPACHO

Gabinetes dos Secretários de Estado do Orçamento e da Administração Pública DESPACHO DESPACHO Para efeitos de apoio à implementação das medidas previstas na Lei do Orçamento do Estado para 2013, é aprovada a nota técnica em anexo, a qual deverá ser divulgada pela Direção Geral do Orçamento

Leia mais

MINUTA CONTRATO DE TRABALHO A TERMO CERTO * MINUTA CONTRATO DE TRABALHO A TERMO CERTO POR TEMPO PARCIAL*

MINUTA CONTRATO DE TRABALHO A TERMO CERTO * MINUTA CONTRATO DE TRABALHO A TERMO CERTO POR TEMPO PARCIAL* ADVERTE-SE QUE A PRESENTE MINUTA CONSTITUI APENAS UM EXEMPLO PELO QUE DEVERÁ A MESMA SER ADAPTADA CASO A CASO, EM FUNÇÃO DO QUE, EM CONCRETO, FOR ACORDADO. MINUTA CONTRATO DE TRABALHO A TERMO CERTO * MINUTA

Leia mais

Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6

Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6 Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6 FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA AGREGADOS FAMILIARES CRITÉRIOS DE ATRIBUIÇÃO (Deliberação 27/AML/2012, publicada no 1º Sup. ao BM nº 951, de 10 de Maio

Leia mais

A AICCOPN NÃO SE RESPONSABILIZA PELA INSUFICIENTE OU INDEVIDA ADAPTAÇÃO DO CLAUSULADO.

A AICCOPN NÃO SE RESPONSABILIZA PELA INSUFICIENTE OU INDEVIDA ADAPTAÇÃO DO CLAUSULADO. SEDE: Rua Álvares Cabral, 306 4050-040 PORTO Telefone: 22 340 22 00 Fax: 22 340 22 97 www.aiccopn.pt E-mail: geral@aiccopn.pt ADVERTE-SE QUE A PRESENTE MINUTA CONSTITUI APENAS UM EXEMPLO PELO QUE DEVERÁ

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade dos Açores Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010

Serviços de Acção Social da Universidade dos Açores Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010 Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010 Considerando o regime de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do Ensino Superior Público, determino os critérios e procedimentos técnicos a adoptar pelos Serviços

Leia mais

Código do Trabalho. SUBSECÇÃO VIII Trabalhador-estudante Artigo 89.º. Artigo 90.º. Noção de trabalhador-estudante

Código do Trabalho. SUBSECÇÃO VIII Trabalhador-estudante Artigo 89.º. Artigo 90.º. Noção de trabalhador-estudante SUBSECÇÃO VIII Trabalhador-estudante Artigo 89.º Noção de trabalhador-estudante Código do Trabalho 1 Considera-se trabalhador-estudante o trabalhador que frequenta qualquer nível de educação escolar, bem

Leia mais

SISTEMA DE CARREIRAS E REMUNERAÇÃO

SISTEMA DE CARREIRAS E REMUNERAÇÃO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA SISTEMA NACIONAL DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS SISTEMA DE CARREIRAS E REMUNERAÇÃO 1 SISTEMA DE CARREIRAS E REMUNERAÇÃO (SCR) O SCR, aprovado por Decreto

Leia mais

N E W S L E T T E R A P A O M A

N E W S L E T T E R A P A O M A A P A O M A E D I Ç Ã O 4 F I S C A L I D A D E N E W S L E T T E R A P A O M A O U T U B R O 2 0 1 0 A G R A D E C I M E N TO N E S T A E D I Ç Ã O : A G R A D E C I M E N T O F I S C A L I D A D E P

Leia mais

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE Data de emissão Janeiro 2005 Data de revisão Janeiro 2005 Autor GabIGT Acesso Público ÍNDICE Págs. 1. Quem é considerado trabalhador estudante? 3 2. Como se pode beneficiar

Leia mais

FACTURAS E DOCUMENTOS DE TRANSPORTE *** ÚLTIMAS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO

FACTURAS E DOCUMENTOS DE TRANSPORTE *** ÚLTIMAS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO FACTURAS E DOCUMENTOS DE TRANSPORTE *** ÚLTIMAS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO FACTURAS E DOCUMENTOS DE TRANSPORTE Decreto-Lei 197/2012, de 24/8: Transpõe artº 4º da Directiva 2008/8/CE, de 13/2, e Directiva

Leia mais

O DESPEDIMENTO COLECTIVO (*)

O DESPEDIMENTO COLECTIVO (*) Despedimento Colectivo - 1 O DESPEDIMENTO COLECTIVO (*) Nota Introdutória: O Gabinete Jurídico do SPLIU tem sido confrontado por muitos associados/as sobre os procedimentos legais que consubstanciam o

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2015

SEGUROS DE VIDA IRS 2015 SEGUROS DE VIDA IRS 2015 (Lei n.º 82-B/2014 de 31 de Dezembro e Lei n.º 82-E/2014, de 31 de Dezembro) generali.pt 2 IRS 2015 - Seguros de Vida Índice I II III Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios 2.

Leia mais

3. Período Experimental Saiba quanto tempo pode durar o período experimental e quais os seus direitos.

3. Período Experimental Saiba quanto tempo pode durar o período experimental e quais os seus direitos. 1. Introdução Conheça os direitos e as obrigações inerentes aos vários tipos de contrato laboral, assim como as várias modalidades de despedimentos. 2. Tipos de contratos que existem O Código do Trabalho

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO INCERTO) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO INCERTO) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO INCERTO) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho a termo incerto, não sendo destinado aos contratos de

Leia mais

Documento de Apoio Simulador de Rendas

Documento de Apoio Simulador de Rendas Documento de Apoio Simulador de Rendas O Município de Lisboa desenvolveu um simulador de Cálculo de Rendas que está disponível para o munícipe na página da internet da CML, no seguinte endereço http://simuladorderenda.cm-lisboa.pt

Leia mais

< 2003 LCT LCCT LFFF. Código do Trabalho L.7/2009. Código do Trabalho L.99/2003. Código do Trabalho PL46/XXII

< 2003 LCT LCCT LFFF. Código do Trabalho L.7/2009. Código do Trabalho L.99/2003. Código do Trabalho PL46/XXII PAINEL I APRESENTAÇÃO E CALENDARIZAÇÃO DE ALTERAÇÕES LABORAIS Oradora: Anabela Aguilar Salvado 1 PAINEL I APRESENTAÇÃO E CALENDARIZAÇÃO DE ALTERAÇÕES LABORAIS Oradora: Anabela Aguilar Salvado anabela.salvado@pra.pt

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIDA EXCECIONAL DE APOIO AO EMPREGO - REDUÇÃO DE 0,75 PONTOS PERCENTUAIS DA TAXA CONTRIBUTIVA A CARGO DA ENTIDADE EMPREGADORA

GUIA PRÁTICO MEDIDA EXCECIONAL DE APOIO AO EMPREGO - REDUÇÃO DE 0,75 PONTOS PERCENTUAIS DA TAXA CONTRIBUTIVA A CARGO DA ENTIDADE EMPREGADORA GUIA PRÁTICO MEDIDA EXCECIONAL DE APOIO AO EMPREGO - REDUÇÃO DE 0,75 PONTOS PERCENTUAIS DA TAXA CONTRIBUTIVA A CARGO DA ENTIDADE EMPREGADORA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia

Leia mais

jornadas O Novo Código do Trabalho Filipe Fraústo da Silva

jornadas O Novo Código do Trabalho Filipe Fraústo da Silva FÉRIAS, FERIADOS E FALTAS jornadas O Novo Código do Trabalho Filipe Fraústo da Silva Feriados, férias e faltas Feriados: 234 a 236 (ex-208 a 210) Férias: 237 a 247 (ex-211 a 223) Faltas: 248 a 257 (ex-224

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

Incentivos à contratação

Incentivos à contratação Incentivos à contratação A empresa poderá beneficiar de incentivos quando pretende contratar novos trabalhadores. Os incentivos de que as empresas podem usufruir quando contratam novos trabalhadores podem

Leia mais

Nota Informativa 2/2012 Maio 2012 DSAJAL/DAAL Setor Empresarial Local

Nota Informativa 2/2012 Maio 2012 DSAJAL/DAAL Setor Empresarial Local Nota Informativa 2/2012 Maio 2012 DSAJAL/DAAL Setor Empresarial Local Reduções remuneratórias I- Enquadramento ao Setor Empresarial Local O regime jurídico do setor empresarial local (SEL) 1 integra duas

Leia mais

Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo

Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo Setúbal, 28 de Introdução No âmbito das relações com o sistema desportivo, a partilha de competências entre o Estado e o movimento associativo deverá sempre

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO. Diferença entre Contrato de Trabalho e Contrato de Prestação de Serviços

CONTRATO DE TRABALHO. Diferença entre Contrato de Trabalho e Contrato de Prestação de Serviços CONTRATO DE TRABALHO O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Diferença entre Contrato de Trabalho e Contrato de Prestação de Serviços Contrato de trabalho é aquele pelo qual uma pessoa se obriga, mediante retribuição,

Leia mais

TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE

TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE Prospecto Informativo TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE ICAE NÃO NORMALIZADO Os elementos constantes deste prospecto informativo reportam-se a 31 de Dezembro de 2009 (actualização dos ns.8, 9 e 10 da Parte III)

Leia mais

Fiscalidade de Seguros

Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros (aplicável a partir de 01 de Janeiro de 2015) O presente documento tem natureza meramente informativa, de carácter necessariamente geral, e não constitui nem

Leia mais

APOIOS AO EMPREGO. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada

APOIOS AO EMPREGO. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada APOIOS AO EMPREGO Açores Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada Índice EMPREGO INTEGRA... 2 PROGRAMA DE INCENTIVO À INSERÇÃO DO ESTAGIAR L E T... 4 ESTAGIAR... 6 PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE RECONVERSÃO

Leia mais

Parecer: Direito do Trabalho / transmissão de estabelecimento

Parecer: Direito do Trabalho / transmissão de estabelecimento Hugo Tavares e Patrícia Ferreira Parecer: Direito do Trabalho / transmissão de estabelecimento VERBO jurídico VERBO jurídico Parecer: Direito do trabalho e transmissão de estabelecimento : 2 Parecer: Direito

Leia mais

Alterações ao Código do Trabalho

Alterações ao Código do Trabalho São três as alterações: Lei nº 53/2011, de 14 de Outubro Primeira alteração, revogada (parcialmente) pela terceira alteração. Lei 3/2012, de 10 de Janeiro Segunda alteração, revogada (parcialmente) pela

Leia mais

Retribuir. Compensação. Recompensa. Ordenado. Remunerar

Retribuir. Compensação. Recompensa. Ordenado. Remunerar Gestão do sistema retributivo e de sistemas de incentivos Principais objectivos Benefícios directos e indirectos; fixos e variáveis Factores que afectam a remuneração Qualificação e avaliação de funções

Leia mais

aware ANGOLAN DESK DIREITO DO TRABALHO Outubro 2010 N.1

aware ANGOLAN DESK DIREITO DO TRABALHO Outubro 2010 N.1 ANGOLAN DESK DIREITO DO TRABALHO Outubro 2010 N.1 Seminário: As Relações entre Portugal e Angola: O Investimento Angolano em Portugal 17 de Novembro de 2010, no Auditório da Abreu Advogados Reserve na

Leia mais

Cálculo das contribuições Atualizado em: 12-02-2016

Cálculo das contribuições Atualizado em: 12-02-2016 Cálculo das contribuições Atualizado em: 12-02-2016 Esta informação destina-se a SEGURANÇA SOCIAL Empresa Cálculo das contribuições O montante das contribuições é calculado: Em geral, pela aplicação de

Leia mais

GUIA PRÁTICO DO CÓDIGO DO TRABALHO:

GUIA PRÁTICO DO CÓDIGO DO TRABALHO: GUIA PRÁTICO DO CÓDIGO DO TRABALHO: NOTA: A informação contida neste Guia, não dispensa a consulta na integra, do Código do Trabalho (Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto que aguarda ainda regulamentação),

Leia mais

1. Estatuto remuneratório fixado para os Membros do Conselho de Administração

1. Estatuto remuneratório fixado para os Membros do Conselho de Administração Órgãos Sociais 1. Estatuto remuneratório fixado para os Membros do Conselho de Administração A. Competência para a Determinação Compete à Assembleia Geral a aprovação da política de remunerações dos membros

Leia mais

PRESIDENTE DA REPÚBLICA. DECRETO PRESIDENCIAL N.º 8/11 de 7 de Janeiro

PRESIDENTE DA REPÚBLICA. DECRETO PRESIDENCIAL N.º 8/11 de 7 de Janeiro REPÚBLICA DE ANGOLA PRESIDENTE DA REPÚBLICA DECRETO PRESIDENCIAL N.º 8/11 de 7 de Janeiro Considerando a necessidade de se regulamentar de modo sistemático as prestações que integram o regime jurídico

Leia mais

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático de Declaração de Remunerações (2016 V5.21) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR

Leia mais

Contratação. Contrato de trabalho

Contratação. Contrato de trabalho Contratação Contrato de trabalho O contrato de trabalho pode ser escrito ou verbal. Contudo, os seguintes contratos têm de ser reduzidos a escrito: Contrato de trabalho com trabalhador estrangeiro (exceto

Leia mais

Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO

Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO Tipo de Propriedade 1ª Habitação Residência habitual do agregado familiar (habitação própria permanente). 2ª Habitação Residência não habitual do agregado familiar

Leia mais

FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS

FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSO HUMANOS FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS OBJECTIVOS DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL A Formação Profissional tem como objectivos:

Leia mais

Revisão do Código do Trabalho Documento da APHORT

Revisão do Código do Trabalho Documento da APHORT Revisão do Código do Trabalho Documento da APHORT Considerando os seguintes documentos: - Projecto Lei 379/2008, de 2008-06-26 que procede à alteração do Código do Trabalho; e; - Versão Final para Revisão

Leia mais

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO E AS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DE TRABALHO. (Lei 23/2012 de 25 de Junho)

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO E AS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DE TRABALHO. (Lei 23/2012 de 25 de Junho) O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO E AS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DE TRABALHO (Lei 23/2012 de 25 de Junho) O QUE DEVE SABER SOBRE NECESSIDADES DE RECORRER AO TRABALHO TEMPORÁRIO O QUE DEVE SABER SOBRE

Leia mais

GANHOS MÉDIOS ABRIL 2013. Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho

GANHOS MÉDIOS ABRIL 2013. Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho GANHOS MÉDIOS ABRIL 2013 Fonte: Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho Abril 2013 Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho/GEE do MEE- Gabinete de Estratégia

Leia mais

CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC

CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC CAPÍTULO I (DISPOSIÇÕES GERAIS) 1 A existência do Fundo de Pensões dos Administradores e/ou Directores da Robbialac

Leia mais

FESETE FEDERAÇÃO DOS SINDICATOS DOS TRABALHADORES TÊXTEIS, LANIFÍCIOS, VESTUÁRIO, CALÇADO E PELES DE PORTUGAL

FESETE FEDERAÇÃO DOS SINDICATOS DOS TRABALHADORES TÊXTEIS, LANIFÍCIOS, VESTUÁRIO, CALÇADO E PELES DE PORTUGAL Exposição e Propostas da FESETE à Reunião com o Senhor Ministro do Trabalho no dia 19 de Dezembro de 2008 1. Nota Introdutória: As ITVC, em resultado do seu enquadramento num mercado global, desregulado

Leia mais

2. SEGUROS ÍNDICE. Euro ( ) Rentabilidades (%) Plano de Poupança Reforma II (PPR BIC II) - Mapfre Seguros Nota 1 (Em Comercialização) - - 200,00 -

2. SEGUROS ÍNDICE. Euro ( ) Rentabilidades (%) Plano de Poupança Reforma II (PPR BIC II) - Mapfre Seguros Nota 1 (Em Comercialização) - - 200,00 - Entrada em vigor: 01mai2015 2.1. Seguros de Poupança Euro ( ) Rentabilidades (%) Comissões (%) Plano de Poupança Reforma II (PPR BIC II) Mapfre Seguros (Em Comercialização) 1.1. Rendimento mínimo garantido

Leia mais

ExpressARTE. Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Manual da Formanda drmadorr1manda. Noções Básicas do Trabalho.

ExpressARTE. Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Manual da Formanda drmadorr1manda. Noções Básicas do Trabalho. ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Manual da Formanda drmadorr1manda Noções Básicas do Trabalho A Visão da Lei Autor: Ana Luísa Maia Título: Noções Básicas do Trabalho A Visão da

Leia mais

AUTORIZAÇÕES, COMUNICAÇÕES OU DOCUMENTAÇÃO DE ENVIO OBRIGATÓRIO À INSPECÇÃO-GERAL DO TRABALHO

AUTORIZAÇÕES, COMUNICAÇÕES OU DOCUMENTAÇÃO DE ENVIO OBRIGATÓRIO À INSPECÇÃO-GERAL DO TRABALHO AUTORIZAÇÕES, COMUNICAÇÕES OU DOCUMENTAÇÃO DE ENVIO OBRIGATÓRIO À INSPECÇÃO-GERAL DO TRABALHO Data de emissão Janeiro 2005 Data de revisão Janeiro 2005 Autor GabIGT Acesso Público 1 ÍNDICE Págs. 1. INÍCIO

Leia mais

REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE. Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional)

REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE. Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional) REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional) 1. A ERC compromete-se a criar as necessárias condições por forma a proporcionar iguais oportunidades

Leia mais

ACORDO DE EMPRESA AC, ÁGUAS DE COIMBRA, E.M. E SINTAP SINDICATO DOS TRABALHADORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ACORDO DE EMPRESA AC, ÁGUAS DE COIMBRA, E.M. E SINTAP SINDICATO DOS TRABALHADORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ACORDO DE EMPRESA AC, ÁGUAS DE COIMBRA, E.M. E SINTAP SINDICATO DOS TRABALHADORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Artigo 1.º Âmbito pessoal Título I Âmbito pessoal, vigência, denúncia e revisão 1. O presente

Leia mais