NOVAS REGRAS DO TRABALHO. Lisboa, 10 de Julho de 2012

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOVAS REGRAS DO TRABALHO. Lisboa, 10 de Julho de 2012"

Transcrição

1 NOVAS REGRAS DO TRABALHO Lisboa, 10 de Julho de 2012

2 Lei 23/2012, de 15 de Junho (altera Código do Trabalho) (início vigência 1 de Agosto de 2012)

3 OBRIGAÇÕES ADMINISTRATIVAS Isabel Valente Dias

4 OBRIGAÇÕES ADMINISTRATIVAS (ACT) Regulamento Interno (art.º 99.º/3) Eliminação da obrigação de envio à ACT A produção de efeitos do regulamento interno passa a estar condicionada apenas à publicitação do respectivo conteúdo aos trabalhadores 4

5 OBRIGAÇÕES ADMINISTRATIVAS (ACT) Comunicação de adesão ao fundo de compensação do trabalho (art.º 127.º/5) Alteração face à Lei n.º 53/2011, de 14 de Outubro: possibilidade de adesão a mecanismo equivalente Sempre que celebre contratos de trabalho, o empregador deve comunicar à ACT a adesão ao fundo de compensação do trabalho ou a mecanismo equivalente 5

6 OBRIGAÇÕES ADMINISTRATIVAS (ACT) Comunicação de elementos relativos ao empregador Eliminação da obrigação de comunicar à ACT elementos relativos à empresa, antes do início de actividade, bem como das respectivas alterações 6

7 OBRIGAÇÕES ADMINISTRATIVAS (ACT) Intervalo de descanso (art.º 213.º/4) Considera-se tacitamente deferido o requerimento de redução ou exclusão do intervalo de descanso, sempre que a ACT não se pronuncie no prazo de 30 dias 7

8 OBRIGAÇÕES ADMINISTRATIVAS (ACT) Mapa de horário de trabalho e acordos de isenção de horário Eliminação da obrigação de envio de cópia à ACT 8

9 DURAÇÃO DO TRABALHO Maria João da Luz

10 DURAÇÃO DO TRABALHO ADAPTABILIDADE DO TEMPO DE TRABALHO 10

11 ADAPTABILIDADE(S) DO TEMPO DE TRABALHO Organização do tempo de trabalho por recurso a soluções de adaptabilidade (art.ºs 204.º a 207.º) banco de horas (art.ºs 208.º a 208.º-B) horário concentrado (art.º 209.º) Característica comum cálculo médio do tempo de trabalho 11

12 BANCO DE HORAS Crédito (da titularidade - primeiro - do empregador e depois do trabalhador) de horas de trabalho, a utilizar em função das necessidades de uma das partes da relação laboral período normal de trabalho aumentado, até semanal e anual (art.ºs 208.º/2 e 208.º-A/1) limite diário, redução do tempo de trabalho prestado em excesso, por iniciativa do trabalhador e, subsidiariamente, do empregador [art.º 208.º/4, c)] 12

13 BANCO DE HORAS Adaptabilidade semelhança - lógica de compensação entre maiores e menores períodos de trabalho diferença irregularidade e imprevisibilidade da distribuição do tempo de trabalho Trabalho suplementar semelhança prestação de trabalho fora do respectivo horário diferença modos alternativos de compensação do excesso de trabalho 13

14 BANCO DE HORAS Fontes Regulamentação colectiva de trabalho banco de horas colectivo (art.º 208.º) banco de horas grupal (art.º 208.º-B/1) Acordo banco de horas individual (art.º 208.º-A) banco de horas grupal (art.º 208.º-B/2) 14

15 BANCO DE HORAS Regulamentação Colectiva (art.ºs 208.º e 208.º-B/1) Limites máximos da prestação + 4 horas diárias ou horas anuais PNT 60 horas semanais IRC deve prever, designadamente modo de compensação do trabalho prestado a mais, por exemplo através da extensão do período de férias 15

16 BANCO DE HORAS Âmbito subjectivo Regulamentação Colectiva coincidente com o do IRC (art.º 208.º) se IRC negocial (art.º 208.º-B/1) - o estabelecer e - for aplicável a 60% dos trabalhadores de equipa, secção ou unidade económica empregador pode aplicar banco de horas à totalidade dos trabalhadores da correspondente estrutura 16

17 BANCO DE HORAS Acordo (art.º 208.º-A) Limites máximos da prestação + 2 horas diárias ou horas anuais PNT 50 horas semanais 17

18 BANCO DE HORAS Forma escrita? Acordo (art.º 208.º-A) presunção de aceitação do trabalhador que não se oponha por escrito, em 14 dias, à proposta escrita do empregador 18

19 BANCO DE HORAS Conteúdo mínimo Acordo (art.º 208.º-A) modo de compensação do trabalho prestado a mais, por (i) redução do tempo de trabalho, (ii) pagamento em dinheiro ou (iii) extensão do período de férias antecedência da comunicação para prestar (mais) trabalho período em que a compensação deve ser feita (redução do tempo de trabalho por iniciativa do trabalhador ou, na sua falta, do empregador) e antecedência do respectivo aviso 19

20 BANCO DE HORAS Âmbito subjectivo individual (art.º 208.º-A) Acordo se proposta escrita do empregador for aceite por 75% dos trabalhadores de equipa, secção ou unidade económica, aquele pode aplicar banco de horas à totalidade dos trabalhadores da correspondente estrutura (CT, art.º 208.º- B/2) 20

21 BANCO DE HORAS Banco de Horas Grupal por Regulamentação Colectiva Exclusões [art.ºs 208.º-B/1 e 3 e 206.º/1, b)] trabalhador abrangido por convenção colectiva que exclua o regime trabalhador filiado em sindicato oponente da extensão administrativa da convenção colectiva que preveja o regime (se portaria de extensão não chegar a ser emitida) após o termo de vigência (ou no final do ano de vigência) do IRC negocial, quando o número de trabalhadores por ele abrangidos seja inferior a 60% 21

22 BANCO DE HORAS Banco de Horas Grupal por Acordo Exclusões (art.ºs 208.º-B/2 e 3 e 206.º/3) trabalhador abrangido por convenção colectiva que exclua o regime quando alteração da composição da equipa, secção ou unidade económica torne inferior a 75% do total o número de aderentes (expressamente ou por falta de oposição a proposta do empregador) ao acordo 22

23 DURAÇÃO DO TRABALHO TEMPO DE TRABALHO E PERÍODO DE DESCANSO 23

24 TRABALHO E DESCANSO Período de Trabalho Diário Em jornada diária superior a dez horas, trabalhador pode prestar até seis horas consecutivas de trabalho (art.º 213.º/1) 24

25 TRABALHO E DESCANSO Descanso Compensatório Supressão, excepto quanto à compensação do trabalho suplementar prestado: - em dia de descanso semanal obrigatório (art.º 229.º/1 e 2) - impeditivo do gozo de descanso diário (art.º 229.º/3) Nulidade de cláusulas contrárias constantes de IRC ou contrato de trabalho celebrados antes da entrada em vigor da nova Lei (Lei n.º 23/2012, art.º 7.º/2) 25

26 TRABALHO E DESCANSO Feriados Supressão dos feriados de (art.º 234.º/1) Corpo de Deus 5 de Outubro 1 de Novembro 1 de Dezembro 26

27 TRABALHO E DESCANSO Duração e Marcação de Férias Supressão do acréscimo de férias em função da assiduidade (art.º 238.º/3) redução equivalente, até três dias, de majoração do período anual de férias constante de IRC ou contrato de trabalho posterior a (Lei n.º 23/2012, art.º 7.º/3) Dias úteis de férias coincidem com os dias em que o trabalho é prestado (art.º 238.º/3) 27

28 TRABALHO E DESCANSO Marcação de Férias Encerramento da empresa em dias de ponte vale como férias [art.º 242.º/2, b)] dever de informação aos trabalhadores até 15 de Dezembro do ano transacto (art.º 242.º/3) 28

29 DURAÇÃO DO TRABALHO TEMPO DE TRABALHO E RETRIBUIÇÃO 29

30 TEMPO DE TRABALHO E RETRIBUIÇÃO Custo do Trabalho Diminuição para metade do valor do acréscimo devido pela prestação de trabalho suplementar (art.º 268.º/1) Diminuição para 50% do acréscimo devido pela prestação de trabalho em dia feriado, em empresa em funcionamento nesse dia (art.º 269.º/2) suspensão por dois anos de cláusulas contrárias constantes de IRC ou contrato de trabalho (Lei n.º 23/2012, art.º 7.º/4) 30

31 CONTRATO DE TRABALHO A TERMO Paula Ribeiro Farinha

32 Lei 23/2012, de 25/6 Alterações - contrato de trabalho a termo de muito curta duração - definição das condições de alinhamento do valor das compensações entre contratos a termo celebrados antes e depois de 1/11/2011 e compatibilização com o regime de renovação extraordinária

33 Contrato de trabalho de muito curta duração a) Aumento do período máximo de duração de cada contrato Regime vigente 1 semana Novo regime [art.º 142.º] 15 dias b) Aumento do período de duração máxima anual Regime vigente 60 dias/ano civil Novo regime [art.º 142.º] 70 dias/ano civil

34 Renovação extraordinária de contrato a termo certo Âmbito de aplicação (Lei n.º 3/2012, de 10/1) - contrato de trabalho a termo certo - celebrado após 17 de Fevereiro de que atinja os limites máximos da sua duração até 30 de Junho de 2013

35 Renovação extraordinária de contrato a termo certo Regime previsto no Código do Trabalho Duplo limite: Número máximo de renovações: 3 Duração máxima: 3 anos, 2 anos ou 18 meses

36 Renovação extraordinária de contrato a termo certo Regime excepcional (Lei n.º 3/2012, de 10/1) 2 renovações extraordinárias adicionais sujeitas aos seguintes limites: Duração de cada renovação 1/6 da duração máxima do contrato de trabalho a termo certo ou da sua duração efectiva, conforme a que for inferior Duração total das duas renovações 18 meses Data da caducidade do contrato sujeito às renovações extraordinárias: até 31 de Dezembro de 2014

37 Compensação por Caducidade Regras aplicáveis a todos os contratos a termo, incluindo os a termo certo que sejam objecto de renovação extraordinária Artigo 6.º da Lei 23/2012

38 Compensação por Caducidade Contratos a termo celebrados depois de 1 de Novembro de dias de retribuição base e diuturnidades por cada ano completo de antiguidade - Valor máximo da retribuição base mensal e diuturnidades a considerar a 20 vezes a retribuição mínima mensal garantida (hoje, 9.700) - Valor diário de retribuição base e diuturnidades = 1/30 da retribuição base mensal e diuturnidades - Fracção de ano de antiguidade calculada proporcionalmente

39 Compensação por Caducidade Contratos a termo celebrados antes de 1 de Novembro de 2011 Até 31 de Outubro de 2012 ou até à 1ª renovação extraordinária quando anterior àquela data: 3 ou 2 dias de retribuição base e diuturnidades por cada mês de duração do contrato, consoante esta não exceda ou seja superior a 6 meses A partir de 1 de Novembro de 2012 ou da 1ª renovação extraordinária quando anterior àquela data: 20 dias de retribuição base e diuturnidades por cada ano completo de antiguidade (fórmula de cálculo idêntica à aplicável aos contratos celebrados depois de 1 de Novembro de 2011)

40 Exemplos práticos Celebração: Exemplo 1 1 Abril 2009 [12 meses] Compensação por caducidade: 1.ª Renovação: 1 Abril 2010 [12 meses] 2 dias de retribuição base e 2.ª Renovação: 1 Abril 2011 [12 meses] diuturnidades * 36 meses 1.ª Ren. Extra.: 1 Abril 2012 [6 meses] 2.ª Ren. Extra.: 1 Outubro 2012 [12 meses] Caducidade: 30 Setembro dias de retribuição base e diuturnidades * 1 ano e meio

41 Exemplos práticos Exemplo 2 (trabalhador à procura de primeiro emprego) Celebração: 1 Dezembro 2011 [6 meses] 1.ª Renovação: 1 Junho 2012 [6 meses] 2.ª Renovação: 1 Dezembro 2012 [6 meses] 1.ª Ren. Extra.: 1 Junho 2013 [12 meses] Compensação por caducidade: 20 dias de retribuição base e diuturnidades * 3 anos 2.ª Ren. Extra.: 1 Junho 2014 [6 meses] Caducidade: 30 Novembro 2014

42 Exemplos práticos Exemplo 3 (início de laboração de empresa ou estabelecimento) Celebração: 1 Janeiro 2011 [6 meses] 1.ª Renovação: 1 Julho 2011 [6 meses] 2.ª Renovação: 1 Janeiro 2012 [6 meses] 3.ª Renovação: 1 Julho 2012 [6 meses] Compensação por caducidade: 2 dias de retribuição base e diuturnidades * 24 meses 1.ª Ren. Extra.: 1 Janeiro 2013 [12 meses] 2.ª Ren. Extra.: 1 Janeiro 2014 [6 meses] Caducidade: 30 Junho dias de retribuição base e diuturnidades * 1 ao e meio

43 DESPEDIMENTO Pedro Pardal Goulão

44 Despedimento por extinção de posto de trabalho

45 Despedimento por inadaptação

46 COMPENSAÇÃO POR CESSAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO Pedro Pardal Goulão

47 Compensação por cessação do contrato de trabalho Artigo 366 º Âmbito de aplicação das novas regras Contratos celebrados a partir de 1 de Novembro de 2011 [366.º Código do Trabalho] Contratos celebrados antes de 1 de Novembro de 2011 [366.º Código do Trabalho com os ajustamentos do artigo 6.º da Lei n.º 23/2012 de 25 de Junho]

48 Despedimento colectivo Compensação por cessação do contrato de trabalho Extinção do posto de trabalho Despedimento por inadaptação Formas de cessação abrangidas Resolução com justa causa pelo trabalhador, por alteração do respectivo local de trabalho Cessação de comissão de serviço Caducidade de contrato de trabalho a termo (certo e incerto) Caducidade de contrato de trabalho por encerramento de empresa, dissolução da pessoa colectiva empregadora, por administrador da insolvência antes do encerramento etc.

49 Compensação por cessação do contrato de trabalho Artigo 366.º (redacção da Lei 23/2012 de 25 Junho) Montante 20 dias de retribuição base e diuturnidades por cada ano de antiguidade (*) (correspondente a 1,67 dias por cada mês) Valor diário é o resultante da divisão por 30 da retribuição base mensal e diuturnidades (RBM + D / 30) Anterior Regra geral: Contrato a termo: 1 mês de retribuição base e diuturnidades por cada ano de antiguidade 3 ou 2 dias de retribuição base e diuturnidades por cada mês de duração do contrato ( ou > 6 meses) (*) Em caso de fracção de ano o montante calcula-se proporcionalmente

50 Compensação por cessação do contrato de trabalho Regras de cálculo (limites) Valor da retribuição base e diuturnidades limitado a 20 vezes a retribuição mínima mensal garantida (em 2012 = 9.700) Montante total da compensação limitado a 12 vezes a retribuição base mensal e diuturnidades [ou] Quando aplicável o limite de 20 vezes a RMM garantida ( 9.700), montante total da compensação limitado a 240 vezes a RMM (em 2012 = )

51 Compensação por cessação do contrato de trabalho Contratos celebrados antes de 1 de Novembro de 2011 Contratos celebrados antes de 1 de Novembro de 2011 Período de duração até 31/10/ mês (RB + D) por cada ano completo de antiguidade Limite mínimo (total) da compensação 3 meses (RB + D) Período de duração a partir de 01/11/ dias (RB + D) por cada ano completo de antiguidade Limites máximos já mencionados (art. 6.º Lei 23/2012)

52 Compensação por cessação do contrato de trabalho Contratos celebrados antes de 1 de Novembro de 2011 Quando a compensação respeitante ao período de duração do contrato até 31/10/2012 seja igual ou superior a: 12 x RB + D (do trabalhador) (trabalhadores com 12 anos completos de antiguidade ou mais) ou 240 x RMMG (em 2012 = ) Não é aplicável compensação para o período de duração do contrato a partir de 01/11/2012

53 Compensação por cessação do contrato de trabalho Contratos celebrados antes de 1 de Novembro de 2011 Quando a compensação respeitante ao período de duração do contrato até 31/10/2012 não atinja: 12 x RB + D (do trabalhador) (trabalhadores com 12 anos completos de antiguidade ou mais) ou 240 x RMMG (em 2012 = ) O montante global da compensação (i.e. a respeitante ao período até 31/10/2012 somada à respeitante ao período a partir de 01/11/2012) fica sujeita a esses limites máximos

54

Alterações ao Código do Trabalho

Alterações ao Código do Trabalho São três as alterações: Lei nº 53/2011, de 14 de Outubro Primeira alteração, revogada (parcialmente) pela terceira alteração. Lei 3/2012, de 10 de Janeiro Segunda alteração, revogada (parcialmente) pela

Leia mais

Alterações ao Código do Trabalho A partir de 1 de Agosto de 2012

Alterações ao Código do Trabalho A partir de 1 de Agosto de 2012 Alterações ao Código do Trabalho A partir de 1 de Agosto de 2012 A Lei nº 23/2012, de 25 de Junho procede à terceira alteração ao Código do Trabalho, aprovado pela Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro. Principais

Leia mais

NOVAS REGRAS DO TRABALHO. Funchal, 27 de Setembro de 2012

NOVAS REGRAS DO TRABALHO. Funchal, 27 de Setembro de 2012 NOVAS REGRAS DO TRABALHO Funchal, 27 de Setembro de 2012 Lei 23/2012, de 15 de Junho (altera Código do Trabalho) (início vigência 1 de Agosto de 2012) OBRIGAÇÕES ADMINISTRATIVAS Cátia Henriques Fernandes

Leia mais

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO Agosto de 2012 Leis n. os 23/2012, de 25 de junho e 47/2012, de 29 de agosto TRABALHO DE MENORES Requisitos de admissão de menor a prestar trabalho no tocante

Leia mais

Código do Trabalho Valor da compensação devida pela cessação do contrato de trabalho

Código do Trabalho Valor da compensação devida pela cessação do contrato de trabalho o valor da trabalho No Diário da República - 1. ª Série - n.º 167, de 30 de agosto de 2013, foi publicada a Lei n.º 69/2013, que procede à quinta alteração ao Código do Trabalho (CT), aprovado pela Lei

Leia mais

As principais novidades da Reforma do Código do Trabalho A Lei n.º 23/2012 de 25 de Junho

As principais novidades da Reforma do Código do Trabalho A Lei n.º 23/2012 de 25 de Junho As principais novidades da Reforma do Código do Trabalho A Lei n.º 23/2012 de 25 de Junho A tão aguardada e falada terceira alteração ao Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009 de 12 de Fevereiro,

Leia mais

Organização do Tempo de Trabalho

Organização do Tempo de Trabalho Organização do Tempo de Trabalho de PAULA CALDEIRA DUTSCHMANN de 2012 ÍNDICE BANCOS DE HORAS INTERRUPÇÃO DO FÉRIAS E PONTES FALTAS FERIADOS BANCO DE HORAS Criação do banco de horas individual, por acordo

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Lei n.º 69/2013 de 30 de agosto

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Lei n.º 69/2013 de 30 de agosto ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 69/2013 de 30 de agosto Quinta alteração ao Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro, ajustando o valor da compensação devida pela cessação do

Leia mais

Lei n.º 69/2013. de 30 de agosto

Lei n.º 69/2013. de 30 de agosto Lei n.º 69/2013 de 30 de agosto Quinta alteração ao Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro, ajustando o valor da compensação devida pela cessação do contrato de trabalho A

Leia mais

FACTURAS E DOCUMENTOS DE TRANSPORTE *** ÚLTIMAS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO

FACTURAS E DOCUMENTOS DE TRANSPORTE *** ÚLTIMAS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO FACTURAS E DOCUMENTOS DE TRANSPORTE *** ÚLTIMAS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO FACTURAS E DOCUMENTOS DE TRANSPORTE Decreto-Lei 197/2012, de 24/8: Transpõe artº 4º da Directiva 2008/8/CE, de 13/2, e Directiva

Leia mais

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO 1/8/2012 (Lei 23/2012 de 25/6) Amaro Jorge Advogado I Art.º 99º - (Regulamento Interno de Empresa) O empregador deixa de ser obrigado a enviar o regulamento

Leia mais

Direito a férias (art.ºs 237º ss do Código de Trabalho)

Direito a férias (art.ºs 237º ss do Código de Trabalho) Direito a férias (art.ºs 237º ss do Código de Trabalho) Nos termos do Código de Trabalho ( CT ) em vigor, aprovado pela Lei nº 07/2009 de 12/02, com as alterações introduzidas pela Lei n.º 23/2012, de

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Lei n.º 23/2012 de 25 de junho

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Lei n.º 23/2012 de 25 de junho ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 23/2012 de 25 de junho Procede à terceira alteração ao Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

DIREITO LABORAL ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 602/2013 DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL

DIREITO LABORAL ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 602/2013 DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL DIREITO LABORAL ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 602/2013 DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL O ACÓRDÃO Nº 602/2013 DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL (TC), COM DATA DE 20 DE SETEMBRO RESPONDE A UM PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO ABSTRACTA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PROPOSTA DE LEI N.º 2/XII/1.ª. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PROPOSTA DE LEI N.º 2/XII/1.ª. Exposição de Motivos PROPOSTA DE LEI N.º 2/XII/1.ª Exposição de Motivos Em sede da Comissão Permanente de Concertação Social foi firmado, em 22 de Março de 2011, entre o Governo e a maioria dos Parceiros Sociais, o Acordo

Leia mais

Aspetos legislativos, no domínio sócio-laboral

Aspetos legislativos, no domínio sócio-laboral Aspetos legislativos, no domínio sócio-laboral Lei n.º 53/2011, de 14 de outubro, que procede à segunda alteração ao Código do Trabalho, aprovado em anexo à Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro, estabelecendo

Leia mais

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO E AS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DE TRABALHO. (Lei 23/2012 de 25 de Junho)

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO E AS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DE TRABALHO. (Lei 23/2012 de 25 de Junho) O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO E AS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DE TRABALHO (Lei 23/2012 de 25 de Junho) O QUE DEVE SABER SOBRE NECESSIDADES DE RECORRER AO TRABALHO TEMPORÁRIO O QUE DEVE SABER SOBRE

Leia mais

15-02-12 - Vão mudar regras aplicáveis aos despedimentos

15-02-12 - Vão mudar regras aplicáveis aos despedimentos 15-02-12 - Vão mudar regras aplicáveis aos despedimentos Esperam-se para breve alterações ao regime de cessação do contrato de trabalho por motivos objetivos, por via da proposta de lei que aguarda aprovação

Leia mais

Obrigações Patronais

Obrigações Patronais Obrigações Patronais Registo de tempo de trabalho a) Manter, em local acessível e por forma que permita a sua consulta imediata, um registo que permita apurar o número de horas de trabalho prestadas pelo

Leia mais

Súmula das Alterações ao Código de Trabalho

Súmula das Alterações ao Código de Trabalho Súmula das Alterações ao Código de Trabalho Foi publicada a Lei 23/2012 a 25 de Junho, que procede à 3.ª alteração ao Código do Trabalho. As alterações efectuadas incidem fundamentalmente em 3 áreas: A)

Leia mais

Orientação Normativa N.º 1/2004, de 20/02/2004 Módulo de Férias do Manual de Formação Técnica RH

Orientação Normativa N.º 1/2004, de 20/02/2004 Módulo de Férias do Manual de Formação Técnica RH ORIENTAÇÃO NORMATIVA N.º 2/2009 Data: 25 de Maio de 2009 RECURSOS HUMANOS Assunto: FÉRIAS Enquadramento Convencional e Legal: Acordo de Empresa Código do Trabalho Revogações: Orientação Normativa N.º 1/2004,

Leia mais

NOTA: ESTE DOCUMENTO DEVERÁ ESTAR EXPOSTO DE 15 DE ABRIL A 31 DE OUTUBRO

NOTA: ESTE DOCUMENTO DEVERÁ ESTAR EXPOSTO DE 15 DE ABRIL A 31 DE OUTUBRO Mapa de Férias O mapa de Férias tem que ser elaborado até ao dia 15 de Abril. O mapa de férias com a indicação do início e fim dos períodos de férias de cada trabalhador deve ser elaborado até ao dia 15

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 3158 Diário da República, 1.ª série N.º 121 25 de junho de 2012 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 23/2012 de 25 de junho Procede à terceira alteração ao Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009,

Leia mais

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda.

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda. Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda. TÓPICOS: LEI Nº 23/2012 DE 25 DE JUNHO AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES 1. Organização do tempo de trabalho 2. Flexibilização do tempo de Trabalho - Banco de Horas

Leia mais

TRABALHO TEMPORÁRIO. Trabalho Temporário assenta numa relação triangular traduzida nos seguintes contratos:

TRABALHO TEMPORÁRIO. Trabalho Temporário assenta numa relação triangular traduzida nos seguintes contratos: TRABALHO TEMPORÁRIO O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Trabalho Temporário assenta numa relação triangular traduzida nos seguintes contratos: Contrato de Trabalho Temporário Celebrados entre Ou uma empresa de

Leia mais

DESPEDIMENTO POR EXTINÇÃO DE POSTO DE TRABALHO

DESPEDIMENTO POR EXTINÇÃO DE POSTO DE TRABALHO DESPEDIMENTO POR EXTINÇÃO DE POSTO DE TRABALHO (Explicação do procedimento nos termos do Cód. Trabalho Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro, com as alterações introduzidas pela Lei nº 23/2012, de 25 de junho)

Leia mais

DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO I - CONCEITOS E DEFINIÇÕES

DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO I - CONCEITOS E DEFINIÇÕES DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES I - CONCEITOS E DEFINIÇÕES Tempo de Trabalho qualquer período durante o qual o trabalhador está a desempenhar a actividade ou permanece

Leia mais

Trabalho suplementar e Banco de horas

Trabalho suplementar e Banco de horas Trabalho suplementar e Banco de horas INTRODUÇÃO Sem grandes considerações jurídicas acerca do Direito do Trabalho, é consabido que esta é uma área que se encontra muito próxima do indivíduo, desenvolvendo-se,

Leia mais

TRABALHADOR - ESTUDANTE

TRABALHADOR - ESTUDANTE TRABALHADOR - ESTUDANTE O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Trabalhador-Estudante Trabalhador que frequenta qualquer nível de educação escolar, bem como curso de pós-graduação, mestrado ou doutoramento em instituição

Leia mais

A NOVA REDUÇÃO DAS COMPENSAÇÕES ASSOCIADAS À CESSAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO LEI N.º 69/2013, DE 30 DE AGOSTO

A NOVA REDUÇÃO DAS COMPENSAÇÕES ASSOCIADAS À CESSAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO LEI N.º 69/2013, DE 30 DE AGOSTO 19 de setembro 2013 A NOVA REDUÇÃO DAS COMPENSAÇÕES ASSOCIADAS À CESSAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO LEI N.º 69/2013, DE 30 DE AGOSTO 1. REGRAS GERAIS A Lei n.º 69/2013, de 30 de agosto, estabeleceu uma nova

Leia mais

< 2003 LCT LCCT LFFF. Código do Trabalho L.7/2009. Código do Trabalho L.99/2003. Código do Trabalho PL46/XXII

< 2003 LCT LCCT LFFF. Código do Trabalho L.7/2009. Código do Trabalho L.99/2003. Código do Trabalho PL46/XXII PAINEL I APRESENTAÇÃO E CALENDARIZAÇÃO DE ALTERAÇÕES LABORAIS Oradora: Anabela Aguilar Salvado 1 PAINEL I APRESENTAÇÃO E CALENDARIZAÇÃO DE ALTERAÇÕES LABORAIS Oradora: Anabela Aguilar Salvado anabela.salvado@pra.pt

Leia mais

Advocacia e Cidadania FLEXIBILIDADE TEMPORAL

Advocacia e Cidadania FLEXIBILIDADE TEMPORAL FLEXIBILIDADE TEMPORAL INTERVENÇÃO DO LEGISLADOR Definição de Princípios Gerais Transposição de Directivas Comunitárias Papel principal dos Instrumentos de Regulamentação Colectiva de Trabalho O QUE MANTÉM...

Leia mais

Parecer: Direito do Trabalho / transmissão de estabelecimento

Parecer: Direito do Trabalho / transmissão de estabelecimento Hugo Tavares e Patrícia Ferreira Parecer: Direito do Trabalho / transmissão de estabelecimento VERBO jurídico VERBO jurídico Parecer: Direito do trabalho e transmissão de estabelecimento : 2 Parecer: Direito

Leia mais

Atualidade Laboral. A nova redução das compensações em caso de cessação do contrato de trabalho Lei n.º 69/2013, de 30 de agosto

Atualidade Laboral. A nova redução das compensações em caso de cessação do contrato de trabalho Lei n.º 69/2013, de 30 de agosto Atualidade Laboral A nova redução das compensações em caso de cessação do contrato de trabalho Lei n.º 69/2013, de 30 de agosto David Carvalho Martins Advogado da Gómez-Acebo & Pombo A nova Lei consagra

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho entre menores com 16 anos de idade

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015 S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015 Considerando que nos termos do disposto na Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas o empregador público deve elaborar regulamentos

Leia mais

COMPROMISSO TRIPARTIDO PARA O CRESCIMENTO, A COMPETITIVIDADE E O EMPREGO

COMPROMISSO TRIPARTIDO PARA O CRESCIMENTO, A COMPETITIVIDADE E O EMPREGO COMPROMISSO TRIPARTIDO PARA O CRESCIMENTO, A COMPETITIVIDADE E O EMPREGO COMPARAÇÃO COM O COM A O QUE DIZ O COM A DESPEDIMENTOS - Nova forma de despedimento por não serem atingidos objectivos previamente

Leia mais

ASSUNTO:- Exigências impostas aos empregadores pelo Código do Trabalho

ASSUNTO:- Exigências impostas aos empregadores pelo Código do Trabalho ASSUNTO:- Exigências impostas aos empregadores pelo Código do Trabalho Em 1 de Dezembro de 2003, entrou em vigor o Código do Trabalho (C.T.) aprovado pela Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto, que se encontra

Leia mais

ACORDO SOBRE TRABALHO EXTRAORDINÁRIO (MODELO) (Por solicitação prévia do empregador, obtido o consentimento do trabalhador)

ACORDO SOBRE TRABALHO EXTRAORDINÁRIO (MODELO) (Por solicitação prévia do empregador, obtido o consentimento do trabalhador) ACORDO SOBRE TRABALHO EXTRAORDINÁRIO (MODELO) (Por solicitação prévia do empregador, obtido o consentimento do trabalhador) O trabalhador, portador do Bilhete de Identidade de Residente de Macau nº, concorda

Leia mais

A AICCOPN NÃO SE RESPONSABILIZA PELA INSUFICIENTE OU INDEVIDA ADAPTAÇÃO DO CLAUSULADO.

A AICCOPN NÃO SE RESPONSABILIZA PELA INSUFICIENTE OU INDEVIDA ADAPTAÇÃO DO CLAUSULADO. SEDE: Rua Álvares Cabral, 306 4050-040 PORTO Telefone: 22 340 22 00 Fax: 22 340 22 97 www.aiccopn.pt E-mail: geral@aiccopn.pt ADVERTE-SE QUE A PRESENTE MINUTA CONSTITUI APENAS UM EXEMPLO PELO QUE DEVERÁ

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO COLECTIVA DE TRABALHO I INSTRUMENTOS DE REGULAMENTAÇÃO COLECTIVA DE TRABALHO. Os Instrumentos de Regulamentação Colectiva podem ser:

REGULAMENTAÇÃO COLECTIVA DE TRABALHO I INSTRUMENTOS DE REGULAMENTAÇÃO COLECTIVA DE TRABALHO. Os Instrumentos de Regulamentação Colectiva podem ser: REGULAMENTAÇÃO COLECTIVA DE TRABALHO O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Tipos de IRCT I INSTRUMENTOS DE REGULAMENTAÇÃO COLECTIVA DE TRABALHO Os Instrumentos de Regulamentação Colectiva podem ser: Art.º 2.º do

Leia mais

Contrato de trabalho celebrado com trabalhador não residente (Modelo)

Contrato de trabalho celebrado com trabalhador não residente (Modelo) Contrato de trabalho celebrado com trabalhador não residente (Modelo) O primeiro outorgante O segundo outorgante Entre [Nome do empregador/seu representante legal] (1), com domicílio ou sede em, portador

Leia mais

MINUTA CONTRATO DE TRABALHO A TERMO CERTO * MINUTA CONTRATO DE TRABALHO A TERMO CERTO POR TEMPO PARCIAL*

MINUTA CONTRATO DE TRABALHO A TERMO CERTO * MINUTA CONTRATO DE TRABALHO A TERMO CERTO POR TEMPO PARCIAL* ADVERTE-SE QUE A PRESENTE MINUTA CONSTITUI APENAS UM EXEMPLO PELO QUE DEVERÁ A MESMA SER ADAPTADA CASO A CASO, EM FUNÇÃO DO QUE, EM CONCRETO, FOR ACORDADO. MINUTA CONTRATO DE TRABALHO A TERMO CERTO * MINUTA

Leia mais

Contratação. Contrato de trabalho

Contratação. Contrato de trabalho Contratação Contrato de trabalho O contrato de trabalho pode ser escrito ou verbal. Contudo, os seguintes contratos têm de ser reduzidos a escrito: Contrato de trabalho com trabalhador estrangeiro (exceto

Leia mais

CAPÍTULO I Âmbito e Vigência

CAPÍTULO I Âmbito e Vigência Acordo Coletivo de Entidade Empregadora Pública entre o Município de Vila do Porto e o STAL Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local e Regional, Empresas Públicas, Concessionárias e

Leia mais

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE NECESSIDADES DE RECORRER AO TRABALHO TEMPORÁRIO As Empresas de Trabalho

Leia mais

CESSAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO

CESSAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO CESSAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Modalidades: Caducidade Revogação (mútuo acordo) Art.º 340.º do CT Por iniciativa do empregador o Despedimento por facto imputável ao trabalhador

Leia mais

FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS

FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSO HUMANOS FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS OBJECTIVOS DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL A Formação Profissional tem como objectivos:

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE PRESTAÇÃO DE TRABALHO DE HORÁRIOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DOS REGIMES DE PRESTAÇÃO DE TRABALHO DE HORÁRIOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DOS REGIMES DE PRESTAÇÃO DE TRABALHO DE HORÁRIOS DO O Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL), é um Estabelecimento de Ensino Superior Público cujo período de funcionamento, de aulas

Leia mais

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE. Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho)

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE. Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho) ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho) Artigo 17.º (Trabalhador-estudante) O disposto nos artigos 81.º e 84.º do Código do Trabalho assim como

Leia mais

Contratação de trabalhadores e de estagiários: principais opções

Contratação de trabalhadores e de estagiários: principais opções Contratação de trabalhadores e de estagiários: principais opções David Carvalho Martins Advogado responsável pela área de Direito do Trabalho da Gómez-Acebo & Pombo em Portugal Inês Garcia Beato Advogada

Leia mais

O Código do Trabalho e a Legislação da Segurança Social na Vida das Empresas

O Código do Trabalho e a Legislação da Segurança Social na Vida das Empresas O Código do Trabalho e a Legislação da Segurança Social na Vida das Empresas ação de Formação Brochura a O Código do Trabalho e a Legislação da Segurança Social na Vida das Empresas objetivos da ação de

Leia mais

Impacto das alterações ao Código do Trabalho na vida das Organizações

Impacto das alterações ao Código do Trabalho na vida das Organizações Impacto das alterações ao Código do Trabalho na vida das Organizações ÍNDICE 01 Acórdão n.º 602/2013, de 20 de Setembro, do Tribunal Constitucional Consequências 02 Lei n.º 69/2013, de 30 de Agosto Compensações

Leia mais

jornadas O Novo Código do Trabalho Filipe Fraústo da Silva

jornadas O Novo Código do Trabalho Filipe Fraústo da Silva FÉRIAS, FERIADOS E FALTAS jornadas O Novo Código do Trabalho Filipe Fraústo da Silva Feriados, férias e faltas Feriados: 234 a 236 (ex-208 a 210) Férias: 237 a 247 (ex-211 a 223) Faltas: 248 a 257 (ex-224

Leia mais

FEDERAÇÃO NACIONAL DOS MÉDICOS

FEDERAÇÃO NACIONAL DOS MÉDICOS Comissão Tripartida. Proposta de Nova FAQ Referente ao Regime do Descanso Compensatório por Trabalho Normal Prestado ao Domingo, Feriado e Dia de Descanso, Após a apresentação na Comissão Tripartida do

Leia mais

TRABALHO TEMPORÁRIO & CEDÊNCIA OCASIONAL

TRABALHO TEMPORÁRIO & CEDÊNCIA OCASIONAL TRABALHO TEMPORÁRIO & CEDÊNCIA OCASIONAL 1 Sede Legal Lei n.º 19/2007, de 22.05 (LTT) [art.ºs 1º, 2º/a) a c); 3º a 5º; 6º/1, 3 a 8 e 10; 8º a 12º; 13º/1 e 4; 41º; 43º; 44º (parcialmente); 45º/2, a) a c)

Leia mais

Código do Trabalho Anotado

Código do Trabalho Anotado Código do Trabalho Anotado Revisto pelas LEI Nº 7/2009, DE 12 DE FEVEREIRO LEI Nº 105/2009, DE 14 DE SETEMBRO LEI Nº 53/2011, DE 14 DE OUTUBRO LEI Nº 23/2012, DE 25 DE JUNHO LEI Nº 47/2012, DE 29 DE AGOSTO

Leia mais

3. Período Experimental Saiba quanto tempo pode durar o período experimental e quais os seus direitos.

3. Período Experimental Saiba quanto tempo pode durar o período experimental e quais os seus direitos. 1. Introdução Conheça os direitos e as obrigações inerentes aos vários tipos de contrato laboral, assim como as várias modalidades de despedimentos. 2. Tipos de contratos que existem O Código do Trabalho

Leia mais

GUIA PRÁTICO DO CÓDIGO DO TRABALHO:

GUIA PRÁTICO DO CÓDIGO DO TRABALHO: GUIA PRÁTICO DO CÓDIGO DO TRABALHO: NOTA: A informação contida neste Guia, não dispensa a consulta na integra, do Código do Trabalho (Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto que aguarda ainda regulamentação),

Leia mais

Informação 2013 / 18 15/10/2013. Fundos de Compensação do Trabalho (FGCT, FCT, ME)

Informação 2013 / 18 15/10/2013. Fundos de Compensação do Trabalho (FGCT, FCT, ME) Informação 2013 / 18 15/10/2013 Fundos de Compensação do Trabalho (FGCT, FCT, ME) Estimado Cliente, A Lei nº 70/2013, de 30 de agosto, veio consagrar os regimes jurídicos do Fundo de Compensação do Trabalho

Leia mais

O CONTRATO INDI- VIDUAL DE TRAB- ALHO NA ADMINIST- RAÇÃO PÚBLICA. Aplica-se a legislação Geral do Trabalho. (Código de Trabalho)

O CONTRATO INDI- VIDUAL DE TRAB- ALHO NA ADMINIST- RAÇÃO PÚBLICA. Aplica-se a legislação Geral do Trabalho. (Código de Trabalho) O QUE DIZ O CÓDIGO DE TRABALHO - PRIVADO (IPSS) - O CONTRATO INDI- VIDUAL DE TRAB- ALHO NA ADMINIST- RAÇÃO PÚBLICA Regime da Função Pública FALTAS As ausências inferiores a um dia são somadas até perfazerem

Leia mais

NOVAS FORMAS DE CONTRATAÇÃO REGIME DO CONTRATO DE TRABALHO A TERMO. Paula Caldeira Dutschmann Advogada

NOVAS FORMAS DE CONTRATAÇÃO REGIME DO CONTRATO DE TRABALHO A TERMO. Paula Caldeira Dutschmann Advogada NOVAS FORMAS DE CONTRATAÇÃO REGIME DO CONTRATO DE TRABALHO A TERMO Paula Caldeira Dutschmann Advogada NOÇÃO DE CONTRATO DE TRABALHO Aperfeiçoa-se a presunção da existência de subordinação jurídica e a

Leia mais

Código do Trabalho. SUBSECÇÃO VIII Trabalhador-estudante Artigo 89.º. Artigo 90.º. Noção de trabalhador-estudante

Código do Trabalho. SUBSECÇÃO VIII Trabalhador-estudante Artigo 89.º. Artigo 90.º. Noção de trabalhador-estudante SUBSECÇÃO VIII Trabalhador-estudante Artigo 89.º Noção de trabalhador-estudante Código do Trabalho 1 Considera-se trabalhador-estudante o trabalhador que frequenta qualquer nível de educação escolar, bem

Leia mais

Acordo colectivo de trabalho n.º 8/2010

Acordo colectivo de trabalho n.º 8/2010 Acordo colectivo de trabalho n.º 8/2010 Acordo colectivo de entidade empregadora pública celebrado entre a Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública e a Administração Central do Sistema de Saúde,

Leia mais

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEERIO PALESTRA HORAS

Leia mais

DENÚNCIA E CADUCIDADE DE CONTRATO DE TRABALHO A TERMO RESOLUTIVO NO ENSINO PÚBLICO E PARTICULAR/COOPERATIVO

DENÚNCIA E CADUCIDADE DE CONTRATO DE TRABALHO A TERMO RESOLUTIVO NO ENSINO PÚBLICO E PARTICULAR/COOPERATIVO CONTRATO A TERMO - 1 DENÚNCIA E CADUCIDADE DE CONTRATO DE TRABALHO A TERMO RESOLUTIVO NO ENSINO PÚBLICO E PARTICULAR/COOPERATIVO 1. ENSINO PÚBLICO (O regime aplicável à cessação dos contratos a termo é

Leia mais

Oportunidades de investimento na China

Oportunidades de investimento na China Setembro 2012 China Oportunidades de investimento na China Aspectos laborais As relações de trabalho na China mostram-se hoje reguladas por um quadro legal estável e bem implementado que tem contribuído

Leia mais

AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO. (introduzidas pela Lei nº 23/2012, de 25 de Junho)

AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO. (introduzidas pela Lei nº 23/2012, de 25 de Junho) AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO (introduzidas pela Lei nº 23/2012, de 25 de Junho) INTRODUÇÃO Face à relevância prática das alterações introduzidas ao Direito do Trabalho pela Lei nº 23/2012,

Leia mais

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE Data de emissão Janeiro 2005 Data de revisão Janeiro 2005 Autor GabIGT Acesso Público ÍNDICE Págs. 1. Quem é considerado trabalhador estudante? 3 2. Como se pode beneficiar

Leia mais

NEWSLETTER Fevereiro 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014

NEWSLETTER Fevereiro 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014 NEWSLETTER Fevereiro 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014 Índice 1. INTRODUÇÃO 3 2. ALTERAÇÕES SEGURANÇA SOCIAL 4 3. BASES DE INCIDÊNCIA 6 3 1. Introdução Com a entrada em vigor da Lei do Orçamento

Leia mais

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO Luís Castro Janeiro de 2013 Lei n.º 3/2012, 10 de Janeiro CONTRATO DE TRABALHO A TERMO Regime previsto no Código do Trabalho Número máximo de renovações: 3 Duração

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE A NOVA LEI GERAL DO TRABALHO TEMA 2: MICRO, PEQUENA, MÉDIAS EMPRESAS E O CONTRATO DE TRABALHO

SEMINÁRIO SOBRE A NOVA LEI GERAL DO TRABALHO TEMA 2: MICRO, PEQUENA, MÉDIAS EMPRESAS E O CONTRATO DE TRABALHO SEMINÁRIO SOBRE A NOVA LEI GERAL DO TRABALHO TEMA 2: MICRO, PEQUENA, MÉDIAS EMPRESAS E O CONTRATO DE TRABALHO 1 I- INDÍCE I.INTRODUÇÃO II.REGIME JURIDICO DAS MICRO, PEQUENAS, MEDIAS EMPRESAS III.LEI GERAL

Leia mais

Decreto-Lei n.º 210/2015, de 25 de Setembro

Decreto-Lei n.º 210/2015, de 25 de Setembro Decreto-Lei n.º 210/2015, de 25 de Setembro O presente Decreto-Lei procede à primeira alteração à Lei n.º 70/2013, de 30 de Agosto, que estabelece os regimes jurídicos do fundo de compensação do trabalho

Leia mais

REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE. Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional)

REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE. Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional) REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional) 1. A ERC compromete-se a criar as necessárias condições por forma a proporcionar iguais oportunidades

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 DURAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DIÁRIA: 8 HORAS SEMANAL: 44 HORAS MENSAL: 220 HORAS INTERVALOS PARA DESCANSO

Leia mais

Comportamento nas Organizações

Comportamento nas Organizações Comportamento nas Organizações Trabalho realizado por: Pedro Branquinho nº 1373 Tiago Conceição nº 1400 Índice Introdução... 3 Comportamento nas organizações... 4 Legislação laboral... 5 Tipos de contrato

Leia mais

LEI N.º 23/96, DE 26 DE JULHO, ALTERADA PELA LEI N. O 12/2008, DE 26 DE FEVEREIRO, E PELA LEI N. O 24/2008, DE 2 DE JUNHO Serviços públicos essenciais

LEI N.º 23/96, DE 26 DE JULHO, ALTERADA PELA LEI N. O 12/2008, DE 26 DE FEVEREIRO, E PELA LEI N. O 24/2008, DE 2 DE JUNHO Serviços públicos essenciais LEI N.º 23/96, DE 26 DE JULHO, ALTERADA PELA LEI N. O 12/2008, DE 26 DE FEVEREIRO, E PELA LEI N. O 24/2008, DE 2 DE JUNHO Serviços públicos essenciais Artigo 1.º Objecto e âmbito 1 A presente lei consagra

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DOS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DA MAIA, HORÁRIO DE TRABALHO, CONTROLO DE ASSIDUIDADE E PONTUALIDADE

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DOS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DA MAIA, HORÁRIO DE TRABALHO, CONTROLO DE ASSIDUIDADE E PONTUALIDADE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DOS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DA MAIA, HORÁRIO DE TRABALHO, CONTROLO DE ASSIDUIDADE E PONTUALIDADE 1/22 CAPITULO I NORMAS GERAIS Artigo 1.º (Objecto) O presente Regulamento

Leia mais

DIREITOS SINDICAIS I DISPOSIÇÕES GERAIS

DIREITOS SINDICAIS I DISPOSIÇÕES GERAIS DIREITOS SINDICAIS O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Direito de Associação Sindical I DISPOSIÇÕES GERAIS Os trabalhadores têm o direito de constituir associações sindicais a todos os níveis para defesa e promoção

Leia mais

APOSENTAÇÃO, FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS

APOSENTAÇÃO, FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS ADENDA AO APOSENTAÇÃO, FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS Páginas 19 O artigo 1.º foi revogado pela Lei n.º 60/2005, de 29 de Dezembro: São revogados o artigo 1.º do Estatuto da Aposentação, aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

A Regulamentação Coletiva em Síntese conta com o apoio do Programa Operacional Potencial Humano (POPH).

A Regulamentação Coletiva em Síntese conta com o apoio do Programa Operacional Potencial Humano (POPH). A Regulamentação Coletiva em Síntese, constitui uma publicação especializada do domínio sócio-laboral da CIP Confederação Empresarial de Portugal, que pretende dar a conhecer, de forma rápida e simplificada,

Leia mais

Antes de entrar na análise desta questão, permitíamo-nos tecer algumas considerações sobre a génese causal da flexibilização do direito de trabalho.

Antes de entrar na análise desta questão, permitíamo-nos tecer algumas considerações sobre a génese causal da flexibilização do direito de trabalho. Crise económica e flexibilização do direito do trabalho, segundo o Memorando de Entendimento entre o Governo Português, e o FMI/BCE/Comissão Europeia, vulgo, TROIKA Antes de entrar na análise desta questão,

Leia mais

CIRCULAR N/REFª: 85/2015 DATA: 06/10/2015

CIRCULAR N/REFª: 85/2015 DATA: 06/10/2015 CIRCULAR N/REFª: 85/2015 DATA: 06/10/2015 Assunto: Regimes jurídicos do Fundo de Compensação do Trabalho (FCT), do Mecanismo Equivalente (ME ) e do Fundo de Garantia de Compensação do Trabalho (FGCT) Exmos.

Leia mais

A NOVA LEI GERAL DO TRABALHO ANGOLANA

A NOVA LEI GERAL DO TRABALHO ANGOLANA CONFERÊNCIA PROFISSIONAL A NOVA LEI GERAL DO TRABALHO ANGOLANA A NOVA LEI GERAL DO TRABALHO ANGOLANA 2015 QUEM GANHA E QUEM PERDE? Actualize-se, através de um dos Melhores Especialistas, acerca do Novo

Leia mais

ExpressARTE. Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Manual da Formanda drmadorr1manda. Noções Básicas do Trabalho.

ExpressARTE. Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Manual da Formanda drmadorr1manda. Noções Básicas do Trabalho. ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Manual da Formanda drmadorr1manda Noções Básicas do Trabalho A Visão da Lei Autor: Ana Luísa Maia Título: Noções Básicas do Trabalho A Visão da

Leia mais

Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça

Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º (Objecto e âmbito de aplicação)

Leia mais

Cálculo das contribuições Atualizado em: 12-02-2016

Cálculo das contribuições Atualizado em: 12-02-2016 Cálculo das contribuições Atualizado em: 12-02-2016 Esta informação destina-se a SEGURANÇA SOCIAL Empresa Cálculo das contribuições O montante das contribuições é calculado: Em geral, pela aplicação de

Leia mais

FUNDOS DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO LEI N.º 70/2013, DE 30 DE AGOSTO 1. ASPETOS GERAIS: O QUE SÃO E PARA QUE SERVEM OS FUNDOS DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO

FUNDOS DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO LEI N.º 70/2013, DE 30 DE AGOSTO 1. ASPETOS GERAIS: O QUE SÃO E PARA QUE SERVEM OS FUNDOS DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO 17 de outubro de 2013 FUNDOS DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO LEI N.º 70/2013, DE 30 DE AGOSTO 1. ASPETOS GERAIS: O QUE SÃO E PARA QUE SERVEM OS FUNDOS DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO A Lei n.º 70/2013, de 30 de

Leia mais

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático de Declaração de Remunerações (2016 V5.4) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR

Leia mais

AUTORIZAÇÕES, COMUNICAÇÕES OU DOCUMENTAÇÃO DE ENVIO OBRIGATÓRIO À INSPECÇÃO-GERAL DO TRABALHO

AUTORIZAÇÕES, COMUNICAÇÕES OU DOCUMENTAÇÃO DE ENVIO OBRIGATÓRIO À INSPECÇÃO-GERAL DO TRABALHO AUTORIZAÇÕES, COMUNICAÇÕES OU DOCUMENTAÇÃO DE ENVIO OBRIGATÓRIO À INSPECÇÃO-GERAL DO TRABALHO Data de emissão Janeiro 2005 Data de revisão Janeiro 2005 Autor GabIGT Acesso Público 1 ÍNDICE Págs. 1. INÍCIO

Leia mais

A inscrição das pessoas colectivas na segurança social é obrigatória e é feita oficiosamente:

A inscrição das pessoas colectivas na segurança social é obrigatória e é feita oficiosamente: ENTIDADES EMPREGADORAS 1. Inscrição na segurança social Como é feita a inscrição A inscrição das pessoas colectivas na segurança social é obrigatória e é feita oficiosamente: Através dos elementos remetidos

Leia mais

Revisão do Código do Trabalho Documento da APHORT

Revisão do Código do Trabalho Documento da APHORT Revisão do Código do Trabalho Documento da APHORT Considerando os seguintes documentos: - Projecto Lei 379/2008, de 2008-06-26 que procede à alteração do Código do Trabalho; e; - Versão Final para Revisão

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR Regulamento de Formação Avançada e Qualificação de Recursos Humanos da Direção-Geral do Ensino Superior (Aprovado por despacho, de 15 de junho de 2012, do Presidente do Conselho Diretivo da Fundação para

Leia mais

Acordo colectivo de trabalho n.º 2/2010

Acordo colectivo de trabalho n.º 2/2010 Acordo colectivo de trabalho n.º 2/2010 Acordo colectivo de entidade empregadora pública celebrado entre o Sindicato dos Trabalhadores da Função Pública do Sul e Açores e o Instituto Geográfico Português

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2015

OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2015 OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2015 Às Escolas Básicas e Secundárias. Agrupamentos de Escolas Escolas Profissionais Públicas. X X X DATA: 2015/janeiro/07 ASSUNTO: Processamento de Remunerações em 2015

Leia mais