ESTATÍSTICAS. Os dados publicados nesta síntese referem-se ao Continente e aos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTATÍSTICAS. Os dados publicados nesta síntese referem-se ao Continente e aos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo."

Transcrição

1 Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho disponibiliza informação que permite conhecer o nível médio mensal da remuneração de base, do ganho e da duração de trabalho dos trabalhadores por conta de outrem, a tempo completo, por níveis profissionais, por actividades económicas e pela Nomenclatura das Unidades Territoriais (NUT 2002, nível 2). Para além da informação referida, é possível obter informação sobre os trabalhadores por conta de outrem a tempo completo abrangidos pela Retribuição Mínima Mensal Garantida, habitualmente designada por Salário Mínimo. Em Abril de teve inicio uma nova série, com a selecção de uma nova amostra, de acordo com a CAE Rev. 3. Para esse período de referência, o inquérito foi realizado às duas amostras. Deste modo foi possível compatibilizar as séries, garantindo uma leitura contínua dos dados. O Inquérito é realizado semestralmente por amostragem junto das unidades locais. São abrangidos todos os sectores de actividade económica, exceptuando a Agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca, a Administração pública e defesa; segurança social obrigatória, as Actividades das famílias empregadoras de pessoal doméstico e actividades de produção das famílias para uso próprio, as Actividades dos organismos internacionais e outras instituições extra-territoriais, a Administração de condomínios e as Actividades de organizações religiosas e políticas. São ainda excluídas as actividades económicas da Educação e as Actividades de saúde humana e apoio social que pertencem ao sector público. O inquérito abrange todo o território nacional (Continente e Regiões Autónomas). Os dados publicados nesta síntese referem-se ao Continente e aos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo. Gráfico 1 - Ganho e Remuneração de base médios mensais (1)(2) (Variação homóloga em percentagem) 5,0 % 4,0 3,0 2,0 1,0 Ganho real Ganho nominal Remuneração de Base nominal Em Outubro de, o ganho médio mensal dos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo foi 1 101,92 euros, correspondendo, em termos homólogos, a um aumento nominal de 2,9 %, após compatibilização da série nova com a série antiga (1), o que foi efectuado apenas para o total. Em relação a Abril do mesmo ano, o aumento correspondeu a 0,5 %. Desde de Abril de 2006 que o crescimento nominal dos ganhos médios mensais tem vindo a perder expressão. A contenção salarial então iniciada continua a reflectirse em Outubro de, quando se observou o acréscimo mais baixo dos últimos anos. No entanto, e face aos valores negativos do Índice de 0,0 Preços no Consumidor (IPC), quer em Abril, quer em Abr. 06 Out. 06 Abr. 07 Out. 07 Abr. 08 Out. 08 Abr. 09 Out. 09 Outubro de, o ganho real apresentou os acréscimos mais significativos da série, com 4,5 % para 1 Outubro. (Quadro 1 e Gráfico 1).

2 Inquérito aos Ganhos Gráfico 2 Ganho e Remuneração de base médios mensais por Sexo, em Outubro de Total Em Outubro de, o ganho médio mensal dos Homens foi de 1 215,01 euros e o das Mulheres foi de 948,93 euros. Estes valores representam em relação a Abril do mesmo ano, acréscimos de 0,9 % e 0,3 %, para os Homens e para as Mulheres, respectivamente. (Quadro 4). Mulheres Remuneração de Base média mensal Ganho médio mensal Observa-se ainda que o desvio percentual do ganho médio mensal dos Homens em relação à média do total foi de 10 %. No caso das Mulheres, a percentagem do ganho médio mensal foi inferior ao total em 14 %. Homens 0,00 500, , ,00 A proporção do ganho médio das Mulheres em relação ao dos Homens subiu, em Outubro de, para 78 %. (Quadro 4 e Gráfico 2). Por níveis profissionais, quer o ganho médio mensal dos Operários, quer o dos Empregados aumentou, face a Abril de, 0,8 % e 0,3 %, respectivamente. Observando o ganho médio dos Dirigentes, estes perderam 1,8 % em relação a Abril de. Com excepção dos Aprendizes, nível profissional que, pela sua volatilidade, apresenta uma evolução irregular, os Operários foram o nível profissional cujo ganho mais cresceu entre Abril e Outubro de. Para este período, quer os Aprendizes quer os Operários situaramse abaixo da média total, com -44 % e -27 %, respectivamente. Gráfico 3 Ganho médio mensal por Nível Profissional, em Outubro de (Desvio percentual em relação ao total) 200,0 % 150,0 100,0 50,0 No caso dos Dirigentes, o seu ganho médio mensal foi superior em 167 % ao ganho para o total dos níveis profissionais, registando 2 940,24 euros em Outubro de. (Quadro 1 e Gráfico3). 0,0 50,0 Dirigentes Empregados Operários Aprendizes Quadro 1 - Ganho médio mensal por Nível Profissional, em Outubro de Nível Variação Profissional Abril Outubro Out09/Abr09 Total 1 096, ,92 0,5 Dirigentes 2 995, ,24-1,8 Empregados 1 169, ,02 0,3 Operários 799,92 806,04 0,8 Aprendizes 596,95 611,91 2,5 O desvio percentual do ganho dos Empregados face ao total dos níveis profissionais foi superior a 6 %, atingindo um ganho médio mensal de 1 173,02 euros em Outubro de. As diferenças salariais entre os níveis profissionais continuam a ser muito acentuadas; os Dirigentes e os Empregados auferem mais 265 % e 46 %, respectivamente, que os Operários. (Quadro 1). 2

3 Informar Melhor Conhecer Melhor Segundo as actividades económicas (CAE-Rev. 3), observa-se que, em Outubro de, a Electricidade (Secção D) foi a actividade com o ganho médio mensal mais elevado, 2 674,78 euros, seguida das Actividades Financeiras e de Seguros (Secção K) com 2 299,14 euros, e das Actividades de Informação e Comunicação (Secção J) com 1 976,80 euros. Pelo contrário, o Alojamento, Restauração e Similares (Secção I) e as Actividades de Saúde Humana e Apoio Social (Secção Q) destacaram-se pelos baixos ganhos, de 737,45 euros e 845,40 euros, respectivamente. (Quadro 4 e Gráfico 4). Gráfico 4 - Ganho médio mensal por Actividades Económicas, em Outubro de 3 000, , , , ,00 500,00 Total B C D E F G H I J K L M N P Q R S Actividades Económicas B - Indústrias Extractivas C - Indústrias Transformadoras D - Elect. Gás, Vapor, Água e Ar E - Captação, Trat. e Dist. de Água F - Construção G - Comércio por Grosso e Retalho H - Transporte e Armazenagem I - Alojamento, Restauração e Similares J - Actividades de Informação e de Comunicação K - Actividades Financeiras e de Seguros L - Actividades Imobiliárias M - Actividades de Consultoria, Cient., Técnic. N - Actividades Administ. e dos Serviç. de Apoio P - Educação Q - Actividades de Saúde Humana e Apoio Social R - Actividades Artíst., de Espectác., Desport. e Recr. S - Outras Actividades de Serviços A remuneração de base média mensal foi de 918,19 euros em Outubro de, correspondendo, em termos homólogos, a um aumento de 3,7 %. Comparando com a evolução do ganho médio mensal, a evolução da remuneração de base foi superior à do ganho (0,8 p.p.). Esta situação, iniciada em Abril de, revela uma diminuição do peso da componente não fixa do ganho. (Gráfico 1). Por Sexo, a remuneração de base média mensal foi 995,98 euros para os Homens e 812,96 euros para as Mulheres, sendo que a proporção da remuneração das Mulheres em relação à dos Homens foi 83 % (maior que a proporção observada no ganho, 78 %). (Gráfico 2). Por níveis profissionais, o aumento face a Abril de da remuneração de base média dos Empregados foi o mais elevado para os diferentes níveis, 0,4 %, seguindo-se os Operários e os Aprendizes com 0,1 % de aumento. Os Dirigentes diminuíram 0,9 % da remuneração de base, comparando com Abril de. Considerando a remuneração de base média, acentuam-se as diferenças entre os níveis profissionais: os Dirigentes e os Empregados auferem mais 315 % e 41 %, respectivamente, do que os Operários. (Quadro 2). Quadro 2 Remuneração de base média mensal por Nível Profissional, em Outubro de Nível Variação Profissional Abril Outubro Out09/Abr09 Total 913,65 918,19 0,5 Dirigentes 2 705, ,26-0,9 Empregados 974,57 978,10 0,4 Operários 646,12 646,59 0,1 Aprendizes 497,80 498,27 0,1 3

4 Inquérito aos Ganhos Em Outubro de, a percentagem de TCO a tempo completo abrangidos pela Retribuição Mínima Mensal Garantida (R.M.M.G.) apresentou o valor de 8,7 %, mais 0,6 p.p. que em Abril de. Por Sexo, a proporção de Mulheres a auferirem esta remuneração aumentou para 12,3 %, registando o valor mais elevado dos últimos períodos. Os Homens seguem também a tendência de aumento, apresentando o valor de 5,9 %, em Outubro de. Comparando com o mês de Abril de, os Homens a receber o Salário Mínimo apresentaram um crescimento mais rápido do que as Mulheres, de 11 %,contra 3,4 % para estas. 14,0 Gráfico 5 - Trabalhadores a tempo completo abrangidos pela Retribuição Mínima Mensal Garantida por Sexo Em percentagem dos TCO a tempo completo % H 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 M H+M Verifica-se que, desde Abril de 2006, o peso de trabalhadores a auferirem o Salário Mínimo tem vindo sempre a aumentar. (Gráfico 5). 0,0 Abr Out Abr Out Abr Out Abr Out Quadro 3 - Trabalhadores a tempo completo abrangidos pela Retribuição Mínima Mensal Garantida, por Actividades Económicas Em percentagem dos TCO a tempo completo CAE Rev. 3 Abril Outubro Total 8,1 8,7 B - Indústrias Extractivas 4,0 3,1 C - Indústrias Transformadoras 10,7 10,8 D - Elect. Gás, Vapor, Água Quente e Fria e Ar 0,0 0,0 E - Captação, Tratamento e Distribuição de Água 3,7 4,1 F - Construção 6,5 6,4 G - Comércio por Grosso e Retalho 8,5 8,9 H - Transporte e Armazenagem 2,4 1,8 I - Alojamento, Restauração e Similares 13,5 15,8 J - Actividades de Informação e de Comunicação 1,3 1,7 K - Actividades Financeiras e de Seguros 0,0 0,1 L - Actividades Imobiliárias 7,8 7,1 M - Actividades de Consultoria, Científicas, Técnicas e Similares 3,2 3,4 N - Actividades Administrativas e dos Serviços de Apoio 7,0 10,4 P - Educação 2,3 5,4 Q - Actividades de Saúde Humana e Apoio Social 7,1 8,5 R - Actividades Artísticas, de Espectáculos, Desportivas e Recreativas 8,6 9,9 S - Outras Actividades de Serviços 20,0 18,7 4 Em Outubro de as secções que mais se destacaram com maior proporção de TCO a auferirem a R.M.M.G. foram as "Outras Actividades de Serviços" (Secção S), 18,7 %, seguidas do "Alojamento, Restauração e Similares" (Secção I) com 15,8 %. Também as Indústrias Transformadoras (Secção C) e as Actividades Administrativas e dos Serviços de Apoio (Secção N), apresentaram percentagens superiores a 10 %: 10,8 % e 10,4 %, respectivamente. Do lado oposto, a Electricidade (Secção D) e as Actividades Financeiras e de Seguros (Secção K) foram as secções de actividades que apresentaram valores não significativos para o peso de trabalhadores a receberem Salário Mínimo (0,0 % e 0,1 %, respectivamente). Entre Abril e Outubro, as percentagens de trabalhadores a auferirem o Salário Mínimo aumentaram para a generalidade das Secções de Actividade. Exceptuaram-se as Outras Actividades de Serviços (Secção S), as Indústrias Extractivas (Secção B), as Actividades Imobiliárias (Secção L), os Transporte e Armazenagem (Secção H) e a Construção (Secção F). Nas actividades com maior peso de TCO a receberem a R.M.M.G., os maiores aumentos verificaram-se nas Actividades Administrativas e dos Serviços de Apoio (Secção N) com 48,4 % e na Alojamento, Restauração e Similares (Secção I) com 17,4 %. (Quadro 3).

5 Quadro 4 Remuneração de Base e Ganho médios mensais por Actividades Económicas e por Sexo Informar Melhor Conhecer Melhor Remuneração de base média mensal Ganho médio mensal CAE Rev. 3 Abril Outubro Abril Outubro Total T 913,65 918, , ,92 H 987,90 995, , ,01 M 810,50 812,96 946,28 948,93 B - Indústrias Extractivas T 836,87 837, , ,20 H 821,89 821, , ,46 M 969,46 985, , ,14 C - Indústrias Transformadoras T 820,05 820,88 959,79 965,68 H 924,97 929, , ,82 M 660,84 658,05 755,15 757,57 D - Elect. Gás, Vapor, Água Quente e Fria e Ar T 1 857, , , ,78 H 1 859, , , ,32 M 1 838, , , ,42 E - Captação, Tratamento e Distribuição de Água T 1 002,62 994, , ,95 H 946,00 938, , ,37 M 1 222, , , ,42 F - Construção T 821,50 814,50 961,83 965,36 H 802,99 795,23 942,91 947,23 M 977,97 970, , ,12 G - Comércio por Grosso e Retalho T 861,39 882, , ,53 H 933,93 957, , ,03 M 760,08 779,02 886,18 910,29 H - Transporte e Armazenagem T 1 112, , , ,83 H 1 063, , , ,82 M 1 301, , , ,38 I - Alojamento, Restauração e Similares T 677,62 674,21 739,63 737,45 H 796,26 793,83 881,55 880,59 M 597,05 596,28 643,25 644,21 J - Actividades de Informação e de Comunicação T 1 621, , , ,80 H 1 746, , , ,55 M 1 401, , , ,66 K - Actividades Financeiras e de Seguros T 1 574, , , ,14 H 1 693, , , ,29 M 1 446, , , ,63 L - Actividades Imobiliárias T 961,67 977, , ,98 H 1 066, , , ,30 M 861,19 863,18 981,89 944,57 M - Actividades de Consultoria, Científicas, Técnicas e Similares T 1 331, , , ,80 H 1 725, , , ,07 M 1 064, , , ,64 N - Actividades Administrativas e dos Serviços de Apoio T 781,82 780,05 967,81 948,98 H 797,56 792, ,78 987,68 M 752,56 760,18 886,09 888,20 P - Educação T 1 161, , , ,39 H 1 380, , , ,18 M 1 081, , , ,53 Q - Actividades de Saúde Humana e Apoio Social T 757,08 751,29 859,23 845,40 H 1 056, , , ,05 M 716,44 709,91 811,51 798,91 R - Actividades Artísticas, de Espectáculos, Desportivas e Recreativas T 1 455, , , ,81 H 1 890, , , ,14 M 890,59 902, , ,51 S - Outras Actividades de Serviços T 902,98 892, , ,88 H 1 164, , , ,73 M 802,04 796,19 904,12 891,38 5

6 Inquérito aos Ganhos Notas (1) A série apresentada no Gráfico 1 resulta da compatibilização da série antiga com a série nova, iniciada em Abril de. (2) O Ganho real corresponde ao ganho nominal médio mensal deflacionado pelo Índice de Preços no Consumidor no Continente (INE). Principais conceitos utilizados Remuneração de base (mensal) - Montante ilíquido (antes da dedução de quaisquer descontos) em dinheiro e/ou géneros pago com carácter regular e garantido aos trabalhadores no período de referência e correspondente ao período normal de trabalho. Ganho (mensal) - Montante ilíquido (antes da dedução de quaisquer descontos) em dinheiro e/ou géneros pago mensalmente com carácter regular pelas horas de trabalho efectuadas, assim como o pagamento das horas remuneradas mas não efectuadas. Inclui para além da remuneração de base todos os prémios e subsídios regulares (diuturnidades, subsídios de função, de alimentação, de alojamento, de transporte, de antiguidade, de produtividade, de assiduidade, de turno, de isenção de horário, por trabalhos penosos, perigosos e sujos, etc.), bem como o pagamento por horas suplementares ou extraordinárias. Retribuição Mínima Mensal Garantida (Salário Mínimo) - Conforme os termos do Art.º 1º do Dec-Lei 242/2004 de 31/12, Dec.-Lei 238/2005 de 30/12, Dec-Lei 2/2007 de 3/1, Dec-Lei n.º 397/2007 de 31/12 e Dec-Lei 246/2008 de 18/12 sobre a actualização da Retribuição Mínima Mensal Garantida em 2006, 2007, 2008 e. Duração normal remunerada de trabalho - Número de horas remuneradas efectuadas no período normal de trabalho estabelecido por lei, em Instrumento de Regulamentação Colectiva de Trabalho, no Contrato Individual de Trabalho. Duração total remunerada de trabalho Soma do número de horas remuneradas efectuadas no período normal de trabalho com o número de horas suplementares ou extraordinárias.. Trabalhadores a tempo completo - Trabalhadores cujo período de trabalho semanal tem uma duração igual à duração normal de trabalho semanal fixada no Instrumento de Regulamentação Colectiva do Trabalho, no Contrato Individual de Trabalho ou em vigor na empresa/estabelecimento, para a respectiva categoria profissional ou na respectiva profissão. Informar Melhor Conhecer Melhor Informações complementares estão disponíveis no Gabinete de Estratégia e Planeamento do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Rua Castilho, Lisboa Internet: Lisboa, Maio de ISSN: X 6

GANHOS MÉDIOS ABRIL 2013. Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho

GANHOS MÉDIOS ABRIL 2013. Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho GANHOS MÉDIOS ABRIL 2013 Fonte: Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho Abril 2013 Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho/GEE do MEE- Gabinete de Estratégia

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO S R REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO (RETRIBUIÇÃO MÍNIMA MENSAL GARANTIDA NA REGIÃO) Outubro de

Leia mais

Salários por Profissões na Construção. janeiro 2013

Salários por Profissões na Construção. janeiro 2013 Salários por Profissões na Construção ELABORAÇÃO: Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho Direção Regional do Trabalho julho 2013 Fonte: Inquérito aos Salários por Profissões na Construção - Direção

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

Quadros de Pessoal 3,1% Empresas, Estabelecimentos e Pessoas ao Serviço. Q uadro 1 Empresas, estabelecimentos, pessoas ao serviço.

Quadros de Pessoal 3,1% Empresas, Estabelecimentos e Pessoas ao Serviço. Q uadro 1 Empresas, estabelecimentos, pessoas ao serviço. ESTATÍSTICAS e m SÍNTESE Quadros de Pessoal O Relatório Único referente à informação sobre a atividade social da empresa, constitui uma obrigação anual, a cargo dos empregadores, com conteúdo e prazo de

Leia mais

COLECÇÃO ESTATÍSTICAS

COLECÇÃO ESTATÍSTICAS MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E SEGURANÇA SOCIAL Gabinete de Estratégia e Planeamento COLECÇÃO ESTATÍSTICAS QUADROS DE PESSOAL 2010 Quadros de Pessoal 2010 QUADROS DE PESSOAL 2010 Gabinete de Estratégia

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 2 Fevereiro 2009

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 2 Fevereiro 2009 Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 2 Fevereiro 2009 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da Inovação GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

BREVE NOTA DE APRESENTAÇÃO

BREVE NOTA DE APRESENTAÇÃO BREVE NOTA DE APRESENTAÇÃO As entidades empregadoras que pretendam promover despedimentos coletivos, conforme estipulado no número 5 do artigo 360º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei nº 7/2009 de

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012 Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 212 Divulgação dos Quadros do Setor das empresas não financeiras da Central de Balanços dados de 211 O Banco de Portugal divulga hoje no BPStat Estatísticas

Leia mais

Inquérito Multi- Objectivo Contínuo

Inquérito Multi- Objectivo Contínuo Inquérito Multi- Objectivo Contínuo Estatísticas Sobre o Trabalho das Crianças Principais resultados (preliminares) Praia, 27 de Junho de 2013 PLANO DE APRESENTAÇÃO OBJECTIVOS METODOLOGIA PRINCIPAIS RESULTADOS:

Leia mais

Estatísticas de Empresas Inquérito Anual às Empresas, 2013 1

Estatísticas de Empresas Inquérito Anual às Empresas, 2013 1 Estatísticas de Empresas Inquérito Anual às Empresas, 2013 1 Instituto Nacional de Estatística Estatísticas de Empresas Inquérito Anual às Empresas 2013 Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto

Leia mais

A descriminação remuneratória da mulher em Portugal continua a ser muito grande nas empresas Pág. 1

A descriminação remuneratória da mulher em Portugal continua a ser muito grande nas empresas Pág. 1 A descriminação remuneratória da mulher em Portugal continua a ser muito grande nas empresas Pág. 1 RESUMO O Eurofound acabou de publicar um estudo, o qual mostra que, entre 28 países, Portugal é o país

Leia mais

91% das empresas com 10 e mais pessoas ao serviço utilizam Internet de banda larga

91% das empresas com 10 e mais pessoas ao serviço utilizam Internet de banda larga 06 de novembro de 2012 Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2012 91% das empresas com 10 e mais pessoas ao serviço utilizam Internet

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

RELATÓRIOS E ANÁLISES

RELATÓRIOS E ANÁLISES RELATÓRIOS E ANÁLISES Relatório de Conjuntura n.º 128 1.º Trimestre de 2012 Relatório de Conjuntura n.º 1.º Trimestre de 2012 Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) Ministério da Solidariedade e da

Leia mais

TOTAL NACIONAL OUTUBRO 1999

TOTAL NACIONAL OUTUBRO 1999 NÚMERO DE EMPRESAS DO CONTINENTE E REGIÕES AUTÓNOMAS, POR ACTIVIDADE ECONÓMICA NACIONAL OUTUBRO 1999 ACTIVIDADES (CAE - REV.2) 244239 234850 4604 4785 A AGRICULTURA, PROD. ANIMAL, CAÇA E SILVIC. 9302 8468

Leia mais

(124) Planeamento urbano para a integração de imigrantes

(124) Planeamento urbano para a integração de imigrantes A análise dos grupos profissionais da população activa portuguesa e estrangeira residente na Área Metropolitana do Porto, de acordo com o concelho é a seguinte: Figura 25. Repartição da população activa

Leia mais

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro.

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro. Julho 2012 Jun-02 Jun-03 Jun-04 Jun-05 Jun-06 Jun-07 Jun-08 Jun-09 Jun-10 Jun-11 Jun-12 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia

Leia mais

!( 63 62!( 62!( 61 60!( 59!( 58!( 25!( 26!( 27!( 28!( 24!( 37 9!( 28!( 28

!( 63 62!( 62!( 61 60!( 59!( 58!( 25!( 26!( 27!( 28!( 24!( 37 9!( 28!( 28 ± Enquadramento administrativo da Zona industrial/empresarial do Alto de Colaride Enquadramento da área cartografada 6 61 6 62 62 62 LEGENDA 59 25 25 25 5 Edificio multiempresas (Ocupação com mais de uma

Leia mais

ÍSTICAS LABORAIS TRABALHO E DA AÇÃO INSPETIVA ESTATÍSTICAS DO TRABALHO síntese de resultados

ÍSTICAS LABORAIS TRABALHO E DA AÇÃO INSPETIVA ESTATÍSTICAS DO TRABALHO síntese de resultados ÍSTICAS LABORAIS TRABALHO DA AÇÃO ISPTIVA STATÍSTICAS DO TRABALHO síntese de resultados R QUADROS D PSSOAL (Relatório Único Anexo A) A regulamentação do Código do Trabalho, aprovado pela Lei nº 7/29 de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Abril 2012 Indicador de Sentimento Económico Após uma melhoria em Janeiro e Fevereiro, o indicador de sentimento

Leia mais

metodologias de análise de risco em tarefas de manipulação manual de cargas Universidade do Minho

metodologias de análise de risco em tarefas de manipulação manual de cargas Universidade do Minho metodologias de análise de risco em tarefas de manipulação manual de cargas Pedro Arezes, A. Sérgio Miguel & Ana Colim Universidade do Minho Projecto 069APJ/06 Apoio Introdução Manipulação Manual de Cargas

Leia mais

I RELATÓRIO SOBRE DIFERENCIAÇÕES SALARIAIS POR RAMOS DE ATIVIDADE

I RELATÓRIO SOBRE DIFERENCIAÇÕES SALARIAIS POR RAMOS DE ATIVIDADE I RELATÓRIO SOBRE DIFERENCIAÇÕES SALARIAIS POR RAMOS DE ATIVIDADE (em cumprimento da alínea a) do nº 1 da Resolução do Conselho de Ministros nº 13/2013, de 8 de março) JUNHO, 2014 1 ÍNDICE SUMÁRIO EXECUTIVO...

Leia mais

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2006

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2006 22 de Dezembro de 2006 Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2006 MAIS DE 6 EM CADA 10 EMPRESAS ACEDEM À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

Leia mais

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2007

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2007 04 de Dezembro 2007 Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2007 MAIS DE 7 EM CADA 10 EMPRESAS COM DEZ E MAIS PESSOAS AO SERVIÇO ACEDEM

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

União Geral de Trabalhadores. Compilação de Dados Estatísticos sobre Sinistralidade Laboral e Doenças Profissionais em Portugal.

União Geral de Trabalhadores. Compilação de Dados Estatísticos sobre Sinistralidade Laboral e Doenças Profissionais em Portugal. União Geral de Trabalhadores Compilação de Dados Estatísticos sobre Sinistralidade Laboral e Doenças Profissionais em Portugal Com o apoio Nota Prévia A produção nacional de estatísticas de acidentes de

Leia mais

INQUÉRITO ÀS ESTRUTURAS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL - 2003

INQUÉRITO ÀS ESTRUTURAS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL - 2003 INQUÉRITO ÀS ESTRUTURAS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL - 2003 ÍNDICE RESUMO...... I. NOTA INTRODUTÓRIA...... II. NOTAS EXPLICATIVAS E METODOLOGIA... 1. Notas Explicativas............. 2. Metodologia.............

Leia mais

SECTOR DA PUBLICIDADE

SECTOR DA PUBLICIDADE SECTOR DA PUBLICIDADE AEP / GABINETE DE ESTUDOS MAIO DE 2009 Índice 1. Introdução: a importância da publicidade... 1 1. Introdução: a importância da publicidade... 2 1. Introdução: a importância da publicidade...

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

Acidentes de Trabalho

Acidentes de Trabalho Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Acidentes de Trabalho COLEÇÃO ESTATÍSTICAS ACIDENTES DE TRABALHO Gabinete de Estratégia e Estudos (GEE) Ministério da Economia (ME), 2014 Coleção

Leia mais

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2013 Direção Regional de Estatística da Madeira Uma porta aberta para um universo de informação estatística Catalogação Recomendada Sector Empresarial da

Leia mais

síntese estatística do emprego público 4.º trimestre 2013

síntese estatística do emprego público 4.º trimestre 2013 trimestral de postos de trabalho (N.º) trimestral de postos de trabalho (%) homóloga de postos de trabalho (%) síntese estatística do emprego público 4.º trimestre 17 de fevereiro 2014 A Síntese Estatística

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2 8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 1 A SITUAÇÃO DA MULHER EM PORTUGAL NO DIA INTERNACIONAL DA MULHER DE 2011 RESUMO DESTE ESTUDO No dia

Leia mais

Dr. Orlando Santos Monteiro Responsável do Inquérito ao Emprego E-mail : orlando.monteiro@ine.go.cv

Dr. Orlando Santos Monteiro Responsável do Inquérito ao Emprego E-mail : orlando.monteiro@ine.go.cv Instituto Nacional de Estatística Inquérito Multi-objectivo contínuo Estatísticas do emprego e do Mercado de trabalho Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Av. Cidade

Leia mais

Nº DE EMPRESAS EM NOME INDIVIDUAL NOS AÇORES, POR ANO

Nº DE EMPRESAS EM NOME INDIVIDUAL NOS AÇORES, POR ANO Q.15.1 - Número de Empresas em nome individual nos Açores, segundo a CAE Rev. 3, por ano AÇORES TOTAL 19 276 2 51 21 238 22 46 23 332 22 335 21 335 21 341 Agricultura, produção animal, caça, floresta e

Leia mais

Mercado de Emprego - Tendências Lisboa, 25 Fevereiro 2010. Call for Action EMP, Atreva-se! Maria Cândida Soares. Gabinete de Estratégia e Planeamento

Mercado de Emprego - Tendências Lisboa, 25 Fevereiro 2010. Call for Action EMP, Atreva-se! Maria Cândida Soares. Gabinete de Estratégia e Planeamento Mercado de Emprego - Tendências Lisboa, 25 Fevereiro 2010 Call for Action EMP, Atreva-se! Maria Cândida Soares Gabinete de Estratégia e Planeamento PIB, emprego e produtividade 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0-2,0-4,0-6,0

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Maio 2011 Indicador de Sentimento Económico Os indicadores de sentimento económico da União Europeia e da Área

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Índice Introdução Preço Médio por Dormida Proveito Médio de Aposento por Cama Conceitos Anexos 2 Introdução Com base em indicadores estatísticos disponibilizados pelo

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice Índice Desemprego Registado de Estrangeiros por Continente de Origem e Principais Nacionalidades - Situação no fim do mês de Dezembro, de 2003 a 2009... 2 Desemprego Registado de Estrangeiros por Continente

Leia mais

Evolução da FBCF Empresarial em valor Taxa de Variação Anual

Evolução da FBCF Empresarial em valor Taxa de Variação Anual Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Abril de 2011 08 de Julho de 2011 Revisão em baixa das expectativas de investimento empresarial em 2011. De acordo com as intenções manifestadas pelas

Leia mais

Quadro 1 Evolução anual do stock de empresas. Stock final

Quadro 1 Evolução anual do stock de empresas. Stock final Demografia de empresas, fluxos de emprego e mobilidade dos trabalhadores em Portugal ESTATÍSTICAS STICAS em síntese 2006 A informação que se divulga tem como suporte o Sistema de Informação Longitudinal

Leia mais

Análise Descritiva dos Estabelecimentos de Comércio e Serviços do cluster da Saúde e de Bem-estar. Versão de 08 Outubro de 2011

Análise Descritiva dos Estabelecimentos de Comércio e Serviços do cluster da Saúde e de Bem-estar. Versão de 08 Outubro de 2011 Análise Descritiva dos Estabelecimentos de Comércio e s do cluster da Saúde e de Bem-estar Versão de 08 Outubro de 2011 Versão: Junho 2012 Análise Descritiva dos Estabelecimentos de Comércio e s do cluster

Leia mais

Noções de Processamento Salarial

Noções de Processamento Salarial C A P Í T U L O I Noções de Processamento Salarial MANUAL PRÁTICO LIDEL n Noções de Processamento Salarial Apresentamos neste capítulo algumas noções básicas de processamento salarial na vertente administrativa

Leia mais

Shares and other equity

Shares and other equity A CAE e os impactos no Banco de Portugal Margarida Brites Ramos 1 Função Estatística Lei Orgânica do Banco de Portugal Artigo 12.º Compete especialmente ao Banco, sem prejuízo dos condicionalismos decorrentes

Leia mais

Informar para saber...saber para desenvolver.

Informar para saber...saber para desenvolver. INQUÉRITO AO EMPREGO 4º Trimestre de 2011 Serviço Regional de Estatística dos Açores Informar para saber......saber para desenvolver. INQUÉRITO AO EMPREGO 4º TRIMESTRE DE 2011 NOTA INTRODUTÓRIA A presente

Leia mais

gabinete de estratégia e estudos

gabinete de estratégia e estudos Gabinete de Estratégia e Estudos Síntese Estatística gabinete de estratégia e estudos INVESTIMENTO DIRECTO Exterior em Portugal e Portugal no Exterior Agosto de 26 Índice Tratamento e análise dos dados

Leia mais

Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais de revitalização (2007-2013)

Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais de revitalização (2007-2013) Abril de 2014 Boletim n.º 15 DESTAQUE ESTATÍSTICO TRIMESTRAL 4º Trimestre de 2013 Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais

Leia mais

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas O Instituto Nacional de Estatística apresentou os primeiros resultados 1 sobre o empreendedorismo em Portugal para o período

Leia mais

Fonte: Inquérito aos Salários por Profissões na Construção outubro 2015 Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do

Fonte: Inquérito aos Salários por Profissões na Construção outubro 2015 Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Fonte: Inquérito aos Salários por Profissões na Construção outubro 2015 Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho e da Ação Inspetiva/GEP do MSESS Elaboração: Direção

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO SOCIAL DOS AGREGADOS FAMILIARES PORTUGUESES COM MENORES EM IDADE ESCOLAR Alguns resultados

CARACTERIZAÇÃO SOCIAL DOS AGREGADOS FAMILIARES PORTUGUESES COM MENORES EM IDADE ESCOLAR Alguns resultados CARACTERIZAÇÃO SOCIAL DOS AGREGADOS FAMILIARES PORTUGUESES COM MENORES EM IDADE ESCOLAR Alguns resultados Os dados apresentados resultam do estudo: "Caracterização Social dos Agregados Familiares Portugueses

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

ESTUDO INFORMA D&B. Gestão e Liderança Feminina em Portugal 3ª Edição, Fevereiro 2013

ESTUDO INFORMA D&B. Gestão e Liderança Feminina em Portugal 3ª Edição, Fevereiro 2013 ESTUDO INFORMA D&B Gestão e Liderança Feminina em Portugal 3ª Edição, Fevereiro 2013 Portugal tem uma população activa de 5,5 milhões, dos quais 47% são mulheres. O objectivo deste estudo foi saber como

Leia mais

O ACIDENTE MAIS FREQUENTE, NÚMERO DE ACIDENTES DE TRABALHO E TAXAS DE INCIDÊNCIA

O ACIDENTE MAIS FREQUENTE, NÚMERO DE ACIDENTES DE TRABALHO E TAXAS DE INCIDÊNCIA Acidentes de Trabalho ESTATÍSTICAS em síntese 2010 A informação que se publica resulta do aproveitamento para fins estatísticos dos dados administrativos recolhidos através das participações de acidentes

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

2010 2011 % 2010/2011. Total 339 629 336 548-0,9. Sem trabalhadores 53 048 49 432-6,8. Com trabalhadores 286 581 287 116 + 0,2

2010 2011 % 2010/2011. Total 339 629 336 548-0,9. Sem trabalhadores 53 048 49 432-6,8. Com trabalhadores 286 581 287 116 + 0,2 Segurança E S T A T Í S T I C A S e m S Í N T E S E Segurança e Saúde 2 O Relatório Anual da Atividade do Serviço de Segurança e Saúde no Trabalho (SST) é uma obrigação definida desde 22, que descreve

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Observatório Pedagógico Desigualdade Económica em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa Um estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos 18 de Outubro de 2012 2 Objectivos:

Leia mais

Impactos da Aprendizagem ao Longo da Vida «

Impactos da Aprendizagem ao Longo da Vida « Impactos da Aprendizagem ao Longo da Vida Seminário Aprendizagem ao Longo da Vida: o que nos dizem as estatísticas? sticas?» Francisco Lima Prof. do IST / Consultor do INE 25/11/2009 IMPACTOS DA APRENDIZAGEM

Leia mais

FICHA DE CANDIDATURA

FICHA DE CANDIDATURA FICHA DE CANDIDATURA 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1. Dados pessoais Nome: Morada Localidade Concelho Telefone Fax Código Postal Distrito Telemóvel Email: 1.2. Situação Profissional Desempregado há menos de um ano

Leia mais

Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram

Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram Estatísticas do Comércio 2013 26 de dezembro de 2014 Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram Em 2013 o setor do Comércio era constituído

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice Introdução Proveito Médio de Aposento Conceitos Anexos Proveitos

Leia mais

8 DE MAIO 2013. ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes

8 DE MAIO 2013. ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes 8 DE MAIO 2013 ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes a empresa activa mais antiga em Portugal nasceu em 1670? 2001 foi o ano em que nasceram mais empresas em Portugal? ontem quando

Leia mais

Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento

Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento 29 de setembro de 2014 INQUÉRITOS DE CONJUNTURA ÀS EMPRESAS E AOS CONSUMIDORES Setembro de 2014 Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento

Leia mais

NECESSIDADES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DAS EMPRESAS 2011/2012

NECESSIDADES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DAS EMPRESAS 2011/2012 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA DO CONSUMIDOR OBSERVATÓRIO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

COLECÇÃO ESTATÍSTICAS

COLECÇÃO ESTATÍSTICAS MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Gabinete de Estratégia e Planeamento COLECÇÃO ESTATÍSTICAS EMPREGO NO SECTOR ESTRUTURADO 3.º e 4.º Trimestres/ Emprego 3.º e 4.º Trim./ EMPREGO NO SECTOR

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Análise de Conjuntura Novembro 2006 Associação Industrial Portuguesa Confederação Empresarial Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico de Outubro de 2006 apresenta uma melhoria

Leia mais

Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais de revitalização (2007-2014)

Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais de revitalização (2007-2014) 995 1.037 2.229 1.143 1.151 2.209 1.823 1.774 2.238 2.059 2.063 2.311 3.071 3.116 2.595 3.707 5.492 5.314 5.429 5.337 4.397 5.052 5.265 4.065 Julho de 2014 Boletim n.º 17 DESTAQUE ESTATÍSTICO TRIMESTRAL

Leia mais

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem Gastos e operações com o pessoal Os recursos humanos implicam gastos: Remunerações fixas e/ou variáveis recebidas pelos trabalhadores vinculados à empresa por contrato individual de trabalho; Remunerações

Leia mais

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2010 16 de Fevereiro de 2011 A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2010 foi de 11,1%. Este

Leia mais

Indicadores de confiança e de clima económico Maputo, Setembro/2015

Indicadores de confiança e de clima económico Maputo, Setembro/2015 Setembro 2015 Instituto Nacional de Estatística Indicadores de confiança e de clima económico Brochura de publicação Mensal Reprodução autorizada, excepto para fins comerciais, com indicação da fonte bibliográfica

Leia mais

ISSN 1646-2513. Serviços. Estatísticas dos Ser viços Prestados. às Empresas. Ano de edição 2009

ISSN 1646-2513. Serviços. Estatísticas dos Ser viços Prestados. às Empresas. Ano de edição 2009 Serviços H Hema ISSN 1646-2513 Estatísticas dos Ser viços Prestados às Empresas Ano de edição 2009 2 FICHA TÉCNICA Título Estatísticas dos Serviços Prestados às Empresas Editor Instituto Nacional de Estatística,

Leia mais

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014 08 de setembro de 2014 Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014 Diminuição homóloga do Índice de Volume de Negócios na Indústria Em termos nominais,

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (Declaração de Rendimentos

Leia mais

Expectativas de aumento do investimento empresarial em 2014

Expectativas de aumento do investimento empresarial em 2014 Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de abril de 2014 09 de julho de 2014 Expectativas de aumento do investimento empresarial em 2014 De acordo com as intenções manifestadas pelas empresas

Leia mais

Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior

Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior Investimento Directo de Portugal com o Exterior eiro a ho de 28 Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior eiro a ho de 28 Informação Portugal, 21 de sto de 28 Investimento Directo de Portugal

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais 30 de Setembro de 2015 2º Trimestre 2015 Contacto (s): José Fernandes Próxima edição: 31 Dezembro 2015 Joses.Fernandes@ine.gov.cv Nataniel Barros Nataniel.L.Barros@GOVCV.gov.cv

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Barómetro das Crises

Barómetro das Crises Barómetro das Crises 27-01-2015 Nº 12 O salário mínimo: a decência não é um custo A tendência dos últimos anos é de diminuição do peso dos ordenados e salários no Produto Interno Bruto (PIB). Por isso,

Leia mais

Plano Referencial Estratégico para a Economia da RAM (PREE-RAM), no horizonte de 2020

Plano Referencial Estratégico para a Economia da RAM (PREE-RAM), no horizonte de 2020 Plano Referencial Estratégico para a Economia da RAM (PREE-RAM), no horizonte de 2020 RELATÓRIO FINAL DOSSIER DE PROPOSTA Abril de 2014 DA R AM ( PR E E-R AM), N O HORIZ ONTE D E 20 20 - Relatór io Final

Leia mais

pítulo_pag. EMPREGO, SALÁRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO Pedro Portugal, Universidade de Lisboa

pítulo_pag. EMPREGO, SALÁRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO Pedro Portugal, Universidade de Lisboa 4º_ Capítulo_pa pítulo_pag. 91 EMPREGO, SALÁRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO A análise dos elementos estruturais do mercado de trabalho português deverá ter presente o facto deste partilhar características

Leia mais

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015 Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Outubro de 2015 29 de janeiro de 2016 Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015 De acordo

Leia mais

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 18 de Maio de 2010 A taxa de desemprego foi de 10,6% no 1º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2010 foi de 10,6%. Este valor

Leia mais

ISSN 0872-9514. Empresas em Portugal 2010

ISSN 0872-9514. Empresas em Portugal 2010 ISSN 0872-9514 Edição 2012 2 FICHA TÉCNICA Título Editor Instituto Nacional de Estatística, I.P. Av. António José de Almeida 1000-043 Lisboa Portugal Telefone: 21 842 61 00 Fax: 21 842 63 64 Presidente

Leia mais

"Retrato social" de Portugal na década de 90

Retrato social de Portugal na década de 90 "Retrato social" de Portugal na década de 9 Apresentam-se alguns tópicos da informação contida em cada um dos capítulos da publicação Portugal Social 1991-21, editada pelo INE em Setembro de 23. Capítulo

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA JUNHO DE 2014 Redução da taxa de desemprego Ano 20 - Número 6 1. A Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED),

Leia mais

PERFIL DAS EXPORTADORAS PORTUGUESAS EM 2012. Estudo elaborado por Informa D&B, Novembro 2013

PERFIL DAS EXPORTADORAS PORTUGUESAS EM 2012. Estudo elaborado por Informa D&B, Novembro 2013 PERFIL DAS EXPORTADORAS PORTUGUESAS EM 2012 Estudo elaborado por Informa D&B, Novembro 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO Em Portugal, nos últimos 5 anos, o número de empresas exportadoras aumentou 12% O valor das

Leia mais

Colóquio Desigualdade de Pobreza Pobreza e Vulnerabilidades Sociais na Cidade de Lisboa www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.

Colóquio Desigualdade de Pobreza Pobreza e Vulnerabilidades Sociais na Cidade de Lisboa www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn. Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Colóuio Desigualdade de Pobreza Pobreza e Vulnerabilidades Sociais na Cidade de Lisboa www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt

Leia mais

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Número de Alunos Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Susana Justo, Diretora Geral da Qmetrics 1. Formação em ensino superior, graduada e pós graduada. Em Portugal continua

Leia mais

Micro Empresas. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação. Resultados 2005

Micro Empresas. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação. Resultados 2005 Micro Empresas Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação Resultados 2005 BREVE NOTA METODOLÓGICA Universo de referência: Universo das empresas em Portugal com menos de 10 trabalhadores

Leia mais

O APOIO DAS EMPRESAS À COMUNIDADE RETRATO DOS DONATIVOS EM PORTUGAL

O APOIO DAS EMPRESAS À COMUNIDADE RETRATO DOS DONATIVOS EM PORTUGAL O APOIO DAS EMPRESAS À COMUNIDADE RETRATO DOS DONATIVOS EM PORTUGAL 2012/2010 Estudo Sair Da Casca e Informa D&B Dezembro 2013 METODOLOGIA Universo do estudo TECIDO EMPRESARIAL: Todas as entidades (pessoas

Leia mais

Tipificação Das Situações Do Trabalho Dos Menores

Tipificação Das Situações Do Trabalho Dos Menores ESTATÍSTICAS EM SÍNTESE Tipificação Das Situações Do Trabalho Dos Menores No inquérito de Caracterização Social dos Agregados Familiares Portugueses com Menores em Idade Escolar, realizado em Outubro de

Leia mais

ISSN 0872-9514. Empresas em Portugal 2009. Edição 2011. Estatísticas oficiais

ISSN 0872-9514. Empresas em Portugal 2009. Edição 2011. Estatísticas oficiais ISSN 0872-9514 Edição 2011 e Estatísticas oficiais Edição 2011 2 FICHA TÉCNICA Título Editor Instituto Nacional de Estatística, I.P. Av. António José de Almeida 1000-043 Lisboa Portugal Telefone: 21 842

Leia mais

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático de Declaração de Remunerações (2016 V5.4) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 Elaborado por: Ana Paula Gomes Bandeira Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística

Leia mais