A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014"

Transcrição

1 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de mulheres no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo permaneceu estável em 55,1%, após ter diminuído no ano anterior. A taxa de participação dos homens pouco se alterou, passando de 70,6% para 70,5%. A taxa de desemprego feminina aumentou, interrompendo trajetória de declínio iniciada em 2004, ao passar de 11,7% para 12,2%, entre 2013 e Ainda assim, é uma das mais baixas da série, iniciada em Entre os homens também houve acréscimo (de 9,2% para 9,6%). Para as mulheres, a expansão do desemprego decorreu da relativa estabilidade do nível de ocupação concomitante ao pequeno crescimento da sua presença no mercado de trabalho. Já entre os homens, tal ampliação deveu-se ao aumento da força de trabalho que passou a fazer parte do mercado de trabalho da RMSP, em maior intensidade do que seu nível de ocupação. A ocupação ficou relativamente estável para mulheres pelo segundo ano consecutivo e cresceu para os homens. O comportamento do nível de ocupação das mulheres deveu-se ao desempenho negativo na Indústria de Transformação e no Comércio, Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas, praticamente compensado pelo crescimento nos Serviços e na Construção. A formalização das relações de trabalho assalariado segue ampliando-se para ambos os sexos, mas de forma mais intensa para as mulheres assalariadas no setor público. O rendimento médio real por hora das mulheres cresceu pelo sexto ano consecutivo e passou equivaler a R$ 9,80 em 2014, 5,3% superior ao registrado no ano anterior. Entre 1

2 os homens o rendimento permaneceu praticamente estável (-0,2%), equivalendo a R$ 12,04. Esse desempenho alterou de forma importante a diferença entre os rendimentos dos dois segmentos: em 2014, os valores médios por hora auferidos pelas mulheres passou para 81,4% daquele recebido pelos homens, diante da proporção de 77,1% registrada em MERCADO DE TRABALHO Taxa de participação feminina permanece estável A proporção de mulheres com dez anos de idade ou mais inseridas no mercado de trabalho, na situação de ocupadas ou de desempregadas taxa de participação feminina, permaneceu estável em 55,1%, entre 2013 e 2014 (Gráfico 1), o mesmo valor registrado em 2003 e Esse indicador, que apresentou crescimento importante principalmente desde a década de 1990, vem arrefecendo sua expansão, embora não demonstre sinais de retrações significativas. Entre os homens, a respectiva taxa ficou em relativa estabilidade (passou de 70,6% para 70,5%, no período), mas no menor patamar da série da pesquisa, iniciada em O comportamento da taxa de participação de mulheres e homens foi diversificado, segundo atributos pessoais. Foram observados aumentos entre as mulheres de 40 a 49 anos e de 50 a 59 anos e, por posição na família, as filhas. A maior retração ocorreu entre os jovens e adolescentes de 16 a 24 anos, nesse caso, para ambos os sexos. 2

3 GRÁFICO 1 Taxas de participação, por sexo Região Metropolitana de São Paulo Em % Mulheres Em % Homens 55,5 55,4 55,1 56,4 55,9 56,2 55,4 56,1 55,1 55,1 72,4 71,3 71,4 72,0 71,5 71,6 71,3 71,5 70,6 70, A proporção feminina no total da População Economicamente Ativa PEA pouco se alterou, sendo que as mulheres permanecem sendo a menor parcela de ocupados e a maior de desempregados, como mostra o Gráfico 2. Ainda assim, a proporção de mulheres no total de ocupados é a terceira maior da série. GRÁFICO 2 Distribuição da População Economicamente Ativa PEA, dos ocupados e desempregados, por sexo Região Metropolitana de São Paulo Fonte: Secretaria de Planejamento e Gestão. Convênio Seade DIEESEe MTE/FAT. Pesquisa de Emprego e 3

4 Taxa de desemprego aumenta de forma semelhante para ambos os sexos A taxa de desemprego total feminina aumentou de 11,7% para 12,2%, entre 2013 e 2014, interrompendo longa trajetória de redução iniciada em 2004, mas ainda assim é a uma das mais baixas da série, iniciada em 1985 (Gráfico 3). Entre os homens o indicador em questão também apresentou ampliação, passando de 9,2% para 9,6%. Embora historicamente a taxa de desemprego feminina seja sempre superior à masculina, nota-se um lento movimento de aproximação dessas taxas, ainda que as diferenças sejam grandes. Em 1998, esse indicador para as mulheres era 5,0 pontos porcentuais superior ao dos homens, passando para 3,9 p.p., em 2011, e para 2,6 p.p., em 2014, superior apenas aos resultados de 1991 (2,2 p.p.) e 2013 (2,5 p.p.). GRÁFICO 3 Taxas de desemprego total, por sexo Região Metropolitana de São Paulo Os homens estão mais presentes no mercado de trabalho, como atesta sua maior taxa de participação. Entretanto, são as mulheres que respondem pela maior parcela de desempregados: em 2014, elas representavam 52,4% desse contingente. Por posição na família, vale destacar o aumento registrado na taxa de desemprego entre as mulheres chefes de família, que geralmente vivem apenas com seus filhos e, na maioria das vezes, são as únicas responsáveis pela sobrevivência familiar. Além disso, essas mulheres tendem a apresentar inserção produtiva de menor qualidade no mundo do trabalho e com baixos rendimentos como o emprego doméstico e o trabalho 4

5 autônomo, corroborando a associação desse tipo de arranjo familiar à maior vulnerabilidade e ao empobrecimento. 1 O declínio da taxa de desemprego total, na última década, está associado ao crescimento econômico, que favoreceu o aumento do nível de ocupação. No caso específico das mulheres, que apresentaram maior redução desse indicador no período, tal comportamento reflete ainda as transformações nas relações familiares, em que o modelo de família baseado no chefe masculino provedor vem se alterando e criando novas dinâmicas nas relações dos membros da família com o mercado de trabalho. É na família que as decisões sobre a participação no mercado de trabalho são tomadas, pautadas não apenas pela conjuntura econômica, mas também pelas relações de gênero e de idade, posição na família e atribuições domésticas, segundo a composição familiar. 2 Além disso, têm-se o aumento da capacitação das mulheres, que permite melhor inserção no mundo do trabalho, e o crescimento da sua escolaridade, que é maior em comparação ao dos homens. 3 Em uma conjuntura de baixo crescimento econômico, como a registrada no ano em análise, chama a atenção o fato de que o aumento das taxas de desemprego total entre chefes e filhos na família, apesar de ter ocorrido para ambos os sexos, entre as mulheres foi mais do que o dobro do verificado para os homens. A despeito da ampliação da taxa de desemprego, o tempo médio de procura por um novo trabalho, em 2014, diminuiu em três semanas para as mulheres (passando para 26 semanas) e permaneceu estável para os homens (25 semanas). Nível de ocupação permanece relativamente estável entre as mulheres e formalização continua em expansão Entre 2013 e 2014, observaram-se relativa estabilidade do nível de ocupação para as mulheres (eliminação de 3 mil ocupações, ou -0,1%) e acréscimo para os homens (geração de 39 mil postos de trabalho, ou 0,7%) (Tabela 1 e Gráfico 4). A relativa estabilidade da ocupação fez com que a proporção de mulheres no total de ocupados pouco se alterasse, passando de 45,9%, em 2013, para 45,7%, em Ver: Arranjo familiar e inserção feminina no mercado de trabalho da RMSP na década de 90. Boletim Mulher & Trabalho, n. 10 dezembro 2002 e A inserção de chefes e cônjuges no mercado de trabalho, Estudo Especial, março Disponível em <www.seade.gov.br>. 2 Idem. 3 O que não resulta, necessariamente, em rendimentos semelhantes. Ver: Inserção das mulheres com escolaridade superior no mercado de trabalho. Boletim Mulher & Trabalho, março de Disponível em: 5

6 GRÁFICO 4 Índices do nível de ocupação, por sexo Região Metropolitana de São Paulo Por setor de atividade, em 2014, o comportamento do nível de ocupação das mulheres deveu-se ao desempenho negativo na Indústria de Transformação (-1,6%) e no Comércio Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas (-11,2%), praticamente compensado pelo crescimento nos Serviços (2,8%) e na Construção (16,1%). No setor de Serviços, que emprega 70,9% do total das mulheres ocupadas (Tabela 2), os ramos analisados que apresentaram expansão foram justamente aqueles que absorvem tradicionalmente mais mão de obra feminina, como o de administração pública, defesa e seguridade social; educação, saúde humana e serviços sociais (6,7%), o de alojamento e alimentação; outras atividades de serviços; artes, cultura, esporte e recreação (3,0%) e o de informação e comunicação; atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados; atividades profissionais científicas e técnicas (5,0%). O subsetor de serviços domésticos, anteriormente importante empregador de mão de obra feminina, apresentou redução de 2,2%, assim como o ramo de atividades administrativas e serviços complementares (-3,4%) (Tabela 1). Entre os homens, o nível de ocupação aumentou nos mesmos setores de atividade observados entre as mulheres: Serviços (2,1%) e Construção (1,5%), nesse último caso, setor que emprega majoritariamente mão de obra masculina. Diminuiu, também no 6

7 mesmo sentido que entre as mulheres, o emprego na Indústria de Transformação (- 1,2%) e no Comércio (-1,4%). Nos Serviços, reduziu-se o nível de ocupação em transporte, armazenagem e correio (-3,2%), administração pública, defesa e seguridade social; educação, saúde humana e serviços sociais (-3,3%) e serviços domésticos (- 19,2%), este último empregando apenas 0,4% da mão de obra masculina. TABELA 1 Variação do nível de ocupação, por sexo, segundo setores de atividade econômica Região Metropolitana de São Paulo 2013/2014 Em porcentagem Setores de atividade Mulheres Homens TOTAL -0,1 0,7 Indústria de Transformação (1) -1,6-1,2 Construção (2) 16,1 1,5 Comércio, Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas (3) -11,2-1,4 Serviços (4) 2,8 2,1 Transporte, armazenagem e Correio (5) 0,0-3,2 Informação e comunicação; atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados; atividades profissionais, científicas e técnicas (6) 5,0 1,7 Atividades administrativas e serviços complementares (7) -3,4 4,3 Administração pública, defesa e seguridade social; educação, saúde humana e serviços sociais (8) 6,7-3,3 Alojamento e alimentação; outras atividades de serviços; artes, cultura, esporte e recreação (9) 3,0 10,2 Serviços domésticos (10) -2,2-19,2 Outros (11) 0,0 6,7 Notas: (1) Seção C da CNAE 2.0 domiciliar (2) Seção F da CNAE 2.0 domiciliar (3) Seção G da CNAE 2.0 domiciliar (4) Incluem Atividades Imobiliárias (Seção L da CNAE 2.0 domiciliar) (5) Seção H da CNAE 2.0 domiciliar (6) Seções J, K, M da CNAE 2.0 domiciliar (7) Seção N da CNAE 2.0 domiciliar (8) Seções O, P, Q da CNAE 2.0 domiciliar (9) Seções I, S, R da CNAE 2.0 domiciliar (10) Seção T da CNAE 2.0 domiciliar (11) Inclui Agricultura, Pecuária, Produção Florestal, Pesca e Aquicultura (Seção A); Indústrias Extrativas (Seção B); Eletricidade e Gás (Seção D); Água, Esgoto, Atividades de Gestão de Resíduos e Descontaminação (Seção E); Organismos Internacionais e Outras Instituições Extraterritoriais (Seção U); Atividades Mal Definidas (Seção V). As seções mencionadas referem-se à CNAE 2.0 domiciliar Entre 2013 e 2014, o comportamento do nível de ocupação na Construção pouco alterou a proporção de ocupados de ambos os sexos (Tabela 2). Nesse mesmo sentido, também pouco se modificou a proporção da Indústria no total de mulheres ocupadas, o que não ocorreu com o setor de Comércio; Reparação de Veículos Automotores e 7

8 Motocicletas, que diminuiu sua proporção no total de ocupadas. Setor que emprega mais mulheres (70,9%) do que homens (46,1%), os Serviços agregam ramos de atividade cuja inserção feminina é importante e está relacionada aos papéis que lhe são atribuídos na sociedade, tais como cuidar e ensinar, e apresentaram aumento de sua proporção no total de mulheres ocupadas entre 2013 e 2014, com exceção dos serviços domésticos e atividades administrativas e serviços complementares. TABELA 2 Distribuição dos ocupados, por sexo, segundo setores de atividade econômica Região Metropolitana de São Paulo Setores de atividade Mulheres Em porcentagem Homens TOTAL 100,0 100,0 100,0 100,0 Indústria de Transformação (1) 12,6 12,4 20,5 20,1 Construção (2) 0,7 0,8 13,1 13,2 Comércio, Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas (3) 17,2 15,3 19,2 18,8 Serviços (4) 68,9 70,9 45,5 46,1 Transporte, armazenagem e Correio (5) 2,6 2,6 10,6 10,2 Informação e comunicação; atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados; atividades profissionais, científicas e técnicas (6) 9,9 10,4 9,9 10,0 Atividades administrativas e serviços complementares (7) 8,7 8,4 7,9 8,2 Administração pública, defesa e seguridade social; educação, saúde humana e serviços sociais (8) 20,6 22,0 7,5 7,2 Alojamento e alimentação; outras atividades de serviços; artes, cultura, esporte e recreação (9) 12,5 12,9 8,4 9,2 Serviços domésticos (10) 14,0 13,7 0,5 0,4 Outros (11) 0,6 0,6 1,7 1,8 Notas: (1) Seção C da CNAE 2.0 domiciliar (2) Seção F da CNAE 2.0 domiciliar (3) Seção G da CNAE 2.0 domiciliar (4) Incluem Atividades Imobiliárias (Seção L da CNAE 2.0 domiciliar) (5) Seção H da CNAE 2.0 domiciliar (6) Seções J, K, M da CNAE 2.0 domiciliar (7) Seção N da CNAE 2.0 domiciliar (8) Seções O, P, Q da CNAE 2.0 domiciliar (9) Seções I, S, R da CNAE 2.0 domiciliar (10) Seção T da CNAE 2.0 domiciliar (11) Inclui Agricultura, Pecuária, Produção Florestal, Pesca e Aquicultura (Seção A); Indústrias Extrativas (Seção B; Eletricidade e Gás (Seção D); Água, Esgoto, Atividades de Gestão de Resíduos e Descontaminação (Seção E); Organismos Internacionais e Outras Instituições Extraterritoriais (Seção U); Atividades Mal Definidas (Seção V). As seções mencionadas referem-se à CNAE 2.0 domiciliar Obs.: A captação da CNAE 2.0 domiciliar na PED iniciou-se em novembro de Vide nota técnica nº 12 As mulheres ocupadas estão inseridas, principalmente, nos Serviços, com destaque para as áreas de saúde, educação, serviços sociais, serviços domésticos, etc. O Comércio vem em seguida, acompanhado pela Indústria e, por último, a Construção. 8

9 Os serviços domésticos, que vêm perdendo importância na absorção da mão de obra feminina na última década, respondiam, em 2014, por 13,7% da ocupação das mulheres. Em 2003, esse contingente correspondia a 19,2% do total de mulheres ocupadas. Quanto à forma de inserção feminina no mercado de trabalho, merece destaque o aumento do número de ocupações mais protegidas pela legislação trabalhista em especial no setor público, seguido pelo assalariamento com carteira assinada no setor privado (Tabela 3). Entre as formas de vínculos mais precários, houve decréscimo do assalariamento no setor privado sem carteira de trabalho assinada, do emprego doméstico, principalmente devido às mensalistas, e de autônomos. Entre os homens, o aumento do assalariamento no setor privado com carteira de trabalho assinada foi semelhante ao das mulheres, porém diminuiu no setor público e cresceu no trabalho autônomo. TABELA 3 Variação do nível de ocupação, por sexo, segundo posição na ocupação Região Metropolitana de São Paulo 2013/2014 Em porcentagem Posição na ocupação Mulheres Homens Total -0,1 0,7 Total de assalariados (1) 1,1 1,2 Setor privado 0,4 1,4 Com carteira assinada 1,5 1,6 Sem carteira assinada -6,5 0,8 Setor público (2) 5,9-1,0 Autônomos -5,1 1,2 Empregados domésticos -2,2-19,2 Mensalistas -3,4 - (4) Diaristas -0,4 - (4) Demais posições (3) 1,5-3,0 Notas: (1) Exclui os empregados domésticos e inclui aqueles que não informaram o segmento em que trabalham (2) Inclui os estatutários e celetistas que trabalham em instituições públicas (governos municipal, estadual, federal, empresa de economia mista, autarquia, fundação, etc.) (3) Incluem empregadores, profissionais universitários autônomos, donos de negócio familiar, trabalhadores familiares sem remuneração e outras posições ocupacionais (4) A amostra não comporta desagregação para esta categoria 9

10 Como consequência desse desempenho, elevou-se a proporção de assalariadas no setor privado com carteira de trabalho assinada (de 50,3%, em 2013, para 51,1%, em 2014) e de empregadas do setor público (de 10,2% para 10,8%, no período) (Tabela 4). Em 2014, a inserção feminina ocorreu, principalmente, em vínculos menos precários, que garantem acesso aos benefícios da legislação trabalhista. Destaque-se que a proporção das empregadas domésticas no total das ocupações femininas diminuiu de 14,0% para 13,7%, entre 2013 e 2014, sendo a menor da série da pesquisa. Em momentos de maior e mais diversificada oferta de trabalho, como é o caso da última década, as mulheres tendem a se ocupar em atividades de maior prestígio e em setores mais estruturados, permanecendo nos serviços domésticos, principalmente, aquelas nas faixas etárias mais elevadas e com menor escolaridade. TABELA 4 Distribuição dos ocupados, por sexo, segundo posição na ocupação Região Metropolitana de São Paulo Posição na ocupação Mulheres Em porcentagem Homens TOTAL 100,0 100,0 100,0 100,0 Total de assalariados (1) 68,1 68,9 72,6 72,9 Setor privado 57,9 58,2 67,1 67,5 Com carteira assinada 50,3 51,1 57,0 57,5 Sem carteira assinada 7,6 7,1 10,0 10,0 Setor público (2) 10,2 10,8 5,5 5,4 Autônomos 11,9 11,3 18,7 18,8 Empregados domésticos 14,0 13,7 0,5 0,4 Mensalistas 8,7 8,4 0,5 - (4) Diaristas 5,3 5,3 - (4) - (4) Demais posições (3) 6,0 6,1 8,2 7,9 Fonte: Secretaria de Planejamento Gestão. Convênio Seade DIEESEe e MTE/FAT. Pesquisa de Emprego e (1) Exclui os empregados domésticos e inclui aqueles que não informaram o segmento em que trabalham. (2) Inclui os estatutários e celetistas que trabalham em instituições públicas (governos municipal, estadual, federal, empresa de economia mista, autarquia, fundação, etc.). (3) Incluem empregadores, profissionais universitários autônomos, donos de negócio familiar, trabalhadores familiares sem remuneração e outras posições ocupacionais. (4) A amostra não comporta desagregação para esta categoria. Mulheres e homens, de forma geral, permaneceram mais tempo em seus trabalhos atuais. O tempo médio de permanência dos assalariados no posto de trabalho atual 10

11 ampliou-se em dois meses para as mulheres e um mês para os homens, entre 2013 e 2014, passando para 59 e 63 meses, respectivamente. Destaque-se que o tempo de permanência no posto de trabalho atual para os homens é o maior desde Rendimento por fora feminino aumenta e passa a equivaler a 81,4% do masculino Em 2014, o rendimento médio real 4 das mulheres ocupadas na Região Metropolitana de São Paulo equivalia a R$ 1.594, enquanto o dos homens correspondia a R$ Entretanto, como a jornada semanal média de trabalho dos homens (43 horas) é maior do que a das mulheres (38 horas), o rendimento médio real por hora torna-se a medida mais apropriada para comparar esses segmentos. O rendimento por hora, para as mulheres, cresceu pelo sexto ano consecutivo, correspondendo a R$ 9,80, em 2014, 5,3% superior ao registrado no ano anterior, enquanto para os homens passou a equivaler a R$ 12,04, praticamente estável (-0,2%) em relação a Essa variação diferenciada resultou em uma inédita aproximação entre os rendimentos por hora feminino e masculino: em 2013, as mulheres recebiam 77,1% do valor auferido pelos homens, proporção que passou para 81,4%, em 2014 (Gráfico 5). GRÁFICO 5 Relação entre o rendimento médio real por hora de mulheres e homens ocupados (1) Região Metropolitana de São Paulo Notas: (1) Inflator utilizado: ICV do Dieese 4 Os dados de rendimentos de 2014 referem-se ao período de dezembro de 2013 a novembro de

12 O aumento do rendimento médio por hora das mulheres (Tabela 5), entre 2013 e 2014, refletiu a expansão desse indicador em todos setores analisados: 3,3% na Indústria; 3,1% no Comércio; e 1,6% nos Serviços. O maior rendimento pago, em 2014, foi registrado nos Serviços (R$ 10,31), seguido pela Indústria (R$ 9,10) e o Comércio (R$ 7,28). No setor de Serviços, chama atenção as expansões do rendimento médio por hora no ramo informação e comunicação; atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados; atividades profissionais científicas e técnicas (5,5%), que é aquele que melhor remunera as mulheres R$ 16,79 e nos serviços domésticos (6,0%). Destacase, ainda, a retração observada nos rendimentos por hora no ramo de administração pública, defesa e seguridade social; educação, saúde humana e serviços sociais (- 2,5%). Entre os homens, a relativa estabilidade do rendimento médio por hora (-0,2%) decorreu de reduções na Indústria (-2,1%) e no Comércio, Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas (-4,8%), praticamente compensadas pelo aumento nos serviços (1,7%). O rendimento médio por hora na Construção permaneceu relativamente estável (-0,1%). Devido aos ritmos distintos na evolução dos rendimentos médios por hora obtidos nos setores de atividade para mulheres e homens, a diferença entre os dois diminuiu na Indústria e no Comércio, Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas e ficou relativamente estável nos Serviços. Na Indústria de Transformação, o rendimento médio por hora das mulheres, que em 2013 correspondia a 71,3% do masculino, passou a equivaler a 75,3%, em No Comércio, Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas, essa relação diminuiu de 73,0% para 79,0% e, nos Serviços, passou de 75,6% para 75,5%, no mesmo período. As diferenças entre rendimentos de mulheres e homens se alteraram em Em 2013, os Serviços apresentavam a maior proximidade de rendimento médio por hora entre mulheres e homens, posição que, em 2014, passou a ser ocupada pelo Comércio, Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas, seguido agora pelos Serviços e pela Indústria de Transformação, ambos com diferenças muito próximas. 12

13 TABELA 5 Rendimento médio real por hora dos ocupados (1) no trabalho principal, por sexo, segundo setores de atividade econômica Região Metropolitana de São Paulo Setores de atividade Rendimento médio real por hora (2) Mulheres Homens Variação 2014/2013 (%) Rendimento das mulheres em relação ao dos homens (%) Mulheres Homens Total de ocupados (3) 9,31 9,80 12,07 12,04 5,3-0,2 77,1 81,4 Indústria de Transformação (4) 8,81 9,10 12,35 12,09 3,3-2,1 71,3 75,3 Metal-mecânica (5) 10,57 10,70 13,95 13,48 1,2-3,4 75,8 79,4 Construção (6) (15) (15) 10,34 10, ,1 - - Comércio, Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas (7) 7,06 7,28 9,67 9,21 3,1-4,8 73,0 79,0 Serviços (8) 10,15 10,31 13,42 13,65 1,6 1,7 75,6 75,5 Transporte, armazenagem e Correio (9) (15) (15) 10,40 10,61-2,0 - - Informação e comunicação; atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados; atividades profissionais, científicas e técnicas (10) 15,92 16,79 23,24 23,53 5,5 1,2 68,5 71,4 Atividades administrativas e serviços complementares (11) 6,88 6,80 8,13 8,20-1,2 0,9 84,6 82,9 Administração pública, defesa e seguridade social; educação, saúde humana e serviços sociais (12) 13,44 13,10 19,00 20,19-2,5 6,3 70,7 64,9 Alojamento e alimentação; outras atividades de serviços; artes, cultura, esporte e recreação (13) 6,94 7,05 8,74 9,28 1,6 6,2 79,4 76,0 Serviços domésticos (14) 6,50 6,89 (15) (15) 6, Notas: (1) Exclusive os assalariados e os empregados domésticos mensalistas que não tiveram remuneração no mês, os trabalhadores familiares sem remuneração salarial e os empregados que receberam exclusivamente em espécie ou benefício. Exclusive os que não trabalharam na semana (2) Inflator utilizado: ICV-Dieese/SP. Em reais de novembro de 2014 (3) Inclui agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (Seção A); indústrias extrativas (Seção B); eletricidade e gás (Seção D); água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação (Seção E); organismos internacionais e outras instituições extraterritoriais (Seção U); atividades mal definidas (Seção V). As seções mencionadas referem-se à CNAE 2.0 domiciliar (4) Seção C da CNAE 2.0 domiciliar. (5) Divisões 24, 25, 26, 27, 28, 29 da CNAE 2.0 domiciliar. (6) Seção F da CNAE 2.0 domiciliar. (7) Seção G da CNAE 2.0 domiciliar. (8) Inclui atividades imobiliárias (Seção L da CNAE 2.0 domiciliar). (9) Seção H da CNAE 2.0 domiciliar. (10) Seções J, K, M da CNAE 2.0 domiciliar. (11) Seção N da CNAE 2.0 domiciliar. (12) Seções O, P, Q da CNAE 2.0 domiciliar. (13) Seções I, S, R da CNAE 2.0 domiciliar. (14) Seção T da CNAE 2.0 domiciliar. (15) A amostra não comporta a desagregação para esta categoria. Nota: A captação da CNAE 2.0 domiciliar na PED iniciou-se em novembro de Vide nota técnica nº 12. Nos Serviços, a menor diferença de rendimento médio por hora entre mulheres e homens se encontra nas atividades administrativas e serviços complementares, em que é maior a proporção de ocupações de baixa complexidade. Já a maior distância ocorre na administração pública, defesa e seguridade social; educação, saúde humana e serviços sociais. Por posição na ocupação, o rendimento médio real por hora das mulheres aumentou para as empregadas domésticas (tanto mensalistas como diaristas), autônomas que trabalhavam para empresa e assalariadas do setor privado, com e sem carteira de trabalho assinada. Houve retração entre as assalariadas do setor público e as autônomas que trabalhavam para o público (Tabela 6). 13

14 Para os homens, o salário médio por hora reduziu-se entre os autônomos que trabalhavam para empresa, permaneceu relativamente estável para os assalariados do setor privado e aumentou nas demais posições ocupacionais. TABELA 6 Rendimento médio real por hora dos ocupados (1) no trabalho principal e variação, por sexo, segundo posição na ocupação Região Metropolitana de São Paulo Posição na ocupação Mulheres Mulheres Homens TOTAL 9,31 9,80 12,07 12,04 5,3-0,2 77,1 81,4 Total de assalariados (3) 9,91 10,02 11,37 11,41 1,1 0,4 87,2 87,8 Setor privado 8,79 8,90 10,84 10,83 1,3-0,1 81,1 82,2 Com carteira assinada 9,13 9,22 11,08 11,19 1,0 1,0 82,4 82,4 Sem carteira assinada 6,96 7,06 8,13 8,78 1,4 8,0 85,6 80,4 Setor público 16,79 16,52 19,93 20,67-1,6 3,7 84,2 79,9 Autônomos 6,91 7,00 10,54 10,56 1,3 0,2 65,6 66,3 Trabalham para o público 6,36 6,09 9,36 9,64-4,2 3,0 67,9 63,2 Trabalham para empresa 7,92 8,38 12,37 12,16 5,8-1,7 64,0 68,9 Empregadores -(5) -(5) 25,59 26,08-1,9 - - Empregados domésticos 6,50 6,89 -(5) -(5) 6, Mensalistas 5,99 6,35 -(5) -(5) 6, Diaristas 8,05 8,56 -(5) -(5) 6, Demais posições (4) -(5) -(5) 16,28 16,76-2,9 - - Fonte: Secretaria de Planejamento e Gestão. Convênio Seade DIEESE MTE/FAT. Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) Notas: (1) Exclui os assalariados e os empregados domésticos mensalistas que não tiveram remuneração no mês, os trabalhadores familiares sem remuneração salarial e os empregados que receberam exclusivamente em espécie ou benefício. Exclusive os que não trabalharam na semana (2) Inflator utilizado: ICV-Dieese/SP. Em reais de novembro de 2014 (3) Inclui aqueles que não informaram o segmento em que trabalham (4) Incluem profissionais universitários autônomos, donos de negócio familiar, etc. (5) A amostra não comporta desagregação para a categoria Rendimento médio real por hora Homens Variação 2014/2013 (%) Rendimento das mulheres em relação ao dos homens (%) 14

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO O mercado de trabalho em 2012 Dia Nacional da Consciência Negra A rota de redução de desigualdades na RMSP O crescimento

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA JUNHO DE 2014 Redução da taxa de desemprego Ano 20 - Número 6 1. A Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED),

Leia mais

Taxa de desemprego se eleva

Taxa de desemprego se eleva MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC 1 Taxa de desemprego se eleva 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego - PED, realizada pela Fundação Seade e pelo Dieese, em parceria com o Consórcio

Leia mais

São Paulo, março de 2014 n o 25. A presença feminina

São Paulo, março de 2014 n o 25. A presença feminina São Paulo, março de 2014 n o 25 A presença feminina NO MERCADO DE TRABALHO EM 2013 NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Diminui presença feminina no mercado de trabalho Metade das mulheres passam a ter

Leia mais

O mercado de trabalho no biênio 2011-2012. Dia Nacional da Consciência Negra

O mercado de trabalho no biênio 2011-2012. Dia Nacional da Consciência Negra PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO DO ABC O mercado de trabalho no biênio 2011-2012 Dia Nacional da Consciência Negra 1. Compreende

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED Março DE 2014 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 352 Em movimento típico para o período, cresce a taxa de desemprego Nível de ocupação se reduz na Indústria

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA MARÇO - 2014 Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres O mercado de trabalho metropolitano de Fortaleza,

Leia mais

O Desemprego manteve relativa estabilidade em quatro regiões

O Desemprego manteve relativa estabilidade em quatro regiões O Desemprego manteve relativa estabilidade em quatro regiões NOVEMBRO DE 2015 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam que a taxa de desemprego permaneceu relativamente estável

Leia mais

Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL

Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Ano 23 - Número 12 Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego

Leia mais

Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015

Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015 Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego mostram que a taxa de desemprego cresceu nas regiões metropolitanas pesquisadas. O DIEESE

Leia mais

LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO

LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 Nº 09 Resultados de setembro de 2015 LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego no PED-DF, realizada pela

Leia mais

AGOSTO DE 2014 * Taxa de desemprego em relativa estabilidade

AGOSTO DE 2014 * Taxa de desemprego em relativa estabilidade MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO AGOSTO DE 2014 * Taxa de desemprego em relativa estabilidade Nível de ocupação aumenta na Indústria de Transformação, mantém-se relativamente estável

Leia mais

APÓS CINCO MESES EM RELATIVA ESTABILIDADE, DESEMPREGO VOLTA A CRESCER

APÓS CINCO MESES EM RELATIVA ESTABILIDADE, DESEMPREGO VOLTA A CRESCER PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 1 AGOSTO DE 2015 Ano 8 Divulgação Nº 08 APÓS CINCO MESES EM RELATIVA ESTABILIDADE, DESEMPREGO VOLTA A CRESCER As informações da Pesquisa

Leia mais

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS E m comemoração ao 20 de novembro, consagrado como o Dia da Consciência Negra, o DIEESE

Leia mais

TAXA DE DESEMPREGO DIMINUIU PELO SEGUNDO MÊS CONSECUTIVO

TAXA DE DESEMPREGO DIMINUIU PELO SEGUNDO MÊS CONSECUTIVO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC¹ Resultados de outubro² 1 de 2014 TAXA DE DESEMPREGO DIMINUIU PELO SEGUNDO MÊS CONSECUTIVO 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, realizada pela

Leia mais

PED ABC Novembro 2015

PED ABC Novembro 2015 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2015 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO DO ABC Diferenciais de inserção de negros e não negros no mercado de trabalho em 2013-2014 Dia

Leia mais

Formalização das relações de trabalho

Formalização das relações de trabalho PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MAIO DE 2015 Formalização das relações de trabalho SÚMARIO EXECUTIVO O aumento da proporção de ocupações com relações de trabalho formalizadas,

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Introdução De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

PEQUENO AUMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL

PEQUENO AUMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 Nº 01 Resultados de janeiro de 2015 PEQUENO AUMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL 1. De acordo com a Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, a taxa

Leia mais

Desemprego cresceu no conjunto das regiões

Desemprego cresceu no conjunto das regiões Desemprego cresceu no conjunto das regiões SETEMBRO DE 2015 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam que a taxa de desemprego aumentou nas cinco regiões pesquisadas. O DIEESE

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. Comércio e Serviços sustentam crescimento da ocupação

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. Comércio e Serviços sustentam crescimento da ocupação PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 277 266 DEZEMBRO DE 2007 Taxa de desemprego total diminui para 13,5% Comércio e Serviços sustentam crescimento da ocupação

Leia mais

CRESCE O DESEMPREGO NA GRANDE FORTALEZA

CRESCE O DESEMPREGO NA GRANDE FORTALEZA PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 1 MARÇO DE 2015 Ano 8 Divulgação Nº03 CRESCE O DESEMPREGO NA GRANDE FORTALEZA As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL Abril /2007 O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL A busca de alternativas para o desemprego tem encaminhado o debate sobre a estrutura e dinâmica

Leia mais

Aumenta a taxa de desemprego

Aumenta a taxa de desemprego PED JANEIRO DE 2012 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 326 Aumenta a taxa de desemprego Diminui o nível de ocupação na Indústria e no Comércio Pequeno crescimento

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MARÇO DE 2009 DIVULGAÇÃO DIVULGAÇÃO N o 292 N o 266 Desemprego cresce, mas indústria e serviços param de demitir Demissões no Comércio

Leia mais

Emprego doméstico na Região Metropolitana de Porto Alegre em 2013

Emprego doméstico na Região Metropolitana de Porto Alegre em 2013 EMPREGO DOMÉSTICO NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE ABRIL 2014 Emprego doméstico na Região Metropolitana de Porto Alegre em Em, diminuiu o número de empregadas domésticas na

Leia mais

O TRABALHO DAS MULHERES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO EM 2013: MUDANÇAS E PERMANÊNCIAS

O TRABALHO DAS MULHERES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO EM 2013: MUDANÇAS E PERMANÊNCIAS A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MARÇO - 2012 MARÇO - 2012 MARÇO 2013 O TRABALHO DAS MULHERES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO EM 2013: MUDANÇAS E PERMANÊNCIAS

Leia mais

Sistema PED. Divulgação dos dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED segundo a Classificação CNAE domiciliar versão 2.0.

Sistema PED. Divulgação dos dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED segundo a Classificação CNAE domiciliar versão 2.0. Sistema PED Maio 2012 Divulgação dos dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED segundo a Classificação CNAE domiciliar versão 2.0 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL Governador do

Leia mais

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007 O EMPREGO DOMÉSTICO Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Abril 2007 Perfil de um emprego que responde por 17,7% do total da ocupação feminina e tem 95,9% de seus postos de trabalho

Leia mais

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES Outubro 2012 Nº 7 O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES A Construção ocupa um contingente crescente de trabalhadores e pode ser apontada como um dos responsáveis pelo dinamismo

Leia mais

O Emprego Doméstico na Região Metropolitana de Belo Horizonte em 2013

O Emprego Doméstico na Região Metropolitana de Belo Horizonte em 2013 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Ano 19 Nº 13 - O Emprego Doméstico na Região Metropolitana de Belo Horizonte em A partir da aprovação da Emenda Constitucional n 72,

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

O EMPREGO DOMÉSTICO NO PERÍODO DE 2000 A 2009

O EMPREGO DOMÉSTICO NO PERÍODO DE 2000 A 2009 Região Metropolitana de São Paulo Março 2010 O EMPREGO DOMÉSTICO NO PERÍODO DE 2000 A 2009 No ano em que a Organização Internacional do Trabalho OIT inclui o trabalho doméstico como tema de sua 99ª Conferência

Leia mais

PED ABC. Os jovens e o mercado de trabalho na região do ABC. Estudo Especial JULHO DE 2013 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC *

PED ABC. Os jovens e o mercado de trabalho na região do ABC. Estudo Especial JULHO DE 2013 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC * PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC * JULHO DE 2013 Os jovens e o mercado de trabalho na região do ABC Estudo Especial * Compreende os municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande

Leia mais

A inserção da população negra no mercado de trabalho da Região Metropolitana de Salvador

A inserção da população negra no mercado de trabalho da Região Metropolitana de Salvador PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR Resultados de 2013 Divulgação: Novembro de 2014 A inserção da população negra no mercado de trabalho da Região Metropolitana de Salvador

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A MULHER NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS MARÇO 2008 Especial - Abril 2011 AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS Em homenagem ao Dia Nacional

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

Aumento da ocupação e do rendimento médio real e redução da taxa de desemprego melhoram a inserção das mulheres no mercado de trabalho da RMS, em 2014

Aumento da ocupação e do rendimento médio real e redução da taxa de desemprego melhoram a inserção das mulheres no mercado de trabalho da RMS, em 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR Março de 2015 Aumento da ocupação e do rendimento médio real e redução da taxa de desemprego melhoram a inserção das mulheres

Leia mais

Salários na Construção Civil nos anos 2000: entre a formalização e a rotatividade

Salários na Construção Civil nos anos 2000: entre a formalização e a rotatividade Dezembro 2011 Nº 6 Salários na Construção Civil nos anos 2000: entre a formalização e a rotatividade Durante a década de 1990, com o enfraquecimento das instituições reguladoras da economia e da sociedade

Leia mais

Trabalho e Desigualdades de Gênero na Região Metropolitana de São Paulo

Trabalho e Desigualdades de Gênero na Região Metropolitana de São Paulo São Paulo março de 2010 nº 21 Trabalho e Desigualdades de Gênero na Região Metropolitana de São Paulo Balanço do mercado de trabalho feminino em 2009 Emprego doméstico no período 2000-2009 SUMáRIO apresentação

Leia mais

A PRESENÇA FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO NAREGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2015

A PRESENÇA FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO NAREGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2015 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2016 A PRESENÇA FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO NAREGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2015 Em 2015, a taxa de participação

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS A POPULAÇÃO IDOSA NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE SETEMBRO - 2008 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

Leia mais

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL São Paulo 2 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São

Leia mais

As informações da Pesquisa de Emprego

As informações da Pesquisa de Emprego PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC NOVEMBRO DE 2014 Mercado de trabalho e mobilidade do trabalhador As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED na Região do ABC, rea lizada pela

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ESPECIAL NEGROS Novembro de 2008 NOVEMBRO de 2008 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 Na Região Metropolitana de Belo Horizonte

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Campinas 2 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

BOLETIM MENSAL Março/2010. DADOS: CAGED (MTE) Março/2010 RAIS (MTE) 2008

BOLETIM MENSAL Março/2010. DADOS: CAGED (MTE) Março/2010 RAIS (MTE) 2008 BOLETIM MENSAL Março/2010 DADOS: CAGED (MTE) Março/2010 RAIS (MTE) 2008 Este número do Boletim do Observatório do Emprego e do Trabalho da Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho (SERT) apresenta

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Sorocaba 3 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego. Abril 2011

Pesquisa Mensal de Emprego. Abril 2011 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2011 1 1 Rio de Janeiro, 26/05/2011 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro O Janeiro

Leia mais

A PRESENÇA FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM 2015

A PRESENÇA FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM 2015 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2016 A PRESENÇA FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO EM 2015 A taxa de participação das mulheres no mercado

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2007 O MERCADO DE TRABALHO SOB A ÓPTICA DA RAÇA/COR Os dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego permitem diversos tipos de detalhamento

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC¹ Número especial 1 MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM 2014 2 As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego da Região do ABC, em 2014, mostram relativa estabilidade

Leia mais

Ano 3 Nº 24 setembro de 2006. A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 24 setembro de 2006. A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 24 setembro de 2006 A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos No Brasil, as profundas transformações pelas quais

Leia mais

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson

Leia mais

Qualificação e Mercado de Trabalho: Apontamentos para política pública em regiões metropolitanas

Qualificação e Mercado de Trabalho: Apontamentos para política pública em regiões metropolitanas Qualificação e Mercado de Trabalho: Apontamentos para política pública em regiões metropolitanas Rede de Pesquisa Formação e Mercado de Trabalho 25.10.2012 Estudos com base PED: 2008: Projeto MTE / DIEESE

Leia mais

Taxa de desemprego permanece estável

Taxa de desemprego permanece estável PESQUISA DE EMRPEGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC¹ 1 Resultados de novembro 2 de 2014 Taxa de desemprego permanece estável 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, realizada pela Fundação

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho do Distrito Federal 2016

A presença feminina no mercado de trabalho do Distrito Federal 2016 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL MARÇO 20 MARÇO - 2017 A presença feminina no mercado de trabalho do Distrito Federal 2016 Entre 2015 e 2016, o nível de ocupação no Distrito

Leia mais

REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS

REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 E TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS m setembro, a Pesquisa de Emprego e Desemprego, realizada na Região Metropolitana de Salvador (RMS), apresentou

Leia mais

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson

Leia mais

Nº 68 Agosto de 2013. O Emprego Doméstico no Brasil

Nº 68 Agosto de 2013. O Emprego Doméstico no Brasil Nº 68 Agosto de 2013 O Emprego Doméstico no Brasil Introdução O Emprego Doméstico no Brasil Em meio a um intenso debate na sociedade e pressão dos movimentos sociais e sindical, no dia 3 de abril, o Brasil

Leia mais

Gênero e trabalho na terceira idade

Gênero e trabalho na terceira idade 97 Gênero e trabalho na terceira idade Norma Herminia Kreling* Com as transformações demográficas ocorridas nos últimos anos, o envelhecimento populacional deixa de ser um fenômeno restrito aos países

Leia mais

DESIGUALDADE DE RENDIMENTOS ENTRE NEGRO E NÃO NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS: UMA VISÃO SETORIAL

DESIGUALDADE DE RENDIMENTOS ENTRE NEGRO E NÃO NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS: UMA VISÃO SETORIAL DESIGUALDADE DE RENDIMENTOS ENTRE NEGRO E NÃO NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS: UMA VISÃO SETORIAL Novembro de 2013 Taxas de participação e desemprego total, segundo cor e sexo Regiões Metropolitanas

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE SETOR

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

Taxa de desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo

Taxa de desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 PED ABC outubro 2 DE 2015 DIVULGAÇÃO N o 54 Taxa de desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo Nível de ocupação aumenta no Comércio e Reparação

Leia mais

Taxa de desemprego em relativa estabilidade

Taxa de desemprego em relativa estabilidade PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 PED ABC JUNHO 2 DE 2016 DIVULGAÇÃO N o 62 Taxa de desemprego em relativa estabilidade Aumenta o nível de ocupação nos Serviços e se reduz na Indústria

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Taxa de desemprego aumenta, em comportamento típico para o período

Leia mais

BOLETIM MENSAL Julho/2011

BOLETIM MENSAL Julho/2011 Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho BOLETIM MENSAL Julho/2011 DADOS: CAGED (MTE) Mês/Ano RAIS (MTE) 2010 Este número do Boletim do Observatório do Emprego e do Trabalho da Secretaria do Emprego

Leia mais

PRINCIPAIS DESTAQUES DA EVOLUÇÃO DO MERCADO DE TRABALHO NAS SEIS REGIõES METROPOLITANAS ABRANGIDAS PELA PESQUISA MENSAL DE EMPREGO DO IBGE

PRINCIPAIS DESTAQUES DA EVOLUÇÃO DO MERCADO DE TRABALHO NAS SEIS REGIõES METROPOLITANAS ABRANGIDAS PELA PESQUISA MENSAL DE EMPREGO DO IBGE PRINCIPAIS DESTAQUES DA EVOLUÇÃO DO MERCADO DE TRABALHO NAS SEIS REGIõES METROPOLITANAS ABRANGIDAS PELA PESQUISA MENSAL DE EMPREGO DO IBGE (RECIFE, SALVADOR, BELO HORIZONTE, RIO DE JANEIRO, SÃO PAULO E

Leia mais

CRESCIMENTO DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL FAVORECE A EXPANSÃO DE POSTOS DE TRABALHO E DO RENDIMENTO

CRESCIMENTO DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL FAVORECE A EXPANSÃO DE POSTOS DE TRABALHO E DO RENDIMENTO Nº 4 Outubro CRESCIMENTO DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL FAVORECE A EXPANSÃO DE POSTOS DE TRABALHO E DO RENDIMENTO Em, a retomada do crescimento econômico em patamar superior ao verificado nos últimos anos

Leia mais

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004 DESIGUALDADE RACIAL EM MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS (ROTEIRO DE DIVULGAÇÃO) Embora a segregação racial esteja presente em várias manifestações e estruturas da sociedade brasileira, o mercado de

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM 2013 *

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM 2013 * MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC 1 MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM 2013 * As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego da Região do ABC, em 2013, mostram crescimento do nível de ocupação,

Leia mais

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina A 5ª edição do Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa é um dos produtos elaborados por meio

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Novembro de 2010 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO E O ACESSO AO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Em comemoração ao Dia da Consciência Negra

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED / DIEESE / SEADE REFERÊNCIA: Fevereiro de 2015

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED / DIEESE / SEADE REFERÊNCIA: Fevereiro de 2015 SÍNTESE / BOLETIM DA PED / FEVEREIRO 2015 RESULTADOS DAS REGIÕES METROPOLITANAS A Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, em sua metodologia, cobre as regiões metropolitanas de Belo Horizonte, Porto Alegre,

Leia mais

Evolução do emprego formal na Região Metropolitana de Porto Alegre no período 1999-2010

Evolução do emprego formal na Região Metropolitana de Porto Alegre no período 1999-2010 Evolução do emprego formal na Região Metropolitana de Porto Alegre no período 1999-2010 Economista, Pesquisador da FEE 1 Introdução Considerando-se o mercado de trabalho no Brasil, verifica-se que enquanto

Leia mais

Taxa de desemprego mantém-se relativamente estável

Taxa de desemprego mantém-se relativamente estável MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Resultados de janeiro de 2015 Taxa de desemprego mantém-se relativamente estável RESULTADOS DO MÊS 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego

Leia mais

Análise do mercado de trabalho

Análise do mercado de trabalho Análise do mercado de trabalho 1 Introdução Esta análise tem como propósito a apresentação do desempenho do mercado de trabalho brasileiro no primeiro trimestre de 2010 com base, principalmente, nos indicadores

Leia mais

NOTA TÉCNICA TERCEIRIZAÇÃO

NOTA TÉCNICA TERCEIRIZAÇÃO NOTA TÉCNICA TERCEIRIZAÇÃO Abril de 2015 1 Sumário Executivo O trabalho utiliza a mesma base de dados e metodologia que o elaborado pela CUT/DIEESE, ou seja, agregações de setores terceirizados e contratantes

Leia mais

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização,

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO NOTA TÉCNICA EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO Maria Andréia Parente Lameiras* 1 INTRODUÇÃO Ao longo da última década, o mercado de trabalho no Brasil vem apresentando

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres META 3 Eliminar as disparidades entre os sexos no ensino fundamental e médio, se possível, até 2005, e em todos os níveis de ensino, o mais

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL ANO 01 NÚMERO 14 MARÇO DE 2001 APRESENTAÇÃO

INFORMATIVO MENSAL ANO 01 NÚMERO 14 MARÇO DE 2001 APRESENTAÇÃO INFORMATIVO MENSAL ANO 01 NÚMERO 14 MARÇO DE 2001 APRESENTAÇÃO Neste número apresentamos dados alentadores sobre o mercado de trabalho em nossa região metropolitana. Os dados referentes ao desemprego em

Leia mais

O TRABALHO POR CONTA PRÓPRIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL

O TRABALHO POR CONTA PRÓPRIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Nº 5 Fevereiro 2011 O TRABALHO POR CONTA PRÓPRIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL O desenvolvimento capitalista no Brasil alcançou um impulso formidável no século passado, dotando, em curto espaço de tempo, uma economia

Leia mais

Mulheres e homens em grupos ocupacionais homogêneos: elas tendem a ganhar menos!

Mulheres e homens em grupos ocupacionais homogêneos: elas tendem a ganhar menos! 1 Mulheres e homens em grupos ocupacionais homogêneos: elas tendem a ganhar menos! M esmo em um contexto de melhora geral do mercado de trabalho, a remuneração das mulheres continua a ser menor que a dos

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED fevereiro DE 2016 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 375 Taxa de desemprego aumenta, após quatro meses em relativa estabilidade Nível de ocupação diminui

Leia mais