Caraterização do setor dos serviços em Portugal. Paula Menezes Coordenadora da Área da Central de Balanços 1 dezembro 2014 Lisboa

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caraterização do setor dos serviços em Portugal. Paula Menezes Coordenadora da Área da Central de Balanços 1 dezembro 2014 Lisboa"

Transcrição

1 Caraterização do setor dos serviços em Portugal Paula Menezes Coordenadora da Área da Central de Balanços 1 dezembro 2014 Lisboa

2 1. Estrutura e dinâmica do setor: o que mudou em 10 anos? 2. Análise económica e financeira do setor 2.1 Atividade e rendibilidade 2.2 Situação financeira 3. Conclusões 2 1 dezembro 2014

3 1. Estrutura e dinâmica do setor: o que mudou em 10 anos? 3 1 dezembro 2014

4 Fontes de informação Central de Balanços IES (dados anuais) IES 2013 CRC º Semestre 2014 O que mudou nas SNF? Indicadores económico-financeiros Empréstimos bancários 4 1 dezembro 2014

5 Fontes de informação O setor dos serviços Comércio Transportes e Armazenagem Alojamento e restauração Atividades de informação e comunicação Outros serviços: atividades imobiliárias, educação, saúde humana, atividades artísticas, outros Consultoria e atividades administrativas Outros serviços 5 1 dezembro 2014

6 Estrutura por segmentos de atividade económica A proporção de empresas do Comércio decresceu 6 p.p. face a 2003, em detrimento dos Outros serviços e Consultoria e atividades administrativas Número de empresas 23% 19% 36% % % 18% 3% 13% 3% 9% 13% 7% Comércio Alojamento e restauração Consultoria e ativ. admin. Transportes e armazenagem Ativ. inf. e com. Outros serviços 6 1 dezembro 2014

7 Estrutura por segmentos de atividade económica Os Transportes e armazenagem aumentaram o peso no volume de negócios do total do setor nos últimos 10 anos Volume de negócios 11% 10% 6% 7% 4% 4% 7% 10% 6% 7% % 63% 2013 Comércio Alojamento e restauração Consultoria e ativ. admin. Transportes e armazenagem Ativ. inf. e com. Outros serviços 7 1 dezembro 2014

8 Estrutura por segmentos de atividade económica A relevância do número de pessoas ao serviço no setor aumentou significativamente no segmento da Consultoria e atividades administrativas, em detrimento do Comércio Número de pessoas ao serviço 12% 11% 20% 25% % 36% % 13% 10% 5% 13% 9% Comércio Alojamento e restauração Consultoria e ativ. admin. Transportes e armazenagem Ativ. inf. e com. Outros serviços 8 1 dezembro 2014

9 Peso do setor dos Serviços O setor aumentou a importância no total das SNF no que concerne ao número de empresas e número de pessoas ao serviço 13% 11% 24% 26% 31% 24% 69% 74% 60% 59% 53% 62% Número de empresas Volume de negócios Número de pessoas ao serviço Setor dos Serviços Indústria Outros 9 1 dezembro 2014

10 Dimensão das empresas peso no total das SNF Caraterização do setor dos serviços Estrutura por classes de dimensão (2003) Indústria Setor dos Serviços Número de empresas Volume de negócios 63.1% 36.1% 0.8% 6.8% 48.6% 44.6% 90.1% 9.7% 0.2% 25.1% 44.2% 30.7% 10 1 dezembro 2014 Microempresas Pequenas e médias empresas Grandes empresas

11 Estrutura por classes de dimensão (2013) Apesar do aumento da proporção de microempresas, as grandes empresas aumentaram a concentração do volume de negócios, nos últimos 10 anos Indústria 2013 Setor dos Serviços 2013 Número de empresas Volume de negócios % p.p % p.p % p.p % p.p % p.p % p.p % p.p % p.p % p.p % p.p % p.p % p.p. Microempresas Pequenas e médias empresas Grandes empresas 11 1 dezembro 2014

12 Estrutura por classes de dimensão (2013) Apesar do aumento da proporção de microempresas, as grandes empresas aumentaram a concentração do volume de negócios, nos últimos 10 anos Indústria 2013 Setor dos Serviços 2013 Número de empresas Volume de negócios 71.5% 27.7% 0.7% 5.3% 42.7% 52.0% 92.1% 7.7% 0.2% 20.3% 43.4% 36.4% Microempresas Pequenas e médias empresas Grandes empresas 12 1 dezembro 2014

13 Estrutura por maturidade (volume de negócios) Aumento significativo da maturidade das empresas, por volume de negócios Indústria Setor dos Serviços 49% 4% % 9% 14% % 49% 32% % 16% 13% 19% % 30% 33% 18% 11% 21% 17% 33% 29% 33% 27% 39% Até 5 anos De 5 a 10 anos De 10 a 20 anos Mais de 20 anos 13 1 dezembro 2014

14 Estrutura por maturidade (volume de negócios) A consolidação das empresas no mercado foi evidente em todos os segmentos, com destaque para as Atividades de informação e comunicação Comércio Transportes e armazenagem Alojamento e restauração 53% 36% 9% 13% 12% 19% 33% 26% 47% 55% 5% 12% 15% 15% 28% 23% 34% 46% 15% 17% 15% 18% 32% 25% Atividades de informação e comunicação Consultoria e atividades administrativas Outros serviços 10% 50% 45% 6% 9% 31% 14% 35% 33% 18% 33% 11% 21% 17% 27% 32% 26% 29% 13% 20% 21% 25% 39% 35% Até 5 anos De 5 a 10 anos De 10 a 20 anos Mais de 20 anos 14 1 dezembro 2014

15 Localização geográfica da sede por distrito (2013) As sedes das empresas do setor verificaram elevada concentração nos distritos de Lisboa e Porto, em 2013 Número de empresas Volume de negócios Lisboa e Porto agregavam 36% do número de empresas da Indústria 32% Lisboa e Porto agregavam 43% do volume de negócios da Indústria 50% 18% 17% Legenda: [0%;2.5%[ [2.5%;5%[ [5%;10%[ >=10% 15 1 dezembro 2014

16 Localização geográfica da sede por distrito (2013) O setor representava mais de 80% do volume de negócios do total das empresas no Algarve e Regiões Autónomas Número de empresas Volume de negócios 73% 66% (+1 p.p.) 79% 82% (+8 p.p.) 83% 62% (-3 p.p.) 80% 81% (+13 p.p.) 77% 82% (+10 p.p.) Legenda: [0%;50%[ [50%;65%[ [65%;75%[ >=75% 16 1 dezembro 2014

17 Peso do setor dos Serviços no TOP 100 O peso do setor dos Serviços no TOP 100 empresas em Portugal verificou uma redução por contrapartida do acréscimo da Indústria 22% 35% 24% 30% 22% 18% 66% 50% 58% 49% 66% 67% Número de empresas Volume de negócios Número de pessoas ao serviço Setor dos Serviços Indústria SNF 17 1 dezembro 2014

18 Indicadores demográficos A taxa de crescimento de empresas ativas no setor foi superior à verificada para o total das empresas 10% Contributo das Atividades de informação e comunicação: +5.6% 8% 6% 4% 2% 0% 2,1% 1,8% 1,3% -2% -4% Contributo dos Transportes e armazenagem: -0.5% Taxa de natalidade - Setor dos Serviços Tx. variação do número de empresas - Setor dos Serviços Taxa de mortalidade - Setor dos Serviços Tx. variação do número de empresas - SNF Tx. variação do número de empresas - Indústria 18 1 dezembro 2014

19 2. Análise económico-financeira do setor 19 1 dezembro 2014

20 2.1. Atividade e rendibilidade 20 1 dezembro 2014

21 Volume de negócios taxa de crescimento O volume de negócios do setor cresceu mais que o total das empresas Contributo do Comércio: +0.6 p.p. 0.8% 0.7% 0.2% Contributo das Atividades de informação e comunicação: -0.2 p.p. Outros serviços Ativ. inf. e com. Transportes e armazenagem SNF (taxa de cresc.) Indústria (taxa de cresc.) Consultoria e ativ. admin. Alojamento e restauração Comércio Setor dos Serviços (taxa de cresc.) 21 1 dezembro 2014

22 Volume de negócios contributos por mercados O crescimento do mercado externo sustentou o crescimento do volume de negócios em Contributo do mercado externo: +0.7 p.p. Contributo do mercado interno: -0.1 p.p. SNF Setor dos Serviços Mercado externo Mercado interno Volume de negócios (taxa de cresc.) 22 1 dezembro 2014

23 EBITDA taxa de variação O aumento do volume de negócios superior ao dos custos operacionais justificou o acréscimo do EBITDA 30% 20% 10% 0% -10% -20% -30% -40% -4% -7% -20% 22% 12% 6% -50% SNF Setor dos Serviços Indústria 23 1 dezembro 2014

24 Estrutura dos Custos operacionais (2013) Maior peso dos Fornecimentos e serviços externos (FSE) em contrapartida do Custo das mercadorias vendidas e das matérias consumidas (CMVMC) Indústria Setor dos Serviços 14% 15% 19% 67% 27% 57% Por segmentos de atividade económica 8% 11% 23% 31% 26% 35% 30% 81% Comércio 72% 5% Transportes e armazenagem 32% 37% Alojamento e restauração 61% 56% 51% 13% 9% 19% Ativ. inf. e com. CMVMC FSE Custos com o pessoal Consultoria e ativ. admin. Outros serviços 24 1 dezembro 2014

25 Resultado líquido período/ Proveitos Rendibilidade positiva (0.4%), apesar do valor negativo verificado no segmento do Alojamento e restauração (-11%) 8% 6% % 2% 0% -2% -4% -6% -8% -10% -12% SNF Indústria Setor dos Serviços Comércio Transportes e Alojamento e armazenagem restauração Ativ. inf. e com. Consultoria e ativ. admin. Outros serviços 25 1 dezembro 2014

26 2.2. Situação financeira 26 1 dezembro 2014

27 Aumento da autonomia financeira, face a 2009 Caraterização do setor dos serviços Autonomia financeira 50% % 40% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% SNF Indústria Setor dos Serviços Comércio Transportes e Alojamento e armazenagem restauração Ativ. inf. e com. Consultoria e ativ. admin. Outros serviços Por segmentos de atividade económica 27 1 dezembro 2014

28 Empresas com capitais próprios negativos Maior proporção de empresas com capitais próprios negativos Alojamento e restauração; 52% 38% 31% 29% 24% 14% Transportes e armazenagem; 17% SNF Setor dos serviços Indústria Comércio Transportes e armazenagem Alojamento e restauração Ativ. inf. e com. Consultoria e ativ. admin. Outros serviços 28 1 dezembro 2014

29 Estrutura do Passivo A dívida financeira representava 57% do capital alheio, verificando-se um aumento da concentração nos Financiamentos de empresas do grupo, em contrapartida dos empréstimos bancários e créditos comerciais Face a 2009 Face a 2009 Face a % +2 p.p. 26% 23% 16% -2 p.p. 17% -2 p.p. 25% 4% 4% 20% +3 p.p. 20% +4 p.p. 5% 15% 59% 57% 51% 28% -4 p.p. 29% -2 p.p. 26% +2 p.p. +1 p.p. -3 p.p. 7% 5% 6% SNF Setor dos Serviços Indústria Títulos de dívida (A) Financiamentos de empresas do grupo (C) Créditos comerciais Empréstimos bancários (B) Outros financiamentos obtidos (D) Outros passivos (A+B+C+D) = Dívida financeira 29 1 dezembro 2014

30 Empréstimos bancários Distribuição por segmentos No final do 1º semestre de 2014, os Outros serviços e o Comércio detinham 59% do total de empréstimos bancários 76% correspondiam às atividades imobiliárias Outros serviços 33% Comércio 26% Consultoria e ativ. admin. 13% Alojamento e Ativ. inf. e com. restauração 2% 10% Transportes e armazenagem 16% * - com base na Central de Responsabilidades de Crédito 30 1 dezembro 2014

31 Empréstimos bancários taxa de crescimento Os empréstimos bancários do setor verificaram um decréscimo menor que o total das empresas 2% Transportes e armazenagem: -14% Atividades de informação e comunicação: +3% 0% -2% -4% ,7% -4,3% -6% -8% -10% No primeiro semestre de 2014 o crédito ao setor decresceu 4.4% -7,2% SNF Setor dos Serviços Indústria * - com base na Central de Responsabilidades de Crédito 31 1 dezembro 2014

32 Rácio de crédito vencido O setor verificou um Rácio de crédito vencido inferior ao total das empresas para o período em análise 20% 16% 12% 8% No final do primeiro semestre de 2014, o rácio de crédito vencido do setor era de 12.9% Comércio: 16% Transportes e armazenagem: 5% 13,8% 11,6% 10,9% 4% 5,8% 4,8% 3,9% 0% SNF Setor dos Serviços Indústria * - com base na Central de Responsabilidades de Crédito 32 1 dezembro 2014

33 Empresas com crédito vencido A percentagem de empresas com crédito vencido foi inferior à verificada para o total das empresas 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 24% 20,5% 18,4% Alojamento e restauração: 34% No final do primeiro semestre de 2014, 29.1% das empresas do setor tinham crédito vencido Consultoria e atividades administrativas: 24% 31,4% 30,3% 28,0% 0% SNF Setor dos Serviços Indústria * - com base na Central de Responsabilidades de Crédito 33 1 dezembro 2014

34 Pressão financeira (Juros/ EBITDA) A pressão financeira do setor verificou uma redução de 10 p.p. face a % 40% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% 30,2% 23,3% 29,6% 21,3% 19,9% 16,6% SNF Setor dos Serviços Indústria 34 1 dezembro 2014

35 3. Conclusões 35 1 dezembro 2014

36 Conclusões Conclusões Tendência para concentração do volume de negócios nas grandes empresas Elevada concentração das sedes nos distritos de Lisboa e Porto Tendência de aumento do número de empresas ativas em Portugal Maior relevância dos fornecimentos e serviços externos e custos com o pessoal Menor dependência de capitais alheios Aumento do peso das empresas com maior maturidade Redução do peso do setor nas 100 maiores empresas do País Crescimento do volume de negócios potenciado pela componente externa do mercado Decréscimo da rendibilidade Diminuição do financiamento por empréstimos bancários Aumento do crédito vencido Queda da pressão financeira 36 1 dezembro 2014

37 22 outubro dezembro dezembro 2014

38 Obrigada pela atenção 38 1 dezembro 2014

Caracterização das empresas do setor do turismo em Portugal. Paula Menezes Coordenadora da área da Central de Balanços 22 outubro 2014 Funchal

Caracterização das empresas do setor do turismo em Portugal. Paula Menezes Coordenadora da área da Central de Balanços 22 outubro 2014 Funchal Caracterização das empresas do setor do turismo em Portugal Paula Menezes Coordenadora da área da Central de Balanços 22 outubro 2014 Funchal Setor do Turismo I. Estrutura e dinâmica do setor II. III.

Leia mais

Análise do Seto Set r o do Alojamen Alojamen o

Análise do Seto Set r o do Alojamen Alojamen o Análise do Setor do Análise do Setor do Homero Gonçalves Enquadramento Volume de negócios do Setor do por Distrito (TOP 3) 2010 1 Lisboa 37% 2 Algarve 21% 3 Madeira 13% Análise do Setor do 2 Total 79 atividades

Leia mais

ANÁLISE SETORIAL DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2010-2015

ANÁLISE SETORIAL DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2010-2015 ANÁLISE SETORIAL DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2010-2015 Estudos da Central de Balanços Novembro 2015 23 23 ANÁLISE SETORIAL DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2010-2015 Estudos da

Leia mais

ANÁLISE DO SETOR DO TURISMO

ANÁLISE DO SETOR DO TURISMO ANÁLISE DO SETOR DO TURISMO Estudos da Central de Balanços Outubro 2014 17 17 ANÁLISE DO SETOR DO TURISMO Estudos da Central de Balanços Outubro 2014 Lisboa, 2014 www.bportugal.pt ANÁLISE DO SETOR DO

Leia mais

A Actividade Económica dos Açores nas Estatísticas do Banco de Portugal

A Actividade Económica dos Açores nas Estatísticas do Banco de Portugal Jornadas de Estatística Regional Angra do Heroísmo, 29 de Novembro de 2013 A Actividade Económica dos Açores nas Estatísticas João Cadete de Matos Director, Departamento de Estatística Principais indicadores

Leia mais

A economia do Mar nas estatísticas do Banco de Portugal

A economia do Mar nas estatísticas do Banco de Portugal A economia do Mar nas estatísticas do Banco de Portugal Luís Teles Diretor Adjunto Departamento de Estatística VI Jornadas Ibero-Atlânticas de Estatística Regional Angra do Heroísmo 22 setembro 2014 2

Leia mais

ANÁLISE DO SETOR AGRÍCOLA. Dezembro 2012 11

ANÁLISE DO SETOR AGRÍCOLA. Dezembro 2012 11 ANÁLISE DO SETOR AGRÍCOLA Dezembro 2012 11 ANÁLISE DO SETOR AGRÍCOLA Estudos da Central de Balanços Dezembro 2012 11 BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt Edição Departamento

Leia mais

ANÁLISE SETORIAL DA INDÚSTRIA METALOMECÂNICA

ANÁLISE SETORIAL DA INDÚSTRIA METALOMECÂNICA ANÁLISE SETORIAL DA INDÚSTRIA METALOMECÂNICA Estudos da Central de Balanços Março 2015 20 20 ANÁLISE SETORIAL DA INDÚSTRIA METALOMECÂNICA Estudos da Central de Balanços Março 2015 Lisboa, 2015 www.bportugal.pt

Leia mais

ANÁLISE SETORIAL DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2009-2014

ANÁLISE SETORIAL DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2009-2014 ANÁLISE SETORIAL DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2009-2014 Estudos da Central de Balanços Novembro 2014 18 18 ANÁLISE SETORIAL DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2009-2014 Estudos da

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012 Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 212 Divulgação dos Quadros do Setor das empresas não financeiras da Central de Balanços dados de 211 O Banco de Portugal divulga hoje no BPStat Estatísticas

Leia mais

ANÁLISE DAS EMPRESAS DO SETOR DO MAR

ANÁLISE DAS EMPRESAS DO SETOR DO MAR ANÁLISE DAS EMPRESAS DO SETOR DO MAR Estudos da Central de Balanços Maio 2015 21 21 ANÁLISE DAS EMPRESAS DO SETOR DO MAR Estudos da Central de Balanços Maio 2015 Lisboa, 2015 www.bportugal.pt ANÁLISE

Leia mais

ANÁLISE DO SETOR DAS ATIVIDADES DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANÁLISE DO SETOR DAS ATIVIDADES DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANÁLISE DO SETOR DAS ATIVIDADES DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Estudos da Central de Balanços Abril 2014 16 16 ANÁLISE DO SETOR DAS ATIVIDADES DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Estudos da Central de Balanços Abril

Leia mais

ANÁLISE DO SETOR DA CONSTRUÇÃO. Janeiro 2014 15

ANÁLISE DO SETOR DA CONSTRUÇÃO. Janeiro 2014 15 ANÁLISE DO SETOR DA CONSTRUÇÃO Janeiro 2014 15 ANÁLISE DO SETOR DA CONSTRUÇÃO Estudos da Central de Balanços Janeiro 2014 15 BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt Edição

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

ANÁLISE DAS EMPRESAS DO SETOR EXPORTADOR EM PORTUGAL

ANÁLISE DAS EMPRESAS DO SETOR EXPORTADOR EM PORTUGAL ANÁLISE DAS EMPRESAS DO SETOR EXPORTADOR EM PORTUGAL Estudos da Central de Balanços Junho 2015 22 22 ANÁLISE DAS EMPRESAS DO SETOR EXPORTADOR EM PORTUGAL Estudos da Central de Balanços Junho 2015 Lisboa,

Leia mais

2012/2013. Novembro 2013

2012/2013. Novembro 2013 2012/2013 Novembro 2013 13 Análise setorial das sociedades não financeiras EM PORTUGAL 2012/2013 Estudos da Central de Balanços Novembro 2013 13 BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa

Leia mais

ANÁLISE DO SETOR AUTOMÓVEL. Dezembro 2013 14

ANÁLISE DO SETOR AUTOMÓVEL. Dezembro 2013 14 ANÁLISE DO SETOR AUTOMÓVEL Dezembro 2013 14 ANÁLISE DO SETOR AUTOMÓVEL Estudos da Central de Balanços Dezembro 2013 14 BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt Edição

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS João Cadete de Matos 1ª Parte Estatísticas do Banco de Portugal Estatísticas Financeiras Regionais 2 Evolução da difusão Estatística no Banco

Leia mais

A atual oferta de financiamento

A atual oferta de financiamento Ciclo de Conferências CIP Crescimento Económico: Diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento Nuno Amado 28.nov.14 Centro de Congressos de Lisboa 5 Mitos sobre o financiamento

Leia mais

BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt. Edição Departamento de Estatística

BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt. Edição Departamento de Estatística BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt Edição Departamento de Estatística Capa DSADM Serviço de Edições e Publicações Impressão DSADM Serviço de Edições e Publicações

Leia mais

2ª CONFERÊNCIA DA CENTRAL DE BALANÇOS DO BANCO DE PORTUGAL

2ª CONFERÊNCIA DA CENTRAL DE BALANÇOS DO BANCO DE PORTUGAL 2ª CONFERÊNCIA DA CENTRAL DE BALANÇOS DO BANCO DE PORTUGAL 26 DE NOVEMBRO DE 2012 Homero Gonçalves Aveiro, Porto e Braga agregavam 96% das empresas em 2011 14% 39% 43% o que compara com 31% para o total

Leia mais

Portugal Enquadramento Económico

Portugal Enquadramento Económico Portugal Enquadramento Económico Fonte: INE PIB e Procura Interna em Volume (Tvh) em % do PIB 40 35 30 25 20 15 10 5 0 Formação bruta de capital fixo (total economia) FBCF excepto Construção FBCF Construção

Leia mais

ISSN 0872-9514. Empresas em Portugal 2010

ISSN 0872-9514. Empresas em Portugal 2010 ISSN 0872-9514 Edição 2012 2 FICHA TÉCNICA Título Editor Instituto Nacional de Estatística, I.P. Av. António José de Almeida 1000-043 Lisboa Portugal Telefone: 21 842 61 00 Fax: 21 842 63 64 Presidente

Leia mais

Estatísticas de empréstimos concedidos pelo setor financeiro

Estatísticas de empréstimos concedidos pelo setor financeiro Estatísticas de empréstimos concedidos pelo setor financeiro Luís Teles Diretor Adjunto Departamento de Estatística 17ª Reunião da Secção Permanente de Estatísticas Económicas 20 março 2015 Agenda 1. A

Leia mais

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2013 Direção Regional de Estatística da Madeira Uma porta aberta para um universo de informação estatística Catalogação Recomendada Sector Empresarial da

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilida Financeira II 2008/2009 Análise s ANÁLISE DE RÁCIOS Conceitos gerais Tipos rácios s financiame - Contabilida Financeira II 2008/ 2009 1º Semestre 2 1 Conceitos gerais RÁCIOS O que são? Relações

Leia mais

ESTRUTURA E DINÂMICA DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2006-2012. Novembro 2013 12

ESTRUTURA E DINÂMICA DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2006-2012. Novembro 2013 12 ESTRUTURA E DINÂMICA DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2006-2012 Novembro 2013 12 ESTRUTURA E DINÂMICA DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2006-2012 Estudos da Central de Balanços Novembro

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013 N.º fevereiro Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a Estatísticas de balanço Aplicações Crédito interno Em e pelo terceiro ano consecutivo, o crédito interno

Leia mais

Empresa Demo 1 PT500000001

Empresa Demo 1 PT500000001 Empresa Demo 1 PT500000001 Member of Federation of Business Information Service Índice Índice Introdução...3 Classificação total...4 Classificação por dimensão... 5 Quota de mercado...6 Volume de negócios

Leia mais

Utilização da Central de Balanços na caracterização. Homero Gonçalves

Utilização da Central de Balanços na caracterização. Homero Gonçalves Utilização da Central de Balanços na caracterização dotecido empresarial português Homero Gonçalves Quantas sociedades existem em Portugal? Central de Responsabilidades decrédito 260 mil INE Modelos 22

Leia mais

Marketing e Publicidade 2ºANO 1º SEMESTRE

Marketing e Publicidade 2ºANO 1º SEMESTRE INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO E TECNOLOGIA DE SANTARÉM Marketing e Publicidade 2ºANO 1º SEMESTRE FINANÇAS Docente: Professor Coordenador - António Mourão Lourenço Discentes:

Leia mais

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros Lara Simone Beirão Dezembro de 2014 1 Introdução Outline 2 Carteira de Activos 3 4 Evolução do Passivo Alguns Indicadores 5 Síntese 6 Desafios do Sistema Financeiro

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013. As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal.

LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013. As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal. LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013 As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal Vítor Cóias 1. INTRODUÇÃO Nas últimas décadas a construção em Portugal tem

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA e Grupo Banif Consolidado INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA Sociedade

Leia mais

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Maia - Portugal, 5 de Março de 2015 Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Resultado Direto atinge 52,7 milhões EBIT de 106,1 milhões Resultado Indireto atinge 43,6 milhões Dois

Leia mais

Relatórios Informa D&B

Relatórios Informa D&B Relatórios Informa D&B RELATÓRIO COMPLETO Toda a informação sobre uma empresa, em comparação com o seu sector, para quem necessite de decidir com plena confiança. - Sumário executivo Novo - Avaliação de

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

BRISA Concessão Rodoviária, S.A.

BRISA Concessão Rodoviária, S.A. BRISA Concessão Rodoviária, S.A. Sede: Quinta da Torre da Aguilha, Edifício BRISA, São Domingos de Rana Capital social: EUR 75 000 000, matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Cascais, sob

Leia mais

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA FACULDADE DE ECONOMIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Fevereiro de 2002 1 1. Crédito à habitação 1.1. Crédito à habitação

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

PERFIL DAS EXPORTADORAS PORTUGUESAS EM 2012. Estudo elaborado por Informa D&B, Novembro 2013

PERFIL DAS EXPORTADORAS PORTUGUESAS EM 2012. Estudo elaborado por Informa D&B, Novembro 2013 PERFIL DAS EXPORTADORAS PORTUGUESAS EM 2012 Estudo elaborado por Informa D&B, Novembro 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO Em Portugal, nos últimos 5 anos, o número de empresas exportadoras aumentou 12% O valor das

Leia mais

Caracterização das empresas do setor agrícola com base na informação estatística do Banco de Portugal

Caracterização das empresas do setor agrícola com base na informação estatística do Banco de Portugal Caracterização das empresas do setor agrícola com base na informação estatística do Banco de Portugal João Cadete de Matos Diretor Departamento de Estatística junho de 2016 I. Estrutura e dinâmica II.

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Empresas em Portugal 2012

Empresas em Portugal 2012 Empresas em Portugal 2012 21 de março de 2014 Principais indicadores revelaram uma contração da atividade económica em 2012 com exceção das sociedades exportadoras Em 2012 existiam em Portugal 1 086 452

Leia mais

O EBITDA no 4T13 foi de 9,6 M, o que corresponde a uma margem EBITDA de 7 %

O EBITDA no 4T13 foi de 9,6 M, o que corresponde a uma margem EBITDA de 7 % DESTAQUES página 3 O total de Proveitos Operacionais foi de 592,9 M, a registar uma subida de 15 % quando comparado com o ano anterior, a refletir um crescimento significativo no volume de negócio das

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA. Objectivo

ANÁLISE FINANCEIRA. Objectivo ISEG/UTL ANÁLISE FINANCEIRA MÓDULO III Objectivo Teoria tradicional do Equilíbrio Financeiro Fundo de Maneio Funcional e as NFM Tesouraria Líquida Estratégias de Financiamento face ao Risco EQUILÍBRIO

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

Caraterização das empresas portuguesas do setor exportador

Caraterização das empresas portuguesas do setor exportador Caraterização das empresas portuguesas do setor exportador Departamento de Estatística Área da Central de Balanços Paula Menezes 24 novembro 2015 Lisboa I. Estrutura e dinâmica do setor II. Indicadores

Leia mais

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas O Instituto Nacional de Estatística apresentou os primeiros resultados 1 sobre o empreendedorismo em Portugal para o período

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO IV Objectivo Teoria tradicional do Equilíbrio Financeiro O Fundo de Maneio Funcional e as NFM A Tesouraria Líquida Estratégias de Financiamento face ao Risco ISEG/UTL Teoria Tradicional

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Empresa: COFINA, SGPS, S.A. Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 Período de referência: Valores em Euros 1º Trimestre 3º Trimestre

Leia mais

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões Figura 5 Evolução de empréstimos, depósitos e taxas de juro do setor bancário 3% 2% 1% % -1% -2% -3% -4% -5% -6% -7% -8% Emprés mos concedidos pelo setor bancário (variação anual) dez-1 dez-11 dez-12 dez-13

Leia mais

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões 4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões O número total de empresas de seguros a operar no mercado nacional manteve-se estável em 212, sem alterações significativas à sua estrutura. Neste

Leia mais

Condicionantes do Desenvolvimento Sustentável numa União Monetária

Condicionantes do Desenvolvimento Sustentável numa União Monetária Condicionantes do Desenvolvimento Sustentável numa União Monetária Carlos da Silva Costa Governador XXIV Encontro de Lisboa entre os Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa Banco de Portugal, 6

Leia mais

105,9% 105,4% 102,5% 102,8% 102,9% 101,1% 102,7% 104,0% 105,5% 30,7% 31,1% 30,5% 31,0% 31,5% 32,2% 32,2% 32,8% 33,9% 35,5%

105,9% 105,4% 102,5% 102,8% 102,9% 101,1% 102,7% 104,0% 105,5% 30,7% 31,1% 30,5% 31,0% 31,5% 32,2% 32,2% 32,8% 33,9% 35,5% FINANCIAMENTO EMPRESAS, GOVERNO E FAMÍLIAS INFORMATIVO MENSAL DEZEMBRO/2011 1. FINANCIAMENTO GERAL DE ENTIDADES NÃO FINANCEIRAS: DÍVIDA CONSOLIDADA. O Financiamento geral consolidado de entidades não financeiras,

Leia mais

Direcional Engenharia S.A.

Direcional Engenharia S.A. 1 Direcional Engenharia S.A. Relatório da Administração Exercício encerrado em 31 / 12 / 2007 Para a Direcional Engenharia S.A., o ano de 2007 foi marcado por recordes e fortes mudanças: registramos marcas

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Índice Introdução Preço Médio por Dormida Proveito Médio de Aposento por Cama Conceitos Anexos 2 Introdução Com base em indicadores estatísticos disponibilizados pelo

Leia mais

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA AVISO N.º 12 / SI/ 2012 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJETO A metodologia de cálculo para seleção e hierarquização dos projetos é baseada no indicador de Mérito do

Leia mais

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL SEMINARIO FIESP REINDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL: CHAVE PARA UM PROJETO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO 4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL 26 agosto 2013 Carlos

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do exercício de 2014 (não

Leia mais

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia Dia Mundial da População 11 julho de 15 1 de julho de 15 Envelhecimento da população residente em e na União Europeia Para assinalar o Dia Mundial da População (11 de julho), o Instituto Nacional de Estatística

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

ÍNDICE SUMÁRIO EXECUTIVO RESULTADOS 2011 ESTRUTURA FINANCEIRA PERSPETIVAS CALENDÁRIO FINANCEIRO 2012

ÍNDICE SUMÁRIO EXECUTIVO RESULTADOS 2011 ESTRUTURA FINANCEIRA PERSPETIVAS CALENDÁRIO FINANCEIRO 2012 23 ABRIL 2012 ÍNDICE SUMÁRIO EXECUTIVO RESULTADOS 2011 ESTRUTURA FINANCEIRA PERSPETIVAS CALENDÁRIO FINANCEIRO 2012 Este documento foi preparado pela Grupo Soares da Costa, SGPS, SA (Soares da Costa), unicamente

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal janeiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

8 DE MAIO 2013. ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes

8 DE MAIO 2013. ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes 8 DE MAIO 2013 ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes a empresa activa mais antiga em Portugal nasceu em 1670? 2001 foi o ano em que nasceram mais empresas em Portugal? ontem quando

Leia mais

Manual Prático de Controlo de Gestão >

Manual Prático de Controlo de Gestão > Manual Prático de Controlo de Gestão > > Manual Prático de Controlo de Gestão > Índice 1 2 2.1 3 3.1 3.2 4 4.1 4.1.1 4.1.2 4.1.3 4.2 4.2.1 4.2.2 4.2.3 5 5.1 5.2 6 Enquadramento... 3 A Metodologia Utilizada

Leia mais

Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior

Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior Investimento Directo de Portugal com o Exterior eiro a ho de 28 Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior eiro a ho de 28 Informação Portugal, 21 de sto de 28 Investimento Directo de Portugal

Leia mais

Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos. 31 de março de 2015 Contas não auditadas

Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos. 31 de março de 2015 Contas não auditadas Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos 31 de março de 2015 Contas não auditadas Agenda Resultados Balanço Liquidez Solvência Conclusões NOTA: Os valores relativos a março de 2014 são reexpressos

Leia mais

Apresentação de Resultados. 3.º trimestre 2011

Apresentação de Resultados. 3.º trimestre 2011 HIGHLIGHTS ANÁLISES DE RESULTADOS - CONSOLIDADO - INDIVIDUAL - DÍVIDA FINANCEIRA ANEXO Nota: a informação apresentada está sujeita a alterações 2 2 HIGHLIGHTS 3 3 HIGHLIGHTS Proveitos Operacionais de 103.375k

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública N.º 7 Abril 2015 Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública Na edição de abril de 2015 do Boletim Estatístico são divulgadas as contas

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS

ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS Vantagens da análise de rácios Permitem diagnosticar a performance das empresas em termos de rentabilidade, solvabilidade, liquidez e equilíbrio financeiro. Possibilitam

Leia mais

Abertas candidaturas à Linha de Crédito PME Investe VI

Abertas candidaturas à Linha de Crédito PME Investe VI Abertas candidaturas à Linha de Crédito PME Investe VI No seguimento do quadro de apoios concedidos às empresas portuguesas no âmbito das linhas de apoio PME Investe, estão abertas a partir de 18 de Junho

Leia mais

INTRODUÇÃO. Análise Financeira. Gestão Financeira

INTRODUÇÃO. Análise Financeira. Gestão Financeira INTRODUÇÃO 1 Análise Financeira Dar a conhecer a situação económico-financeira e monetária A partir de documentos de informação contabilística Situação financeira Equilíbrio Financeiro, Solvabilidade,

Leia mais

RELATÓRIOS E ANÁLISES

RELATÓRIOS E ANÁLISES RELATÓRIOS E ANÁLISES Relatório de Conjuntura n.º 128 1.º Trimestre de 2012 Relatório de Conjuntura n.º 1.º Trimestre de 2012 Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) Ministério da Solidariedade e da

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta

SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadora Capital Social: 169.764.398 Euros sob o número único de matrícula e de pessoa colectiva 503 219 886 COMUNICADO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Abril 2012 Indicador de Sentimento Económico Após uma melhoria em Janeiro e Fevereiro, o indicador de sentimento

Leia mais

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO Vila Real, Março de 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 CAPITULO I Distribuição do alojamento no Território Douro Alliance... 5 CAPITULO II Estrutura

Leia mais

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010 CONFERÊNCIA Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA Lisboa, 7 de Julho de 2010 Luís Sousa Santos lsantos@besinv.pt Financiamento de Centrais de Biomassa

Leia mais

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA 1. Indicadores e Variáveis das Empresas A indústria metalomecânica engloba os sectores de fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamento (CAE )

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267)

2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) 2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) 2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) a) Universo, Dimensão e Emprego Empresarial do Trabalho da Pedra O trabalho da pedra tinha 2.001 empresas em 2004,

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 Elaborado por: Maria Julieta Martins Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice

Leia mais

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga)

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) G1 Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) 35 3 25 Em percentagem 2 15 1 5 Jan-91 Jan-92 Jan-93 Jan-94 Jan-95 Jan-96 Jan-97Jan-98 Jan-99 Jan- Jan-1 Sociedades não Financeiras

Leia mais

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo De acordo com os indicadores demográficos disponíveis relativos a 2007, a população residente em Portugal

Leia mais

CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios)

CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios) 08 de novembro de 2011 Censos 2011 21 de março de 2011 CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios) Dada a importância que o tema reveste, no quadro da preparação dos resultados provisórios

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

We acknowledge financial support from FCT Fundação para a Ciência e a Tecnologia

We acknowledge financial support from FCT Fundação para a Ciência e a Tecnologia Business Research Unit (UNIDE-IUL) / Instituto Universitário de Lisboa Ed. ISCTE-IUL, Av. Forças Armadas 1649-026 Lisbon Portugal Phone: 210 464 019 E-mail: bru-unide@iscte.pt Internet: http://www.bru-unide.iscte.pt/

Leia mais

O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo

O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo João Carvalho das Neves Professor catedrático, Finanças e Controlo, ISEG Professor convidado, Accounting & Control, HEC Paris Email: Página Web:

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

Indicadores de Confiança...15

Indicadores de Confiança...15 1. MACROECONOMIA 1.1. Rendimento e Despesa Despesa Nacional a Preços Correntes...5 Despesa Nacional a Preços Constantes...6 PIB a preços correntes (Produto Interno Bruto)...7 PIB a preços constantes (Produto

Leia mais

Seguros e Pensões em Portugal: Situação atual e perspetivas futuras

Seguros e Pensões em Portugal: Situação atual e perspetivas futuras Seguros e Pensões em Portugal: Situação atual e perspetivas futuras José Figueiredo Almaça Instituto de Seguros de Portugal 21 de fevereiro de 2014 ÍNDICE 1. Principais indicadores do mercado segurador

Leia mais