SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA"

Transcrição

1

2 SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2013 Direção Regional de Estatística da Madeira Uma porta aberta para um universo de informação estatística

3 Catalogação Recomendada Sector Empresarial da Região Autónoma da Madeira. Funchal, 2014 Sector Empresarial da Região Autónoma da Madeira / Direção Regional de Estatística da Madeira, Funchal: D.R.E.M., Anual ISSN ISBN Diretora Regional Dr.ª Emília Alves Técnicos Responsáveis Dr.ª Ângela Gouveia Dr. Luís Jesus Editor: Direção Regional de Estatística da Madeira Calçada de Santa Clara 38, 1º Funchal Telefone: (+351) Fax: (+351) Impressão: Direção Regional de Estatística da Madeira Data de disponibilidade da informação: Maio de 2015 Tiragem: 5 exemplares Depósito Legal n.º /14 Preço: 2,50 (Isento de IVA nos termos do nº2 do artº2 do CIVA) A DREM na Internet DREM, Funchal, *A reprodução de quaisquer páginas desta obra é autorizada, exceto para fins comerciais, com indicação da fonte bibliográfica.

4 NOTA INTRODUTÓRIA Com a presente publicação, a Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM) atualiza os principais indicadores estatísticos caracterizadores da estrutura e evolução do sector empresarial da Região Autónoma da Madeira, para o período 2010 a A atualização das estatísticas das empresas para o período referido tem subjacente da implementação do SEC 2010 nas Contas Nacionais, que implicou, entre outras, alterações na classificação do sector institucional das entidades, afetando consequentemente a delimitação do sector empresarial. O exemplo mais significativo dessas alterações, foi a reclassificação dos hospitais EPE para o sector das Administrações públicas (ver nota metodológica). Os indicadores estatísticos apresentados nesta publicação são obtidos a partir do Sistema de Contas Integradas das Empresas (SCIE), o qual resulta de um processo de integração da informação estatística sobre empresas, baseado em dados administrativos, com particular destaque para a Informação Empresarial Simplificada (IES). Esta informação é complementada, por um lado, com dados para os empresários em nome individual e trabalhadores independentes (designados por empresas individuais) recebidos através do Protocolo estabelecido entre o Instituto Nacional de Estatística (INE) e vários organismos do Ministério das Finanças e, por outro, com informação proveniente do Ficheiro de Unidades Estatísticas do INE. O âmbito de atividade económica considerado compreende as empresas classificadas nas secções A a S da CAE Rev.3, com exceção da Administração Pública e Defesa; Segurança Social Obrigatória (Secção O). A DREM expressa os seus agradecimentos a todas as entidades que, enquanto detentoras de dados administrativos, contribuíram para a elaboração da presente publicação e aproveita a oportunidade para solicitar uma visão critica a todos os que se interessam pela melhoria qualidade da produção das estatísticas oficiais. Funchal, 29 maio de 2015 A Diretora Regional, Emília Alves

5 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 ANÁLISE DE RESULTADOS DEMOGRAFIA DAS EMPRESAS TAXA DE NATALIDADE, DE SOBREVIVÊNCIA E DE MORTALIDADE DAS EMPRESAS, POR TIPO DE EMPRESA, SEGUNDO OS ANOS ( ) TAXA DE NATALIDADE, DE SOBREVIVÊNCIA E DE MORTALIDADE DAS EMPRESAS, POR FORMA JURÍDICA, SEGUNDO OS ANOS ( ) TAXA DE NATALIDADE, DE SOBREVIVÊNCIA E DE MORTALIDADE DAS EMPRESAS, POR DIMENSÃO, SEGUNDO OS ANOS ( ) TAXA DE NATALIDADE DAS EMPRESAS, POR SECTOR DE ATIVIDADE (CAE-REV.3), SEGUNDO OS ANOS ( ) TAXA DE SOBREVIVÊNCIA A 2 ANOS DAS EMPRESAS, POR SECTOR DE ATIVIDADE (CAE-REV.3), SEGUNDO OS ANOS ( ) TAXA DE MORTALIDADE DAS EMPRESAS, POR SECTOR DE ATIVIDADE (CAE-REV.3), SEGUNDO OS ANOS ( ) ESTRUTURA DO SECTOR EMPRESARIAL EMPRESAS, PESSOAL AO SERVIÇO, DIMENSÃO MÉDIA, VOLUME DE NEGÓCIOS EVALOR ACRESCENTADO BRUTO (VABPM) DAS EMPRESAS, POR TIPO DE EMPRESA, SEGUNDO OS ANOS ( ) EMPRESAS, PESSOAL AO SERVIÇO, DIMENSÃO MÉDIA, VOLUME DE NEGÓCIOS, E VALOR ACRESCENTADO BRUTO (VABPM) DAS EMPRESAS, POR FORMA JURÍDICA, SEGUNDO OS ANOS ( ) EMPRESAS, PESSOAL AO SERVIÇO, DIMENSÃO MÉDIA, VOLUME DE NEGÓCIOS E VALOR ACRESCENTADO BRUTO (VABPM) DAS EMPRESAS, POR DIMENSÃO, SEGUNDO OS ANOS ( ) SECTOR EMPRESARIAL NÃO FINANCEIRO TAXA DE NATALIDADE, DE SOBREVIVÊNCIA E DE MORTALIDADE DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS, POR FORMA JURÍDICA, SEGUNDO OS ANOS ( )... 33

6 3.2 - TAXA DE NATALIDADE, DE SOBREVIVÊNCIA E DE MORTALIDADE DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS, POR DIMENSÃO, SEGUNDO OS ANOS ( ) EMPRESAS, PESSOAL AO SERVIÇO, DIMENSÃO MÉDIA, VOLUME DE NEGÓCIOS E VALOR ACRESCENTADO BRUTO (VABPM) DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS, POR FORMA JURÍDICA, SEGUNDO OS ANOS ( ) EMPRESAS, PESSOAL AO SERVIÇO, DIMENSÃO MÉDIA, VOLUME DE NEGÓCIOS E VALOR ACRESCENTADO BRUTO (VABPM) DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS, POR DIMENSÃO, SEGUNDO OS ANOS ( ) EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS, POR SECTOR DE ATIVIDADE (CAE-REV.3), SEGUNDO OS ANOS ( ) PESSOAL AO SERVIÇO DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS, POR SECTOR DE ATIVIDADE (CAE-REV.3), SEGUNDO OS ANOS ( ) VOLUME DE NEGÓCIOS DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS, POR SECTOR DE ATIVIDADE (CAE- REV.3), SEGUNDO OS ANOS ( ) VALOR ACRESCENTADO BRUTO (VABPM) DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS, POR SECTOR DE ATIVIDADE (CAE-REV.3), SEGUNDO OS ANOS ( ) RÁCIOS ECONÓMICO-FINANCEIROS DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS, SEGUNDO OS ANOS ( ) NOTA METODOLÓGICA E CONCEITOS... 43

7 SINAIS CONVENCIONAIS, SIGLAS E INFORMAÇÃO AOS UTLIZADORES Sinais convencionais x P o Valor não disponível Valor provisório R c Valor retificado Siglas N.º Valor numérico CAE Rev.3 Classificação Portuguesa das Atividades Económicas, Revisão 3 % Valor percentual IES PME SCIE SNC p.p. Informação Empresarial Simplificada Micro, Pequenas e Médias Empresas Sistema de Contas Integradas das Empresas Sistema de Normalização Contabilística Pontos percentuais Informação aos Utilizadores 1. Por razões de arredondamento, os totais podem não corresponder à soma das parcelas. 2. Mais informação relativa às Estatísticas das Empresas encontra-se disponível no Portal das Estatísticas Oficiais do INE ( 6

8 ANÁLISE DE RESULTADOS Contexto económico regional Os principais indicadores económicos de 2013 revelam ainda uma certa contração da economia da Região Autónoma da Madeira (RAM). A Taxa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), apesar de se manter negativa em 2013, mostra, contudo, sinais de melhoria significativa, na medida em que regista um decréscimo menos acentuado que no ano anterior, passando, em termos reais, de -7,0% em 2012, para -1,8% em A taxa de desemprego em 2013 mantém a tendência crescente iniciada em 2011, situando-se nos 18,1%, mais 0,9 pontos percentuais (p.p.) que em 2012 (17,2%). A taxa de inflação média neste ano continua positiva, mas diminui para 1,2%, menos 3,6 p.p. que 2012 (4,8%). Principais indicadores macroeconómicos, ,2% 18,1% 4,8% 1,2% -1,8% -7,0% Taxa de desemprego Taxa de Inflação Taxa de crescimento real do PIB (Valor Preliminar) 1. Principais indicadores demográficos Taxa de natalidade de empresas Em 2013, a proporção de criação de novas empresas no total das empresas ativas da Região fixou-se em 26,54%, valor superior em 10,6 p.p. à percentagem de 2012 (15,99%), correspondendo ao valor mais alto dos últimos 4 anos. As empresas não financeiras foram as que mais contribuíram para este resultado, tendo atingido uma taxa de natalidade de 26,74% (16,09%, em 2012). No sector não financeiro, a taxa de natalidade das empresas individuais (empresários em nome individual e trabalhadores independentes) é significativamente superior à das sociedades, apresentando, em 2013, 7

9 valores bastante díspares, de 36,49% e 8,60%, respetivamente. Este fenómeno poderá estar relacionado com a obrigatoriedade de registo nas Finanças de todos os agricultores com atividade comercial. Segundo a sua dimensão e ainda na atividade empresarial não financeira, em 2013, criaram-se apenas PME (micro, pequenas e médias empresas), sobretudo microempresas cuja taxa de natalidade se fixou em 27,77% (16,8%, em 2013). Taxa de mortalidade de empresas Os últimos dados (provisórios) disponíveis para a taxa de mortalidade das empresas da RAM, 2012, indicam o valor de 19,44%, mais 2,09 p.p. quando comparado com 2011 (17,35%, dado definitivo). A taxa de mortalidade mais elevada registada em 2012 foi observada nas empresas não financeiras, situando-se em 19,46%, ou seja, mais 2.1 p.p. que Continuando no segmento não financeiro, as empresas individuais foram particularmente afetadas, registando uma taxa de mortalidade em 2012 de 24,97%, valor bastante superior ao verificado nas sociedades (11,36%). No que diz respeito à dimensão, a mortalidade de empresas ocorreu apenas nas PME (19,48%), mas com maior prevalência nas microempresas (20,21%). Em última análise, os movimentos demográficos das empresas da Região observaram-se com especial incidência nas empresas não financeiras, individuais e nas microempresas. Em qualquer destas categorias, em 2012, as respetivas taxas de natalidade superaram as taxas de mortalidade. Taxa de sobrevivência a 2 anos de empresas A taxa de sobrevivência a 2 anos das empresas da Região cresceu entre 2010 e 2011 (últimos dados disponíveis), passando de 45,74% para 47,21%. Neste último ano, o sector não financeiro apresentava a maior percentagem de empresas nascidas em 2009 e ainda ativas em 2011 (47,26%), comparativamente ao sector financeiro (42,86%). Restringindo a análise à capacidade de sobrevivência das empresas não financeiras, constata-se que as sociedades (73,18%) e as pequenas empresas (84,62%) foram aquelas que melhor se defenderam dos constrangimentos económicos e financeiros herdados do ano

10 Indicadores demográficos das empresas, Indicadores Taxa de natalidade (%) 12,47 13,57 15,99 26,54 Taxa de mortalidade (%) 16,38 17,35 19,44 (Po) x Taxa de sobrevivência a 2 anos (%) 45,74 47,21 x x Legenda: x - dado não disponível; Po - dado provisório 2. Estrutura do sector empresarial Em 2013 existiam na RAM empresas, mais 12,9% que no ano anterior (+2,7 mil unidades). Destas, e tendo em conta as 3 dimensões em análise (tipo de atividade, forma jurídica e dimensão), 98,7% pertenciam ao sector não financeiro, 64,9% eram empresas individuais e 96,2% a microempresas. O sector empresarial da RAM empregava, em 2013, cerca de 64,1 mil pessoas, menos 1,9% que em Em termos médios, as empresas viram a sua dimensão reduzida: em 2012, cada empresa empregava em média 3,15 pessoas; em 2013, aquele valor baixou para 2,73 pessoas. Entre 2012 e 2013, o volume de negócios gerado pela estrutura empresarial da RAM sofreu uma quebra, de 9,6%, com contributos, quer da estrutura financeira (-28,2%), quer da não financeira (-5,9%). Os decréscimos mais expressivos ocorreram nas empresas de grande dimensão (-16,6%) e nas sociedades (- 9,9%). No que concerne ao valor acrescentado bruto a preços de mercado (VABpm), observou-se uma diminuição de 8,0% face a As maiores quebras foram observadas nas empresas financeiras (- 24,9%), nas sociedades (-8,3%) e nas grandes empresas (-20,6%). 9

11 Estrutura do sector empresarial da RAM, 2013 Empresas Pessoal ao seviço Dimensão média Volume negócios VABpm Tipo de empresa Nº Taxa variação 2013/12 (%) Nº Taxa variação 2013/12 (%) Nº pessoas Variação 2013/12 (Nº) 10 3 Euros Taxa variação 2013/12 (%) 10 3 Euros Taxa variação 2013/12 (%) Total , ,9 2,73-0, , ,0 Financeiras 306-4, ,7 9,22-0, , ,9 Não financeiras , ,6 2,65-0, , ,9 Empresas individuais , ,5 1,07 0, , ,9 Sociedades , ,5 5,81-0, , ,3 Grande 15-6, ,3 542,13-12, , ,6 PME , ,9 2,39-0, , ,6 Micro , ,2 1,45-0, , ,1 Pequena 768-7, ,8 18,12-0, , ,0 Média 113 7, ,0 83,58-2, , ,7 3. Sector não financeiro Empresas e pessoal ao serviço por forma jurídica Em 2013, o total de empresas não financeiras ascendeu a unidades, tendo registado um acréscimo de 13,2% relativamente ao ano anterior. Estas unidades equivaliam a postos de trabalho, que foram reduzidos em 1,6%, quando comparados com Este sector era constituído maioritariamente por empresas individuais (65,1%), que cresceram de forma expressiva face a 2012 (+23,7%), facto que se explica, como já referido anteriormente, sobretudo da obrigatoriedade dos agricultores com atividade económica terem de se coletarem nas Finanças. Contudo, o emprego foi substancialmente assegurado pelas sociedades, ocupando cerca de 45 mil pessoas, que representam 73,7% do total de trabalhadores afetos à atividade não financeira da RAM. Saliente-se, no entanto, que o emprego nas sociedades foi reduzido em 7,5%. As empresas individuais, por seu lado, ganharam postos de trabalho, na ordem dos 19,9% Empresas e pessoal ao serviço por forma jurídica, 2013 Empresas Pessoal ao serviço Por forma jurídca Nº Taxa variação 2013/12 (%) Peso no total (%) Nº Taxa variação 2013/12 (%) Peso no total (%) Total ,2 100, ,6 100,0 Empresas individuais ,7 65, ,9 26,3 Sociedades ,4 34, ,5 73,7 10

12 Empresas e pessoal ao serviço por dimensão A proporção de PME representou, no ano em referência, 99,9% do número total de empresas não financeiras, tendo crescido 13,2% comparativamente a Estavam em atividade 14 grandes empesas, as mesmas em atividade no ano anterior. As PME apresentavam-se como empregadoras de peso no conjunto do sector não financeiro, assegurando, em 2013, cerca de 55,5 mil postos de trabalho, equivalendo a 90,5% do total do pessoal ao serviço. Pese embora a sua importância, estas perderam 0,8% dos seus trabalhadores entre 2012 e Nas PME, assinala-se a importância das microempresas em termos de número de empresas (96,2%). Em termos de pessoal ao serviço, todavia, numa ordem de grandeza inferior, este tipo de unidade empresarial tinha igualmente relevância no conjunto do sector não financeiro (52,6%). A dimensão média das PME e, em particular, das microempresas rondou os 2,40 e 1,45 trabalhadores por empresa, respetivamente. As grandes empresas, embora registando menos pessoas ao serviço, apresentaram uma maior proporção de pessoas empregadas por unidade empresarial (417,36 trabalhadores). Empresas e pessoal ao serviço por dimensão, 2013 Por dimensão Nº Empresas Taxa variação 2013/12 (%) Peso no total (%) Nº Pessoal ao serviço Taxa variação Peso no 2013/12 total (%) (%) Total ,2 100, ,6 100,0 Grande 14 0,0 0, ,7 9,5 PME ,2 99, ,8 90,5 Micro ,2 96, ,3 52,6 Pequena 760-7,2 3, ,6 22,5 Média 112-8,2 0, ,0 15,4 Empresas e pessoal ao serviço por sector de atividade Em 2013, pode-se verificar um decréscimo generalizado no número de empresas e no pessoal ao serviço na grande maioria dos sectores de atividade económica. A Construção registou perdas nos dois domínios: menos 8,3% empresas e menos 16,0% postos de trabalho. Em contrapartida, a Agricultura foi o único sector a crescer, de forma expressiva, quer em número de empresas (+256,7%), quer em termos de empregabilidade (+155,3%). 11

13 Na Agricultura foi onde se registou a maior concentração de empresas ativas, correspondendo a 17,9% do total de empresas não financeiras, seguida do Comércio (16,2%). No que se refere ao emprego, o Comércio foi o sector mais empregador da RAM, representando 19,5% do total de trabalhadores, seguido das atividades de Alojamento, Restauração e Similares (18,9%). Empresas e pessoal ao serviço por sector de atividade, 2013 Secções da CAE Rev.3 Nº Empresas Taxa variação 2013/12 (%) Peso no total (%) Nº Pessoal ao serviço Taxa variação 2013/12 (%) Peso no total (%) Total ,2 100, ,6 100,0 A - Agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca ,7 17, ,3 8,1 B - Indústrias extrativas 20-9,1 0, ,1 0,1 C - Indústrias transformadoras 708-7,2 3, ,3 6,4 D - Eletricidade, gás, vapor, água quente e fria e ar frio 16 0,0 0, ,6 1,4 E - Captação, tratamento e distribuição de água; saneamento, gestão de resíduos e despoluição 22-15,4 0, ,7 0,8 F - Construção ,3 5, ,0 10,3 G - Comércio por grosso e a retalho; reparação de veículos automóveis e motociclos ,4 16, ,5 19,5 H - Transportes e armazenagem 962-1,3 4, ,0 5,3 I - Alojamento, restauração e similares ,3 9, ,5 18,9 J - Atividades e informação e de comunicação 229 1,8 1, ,5 1,4 L - Atividades imobiliárias 668-6,0 2, ,0 1,9 M - Atividades de consultoria, científicas, técnicas e similares ,1 7, ,8 4,9 N - Atividades administrativas e dos serviços de apoio ,0 13, ,6 8,7 P - Educação 966-4,6 4, ,0 3,1 Q - Atividades de saúde humana e apoio social ,3 6, ,0 3,9 R - Atividades artísticas, de espetáculos, desportivas e recreativas 765 5,1 3, ,4 2,3 S - Outras atividades de serviços 953-5,3 4, ,9 3,0 Volume de negócios e VABpm por forma jurídica Em 2013, o volume de negócios do sector empresarial não financeiro gerou 3 937,2 milhões de euros, valor inferior em 5,9% ao registado em As sociedades foram responsáveis por 95,3% daquele valor, registando, contudo, uma diminuição de 6,0% face ao ano anterior. No mesmo período, o nível do VABpm das empresas não financeiras ascendeu a 1 117,3 milhões de euros, 4,9% abaixo do valor observado no ano transato, para o qual contribuíram as quebras de desempenho das empresas individuais (-3,9%) e das sociedades (-5,0%). Esta última forma jurídica, em 2013, manteve uma forte participação na formulação do VABpm não financeiro da RAM (92,7%). 12

14 Forma jurídica Volume de negócios e VAB segundo a forma jurídica, Euros Volume negócios Taxa variação 2013/12 (%) Peso no total (%) 10 3 Euros VABpm Taxa variação 2013/12 (%) Peso no total (%) Total ,9 100, ,9 100,0 Empresas individuais ,5 4, ,9 7,3 Sociedades ,0 95, ,0 92,7 Volume de negócios e VABpm por dimensão As PME foram responsáveis por cerca de 74,5% do volume de negócios criado em 2013, tendo gerado neste ano 2 932,9 milhões de euros. No entanto, este montante foi reduzido em 6,1% comparativamente a As grandes empresas foram responsáveis pela criação de 1 004,3 milhões de euros de volume de negócios em 2013, mas registaram perdas na ordem dos 5,2% face ao ano anterior. No que diz respeito ao VABpm, as PME destacaram-se, representando 71,6% do valor criado pela totalidade das empresas não financeiras, sofrendo, no entanto, um decréscimo de 2,3% relativamente ao ano transato. As grandes empresas concorreram também de modo expressivo (28,4%) para o VABpm total alcançado pelas empresas não financeiras, registando uma evolução igualmente negativa (-10,9%). Volume de negócios e VABpm por dimensão, 2013 Por dimensão 10 3 Euros Volume negócios Taxa variação 2013/12 (%) Peso no total (%) 10 3 Euros VABpm Taxa variação 2013/12 (%) Peso no total (%) Total ,9 100, ,9 100,0 Grande ,2 25, ,9 28,4 PME ,1 74, ,3 71,6 Micro ,4 26, ,9 23,0 Pequena ,4 28, ,3 23,9 Média ,7 20, ,9 24,7 13

15 Volume de negócios e VABpm por sector de atividade Em 2013, o sector do Comércio apresentou um volume de negócios na ordem dos 1 479,1 milhões de euros. Apesar da diminuição de 12,1% face a 2012, este sector representou 37,6% do valor gerado pelo conjunto do sector não financeiro da RAM. Os sectores do Comércio e Atividades Imobiliárias sofreram uma contração significativa, neste período, evidenciando variações negativas de 12,1% e 31,7%, respetivamente. Contrariamente, a Agricultura, apesar do seu reduzido peso, conseguiu fazer crescer o respetivo volume de negócios em 26,1%. No que respeita ao VABpm, neste ano, em termos sectoriais, os maiores contributos derivaram das atividades de Alojamento, Restauração e Similares (18,%) e do Comércio (15,6%). A evolução negativa deste indicador ocorreu com particular incidência na Educação (-30,3%), nas Atividades de Consultadoria (-18,9%) e na Construção (-13,5%), que registaram reduções significativas. Em sentido inverso, atividades de fraca expressão registaram crescimentos significativos, como é o caso da Industria Extrativa (+43,5%). Volume de negócios e VAB por sector de atividade, 2013 Secções da CAE Rev Euros Volume negócios Taxa variação 2013/12 (%) Peso no total (%) 10 3 Euros VABpm Taxa variação 2013/12 (%) Peso no total (%) Total ,9 100, ,9 100,0 A - Agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca ,1 1, ,9 1,3 B - Indústrias extrativas ,1 0, ,5 0,1 C - Indústrias transformadoras ,5 6, ,5 5,9 D - Eletricidade, gás, vapor, água quente e fria e ar frio ,1 5, ,9 8,9 E - Captação, tratamento e distribuição de água; saneamento, gestão de resíduos e despoluição ,4 1, ,2 1,5 F - Construção ,5 13, ,5 12,6 G - Comércio por grosso e a retalho; reparação de veículos automóveis e motociclos ,1 37, ,3 15,6 H - Transportes e armazenagem ,8 7, ,5 14,0 I - Alojamento, restauração e similares ,4 11, ,8 18,0 J - Atividades e informação e de comunicação ,2 2, ,7 3,3 L - Atividades imobiliárias ,8 2, ,7 2,4 M - Atividades de consultoria, científicas, técnicas e similares ,9 2, ,9 4,5 N - Atividades administrativas e dos serviços de apoio ,9 4, ,8 4,8 P - Educação ,7 0, ,3 0,2 Q - Atividades de saúde humana e apoio social ,2 1, ,4 3,4 R - Atividades artísticas, de espetáculos, desportivas e recreativas ,3 1, ,2 2,4 S - Outras atividades de serviços ,2 0, ,5 1,3 14

16 Alguns rácios económicos e financeiros Os rácios de endividamento das sociedades não financeiras da RAM mantiveram-se elevados ao longo dos últimos 4 anos, revelando um elevado grau de dependência daquelas empresas face aos seus credores (capitais alheios). No entanto, é evidente a diminuição dos respetivos valores em 2013, passando de 0,74 em 2012, para 0,71 em Entre 2010 e 2013, as sociedades não financeiras registaram melhorias no respetivo desempenho económico e financeiro, apresentando os valores mais altos em Endividamento, Autonomia Financeira e Solvabilidade, Nº 1 0,9 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 0 0,73 0,73 0,74 0,71 0,37 0,37 0,36 0,41 0,27 0,27 0,26 0, Autonomia financeira Solvabilidade Endividamento Na taxa de valor acrescentado bruto das empresas não financeiras podemos observar uma tendência decrescente ao longo do período em análise. A taxa de investimento também evidencia quebras sucessivas nos 4 anos em análise, especialmente acentuada em 2012, que revela uma fraca afetação de recursos financeiros ao investimento. Taxa de Valor Acrescentado Bruto e Taxa de Investimento % ,35 43,07 41,88 41,46 25,43 22,84 13,93 13, Taxa de valor acrescentado bruto Taxa de investimento 15

17

18 1. Demografia das Empresas

19

20 1.1 - Taxa de Natalidade, de Sobrevivência e de Mortalidade das Empresas, por tipo de empresa, segundo os anos ( ) Tipo de empresa Anos Unidade: % Taxa de natalidade 12,47 13,57 15,99 26,54 Financeiras 9,92 9,97 9,35 11,44 Não financeiras 12,52 13,63 16,09 26,74 Taxa de sobrevivência a 2 anos 45,74 47,21 x x Financeiras 44,44 42,86 x x Não financeiras 45,76 47,26 x x Taxa de mortalidade 16,38 17,35 (Po) 19,44 x Financeiras 12,40 16,52 (Po) 18,07 x Não financeiras 16,45 17,36 (Po) 19,46 x F ON T E: INE, IP., Sistema de Contas Integradas das Empresas (SCIE). N OT A S: 1. Âmbito de atividade económica: Demografia das empresas, exclui as secções O, T e U da CAE Rev Po - Valor provisório. 3. x - Valor não disponível. 4. Os dados de 2010, 2011 e 2012 foram atualizados na sequência da implementação do SEC 2010 nas Contas Nacionais Taxa de Natalidade, de Sobrevivência e de Mortalidade das Empresas, por forma jurídica, segundo os anos ( ) Forma jurídica Anos Unidade: % Taxa de natalidade 12,47 13,57 15,99 26,54 Empresas individuais 16,64 17,96 22,03 36,27 Sociedades 6,57 7,39 7,14 8,56 Taxa de sobrevivência a 2 anos 45,74 47,21 x x Empresas individuais 38,71 39,61 x x Sociedades 70,99 73,27 x x Taxa de mortalidade 16,38 17,35 (Po) 19,44 x Empresas individuais 21,07 21,96 (Po) 25,00 x Sociedades 9,72 10,85 (Po) 11,31 x F ON T E: INE, IP., Sistema de Contas Integradas das Empresas (SCIE). N OT A S: 1. Âmbito de atividade económica: Demografia das empresas, exclui as secções O, T e U da CAE Rev Po - Valor provisório. 3. x - Valor não disponível. 4. Os dados de 2010, 2011 e 2012 foram atualizados na sequência da implementação do SEC 2010 nas Contas Nacionais. 19

21 1.3 - Taxa de Natalidade, de Sobrevivência e de Mortalidade das Empresas, por dimensão, segundo os anos ( ) Dimensão da empresa Anos Unidade: % Taxa de natalidade 12,47 13,57 15,99 26,54 Grande 0,00 0,00 0,00 0,00 PME 12,48 13,58 16,00 26,56 Micro 13,11 14,25 16,69 27,56 Pequena 1,38 1,36 1,81 1,04 Média 0,00 0,00 0,00 0,88 Taxa de sobrevivência a 2 anos 45,74 47,21 x x Grande 0,00 0,00 x x PME 45,74 47,21 x x Micro 45,57 47,04 x x Pequena 78,57 84,62 x x Média 0,00 0,00 x x Taxa de mortalidade 16,38 17,35 (Po) 19,44 x Grande 0,00 0,00 0,00 x PME 16,39 17,36 (Po) 19,46 x Micro 17,00 17,99 (PO) 20,19 x Pequena 5,81 6,08 (Po) 4,23 x Média 3,70 2,31 (Po) 4,10 x F ON T E: INE, IP., Sistema de Contas Integradas das Empresas (SCIE). N OT A S: 1. Âmbito de atividade económica: Demografia das empresas, exclui as secções O, T e U da CAE Rev Po - Valor provisório. 3. x - Valor não disponível. 4. Os dados de 2010, 2011 e 2012 foram atualizados na sequência da implementação do SEC 2010 nas Contas Nacionais. 20

22 1.4 - Taxa de Natalidade das Empresas, por sector de atividade (CAE-Rev.3), segundo os anos ( ) Sector de atividade Anos Unidade: % Total 12,47 13,57 15,99 26,54 A - Agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca 11,89 17,46 67,07 75,06 B - Indústrias extrativas 0,00 4,55 0,00 10,00 C - Indústrias transformadoras 6,12 6,57 8,26 10,73 D - Eletricidade, gás, vapor, água quente e fria e ar frio E - Captação, tratamento e distribuição de água; saneamento, gestão de resíduos e despoluição 15,38 12,50 6,25 12,50 10,00 7,14 3,85 9,09 F - Construção 7,72 7,61 6,56 11,35 G - Comércio por grosso e a retalho; reparação de veículos automóveis e motociclos 8,12 10,33 10,74 12,90 H - Transportes e armazenagem 4,13 4,10 4,92 6,55 I - Alojamento, restauração e similares 10,98 12,52 11,96 16,80 J - Atividades e informação e de comunicação 14,52 17,21 17,78 18,34 K - Atividades financeiras e de seguros 9,92 9,97 9,35 11,44 L - Atividades imobiliárias 7,04 8,54 8,86 8,23 M - Atividades de consultoria, científicas, técnicas e similares N - Atividades administrativas e dos serviços de apoio 11,01 10,84 10,81 11,45 27,55 27,87 27,15 32,40 P - Educação 20,84 18,36 16,19 18,74 Q - Atividades de saúde humana e apoio social 12,64 14,21 9,25 11,62 R - Atividades artísticas, de espetáculos, desportivas e recreativas 12,62 14,34 12,50 17,25 S - Outras atividades de serviços 9,58 12,56 12,82 13,33 F ON T E: INE, IP., Sistema de Contas Integradas das Empresas (SCIE). N OT A : 1. Âmbito de atividade económica: Demografia das empresas, exclui as secções O, T e U da CAE Rev Os dados de 2010, 2011 e 2012 foram atualizados na sequência da implementação do SEC 2010 nas Contas Nacionais. 21

23 1.5 - Taxa de Sobrevivência a 2 anos das Empresas, por sector de atividade (CAE-Rev.3), segundo os anos ( ) Sector de atividade Anos Unidade: % Total 45,74 47,21 x x A - Agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca 55,10 63,64 x x B - Indústrias extrativas 0,00 0,00 x x C - Indústrias transformadoras 50,94 58,49 x x D - Eletricidade, gás, vapor, água quente e fria e ar frio E - Captação, tratamento e distribuição de água; saneamento, gestão de resíduos e despoluição 100,00 100,00 x x 66,67 50,00 x x F - Construção 51,39 49,61 x x G - Comércio por grosso e a retalho; reparação de veículos automóveis e motociclos 52,52 52,98 x x H - Transportes e armazenagem 80,95 70,73 x x I - Alojamento, restauração e similares 56,07 58,84 x x J - Atividades e informação e de comunicação 60,00 35,71 x x K - Atividades financeiras e de seguros 44,44 42,86 x x L - Atividades imobiliárias 62,96 60,94 x x M - Atividades de consultoria, científicas, técnicas e similares N - Atividades administrativas e dos serviços de apoio 46,64 48,61 x x 31,58 34,84 x x P - Educação 38,02 37,50 x x Q - Atividades de saúde humana e apoio social 69,39 63,72 x x R - Atividades artísticas, de espetáculos, desportivas e recreativas 42,06 42,24 x x S - Outras atividades de serviços 45,05 45,99 x x F ON T E: INE, IP., Sistema de Contas Integradas das Empresas (SCIE). N OT A S: 1. Âmbito de atividade económica: Demografia das empresas, exclui as secções O, T e U da CAE Rev x - Valor não disponível. 3. Os dados de 2010, 2011 e 2012 foram atualizados na sequência da implementação do SEC 2010 nas Contas Nacionais. 22

24 1.6 - Taxa de Mortalidade das Empresas, por sector de atividade (CAE-Rev.3), segundo os anos ( ) Sector de atividade Anos Unidade: % Total 16,38 17,35 19,44 x A - Agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca 12,86 12,47 13,02 x B - Indústrias extrativas 8,70 0,00 13,64 x C - Indústrias transformadoras 12,82 13,01 18,35 x D - Eletricidade, gás, vapor, água quente e fria e ar frio E - Captação, tratamento e distribuição de água; saneamento, gestão de resíduos e despoluição 7,69 12,50 12,50 x 13,33 10,71 23,08 x F - Construção 16,88 20,17 20,11 x G - Comércio por grosso e a retalho; reparação de veículos automóveis e motociclos 12,68 14,40 17,21 x H - Transportes e armazenagem 6,48 6,60 8,72 x I - Alojamento, restauração e similares 11,72 13,61 18,39 x J - Atividades e informação e de comunicação 16,60 25,82 17,78 x K - Atividades financeiras e de seguros 12,40 16,52 18,07 x L - Atividades imobiliárias 10,56 13,75 15,33 x M - Atividades de consultoria, científicas, técnicas e similares N - Atividades administrativas e dos serviços de apoio 18,00 16,97 19,19 x 29,39 28,27 31,03 x P - Educação 21,10 24,89 27,94 x Q - Atividades de saúde humana e apoio social 11,67 11,07 13,07 x R - Atividades artísticas, de espetáculos, desportivas e recreativas 19,58 19,04 18,27 x S - Outras atividades de serviços 17,69 18,61 20,28 x F ON T E: INE, IP., Sistema de Contas Integradas das Empresas (SCIE). N OT A S: 1. Âmbito de atividade económica: Demografia das empresas, exclui as secções O, T e U da CAE Rev x - Valor não disponível. 3. Os dados de 2010, 2011 e 2012 foram atualizados na sequência da implementação do SEC 2010 nas Contas Nacionais. 23

25

26 2. Estrutura do Sector Empresarial

27

28 2.1 - Empresas, Pessoal ao Serviço, Dimensão Média, Volume de Negócios e Valor Acrescentado Bruto (VABpm) das Empresas, por tipo de empresa, segundo os anos ( ) Tipo de empresa Anos Empresas (nº) Financeiras Não financeiras Pessoal ao serviços (nº) Financeiras Não financeiras Dimensão média (nº de pessoas ao serviço / nº empresas) 3,47 3,39 3,15 2,73 Financeiras 9,23 9,21 9,52 9,22 Não financeiras 3,37 3,30 3,05 2,65 Volume de negócios (milhares de euros) Financeiras Não financeiras Valor acrescentado bruto (VABpm) (milhares de euros) Financeiras Não financeiras F ON T E: INE, IP., Sistema de Contas Integradas das Empresas (SCIE). N OT A S: 1. Âmbito de atividade económica: Estatísticas M onetárias e Financeiras (EM F) - exclui as secções O, T e U da CAE Rev Por questões de arredondamento, os totais podem não corresponder à soma das parcelas. 3. Os dados de 2010, 2011 e 2012 foram atualizados na sequência da implementação do SEC 2010 nas Contas Nacionais. 27

29 2.2 - Empresas, Pessoal ao Serviço, Dimensão Média, Volume de Negócios e Valor Acrescentado Bruto (VABpm) das Empresas, por forma jurídica, segundo os anos ( ) Forma jurídica Anos Empresas (nº) Empresas individuais Sociedades Pessoal ao serviços (nº) Empresas individuais Sociedades Dimensão média (nº de pessoas ao serviço / nº empresas) 3,47 3,39 3,15 2,73 Empresas individuais 1,12 1,12 1,10 1,07 Sociedades 6,79 6,60 6,13 5,81 Volume de negócios (milhares de euros) Empresas individuais Sociedades Valor acrescentado bruto (VABpm) (milhares de euros) Empresas individuais Sociedades F ON T E: INE, IP., Sistema de Contas Integradas das Empresas (SCIE). N OT A S: 1. Âmbito de atividade económica: Estatísticas M onetárias e Financeiras (EM F) - exclui as secções O, T e U da CAE Rev Por questões de arredondamento, os totais podem não corresponder à soma das parcelas. 3. Os dados de 2010, 2011 e 2012 foram atualizados na sequência da implementação do SEC 2010 nas Contas Nacionais. 28

30 2.3 - Empresas, Pessoal ao Serviço, Dimensão Média, Volume de Negócios e Valor Acrescentado Bruto (VABpm) das Empresas, por dimensão, segundo os anos ( ) Dimensão da empresa Anos Empresas (nº) Grande PME Micro Pequena Média Pessoal ao serviços (nº) Grande PME Micro Pequena Média Dimensão média (nº de pessoas ao serviço / nº empresas) 3,47 3,39 3,15 2,73 Grande 657,35 618,28 554,31 542,13 PME 2,96 2,87 2,72 2,39 Micro 1,62 1,60 1,55 1,45 Pequena 18,64 18,47 18,42 18,12 Média 89,84 85,11 85,98 83,58 Volume de negócios (milhares de euros) Grande PME Micro Pequena Média Valor acrescentado bruto (VABpm) (milhares de euros) Grande PME Micro Pequena Média F ON T E: INE, IP., Sistema de Contas Integradas das Empresas (SCIE). N OT A S: 1. Âmbito de atividade económica: Estatísticas M onetárias e Financeiras (EM F) - exclui as secções O, T e U da CAE Rev Por questões de arredondamento, os totais podem não corresponder à soma das parcelas. 3. Os dados de 2010, 2011 e 2012 foram atualizados na sequência da implementação do SEC 2010 nas Contas Nacionais. 29

31

32 3. Sector Empresarial Não Financeiro

33

34 3.1 - Taxa de Natalidade, de Sobrevivência e de Mortalidade das Empresas Não Financeiras, por forma jurídica, segundo os anos ( ) Forma jurídica Anos Unidade: % Taxa de natalidade 12,52 13,63 16,09 26,74 Empresas individuais 16,73 18,01 22,18 36,49 Sociedades 6,53 7,45 7,14 8,60 Taxa de sobrevivência a 2 anos 45,76 47,26 x x Empresas individuais 38,88 39,67 x x Sociedades 70,81 73,18 x x Taxa de mortalidade 16,45 17,36 (Po) 19,46 x Empresas individuais 21,12 21,95 (Po) 24,97 x Sociedades 9,81 10,88 (Po) 11,36 x F ON T E: INE, IP., Sistema de Contas Integradas das Empresas (SCIE). N OT A S: 1. Âmbito de atividade económica: Demografia das empresas, exclui as secções O, T e U da CAE Rev Po - Valor provisório. 3. x - Valor não disponível. 4. Os dados de 2010, 2011 e 2012 foram atualizados na sequência da implementação do SEC 2010 nas Contas Nacionais. 33

35 3.2 - Taxa de Natalidade, de Sobrevivência e de Mortalidade das Empresas Não Financeiras, por dimensão, segundo os anos ( ) Dimensão da empresa Anos Unidade: % Taxa de natalidade 12,52 13,63 16,09 26,74 Grande 0,00 0,00 0,00 0,00 PME 12,53 13,64 16,10 26,76 Micro 13,16 14,32 16,80 27,77 Pequena 1,39 1,38 1,83 1,05 Média 0,00 0,00 0,00 0,89 Taxa de sobrevivência a 2 anos 45,76 47,26 x x Grande,00 0,00 x x PME 45,76 47,26 x x Micro 45,59 47,09 x x Pequena 78,57 84,62 x x Média 0,00 0,00 x x Taxa de mortalidade 16,45 17,36 (Po) 19,46 x Grande 0,00 0,00 0,00 x PME 16,46 17,37 (Po) 19,48 x Micro 17,07 18,01 (Po) 20,21 x Pequena 5,86 6,14 (Po) 4,27 x Média 3,70 2,31 (Po) 4,10 x F ON T E: INE, IP., Sistema de Contas Integradas das Empresas (SCIE). N OT A S: 1. Âmbito de atividade económica: Demografia das empresas, exclui as secções O, T e U da CAE Rev Po - Valor provisório. 3. x - Valor não disponível. 4. Os dados de 2010, 2011 e 2012 foram atualizados na sequência da implementação do SEC 2010 nas Contas Nacionais. 34

36 3.3 - Empresas, Pessoal ao Serviço, Dimensão Média, Volume de Negócios e Valor Acrescentado Bruto (VABpm) das Empresas Não Financeiras, por forma jurídica, segundo os anos ( ) Forma jurídica Anos Empresas (nº) Empresas individuais Sociedades Pessoal ao serviços (nº) Empresas individuais Sociedades Dimensão média (nº de pessoas ao serviço / nº empresas) 3,37 3,30 3,05 2,65 Empresas individuais 1,13 1,12 1,11 1,07 Sociedades 6,56 6,37 5,90 5,59 Volume de negócios (milhares de euros) Empresas individuais Sociedades Valor acrescentado bruto (VABpm) (milhares de euros) Empresas individuais Sociedades F ON T E: INE, IP., Sistema de Contas Integradas das Empresas (SCIE). N OT A S: 1. Âmbito de atividade económica: Estatísticas M onetárias e Financeiras (EM F) - exclui as secções O, T e U da CAE Rev Por questões de arredondamento, os totais podem não corresponder à soma das parcelas. 3. Os dados de 2010, 2011 e 2012 foram atualizados na sequência da implementação do SEC 2010 nas Contas Nacionais. 35

37 3.4 - Empresas, Pessoal ao Serviço, Dimensão Média, Volume de Negócios e Valor Acrescentado Bruto (VABpm) das Empresas Não Financeiras, por dimensão, segundo os anos ( ) Dimensão da empresa Anos Empresas (nº) Grande PME Micro Pequena Média Pessoal ao serviços (nº) Grande PME Micro Pequena Média Dimensão média (nº de pessoas ao serviço / nº empresas) 3,37 3,30 3,05 2,65 Grande 565,40 532,44 457,00 417,36 PME 2,98 2,89 2,73 2,40 Micro 1,62 1,61 1,55 1,45 Pequena 18,64 18,50 18,44 18,16 Média 89,84 85,11 85,98 84,29 Volume de negócios (milhares de euros) Grande PME Micro Pequena Média Valor acrescentado bruto (VABpm) (milhares de euros) Grande PME Micro Pequena Média F ON T E: INE, IP., Sistema de Contas Integradas das Empresas (SCIE). N OT A S: 1. Âmbito de atividade económica: Estatísticas M onetárias e Financeiras (EM F) - exclui as secções O, T e U da CAE Rev Por questões de arredondamento, os totais podem não corresponder à soma das parcelas. 3. Os dados de 2010, 2011 e 2012 foram atualizados na sequência da implementação do SEC 2010 nas Contas Nacionais. 36

38 3.5 - Empresas Não Financeiras, por sector de atividade (CAE-Rev.3), segundo os anos ( ) Sector de atividade Anos Unidade: Nº Total A - Agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca B - Indústrias extrativas C - Indústrias transformadoras D - Eletricidade, gás, vapor, água quente e fria e ar frio E - Captação, tratamento e distribuição de água; saneamento, gestão de resíduos e despoluição F - Construção G - Comércio por grosso e a retalho; reparação de veículos automóveis e motociclos H - Transportes e armazenagem I - Alojamento, restauração e similares J - Atividades e informação e de comunicação L - Atividades imobiliárias M - Atividades de consultoria, científicas, técnicas e similares N - Atividades administrativas e dos serviços de apoio P - Educação Q - Atividades de saúde humana e apoio social R - Atividades artísticas, de espetáculos, desportivas e recreativas S - Outras atividades de serviços F ON T E: INE, IP., Sistema de Contas Integradas das Empresas (SCIE). N OT A S: 1. Âmbito de atividade económica: Estatísticas M onetárias e Financeiras (EM F) - exclui as secções O, T e U da CAE Rev Por questões de arredondamento, os totais podem não corresponder à soma das parcelas. 3. Os dados de 2010, 2011 e 2012 foram atualizados na sequência da implementação do SEC 2010 nas Contas Nacionais. 37

39 3.6 - Pessoal ao Serviço das Empresas Não Financeiras, por sector de atividade (CAE-Rev.3), segundo os anos ( ) Sector de atividade Anos Unidade: Nº Total A - Agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca B - Indústrias extrativas C - Indústrias transformadoras D - Eletricidade, gás, vapor, água quente e fria e ar frio E - Captação, tratamento e distribuição de água; saneamento, gestão de resíduos e despoluição F - Construção G - Comércio por grosso e a retalho; reparação de veículos automóveis e motociclos H - Transportes e armazenagem I - Alojamento, restauração e similares J - Atividades e informação e de comunicação L - Atividades imobiliárias M - Atividades de consultoria, científicas, técnicas e similares N - Atividades administrativas e dos serviços de apoio P - Educação Q - Atividades de saúde humana e apoio social R - Atividades artísticas, de espetáculos, desportivas e recreativas S - Outras atividades de serviços F ON T E: INE, IP., Sistema de Contas Integradas das Empresas (SCIE). N OT A S: 1. Âmbito de atividade económica: Estatísticas M onetárias e Financeiras (EM F) - exclui as secções O, T e U da CAE Rev Por questões de arredondamento, os totais podem não corresponder à soma das parcelas. 3. Os dados de 2010, 2011 e 2012 foram atualizados na sequência da implementação do SEC 2010 nas Contas Nacionais. 38

40 3.7 - Volume de Negócios das Empresas Não Financeiras, por sector de atividade (CAE-Rev.3), segundo os anos ( ) Sector de atividade Anos Unidade: M ilhares de euros Total A - Agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca B - Indústrias extrativas C - Indústrias transformadoras D - Eletricidade, gás, vapor, água quente e fria e ar frio E - Captação, tratamento e distribuição de água; saneamento, gestão de resíduos e despoluição F - Construção G - Comércio por grosso e a retalho; reparação de veículos automóveis e motociclos H - Transportes e armazenagem I - Alojamento, restauração e similares J - Atividades e informação e de comunicação L - Atividades imobiliárias M - Atividades de consultoria, científicas, técnicas e similares N - Atividades administrativas e dos serviços de apoio P - Educação Q - Atividades de saúde humana e apoio social R - Atividades artísticas, de espetáculos, desportivas e recreativas S - Outras atividades de serviços F ON T E: INE, IP., Sistema de Contas Integradas das Empresas (SCIE). N OT A S: 1. Âmbito de atividade económica: Estatísticas M onetárias e Financeiras (EM F) - exclui as secções O, T e U da CAE Rev Por questões de arredondamento, os totais podem não corresponder à soma das parcelas. 3. Os dados de 2010, 2011 e 2012 foram atualizados na sequência da implementação do SEC 2010 nas Contas Nacionais. 39

41 3.8 - Valor Acrescentado Bruto (VABpm) das Empresas Não Financeiras, por sector de atividade (CAE- Rev.3), segundo os anos ( ) Sector de atividade Anos Unidade: M ilhares de euros Total A - Agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca B - Indústrias extrativas C - Indústrias transformadoras D - Eletricidade, gás, vapor, água quente e fria e ar frio E - Captação, tratamento e distribuição de água; saneamento, gestão de resíduos e despoluição F - Construção G - Comércio por grosso e a retalho; reparação de veículos automóveis e motociclos H - Transportes e armazenagem I - Alojamento, restauração e similares J - Atividades e informação e de comunicação L - Atividades imobiliárias M - Atividades de consultoria, científicas, técnicas e similares N - Atividades administrativas e dos serviços de apoio P - Educação Q - Atividades de saúde humana e apoio social R - Atividades artísticas, de espetáculos, desportivas e recreativas S - Outras atividades de serviços F ON T E: INE, IP., Sistema de Contas Integradas das Empresas (SCIE). N OT A S: 1. Âmbito de atividade económica: Estatísticas M onetárias e Financeiras (EM F) - exclui as secções O, T e U da CAE Rev Por questões de arredondamento, os totais podem não corresponder à soma das parcelas. 3. Os dados de 2010, 2011 e 2012 foram atualizados na sequência da implementação do SEC 2010 nas Contas Nacionais. 40

42 3.9 - Rácios Económico-Financeiros das Empresas Não Financeiras, segundo os anos ( ) Indicadores Anos Gastos com o pessoal per capita (milhares de euros/pessoa) Produtividade aparente do trabalho (milhares de euros/pessoa) Produtividade do trabalho ajustada ao salário (%) Peso dos gastos com o pessoal no VAB (%) 12,35 12,34 12,21 11,30 20,40 20,23 19,05 18,67 132,89 130,79 121,40 120,23 61,61 62,33 64,73 61,99 Taxa de valor acrescentado bruto (%) 43,35 43,07 41,88 41,46 Peso do EBE no VABpm (%) 40,20 39,83 36,26 40,46 Taxa de margem bruta de exploração (%) 11,53 11,44 10,16 11,40 Rendibilidade operacional das vendas (%) 9,13 7,12 4,85 7,21 Taxa de investimento (%) 25,43 22,84 13,93 13,14 Autonomia financeira (nº) 0,27 0,27 0,26 0,29 Solvabilidade (nº) 0,37 0,37 0,36 0,41 Endividamento (nº) 0,73 0,73 0,74 0,71 F ON T E: INE, IP., Sistema de Contas Integradas das Empresas (SCIE). N OT A : 1. Âmbito de atividade económica: Estatísticas M onetárias e Financeiras (EM F) - exclui as secções O, T e U da CAE Rev Os dados de 2010, 2011 e 2012 foram atualizados na sequência da implementação do SEC 2010 nas Contas Nacionais. 41

Empresas em Portugal 2012

Empresas em Portugal 2012 Empresas em Portugal 2012 21 de março de 2014 Principais indicadores revelaram uma contração da atividade económica em 2012 com exceção das sociedades exportadoras Em 2012 existiam em Portugal 1 086 452

Leia mais

Nº DE EMPRESAS EM NOME INDIVIDUAL NOS AÇORES, POR ANO

Nº DE EMPRESAS EM NOME INDIVIDUAL NOS AÇORES, POR ANO Q.15.1 - Número de Empresas em nome individual nos Açores, segundo a CAE Rev. 3, por ano AÇORES TOTAL 19 276 2 51 21 238 22 46 23 332 22 335 21 335 21 341 Agricultura, produção animal, caça, floresta e

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012 Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 212 Divulgação dos Quadros do Setor das empresas não financeiras da Central de Balanços dados de 211 O Banco de Portugal divulga hoje no BPStat Estatísticas

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010

A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010 26 de setembro de 2012 A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010 Empresas agrícolas: o futuro da agricultura portuguesa? As 43 972 empresas da atividade agrícola (divisão 01 da CAE Rev.3)

Leia mais

Trabalhar no feminino

Trabalhar no feminino 07 de Março de 2013 8 de Março: Dia Internacional da Mulher Trabalhar no feminino Numa sociedade que aposta na igualdade entre homens e mulheres, incentiva a participação feminina na vida ativa e promove

Leia mais

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015 Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Outubro de 2015 29 de janeiro de 2016 Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015 De acordo

Leia mais

ISSN 0872-9514. Empresas em Portugal 2010

ISSN 0872-9514. Empresas em Portugal 2010 ISSN 0872-9514 Edição 2012 2 FICHA TÉCNICA Título Editor Instituto Nacional de Estatística, I.P. Av. António José de Almeida 1000-043 Lisboa Portugal Telefone: 21 842 61 00 Fax: 21 842 63 64 Presidente

Leia mais

Quadros de Pessoal 3,1% Empresas, Estabelecimentos e Pessoas ao Serviço. Q uadro 1 Empresas, estabelecimentos, pessoas ao serviço.

Quadros de Pessoal 3,1% Empresas, Estabelecimentos e Pessoas ao Serviço. Q uadro 1 Empresas, estabelecimentos, pessoas ao serviço. ESTATÍSTICAS e m SÍNTESE Quadros de Pessoal O Relatório Único referente à informação sobre a atividade social da empresa, constitui uma obrigação anual, a cargo dos empregadores, com conteúdo e prazo de

Leia mais

ANÁLISE DAS EMPRESAS DO SETOR DO MAR

ANÁLISE DAS EMPRESAS DO SETOR DO MAR ANÁLISE DAS EMPRESAS DO SETOR DO MAR Estudos da Central de Balanços Maio 2015 21 21 ANÁLISE DAS EMPRESAS DO SETOR DO MAR Estudos da Central de Balanços Maio 2015 Lisboa, 2015 www.bportugal.pt ANÁLISE

Leia mais

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos HOTELARIA 2008 AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. INFORMAÇÃO SOBRE AS EMPRESAS Segundo os dados das Empresas em Portugal 2005, do INE, em 2005 o sector do Alojamento e Restauração compreendia

Leia mais

Expectativas de aumento do investimento empresarial em 2014

Expectativas de aumento do investimento empresarial em 2014 Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de abril de 2014 09 de julho de 2014 Expectativas de aumento do investimento empresarial em 2014 De acordo com as intenções manifestadas pelas empresas

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

ANÁLISE DO SETOR AUTOMÓVEL. Dezembro 2013 14

ANÁLISE DO SETOR AUTOMÓVEL. Dezembro 2013 14 ANÁLISE DO SETOR AUTOMÓVEL Dezembro 2013 14 ANÁLISE DO SETOR AUTOMÓVEL Estudos da Central de Balanços Dezembro 2013 14 BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt Edição

Leia mais

Evolução da FBCF Empresarial em valor Taxa de Variação Anual

Evolução da FBCF Empresarial em valor Taxa de Variação Anual Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Abril de 2011 08 de Julho de 2011 Revisão em baixa das expectativas de investimento empresarial em 2011. De acordo com as intenções manifestadas pelas

Leia mais

Influência do Mar na atividade económica

Influência do Mar na atividade económica 15 de novembro de 213 (corrigida em 21-11-213, às 16H) 16 DE NOVEMBRO: DIA NACIONAL DO MAR Página 9, parágrafo 2, 2ª linha: retificado de 8,1 milhões de toneladas para 8,1 milhares de toneladas Influência

Leia mais

ÍSTICAS LABORAIS TRABALHO E DA AÇÃO INSPETIVA ESTATÍSTICAS DO TRABALHO síntese de resultados

ÍSTICAS LABORAIS TRABALHO E DA AÇÃO INSPETIVA ESTATÍSTICAS DO TRABALHO síntese de resultados ÍSTICAS LABORAIS TRABALHO DA AÇÃO ISPTIVA STATÍSTICAS DO TRABALHO síntese de resultados R QUADROS D PSSOAL (Relatório Único Anexo A) A regulamentação do Código do Trabalho, aprovado pela Lei nº 7/29 de

Leia mais

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015 Internacionalização Países lusófonos - Survey Janeiro de 2015 1 Índice 1. Iniciativa Lusofonia Económica 2. Survey Caracterização das empresas participantes 3. Empresas não exportadoras 4. Empresas exportadoras

Leia mais

RELATÓRIO O SECTOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL EM 2010

RELATÓRIO O SECTOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL EM 2010 RELATÓRIO O Sector da Construção em Portugal em 2010 Setembro de 2011 Ficha Técnica Título: Relatório O Sector da Construção em Portugal em 2010 Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro Ministro

Leia mais

Taxa de desemprego estimada em 11,9%

Taxa de desemprego estimada em 11,9% 5 de agosto de 215 Estatísticas do Emprego 2º trimestre de 215 Taxa de desemprego estimada em 11,9% A taxa de desemprego no 2º trimestre de 215 foi de 11,9%. Este valor é inferior em 1,8 pontos percentuais

Leia mais

ISSN 0872-9514. Empresas em Portugal. Edição 2013. Estatísticas oficiais

ISSN 0872-9514. Empresas em Portugal. Edição 2013. Estatísticas oficiais ISSN 0872-9514 2011 Edição 2013 Empresas em Portugal e Estatísticas oficiais Edição 2013 2 FICHA TÉCNICA Título Editor Instituto Nacional de Estatística, I.P. Av. António José de Almeida 1000-043 Lisboa

Leia mais

Mercado de Emprego - Tendências Lisboa, 25 Fevereiro 2010. Call for Action EMP, Atreva-se! Maria Cândida Soares. Gabinete de Estratégia e Planeamento

Mercado de Emprego - Tendências Lisboa, 25 Fevereiro 2010. Call for Action EMP, Atreva-se! Maria Cândida Soares. Gabinete de Estratégia e Planeamento Mercado de Emprego - Tendências Lisboa, 25 Fevereiro 2010 Call for Action EMP, Atreva-se! Maria Cândida Soares Gabinete de Estratégia e Planeamento PIB, emprego e produtividade 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0-2,0-4,0-6,0

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICAS DAS EMPRESAS 2008

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICAS DAS EMPRESAS 2008 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICAS DAS EMPRESAS 2008 Maputo, Julho de 2011 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICAS DAS EMPRESAS 2008 Maputo,

Leia mais

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 18 de Maio de 2010 A taxa de desemprego foi de 10,6% no 1º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2010 foi de 10,6%. Este valor

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

Quadro 1 Evolução anual do stock de empresas. Stock final

Quadro 1 Evolução anual do stock de empresas. Stock final Demografia de empresas, fluxos de emprego e mobilidade dos trabalhadores em Portugal ESTATÍSTICAS STICAS em síntese 2006 A informação que se divulga tem como suporte o Sistema de Informação Longitudinal

Leia mais

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2010 16 de Fevereiro de 2011 A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2010 foi de 11,1%. Este

Leia mais

Secção III: Âmbito de Aplicação e Políticas de Risco 7. 2. Estratégias e Processos de Gestão de Risco 8

Secção III: Âmbito de Aplicação e Políticas de Risco 7. 2. Estratégias e Processos de Gestão de Risco 8 Secção I: Introdução 4 1. Enquadramento Regulamentar 5 2. Estrutura do Relatório 5 Secção II: Declaração de Responsabilidade 6 Secção III: Âmbito de Aplicação e Políticas de Risco 7 1. Âmbito de Aplicação

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais 30 de Setembro de 2015 2º Trimestre 2015 Contacto (s): José Fernandes Próxima edição: 31 Dezembro 2015 Joses.Fernandes@ine.gov.cv Nataniel Barros Nataniel.L.Barros@GOVCV.gov.cv

Leia mais

www.ine.pt FICHA TÉCNICA

www.ine.pt FICHA TÉCNICA FICHA TÉCNICA Em Abril de 1996 o Fundo Monetário Internacional (FMI) criou o Special Data Dissemination Standard (SDDS) visando reforçar a transparência, integridade, actualidade e qualidade da informação

Leia mais

Shares and other equity

Shares and other equity A CAE e os impactos no Banco de Portugal Margarida Brites Ramos 1 Função Estatística Lei Orgânica do Banco de Portugal Artigo 12.º Compete especialmente ao Banco, sem prejuízo dos condicionalismos decorrentes

Leia mais

ISSN 1646-2513. Serviços. Estatísticas dos Ser viços Prestados. às Empresas. Ano de edição 2009

ISSN 1646-2513. Serviços. Estatísticas dos Ser viços Prestados. às Empresas. Ano de edição 2009 Serviços H Hema ISSN 1646-2513 Estatísticas dos Ser viços Prestados às Empresas Ano de edição 2009 2 FICHA TÉCNICA Título Estatísticas dos Serviços Prestados às Empresas Editor Instituto Nacional de Estatística,

Leia mais

ESTATÍSTICAS. Os dados publicados nesta síntese referem-se ao Continente e aos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo.

ESTATÍSTICAS. Os dados publicados nesta síntese referem-se ao Continente e aos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo. Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho disponibiliza informação que permite conhecer o nível médio mensal da remuneração

Leia mais

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9%

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9% Estatísticas do Emprego 3º trimestre de 2007 16 de Novembro de 2007 A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9 A taxa de desemprego estimada para o 3º trimestre de 2007 foi de 7,9. Este valor

Leia mais

Acidentes de Trabalho

Acidentes de Trabalho Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Acidentes de Trabalho COLEÇÃO ESTATÍSTICAS ACIDENTES DE TRABALHO Gabinete de Estratégia e Estudos (GEE) Ministério da Economia (ME), 2014 Coleção

Leia mais

ANÁLISE SETORIAL DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2010-2015

ANÁLISE SETORIAL DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2010-2015 ANÁLISE SETORIAL DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2010-2015 Estudos da Central de Balanços Novembro 2015 23 23 ANÁLISE SETORIAL DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2010-2015 Estudos da

Leia mais

Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014)

Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014) Procedimento dos Défices Excessivos 2ª Notificação 2014 30 de setembro de 2014 Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014) Nos termos dos Regulamentos da União Europeia, o INE envia hoje

Leia mais

BREVE NOTA DE APRESENTAÇÃO

BREVE NOTA DE APRESENTAÇÃO BREVE NOTA DE APRESENTAÇÃO As entidades empregadoras que pretendam promover despedimentos coletivos, conforme estipulado no número 5 do artigo 360º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei nº 7/2009 de

Leia mais

Barómetro das Crises

Barómetro das Crises Barómetro das Crises 27-01-2015 Nº 12 O salário mínimo: a decência não é um custo A tendência dos últimos anos é de diminuição do peso dos ordenados e salários no Produto Interno Bruto (PIB). Por isso,

Leia mais

Estatísticas de empréstimos concedidos pelo setor financeiro

Estatísticas de empréstimos concedidos pelo setor financeiro Estatísticas de empréstimos concedidos pelo setor financeiro Luís Teles Diretor Adjunto Departamento de Estatística 17ª Reunião da Secção Permanente de Estatísticas Económicas 20 março 2015 Agenda 1. A

Leia mais

Evolução da FBCF Empresarial Taxa de Variação Anual

Evolução da FBCF Empresarial Taxa de Variação Anual Inquérito Qualitativo de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Outubro de 2006 31 de Janeiro de 2007 TAXA DE VARIAÇÃO DO INVESTIMENTO PARA 2006 REVISTA EM BAIXA Os resultados do Inquérito ao Investimento

Leia mais

Estrutura sectorial de Macau em 2014

Estrutura sectorial de Macau em 2014 Estrutura sectorial de Macau em 2014 Not.002/2016 Nos anos anteriores, a Direcção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC) calculava e analisava o valor bruto de produção (VBP), o valor acrescentado

Leia mais

Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram

Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram Estatísticas do Comércio 2013 26 de dezembro de 2014 Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram Em 2013 o setor do Comércio era constituído

Leia mais

ISSN 0872-9514. Empresas em Portugal 2009. Edição 2011. Estatísticas oficiais

ISSN 0872-9514. Empresas em Portugal 2009. Edição 2011. Estatísticas oficiais ISSN 0872-9514 Edição 2011 e Estatísticas oficiais Edição 2011 2 FICHA TÉCNICA Título Editor Instituto Nacional de Estatística, I.P. Av. António José de Almeida 1000-043 Lisboa Portugal Telefone: 21 842

Leia mais

Caraterização do setor dos serviços em Portugal. Paula Menezes Coordenadora da Área da Central de Balanços 1 dezembro 2014 Lisboa

Caraterização do setor dos serviços em Portugal. Paula Menezes Coordenadora da Área da Central de Balanços 1 dezembro 2014 Lisboa Caraterização do setor dos serviços em Portugal Paula Menezes Coordenadora da Área da Central de Balanços 1 dezembro 2014 Lisboa 1. Estrutura e dinâmica do setor: o que mudou em 10 anos? 2. Análise económica

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

91% das empresas com 10 e mais pessoas ao serviço utilizam Internet de banda larga

91% das empresas com 10 e mais pessoas ao serviço utilizam Internet de banda larga 06 de novembro de 2012 Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2012 91% das empresas com 10 e mais pessoas ao serviço utilizam Internet

Leia mais

ANÁLISE SETORIAL DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2009-2014

ANÁLISE SETORIAL DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2009-2014 ANÁLISE SETORIAL DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2009-2014 Estudos da Central de Balanços Novembro 2014 18 18 ANÁLISE SETORIAL DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2009-2014 Estudos da

Leia mais

Atividade dos Transportes 1º Trimestre de 2015

Atividade dos Transportes 1º Trimestre de 2015 Atividade dos Transportes 1º Trimestre de 215 14 de julho de 215 Transporte de mercadorias mantém crescimento por via marítima e aérea. Continua a diminuir no modo rodoviário Transporte de passageiros

Leia mais

Relatório Tipo Dezembro de 20XX

Relatório Tipo Dezembro de 20XX Relatório Tipo Dezembro de 20XX Alvim & Rocha Consultoria de Gestão, Lda. Tel.: 22 831 70 05; Fax: 22 833 12 34 Rua do Monte dos Burgos, 848 Email: mail@alvimrocha.com 4250-313 Porto www.alvimrocha.com

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2008 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, tendo atingido um valor

Leia mais

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Desempenho Económico-Financeiro das Companhias Aéreas Nacionais [2007-2011]

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Desempenho Económico-Financeiro das Companhias Aéreas Nacionais [2007-2011] FICHA TÉCNICA TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Desempenho Económico-Financeiro das Companhias Aéreas Nacionais [2007-2011] EDIÇÃO INAC Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Rua B Edifícios

Leia mais

ESTRUTURA E DINÂMICA DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2006-2012. Novembro 2013 12

ESTRUTURA E DINÂMICA DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2006-2012. Novembro 2013 12 ESTRUTURA E DINÂMICA DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2006-2012 Novembro 2013 12 ESTRUTURA E DINÂMICA DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2006-2012 Estudos da Central de Balanços Novembro

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 05 Maio 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Economia Portuguesa. GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP)

Economia Portuguesa. GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP) Economia Portuguesa 2009 GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP) MFAP GPEARI Unidade de Política Económica i i Ficha Técnica Título Economia Portuguesa

Leia mais

2012/2013. Novembro 2013

2012/2013. Novembro 2013 2012/2013 Novembro 2013 13 Análise setorial das sociedades não financeiras EM PORTUGAL 2012/2013 Estudos da Central de Balanços Novembro 2013 13 BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa

Leia mais

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2 8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 1 A SITUAÇÃO DA MULHER EM PORTUGAL NO DIA INTERNACIONAL DA MULHER DE 2011 RESUMO DESTE ESTUDO No dia

Leia mais

Programa Nacional de Saúde Ocupacional: 2º Ciclo 2013/2017. Carlos Silva Santos - Coordenador do PNSOC Sandra Moreira Equipa de Coordenação do PNSOC

Programa Nacional de Saúde Ocupacional: 2º Ciclo 2013/2017. Carlos Silva Santos - Coordenador do PNSOC Sandra Moreira Equipa de Coordenação do PNSOC Programa Nacional de Saúde Ocupacional: 2º Ciclo 2013/2017 Carlos Silva Santos - Coordenador do PNSOC Sandra Moreira Equipa de Coordenação do PNSOC Morbilidade em Saúde Ocupacional Doenças provocadas por

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 Av. Vasco da Gama, 1410 4431-956 Telefone 22-7867000 Fax 22-7867215 Registada na C.R.C. de sob o nº 500239037 Capital Social: Euro 35.000.000 Sociedade Aberta

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

BOLETIM ECONÓMICO DE MACAU

BOLETIM ECONÓMICO DE MACAU BOLETIM ECONÓMICO DE MACAU Esta publicação foi editada em conjunto pela Direcção dos Serviços de Economia (DSE), Autoridade Monetária de Macau (AMCM) e Direcção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC).

Leia mais

EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO

EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO Integradas no tecido empresarial encontramos o grupo das empresas de crescimento elevado (ECE) assim designadas na sequência do rápido crescimento que apresentam tanto em

Leia mais

Parque de habitação social aumentou 2% entre 2009 e 2011

Parque de habitação social aumentou 2% entre 2009 e 2011 Caracterização da Habitação Social em Portugal 2011 18 de julho de 2012 Parque de habitação social aumentou 2% entre 2009 e 2011 O número de fogos de habitação social em Portugal registou um aumento de

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Plano Estratégico de Desenvolvimento da Ilha Terceira

Plano Estratégico de Desenvolvimento da Ilha Terceira Plano Estratégico de Desenvolvimento da Ilha Terceira AGESPI Associação para a Gestão do Parque Industrial da Ilha Terceira FASE 1 Diagnóstico e Concepção da Estratégia de Desenvolvimento Junho de 2013

Leia mais

SÉRIE 2013, Nº 05 - MESORREGIÃO SUL CATARINENSE

SÉRIE 2013, Nº 05 - MESORREGIÃO SUL CATARINENSE SÉRIE 2013, Nº 05 - MESORREGIÃO SUL CATARINENSE GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE SISTEMA NACIONAL

Leia mais

Novo Código Contributivo da Segurança Social

Novo Código Contributivo da Segurança Social Novo Código Contributivo da Segurança Social O Código Contributivo para a Segurança Social, aprovado através da Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro tem a sua entrada em vigor agendada para 1 de Janeiro

Leia mais

ANÁLISE DAS EMPRESAS DO SETOR EXPORTADOR EM PORTUGAL

ANÁLISE DAS EMPRESAS DO SETOR EXPORTADOR EM PORTUGAL ANÁLISE DAS EMPRESAS DO SETOR EXPORTADOR EM PORTUGAL Estudos da Central de Balanços Junho 2015 22 22 ANÁLISE DAS EMPRESAS DO SETOR EXPORTADOR EM PORTUGAL Estudos da Central de Balanços Junho 2015 Lisboa,

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/12 Págs. Duração

Leia mais

Um retrato social de Portugal: uma leitura de evoluções ocorridas nos últimos anos

Um retrato social de Portugal: uma leitura de evoluções ocorridas nos últimos anos 27 de dezembro de 2012 Indicadores Sociais 2011 Um retrato social de Portugal: uma leitura de evoluções ocorridas nos últimos anos Em Portugal, existe cada vez maior esperança média de vida à nascença.

Leia mais

Caracterização das empresas do setor do turismo em Portugal. Paula Menezes Coordenadora da área da Central de Balanços 22 outubro 2014 Funchal

Caracterização das empresas do setor do turismo em Portugal. Paula Menezes Coordenadora da área da Central de Balanços 22 outubro 2014 Funchal Caracterização das empresas do setor do turismo em Portugal Paula Menezes Coordenadora da área da Central de Balanços 22 outubro 2014 Funchal Setor do Turismo I. Estrutura e dinâmica do setor II. III.

Leia mais

ANÁLISE DO SETOR AGRÍCOLA. Dezembro 2012 11

ANÁLISE DO SETOR AGRÍCOLA. Dezembro 2012 11 ANÁLISE DO SETOR AGRÍCOLA Dezembro 2012 11 ANÁLISE DO SETOR AGRÍCOLA Estudos da Central de Balanços Dezembro 2012 11 BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt Edição Departamento

Leia mais

www.ine.pt Título Boletim Mensal de Estatística 2014

www.ine.pt Título Boletim Mensal de Estatística 2014 2 Título Boletim Mensal de Estatística 2014 Editor Instituto Nacional de Estatística, I.P. Av. António José de Almeida, 2 1000-043 LISBOA PORTUGAL Telefone: 21 842 61 00 Fax: 21 845 40 84 Presidente do

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NO CENTRO DE PORTUGAL QREN 2007-2013. (31 de dezembro de 2013)

POLÍTICAS PÚBLICAS NO CENTRO DE PORTUGAL QREN 2007-2013. (31 de dezembro de 2013) POLÍTICAS PÚBLICAS NO CENTRO DE PORTUGAL QREN 2007-2013 QREN 2007-2013 No período 2007-2013, são principalmente os instrumentos financeiros, Fundos Estruturais (FEDER Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS PORTUGAL A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS Maria Celeste Hagatong Comissão Executiva do Banco BPI Lisboa, 3 de Junho

Leia mais

RELATÓRIOS E ANÁLISES

RELATÓRIOS E ANÁLISES RELATÓRIOS E ANÁLISES Relatório de Conjuntura n.º 128 1.º Trimestre de 2012 Relatório de Conjuntura n.º 1.º Trimestre de 2012 Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) Ministério da Solidariedade e da

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

O regresso desigual da Europa ao crescimento do emprego

O regresso desigual da Europa ao crescimento do emprego NOTA INFORMATIVA O regresso desigual da Europa ao crescimento do emprego Previsões até 2025 apontam para diferenças significativas na oferta e procura de competências nos Estados-Membros Boas notícias.

Leia mais

ANÁLISE DO SETOR DAS ATIVIDADES DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANÁLISE DO SETOR DAS ATIVIDADES DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANÁLISE DO SETOR DAS ATIVIDADES DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Estudos da Central de Balanços Abril 2014 16 16 ANÁLISE DO SETOR DAS ATIVIDADES DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Estudos da Central de Balanços Abril

Leia mais

CIRCULAR N/REFª : 09/2015 DATA: 09/01/15. ASSUNTO: Conjuntura Económica 3º Trimestre de 2014. Exmos. Senhores,

CIRCULAR N/REFª : 09/2015 DATA: 09/01/15. ASSUNTO: Conjuntura Económica 3º Trimestre de 2014. Exmos. Senhores, CIRCULAR N/REFª : 09/2015 DATA: 09/01/15 ASSUNTO: Conjuntura Económica 3º Trimestre de 2014 Exmos. Senhores, Junto se envia a Conjuntura Económica, elaborada pelo Gabinete de Estudos e Projectos, relativa

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

PELA PRIMEIRA VEZ, DESDE QUE HÁ REGISTOS, HOUVE MENOS DE 90 MIL NADOS VIVOS

PELA PRIMEIRA VEZ, DESDE QUE HÁ REGISTOS, HOUVE MENOS DE 90 MIL NADOS VIVOS PELA PRIMEIRA VEZ, DESDE QUE HÁ REGISTOS, HOUVE MENOS DE 90 MIL NADOS VIVOS Pela primeira vez, desde que há registos, observaram-se menos de 90 mil nados vivos em Portugal. De facto, o número de nados

Leia mais

Estatísticas da Cultura 2014 INE divulga dados da Cultura

Estatísticas da Cultura 2014 INE divulga dados da Cultura Estatísticas da Cultura 2014 INE divulga dados da Cultura 10 de dezembro de 2015 Em 2014, a população empregada no sector cultural e criativo era mais jovem e escolarizada do que no total da economia.

Leia mais

Parque de habitação social em Portugal

Parque de habitação social em Portugal Caracterização da Habitação Social em Portugal 2012 31 de julho de 2013 Parque de habitação social em Portugal Em 2012 existiam cerca de 118 mil fogos de habitação social (-0,2% face a 2011) distribuídos

Leia mais

Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento

Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento Inquérito à Situação Financeira das Famílias 2010 25 de maio de 2012 Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento O Inquérito à Situação Financeira

Leia mais

Classificação Portuguesa

Classificação Portuguesa Economia e Finanças D tema Classificação Portuguesa das Actividades Económicas Rev. 3 Ano de edição 2007 FICHA TÉCNICA Título Classificação Portuguesa das Actividades Económicas, Revisão 3 Editor Instituto

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

ANÁLISE SETORIAL DA INDÚSTRIA METALOMECÂNICA

ANÁLISE SETORIAL DA INDÚSTRIA METALOMECÂNICA ANÁLISE SETORIAL DA INDÚSTRIA METALOMECÂNICA Estudos da Central de Balanços Março 2015 20 20 ANÁLISE SETORIAL DA INDÚSTRIA METALOMECÂNICA Estudos da Central de Balanços Março 2015 Lisboa, 2015 www.bportugal.pt

Leia mais

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV Benefícios fiscais às zonas francas Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1- (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro)

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE 2013-1º TRIMESTRE

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE 2013-1º TRIMESTRE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE 2013-1º TRIMESTRE 1 Presidente Antonio dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Av. Amilcar Cabral, CP 116 Cidade da Praia Composição Instituto

Leia mais

Crescimento Económico: diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento

Crescimento Económico: diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento Crescimento Económico: diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento Eduardo Stock da Cunha CEO Novo Banco Novembro de 2014 Novembro 2014 Depois de um período de contração,

Leia mais

Obrigações declarativas das entidades que não exercem a título principal

Obrigações declarativas das entidades que não exercem a título principal Obrigações declarativas das entidades que não exercem a título principal atividades comerciais, industriais ou agrícolas Com as alterações introduzidas aos n.ºs 6 e 7 do art. 117 do CIRC 1, as obrigações

Leia mais

A Actividade Económica dos Açores nas Estatísticas do Banco de Portugal

A Actividade Económica dos Açores nas Estatísticas do Banco de Portugal Jornadas de Estatística Regional Angra do Heroísmo, 29 de Novembro de 2013 A Actividade Económica dos Açores nas Estatísticas João Cadete de Matos Director, Departamento de Estatística Principais indicadores

Leia mais

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Apreciação Global Os dados estatísticos disponíveis para o 2º trimestre de 2014 parecem confirmar finalmente, e pela primeira vez em muitos

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ANEXO 1 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) 2 3 4 5 6 ÍNDICE DO ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1. Nota introdutória 2. Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2014

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2014 N.º 3 fevereiro 215 Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 21 O Banco de Portugal publica hoje, no Boletim Estatístico, as estatísticas de balanço e de

Leia mais

Informar para saber...saber para desenvolver.

Informar para saber...saber para desenvolver. INQUÉRITO AO EMPREGO 4º Trimestre de 2011 Serviço Regional de Estatística dos Açores Informar para saber......saber para desenvolver. INQUÉRITO AO EMPREGO 4º TRIMESTRE DE 2011 NOTA INTRODUTÓRIA A presente

Leia mais