Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015"

Transcrição

1 Internacionalização Países lusófonos - Survey Janeiro de

2 Índice 1. Iniciativa Lusofonia Económica 2. Survey Caracterização das empresas participantes 3. Empresas não exportadoras 4. Empresas exportadoras 5. Empresas investidoras 6. Comentários finais

3 Âmbito e abordagem Lusofonia Económica Enquadramento A ligação ao tecido empresarial e a identificação clara das reais oportunidades e intenções de internacionalização das empresas portuguesas constituem matéria fulcral para a definição de uma estratégia de aplicação prática e pragmática que produza resultados materiais no curto espaço de tempo, como o contexto atual impõe. Âmbito Atendendo aos objetivos gerais do projeto Lusofonia Económica Plataformas da CPLP de potenciar a internacionalização de empresas e aumentar as exportações para os mercados da CPLP e destes para os respetivos mercados de integração regional foi realizado um Survey que permitiu caracterizar o tecido empresarial ao nível das potencialidades de internacionalização das empresas Portuguesas. Esta caracterização foi realizada de acordo com uma matriz de seleção pré-determinada que poderá ser utilizada não só neste projeto, como nas futuras atualizações dos seus dados ou em outros projetos de internacionalização promovidos pela AIP-CCI.

4 Avaliação junto das PME do potencial de internacionalização para os países e regiões de língua oficial portuguesa* A integração do Survey no âmbito do projeto Lusofonia Económica Plataformas CPLP permite a adequação das propostas às PME portuguesas Plataformas lusófonas UE CEDEAO RP da China Visão: Promoção do desenvolvimento económico pela facilitação das trocas recíprocas Mercosul CEEAC SADC ASEAN Centros de facilitação de trocas comerciais, prestação de serviços e realização de investimentos diretos Promoção da centralidade nacional entre a Europa e os países emergentes, com especial enfoque nos países membros da CPLP e no acesso aos respectivos mercados de integração regional, quer a nível dos bens e serviços (incluindo transporte e logística - portos de Sines, Lisboa e Leixões), quer ao nível de IDE, com implementação de medidas de competitividade económica. *Fundado nos estudos da Lusofonia Económica, AIP -CCI. Com exepção da Guiné Equatorial que até Julho de 2014 não integrava a CPLP

5 Atividade internacional das empresas participantes no Survey A integração do Survey no âmbito do projeto Lusofonia Económica Plataformas CPLP permite a adequação das propostas às PME portuguesas Conclusões Empresas não exportadoras Principais barreiras à exportação Perspetivas de desenvolvimento internacional do negócio Regiões e países de interesse Avaliação PME s Empresas exportadoras Caracterização e mercados Financiamento FDI Mercados alvo Caracterização e mercados Perspetivas de desenvolvimento do negócio Principais barreiras ao desenvolvimento do negócio e aumento das exportações Aspetos a melhorar

6 Caracterização das empresas inquiridas no comércio internacional As PME s optam por exportar através da venda direta aos clientes finais no país de destino Qual o ramo de atividade da sua empresa? No que respeita ao comércio internacional, qual o modelo de operação da empresa? Indústria transformadora Agricultura, pecuária e pesca 15% 37% 10% 3% Atividades de consultoria e similares Construção 12% 10% 36% Comércio e reparação automóvel 10% 24% Outras atividades de serviços 4% Indústria extrativa 4% Transportes e armazenagem Setor da electricidade 3% 3% 27% Saneamento e distribuição de água 1% Atividades de saúde humana e apoio social Atividades imobiliárias 1% 1% As empresas avaliadas são, principalmente, da indústria transformadora Exportação venda direta para os clientes finais no país de destino Só trabalha com o mercado nacional Exportação através de agentes ou distribuidores no estrangeiro Investimento direto Exportação indireta - não se encarrega das operações de exportação

7 Empresas não exportadoras 68% das empresas entendem que a principal barreira às exportações são os elevados custos de exportação

8 Empresas não exportadoras Motivos da opção do mercado interno Os elevados custos de exportação e a falta de oportunidades comerciais representam os principais motivos para que as PME não exportem mais Qual a influência de cada fator para a decisão de trabalhar apenas com o mercado nacional? Interação com o mercado estrangeiro 98% Elevados custos de exportação 68% 22% 2% 78% 85% Falta de oportunidades comerciais 44% 44% 5% Investimentos prévios necessários à exportação, nomeadamente, mudanças na linha de produção e 44% 29% 20% 56% Desconhecimento dos processos/ procedimentos de exportação 24% 29% 39% 44% Desconhecimento dos mercados externos Complexidade e evolução dos riscos associados (por. ex.: financeiros, políticos, legislativos, etc.) Preços praticados no exterior 20% 20% 12% 56% 51% 51% 17% 22% 22% 22% 15% 2% Procura do mercado interno Decisão estratégica da empresa 10% 10% 37% 41% 34% 37% Já tentou exportar? Já exportou? Tenciona retomar/iniciar as exportações a médio prazo? Tencionam investir no estrangeiro? Concorrência externa 7% 34% 39% Sim Não Muito importante Indiferente Muito pouco importante Importante Pouco importante

9 Empresas não exportadoras Regiões e países de interesse As principais regiões de interesse das empresas não exportadores são a Europa e a África, sendo a Espanha, a França e o Reino Unido os principais países de interesse na Europa e Angola em África Europa 48% Alemanha 6% Reino Unido Holanda 18% 6% França 24% África 38% Cabo Verde 8% Angola 62% América do Sul 5% Espanha 47% Moçambique 31% China 5% Ásia 5% Regiões Países

10 Empresas não exportadoras - Principais barreiras As dificuldades de acesso às linhas de financiamento representam a maior barreira à exportação Grau de dificuldade na resolução das barreiras à exportação Dificuldades de acesso às linhas de financiamento 56% Dificuldade de acesso aos canais de distribuição 44% 39% 28% 17% 17% 56% das PME entende que o acesso a linhas de financiamento é a maior barreira à exportação Falta de representação adequada na distribuição Falta de capacitação em assuntos e procedimentos do comércio externo Questões relacionadas com os preços ou taxa de câmbio Normas específicas para a entrada do produto 33% 22% 17% 11% 50% 61% 67% 56% 39% 11% 17% 17% 44% das PME entende que a dificuldade aos canais de distribuição é um grande constrangimento Falta de informação sobre formação de preços de exportação Adequação do produto/ serviço às exigências do consumidor Custos do processo de negociação 11% 6% 6% 33% 33% 61% Difícil resolução Média resolução Fácil resolução 61% 61% 28% 33% das PME entende que o maior constrangimento é a falta de representação adequada na distribuição internacional

11 Empresas não exportadoras - Principais propostas As PME entendem que as principais medidas a desenvolver para apoiar a exportação são a divulgação de programas/presença em feiras internacionais e a criação de um banco de fomento Medidas a desenvolver Divulgação de programas de feiras internacionais 10% 13% 15% 20% 21% 21% Criação de um banco de fomento orientado para o apoio às exportações ou internacionalização das empresas portuguesas Simplificação dos procedimentos administrativos de exportação Oferta de formação e cursos gratuitos sobre comércio exterior Divulgação de oportunidades de negócio em concursos internacionais A divulgação e a presença nas principais feiras do setor é entendido como essencial para as PME. O desenvolvimento de um banco de fomento poderá dinamizar novos instrumentos financeiros que poderão apoiar as exportações. Investimentos em infraestruturas logísticas

12 Empresas não exportadoras - Perspetivas de desenvolvimento internacional do negócio A língua e o conhecimento de outros empresas que operam nos mercados alvo são os principais fatores de ponderação para as empresas não exportadores quando pensam exportar Reconhecimento das comunidades económicas regionais integradas por EM s da CPLP Pondera exportar? Estados ou territórios da CPLP Países contíguos a EM s da CPLP Principais fatores de ponderação na escolha de países da CPLP 50% Pelo idioma 50% 88% 6% 36% Por conhecer outras empresas portuguesas no mercado alvo As PME não exportadoras admitem conhecer as comunidades económicas regionais onde estão inseridas os EM s da CPLP e estão a ponderar exportar para os EM da CPLP. Não ponderam utilizar esses países como plataforma de exportação para os países contíguos. 14% Por ter identificado áreas de procura onde a capacidade da empresa é superior à concorrência

13 Empresas exportadoras Cerca de 34% das empresas PME exportadoras indicaram uma alta expectativa de crescimento das exportações

14 Empresas exportadoras Caracterização Os principais produtos exportados são máquinas e equipamentos, produtos metálicos, produtos alimentares e têxteis. Há uma forte representatividade de empresas com serviços Os produtos que exportam são os mesmos que produzem e vendem no mercado nacional? Quais os produtos que exportam? Exportam serviços? Não Sim Outros produtos minerais não metálicos 9% Artigos de borracha e de matérias plásticas 11% Equipamento elétrico 13% Produtos têxteis 13% Produtos alimentares 13% Produtos metálicos transformados, exceto máquinas e equipamento 15% Máquinas e equipamentos 18% Serviços 20%

15 Empresas exportadoras Principais mercados de exportação A Europa e os PALOP são os principais mercados de exportação, seguidos dos países africanos não PALOP e do MERCOSUL Europa 85% América do Sul (não Mercosul 8% PALOP 50% África (não PALOP) 28% China 9% ASEAN 9% Ásia (não ASEAN) 7% MERCOSUL 17% Comunidades Outros Países das comunidades

16 Empresas exportadoras Países de exportação Os principais países importadores europeus de produtos e serviços das PME são a Espanha, França e Alemanha enquanto que os países africanos são Angola, Moçambique, Cabo Verde e África do Sul Cabo Verde 29% Reino Unido 38% Bélgica 21% Holanda 16% São Tomé e Príncipe 16% Espanha 81% França 62% Alemanha 51% Itália 28% Angola 84% África do Sul 24% Moçambique 48%

17 Empresas exportadoras - Opções da escolha de mercado A escolha de um mercado por uma empresa PME para exportar resulta, regra geral, de uma decisão estratégica da empresa e de solicitações do exterior e as empresas entendem que as exportações permitem explorar negócios em nichos de mercado A escolha de um determinado mercado é resultado de: As empresas escolherem um determinado mercado porque este representava:

18 Empresas exportadoras - Opções da escolha do mercado e apoio O crescimento económico, o perfil do consumidor, a estabilidade política e social, o conhecimento dos procedimentos de importação e dos produtos importados são importantes fatores de avaliação que procuram junto da AICEP, das entidades locais, associações empresariais e o IAPMEI Quais os principais fatores para a escolha de um mercado Crescimento económico 8,51% 54,26% 37,23% As empresas procuram apoio junto: Perfil do consumidor adequado ao produto exportado 20,21% 48,94% 29,79% Estabilidade política e social 12,77% 58,51% 27,66% Conhecimento dos procedimentos de importação do país alvo 29,79% 45,74% 22,34% Conhecimento dos principais produtos importados pelo país alvo 25,53% 53,19% 19,15% Simplificação aduaneira 36,17% 37,23% 18,09% Mercado alvo aberto às exportações de outros países 28,72% 47,87% 18,09% Facilidade na expatriação de capitais 6,38% 34,04% 39,36% 17,02% Existência de mecanismos de apoio específicos às exportações para o país alvo 22,34% 37,23% 23,40% 13,83% Acordos e tratados em matéria tributária 8,51% 32,98% 44,68% 11,70% Discordo fortemente Discordo Nem concordo nem discordo Concordo Concordo fortemente

19 ndice Empresas exportadoras - Financiamento as empresas exportadoras As PME, por regra, conhecem as linhas de financiamento às exportações Conhece ou utiliza algum produto financeiro orientado para as exportações pela banca comercial Utiliza alguma linha de financiamento às exportações Conhece ou utiliza algum seguro específico de apoio às exportações?

20 Empresas exportadoras Desempenho das exportações e perspetiva dos mercados - As PME indicam que as suas exportações estão a crescer e indicam uma expectativa de crescimento das suas vendas ao exterior média/alta Desempenho das exportações nos últimos 5 anos 58% - Considera que as exportações estão a crescer 29% - Considera que as exportações estão estáveis Cerca de 59% das empresas exportadoras tem uma média expectativa de crescimento das exportações 5% - Considera que as exportações estão a crescer muito 4% - Considera que as exportações estão a decrescer

21 Empresas exportadoras Relacionamento com os Estados Membros da CPLP - As PME exportam para os estados ou territórios de língua portuguesa e indicam ter interesse em exportar para estes países ou territórios devido ao crescimento dos mercados, à facilidade do idioma e por entenderem apresentar vantagens competitivas Exporta para algum estado ou território de língua portuguesa? Porque foram estes estados ou territórios de língua portuguesa opção para exportação? 54% 40% Pelo crescimento dos mercados 63% 1% 1% 6% 17% 18% 24% Pelo idioma 63% Por ter identificado áreas de procura onde a capacidade da empresa é superior à da concorrência 52% Pondera exportar para algum estado ou território de língua portuguesa? 35% 38% 29% 26% 5% 6% 12% 16% Por conhecer outras empresas portuguesas no mercado alvo Outro Pelo aumento de projetos de cooperação financiados por fundos e instrumentos disponíveis pela ajuda pública ao desenvolvimento (Banco Mundial, 9% 18% 46% Pela proximidade geográfica 7%

22 Empresas exportadoras Relacionamento com os Estados Membros da CPLP - A exportação para os países e regiões de língua oficial portuguesa são realizadas, regra geral, de acordo com o mesmo modelo, sendo o contacto direto com os clientes o método mais utilizado, logo seguido de exportação através de distribuidor local ou representante A sua exportação é diferente de país para país? Não Sim 66% 34% Exportação própria Exportação indireta 50% 10% Forma de exportação 40% Exportação através de representante ou distribuidor local

23 Empresas exportadoras Relacionamento com as comunidades económicas de integração regional Os empresários admitem entrar em parcerias para vender aos mercados da CPLP novos produtos e reconhecem não aproveitarem as boas relações dos países alvo das exportações para exportar para os países vizinhos Sim Não Sim Não Sim Não

24 Empresas exportadoras Concursos públicos internacionais Só 10% das PME admite concorrer aos concursos públicos internacionais e, entre estes, só 10% admite concorrer em parceria devido a falta de parceiros, oportunidades e dificuldades de coordenação Como responde aos concursos internacionais: Motivos que afastam as empresas dos concursos internacionais: Motivos para não realizar parcerias para responder aos concursos públicos internacionais:

25 Empresas exportadoras Riscos para as empresas exportadoras Os principais riscos/desafios para as PME exportadoras são o conhecimento do importador, a segurança jurídica e a dificuldade no acesso às linhas de financiamento Quais os principais riscos/desafios com que as empresas se deparam no momento de exportar? Conhecimento do importador 17% 45% 34% Segurança jurídica 18% 47% 32% Dificuldade de acesso aos canais de comercialização 15% 47% 32% Dificuldades de acesso às linhas de financiamento/apoio às exportações 22% 39% 32% Normas específicas para a entrada do produto 17% 52% 28% Adequação do produto/ serviço às exigências do comprador 18% 53% 25% Falta de representação adequada na distribuição Falta de informação sobre formação de preços de exportação Falta de capacitação em assuntos e procedimentos do comércio externo 24% 35% 25% 48% 42% 50% 25% 20% 19% Sem importância Importância relativa Importante Muito importante Questões relacionadas com o preço ou câmbio 32% 42% 18% Infraestruturas de acesso no país de destino das exportações 23% 53% 17% Concorrência interna 39% 43% 13% Custos do processo de negociação Melhoria das infraestruturas de acesso a portos, aeroportos e outras redes de transporte em Portugal 39% 34% 25% 11% 10% 0% 20% 40% 60% 80% 100% 8%

26 Empresas exportadoras - Constrangimentos que as PME exportadoras gostariam de ver melhorados A simplificação dos procedimentos administrativos de exportação é o principal aspeto que poderá ser melhorado A criação de um banco de fomento de apoio às exportações deverá ser uma prioridade A divulgação e o apoio à presença nas feiras internacionais é indicado como um dos principais aspecos a manter Indica-se como relevante a promoção de cursos sobre a internacionalização A divulgação de oportunidades de negócio em concursos internacionais é indicada como pouco relevante para as PME O investimento em infraestruturas logísticas foi o aspeto menos votado dos cinco colocados à votação

27 Empresas com investimento nos mercados alvo As empresas investidoras no exterior indicaram o setor da construção como o principal setor de internacionalização 8

28 Empresas com investimento nos mercados alvo Os PALOP e a Europa são os principais mercados de investimento para as PME Verifica-se uma forte concentração do investimento dos empresários nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa, em particular em Angola e Moçambique. Ainda assim, o terceiro país de maior investimento em África é a África do Sul. Os demais países dos PALOP s registaram valores inferiores a 5%. Na Europa, que aparece somente em segundo lugar, a Espanha e a França representam cerca de 79% das respostas. Bélgica Alemanha 5% 5% Holanda Polónia 5% 5% França 26% PALOP 45% Angola 55% MERCOSUL 14% Espanha 53% Moçambique 40% África do Sul 5% Europa 41% Regiões Países

29 Empresas com investimento nos mercados alvo O setor da construção é o principal setor de internacionalização nas PME Quais os produtos ou serviços produzidos/fornecidos fora de Portugal? 32% 20% 20% das empresas PME investem no exterior no setor da construção 8% 4% 4% 8% 8% 8% 8% 16% das empresas investem no setor agrícola e alimentar Construção/ Serviços de engenharia ou arquitetura Produtos da agricultura, da produção animal Produtos alimentares Máquinas e equipamentos Equipamento elétrico Outros Produtos metálicos, exceto máquinas e equipamento Serviços de consultoria Veículos automóveis 16% investem no setor dos produtos metálicos Indústria metalúrgica e transformadora e fabrico de máquinas e equipamento

30 Empresas com investimento nos mercados alvo Informação As informações sobre o mercado mais relevantes para os empresários são: identificação de mão de obra local qualificada e facilidade na expatriação de capitais Grau de importância de informações sobre os mercados alvo Mão de obra local com capacidade 56% 25% 19% Procura de informação e de apoio Facilidade na expatriação de capitais 50% 50% Entidades locais? 81% Conhecimento da política económica e fiscal do governo 44% 31% 25% Consultora? 63% Regime fiscal atrativo para o investidor 38% 50% 13% Outras entidades oficiais? 63% Incentivos à atração de IDE Perfil do consumidor adequado ao produto produzido 38% 38% 50% 56% 13% 6% AICEP? Associação empresarial ou de uma câmara do comércio? 50% 38% Crescimento económico 38% 56% 6% Embaixada? 31% Estabilidade política e social 31% 69% Acordos e tratados em matéria tributária e segurança social Existência de mecanismos de apoio específicos ao investimento no exterior 25% 56% 69% 44% 6% As empresas investidoras procuram principalmente informação no mercado Muito importante Importante Relativamente importante Pouco importante

31

32 Ficha técnica e nota final: Foram registadas 195 respostas e validadas 172 respostas de empresas Portuguesas com características de PME, ou seja, com resultado líquido positivo nos anos de 2010 a 2013, com proveitos operacionais superiores a 2 milhões e inferiores a 50 milhões, com EBITDA positivo nos anos de 2010 a 2013, excluindo todas as entidades não exportadoras para efeitos do INE, corrigidas às empresas de serviços e indicando os seguintes CAE: Agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca; Indústria extrativa; Indústria transformadora; Eletricidade, gás, vapor, água quente e fria e ar frio; Captação, tratamento e distribuição de água; saneamento, gestão de resíduos e despoluição; Construção; Comércio por grosso e a retalho; reparação de veículos automóveis e motociclos; Transportes e armazenagem; Alojamento, restauração e similares; Actividades de informação e de comunicação; Actividades financeiras e de seguros; Atividades imobiliárias; Actividades de consultoria, científicas, técnicas e similares; Educação; Actividades de saúde humana. As empresas que responderam ao inquérito localizam-se nas regiões de convergência. Os dados analisados não representam qualquer indicador estatístico registando a análise às respostas dos empresários ao questionário que lhes foi apresentado de acordo com o critério definido no projeto de canditura de avaliação e divulgação do potencial de exportação para os países e regiões de lingua oficial portuguesa. Os elementos estatísticos, dados e informação constantes do presente documento e que serviram de base à análise e conclusões obtidas, têm por base informação pública disponível, como referenciado ao longo do documento, as quais foram alvo de apreciação quanto à sua materialidade e aplicabilidade à análise, tendo presente critérios de razoabilidade e aderência às realidades locais e regionais, e que sejam do nosso conhecimento. Esta comunicação é de natureza geral e meramente informativa, não se destinando a qualquer entidade ou situação particular, e não substitui aconselhamento profissional adequado ao caso concreto. As conclusões obtidas e os cálculos efetuados estão dependentes da qualidade da informação obtida em todos os aspetos materialmente relevantes, sendo que a informação recolhida foi considerada como adequada, não tendo sido realizada qualquer forma de auditoria ou certificação, para além do referido, que não as de consistência com fontes concorrentes ou complementares, salvo indicação expressa em contrário.os valores e as conclusões apresentados só terão sustentabilidade caso se verifiquem os pressupostos considerados, não podendo este estudo ser entendido como uma garantia ou confirmação de que esses pressupostos se verificarão. Desta forma, as nossas conclusões devem ser analisadas em função das limitações referidas. A e a AIP, não se responsabilizarão por qualquer dano ou prejuízo emergente de decisão tomada com base na informação aqui descrita. Em nenhuma circunstância, assumiremos qualquer responsabilidade relativamente a terceiros que tenham acesso ao presente documento.

33 33

LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP 19 MARÇO 2013

LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP 19 MARÇO 2013 PLATAFORMAS CPLP 19 MARÇO 2013 FINALIDADE DO PROJETO LUSOFONIA ECONÓMICA Promover a internacionalização das empresas através da intensificação de: - Parcerias entre empresários da CPLP - Divulgação de

Leia mais

POLÍTICAS PARA A EXPORTAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DA INDÚSTRIA AGROALIMENTAR

POLÍTICAS PARA A EXPORTAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DA INDÚSTRIA AGROALIMENTAR POLÍTICAS PARA A EXPORTAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DA INDÚSTRIA AGROALIMENTAR Contributos para uma Visão Estratégica Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares A Indústria Portuguesa Agroalimentar

Leia mais

CONFERÊNCIA LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP

CONFERÊNCIA LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP CONFERÊNCIA LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP 19 de Março de 2013 Centro de Congressos de Lisboa A- A evolução e o comportamento do sector exportador superaram todas as previsões e análises prospectivas

Leia mais

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu.

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título Opções de financiamento para a CPLP não é meu. FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu. Poderia dar ideia que há opções de financiamento específicas para a CPLP em si mesma e para os Estados

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016

Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016 FICHA TÉCNICA INOVAR 2020 Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016 Introdução O INOVAR 2020, Sistema de Incentivos

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP ENTRE: A ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA (AIP-CCI), com sede na Praça das Indústrias em Lisboa, 1300-307 Lisboa,

Leia mais

Programa de Internacionalização Agronegócios CPLP 2015/16. Juntos vamos mais longe...

Programa de Internacionalização Agronegócios CPLP 2015/16. Juntos vamos mais longe... Programa de Internacionalização Agronegócios CPLP 2015/16 Juntos vamos mais longe... foto: www.verangola.net A CAL - Câmara Agrícola Lusófona - é uma associação empresarial sem fins lucrativos que promove

Leia mais

Mário de Jesus Economista Membro fundador do FRES Fórum de Reflexão Económica e Social

Mário de Jesus Economista Membro fundador do FRES Fórum de Reflexão Económica e Social Mário de Jesus Economista Membro fundador do FRES Fórum de Reflexão Económica e Social Se tivermos em atenção os factos, comprovados pelos registos e estatísticas mais ou menos oficiais, de cariz económico,

Leia mais

PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL MANUAL OPERACIONAL

PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL MANUAL OPERACIONAL 2015 PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL 2015 MANUAL OPERACIONAL Prémios Europeus de Promoção Empresarial 2015 2/13 ÍNDICE 1. DEFINIÇÃO E JUSTIFICAÇÃO... 3 1.1. Um prémio que reconhece a excelência

Leia mais

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2013 Direção Regional de Estatística da Madeira Uma porta aberta para um universo de informação estatística Catalogação Recomendada Sector Empresarial da

Leia mais

Análise do Questionário Expetativas de exportação 1

Análise do Questionário Expetativas de exportação 1 Análise do Questionário Expetativas de exportação 1 1. Introdução Da capital relevância da internacionalização das empresas portuguesas para o desenvolvimento da economia, decorre a premência de se conhecer

Leia mais

Shares and other equity

Shares and other equity A CAE e os impactos no Banco de Portugal Margarida Brites Ramos 1 Função Estatística Lei Orgânica do Banco de Portugal Artigo 12.º Compete especialmente ao Banco, sem prejuízo dos condicionalismos decorrentes

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa ANA Aeroportos de Portugal, S.A. Missão, Visão e Valores Missão da ANA A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infraestruturas aeroportuárias

Leia mais

CONCLUSÕES. Dos relatos elaborados a partir dos trabalhos do Congresso, emergiram as 36 conclusões seguintes:

CONCLUSÕES. Dos relatos elaborados a partir dos trabalhos do Congresso, emergiram as 36 conclusões seguintes: CONCLUSÕES 1. Súmula individualizada. Dos relatos elaborados a partir dos trabalhos do Congresso, emergiram as 36 conclusões seguintes: Tema: CONHECIMENTO E INOVAÇÃO (6) I. É da maior relevância estimular

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC. AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014

ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC. AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014 ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014 Colômbia Aspectos Gerais País muito jovem - 55% da população com menos de 30 anos. 7 Áreas Metropolitanas com

Leia mais

HORIZONTE 2020 Desafios Para as Empresas Portuguesas do Sector do Ambiente

HORIZONTE 2020 Desafios Para as Empresas Portuguesas do Sector do Ambiente HORIZONTE 2020 Desafios Para as Empresas Portuguesas do Sector do Ambiente Cascais, 24-04-2015 Paulo Carpinteiro Licks & Associados POCI Programa Operacional Competitividade e Internacionalização PORegionais

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas 16 de Novembro de 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA

Leia mais

Competitividade da Construção

Competitividade da Construção Competitividade da Construção 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. O SETOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL 3. COMPETITIVIDADE 3.1. Definições de competitividade 3.2. Competitividade nacional 3.3. Competitividade sectorial

Leia mais

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015 Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Outubro de 2015 29 de janeiro de 2016 Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015 De acordo

Leia mais

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento Nuno Netto nnetto@deloitte.pt 28 de Outubro 2014 Agenda 2014. Para informações, contacte Deloitte Consultores, S.A.

Leia mais

Instrumentos Financeiros de Apoio à Internacionalização. Financiamentos, Garantias, Capital de Risco, etc. / SOFID, S.A.

Instrumentos Financeiros de Apoio à Internacionalização. Financiamentos, Garantias, Capital de Risco, etc. / SOFID, S.A. Ficha de Produto Tipo de Produto: Instrumentos Financeiros de Apoio à Internacionalização Produto: Financiamentos, Garantias, Capital de Risco, etc. / SOFID, S.A. Objectivo: Contribuir para o progresso

Leia mais

FIC - Feira Internacional de Cabo Verde. Cabo Verde

FIC - Feira Internacional de Cabo Verde. Cabo Verde FIC - Feira Internacional de Cabo Verde Cabo Verde 19 a 22 de Novembro de 2009 Enquadramento A aicep Portugal Global, no âmbito do Quadro de Referência Estratégica Nacional, propõe-se dinamizar a presença

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

O Investimento Direto Estrangeiro (IDE) e o Brasil. Daniela Freddo

O Investimento Direto Estrangeiro (IDE) e o Brasil. Daniela Freddo O Investimento Direto Estrangeiro (IDE) e o Brasil Daniela Freddo 1. O que é o IDE? Investimento de Portfólio X Investimento Direto Investimento de Portfólio: É baseado na percepção do ganho financeiro

Leia mais

CPLP: Circulação de Pessoas, Bens, Capitais e Serviços. Prof. Doutor Esmeraldo de Azevedo Centro de Estudos Lusófonos

CPLP: Circulação de Pessoas, Bens, Capitais e Serviços. Prof. Doutor Esmeraldo de Azevedo Centro de Estudos Lusófonos Capitais e Serviços Prof. Doutor Esmeraldo de Azevedo Centro de Estudos Lusófonos 1. Como é do conhecimento, A CPLP apresenta-se como uma organização internacional, intergovernamental, caracterizada pela

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014 GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014 Subsistema de Incentivos para o Desenvolvimento Local Na prossecução da política de crescimento, de emprego

Leia mais

NORTE 2020 Sistemas de Incentivos às Empresas. Eunice Silva Castelo de Paiva, 18.02.2016

NORTE 2020 Sistemas de Incentivos às Empresas. Eunice Silva Castelo de Paiva, 18.02.2016 NORTE 2020 Sistemas de Incentivos às Empresas Eunice Silva Castelo de Paiva, 18.02.2016 SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INOVAÇÃO EMPRESARIAL EMPREENDEDORISMO QUALIFICAÇÃO DE PME INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

EMISSOR: Presidência do Conselho de Ministros e Ministério da Economia e do Emprego

EMISSOR: Presidência do Conselho de Ministros e Ministério da Economia e do Emprego DATA: Segunda-feira, 31 de dezembro de 2012 NÚMERO: 252 SÉRIE I, 4º SUPLEMENTO EMISSOR: Presidência do Conselho de Ministros e Ministério da Economia e do Emprego DIPLOMA: Portaria n.º 432-B/2012 SUMÁRIO:

Leia mais

Fondo Europeo de Desarrollo Regional

Fondo Europeo de Desarrollo Regional Anúncio da Autoridade de Gestão (Vice-secretaria da Economia e Assuntos Económicos com a União Europeia do Governo das Canárias), pelo qual se dá publicidade à primeira convocatória do Programa Operacional

Leia mais

Quadros de Pessoal 3,1% Empresas, Estabelecimentos e Pessoas ao Serviço. Q uadro 1 Empresas, estabelecimentos, pessoas ao serviço.

Quadros de Pessoal 3,1% Empresas, Estabelecimentos e Pessoas ao Serviço. Q uadro 1 Empresas, estabelecimentos, pessoas ao serviço. ESTATÍSTICAS e m SÍNTESE Quadros de Pessoal O Relatório Único referente à informação sobre a atividade social da empresa, constitui uma obrigação anual, a cargo dos empregadores, com conteúdo e prazo de

Leia mais

Portugal 2020 O Financiamento às Empresas. Empreender, Inovar, Internacionalizar. Speaking Notes. Fevereiro 10, 2015. Vila Nova de Famalicão

Portugal 2020 O Financiamento às Empresas. Empreender, Inovar, Internacionalizar. Speaking Notes. Fevereiro 10, 2015. Vila Nova de Famalicão Portugal 2020 O Financiamento às Empresas Empreender, Inovar, Internacionalizar Speaking Notes Fevereiro 10, 2015 Vila Nova de Famalicão Casa das Artes Miguel Frasquilho Presidente, AICEP Portugal Global

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL AO CHILE SANTIAGO DO CHILE 01 a 06 de OUTUBRO 2016 2 DESCRIÇÃO:

MISSÃO EMPRESARIAL AO CHILE SANTIAGO DO CHILE 01 a 06 de OUTUBRO 2016 2 DESCRIÇÃO: 23 MISSÃO EMPRESARIAL AO CHILE SANTIAGO DO CHILE 01 a 06 de OUTUBRO 2016 2 DESCRIÇÃO: A Missão encontra-se integrada no Projeto Conjunto da AIDA, INOV_MARKET, que tem como principais objetivos promover

Leia mais

ENQUADRAMENTO. emergentes, promova o networking, essencial ao sucesso nos seus negócios e permita o crescimento no cenário internacional.

ENQUADRAMENTO. emergentes, promova o networking, essencial ao sucesso nos seus negócios e permita o crescimento no cenário internacional. ENQUADRAMENTO Portugal plataforma intercontinental e polo de inovação Portugal tem de conseguir capitalizar nos negócios, na academia e nas instituições a enorme vantagem que é integrar o espaço lusófono.

Leia mais

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS Eliminação de Barreiras à livre Prestação de Serviços Confederação do Comércio e Serviços de Portugal Esquema 1. PORTUGAL- UMA ESPECIALIZAÇÃO COM

Leia mais

Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA

Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA 3 º Encontro Empresarial Brasil-UE Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA Estocolmo, 6 de outubro de 2009 A Confederação de Empresas Suecas (SN), O BUSINESSEUROPE e a Confederação

Leia mais

Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011

Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011 Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011 A política energética europeia para a promoção da competitividade, sustentabilidade e segurança de abastecimento Jorge de Sousa Professor

Leia mais

www.pwc.pt Moçambique Oportunidades no setor da engenharia e da construção Tiago Abade 23 outubro 2014

www.pwc.pt Moçambique Oportunidades no setor da engenharia e da construção Tiago Abade 23 outubro 2014 www.pwc.pt Oportunidades no setor da engenharia e da construção Tiago Abade Agenda 1 2 3 O impulso do setor energético e o impacto no setor da engenharia e construção e a SADC 4 Conclusões - Oportunidades

Leia mais

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014 Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã 26 de novembro de 2014 1. Empresas Alemãs em Portugal 2. Investimento Direto Alemão em Portugal 3. Exportação / Importação 1. Empresas Alemãs em Portugal Perspetiva

Leia mais

Contributo do CENTRO 2020 para a COMPETITIVIDADE e INTERNACIONALIZAÇÃO das PME. Ana Abrunhosa - Presidente CCDRC

Contributo do CENTRO 2020 para a COMPETITIVIDADE e INTERNACIONALIZAÇÃO das PME. Ana Abrunhosa - Presidente CCDRC Contributo do CENTRO 2020 para a COMPETITIVIDADE e INTERNACIONALIZAÇÃO das PME Ana Abrunhosa - Presidente CCDRC O PO Regional Centro 2014-2020 por EIXOS 9,79% 2,48% Eixo 9 Reforçar a rede urbana Eixo 8

Leia mais

Potencialidades com os portos Africanos Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas, 9 Novembro de 2010. Artur Alves

Potencialidades com os portos Africanos Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas, 9 Novembro de 2010. Artur Alves Potencialidades com os portos Africanos Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas, 9 Novembro de 2010 Artur Alves Enquadramento A rede de países da CPLP apresenta um conjunto de valências, que exploradas

Leia mais

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge Objetivos Contribuir para o incremento de uma nova cultura empresarial, baseada no conhecimento e na inovação, introduzindo uma cultura de risco e vontade empreendedora, através do estímulo ao aparecimento

Leia mais

A cultura e a criatividade na internacionalização da economia portuguesa. Augusto Mateus Sociedade de Consultores Augusto Mateus & Associados

A cultura e a criatividade na internacionalização da economia portuguesa. Augusto Mateus Sociedade de Consultores Augusto Mateus & Associados A cultura e a criatividade na internacionalização da economia portuguesa Augusto Mateus Sociedade de Consultores Augusto Mateus & Associados O desafio nacional A criação de emprego virá do círculo virtuoso

Leia mais

Trabalhar no feminino

Trabalhar no feminino 07 de Março de 2013 8 de Março: Dia Internacional da Mulher Trabalhar no feminino Numa sociedade que aposta na igualdade entre homens e mulheres, incentiva a participação feminina na vida ativa e promove

Leia mais

Barreiras à Exportação: Quem Faz o Quê? ALIMENTARIA

Barreiras à Exportação: Quem Faz o Quê? ALIMENTARIA Barreiras à Exportação: Quem Faz o Quê? ALIMENTARIA Lisboa, 29 de Março de 2011 1. A aicep Portugal Global 2. Acompanhamento Integrado 3. Intervenção da aicep A aicep Portugal Global A aicep Portugal Global

Leia mais

Cabo Verde. Inteligência de Mercados Internacionais. Extensão: 4.033 km2. População: 0,52 milhões de hab. Idioma: Português

Cabo Verde. Inteligência de Mercados Internacionais. Extensão: 4.033 km2. População: 0,52 milhões de hab. Idioma: Português in Inteligência de Mercados Internacionais Extensão: 4.033 km2 População: 0,52 milhões de hab. Idioma: Português Centros comerciais: Praia (Capital), Mindelo Moeda: Escudo Caboverdiano (CVE) é um arquipélago

Leia mais

As perspetivas de desenvolvimento da região Norte

As perspetivas de desenvolvimento da região Norte INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO FERREIRA DE BARROS, NA SESSÃO DE DEBATE, SOB O TEMA «REGIÃO NORTE QUE PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO?» NA DELEGAÇÃO

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS PORTUGUÊS: Enquadramento, Visão das Empresas e Tópicos

MERCADO DE CAPITAIS PORTUGUÊS: Enquadramento, Visão das Empresas e Tópicos WWW.FORUMCOMPETITIVIDADE.ORG MERCADO DE CAPITAIS PORTUGUÊS: Enquadramento, Visão das Empresas e Tópicos para Reflexão Dezembro 215 Apoio Contextoe objetivos desta reflexão O Forum para a Competitividade

Leia mais

Nº DE EMPRESAS EM NOME INDIVIDUAL NOS AÇORES, POR ANO

Nº DE EMPRESAS EM NOME INDIVIDUAL NOS AÇORES, POR ANO Q.15.1 - Número de Empresas em nome individual nos Açores, segundo a CAE Rev. 3, por ano AÇORES TOTAL 19 276 2 51 21 238 22 46 23 332 22 335 21 335 21 341 Agricultura, produção animal, caça, floresta e

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015 14 de Janeiro de 2015 O que é o Portugal 2020? O Portugal 2020 é um Acordo de Parceria assinado entre Portugal e a Comissão Europeia, que reúne a atuação dos 5 fundos estruturais e de investimento europeus

Leia mais

Fundos Europeus e o Desenvolvimento Económico do País

Fundos Europeus e o Desenvolvimento Económico do País Fundos Europeus e o Desenvolvimento Económico do País CARLOS NEVES VICE-PRESIDENTE DA CCDR-N 12.MARÇO.2015 norte2020.pt Estrutura da apresentação 1. O Acordo de Parceria - Portugal 2020 2. NORTE 2020 Programa

Leia mais

Secção III: Âmbito de Aplicação e Políticas de Risco 7. 2. Estratégias e Processos de Gestão de Risco 8

Secção III: Âmbito de Aplicação e Políticas de Risco 7. 2. Estratégias e Processos de Gestão de Risco 8 Secção I: Introdução 4 1. Enquadramento Regulamentar 5 2. Estrutura do Relatório 5 Secção II: Declaração de Responsabilidade 6 Secção III: Âmbito de Aplicação e Políticas de Risco 7 1. Âmbito de Aplicação

Leia mais

Serviços da AICEP no apoio à internacionalização de empresas QUIDGEST Dia do Parceiro 2011. Lisboa, 2 de Junho de 2011

Serviços da AICEP no apoio à internacionalização de empresas QUIDGEST Dia do Parceiro 2011. Lisboa, 2 de Junho de 2011 Serviços da AICEP no apoio à internacionalização de empresas QUIDGEST Dia do Parceiro 2011 Lisboa, 2 de Junho de 2011 1. A aicep Portugal Global 2. Rede Nacional e Lojas da Exportação 3. Rede Externa 4.

Leia mais

Cimeira Empresarial UE-CELAC eucelac-bizsummit2015.eu. Quarta-feira, 10 de junho de 2015, 14h30-16h30 Documento de síntese para o Workshop 3

Cimeira Empresarial UE-CELAC eucelac-bizsummit2015.eu. Quarta-feira, 10 de junho de 2015, 14h30-16h30 Documento de síntese para o Workshop 3 Cimeira Empresarial UE-CELAC eucelac-bizsummit2015.eu Quarta-feira, 10 de junho de 2015, 14h30-16h30 Documento de síntese para o Workshop 3 Acesso ao financiamento e aos instrumentos financeiros O importante

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Cluster Habitat Sustentável

Cluster Habitat Sustentável Seminário Mercado de Tintas Associação Portuguesa de Tintas Luso - 26.03.2015 Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE A CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DE TIMOR-LESTE (CCI-TL)

PROTOCOLO ENTRE A CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DE TIMOR-LESTE (CCI-TL) PROTOCOLO ENTRE A CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DE TIMOR-LESTE (CCI-TL) A ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA - CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA (AIP-CCI) E A A ELO - ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Ações de capacitação empresarial

Ações de capacitação empresarial AÇÕES COLETIVAS - ATIVIDADES DE APOIO À EXPORTAÇÃO Acores Export -2016 Introdução Este documento é desenvolvido com base na informação recolhida junto das principais empresas exportadoras que contribuíram

Leia mais

O Apoio à Investigação e Inovação no Portugal 2020. Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno

O Apoio à Investigação e Inovação no Portugal 2020. Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno O Apoio à Investigação e Inovação no Portugal 2020 Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno Lisboa, 02 de outubro de 2014 Tópicos: 1. Portugal 2020: Objetivos e prioridades 2. Nova Lógica

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012 INOVAÇÃO PRODUTIVA SECTOR TURISMO QREN QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL 2007-2013 INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 ÍNDICE PÁGINA OBJECTO

Leia mais

Comércio Internacional

Comércio Internacional REFERENCIAL DE QUALIFICAÇÃO Comércio Internacional Um referencial com vocação europeia Projecto financiado com o apoio da Comissão Europeia A informação contida nesta publicação vincula exclusivamente

Leia mais

Maputo, a sua capital, é o seu porto de mercadorias por excelência e principal centro de comércio.

Maputo, a sua capital, é o seu porto de mercadorias por excelência e principal centro de comércio. Missão Empresarial Moçambique 28 agosto 3 setembro 2014 Moçambique: porta de entrada na África Austral Moçambique é hoje um mercado em expansão com mais de 24 milhões de consumidores, que tem vindo a registar

Leia mais

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS PORTUGAL A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS Maria Celeste Hagatong Comissão Executiva do Banco BPI Lisboa, 3 de Junho

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS APRESENTAÇÃO A YOUNIC é especializada na assessoria a empresas com vista ao crescimento e expansão dos seus negócios num panorama internacional. Com uma atuação versátil,

Leia mais

Condicionantes de um crescimento sustentado da economia portuguesa

Condicionantes de um crescimento sustentado da economia portuguesa Condicionantes de um crescimento sustentado da economia portuguesa Carlos da Silva Costa Governador Forum para a Competitividade Hotel Tiara Park, Lisboa, 23 setembro 2014 Condicionantes de um crescimento

Leia mais

A POSTURA DO GOVERNO DIANTE DA CRISE PRESERVAR O NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO EM CURSO A ATUAÇÃO CONTRADITÓRIA DO BACEN

A POSTURA DO GOVERNO DIANTE DA CRISE PRESERVAR O NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO EM CURSO A ATUAÇÃO CONTRADITÓRIA DO BACEN 1 A POSTURA DO GOVERNO DIANTE DA CRISE PRESERVAR O NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO EM CURSO A ATUAÇÃO CONTRADITÓRIA DO BACEN Cézar Manoel de Medeiros* O Novo Ciclo de desenvolvimento em curso no Brasil é

Leia mais

Questão 1 Que problemas de funcionamento identifica no setor portuário nacional?

Questão 1 Que problemas de funcionamento identifica no setor portuário nacional? A Acembex congratula-se com a elaboração e colocação em consulta pública por parte da Autoridade da Concorrência do Estudo sobre a Concorrência no Setor Portuário, tendo em consideração a sua elevada qualidade

Leia mais

Vencendo os desafios da Educação nos PALOP

Vencendo os desafios da Educação nos PALOP WORKSHOP INTERNACIONAL Vencendo os desafios da Educação nos PALOP Seminário para o diálogo e a troca de conhecimento e experiências na área do ensino básico destinado aos Países Africanos de expressão

Leia mais

Equilíbrio de Género nos Conselhos de Administração: as Empresas do PSI 20

Equilíbrio de Género nos Conselhos de Administração: as Empresas do PSI 20 1 Equilíbrio de Género nos Conselhos de Administração: as Empresas do PSI 20 Relatório 2014 ACEGIS Associação para a Cidadania, Empreendedorismo, Género e Inovação Social 8 de março de 2014 Dia Internacional

Leia mais

Crescimento Económico: diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento

Crescimento Económico: diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento Crescimento Económico: diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento Eduardo Stock da Cunha CEO Novo Banco Novembro de 2014 Novembro 2014 Depois de um período de contração,

Leia mais

Especialização Inteligente e ciclo de programação 2014-2020

Especialização Inteligente e ciclo de programação 2014-2020 Especialização Inteligente e ciclo de programação 2014-2020 CARLOS NEVES VICE-PRESIDENTE DA CCDR-N 30 DE MAIO DE 2014 ccdr-n.pt/norte2020 Índice 1.Principais conceitos 2. Metodologia da RIS 3 da Região

Leia mais

Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters. Resposta à nova ambição económica

Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters. Resposta à nova ambição económica Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters Resposta à nova ambição económica Resposta à nova ambição económica 02-07-2012 Novo Modelo para o Ecossistema

Leia mais

A Inovação, a Ciência e Tecnologia e o Território no período 2014-2020 Perspetivas e Oportunidades

A Inovação, a Ciência e Tecnologia e o Território no período 2014-2020 Perspetivas e Oportunidades A Inovação, a Ciência e Tecnologia e o Território no período 2014-2020 Perspetivas e Oportunidades Bragança, 16 de Outubro 2014 1 A Inovação em Portugal - Alguns dados recentes Em relação à média da União

Leia mais

Medidas de apoio à inovação

Medidas de apoio à inovação Medidas de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Rede INOVAR The Portuguese Agro, Food and Forest Innovation Network Rede

Leia mais

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os A IMPORTÂNCIA DO MOVIMENTO ASSOCIATIVO NA DINAMIZAÇÃO DA ACTIVIDADE EMPRESARIAL 1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os interesses das empresas junto do poder

Leia mais

D SCUR CU S R O O DE D SUA U A EXCE

D SCUR CU S R O O DE D SUA U A EXCE DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE, DR. RUI MARIA DE ARAÚJO, POR OCASIÃO DA ATRIBUIÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL DA CPLP A

Leia mais

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso 7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso Saiba como colocar o PINS em prática no agronegócio e explore suas melhores opções de atuação em rede. Quando uma empresa

Leia mais

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC)

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Impulso Jovem Aviso de Abertura de Convite Público para Apresentação de Candidaturas Sistema de Apoio

Leia mais

(Setembro de 2002) sobre as Determinantes e Estratégias Empresariais do Investimento Directo Português em Cabo Verde.

(Setembro de 2002) sobre as Determinantes e Estratégias Empresariais do Investimento Directo Português em Cabo Verde. RESULTADOS DO QUESTIONÁRIO AO INVESTIMENTO DIRECTO DE PORTUGAL EM CABO VERDE PATROCINADO PELA CÂMARA DE COMÉRCIO INDÚSTRIA E TURISMO PORTUGAL CABO VERDE 1 (Setembro de 2002) 1 O presente trabalho foi elaborado

Leia mais

Inovação e Empreendedorismo na Economia Criativa

Inovação e Empreendedorismo na Economia Criativa Instituto de Economia - UFRJ Inovação e Empreendedorismo na Economia Criativa Ary V. Barradas Email: ary@ie.ufrj.br Empreendedorismo o empreendedor é aquele que destrói a ordem econômica existente pela

Leia mais

UMA APRECIAÇÃO GERAL AOS INVESTIMENTOS PORTUGUESES NO BRASIL

UMA APRECIAÇÃO GERAL AOS INVESTIMENTOS PORTUGUESES NO BRASIL OS INVESTIMENTO PORTUGUESES NO BRASIL 11 UMA APRECIAÇÃO GERAL AOS INVESTIMENTOS PORTUGUESES NO BRASIL JOAQUIM RAMOS SILVA 1 Realizado em Setembro de 2005, o questionário do ICEP Portugal Delegação em São

Leia mais

DECLARAÇÃO DE LISBOA

DECLARAÇÃO DE LISBOA DECLARAÇÃO DE LISBOA A 2 de junho de 2014, em Lisboa, Portugal, por iniciativa da Confederação Empresarial da CPLP (CE-CPLP), em parceria com a CPLP, o Millennium BCP e a SOFID Sociedade para o Financiamento

Leia mais

Aveiro 4 de Junho de 2015

Aveiro 4 de Junho de 2015 Aveiro 4 de Junho de 2015 Enquadramento e âmbito Territorial: Todo o território do continente Setores: Todas as atividades económicas Especial incidência para a produção de bens e serviços transacionáveis

Leia mais

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015 Desafios da Internacionalização O papel da AICEP APAT 10 de Outubro, 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA COMPETITIVIDADE

Leia mais

REGULAMENTO. Preâmbulo

REGULAMENTO. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo O espírito de iniciativa, a criatividade, a capacidade de detectar e aproveitar oportunidades, de assumir o risco e formar decisões, constituem premissas essenciais para o sucesso

Leia mais

Projectos de I&DT Empresas Individuais

Projectos de I&DT Empresas Individuais 1 Projectos de I&DT Empresas Individuais Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (SI I&DT) Projectos de I&DT Empresas Dezembro de 2011 2 s Enquadramento Aviso n.º 17/SI/2011

Leia mais

2009 BIAC Business Roundtable. Responding to the global economic crisis OECD s role in promoting open markets and job creation. 21 de Maio de 2009

2009 BIAC Business Roundtable. Responding to the global economic crisis OECD s role in promoting open markets and job creation. 21 de Maio de 2009 2009 BIAC Business Roundtable Responding to the global economic crisis OECD s role in promoting open markets and job creation 21 de Maio de 2009 Intervenção do Ministro de Estado e das Finanças Fernando

Leia mais

Seminário OEP/INPI. O papel dos Offices nacionais da PI na promoção da inovação e das invenções. Em colaboração com: Apresentado por

Seminário OEP/INPI. O papel dos Offices nacionais da PI na promoção da inovação e das invenções. Em colaboração com: Apresentado por Seminário OEP/INPI Apresentado por José Maria Maurício Director de Marcas e Patentes O papel dos Offices nacionais da PI na promoção da inovação e das invenções Em colaboração com: Bissau, 21 de Dezembro

Leia mais

1ª Semana Europeia das PME Workshop Internacionalização

1ª Semana Europeia das PME Workshop Internacionalização 1ª Semana Europeia das PME Workshop Internacionalização Faro, 7 de Maio de 2009 Índice Posicionamento AICEP AICEP - Produtos e Serviços Apoios à Internacionalização Posicionamento AICEP Posicionamento

Leia mais

Inquérito europeu às empresas sobre riscos novos e emergentes Sumário

Inquérito europeu às empresas sobre riscos novos e emergentes Sumário Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho Inquérito europeu às empresas sobre riscos novos e emergentes Sumário Este inquérito, realizado pela EU-OSHA a empresas de toda a Europa, visa contribuir

Leia mais

Por Paulo Lopes. Viana do Castelo, Fevereiro 2014 Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais

Por Paulo Lopes. Viana do Castelo, Fevereiro 2014 Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Por Paulo Lopes Viana do Castelo, Fevereiro 2014 Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais A SOFID Critérios de Elegibilidade Produtos e Serviços Atividade

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa Missão e Visão A Missão da Parque Expo consiste na promoção da qualidade da vida urbana e da competitividade do território. Para cumprimento desta Missão, a empresa realiza operações

Leia mais

INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA FINANCEIRA NA PAC PÓS 2013

INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA FINANCEIRA NA PAC PÓS 2013 NA PAC PÓS 2013 Pedro M.S.Raposo Ribeiro SEMINÁRIO Lisboa, Auditório da CAP 26 Junho 2013 COM O APOIO DE: GÉNESE E OBJETIVOS DO ESTUDO 2 ENQUADRAMENTO O recurso à utilização de Instrumentos Financeiros

Leia mais

Problema Central. Desafios / Oportunidades. Instrumentos disponíveis

Problema Central. Desafios / Oportunidades. Instrumentos disponíveis Problema Central Desafios / Oportunidades Instrumentos disponíveis Redução de actividade no setor; Quebra da procura interna. Problema Sair da zona de conforto Desafios / Oportunidades Alterar modelos

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

A Certificação das atividades de investigação, desenvolvimento e inovação (IDI) Alter do Chão 12 Novembro. Miguel Taborda - SPI

A Certificação das atividades de investigação, desenvolvimento e inovação (IDI) Alter do Chão 12 Novembro. Miguel Taborda - SPI A Certificação das atividades de investigação, desenvolvimento e inovação (IDI) Miguel Taborda - SPI Conteúdos. 1. O CONCEITO DE IDI (INVESTIGAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO) 2. A NORMA NP 4457:2007 REQUISITOS

Leia mais

QREN 2007-2013 Agenda Factores de Competitividade Sistemas de Incentivos Workshop Medidas de Apoio às Empresas Marinha Grande.

QREN 2007-2013 Agenda Factores de Competitividade Sistemas de Incentivos Workshop Medidas de Apoio às Empresas Marinha Grande. QREN 2007-2013 Agenda Factores de Competitividade Sistemas de Incentivos Workshop Medidas de Apoio às Empresas Marinha Grande Carlos Castro 1 SI I&DT Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento

Leia mais

Linhas Gerais do Processo de Atualização do EDIC DE CABO VERDE

Linhas Gerais do Processo de Atualização do EDIC DE CABO VERDE Linhas Gerais do Processo de Atualização do EDIC DE CABO VERDE ATUALIZAÇÃO DO EDIC - ESTUDO DIAGNÓSTICO SOBRE A INTEGRAÇÃO DO COMÉRCIO DE CABO VERDE CONVITE / CONCURSO I. ENQUADRAMENTO Cabo Verde é beneficiário

Leia mais

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização 1. Introdução O presente questionário ajudá-lo-á a reflectir sobre os esforços desenvolvidos pela sua empresa no domínio da responsabilidade empresarial,

Leia mais