Shares and other equity

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Shares and other equity"

Transcrição

1 A CAE e os impactos no Banco de Portugal Margarida Brites Ramos 1

2 Função Estatística Lei Orgânica do Banco de Portugal Artigo 12.º Compete especialmente ao Banco, sem prejuízo dos condicionalismos decorrentes da sua participação no SEBC: (...) c) Velar pela estabilidade do sistema financeiro nacional, assegurando, com essa finalidade, designadamente a função de refinanciador de última instância; d) Aconselhar o Governo nos domínios económico e financeiro, no âmbito das suas atribuições. Artigo 13.º 1 Compete ao Banco a recolha e elaboração das estatísticas monetárias, financeiras, cambiais e da balança de pagamentos, designadamente no âmbito da sua colaboração com o BCE. 2

3 Produção estatística no Banco de Portugal Estatísticas da Balança de Pagamentos e da Posição Investimento Internacional Central de Responsabilidades Crédito Estatísticas Monetárias e Financeiras Base de dados de Títulos Contas Nacionais Financeiras Central de Balanços 3

4 Estatísticas com desagregação por CAE Estatísticas Monetárias e Financeiras Central de Responsabilidade de Crédito e contrapartida dos agregados monetários (agregados de crédito) Emissões de títulos Estatísticas da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento Internacional Estatísticas sobre Investimento Directo Estatísticas das Empresas não Financeiras da Central de Balanços 4

5 Crédito concedido por OIFM a Sociedades Não Financeiras 100% 80% Act. imobiliárias, alugueres e serviços prestados às empresas, educação, saúde e outras actividades de serviços colectivos, sociais e pessoais Transportes, Armazenagem e Comunicações 60% 40% Comércio por grosso e a retalho; reparação de veículos automóveis, motociclos e de bens de uso pessoal e doméstico, alojamento e restauração Construção 20% Indústrias Transformadoras 0%

6 Rácios de crédito vencido Dez 2006 Total Outros serviços Actividades imobiliárias Transportes e armazenagem; correios e telecomunicações Comércio por grosso e a retalho; alojamento e restauração Construção Produção e distribuição de electricidade, gás e água Industrias transformadoras Agricultura, produção animal, caça, silvicultura; pesca; ind. extractivas 0,0 0,5 1,0 1,5 2,0 2,5 3,0 3,5 4,0 6

7 Investimento directo Estrangeiro Indústrias Transformadoras Produção e Distribuição de Electricidade, de Gás e de Água CAE da empresa residente Construção Comércio por Grosso e a Retalho. Reparação de Veículos Autom. Alojamento e Restauração (Restaurantes e Similares) Transportes, Armazenagem e Comunicações Actividades Financeiras Actividades Imobiliarias, Alugueres e Serviços Prestados às Empresas Outros sectores e 7

8 Investimento directo de Portugal no Exterior Indústrias Transformadoras Produção e Distribuição de Electricidade, de Gás e de Água CAE da empresa não residente Construção Comércio por Grosso e a Retalho. Reparação de Veículos Autom. Alojamento e Restauração (Restaurantes e Similares) Transportes, Armazenagem e Comunicações Actividades Financeiras Actividades Imobiliarias, Alugueres e Serviços Prestados às Empresas Outros sectores e 8

9 Produtos de base sectorial da Central de Balanços Quadros do Sector Base de dados: BACH chdatabase_en.htm Base de dados: Referências Sectoriais Europeias ction.htm 9

10 CAE Rev. 3 O Banco acompanhou/contribuiu para a definição da CAE Rev.3 e considera relevantes os respectivos princípios genéricos acompanhamento da realidade económica (extensão da classificação dos serviços) comparabilidade com outras nomenclaturas internacionais (CITA Rev. 4) continuidade relativamente às nomenclaturas anteriores. 10

11 Questões a salvaguardar (I) Assegurar a transição sem problemas, nomeadamente em questões relacionadas com rupturas nas séries cronológicas e consequente falta de dados nas séries longas Duplo código Retropolação das séries 11

12 Questões a salvaguardar (II) Implementação simultânea nos outros países europeus (o Banco de Portugal participa no SEBC e contribui para bases de dados internacionais) 12

13 Desafios (I) Máximo esforço para garantir coerência com outras nomenclaturas e normas estatísticas Sector Institucional vs CAE - o caso das SGPS Não Financeiras 13

14 Desafios (II) Reclassificação de ficheiros: disponibilização de ficheiro único com a CAE das empresas em Portugal Disponibilização de ficheiro único (?extracto do FUE?) ao público em geral (divulgação na Internet), com a CAE das empresas atribuição da CAE da competência do INE, com a colaboração de outras entidades do CSE 14

15 Obrigada pela atenção! 15

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 2 Fevereiro 2009

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 2 Fevereiro 2009 Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 2 Fevereiro 2009 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da Inovação GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais 30 de Setembro de 2015 2º Trimestre 2015 Contacto (s): José Fernandes Próxima edição: 31 Dezembro 2015 Joses.Fernandes@ine.gov.cv Nataniel Barros Nataniel.L.Barros@GOVCV.gov.cv

Leia mais

FICHA DE CANDIDATURA

FICHA DE CANDIDATURA FICHA DE CANDIDATURA 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1. Dados pessoais Nome: Morada Localidade Concelho Telefone Fax Código Postal Distrito Telemóvel Email: 1.2. Situação Profissional Desempregado há menos de um ano

Leia mais

- 151 - Q.11.01 - Prédios transacionados, por Ilha e ano

- 151 - Q.11.01 - Prédios transacionados, por Ilha e ano Q.11.1 - Prédios transacionados, por Ilha e ano TOTAL AÇORES 6 522 7 26 6 911 7 1 7 16 7 615 6 66 6 719 6 795 6 774 6 61 1 19 868 149 617 155 257 164 769 234 346 267 938 33 49 351 873 4 137 432 143 36

Leia mais

Secção III: Âmbito de Aplicação e Políticas de Risco 7. 2. Estratégias e Processos de Gestão de Risco 8

Secção III: Âmbito de Aplicação e Políticas de Risco 7. 2. Estratégias e Processos de Gestão de Risco 8 Secção I: Introdução 4 1. Enquadramento Regulamentar 5 2. Estrutura do Relatório 5 Secção II: Declaração de Responsabilidade 6 Secção III: Âmbito de Aplicação e Políticas de Risco 7 1. Âmbito de Aplicação

Leia mais

EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO

EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO Integradas no tecido empresarial encontramos o grupo das empresas de crescimento elevado (ECE) assim designadas na sequência do rápido crescimento que apresentam tanto em

Leia mais

Quadro 1 Evolução anual do stock de empresas. Stock final

Quadro 1 Evolução anual do stock de empresas. Stock final Demografia de empresas, fluxos de emprego e mobilidade dos trabalhadores em Portugal ESTATÍSTICAS STICAS em síntese 2006 A informação que se divulga tem como suporte o Sistema de Informação Longitudinal

Leia mais

Estrutura sectorial de Macau em 2014

Estrutura sectorial de Macau em 2014 Estrutura sectorial de Macau em 2014 Not.002/2016 Nos anos anteriores, a Direcção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC) calculava e analisava o valor bruto de produção (VBP), o valor acrescentado

Leia mais

Mercado de Emprego - Tendências Lisboa, 25 Fevereiro 2010. Call for Action EMP, Atreva-se! Maria Cândida Soares. Gabinete de Estratégia e Planeamento

Mercado de Emprego - Tendências Lisboa, 25 Fevereiro 2010. Call for Action EMP, Atreva-se! Maria Cândida Soares. Gabinete de Estratégia e Planeamento Mercado de Emprego - Tendências Lisboa, 25 Fevereiro 2010 Call for Action EMP, Atreva-se! Maria Cândida Soares Gabinete de Estratégia e Planeamento PIB, emprego e produtividade 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0-2,0-4,0-6,0

Leia mais

Nº DE EMPRESAS EM NOME INDIVIDUAL NOS AÇORES, POR ANO

Nº DE EMPRESAS EM NOME INDIVIDUAL NOS AÇORES, POR ANO Q.15.1 - Número de Empresas em nome individual nos Açores, segundo a CAE Rev. 3, por ano AÇORES TOTAL 19 276 2 51 21 238 22 46 23 332 22 335 21 335 21 341 Agricultura, produção animal, caça, floresta e

Leia mais

Qual o segredo para a longevidade das empresas?

Qual o segredo para a longevidade das empresas? Qual o segredo para a longevidade das empresas? QUAL O SEGREDO PARA A LONGA VIDA DAS EMPRESAS? Segundo ele, existem 2 tipos de organizações: As denominadas empresas vivas que se comportam como uma espécie

Leia mais

TOTAL NACIONAL OUTUBRO 1999

TOTAL NACIONAL OUTUBRO 1999 NÚMERO DE EMPRESAS DO CONTINENTE E REGIÕES AUTÓNOMAS, POR ACTIVIDADE ECONÓMICA NACIONAL OUTUBRO 1999 ACTIVIDADES (CAE - REV.2) 244239 234850 4604 4785 A AGRICULTURA, PROD. ANIMAL, CAÇA E SILVIC. 9302 8468

Leia mais

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015 Internacionalização Países lusófonos - Survey Janeiro de 2015 1 Índice 1. Iniciativa Lusofonia Económica 2. Survey Caracterização das empresas participantes 3. Empresas não exportadoras 4. Empresas exportadoras

Leia mais

REGISTO NACIONAL DE PESSOAS COLECTIVAS

REGISTO NACIONAL DE PESSOAS COLECTIVAS REGISTO NACIONAL DE PESSOAS COLECTIVAS Pessoas colectivas e entidas equiparadas intificadas no FCPC em 2008, segundo a natureza jurídica Natureza jurídica Pessoas colectivas direito público Organismos

Leia mais

Conta Satélite do Mar. - Apresentação do projeto. 23 Setembro de 2014 SREA, Terceira, Açores

Conta Satélite do Mar. - Apresentação do projeto. 23 Setembro de 2014 SREA, Terceira, Açores Conta Satélite do Mar - Apresentação do projeto 23 Setembro de 2014 SREA, Terceira, Açores Índice 1. Conta Satélite do Mar (CSM) porquê? 2. Os objetivos 3. O estudo de viabilidade 4. O conceito 5. As atividades/produtos

Leia mais

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2013 Direção Regional de Estatística da Madeira Uma porta aberta para um universo de informação estatística Catalogação Recomendada Sector Empresarial da

Leia mais

QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA

QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA GRANDE GRUPO 1 QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA Os quadros superiores da administração pública, dirigentes e quadros superiores de empresa dão pareceres

Leia mais

Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior

Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior Investimento Directo de Portugal com o Exterior eiro a ho de 28 Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior eiro a ho de 28 Informação Portugal, 21 de sto de 28 Investimento Directo de Portugal

Leia mais

PERFIL DAS EXPORTADORAS PORTUGUESAS EM 2012. Estudo elaborado por Informa D&B, Novembro 2013

PERFIL DAS EXPORTADORAS PORTUGUESAS EM 2012. Estudo elaborado por Informa D&B, Novembro 2013 PERFIL DAS EXPORTADORAS PORTUGUESAS EM 2012 Estudo elaborado por Informa D&B, Novembro 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO Em Portugal, nos últimos 5 anos, o número de empresas exportadoras aumentou 12% O valor das

Leia mais

Nacional (3) 1995-1997 1998-2000 (1) 1998-2000 (2) 1995-1997 1998-2000 (1) 1998-2000 (2) 1995-1997 1998-2000 (1) 1998-2000 (2) Extensão da Inovação

Nacional (3) 1995-1997 1998-2000 (1) 1998-2000 (2) 1995-1997 1998-2000 (1) 1998-2000 (2) 1995-1997 1998-2000 (1) 1998-2000 (2) Extensão da Inovação Anexo 2 Quadro 1 Evolução da Extensão da Inovação em Portugal (%) Extensão da Inovação Indústria Serviços Nacional (3) 1995-1997 1998-2000 (1) 1998-2000 (2) 1995-1997 1998-2000 (1) 1998-2000 (2) 1995-1997

Leia mais

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV Benefícios fiscais às zonas francas Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1- (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro)

Leia mais

Empresas. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação. Resultados 2003

Empresas. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação. Resultados 2003 Empresas Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação Resultados Inquérito à utilização das TIC nas Empresas BREVE NOTA METODOLÓGICA Universo de referência: Universo das empresas

Leia mais

Empresas. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação. Resultados 2005

Empresas. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação. Resultados 2005 Empresas Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação Resultados 2005 BREVE NOTA METODOLÓGICA Universo de referência: Universo das empresas em Portugal com mais de 10 trabalhadores

Leia mais

Evolução da FBCF Empresarial Taxa de Variação Anual

Evolução da FBCF Empresarial Taxa de Variação Anual Inquérito Qualitativo de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Outubro de 2006 31 de Janeiro de 2007 TAXA DE VARIAÇÃO DO INVESTIMENTO PARA 2006 REVISTA EM BAIXA Os resultados do Inquérito ao Investimento

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação nº 00/OCF.06-1 Accreditation Annex nº

Anexo Técnico de Acreditação nº 00/OCF.06-1 Accreditation Annex nº Anexo Técnico de nº -1 Nº de Accreditation nr Acreditado de acordo com (Accredited to) NP EN 45012 Localização: TagusPark - Núcleo Central 237/239 2780-920 Oeiras Contacto (Contact) Ana Freire Tel: 214220640

Leia mais

Estatísticas de empréstimos concedidos pelo setor financeiro

Estatísticas de empréstimos concedidos pelo setor financeiro Estatísticas de empréstimos concedidos pelo setor financeiro Luís Teles Diretor Adjunto Departamento de Estatística 17ª Reunião da Secção Permanente de Estatísticas Económicas 20 março 2015 Agenda 1. A

Leia mais

Ministério das Obras Públicas

Ministério das Obras Públicas Ministério das Obras Públicas ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério das Obras Públicas é o órgão da administração pública

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICAS DAS EMPRESAS 2008

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICAS DAS EMPRESAS 2008 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICAS DAS EMPRESAS 2008 Maputo, Julho de 2011 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICAS DAS EMPRESAS 2008 Maputo,

Leia mais

Um sistema de observação de qualidade: as TIC nas empresas

Um sistema de observação de qualidade: as TIC nas empresas FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO SEMINÁRIO QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Um sistema de observação de qualidade: as TIC nas empresas Nuno Rodrigues Observatório da Sociedade

Leia mais

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2007

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2007 04 de Dezembro 2007 Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2007 MAIS DE 7 EM CADA 10 EMPRESAS COM DEZ E MAIS PESSOAS AO SERVIÇO ACEDEM

Leia mais

Barómetro da Eficiência Energética Portugal 2010

Barómetro da Eficiência Energética Portugal 2010 1 - Aspectos Gerais 1.1 - Em qual das duas categorias a sua empresa se insere mais? Indústria 1.2 - O tema da eficiência energética é importante para a sua empresa. Barómetro da Eficiência Energética Portugal

Leia mais

Contas dos Sectores Institucionais

Contas dos Sectores Institucionais Contas dos Sectores Institucionais Plano de Apresentação Enquadramento Sectorização da economia Composição, fontes de informação básica e tratamento Principais resultados Perspectivas Enquadramento O Quadro

Leia mais

LINHAS DE CRÉDITO PME INVESTE TURISMO. Maria José Catarino. Loulé,, 5 Fevereiro de 2009

LINHAS DE CRÉDITO PME INVESTE TURISMO. Maria José Catarino. Loulé,, 5 Fevereiro de 2009 LINHAS DE CRÉDITO PME INVESTE TURISMO Maria José Catarino Loulé,, 5 Fevereiro de 2009 LINHAS DE CRÉDITO PME INVESTE ÍNDICE 1 OBJECTO 2 PME INVESTE II - Protocolo celebrado a 14 Outubro 2008 LINHA +RESTAURAÇÃO

Leia mais

HORIZONTE 2020 Desafios Para as Empresas Portuguesas do Sector do Ambiente

HORIZONTE 2020 Desafios Para as Empresas Portuguesas do Sector do Ambiente HORIZONTE 2020 Desafios Para as Empresas Portuguesas do Sector do Ambiente Cascais, 24-04-2015 Paulo Carpinteiro Licks & Associados POCI Programa Operacional Competitividade e Internacionalização PORegionais

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice Índice Desemprego Registado de Estrangeiros por Continente de Origem e Principais Nacionalidades - Situação no fim do mês de Dezembro, de 2003 a 2009... 2 Desemprego Registado de Estrangeiros por Continente

Leia mais

Inquérito Multi- Objectivo Contínuo

Inquérito Multi- Objectivo Contínuo Inquérito Multi- Objectivo Contínuo Estatísticas Sobre o Trabalho das Crianças Principais resultados (preliminares) Praia, 27 de Junho de 2013 PLANO DE APRESENTAÇÃO OBJECTIVOS METODOLOGIA PRINCIPAIS RESULTADOS:

Leia mais

Estatísticas das Finanças Públicas

Estatísticas das Finanças Públicas Departamento de Estatística Área de Contas Nacionais Financeiras e de Estatísticas de Títulos Estatísticas das Finanças Públicas Dezembro de 2009 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 I CARACTERIZAÇÃO GERAL... 3 1. Versão/Data...

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO S R REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO (RETRIBUIÇÃO MÍNIMA MENSAL GARANTIDA NA REGIÃO) Outubro de

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

Inquérito europeu às empresas sobre riscos novos e emergentes Sumário

Inquérito europeu às empresas sobre riscos novos e emergentes Sumário Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho Inquérito europeu às empresas sobre riscos novos e emergentes Sumário Este inquérito, realizado pela EU-OSHA a empresas de toda a Europa, visa contribuir

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL. Análise de Conjuntura

ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL. Análise de Conjuntura ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL Análise de Conjuntura Maio 2008 Indicador de Sentimento Económico O clima económico na União Europeia volta a deteriorar-se em Abril. Comparativamente

Leia mais

Apresentação do novo sistema de reporte. Dezembro 2012

Apresentação do novo sistema de reporte. Dezembro 2012 Apresentação do novo sistema de reporte Dezembro 2012 Esquema da Apresentação Novo sistema de reporte Área de Empresa Aplicação de Recolha Questões específicas da rubrica Viagens e Turismo Banco de Portugal

Leia mais

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício.

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 4/96 IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os custos correntes do exercício. 70 - JUROS E CUSTOS EQUIPARADOS Encargos financeiros

Leia mais

A descriminação remuneratória da mulher em Portugal continua a ser muito grande nas empresas Pág. 1

A descriminação remuneratória da mulher em Portugal continua a ser muito grande nas empresas Pág. 1 A descriminação remuneratória da mulher em Portugal continua a ser muito grande nas empresas Pág. 1 RESUMO O Eurofound acabou de publicar um estudo, o qual mostra que, entre 28 países, Portugal é o país

Leia mais

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2006

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2006 22 de Dezembro de 2006 Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2006 MAIS DE 6 EM CADA 10 EMPRESAS ACEDEM À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

ESTATÍSTICAS. Os dados publicados nesta síntese referem-se ao Continente e aos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo.

ESTATÍSTICAS. Os dados publicados nesta síntese referem-se ao Continente e aos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo. Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho disponibiliza informação que permite conhecer o nível médio mensal da remuneração

Leia mais

Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP)

Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP) Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP) 23/06/2008-14/08/2008 Existem 457 respostas em 457 que correspondem aos seus critérios A. Participação País DE - Alemanha 84 (18.4%) PL - Polónia

Leia mais

Micro Empresas. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação. Resultados 2005

Micro Empresas. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação. Resultados 2005 Micro Empresas Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação Resultados 2005 BREVE NOTA METODOLÓGICA Universo de referência: Universo das empresas em Portugal com menos de 10 trabalhadores

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão da Indústria, do Comércio Externo, da Investigação e da Energia

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão da Indústria, do Comércio Externo, da Investigação e da Energia PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão da Indústria, do Comércio Externo, da Investigação e da Energia 4 de Agosto de 2003 PE 322.025/1-7 ALTERAÇÕES 1-7 Projecto de recomendação para segunda leitura (PE

Leia mais

DESPORTO SUBSECTORES E PROFISSÕES

DESPORTO SUBSECTORES E PROFISSÕES DESPORTO SUBSECTORES E PROFISSÕES 1 Maior número de Act. Físicas/desportivas; Início das Act. Físicas/desportiva em idades cada vez mais novas; Act. Física/desportiva praticada durante mais tempo - aumento

Leia mais

!( 63 62!( 62!( 61 60!( 59!( 58!( 25!( 26!( 27!( 28!( 24!( 37 9!( 28!( 28

!( 63 62!( 62!( 61 60!( 59!( 58!( 25!( 26!( 27!( 28!( 24!( 37 9!( 28!( 28 ± Enquadramento administrativo da Zona industrial/empresarial do Alto de Colaride Enquadramento da área cartografada 6 61 6 62 62 62 LEGENDA 59 25 25 25 5 Edificio multiempresas (Ocupação com mais de uma

Leia mais

A procura de emprego dos Diplomados. com habilitação superior

A procura de emprego dos Diplomados. com habilitação superior RELATÓRIO A procura de emprego dos Diplomados com habilitação superior Dezembro 2007 Fevereiro, 2008 Ficha Técnica Título A procura de emprego dos diplomados com habilitação superior Autor Gabinete de

Leia mais

Quadros de Pessoal 3,1% Empresas, Estabelecimentos e Pessoas ao Serviço. Q uadro 1 Empresas, estabelecimentos, pessoas ao serviço.

Quadros de Pessoal 3,1% Empresas, Estabelecimentos e Pessoas ao Serviço. Q uadro 1 Empresas, estabelecimentos, pessoas ao serviço. ESTATÍSTICAS e m SÍNTESE Quadros de Pessoal O Relatório Único referente à informação sobre a atividade social da empresa, constitui uma obrigação anual, a cargo dos empregadores, com conteúdo e prazo de

Leia mais

Classificação Portuguesa

Classificação Portuguesa Economia e Finanças D tema Classificação Portuguesa das Actividades Económicas Rev. 3 Ano de edição 2007 FICHA TÉCNICA Título Classificação Portuguesa das Actividades Económicas, Revisão 3 Editor Instituto

Leia mais

3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR

3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR 3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR Decreto-Lei n. o 120/2003 de 18 de Junho A Lei Orgânica do Ministério da Ciência e do Ensino Superior,

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 182/IX

PROJECTO DE LEI N.º 182/IX PROJECTO DE LEI N.º 182/IX APROVA MEDIDAS COM VISTA À MODERNIZAÇÃO DO REGIME DA REALIZAÇÃO DE DESPESAS PÚBLICAS COM LOCAÇÃO E AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Exposição

Leia mais

Outras Empresas expressivas situadas nas proximidades da Área empresarial. 2- CAE C Industria Transformadora

Outras Empresas expressivas situadas nas proximidades da Área empresarial. 2- CAE C Industria Transformadora FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DA AREA EMPRESARIAL Zona industrial/empresarial ZI/ZE): Unidade geográfica abrangida pelas Areas Empresariais Area total da ZI/ZE de Negrais Total de unidades empresariais apuradas

Leia mais

Uma entidade privada sem fins lucrativos constituída em 1994, por entidades colectivas denaturezapúblicaeprivada,comsedenaviladocadaval.

Uma entidade privada sem fins lucrativos constituída em 1994, por entidades colectivas denaturezapúblicaeprivada,comsedenaviladocadaval. Uma entidade privada sem fins lucrativos constituída em 1994, por entidades colectivas denaturezapúblicaeprivada,comsedenaviladocadaval. GAL Grupo de Acção Local, reconhecido pelo Ministério da Agricultura

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro.

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro. Julho 2012 Jun-02 Jun-03 Jun-04 Jun-05 Jun-06 Jun-07 Jun-08 Jun-09 Jun-10 Jun-11 Jun-12 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia

Leia mais

INQUÉRITO ÀS ESTRUTURAS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL - 2003

INQUÉRITO ÀS ESTRUTURAS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL - 2003 INQUÉRITO ÀS ESTRUTURAS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL - 2003 ÍNDICE RESUMO...... I. NOTA INTRODUTÓRIA...... II. NOTAS EXPLICATIVAS E METODOLOGIA... 1. Notas Explicativas............. 2. Metodologia.............

Leia mais

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS, CONCESSÕES EMPRESARIAIS E PROJECTOS DE INFRA- ESTRUTURAS

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS, CONCESSÕES EMPRESARIAIS E PROJECTOS DE INFRA- ESTRUTURAS PASSAPORTE PARA MOÇAMBIQUE Auditório SIBS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS, CONCESSÕES EMPRESARIAIS E PROJECTOS DE INFRA- ESTRUTURAS 27 de Outubro DIOGO XAVIER DA CUNHA ÍNDICE Enquadramento Lei n.º 15/2011 Âmbito

Leia mais

Índice. 2. Alguns resultados 2.1. Universo 2.2. Cooperativas 2.3. Mutualidades. 3. Inquérito ao Trabalho Voluntário 24-10-2012 2

Índice. 2. Alguns resultados 2.1. Universo 2.2. Cooperativas 2.3. Mutualidades. 3. Inquérito ao Trabalho Voluntário 24-10-2012 2 título Autor Índice 1. Desenvolvimentos da Conta Satélite 1.1. Contas Nacionais (Base 2006) 1.2. Conta Satélite das Instituições Sem Fim Lucrativo (ISFL) - 2006 1.3. Conta Satélite da Economia Social -

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012 INOVAÇÃO PRODUTIVA SECTOR TURISMO QREN QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL 2007-2013 INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 ÍNDICE PÁGINA OBJECTO

Leia mais

Indicadores de Confiança...15

Indicadores de Confiança...15 1. MACROECONOMIA 1.1. Rendimento e Despesa Despesa Nacional a Preços Correntes...5 Despesa Nacional a Preços Constantes...6 PIB a preços correntes (Produto Interno Bruto)...7 PIB a preços constantes (Produto

Leia mais

SECTOR DA PUBLICIDADE

SECTOR DA PUBLICIDADE SECTOR DA PUBLICIDADE AEP / GABINETE DE ESTUDOS MAIO DE 2009 Índice 1. Introdução: a importância da publicidade... 1 1. Introdução: a importância da publicidade... 2 1. Introdução: a importância da publicidade...

Leia mais

O APOIO DAS EMPRESAS À COMUNIDADE RETRATO DOS DONATIVOS EM PORTUGAL

O APOIO DAS EMPRESAS À COMUNIDADE RETRATO DOS DONATIVOS EM PORTUGAL O APOIO DAS EMPRESAS À COMUNIDADE RETRATO DOS DONATIVOS EM PORTUGAL 2012/2010 Estudo Sair Da Casca e Informa D&B Dezembro 2013 METODOLOGIA Universo do estudo TECIDO EMPRESARIAL: Todas as entidades (pessoas

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Decreto Lei 1/05 De 17 de Janeiro Convindo estabelecer as normas orgânicas e funcionais que se coadunam com as actuais exigências da organização do Ministério dos Transportes,

Leia mais

Utilização da Central de Balanços na caracterização. Homero Gonçalves

Utilização da Central de Balanços na caracterização. Homero Gonçalves Utilização da Central de Balanços na caracterização dotecido empresarial português Homero Gonçalves Quantas sociedades existem em Portugal? Central de Responsabilidades decrédito 260 mil INE Modelos 22

Leia mais

NOVIDADES LEGISLATIVAS E REGULAMENTARES MAIS SIGNIFICATIVAS

NOVIDADES LEGISLATIVAS E REGULAMENTARES MAIS SIGNIFICATIVAS DESTAQUES DE 27 A 31 DE MAIO NOVIDADES LEGISLATIVAS E REGULAMENTARES MAIS SIGNIFICATIVAS ACTIVIDADE PARLAMENTAR E PROCESSO LEGISLATIVO ÚLTIMAS INICIATIVAS Proposta de Lei 151/XII Procede à primeira alteração

Leia mais

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt Capitais Públicos e Capitais Privados no Mercado Interno: Assegurar um Ambiente Equitativo para Empresas Públicas e Privadas Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt XXIV Congresso FIDE Madrid 2010 Arial Bold

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO Principais linhas de evolução e transformação da paisa social e económica regional População A região, inserida no contexto português

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (DR Modelo 22 de

Leia mais

Portaria 560/2004, de 26 de Maio

Portaria 560/2004, de 26 de Maio Portaria 560/2004, de 26 de Maio Aprova o Regulamento Específico da Medida «Apoio à Internacionalização da Economia A Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 17 de Junho, publicada em 26 de

Leia mais

Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior

Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior Apresentação do novo sistema de reporte Dezembro 2012 Esquema da Apresentação Novo sistema de reporte Área de Empresa Aplicação de Recolha Questões específicas

Leia mais

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas.

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas. ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DISTRIBUIÇÃO E DRENAGEM DE ÁGUAS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Natureza 1. A Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas (APDA) é uma associação sem fins

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Ter, 02 de Junho de 2009 18:38 Administrador REPÚBLICA DE ANGOLA Conselho de Ministros Decreto-lei nº 8 /07 de 4 de

Leia mais

ECONOMIA DA ENERGIA A Importância da Eficiência Energética

ECONOMIA DA ENERGIA A Importância da Eficiência Energética A Importância da Eficiência Energética Ordem dos Engenheiros Lisboa, 17 de Dezembro de 2013 Principal Objectivo Apresentar alguns dados que caracterizam a nossa economia, do ponto de vista macro energético,

Leia mais

A Actividade Económica dos Açores nas Estatísticas do Banco de Portugal

A Actividade Económica dos Açores nas Estatísticas do Banco de Portugal Jornadas de Estatística Regional Angra do Heroísmo, 29 de Novembro de 2013 A Actividade Económica dos Açores nas Estatísticas João Cadete de Matos Director, Departamento de Estatística Principais indicadores

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO PORTUGAL-ÁFRICA

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO PORTUGAL-ÁFRICA ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO PORTUGAL-ÁFRICA CAPÍTULO I Natureza, sede e fins Artigo 1º Natureza A Fundação Portugal-África, adiante designada simplesmente por Fundação, é uma pessoa colectiva de direito privado

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Processo:

FICHA DOUTRINÁRIA. Processo: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: CIVA Artigo: 1º 29º Assunto: Empresa não residente Armazém em Portugal T909 2006018 despacho do SDG dos Impostos, em substituição do Director- Geral, em 24-02-06 Conteúdo: 1.

Leia mais

Seminário sobre a CAE Rev. 3

Seminário sobre a CAE Rev. 3 Seminário sobre a CAE Rev. 3 Francisco Linhares Director da Base de Dados Coface Serviços Portugal Lisboa, 23 de Outubro de 2007 Quem é a COFACE? - Vocação: facilitar o comércio entre empresas através

Leia mais

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2 8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 1 A SITUAÇÃO DA MULHER EM PORTUGAL NO DIA INTERNACIONAL DA MULHER DE 2011 RESUMO DESTE ESTUDO No dia

Leia mais

Registo Contabilístico - Exemplos -

Registo Contabilístico - Exemplos - Registo Contabilístico - Exemplos - Exportação a pronto no valor de K1 u.m. DÉBITO CRÉDITO SALDO (1) BALANÇA DE BENS E SERVIÇOS MERCADORIAS (BALANÇA COMERCIAL) K1 K1 SERVIÇOS Transportes, viagens e turismo,

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

Informar para saber...saber para desenvolver.

Informar para saber...saber para desenvolver. INQUÉRITO AO EMPREGO 4º Trimestre de 2011 Serviço Regional de Estatística dos Açores Informar para saber......saber para desenvolver. INQUÉRITO AO EMPREGO 4º TRIMESTRE DE 2011 NOTA INTRODUTÓRIA A presente

Leia mais

Anexo à Instrução nº 16/96

Anexo à Instrução nº 16/96 Anexo à Instrução nº 16/96 SOCIEDADES DE LOCAÇÃO FINANCEIRA SITUAÇÃO ANALÍTICA CONTAS COM SALDOS DEVEDORES 10 - CAIXA VALORES (em contos) 11 - DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL 12 - DISPONIBILIDADES

Leia mais

Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente o seu artigo 127. o, n. o 2, primeiro travessão,

Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente o seu artigo 127. o, n. o 2, primeiro travessão, L 121/20 DECISÃO (UE) 2015/774 DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 4 de março de 2015 relativa a um programa de compra de ativos do setor público em mercados secundários (BCE/2015/10) O CONSELHO DO BANCO CENTRAL

Leia mais

FIC - Feira Internacional de Cabo Verde. Cabo Verde

FIC - Feira Internacional de Cabo Verde. Cabo Verde FIC - Feira Internacional de Cabo Verde Cabo Verde 19 a 22 de Novembro de 2009 Enquadramento A aicep Portugal Global, no âmbito do Quadro de Referência Estratégica Nacional, propõe-se dinamizar a presença

Leia mais

Trabalhar no feminino

Trabalhar no feminino 07 de Março de 2013 8 de Março: Dia Internacional da Mulher Trabalhar no feminino Numa sociedade que aposta na igualdade entre homens e mulheres, incentiva a participação feminina na vida ativa e promove

Leia mais

Perfil da presença feminina no tecido empresarial português. Março 2011

Perfil da presença feminina no tecido empresarial português. Março 2011 Perfil da presença feminina no tecido empresarial português Março 2011 Sumário executivo Em Portugal : Apenas 30,1% das funções de gestão são desempenhadas por mulheres Apenas 55,3% das empresas têm participação

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Andorra Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Andorra Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Andorra Condições Legais de Acesso ao Mercado Fevereiro 2011 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 3 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS

REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS DO SECTOR DO GÁS NATURAL Fevereiro 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 213 033 200 Fax:

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP- UE Comissão de Desenvolvimento Económico, Finanças e Comércio 3.9.2007 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o impacto do investimento directo estrangeiro (IDE) nos Estados

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Abril 2012 Indicador de Sentimento Económico Após uma melhoria em Janeiro e Fevereiro, o indicador de sentimento

Leia mais

REGULAMENTO TARIFÁRIO

REGULAMENTO TARIFÁRIO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR ELÉCTRICO Julho 2011 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt

Leia mais

Gestão dos riscos relacionados com a segurança rodoviária ocupacional

Gestão dos riscos relacionados com a segurança rodoviária ocupacional Gestão dos riscos relacionados com a segurança rodoviária Managing work related road safety risks Alberto Silveira APSET Associação Portuguesa de Segurança e Higiene do Trabalho EUROPA 6 em cada 10 acidentes

Leia mais

AVISO (20/GAOA/2015)

AVISO (20/GAOA/2015) AVISO (20/GAOA/2015) Humberto Fernando Leão Pacheco de Brito, Presidente da Câmara Municipal de Paços de Ferreira, submete a consulta pública, para recolha de sugestões, por um período de 30 dias, a contar

Leia mais

Evolução da FBCF Empresarial em valor Taxa de Variação Anual

Evolução da FBCF Empresarial em valor Taxa de Variação Anual Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Abril de 2011 08 de Julho de 2011 Revisão em baixa das expectativas de investimento empresarial em 2011. De acordo com as intenções manifestadas pelas

Leia mais