ASSOCIAÇÃO DA HOTELARIA DE PORTUGAL: INDICADORES DE MAIO MARCADOS POR EVENTOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSOCIAÇÃO DA HOTELARIA DE PORTUGAL: INDICADORES DE MAIO MARCADOS POR EVENTOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS"

Transcrição

1 Lisboa, 30 de julho de 2014 ASSOCIAÇÃO DA HOTELARIA DE PORTUGAL: INDICADORES DE MAIO MARCADOS POR EVENTOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS Grande Lisboa puxou o mês A AHP Associação da Hotelaria de Portugal divulgou os dados de maio do Tourism Monitor que dão conta de um crescimento na taxa de ocupação por quarto de 4,96 p.p., fixando-se nos 73,14%. O RevPar (preço médio por quarto disponível) fixou-se em 53,51 euros e o TrevPar (receita total por quarto disponível) foi de 78,78 euros, representando um aumento, face ao mesmo mês do ano anterior, de 21,84% e 20,51% respetivamente. De acordo com o AHP Tourism Monitor, os destinos que apresentaram um maior crescimento na taxa de ocupação foram Oeste (mais 19,35 p.p.), Estoril/Sintra (mais 10,48 p.p.) e Costa Azul (mais 9,76 p.p.). As dormidas de nacionais fixaram-se nos 28,33% (mais 6,83% que em maio de 2013). No acumulado, registamos desde o início do ano um crescimento na taxa de ocupação de 3,59 p.p., o mesmo acontece com o preço médio por quarto ocupado que cresceu 5,13% e com o RevPar que cresceu 12,64%, em comparação com o mesmo período do ano anterior. No entanto, não podemos deixar de referir que, apesar do crescimento, os valores do RevPar e do preço médio por quarto ocupado continuam muito baixos e ficam aquém dos resultados desejáveis. O RevPar rendimento por quarto disponível em Portugal fixou-se nos 33,69. Por outro lado, a estadia média continua a diminuir (menos 3,21% face ao verificado no período homólogo), afirma Cristina Siza Vieira, presidente da direção executiva da Associação da Hotelaria de Portugal. A responsável refere ainda que a taxa de ocupação, mesmo com o crescimento que se regista, ficou nos 53,9%. Isto é, de janeiro a maio quase 50% dos quartos na hotelaria em Portugal estão vazios. Os bons resultados do mês de maio deveram-se em grande parte aos eventos nacionais e internacionais que se realizaram em Portugal, principalmente em Lisboa. Maio é, por si só, um mês forte para a hotelaria e para o turismo em Lisboa. Este ano tivemos um extra com a realização de eventos como a final da Champions League e o Rock in Rio, e que se refletiu nos principais indicadores, conclui a responsável.

2 SÍNTESE INDICADORES DE MAIO 2014 Nota: todos os valores indicados referem-se a variações relativas entre os períodos homólogos (maio 2013 e maio 2014), de acordo com as definições dos destinos turísticos constantes no Hotel Monitor. Os resultados apresentados referem-se a valores constantes no Hotel Monitor à data de 24 de julho de PORTUGAL A taxa de ocupação quarto subiu 4,96 p.p. em comparação com maio de 2013 atingindo os 73,14%. O preço médio por quarto ocupado subiu 13,57% (fixou-se em 73,16 euros) e o RevPar preço médio por quarto disponível - aumentou 21,84% (fixou-se em 53,51 euros), em comparação com maio de A receita média por turista no hotel foi de 102 euros (mais 6,25% do que em maio de 2013) e a estadia média de 1,82 dias, valor inferior em 2,67% face ao verificado no período homólogo. A receita total por quarto disponível (TrevPar) foi no mês de maio de 78,78 euros, representando este valor um aumento de 20,51% em comparação com o mesmo mês de Quanto à taxa de ocupação quarto, registe-se que o aumento ocorreu em quase todas as categorias, com exceção das 3 estrelas onde a variação foi de menos 2,53 p.p. do que em maio de Os destinos turísticos com a maior taxa de ocupação quarto foram Lisboa (88,36%), Madeira (84,88%) e Grande Porto (81,01%). Os destinos turísticos com o RevPar mais elevado foram Lisboa (88,03 euros), Estoril (60,99 euros) e Madeira (54,55 euros). Taxa de Ocupação Quarto-Portugal % estrelas 4 estrelas 3 estrelas 2 estrelas ACUMULADO Na análise do período de janeiro a maio de 2014 a taxa de ocupação quarto foi de 53,9% mais 3,59 p.p. do que no período homólogo anterior.

3 Taxa de Ocupação quarto- Evolução Mensal 100% 80% 60% 40% 20% janeiro fevereiro março abril maio Junho O preço médio por quarto ocupado foi de 62,5 euros no acumulado de janeiro a maio de 2014 mais 5,13% do que em Preço Médio por quarto Ocupado-Evolução Mensal Dados de junhode 2014 ainda provisórios O RevPar foi de 33,69 euros no período de janeiro a maio de 2014, mais 12,64% do que em Preço Médio por quarto Disponivel-Evolução Mensal De janeiro a maio de 2014 a receita média por turista no hotel por mês diminuiu 1,08%, atingindo o montante de 92 euros.

4 GMTH-Evolução Mensal A estadia média no período de janeiro a maio de 2014 foi de 1,81 dias menos 3,21% do que no período homólogo anterior. Estadia Média-Evolução Mensal De janeiro a maio de 2014 a receita total por quarto disponível (TRevPar) foi de 51,18 euros, valor que representa um aumento de 12,11% face ao período homólogo de TREVPAR-Evolução Mensal

5 DESTINOS TURÍSTICOS MINHO A taxa de ocupação quarto foi de 39,89% o que significa uma descida de 1,34 p.p. em comparação com maio de 2013.O preço médio por quarto ocupado foi de 58,93 euros mais 10,25% em comparação com maio de No mesmo período, o RevPar subiu 6,72% para os 23,51 euros. No que respeita ao período de janeiro a maio de 2014 destaque neste destino para o RevPar (preço médio por quarto disponível) de 16,25 euros e o preço médio por quarto ocupado de 50,45 euros. A taxa de ocupação quarto foi de 32,22% mais 1,9 p.p. do que nos cincos primeiros meses de GRANDE PORTO Durante o mês de maio de 2014, os indicadores no destino Grande Porto apresentam, face ao período homólogo anterior, variações positivas de 4,96 p.p. na taxa de ocupação quarto (81,01% em maio) e 3,67% no RevPar (46,93 euros). O preço médio por quarto ocupado foi de 57,93 euros menos 2,69% do que em maio de Numa análise ao período de janeiro a maio de 2014 (considerando a comparação com 2013), destaque neste destino para as variações positivas de 3,92 p.p. na taxa de ocupação quarto e 2,25% no RevPar. O preço médio por quarto ocupado foi de 53,57 euros menos 4,98% do que nos primeiros cinco meses de BEIRAS Durante o mês de maio de 2014, os indicadores deste destino apresentam, face ao período homólogo anterior, variações positivas de 6,74 p.p. na taxa de ocupação quarto (49,33%) e 13,22% no RevPar (23,73 euros). O preço médio por quarto ocupado foi de 48,09 euros menos 2,28% do que em maio de De janeiro a maio de 2014 e face ao período homólogo anterior, destaque na hotelaria das Beiras para subidas na taxa de ocupação quarto e RevPar de 3,21 p.p. e 4,31% respetivamente. O preço médio por quarto ocupado foi inferior em 3,84% em comparação com os cinco primeiros meses de 2013 (50,89 euros). COIMBRA As unidades hoteleiras deste destino em maio de 2014 apresentam uma taxa de ocupação quarto de 66,63% e um RevPar de 32,10 euros mais 2,09 p.p. e 6,75% do que em maio de 2013 respetivamente. O preço médio por quarto ocupado subiu 3,41% para o montante de 48,18 euros. De janeiro a maio de 2014 e comparativamente com o mesmo período do ano anterior registese os decréscimos da taxa de ocupação quarto (0,29 p.p.) e do RevPar (0,43%).

6 VISEU A taxa de ocupação quarto foi de 27,22% o que significa uma descida de 1,99 p.p. em comparação com maio de No mesmo período o preço médio por quarto ocupado e o RevPar subiram 11,43% e 3,87%, fixando-se 48,35 euros e 13,16 euros respetivamente. No acumulado de janeiro a maio de 2014 este destino obteve os seguintes indicadores: taxa de ocupação quarto de 24,38%, preço médio por quarto ocupado de 49,16 euros e estadia média de 1,6 dias. OESTE A taxa de ocupação quarto foi de 55,51% o que significa uma subida de 19,35 p.p. O preço médio por quarto ocupado foi de 60,65 euros mais 5,17% em comparação com maio de O RevPar foi neste mês de 33,66 euros mais 61,44% do que em maio de Os Hotéis do Oeste apresentam no acumulado do ano uma taxa de ocupação quarto de 34,19% (mais 3,76 p.p. do que nos primeiros cinco meses de 2013), um preço médio por quarto ocupado de 56,52 euros e um RevPar de 19,32 euros (mais 8,6% do que no período de janeiro a maio de 2013). LEIRIA/FÁTIMA/TEMPLÁRIOS Relativamente ao mês de maio de 2014 o preço médio por quarto ocupado foi 45,63 euros e o RevPar de 28,55 euros mais 9,77% do que em maio de A taxa de ocupação quarto foi de 62,57% mais 7,01 p.p. do que em maio de Relativamente ao período acumulado de 2014 e face ao homólogo de 2013, destaque para a taxa de ocupação quarto de 42,15% mais 3,29 p.p. e o RevPar de 17,34 euros mais 6,38%. O preço médio por quarto ocupado foi de 41,14 euros menos 1,93% do que em ESTORIL/SINTRA Durante o mês de maio de 2014, a hotelaria deste destino apresenta, face ao período homólogo anterior, variações positivas de 10,48 p.p. na taxa de ocupação quarto (que foi de 75,19%) e de 38,11% no RevPar (60,99 euros no mês de maio). O preço médio por quarto ocupado foi de 81,1 euros mais 18,85% do que em maio de Nos cinco primeiros meses do ano a hotelaria deste destino turístico apresenta um RevPar (preço médio por quarto disponível) de 31,97 euros e um preço médio por quarto ocupado de 64,67 euros. A taxa de ocupação quarto foi de 49,44% mais 4,52 p.p. do que no período anterior. LISBOA No mês de maio, verificou-se no destino turístico Lisboa uma taxa de ocupação quarto de 88,36%, que significa uma subida de 6,02 p.p. face ao mesmo mês de 2013.

7 Em termos de RevPar e na globalidade das categorias o valor de maio de 2014 cifrou-se em 88,03 euros, valor superior em 31,6% face ao mesmo indicador no período homólogo de Entre os dois meses em análise verifica-se um aumento de 22,65% no preço médio por quarto ocupado, indicador que se fixou nos 99,64 euros. Relativamente ao período janeiro-maio 2014, registo para as variações positivas face ao mesmo período de 2013 de 19,12% no RevPar (indicador fixou-se nos 52,53 euros), 9,02% no preço médio por quarto ocupado (indicador fixou-se em 78,34 euros) e 5,68 p.p. na taxa de ocupação quarto (indicador fixou-se em 67,06%). COSTA AZUL As unidades hoteleiras deste destino no mês de maio apresentam um RevPar de 29,71 euros e uma taxa de ocupação quarto de 69,24% (mais 14,36% e 9,76 p.p. do que em maio de 2013 respetivamente). O preço médio por quarto ocupado foi de 42,91 euros menos 1,74% do que em maio de Nos primeiros cinco meses de 2014 verificam-se, comparativamente ao mesmo período do ano anterior subidas no RevPar (12,4%) e na taxa de ocupação quarto (5,25 p.p.) em comparação com o período homólogo anterior. ALENTEJO Os hotéis deste destino apresentam no mês de maio de 2014 uma taxa de ocupação quarto de 64,05% (mais 7,1 p.p. do que em maio de 2013) e um preço médio por quarto ocupado de 46,13 euros (mais 7,81% do que em maio de 2013). O Revpar foi neste mês de 29,54 euros mais 21,21% do que no período homólogo anterior Relativamente ao período de janeiro a maio de 2014, registo para um RevPar de 22,9 euros e uma estadia média de 1,24 dias. Quanto á taxa de ocupação quarto foi de 50,53 % mais 4,4 p.p. face ao mesmo período de ALGARVE Sobre este destino, no mês de maio 2014 a taxa de ocupação quarto foi de 62% menos 0.01 p.p. que no mês homólogo de A taxa de ocupação quarto quando comparado por zonas foi superior no Algarve Centro (68,73%) do que no Algarve Sotavento (51,36%) e Algarve Barlavento (58,24%). Em termos de RevPar e na globalidade das categorias o valor de maio de 2014 cifrou-se em 37,59 euros, valor superior em 7,37% face ao mesmo indicador no período homólogo de Nos cinco primeiros meses de 2014 destaque na atividade hoteleira deste destino para a taxa de ocupação quarto que se fixou nos 43,82% mais 0,09 p.p. do que no período homólogo de A taxa de ocupação quarto quando comparado por zonas foi superior no Algarve Sotavento (51,57%) do que no Algarve Centro (41,15%) e Algarve Barlavento (44,30%). O preço médio por quarto ocupado e o RevPar foram de 49,81 euros e 21,83 euros mais 2,01% e 2,25% do que no período anterior respetivamente. MADEIRA Em maio de 2014, a Hotelaria da Madeira apresenta uma taxa de ocupação quarto de 84,88% mais 7,98 p.p. em comparação com o mês homólogo de O preço médio por quarto

8 ocupado foi 64,26 euros e o RevPar de 54,55 euros mais 10,60% e 22,09% do que em maio de 2013 respetivamente. Relativamente ao comportamento de janeiro a maio de 2014, comparativamente ao mesmo período do ano transato, destaque para aumentos do preço médio por quarto disponível (17,03%), taxa de ocupação quarto (6,05%) e preço médio por quarto ocupado (6,97%). AÇORES Em maio de 2014 a Hotelaria dos Açores apresenta uma taxa de ocupação quarto de 57,2%, menos 3,26% do que no período homólogo anterior. Os preços médios por quarto ocupado e disponível foram de 56,3 euros e 32,2 euros mais 6,07% e 0,34% do que em maio de 2013 respetivamente. No período de janeiro a maio a hotelaria deste destino turístico apresenta um RevPar (preço médio por quarto disponível) de 19,44 euros e um preço médio por quarto ocupado de 52,03 euros mais 14,89% e 9,17% respetivamente. A taxa de ocupação quarto foi de 37,36% mais 1,86 p.p. do que no período homólogo de Sobre a AHP A AHP Associação da Hotelaria de Portugal é a maior associação patronal da indústria hoteleira, cujos associados representam mais de 60% do número de quartos da hotelaria nacional. A AHP é uma instituição centenária, que promove a dignificação do movimento associativo, da hotelaria e do turismo nacional. Foi reconhecida como associação de utilidade pública em outubro de Sobre os AHP Tourism Monitor Os Tourism Monitor ( desenvolvidos pela AHP, desde 2004, consistem na recolha de dados relativos à operação hoteleira, tratados em termos de destinos turísticos e categorias de estabelecimentos hoteleiros concretizados em informações estatísticas e económicas. Os Tourism Monitor permitem medir a performance dos estabelecimentos hoteleiros no tempo e em função da sua localização e categoria, consistindo numa ferramenta de apoio à gestão hoteleira e simultaneamente numa informação rigorosa sobre a evolução da indústria hoteleira em Portugal. Informações adicionais: AHP Gabinete de Estudos e Estatísticas Tel: AHP Gabinete de Comunicação Ana Rita Bentes Tel: Tlm:

Associação da Hotelaria de Portugal divulga dados do Tourism Monitor do primeiro trimestre de 2014

Associação da Hotelaria de Portugal divulga dados do Tourism Monitor do primeiro trimestre de 2014 Lisboa, 3 de junho de 2014 Associação da Hotelaria de Portugal divulga dados do Tourism Monitor do primeiro trimestre de 2014 De acordo com a Associação da Hotelaria de Portugal, houve um crescimento de

Leia mais

Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores de novembro de 2012

Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores de novembro de 2012 Lisboa, 4 de fevereiro de 2013 Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores de novembro de 2012 TAXA DE OCUPAÇÃO QUARTO SOBE 10,64%, NO PORTO, e 5,75% EM LISBOA COM BOM DESEMPENHO DE TODAS AS

Leia mais

Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores da hotelaria de fevereiro de 2013

Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores da hotelaria de fevereiro de 2013 Lisboa, 2 de maio de 2013 Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores da hotelaria de fevereiro de 2013 Subidas de 3,83% na OCUPAÇÃO POR QUARTO (fixou-se em 41,20%), de 2,86% no REVPAR (fixou-se

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Atividade Turística Fevereiro de 20 15 de Abril de 20 Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Os estabelecimentos hoteleiros registaram cerca de 2 milhões

Leia mais

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos Atividade Turística Janeiro de 2014 19 de março de 2014 Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos A hotelaria registou 1,7 milhões de dormidas em janeiro de 2014, valor que corresponde

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente

Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente 26 de junho de 2014 Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação Maio de 2014 Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente O valor médio de avaliação bancária 1 do total do País foi de 995 euros/m

Leia mais

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno Atividade Turística Novembro de 2014 19 de janeiro de 2015 Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno As dormidas na hotelaria fixaram-se em

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Índice Introdução Preço Médio por Dormida Proveito Médio de Aposento por Cama Conceitos Anexos 2 Introdução Com base em indicadores estatísticos disponibilizados pelo

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1

ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1 ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1 ANÁLISE DE DORMIDAS NACIONAIS E ESTRANGEIRAS Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos Acumulado Janeiro Maio 2010/2011 A Turismo

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice Introdução Proveito Médio de Aposento Conceitos Anexos Proveitos

Leia mais

indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem

indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem boletim trimestral - n.º 2 - setembro 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem

Leia mais

Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013

Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013 Estatísticas do Turismo 2013 24 de junho de 2014 Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013 Em 2013, de acordo com os dados provisórios da Organização Mundial de Turismo,

Leia mais

Análise Regional dezembro 2015

Análise Regional dezembro 2015 Portugal Em, o Algarve voltou a liderar o País com 16,6 milhões de dormidas (34% de quota no País) e cresceu 2,7% face a 2014. Lisboa posicionou-se no 2.º lugar com 12,3 milhões de dormidas e assinalou,

Leia mais

boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística 2. Capacidade de alojamento na hotelaria global

boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística 2. Capacidade de alojamento na hotelaria global boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Movimento de passageiros no Aeroporto de Faro 1.1. Movimento total de passageiros 1.2. Movimento mensal

Leia mais

boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística

boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Movimento de passageiros no aeroporto de Faro 1.1. Movimento total de passageiros 1.2. Passageiros desembarcados por

Leia mais

Atividade Turística com resultados positivos em 2014

Atividade Turística com resultados positivos em 2014 Estatísticas do Turismo 2014 28 de julho de 2015 Atividade Turística com resultados positivos em 2014 Segundo os dados provisórios da Organização Mundial de Turismo, as chegadas de turistas internacionais,

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013 N.º fevereiro Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a Estatísticas de balanço Aplicações Crédito interno Em e pelo terceiro ano consecutivo, o crédito interno

Leia mais

Construção continua em queda

Construção continua em queda Construção: Obras licenciadas e concluídas 2º Trimestre de 2012 - Dados preliminares 13 de setembro de 2012 Construção continua em queda O licenciamento de obras acentuou a sua trajetória descendente,

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 Elaborado por: Maria Julieta Martins Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice

Leia mais

MELHOR HOTELARIA Maria João Martins Gestora de Projetos & Research

MELHOR HOTELARIA Maria João Martins Gestora de Projetos & Research MELHOR HOTELARIA 2020 Maria João Martins Gestora de Projetos & Research Évora 21 de março de 2016 AGENDA 1. Desempenho do Sector Turístico Nacional 2. Balanço 2015 3. Evolução da Oferta Hoteleira 4. Programa

Leia mais

vindo a verificar nos últimos tempos. As pers- próximo, estando prevista, a título de exemplo, náuticos internacionais que se realizam nos

vindo a verificar nos últimos tempos. As pers- próximo, estando prevista, a título de exemplo, náuticos internacionais que se realizam nos DO TURISMO DE LISBOA DADOS Março PERFORMANCE POSITIVA No primeiro trimestre de, a capital portuguesa continuou a demonstrar uma boa pectivas são igualmente positivas para o futuro vindo a verificar nos

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

Cristina Siza Vieira AHP Associação da Hotelaria de Portugal. European Cities Hotel Forecast for 2016 and 2017

Cristina Siza Vieira AHP Associação da Hotelaria de Portugal. European Cities Hotel Forecast for 2016 and 2017 Cristina Siza Vieira AHP Associação da Hotelaria de Portugal European Cities Hotel Forecast for 2016 and 2017 Hotel Epic Sana, 12 de abril 2016 Indicadores do Turismo AML & LISBOA Portugal vs. Área Metropolitana

Leia mais

Hotelaria: Balanço & Perspetivas. Cristina Siza Vieira Presidente Executiva

Hotelaria: Balanço & Perspetivas. Cristina Siza Vieira Presidente Executiva Hotelaria: Balanço & Perspetivas Cristina Siza Vieira Presidente Executiva The Vintage Lisboa 22 de junho de 2016 AGENDA 1 BALANÇO DO 1º QUADRIMESTRE 2016 2 PERSPETIVAS VERÃO 2016 3 GRANDES EVENTOS IMPACTO

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DE LISBOA RECUPERAÇÃO. desta edição. Dados da Hotelaria Cidade de Lisboa Grande Lisboa Região de Lisboa

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DE LISBOA RECUPERAÇÃO. desta edição. Dados da Hotelaria Cidade de Lisboa Grande Lisboa Região de Lisboa DO TURISMO DE LISBOA DADOS Maio RECUPERAÇÃO No mês de Maio, os principais indicadores analisados registam sinais positivos de recuperação em todas as unidades hoteleiras. Destacam-se as unidades de quatro

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 Elaborado por: Ana Paula Gomes Bandeira Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística

Leia mais

indicadores 1. Capacidade de alojamento na Hotelaria Global

indicadores 1. Capacidade de alojamento na Hotelaria Global boletim trimestral - n.º 4 - março 2014 algarve conjuntura turística indicadores 1. Capacidade de alojamento na Hotelaria Global 2. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de

Leia mais

indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem

indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem boletim trimestral - n.º 6 - outubro 2014 algarve conjuntura turística indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem 1.

Leia mais

2013 4º Trimestre. Preços médios ao Balcão. Sumário Executivo

2013 4º Trimestre. Preços médios ao Balcão. Sumário Executivo Sumário Executivo Na presente informação, divulgam-se os preços médios de Aposento (b&b), Meia Pensão (h&b) e Pensão Completa (f&b) praticados ao balcão, no 4.º Trimestre de 2013, pelos hotéis e pousadas,

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 05 Maio 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2014

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2014 N.º 3 fevereiro 215 Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 21 O Banco de Portugal publica hoje, no Boletim Estatístico, as estatísticas de balanço e de

Leia mais

PORTUGAL NA EUROPA: BALANÇO, PERSPETIVAS E TENDÊNCIAS NA HOTELARIA. BTL Feira Internacional de Turismo 3 março 2016

PORTUGAL NA EUROPA: BALANÇO, PERSPETIVAS E TENDÊNCIAS NA HOTELARIA. BTL Feira Internacional de Turismo 3 março 2016 PORTUGAL NA EUROPA: BALANÇO, PERSPETIVAS E TENDÊNCIAS NA HOTELARIA BTL Feira Internacional de Turismo 3 março 2016 AGENDA 1 HOTELARIA EM PORTUGAL: FECHO DO ANO - BALANÇO E PERSPETIVAS EVOLUÇÃO DA HOTELARIA

Leia mais

Ocupação em Empreendimentos Turísticos. Taxa de ocupação-quarto 2012

Ocupação em Empreendimentos Turísticos. Taxa de ocupação-quarto 2012 Ocupação em Empreendimentos Turísticos Taxa de ocupação-quarto 2012 Ocupação em Empreendimentos Turísticos Síntese A taxa de ocupação-quarto registada no país, em 2012, foi de 51,5%, com os residentes

Leia mais

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Apreciação Global Os dados estatísticos disponíveis para o 2º trimestre de 2014 parecem confirmar finalmente, e pela primeira vez em muitos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Informação sobre a evolução do mercado dos produtos petrolíferos no 1º Trimestre de 2014 Introdução Como habitualmente, apresentamos uma análise da evolução

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2014 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões Figura 5 Evolução de empréstimos, depósitos e taxas de juro do setor bancário 3% 2% 1% % -1% -2% -3% -4% -5% -6% -7% -8% Emprés mos concedidos pelo setor bancário (variação anual) dez-1 dez-11 dez-12 dez-13

Leia mais

Obras licenciadas e concluídas continuaram a diminuir

Obras licenciadas e concluídas continuaram a diminuir 14 de junho de 2013 Construção: Obras licenciadas e concluídas 1º Trimestre de 2013- Dados preliminares Obras licenciadas e concluídas continuaram a diminuir No 1º trimestre de 2013 foram licenciados 4,3

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR - 2013

DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR - 2013 Superintendencia de Investimentos em Pólos Turisticos SUINVEST Diretoria de Planejamento e Estudos Econômicos DPEE DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR - 2013 Pesquisa SETUR Maio, 2014 1 DESEMPENHO DA HOTELARIA

Leia mais

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2005 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

Barómetro Turismo Alentejo

Barómetro Turismo Alentejo Barómetro Turismo Alentejo Janeiro 2012 METODOLOGIA TOP DORMIDAS JANEIRO 2012 Inicia-se este ano de 2012 com alterações na metodologia do Barómetro, incluindo a sistemática comparação dos dados de 2012

Leia mais

Turismo no Espaço Rural. A oferta e a procura no TER

Turismo no Espaço Rural. A oferta e a procura no TER A oferta e a procura no TER 2007 Índice Introdução Capacidade de alojamento Estimativa de dormidas Taxas de ocupação-cama Anexos 2 Introdução. Em 2007 estavam em funcionamento em Portugal 1.023 unidades

Leia mais

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos HOTELARIA 2008 AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. INFORMAÇÃO SOBRE AS EMPRESAS Segundo os dados das Empresas em Portugal 2005, do INE, em 2005 o sector do Alojamento e Restauração compreendia

Leia mais

Cork Information Bureau 2015. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015. EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor.

Cork Information Bureau 2015. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015. EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015 EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor.pt Exportações de Cortiça crescem 7,8% As exportações portuguesas de cortiça registaram, no primeiro

Leia mais

HOTELEIROS NACIONAIS PREVEEM CRESCIMENTO DO PREÇO DOS HOTÉIS NO VERÃO. MERCADO PORTUGUÊS EM ALTA.

HOTELEIROS NACIONAIS PREVEEM CRESCIMENTO DO PREÇO DOS HOTÉIS NO VERÃO. MERCADO PORTUGUÊS EM ALTA. Lisboa, 23 de junho de 2016 HOTELEIROS NACIONAIS PREVEEM CRESCIMENTO DO PREÇO DOS HOTÉIS NO VERÃO. MERCADO PORTUGUÊS EM ALTA. De acordo com o inquérito da Associação da Hotelaria de Portugal Perspetivas

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Amilcar

Leia mais

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2006 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios)

CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios) 08 de novembro de 2011 Censos 2011 21 de março de 2011 CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios) Dada a importância que o tema reveste, no quadro da preparação dos resultados provisórios

Leia mais

2012 Anual. Preços médios ao Balcão. Sumário Executivo

2012 Anual. Preços médios ao Balcão. Sumário Executivo Sumário Executivo Na presente informação, divulgam-se os preços médios de Aposento (b&b), Meia Pensão (h&b) e Pensão Completa (f&b) praticados ao balcão, no ano de 2012, pelos hotéis e pousadas, bem como

Leia mais

Obras concluídas e licenciadas com decréscimo menos acentuado

Obras concluídas e licenciadas com decréscimo menos acentuado Construção: Obras licenciadas e concluídas 4º Trimestre de 2015 - Dados preliminares 15 de março de 2016 Obras concluídas e licenciadas com decréscimo menos acentuado No 4º trimestre de 2015 os edifícios

Leia mais

Edifícios Licenciados e Concluídos Diminuem

Edifícios Licenciados e Concluídos Diminuem Construção: Obras licenciadas e concluídas 1 13 de Setembro de 2007 e Concluídos Diminuem No 2º trimestre de 2007, foram licenciados mais de 11 mil edifícios e concluídos mais de 6,5 mil edifícios. Estes

Leia mais

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro 13 de janeiro de 2015 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2014 A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro Em 2014, o Índice de

Leia mais

Barómetro de Conjuntura. Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos. verão 2014

Barómetro de Conjuntura. Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos. verão 2014 verão 2014 Índice Sumário Executivo Perspetivas de evolução da procura para o verão 2014 NUTS II NUTS II por Mercados Perspetivas de evolução da procura para o inverno 2014/15 NUTS II 2 Sumário Executivo

Leia mais

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014 08 de setembro de 2014 Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014 Diminuição homóloga do Índice de Volume de Negócios na Indústria Em termos nominais,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Informação sobre o mercado dos produtos petrolíferos em 2013 Introdução Como habitualmente, apresentamos uma análise da evolução do mercado dos combustíveis

Leia mais

OBSERVATÓRIO DOTURISMO DE LISBOA ANÁLISES DESTA EDIÇÃO AEROPORTOS E CRUZEIROS REGIÃO DE LISBOA HOTELARIA DA CIDADE DE LISBOA HOTELARIA DO ESTORIL

OBSERVATÓRIO DOTURISMO DE LISBOA ANÁLISES DESTA EDIÇÃO AEROPORTOS E CRUZEIROS REGIÃO DE LISBOA HOTELARIA DA CIDADE DE LISBOA HOTELARIA DO ESTORIL OBSERVATÓRIO DOTURISMO DE LISBOA Embora com a existência de diferenças de zona para zona, a hotelaria da amostra fixa da Região de Lisboa apresenta em 2006 uma recuperação na generalidade dos indicadores,

Leia mais

Parque de habitação social aumentou 2% entre 2009 e 2011

Parque de habitação social aumentou 2% entre 2009 e 2011 Caracterização da Habitação Social em Portugal 2011 18 de julho de 2012 Parque de habitação social aumentou 2% entre 2009 e 2011 O número de fogos de habitação social em Portugal registou um aumento de

Leia mais

GANHOS MÉDIOS ABRIL 2013. Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho

GANHOS MÉDIOS ABRIL 2013. Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho GANHOS MÉDIOS ABRIL 2013 Fonte: Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho Abril 2013 Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho/GEE do MEE- Gabinete de Estratégia

Leia mais

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 18 de Maio de 2010 A taxa de desemprego foi de 10,6% no 1º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2010 foi de 10,6%. Este valor

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015 1 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Método e Gestão de Informação Serviço de Conjuntura Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas

Leia mais

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2010 16 de Fevereiro de 2011 A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2010 foi de 11,1%. Este

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DE LISBOA ANÁLISES DESTA EDIÇÃO DADOS DE AGOSTO 2014 EVOLUÇÃO DOS MERCADOS INFOGOLFE E CRUZEIROS INDÍCES POR REGIÃO

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DE LISBOA ANÁLISES DESTA EDIÇÃO DADOS DE AGOSTO 2014 EVOLUÇÃO DOS MERCADOS INFOGOLFE E CRUZEIROS INDÍCES POR REGIÃO DO TURISMO DE LISBOA DADOS DE AGOSTO ANÁLISES DESTA EDIÇÃO EVOLUÇÃO DOS MERCADOS > Dados da Hotelaria > Cidade de Lisboa > Região de Lisboa INFOGOLFE E CRUZEIROS INDÍCES POR REGIÃO Os dados contidos nesta

Leia mais

Inventário Anual aos Estabelecimentos Hoteleiros 2012. Folha de Informação Rápida

Inventário Anual aos Estabelecimentos Hoteleiros 2012. Folha de Informação Rápida Inventário Anual aos Estabelecimentos Hoteleiros 2012 Folha de Informação Rápida 2013 Instituto Nacional de Estatística Estatísticas do Turismo 2012 Inventario Anual dos Estabelecimentos Hoteleiros Presidente

Leia mais

Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e. Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios

Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e. Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios Censos 2011 Resultados Preliminares 30 de Junho de 2011 Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios Cem dias após o momento censitário

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6%

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% 09 de janeiro de 2012 Estatísticas do Comércio Internacional Novembro de 2011 Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% No período de setembro a novembro de 2011, as saídas

Leia mais

O INVESTIMENTO EM HOTELARIA NA CIDADE DE LISBOA

O INVESTIMENTO EM HOTELARIA NA CIDADE DE LISBOA O INVESTIMENTO EM HOTELARIA NA CIDADE DE LISBOA JUNHO 2009 CONTEÚDOS 1 Desempenho histórico da hotelaria na cidade de Lisboa 5 Impacto do desempenho histórico sobre o valor dos hotéis e a rentabilidade

Leia mais

www.ine.pt Título Boletim Mensal de Estatística 2014

www.ine.pt Título Boletim Mensal de Estatística 2014 2 Título Boletim Mensal de Estatística 2014 Editor Instituto Nacional de Estatística, I.P. Av. António José de Almeida, 2 1000-043 LISBOA PORTUGAL Telefone: 21 842 61 00 Fax: 21 845 40 84 Presidente do

Leia mais

Recorde-se que no item Transporte chamou-se a atenção para o crescimento do movimento de vôos internacionais no aeroporto de Fortaleza.

Recorde-se que no item Transporte chamou-se a atenção para o crescimento do movimento de vôos internacionais no aeroporto de Fortaleza. A atividade do setor de no Ceará, tem apresentado um expressivo crescimento ao longo dos últimos anos. De fato, tendo recebido 970.000 turistas em 1997, este fluxo alcançou 1.550.857 em 2003 e 1.784.354

Leia mais

VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO

VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO A presente Nota Estatística visa apresentar informação relativa ao valor dos direitos de propriedade intelectual 1 no sector

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE 2013-1º TRIMESTRE

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE 2013-1º TRIMESTRE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE 2013-1º TRIMESTRE 1 Presidente Antonio dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Av. Amilcar Cabral, CP 116 Cidade da Praia Composição Instituto

Leia mais

OBSERVATÓRIO. de LISBOA ANÁLISES DESTA EDIÇÃO AEROPORTOS E CRUZEIROS REGIÃO DE LISBOA HOTELARIA DA CIDADE DE LISBOA HOTELARIA DO ESTORIL

OBSERVATÓRIO. de LISBOA ANÁLISES DESTA EDIÇÃO AEROPORTOS E CRUZEIROS REGIÃO DE LISBOA HOTELARIA DA CIDADE DE LISBOA HOTELARIA DO ESTORIL OBSERVATÓRIO doturismo de LISBOA No mês de Outubro, fruto dos valores obtidos na hotelaria de 3 estrelas de Lisboa e de Leiria Fátima, assistiu-se a um agravamento dos níveis de ocupação na Região, quer

Leia mais

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15 Agências de Viagens ÍNDICE Sumário Executivo 3 da procura - inverno 2014/15 Portugal - NUTS II Portugal - Principais NUTS II Principais 4 5 6 da procura - verão

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR. Janeiro a Dezembro de 2014. Pesquisa SETUR

DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR. Janeiro a Dezembro de 2014. Pesquisa SETUR Superintendência de Investimentos em Polos Turísticos SUINVEST Diretoria de Planejamento e Estudos Econômicos DPEE DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR Janeiro a Dezembro de 2014 Pesquisa SETUR Janeiro,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS 1 de 6 - mobilidade humana e OBJECTIVO: Identifica sistemas de administração territorial e respectivos funcionamentos integrados. O Turismo Guião de Exploração Indicadores sobre o turismo em Portugal 27

Leia mais

Venda de voos internacionais atinge em 2010 87,4% de todas as vendas BSP

Venda de voos internacionais atinge em 2010 87,4% de todas as vendas BSP Venda de voos pelas agências portuguesas acaba 2010 a cair, mas ainda fica acima de 2009 A venda de voos regulares pelas agências de viagens IATA portuguesas, um mercado que em 2008 ultrapassou os 900

Leia mais

Obras licenciadas e concluídas acentuaram decréscimo em 2013

Obras licenciadas e concluídas acentuaram decréscimo em 2013 Estatísticas da Construção e Habitação 213 9 de julho de 214 Obras licenciadas e concluídas acentuaram decréscimo em 213 De acordo com as Estimativas do Parque Habitacional, em 213 existiam em Portugal

Leia mais

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9%

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9% Estatísticas do Emprego 3º trimestre de 2007 16 de Novembro de 2007 A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9 A taxa de desemprego estimada para o 3º trimestre de 2007 foi de 7,9. Este valor

Leia mais

ISSN 0032-5082. Boletim Mensal de Estatística. Julho. Estatísticas oficiais

ISSN 0032-5082. Boletim Mensal de Estatística. Julho. Estatísticas oficiais ISSN 0032-5082 Boletim Mensal de Estatística Julho 2013 e Estatísticas oficiais 2 Título Boletim Mensal de Estatística 2013 Editor Instituto Nacional de Estatística, I.P. Av. António José de Almeida, 2

Leia mais

Press Release. Worx divulga WMarket Report 1ºS 2008

Press Release. Worx divulga WMarket Report 1ºS 2008 Press Release No: 77 / DZ Data: 15 de Setembro de 2008 Edifício Taurus, Campo Edifício Pequeno, Taurus, 48 4º 1000-081 Campo Pequeno, Lisboa 48 4º 1000-081 Lisboa + 351 217 999 960 tel. + 351 217 999 965

Leia mais

Redução da Taxa de Juro no crédito à habitação em abrandamento a

Redução da Taxa de Juro no crédito à habitação em abrandamento a Taxas de Juro Implícitas no Crédito à Habitação 27 de Janeiro de 2010 Dezembro de 2009 Redução da Taxa de Juro no crédito à habitação em abrandamento a A taxa de juro implícita no conjunto dos contratos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL. Análise de Conjuntura

ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL. Análise de Conjuntura ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL Análise de Conjuntura Maio 2008 Indicador de Sentimento Económico O clima económico na União Europeia volta a deteriorar-se em Abril. Comparativamente

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 01 janeiro 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões 4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões O número total de empresas de seguros a operar no mercado nacional manteve-se estável em 212, sem alterações significativas à sua estrutura. Neste

Leia mais

ESTUDO INFORMA D&B. Gestão e Liderança Feminina em Portugal 3ª Edição, Fevereiro 2013

ESTUDO INFORMA D&B. Gestão e Liderança Feminina em Portugal 3ª Edição, Fevereiro 2013 ESTUDO INFORMA D&B Gestão e Liderança Feminina em Portugal 3ª Edição, Fevereiro 2013 Portugal tem uma população activa de 5,5 milhões, dos quais 47% são mulheres. O objectivo deste estudo foi saber como

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Estrutura sectorial de Macau em 2014

Estrutura sectorial de Macau em 2014 Estrutura sectorial de Macau em 2014 Not.002/2016 Nos anos anteriores, a Direcção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC) calculava e analisava o valor bruto de produção (VBP), o valor acrescentado

Leia mais

Um retrato social de Portugal: uma leitura de evoluções ocorridas nos últimos anos

Um retrato social de Portugal: uma leitura de evoluções ocorridas nos últimos anos 27 de dezembro de 2012 Indicadores Sociais 2011 Um retrato social de Portugal: uma leitura de evoluções ocorridas nos últimos anos Em Portugal, existe cada vez maior esperança média de vida à nascença.

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública N.º 7 Abril 2015 Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública Na edição de abril de 2015 do Boletim Estatístico são divulgadas as contas

Leia mais

O Setor da Construção em Portugal 2011

O Setor da Construção em Portugal 2011 O Setor da Construção em Portugal 2011 1º semestre FEVEREIRO 2012 Ficha Técnica Título: Relatório Semestral do Setor da Construção em Portugal 1º Sem. 2011 Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro

Leia mais

EMBALAGENS E RESÍDUOS DE EMBALAGENS

EMBALAGENS E RESÍDUOS DE EMBALAGENS EMBALAGENS E RESÍDUOS DE EMBALAGENS SITUAÇÃO DE REFERÊNCIA 2004 2010 Amadora, Janeiro de 2011 Departamento de Fluxos Especiais e Mercado de Resíduos Divisão de Entidade Gestoras e Mercado de Resíduos A

Leia mais

ESTATÍSTICAS DO TURISMO

ESTATÍSTICAS DO TURISMO ESTATÍSTICAS DO TURISMO DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Resultados Provisórios Julho de 2014 Direção Regional de Estatística da Madeira Uma porta aberta para um universo de informação estatística Catalogação

Leia mais

Responsabilidade Social em Portugal 2013. Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos

Responsabilidade Social em Portugal 2013. Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos Responsabilidade Social em Portugal 2013 Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos ÍNDICE Sumário Executivo Introdução Caracterização Social Vínculo laboral dos

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

COMUNICADO. - Informação Privilegiada - DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS RELATIVOS AO EXERCÍCIO DE 2014 (NÃO AUDITADOS)

COMUNICADO. - Informação Privilegiada - DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS RELATIVOS AO EXERCÍCIO DE 2014 (NÃO AUDITADOS) COMUNICADO - Informação Privilegiada - DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS RELATIVOS AO EXERCÍCIO DE 2014 (NÃO AUDITADOS) A "TEIXEIRA DUARTE, S.A." procede à publicação de informação sobre os resultados de 2014 através

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais