RELATÓRIOS E ANÁLISES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIOS E ANÁLISES"

Transcrição

1 RELATÓRIOS E ANÁLISES Relatório de Conjuntura n.º º Trimestre de 2012

2

3 Relatório de Conjuntura n.º 1.º Trimestre de 2012

4 Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) Ministério da Solidariedade e da Segurança Social (MSSS), 2012 Colecção Relatórios e Análises Coordenação de GEP Relatório de Conjuntura 1.º Trimestre de 2012 Periodicidade: trimestral ISSN: Coordenação Editorial, de Redacção e de Distribuição: Centro de Informação e Documentação (CID/GEP) Praça de Londres, 2, 2.º Lisboa Tel. (+351) Fax (+351) Página: Reservados todos os direitos para a língua portuguesa, de acordo com a legislação em vigor, por GEP Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) Rua Castilho, 24, 3.º, Lisboa Tel. (+351) Fax (+351) Lisboa, Julho de 2012.

5 ÍNDICE SÍNTESE 5 1. ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO Produto interno bruto Inflação MERCADO DE EMPREGO População ativa e inativa Taxa de atividade População ativa por sexo e grupo etário População inativa por sexo e grupo etário População empregada Taxa de Emprego População empregada por sexo e grupo etário Situação na profissão e tipo de contrato de trabalho Tipo e duração do trabalho Grau de instrução e nível de qualificação Setores de atividade População desempregada Taxa de desemprego População desempregada por sexo e grupo etário Grau de instrução Duração do desemprego Rácios do desemprego Desemprego registado e motivos de inscrição Ofertas e colocações Medidas ativas de política de emprego RELAÇÕES E CONDIÇÕES DE TRABALHO Retribuição mínima mensal garantida Trabalhadores abrangidos pela retribuição mínima mensal garantida Atualização das tabelas salariais dos trabalhadores da Administração Pública Custos do trabalho Dinâmica da negociação salarial Salários de base convencionais Ganhos médios efetivos.. 48 Artigo: As Contas Regionais Portuguesas de 1995 a SINOPSE DA LEGISLAÇÃO ANEXO... 61

6 ÍNDICE/QUADROS Quadro 1 Síntese de indicadores macroeconómicos Quadro 2 Evolução real do PIBpm e das componentes da despesa Quadro 3 Índices de preços no consumidor Quadro 4 Índice harmonizado de preços no consumidor Quadro 5 Síntese de indicadores do mercado de emprego Quadro 6 Síntese de indicadores do mercado de emprego, por regiões Quadro 7 Taxas de atividade, por grupos etários e sexo Quadro 8 Taxas de atividade, por regiões e sexo Quadro 9 População ativa, por grupos etários e sexo Quadro 10 Taxas de inatividade, por grupos etários e sexo Quadro 11 População inativa, por grupos etários e sexo Quadro 12 População inativa, por situação na inatividade Quadro 13 Taxas de emprego, por grupos etários e sexo Quadro 14 Taxas de emprego, por regiões e sexo Quadro 15 População empregada, por grupos etários e sexo Quadro 16 População empregada, por regime de duração de trabalho, situação na profissão, tipo de contrato e sexo Quadro 17 População empregada, por profissão Quadro 18 População empregada e taxa de emprego por grau de instrução Quadro 19 População empregada, por setores de atividade Quadro 20 População empregada, por setores de atividade e regiões Quadro 21 Taxas de desemprego, por grupos etários e sexo Quadro 22 Taxas de desemprego, por regiões e sexo Quadro 23 População desempregada, por grupos etários e sexo Quadro 24 População desempregada, por grau de instrução Quadro 25 População desempregada, por tipo de procura e duração do desemprego Quadro 26 Caraterização do desemprego de longa duração Quadro 27 Rácios do desemprego Quadro 28 Desemprego registado no final do período Quadro 29 Desemprego registado (novo emprego) no final do período por atividade económica Quadro 30 Desemprego registado (movimento ao longo) Quadro 31 Rácio das ofertas e colocações Quadro 32 Programas e medidas de emprego e de formação profissional (indivíduos abrangidos até ao final do trimestre Quadro 33 Caraterização da população abrangida em programas e medidas de emprego e de formação profissional Quadro 34 Dinâmica da atualização das tabelas de salários mínimos, fixados pelos IRCT publicados em cada um dos períodos, no total da atividade económica Quadro 35 Dinâmica da atualização das tabelas de salários mínimos publicadas, por trimestre e setor de atividade Quadro 36 Evolução dos ganhos médios efetivos na indústria e eletricidade, em relação ao período homólogo do ano anterior Quadro 37 Evolução do índice de produção industrial e da produtividade média do trabalho na indústria e eletricidade, em relação ao período homólogo do ano anterior Quadro 38 Evolução dos ganhos médios na construção, em relação ao período homólogo do ano anterior Quadro 39 Evolução dos ganhos médios no comércio, transportes e atividades imobiliárias, em relação ao período homólogo do ano anterior Quadro 40 Evolução dos ganhos médios no comércio a retalho, em relação ao período homólogo do ano anterior Quadro 41 Evolução do índice de custo do trabalho, por atividade económica (corrigidos dos dias úteis) em relação ao período homólogo do ano anterior Siglas

7 SÍNTESE EVOLUÇÃO DO MERCADO DE EMPREGO E DOS SALÁRIOS No 1.º trimestre de 2012, o nível de atividade económica em Portugal, medido pelo PIBpm em valores reais, diminuiu -2,2 % em termos homólogos (-2,9 % no trimestre transato). Por seu lado, na UE-27, o PIB real cresceu 0,1 %, no 1.º trimestre de 2012, desacelerando face ao trimestre anterior (0,8 %). Em simultâneo, o emprego, em Portugal, na ótica das Contas Nacionais, corrigido da sazonalidade, decresceu (-4,2 %) em termos homólogos, no 1.º trimestre de 2012, daí resultando uma subida de 2,1 % na produtividade média portuguesa do trabalho neste trimestre. A taxa de atividade dos 15 aos 64 anos (73,8 %) reduziu-se 0,5 p.p., em termos homólogos e subiu 0,1 p.p. em relação ao trimestre anterior. A taxa de emprego dos 20 aos 64 anos (67 %) também diminuiu (-2,5 p.p. do que no 1.º trimestre de 2011 e -0,7 p.p. do que no anterior), sendo a taxa feminina neste grupo etário de 63,4 % (-1,7 p.p. do que no trimestre homólogo). A taxa de emprego dos trabalhadores dos 55 aos 64 anos situou-se nos 46,9 % (- 2 p.p. abaixo do mesmo trimestre do ano anterior e 0,2 p.p. face ao anterior). Por seu turno, a taxa de desemprego dos 15 aos 74 anos (15,2 %) foi superior à do trimestre anterior (1 p.p.) e homólogo de 2011 (2,6 p.p.). O decréscimo do emprego total foi mais acentuado face a igual trimestre de 2011 (-4,2 % contra -1,5 % no trimestre anterior), sendo mais acentuado no emprego masculino (-5 %), nos jovens dos 15 aos 24 anos (15,3 %) - embora transversal a todos os grupos etários - nos trabalhadores por conta própria (-4,8 %) e nos trabalhadores por conta de outrem com contratos de trabalho não permanentes (-14,9 %). O emprego dos detentores de ensino superior e secundário e pós-secundário aumentou por referência a ambos os trimestres, com maior intensidade na variação homóloga (1,3 % e 7,5 %, respectivamente) e o dos de mais baixas habilitações baixou (-3,4 % do que no trimestre anterior e -9,8 % do que no 1.º trimestre de 2011). Quanto aos grandes sectores de atividade, apenas o sector primário apresentou um comportamento crescente em termos de população empregada face ao trimestre anterior (5,4 %). O número de desempregados foi de 819,3 mil pessoas (52,2 % homens), tendo aumentado face a ambos os trimestres, sobretudo em relação ao homólogo de 2011 (18,9 %), mais acentuadamente nos homens (20,7 %), na procura de novo emprego (19,4 %), nos jovens dos 20 aos 24 anos (27,2 %) e no desemprego de curta duração (24,6 %). Todos os níveis de escolaridade registaram acréscimos trimestrais e homólogos de desemprego, sendo mais intensos os dos detentores de nível secundário e pós-secundário (12,2 % e 43,5 %, respectivamente). Os salários de base convencionais registaram uma evolução média, no 1.º trimestre de 2012, de 1,6 %, acréscimo inferior ao do trimestre anterior (1,4 %), mas inferior ao do homólogo (2,4 %). Neste trimestre, os ganhos médios efetivos na Indústria e Eletricidade praticamente estabilizaram, acréscimo de 0,1 %, em valores nominais, verificando-se um decréscimo de -3,2 % no respectivo poder aquisitivo, dado o comportamento do índice de preços no consumidor. O desvio entre a evolução anualizada dos salários de base convencionais e a evolução dos ganhos médios efetivos nas Indústrias Transformadoras foi de -1,2 p.p. (-1,4 p.p. no trimestre transato). Na Construção, os ganhos médios nominais cresceram 1,4 % (0,2 % no trimestre anterior; 0,9 % no homólogo de 2011), revelando assim uma desaceleração evolutiva que se traduziu num decréscimo de 1,9 %, em termos reais. No sector dos Serviços, houve um acréscimo de 0,4 % nos ganhos médios nominais no 1.º trimestre de 2012, com os Transportes a registar o maior decréscimo (-4,2 %), seguida pelo subsector das Atividades Imobiliárias (-2 %), enquanto no Comércio por Grosso se registou também um decréscimo mais ligeiro (-0,4 %). Por seu lado, no Comércio a Retalho, a evolução dos ganhos médios nominais no 1.º trimestre de 2012 foi de 0,8 %, desacelerando face ao trimestre anterior (1,7 %) registando a mesma evolução nominal do homólogo do ano anterior, verificando-se uma evolução real negativa. Na ótica do empregador, por seu lado, a evolução dos custos horários do trabalho, no 1.º trimestre de 2012, nas seções B a N (Indústrias Extrativas, Transformadoras, Eletricidade, Gás, Vapor, Água Quente e Fria e Ar Frio, Captação, Tratamento e Distribuição de Água; Saneamento, Gestão de Resíduos e Despoluição, Construção, Comércio por Grosso e a Retalho, Reparação de Veículos Automóveis e Motociclos, Transportes e Armazenagem, Alojamento e Restauração e Atividades Financeiras e de Seguros), corrigidos dos dias úteis, foi de 1,5 %, em termos nominais. Esta evolução média situou-se abaixo da da UE-27 (1,7 %) e da da zona do euro (2 %). Relatório elaborado com base na informação 5 disponível até 14 de junho de

8

9 1. ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Produto interno bruto O nível da atividade económica em Portugal, quando medido pelo PIBpm 1 em valores reais, registou, no 1.º trimestre de 2012, um decréscimo de 2,2 % face ao trimestre homólogo de 2011 (decréscimo de 2,9 % no trimestre precedente). Em relação ao trimestre anterior, o PIBpm português recuou, em valores reais (decréscimo de 0,1 %). No conjunto da UE-27, o PIBpm real cresceu ligeiramente, 0,1 % no 1.º trimestre de 2012, após um acréscimo homólogo de 0,8 % no trimestre precedente. Em relação ao trimestre anterior, o PIBpm real da UE-27 estabilizou, contrariamente ao trimestre anterior (-0,3 %). Gráfico Evolução real do PIBpm, em valores homólogos, em Portugal e na UE % I IIIIIIV I IIIIIIV I IIIIIIV I IIIIIIV I IIIIIIV I IIIIIIV I IIIIIIV I IIIIIIV I IIIIIIV I IIIIIIV Dif. (UE-27/PT) Portugal UE-27 Fontes: INE, Contas Nacionais Trimestrais (Base 2006), 1.º trimestre de Eurostat. Associado ao comportamento do PIB no 1.º trimestre de 2012, o emprego total, na ótica das Contas Nacionais, decresceu 4,2 % em termos homólogos, remontando esta trajetória de decréscimos ininterruptos ao 3.º trimestre de 2008, daí resultando um acréscimo de 2,1 % na produtividade média do trabalho no 1.º trimestre (acréscimo de 0,1 % no trimestre anterior) (Quadro 1, em anexo). Por seu lado, a taxa de desemprego dos 15 aos 74 anos situou-se em 15,2 % no 1.º trimestre de 2012 (14,2% no trimestre transato) e 12,6 % no homólogo de 2011 (Quadro 5, em anexo). 1 O Instituto Nacional de Estatística divulgou uma nova série trimestral de Contas Nacionais Portuguesas, em que 2006 é o ano base. Paralelamente ao ajustamento das Contas Nacionais Trimestrais à Base 2006, foram também introduzidas outras alterações que levaram a que esta nova série trimestral tenha revisões para as taxas de variação do PIB de magnitude superior às habitualmente observadas no período temporal abrangido. Para uma explicação mais detalhada das alterações efetuadas, ver a Caixa de Notas Metodológicas do Destaque das Contas Nacionais Trimestrais do 1.º trimestre de 2010 e o Destaque das Contas Nacionais Anuais Base 2006, para os anos 1995 a 2007, divulgados em 9 de junho de

10 Gráfico Evolução real do PIB, do emprego e do PIB real/emprego, em Portugal 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 %-1,0-2,0-3,0-4,0-5,0 I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV Fonte: INE, Contas Nacionais Trimestrais (Base 2006),1.º trimestre de PIB Emprego PIB real/emprego A procura interna, em Portugal, registou de novo no 1.º trimestre de 2012, uma diminuição de 6,1 %, em termos homólogos, variação menos negativa do que a verificada no trimestre anterior (-9,5%). Esta evolução da procura interna esteve associada a reduções de todas as componentes, consumo público, investimento e consumo privado que registou uma diminuição de 5,6 %, em termos homólogos reais (- 6,6 % no 4.º trimestre). O investimento sofreu, de novo, uma redução no 1.º trimestre, passando de uma variação de -23,8% no 4.º trimestre para -12,8% no 1.º trimestre de A formação bruta de capital tem vindo a registar um comportamento negativo ininterrupto desde o 4.º trimestre de Por seu lado, no 1.º trimestre de 2012 face ao trimestre homólogo do ano anterior, as exportações de bens e serviços aceleraram relativamente ao trimestre anterior (7,9% contra 6,6 % no trimestre transato), registando um crescimento homólogo expressivo, enquanto as importações de bens e serviços decresceram 4 %, após o declínio mais forte (-12,8%) no trimestre precedente) (Quadro 2, em anexo). 8

11 Gráfico Taxa de variação real homóloga das componentes do PIB na ótica da despesa 10,0 5,0 0,0-5,0 %-10,0-15,0-20,0-25,0 I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV Consumo Famílias Residentes Consumo Admin. Pública FBC 16,0 12,0 8,0 4,0 0,0-4,0 % -8,0-12,0-16,0-20,0 I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV I II IIIIV Exportações Importações Fonte: INE, Contas Nacionais Trimestrais (Base 2006), 1.º trimestre de Na ótica da produção, observa-se que o VAB a preços de 2006 decresceu 1,9 %, em termos homólogos, no 1.º trimestre de 2012 (-2,5 % no trimestre anterior), apresentando comportamentos diferenciados a nível sectorial. O sector da Agricultura, silvicultura e pescas foi o único que evidenciou crescimento na variação homóloga (0,8%), no 1.º trimestre de 2012, em desaceleração face ao trimestre anterior (2,3%) e ao homólogo (2,6%). A Construção, ao invés, registou a maior queda (-10,5 %), ainda que menor do que no trimestre anterior (-12,7%) mas muito superior à do homólogo de 2011 (-3,1%), continuando, à semelhança do ocorrido em todos os trimestres desde o início de 2008, a ser o sector mais penalizado, seguido pela Energia, água e saneamento que apresentou uma quebra (-4,9%) superior quer à do trimestre anterior (-4,1%), quer à do homólogo (-0,1%). A Indústria e o Comércio e reparação de veículos, restaurantes e alojamento (ambos -1,8%) já registaram uma quebra inferior à do total das atividades e menos gravosa que no trimestre anterior (-2,6% e -3,6%, respetivamente), mas menos 9

12 favorável que no trimestre homólogo (2,3 % e -0,9 %). Por sua vez, as Outras atividades de serviços decresceram 1,4 %, no 1.º trimestre de 2012, após um decréscimo de 1,8 % no trimestre anterior e de 0,9 % no trimestre homólogo. Os Transportes; atividades de informação e comunicação (-0,8 %) registaram uma evolução menor que no trimestre anterior (-1,8 %), mas superior à do homólogo (-0,5 %), enquanto as Atividades financeiras e imobiliárias revelaram uma quebra ligeira (-0,1 %), após o ligeiro acréscimo (0,1 %) no 4.º trimestre de 2011 (1 % no 1.º trimestre de 2011). Quadro 1.1. Evolução real do VAB trimestral dos ramos de atividade Taxas de variação homóloga Ramos de Atividade I II III IV Ano I II III IV Ano I Agricultura, silvicultura e pescas -3,1-1,7-0,2 1,2-1,0 2,6 3,2 3,1 2,3 2,8 0,8 Energia, água e s aneamento 3,2 4,3 4,4 2,6 3,6-0,1-0,5-1,1-4,1-1,4-4,9 Indústria 3,7 2,9 0,9 1,4 2,2 2,3 1,7 0,7-2,6 0,5-1,8 Construção -5,7-4,5-3,3-3,8-4,3-3,1-9,6-11,7-12,7-9,2-10,5 Com. e rep. de veículos; rest. e aloj. 4,1 2,5 2,0 1,7 2,6-0,9 0,1-0,7-3,6-1,3-1,8 Transp; at. de inf. e comunicação 5,1 3,7 1,4 0,3 2,6-0,5-0,7-0,4-1,8-0,8-0,8 Ativ. financeiras e imobiliárias 2,4 1,8 3,0 1,1 2,0 1,0-0,2-0,7 0,1 0,1-0,1 Outras atividades de serviços (1) 0,8 1,0 0,8 0,0 0,6-0,9-1,8-1,7-1,8-1,6-1,4 VAB 2,0 1,6 1,3 0,6 1,4-0,2-0,9-1,4-2,5-1,2-1,9 Nota: (1) As Outras atividades de serviços incluem a Administração Pública, Educação e Saúde e Outros Serviços (Ramos 69 a 99 da Nomenclatura das Contas Nacionais). Fonte: INE, Contas Nacionais Trimestrais (Base 2006), 1.º trimestre de Inflação A taxa de inflação em Portugal, medida pela variação homóloga do índice harmonizado de preços no consumidor, foi de 3,4 % no 1.º trimestre de 2012, inferior à do trimestre anterior (3,8%), tendo sido mais elevada do que a observada na UE-27 (2,7%), que também registou uma descida relativamente ao trimestre transato (3,3%)(Gráfico ). 10

13 Gráfico Índice harmonizado de preços no consumidor (variação homóloga) 4,5 4,0 3,5 3,0 2,5 2,0 1,5 % 1,0 0,5 0,0-0,5-1,0-1,5 I IIIIIIV I IIIIIIV I IIIIIIV I IIIIIIV I IIIIIIV I IIIIIIV I IIIIIIV I IIIIIIV I IIIIIIV I IIIIIIV Portugal UE-27 Fonte: Eurostat. Na desagregação por bens e serviços do índice harmonizado de preços no consumidor em Portugal, verificou-se que os bens tiveram uma evolução homóloga de 4,5 % enquanto os serviços cresceram apenas 0,8 %. (Quadro 4, em anexo). Também o índice de preços no consumidor, em Portugal, registou, no 1.º trimestre de 2012, uma variação homóloga de 3,4 %, semelhante à da do índice harmonizado mas inferior à verificada no trimestre transato (3,9 %) (Quadro 3, em anexo). Por sua vez, o índice de preços implícito no PIB português apresentou um aumento homólogo de 0,4 % no 1.º trimestre de 2012 (Quadro 2, em anexo). 2. MERCADO DE EMPREGO Com a disponibilização dos dados referentes ao Inquérito ao Emprego do INE do 1.º trimestre de 2011, deu-se início a uma nova série de dados 2. Tal situação, de acordo com o INE, impossibilita comparações diretas com os dados anteriores configurando uma quebra de série. Neste quadro, a análise da evolução do mercado de trabalho no 1.º trimestre de 2012 consistirá, fundamentalmente, na comparação do 1.º trimestre de 2012 com os trimestres anterior e homólogo de As principais alterações introduzidas pelo novo modo de recolha da informação foram a realização de entrevistas através de um modo misto (presencial e telefone), alterações ao questionário, quer pela adoção integral das recomendações recentes do Eurostat, quer na construção de um questionário idêntico ao anterior, mas mais fluido e fácil de conduzir na inquirição telefónica e a adoção de novas tecnologias no processo de desenvolvimento (desdobramento de questões que permitem uma maior aferição das respostas) e supervisão do trabalho de campo. 11

14 A população ativa total com 15 e mais anos foi estimada em cerca de 5481,7 mil pessoas, no 1.º trimestre de 2012, a população empregada total (15 e mais anos) aproximou-se das 4662,5 mil pessoas e a população desempregada, com idades compreendidas entre os 15 e os 74 anos, das 819,3 mil pessoas, o que corresponde a uma diminuição do volume global da população ativa e empregada, em relação ao trimestre anterior (-0,5% e - 1,5 %, respetivamente) e ao homólogo de 2011 (-1,4% e -4,2%, respetivamente), e a um aumento da população desempregada, de 6,3 % por comparação com o trimestre anterior e de 18,9 % com o homólogo de A taxa de atividade total (15 e mais anos) baixou de 61,5 %, no trimestre homólogo, para 60,8 % no trimestre atual (66,9% para os homens e de 55,2 % para as mulheres) e a taxa de emprego (15 e mais anos) de 53,9 % para 51,7 % (57% para os homens e 51,7 % para as mulheres). Por sua vez, a taxa de desemprego entre os 15 e os 74 anos foi estimada em 15,2 %, sendo de 15,1 % para os homens e de 15,3 % para as mulheres. Em igual trimestre de 2011, a taxa de desemprego era de 12,6 % (Quadros 7, 8 e 21, em anexo). Gráfico 2.1. Taxas de atividade, de emprego e desemprego em Portugal, no 1.º trimestre de ,0 3,0 2,0 50,0 1,0 0,0 p.p. % 25,0-1,0-2,0,0-3,0 T H M T H M T H M Taxa de actividade Taxa de emprego Taxa de desemprego Variação em cadeia (Dtª.) Fonte: INE, Inquérito ao Emprego População ativa e inativa Taxa de atividade A taxa de atividade dos 15 aos 64 anos situou-se nos 73,8 % no 1.º trimestre de 2012, sendo a taxa feminina de 69,9 % e a masculina de 77,7 %. A diminuição verificada relativamente ao trimestre homólogo (-0,5 p.p.) foi sentida apenas pelos homens (-1 p.p.) cuja taxa, por referência ao 4.º trimestre de 2011 também baixou (-0,3 p.p.), enquanto a taxa de atividade das mulheres se manteve inalterada por referência ao primeiro período e evidenciou um ligeiro acréscimo, entre o 4.º trimestre de 2011 e o 1.º de 2012 (0,4 p.p.). A taxa de atividade masculina é superior à feminina em todos os grupos etários, sendo a 12

15 diferença entre ambas mais elevada no grupo etário dos 55 aos 64 anos (13,9 p.p.) e mais reduzida no dos 15 aos 24 anos (6,7 p.p.) (Quadro 7, em anexo). A taxa de atividade dos jovens (15 aos 24 anos) é a que apresenta os valores mais baixos (38,7% no 1.º trimestre de 2011 e 37,5 % no atual), sendo os mais elevados referentes ao grupo etário dos 25 aos 54 anos (88,5% no 1.º trimestre de 2011 e 88,4 % no atual). Em todos os grupos etários se observaram quebras da taxa de atividade, por comparação com o 1.º trimestre de 2011, e os jovens também decresceram em relação ao trimestre anterior (-1,4%). Gráfico Taxa de atividade (total, jovens e idosos) em Portugal, no 1º trimestre de 2012 % 100,0 75,0 50,0 25,0 3,0 2,0 1,0 0,0 p.p. -1,0-2,0 0,0 T H M T H M T H M T H M 15 a 24 anos 25 a 54 anos 55 a 64 anos 15 a 64 anos -3,0 Variação em cadeia (Dtª.) Fonte: INE, Inquérito ao Emprego. Todas as regiões sofreram diminuição da taxa de atividade (15 a 64 anos) comparativamente com o trimestre homólogo de 2011 e, por referência ao trimestre anterior, as regiões do Algarve e autónoma dos Açores também reduziram a taxa de atividade (-0,6 p.p. e -0,3 p.p., respetivamente). As regiões do Algarve (75,7 %), de Lisboa (74,6%), Alentejo (74,3%) e Centro (74,1%) são as que apresentam taxas de atividade (15 a 64 anos) mais elevadas e superiores à média nacional (73,8%), enquanto a região autónoma dos Açores é a que evidencia a taxa mais baixa (68%). Esta última região é também a que continua a apresentar um maior diferencial entre a taxa de atividade masculina e a feminina (19,4 p.p.) (Quadro 8, em anexo) População ativa por sexo e grupo etário A população ativa com 15 e mais anos, em Portugal, no 1.º trimestre de 2012, foi estimada em cerca de 5481,7 mil pessoas (2888,2 mil homens e 2593,5 mil mulheres), sendo inferior à dos trimestres homólogo (- 1,3) e anterior (-0,5%). O decréscimo trimestral esteve associado exclusivamente à redução da população masculina (a feminina registou um ligeiro acréscimo de 0,3 %) e aos grupos etários dos jovens (menos 13

16 14,7 mil pessoas) e dos 25 aos 54 anos (menos 21,1 mil pessoas), uma vez que os grupos etários dos 55 aos 64 anos e dos 65 e mais anos evidenciaram ligeiros acréscimos de 1,1 % e 1,3 %, respetivamente. Em relação a igual trimestre de 2011, ambos os sexos e todos os grupos etários sofreram reduções que, em termos relativos, foram mais acentuadas na população ativa jovem (-4,2%). A única exceção foram as mulheres dos 65 a mais anos (2,8%)(Quadro 9, em anexo) População inativa por sexo e grupo etário No trimestre em análise, a taxa de inatividade 3 situou-se nos 26,2 % (-0,1 p.p. que no trimestre anterior e +0,5 p.p. que no homólogo), apresentando maior expressão para as mulheres (30,1%) do que para os homens (22,3%) e sendo mais significativa no grupo etário dos jovens (62,5%), embora também apresente um peso relevante entre os 55 e os 64 anos (46,8%). Este último grupo etário revela o diferencial entre géneros mais evidente (-15,1 p.p.), sendo que a taxa de inatividade das mulheres é mais expressiva do que a dos homens, em todos os grupos etários, ao inverso do verificado na taxa de atividade global (Quadro 10, em anexo). A população inativa (15-64 anos) apresentou um decréscimo face ao trimestre precedente (-0,7%) e uma subida relativa a igual período de 2011 (1,3%), sendo, no 1.º trimestre de 2012, de 1849,6 mil pessoas, das quais cerca de 780,6 mil homens e aproximadamente 1069,1 mil mulheres. A subida homóloga esteve associada a acréscimos nos grupos etários dos 55 aos 64 anos (3,5%) e dos jovens dos 15 aos 24 anos (0,5%), e o decréscimo trimestral deveu-se a reduções da população inativa dos 25 aos 54 anos e dos 55 aos 64 anos (-3,8% e -1,7%, respetivamente). Os homens e os jovens inativos evidenciaram acréscimos por referência aos trimestres anterior (1% e 2,6 %, respetivamente) e homólogo de 2011 (4,3% e 0,5 %). A população inativa que se encontrava a estudar no 1.º trimestre de 2012 (769,4 mil indivíduos) representou 55,3 % da população inativa entre os 15 e os 64 anos sendo, na sua grande maioria, constituída por jovens dos 15 aos 24 anos (86,7%) e mulheres (51,5%). A população inativa estudante decresceu face ao trimestre homólogo (-1,9%) e registou um aumento relativamente ao trimestre anterior (0,3%). Do total de inativos domésticos (21,8%, entre os 15 e os 64 anos), a esmagadora maioria são mulheres (98,5%) e têm idades entre os 25 e os 54 anos (54,2%). No 1.º trimestre de 2012, o seu volume foi praticamente idêntico ao de igual trimestre do ano anterior, tendo diminuído comparativamente com o do 4.º trimestre de 2011 (-2,6%). 3 (15-64 anos). 14

17 No que se refere à população inativa reformada do trabalho (com 15 a 64 anos), ou seja, antes da idade legal de reforma por velhice, o seu peso no total de inativos (também com 15 a 64 anos) foi de 22,9 %, dos quais 91,8 % com idades compreendidas entre os 55 e os 64 anos e sendo, maioritariamente, homens (55,1%). Por comparação com os trimestres anterior e homólogo de 2011, o número de pessoas inativas reformadas baixou 0,2 % e 4 %, respetivamente (Quadro 12, em anexo). Gráfico População inativa (15-64 anos) segundo a situação, em Portugal, no 1.º trimestre de 2012 Reformados; 22,9% Estudantes; 55,3% Domésticos; 21,8% Fonte: INE, Inquérito ao Emprego. Como referido anteriormente, o aumento da população inativa foi sentido, sobretudo, pelos homens e pela população jovem (15 a 24 anos), com reflexos na população estudante na variação trimestral (0,3 %). Os inativos domésticos e reformados decresceram 2,6 % e 0,2 %, respetivamente. Por referência a igual trimestre de 2011, a inatividade baixou nas situações de estudante e de reformado (-1,9% e -4%, respetivamente) e manteve-se na situação de domésticos. Os reformados foram os únicos dos três grupos de inatividade a conhecer descidas em todos os trimestres de 2011 e também no 1.º trimestre de De salientar que os jovens inativos na situação de estudantes evidenciaram acréscimos, face aos trimestres anterior (2,8%) e homólogo (0,7%) e também na situação de domésticos, por referência ao trimestre anterior (26,5%). Os inativos mais velhos (55 aos 64 anos) na situação de reformados diminuíram, por referência a ambos os trimestres e também na situação domésticos, face ao trimestre anterior. Nesta última situação de inatividade observou-se um acréscimo homólogo de 5,1 % (mais 6,4 mil pessoas inativas). 15

18 2.2. População empregada Taxa de emprego A taxa de emprego dos 15 aos 64 anos situou-se nos 62,2 % no 1.º trimestre de 2012 (-2,4 p.p. face ao trimestre homólogo e -0,7 p.p. face ao anterior), sendo de 59 % para as mulheres e de 65,5 % para os homens. O decréscimo da taxa de emprego foi comum a ambos os sexos, por comparação com os trimestres anterior e homólogo, sendo mais intenso na taxa dos homens (-1,1 p.p. e -3,2 p.p., respetivamente). A discrepância entre ambas as taxas manteve-se, com diminuição do respetivo diferencial, que passou de 8,1 p.p., no 1.º trimestre de 2011, para 7,1 p.p. no 4.º trimestre, sendo de 6,5 p.p. no trimestre atual, continuando a taxa de emprego dos homens a ser mais elevada do que a das mulheres. A taxa de emprego entre os 20 e os 64 anos 4 (67%) também foi inferior à registada nos trimestres anterior (-0,7 p.p.) e homólogo de 2011 (-2,5%), sendo de 70,6 % para os homens e de 63,4 % para as mulheres. Ambos os sexos sofreram redução, sendo a da taxa de emprego dos homens mais acentuada, quer na variação homóloga (-3,4 p.p. contra -1,7 p.p. nas mulheres), quer na variação trimestral (-1,1 p.p. contra -0,3 p.p. na taxa das mulheres). No grupo etário dos 55 aos 64 anos a taxa de emprego foi estimada em 46,9 %, valor que correspondeu a um decréscimo homólogo de 2 p.p. e a um acréscimo de 0,2 p.p. face ao trimestre anterior. Neste grupo etário, bem como nos restantes, a taxa de emprego, continuou a ser mais elevada nos homens do que nas mulheres (52,6% e 41,8 %, respetivamente). Nos jovens dos 15 aos 24 anos a taxa de emprego foi de 24 %, sendo as jovens que registam a taxa de emprego mais baixa (22,3%, contra 25,6 % da taxa masculina). De salientar que, entre os 20 e os 24 anos, a taxa de emprego (40,8%) decresceu, respetivamente, 2 p.p. e 6,5 p.p., face aos trimestres anterior e homólogo de Um dos indicadores utilizados para acompanhar a Estratégia Europa

19 Gráfico Taxa de emprego (20-64 anos, jovens e idosos) em Portugal, no 1º trimestre de ,0 2,0 1,0 50,0 0,0 % -1,0 p.p. 25,0-2,0 0,0 T H M T H M T H M 20 a 64 anos 15 a 24 anos 55 a 64 anos -3,0-4,0 Variação em cadeia (Dtª.) Fonte: INE, Inquérito ao Emprego. As taxas de emprego observadas nas diferentes regiões, para o grupo etário dos 20 aos 64 anos, mostram que apenas na região do Centro (69,7%) se registou uma taxa de emprego superior à taxa nacional (67%). Nas restantes regiões, as taxas de emprego oscilaram entre os 66,7 % no Alentejo e os 63,8 % na região autónoma dos Açores, que deteve a taxa de emprego mais baixa do país. Por referência ao trimestre homólogo, a quebra da taxa de emprego ocorreu em todas as regiões, com valores que variaram entre os - 2,3 p.p. na região do Norte e os -4,3 p.p. na região autónoma dos Açores. Relativamente ao último trimestre de 2011, as descidas da taxa de emprego foram menos acentuadas em todas as regiões, com ligeiros acréscimos nas regiões do Centro (1 p.p.) e autónoma dos Açores (0,7 p.p.) (Quadro 14, em anexo). Em todas as regiões, a taxa de emprego masculina foi superior à feminina, sendo na região autónoma dos Açores e na região do Norte, onde se verificaram as maiores disparidades entre as duas taxas (15,3 p.p. e 10 p.p., respetivamente) e as menores diferenças foram observadas em Lisboa, no Algarve e na Madeira (2,4 p.p. 4,2 p.p. e 4,9 p.p., respetivamente) População empregada por sexo e grupo etário A população empregada 5 foi estimada em 4662,5 mil indivíduos no 1.º trimestre de 2012, registando um decréscimo homólogo de 4,2 % (menos 203,5 mil pessoas) e trimestral de 1,5 % (menos 72,9 mil pessoas). A observação das variações ao longo de 2011 e no 1.º trimestre de 2012 mostra que a quebra da população 5 Com 15 e mais anos. 17

20 empregada foi mais evidente entre o 3.º e o 4.º trimestre de 2011 (-2,4 %, ou seja, menos 118,3 mil indivíduos). O volume de emprego dos homens baixou 5 % no trimestre em análise por comparação com igual trimestre de 2011 (menos 130,6 mil pessoas) e o das mulheres 3,2 % (menos 72,9 mil pessoas). Idêntica situação foi observada em relação ao trimestre anterior, em que a redução das mulheres empregadas foi de 0,9 % (menos 18,9 mil pessoas) e a dos homens de 2,1 %(menos 54 mil pessoas). Todos os grupos etários conheceram diminuições do emprego, por comparação com o trimestre homólogo de 2011, que foram mais evidentes nos grupos mais jovens dos 25 aos 34 anos (-7,2%, o correspondente a menos 86,5 mil pessoas) e dos 15 aos 24 anos (-15,3%, o correspondente a menos 49,3 mil pessoas). Estes dois grupos etários representam conjuntamente cerca de 67% da diminuição da população empregada total, entre o 1º trimestre de 2011 e o 1º trimestre de Por referência ao trimestre anterior, o decréscimo da população empregada foi menos acentuado em todos os grupos etários e observou-se um ligeiro acréscimo nas idades compreendidas entre os dos 55 e os 64 anos e os 65 e mais (0,2% e 0,6 %, respetivamente). A população empregada (no 1.º trimestre do ano) encontra-se maioritariamente representada nas idades compreendidas entre os 25 e os 44 anos (51,6%), sendo a menor percentagem referente à população jovem (5,8% para os que têm entre os 15 e os 24 anos e 5,2 % se considerarmos apenas os jovens entre os 20 e os 24 anos). A proporção da população empregada masculina, tal como no emprego total, é preponderante em todos os grupos etários (Quadro 15, em anexo e gráfico ). Gráfico População empregada (por grupos etários e sexos), em Portugal, no 1º trimestre de 2012 Milhares 1500,0 1250,0 1000,0 750,0 500,0 2,0 0,0-2,0-4,0 % 250,0-6,0,0 T H M T H M T H M T H M T H M 15 a 24 anos 25 a 34 anos 35 a 44 anos 45 a 54 anos 55 a 64 anos -8,0 Variação em cadeia (Dtª.) Fonte: INE, Inquérito ao Emprego. 18

21 Situação na profissão e tipo de contrato de trabalho Tendo em consideração a situação na profissão, a população empregada por conta de outrem (TCO) era de 3662,2 mil pessoas, representando 78,5 % da população empregada total (no trimestre homólogo esta proporção era de 78,4 %). O número de TCO conheceu uma quebra de 4 % (menos 152,1 mil pessoas) face ao trimestre homólogo e de 2,2 % (menos 82,9 mil pessoas) relativamente ao trimestre precedente. Do total de trabalhadores por conta de outrem, diminuíram sobretudo os que tinham um contrato não permanente (menos 106,5 mil pessoas, entre o 1.º trimestre de 2011 e o mesmo trimestre de 2012). Os trabalhadores por conta própria (TCP) conheceram uma quebra homóloga de 4,8 % (menos 49,1 mil pessoas), a qual foi de 5,6 % nos TCP com pessoal ao serviço (menos 14 mil pessoas) e de 4,6 % para os TPC sem pessoal ao serviço (menos 35,1 mil pessoas). No total da população empregada, 5,1 % eram TPC com pessoal ao serviço, 15,7 % eram TPC sem pessoal ao serviço e os trabalhadores familiares não remunerados e outros estimou-se que representavam apenas cerca de 0,7 %. Gráfico População empregada segundo a situação na profissão e tipo de contrato de trabalho, em Portugal, no 1º trimestre de , , ,0 Milhares ,0-4,0 % , ,0 TCP Sem pessoal Com pessoal TCO Permanente Não permanente -10,0 Variação em cadeia (Dtª.) Fonte: INE, Inquérito ao Emprego. A percentagem de homens foi superior à das mulheres nos trabalhadores por conta própria no 1.º trimestre de 2012 (63,6% e 36,4 %), sendo idêntica a repartição percentual entre ambos os sexos, nos trabalhadores por conta de outrem. 19

22 Tipo e duração do trabalho No trimestre em apreciação, 85,7 % do total da população empregada trabalhava a tempo completo e 14,3 % a tempo parcial. A diminuição do volume de emprego foi visível no trabalho a tempo completo, mais acentuadamente na variação homóloga (-4,9%), equivalendo a menos 204,4 mil pessoas, enquanto o número de pessoas a trabalhar a tempo parcial aumentou, sobretudo, por comparação com o trimestre anterior (5,7%, o correspondente a mais 35,8 mil pessoas). Continua a constatar-se que na população empregada a tempo completo a maioria são homens (54,2%) e na população empregada a tempo parcial a maior parte dos trabalhadores são mulheres (55,8%). O peso relativo do emprego a tempo parcial no emprego total era de 10,6 % do emprego masculino e 17,3 % do feminino, no 1.º trimestre de 2011, tendo estas percentagens subido para 12 % e 16,9 %, respetivamente no trimestre atual (Quadro 16, em anexo). Gráfico População empregada por tipo de horário de trabalho, em Portugal, no 1.º trimestre de 2012 Milhares 5000,0 8,0 4000,0 6,0 3000,0 4,0 2,0 % 2000,0 0,0 1000,0-2,0,0-4,0 T H M T H M Tempo completo Tempo parcial Variação em cadeia (Dtª.) Fonte: INE, Inquérito ao Emprego Grau de instrução e nível de qualificação A observação da população empregada, entre os 20 e os 64 anos, por níveis de escolaridade mostra que o maior decréscimo no 1.º trimestre de 2012 (-9,8% em relação ao trimestre homólogo) ocorreu no nível até ao 3.º ciclo do ensino básico (menos 270,4 mil pessoas). A população empregada com níveis de escolaridade correspondentes ao ensino secundário e pós-secundário e ao ensino superior aumentou 7,5 % (mais 67,8 mil pessoas) e 1,3 % (mais 11,8 mil pessoas), respetivamente. Estes níveis de escolaridade correspondem, no trimestre em análise, a 56,8 %, 22,4 % e 20,8 %, respetivamente, da população empregada dos 20 aos 64 anos. 20

23 Gráfico População empregada (20 a 64 anos) por grau de instrução, em Portugal, no 1º trimestre de ,0 2,0 1, ,0-1,0 % -2, ,0-4,0-5,0-6,0 T H M T H M T H M Milhares Básico Secundário Superior Fonte: INE, Inquérito ao Emprego. Variação em cadeia (Dtª.) A análise da taxa de emprego, segundo o nível de habilitação 6, permite aferir que a taxa nos detentores do ensino superior (78,9%) é mais elevada do que a da população total (20 aos 64 anos) (67%). Esta preponderância também foi observada na taxa de emprego dos detentores do ensino secundário e póssecundário (67,5%), ao inverso do ocorrido no nível de habilitação igual ou inferior ao 3.º ciclo do ensino básico, cuja taxa de emprego (63,3%) foi mais baixa do que qualquer uma das anteriores. No 1.º trimestre de 2012, as taxas de emprego diminuíram em todos os níveis de habilitação, excetuando no superior onde a taxa subiu (0,2 p.p.), por referência ao trimestre anterior (Quadro 18, em anexo). De acordo com o observado anteriormente, a maioria da população empregada detém um nível de escolaridade até ao 9.º ano de escolaridade (56,8% no trimestre em análise). Recorrendo à tipologia de classificação das profissões agrupadas por níveis de qualificação 7 (ver Quadro ), observa-se que 24,6 % dos empregados têm profissões não manuais qualificadas, 33,4 % desempenham profissões manuais qualificadas e apenas 11,7 % exercem profissões elementares. Seguindo este critério de análise constata-se que, apesar da percentagem da população empregada com ensino superior ser apenas de 20,8 %, a percentagem de empregados que exerce profissões não manuais altamente qualificadas é superior a este valor (30,4%). De referir, que esta última percentagem foi a única a apresentar crescimento, em relação a igual trimestre de 2011 (28,8%). 6 A taxa de emprego segundo as habilitações é o rácio entre a população empregada com 20 a 64 anos em cada nível de escolaridade completo sobre o total da população para o mesmo nível etário e o mesmo nível de escolaridade. Considera-se apenas a população com 20 a 64 anos por se considerar que é neste grupo etário que os níveis de escolaridade se encontram mais estabilizados. 7 Baseada na metodologia utilizada pelo CEDEFOP, que agrupa as profissões segundo níveis de qualificação. 21

24 Quadro População empregada segundo as profissões, em Portugal Classificação CEDEFOP Classificação Portuguesa das Profissões Milhares % 1.º T/ º T/ º T/ º T/2012 Profissões não manuais altamente qualificadas Profissões não manuais qualificadas Profissões manuais qualificadas Profissões Elementares 1 Representantes do Poder Legislativo e de Órgãos Executivos, Dirigentes, Directores e Gestores Executivos 299,6 293,1 6,2% 6,3% 2 Especialistas das Actividades Intelectuais e Científicas 691,2 680,3 14,3% 14,7% Técnicos e Profissões das Ciências e Engenharia, de Nível 3 402,1 432,8 8,3% 9,3% Intermédio Total 1392,9 1406,2 28,8% 30,4% 4 Pessoal Administrativo 422,2 388,4 8,7% 8,4% Trabalhadores dos Serviços Pessoais, de Protecção e 5 Segurança e Vendedores 803,4 748,4 16,6% 16,2% Total 1225,6 1136,8 25,3% 24,6% Agricultores e Trabalhadores Qualificados da Agricultura, 6 da Pesca e da Floresta 468,9 459,1 9,7% 9,9% Trabalhadores Qualificados da Indústria, Construção e 7 Artífices 783,9 714,1 16,2% 15,4% Operadores de Instalações e Máquinas e Trabalhadores 8 da Montagem 401,5 372,9 8,3% 8,1% Total 1654,3 1546,1 34,2% 33,4% 9 Trabalhadores Não Qualificados/Profissões Elementares 567,3 540,9 11,7% 11,7% Total 4840,1 4630,0 100,0% 100,0% Nota: De acordo com a tipologia utilizada pelo CEDEFOP, SKILLS, As Forças Armadas não foram incluídas. Fonte: INE, Inquérito ao Emprego Sectores de atividade O sector terciário concentra a maioria da população empregada (63,1%), seguido pelos sectores secundário (26,7%) e primário (10,2%). Nestes dois últimos sectores é a população masculina que detém maior peso relativo de emprego (72,2% e 61,4 %, respetivamente), enquanto no sector terciário é a população feminina empregada a deter maior proporção (56,8%)(Quadro 19, em anexo). No 1.º trimestre de 2012, ocorreram quebras homólogas da população empregada nos três grandes sectores de atividade: menos 10,3 mil indivíduos na agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca menos 91 mil na indústria, construção, energia e água e menos 102,1 mil nos serviços. As quebras no sector da construção ascenderam a 59,4 mil indivíduos. No sector dos serviços releva-se a diminuição da população empregada no comércio por grosso e a retalho (menos 33,9 mil pessoas), do alojamento, restauração e similares (menos 33 mil pessoas) e da educação (com menos 22,8 mil pessoas). Em comparação com o trimestre anterior, apenas se registaram aumentos de emprego no sector primário (mais 24,6 mil pessoas). 22

25 Gráfico População empregada por sectores de atividade, em Portugal, no 1º trimestre de 2012 Milhares T H M T H M T H M Primário Secundário Terciário 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0-1,0-2,0-3,0-4,0 % Variação em cadeia (Dtª.) Fonte: INE, Inquérito ao Emprego. A diminuição homóloga do volume de emprego verificada nos três grandes sectores de atividade refletiu comportamentos diferenciados de região para região. Assim, observaram-se acréscimos no sector terciário na região do Centro (1 p.p.) e no sector primário no Alentejo e nas regiões autónomas dos Açores (11,7 p.p.) e da Madeira (4,2 p.p.). Os decréscimos homólogos mais acentuados verificaram-se no sector secundário nas regiões do Centro (-13,7 p.p.), do Alentejo (-13 p.p.) e autónomas dos Açores (-23,4 p.p.) e da Madeira (-12,9 p.p.). O quadro faz o resumo das variações ocorridas face ao trimestre anterior, por região e sector de atividade. Mostra que a descida da população empregada nos sectores secundário e terciário, teve reflexos em todas as regiões, com exceção das de Lisboa (1,7 p.p.) e do Centro (3,7 p.p.) e a subida global no sector primário não se refletiu nas regiões de Lisboa (-3,4 p.p.) e do Algarve (-6,5 p.p.). Esta última região apresentou quebras trimestrais de emprego nos três sectores de atividade (Quadro 20, em anexo). 23

26 Quadro Variação (em cadeia) da população empregada por sectores de atividade e região, em Portugal, no 1º trimestre de 2012 Fonte: INE, Inquérito ao Emprego População desempregada Taxa de desemprego De acordo com os dados do Inquérito ao Emprego do INE, a taxa de desemprego (15 aos 74 anos), estimada para o 1.º trimestre de 2012, foi de 15,2 % (15,1% para os homens e 15,3 % para as mulheres), com acréscimos de 1 p.p. e de 2,6 p.p., face aos trimestres anterior e homólogo, respectivamente. Por referência ao primeiro período, foi mais intenso o acréscimo da taxa de desemprego das mulheres (1 p.p. contra 0,9 p.p.) e na variação homóloga a taxa masculina subiu 2,8 p.p. e a feminina 2,3 p.p.. A taxa de desemprego das mulheres manteve-se superior à taxa dos homens, com diminuição do diferencial (0,7 p.p. no 1.º trimestre de 2011 e 0,2 p.p. no atual). A taxa de desemprego dos jovens (15 aos 24 anos) assumiu o valor de 36,2 %, sendo de 35,8 % para a população masculina e de 36,6 % para a feminina. O seu valor no 1.º trimestre de 2012 foi superior ao do trimestre homólogo (8,4 p.p.) e ao do anterior (0,8 p.p.). Ambos os sexos foram abrangidos pelo acréscimo homólogo que foi mais intenso na taxa masculina (9,7 p.p.) do que na feminina (6,8 p.p.). Esta última taxa, baixou em relação ao 4.º trimestre de 2011 (-0,7 p.p.), enquanto a masculina subiu (2 p.p.). O desvio da taxa de desemprego dos jovens em relação à taxa total (15 aos 74 anos) era de 15,2 p.p. no 1.º trimestre de 2011, passando para 21,2 p.p. no trimestre em apreciação (Quadro 21, em anexo). 24

27 Gráfico Taxa de desemprego por grupos etários, em Portugal, no 1º trimestre de 2012 % 40,0 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 T H M T H M T H M T H M 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0-1,0-2,0 p.p. 15 a 24 anos 25 a 34 anos 35 a 54 anos 15 a 74 anos Variação em cadeia (Dtª.) Fonte: INE, Inquérito ao Emprego. Entre o 4.º trimestre de 2011 e o 1.º de 2012, as taxas de desemprego aumentaram em todas as regiões, excetuando nas regiões do Centro (-0,8 p.p.) e da autónoma dos Açores (-1,2 p.p.). Os acréscimos homólogos mais acentuados observaram-se na região autónoma dos Açores (4,5 p.p.) e nas regiões do Algarve (3,1 p.p.), Alentejo (3 p.p.) e Lisboa (2,9 p.p.), todos eles superiores ao acréscimo da taxa total (2,6 p.p.). No 1.º trimestre de 2012, todas as regiões registaram valores nas taxas de desemprego acima do da taxa nacional (15,2%), com exceção da região Centro onde a taxa foi inferior (12,2%). Nas restantes regiões os valores das taxas de desemprego variaram entre 14 %, na região autónoma dos Açores, e 20,3 % no Algarve, sendo esta última que manifestou a taxa de desemprego mais elevada do país (Quadro 22, em anexo) População desempregada por sexo e grupo etário Em conformidade com os resultados do Inquérito ao Emprego do INE, encontravam-se desempregadas no 1.º trimestre de 2012, em Portugal, cerca de 819,3 mil pessoas com idades entre os 15 e os 74 anos, das quais 52,2 % homens (427,3 mil) e 47,8 % mulheres (391,9 mil). O volume global do desemprego neste escalão etário aumentou 6,3 % face ao trimestre anterior (mais 48,3 mil pessoas) e 18,9 % em relação a igual período de 2011 (mais 130,4 mil pessoas). Ambos os sexos sofreram acréscimos relativos ao trimestre anterior e homólogo, sendo as mulheres mais penalizadas por referência ao primeiro período (7,3% contra 5,3 %) e os homens relativamente ao segundo (20,7% contra 17,1 %)(Quadro 23, em anexo). Em todos os grupos etários o número de desempregados aumentou no 1.º trimestre de 2012 sendo que, por referência ao trimestre homólogo de 2011, foram os jovens a evidenciar o maior acréscimo percentual (24,6%), o que corresponde a mais 30,5 mil pessoas. Neste, considerando os que tinham entre os 20 e os 25

28 24 anos, o acréscimo foi mais acentuado (27,2%), correspondendo a mais 25,1 mi jovens desempregados. Em valor absoluto, o grupo dos 35 aos 54 anos foi o que mais cresceu (57,2 mil pessoas). No que se refere à variação em cadeia, todos os grupos etários aumentaram o número de desempregados no 1.º trimestre de 2012, excetuando o dos jovens dos 15 aos 24 anos (-1,2%), tendo sido no grupo etário dos 35 aos 54 anos que o desemprego mais subiu (10,5%, o correspondente a mais 33,6 mil pessoas). Os homens sofreram acréscimos de desemprego mais acentuados do que as mulheres no 1.º trimestre, em todos os grupos etários, excetuando no dos 25 aos 34 anos por referência ao trimestre homólogo (13,3%, contra 16,9 %) e, nos grupos etários dos 35 aos 54 anos (6,9% contra 14,8 %) e dos 55 aos 64 anos (4,8% contra 13,9 %), por referência a igual trimestre de Gráfico População desempregada por grupos etários, em Portugal, no 1º trimestre de 2012 Milhares 250,0 200,0 150,0 100,0 50,0 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 % 0,0 T H M T H M T H M T H M T H M 15 a 24 anos 25 a 34 anos 35 a 44 anos 45 a 54 anos 55 a 64 anos -5,0 Variação em cadeia (Dtª.) Fonte: INE, Inquérito ao Emprego Grau de instrução A taxa de desemprego segundo o nível de escolaridade, no 1.º trimestre de 2012, registou valores de 16,9 % para os detentores do ensino secundário e pós-secundário, de 15,8 % para os que possuem o ensino básico e de 11,2 % para os do superior. Em igual trimestre de 2011, estes valores situaram-se, respetivamente, nos 13,2 %, 13,6 % e 8,5 %, verificando-se que até ao 3.º trimestre de 2011, a taxa mais elevada ocorreu no nível mais baixo de habilitação. A taxa de desemprego no ensino superior regista, um valor mais baixo do que os dos outros dois níveis de escolaridade. As subidas, trimestral e homóloga, do desemprego no trimestre em análise refletiram-se em todos os níveis de escolaridade, sendo no nível secundário e pós-secundário, onde a população desempregada mais 26

29 aumentou (12,2% e 43,5 %, respetivamente). A população desempregada detentora deste nível de habilitação passou de 140 mil pessoas no 1.º trimestre de 2011, para 179,1 mil pessoas no 4.º trimestre do mesmo ano, sendo de 200,9 mil no trimestre atual. Em relação ao desemprego total, a sua proporção aumentou de 20,3 % (no 1.º trimestre de 2011) para 24,5 % (no trimestre atual). Idêntica situação foi observada no nível superior, cujo peso no desemprego passou de 12,3 % no 1.º trimestre de 2011 (84,5 mil desempregados) para 14,1 % no atual (115,8 mil desempregados). A situação foi inversa no ensino básico, onde a respetiva proporção baixou de 67,4 % (464,4 mil desempregados) no trimestre homólogo, para 61,3 %(502,6 mil desempregados) no trimestre em apreciação. O peso da população feminina desempregada no 1.º trimestre aumentou com a subida do nível de habilitação, representando 42,4 %, 54,3 % e 60,2 %, respetivamente da população desempregada, nos níveis de escolaridade até ao ensino básico, no secundário e pós-secundário e no superior. Verificase, ainda, que o desemprego é maioritariamente masculino até ao 3.º ciclo do ensino básico, sendo as mulheres preponderantes nos níveis de habilitação subsequentes. Esta situação observa-se desde igual trimestre do ano anterior (Quadro 24, em anexo). Gráfico População desempregada segundo o grau de instrução, em Portugal, no 1º trimestre de 2012 Milhares 550,0 475,0 400,0 325,0 250,0 175,0 100,0 25,0-50,0 T H M T H M T H M 20,0 16,0 12,0 8,0 4,0 0,0-4,0 % Até ao ensino básico Secundário e póssecundário Superior Variação em cadeia (Dtª.) Fonte: INE, Inquérito ao Emprego Duração do desemprego Atendendo ao tempo de duração da procura de emprego, verifica-se que o comportamento ascendente do desemprego, no 1.º trimestre de 2012, em relação ao 1.º trimestre de 2011, esteve associado quer ao crescimento da população desempregada à procura de emprego há menos de um ano (24,5%) - 27

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

ESTATÍSTICAS. Os dados publicados nesta síntese referem-se ao Continente e aos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo.

ESTATÍSTICAS. Os dados publicados nesta síntese referem-se ao Continente e aos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo. Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho disponibiliza informação que permite conhecer o nível médio mensal da remuneração

Leia mais

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2010 16 de Fevereiro de 2011 A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2010 foi de 11,1%. Este

Leia mais

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 18 de Maio de 2010 A taxa de desemprego foi de 10,6% no 1º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2010 foi de 10,6%. Este valor

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

GANHOS MÉDIOS ABRIL 2013. Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho

GANHOS MÉDIOS ABRIL 2013. Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho GANHOS MÉDIOS ABRIL 2013 Fonte: Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho Abril 2013 Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho/GEE do MEE- Gabinete de Estratégia

Leia mais

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9%

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9% Estatísticas do Emprego 3º trimestre de 2007 16 de Novembro de 2007 A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9 A taxa de desemprego estimada para o 3º trimestre de 2007 foi de 7,9. Este valor

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012 Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 212 Divulgação dos Quadros do Setor das empresas não financeiras da Central de Balanços dados de 211 O Banco de Portugal divulga hoje no BPStat Estatísticas

Leia mais

Quadros de Pessoal 3,1% Empresas, Estabelecimentos e Pessoas ao Serviço. Q uadro 1 Empresas, estabelecimentos, pessoas ao serviço.

Quadros de Pessoal 3,1% Empresas, Estabelecimentos e Pessoas ao Serviço. Q uadro 1 Empresas, estabelecimentos, pessoas ao serviço. ESTATÍSTICAS e m SÍNTESE Quadros de Pessoal O Relatório Único referente à informação sobre a atividade social da empresa, constitui uma obrigação anual, a cargo dos empregadores, com conteúdo e prazo de

Leia mais

BREVE NOTA DE APRESENTAÇÃO

BREVE NOTA DE APRESENTAÇÃO BREVE NOTA DE APRESENTAÇÃO As entidades empregadoras que pretendam promover despedimentos coletivos, conforme estipulado no número 5 do artigo 360º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei nº 7/2009 de

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro.

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro. Julho 2012 Jun-02 Jun-03 Jun-04 Jun-05 Jun-06 Jun-07 Jun-08 Jun-09 Jun-10 Jun-11 Jun-12 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia

Leia mais

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014 08 de setembro de 2014 Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014 Diminuição homóloga do Índice de Volume de Negócios na Indústria Em termos nominais,

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

Utilização da Internet cresce quase 20 por cento nos últimos dois anos nas famílias portuguesas

Utilização da Internet cresce quase 20 por cento nos últimos dois anos nas famílias portuguesas Utilização da cresce quase 20 por cento nos últimos dois anos nas famílias portuguesas Mais de metade das famílias portuguesas ainda não dispõe de computador mas o parque informático dos agregados familiares

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente

Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente 26 de junho de 2014 Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação Maio de 2014 Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente O valor médio de avaliação bancária 1 do total do País foi de 995 euros/m

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

COLECÇÃO ESTATÍSTICAS

COLECÇÃO ESTATÍSTICAS MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E SEGURANÇA SOCIAL Gabinete de Estratégia e Planeamento COLECÇÃO ESTATÍSTICAS QUADROS DE PESSOAL 2010 Quadros de Pessoal 2010 QUADROS DE PESSOAL 2010 Gabinete de Estratégia

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice Índice Desemprego Registado de Estrangeiros por Continente de Origem e Principais Nacionalidades - Situação no fim do mês de Dezembro, de 2003 a 2009... 2 Desemprego Registado de Estrangeiros por Continente

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Taxa de desemprego estimada em 11,9%

Taxa de desemprego estimada em 11,9% 5 de agosto de 215 Estatísticas do Emprego 2º trimestre de 215 Taxa de desemprego estimada em 11,9% A taxa de desemprego no 2º trimestre de 215 foi de 11,9%. Este valor é inferior em 1,8 pontos percentuais

Leia mais

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2013 Direção Regional de Estatística da Madeira Uma porta aberta para um universo de informação estatística Catalogação Recomendada Sector Empresarial da

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Abril 2012 Indicador de Sentimento Económico Após uma melhoria em Janeiro e Fevereiro, o indicador de sentimento

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO S R REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO (RETRIBUIÇÃO MÍNIMA MENSAL GARANTIDA NA REGIÃO) Outubro de

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

Construção continua em queda

Construção continua em queda Construção: Obras licenciadas e concluídas 2º Trimestre de 2012 - Dados preliminares 13 de setembro de 2012 Construção continua em queda O licenciamento de obras acentuou a sua trajetória descendente,

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013 38% DAS PESSOAS COM IDADE ENTRE 16 E 74 ANOS CONTACTAM COM ORGANISMOS

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia Dia Mundial da População 11 julho de 15 1 de julho de 15 Envelhecimento da população residente em e na União Europeia Para assinalar o Dia Mundial da População (11 de julho), o Instituto Nacional de Estatística

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

Comunidade de Países de Língua Portuguesa: breve retrato estatístico

Comunidade de Países de Língua Portuguesa: breve retrato estatístico Estatísticas da CPLP 23-21 12 de julho de 213 Comunidade de Países de Língua Portuguesa: breve retrato estatístico A população residente no conjunto dos oito países 1 da Comunidade de Países de Língua

Leia mais

ESTUDO INFORMA D&B. Gestão e Liderança Feminina em Portugal 3ª Edição, Fevereiro 2013

ESTUDO INFORMA D&B. Gestão e Liderança Feminina em Portugal 3ª Edição, Fevereiro 2013 ESTUDO INFORMA D&B Gestão e Liderança Feminina em Portugal 3ª Edição, Fevereiro 2013 Portugal tem uma população activa de 5,5 milhões, dos quais 47% são mulheres. O objectivo deste estudo foi saber como

Leia mais

CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios)

CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios) 08 de novembro de 2011 Censos 2011 21 de março de 2011 CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios) Dada a importância que o tema reveste, no quadro da preparação dos resultados provisórios

Leia mais

"Retrato social" de Portugal na década de 90

Retrato social de Portugal na década de 90 "Retrato social" de Portugal na década de 9 Apresentam-se alguns tópicos da informação contida em cada um dos capítulos da publicação Portugal Social 1991-21, editada pelo INE em Setembro de 23. Capítulo

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

91% das empresas com 10 e mais pessoas ao serviço utilizam Internet de banda larga

91% das empresas com 10 e mais pessoas ao serviço utilizam Internet de banda larga 06 de novembro de 2012 Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2012 91% das empresas com 10 e mais pessoas ao serviço utilizam Internet

Leia mais

Mercado de Emprego - Tendências Lisboa, 25 Fevereiro 2010. Call for Action EMP, Atreva-se! Maria Cândida Soares. Gabinete de Estratégia e Planeamento

Mercado de Emprego - Tendências Lisboa, 25 Fevereiro 2010. Call for Action EMP, Atreva-se! Maria Cândida Soares. Gabinete de Estratégia e Planeamento Mercado de Emprego - Tendências Lisboa, 25 Fevereiro 2010 Call for Action EMP, Atreva-se! Maria Cândida Soares Gabinete de Estratégia e Planeamento PIB, emprego e produtividade 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0-2,0-4,0-6,0

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

Um retrato social de Portugal: uma leitura de evoluções ocorridas nos últimos anos

Um retrato social de Portugal: uma leitura de evoluções ocorridas nos últimos anos 27 de dezembro de 2012 Indicadores Sociais 2011 Um retrato social de Portugal: uma leitura de evoluções ocorridas nos últimos anos Em Portugal, existe cada vez maior esperança média de vida à nascença.

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Obras licenciadas e concluídas continuaram a diminuir

Obras licenciadas e concluídas continuaram a diminuir 14 de junho de 2013 Construção: Obras licenciadas e concluídas 1º Trimestre de 2013- Dados preliminares Obras licenciadas e concluídas continuaram a diminuir No 1º trimestre de 2013 foram licenciados 4,3

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro 13 de janeiro de 2015 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2014 A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro Em 2014, o Índice de

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Maio 2011 Indicador de Sentimento Económico Os indicadores de sentimento económico da União Europeia e da Área

Leia mais

Deslocações turísticas de residentes aumentaram

Deslocações turísticas de residentes aumentaram PROCURA TURÍSTICA DOS RESIDENTES 2º Trimestre 2013 31 de outubro de 2013 Deslocações turísticas de residentes aumentaram Entre abril e junho de 2013, os residentes em Portugal efetuaram 3,9 milhões de

Leia mais

Dr. Orlando Santos Monteiro Responsável do Inquérito ao Emprego E-mail : orlando.monteiro@ine.go.cv

Dr. Orlando Santos Monteiro Responsável do Inquérito ao Emprego E-mail : orlando.monteiro@ine.go.cv Instituto Nacional de Estatística Inquérito Multi-objectivo contínuo Estatísticas do emprego e do Mercado de trabalho Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Av. Cidade

Leia mais

ÍSTICAS LABORAIS TRABALHO E DA AÇÃO INSPETIVA ESTATÍSTICAS DO TRABALHO síntese de resultados

ÍSTICAS LABORAIS TRABALHO E DA AÇÃO INSPETIVA ESTATÍSTICAS DO TRABALHO síntese de resultados ÍSTICAS LABORAIS TRABALHO DA AÇÃO ISPTIVA STATÍSTICAS DO TRABALHO síntese de resultados R QUADROS D PSSOAL (Relatório Único Anexo A) A regulamentação do Código do Trabalho, aprovado pela Lei nº 7/29 de

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Análise de Conjuntura Novembro 2006 Associação Industrial Portuguesa Confederação Empresarial Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico de Outubro de 2006 apresenta uma melhoria

Leia mais

Observatório Nacional de Recursos Humanos

Observatório Nacional de Recursos Humanos RUBRICA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados nacionais agregados de 211 O Observatório Nacional de Recursos Humanos (ONRH) celebra este ano 1 anos de existência.

Leia mais

Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais de revitalização (2007-2013)

Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais de revitalização (2007-2013) Abril de 2014 Boletim n.º 15 DESTAQUE ESTATÍSTICO TRIMESTRAL 4º Trimestre de 2013 Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais

Leia mais

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno Atividade Turística Novembro de 2014 19 de janeiro de 2015 Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno As dormidas na hotelaria fixaram-se em

Leia mais

Dia Internacional da Erradicação da Pobreza

Dia Internacional da Erradicação da Pobreza Rendimento e Condições de Vida 2013 16 de outubro de 2014 Dia Internacional da Erradicação da Pobreza Por ocasião da comemoração do Dia Internacional da Erradicação da Pobreza (17 de outubro), o INE apresenta

Leia mais

Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram

Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram Estatísticas do Comércio 2013 26 de dezembro de 2014 Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram Em 2013 o setor do Comércio era constituído

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Número de Alunos Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Susana Justo, Diretora Geral da Qmetrics 1. Formação em ensino superior, graduada e pós graduada. Em Portugal continua

Leia mais

Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento

Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento 29 de setembro de 2014 INQUÉRITOS DE CONJUNTURA ÀS EMPRESAS E AOS CONSUMIDORES Setembro de 2014 Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2012

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2012 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2012 06 de novembro de 2012 60% das pessoas dos 16 aos 74 anos utilizam Internet

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 2 Fevereiro 2009

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 2 Fevereiro 2009 Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 2 Fevereiro 2009 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da Inovação GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal janeiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

PERFIL DOS ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ, NO 1º ANO NA ESEL ANO LETIVO 2013/2014

PERFIL DOS ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ, NO 1º ANO NA ESEL ANO LETIVO 2013/2014 PERFIL DOS ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ, NO 1º ANO NA ESEL ANO LETIVO 2013/2014 Realização: Ana Paula Fontinha Ana Cristina Santos Disponibilização de Dados Estatísticos: Bruno Ramos Coordenação:

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

A descriminação remuneratória da mulher em Portugal continua a ser muito grande nas empresas Pág. 1

A descriminação remuneratória da mulher em Portugal continua a ser muito grande nas empresas Pág. 1 A descriminação remuneratória da mulher em Portugal continua a ser muito grande nas empresas Pág. 1 RESUMO O Eurofound acabou de publicar um estudo, o qual mostra que, entre 28 países, Portugal é o país

Leia mais

Região Autónoma da Madeira

Região Autónoma da Madeira Região Autónoma da Madeira Área () km 2 801,0 Densidade populacional () Hab/Km 2 309,0 População residente (31.12.) Nº 247.568 População < 15 anos Nº 42.686 População > 65 anos Nº 32.188 Taxa conclusão

Leia mais

Estatísticas Vitais 2014

Estatísticas Vitais 2014 Estatísticas Vitais 214 3 de abril de 215 Manteve-se o saldo natural negativo e a diminuição do número de casamentos Em 214 registaram-se 82 367 nascimentos com vida de crianças cujas mães eram residentes

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal novembro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Obras licenciadas e concluídas acentuaram decréscimo em 2013

Obras licenciadas e concluídas acentuaram decréscimo em 2013 Estatísticas da Construção e Habitação 213 9 de julho de 214 Obras licenciadas e concluídas acentuaram decréscimo em 213 De acordo com as Estimativas do Parque Habitacional, em 213 existiam em Portugal

Leia mais

Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais de revitalização (2007-2014)

Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais de revitalização (2007-2014) 995 1.037 2.229 1.143 1.151 2.209 1.823 1.774 2.238 2.059 2.063 2.311 3.071 3.116 2.595 3.707 5.492 5.314 5.429 5.337 4.397 5.052 5.265 4.065 Julho de 2014 Boletim n.º 17 DESTAQUE ESTATÍSTICO TRIMESTRAL

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

O Setor da Construção em Portugal 2011

O Setor da Construção em Portugal 2011 O Setor da Construção em Portugal 2011 1º semestre FEVEREIRO 2012 Ficha Técnica Título: Relatório Semestral do Setor da Construção em Portugal 1º Sem. 2011 Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro

Leia mais

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015 Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Outubro de 2015 29 de janeiro de 2016 Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015 De acordo

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO

LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 Nº 09 Resultados de setembro de 2015 LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego no PED-DF, realizada pela

Leia mais

Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e. Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios

Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e. Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios Censos 2011 Resultados Preliminares 30 de Junho de 2011 Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios Cem dias após o momento censitário

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice Introdução Proveito Médio de Aposento Conceitos Anexos Proveitos

Leia mais

8 DE MAIO 2013. ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes

8 DE MAIO 2013. ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes 8 DE MAIO 2013 ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes a empresa activa mais antiga em Portugal nasceu em 1670? 2001 foi o ano em que nasceram mais empresas em Portugal? ontem quando

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal maio 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS 2. CÂMARA DE LOBOS MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte: www.geocities.com/heartland/plains/9462/map.html (adaptado) Localizada na vertente sul da

Leia mais

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos Atividade Turística Janeiro de 2014 19 de março de 2014 Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos A hotelaria registou 1,7 milhões de dormidas em janeiro de 2014, valor que corresponde

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

Procura Turística dos Residentes 4º Trimestre de 2014

Procura Turística dos Residentes 4º Trimestre de 2014 Procura Turística dos Residentes 4º Trimestre de 2014 30 de abril de 2015 Viagens turísticas dos residentes com ligeiro aumento No 4º trimestre de 2014 os residentes em Portugal realizaram cerca de 4,0

Leia mais

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Clara Synek * Resumo O aumento da incerteza relativo às perspectivas económicas, do mercado de trabalho,

Leia mais

setembro 2015 BARÓMETRO CENTRO DE PORTUGAL

setembro 2015 BARÓMETRO CENTRO DE PORTUGAL setembro 2015 Índice Apresentação Síntese Indicador global de avaliação Fichas de análise Crescimento e Competitividade Potencial Humano Qualidade de Vida Coesão Sustentabilidade Ambiental e Energética

Leia mais

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Dia Mundial da diabetes 14 de novembro 1983-2013 EMBARGO ATTÉ 13 DE NOVEMBRO DE 2014,, ÀS 11 HORAS Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Em 2013, as doenças endócrinas,

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

Docentes em queda acelerada

Docentes em queda acelerada OS NÚMEROS DA EDUCAÇÃO Número de Docentes no Sistema de Ensino. Olhando para o relatório A Educação em Números 2015, da Direção Geral de Estatísticas da Educação e da Ciência (DGEEC). De 2000/2001 a 2013/2014

Leia mais

Portugal e Espanha: Comparações no contexto europeu

Portugal e Espanha: Comparações no contexto europeu Portugal e Espanha: Comparações no contexto europeu A Península Ibérica em Números 2010 Os Institutos Nacionais de Estatística de Espanha e de Portugal publicam a 7ª edição de A Península Ibérica em Números/La

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Janeiro Dezembro 2013 1. Análise global Setor Elétrico e Eletrónico Confirma-se uma tendência decrescente na evolução do comércio externo

Leia mais