COLECÇÃO ESTATÍSTICAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COLECÇÃO ESTATÍSTICAS"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E SEGURANÇA SOCIAL Gabinete de Estratégia e Planeamento COLECÇÃO ESTATÍSTICAS QUADROS DE PESSOAL 2010 Quadros de Pessoal 2010

2

3 QUADROS DE PESSOAL 2010

4 Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) Ministério da Solidariedade e Segurança Social (MSSS), 2012 Colecção Estatísticas Quadros de Pessoal Coordenação de GEP Quadros de Pessoal 2010 Periodicidade: Anual ISBN: ISSN: Coordenação Editorial, de Redacção e de Distribuição: Centro de Informação e Documentação (CID/GEP) Praça de Londres, 2, 2.º Lisboa Tel.: (+351) Fax: (+351) Página: Reservados todos os direitos para a língua portuguesa, de acordo com a legislação em vigor, por GEP Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) Praça de Londres, 2, 5.º Lisboa Tel.: (+351) Fax: (+351) Lisboa, Junho de 2012

5 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA QUADROS DE APURAMENTOS ESTRUTURA EMPRESARIAL QUADRO 1 - Empresas, por actividade económica, segundo o escalão de dimensão da empresa QUADRO 2 - Distribuição percentual das empresas, por actividade económica, segundo o escalão de dimensão da empresa QUADRO 3 - Pessoas ao serviço nas empresas, por actividade económica, segundo o escalão de dimensão da empresa QUADRO 4 - Distribuição percentual das pessoas ao serviço nas empresas, por actividade económica, segundo o escalão de dimensão da empresa QUADRO 5 - Estabelecimentos, por actividade económica, segundo o escalão de dimensão do estabelecimento QUADRO 6 - Distribuição percentual dos estabelecimentos, por actividade económica, segundo o escalão de dimensão do estabelecimento QUADRO 7 - Pessoas ao serviço nos estabelecimentos, por actividade económica, segundo o escalão de dimensão do estabelecimento QUADRO 8 - Distribuição percentual das pessoas ao serviço nos estabelecimentos, por actividade económica, segundo o escalão de dimensão do estabelecimento QUADRO 9 - Empresas, por região (NUTS II) do Continente, segundo o escalão de dimensão da empresa QUADRO 10 - Distribuição percentual das empresas, por região (NUTS II) do Continente, segundo o escalão de dimensão da empresa QUADRO 11 - Estabelecimentos, por actividade económica, segundo a região (NUTS II) do Continente QUADRO 12 - Distribuição percentual dos estabelecimentos, por actividade económica, segundo a região (NUTS II) do Continente QUADRO 13 - Pessoas ao serviço nos estabelecimentos, por actividade económica, segundo a região (NUTS II) do Continente QUADRO 14 - Distribuição percentual das pessoas ao serviço nos estabelecimentos, por actividade económica, segundo a região (NUTS II) do Continente QUADRO 15 - Estabelecimentos, por actividade económica, segundo o distrito QUADRO 16 - Distribuição percentual dos estabelecimentos, por actividade económica, segundo o distrito QUADRO 17 - Empresas, por actividade económica (secção), segundo o escalão de volume de negócios QUADRO 18 - Distribuição percentual das empresas, por actividade económica (secção), segundo o escalão de volume de negócios QUADRO 19 - Empresas, por dimensão, segundo o escalão do volume de negócios QUADRO 20 - Distribuição percentual das empresas, por dimensão, segundo o escalão do volume de negócios QUADRO 21 - Empresas, por actividade económica (secção), segundo a natureza jurídica QUADRO 22 - Distribuição percentual das empresas, por atividade económica (secção), segundo a natureza jurídica QUADRO 23 - Empresas, por dimensão, segundo a natureza jurídica QUADRO 24 - Distribuição percentual das empresas, por dimensão, segundo a natureza jurídica QUADRO 25 - Empresas, por actividade económica (secção), segundo a composição do capital social QUADRO 26 - Empresas, por dimensão, segundo a composição do capital social QUADRO 27 - Empresas, por actividade económica, segundo o escalão de antiguidade QUADRO 28 - Empresas, por região (NUTS II), segundo o escalão de antiguidade QUADRO 29 - Empresas, por escalão de antiguidade, segundo o escalão de dimensão QUADRO 30 - Empresas recém constituídas (menos de 1 ano), por actividade económica (secção), segundo o escalão de dimensão da empresa EMPREGO QUADRO 31 - Pessoas ao serviço, por atividade económica, segundo a situação na profissão QUADRO 32 - Pessoas ao serviço, estrangeiros, por sexo, segundo a situação na profissão QUADRO 33 - Pessoas ao serviço, estrangeiros, por nacionalidade, segundo a situação na profissão QUADRO 34 - Distribuição percentual das pessoas ao serviço, estrangeiros, por nacionalidade, segundo a situação na profissão

6 QUADRO 35 - Pessoas ao serviço, por atividade económica, segundo a região (NUTS II) do continente QUADRO 36 - Trabalhadores por conta de outrem, por actividade económica, segundo o nível de habilitação QUADRO 37 - Empregadores, por grupo etário, segundo o nível de habilitação QUADRO 38 - Trabalhadores por conta de outrem, por região (NUTS II) do Continente, segundo o nível de habilitação QUADRO 39 - Trabalhadores por conta de outrem, por grupo etário, segundo o nível de habilitação QUADRO 40 - Trabalhadores por conta de outrem, por nível de qualificação, segundo o nível de habilitação (Total QUADRO 41 - Trabalhadores por conta de outrem, por nível de qualificação, segundo o nível de habilitação (Homens) QUADRO 42 - Trabalhadores por conta de outrem, por nível de qualificação, segundo o nível de habilitação (Mulheres) QUADRO 43 - Distribuição percentual dos trabalhadores por conta de outrem, por nível de qualificação, segundo o nível de habilitação (Total) QUADRO 44 - Distribuição percentual dos trabalhadores por conta de outrem, por nível de qualificação, segundo o nível de habilitação (Homens) QUADRO 45 - Distribuição percentual dos trabalhadores por conta de outrem, por nível de qualificação, segundo o nível de habilitação (Mulheres) QUADRO 46 - Trabalhadores por conta de outrem, por áreas de estudo, segundo o grau de ensino (póssecundário não superior nível IV e ensino superior) QUADRO 47 - Distribuição percentual dos trabalhadores por conta de outrem, por áreas de estudo, segundo o grau de ensino (pós-secundário não superior nível IV e ensino superior QUADRO 48 - Trabalhadores por conta de outrem, dos graus de ensino pós-secundário não superior nível IV e ensino superior, por áreas de estudo, segundo a região (NUTS II) do Continente QUADRO 49 - Trabalhadores por conta de outrem, estrangeiros, por sexo, segundo o nível de habilitação QUADRO 50 - Trabalhadores por conta de outrem, por actividade económica, segundo o escalão de antiguidade na empresa QUADRO 51 - Trabalhadores por conta de outrem, por nível de qualificação, segundo a região (NUTS II) do Continente QUADRO 52 - Trabalhadores por conta de outrem, por distrito, segundo o nível de qualificação QUADRO 53 - Trabalhadores por conta de outrem, por actividade económica, segundo o nível de qualificação (Total) QUADRO 54 - Distribuição percentual dos trabalhadores por conta de outrem, por actividade económica, segundo o nível de qualificação (Total) QUADRO 55 - Trabalhadores por conta de outrem, por actividade económica, segundo o nível de qualificação (Homens) QUADRO 56 - Distribuição percentual dos trabalhadores por conta de outrem, por actividade económica, segundo o nível de qualificação (Homens) QUADRO 57 - Trabalhadores por conta de outrem, por actividade económica, segundo o nível de qualificação (Mulheres) QUADRO 58 - Distribuição percentual dos trabalhadores por conta de outrem, por actividade económica, segundo o nível de qualificação (Mulheres) QUADRO 59 - Trabalhadores por conta de outrem, estrangeiros, por actividade económica (secção), segundo o nível de qualificação QUADRO 60 - Trabalhadores por conta de outrem, por atividade económica, segundo a região (NUTS II) QUADRO 61 - Trabalhadores por conta de outrem, por actividade económica, segundo o distrito QUADRO 62 - Trabalhadores por conta de outrem, por grande grupo de profissão, segundo a região (NUTS II) QUADRO 63 - Trabalhadores por conta de outrem, estrangeiros, por grande grupo de profissão, segundo a região (NUTS II) do Continente QUADRO 64 - Distribuição percentual dos trabalhadores por conta de outrem, por profissão, segundo o grupo etário QUADRO 65 - Distribuição percentual dos trabalhadores por conta de outrem, por profissão, segundo o nível de habilitação QUADRO 66 - Trabalhadores por conta de outrem, por região (NUTS II), segundo o tipo de contrato QUADRO 67 - Distribuição percentual dos trabalhadores por conta de outrem, por região (NUTS II), segundo o tipo de contrato QUADRO 68 - Trabalhadores por conta de outrem, por actividade económica, segundo o tipo de contrato (Total).. 74 QUADRO 69 - Trabalhadores por conta de outrem, por actividade económica, segundo o tipo de contrato (Homens) QUADRO 70 - Trabalhadores por conta de outrem, por actividade económica, segundo o tipo de contrato (Mulheres) QUADRO 71 - Trabalhadores por conta de outrem, por nível de qualificação, segundo o tipo de contrato (Total) QUADRO 72 - Trabalhadores por conta de outrem, por nível de qualificação, segundo o tipo de contrato (Homens) QUADRO 73 - Trabalhadores por conta de outrem, por nível de qualificação, segundo o tipo de contrato (Mulheres)

7 QUADRO 74 - Trabalhadores por conta de outrem, por grupo etário, segundo o tipo de contrato (Total) QUADRO 75 - Trabalhadores por conta de outrem, por grupo etário, segundo o tipo de contrato (Homens) QUADRO 76 - Trabalhadores por conta de outrem, por grupo etário, segundo o tipo de contrato (Mulheres) QUADRO 77 - Trabalhadores por conta de outrem, por actividade económica, segundo o regime de duração de trabalho (Total) QUADRO 78 - Trabalhadores por conta de outrem, por actividade económica, segundo o regime de duração de trabalho (Homens) QUADRO 79 - Trabalhadores por conta de outrem, por actividade económica, segundo o regime de duração de trabalho (Mulheres QUADRO 80 - Trabalhadores por conta de outrem, por nível de qualificação, segundo o regime de duração de trabalho (Total) QUADRO 81 - Trabalhadores por conta de outrem, por nível de qualificação, segundo o regime de duração de trabalho (Homens) QUADRO 82 - Trabalhadores por conta de outrem, por nível de qualificação, segundo o regime de duração de trabalho (Mulheres) QUADRO 83 - Trabalhadores por conta de outrem, por grupo etário, segundo o regime de duração de trabalho (Total) QUADRO 84 - Trabalhadores por conta de outrem, por grupo etário, segundo o regime de duração de trabalho (Homens) QUADRO 85 - Trabalhadores por conta de outrem, por grupo etário, segundo o regime de duração de trabalho (Mulheres) DURAÇÃO DO TRABALHO QUADRO 86 - Trabalhadores por conta de outrem, com regime de duração de trabalho a tempo completo, por actividade económica, segundo o escalão do período normal de trabalho (PNT) QUADRO 87 - Distribuição percentual dos trabalhadores por conta de outrem, com regime de duração de trabalho a tempo completo, por actividade económica, segundo o escalão do período normal de trabalho semanal (PNT) QUADRO 88 - Período normal de trabalho (PNT) médio dos trabalhadores por conta de outrem, com regime de duração de trabalho a tempo completo, por actividade económica, segundo o nível de qualificação QUADRO 89 - Trabalhadores por conta de outrem, com regime de duração de trabalho a tempo parcial, por actividade económica, segundo o escalão do período normal de trabalho semanal (PNT) QUADRO 90 - Distribuição percentual dos trabalhadores por conta de outrem, com regime de duração de trabalho a tempo parcial, por actividade económica, segundo o escalão do período normal de trabalho semanal (PNT) QUADRO 91 - Período normal de trabalho (PNT) médio dos trabalhadores por conta de outrem, com regime de duração de trabalho a tempo parcial, por actividade económica, segundo o nível de qualificação QUADRO 92 - Duração média semanal do trabalho efectuado no período normal, por actividade económica, segundo o regime de duração de trabalho e sexo QUADRO 93 - Duração média semanal do trabalho efectuado no período normal, por actividade económica, segundo o nível de qualificação QUADRO 94 - Duração média semanal do trabalho suplementar, por actividade económica, segundo o nível de qualificação QUADRO 95 - Duração média semanal do trabalho efectuado pelos TCO a tempo completo, no período total, por actividade económica, segundo o nível de qualificação REMUNERAÇÕES QUADRO 96 - Remunerações base médias, por actividade económica, segundo a dimensão da empresa QUADRO 97 - Ganho médio, por actividade económica, segundo a dimensão da empresa QUADRO 98 - Remunerações base médias, por actividade económica, segundo o nível de qualificação (Total) QUADRO 99 - Remunerações base médias, por actividade económica, segundo o nível de qualificação (Homens) QUADRO Remunerações base médias, por actividade económica, segundo o nível de qualificação (Mulheres) QUADRO Ganho médio, por actividade económica, segundo o nível de qualificação (Total) QUADRO Ganho médio, por actividade económica, segundo o nível de qualificação (Homens) QUADRO Ganho médio, por actividade económica, segundo o nível de qualificação (Mulheres) QUADRO Ganho médio, por actividade económica, segundo o escalão de antiguidade na empresa QUADRO Ganho médio, por actividade económica, segundo o nível de habilitação QUADRO Ganho médio dos trabalhadores por conta de outrem, com regime de duração de trabalho a tempo parcial, por actividade económica, segundo o nível de qualificação (Total) QUADRO Ganho médio dos trabalhadores por conta de outrem, com regime de duração de trabalho a tempo parcial, por actividade económica, segundo o nível de qualificação (Homens)

8 QUADRO Ganho médio dos trabalhadores por conta de outrem, com regime de duração de trabalho a tempo parcial, por actividade económica, segundo o nível de qualificação (Mulheres) QUADRO Ganho médio, por actividade económica, segundo a região (NUTS II) do Continente QUADRO Ganho médio, por actividade económica, segundo o distrito QUADRO Remunerações base médias, por profissão, segundo região (NUTS II) do Continente QUADRO Remunerações base médias, por profissão, segundo o distrito QUADRO Remunerações base médias e ganho médio, por profissão, segundo o sexo, QUADRO Remunerações base médias e ganho médio, por região (NUTS II) do Continente, segundo o sexo QUADRO Remunerações base médias e ganho médio dos trabalhadores por conta de outrem, estrangeiros, por profissão, segundo o sexo QUADRO Remunerações base médias e ganho médio dos trabalhadores por conta de outrem, estrangeiros, por nível de qualificação, segundo o sexo QUADRO Distribuição percentual dos trabalhadores por conta de outrem, por actividade económica, segundo as classes de remuneração base, QUADRO Distribuição percentual dos trabalhadores por conta de outrem, por actividade económica, segundo as classes de remuneração base QUADRO Distribuição percentual dos trabalhadores por conta de outrem, por classes de remuneração base, segundo região (NUTS II) do Continente QUADRO Remunerações base horárias médias, por actividade económica, segundo o nível de qualificação (Total) QUADRO Remunerações base horárias médias, por actividade económica, segundo o nível de qualificação (Homens) QUADRO Remunerações base horárias médias, por actividade económica, segundo o nível de qualificação (Mulheres) QUADRO Remunerações base horárias médias, por actividade económica (secção), segundo o regime de duração de trabalho e sexo QUADRO Remunerações base horárias médias, por nível de qualificação, segundo o regime de duração de trabalho e sexo QUADRO Remunerações base horárias médias, por profissão, segundo o regime de duração de trabalho e sexo QUADRO Remunerações base horárias médias e ganho horário médio, por nível de qualificação e sexo, segundo o tipo de contrato REGULAMENTAÇÃO COLECTIVA DE TRABALHO QUADRO Trabalhadores por conta de outrem abrangidos por AE, ACT, CCT, PRT/PCT e TCO não abrangidos, por região (NUTS II) do Continente QUADRO Trabalhadores por conta de outrem abrangidos por AE, ACT, CCT, PRT/PCT e TCO não abrangidos, por actividade económica QUADRO Remunerações base médias dos trabalhadores por conta de outrem abrangidos por AE, ACT, CCT, PRT/PCT e dos TCO não abrangidos, por região (NUTS II) do Continente QUADRO Ganho médio dos trabalhadores por conta de outrem abrangidos por AE, ACT, CCT, PRT/PCT e dos TCO não abrangidos, por região (NUTS II) do Continente QUADRO Remunerações base médias dos trabalhadores por conta de outrem abrangidos por AE, ACT, CCT, PRT/PCT e dos TCO não abrangidos, por actividade económica QUADRO Ganho médio dos trabalhadores por conta de outrem abrangidos por AE, ACT, CCT, PRT/PCT e dos TCO não abrangidos, por actividade económica QUADRO Instrumentos de Regulamentação Colectiva de Trabalho - Trabalhadores abrangidos, remunerações médias e duração semanal média de trabalho QUADRO Instrumentos de Regulamentação Colectiva de Trabalho - Trabalhadores abrangidos com PNT válido e PNT médio segundo o regime de duração do trabalho

9 SINAIS CONVENCIONAIS E SIGLAS SINAIS CONVENCIONAIS - Resultado nulo o x Valor inferior a metade da unidade utilizada Valor não disponível SIGLAS ACT AE Acordo Colectivo de Trabalho Acordo de Empresa CAE - Rev.3 Classificação Portuguesa das Actividades Económicas, Revisão 3 CCT CNAEF Contrato Colectivo de Trabalho Classificação Nacional das Áreas de Educação e Formação CPP-2010 Classificação Portuguesa das Profissões, 2010 IRCT NQ PNT PCT PRT TCO Instrumento de Regulamentação Colectiva de Trabalho Nível de Qualificação Período Normal de Trabalho Semanal Portaria de Condições do Trabalho Portaria de Regulamentação de Trabalho Trabalhadores por Conta de Outrem 7

10

11 NOTA INTRODUTÓRIA A regulamentação do Código do Trabalho criou uma obrigação única, a cargo dos empregadores, de prestação anual de informação sobre a atividade social da empresa, com conteúdo e prazo de apresentação regulados na Portaria nº 55/2010 de 21 de Janeiro. Assim, foi instituído o Relatório Único que é constituído por 6 anexos, correspondendo o Anexo A ao Quadro de Pessoal. A entrada em vigor do Relatório Único definiu que apenas devem responder ao mesmo as entidades empregadoras. No que respeita à abrangência de entrega, o Relatório Único definiu que apenas os empregadores abrangidos pelo Código do Trabalho e legislação específica dele decorrente estão obrigados a responder, estando deste modo excluídos os serviços e órgãos abrangidos pelo Regime do Contrato de Trabalho em Funções Públicas, uma vez que têm legislação especial, não sendo abrangidos pelo Código do Trabalho. A informação que se disponibiliza, resulta do apuramento estatístico dos dados do Quadro de Pessoal de 2010 (com referência ao mês de Outubro) e tem como âmbito geográfico o Continente. Apresenta valores sobre Estrutura Empresarial, Emprego, Duração do Trabalho, Remunerações e Regulamentação Coletiva de Trabalho, fazendo cruzamento com as variáveis caracterizadoras, quer dos trabalhadores por conta de outrem (sexo, idade, nível de qualificação, habilitação, profissão, antiguidade na empresa), quer das unidades declarantes (empresas e estabelecimentos) segundo a dimensão e a atividade económica. Os dados relativos às Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira podem ser obtidos junto dos Serviços Regionais detentores desta fonte estatística, em cada Região Autónoma. 9

12

13 ESTRUTURA EMPRESARIAL

14

15 EMPRESAS, POR ACTIVIDADE ECONÓMICA, SEGUNDO O ESCALÃO DE DIMENSÃO DA EMPRESA QUADRO 1 ACTIVIDADES (CAE - REV.3) ESCALÕES DE DIMENSÃO TOTAL e + Pessoas Pessoas Pessoas Pessoas Pessoas Pessoas Pessoas TOTAL A Agricultura, prod. animal, caça, florest. E pesca o 01/02 Agricultura,prod. animal, caça e act. dos serv. relac.; o Silvic. e exp. fl. 03 Pesca e aquicultura o 3 o - B Ind. Extractivas o o C Ind. Transformadoras /11/12 Ind. alimentares; Ind. das beb.; Ind. do tab /14/15 Fab. de têxteis; Ind. do vest.; Ind. do couro e dos prod. do couro 16 Ind. da madeira e da cortiça e suas obras, excep o 3 mob.; fab. de obras de cest. de esp 17/18 Fab. de pasta, de papel, cartão e seus art.; imp e repr. de sup. grav. 19/20 Fab.de coque, prod. petrolíferos refinados e de agl o de comb.; Fab. de prod. quím. e de fibras sint.ou art., excep. Prod. Farm. 21 Fab. de prod. farm. de base e de prep. farm o 22 Fab. de artigos de borracha e de mat. plásticas Fab. de outros prod. minerais não met /25 Ind. metalúrgicas de base; Fab. de prod. met., exc máq. e equip. 26/27/28 Fab. de equip. inf., equip. p. com. e prod. Elect. e ópt.; Fab. de equip. eléct.; Fab.de máq. e equip., n.e. 29/30 Fab. de veículos aut., reb., semi-reb. e comp. para veíc. aut.; Fab. de outro equip. de transp. 31 Fab. de mobiliário e de colchões o 3 32 Outras indústrias transformadoras Reparação, manut. e instalação de máq. e equip D Electricidade, gás, vapor, água quente e fria o o o e ar frio E Captação, tratamento e dist. de água; San., gestão de resíduos e despoluição F Construção /42 Promoção imobiliária (desenv. de proj. de edif.); const de edif.; Engenharia civil 43 Actividades espec. de construção G Comércio por grosso e a retalho; rep. de veíc Aut. e mot 45 Com., manut. e rep., de veíc. Aut. e mot Com por grosso (incl.agent.), exc. de veíc. Aut. e mot Com. a retalho, excep. de veíc. Aut. e mot H Transportes e armazenagem /50/51/52 Transp. terrestres e transp. por óleo, ou gás.; Transp. por água; Transp. aéreos; Armaz. e activ. aux. dos transp. (inclui manuseamento) 53 Actividades postais e de courier o 3 I Alojamento, restauração e similares J Actividades de inf. e de comunicação /59/60 Act. de edição; Act. cinemat., de vídeo, de prod de prog. de telev., de grav. de som e de ed. de mús.; Act. de rádio e de telev. 61 Telecomunicações o 5 62/63 Consultoria e prog. Inf. e activ. Rel.; Act. dos serv. Inf K Actividades financeiras e de seguros L Actividades imobiliárias o - M Actividades de consultoria, cient., téc. e sim N Actividades adm. e dos serv. de apoio O Adm. Pública e Defesa; Seg. Social Obrig o o o P Educação Q Actividades de saúde humana e apoio social Activ. de saúde humana /88Activ. de apoio social com aloj.; Activ. de ap. soc.s/ aloj R Actividades artísticas, de espect., desp. e rec o S Outras actividades de serviços U Activ. dos org. internac. e out. inst. extra-territ o o

16 DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DE EMPRESAS, POR ACTIVIDADE ECONÓMICA, SEGUNDO O ESCALÃO DE DIMENSÃO DA EMPRESA QUADRO 2 % ESCALÕES DE DIMENSÃO TOTAL e + Pessoas Pessoas Pessoas Pessoas Pessoas Pessoas Pessoas ACTIVIDADES (CAE - REV.3) TOTAL 100,0 66,0 18,4 13,2 1,4 0,7 0,2 0,1 A Agricultura, prod. animal, caça, florest. E pesca 100,0 77,7 13,8 7,9 0,4 0,1 0,1 o 01/02 Agricultura,prod. animal, caça e act. dos serv. relac.; 100,0 79,4 13,3 6,8 0,4 0,1 0,0 o Silvic. e exp. fl. 03 Pesca e aquicultura 100,0 53,0 22,1 24,3 o 0,4 o - B Ind. Extractivas 100,0 40,0 23,9 31,9 3,0 1,0 o 0,1 C Ind. Transformadoras 100,0 44,0 23,3 26,5 3,7 1,8 0,5 0,2 10/11/12 Ind. alimentares; Ind. das beb.; Ind. do tab. 100,0 41,2 27,4 26,3 2,8 1,7 0,4 0,2 13/14/15 Fab. de têxteis; Ind. do vest.; Ind. do couro e dos 100,0 34,3 20,9 35,5 5,9 2,7 0,5 0,2 prod. do couro 16 Ind. da madeira e da cortiça e suas obras, excep. 100,0 55,6 23,0 18,5 2,0 0,7 o 0,1 mob.; fab. de obras de cest. de esp 17/18 Fab. de pasta, de papel, cartão e seus art.; imp e 100,0 47,7 24,0 23,8 2,6 1,4 0,3 0,2 repr. de sup. grav. 19/20 Fab.de coque, prod. petrolíferos refinados e de agl. 100,0 36,6 19,8 32,5 5,9 4,0 0,8 0,4 de comb.; Fab. de prod. quím. e de fibras sint.ou art., excep. Prod. Farm. 21 Fab. de prod. farm. de base e de prep. farm. 100,0 15,8 21,8 28,7 10,9 17,8 4,0 1,0 22 Fab. de artigos de borracha e de mat. plásticas 100,0 27,0 20,8 39,7 6,7 4,5 0,9 0,4 23 Fab. de outros prod. minerais não met. 100,0 42,8 26,2 25,4 3,0 1,7 0,6 0,3 24/25 Ind. metalúrgicas de base; Fab. de prod. met., exc. 100,0 49,8 23,4 22,4 2,7 1,2 0,4 0,1 máq. e equip. 26/27/28 Fab. de equip. inf., equip. p. com. e prod. Elect. e 100,0 37,4 20,9 31,1 6,0 2,7 1,2 0,7 ópt.; Fab. de equip. eléct.; Fab.de máq. e equip., n.e. 29/30 Fab. de veículos aut., reb., semi-reb. e comp. para 100,0 31,1 21,2 27,9 7,8 6,6 4,0 1,4 veíc. aut.; Fab. de outro equip. de transp. 31 Fab. de mobiliário e de colchões 100,0 52,5 21,9 22,7 2,2 0,6 o 0,1 32 Outras indústrias transformadoras 100,0 57,3 21,7 17,6 2,0 1,1 0,3-33 Reparação, manut. e instalação de máq. e equip. 100,0 58,4 22,6 16,0 1,9 0,5 0,3 0,3 D Electricidade, gás, vapor, água quente e fria 100,0 50,6 18,7 22,9 4,8 o o o e ar frio E Captação, tratamento e dist. de água; San., 100,0 40,2 16,8 28,0 6,7 6,2 1,2 0,9 gestão de resíduos e despoluição F Construção 100,0 57,8 24,9 15,5 1,1 0,5 0,1 0,1 41/42 Promoção imobiliária (desenv. de proj. de edif.); const 100,0 53,4 27,2 17,3 1,3 0,6 0,1 0,1 de edif.; Engenharia civil 43 Actividades espec. de construção 100,0 64,2 21,6 13,1 0,7 0,3 0,1 0,0 G Comércio por grosso e a retalho; rep. de veíc 100,0 70,9 17,9 9,9 0,8 0,3 0,1 0,1 Aut. e mot 45 Com., manut. e rep., de veíc. Aut. e mot. 100,0 71,6 18,3 8,7 0,9 0,4 0,1 0,0 46 Com por grosso (incl.agent.), exc. de veíc. Aut. e mot. 100,0 60,6 21,4 16,2 1,2 0,5 0,1 0,0 47 Com. a retalho, excep. de veíc. Aut. e mot. 100,0 76,0 16,1 7,0 0,5 0,2 0,1 0,1 H Transportes e armazenagem 100,0 72,3 13,8 11,5 1,2 0,8 0,2 0,2 49/50/51/52 Transp. terrestres e transp. por óleo, ou gás.; 100,0 72,3 13,8 11,5 1,2 0,8 0,2 0,2 Transp. por água; Transp. aéreos; Armaz. e activ. aux. dos transp. (inclui manuseamento) 53 Actividades postais e de courier 100,0 68,2 19,0 10,4 - - o 1,8 I Alojamento, restauração e similares 100,0 71,1 18,6 9,3 0,6 0,2 0,1 0,1 J Actividades de inf. e de comunicação 100,0 61,4 18,5 15,4 2,3 1,5 0,5 0,4 58/59/60 Act. de edição; Act. cinemat., de vídeo, de prod. 100,0 64,5 18,4 13,6 1,8 1,0 0,4 0,3 de prog. de telev., de grav. de som e de ed. de mús.; Act. de rádio e de telev. 61 Telecomunicações 100,0 60,3 17,0 14,2 2,3 2,3 o 2,8 62/63 Consultoria e prog. Inf. e activ. Rel.; Act. dos serv. Inf. 100,0 59,6 18,6 16,6 2,7 1,7 0,5 0,3 K Actividades financeiras e de seguros 100,0 71,0 13,3 10,8 2,5 1,4 0,4 0,6 L Actividades imobiliárias 100,0 85,5 10,4 3,8 0,2 0,1 o - M Actividades de consultoria, cient., téc. e sim. 100,0 75,5 15,8 7,7 0,6 0,3 0,1 0,0 N Actividades adm. e dos serv. de apoio 100,0 62,6 16,6 14,7 2,5 1,9 0,7 1,0 O Adm. Pública e Defesa; Seg. Social Obrig. 100,0 37,6 14,2 44,6 2,9 0,3 0,2 0,2 P Educação 100,0 51,5 19,6 22,3 4,2 2,1 0,2 0,1 Q Actividades de saúde humana e apoio social 100,0 60,4 15,5 18,9 3,1 1,5 0,3 0,3 86 Activ. de saúde humana 100,0 78,4 13,6 6,5 0,5 0,5 0,2 0,3 87/88Activ. de apoio social com aloj.; Activ. de ap. soc.s/ aloj. 100,0 20,3 19,6 46,8 9,0 3,7 0,5 0,1 R Actividades artísticas, de espect., desp. e rec. 100,0 72,6 14,5 10,3 1,5 0,8 0,2 o S Outras actividades de serviços 100,0 79,7 11,9 7,3 0,7 0,3 0,1 0,0 U Activ. dos org. internac. e out. inst. extra-territ. 100,0 66,6 o o

17 PESSOAS AO SERVIÇO NAS EMPRESAS, POR ACTIVIDADE ECONÓMICA, SEGUNDO O ESCALÃO DE DIMENSÃO DA EMPRESA QUADRO 3 ACTIVIDADES (CAE - REV.3) ESCALÕES DE DIMENSÃO TOTAL e + Pessoas Pessoas Pessoas Pessoas Pessoas Pessoas Pessoas TOTAL A Agricultura, prod. animal, caça, florest. E pesca /02 Agricultura,prod. animal, caça e act. dos serv. relac.; Silvic. e exp. fl. 03 Pesca e aquicultura B Ind. Extractivas C Ind. Transformadoras /11/12 Ind. alimentares; Ind. das beb.; Ind. do tab /14/15 Fab. de têxteis; Ind. do vest.; Ind. do couro e dos prod. do couro 16 Ind. da madeira e da cortiça e suas obras, excep mob.; fab. de obras de cest. de esp 17/18 Fab. de pasta, de papel, cartão e seus art.; imp e repr. de sup. grav. 19/20 Fab.de coque, prod. petrolíferos refinados e de agl de comb.; Fab. de prod. quím. e de fibras sint.ou art., excep. Prod. Farm. 21 Fab. de prod. farm. de base e de prep. farm Fab. de artigos de borracha e de mat. plásticas Fab. de outros prod. minerais não met /25 Ind. metalúrgicas de base; Fab. de prod. met., exc máq. e equip. 26/27/28 Fab. de equip. inf., equip. p. com. e prod. Elect. e ópt.; Fab. de equip. eléct.; Fab.de máq. e equip., n.e. 29/30 Fab. de veículos aut., reb., semi-reb. e comp. para veíc. aut.; Fab. de outro equip. de transp. 31 Fab. de mobiliário e de colchões Outras indústrias transformadoras Reparação, manut. e instalação de máq. e equip D Electricidade, gás, vapor, água quente e fria e ar frio E Captação, tratamento e dist. de água; San., gestão de resíduos e despoluição F Construção /42 Promoção imobiliária (desenv. de proj. de edif.); const de edif.; Engenharia civil 43 Actividades espec. de construção G Comércio por grosso e a retalho; rep. de veíc Aut. e mot 45 Com., manut. e rep., de veíc. Aut. e mot Com por grosso (incl.agent.), exc. de veíc. Aut. e mot Com. a retalho, excep. de veíc. Aut. e mot H Transportes e armazenagem /50/51/52 Transp. terrestres e transp. por óleo, ou gás.; Transp. por água; Transp. aéreos; Armaz. e activ. aux. dos transp. (inclui manuseamento) 53 Actividades postais e de courier I Alojamento, restauração e similares J Actividades de inf. e de comunicação /59/60 Act. de edição; Act. cinemat., de vídeo, de prod de prog. de telev., de grav. de som e de ed. de mús.; Act. de rádio e de telev. 61 Telecomunicações /63 Consultoria e prog. Inf. e activ. Rel.; Act. dos serv. Inf K Actividades financeiras e de seguros L Actividades imobiliárias M Actividades de consultoria, cient., téc. e sim N Actividades adm. e dos serv. de apoio O Adm. Pública e Defesa; Seg. Social Obrig P Educação Q Actividades de saúde humana e apoio social Activ. de saúde humana /88Activ. de apoio social com aloj.; Activ. de ap. soc.s/ aloj R Actividades artísticas, de espect., desp. e rec S Outras actividades de serviços U Activ. dos org. internac. e out. inst. extra-territ

18 DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DAS PESSOAS AO SERVIÇO NAS EMPRESAS, POR ACTIVIDADE ECONÓMICA, SEGUNDO O ESCALÃO DE DIMENSÃO DA EMPRESA QUADRO 4 % ESCALÕES DE DIMENSÃO TOTAL e + Pessoas Pessoas Pessoas Pessoas Pessoas Pessoas Pessoas ACTIVIDADES (CAE - REV.3) TOTAL 100,0 14,3 12,3 26,3 9,9 10,8 6,2 20,2 A Agricultura, prod. animal, caça, florest. e pesca 100,0 33,5 20,2 32,3 5,7 3,6 3,7 1,0 01/02 Agricultura,prod. animal, caça e act. dos serv. relac.; 100,0 36,0 20,4 30,0 6,2 3,2 3,1 1,1 Silvic. e exp. fl. 03 Pesca e aquicultura 100,0 14,8 18,1 50,0 1,6 7,3 8,2 - B Ind. Extractivas 100,0 6,5 11,0 47,1 13,1 10,1 3,2 9,0 C Ind. Transformadoras 100,0 6,1 9,3 32,6 15,2 16,5 9,5 10,8 10/11/12 Ind. alimentares; Ind. das beb.; Ind. do tab. 100,0 6,4 12,0 33,5 13,0 16,4 8,1 10,6 13/14/15 Fab. de têxteis; Ind. do vest.; Ind. do couro e dos 100,0 3,7 6,8 37,2 19,7 19,3 8,1 5,2 prod. do couro 16 Ind. da madeira e da cortiça e suas obras, excep. 100,0 12,4 15,3 35,3 13,8 10,7 3,3 9,2 mob.; fab. de obras de cest. de esp 17/18 Fab. de pasta, de papel, cartão e seus art.; imp e 100,0 7,9 11,2 34,3 12,5 16,8 6,0 11,3 repr. de sup. grav. 19/20 Fab.de coque, prod. petrolíferos refinados e de agl. 100,0 3,0 4,5 26,3 14,4 23,5 9,9 18,4 de comb.; Fab. de prod. quím. e de fibras sint.ou art., excep. Prod. Farm. 21 Fab. de prod. farm. de base e de prep. farm. 100,0 0,6 2,4 10,8 12,3 45,1 20,8 8,0 22 Fab. de artigos de borracha e de mat. plásticas 100,0 2,2 4,8 30,0 16,0 23,9 10,5 12,6 23 Fab. de outros prod. minerais não met. 100,0 6,1 10,1 30,6 12,4 16,9 12,3 11,6 24/25 Ind. metalúrgicas de base; Fab. de prod. met., exc. 100,0 9,2 12,3 36,9 15,0 13,8 9,3 3,5 máq. e equip. 26/27/28 Fab. de equip. inf., equip. p. com. e prod. Elect. e 100,0 3,1 5,0 23,4 14,9 14,9 14,2 24,5 ópt.; Fab. de equip. eléct.; Fab.de máq. e equip., n.e. 29/30 Fab. de veículos aut., reb., semi-reb. e comp. para 100,0 1,2 2,4 10,8 9,6 17,1 25,2 33,7 veíc. aut.; Fab. de outro equip. de transp. 31 Fab. de mobiliário e de colchões 100,0 11,3 14,1 43,4 14,8 7,1 1,1 8,2 32 Outras indústrias transformadoras 100,0 13,2 14,3 33,4 13,6 14,9 10,6-33 Reparação, manut. e instalação de máq. e equip. 100,0 10,5 12,3 26,7 10,7 5,0 7,9 26,9 D Electricidade, gás, vapor, água quente e fria 100,0 2,0 3,0 9,2 7,4 1,9 8,1 68,4 e ar frio E Captação, tratamento e dist. de água; San., 100,0 2,7 3,3 18,9 14,3 27,8 11,2 21,8 gestão de resíduos e despoluição F Construção 100,0 16,3 20,2 34,7 9,0 8,6 5,0 6,2 41/42 Promoção imobiliária (desenv. de proj. de edif.); const 100,0 13,7 19,8 34,2 9,7 9,8 5,0 7,8 de edif.; Engenharia civil 43 Actividades espec. de construção 100,0 21,5 21,1 35,5 7,5 6,3 5,0 3,1 G Comércio por grosso e a retalho; rep. de veíc 100,0 21,1 16,6 25,7 7,3 7,2 3,6 18,5 Aut. e mot 45 Com., manut. e rep., de veíc. Aut. e mot. 100,0 26,3 19,7 27,3 10,5 10,0 3,4 2,8 46 Com por grosso (incl.agent.), exc. de veíc. Aut. e mot. 100,0 16,6 17,5 37,8 9,9 9,3 4,6 4,3 47 Com. a retalho, excep. de veíc. Aut. e mot. 100,0 22,5 15,3 18,3 4,9 5,2 3,0 30,8 H Transportes e armazenagem 100,0 11,9 7,7 19,7 7,3 10,7 6,8 35,9 49/50/51/52 Transp. terrestres e transp. por óleo, ou gás.; 100,0 13,2 8,5 21,8 8,2 12,0 7,2 29,1 Transp. por água; Transp. aéreos; Armaz. e activ. aux. dos transp. (inclui manuseamento) 53 Actividades postais e de courier 100,0 1,4 1,4 2, ,1 92,0 I Alojamento, restauração e similares 100,0 24,8 19,6 27,0 6,9 5,2 4,3 12,2 J Actividades de inf. e de comunicação 100,0 7,8 7,3 18,4 9,5 14,8 10,4 31,8 58/59/60 Act. de edição; Act. cinemat., de vídeo, de prod. 100,0 11,5 9,9 22,1 10,1 13,8 11,6 21,0 de prog. de telev., de grav. de som e de ed. de mús.; Act. de rádio e de telev. 61 Telecomunicações 100,0 1,5 1,5 3,4 2,1 4,8 5,6 81,1 62/63 Consultoria e prog. Inf. e activ. Rel.; Act. dos serv. Inf. 100,0 8,5 8,5 23,2 12,6 19,9 11,9 15,4 K Actividades financeiras e de seguros 100,0 5,1 2,9 8,3 6,0 7,0 4,5 66,2 L Actividades imobiliárias 100,0 48,5 20,4 20,0 4,6 4,9 o - M Actividades de consultoria, cient., téc. e sim. 100,0 28,4 18,6 25,5 7,6 8,6 5,3 6,0 N Actividades adm. e dos serv. de apoio 100,0 3,9 3,3 9,1 5,5 9,6 7,4 61,2 O Adm. Pública e Defesa; Seg. Social Obrig. 100,0 4,8 6,0 62,6 13,5 3,9 3,9 5,3 P Educação 100,0 7,9 8,4 32,0 18,8 20,5 5,1 7,3 Q Actividades de saúde humana e apoio social 100,0 8,6 6,9 27,8 14,8 14,8 6,1 21,0 86 Activ. de saúde humana 100,0 17,9 9,6 13,3 4,1 8,8 6,3 40,0 87/88Activ. de apoio social com aloj.; Activ. de ap. soc.s/ aloj. 100,0 1,9 4,9 38,4 22,6 19,2 5,9 7,1 R Actividades artísticas, de espect., desp. e rec. 100,0 17,1 11,6 27,2 12,9 14,2 8,2 8,8 S Outras actividades de serviços 100,0 28,0 13,6 26,6 7,9 9,9 5,8 8,2 U Activ. dos org. internac. e out. inst. extra-territ. 100,0 30,8 23,1 46,

19 ESTABELECIMENTOS, POR ACTIVIDADE ECONÓMICA, SEGUNDO O ESCALÃO DE DIMENSÃO DO ESTABELECIMENTO QUADRO 5 ACTIVIDADES (CAE - REV.3) ESCALÕES DE DIMENSÃO TOTAL e + Pessoas Pessoas Pessoas Pessoas Pessoas Pessoas Pessoas TOTAL A Agricultura, prod. animal, caça, florest. e pesca o - 01/02 Agricultura,prod. animal, caça e act. dos serv. relac.; o - Silvic. e exp. fl. 03 Pesca e aquicultura o - - B Ind. Extractivas o o o C Ind. Transformadoras /11/12 Ind. alimentares; Ind. das beb.; Ind. do tab /14/15 Fab. de têxteis; Ind. do vest.; Ind. do couro e dos prod. do couro 16 Ind. da madeira e da cortiça e suas obras, excep o mob.; fab. de obras de cest. de esp 17/18 Fab. de pasta, de papel, cartão e seus art.; imp e repr. de sup. grav. 19/20 Fab.de coque, prod. petrolíferos refinados e de agl de comb.; Fab. de prod. quím. e de fibras sint.ou art., excep. Prod. Farm. 21 Fab. de prod. farm. de base e de prep. farm o 22 Fab. de artigos de borracha e de mat. plásticas Fab. de outros prod. minerais não met /25 Ind. metalúrgicas de base; Fab. de prod. met., exc máq. e equip. 26/27/28 Fab. de equip. inf., equip. p. com. e prod. Elect. e ópt.; Fab. de equip. eléct.; Fab.de máq. e equip., n.e. 29/30 Fab. de veículos aut., reb., semi-reb. e comp. para veíc. aut.; Fab. de outro equip. de transp. 31 Fab. de mobiliário e de colchões Outras indústrias transformadoras o - 33 Reparação, manut. e instalação de máq. e equip o 3 D Electricidade, gás, vapor, água quente e fria e ar frio E Captação, tratamento e dist. de água; San., gestão de resíduos e despoluição F Construção /42 Promoção imobiliária (desenv. de proj. de edif.); const de edif.; Engenharia civil 43 Actividades espec. de construção o G Comércio por grosso e a retalho; rep. de veíc Aut. e mot 45 Com., manut. e rep., de veíc. Aut. e mot Com por grosso (incl.agent.), exc. de veíc. Aut. e mot o 47 Com. a retalho, excep. de veíc. Aut. e mot H Transportes e armazenagem /50/51/52 Transp. terrestres e transp. por óleo, ou gás.; Transp. por água; Transp. aéreos; Armaz. e activ. aux. dos transp. (inclui manuseamento) 53 Actividades postais e de courier o I Alojamento, restauração e similares J Actividades de inf. e de comunicação /59/60 Act. de edição; Act. cinemat., de vídeo, de prod o de prog. de telev., de grav. de som e de ed. de mús.; Act. de rádio e de telev. 61 Telecomunicações /63 Consultoria e prog. Inf. e activ. Rel.; Act. dos serv. Inf K Actividades financeiras e de seguros L Actividades imobiliárias o - M Actividades de consultoria, cient., téc. e sim N Actividades adm. e dos serv. de apoio O Adm. Pública e Defesa; Seg. Social Obrig o o - P Educação o Q Actividades de saúde humana e apoio social Activ. de saúde humana /88Activ. de apoio social com aloj.; Activ. de ap. soc.s/ aloj o o R Actividades artísticas, de espect., desp. e rec S Outras actividades de serviços o U Activ. dos org. internac. e out. inst. extra-territ o o

20 QUADRO 6 DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DOS ESTABELECIMENTOS, POR ACTIVIDADE ECONÓMICA, SEGUNDO O ESCALÃO DE DIMENSÃO DO ESTABELECIMENTO % ACTIVIDADES (CAE - REV.3) ESCALÕES DE DIMENSÃO TOTAL e + Pessoas Pessoas Pessoas Pessoas Pessoas Pessoas Pessoas TOTAL 100,0 66,1 18,7 13,0 1,3 0,6 0,2 0,1 A Agricultura, prod. animal, caça, florest. e pesca 100,0 78,5 13,5 7,6 0,3 0,1 o - 01/02 Agricultura,prod. animal, caça e act. dos serv. relac.; 100,0 80,2 12,9 6,5 0,3 0,1 o - Silvic. e exp. fl. 03 Pesca e aquicultura 100,0 51,9 22,9 24,4 0,5 o - - B Ind. Extractivas 100,0 43,1 26,4 28,7 1,4 o o o C Ind. Transformadoras 100,0 46,8 22,6 25,0 3,4 1,7 0,4 0,1 10/11/12 Ind. alimentares; Ind. das beb.; Ind. do tab. 100,0 49,7 24,8 21,8 2,3 1,1 0,2 0,1 13/14/15 Fab. de têxteis; Ind. do vest.; Ind. do couro e dos 100,0 36,5 20,4 34,3 5,7 2,6 0,4 0,1 prod. do couro 16 Ind. da madeira e da cortiça e suas obras, excep. 100,0 55,8 22,5 18,6 2,2 0,8 0,1 o mob.; fab. de obras de cest. de esp 17/18 Fab. de pasta, de papel, cartão e seus art.; imp e 100,0 49,1 23,3 23,1 2,5 1,6 0,2 0,2 repr. de sup. grav. 19/20 Fab.de coque, prod. petrolíferos refinados e de agl. 100,0 43,5 21,0 27,8 4,4 2,3 0,6 0,4 de comb.; Fab. de prod. quím. e de fibras sint.ou art., excep. Prod. Farm. 21 Fab. de prod. farm. de base e de prep. farm. 100,0 25,0 16,7 32,5 11,4 10,6 3,0 o 22 Fab. de artigos de borracha e de mat. plásticas 100,0 30,0 21,1 37,5 6,4 3,8 0,8 0,4 23 Fab. de outros prod. minerais não met. 100,0 45,5 25,7 23,9 2,7 1,5 0,6 0,1 24/25 Ind. metalúrgicas de base; Fab. de prod. met., exc. 100,0 50,3 23,4 22,1 2,6 1,2 0,3 0,1 máq. e equip. 26/27/28 Fab. de equip. inf., equip. p. com. e prod. Elect. e 100,0 38,8 21,2 30,2 5,7 2,6 1,0 0,5 ópt.; Fab. de equip. eléct.; Fab.de máq. e equip., n.e. 29/30 Fab. de veículos aut., reb., semi-reb. e comp. para 100,0 31,6 19,9 27,2 8,2 7,5 3,9 1,7 veíc. aut.; Fab. de outro equip. de transp. 31 Fab. de mobiliário e de colchões 100,0 54,0 21,2 22,0 2,1 0,6-0,1 32 Outras indústrias transformadoras 100,0 58,9 20,8 17,1 2,1 0,9 o - 33 Reparação, manut. e instalação de máq. e equip. 100,0 57,9 23,1 16,2 1,8 0,6 o 0,2 D Electricidade, gás, vapor, água quente e fria 100,0 38,8 20,3 33,3 4,7 2,9 - - e ar frio E Captação, tratamento e dist. de água; San., 100,0 41,8 18,3 30,6 6,0 2,6 0,7 - gestão de resíduos e despoluição F Construção 100,0 58,1 24,5 15,7 1,1 0,5 0,1 0,0 41/42 Promoção imobiliária (desenv. de proj. de edif.); const 100,0 54,0 26,7 17,3 1,3 0,6 0,1 0,0 de edif.; Engenharia civil 43 Actividades espec. de construção 100,0 64,2 21,4 13,3 0,7 0,3 0,1 o G Comércio por grosso e a retalho; rep. de veíc 100,0 71,4 17,9 9,5 0,8 0,3 0,1 0,0 Aut. e mot 45 Com., manut. e rep., de veíc. Aut. e mot. 100,0 71,1 18,3 9,8 0,7 0, Com por grosso (incl.agent.), exc. de veíc. Aut. e mot. 100,0 63,0 20,9 14,9 0,9 0,3 0,0 o 47 Com. a retalho, excep. de veíc. Aut. e mot. 100,0 75,3 16,4 7,1 0,8 0,3 0,1 0,0 H Transportes e armazenagem 100,0 68,7 15,0 13,5 1,5 0,9 0,3 0,1 49/50/51/52 Transp. terrestres e transp. por óleo, ou gás.; 100,0 70,2 14,6 12,5 1,4 0,9 0,3 0,1 Transp. por água; Transp. aéreos; Armaz. e activ. aux. dos transp. (inclui manuseamento) 53 Actividades postais e de courier 100,0 52,2 19,5 24,7 2,1 1,1 0,3 o I Alojamento, restauração e similares 100,0 69,8 19,6 9,8 0,6 0,2 0,0 0,0 J Actividades de inf. e de comunicação 100,0 60,1 18,5 16,6 2,6 1,5 0,5 0,2 58/59/60 Act. de edição; Act. cinemat., de vídeo, de prod. 100,0 64,7 17,9 14,5 1,6 0,9 0,3 o de prog. de telev., de grav. de som e de ed. de mús.; Act. de rádio e de telev. 61 Telecomunicações 100,0 49,1 21,2 18,8 6,2 2,8 1,1 0,8 62/63 Consultoria e prog. Inf. e activ. Rel.; Act. dos serv. Inf. 100,0 59,2 18,4 17,6 2,5 1,7 0,4 0,2 K Actividades financeiras e de seguros 100,0 58,4 29,6 10,1 0,8 0,8 0,2 0,1 L Actividades imobiliárias 100,0 86,4 10,0 3,3 0,2 0,1 0,0 - M Actividades de consultoria, cient., téc. e sim. 100,0 75,5 15,9 7,6 0,6 0,3 0,1 0,0 N Actividades adm. e dos serv. de apoio 100,0 62,4 16,2 14,1 2,6 2,5 1,2 1,0 O Adm. Pública e Defesa; Seg. Social Obrig. 100,0 43,6 14,2 39,3 2,3 0,3 0,3 - P Educação 100,0 52,0 19,3 23,5 3,5 1,5 0,2 0,0 Q Actividades de saúde humana e apoio social 100,0 59,4 15,5 21,5 2,6 0,7 0,1 0,2 86 Activ. de saúde humana 100,0 79,6 12,0 6,7 0,7 0,5 0,2 0,3 87/88Activ. de apoio social com aloj.; Activ. de ap. soc.s/ aloj. 100,0 24,3 21,5 47,1 6,0 1,1 0,0 0,0 R Actividades artísticas, de espect., desp. e rec. 100,0 71,6 14,6 12,0 1,0 0,6 0,2 - S Outras actividades de serviços 100,0 80,1 11,6 7,5 0,6 0,2 0,0 o U Activ. dos org. internac. e out. inst. extra-territ. 100,0 66,6 o o

21 PESSOAS AO SERVIÇO NOS ESTABELECIMENTOS, POR ACTIVIDADE ECONÓMICA, SEGUNDO O ESCALÃO DE DIMENSÃO DO ESTABELECIMENTO QUADRO 7 ACTIVIDADES (CAE - REV.3) ESCALÕES DE DIMENSÃO TOTAL e + Pessoas Pessoas Pessoas Pessoas Pessoas Pessoas Pessoas TOTAL A Agricultura, prod. animal, caça, florest. e pesca /02 Agricultura,prod. animal, caça e act. dos serv. relac.; Silvic. e exp. fl. 03 Pesca e aquicultura B Ind. Extractivas C Ind. Transformadoras /11/12 Ind. alimentares; Ind. das beb.; Ind. do tab /14/15 Fab. de têxteis; Ind. do vest.; Ind. do couro e dos prod. do couro 16 Ind. da madeira e da cortiça e suas obras, excep mob.; fab. de obras de cest. de esp 17/18 Fab. de pasta, de papel, cartão e seus art.; imp e repr. de sup. grav. 19/20 Fab.de coque, prod. petrolíferos refinados e de agl de comb.; Fab. de prod. quím. e de fibras sint.ou art., excep. Prod. Farm. 21 Fab. de prod. farm. de base e de prep. farm Fab. de artigos de borracha e de mat. plásticas Fab. de outros prod. minerais não met /25 Ind. metalúrgicas de base; Fab. de prod. met., exc máq. e equip. 26/27/28 Fab. de equip. inf., equip. p. com. e prod. Elect. e ópt.; Fab. de equip. eléct.; Fab.de máq. e equip., n.e. 29/30 Fab. de veículos aut., reb., semi-reb. e comp. para veíc. aut.; Fab. de outro equip. de transp. 31 Fab. de mobiliário e de colchões Outras indústrias transformadoras Reparação, manut. e instalação de máq. e equip D Electricidade, gás, vapor, água quente e fria e ar frio E Captação, tratamento e dist. de água; San., gestão de resíduos e despoluição F Construção /42 Promoção imobiliária (desenv. de proj. de edif.); const de edif.; Engenharia civil 43 Actividades espec. de construção G Comércio por grosso e a retalho; rep. de veíc Aut. e mot 45 Com., manut. e rep., de veíc. Aut. e mot Com por grosso (incl.agent.), exc. de veíc. Aut. e mot Com. a retalho, excep. de veíc. Aut. e mot H Transportes e armazenagem /50/51/52 Transp. terrestres e transp. por óleo, ou gás.; Transp. por água; Transp. aéreos; Armaz. e activ. aux. dos transp. (inclui manuseamento) 53 Actividades postais e de courier I Alojamento, restauração e similares J Actividades de inf. e de comunicação /59/60 Act. de edição; Act. cinemat., de vídeo, de prod de prog. de telev., de grav. de som e de ed. de mús.; Act. de rádio e de telev. 61 Telecomunicações /63 Consultoria e prog. Inf. e activ. Rel.; Act. dos serv. Inf K Actividades financeiras e de seguros L Actividades imobiliárias M Actividades de consultoria, cient., téc. e sim N Actividades adm. e dos serv. de apoio O Adm. Pública e Defesa; Seg. Social Obrig P Educação Q Actividades de saúde humana e apoio social Activ. de saúde humana /88Activ. de apoio social com aloj.; Activ. de ap. soc.s/ aloj R Actividades artísticas, de espect., desp. e rec S Outras actividades de serviços U Activ. dos org. internac. e out. inst. extra-territ

TOTAL NACIONAL OUTUBRO 1999

TOTAL NACIONAL OUTUBRO 1999 NÚMERO DE EMPRESAS DO CONTINENTE E REGIÕES AUTÓNOMAS, POR ACTIVIDADE ECONÓMICA NACIONAL OUTUBRO 1999 ACTIVIDADES (CAE - REV.2) 244239 234850 4604 4785 A AGRICULTURA, PROD. ANIMAL, CAÇA E SILVIC. 9302 8468

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice Índice Desemprego Registado de Estrangeiros por Continente de Origem e Principais Nacionalidades - Situação no fim do mês de Dezembro, de 2003 a 2009... 2 Desemprego Registado de Estrangeiros por Continente

Leia mais

ESTATÍSTICAS. Os dados publicados nesta síntese referem-se ao Continente e aos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo.

ESTATÍSTICAS. Os dados publicados nesta síntese referem-se ao Continente e aos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo. Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho disponibiliza informação que permite conhecer o nível médio mensal da remuneração

Leia mais

COLECÇÃO ESTATÍSTICAS

COLECÇÃO ESTATÍSTICAS MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Gabinete de Estratégia e Planeamento COLECÇÃO ESTATÍSTICAS EMPREGO NO SECTOR ESTRUTURADO 3.º e 4.º Trimestres/ Emprego 3.º e 4.º Trim./ EMPREGO NO SECTOR

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO S R REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO (RETRIBUIÇÃO MÍNIMA MENSAL GARANTIDA NA REGIÃO) Outubro de

Leia mais

INQUÉRITO ÀS ESTRUTURAS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL - 2003

INQUÉRITO ÀS ESTRUTURAS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL - 2003 INQUÉRITO ÀS ESTRUTURAS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL - 2003 ÍNDICE RESUMO...... I. NOTA INTRODUTÓRIA...... II. NOTAS EXPLICATIVAS E METODOLOGIA... 1. Notas Explicativas............. 2. Metodologia.............

Leia mais

Mercado de Emprego - Tendências Lisboa, 25 Fevereiro 2010. Call for Action EMP, Atreva-se! Maria Cândida Soares. Gabinete de Estratégia e Planeamento

Mercado de Emprego - Tendências Lisboa, 25 Fevereiro 2010. Call for Action EMP, Atreva-se! Maria Cândida Soares. Gabinete de Estratégia e Planeamento Mercado de Emprego - Tendências Lisboa, 25 Fevereiro 2010 Call for Action EMP, Atreva-se! Maria Cândida Soares Gabinete de Estratégia e Planeamento PIB, emprego e produtividade 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0-2,0-4,0-6,0

Leia mais

ESTATÍSTICAS DO TRABALHO QUADROS DE PESSOAL 2007

ESTATÍSTICAS DO TRABALHO QUADROS DE PESSOAL 2007 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO ESTATÍSTICAS DO TRABALHO QUADROS DE PESSOAL 2007 ESTRUTURA EMPRESARIAL EMPREGO DURAÇÃO

Leia mais

NECESSIDADES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DAS EMPRESAS 2011/2012

NECESSIDADES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DAS EMPRESAS 2011/2012 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA DO CONSUMIDOR OBSERVATÓRIO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

Quadros de Pessoal 3,1% Empresas, Estabelecimentos e Pessoas ao Serviço. Q uadro 1 Empresas, estabelecimentos, pessoas ao serviço.

Quadros de Pessoal 3,1% Empresas, Estabelecimentos e Pessoas ao Serviço. Q uadro 1 Empresas, estabelecimentos, pessoas ao serviço. ESTATÍSTICAS e m SÍNTESE Quadros de Pessoal O Relatório Único referente à informação sobre a atividade social da empresa, constitui uma obrigação anual, a cargo dos empregadores, com conteúdo e prazo de

Leia mais

GANHOS MÉDIOS ABRIL 2013. Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho

GANHOS MÉDIOS ABRIL 2013. Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho GANHOS MÉDIOS ABRIL 2013 Fonte: Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho Abril 2013 Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho/GEE do MEE- Gabinete de Estratégia

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 2 Fevereiro 2009

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 2 Fevereiro 2009 Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 2 Fevereiro 2009 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da Inovação GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

União Geral de Trabalhadores. Compilação de Dados Estatísticos sobre Sinistralidade Laboral e Doenças Profissionais em Portugal.

União Geral de Trabalhadores. Compilação de Dados Estatísticos sobre Sinistralidade Laboral e Doenças Profissionais em Portugal. União Geral de Trabalhadores Compilação de Dados Estatísticos sobre Sinistralidade Laboral e Doenças Profissionais em Portugal Com o apoio Nota Prévia A produção nacional de estatísticas de acidentes de

Leia mais

A Matriz Input-Output para a Região Alentejo: uma aproximação ao seu primeiro quadrante

A Matriz Input-Output para a Região Alentejo: uma aproximação ao seu primeiro quadrante A Matriz Input-Output para a Região Alentejo: uma aproximação ao seu primeiro quadrante Elsa Cristina Vaz 1, José Belbute 2, António Caleiro 3, Gertrudes Saúde Guerreiro 4, Ana Eduardo 5 1 elsavaz@uevora.pt,

Leia mais

Indicadores de Confiança...15

Indicadores de Confiança...15 1. MACROECONOMIA 1.1. Rendimento e Despesa Despesa Nacional a Preços Correntes...5 Despesa Nacional a Preços Constantes...6 PIB a preços correntes (Produto Interno Bruto)...7 PIB a preços constantes (Produto

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012 Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 212 Divulgação dos Quadros do Setor das empresas não financeiras da Central de Balanços dados de 211 O Banco de Portugal divulga hoje no BPStat Estatísticas

Leia mais

BREVE NOTA DE APRESENTAÇÃO

BREVE NOTA DE APRESENTAÇÃO BREVE NOTA DE APRESENTAÇÃO As entidades empregadoras que pretendam promover despedimentos coletivos, conforme estipulado no número 5 do artigo 360º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei nº 7/2009 de

Leia mais

ÍSTICAS LABORAIS TRABALHO E DA AÇÃO INSPETIVA ESTATÍSTICAS DO TRABALHO síntese de resultados

ÍSTICAS LABORAIS TRABALHO E DA AÇÃO INSPETIVA ESTATÍSTICAS DO TRABALHO síntese de resultados ÍSTICAS LABORAIS TRABALHO DA AÇÃO ISPTIVA STATÍSTICAS DO TRABALHO síntese de resultados R QUADROS D PSSOAL (Relatório Único Anexo A) A regulamentação do Código do Trabalho, aprovado pela Lei nº 7/29 de

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO ANUÁRIO DE ESTATÍSTICAS SOCIAIS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA (Indicadores Sócio-Laborais)

Leia mais

SERVE/DNID. Glossário de Códigos da Classificação Industrial Padrão Internacional (ISIC) FABRICAÇÃO DE COQUE, PRODUTOS PETROLÍFEROS REFINADOS E

SERVE/DNID. Glossário de Códigos da Classificação Industrial Padrão Internacional (ISIC) FABRICAÇÃO DE COQUE, PRODUTOS PETROLÍFEROS REFINADOS E AGRICULTURA, PRODUÇÃO ANIMAL, CAÇA, FLORESTA, PESCA E AQUICULTURA AGRICULTURA, PRODUÇÃO ANIMAL, CAÇA E ATIVIDADES DOS SERVIÇOS RELACIONADOS 011 CULTURAS TEMPORÁRIAS 012 CULTURAS PERMANENTES 013 CULTURA

Leia mais

(PROGRAMA LEONARDO DA VINCI)

(PROGRAMA LEONARDO DA VINCI) ANGLIA UNIVERSITY PROGRAMA LEONARDO DA VINCI GROUP ESC PAU GROUP ESC TOULOUSE PRIORIDADES PARA EL DESARROLLO DIRECTIVO INSTITUTO SUPERIOR SUPERIOR DE GESTAO MIDDLESEX UNIVERSITY INSTITUTO DE EMPRESA UNIÓN

Leia mais

O desafio da gestão da segurança e saúde no trabalho na indústria

O desafio da gestão da segurança e saúde no trabalho na indústria 7 de Maio 2013 O desafio da gestão da segurança e saúde no trabalho na indústria Realidade da SST em Portugal Parte I A realidade das empresas em SST pode ser analisada com base nos dados conhecidos sobre:

Leia mais

SÍNTESE - INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO

SÍNTESE - INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO NOVEMBRO 2011 SÍNTESE - INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO NOVEMBRO/10 OUTUBRO/11 NOVEMBRO/11 VARIAÇÃO % V.A. % V.A. % V.A. % Homólogo Anterior DESEMPREGO REGISTADO 15.737 100,0 17.831 100,0 18.600 100,0

Leia mais

!( 63 62!( 62!( 61 60!( 59!( 58!( 25!( 26!( 27!( 28!( 24!( 37 9!( 28!( 28

!( 63 62!( 62!( 61 60!( 59!( 58!( 25!( 26!( 27!( 28!( 24!( 37 9!( 28!( 28 ± Enquadramento administrativo da Zona industrial/empresarial do Alto de Colaride Enquadramento da área cartografada 6 61 6 62 62 62 LEGENDA 59 25 25 25 5 Edificio multiempresas (Ocupação com mais de uma

Leia mais

Regulamentação coletiva de trabalho publicada no 1º Trimestre de 2016 em números

Regulamentação coletiva de trabalho publicada no 1º Trimestre de 2016 em números 2016 Regulamentação coletiva de trabalho publicada no 1º Trimestre de 2016 em números 1º Trimestre TRABALHO, SOLIDARIEDADE E SEGURANÇA SOCIAL Ficha Técnica Título: Regulamentação coletiva de trabalho publicada

Leia mais

RELATÓRIOS E ANÁLISES

RELATÓRIOS E ANÁLISES RELATÓRIOS E ANÁLISES Relatório de Conjuntura n.º 128 1.º Trimestre de 2012 Relatório de Conjuntura n.º 1.º Trimestre de 2012 Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) Ministério da Solidariedade e da

Leia mais

metodologias de análise de risco em tarefas de manipulação manual de cargas Universidade do Minho

metodologias de análise de risco em tarefas de manipulação manual de cargas Universidade do Minho metodologias de análise de risco em tarefas de manipulação manual de cargas Pedro Arezes, A. Sérgio Miguel & Ana Colim Universidade do Minho Projecto 069APJ/06 Apoio Introdução Manipulação Manual de Cargas

Leia mais

INFORMAÇÃO MENSAL DO MERCADO DE EMPREGO

INFORMAÇÃO MENSAL DO MERCADO DE EMPREGO ISSN : 0871-4452 INFORMAÇÃO MENSAL DO MERCADO DE EMPREGO MERCADO DE EMPREGO MARÇO MAIO 2011 2015 nº nº 053 ÍNDICE COMENTÁRIO C O M E N T Á R I O 1 S Í N T E S E 3 P E D I D O S D E E M P R E G O : P O

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PORTUGUESA DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS (CAE REV. 3) ATIVIDADES OU TRABALHOS DE RISCO ELEVADO INTEGRADOS NOS SETORES DE ATIVIDADE

CLASSIFICAÇÃO PORTUGUESA DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS (CAE REV. 3) ATIVIDADES OU TRABALHOS DE RISCO ELEVADO INTEGRADOS NOS SETORES DE ATIVIDADE S OU TRABALHOS DE RISCO ELEVADO (Artigo 79.º da Lei 102/2009, de 10 de Setembro) CLASSIFICAÇÃO PORTUGUESA DAS S ECONÓMICAS GRUPO CLASSE SUBCLASSE SETORES DE 011 0111 0112 0113 0114 0115 0116 0119 012 0121

Leia mais

A descriminação remuneratória da mulher em Portugal continua a ser muito grande nas empresas Pág. 1

A descriminação remuneratória da mulher em Portugal continua a ser muito grande nas empresas Pág. 1 A descriminação remuneratória da mulher em Portugal continua a ser muito grande nas empresas Pág. 1 RESUMO O Eurofound acabou de publicar um estudo, o qual mostra que, entre 28 países, Portugal é o país

Leia mais

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

Estatísticas de Empresas Inquérito Anual às Empresas, 2013 1

Estatísticas de Empresas Inquérito Anual às Empresas, 2013 1 Estatísticas de Empresas Inquérito Anual às Empresas, 2013 1 Instituto Nacional de Estatística Estatísticas de Empresas Inquérito Anual às Empresas 2013 Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto

Leia mais

SÍNTESE - INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO

SÍNTESE - INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO SÍNTESE - INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO MAIO/16 ABRIL/17 MAIO/17 VARIAÇÃO % V.A. % V.A. % V.A. % Homólogo Anterior DESEMPREGO REGISTADO 21 658 100,0 19 124 100,0 18 301 100,0-15,5-4,3 Homens 11 645

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 07 Julho 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

91% das empresas com 10 e mais pessoas ao serviço utilizam Internet de banda larga

91% das empresas com 10 e mais pessoas ao serviço utilizam Internet de banda larga 06 de novembro de 2012 Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2012 91% das empresas com 10 e mais pessoas ao serviço utilizam Internet

Leia mais

Alteração do tipo de actividade ou ramo de comércio. Mudança da pessoa ou entidade titular da exploração

Alteração do tipo de actividade ou ramo de comércio. Mudança da pessoa ou entidade titular da exploração MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO, DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS, DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA SAÚDE Declaração de Instalação,

Leia mais

Inquérito Multi- Objectivo Contínuo

Inquérito Multi- Objectivo Contínuo Inquérito Multi- Objectivo Contínuo Estatísticas Sobre o Trabalho das Crianças Principais resultados (preliminares) Praia, 27 de Junho de 2013 PLANO DE APRESENTAÇÃO OBJECTIVOS METODOLOGIA PRINCIPAIS RESULTADOS:

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

INFORMAÇÃO MENSAL DO MERCADO DE EMPREGO

INFORMAÇÃO MENSAL DO MERCADO DE EMPREGO ISSN : 0871-4452 INFORMAÇÃO MENSAL DO MERCADO DE EMPREGO MERCADO DE EMPREGO OUTUBRO MAIO 2011 2015 nº nº 0510 ÍNDICE COMENTÁRIO C O M E N T Á R I O 1 S Í N T E S E 3 P E D I D O S D E E M P R E G O : P

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação nº 00/OCF.06-1 Accreditation Annex nº

Anexo Técnico de Acreditação nº 00/OCF.06-1 Accreditation Annex nº Anexo Técnico de nº -1 Nº de Accreditation nr Acreditado de acordo com (Accredited to) NP EN 45012 Localização: TagusPark - Núcleo Central 237/239 2780-920 Oeiras Contacto (Contact) Ana Freire Tel: 214220640

Leia mais

Inquérito ao Custo da Mão-de-Obra

Inquérito ao Custo da Mão-de-Obra Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Inquérito ao Custo da Mão-de-Obra COLEÇÃO ESTATÍSTICAS 2012 Continente INQUÉRITO AO CUSTO DA MÃO-DE-OBRA 2012 Gabinete de Estratégia e Estudos (GEE)

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A ALEMANHA

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A ALEMANHA Expedições 4.646.753 4.957.528 4.954.299 4.099.667 4.771.584 1,4 16,4 Chegadas 8.054.468 8.367.508 8.594.931 6.813.091 7.886.527 0,4 15,8 Saldo -3.407.716-3.409.980-3.640.632-2.713.423-3.114.943 -- --

Leia mais

Quadro 1 Evolução anual do stock de empresas. Stock final

Quadro 1 Evolução anual do stock de empresas. Stock final Demografia de empresas, fluxos de emprego e mobilidade dos trabalhadores em Portugal ESTATÍSTICAS STICAS em síntese 2006 A informação que se divulga tem como suporte o Sistema de Informação Longitudinal

Leia mais

Salários por Profissões na Construção. janeiro 2013

Salários por Profissões na Construção. janeiro 2013 Salários por Profissões na Construção ELABORAÇÃO: Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho Direção Regional do Trabalho julho 2013 Fonte: Inquérito aos Salários por Profissões na Construção - Direção

Leia mais

PERFIL DAS EXPORTADORAS PORTUGUESAS EM 2012. Estudo elaborado por Informa D&B, Novembro 2013

PERFIL DAS EXPORTADORAS PORTUGUESAS EM 2012. Estudo elaborado por Informa D&B, Novembro 2013 PERFIL DAS EXPORTADORAS PORTUGUESAS EM 2012 Estudo elaborado por Informa D&B, Novembro 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO Em Portugal, nos últimos 5 anos, o número de empresas exportadoras aumentou 12% O valor das

Leia mais

Evolução da FBCF Empresarial em valor Taxa de Variação Anual

Evolução da FBCF Empresarial em valor Taxa de Variação Anual Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Abril de 2011 08 de Julho de 2011 Revisão em baixa das expectativas de investimento empresarial em 2011. De acordo com as intenções manifestadas pelas

Leia mais

ESTUDO INFORMA D&B. Gestão e Liderança Feminina em Portugal 3ª Edição, Fevereiro 2013

ESTUDO INFORMA D&B. Gestão e Liderança Feminina em Portugal 3ª Edição, Fevereiro 2013 ESTUDO INFORMA D&B Gestão e Liderança Feminina em Portugal 3ª Edição, Fevereiro 2013 Portugal tem uma população activa de 5,5 milhões, dos quais 47% são mulheres. O objectivo deste estudo foi saber como

Leia mais

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015 Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Outubro de 2015 29 de janeiro de 2016 Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015 De acordo

Leia mais

I RELATÓRIO SOBRE DIFERENCIAÇÕES SALARIAIS POR RAMOS DE ATIVIDADE

I RELATÓRIO SOBRE DIFERENCIAÇÕES SALARIAIS POR RAMOS DE ATIVIDADE I RELATÓRIO SOBRE DIFERENCIAÇÕES SALARIAIS POR RAMOS DE ATIVIDADE (em cumprimento da alínea a) do nº 1 da Resolução do Conselho de Ministros nº 13/2013, de 8 de março) JUNHO, 2014 1 ÍNDICE SUMÁRIO EXECUTIVO...

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS DE ACREDITAÇÃO CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

REQUISITOS ESPECÍFICOS DE ACREDITAÇÃO CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 1. Objetivo O presente documento tem como objetivo definir o serviço de acreditação para o sector Certificação de Sistemas de Gestão da Saúde e Segurança no Trabalho, em complemento do estabelecido no

Leia mais

Desoneração da Folha de Pagamento Estimativa de Renúncia e Metodologia de Cálculo.

Desoneração da Folha de Pagamento Estimativa de Renúncia e Metodologia de Cálculo. SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Carlos Alberto Freitas Barreto CHEFE DO CENTRO DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS E ADUANEIROS Claudemir Rodrigues Malaquias COORDENADOR DE PREVISÃO E ANÁLISE Raimundo Eloi

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Maio 2011 Indicador de Sentimento Económico Os indicadores de sentimento económico da União Europeia e da Área

Leia mais

Áreas e Sub-Áreas de Formação CIME

Áreas e Sub-Áreas de Formação CIME de Formação CIME e Sub- de Formação CIME Sub- 09. Desenvolvimento Pessoal 090. Desenvolvimento Pessoal 14.Formação de Professores/Formadores e Ciências da Educação 141.Formação de Professores e Formadores

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

Acidentes de Trabalho

Acidentes de Trabalho Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Acidentes de Trabalho COLEÇÃO ESTATÍSTICAS ACIDENTES DE TRABALHO Gabinete de Estratégia e Estudos (GEE) Ministério da Economia (ME), 2014 Coleção

Leia mais

FICHA DE CANDIDATURA

FICHA DE CANDIDATURA FICHA DE CANDIDATURA 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1. Dados pessoais Nome: Morada Localidade Concelho Telefone Fax Código Postal Distrito Telemóvel Email: 1.2. Situação Profissional Desempregado há menos de um ano

Leia mais

2010 2011 % 2010/2011. Total 339 629 336 548-0,9. Sem trabalhadores 53 048 49 432-6,8. Com trabalhadores 286 581 287 116 + 0,2

2010 2011 % 2010/2011. Total 339 629 336 548-0,9. Sem trabalhadores 53 048 49 432-6,8. Com trabalhadores 286 581 287 116 + 0,2 Segurança E S T A T Í S T I C A S e m S Í N T E S E Segurança e Saúde 2 O Relatório Anual da Atividade do Serviço de Segurança e Saúde no Trabalho (SST) é uma obrigação definida desde 22, que descreve

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Lista de Actividades (CAE) elegíveis na Linha de Crédito PME Investe II

Lista de Actividades (CAE) elegíveis na Linha de Crédito PME Investe II Lista de Actividades (CAE) elegíveis na Linha de Crédito PME Investe II Em conformidade com o disposto no nº 1 do Capítulo I, nº 2 do Anexo I, nº 2 do Anexo II e nº 1 do Anexo III, todos do Protocolo da

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE 1 Março 2008 A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE Ângela da Matta Silveira Martins * Esta nota técnica apresenta algumas considerações sobre a inserção da mão-de-obra feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Shares and other equity

Shares and other equity A CAE e os impactos no Banco de Portugal Margarida Brites Ramos 1 Função Estatística Lei Orgânica do Banco de Portugal Artigo 12.º Compete especialmente ao Banco, sem prejuízo dos condicionalismos decorrentes

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos FICHA TÉCNICA Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística e Planeamento

Leia mais

Uma das maiores áreas territoriais de Portugal, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km

Uma das maiores áreas territoriais de Portugal, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km As Regiões de - Região O Território Porquê o? Uma das maiores áreas territoriais de, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km Area (km 2 ): 21.286

Leia mais

Boletim. Estatístico. Junho de 2015 EMPREGO TRABALHO FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Índice. Fontes 3. Quadros sinópticos 4. População, Emprego e Desemprego

Boletim. Estatístico. Junho de 2015 EMPREGO TRABALHO FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Índice. Fontes 3. Quadros sinópticos 4. População, Emprego e Desemprego ISSN: 0873-4682 Índice Fontes 3 Boletim Quadros sinópticos 4 População, Emprego e Desemprego população população com emprego população desempregada lay-off desemprego registado, ofertas e colocações -

Leia mais

IRCT PUBLICADOS, NÚMERO DE TRABALHADORES, VARIAÇÕES SALARIAIS E PRINCIPAIS CONVENÇÕES

IRCT PUBLICADOS, NÚMERO DE TRABALHADORES, VARIAÇÕES SALARIAIS E PRINCIPAIS CONVENÇÕES IRCT PUBLICADOS, NÚMERO DE TRABALHADORES, VARIAÇÕES SALARIAIS E PRINCIPAIS CONVENÇÕES QUADRO I DE TRABALHADORES ABRANGIDOS E VARIAÇÃO ANUALIZADA DAS TABELAS SALARIAIS POR MESES DURANTE OS ANOS DE 2008,

Leia mais

O ACIDENTE MAIS FREQUENTE, NÚMERO DE ACIDENTES DE TRABALHO E TAXAS DE INCIDÊNCIA

O ACIDENTE MAIS FREQUENTE, NÚMERO DE ACIDENTES DE TRABALHO E TAXAS DE INCIDÊNCIA Acidentes de Trabalho ESTATÍSTICAS em síntese 2010 A informação que se publica resulta do aproveitamento para fins estatísticos dos dados administrativos recolhidos através das participações de acidentes

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A AUSTRÁLIA

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A AUSTRÁLIA BALANÇA COMERCIAL 2005 2006 2007 2008 Exportações 82.213 65.434 62.538 53.583 44.990-13,8 39.853 62.848 57,7 Importações 23.679 28.230 38.501 16.980 14.662-3,5 14.187 11.454-19,3 Saldo 58.534 37.204 24.037

Leia mais

O APOIO DAS EMPRESAS À COMUNIDADE RETRATO DOS DONATIVOS EM PORTUGAL

O APOIO DAS EMPRESAS À COMUNIDADE RETRATO DOS DONATIVOS EM PORTUGAL O APOIO DAS EMPRESAS À COMUNIDADE RETRATO DOS DONATIVOS EM PORTUGAL 2012/2010 Estudo Sair Da Casca e Informa D&B Dezembro 2013 METODOLOGIA Universo do estudo TECIDO EMPRESARIAL: Todas as entidades (pessoas

Leia mais

Expectativas de aumento do investimento empresarial em 2014

Expectativas de aumento do investimento empresarial em 2014 Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de abril de 2014 09 de julho de 2014 Expectativas de aumento do investimento empresarial em 2014 De acordo com as intenções manifestadas pelas empresas

Leia mais

Nº DE EMPRESAS EM NOME INDIVIDUAL NOS AÇORES, POR ANO

Nº DE EMPRESAS EM NOME INDIVIDUAL NOS AÇORES, POR ANO Q.15.1 - Número de Empresas em nome individual nos Açores, segundo a CAE Rev. 3, por ano AÇORES TOTAL 19 276 2 51 21 238 22 46 23 332 22 335 21 335 21 341 Agricultura, produção animal, caça, floresta e

Leia mais

Para efeitos da seleção da amostra, a base de amostragem que serviu de base ao Inquérito aos Custos de

Para efeitos da seleção da amostra, a base de amostragem que serviu de base ao Inquérito aos Custos de 1. NOTA METODOLÓGICA 7.1 BASE DE AMOSTRAGEM Para efeitos da seleção da amostra, a base de amostragem que serviu de base ao Inquérito aos Custos de contexto (IaCC), foi estratificada por duas variáveis:

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Lei n.º 64/2015, de 1 de julho Estado: vigente Resumo:

Leia mais

Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015

Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015 aurennews julho 2015 Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015 Novo regime especial aplicável às entidades licenciadas na Zona Franca da Madeira a partir de 1 de janeiro de 2015 Foi publicada no dia 1

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

QUADROS DE PESSOAL REMUNERAÇÕES

QUADROS DE PESSOAL REMUNERAÇÕES QUADROS DE PESSOAL REMUNERAÇÕES GRÁFICO 23 Remunerações Médias Mensais, Base e Ganho, segundo a Dimensão da Empresa Continente - Outubro 99 TOTAL BASE 0 a 9 Pessoas GANHO 10 a 19 Pessoas 20 a 49 Pessoas

Leia mais

Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram

Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram Estatísticas do Comércio 2013 26 de dezembro de 2014 Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram Em 2013 o setor do Comércio era constituído

Leia mais

MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO ZERO 1

MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO ZERO 1 MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO ZERO 1 Nota Justificativa A simplificação do exercício de atividades decorrente da publicação e entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 48/2011, de 1 de abril

Leia mais

ÍNDICE ACIDENTES DE TRABALHO E DE TRAJECTO (INQUÉRITO JUNTO DOS ESTABELECIMENTOS) 2 NOTA DE APRESENTAÇÃO 3

ÍNDICE ACIDENTES DE TRABALHO E DE TRAJECTO (INQUÉRITO JUNTO DOS ESTABELECIMENTOS) 2 NOTA DE APRESENTAÇÃO 3 ÍNDICE ACIDENTES DE TRABALHO E DE TRAJECTO (INQUÉRITO JUNTO DOS ESTABELECIMENTOS) 2 NOTA DE APRESENTAÇÃO 3 METODOLOGIA 4 1. Plano de Amostragem 4 1.1 Base de Amostragem 4 1.2 Método de Amostragem 4 2.

Leia mais

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS O número de empregos formais no estado alcançou 1,514 milhão em dezembro de 2014, representando

Leia mais

Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais de revitalização (2007-2013)

Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais de revitalização (2007-2013) Abril de 2014 Boletim n.º 15 DESTAQUE ESTATÍSTICO TRIMESTRAL 4º Trimestre de 2013 Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais

Leia mais

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO SÍNTESE JANEIRO/07 DEZEMBRO/07 JANEIRO/08 VARIAÇÃO % V.A. % V.A. % V.A. % Mês Homólogo Mês Anterior DESEMPREGO REGISTADO 8895 100,0 8773

Leia mais

Processos Especiais de Revitalização Homologados: por Classificação de Actividades Económicas (CAE) desagregada

Processos Especiais de Revitalização Homologados: por Classificação de Actividades Económicas (CAE) desagregada Processos Especiais de Revitalização Homologados: por Classificação de Actividades Económicas (CAE) desagregada Divisão Grupo Classe Designação Nº de Processos 0 Agricultura, produção animal, caça, floresta

Leia mais

AS MELHORES OPORTUNIDADES DE EMPREGO NO SETOR DE SERVIÇOS

AS MELHORES OPORTUNIDADES DE EMPREGO NO SETOR DE SERVIÇOS AS MELHORES OPORTUNIDADES DE EMPREGO NO SETOR DE SERVIÇOS O setor de serviços é, tradicionalmente, a principal porta de entrada no mercado de trabalho. Responsável por aproximadamente 60% do produto interno

Leia mais

ANEXO I CARACTERÍSTICAS DA LINHA ESPECÍFICA SECTORES EXPORTADORES

ANEXO I CARACTERÍSTICAS DA LINHA ESPECÍFICA SECTORES EXPORTADORES ANEXO I CARACTERÍSTICAS DA LINHA ESPECÍFICA SECTORES EXPORTADORES A. CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA 1. Montante Global: Até 500 Milhões de Euros. 2. Empresas beneficiárias: As empresas beneficiárias terão de

Leia mais

Artigo 7.º Fiscalização

Artigo 7.º Fiscalização Artigo 7.º Fiscalização 1 - Todas as pessoas, singulares ou coletivas, de direito público ou de direito privado, a quem sejam concedidos benefícios fiscais, automáticos ou dependentes de reconhecimento,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO DOS RISCOS NA PREVENÇÃO CASO PRÁTICO: MÁQUINAS PARA TRABALHO COM MADEIRAS

A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO DOS RISCOS NA PREVENÇÃO CASO PRÁTICO: MÁQUINAS PARA TRABALHO COM MADEIRAS A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO DOS RISCOS NA PREVENÇÃO CASO PRÁTICO: MÁQUINAS PARA TRABALHO COM MADEIRAS José Carlos V. Sá 1,2 e Olga M. C. Silva 2 1 Instituto Politécnico de Viana do Castelo,

Leia mais

Sistema de qualificação Sectores especiais

Sistema de qualificação Sectores especiais União Europeia Publicação no suplemento do Jornal Oficial da União Europeia 2, rue Mercier, 2985 Luxembourg, Luxemburgo +352 29 29 42 670 ojs@publications.europa.eu Informação e formulários em linha: http://simap.europa.eu

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal janeiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal!

Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal! Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal! 25 de Janeiro de 2013 Agenda: Enquadramento Legislativo e Regulamentar adequado à Utilização de Energia nas empresas; Âmbito

Leia mais

AS 47 EMPRESAS GAZELA 2013 DA REGIÃO CENTRO

AS 47 EMPRESAS GAZELA 2013 DA REGIÃO CENTRO AS 47 EMPRESAS GAZELA 2013 DA REGIÃO CENTRO A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC) efectuou, pelo segundo ano consecutivo, o apuramento das empresas gazela existentes na

Leia mais

ANUÁRIO DE ESTATÍSTICAS SOCIAIS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA (indicadores sócio - laborais) ÍNDICE

ANUÁRIO DE ESTATÍSTICAS SOCIAIS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA (indicadores sócio - laborais) ÍNDICE ÍNDICE NOTA DE APRESENTAÇÃO NOTAS EXPLICATIVAS CONCEITOS E DEFINIÇÕES CLASSIFICAÇÕES UTILIZADAS SINAIS CONVENCIONAIS 1. INDICADORES GLOBAIS - SÍNTESE INFORMATIVA GERAL GRÁFICO 1 - População total, ativa

Leia mais

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 30, 15/8/2014. Anos completos de serviço. 0 anos. 1 ano. 3 anos. 4 anos. 5 anos. 6 anos. 8 anos. 9 anos.

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 30, 15/8/2014. Anos completos de serviço. 0 anos. 1 ano. 3 anos. 4 anos. 5 anos. 6 anos. 8 anos. 9 anos. ANEXO IV Tabelas salariais Categoria A - Professores licenciados e profissionalizados Anos completos de serviço 0 anos 1 ano Nível Retribuição Valor hora semanal 2 anos A8 1 125,00 51,14 3 anos 4 anos

Leia mais

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Número de Alunos Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Susana Justo, Diretora Geral da Qmetrics 1. Formação em ensino superior, graduada e pós graduada. Em Portugal continua

Leia mais

Mensal. Produto Interno Bruto. Produto Interno Bruto. Mensal. Metodologia

Mensal. Produto Interno Bruto. Produto Interno Bruto. Mensal. Metodologia Metodologia 1 SEADE Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados Considerações gerais O PIB mensal é um índice de acompanhamento da economia paulista e tem como propósito principal oferecer uma visão

Leia mais

05. ESTUDO DA ECONOMIA

05. ESTUDO DA ECONOMIA PLANO DIRETOR MUNICIPAL FIGUEIRÓ DOS VINHOS 05. ESTUDO DA ECONOMIA junho 2015 câmara municipal de figueiró dos vinhos lugar do plano, gestão do território e cultura ÍNDICE SOCIOECONOMIA... 3 1. Introdução...

Leia mais

CAE CV-Rev.1 ESTRUTURA

CAE CV-Rev.1 ESTRUTURA ESTRUTURA LISTA DAS SECÇÕES E SUAS RELAÇÕES COM AS DIVISÕES S E C Ç Ã O DESIGNAÇÃO RELAÇÃO SECÇÃO COM DIVISÃO A AGRICULTURA, PRODUÇÃO ANIMAL, CAÇA, FLORESTA E PESCA A= 01+02+03 B INDÚSTRIAS EXTRACTIVAS

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM OS EUA

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM OS EUA Exportações 2.105.266 1.787.108 1.340.039 1.012.141 1.333.325-8,2 31,7 Importações 780.797 953.828 1.030.620 864.390 843.343 2,9-2,4 Saldo 1.324.469 833.280 309.419 147.751 489.982 -- -- Coef. Cob. 269,6%

Leia mais

ESTRATÉGIA REGIONAL DE ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE: ATELIÊ DA CULTURA, CRIAÇÃO E MODA

ESTRATÉGIA REGIONAL DE ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE: ATELIÊ DA CULTURA, CRIAÇÃO E MODA ESTRATÉGIA REGIONAL DE ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE: ATELIÊ DA CULTURA, CRIAÇÃO E MODA ccdr-n.pt/norte2020 4DE JUNHO DE 2013 GUIMARÃES Principais Conceitos A competitividade das regiões deve fundar se nas

Leia mais