AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL. Fatores masculinos: 23% das causas Fatores inexplicáveis: 28% das causas Fatores femininos: 48% das causas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL. Fatores masculinos: 23% das causas Fatores inexplicáveis: 28% das causas Fatores femininos: 48% das causas"

Transcrição

1 CAPÍTULO 1 1 Definição: AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL Adner Nobre Elfie Tomaz Figueiredo Francisco C Medeiros Incapacidade de engravidar após 12 meses ou mais de relações sexuais regulares sem contracepção. A probabilidade cumulativa de engravidar após 12 meses é de 93%, assim a probabilidade de o casal ser normalmente fértil e não engravidar em 12 meses é de apenas 7%. 2 Causas: Algumas causas de infertilidade são facilmente identificáveis (ex: azoospermia, obstrução tubária bilateral), no entanto, situações menos claras tornam difícil de estimar a freqüência com que vários fatores são encontrados em associação com infertilidade. Fatores masculinos: 23% das causas Fatores inexplicáveis: 28% das causas Fatores femininos: 48% das causas Disfunção ovulatória: 18% das causas Defeitos tubários e uterinos: 14% das causas Endometriose: 9% das causas Problemas relacionados ao coito: 5% das causas Fator cervical: 3% das causas 3 Avaliação: O homem deve comparecer a consulta porque sua história é um elemento 11

2 Protocolos de Conduta fundamental para escolha das estratégias de diagnóstico e tratamento. A compreensão de que a infertilidade é um problema do casal é muito importante. História pessoal Masculina: Filhos em relações anteriores, exposição a produtos químicos, radiação, trauma genital, cirurgias genitais, infecções sexualmente transmissíveis. Feminina: Ciclo menstrual, hábitos sexuais, gravidez p r é v i a s, presença de dismenorreia, dor pélvica, tabagismo, alcoolismo, excesso de exercício físico. Fator masculino. Avaliado através do espermograma. Os valores normais de acordo com a OMS são: Critérios Volume Contagem de espermatozoides Motilidade Morfologia Leucócitos Valor de Referências > 2ml > 20 milhões/ml > 50% com progressão avançada > 30% com formas normais < 1 milhão/ml De acordo com a analise seminal, um indivíduo pode ser classificado como potencialmente fértil, subfértil (oligospermia, astenozoospermia, teratozoospermia) ou infértil (azoospermia). Avaliação da função ovulatória: Critério Valor de Referência Comentários Monitorização do LH Detecção do pico de LH Kits que dosam LH na urina identificam o pico de LH, e predizem a ovulação Progesterona sérica Biópsia de Endométrio > 3ng/ml no meio da fase lútea Concordância entre as datas cronológica e endometrial do ciclo < 3ng/mL significa anovulação Discordância > que 2 dias sugere fase lútea inadequada TSH e T4 livre Normal Hipotireoidismo e hipertireoidismo causam anovulação 12

3 Critério Valor de Referência Comentários Prolactina 2 a 15 mcg/l Hiperprolactinemia causa anovulação FSH Correlacionar com > 30MUI/ml sugere menopausa do ciclo a fase Razão LH/FSH Até 2:1 > 2:1 sugere Síndrome dos ovários policísticos Avaliação uterina e tubária Ultrassonografia pélvica: alta sensibilidade para detecção de anormalidades uterinas envolvidas na infertilidade, como pólipos endometriais, leiomiomas submucosos, aderências intrauterinas, anomalias de Muller, exposição previa ao dietilestibestrol. Auxilia ainda na identificação de massas ovarianas e endometriomas. Histerossalpingografia: especificidade de 85% na identificação de oclusão tubária. O exame é contra-indicado em mulheres com historia previa ou suspeita de infecção por Clamídia, devendo neste caso ser realizado tratamento para tal antes da realização do exame. Histeroscopia: Auxilia no diagnóstico de patologias uterinase endometriais, podendo ainda ser terapêutico em alguns casos. Laparoscopia: padrão-ouro para diagnostico de doenças tubárias e peritoneais. Permite identificação de anormalidades como obstrução tubária, aderências pélvicas endometriose. 4 Tratamento:»» Distúrbios ovulatórios: a OMS classificou distúrbios ovulatórios em 3 classes: Classe 1: Anovulação hipogonadal hipogonadotrófico. Pouco comum, ocorre em 5 a 10% das mulheres. Exemplos dessa classe são amenorréias hipotalâmicas por exercício físico ou baixo peso Classe 2: Anovulação normogonadotrófica, normoestrogênica. É o mais comum, ocorre em 70 a 85% dos casos. Mulheres com Síndrome do Ovário Policístico (SOP) geralmente se enquadram nessa categoria. Classe 3: A novulação hipergonadotrofica hipoestrogênica. Ocorre em 10 a 30% dos casos. Mulheres com Insuficiência Gonadal primária e disgenesia Gonadal são exemplos dessa classe. 13

4 Protocolos de Conduta Causas de oligo-ovulação que não falência ovariana geralmente respondem bem ao tratamento com indução da ovulação. O método de indução selecionado depende da causa da anovulação, eficácia, custo, riscos e complicações associadas a cada método. As opções incluem: Modulação do peso Moduladores seletivos do receptor de estrogênio () Metformina Terapia da Gonadotropina Inibidores da Aromatase Bromocriptina Reprodução Assistida Fator Tubário: Deve-se oferecer a reconstrução cirúrgica para pacientes jovens com obstrução proximal, principalmente para as que não tem acesso a serviços re reprodução assistida. Mulheres com doença tubária severa (Hidrossalpinge bilateral, grandes aderências) e mulheres mais velhas recomenda-se reprodução assistida como primeira escolha Fator Uterino: as anomalias uterinas não costumam ter relação com infertilidade, mas é prudente a correção cirúrgica de miomas submucosos, pólipo endometrial, sinequias uterinas, septos uterinos, uma vez que pode haver associação causal. Fator Cervical: e melhor tratado com inseminação artificial, salvo nos casos de muco cervical anormal. 14

5 Análise Anormal do sêmen Infertilidade Masculina Encaminhar ao Urologista HSG Obstrução Tubária Oclusão Tubária Inseminção artificial Mioma Tratamento individualizado PROTOCOLO DE ATENDIMENTO AO CASAL INFÉRTIL Anamnese Exame Físico Exames Complementares *Hemograma *VDRL *TSH, T4 livre *FHS, LH *Prolactina *US Tranvaginal *Histerossalpingografia *Espermograma *Biópsia de endométrio HSG + USTV Anormalidades da cavidade uterina Alteração da função ovulatória Pólipo endometrial Endometrioma Sinesquias intrauterinas Hiper ou Hipotireoidismo Hiperprolactinemia Insuficiencia ovariana prematura Diminuição da reserva ovariana S.O.P Polipectomia Laparotomia Ressecção histeroscópica Encaminhar para avaliação endócrina F.I.V Adoção* por 4 meses por 4 meses + dexametasona por 4 meses Distúrbio Hipotalamico HMG Avaliação Normal por 4 meses + dexametasona por 4 meses Laparoscopia 15

6 Protocolos de Conduta Piloto para Inseminação Artificial na Maternidade Escola Assis Chateaubriand Protocolo de Adesão e Execução da Inseminação Artificial Indicações 1. Disfunção sexual ou impotência sexual masculina 2. Vaginismo grave 3. Hostilidade cervical (canal) 4. Infertilidade masculina 5. Endometriose graus I e II 6. Infertilidade inexplicada Condições Previas 1. Integridade morfológica do útero e, pelo menos, uma das trompas 2. Pelo menos 10 a 20 x milhões de espermatozoides/ml no espermograma Etapas 1. Avaliação individual de cada casal 1. Reunião com casais pré-selecionados 2. Inicio do processo de indução da ovulação 3. Coleta do sêmen 4. Transferência de espermatozoides 5. Detecção da gravidez Cronologia D0 Suspender ACHO D3 D6 Sangramento Início do D11 D12 D13 Uso do HMG D10 Fim do D22 Uso do HCG D26 Início de D24 Progesterona Coleta do Semen Inseminação 16

7 Indução da Ovulação 1. Citrato de : do 3º ao 7º dias do ciclo, administrado as 20:00Hs a. Clomid 50mg para pacientes com biótipo magro b. Clomid 100mg para pacientes com biótipo gordo 2. Não encontrei, até o momento, nada sobre HMG 3. HCG: U subcutâneo 4. Progesterona Natural a. Ultrogestan 100mg para pacientes com ate 35 anos de idade b. Ultrogestan 200mg para pacientes com mais de 35 anos de idade 5. Estrogênio a. Adesivo de estrogênio associado a progesterona natural em pacientes com idade acima de 40 anos Equipamento para Inseminação 1. Centrifuga 2. Banho Maria 3. Especulo 4. Seringa estéril de 1cc com cânula romba 5. Cateter de inseminação (Flexível) Complicações 1. Sangramento 2. Infecções 3. Cólica abdominal 17

8 Protocolos de Conduta 5. REFERÊNCIAS 1. BEREK & NOVAK, Tratado de Ginecologia, 14ª edição, Editora Guanabara Koogan, F.C. Medeiros, F.M.L. Almeida, M.O. Filho et al, Manual de Ginecologia da Maternidade Escola Assis Chateubriand, UFC, 2ª edição, R.L. Barbieri, Overview of treatment of female infertility, Uptodate, janeiro, M.D. Hornstein, Evaluation of female infertility, Uptodate, janeiro,

CAPÍTULO 1 AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL. Adner Nobre Elfie Tomaz Figueiredo Francisco C Medeiros. 1 Definição:

CAPÍTULO 1 AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL. Adner Nobre Elfie Tomaz Figueiredo Francisco C Medeiros. 1 Definição: CAPÍTULO 1 1 Definição: AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL Adner Nobre Elfie Tomaz Figueiredo Francisco C Medeiros Incapacidade de engravidar após 12 meses ou mais de relações sexuais regulares

Leia mais

Avaliação da Infertilidade

Avaliação da Infertilidade Avaliação da Infertilidade Dr. Eduardo Camelo de Castro Ginecologista e Obstetra Professor do Curso de Pós Graduação em Reprodução Humana da PUC-GO Experiência devastadora, comparanda ao divórcio e ao

Leia mais

PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL

PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL Profa. Márcia Mendonça Carneiro Departamento de Ginecologia e Obstetrícia FM-UFMG Ambulatório de Dor Pélvica Crônica e Endometriose HC- UFMG G INFERTILIDADE Incapacidade

Leia mais

ABORDAGEM DO CASAL INFÉRTIL

ABORDAGEM DO CASAL INFÉRTIL ABORDAGEM DO CASAL INFÉRTIL DEFINIÇÃO Infertilidade é a incapacidade do casal engravidar, após um ano de relações sexuais regulares, sem uso de método contraceptivos. A chance de um casal normal engravidar

Leia mais

Subfertilidade Resumo de diretriz NHG M25 (segunda revisão, abril 2010)

Subfertilidade Resumo de diretriz NHG M25 (segunda revisão, abril 2010) Subfertilidade Resumo de diretriz NHG M25 (segunda revisão, abril 2010) Van Asselt KM, Hinloopen RJ, Silvius AM, Van der Linden PJQ, Van Oppen CCAN, Van Balen JAM traduzido do original em holandês por

Leia mais

Os exames que avaliam a fertilidade do casal

Os exames que avaliam a fertilidade do casal CAPÍTULO 4 Os exames que avaliam a fertilidade do casal Na pesquisa da fertilidade, os fatores são estudados levando-se em consideração cada uma das etapas no processo de reprodução. Para cada uma delas,

Leia mais

Unidade 1 - REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE

Unidade 1 - REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE Que modificações ocorrem no organismo feminino após a nidação? A nidação e as primeiras fases de gestação encontram-se sob estreito controlo hormonal. A hormona hcg estimula o corpo lúteo a produzir hormonas,

Leia mais

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE Revista: Carta Capital 28 de Agosto de 2002 SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE DOIS ESPECIALISTAS DIZEM O QUE É CIÊNCIA E O QUE É MITO, ESCLARECEM AS POSSÍVEIS CAUSAS DO PROBLEMA E AS MELHORES ALTERNATIVAS PARA

Leia mais

Uso de Citrato de Clomifeno: existe abuso?

Uso de Citrato de Clomifeno: existe abuso? Hospital Regional da Asa Sul (HRAS) Setor de Reprodução 46 o Congresso Humancopia de Ginecológica Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal Uso de Citrato de Clomifeno: existe abuso? Natalia I. Zavattiero

Leia mais

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri.

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Menstruação. É a perda periódica que se origina na mucosa uterina, caracterizada por sangramento uterino, que ocorre na mulher desde

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CASAL INFÉRTIL PONTO DE VISTA DA IMAGIOLOGIA GINECOLÓGICA

AVALIAÇÃO DO CASAL INFÉRTIL PONTO DE VISTA DA IMAGIOLOGIA GINECOLÓGICA AVALIAÇÃO DO CASAL INFÉRTIL PONTO DE VISTA DA IMAGIOLOGIA GINECOLÓGICA Renato Silva Martins Julho 2013 Introdução: Problemática da Infertilidade ESHRE European Society of Human Reproduction and Embriology

Leia mais

Guia de Orientação para tratamento da infertilidade

Guia de Orientação para tratamento da infertilidade Guia de Orientação para tratamento da infertilidade Parabéns! Ao receber este guia vocês terão tomado a importante decisão de ter filhos. Pode ser que estejam tentando descobrir os motivos porque eles

Leia mais

Reprodução Medicamente Assistida. Grupo: Ana Sofia Ramalhete Nº3 Bárbara Mello Nº23 Beatriz Luz Nº7 Bruno Alberto Nº31 Carina Fernandes Nº8

Reprodução Medicamente Assistida. Grupo: Ana Sofia Ramalhete Nº3 Bárbara Mello Nº23 Beatriz Luz Nº7 Bruno Alberto Nº31 Carina Fernandes Nº8 Reprodução Medicamente Assistida Grupo: Ana Sofia Ramalhete Nº3 Bárbara Mello Nº23 Beatriz Luz Nº7 Bruno Alberto Nº31 Carina Fernandes Nº8 Introdução A reprodução medicamente assistida é um tipo de reprodução

Leia mais

Alexandre de Lima Farah

Alexandre de Lima Farah Alexandre de Lima Farah Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

XIII Reunião Clínico - Radiológica XVII Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br/

XIII Reunião Clínico - Radiológica XVII Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br/ XIII Reunião Clínico - Radiológica XVII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen www.digimaxdiagnostico.com.br/ CASO CLÍNICO IDENTIFICAÇÃO: S.A.B. Sexo feminino. 28 anos. CASO CLÍNICO ENTRADA

Leia mais

24 Afecções do útero, Trompas e Ovários: 25 - Cervites. 26 - Câncer. 27 - Endometriose. 28 - Metropatias não infecciosas. 29 - Fibroma.

24 Afecções do útero, Trompas e Ovários: 25 - Cervites. 26 - Câncer. 27 - Endometriose. 28 - Metropatias não infecciosas. 29 - Fibroma. SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesu@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

CAPÍTULO 14. InFERTILIDADE MASCULInA. 1. INTRODUçãO

CAPÍTULO 14. InFERTILIDADE MASCULInA. 1. INTRODUçãO CAPÍTULO 14 InFERTILIDADE MASCULInA 1. INTRODUçãO Aproximadamente 15% dos casais se tornam incapazes de conceber após um ano de relações sexuais desprotegidas. O fator masculino é responsável exclusivo

Leia mais

GUIA PARA PACIENTES. Anotações

GUIA PARA PACIENTES. Anotações Anotações ENTENDENDO DO OS MIOMAS MAS UTERINOS GUIA PARA PACIENTES 1620641 - Produzido em maio/2010 AstraZeneca do Brasil Ltda. Rodovia Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 - Cotia/SP ACCESS net/sac 0800

Leia mais

Milagre do Nascimento

Milagre do Nascimento Milagre do Nascimento A ciência colabora com o sonho de casais que não poderiam ter filhos por métodos tradicionais. Por Viviane Bittencourt A inseminação artificial é um dos métodos da reprodução assistida

Leia mais

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS 1. MÉTODOS COMPORTAMENTAIS Os métodos contraceptivos são utilizados por pessoas que têm vida sexual ativa e querem evitar uma gravidez. Além disso, alguns

Leia mais

Infertilidade no consultório: Autora: Lara Morales- R2 Orientadora: Dra. Maria Albina

Infertilidade no consultório: Autora: Lara Morales- R2 Orientadora: Dra. Maria Albina Infertilidade no consultório: como conduzir Autora: Lara Morales- R2 Orientadora: Dra. Maria Albina Infertilidade Definição: Ausência de concepção após um ano mantendo relações sexuais sem proteção PRIMÁRIA

Leia mais

QUANDO INDICAR FERTILIZAÇÃO IN VITRO

QUANDO INDICAR FERTILIZAÇÃO IN VITRO 1 INFORMATIVO PROFERT - VOLUME 1 - NÚMERO 7-20/12/2009 Prezado(a) colega, Você recebe agora o SEXTO capítulo do programa "Reprodução Assistida no Consultório", com o tema "Quando encaminhar o casal para

Leia mais

Amenorréia Induzida: Indicações. XIX Jornada de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Norte XVI Jornada da Maternidade Escola Januário Cicco

Amenorréia Induzida: Indicações. XIX Jornada de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Norte XVI Jornada da Maternidade Escola Januário Cicco Amenorréia Induzida: Indicações XIX Jornada de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Norte XVI Jornada da Maternidade Escola Januário Cicco I. Amenorréia Amenorréia secundária é um distúrbio que se

Leia mais

Amenorréia. Profª. Keyla Ruzi

Amenorréia. Profª. Keyla Ruzi Amenorréia Profª. Keyla Ruzi Amenorréia Conceito: ausência de menstruação em uma época na qual ela deveria ocorrer. Exclui-se períodos de amenorréia fisiológica, como na gravidez e lactação, antes da menarca

Leia mais

M t é o t d o os o Contraceptivos

M t é o t d o os o Contraceptivos Métodos Contraceptivos São meios utilizados para evitar a gravidez quando esta não é desejada, permitindo a vivência da sexualidade de forma responsável. Permitem o planeamento familiar. 2 Como se classificam

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Disciplina de Ginecologia. Amenorréia Primária. Diagnóstico Etiológico

Universidade Federal de Pernambuco Disciplina de Ginecologia. Amenorréia Primária. Diagnóstico Etiológico Universidade Federal de Pernambuco Disciplina de Ginecologia Amenorréia Primária Diagnóstico Etiológico Prof. Sabino Pinho Otto Dix (1891 1969) Amenorréia Conceito: É a ausência temporária ou definitiva

Leia mais

CONSEQÜÊNCIAS DA HISTERECTOMIA LEIOMIOMA UTERINO - METÁSTESE MÓRBIDA

CONSEQÜÊNCIAS DA HISTERECTOMIA LEIOMIOMA UTERINO - METÁSTESE MÓRBIDA CONSEQÜÊNCIAS DA HISTERECTOMIA LEIOMIOMA UTERINO - METÁSTESE MÓRBIDA Protocolo de Pesquisa Joselma Lira Alves Maisa Homem de Mello Romeu Carillo Jr Clínica de Homeopatia do HSPM-SP LEIOMIOMA UTERINO Sinonímia

Leia mais

Tecnologia para a regulação dos nascimentos? gravidez indesejada.

Tecnologia para a regulação dos nascimentos? gravidez indesejada. Quais os contributos da Ciência e da Tecnologia para a regulação dos nascimentos? São utilizados para prevenir uma São utilizados para prevenir uma gravidez indesejada. Mét. Contracepção A - Não Naturais

Leia mais

Hipogonadismo. O que é Hipogonadismo? Causas 25/02/ 2015. Minhavida.com.br

Hipogonadismo. O que é Hipogonadismo? Causas 25/02/ 2015. Minhavida.com.br Hipogonadismo O que é Hipogonadismo? Hipogonadismo é uma doença na qual as gônadas (testículos nos homens e ovários nas mulheres) não produzem quantidades adequadas de hormônios sexuais, como a testosterona

Leia mais

Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo???

Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo??? Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo??? Lembre-se que os seres humanos só podem ter 46 cromossomos, sendo um par sexual, por exemplo: se dois espermatozóides com cromossomo sexual X e

Leia mais

Cirurgia Laparoscópica como Opção para o Ginecologista Geral

Cirurgia Laparoscópica como Opção para o Ginecologista Geral Cirurgia Laparoscópica como Opção para o Ginecologista Geral Francisco J. Candido dos Reis Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da FMRP-USP Um Breve Histórico Diagnóstico Principais Indicações Dor

Leia mais

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados.

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados. MÉTODOS HORMONAIS 1 - ANTICONCEPCIONAIS HORMONAIS ORAIS (PÍLULAS) É o método mais difundido e usado no mundo. As pílulas são consideradas um método reversível muito eficaz e o mais efetivo dos métodos

Leia mais

Raniê Ralph GO. 24 de Setembro de 2008. Professor Sobral. Ciclo Menstrual

Raniê Ralph GO. 24 de Setembro de 2008. Professor Sobral. Ciclo Menstrual 24 de Setembro de 2008. Professor Sobral. Ciclo Menstrual Fisiologia O ciclo menstrual para ocorrer depende de uma série de intercomunicações entre diversos compartimentos femininos. Todo o ciclo menstrual

Leia mais

MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE

MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE A Fertilidade é o termo empregado para categorizar a capacidade de produzir vida. Ao longo do tempo o Homem tem vindo a demonstrar interesse em controlá-la, arranjando para isso

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO 1 UNIVERSIDADE DE CUIABÁ Atividade Presencial: estudo através de Textos e Questionários realizado em sala de aula SOBRE A FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO CADA ESTUDANTE DEVERÁ IMPRIMIR E LEVAR

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

USO ORAL - ADULTO. Forma farmacêutica: Comprimidos.

USO ORAL - ADULTO. Forma farmacêutica: Comprimidos. USO ORAL - ADULTO Forma farmacêutica: Comprimidos. Apresentações: Caixa contendo 1 blister com 10 comprimidos. Caixa contendo 3 blísteres com 10 comprimidos cada. Cada comprimido contém 50 mg de citrato

Leia mais

Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012)

Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012) Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012) Bouma J, De Jonge M, De Laat EAT, Eekhof H, Engel HF, Groeneveld FPMJ, Stevens NTJM, Verduijn MM, Goudswaard AN, Opstelten W, De Vries

Leia mais

Relação do exame citológico com a utilização de hormônios

Relação do exame citológico com a utilização de hormônios 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE

Leia mais

6 de Fevereiro de 2009. Apostila 01. Amenorréia e SOP Embriologia Sexo genético O óvulo sempre carrega 23X e o sptz pode carregar 23X ou 23Y.

6 de Fevereiro de 2009. Apostila 01. Amenorréia e SOP Embriologia Sexo genético O óvulo sempre carrega 23X e o sptz pode carregar 23X ou 23Y. 6 de Fevereiro de 2009. Apostila 01 Amenorréia e SOP Embriologia Sexo genético O óvulo sempre carrega 23X e o sptz pode carregar 23X ou 23Y. Sexo gonadal Tem Y? Reações dão origem ao sexo masculino testículos

Leia mais

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA GLÂNDULAS SEXUAIS GÔNADAS MASCULINAS = TESTÍCULOS GÔNADAS FEMININAS = OVÁRIOS PRODUZEM GAMETAS E HORMÔNIOS SEXUAIS CONTROLE HORMONAL DO SISTEMA TESTÍCULOS

Leia mais

Lê com atenção e reflecte antes de responder. Boa sorte!

Lê com atenção e reflecte antes de responder. Boa sorte! Agrupameo de Escolas de Casquilh Escola Secundária de Casquilh 2º Teste Sumativo (90 minut) DISCIPLINA DE BIOLOGIA 12ºano Turmas A e B TEMA: Reprodução Humana e Engenharia Genética Dezembro 2013 Professora

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: GINECOLOGISTA C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão de Processos

Leia mais

CAPA. Arquivo Pessoal

CAPA. Arquivo Pessoal CAPA Arquivo Pessoal Aline e Rogério: mesmo com a Endometriose, casal não perde as esperanças de realizar o sonho de ter um filho, nem que seja por meio da fertilização in vitro 48 A endometriose rouba

Leia mais

Doenças Sexualmente Transmissíveis (pág. 273)

Doenças Sexualmente Transmissíveis (pág. 273) Doenças Sexualmente Transmissíveis (pág. 273) -DST (no passado conhecidas como doenças venéreas ou doenças de rua ); - São doenças transmitidas por meio de ato sexual ou contato com sangue do doente; -

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO Fixação 1) (UERJ) O gráfico abaixo ilustra um padrão de níveis plasmáticos de vários hormônios durante o ciclo menstrual da mulher. a) Estabeleça

Leia mais

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO O câncer de colo uterino é o câncer mais comum entre as mulheres no Brasil, correspondendo a, aproximadamente,

Leia mais

Métodos Contraceptivos Reversíveis. DSR- www.saudereprodutiva.dgs.pt

Métodos Contraceptivos Reversíveis. DSR- www.saudereprodutiva.dgs.pt Métodos Contraceptivos Reversíveis Estroprogestativos orais Pílula 21 cp + 7 dias pausa existem vários, podendo ser escolhido o que melhor se adapta a cada mulher são muito eficazes, quando se cumprem

Leia mais

INFORMATIVO PROFERT - VOLUME 1 - NÚMERO 5-22/10/2009

INFORMATIVO PROFERT - VOLUME 1 - NÚMERO 5-22/10/2009 INFORMATIVO PROFERT - VOLUME 1 - NÚMERO 5-22/10/2009 Prezado(a) colega, Você recebe agora o QUARTO capítulo do programa "Reprodução Assistida no Consultório". O tema abordado aqui é: "Estimulação ovariana

Leia mais

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria Atualização de Condutas em Pediatria nº 56 Departamentos Científicos SPSP - gestão 2010-2013 Março 2011 Departamento de Adolescência Distúrbios menstruais e amenorreia na adolescência Departamento de Dermatologia

Leia mais

vulva 0,9% ovário 5,1%

vulva 0,9% ovário 5,1% endométrio 12,3% ovário 5,1% vulva 0,9% colo uterino 13,3% câncer de mama 68,4% Maior incidência nas mulheres acima de 60 anos ( 75% ) Em 90% das mulheres o primeiro sintoma é o sangramento vaginal pós-menopausa

Leia mais

Métodos contracetivos

Métodos contracetivos Métodos contracetivos Os futuros pais podem e devem planear a sua família Assim, para evitar uma gravidez indesejada, devem recorrer a métodos contracetivos. podem ser Naturais Não Naturais Calculam o

Leia mais

Perpetuando a vida - 2

Perpetuando a vida - 2 A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Perpetuando a vida - 2 Atenção - Maria, olhe só o resultado do exame: positivo para gonadotrofina coriônica! Alberto e Maria olharam um para o outro, sem

Leia mais

Acta Urológica. Urologia e Medicina Familiar. Infertilidade Conjugal. Avaliação do factor masculino. Luís Ferraz. Separata Volume 23 Número 4 2006

Acta Urológica. Urologia e Medicina Familiar. Infertilidade Conjugal. Avaliação do factor masculino. Luís Ferraz. Separata Volume 23 Número 4 2006 Associação Portuguesa de Urologia Separata Volume 23 Número 4 2006 Acta Urológica Urologia e Medicina Familiar Infertilidade Conjugal Avaliação do factor masculino Director Editor Editores Adjuntos Francisco

Leia mais