Guia de Orientação para tratamento da infertilidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia de Orientação para tratamento da infertilidade"

Transcrição

1 Guia de Orientação para tratamento da infertilidade Parabéns! Ao receber este guia vocês terão tomado a importante decisão de ter filhos. Pode ser que estejam tentando descobrir os motivos porque eles não chegam; ou ate já saibam as causas, porém desejam avaliar e tentar outras formas mais eficientes de tratamento da infertilidade. De qualquer forma, o desejo de procriação é tão natural quanto o de respirar ao nascer, o de correr quando se aprende a caminhar, o de namorar na adolescência. Enfim faz parte da evolução biológica e emocional de todo ser humano. Talvez, para a mulher este desejo reflitase até como obrigação maior, uma vez que ela é quem concebe e dá a luz ao produto da concepção: o desejado bebê. Cada um de vocês está iniciando a busca por este desejo de seguir adiante e viver a expectativa da maternidade e paternidade; de ver e se encontrar no rostinho do bebê e deixar sua geração continuada pelo processo reprodutivo. Para a maioria dos casais, a possibilidade de se obter uma gestação de forma natural é muita boa, ocorrendo, segundo cálculos estatísticos e epidemiológicos em 93% dos casais no período de até 12 meses de vida sexual ativa e sem contracepção. A chance de um casal em idade reprodutiva obter a gestação tendo relação sexual no período fértil é de 18 a 20 % ao mês. No entanto, um em cada cinco ou seis casais, terá dificuldades para conceber. Assim, após um ano de tentativas as causas da infertilidade devem ser avaliadas por especialistas e as chances do casal e a necessidade de tratamento devem ser consideradas. Em especial, nos casais em que a mulher tem 35 anos ou mais, o prazo para iniciar a pesquisa se reduz para 6 meses de tentativas de concepção sem sucesso. Há estudos mostrando que nos casais com infertilidade sem causa aparente (vide glossário), em que a mulher tem idade superior a 30 anos, a probabilidade de gestação cai 9% para cada ano que passa. A taxa de gestação cai 2% a cada mês adicional, quando a infertilidade do casal persiste após três anos e meio. Por ser a infertilidade um assunto muito pessoal a particular, muitos casais não compartilham esta experiência abertamente com seus familiares e amigos. A infertilidade pode ser uma experiência devastadora, podendo alterar todos os aspectos da vida de uma pessoa. A auto-estima, os sonhos para o futuro e as relações com outras pessoas podem ser afetadas. Como resultado, muitos casais sofrem intensamente e sentem-se sós, quando na realidade não estão. O diagnostico de infertilidade não significa a impossibilidade de ter filhos. Pode significar um desafio, que pode ser vencido mais facilmente com ajuda de um tratamento medico. Os tratamentos atuais oferecem boas taxas de sucesso, e cerca de três em cada quatro mulheres engravidarão com a adequada orientação terapêutica. Contrario a crença popular, os serviços de Medicina Reprodutiva mesmo os com alta tecnologia nem sempre são caros. A maioria dos casais consegue engravidar mediante procedimentos médicos estabelecidos e não mais considerados experimentais. A produção de novos medicamentos, a microcirurgia e técnicas de reprodução assistida (TRA), fizeram com que a gravidez seja possível para a maioria dos casais que buscam tratamento. Os filhos são para as mães as âncoras da sua vida.

2 Causas da Infertilidade Conjugal A freqüência das causas de infertilidade tem distribuição praticamente semelhante nos casais, sendo o fator masculino responsável por aproximadamente 30% das vezes, outros 30% são de causas femininas, 30% de causa mista e em 10% dos casos a infertilidade é sem causa aparente. Fatores masculinos A infertilidade conjugal tem o homem como fator causal isolado ou associado às causas femininas (mistas) em mais da metade das vezes (aproximadamente 60%). Basicamente as causas estão relacionadas a; Alterações na produção de espermatozóides: desde ausência de produção (azoospermia), baixa contagem (oligozoospermia), pouca mobilidade (astenozoospermia) ou formato inadequado (teratozoospermia). Todas estas condições são geralmente assintomáticas, sendo muitas vezes diagnosticadas apenas por exames especializados. Alterações obstrutivas: modificações anatômicas por defeitos genéticos, inflamações, infecções ou cirurgias do sistema reprodutor masculino podem bloquear parcial ou totalmente a passagem dos espermatozóides e ou líquidos seminal. Alterações hormonais: situações não muito comuns onde os hormônios que agem diretamente sobre os testículos (hormônios luteizante LH, hormônio folículo estimulante FSH) ou a testosterona e a prolactina estão alterados, prejudicando tato a produção quanto a qualidade dos espermatozóides. Varicocele: varizes na região escrotal que alteram a produção espermática, podendo levar também a uma diminuição do volume testicular. Tem efeito progressivo, isto é, quanto mais tempo de ação deletéria sobre os testículos, maior a ação tóxica e a repercussão na qualidade seminal. É a principal causa conhecida de alteração da espermatogênese, sendo sua correção feita através de tratamento cirúrgico. Alterações genéticas: quando maior a alteração seminal, maior a probabilidade de haver alteração genética. Entre elas encontramos homens com cariótipo alterado, microdeleções do cromossomo Y e a presença de gene mutante da fibrose cística. Outros fatores: disfunções sexuais como os problemas de ereção, tratamento de rádio ou quimioterapia, traumatismos medulares, doenças como diabetes, algumas neuropatias (doenças neurológicas) e também a criptorquidia (ausência dos testículos na bolsa testicular) podem ser causas de infertilidade no homem.

3 Fatores femininos Embora a mulher seja considerada a embrião ate o útero. Também engloba o maior responsável pela fecundidade do chamado fator peritonial, onde casal, as causas femininas tem a mesma alterações na membrana que recobre as freqüência que as masculinas. No tubas promovem um processo de entanto pela complexidade do organismo aderência prejudicial à captação do feminino e pela responsabilidade direta óvulo. na concepção, gestação e parto, a Uterinos: referentes às alterações pesquisa das causas femininas tem um na anatomia do útero que levam a um papel muito importante. As principais prejuízo do transporte e capacitação do são: espermatozóide, sua receptividade ao Ovarianas: referentes às pré-embrião e sua capacidade de disfunções e condições patológicas que adaptar-se à gestação. afetam a produção, desenvolvimento, Cervicais: referentes às alterações amadurecimento e expulsão do óvulo, no muco e sua função de transporte, assim como alterações na produção dos capacitação e seleção dos hormônios femininos. Importante espermatozóides, alterações na sabermos que a quantidade de óvulos capacidade de contenção e proteção do que a mulher possui é determinada antes saco gestacional na cavidade uterina. do seu nascimento, e ocorre uma perda Imunológicas: referentes às de óvulos ao longo da vida, até o condições de reconhecimento, adaptação momento em que esta perda é total e e proteção dos gametas, fecundação, definitiva: a menopausa. A própria idade implantação e desenvolvimento do ( principalmente acima dos 35 anos), embrião. fatores genéticos, ambientais e Endometriose: doença de risco determinados hábitos (como tabagismo) extremo à fertilidade feminina, que podem acelerar esta perda do patrimônio envolve múltiplos fatores em seu ovariano. mecanismo promotor da infertilidade: Tubários: referentes às alterações desde alterações anatômicas e funcionais no transporte e capacitação dos do útero, tubas e ovários, até condições espermatozóides, na captação e desfavoráveis a fecundação e transporte do óvulo, no ambiente da implantação relacionadas a fatores fecundação e no transporte do pré- imunológicos.

4 Infertilidade sem causa aparente (ISCA) Cerca de 10% dos casais não apresentam causa aparente de infertilidade, mesmo após serem submetidos a rigorosos exames investigativos. Assim, não considera a infertilidade sem causa aparente como relacionada ao individuo, mas ao casal como unidade reprodutora. Muitas vezes, apenas quando submetidos as técnicas de Reprodução Assistida, podemos diagnosticar nestes casais fatores relacionados aos gametas que até então eram obscuros nos exames rotineiros. Envolvimento do casal O diagnostico de infertilidade normalmente parece causar impacto negativo ao bem estar do casal, interferindo no relacionamento conjugal. A presença da infertilidade implica na interrupção do projeto de vida dos casais produzindo uma crise que afeta as relações familiares e sociais e algumas vezes o desempenho profissional. Frequentemente diante de um resultado negativo, desencadeiam-se sentimentos de angustia e frustração, perda de controle emocional, isolamento social familiar. A infertilidade é uma experiência que origina tristeza profunda, ansiedade, sentimentos de pena e culpa. A busca de diagnostico e tratamento com Técnicas de Reprodução Humana Assistida, traduz um movimento adaptativo no sentido de encontrar a possível resolução para o problema. Por se tratar de enfermidade que atinge a ambos, os parceiros devem agir com cumplicidade, sensibilidade e respeito mútuos, disponibilidade e interesse para o diálogo. No entanto, nos momentos mais difíceis, em que o manejo dos sentimentos é fundamental, deve-se reconhecer a necessidade do auxilio de profissionais experientes para o atendimento individual ou conjugal. Diagnóstico da Infertilidade Vários exames são solicitados após a entrevista e o exame físico inicial. Muitas vezes o casal já possui exames anteriores e os de rotina ginecológica e urológica. Sendo assim, coletá-los e ordena-los para consulta auxilia muito na agilidade do diagnóstico. Exames de rotina pré-concepcionais - Tipagem sangüínea do casal; - Exames sorológicos para HIV; SIFILIS; HEPATITES B e C; - Para a mulher: sorologia para RUBEOLA; TOXOPLASMOSE e exame de prevenção do câncer uterino (PAPANICOLAU).

5 Exames do Fator Masculino Espermograma Também chamada ANALISE SEMINAL, é a mais importante fonte de informações para avaliação do homem infértil. Traz dados sobre a produção, algumas propriedades funcionais dos espermatozóides e da função secretora das glândulas acessórias. Embora o espermograma não seja um teste de fertilidade do homem, ele é muito bom indicador do status funcional dos testículos. O espermograma como exame inicial da investigação na infertilidade masculina, tem valor clínico e prognóstico adequados na avaliação da probabilidade de gravidez. Baseado na sua interpretação, podemos distinguir três situações: 1º Espermograma normal: sem evidência de infertilidade. 2º Qualidade seminal nos limites inferiores da normalidade ou pequenas alterações em um dos parâmetros: possível infertilidade. 3º Espermograma alterado: infertilidade constatada. Testes de função espermática Após a produção testicular, o espermatozóide deve atravessar uma série de barreiras no sistema reprodutor feminino, desenvolvendo sua capacidade de reação acrossômica (modificações bioquímicas e funcionais), ligando-se e penetrando a zona pelúcida do óvulo e finalmente fazendo a fusão cromossômica. Falha em qualquer destas etapas podem impedir a concepção. Estes testes tentam avaliar no laboratório estas funções. Avaliação hormonal Tem por objetivo avaliar a função secretora dos testículos, isto é, a capacidade de produção das células que circundam os túbulos seminíferos, assim como os hormônios hipofisários que agem no testículo. Outros testes Alguns exames específicos são solicitados mediante alterações particulares encontradas no exame físico do homen ou em sua analise seminal, por exemplo: - Avaliação imunológica - Testes genéricos (cariótipo, pesquisa de microdeleção do cromossomo Y) - Pesquisa de radicais livres de oxigênio - Pesquisa de fragmentação do DNA dos espermatozóides.

6 Exames do Fator Feminino Geralmente, a mulher acaba por fazer um maior número de exames que o homem, e estes exames devem obedecer uma orientação racional que permita identificar: 1º A ocorrência da ovulação, a adequação da fase lútea e a receptividade do endométrio à nidação (fixação do embrião no útero). 2º A oferta e qualidade dos espermatozóides, assim como o grau de receptividade ou hostilidade do receptáculo vagina e colo uterino. 3º A integridade anatomo-funcional das tubas uterinas. Dosagem hormonais Vários hormônios são dosados no sangue da paciente em datas definidas - Hormônio Folículo Estimulante = FSH - Hormônio Luteinizante = LH - Prolactina - Estradiol - Progesterona - Hormônio Tireoestimulante = TSH - Tiroxina livre = T4L - Perfil Androgênico - Insulina de jejum ou curva glicêmica Muco Cervical, citologia hormonal seriada, curva de temperatura basal, biopsia de endométrio, teste pós-coito São exames de uso restrito e que devem ser indicados em situações muito especiais, ou quando as dosagens hormonais no sangue e a ultrasonografia não estiverem disponíveis. O teste pós-coito avalia a interação dos espermatozóides com o muco do colo uterino. Deve ser realizado no período pré-ovulatório definido pelo médico e obedecido intervalo adequado do coito até sua coleta no laboratório. Ultra-sonografia pélvica Exame de imagem fundamental para o diagnóstico das causas, acompanhamento do tratamento e definição do período fértil no ciclo ovariano e uterino. Pode ser realizado por via abdominal e mais comumente por via transvaginal, inclusive no período menstrual e na gestação inicial, nos dias indicados pelo médico, sem riscos. Histerossalpingografia Exame radiológico com contrastre realizado por medico para avaliação dos órgãos genitais internos: cavidade uterina, permeabilidade tubária e indícios de aderências ao redor das tubas. Deve ser realizado logo após o termino do período menstrual e com exames vaginais prévios normais. É cosiderado um exame essencial na investigação da mulher. Videohisteroscopia Exame de imagem da cavidade uterina, realizado através da fibra ótica introduzida através do orifício do colo do útero, por via vaginal. Pode ser convertido em tratamento cirúrgico de alterações e doenças da cavidade uterina (miomas, pólipos e etc.), neste caso sob anestesia.

7 Videolaparoscopia Exame de imagem da cavidade abdominal e pélvica, realizado através de fibra ótica introduzida por pequenas incisões na parede abdominal, sempre em ambiente hospitalar cirúrgico e sob anestesia geral. Alem de exame diagnostico e prognostico, permite o tratamento cirúrgico das doenças das tubas, ovários, útero e outras na pelve e abdômen. É considerado o melho exame para diagnostico das lesões das tubas e endometriose. Outros exames Varias doenças podem levar a mulher à infertilidade provisória ou permanente; no entanto cabe ao médico definir os inúmeros exames que estas situações requerem. Outros exames comumente associados à pesquisa da infertilidade feminina são: exames de sangue para pesquisa de fatores imunológicos; dosagem do CA- 125 (endometriose); exames ultrasonográficos especiais (Dopplerfluxometria, histerossonografia); exame de cariotipo (alterações dos cromossomos) e pesquisas genéticas. Tratamento Iniciando o tratamento A proposta da Medicina Reprodutiva é estudar e promover a saúde reprodutiva, identificar, prevenir e combater os fatores de infertilidade; diagnosticar as causas e tratar o indivíduo ou casal que sofre com a infertilidade. Logicamente, o objetivo final é que o processo reprodutivo se desenvolva até obtermos um bebê saudável, utilizando-se desde as técnicas mais simples, até as mais complexas, quando necessário. Também, espera-se que sejam utilizados os gametas próprios do casal para se garantir a hereditariedade de cada indivíduo. O resultado final nem sempre é a cura da causa, porém o desejado bebê pode advir com o uso das técnicas adequadas, mesmo sendo necessário repeti-las mais de uma vez. Em ultima análise cabe a Medicina Reprodutiva propor técnicas de aproximação dos gametas, que facilitem a fecundação, o transporte e a nidação do embrião, assistir o seu desenvolvimento e acompanhar os resultados finais do processo reprodutivo. Tratamentos clínicos No caso de fator masculino, são poucas as causas especificas conhecidas (Hipogonadismo (Andropausa), Hipogonadotrófico, hiperprolactinemia, infecções e distúrbios ejaculatórios). Nas alterações seminais, o tratamento clínico-medicamentoso (hormônios, vitaminas e etc.) não demonstrou resultados consistentes. A manipulação laboratorial do sêmen ainda é a forma mais eficiente de tratar as alterações seminais, associando-a ou não à indução ovulatória da mulher. No fator feminino, condições como hiperprolactinemia, infecções como cervicites e endometrites, alterações imunológicas, sobrepeso e outras, também o tratamento medicamentoso têm fundamental aplicação. A estimulação (ou indução) ovariana da ovulação, no entanto, é uma importante ferramenta para a correção de disfunções ovulatórias (cujo exemplo mais conhecido é a Síndrome de Ovários Micropolicísticos) visando também aumentar a oferta de gametas femininos para a fertilização. Acaba sendo utilizada em praticamente todos os tratamentos de Reprodução Assistida, inclusive para os casais com fator masculino como única causa, na tentativa de potencializar as chances de gestação, tanto nas técnicas de Baixa como de Alta complexidade.

8 Tratamentos cirúrgicos No fator masculino cabem cirurgias para correção das anomalias anatômicas congênitas ou adquiridas do sistema reprodutor e no tratamento da varicocele. Para o homem vasectomizado a reversão da vasectomia continua sendo a primeira opção terapêutica, excetuando-se os casos onde está associado um problema feminino grave ou naqueles casais onde a mulher tem mais de 39 anos. No fator feminino, também se usam cirurgias para a correção de anomalias anatômicas de vagina, útero, tubas, endometriose, tratamento de miomas e pólipos, e excepcionalmente em alguns casos de Síndrome dos Ovários Micropolicísticos resistente à indução de ovulação, sendo a via laparascópica a melhor opção, pois segue os preceitos da técnica microcirúrgica. A endometriose acaba sendo a patologia com maior indicação cirúrgica, tanto para a confirmação diagnóstica como para o tratamento e direcionamento prognóstico, porém o preceito de não agressão ao tecido ovariano é fundamental para a preservação do futuro reprodutivo da mulher. A reversão de laqueadura tubária (pela via tradicional ou por laparoscopia), tem indicação em pacientes abaixo de 36 anos e sem fatores de infertilidade. Técnicas de baixa complexidade São assim denominadas a Relação Sexual (ou Coito) Programada e a Inseminação Artificial Intra-uterina. Nos dois procedimentos, a mulher é submetida à estimulação ovariana sob monitorização ultra-sonográfica do crescimento folicular, para se predizer o momento da ovulação respeitando-se sempre os limites de segurança. No Coito Programado o casal é orientado a ter relação no período fértil, desde que não haja fator masculino, cervical ou canalicular (cavidade uterina e tubas) associado. Na Inseminação Artificial, o sêmen é processado artificialmente no Laboratório de Sêmen, preparado e depositado pelo médico através de um cateter a cavidade uterina no momento da ovulação. Está indicada, nos casos de fator masculino leve, fator cervical, endometriose leve, na Infertilidade Sem Causa Aparente (ISCA), na falha do Coito Programado, ou para o uso de sêmen congelado ou de doador. Pode ser necessário mais que uma inseminação por ciclo, para se garantir a fecundação. Nestas duas técnicas o intuito é o de se oferecer chances semelhantes às de um casal normal que tem relação no período fértil, ou seja, em torno de 20%. A Inseminação Artificial é um procedimento simples e não requer qualquer tipo de anestesia.

9 Técnicas de alta complexidade Também denominados Técnicas de Reprodução Assistida (TRA). São realizadas no Laboratório, com preparo do sêmen e dos óvulos, portanto in vitro. A obtenção dos espermatozóides, pode ser realizada por ejaculação espontânea ou através de procedimentos cirúrgico (extração testicular ou epididimaria), sob anestesia. O preparo e manipulação dos gametas, tem variações de acordo com a forma de fecundação utilizada no laboratório: Fertilização in vitro clássica com transferência de embriões (FIV-ET) Indicada nas falhas de inseminações, endometriose grave, Síndrome dos Ovários Policísticos, fator tubário, fator masculino, doação de óvulos, ISCA de longa data, além de outras causas. Após a obtenção, seleção e preparo dos óvulos e espermatozóides, ambos são colocados numa placa no Laboratório para que haja a fertilização espontaneamente. A seguir, os óvulos fertilizados são acompanhados em seu desenvolvimento, sendo transferidos após 2 a 5 dias para a cavidade uterina, através de cateter específico. O número de pré-embriões transferidos varia de acordo com o caso, podendo ser de 1 a 4.

10 Injeção intra-citoplasmática de espermatozóides (ICSI) Indicadas na falha de FIV-ET clássica, fator masculino grave com a utilização de poucos espermatozóides do ejaculado ou obtidos por procedimentos cirúrgicos, fator imunológico seminal, além de outras causas. Consiste na injeção de um único espermatozóide diretamente no interior do óvulo, através de técnica de micromanipulação dos gametas. Os óvulos serão fertilizados e, após acompanhamento e seleção, os préembriões serão transferidos como na FIV-ET. Cada vez mais utilizado como primeira opção de técnica de alta complexidade devido ao grande potencial de fecundação dos óvulos, independentemente da condição seminal ou da qualidade dos óvulos. Criopreservação de embriões Atualmente já é possível oferecer a criopreservação para pré-embriões que tenham boa qualidade e não foram transferidos no ciclo em que foram gerados (por exemplo, em caso de numero excessivo de pré-embriões) ou devido a condições inadequadas da mulher nequele momento (endométrio não receptivo, Síndrome de Hiperestimulação Ovariana, etc). nestas situações, os pré-embriões congelados podem permanecer armazenados para uso futuro, permitindo que cada um possa, depois de descongelado, ser transferidos em outro ciclo com preparo adequado da cavidade uterina. Não há neste caso, necessidade de estimulação ovariana novamente e os pré-embriões podem ser descongelados em vários ciclos, dependendo do número e de seu reaproveitamento. Com boas técnicas, as chances são semelhantes às dos pré-embriões frescos. Doação de Óvulos Opção adotada, com consentimento e por interesse de casais, em casos em que a idade ou outras condições da mulher, não permitam a obtenção de óvulos viáveis para a fertilização. As doadoras são mulheres jovens triadas para que não haja risco de transmissão de doenças contagiosas ou alterações genéticas, e sob sigilo absoluto para ambas e entre si. Os óvulos fertilizados com sêmen do marido da receptora serão transferidos para seu útero, dando à mesma, chances equivalentes àqueles dos ciclos de TRA de mulheres jovens. As doadoras são selecionadas respeitando as características físicas, semelhança racial e sangüínea da receptora.

11 Doação de pré-embriões Indicada para casais em que ambos não podem utilizar seus próprios gametas. A doação foi decidida previamente por outros casais que tem bons embriões congelados e que por vários motivos desistiram de utiliza-los. Assim, estando disponíveis, poderão atender aos interessados que preencham as normas e características biológicas de recepção, mantendo-se o sigilo de origem e destino dos pré-embriões. Cessão temporária de útero Utilização do útero de outra mulher para receber os pré-embriões gerados por FIV ou ICSI com gametas dos pais biológicos por ausência ou disfunção grave de útero ou ainda condições que coloque em risco a vida da mãe biológica. Podem ser receptoras as parentes próximas de até 2º grau como irmã, prima, mãe, tia ou cunhada, ou qualquer mulher, após autorização do Conselho Regional de Medicina. Diagnostico genético pré-implantacional (PGD) Técnica em que os pré-embriões que atingem mais que 6 células podem ser submetidos a retirada de uma das células (blastômero), após abertura da membrana (zona pelúcida), sendo seu material cromossômico avaliado por técnicas especiais para detecção de alterações responsáveis por doenças hereditárias ou cromossômicas como, por exemplo, a Síndrome de Down (trissomia de cromossomo 21). Nesta técnica os pré-embriões afetados diagnosticados não são transferidos, evitando-se o risco do desenvolvimento de fetos portadores destas alterações genéticas. Já os não portadores de tais anomalias podem ser transferidos dando chances de implantação e desenvolvimento de fetos normais ao casal. Também é diagnosticado, simultaneamente o sexo cromossômico do pré-embrião. São indicações para tal procedimento as falhas repetidas de implantação em ciclos de FIV, idade materna avançada e histórico de doenças genéticas familiares específicas.

12 Etapas do tratamento Nos casos de técnicas de Baixa Complexidade (Coito Programado ou Inseminação Intrauterina), o tratamento é iniciado normalmente em torno do 2º ou 3º dias do ciclo (considerando-se o 1dia como sendo o que ocorreu o sangramento de ultra-sonografia prévio. A aplicação da medicação é diária e por via subcutânea (após orientação de enfermagem) e a dose é estabelecida pelo medico responsável. A partir do 7º ou 8º dia de tratamento, são feitos controles de ultra-sonografia em dias alternados ou diários, para avaliação de resposta ovariana ao estimulo, até o momento em que os folículos estejam prestes a ovular. Induz-se, então, a ovulação propriamente dita com a administração de medicamento injetável (gonadotrofina coriônica-hcg) e programam-se as relações sexuais ou a coleta e preparo do sêmen para inseminação. A inseminação pode ser realizada uma ou duas vezes no mesmo ciclo, com controle ultra-sonográfico para confirmar a ovulação. Após a ovulação preconiza-se o uso de medicamentos via vaginal para suplementação da fase lútea (progesterona), visando a melhora da implantação, ate o teste de gravidez. Nos casos de Alta Complexidade, o tratamento diverge do anterior em relação à dose dos medicamentos, que deve ser maior, e pelo fato de que é necessário bloquear a ação da glândula Hipófise sobre os ovários para que possamos selecionar um número maior de folículos e amadurece-los simultaneamente. O recurso utilizado é o uso de medicamentos que bloqueiam de forma reversível e provisória os estímulos endógenos, deixando os ovários livres para os efeitos estimuladores e administrados exogeneamente, de acordo com a intenção do médico e controlados com exames de sangue e ultra-sonografia transvaginal. Este bloqueio pode ser iniciado no final do ciclo anterior, por 12 a 15 dias até que ocorra a menstruação, e deverá ser mantido mesmo após o inicio da estimulação ovariana. Pode também ser iniciado no mesmo ciclo em que o estimulo ovariano já foi instituído, para que os folículos menores possam se desenvolver sem que os maiores ovulem antes, possibilitando maior número de folículos maduro na coleta. Em torno do 12º dia do ciclo dos folículos contêm óvulos prontos para se tornarem maduros. A ovulação não ocorrem espontaneamente devido ao bloqueio da hipófise, sendo necessário então a punção e captura dos óvulos, realizada aproximadamente 36 horas após a injeção de hcg, no centro cirúrgico, sob sedação anestésica, com agulha dirigida pela ultra-sonografia transvaginal. Imediatamente, o fluido folicular é avaliado no Laboratório para identificação e classificação dos óvulos. A coleta de sêmen é realizada logo após o inicio da punção dos óvulos, na maioria das vezes por masturbação. Quando não existem espermatozóides no material ejaculado, técnicas especiais de punção testicular ou epididimária são realizadas sob anestesia e em ambiente cirúrgico. O sêmen é preparado no Laboratório e os espermatozóides colocados em contato com os óvulos (FIV clássica) ou injetados (ICSI). No dia seguinte são verificados os óvulos fecundados e a Transferência Embrionária é realizada de 2 a 5 dias após a fertilização, selecionando de 1 a 4 embriões. A partir da punção, iniciamos os medicamentos que ajudarão a dar suporte para a implantação de embrião e manutenção da gestação (progesterona via vaginal). Estes medicamentos são mantidos até o diagnostico da gestação e suspensos caso o resultado seja negativo.

13 Resultados Doze dias após a transferência embrionária, são realizados exames de sangue para o diagnostico da gestação. Se o resultado for positivo, o tratamento continuará e será indicado exame de ultra-sonografia para diagnóstico do número de embriões implantados, sua vitalidade e localização. Nem sempre os resultados serão suspensos, e a menstruação ocorrerá. O médico indicará o retorno para a análise dos fatores envolvidos com insucesso e as orientações necessárias. Seguimento obstétrico O encaminhamento para o tratamento Pré-Natal será feito assim que seja definida a gestação clínica pela ultra-sonografia com a presença de batimentos cardíacos embrionários, e o diagnóstico precoce e gestação múltipla, para orientação especializada. Mensagem para as futuras mamães do Dr. Marco Túlio Vaintraub: O que as mulheres mais querem é engravidar, e quando isto acontece é um presente. Por isso, caso você não esteja conseguindo engravidar, você deve usar dos métodos mais eficientes disponíveis para o tratamento da infertilidade. Se um casal busca alcançar a expectativa da maternidade e paternidade é só acreditar, e buscar o auxílio de um bom médico. Entre em contato através do tel.:

Tratamentos convencionais

Tratamentos convencionais CAPÍTULO 17 Tratamentos convencionais A indicação terapêutica baseia-se na história clínica do casal, juntamente com a avaliação da pesquisa básica laboratorial. Levase também em consideração a ansiedade

Leia mais

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE Revista: Carta Capital 28 de Agosto de 2002 SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE DOIS ESPECIALISTAS DIZEM O QUE É CIÊNCIA E O QUE É MITO, ESCLARECEM AS POSSÍVEIS CAUSAS DO PROBLEMA E AS MELHORES ALTERNATIVAS PARA

Leia mais

ABORDAGEM DO CASAL INFÉRTIL

ABORDAGEM DO CASAL INFÉRTIL ABORDAGEM DO CASAL INFÉRTIL DEFINIÇÃO Infertilidade é a incapacidade do casal engravidar, após um ano de relações sexuais regulares, sem uso de método contraceptivos. A chance de um casal normal engravidar

Leia mais

Milagre do Nascimento

Milagre do Nascimento Milagre do Nascimento A ciência colabora com o sonho de casais que não poderiam ter filhos por métodos tradicionais. Por Viviane Bittencourt A inseminação artificial é um dos métodos da reprodução assistida

Leia mais

TAC: INFERTILIDADE CONJUGAL. 12º Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade Belém-PA 31 de maio de 2013 Zeliete Zambon

TAC: INFERTILIDADE CONJUGAL. 12º Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade Belém-PA 31 de maio de 2013 Zeliete Zambon TAC: INFERTILIDADE CONJUGAL 12º Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade Belém-PA 31 de maio de 2013 Zeliete Zambon Brasil Região Metropolitana de Campinas Estado de São Paulo Município

Leia mais

Os exames que avaliam a fertilidade do casal

Os exames que avaliam a fertilidade do casal CAPÍTULO 4 Os exames que avaliam a fertilidade do casal Na pesquisa da fertilidade, os fatores são estudados levando-se em consideração cada uma das etapas no processo de reprodução. Para cada uma delas,

Leia mais

PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL

PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL Profa. Márcia Mendonça Carneiro Departamento de Ginecologia e Obstetrícia FM-UFMG Ambulatório de Dor Pélvica Crônica e Endometriose HC- UFMG G INFERTILIDADE Incapacidade

Leia mais

Infertilidade FECUNDAÇÃO

Infertilidade FECUNDAÇÃO FECUNDAÇÃO A fecundação é o processo pelo qual um ovócito e um espermatozóide se unem, dando origem a um zigoto ou embrião. Esta união ocorre no aparelho genital feminino, mais concretamente na trompa

Leia mais

Unidade 1 - REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE

Unidade 1 - REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE Que modificações ocorrem no organismo feminino após a nidação? A nidação e as primeiras fases de gestação encontram-se sob estreito controlo hormonal. A hormona hcg estimula o corpo lúteo a produzir hormonas,

Leia mais

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA GLÂNDULAS SEXUAIS GÔNADAS MASCULINAS = TESTÍCULOS GÔNADAS FEMININAS = OVÁRIOS PRODUZEM GAMETAS E HORMÔNIOS SEXUAIS CONTROLE HORMONAL DO SISTEMA TESTÍCULOS

Leia mais

Congelar sêmen é alternativa para homens com câncer preservarem a fertilidade

Congelar sêmen é alternativa para homens com câncer preservarem a fertilidade FERTILIDADE Congelar sêmen é alternativa para homens com câncer preservarem a fertilidade Antes de iniciar o tratamento contra a doença, pacientes devem ser informados sobre a possibilidade de preservar

Leia mais

AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL. Fatores masculinos: 23% das causas Fatores inexplicáveis: 28% das causas Fatores femininos: 48% das causas

AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL. Fatores masculinos: 23% das causas Fatores inexplicáveis: 28% das causas Fatores femininos: 48% das causas CAPÍTULO 1 1 Definição: AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL Adner Nobre Elfie Tomaz Figueiredo Francisco C Medeiros Incapacidade de engravidar após 12 meses ou mais de relações sexuais regulares

Leia mais

Reprodução Medicamente Assistida. Grupo: Ana Sofia Ramalhete Nº3 Bárbara Mello Nº23 Beatriz Luz Nº7 Bruno Alberto Nº31 Carina Fernandes Nº8

Reprodução Medicamente Assistida. Grupo: Ana Sofia Ramalhete Nº3 Bárbara Mello Nº23 Beatriz Luz Nº7 Bruno Alberto Nº31 Carina Fernandes Nº8 Reprodução Medicamente Assistida Grupo: Ana Sofia Ramalhete Nº3 Bárbara Mello Nº23 Beatriz Luz Nº7 Bruno Alberto Nº31 Carina Fernandes Nº8 Introdução A reprodução medicamente assistida é um tipo de reprodução

Leia mais

Ambulatório de Infertilidade

Ambulatório de Infertilidade Ambulatório de Infertilidade Característica: Atendimento multidisciplinar. Consulta básica pelo ginecologista e colaboração do andrologista, psicólogo e nutricionista. 1. Critérios para admissão 1.1 Pacientes

Leia mais

Conceitos Básicos de Reprodução Assistida

Conceitos Básicos de Reprodução Assistida Conceitos Básicos de Reprodução Assistida Mariana Antunes Ribeiro ribeiro.mantunes@gmail.com Tratamentos IIU - Inseminação intra-uterina FIV - Fertilização in vitro convencional ICSI - Intracytoplasmic

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO 1 UNIVERSIDADE DE CUIABÁ Atividade Presencial: estudo através de Textos e Questionários realizado em sala de aula SOBRE A FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO CADA ESTUDANTE DEVERÁ IMPRIMIR E LEVAR

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

Os avanços da fertilização assistida

Os avanços da fertilização assistida Página 1 de 5 Os avanços da fertilização assistida Roger Abdelmassih Foto: Divulgação As conquistas de Roger Abdelmassih, especialista em andrologia e reprodução humana NILZA BELLINI Filho de libaneses,

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO Fixação 1) (UERJ) O gráfico abaixo ilustra um padrão de níveis plasmáticos de vários hormônios durante o ciclo menstrual da mulher. a) Estabeleça

Leia mais

(www.gineco.com.br) Com relação às alterações hormonais que ocorrem no ciclo menstrual, é correto afirmar que

(www.gineco.com.br) Com relação às alterações hormonais que ocorrem no ciclo menstrual, é correto afirmar que 01 - (Unicastelo SP) O gráfico representa os níveis de concentração dos diferentes hormônios femininos, no organismo, durante o ciclo menstrual. (www.gineco.com.br) Com relação às alterações hormonais

Leia mais

GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO

GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO GAMETOGÊNESES O processo de formação de gametas, na maioria dos animais, se dád através s da meiose e recebe a denominação de gametogênese..

Leia mais

- CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ

- CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ - CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ No início de cada ciclo menstrual (primeiro dia do fluxo menstrual), a hipófise anterior lança no sangue feminino o FSH (hormônio folículo-estimulante),

Leia mais

Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto

Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto Transmissão da Vida... - Morfologia do Aparelho Reprodutor Feminino Útero Trompa de Falópio Colo do útero Vagina

Leia mais

CAPÍTULO 14. InFERTILIDADE MASCULInA. 1. INTRODUçãO

CAPÍTULO 14. InFERTILIDADE MASCULInA. 1. INTRODUçãO CAPÍTULO 14 InFERTILIDADE MASCULInA 1. INTRODUçãO Aproximadamente 15% dos casais se tornam incapazes de conceber após um ano de relações sexuais desprotegidas. O fator masculino é responsável exclusivo

Leia mais

Minha filha está ficando uma moça!

Minha filha está ficando uma moça! Minha filha está ficando uma moça! A UU L AL A O que faz as meninas se transformarem em mulheres? O que acontece com seu corpo? Em geral, todos nós, homens e mulheres, somos capazes de lembrar muito bem

Leia mais

INTRODUÇÃO FORMULÁRIOS ESCRITOS DO PROCESSO DE CONSENTIMENTO INFORMADO PARA: Introdução. Introdução. Estimulação ovariana controlada (ECO)

INTRODUÇÃO FORMULÁRIOS ESCRITOS DO PROCESSO DE CONSENTIMENTO INFORMADO PARA: Introdução. Introdução. Estimulação ovariana controlada (ECO) 1 FORMULÁRIOS ESCRITOS DO PROCESSO DE CONSENTIMENTO INFORMADO PARA: 03 05 08 12 16 20 25 30 35 38 43 47 51 55 59 61 65 70 74 78 83 86 90 93 Introdução Estimulação ovariana controlada (ECO) Inseminação

Leia mais

O que é a injeção intracitoplasmática de espermatozóides?

O que é a injeção intracitoplasmática de espermatozóides? O que é a injeção intracitoplasmática de espermatozóides? A injeção intracitoplasmática de espermatozoides (ICSI) é uma técnica de reprodução assistida que faz parte do tratamento de Fecundação in Vitro

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.638-C, DE 1993. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.638-C, DE 1993. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.638-C, DE 1993 Institui normas para a utilização de técnicas de reprodução assistida. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO

Leia mais

SISTEMA GENITAL MASCULINO. Testículos

SISTEMA GENITAL MASCULINO. Testículos SISTEMA GENITAL MASCULINO Testículos - São as gônadas ou glândulas sexuais masculinas. Estes encontram-se alojados numa bolsa de pele, o escroto (saco escrotal); - Na fase embrionária estão dentro da cavidade

Leia mais

Perpetuando a vida - 2

Perpetuando a vida - 2 A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Perpetuando a vida - 2 Atenção - Maria, olhe só o resultado do exame: positivo para gonadotrofina coriônica! Alberto e Maria olharam um para o outro, sem

Leia mais

QUANDO INDICAR FERTILIZAÇÃO IN VITRO

QUANDO INDICAR FERTILIZAÇÃO IN VITRO 1 INFORMATIVO PROFERT - VOLUME 1 - NÚMERO 7-20/12/2009 Prezado(a) colega, Você recebe agora o SEXTO capítulo do programa "Reprodução Assistida no Consultório", com o tema "Quando encaminhar o casal para

Leia mais

Avaliação da Infertilidade

Avaliação da Infertilidade Avaliação da Infertilidade Dr. Eduardo Camelo de Castro Ginecologista e Obstetra Professor do Curso de Pós Graduação em Reprodução Humana da PUC-GO Experiência devastadora, comparanda ao divórcio e ao

Leia mais

Hipogonadismo. O que é Hipogonadismo? Causas 25/02/ 2015. Minhavida.com.br

Hipogonadismo. O que é Hipogonadismo? Causas 25/02/ 2015. Minhavida.com.br Hipogonadismo O que é Hipogonadismo? Hipogonadismo é uma doença na qual as gônadas (testículos nos homens e ovários nas mulheres) não produzem quantidades adequadas de hormônios sexuais, como a testosterona

Leia mais

Lê com atenção e reflecte antes de responder. Boa sorte!

Lê com atenção e reflecte antes de responder. Boa sorte! Agrupameo de Escolas de Casquilh Escola Secundária de Casquilh 2º Teste Sumativo (90 minut) DISCIPLINA DE BIOLOGIA 12ºano Turmas A e B TEMA: Reprodução Humana e Engenharia Genética Dezembro 2013 Professora

Leia mais

Gestação de Substituição ASPECTOS PSICOLÓGICOS II Simpósio de Direito Biomédico OAB Cássia Cançado Avelar Psicóloga Centro Pró-Criar Gestação de Substituição Esse tratamento é indicado para pacientes que

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013 (Publicada no D.O.U. de 09 de maio de 2013, Seção I, p. 119) Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida, anexas à presente resolução, como

Leia mais

Reprodução Medicamente Assistida RMA

Reprodução Medicamente Assistida RMA Reprodução Medicamente Assistida RMA Reprodução Medicamente Assistida Trabalho realizado por: Daniel Lopes, nº10 Simão Serrano, nº21 Sofia Mendes, nº27 Marta Mendes, nº 29 RMA Escola Secundária Maria Amália

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13 Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida, anexas à presente resolução, como dispositivo deontológico a ser seguido pelos médicos e revoga

Leia mais

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS 1. MÉTODOS COMPORTAMENTAIS Os métodos contraceptivos são utilizados por pessoas que têm vida sexual ativa e querem evitar uma gravidez. Além disso, alguns

Leia mais

e) O indivíduo X é o esporófito proveniente da multiplicação celular mitótica.

e) O indivíduo X é o esporófito proveniente da multiplicação celular mitótica. Aula n ọ 05 01. A meiose é um processo de divisão celular que ocorre na natureza e que visa à produção de esporos ou gametas. Esta divisão celular produz células-filhas com a metade dos cromossomos da

Leia mais

BIOLOGIA 12º ANO. Prof. Ângela Morais UNIDADE 1 REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE

BIOLOGIA 12º ANO. Prof. Ângela Morais UNIDADE 1 REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE Escola B+S Bispo D. Manuel Ferreira Cabral Ano Letivo 2011/2012 BIOLOGIA 12º ANO Prof. Ângela Morais UNIDADE 1 REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE 2. Manipulação da Fertilidade 2.2 Infertilidade Humana

Leia mais

Subfertilidade Resumo de diretriz NHG M25 (segunda revisão, abril 2010)

Subfertilidade Resumo de diretriz NHG M25 (segunda revisão, abril 2010) Subfertilidade Resumo de diretriz NHG M25 (segunda revisão, abril 2010) Van Asselt KM, Hinloopen RJ, Silvius AM, Van der Linden PJQ, Van Oppen CCAN, Van Balen JAM traduzido do original em holandês por

Leia mais

Sistema genital feminino pudendo feminino lábios maiores lábios menores clitóris vestíbulo vaginal clitóris uretra

Sistema genital feminino pudendo feminino lábios maiores lábios menores clitóris vestíbulo vaginal clitóris uretra Sistema Reprodutor 1. Sistema genital feminino a) Órgãos - Clítoris - Vagina - Útero - Tubas uterinas - Ovários b) Hormônios sexuais femininos c) Controle hormonal do ciclo menstrual d) Fecundação O sistema

Leia mais

Classificação: valores

Classificação: valores ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO 1º Teste Sumativo DISCIPLINA DE BIOLOGIA 12ºano Turma A TEMA : Reprodução Humana 20 de Outubro de 2011 90 minutos Nome: Nº Classificação: valores A professora:

Leia mais

PLANEJAMENTO FAMILIAR

PLANEJAMENTO FAMILIAR PLANEJAMENTO FAMILIAR O que é? Qual a importância? A quem interessa? Como fazer? PLANEJAMENTO FAMILIAR (cont.) Fundamentação na legislação Constituição Federal 1988. Título VII Artigo 226 Parágrafo 7 o.

Leia mais

Informe Público - Out/2010 Santa Maria / RS. www.labpasteursm.com.br SEXUALIDADE E CONTRACEPÇÃO

Informe Público - Out/2010 Santa Maria / RS. www.labpasteursm.com.br SEXUALIDADE E CONTRACEPÇÃO SEXUALIDADE E CONTRACEPÇÃO O início da vida sexual é um momento marcante na adolescência. São tantas dúvidas, medos preconceitos e mitos, que as vezes ficamos confusos! O exercício da sexualidade exige

Leia mais

1.1 Revisão de tópicos da morfologia e fisiologia do sistema genital feminino, sob o aspecto clínico nas diferentes espécies domésticas.

1.1 Revisão de tópicos da morfologia e fisiologia do sistema genital feminino, sob o aspecto clínico nas diferentes espécies domésticas. PROGRAMA PARA O CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DAS VAGAS PARA O CARGO DE PROFESSOR ADJUNTO, EDITAL Nº 764, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015, NA ÁREA DE REPRODUÇÃO ANIMAL 1) FÊMEA - PARTE TEÓRICA: 1.1 Revisão

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin REPRODUÇÃO HUMANA Profª Fernanda Biazin Puberdade: período de transição do desenvolvimento humano, correspondente à passagem da fase da infância para adolescência. Alterações morfológicas e fisiológicas

Leia mais

Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU)

Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU) Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU) Material distribuído exclusivamente por profissionais de saúde às pacientes usuárias de SIU, a título de orientação.

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM nº 1.957/2010 (Publicada no D.O.U. de 06 de janeiro de 2011, Seção I, p.79) A Resolução CFM nº 1.358/92, após 18 anos de vigência, recebeu modificações relativas

Leia mais

Técnicas de Reprodução Assistida

Técnicas de Reprodução Assistida Manipulação da Fertilidade Técnicas de Reprodução Assistida Juliana, nº19 Elisa, nº20 Tânia, nº26 12ºA Técnicas complementares 1. Indução da ovulação Geralmente, antes de realizar qualquer processo de

Leia mais

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004)

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Flikweert S, Wieringa-de Waard M, Meijer LJ, De Jonge A, Van Balen JAM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

Biotecnologia da Reprodução. Inseminação artificial. Transferência de embriões. Produção de animais transgênicos. Clonagem Cultura de células-tronco

Biotecnologia da Reprodução. Inseminação artificial. Transferência de embriões. Produção de animais transgênicos. Clonagem Cultura de células-tronco 23/07/12 Produção e Manipulação de Pré-embriões Inseminação artificial Fertilização in vitro Biotecnologia da Reprodução Produção de animais transgênicos Biopsia de embrião Determinação genética pré-implante

Leia mais

Bem Explicado - Centro de Explicações Lda. C.N. 9º Ano Reprodução humana

Bem Explicado - Centro de Explicações Lda. C.N. 9º Ano Reprodução humana Bem Explicado - Centro de Explicações Lda. C.N. 9º Ano Reprodução humana Nome: Data: / / 1. Os sistemas reprodutores masculino e feminino são diferentes apesar de serem constituídos por estruturas com

Leia mais

www.ivi.net.br IVI Brasil Press kit onde a vida nasce

www.ivi.net.br IVI Brasil Press kit onde a vida nasce www.ivi.net.br IVI Brasil Press kit onde a vida nasce Instituto Valenciano de Infertilidade O Instituto Valenciano de Infertilidade nasceu em 1990 como a primeira instituição médica na Espanha especializada

Leia mais

Gravidez. Métodos Anticoncepcionais

Gravidez. Métodos Anticoncepcionais Gravidez Métodos Anticoncepcionais Conhecendo o Corpo da Mulher e do Homem Para entendermos como a gravidez acontece, primeiramente precisaremos conhecer o funcionamento de algumas partes do corpo humano:

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015

RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015 RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015 Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida sempre em defesa do aperfeiçoamento das práticas e da observância aos princípios éticos e bioéticos

Leia mais

7ª série / 8º ano U. E. 11

7ª série / 8º ano U. E. 11 7ª série / 8º ano U. E. 11 Os sistemas genitais masculino e feminino A espécie humana se reproduz sexuadamente. As células reprodutivas femininas os óvulos são produzidas nos ovários da mulher, e as células

Leia mais

Testículos Epidídimos URI Campus de Santo Ângelo Curso de Psicologia - Anatomofisiologia Prof. Claudio Alfredo Konrat. Prof. Claudio A.

Testículos Epidídimos URI Campus de Santo Ângelo Curso de Psicologia - Anatomofisiologia Prof. Claudio Alfredo Konrat. Prof. Claudio A. Aparelho Reprodutor Masculino Sistema Reprodutor Testículos Epidídimos URI Campus de Santo Ângelo Curso de Psicologia - Anatomofisiologia Prof. Claudio Alfredo Konrat Canais Deferentes Vesículas Seminais

Leia mais

Métodos contraceptivos podem ser:

Métodos contraceptivos podem ser: Oqueéacontracepção? É todo o método que vise impedir a fertilização de um óvulo ou impedir a nidificação do embrião. Métodos contraceptivos podem ser: Métodos naturais. Métodos não naturais Métodos mecânicos.

Leia mais

SENSUALIDADE E SEXUALIDADE NA ADOLESCÊNCIA. Sexualidade X Sensualidade

SENSUALIDADE E SEXUALIDADE NA ADOLESCÊNCIA. Sexualidade X Sensualidade SENSUALIDADE E SEXUALIDADE NA ADOLESCÊNCIA A adolescência é uma fase de transição, mudança da infância para a vida adulta. Nesse momento acontecem várias modificações no corpo, surgem várias dúvidas, medo,

Leia mais

Unidade 7. Fecundação. Gestação. Parto

Unidade 7. Fecundação. Gestação. Parto Unidade 7 Fecundação Gestação Parto Reprodução Sexual A fecundação resulta na formação de uma nova célula (célula-ovo ou zigoto), que dará origem a um novo indivíduo. A célula deste novo indivíduo contém

Leia mais

Outubro 2013 VERSÂO 1. 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino.

Outubro 2013 VERSÂO 1. 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino. BIOLOGIA 1 12º A Outubro 2013 VERSÂO 1 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino. Figura 1 1.1. Complete a legenda da figura 1. 1.2. Identifique a estrutura onde ocorre a

Leia mais

Biologia 12ºA Outubro 2013

Biologia 12ºA Outubro 2013 Biologia 12ºA Outubro 2013 1 VERSÂO 2 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino. Figura 1 1.1. Complete a legenda da figura. 1.2. Identifique a estrutura onde ocorre a maturação

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Professor Fernando Stuchi

Professor Fernando Stuchi REPRODUÇÃO Aulas 2 a 5 1º Bimestre Professor Fernando Stuchi Seres Vivos Segundo a Teoria Celular, todos os seres vivos (animais e vegetais) são constituídos por células (exceção dos vírus que não possuem

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

Aula 16: Métodos Anticoncepcionais

Aula 16: Métodos Anticoncepcionais Aula 16: Métodos Anticoncepcionais Hormônios sexuais femininos Os dois hormônios ovarianos, o estrogênio e a progesterona, são responsáveis pelo desenvolvimento sexual da mulher e pelo ciclo menstrual.

Leia mais

Embriologia Humana. Embriologia Humana

Embriologia Humana. Embriologia Humana Embriologia Humana Prof. a Sara Tatiana Moreira, Ph.D. UTFPR Campus Santa Helena 1 1 Embriologia Humana Definição Períodos Terminologia embriológica Sistema reprodutor masculino e feminino Gametogênese

Leia mais

MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE

MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE A Fertilidade é o termo empregado para categorizar a capacidade de produzir vida. Ao longo do tempo o Homem tem vindo a demonstrar interesse em controlá-la, arranjando para isso

Leia mais

Posso fazer a barba?

Posso fazer a barba? A UU L AL A Posso fazer a barba? Você estudou na Aula 6 as transformações que acontecem durante a puberdade feminina. Agora chegou a hora de falarmos da puberdade masculina. Para os meninos, a puberdade

Leia mais

PLANEJANDO A GRAVIDEZ

PLANEJANDO A GRAVIDEZ dicas POSITHIVAS PLANEJANDO A GRAVIDEZ Uma pessoa que vive com HIV/aids pode ter filhos biológicos? Pode. As pessoas que vivem com HIV/aids não devem abandonar seus sonhos, incluindo o desejo de construir

Leia mais

Programação Preliminar

Programação Preliminar Dia 05 de Novembro Quarta-Feira - CREDENCIAMENTO DAS 14h00 às 19H00 - Área de Exposição - 26º CBRH - CEPUCS - Prédio 41 Dia 06 de Novembro Quinta-Feira 07h20 CREDENCIAMENTO Horário ATIVIDADES SALA 1 ATIVIDADES

Leia mais

ESPERMOGRAMA e BANCO DE SÊMEN BS-HIAE

ESPERMOGRAMA e BANCO DE SÊMEN BS-HIAE ESPERMOGRAMA e BANCO DE SÊMEN BS-HIAE ESPERMOGRAMA! COLETA DO SÊMEN! ANÁLISE MACROSCÓPICA! ANÁLISE MICROSCÓPICA! ANÁLISE DA VITALIDADE! ANÁLISE MORFOLÓGICA! ANÁLISE DAS CÉLULAS REDONDAS! ANÁLISE BIOQUÍMICA!

Leia mais

FILIAÇÃO NA FECUNDAÇÃO IN VITRO. Thiago Kotula Brondani

FILIAÇÃO NA FECUNDAÇÃO IN VITRO. Thiago Kotula Brondani 1 FILIAÇÃO NA FECUNDAÇÃO IN VITRO Thiago Kotula Brondani Os avanços médicos-científicos e a disseminação das técnicas de reprodução humana assistida tornaram necessária a imposição de limites éticos e

Leia mais

Unidade II Vida e ambiente Aula 7.1 Conteúdo: Métodos Contraceptivos.

Unidade II Vida e ambiente Aula 7.1 Conteúdo: Métodos Contraceptivos. Unidade II Vida e ambiente Aula 7.1 Conteúdo: Métodos Contraceptivos. 2 Habilidade: Compreender o funcionamento dos principais métodos contraceptivos (comportamentais, químicos, de barreira e definitivos).

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO É constituído por: uma vulva (genitália externa), uma vagina, um útero, duas tubas uterinas (ovidutos ou trompas de Falópio),

Leia mais

Atuação do enfermeiro em Reprodução Humana Assistida

Atuação do enfermeiro em Reprodução Humana Assistida REVISÃO Atuação do enfermeiro em Reprodução Humana Assistida Amanda Torres Ricardo Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Egle de Lourdes Fontes Jardim Okazaki Docente do Curso de Graduação em Enfermagem.

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR. Sistema reprodutor feminino

SISTEMA REPRODUTOR. Sistema reprodutor feminino SISTEMA REPRODUTOR A reprodução é de importância tremenda para os seres vivos, pois é por meio dela que os organismos transmitem suas características hereditariamente e garantem a sobrevivência de suas

Leia mais

Reprodução humana. Aula 01. Sistema genital masculino Sistema genital feminino Gametogênese. Espermatogênese Ovogênese UNIDADE 3 ESPÉCIE HUMANA

Reprodução humana. Aula 01. Sistema genital masculino Sistema genital feminino Gametogênese. Espermatogênese Ovogênese UNIDADE 3 ESPÉCIE HUMANA Reprodução humana UNIDADE 3 ESPÉCIE HUMANA Sistema genital masculino Sistema genital feminino Gametogênese CAPÍTULO 11 Espermatogênese Ovogênese Aula 01 1. SISTEMA GENITAL MASCULINO ÓRGÃOS DO SISTEMA GENITAL

Leia mais

Sistema reprodutor masculino

Sistema reprodutor masculino Sistema reprodutor masculino O sistema reprodutor masculino é composto por: Testículos Vias espermáticas Glândulas anexas Pênis Saco escrotal Assim como o pênis está localizado externamente ao corpo,

Leia mais

Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo???

Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo??? Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo??? Lembre-se que os seres humanos só podem ter 46 cromossomos, sendo um par sexual, por exemplo: se dois espermatozóides com cromossomo sexual X e

Leia mais

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA Diretor: Dr. Francisco Nogueira Martins DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE em Cuidados Hospitalares de Primeira Linha 6-7-2013 ANTÓNIO PIPA JOANA SANTOS

Leia mais

A BVC pode ser realizada tanto pela via transcervical, quanto pela via transabdominal (figura 1).

A BVC pode ser realizada tanto pela via transcervical, quanto pela via transabdominal (figura 1). 9. BIOPSIA DE VILO CORIAL Mais recentemente, a tendência em termos de diagnóstico pré-natal tem sido a de optar por métodos mais precoces, de preferência no primeiro trimestre. Esta postura apresenta as

Leia mais

APARELHO REPRODUTOR MASCULINO. É constituído pelos testículos, dutos genitais, glândulas acessórias e pênis.

APARELHO REPRODUTOR MASCULINO. É constituído pelos testículos, dutos genitais, glândulas acessórias e pênis. REPRODUÇÃO HUMANA APARELHO REPRODUTOR MASCULINO É constituído pelos testículos, dutos genitais, glândulas acessórias e pênis. TESTÍCULO O testículo produz espermatozóides e hormônio masculino e localiza-se

Leia mais

Saúde da Mulher. Ana Cristina Pinheiro. Saúde da Mulher

Saúde da Mulher. Ana Cristina Pinheiro. Saúde da Mulher Saúde da Mulher Realizado por: Ana Cristina Pinheiro (Maio de 2007) Saúde da Mulher Uma família equilibrada não pode ser produto do acaso ou da ignorância. O nascimento de uma criança deve ser o resultado

Leia mais

ÍNDICE - 21/08/2006 O Popular (GO)...2 Cidades...2

ÍNDICE - 21/08/2006 O Popular (GO)...2 Cidades...2 ÍNDICE - 21/08/2006 O Popular (GO)...2 Cidades...2 Pais doam embrião congelado para engravidar mulher infértil...2 Adormecidos no nitrogênio líquido há até dez anos...3 À espera da chance de ser mãe...3

Leia mais

Quais hormônios regulam a ovogênese?

Quais hormônios regulam a ovogênese? Controle Endócrino da Ovogênese Ciclo Sexual Feminino Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia 1 Quais hormônios regulam a ovogênese? 2 1 CONTROLE HORMONAL DA OVOGÊNESE A ovogênese

Leia mais

O que é a sexualidade?

O que é a sexualidade? O que é a sexualidade? Desde cedo, tendo em conta as características do nosso corpo, é-nos atribuído um sexo: Possuem um pénis. Masculino Feminino Possuem uma vagina. Caracteres sexuais primários Apresentam

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA E A RESOLUÇAO. Consa. Claudia Navarro C D Lemos. Junho/ 2011

O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA E A RESOLUÇAO. Consa. Claudia Navarro C D Lemos. Junho/ 2011 O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA E A RESOLUÇAO 1.957/2010 Consa. Claudia Navarro C D Lemos Junho/ 2011 Código de Ética Médica (1965) Art. 53: A inseminação artificial heteróloga não é permitida. A homóloga

Leia mais

Reprodução. Revisão: O que é reprodução? Importância de se reproduzir? O que é reprodução sexuada? Etapas da reprodução sexuada:

Reprodução. Revisão: O que é reprodução? Importância de se reproduzir? O que é reprodução sexuada? Etapas da reprodução sexuada: Reprodução Revisão: O que é reprodução? Importância de se reproduzir? O que é reprodução sexuada? Etapas da reprodução sexuada: 1) Introdução O sistema reprodutor humano possui uma série de órgãos e estruturas

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA MÉTODOS CONTRACEPTIVOS OU ANTICONCEPCIONAIS. Prof. Me. Cristino Rêgo 8º Ano Ensino Fundamental II

REPRODUÇÃO HUMANA MÉTODOS CONTRACEPTIVOS OU ANTICONCEPCIONAIS. Prof. Me. Cristino Rêgo 8º Ano Ensino Fundamental II REPRODUÇÃO HUMANA MÉTODOS CONTRACEPTIVOS OU ANTICONCEPCIONAIS Prof. Me. Cristino Rêgo 8º Ano Ensino Fundamental II Métodos Contraceptivos ou Anticoncepcionais 1 Coito Interrompido (Onanismo): Consiste

Leia mais

CURSOS ESPECIAIS MED - 03

CURSOS ESPECIAIS MED - 03 Méd Aplicada - Profa. Emanuelli CURSOS ESPECIAIS MED - 03 REPRODUÇÃO HUMANA 01-(UNIFESP-08) Louise Brown nasceu em julho de 1978, em Londres, e foi o primeiro bebê de proveta, por fecundação artificial

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA: FECUNDAÇÃO

REPRODUÇÃO HUMANA: FECUNDAÇÃO Autores: Priscila Mayumi Kashiwabara Ana Beatriz Vitiritti Débora Frigi Rodrigues Dimitson Ferreira de Oliveira Elisama Silva de Oliveira Márcio Moreno REPRODUÇÃO HUMANA: FECUNDAÇÃO Contexto: Esta aula

Leia mais

Ciclo Menstrual e Métodos Contraceptivos

Ciclo Menstrual e Métodos Contraceptivos Ciclo Menstrual e Métodos Contraceptivos Hormônios sexuais Controlados pelo FSH e LH: FSH: estimula o desenvolvimento dos folículos ovarianos; LH: responsável pelo rompimento do folículo maduro (ovulação)

Leia mais

GUIA PARA PACIENTES. Anotações

GUIA PARA PACIENTES. Anotações Anotações ENTENDENDO DO OS MIOMAS MAS UTERINOS GUIA PARA PACIENTES 1620641 - Produzido em maio/2010 AstraZeneca do Brasil Ltda. Rodovia Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 - Cotia/SP ACCESS net/sac 0800

Leia mais

Cartilha Planejamento Familiar. Medicina Preventiva

Cartilha Planejamento Familiar. Medicina Preventiva 2 19 O planejamento familiar é direito assegurado na Constituição Federal e consiste num conjunto de ações que auxiliam o casal que deseja ter filhos ou ainda, na prevenção da gravidez para aqueles que

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR. Prof. André Maia

SISTEMA REPRODUTOR. Prof. André Maia SISTEMA REPRODUTOR Denomina-se reprodução a capacidade que os seres vivos possuem de produzir descendentes. Ocorre a reprodução sexuada no homem, ou seja, para que esta reprodução aconteça é necessário

Leia mais