Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1 Gestação de Substituição ASPECTOS PSICOLÓGICOS II Simpósio de Direito Biomédico OAB Cássia Cançado Avelar Psicóloga Centro Pró-Criar

2 Gestação de Substituição Esse tratamento é indicado para pacientes que retiraram o útero (histerectomia), nasceram sem útero ou vagina ou que apresentam alterações importantes da cavidade uterina (aderências importantes, miomas múltiplos, adenomiose extensa). O procedimento é o mesmo que a FIV. Os óvulos e os espermatozóides do casal são fertilizados in vitro e no momento da transferência dos embriões, esses são colocados no útero de uma segunda mulher. Esse procedimento não deve ser anônimo, e sim realizado com parentes de 1 e 2 grau da mãe biológica. Quando a receptora ou paciente que vai albergar a gravidez não é parente de 1 ou 2 grau da mãe biológica é necessário uma autorização especial do Conselho Regional de Medicina Estadual.

3 Resoluções Conselho Federal de Medicina Resolução CFM n 1.358/92 Normas Éticas para Gestação de Substituição: 1 As doadoras temporárias do útero devem pertencer à família da doadora genética, num parentesco até o segundo grau, sendo os demais casos sujeitos à autorização do Conselho Regional de Medicina. 2 A doação temporária do útero não poderá ter caráter lucrativo ou comercial. Resolução nº 1.957/10 Sobre a Gestação de Substituição(Doação Temporário do Útero) - Gestação de substituição, somente quando exista um problema médico que impeça ou contra indique a gestação na doadora genética. 1 - As doadoras temporárias do útero devem pertencer à família da doadora genética, num parentesco até o segundo grau, sendo os demais casos sujeitos à autorização do Conselho Regional de Medicina. 2 - A doação temporária do útero não poderá ter caráter lucrativo ou comercial

4 Resolução Conselho Regional de Medicina Conselho Regional de Medicina do Estado de Minas Gerais Resolução n 291/2007 I termo de consentimento, firmado pela doadora, pelo marido ou companheiro dessa, pela donatária do útero, pelo marido ou companheiro dessa e por duas testemunhas, visando à realização do procedimento; II laudo de avaliação psicológica, favorável à realização do procedimento de substituição uterina, da doadora, pelo marido ou companheiro dessa, da donatária do útero e do marido ou companheiro dessa; IIII termo de ciência, firmado pela doadora, pelo marido ou companheiro dessa, pela donatária do útero e pelo marido ou companheiro dessa, de que o médico somente poderá realizar o procedimento, se a doação uterina não tiver fins lucrativos; IV laudo de avaliação clínica da doadora uterina, favorável a sua participação no processo de gestação pretendido. 1 Recebido pedido de avaliação da conveniência de realizar-se o procedimento de substituição uterina, deverá ser instaurado processo de homologação de proposta de realização de procedimento de substituição uterina. 2 Do termo de consentimento a que se refere o inciso I deste artigo, deverão constar informações sobre os riscos psicológicos e clínicos do procedimento.

5 Protocolo Avaliação Psicológica Avaliação Psicológica: - Casal - Candidata ao empréstimo temporário do útero - Se a doadora for casada consulta individual com o marido e consulta com o casal -Se a doadora tiver filho(s) - avaliação -Casal, a candidata ao empréstimo do útero e família Parecer Psicológico Quando favorável - Comitê de Ética da clínica

6 Comitê de Ética do Centro Pró-Criar Formado por uma equipe multidisciplinar -QuandooparecerdoComitêdeÉticaéfavorávelaotratamentoe a candidata ao empréstimo temporário do útero é parente de 1º ou 2º grau da mãe biológica encaminhada ao médico para início do tratamento. -Quando o parecer do Comitê de Ética é favorável ao tratamento e a candidata não tem vínculo de parentesco com a mãe biológica encaminhado para avaliação junto ao Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais(CRM) * Neste caso específico, o tratamento só é realizado se aprovado pelo CRM

7 Modelo Parecer Psicológico - CRM Parecer Psicológico Fertilização in Vitro com Útero de Substituição Médico responsável: nome médico Ref.: nome casal X e candidata doadora temporária do útero Y Paciente X, aos 15 anos, teve diagnóstico de agenesia uterina, apresentando incompatibilidade para gestação natural e espontânea, motivo este que indica como método de reprodução assistida fertilização in vitro com útero de substituição. Casal X casados há três anos. O casal apresenta relacionamento estável e bem estruturado e relatam ter consciência das implicações biológicas, éticas e jurídicas do tratamento de gestação de substituição. Foram avaliados como plenamente capazes psíquica e emocionalmente para tal procedimento. A irmã do marido, Y, se prontificou a ser a candidata ao empréstimo temporário do útero, uma vez que a mãe da paciente X é diabética e ela tem somente uma irmã mais nova, que esta grávida. A candidata ao empréstimo temporário do útero Y foi casada e esta divorciada há dois anos. Tem dois filhos de 7 e 9 anos. Expressa forte vínculo afetivo com casal X e grande disposição de ajudá-los nesta busca pelo sonho de terem um filho, o que resultou na opção livre e espontânea para participar do tratamento de útero de substituição. No atendimento psicológico aos filhos de Y: Y1 9 anos e Y2 7 anos, foi realizada avaliação através do teste de desenho da família, que forneceu dados sobre a vivência das relações familiares, detectando adequados níveis de adaptação ao meio familiar, vivência com contexto e dinâmica familiar positivos, estado afetivo normal das crianças, com boa estruturação da personalidade. O parecer psicológico não aponta nenhum fator psíquico/emocional que impeça que o procedimento seja realizado, avaliando a escolha da candidata ao empréstimo temporário do útero como a mais adequada para o tratamento proposto. O caso foi apresentando ao Comitê de Ética da Clínica Pró-Criar e teve parecer favorável. Belo Horizonte, 10 de fevereiro de 2011 Cássia Maria de Carvalho Cançado Avelar Psicóloga CRP

8 Acompanhamento Psicológico Acompanhamento Psicólogico do casal, da doadora temporária do útero e família: No decorrer do tratamento: - durante a estimulação ovariana - no dia da transferência embrionária - após a transferência, antes do resultado - após resultado negativo ou positivo - Trimestral durante a gravidez do casal, da doadora temporária do útero e família - Após o nascimento da criança acompanhamento pais biológicos, da gestadora e família

9 Gestação de Substituição Experiência de 10 anos Centro Pró-Criar De2001a2011 atendidos21casosparatratamentodegestação de substituição no Centro Pró-Criar: Destes, 5 tiveram parecer psicológico e do Comitê de Ética favorável, realizaram tratamento, resultando em gravidez, sendo que: Em 3 casos as donatárias do útero não tinham vínculo de parentesco com a mãe biológica e tiveram aprovação do CRM. (amiga, sogra, cunhada da mãe biológica) Em 2 casos, as donatárias eram parentes da mãe biológica (mãe e irmã)

10 Gestação de Substituição Experiência de 10 anos Centro Pró-Criar 5 casos tiveram parecer psicológico favorável e as donatárias do útero eram parente da mãe biológica, porém: - 3 casos tiveram resultado negativo -2 casos o tratamento foi cancelado, devido a má resposta ovulatória da paciente(mãe biológica).

11 Gestação de Substituição Experiência de 10 anos Centro Pró-Criar -5 casos foram avaliados psicologicamente como inaptos -3 casos as donátarias não tinham vínculo de parentesco com a mãe biológica e as relações não foram avaliadas como adequadas para o tratamento(duas donátarias desistiram de realizar o tratamento) -2 casos foi evidenciado durante a entrevista psicológica fins lucrativos -2 casos foram indeferidos pelo Comitê de Ética -1 caso casal homoafetivo (2009) paciente não tinha útero e queria utilizar seus óvulos com sêmen doado e transferir os embriões na parceira. Indeferido pelo Comitê de Ética, devido às diversas variáveis envolvidas: útero de substituição sem vínculo de parentesco, idade da paciente que iria utilizar os óvulos e sêmen doado -1 caso a paciente tinha problemas de saúde riscos com a estimulação Indeferido pelo Comitê de Ética

12 Gestação de Substituição Experiência de 10 anos Centro Pró-Criar -3casosemandamentoem2011,sendoque: 2 casos estão em processo de avaliação psicológica donatárias sem vínculo de parentesco com a mãe biológica(amiga e cunhada) 1 caso donatária do útero é cunhada da mãe biológica, teve autorização do CRM e esta em tratamento -1 caso a paciente tem 18 anos, irá retirar o útero e esta em tratamento de criopreservação, para tratamento de gestação de substituição futura.

13 Gestação de Substituição Considerações Finais -Resolução 1957/2010 do Conselho Federal de Medicina, estipula novas normas éticas em Reprodução Humana. Entre elas, está a questão de casais homoafetivos e famílias monoparentais. -Em maio último, em decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), os homossexuais passam a ter reconhecido o direito de receber pensão alimentícia, ter acesso à herança de seu companheiro em caso de morte e podem ser incluídos como dependentes nos planos de saúde. Poderão adotar filhos e registrá-los em seus nomes, dentre outros direitos. Estando incluída, inclusive, tratamentos de fertilização in vitro.

14 -Aspectos éticos Gestação de Substituição Considerações Finais - Ao consideramos o casal infértil, a doadora temporária do útero não poderia ser também parente de 1º e 2º grau do pai biológico? - Somente casais formalmente constituídos poderiam dispor destes recursos? - Solteiras e solteiros, homoafetivos ou não, teriam vez no uso destas novas tecnologias? Para tantas questões, e outras mais, não existem respostas prontas. Acredito que a discussão bioética está começando, uma vez que a tecnologia da reprodução tem trazido ao centro do debate novos grupos que não se encaixam na definição clássica da família nuclear. E é este o nosso propósito aqui hoje!

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.638-C, DE 1993. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.638-C, DE 1993. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.638-C, DE 1993 Institui normas para a utilização de técnicas de reprodução assistida. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM nº 1.957/2010 (Publicada no D.O.U. de 06 de janeiro de 2011, Seção I, p.79) A Resolução CFM nº 1.358/92, após 18 anos de vigência, recebeu modificações relativas

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015

RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015 RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015 Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida sempre em defesa do aperfeiçoamento das práticas e da observância aos princípios éticos e bioéticos

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013 (Publicada no D.O.U. de 09 de maio de 2013, Seção I, p. 119) Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida, anexas à presente resolução, como

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13 Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida, anexas à presente resolução, como dispositivo deontológico a ser seguido pelos médicos e revoga

Leia mais

PROCESSO-CONSULTA CFM nº 8.036/11 PARECER CFM nº 7/12 INTERESSADO: Fertilização in vitro Gestação de substituição. Cons. José Hiran da Silva Gallo

PROCESSO-CONSULTA CFM nº 8.036/11 PARECER CFM nº 7/12 INTERESSADO: Fertilização in vitro Gestação de substituição. Cons. José Hiran da Silva Gallo PROCESSO-CONSULTA CFM nº 8.036/11 PARECER CFM nº 7/12 INTERESSADO: CRM-PE ASSUNTO: RELATOR: Fertilização in vitro Gestação de substituição Cons. José Hiran da Silva Gallo EMENTA: A doação temporária do

Leia mais

União Homossexual. Humana Assistida

União Homossexual. Humana Assistida União Homossexual e Reprodução Humana Assistida Dra. Rívia Lamaita II SIMPÓSIO DE DIREITO BIOMÉDICO 04 de junho de 2011 DEBATE ÉTICO SOBRE UNIÃO HOMOSSEXUAL: COMO SURGIU? Parte da razão para o não reconhecimento

Leia mais

FILIAÇÃO NA FECUNDAÇÃO IN VITRO. Thiago Kotula Brondani

FILIAÇÃO NA FECUNDAÇÃO IN VITRO. Thiago Kotula Brondani 1 FILIAÇÃO NA FECUNDAÇÃO IN VITRO Thiago Kotula Brondani Os avanços médicos-científicos e a disseminação das técnicas de reprodução humana assistida tornaram necessária a imposição de limites éticos e

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 100/XII/1.ª

PROJECTO DE LEI N.º 100/XII/1.ª Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 100/XII/1.ª GARANTE O ACESSO DE TODAS AS MULHERES À PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA (PMA) E REGULA O RECURSO À MATERNIDADE DE SUBSTITUIÇÃO, PROCEDENDO À SEGUNDA ALTERAÇÃO

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 14/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 05/04/2013)

PARECER CREMEB Nº 14/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 05/04/2013) PARECER CREMEB Nº 14/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 05/04/2013) Expediente Consulta Nº 018.621/2012 Assunto: Fertilização in vitro com material biológico de doador falecido. Relatora: Consª Maria Lúcia

Leia mais

ÍNDICE - 21/08/2006 O Popular (GO)...2 Cidades...2

ÍNDICE - 21/08/2006 O Popular (GO)...2 Cidades...2 ÍNDICE - 21/08/2006 O Popular (GO)...2 Cidades...2 Pais doam embrião congelado para engravidar mulher infértil...2 Adormecidos no nitrogênio líquido há até dez anos...3 À espera da chance de ser mãe...3

Leia mais

Inseminação Artificial no Ordenamento Jurídico Brasileiro: a Omissão Presente no Código Civil e a Busca por uma Legislação Específica

Inseminação Artificial no Ordenamento Jurídico Brasileiro: a Omissão Presente no Código Civil e a Busca por uma Legislação Específica Doutrina Inseminação Artificial no Ordenamento Jurídico Brasileiro: a Omissão Presente no Código Civil e a Busca por uma Legislação Específica RENATA MALTA VILAS-BÔAS Mestre em Direito Público pela UFPE,

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º./XII/1.ª

PROJECTO DE LEI N.º./XII/1.ª Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º./XII/1.ª GARANTE O ACESSO DE TODAS AS MULHERES À PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA (PMA) E REGULA O RECURSO À MATERNIDADE DE SUBSTITUIÇÃO, PROCEDENDO À SEGUNDA ALTERAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 1.957/10

RESOLUÇÃO CFM nº 1.957/10 RESOLUÇÃO CFM nº 1.957/10 A Resolução CFM nº 1.358/92, após 18 anos de vigência, recebeu modificações relativas à reprodução assistida, o que gerou a presente resolução, que a substitui in totum. O CONSELHO

Leia mais

INFORMATIVO n. 9, Outubro, 2013

INFORMATIVO n. 9, Outubro, 2013 INFORMATIVO n. 9, Outubro, 2013 Este Informativo pode ser acessado no site do CEBID www.cebid.com.br Editorial A REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA E A RESOLUÇÃO CFM n. 2013/2013 A normatização da reprodução

Leia mais

PARECER N.º 467/CITE/2015

PARECER N.º 467/CITE/2015 PARECER N.º 467/CITE/2015 Assunto: Parecer prévio à intenção de recusa de autorização de trabalho em regime de horário flexível a trabalhadora com responsabilidades familiares, nos termos do n.º 5 do artigo

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 4.892, DE 2012 (Do Sr. Eleuses Paiva)

PROJETO DE LEI N.º 4.892, DE 2012 (Do Sr. Eleuses Paiva) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 4.892, DE 2012 (Do Sr. Eleuses Paiva) Institui o Estatuto da Reprodução Assistida, para regular a aplicação e utilização das técnicas de reprodução humana assistida

Leia mais

DOCUMENTOS E ORIENTAÇÕES QUE DEVEM SER OBSERVADOS PARA TRANSPLANTES COM DOADOR VIVO EM RELAÇÃO A CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ

DOCUMENTOS E ORIENTAÇÕES QUE DEVEM SER OBSERVADOS PARA TRANSPLANTES COM DOADOR VIVO EM RELAÇÃO A CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ DOCUMENTOS E ORIENTAÇÕES QUE DEVEM SER OBSERVADOS PARA TRANSPLANTES COM DOADOR VIVO EM RELAÇÃO A CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ Através do presente sintetizamos as exigências legais previstas

Leia mais

Inseminação Artificial no Ordenamento Jurídico Brasileiro: A omissão presente no Código Civil e a busca por uma legislação específica

Inseminação Artificial no Ordenamento Jurídico Brasileiro: A omissão presente no Código Civil e a busca por uma legislação específica Inseminação Artificial no Ordenamento Jurídico Brasileiro: A omissão presente no Código Civil e a busca por uma legislação específica Renata Malta Vilas-Bôas 1 Resumo: Trata-se de uma análise referente

Leia mais

LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997

LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997 LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997 Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto Gestar

Mostra de Projetos 2011. Projeto Gestar Mostra de Projetos 2011 Projeto Gestar Mostra Local de: São José dos Pinhais Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais Nome da Instituição/Empresa: Instituto Ser-Vir Cidade:

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 126/X ESTABELECE OS PRINCÍPIOS DA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA EM CÉLULAS ESTAMINAIS E A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES

PROJECTO DE LEI N.º 126/X ESTABELECE OS PRINCÍPIOS DA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA EM CÉLULAS ESTAMINAIS E A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda PROJECTO DE LEI N.º 126/X ESTABELECE OS PRINCÍPIOS DA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA EM CÉLULAS ESTAMINAIS E A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES Exposição de motivos O isolamento de

Leia mais

GUIA PARA PACIENTES. Anotações

GUIA PARA PACIENTES. Anotações Anotações ENTENDENDO DO OS MIOMAS MAS UTERINOS GUIA PARA PACIENTES 1620641 - Produzido em maio/2010 AstraZeneca do Brasil Ltda. Rodovia Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 - Cotia/SP ACCESS net/sac 0800

Leia mais

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE Revista: Carta Capital 28 de Agosto de 2002 SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE DOIS ESPECIALISTAS DIZEM O QUE É CIÊNCIA E O QUE É MITO, ESCLARECEM AS POSSÍVEIS CAUSAS DO PROBLEMA E AS MELHORES ALTERNATIVAS PARA

Leia mais

www.ivi.net.br IVI Brasil Press kit onde a vida nasce

www.ivi.net.br IVI Brasil Press kit onde a vida nasce www.ivi.net.br IVI Brasil Press kit onde a vida nasce Instituto Valenciano de Infertilidade O Instituto Valenciano de Infertilidade nasceu em 1990 como a primeira instituição médica na Espanha especializada

Leia mais

Milagre do Nascimento

Milagre do Nascimento Milagre do Nascimento A ciência colabora com o sonho de casais que não poderiam ter filhos por métodos tradicionais. Por Viviane Bittencourt A inseminação artificial é um dos métodos da reprodução assistida

Leia mais

Conteúdo: Direitos da Personalidade: Características: Irrenunciabilidade; Espécies: Direito ao Corpo.

Conteúdo: Direitos da Personalidade: Características: Irrenunciabilidade; Espécies: Direito ao Corpo. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Civil (Parte Geral) / Aula 07 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Direitos da Personalidade: Características: Irrenunciabilidade; Espécies: Direito

Leia mais

QUANDO INDICAR FERTILIZAÇÃO IN VITRO

QUANDO INDICAR FERTILIZAÇÃO IN VITRO 1 INFORMATIVO PROFERT - VOLUME 1 - NÚMERO 7-20/12/2009 Prezado(a) colega, Você recebe agora o SEXTO capítulo do programa "Reprodução Assistida no Consultório", com o tema "Quando encaminhar o casal para

Leia mais

Principais modificações incluídas na Res. 466/12 que revogou a Res. 196/96

Principais modificações incluídas na Res. 466/12 que revogou a Res. 196/96 Principais modificações incluídas na Res. 466/12 que revogou a Res. 196/96 I PREÂMBULO RESOLUÇÃO 196/96 Mirian Ghiraldini Franco Informa que a Resolução está fundamentada nos principais documentos internacionais

Leia mais

Doação de gâmetas. Faculdade de Medicina Universidade de Lisboa Ética e Deontologia Médicas Prof. Doutor Miguel Oliveira e Silva Maio 2010

Doação de gâmetas. Faculdade de Medicina Universidade de Lisboa Ética e Deontologia Médicas Prof. Doutor Miguel Oliveira e Silva Maio 2010 Faculdade de Medicina Universidade de Lisboa Ética e Deontologia Médicas Prof. Doutor Miguel Oliveira e Silva Maio 2010 Doação de gâmetas Trabalho realizado por: Ana Catarina Henriques Anabela Aires Maria

Leia mais

UNIJUI UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DE SUL REGIANE ANDREIA ABEGG KLEVESTON

UNIJUI UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DE SUL REGIANE ANDREIA ABEGG KLEVESTON UNIJUI UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DE SUL REGIANE ANDREIA ABEGG KLEVESTON A REPRODUÇÃO HUMANA MEDICAMENTE ASSISTIDA E O SEU IMPACTO NO DIREITO SUCESSÓRIO Ijuí(RS) 2013 1 REGIANE

Leia mais

Estatuto das Familias

Estatuto das Familias Estatuto das Familias Princípios: a dignidade da pessoa humana, a solidariedade familiar, a igualdade de gêneros, de filhos e das entidades familiares, a convivência familiar, o melhor interesse da criança

Leia mais

A doação compartilhada de óvulos no Brasil sob enfoque do Direito e da Bioética

A doação compartilhada de óvulos no Brasil sob enfoque do Direito e da Bioética SEÇÃO BIOÉTICA A doação compartilhada de óvulos no Brasil sob enfoque do Direito e da Bioética Egg sharing in Brazil from the legal and bioethical point of view Instituto Bioetica 1, Marianna Gazal Passos

Leia mais

Perfil de Competências dos Especialistas

Perfil de Competências dos Especialistas Perfil de Competências dos Especialistas Os Especialistas em Saúde do Colégio de Biologia Humana e Saúde apresentam, de um modo global, as seguintes competências: Perfil de Competências do Especialista

Leia mais

PARECER N.º P/01/APB/05 SOBRE A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES HUMANOS EM INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA

PARECER N.º P/01/APB/05 SOBRE A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES HUMANOS EM INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA PARECER N.º P/01/APB/05 SOBRE A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES HUMANOS EM INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA RELATOR: RUI NUNES 1 PREÂMBULO Poucas questões têm despertado tanta controvérsia como a natureza e a atribuição

Leia mais

DOAÇÃO DE GAMETAS E A GARANTIA DE SIGILO AOS

DOAÇÃO DE GAMETAS E A GARANTIA DE SIGILO AOS II SIMPÓSIO DE DIREITO BIOMÉDICO DOAÇÃO DE GAMETAS E A GARANTIA DE SIGILO AOS DOADORES Maria de Fátima Freire de Sá PUC Minas www.cebid.com.br Identidade pessoal e identidade genética Art. 3º: Cada indivíduo

Leia mais

PARECER Nº 82/2010_E_ PROCESSO Nº 2009/104323 Data inclusão: 21/05/2010

PARECER Nº 82/2010_E_ PROCESSO Nº 2009/104323 Data inclusão: 21/05/2010 PARECER Nº 82/2010_E_ PROCESSO Nº 2009/104323 Data inclusão: 21/05/2010 (082/10_E) REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS _ Assento de nascimento _ Filha gerada mediante fertilização in vitro e posterior

Leia mais

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante POR QUE CRIAR CIHDOTTs? 6294 hospitais no país Necessidade de descentralização Equipes localizadas dentro do hospital notificante

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Nelson Bornier)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Nelson Bornier) PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Nelson Bornier) Dispõe sobre doação de sangue e células do corpo humano vivo para fins de transplante de medula óssea e de outros precursores hematopoéticos, e estabelece

Leia mais

PLANEJANDO A GRAVIDEZ

PLANEJANDO A GRAVIDEZ dicas POSITHIVAS PLANEJANDO A GRAVIDEZ Uma pessoa que vive com HIV/aids pode ter filhos biológicos? Pode. As pessoas que vivem com HIV/aids não devem abandonar seus sonhos, incluindo o desejo de construir

Leia mais

1.1 Revisão de tópicos da morfologia e fisiologia do sistema genital feminino, sob o aspecto clínico nas diferentes espécies domésticas.

1.1 Revisão de tópicos da morfologia e fisiologia do sistema genital feminino, sob o aspecto clínico nas diferentes espécies domésticas. PROGRAMA PARA O CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DAS VAGAS PARA O CARGO DE PROFESSOR ADJUNTO, EDITAL Nº 764, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015, NA ÁREA DE REPRODUÇÃO ANIMAL 1) FÊMEA - PARTE TEÓRICA: 1.1 Revisão

Leia mais

Lei n.º 32/2006 de 26 de Julho. Procriação medicamente assistida

Lei n.º 32/2006 de 26 de Julho. Procriação medicamente assistida Lei n.º 32/2006 de 26 de Julho Procriação medicamente assistida A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo

Leia mais

Unidade 1 - REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE

Unidade 1 - REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE Que modificações ocorrem no organismo feminino após a nidação? A nidação e as primeiras fases de gestação encontram-se sob estreito controlo hormonal. A hormona hcg estimula o corpo lúteo a produzir hormonas,

Leia mais

REVISTA ÂMBITO JURÍDICO Insemina? Artificial no Ordenamento Jur?co Brasileiro: A omiss?presente no C?o Civil e a busca por uma legisla? espec?

REVISTA ÂMBITO JURÍDICO Insemina? Artificial no Ordenamento Jur?co Brasileiro: A omiss?presente no C?o Civil e a busca por uma legisla? espec? REVISTA ÂMBITO JURÍDICO Insemina? Artificial no Ordenamento Jur?co Brasileiro: A omiss?presente no C?o Civil e a busca por uma legisla? espec?ca Resumo: Trata-se de uma análise referente à inseminação

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1. a série N. o 143 26 de Julho de 2006 5245 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n. o 32/2006 de 26 de Julho Procriação medicamente assistida A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

TÍTULO: FILHOS DA REPRODUÇÃO ASSISTIDA: REVELAR OU NÃO REVELAR, EIS A QUESTÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

TÍTULO: FILHOS DA REPRODUÇÃO ASSISTIDA: REVELAR OU NÃO REVELAR, EIS A QUESTÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: FILHOS DA REPRODUÇÃO ASSISTIDA: REVELAR OU NÃO REVELAR, EIS A QUESTÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

Meses. (siga S4) (siga S5)

Meses. (siga S4) (siga S5) Módulo S - Atendimento Pré-natal Agora vou lhe fazer perguntas sobree o atendimento pré-natal. [Entrevistador: As questões deste módulo são dirigidas àss mulheres último parto posteriores a / / ) que tiveram

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM Nº 1.982/2012 (publicada no D.O.U. de 27 de fevereiro de 2012, Seção I, p. 186-7) Dispõe sobre os critérios de protocolo e avaliação para o reconhecimento de

Leia mais

FILIAÇÃO BIOTECNOLÓGICA E SUAS IMPLICAÇÕES JURÍDICAS NO ÂMBITO INTERNO

FILIAÇÃO BIOTECNOLÓGICA E SUAS IMPLICAÇÕES JURÍDICAS NO ÂMBITO INTERNO 1 FILIAÇÃO BIOTECNOLÓGICA E SUAS IMPLICAÇÕES JURÍDICAS NO ÂMBITO INTERNO MARIA POMPEIA SEVERIANO ARAÚJO 1 Resumo: O presente estudo debruça-se sobre a filiação decorrente de técnicas de reprodução humana

Leia mais

AS CONSEQUÊNCIAS PSICOLÓGICAS NAS MULHERES INFÉRTEIS E ESTÉREIS

AS CONSEQUÊNCIAS PSICOLÓGICAS NAS MULHERES INFÉRTEIS E ESTÉREIS AS CONSEQUÊNCIAS PSICOLÓGICAS NAS MULHERES INFÉRTEIS E ESTÉREIS Lucilaine Rodrigues Azem; Maria Cláudia Martins dos Santos; José Rogério de Paula. Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium - UNISALESIANO

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 9.7.2003 COM (2003) 390 final 2003/0151 (CNS) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO que altera a Decisão 2002/834/CE que adopta o programa específico de investigação,

Leia mais

CARGO, VAGA, LOCAL DE TRABALHO, CARGA HORÁRIA E REMUNERAÇÃO

CARGO, VAGA, LOCAL DE TRABALHO, CARGA HORÁRIA E REMUNERAÇÃO EDITAL N. 05 DO CENTRO DE DEFESA DA CIDADANIA PROCESSO DE SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIO DE PSICOLOGIA, DE SERVIÇO SOCIAL E DE DIREITO PARA ATUAÇÃO NO NÚCLEO DE ATENDIMENTO ÀS VÍTIMAS DE CRIMES VIOLENTOS DE BELO

Leia mais

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque é um parceiro VIH positivo numa relação com um homem.

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque é um parceiro VIH positivo numa relação com um homem. Informação ao participante e consentimento informado para o parceiro VIH positivo Estudo PARTNER O estudo PARTNER é um estudo levado a cabo com casais em que: (i) um parceiro é VIH positivo e o outro é

Leia mais

Lei n.º 32/2006, de 26 de Julho, Procriação medicamente assistida

Lei n.º 32/2006, de 26 de Julho, Procriação medicamente assistida 1/14 JusNet 1455/2006 Lei n.º 32/2006, de 26 de Julho, Procriação medicamente assistida (DR N.º 143, Série I, 26 Julho 2006; Data Disponibilização 26 Julho 2006) Emissor: Assembleia da República Entrada

Leia mais

Estratégias de preservação da fertilidade em pacientes com câncer. Iúri Donati Telles de Souza Especialista em Reprodução Humana USP Ribeirão Preto

Estratégias de preservação da fertilidade em pacientes com câncer. Iúri Donati Telles de Souza Especialista em Reprodução Humana USP Ribeirão Preto Estratégias de preservação da fertilidade em pacientes com câncer de mama Iúri Donati Telles de Souza Especialista em Reprodução Humana USP Ribeirão Preto Câncer de mama e fertilidade Por que? Como o tratamento

Leia mais

O Ministério Público expediu parecer favorável ao pedido. É o relatório. Fundamento e decido.

O Ministério Público expediu parecer favorável ao pedido. É o relatório. Fundamento e decido. Vistos. O Oficial do Registro Civil de Jacareí/SP elaborou consulta a esta Corregedoria Permanente, sobre a lavratura do registro de nascimento de A.G.H.L., nascido em 05/04/2012. Isso porque a mulher

Leia mais

Informação da CRIANÇA

Informação da CRIANÇA Form R-3P02012011 PARTA(Portuguese) DOCUMENTO VALIDO EXCLUSIVAMENTE PARA EFEITOS DE TRADUÇAO Commonwealth of Massachusetts Department of Public Health (Departamento de Saúde Pública) Registry of Vital

Leia mais

Transplante de Órgãos e Tecidos. Centro Médico de Ribeirão Preto 2014

Transplante de Órgãos e Tecidos. Centro Médico de Ribeirão Preto 2014 Transplante de Órgãos e Tecidos Centro Médico de Ribeirão Preto 2014 História dos transplantes Mitos da época da antiga Grécia, da romana e da chinesa apresentam relatos fantasiosos de transplantes realizados

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N o 3.055, DE 2004 (Apensados Projetos de Lei nº 4.555, de 2004, e nº 7.216, de 2006) Cria o Programa Nacional de Coleta, Armazenamento,

Leia mais

REGULAMENTO DA REVISTA ELETRÔNICA MULTIDISCIPLINAR CIÊNCIA & INOVAÇÃO DA FACULDADE DE AMERICANA

REGULAMENTO DA REVISTA ELETRÔNICA MULTIDISCIPLINAR CIÊNCIA & INOVAÇÃO DA FACULDADE DE AMERICANA REGULAMENTO DA REVISTA ELETRÔNICA MULTIDISCIPLINAR CIÊNCIA & INOVAÇÃO DA FACULDADE DE AMERICANA Art. 1º - A Revista Eletrônica Ciência & Inovação, em versão exclusivamente eletrônica, de orientação pluralista,

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

PROCESSO DE ADOÇÃO. 1. Desenvolvimento

PROCESSO DE ADOÇÃO. 1. Desenvolvimento PROCESSO DE ADOÇÃO * Ricardo Peixoto Teixeira ** Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho 1 Resumo A adoção é tradicionalmente considerada como instituto de direito de família, que tem por finalidades

Leia mais

BIOÉTICA E MANIPULAÇÃO DE EMBRIÕES Prof. Ms. Lia Cristina Campos Pierson Professora de Medicina Forense

BIOÉTICA E MANIPULAÇÃO DE EMBRIÕES Prof. Ms. Lia Cristina Campos Pierson Professora de Medicina Forense BIOÉTICA E MANIPULAÇÃO DE EMBRIÕES Prof. Ms. Lia Cristina Campos Pierson Professora de Medicina Forense A personalidade só começa quando o sujeito tem consciência de si, não como de um eu simplesmente

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

REFLEXOS DO BIODIREITO NO DIREITO DAS FAMÍLIAS

REFLEXOS DO BIODIREITO NO DIREITO DAS FAMÍLIAS REFLEXOS DO BIODIREITO NO DIREITO DAS FAMÍLIAS M.ª Clarissa Bottega* Os conhecimentos científicos parecem perturbar nossa auto-compreensão tanto quanto mais próximos estiverem de nos atingir. 1 BIOÉTICA

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PSICOSSOCIAL DE PRETENDENTES À ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES)

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PSICOSSOCIAL DE PRETENDENTES À ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES) ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PSICOSSOCIAL DE PRETENDENTES À ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES) ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PSICOSSOCIAL DE PRETENDENTES À ADOÇÃO INTERNACIONAL

Leia mais

HERANÇA. Danilo Santana

HERANÇA. Danilo Santana A RELAÇÃO HERANÇA Danilo Santana HOMOSSEXUAL PODE GERAR SOCIEDADE E NÃO A RELAÇÃO HOMOSSEXUAL PODE GERAR SOCIEDADE E NÃO HERANÇA Danilo Santana Advogado, graduado em Direito pela PUC-MG, membro efetivo

Leia mais

A ROPA EM QUESTÃO: OPÇÃO PELOS LAÇOS BIOLÓGICOS E LEGALIZAÇÃO DO VÍNCULO FILIAL ENTRE CASAIS DE LÉSBICAS

A ROPA EM QUESTÃO: OPÇÃO PELOS LAÇOS BIOLÓGICOS E LEGALIZAÇÃO DO VÍNCULO FILIAL ENTRE CASAIS DE LÉSBICAS A ROPA EM QUESTÃO: OPÇÃO PELOS LAÇOS BIOLÓGICOS E LEGALIZAÇÃO DO VÍNCULO FILIAL ENTRE CASAIS DE LÉSBICAS Camila Vitule 1 Márcia Thereza Couto 2 Rosana Machin 3 Resumo: As Novas Tecnologias Reprodutivas

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A ADOÇÃO HOMOAFETIVA (2011) 1

REFLEXÕES SOBRE A ADOÇÃO HOMOAFETIVA (2011) 1 REFLEXÕES SOBRE A ADOÇÃO HOMOAFETIVA (2011) 1 ALVES,Ferigolo Anelise 2 ; BOTTOLI, Cristiane 3 1 Trabalho de Graduação _UNIFRA 2 Curso de Psicologia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria,

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Corregedor Geral da Justiça: Ministério Público do Estado de São Paulo contra r. decisão do MM. Juiz

Excelentíssimo Senhor Corregedor Geral da Justiça: Ministério Público do Estado de São Paulo contra r. decisão do MM. Juiz J ^ SIR, GJ PODER JUDICIÁRIO 1 (082/10-E) REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS - Assento de nascimento Filha gerada mediante fertilização in vitro e posterior inseminação, artificial, com implantação do

Leia mais

3. SERVIÇOS ATENDIMENTO JURISDICIONAL

3. SERVIÇOS ATENDIMENTO JURISDICIONAL ATENDIMENTO JURISDICIONAL DOCUMENTOS PARA O ATENDIMENTO Documento de identificação pessoal (identidade ou certidão de nascimento) Certidão de casamento (se for casado) CPF Comprovante de renda de até 3

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais