Curso de Fisioterapia. Ana Carolina Cóssio Rodriguez O TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO DO PACIENTE COM AMPUTAÇÃO TRANSTIBIAL TRAUMÁTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso de Fisioterapia. Ana Carolina Cóssio Rodriguez O TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO DO PACIENTE COM AMPUTAÇÃO TRANSTIBIAL TRAUMÁTICA"

Transcrição

1 0 Curso de Fisioterapia Ana Carolina Cóssio Rodriguez O TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO DO PACIENTE COM AMPUTAÇÃO TRANSTIBIAL TRAUMÁTICA Rio de Janeiro 2007

2 1 ANA CAROLINA CÓSSIO RODRIGUEZ O TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO DO PACIENTE COM AMPUTAÇÃO TRANSTIBIAL TRAUMÁTICA Monografia de Conclusão de Curso apresentada ao Curso de Fisioterapia da Universidade Veiga de Almeida, como requisito para obtenção do título de Fisioterapeuta. Orientador: Profª Ms. Othon Almeida. Rio de Janeiro 2007

3 2 ANA CAROLINA CÓSSIO RODRIGUEZ O TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO DO PACIENTE COM AMPUTAÇÃO TRANSTIBIAL TRAUMÁTICA Monografia de Conclusão de Curso apresentada ao Curso de Fisioterapia da Universidade Veiga de Almeida, como requisito para obtenção do título de Fisioterapeuta. Aprovada em: / /2007. BANCA EXAMINADORA Prof. Dr. Universidade Veiga de Almeida - Presidente da Banca Examinadora. Prof. Dr. Universidade Veiga de Almeida - Membro da Banca Examinadora. Prof. Dr. Universidade Veiga de Almeida - Membro da Banca Examinadora.

4 Dedico este trabalho à Igor Raposo, que mais que um paciente, se tornou um amigo. Portador de uma amputação transtibial bilateral traumática, causada por um acidente de trem, em 2005, hoje dois anos depois, com 25 anos, reabilitado, trabalhando, possui a mesma alegria de sempre; ele é a prova de que a vida é uma luta diária. Me ensinou muitas coisas, principalmente a não desistir dos meus objetivos sem lutar, me inspirando a realizar este trabalho. 3

5 4 AGRADECIMENTOS Agradeço às minhas supervisoras de estágio, por me ajudarem com seus conhecimentos e experiências nas minhas inúmeras dúvidas sobre o tema; ao meu orientador Othon, pois sem ele, não teria conseguido, aos meus amigos por entenderem que neste período me tornei um pouco chata e um pouco ausente, mas por um motivo muito relevante e aos meus pais que me apoiaram me dando forças para não desistir nos momentos em que achei que não conseguiria ir à diante.

6 Um hoje vale por dois amanhãs. - Francis Quarlis - 5

7 6 RESUMO O presente projeto propõe um estudo sobre amputações transtibiais traumáticas. Objetiva analisar os métodos e formas de reabilitação de pacientes portadores dessas amputações, através da fisioterapia pré-protetização e pós-protetização. A pesquisa foi feita através de livros, sites, contato com pacientes nas várias fases de reabilitação e profissionais da área. A amputação transtibial é mais comum dentre todas as amputações de membros inferiores, principalmente em indivíduos jovens, vitimas de acidentes de trânsito, ou projéteis de arma de fogo. O reingresso desses pacientes à vida social e profissional são tarefas de responsabilidade da equipe de fisioterapia de consultórios e/ou centros de reabilitação, juntamente com a vontade própria do paciente e o apoio familiar. Médicos e psicólogos também atuam em conjunto na reabilitação dos amputados. Palavras-chave: amputação transtibial, reabilitação, paciente, pré-protetização, pósprotetização

8 7 ABSTRACT This project proposes a study of amputations transtibiais traumatic. Objective analyze the methods and forms of rehabilitation of patients carrying these amputations, through physiotherapy before prosthesis and after prosthesis. The research was done through books, sites, contact with patients in various stages of rehabilitation and professionals in the area. The amputation transtibial is more common among all amputations of the lower limbs, especially in young individuals, victims of traffic accidents, or projectiles of a firearm. The return of these patients to social life and professional duties are the responsibility of the team to the regular physiotherapy and / or centers for rehabilitation, along with the wishes of the patient and family support. Doctors and psychologists also worked together in the rehabilitation of amputees. Keywords: amputation transtibial, rehabilitation, patient, before prosthesis, after prosthesis.

9 8 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 HISTÓRIA DAS AMPUTAÇÕES CAPÍTULO 2 TIPOS DE PRÓTESES Próteses exoesqueléticas Próteses endoesqueléticas Tipos de encaixe Tipos de pés Pés não-articulados Pés articulados CAPÍTULO 3 ANATOMIA DO JOELHO E DA PERNA Joelho Estruturas ósseas Estruturas musculares Meniscos Ligamentos Suprimento sangüíneo e inervação Perna Estruturas ósseas Estruturas musculares Artérias e veias Inervação CAPÍTULO 4 BIOMECÂNICA DO JOELHO Flexão Extensão Rotação axial CAPÍTULO 5 FASES DA MARCHA HUMANA Ciclo da marcha Função do joelho durante a marcha Gasto energético durante a marcha Fases da marcha Contato inicial Resposta à carga Apoio médio Apoio terminal Pré-balanço Balanço inicial Médio balanço Balanço final CAPÍTULO 6 INCIDÊNCIA E ETIOLOGIA CAPÍTULO 7 TIPOS DE CIRURGIAS... 30

10 9 CAPÍTULO 8 AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA DO PACIENTE COM AMPUTAÇÃO TRANSTIBIAL TRAUMÁTICA Anamnese Exame físico Membros superiores e membro inferior não amputado Avaliação da força muscular Avaliação da amplitude de movimento Avaliação do coto CAPÍTULO 9 O TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO DO PACIENTE COM AMPUTAÇÃO TRANSTIBIAL TRAUMÁTICA Pré-protetização Cicatrização Tratamento da dor e sensação fantasma Enfaixamento Posicionamento Cinesioterapia Pós-protetização Avaliação da prótese Colocação e retirada da prótese Transferências de sentado para de pé e vice-versa Fase estática Fase dinâmica Fase avançada Propriocepção CONCLUSÃO REFERÊNCIAS ANEXO... 49

11 10 INTRODUÇÃO O assunto a ser abordado ao longo deste estudo é o tratamento fisioterapêutico do paciente com amputação transtibial traumática. Verifica-se o importante papel do fisioterapeuta no tratamento do paciente, e o que o trabalho destes profissionais podem oferecer de melhora na qualidade de vida e recuperação do paciente. Leva-se em consideração o tratamento pré e pós-protetização, pois a plena reabilitação ocorre com o alcance da recuperação funcional do membro e a reintegração do paciente à sua vida social e profissional. O objetivo deste projeto é analisar detalhadamente todas as etapas do tratamento fisioterapêutico, mostrando as alterações ocorridas a nível anatômico e funcional do membro amputado. Para o desenvolvimento deste, foram utilizados para a pesquisa, livros, sites, consulta de profissionais da área, e de pacientes nas várias fases de reabilitação pós-amputação. A fim de uma maior compreensão sobre o conteúdo desenvolvido, dividiu-se a pesquisa em nove capítulos. No primeiro é abordado a história das amputações ao longo dos séculos, mostrando como as técnicas cirúrgicas e pós-cirúrgicas se desenvolveram. No segundo capítulo fala-se sobre os tipos de próteses para membros inferiores, os tipos de encaixe, os tipos de pé, e quais são os mais adequados para o perfil do paciente amputado transtibial traumático. No terceiro capítulo explica-se a anatomia da perna, mostrando todas as estruturas que foram lesadas ou perdidas com a cirurgia, pois isso irá gerar conseqüências na reabilitação do paciente. E fala-se também da anatomia do joelho, importante articulação envolvida funcionalmente e que será um dos pilares para a futura marcha; este capítulo atua de introdução para o quarto capítulo que irá tratar da biomecânica do joelho. A marcha do paciente amputado é algo complexo que deve ser bem entendida pelo fisioterapeuta, para isso, anatomia, biomecânica e propriamente a análise da marcha humana tratada no quinto capítulo, foram itens escolhidos e explicados neste estudo. O sexto capítulo irá tratar da incidência e da etiologia das amputações transtibiais traumáticas, mostrando quem são os indivíduos mais envolvidos e quais são as causas mais comuns. No sétimo capítulo será estudado os tipos de cirurgias para amputação transtibial, como os cirurgiões recuperam estruturas, e atuam para a formação de um membro residual o mais funcional possível.

12 11 Os últimos capítulos são destinados para avaliação e tratamento do paciente amputado respectivamente. Nele será mostrada a relevância de uma avaliação detalhada, e como ela deve ser realizada. Tratará de cada etapa da reabilitação deste paciente; pré-protetização e pós-protetização, mostrando que se for realizado o tratamento adequado, o indivíduo com uma amputação transtibial traumática tem plenas condições de retornar a vida e aos hábitos cotidianos realizados antes do trauma.

13 12 CAPÍTULO I HISTÓRIA DAS AMPUTAÇÕES As referências mais antigas em relação às amputações datam de a.c. no manuscrito indiano (Rig-Veda) que relata a história da rainha Vishpla que teria tido o membro inferior amputado durante uma batalha. (FERNANDES; 2007) Da era pré-cristã até o século XV, há poucos relatos quanto ao desenvolvimento de novas técnicas operatórias e nas técnicas de protetização. A Idade Média caracterizou-se por ser uma época na qual houve grande perda de membros por doenças endêmicas, punições graves e pelas guerras mais violentas, já que no século XIV iniciou-se o uso da artilharia, o que aumentou os efeitos mutilantes da guerra. (PEDRINELLI; 2004) Na Idade Média, as amputações eram realizadas com guilhotinas enquanto a anestesia era provocada por ingestão de bebidas alcoólicas. Tentava-se na época cauterizar a região amputada com óleo ou ferro quente. Entretanto muitas vezes não havia soluções para estancar tais hemorragias. Devido a isso, o prognóstico desses pacientes era pior quanto mais proximal fosse o nível das amputações. (CARVALHO; 1999) A técnica cirúrgica para as amputações só teve um avanço com Ambróise Pare ( ), cirurgião militar francês que descreveu locais preferenciais para amputações e reintroduziu a ligadura de vasos. Acredita-se que seja ele o responsável pela primeira amputação transfemoral bem sucedida. (FERNANDES; 2007) A amputação já foi a operação mais realizada na Europa; isso ocorreu durante o século XVIII e as indicações usuais eram as lesões arteriais graves e as fraturas expostas. Já o século XIX é caracterizado pela introdução das maiorias das técnicas utilizadas até hoje. Nessa época houve um importante desenvolvimento das técnicas de anti-sepsia, anestesia e do uso de antibióticos. A partir da Segunda Guerra Mundial houve nova atenção especial e novas pesquisas para a melhoria das técnicas de amputação e, por conseqüência, a melhor protetização dos membros amputados. O objetivo nessa época era obter um coto mais funcional e sem dor para melhor e mais rápida reabilitação do paciente amputado. Durante a década de 1960, iniciou-se uma mudança na mentalidade entre os cirurgiões na tentativa de preservar um coto o mais longo e mais adaptável às próteses, ou seja, um coto com maior braço-de-alvanca possível para o menor gasto de energia durante a marcha e que não fosse globoso e nem frouxo na extremidade para melhor adaptação.

14 13 A década de 1970 se caracterizou pela descoberta e o reconhecimento das vantagens funcionais da amputação abaixo do joelho comparando-as com as amputações transfemorais. (PEDRINELLI; 2004) Como não poderia ser diferente, novas técnicas cirúrgicas, novos medicamentos e novos conceitos de reabilitação, aliados a um trabalho multidisciplinar, também evoluíram e continuam em desenvolvimento, proporcionando dessa maneira uma melhora na qualidade de vida dos amputados, os quais nos dias de hoje, já são encontrados totalmente reintegrados à vida social e profissional. (CARVALHO; 1999)

15 14 CAPÍTULO II TIPOS DE PRÓTESES Próteses são utensílios empregados para substituir alguma região perdida, ou mal formada do nosso organismo. (CARVALHO, 1999) É prudente diferenciar prótese de órtese. Órtese é todo aparelho destinado a suster todo ou parte do peso do corpo, corrigir deformidades, evitar deformidades, imobilizar ou limitar movimentos de parte ou de todo o membro. (Boccolini F.; 2000) São dois os grupos principais de tipos de próteses. As próteses endoesqueléticas ou modulares e as exoesqueléticas ou convencionais As próteses para amputações transtibiais podem ser exoesqueléticas ou endoesqueléticas. As exoesqueléticas não são necessariamente, mais pesadas que as endoesqueléticas, como geralmente é citado. Os encaixes protéticos são responsáveis pelos locais de descarga de peso e pela suspensão da prótese. Em alguns casos, acessórios são unidos aos encaixes para auxiliar a suspensão da prótese ao corpo do paciente. Nos encaixes existem regiões de pressão e alívio. (CARVALHO; 1999) Anexo: PRÓTESES EXOESQUELÉTICAS Essas próteses possuem estrutura externa rígida, responsável tanto pela sustentação do peso como pelo aspecto cosmético. São próteses com resistência muito alta, e que possuem peso reduzido, desde que confeccionadas de acordo com os critérios técnicos préestabelecidos. Desvantagens das próteses convencionais: aspecto pouco natural da estrutura externa rígida, menos opções de componentes, dificuldades para mudanças de alinhamento e impossibilidade de intercâmbio rápido de peças. (PEDRINELLI; 2004) As próteses exoesqueléticas são confeccionadas com componentes de madeira ou plástico, que servem de conexão entre encaixe e pé. Podem ser utilizadas para todos os tipos de amputações, porém, para alguns níveis, preconiza-se o emprego de componentes modulares, como, por exemplo, em pacientes desarticulados de joelho e de quadril. (CARVALHO; 1999)

16 PRÓTESES ENDOESQUELÉTICAS As próteses endoesqueléticas também são conhecidas como próteses modulares. A conexão entre encaixe e pé protético é realizada por meio de tubos e componentes modulares, e o acabamento final, com espuma cosmética, conforme as medidas do membro contra lateral à amputação. Essas próteses podem ser utilizadas para todos os níveis de amputação, com exceção das amputações parciais de pé e de tornozelo. São consideradas superiores as convencionais sob o ponto de vista funcional e cosmético, principalmente nas desarticulações de joelho e de quadril e nas amputações transfemorais. (CARVALHO; 1999) Graças ao sistema de fixação dos componentes com parafusos, é possível efetuar ajustes e mudanças de alinhamento, assim como trocas rápidas de componentes. Essas trocas tornam-se necessárias, por exemplo, na primeira protetização de um paciente, que poderá experimentar diferentes tipos de articulações e joelhos. Da mesma forma, pode-se efetuar a troca de um encaixe, reaproveitando os demais componentes. (PEDRINELLI; 2004) 2.3 TIPOS DE ENCAIXE O encaixe tem importância fundamental para a qualidade final de uma prótese independentemente se esta é convencional ou modular. Ela é a ligação entre o coto e a parte distal da mesma, e erros de confecção não podem ser compensados pelo alinhamento ou componentes de última geração. O encaixe deve satisfazer os seguintes requisitos básicos: envolvimento preciso do coto, a não inibição da circulação sangüínea, contato total e maior descarga distal possível. (PEDRINELLI; 2004) Para cada nível de amputação, encontramos diferentes tipos de encaixes. Os pontos de pressão para fixação, descarga de peso e suspensão das próteses devem ser criteriosamente definidos e ajustados em cada caso para evitar ferimentos do próprio coto, formação de cinturões de tecidos moles no bordo dos encaixes e movimentos de pistonamento entre o coto e o encaixe. Esses ajustes precisos definem o sucesso da protetização e, consequentemente, da reabilitação. (CARVALHO; 1999) Os três princípios de encaixes para próteses abaixo do joelho mais utilizados são: PTB, KBM e PTS. No encaixe PTB a descarga de peso é feita sobre o tendão patelar, e o bordo proximal do encaixe termina ao nível do centro do joelho. Na KBM a descarga de peso é feita sobre o tendão patelar como no encaixe PTB, a patela encontra-se totalmente livre, e o bordo possui duas orelhas que envolvem os côndilos medial e lateral. O encaixe PTS envolve

17 16 totalmente a patela, exercendo pressão sobre o quadríceps; além da suspensão supracondiliana, cria-se mais um ponto de fixação do encaixe entre o quadríceps e a musculatura de flexão. (PEDRINELLI; 2004) Anexo: figura PÉS PROTÉTICOS Os pés protéticos são componentes de grande importância, fundamentais para o bom alinhamento da prótese e responsáveis pela boa qualidade da marcha. Os pés modernos possuem boa resposta dinâmica, bom despreendimento energético e excelente flexibilidade quando submetidos ao peso corporal. Na prescrição deve ser especificado o tipo de pé desejado, considerando as variáveis do paciente. (LIANZA; 2007) Vários tipos de pés protéticos são encontrados no mercado. A conexão dos pés às próteses exoesqueléticas é realizada por meio de um tornozelo de madeira, o qual faz a união com a panturrilha. Para as próteses endoesqueléticas, a ligação é feita mediante adaptadores. (CARVALHO; 1999) Pés não-articulados Algumas versões são fabricadas para serem calçadas por sapatos de salto alto ou baixo. Contudo, estes pés não são prontamente ajustáveis, para a acomodação às alterações no padrão de marcha. (O SULLIVAN; 2005) Os pés não-articulados são compostos por materiais internos de diferentes densidades e características, os quais permitem durante o choque de calcâneo e a fase de apoio, uma melhor harmonia. São indicados para todos os tipos de amputações, exceto para as parciais de pé. (CARVALHO; 1999) Pé SACH ( Solid Ankle-Cushion Heel ) É um pé protético não articulado ao nível do tornozelo, desenvolvido na Universidade de Berkeley, Califórnia, no início dos anos de Ainda hoje, em razão da segurança que confere às próteses, o SACH é o mais utilizado dos pés não articulados. (PEDRINELLI; 2004)

18 17 Fabricado em material flexível sintético, não tem grande reposta dinâmica, é de boa resistência e o calcanhar é de material de densidade diferente do restante do pé, podendo ser duro, médio ou macio, de acordo com o peso do paciente. (LIANZA; 2007) Pés Dinâmicos Por sua total flexibilidade, este pé tem entre outras as seguintes propriedades: boa amortização do choque no passo, transição dinâmica da fase estática para a fase de impulsão, capacidade de absorção de desníveis do solo e adaptação a diferentes alturas do salto sem ter que efetuar correções no alinhamento da prótese. (OTTOBOCK; 2007) Indicado para pacientes ativos, de boa força muscular e bom comprimento de coto, preferencialmente amputados transtibiais unilaterais. (PEDRINELLI; 2004) Pés articulados Pé articulado monoaxial É um pé dotado de um núcleo central de madeira que ocupa os dois terços posteriores do pé. É revestido por uma camada de material plástico elástico similar a borracha. A porção anterior do pé é toda maciça, também constituída por esse mesmo material plástico elástico. Dentro do núcleo central fica uma haste metálica ligada a uma articulação de um só eixo transversal (monoaxial). (PEDRINELLI; 2004) Permite a flexão plantar e dorsiflexão, bem como a ação de quebra dos dedos. Algumas versões podem ser ajustadas para a acomodação de sapatos com diversas alturas de saltos. Não permite a movimentação médio-lateral nem transversal. (O SULLIVAN, 2005) Esses pés proporcionam maior segurança durante a marcha dos pacientes, porém colaboram com o aumento do peso final das próteses. Eles podem ser utilizados tanto para próteses convencionais quanto para modulares. São contra-indicados para amputações transtibiais, próteses de banho e próteses compostas por joelhos ativos, como, por exemplo, os policêntricos híbridos. (CARVALHO; 1999) Pé articulado multiaxial ou Greissinger É um pé articulado universal, ou seja, no sentido ântero-posterior e médio-lateral, graças à engrenagem existente na parte interna medial e posterior. (LIANZA, 2007)

19 18 Reúne as vantagens do pé articulado e do pé dinâmico. Suas principais características: calcanhar elástico para um contato suave e amortecido, batente dorsal gerando um momento de força que estabiliza a articulação do joelho, e um antepé flexível para uma marcha harmônica, permite movimentos de prono supinação independentemente da sua posição. Além disso, torna-se possível um pequeno movimento de rotação no plano horizontal. Indicado para pacientes com um limite de peso de 85kgs, para um grau de atividade médio. (OTTOBOCK; 2007) Pés com resposta dinâmica Os pés acumuladores de energia ou pés com resposta dinâmica fogem dos modelos tradicionais como os de tornozelo rígido-calcanhar amortecido, ou os de articulações mono ou multiaxiais ou daqueles cujos antepés são adaptáveis às irregularidades do piso, todos sem resposta dinâmica. Alguns pés de resposta dinâmica têm, associadas uma ou mais dessas características. Porém sua principal característica é serem desprovidos de articulação de tornozelo, compensando isso com a introdução de molas laminares anteriores ou posteriores. (PEDRINELLI; 2004) Indicados principalmente para pacientes com atividade média e alta, têm como características: bom amortecimento por meio do calcanhar, comportamento dinâmico durante as fases de apoio, passagem dinâmica durante as fases de apoio e de balanço, compressão axial elástica, possibilidade de retirada do revestimento cosmético (em alguns casos), e peso reduzido com alta estabilidade. (CARVALHO; 1999) Anexo: figura 2.3

20 19 CAPÍTULO III ANATOMIA DA PERNA E JOELHO É importante conhecer as estruturas anatômicas da perna e do joelho, suas localizações e funções, para que se compreenda o que foi perdido o que permanece integro e o que terá importante função após a amputação transtibial. 3.1 JOELHO Estruturas ósseas A articulação do joelho é a maior articulação sinovial do corpo. Ela consiste da articulação entre o fêmur e a tíbia, que é de suporte de peso; da articulação entre a patela e o fêmur, que permite que a tração do músculo quadríceps femoral seja direcionada anteriormente sobre o joelho para a tíbia sem o desgaste do tendão. (DRAKE; 2005) Estruturas musculares Os dois principais grupos musculares que atuam sobre o joelho são os músculos isquiostibiais e o quadríceps femoral. Os músculos isquiostibiais incluem os músculos bíceps femoral (cabeça longa), semimembranoso e semitendinoso. O grupo muscular quadríceps femoral inclui os músculos reto femoral, vasto medial, vasto intermédio e vasto lateral. (KONIN; 2006) Meniscos Os meniscos têm importante função, tornando mais congruentes as superfícies ósseas que se articulam. Os meniscos funcionariam também como verdadeiros coxins cartilaginosos, absorvendo os choques produzidos na deambulação. O menisco medial está intimamente aderido à cápsula articular e ao ligamento colateral tibial o que reduz sua mobilidade em relação ao menisco lateral. (FATTINI; 2003)

21 Ligamentos Os principais ligamentos associados à articulação do joelho são o ligamento da patela, os ligamentos colaterais tibial (medial) e o fibular (lateral) e os ligamentos cruzados anterior e posterior. O ligamento da patela basicamente é a continuação do tendão do quadríceps femoral inferior à patela. Os ligamentos colaterais, em cada um dos lados da articulação, estabilizam o movimento em dobradiça do joelho. O ligamento cruzado anterior impede o deslocamento anterior da tíbia em relação ao fêmur e o ligamento cruzado posterior restringe o deslocamento posterior. (DRAKE; 2005) Suprimento sangüíneo e inervação No joelho há uma anastomose genicular importante. Aproximadamente dez vasos estão envolvidos na anastomose: dois descendo de cima (o ramo descendente da artéria circunflexa lateral e o ramo genicular descendente da artéria femoral), três ascendendo de baixo (a artéria fibular circunflexa da artéria tibial posterior e os ramos recorrentes tibiais anterior e posterior da artéria tibial anterior), os restantes sendo ramos da artéria poplítea. Os cinco ramos da artéria poplítea envolvidos na anastomose são as artérias geniculares súperolateral e ínfero-lateral, súpero-medial e ínfero-medial e média. A drenagem venosa da articulação ocorre por veias correspondentes que acompanham as artérias. (PALASTANGA; 2000) A articulação do joelho é inervada por ramos dos nervos obturatório, femoral, tibial e fibular comum. (DRAKE; 2005) 3.2 PERNA Estruturas ósseas A tíbia é o maior osso medial da perna. Ela sustenta o peso do corpo. A tíbia articulase em sua extremidade proximal com o fêmur e a fíbula e, em sua extremidade distal, com a fíbula e osso tálus do tarso. A fíbula é paralela à tíbia, e consideravelmente menor. A extremidade proximal da fíbula articula-se com o côndilo lateral da tíbia logo abaixo da articulação do joelho. A extremidade lateral tem uma projeção denominada maléolo lateral que se articula com o tálus do tarso. (TORTORA; 1997)

22 21 A diáfise da tíbia é triangular em corte transversal e possui margens anterior, interóssea e posterior, além de superfícies medial, lateral e posterior. A extremidade distal da tíbia tem o formato de uma caixa retangular com uma protuberância no lado medial (o maléolo medial). A fíbula não está envolvida com o suporte de peso. A diáfise fibular, portanto, é muito mais estreita do que a diáfise da tíbia. Além disso, exceto em suas extremidades, a fíbula é revestida por músculos. (DRAKE; 2005) A membrana interóssea, estendida entre a tíbia e a fíbula, separa os músculos da perna em dois compartimentos anterior e posterior. (FATTINI; 2003) Estruturas musculares Os músculos da região anterior da perna são o tibial anterior, o extensor longo do hálux, o extensor longo dos dedos e o fibular terceiro. Eles se original de osso, da fáscia de revestimento, da membrana interóssea e do septo intermuscular adjacente. (O RAHILLY; 1988) Somente dois músculos fazem parte da região lateral da perna, os fibulares longo e curto. Na região posterior da perna os músculos estão dispostos em duas camadas: a superficial compreende o tríceps sural e o músculo plantar, a profunda inclui o poplíteo, o flexor longo dos dedos, flexor longo do hálux e tibial posterior. O tríceps sural está constituído por dois músculos: o gastrocnêmio e o sóleo. (FATTINI; 2003) Gastrocnêmio e plantar se originam na extremidade distal do fêmur, de modo que também podem flexionar o joelho. (DRAKE; 2005) Artérias e Veias A artéria poplítea é o principal suprimento sangüíneo para a perna e entra no compartimento posterior da perna a partir da fossa poplítea atrás do joelho. Ela passa para o compartimento posterior da perna entre os músculos gastrocnêmio e poplíteo. Durante seu curso em direção inferior, e entra na região profunda do compartimento posterior da perna, imediatamente se divide em uma artéria tibial anterior e uma artéria tibial posterior. Na perna, a artéria tibial posterior supre os músculos adjacentes e os ossos, possuindo dois ramos principais, o ramo circunflexo fibular e a artéria fibular. (DRAKE; 2005)

23 22 O ramo circunflexo da fíbula gira lateralmente ao redor do colo da fíbula, a través do sóleo, e contribui para a anastomose em torno da juntura do joelho. A artéria fibular é geralmente do mesmo tamanho que a tibial posterior e continua, aproximadamente, a linha deste vaso. As veias tibiais posteriores são formadas pela união das veias plantares medial e lateral. Drenam as estruturas adjacentes, recebem as veias fibulares e unem-se com as veias tibiais anteriores para formar as veias poplíteas. Estas veias profundas drenam a maior parte do sangue da perna e do pé. O sangue das veias superficiais atinge-as por intermédio das veias comunicantes. (O RAHILLY; 1988) Inervação O nervo associado ao compartimento posterior da perna é o nervo tibial, um dos principais ramos do nervo isquiático que desce pelo compartimento posterior a partir da fossa poplítea. Na perna, o nervo tibial da origem a ramos que suprem todos os músculos no compartimento posterior da perna, o nervo sural e o nervo calcâneo sural medial. O nervo sural se origina na região superior da perna entre as duas cabeças do músculo gastrocnêmico. Ele supre a pele na superfície póstero-lateral inferior da perna e face lateral do pé até o quinto dedo. Os ramos calcâneos mediais inervam a pele na superfície medial e a face plantar do calcanhar. (DRAKE; 2005) O nervo tibial inerva o tríceps sural, o plantar, o poplíteo, flexor longo dos dedos, flexor longo do hálux, e o tibial posterior. Os músculos tibial anterior, extensor longo do hálux, extensor longo dos dedos e fibular terceiro, possuem inervação comum: todos são inervados pelo nervo fibular profundo. (FATTINI; 2003) O nervo fibular profundo é um dos ramos terminais do nervo fibular comum. Ao nível do colo da fíbula, o fibular comum passa através de um arco fibroso na fáscia do sóleo, entre o sóleo e o fibular longo, e divide-se nos nervos fibulares profundo e superficial. (O RAHILLY; 1988) O nervo fibular superficial desce pelo compartimento lateral profundamente ao músculo fibular longo e inerva os músculos fibulares longo e curto. (DRAKE; 2005)

24 23 CAPÍTULO IV BIOMECÂNICA DO JOELHO Os principais movimentos que ocorrem na articulação do joelho são flexão e extensão, juntamente com uma quantidade limitada de rotação ativa quando a articulação é flexionada. Conseqüentemente, é considerada uma articulação de dobradiça modificada. Ela difere de uma articulação de dobradiça típica, não somente em virtude da rotação que ocorre, mas também porque o eixo em torno do qual o movimento ocorre, juntamente com a área de contato entre as superfícies articulares, move-se durante a extensão e flexão, para a frente e para trás, respectivamente. (PALASTANGA; 2000) 4.1 FLEXÃO A função do joelho é complexa devido à assimetria entre as articulações medial e lateral e à mecânica patelar na parte da frente. O joelho flexiona por aproximadamente 145º com a coxa fletida e 120º com a coxa hiperestendida. Essa diferença de amplitude é devido à relação comprimento-tensão no grupo muscular dos isquiostibiais. Quando começa a flexão, o fêmur rola sobre a tíbia com o côndilo medial rolando 10º e o côndilo lateral rolando 15º. A patela move-se descendo uma distância de quase o dobro de seu comprimento, entrando na incisura intercondilar do fêmur. (HAMILL; 1999) Vários músculos passam posteriores ao eixo de flexão e extensão do joelho, contribuindo para uma extensão variável de flexão do joelho. Os músculos são o bíceps da coxa, o semitendinoso, e o semimembranoso, o gastrocnêmio, o plantar, o poplíteo, o grácil e o sartório. (SMITH; 1997) O movimento passivo do joelho permite ao calcanhar tocar na nádega, dando uma amplitude de movimento de 160º. Normalmente, a flexão do joelho somente é limitada pelo contato dos músculos da coxa e panturrilha. Se, no entanto, o movimento for detido antes que isso ocorra, pode ser decorrente da retração dos músculos quadríceps ou encurtamento dos ligamentos capsulares. (PALASTANGA; 2000)

25 EXTENSÃO A extensão é definida como o movimento que alonga a face posterior da perna da face posterior da coxa. Não existe verdadeiramente o que se chama de extensão absoluta, pois na posição de referência o membro inferior já está no seu estado de alongamento máximo. É possível, no entanto, efetuar, sobretudo passivamente, um movimento de extensão de 5 a 10º à partir da posição de referência; denomina-se este movimento de uma hiper-extensão. (KAPANDJI; 2001) O movimento de extensão é acompanhado pela rotação externa que termina na ação de travamento no final da extensão e é denominada de mecanismo de parafusar a articulação. Esse mecanismo é o ponto em que os côndilos medial e lateral são travados para dentro formando a posição tensionada para a articulação do joelho, e ocorre durante os últimos 20º de extensão. O mecanismo de parafusar move a tuberosidade tibial lateralmente e produz um desvio medial no joelho. (HAMILL; 1999) O quadríceps da coxa é constituído pelos músculos reto da coxa e três vastos vasto lateral, medial e intermédio. Apenas o reto da coxa atua em mais de uma articulação. Contudo, todos os membros causam inequivocamente uma extensão potente do joelho, e também devido à sua inserção medial, tendem a causar rotação medial da tíbia. (RASCH; 1991) 4.3 ROTAÇÃO AXIAL A rotação da perna em torno do seu eixo longo somente pode ser efetuada com o joelho fletido. A rotação medial traz os dedos do pé para voltar-se medialmente, em contraposição à rotação lateral, que traz os dedos lateralmente. As amplitudes de rotação são ligeiramente influenciadas pelo grau de flexão do joelho, daí a eficiência da parte apropriada dos músculos posteriores da coxa. Com o joelho em ângulo reto, a rotação ativa medial e lateral é de 30º e 40º, respectivamente. Essas amplitudes podem ser aumentadas para 35º e 50º se o movimento for efetuado passivamente. (PALASTANGA, 2000)

26 25 CAPÍTULO V FASES DA MARCHA HUMANA A deambulação pode ser definida em sentido amplo como um tipo de locomoção (do latim locus, lugar, mais movere, mover; neste caso, mover de um lugar para outro). Outros tipos de locomoção incluem rastejar ou usar uma cadeira de rodas. Nos humanos, um padrão bípede de deambulação é adquirido ainda na época da lactância. Com a prática (treinamento), o sistema sensitivo-motor torna-se muito competente em gerar automaticamente um conjunto repetitivo de comandos de controle motor para permitir a um indivíduo andar sem esforço consciente. (SMITH, 1997) 5.1 CICLO DA MARCHA A maior unidade empregada na descrição da marcha é denominada um ciclo da marcha. No ato normal de caminhar, um ciclo da marcha começa quando o calcanhar do membro de referência contacta a superfície de sustentação. O ciclo da marcha termina quando o calcanhar do mesmo membro contacta novamente o solo. Na marcha normal, a fase de apoio, que constitui 60% do ciclo da marcha, é definida como o intervalo em que o pé do membro de referência está em apoio com o solo. A fase de balanço que constitui 40% do ciclo da marcha é aquela porção do ciclo em que o membro de referência não contacta com o solo. O termo dupla sustentação refere-se aos dois intervalos num ciclo da marcha, em que o peso corporal está sendo transferido de um pé para outro, e tanto o pé direito quanto o esquerdo estão em apoio no solo ao mesmo tempo. (O SULLIVAN; 2005) 5.2 FUNÇÃO DO JOELHO DURANTE A MARCHA Durante a marcha, o quadríceps femoral é o principal estabilizador da articulação do joelho. Do início ao final do balanceio, os músculos quadríceps femorais contraem-se concentricamente para estender ativamente o joelho. Os músculos quadríceps femorais então contraem excentricamente para controlar a flexão do joelho na fase do toque do calcanhar, até o balanceio inicial. Os músculos isquiostibiais iniciam sua participação quando a velocidade da marcha é aumentada, como na corrida, ou quando o indivíduo sobe um degrau ou escada. (KONIN; 2006)

27 GASTO ENERGÉTICO DA MARCHA O gasto energético é avaliado mais precisamente pela mensuração da quantidade de consumo de oxigênio, produção de dióxido de carbono e ventilação pulmonar usada durante a deambulação. O gasto relativo da marcha pode ser estimado pela monitorização da freqüência cardíaca durante a deambulação. A freqüência cardíaca está direta e linearmente relacionada ao consumo de oxigênio durante o exercício, podendo fornecer informações acerca de como o sistema cardiovascular do paciente está se adaptando à sobrecarga da deambulação. (O SULLIVAN; 2005) 5.4 FASES DA MARCHA Contato inicial O contato inicial com o solo ocorre tipicamente com o calcanhar na marcha não incapacitada. O quadril está maximamente flexionado a 30º, o joelho está completamente estendido, e o tornozelo está em posição neutra. No joelho, a força de reação do solo (FRS) cria um momento extensor, que é contrabalançado pela atividade dos hamstrings. O pé é suportado em uma posição neutra pelos dorsiflexores do tornozelo. (DELISA; 2001) Resposta à carga A finalidade principal da resposta à carga é prover aceitação do peso e amortecimento de choque enquanto mantendo progressão para a frente. O quadril estende-se e continuará a estender-se até dentro da fase do apoio terminal. Ao término da resposta ao carregamento, o pé está em contato completo com o solo. (DELISA; 2001) Apoio médio Durante o apoio médio, o membro suporta o peso corporal completo à medida que o membro contralateral balança para a frente. No joelho, a FRS move-se de uma posição posterior para anterior, eliminando similarmente a necessidade de ação do quadríceps. Ocorre extensão do joelho e ela é restringida passivamente pela cápsula posterior e ligamentos do joelho e é restringida também por ação excêntrica do poplíteo e gastrocnêmio. No tornozelo, a

28 27 FRS é anterior ao tornozelo, assim produzindo um momento externo de dorsiflexão do tornozelo. (DELISA; 2001) Apoio terminal A progressão no apoio terminal avança o corpo para a frente do pé em apoio estacionário. A extensão passiva do quadril (10º) e a extensão do joelho permitem a progressão do tronco para a frente, gerando um grande momento de flexão dorsal no tornozelo. (ROSE; 1998) Pré-balanço O pré-balanço é a fase final do apoio (50-60% do ciclo da marcha). Durante esse intervalo de duplo apoio terminal, o peso corporal é transferido para o membro contralateral. A ação crítica durante esse período é o início da flexão do joelho (normalmente 35-40%), contribuindo para a função de desprendimento dos dedos e avanço do membro. (ROSE; 1998) Balanço inicial Durante o balanço inicial, a coxa move-se 20º anteriormente, o joelho flexiona mais 30º (arco total de 60º) e o tornozelo começa a flexão dorsal para conseguir o desprendimento do pé. O momento do segmento da coxa e a ação complementar da cabeça curta do músculo bíceps da coxa são as forças primárias de flexão do joelho durante este intervalo. (ROSE; 1998) Médio balanço O médio balanço continua a atividade de avanço do membro e passagem do pé. A extensão do joelho e a flexão dorsal do tornozelo são eventos críticos para manter a passagem do pé, enquanto avançam a tíbia para posição vertical. A flexão plantar excessiva pode ser absorvida tanto pelo quadril quanto pelo joelho, para atingir a passagem do pé. (ROSE; 1998)

29 Balanço terminal Na fase de balanço terminal o impulso previamente gerado tem que ser controlado para manter suficiente estabilidade antes da fase de aceitação de peso que está por chegar. Nas articulações do quadril e joelho, forte contração concêntrica dos posteriores da coxa desacelera a flexão do quadril e flexiona a extensão do joelho. Os dorsiflexores do tornozelo permanecem ativos para assegurar uma posição neutra do tornozelo ao contato inicial. (DELISA; 2001)

30 29 CAPÍTULO VI INCIDÊNCIA E ETIOLOGIA As situações que levam à amputação traumática afetam a população de menor faixa etária e economicamente mais ativa. Os meios de transporte de alta velocidade são os principais agentes envolvidos nestes traumas, ressaltando-se os acidentes envolvendo motocicletas. Quedas (especialmente na construção civil), trauma direto de objetos com grande massa e acidentes com projéteis de armas de fogo são outras formas de envolvimento da perna. (PEDRINELLI; 2004) Não existem dados oficiais, no Brasil, à respeito da incidência das amputações dos membros. Nos EUA, a incidência é estimada em 4,9 amputados por 1000, sendo que a incidência é quatro vezes maior para pessoas com mais de 65 anos, segundo a National Health Interview Survey. A maior causa são as vasculopatias (75% das causas em MMII) seguidas pelos traumas (20%) e tumores (5%). (FERNANDES; 2007)

31 30 CAPÍTULO VII TIPOS DE CIRURGIAS A única indicação absoluta de amputação é a lesão arterial irreparável. O conceito de irreparável pode variar de acordo com os recursos do local onde o tratamento é efetuado. Centros de referência a politraumatismos contam com cirurgiões vasculares e microcirurgiões de plantão que podem, em boa parte dos casos de trauma, restabelecer a perfusão em um membro com lesão vascular. Evidentemente, existem traumatismos vasculares que estão além das possibilidades técnicas de reparação, como esmagamentos extensos e ferimentos por projéteis de alta velocidade. Traumas com baixo prognóstico de funcionalidade do membro podem ser indicação de amputação primária. Com técnicas avançadas de reconstrução, mesmo traumatismos graves podem resultar na preservação do membro, mas a funcionalidade pode ficar tão comprometida que a preservação do membro deixa de fazer sentido. A partir de 1990 foram criados escores que buscavam um índice preditivo de funcionalidade de um membro gravemente traumatizado. O mais conhecido é o MESS (Mangled Extremity Severity Score) aplicável em traumas dos membros inferiores. (FERNANDES; 2007) Numa amputação traumática, o cirurgião tenta salvar o máximo possível de osso (em seu comprimento) e pele viável. As articulações proximais são preservadas, desde que seja propiciada uma cicatrização adequada dos tecidos, sem complicações secundárias (como a infecção). Usualmente a incisão será deixada aberta, com a articulação proximal imobilizada, numa posição funcional, durante 5 a 9 dias, para impedir a infecção invasiva. A oclusão secundária também permite ao cirurgião modelar apropriadamente o membro residual para a reabilitação protética. (O`SULLIVAN; 2005) Na cirurgia para amputação abaixo do joelho, todo tecido não viável necrótico ou isquêmico deve ser ressecado. Essa ressecção deve ser em quantidade suficiente para promover boa cobertura óssea, evitando-se o excesso de tecido. O músculo tríceps sural não deve ser seccionado através do seu ventre muscular; a secção deve preferencialmente acompanhar a fáscia de revestimento. Os vasos que devem ser obrigatoriamente identificados e reparados são a artéria e veias tibiais anteriores, artéria e veias fibulares e artéria e veias tibiais posteriores, veia safena magna, e veia safena parva. A artéria tibial anterior deve ser duplamente ligada. As outras estruturas vasculares devem ser reparadas com ligadura simples. Os nervos que devem ser obrigatoriamente identificados e reparados são o nervo fibular superficial, o nervo safeno

32 31 acompanhando a veia safena magna e o nervo sural seguindo a safena parva, o nervo fibular profundo, e o nervo tibial. Para minimizar a formação do neuroma, o nervo deve ser tracionado com discreta tensão e incisado em um ângulo reto na sua porção mais proximal. Os ossos são as estruturas que sustentarão os tecidos moles. Assim, devem ser seccionados para propiciar a forma e distribuição de cargas que melhor se adaptem a protetização e ter suas bordas arredondadas com limas para que não atuem como instrumentos cortantes sobre o tecido vizinho. (PEDRINELLI, 2004) No procedimento cirúrgico, a secção óssea realizada na face anterior da tíbia deve ter uma angulação de aproximadamente 15 graus para não causar compressão dos tecidos. A fíbula deve ser seccionada de 1,0 a 1,5 centímetros acima da tíbia. Arestas ou saliências ósseas devem ser evitadas. A musculatura posterior é rebatida anteriormente para a formação do coxim. Nessa fase deve ser realizada a mioplastia, na qual os músculos antagonistas serão fixados aos agonistas, e também a miodese, em que a musculatura será reinserida em um ponto ósseo. Esses procedimentos melhoram o controle do coto, a propriocepção e a circulação local, além de diminuir incômodos como a dor fantasma. (CARVALHO; 1999)

33 32 CAPÍTULO VIII AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA DO PACIENTE COM AMPUTAÇÃO TRANSTIBIAL TRAUMÁTICA A avaliação de um paciente amputado tem como finalidade definir e mensurar as capacidades e as incapacidades durante as atividades simples e as mais complexas. Os pacientes que se apresentarem carregados ou sentados em cadeira de rodas empurrada por familiares estarão em piores condições físicas, quando comparados aos que, no mínimo tocam suas próprias cadeiras. Para os que utilizarem muletas axilares, bengalas canadenses ou andadores, melhores condições cardiorrespiratórias e músculo-esqueléticas serão encontradas durante a avaliação. (CARVALHO; 1999) 8.1 ANAMNESE Na anamnese, são colhidos todos os dados pessoais do paciente, como nome, idade sexo, data de nascimento, estado civil, profissão, endereço e telefone. Deve-se também investigar a história da amputação por meio de perguntas como: quando ocorreu a amputação? Qual foi a causa desta e em que hospital foi feita a cirurgia? É importante questionar o paciente se ele apresenta outras patologias, como cardiopatia, dispnéia, fratura, e se faz uso diário de algum medicamento. Esses dados serão muito importantes durante toda a fase de reabilitação pré e pós-protética. (PEDRINELLI, 2004) São valiosas as informações sobre a situação doméstica do paciente (inclusive qualquer constrangimento ou necessidade especial) no estabelecimento de um programa terapêutico individualmente relevante. Os dados concernentes ao nível de atividade précirúrgica e as próprias metas pessoais a longo prazo são obtidos através de entrevistas. São registrados o estado emocional aparente do indivíduo e seu grau de ajustamento. Tem início a exploração da adequação do paciente, e de seu desejo por uma prótese, tendo continuidade ao longo de todo período pré-protético. Qualquer problema que possa afetar o programa e metas de reabilitação será avaliado e documentado. (O`SULLIVAN; 2005)

34 EXAME FÍSICO Membros superiores e membro inferior não-amputado No exame de membros superiores, a presença de lesões e de deformidades, tanto quanto força muscular e amplitude de movimentos das principais articulações, deve ser checada, já que, para muitos pacientes, certas transferências ou a necessidade do uso de meios auxiliares de locomoção dependem das boas condições dos membros superiores. Ao examinar o membro inferior contralateral à amputação, deve-se realizar, além de testes, a inspeção e a palpação do segmento abordado, como condições da pele, coloração do membro, pulsos arteriais, equilíbrio e mobilidade, força muscular e amplitude de movimento, presença de deformidades, e paresia, plegia, anestesia ou hipoestesia no membro avaliado. (CARVALHO; 1999) Anexo: Figura Avaliação da Força muscular A força muscular do coto, membro contralateral, membros superiores e tronco é testada através da prova muscular manual e é usada a escala de Kendalls de 0 a 100%, com o paciente em decúbito dorsal, ventral e lateral direito e esquerdo. A avaliação da força muscular é importante porque nos mostra quais os grupos musculares apresentam déficit de força e ajuda a determinar qual é o nível de potencial de habilidade para atividades como transferências, guiar a cadeira de rodas e andar com ou sem prótese. (PEDRINELLI, 2004) Diante de uma amputação abaixo do joelho, há necessidade de boa quantidade de força nos extensores e flexores dos joelhos, bem como nos extensores e abdutores do quadril, para a satisfação protética deambulatória. (O`SULLIVAN; 2005) Avaliação da amplitude de movimento As estimativas gerais da amplitude geral de movimento são adequadas para a avaliação do membro não envolvido, mas são necessárias mensurações goniométricas específicas para o lado amputado. As medidas de flexão e extensão, e de abdução e adução dos quadris, são tomadas no início da fase pós-operatória à amputação abaixo do joelho. São tomadas mensurações da flexão e extensão do joelho, caso o curativo permita. A amplitude

35 34 dos movimentos articulares é monitorada ao longo de todo o período pré-protético. (O`SULLIVAN; 2005) Anexo: figura Avaliação do coto O exame do membro residual, ou seja, do coto de amputação, será um exame mais detalhado e complexo em virtude de ser resultado de um ato cirúrgico. Sempre que possível, devemos ter em mãos as chapas radiográficas do membro amputado para observar as condições em que se encontra o tecido ósseo. (CARVALHO, 1999) Anexo: figura Comprimento Nas amputações transtibiais longas e médias, a medida é feita a partir da tuberosidade anterior da tíbia até a extremidade do coto. Se a amputação for curta, a medida é feita a partir da borda inferior da patela até a extremidade. (PEDRINELLI; 2004) Anexo: figura Circunferência Na avaliação inicial do paciente amputado destaca-se a observância das medidas de circunmetria, que servirão de base para o controle evolutivo da estabilização das dimensões do coto e para a determinação do momento de prescrição da prótese definitiva. (LIANZA; 2007) A circunferência do coto é a medida a partir do processo anatômico que foi feita na medida do comprimento do coto, marca-se de 5 em 5 cm com uma caneta e verifica-se a circunferência com a fita métrica. (PEDRINELLI; 2004) Anexo: figura Cicatrização Quanto a incisão e a cicatrização encontra-se locais clássicos conforme os níveis de amputação. Pode-se encontrar cicatrizações fechadas ou abertas, com deiscências de suturas, aderidas, invaginadas, livres ou retraídas, inflamadas ou infectadas, com presença ou não de secreções, ou mesmo em locais não clássicos, como em algumas amputações traumáticas. (CARVALHO; 1999)

36 35 Cicatrizes situadas sobre zonas preferenciais de apoio do peso corporal, retilíneas e com formação de orelhas nas extremidades, aderidas a planos profundos, ou fechadas por tecido mal vascularizado (quelóide, enxerto livre), toleram mal a compressão. (LIANZA; 2007) Anexo: figura Edema O edema está presente em todos os pacientes amputados nunca protetizados. Em determinados níveis, observamos maior ou menor aumento de volume. Os pacientes amputados transtibiais apresentam cotos bastante volumosos em relação aos outros níveis de amputação. Nos pacientes que já estiverem utilizando enfaixamentos para redução do edema e modelação do coto, deve-se verificar principalmente a técnica de enfaixamento e o tipo de faixa utilizada. (CARVALHO; 1999) Coxim terminal O coxim terminal pode ser definido como o revestimento músculo-cutâneo da região distal de um membro amputado. No coxim, geralmente é encontrado procedimentos como mioplastia e miodese, onde, além de proteção óssea, desenvolvem também funções ativas no controle e na suspensão da prótese, melhoram a propriocepção e o potencial de irrigação, e estimulam a circulação local. Para ser considerado bom, o coxim terminal deve ser firme, não podendo ser escasso, tampouco volumoso. (CARVALHO; 1999) Neuroma O processo de cicatrização do nervo seccionado durante a amputação pode evoluir, ocasionalmente, com dor, melhor evidenciada através da percussão da extremidade do coto. Tal transtorno impõe grande restrição à utilização efetiva da prótese pelo paciente, e os recursos habitualmente empregados na sua prevenção ou resolução têm sido bastante controvertidos. (LIANZA; 2007)

PROTETIZAÇÃO E TIPOS DE PRÓTESES

PROTETIZAÇÃO E TIPOS DE PRÓTESES PROTETIZAÇÃO E TIPOS DE PRÓTESES PROTETIZAÇÃO (A) OBJETIVOS GERAIS - Independência na marcha e nos cuidados pessoais - Adequação física e emocional quanto ao uso da prótese OBJETIVOS ESPECÍFICOS - Cicatrização

Leia mais

EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A

EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A INTRODUÇÃO Maior articulação do corpo Permite ampla extensão de movimentos Suscetível a lesões traumáticas Esforço Sem proteção por tecido

Leia mais

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular Provas de função muscular MMII Graduação de força muscular Grau 0:Consiste me palpar o músculo avaliado e encontrar como resposta ausência de contração muscular. Grau 1:Ao palpar o músculo a ser avaliado

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação Tibiofemoral: É uma articulação

Leia mais

JOELHO. Introdução. Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga

JOELHO. Introdução. Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga JOELHO Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga Introdução Articulação muito frágil do ponto de vista mecânico e está propensa

Leia mais

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cabeça do fêmur com o acetábulo Articulação sinovial, esferóide e triaxial. Semelhante a articulação do ombro, porém com menor ADM e mais estável. Cápsula articular

Leia mais

Protetização. Prof.ª Dr.ª Juliana Yule

Protetização. Prof.ª Dr.ª Juliana Yule Protetização Prof.ª Dr.ª Juliana Yule Tratamento do membro residual Indivíduos que não recebem um curativo rígido ou prótese temporária usam faixas elásticas ou atrofiadores para a redução da dimensões

Leia mais

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil),

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil), 1 1) PANTURRILHAS 1.1 GERAL De pé, tronco ereto, abdômen contraído, de frente para o espaldar, a uma distância de um passo. Pés na largura dos quadris, levar uma das pernas à frente inclinando o tronco

Leia mais

Artrodese do cotovelo

Artrodese do cotovelo Artrodese do cotovelo Introdução A Artrite do cotovelo pode ter diversas causas e existem diversas maneiras de tratar a dor. Esses tratamentos podem ter sucesso pelo menos durante um tempo. Mas eventualmente,

Leia mais

BANDAGEM FUNCIONAL. Prof. Thiago Y. Fukuda

BANDAGEM FUNCIONAL. Prof. Thiago Y. Fukuda BANDAGEM FUNCIONAL Prof. Thiago Y. Fukuda INTRODUÇÃO (BANDAGEM) Refere-se à aplicação de algum tipo de fita protetora que adere à pele de determinada articulação. A bandagem quando aplicada corretamente,

Leia mais

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano.

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano. Introdução O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e constituem necessidades básicas do ser humano. Movimentação do paciente Para que o paciente se sinta confortável

Leia mais

Última revisão: 08/08/2011 TRACIONADOR DE FÊMUR

Última revisão: 08/08/2011 TRACIONADOR DE FÊMUR Protocolo: Nº 72 Elaborado por: Antônio Osmar Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Luciana Noronha Última revisão: 08/08/2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Luciana Noronha

Leia mais

Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para :

Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para : JOELHO JOELHO RM do Joelho Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para : ligamentos, meniscos e tendões músculos, vasos e tecido adiposo osso cortical ( hipointenso

Leia mais

Ligamento Cruzado Posterior

Ligamento Cruzado Posterior Ligamento Cruzado Posterior Introdução O Ligamento Cruzado Posterior (LCP) é classificado como estabilizador estático do joelho e sua função principal é restringir o deslocamento posterior da tíbia em

Leia mais

AMPUTAÇÕES. Principais tipos de amputação para membro inferior. Falangectomia. Amputação transmetatársica (diáfise do metatarso).

AMPUTAÇÕES. Principais tipos de amputação para membro inferior. Falangectomia. Amputação transmetatársica (diáfise do metatarso). AMPUTAÇÕES 1. Indicações. Uma perda irreparável do aporte sanguíneo de um membro doente ou lesionado é a única indicação absoluta para a amputação, independentemente de todas as outras circunstancias.

Leia mais

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP)

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) INTRODUÇÃO O ligamento cruzado posterior (LCP) é um dos ligamentos menos lesados do joelho. A compreensão dessa lesão e o desenvolvimento de novos tratamentos

Leia mais

Com muita história. Nasceu a tecnologia.

Com muita história. Nasceu a tecnologia. Com muita história. Nasceu a tecnologia. Mesmo sendo revolucionário em princípios e design, o Scorpio baseia-se em uma diversidade de princípios biomecânicos da anatomia e fisiologia do joelho. O ponto

Leia mais

Dr. Josemir Dutra Junior Fisioterapeuta Acupunturista Acupunturista Osteopata Especialista em Anatomia e Morfologia. Joelho

Dr. Josemir Dutra Junior Fisioterapeuta Acupunturista Acupunturista Osteopata Especialista em Anatomia e Morfologia. Joelho Dr. Josemir Dutra Junior Fisioterapeuta Acupunturista Acupunturista Osteopata Especialista em Anatomia e Morfologia Joelho O joelho é a articulação intermédia do membro inferior, é formado por três ossos:

Leia mais

EXAME DO JOELHO. Inspeção

EXAME DO JOELHO. Inspeção EXAME DO JOELHO Jefferson Soares Leal O joelho é a maior articulação do corpo e está localizado entre os dois maiores ossos do aparelho locomotor, o fêmur e a tíbia. É uma articulação vulnerável a lesões

Leia mais

Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores

Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores Prof André Montillo Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores Lesões do Joelho: Lesões de Partes Moles: Lesão Meniscal: Medial e Lateral Lesão Ligamentar: o Ligamentos Cruzados: Anterior e Posterior o

Leia mais

Fratura da Porção Distal do Úmero

Fratura da Porção Distal do Úmero Fratura da Porção Distal do Úmero Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo O cotovelo é composto de 3 ossos diferentes que podem quebrar-se diversas maneiras diferentes, e constituem

Leia mais

FISIOTERAPIA EM PACIENTE AMPUTADO DE MEMBRO INFERIOR PRÉ E PÓS PROTETIZAÇÃO

FISIOTERAPIA EM PACIENTE AMPUTADO DE MEMBRO INFERIOR PRÉ E PÓS PROTETIZAÇÃO FISIOTERAPIA EM PACIENTE AMPUTADO DE MEMBRO INFERIOR PRÉ E PÓS PROTETIZAÇÃO LARISSA BARRETO 1, NATÁLIA DOS ANJOS MENEZES 1, Profa. Dra. DEISE ELISABETE DE SOUZA 2. 1- Acadêmica do Curso de Fisioterapia

Leia mais

Manual de cuidados pré e pós-operatórios

Manual de cuidados pré e pós-operatórios 1. Anatomia O quadril é uma articulação semelhante a uma bola no pegador de sorvete, onde a cabeça femoral (esférica) é o sorvete e o acetábulo (em forma de taça) é o pegador. Esse tipo de configuração

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ORTOPEDISTA. Referentemente à avaliação do paciente vítima de politrauma, é correto afirmar, EXCETO:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ORTOPEDISTA. Referentemente à avaliação do paciente vítima de politrauma, é correto afirmar, EXCETO: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ORTOPEDISTA QUESTÃO 21 Referentemente à avaliação do paciente vítima de politrauma, é correto afirmar, EXCETO: a) O politrauma é a uma das principais causas

Leia mais

LESOES MENISCAIS Ricardo Yabumoto Curitiba, 09 de Abril de 2007 Introdução Forma aproximada de C Integram o complexo biomecânico do joelho Servem de extensões da tíbia para aprofundar as superfícies articulares,

Leia mais

Testes para o Joelho

Testes para o Joelho Testes para o Joelho Teste de compressão de Apley Pcte em dec. ventral, fletir a perna a 90º. Segurar o tornozelo, aplicar pressão para baixo e girar a perna lateral//e emedial//e. Teste de compressão

Leia mais

Lesões Meniscais. O que é um menisco e qual a sua função.

Lesões Meniscais. O que é um menisco e qual a sua função. Lesões Meniscais Introdução O menisco é uma das estruturas mais lesionadas no joelho. A lesão pode ocorrer em qualquer faixa etária. Em pessoas mais jovens, o menisco é bastante resistente e elástico,

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Os seres mais basais possuem capacidade de reação a estímulos ambientais; Células procariontes, metazoários contraem

Leia mais

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações Ósseas DESVIOS POSTURAIS 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. CAUSA: - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço CORREÇÃO:

Leia mais

MMII: Perna Tornozelo e Pé

MMII: Perna Tornozelo e Pé MMII: Perna Tornozelo e Pé Perna:Estruturas anatômicas Articulações visualizadas Incidências 1- AP Indicação Patologias envolvendo fraturas, corpos estranhos ou lesões ósseas. Perfil Indicação - Localização

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural AVALIAÇÃO POSTURAL 1. Desenvolvimento Postural Vantagens e desvantagens da postura ereta; Curvas primárias da coluna vertebral; Curvas Secundárias da coluna vertebral; Alterações posturais com a idade.

Leia mais

1. CONSIDERAÇÕES SOBRE A MARCHA EM CASOS DE FRATURAS DO MEMBRO INFERIOR.

1. CONSIDERAÇÕES SOBRE A MARCHA EM CASOS DE FRATURAS DO MEMBRO INFERIOR. 1. CONSIDERAÇÕES SOBRE A MARCHA EM CASOS DE FRATURAS DO MEMBRO INFERIOR. Quando ocorre uma fratura envolvendo o membro inferior, a reeducação do padrão de marcha normal até o nível da função anterior à

Leia mais

Síndromes Dolorosas do Quadril: Bursite Trocanteriana Meralgia Parestésica

Síndromes Dolorosas do Quadril: Bursite Trocanteriana Meralgia Parestésica André Montillo UVA Anatomia do Quadril Anatomia do Quadril Síndromes Dolorosas do Quadril: Bursite Trocanteriana Meralgia Parestésica Definição: Bursite Trocanteriana É o Processo Inflamatório da Bursa

Leia mais

7/4/2011 ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Reconhecer as lesões músculoesqueléticas. Reconhecer a biomecânica do trauma.

7/4/2011 ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Reconhecer as lesões músculoesqueléticas. Reconhecer a biomecânica do trauma. TRAUMATISMOS DOS MEMBROS Atendimento Inicial e Imobilizações ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Manter as prioridades da avalição ABC Não se distrair com lesões músculo-esqueléticas dramáticas que

Leia mais

Síndrome de compartimento de perna pós fratura de tornozelo bilateral: Relato de caso

Síndrome de compartimento de perna pós fratura de tornozelo bilateral: Relato de caso Introdução As fraturas e luxações do tornozelo são as lesões mais comuns do sistema músculo-esquelético 1, e dentre as articulações de carga, o tornozelo é a que apresenta maior incidência de fraturas

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte III

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte III EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte III PREPARO E APLICAÇÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS Aquecimento com movimentos leves, repetitivos e alongamentos. Aplicar a resistência de forma distal, na região onde o músculo

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Existem 2 tipos de artic. encontradas

Leia mais

EXAME DO QUADRIL E DA PELVE

EXAME DO QUADRIL E DA PELVE EXAME DO QUADRIL E DA PELVE Jefferson Soares Leal O quadril é composto pela articulação coxofemural e a pelve pelas articulações sacroilíacas e pela sínfise púbica. O exame do quadril e da pelve devem

Leia mais

Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP

Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP INTRODUÇÃO Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP Desde que os cirurgiões ortopédicos começaram a utilizar câmeras de vídeo, chamadas artroscópios, para visualizar, diagnosticar e tratar problemas dentro da

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Tornozelo e Pé Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica do Tornozelo e Pé Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica do Tornozelo e Pé Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Retropé: Articulação Tibiofibular

Leia mais

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS Parte IV P R O T O C O L O S D E T R A U M A [213] rotina consiste em infundir 20 ml/kg em bolus de solução de Ringer e reavaliar o paciente em seguida. Manter a pressão sistólica entre 90 e 100 mmhg.

Leia mais

GUIA DO PACIENTE. Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica. O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas

GUIA DO PACIENTE. Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica. O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas GUIA DO PACIENTE Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas Sistema de Estabilização Dinâmica Dynesys O Sistema Dynesys

Leia mais

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Prof André Montillo Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Fraturas Proximal do Fêmur: Anatomia: Elementos Ósseos Cabeça do Fêmur Trocanter Maior Colo

Leia mais

Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Saúde de Beja Curso de Licenciatura em Enfermagem 2º Ano / 2º Semestre U.C. Enfermagem Cirúrgica

Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Saúde de Beja Curso de Licenciatura em Enfermagem 2º Ano / 2º Semestre U.C. Enfermagem Cirúrgica Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Saúde de Beja Curso de Licenciatura em Enfermagem 2º Ano / 2º Semestre U.C. Enfermagem Cirúrgica Intervenções de Enfermagem à pessoa submetida a amputação

Leia mais

E S T U D O D O M O V I M E N T O - V

E S T U D O D O M O V I M E N T O - V 1 Pronação A pronação corresponde ao movimento que coloca a face palmar da mão virada para trás, colocando o 1º dedo (polegar) da mão mais próximo do plano sagital. Supinação A supinação corresponde ao

Leia mais

CONSTITUIÇÃO ANATÔMICA DO JOELHO E SUAS PRINCIPAIS LESÕES

CONSTITUIÇÃO ANATÔMICA DO JOELHO E SUAS PRINCIPAIS LESÕES CONSTITUIÇÃO ANATÔMICA DO JOELHO E SUAS PRINCIPAIS LESÕES DEISE SANTOS 1 MARCIA JOSIANE CARDOSO 2 VALTER ANTUNES NEUMANN 3 LUCIANO LEAL LOUREIRO 4 RESUMO O joelho é uma das articulações mais importantes

Leia mais

Dados Pessoais: História social e familiar. Body Chart

Dados Pessoais: História social e familiar. Body Chart Dados Pessoais: História Clínica: Nome: P.R. Idade: 54 Morada: Contacto: Médico: Fisioterapeuta: Profissão: Fisioterapeuta Diagnóstico Médico: Fratura comitiva da rótula Utente de raça caucasiana, Fisioterapeuta,

Leia mais

O treino invisível para aumento do rendimento desportivo

O treino invisível para aumento do rendimento desportivo O treino invisível para aumento do rendimento desportivo Carlos Sales, Fisioterapeuta Federação Portuguesa de Ciclismo Luís Pinho, Fisioterapeuta Federação Portuguesa de Ciclismo Ricardo Vidal, Fisioterapeuta

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação Fundação Cardeal Cerejeira Acção de Formação Formadoras: Fisioterapeuta Andreia Longo, Fisioterapeuta Sara Jara e Fisioterapeuta Tina Narciso 4º Ano de Fisioterapia da ESSCVP Em fases que o utente necessite

Leia mais

Incidência de Disfunção Sacroilíaca

Incidência de Disfunção Sacroilíaca Incidência de Disfunção Sacroilíaca ::: Fonte Do Saber - Mania de Conhecimento ::: adsense1 Introdução A pelve e em especial as articulações sacroilíacas sempre foram consideradas como tendo valor clínico

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação Psoas maior proc.

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação Psoas maior proc. MIOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR MIOLOGIA DO MEMBRO INFERIOR Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em grupos principais: Iliopsoas MÚSCULOS QUE ACIONAM A COXA Psoas maior

Leia mais

Intodução Como um joelho normal funciona?

Intodução Como um joelho normal funciona? Intodução É natural termos dúvidas e questionamentos antes de nos submetermos a uma cirurgia. Foi pensando nisso que elaboramos esse manual. Nosso objetivo é ajudá-lo a entender melhor o funcionamento

Leia mais

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João Avaliação Fisioterapêutica do Quadril Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação do Quadril: É uma articulação

Leia mais

MIOLOGIA. Prof.: Gustavo M. Pires

MIOLOGIA. Prof.: Gustavo M. Pires MIOLOGIA Prof.: Gustavo M. Pires INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Os músculos são estruturas que movem os segmentos do corpo por encurtamento da distância que existe entre suas extremidades fixadas, ou seja, por

Leia mais

CERTIFICAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL (CORE) Educador Silvio Pecoraro

CERTIFICAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL (CORE) Educador Silvio Pecoraro CERTIFICAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL (CORE) Educador Silvio Pecoraro Quais as características do Treinamento Funcional? Desenvolver e melhorar as capacidades físicas através de estímulos que proporcionam

Leia mais

Reabilitação Pós-amputação

Reabilitação Pós-amputação Reabilitação Pós-amputação Nelson De Luccia INTRODUÇÃO Considerando que as amputações associadas às doenças vasculares periféricas são praticadas em grande maioria nos membros inferiores, 4 o conceito

Leia mais

Ortopedia e Traumatologia

Ortopedia e Traumatologia Ortopedia e Traumatologia Fixação Interna Orthofix A Orthofix é uma companhia reconhecida mundialmente no desenvolvimento de soluções para fixação externa e interna na área de Traumatologia e Ortopedia.

Leia mais

Unidade 2. Tecnologias assistivas: habilidade física e autonomia motora

Unidade 2. Tecnologias assistivas: habilidade física e autonomia motora Marco Antônio Percope de Andrade Túlio Vinícius de Oliveira Campos Lygia Paccini Lustosa Unidade 2 Tecnologias assistivas: habilidade física e autonomia motora Habilitação/reabilitação com utilização das

Leia mais

O AGACHAMENTO AGACHAMENTO É UM PADRÃO DE MOVIMENTO PRIMITIVO

O AGACHAMENTO AGACHAMENTO É UM PADRÃO DE MOVIMENTO PRIMITIVO O AGACHAMENTO O agachamento é um dos movimentos mais utilizados no treino desportivo, mas um dos menos compreendidos e pior utilizado. Deixo um conjunto reflexões que para alguns poderão ser um pouco polémicas

Leia mais

Capsulite Adesiva ou Ombro Congelado Congelado

Capsulite Adesiva ou Ombro Congelado Congelado 1 Consiste em uma articulação do ombro com dor e rigidez que não pode ser explicada por nenhuma alteração estrutural. Obs: Embora seja comum o uso destes termos nas aderências pós traumáticas do ombro,

Leia mais

Exame Fisico do Quadril Celso HF Picado

Exame Fisico do Quadril Celso HF Picado Exame Fisico do Quadril Celso HF Picado Introdução A cintura pélvica é composta pela articulação sacro-ilíaca, pela sínfise púbica e pela articulação coxo-femoral. Esta última corresponde à articulação

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

Ossos - órgãos passivos do movimento. Músculos - órgãos ativos do movimento. Introdução

Ossos - órgãos passivos do movimento. Músculos - órgãos ativos do movimento. Introdução Ossos - órgãos passivos do movimento Músculos - órgãos ativos do movimento Introdução Organização dos músculos esqueléticos Sistema muscular: anatomia microscópica Porção ativa ventre muscular Porções

Leia mais

Entorse do. 4 AtualizaDOR

Entorse do. 4 AtualizaDOR Entorse do Tornozelo Tão comum na prática esportiva, a entorse pode apresentar opções terapêuticas simples. Veja como são feitos o diagnóstico e o tratamento desse tipo de lesão 4 AtualizaDOR Ana Paula

Leia mais

VOCÊ CONHECE SUA PISADA?

VOCÊ CONHECE SUA PISADA? ANO 2 www.instituodetratamentodador.com.br VOCÊ CONHECE SUA PISADA? Direção: Dr José Goés Instituto da Dor Criação e Diagramação: Rubenio Lima 85 8540.9836 Impressão: NewGraf Tiragem: 40.000 ANO 2 Edição

Leia mais

Avaliação Postural e Flexibilidade. Priscila Zanon Candido

Avaliação Postural e Flexibilidade. Priscila Zanon Candido Avaliação Postural e Flexibilidade Priscila Zanon Candido POSTURA A posição otimizada, mantida com característica automática e espontânea, de um organismo em perfeita harmonia com a força gravitacional

Leia mais

Introdução: Como o joelho normal funciona:

Introdução: Como o joelho normal funciona: Introdução: Se o seu joelho apresenta dor e sintomas como dificuldade para realizar atividades simples tais como caminhar ou subir escadas, você pode ser portador de uma patologia chamada artrose (desgaste).

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA DISSECAÇÃO DA APONEUROSE PLANTAR PARA MELHOR COMPREENÇÃO DA FASCEÍTE PLANTAR E ESTUDO DE NOVAS FORMAS DE TRATAMENTO 1

IMPORTÂNCIA DA DISSECAÇÃO DA APONEUROSE PLANTAR PARA MELHOR COMPREENÇÃO DA FASCEÍTE PLANTAR E ESTUDO DE NOVAS FORMAS DE TRATAMENTO 1 IMPORTÂNCIA DA DISSECAÇÃO DA APONEUROSE PLANTAR PARA MELHOR COMPREENÇÃO DA FASCEÍTE PLANTAR E ESTUDO DE NOVAS FORMAS DE TRATAMENTO 1 SANTOS, Danillo Luiz 1 ; PEREIRA, Thatiany de Castro 2 ; CAMPOS, Adriana

Leia mais

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 O que iremos discutir.. Definições sobre o atleta e suas lesões Análise

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

04/11/2012. rígida: usar durante a noite (para dormir) e no início da marcha digitígrada, para manter a ADM do tornozelo.

04/11/2012. rígida: usar durante a noite (para dormir) e no início da marcha digitígrada, para manter a ADM do tornozelo. 04/11/2012 Prolongar o tempo de deambulação independente. Manter a postura correta. Garantir o bom funcionamento das funções cardiorrespiratória e digestiva. Manter a amplitude do movimento. Garantir o

Leia mais

CATIRA OU CATERETÊ- DANÇA DO FOLCLORE BRASILEIRO 1

CATIRA OU CATERETÊ- DANÇA DO FOLCLORE BRASILEIRO 1 CATIRA OU CATERETÊ- DANÇA DO FOLCLORE BRASILEIRO 1 CAMPIOLI, Carlos Gustavo Mendes 1 ; FERREIRA, Iuri Armstrong de Freitas 2 ; VALADÃO, Francielly Costa 3 ; OLIVEIRA, Luan Tavares de 4 ; GOMES, Bianca

Leia mais

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula Fratura da Clavícula Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia O osso da clavícula é localizado entre o

Leia mais

CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS. Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com

CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS. Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com Estrutura do Curso Bases Morfofisiológicas - 25 hs Princípios fisiológicos aplicados à musculação e ao cardiofitness Aspectos biomecânicos

Leia mais

Uso de salto alto pode encurtar músculos e tendões e até provocar varizes!!!

Uso de salto alto pode encurtar músculos e tendões e até provocar varizes!!! Uso de salto alto pode encurtar músculos e tendões e até provocar varizes!!! Dores frequentes nos pés, calosidades e vermelhidão são os primeiros sinais de abuso do salto alto e bico fino. Bonitos, elegantes

Leia mais

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos.

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. Autores: Ft Mariana Machado Signoreti Profa. Msc. Evelyn Cristina Parolina A capoeira é uma manifestação

Leia mais

Crescimento guiado para correção de joelhos unidos e pernas arqueadas em crianças

Crescimento guiado para correção de joelhos unidos e pernas arqueadas em crianças INFORMAÇÃO AO PACIENTE Crescimento guiado para correção de joelhos unidos e pernas arqueadas em crianças O sistema de crescimento guiado eight-plate quad-plate INTRODUÇÃO As crianças necessitam de orientação

Leia mais

PROVAS NEUROMUSCULARES 1 2009

PROVAS NEUROMUSCULARES 1 2009 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE UNIDADE DE TRAUMA ORTOPÉDICO Hospital Universitário Miguel Riet Corrêa - Rua Visconde de Paranaguá, 102 Rio Grande, RS CEP 96200/190 Telefone:

Leia mais

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS INTRODUÇÃO Um grande grupo muscular, que se situa na parte posterior da coxa é chamado de isquiotibiais (IQT), o grupo dos IQT é formado pelos músculos bíceps femoral, semitendíneo

Leia mais

O grupo de cirurgia de quadril é formado por cirurgiões ortopédicos, enfermeiros e fisioterapeutas que se dedicam exclusivamente a essa especialidade

O grupo de cirurgia de quadril é formado por cirurgiões ortopédicos, enfermeiros e fisioterapeutas que se dedicam exclusivamente a essa especialidade 1 O grupo de cirurgia de quadril é formado por cirurgiões ortopédicos, enfermeiros e fisioterapeutas que se dedicam exclusivamente a essa especialidade há vários anos. Faz parte integral da filosofia de

Leia mais

Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral

Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral INTRODUÇÃO Oque é Luxação Gleno Umeral? Luxação é o termo empregado quando há perda de contato entre os ossos que compõem uma articulação. No caso do ombro a articulação

Leia mais

ORIENTAÇÃO E REABILITAÇÃO CARTILHA DE EXERCÍCIOS FISIOTERAPÊUTICOS PARA PACIENTES EM PÓS-OPERATORIO DE CÂNCER DE MAMA

ORIENTAÇÃO E REABILITAÇÃO CARTILHA DE EXERCÍCIOS FISIOTERAPÊUTICOS PARA PACIENTES EM PÓS-OPERATORIO DE CÂNCER DE MAMA ORIENTAÇÃO E REABILITAÇÃO CARTILHA DE EXERCÍCIOS FISIOTERAPÊUTICOS PARA PACIENTES EM PÓS-OPERATORIO DE CÂNCER DE MAMA Seguindo todas essas dicas, você terá uma vida melhor. Vai previnir o linfedema e complicações,

Leia mais

LESÕES OSTEOMUSCULARES

LESÕES OSTEOMUSCULARES LESÕES OSTEOMUSCULARES E aí galera do hand mades é com muito orgulho que eu estou escrevendo este texto a respeito de um assunto muito importante e que muitas vezes está fora do conhecimento de vocês Músicos.

Leia mais

O Grupo de Cirurgia do Joelho tem como objetivo principal ajudar e tratar os pacientes com patologias do joelho a restabelecer a sua função com foco

O Grupo de Cirurgia do Joelho tem como objetivo principal ajudar e tratar os pacientes com patologias do joelho a restabelecer a sua função com foco 1 O Grupo de Cirurgia do Joelho tem como objetivo principal ajudar e tratar os pacientes com patologias do joelho a restabelecer a sua função com foco na sua qualidade de vida. O grupo é composto por uma

Leia mais

Curso de Fisioterapia. Monique Fernandes Teixeira A ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NO PACIENTE COM AMPUTAÇÃO TRANSFEMORAL UNILATERAL

Curso de Fisioterapia. Monique Fernandes Teixeira A ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NO PACIENTE COM AMPUTAÇÃO TRANSFEMORAL UNILATERAL 0 Curso de Fisioterapia Monique Fernandes Teixeira A ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NO PACIENTE COM AMPUTAÇÃO TRANSFEMORAL UNILATERAL Rio de Janeiro 2008.2 1 MONIQUE FERNANDES TEIXEIRA A ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA

Leia mais

ARTÉRIAS E VEIAS. Liga Acadêmica de Anatomia Clínica. Hugo Bastos. Aula III

ARTÉRIAS E VEIAS. Liga Acadêmica de Anatomia Clínica. Hugo Bastos. Aula III ARTÉRIAS E VEIAS Aula III Liga Acadêmica de Anatomia Clínica Hugo Bastos Salvador BA 23 de Agosto de 2011 Sistema circulatório Responsável pelo transporte de líquidos (sangue ou linfa) por todo o corpo.

Leia mais

Abdução do quadril Posição inicial Ação Extensão do quadril em rotação neutra Posição inicial Ação

Abdução do quadril Posição inicial Ação Extensão do quadril em rotação neutra Posição inicial Ação 12) Abdução do quadril - músculos comprometidos da articulação do quadril: glúteo médio, glúteo mínimo, tensor da fascia lata e os seis rotadores externos; da articulação do joelho: quadríceps (contração

Leia mais

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA Logomarca da empresa Nome: N.º Registro ESQUERDA EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA PESCOÇO (COLUNA CERVICAL) Inclinação (flexão lateral) OMBROS Abdução

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Forma de sela Três graus de liberdade Posição de Repouso Posição de aproximação

Leia mais

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf ELÁSTICO OU BORRACHA Sugestão: 1 kit com 3 elásticos ou borrachas (com tensões diferentes: intensidade fraca, média e forte) Preço: de

Leia mais

Alternativas da prótese total do quadril na artrose Dr. Ademir Schuroff Dr. Marco Pedroni Dr. Mark Deeke Dr. Josiano Valério

Alternativas da prótese total do quadril na artrose Dr. Ademir Schuroff Dr. Marco Pedroni Dr. Mark Deeke Dr. Josiano Valério Alternativas da prótese total do quadril na artrose Dr. Ademir Schuroff Dr. Marco Pedroni Dr. Mark Deeke Dr. Josiano Valério grupoquadrilhuc@hotmail.com Conceito É uma doença degenerativa crônica caracterizada

Leia mais

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10 DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS www.doresnascostas.com.br Página 1 / 10 CONHEÇA OS PRINCÍPIOS DO COLETE MUSCULAR ABDOMINAL Nos últimos anos os especialistas

Leia mais

Administração de Medicamentos. Professora Daniele Domingues dani.dominguess@gmail.com

Administração de Medicamentos. Professora Daniele Domingues dani.dominguess@gmail.com Professora Daniele Domingues dani.dominguess@gmail.com FATORES QUE DETERMINAM A ESCOLHA VIA Tipo de ação desejada Rapidez de ação desejada Natureza do medicamento CLASSIFICAÇÃO Enterais Parenterais Tópica

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada A coluna cervical consiste em diversas

Leia mais

Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico

Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Visão Global de uma Avaliação Musculoesquelética

Leia mais

Patologias dos membros inferiores

Patologias dos membros inferiores Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Patologias dos membros inferiores Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Doenças do quadril Doenças do joelho Doenças do pé e tornozelo Introdução Doenças

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

Fisioterapia nas Ataxias. Manual para Pacientes

Fisioterapia nas Ataxias. Manual para Pacientes Fisioterapia nas Ataxias Manual para Pacientes 2012 Elaborado por: Fisioterapia: Dra. Marise Bueno Zonta Rauce M. da Silva Neurologia: Dr. Hélio A. G. Teive Ilustração: Designer: Roseli Cardoso da Silva

Leia mais