Empreendedorismo: oportunidade de educação para o turismo Ao planejar e coordenar a sua diferenciada gama

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Empreendedorismo: oportunidade de educação para o turismo Ao planejar e coordenar a sua diferenciada gama"

Transcrição

1 A única verdadeira viagem não seria viajar por centenas de diferentes países com o mesmo par de olhos... mas ver a mesma terra através de uma centena de diferentes olhos Marcel Proust

2 PALAVRA DO PRESIDENTE Empreendedorismo: oportunidade de educação para o turismo Ao planejar e coordenar a sua diferenciada gama de atividades em regiões distintas do Brasil, o Instituto Souza Cruz tem estado atento aos princípios do desenvolvimento sustentável, com interesse particular em sua vertente educacional. Os resultados positivos nos têm dado alento para prosseguir e a presente edição da revista Marco Social destaca mais uma área em que temos trabalhado com afinco. Trata-se da Educação para o Turismo, no contexto da qualificação de profissionais que venham a trabalhar neste importante setor hoje responsável por nada menos que 8% dos empregos e por 11,9% do PIB mundial, de acordo com dados do WTTC Conselho Mundial de Viagens e Turismo. Ações educativas como as que mostraremos nas páginas a seguir representam a esperança de que as novas gerações 2

3 desenvolvam habilidades específicas e ajudem o nosso País a aproveitar, em um futuro próximo, o seu imenso potencial turístico. As discussões sobre o tema têm mantido o foco na perspectiva do turismo como atividade socioeconômica integrada ao meio ambiente. Neste sentido, o ecoturismo é bem mais do que um simples filão de negócios, pois embute a possibilidade de envolvimento e desenvolvimento das comunidades em que está presente. Paralelamente, os pequenos hotéis, pousadas e resorts estão atentos e têm oferecido serviços mais condizentes com as reais possibilidades turísticas do País. Contudo, convém frisar que o potencial brasileiro é extraordinário e há muito a se fazer para alcançarmos uma situação ideal. Da segurança à infra-estrutura de serviços, temos potencial de oferecer muito mais. Ciente do quadro promissor e das lacunas existentes, o Instituto Souza Cruz aposta na Educação para o Turismo como uma área de grandes realizações. Hoje, no Brasil, cerca de 2,1 milhões de estabelecimentos turísticos empregam aproximadamente 25 milhões de pessoas, de acordo com dados do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Com trabalho, poderemos ajudar nosso País a aumentar esses números. Flavio de Andrade Presidente do Instituto Souza Cruz 3

4 ÍNDICE 2 Palavra do Presidente Flavio de Andrade destaca aposta do Instituto Souza Cruz no turismo sustentável IDÉIAS 14 Turismo e as eleições de 2002 Silvio Barros alerta que os presidenciáveis não podem ignorar importância do setor ORGANIZAÇÃO & AÇÃO 38 Programa qualifica o turismo brasileiro Sergio Foguel descreve exemplos de sucesso com a certificação profissional 6 Educação, turismo e desenvolvimento sustentável Antonio Carlos Gomes da Costa analisa o desafio educacional para o setor turístico 20 Planejamento integrado e sustentabilidade do turismo Carmélia Anna Amaral comprova necessidade de se desenvolver ações planejadas HELCIO NAGA 8 A economia do turismo no Brasil Beatriz Helena Gelas Lage destaca os aspectos econômicos da atividade no País LUCIANO MATTOS BOGADO 26 Educação em turismo no Brasil Especialização e motivação são temas abordados por Marilia Gomes dos Reis Ansarah 32 Um caminho para a cidadania Adyr Balastreri Rodrigues prega o fortalecimento da auto-estima nas comunidades turísticas Pescadores no litoral paulista 44 Desvendando a Mata Atlântica Pólo de Lagamar, em São Paulo, o pioneiro no ecoturismo brasileiro 52 Ecoturismo na Amazônia Projetos comunitários preservam a natureza e garantem a sustentabilidade da população

5 ARQUIVO DO PROJETO TRAJETÓRIA & VISÃO 82 Desenvolvimento sustentável em foco Turistas se integram ao ambiente Instituto Souza Cruz implementa projetos em comunidades carentes 62 Natureza revalorizada Preservação ambiental salvou pequena ilha em Santa Catarina 68 Fundação sertaneja vira atração Tecnologia e tradição unidas no interior do Ceará 86 Ensino de excelência MBA em turismo capacita profissionais de diferentes áreas de atuação 90 Exemplo de luta contra a miséria Instituto Souza Cruz e Instituto de Hospitalidade firmam parceria na Bahia LUCIANO MATTOS BOGADO 74 Novas diretrizes curriculares MEC define mudanças para cursos de Turismo MARCO ANTÔNIO REZENDE LUCIANO MATTOS BOGADO Artigos produzidos por moradores da Costa do Sauípe (BA) Estátua do Cristo domina a paisagem em Silves Artesanato popular é atração em Nova Olinda (CE) 5

6 APRESENTAÇÃO Educação, turismo e desenvolvimento sustentável O desafio de transformar o Brasil numa potência turística estruturada no marco do desenvolvimento sustentável neste início do século XXI tem várias faces. Uma delas de enorme transcendência econômica, social, cultural e ambiental é, sem dúvida alguma, a educação. O desafio educacional é aquele que, se não for compreendido de forma clara e enfrentado de modo articulado e conseqüente, poderá relativizar e até mesmo inviabilizar os esforços desenvolvidos em relação a outros aspectos desta questão estratégica para o desenvolvimento econômico e social do Brasil. Se observarmos o desafio educacional do turismo em toda sua inteireza e complexidade, veremos claramente que ele não se HELCIO NAGA resume à preparação de pessoal dirigente, técnico e operativo para tocar o dia-a-dia da cadeia de empreendimentos diretamente envolvida nesta atividade. Trata-se de algo muito mais amplo. A tarefa com a qual o Brasil hoje se confronta nesse campo implica a articulação de uma ação educativa que abrange um conjunto variado de âmbitos de atuação. É necessário educar operadores, técnicos e dirigentes para atuar ao longo de toda a cadeia produtiva do turismo. Este é o aspecto mais evidente dessa questão. Por outro lado, é preciso também educar o turista, para que sua presença não tenha impactos indesejáveis sobre as condições ambientais e sociais da comunidade que o acolhe. Porém, é preciso reconhecer que isto ainda não é o bastante. Faz-se necessário incentivar e desenvolver através de um esforço consistente no campo da pedagogia social uma cultura de hospitalidade nas populações locais, de forma a criar uma ambiência sociocultural propícia ao florescimento da atividade turística. Finalmente, é preciso ter em mente que, para que tal propósito se viabilize, torna-se uma exigência inarredável um forte empenho no desenvolvimento, nos decisores públicos e privados nesse campo, da sensibilidade, consciência e competência necessárias para que o turismo não seja pensado de forma parcial, reducionista e inconseqüente, mas como parte da totalidade solidária e complexa do processo de desenvolvimento local integrado e sustentável. Para tornar realidade esta visão sistêmica da questão, faz-se necessário que esses quatro grandes atores do processo de desenvolvimento do turismo formem uma autêntica comunidade de sentido, no sentido que Bernardo Toro atribui ao termo. Para Toro, uma comunidade de sentido se estabelece quando qualquer grupo humano se revela capaz de compartilhar um entendimento comum acerca de um determinado aspecto da realidade, de posicionar-se em relação a ele de forma coesa, ou seja, com pessoas, grupos e instituições unidos por crenças, valores e sentimentos comuns e, finalmente, atuar frente às situações concretas de modo convergente e complementar, mantendo constância de propósito ao longo do tempo. O grande fator de que depende a geração e mobilização de uma comunidade de sentido reside na capacidade dos diversos atores econômicos, sociais e políticos de produzir um imaginário social convocante em relação àquele aspecto da realidade que se pretende transformar. No Brasil, nosso grande desafio é criar e viabilizar comunidades intersetoriais capazes de articular e fazer acontecer 6

7 nos níveis nacional, estadual e local um novo modelo de educação para o turismo estruturado no marco do compromisso maior com o desenvolvimento local integrado e sustentável. Para tanto, como em todos os grandes desafios brasileiros, será necessário construir novas equações de co-responsabilidade, envolvendo as três grandes comunidades relacionadas à questão da educação para o turismo: a comunidade que decide, a comunidade que estuda e a comunidade que opera no dia-a-dia em cada uma das etapas do ciclo de desenvolvimento do negócio. O objetivo educacional em relação à comunidade que decide (dirigentes públicos e privados da área do turismo) é sensibilizá-la, conscientizá-la, comprometê-la e mobilizá-la na construção de um modelo de turismo ambiental, econômico, social, cultural e politicamente sustentável. Sustentabilidade ambiental, que se traduza no compromisso de cada geração legar às gerações vindouras um meio ambiente igual ou melhor do que aquele recebido das gerações anteriores. Sustentabilidade econômica, que se mostre eficiente e eficaz na geração de trabalho e renda em quantidade suficiente para incorporar uma parte importante do contingente de jovens, que todos os anos demandam da nossa economia oportunidades de ingresso na esfera produtiva. Sustentabilidade social capaz de assegurar condições de saúde e educação básica e profissional para as novas gerações, de modo a produzir jovens aptos a aproveitar plenamente as oportunidades abertas no front econômico. Sustentabilidade cultural enquanto compromisso de cada geração, não só de manter, mas de enriquecer e desenvolver o legado cultural das gerações passadas, acrescentando a ele o contributo de seu próprio tempo. Sustentabilidade política entendida como continuidade das políticas em horizontes temporais, que extrapolem o curto prazo dos mandatos políticos. Para isso, é necessário que as políticas públicas sejam formuladas com a participação das forças vivas da sociedade e implementadas de forma transparente e aberta ao controle dos cidadãos individualmente ou por meio de suas organizações representativas. O objetivo educacional junto à comunidade que estuda a educação para o turismo no marco do desenvolvimento sustentável no Brasil em universidades, agências formadoras e centros de pesquisa é envolvê-la e comprometê-la, não só com a imprescindível problematização desta realidade, mas com a produção de soluções viáveis para os impasses e dificuldades que se apresentam no dia-adia dos dirigentes, técnicos e pessoal operativo que atuam na área. Finalmente, o objetivo educacional junto à comunidade que opera nessa área (os homens e mulheres que diuturnamente fazem funcionar a multitude de organizações envolvidas na cadeia produtiva dos serviços ao turista) é, não só uma educação técnico-profissional de qualidade, mas também e fundamentalmente uma educação para valores capaz de enraizar e desenvolver em cada trabalhador o espírito de servir natural a todos aqueles que atuam neste ramo. É da correta articulação dessas três comunidades que devem partir as iniciativas para a educação das comunidades, dos destinos e dos próprios turistas. Em relação às populações que vivem em tais áreas, o desafio consiste em utilizar os recursos pedagógico-sociais necessários para o florescimento de uma cultura da hospitalidade, ou seja, uma maneira de ver, viver e conviver com os visitantes que seja presidida pelos valores da acolhida, do respeito às diferenças, da cordialidade no trato, da ética nas transações comerciais, do respeito ao ambiente e aos costumes de cada um. É da circulação desses significados nas relações humanas, sociais e profissionais que nasce a ambiência propícia ao desenvolvimento sustentável da atividade turística. O Instituto Souza Cruz ingressa no campo da Educação para o Turismo como uma organização com causa, ou seja, uma instituição que pretende advogar ética, política e socialmente os pontos de vista e os interesses de todos os que atuam nesta área comprometidos com a perspectiva do desenvolvimento sustentável. Em razão deste compromisso, o Instituto tem atuado na mobilização de pessoas, grupos e instituições cuja atuação possa resultar em ações criativas, críticas, construtivas e acima de tudo solidárias com o ideal de desenvolver o turismo no Brasil no marco das cinco sustentabilidades aqui elencadas. Para concretizar e expressar esse compromisso assumido em sua missão institucional, a estratégia educacional do Instituto Souza Cruz compreende o apoio ao desenvolvimento de ações no terreno (programas de atenção direta), que, depois de devidamente acompanhadas e avaliadas, deverão ter seus conceitos e práticas sistematizados e divulgados, de modo a gerar novas iniciativas e melhorar as já existentes. Tais ações além de marcar diferença e gerar impactos significativos em seus destinatários deverão mostrar-se capazes de agregar valor à causa da educação para o turismo no marco do desenvolvimento local integrado e sustentável. 8 Antonio Carlos Gomes da Costa Pedagogo, consultor, diretor-presidente da Modus Faciendi 7

8 FOTOS ADI LEITE A economia do turismo no Brasil Beatriz Helena Gelas Lage * Aciência econômica é árida, cheia de números, estatísticas, projeções e modelos, mas pode ser compreendida de forma simples, clara e inteligente por todos nós. A economia aplicada ao turismo é a maior prova disso. E o Brasil é um excelente caso de estudo. Apresentação A economia do turismo é estudo obrigatório na educação do turismo. No mercado turístico o ato econômico é intensamente praticado e, ao nosso redor, tudo gira por causa dele. O ensaio apresentado deve servir para que os leitores, nem sempre economistas, mas com certeza consumidores e/ou produtores de turismo, reflitam sobre a grandeza do processo econômico que o turismo representa junto aos agentes envolvidos, destacando um alerta na avaliação real de seus efeitos e sugerindo 8

9 responsabilidade planejada em futuras ações com prioridade nos recursos humanos para alcance do almejado desenvolvimento sustentável. 1. Visão geral da economia do turismo A evolução histórica do que hoje se chama de turismo acompanha a humanidade desde os seus primórdios. Seja na busca de alimentos, condições climáticas, curiosidade, cultura, lazer, interesses comerciais e outros, o deslocamento humano sempre ocorreu em todas as partes do globo terrestre, e continua acontecendo com nova exterioridade na sociedade capitalista moderna. No passado e no presente dessa atividade temporária, mesmo sem saber, seus atores estão sempre atuando direta e indiretamente na economia, assumida como o estudo de como os homens decidem empregar recursos escassos para satisfazerem às suas necessidades ilimitadas. Associada a tal definição, convencionou-se chamar de turismo essa manifestação de necessidades, primárias e secundárias, o que nos parece na atualidade bem impróprio já que seu entendimento ligado aos negócios deixou de ser apenas algo associado a divertimento, lazer e férias. O nome fica em aberto para as novas gerações decidirem como definir essa grandiosa atividade econômica, que mundialmente é representativa de uma riqueza infinita, dimensionada em milhões de viajantes e trilhões de dólares, segundo fontes oficiais. Enfim, no momento que os homens produzem e consomem tipos diferentes de viagens com igualmente distintos: pacotes turísticos, agenciamentos, hospedagens, transportes, alimentação, entretenimentos e outros elementos, há a formação de uma cadeia gigante de inúmeras variáveis associadas a um sistema global que, de um lado, maximiza objetivos empresariais, e por outro atende a satisfações humanas. Esse volume de interesses heterogêneos é chamado de economia do turismo, que ramificada em micro e macroeconomia faz parte do estudo da ciência econômica. Tudo está ligado à economia do turismo. Mesmo segmentadas, todas as viagens motivadas por públicos diferenciados têm fundamentação econômica pela demanda, satisfazem a necessidades ilimitadas; e, pela oferta, atendem a interesses de lucratividade. É absolutamente natural, saudável, fortifica o bem-estar das populações e gera muita riqueza para o País ou região que a explora devidamente. Na atualidade, em termos domésticos, a atividade global do turismo brasileiro apresenta uma produtividade de quase US$ 60 bilhões (WTTC Conselho Mundial de Viagens e Turismo) com reflexo em todos os setores econômicos, abrangendo atividades diretas e indiretas, com perspectivas de expansão. É um mercado fantástico de 11 mil agentes de viagens, incluindo os corporativos, 600 operadoras turísticas com mais de 50 fornecedores de transporte aéreo, 2 mil locadoras e 18 mil meios de hospedagem, considerando 6 mil hotéis, 2 mil pousadas e 10 mil flats (base: 2001). Mas para tudo sempre existe um preço. Aliás, preço é uma palavra mágica na economia e, em qualquer circunstância, todo turismo só é produzido, e conseqüentemente consumido, mediante um valor econômico, sujeito a restrição orçamentária. O segredo está em descobrir quanto isso representa de forma que as empresas (privadas e públicas) sejam devidamente remuneradas e as pessoas envolvidas (turistas, comunidade) possam ser atendidas em seus intermináveis anseios e necessidades. Aliás, a prática atual brasileira acabou com o sonho de empresas com margens gordas de lucro e inchadas de pessoal. A fase de que os custos definem o preços terminou. Hoje é o público consumidor quem define o que quer, quanto pode pagar pela sua renda (poder aquisitivo), indiretamente estabelece os custos das empresas de turismo e, conseqüentemente, os preços dos produtos de bens e serviços turísticos. Observa-se que esses preços são igualmente diversificados em função de períodos sazonais, férias, câmbio, política, modismo e outras variáveis. Mesmo em países industrializados como a França, a número 1 nos fluxos de visitantes, os preços no turismo sofrem alterações em situações diversas, como o exemplo mais recente, em 2001, com a conversão da moeda francesa para o euro, quando o setor hoteleiro sofreu um aumento inflacionário de 5,1% e o setor alimentício de 3,5%, enquanto para o conjunto de todas atividades econômicas a inflação anual do país foi de 1,4%. t 9

10 2. Impactos econômicos e turismo na sociedade moderna Temos que ser conscientes. É ingênua a visão de turismo, numa economia como a brasileira que produz e que consome esse volume de negócios, sem causar mal de qualquer espécie. O próprio movimento do turismo, no Brasil e no mundo, é afetado em razão de diferentes situações (crises, por exemplo, energética, de desvalorização do real com relação ao dólar, ataques terroristas, epidemias da dengue etc.). Vejam que em 2001 os deslocamentos mundiais registraram um declínio de 1,3% e o número de chegadas internacionais representou um volume de 688,5 milhões (Organização Mundial de Turismo), fato inédito na história do turismo, derivado do atentado terrorista nos Estados Unidos. Quando uma atividade econômica gera um novo produto, por exemplo, um complexo turístico, um resort ou um parque temático, é evidente que os impactos são bilaterais. Normalmente os estudos econômicos apontam diversos aspectos positivos como a possibilidade de emprego, a geração de renda, o aumento de divisas, o combate à pobreza, o efeito multiplicador (por vezes uma faca de dois gumes, quando o turismo requer de importação), a ampliação da infra-estrutura, a criação dos serviços e comércio, além de outras variáveis que, no caso do Brasil, atuam de forma completamente diferente de região para região. Mas nem sempre os efeitos negativos são alertados. Os transtornos para a população, a poluição ambiental e sonora, a ausência de legislação específica, a infra-estrutura inadequada, o excessivo uso de água (piscinas, fontes e banhos), o acúmulo do lixo (produtos químicos, detritos), a prostituição, a violência, o congestionamento (ônibus, carros), a ausência de alimentos, as enormes filas (teatros, museus, restaurantes) etc. Em termos econômicos, ainda deve-se acrescer a inflação, as variações cambiais, os altos impostos e taxações que inibem atividades importantes como o turismo marítimo brasileiro (viagem não mais exclusiva de rico) que, na última temporada chegou a transportar 170 mil passageiros por 7,5 mil quilômetros do litoral e 32,5 mil quilômetros de vias navegáveis internas, bem como a necessidade de importação, a especulação imobiliária, os riscos de investimentos, a deterioração e a perda de bens essenciais, únicos e em extinção. Temos exemplos dessa natureza em muitas regiões brasileiras (Amazônia, Pantanal, Nordeste) e, como cada vez mais isso vem acontecendo, obriga-nos a manter cautela e conscientização das autoridades responsáveis sobre o futuro da economia do turismo que, antes de tudo, deve incorporar uma imprescindível legislação específica para cada caso e em cada situação. Mas quem pode ser responsabilizado por tudo isso? O turismo, normalmente mocinho e vilão, não pode ser culpado pela decisão econômica. É o homem quem decide empregar seus recursos e resolver os problemas econômicos vitais de para quem, como e o que produzir. É também problema permanente da raça humana decidir a forma pela qual a sociedade realiza a tarefa de organizar suas atividades de consumo, de produção e distribuição. Sem dúvida é a economia do turismo, tratando da vida real que nos envolve, quem deve examinar a parte da atividade socioeconômica e promover as condições do bem estar das populações na tentativa de corrigir os desvios, pesando os custos e benefícios que cada atuação pode ocasionar. É óbvio que ninguém faz uma omelete sem quebrar o ovo, mas é preciso saber como isso deve ser feito. O estudo da economia do turismo é altamente significativo porque possibilita uma visão ampla em todos seus aspectos de maneira que possamos ter conhecimento da importância de que, quando recursos escassos são destruídos, mesmo para o bem-estar social, como quando uma árvore é derrubada para que seja construído um resort, estejamos atentos para que novos outros recursos sejam criados. É dever humano a preocupação para com os recursos escassos e, hoje mais do que nunca, com o avanço tecnológico inexistente nos conceitos de Adam Smith, a prática do turismo é inconcebível sem a conscientização social, do planejamento, do desenvolvimento sustentável e da avaliação econômica dos impactos ambientais, culturais, políticos e outros efeitos derivados da prática moderna. Está na mão do homem a prática da economia do turismo, e só ele pode estabelecer prioridades nas decisões de uso dos meios empregados para atender ao bem-estar de todos. Lembrando o paradoxo da parcimônia da economia, nem sempre o que é bom para um atende aos interesses de todos e, no caso, também são os homens que devem ponderar sobre o poder dessa decisão. 10

11 Para cada qual, um modelo especial em acordo com as características que melhor se adaptem às especificidades socioeconômicas da terra, do povo, da cultura e da política. O caso brasileiro é um exemplo de modelo onde poucos detêm muita riqueza e muitos, a maioria da pobreza, senão a miséria. Segundo o World Development Report 2000/2001, afirmamos que a renda per capita do brasileiro é de US$ Poderíamos até, com alegria, julgar que na média a situação brasileira vai bem. Isso não é verdade. A mesma fonte divulga o índice Gini que mede a concentração de renda e, no Brasil, este indicador é de 60%, só perdendo para Serra Leoa (62%), revelando um quadro injusto onde 1% dos ricos consomem mais do que a metade da população brasileira. Sem dúvida, as viagens estão longe do sonho desse segmento social, mas sempre devemos ter esperança de que a economia do turismo venha a ajudar a classe menos favorecida em termos de emprego e renda, privilegiada também pela riqueza natural, cultural, patrimonial e pródiga em atrativos turísticos. Os empregados no turismo hoje representam 6% da população economicamente ativa (PEA), ou seja, aproximadamente 9 milhões de sua mãode-obra, e mais próxima ao padrão do turismo na França, onde é responsável por 10% do número de empregos gerados no país. Vemos com otimismo, inclusive, o panorama de captação cada vez maior do número de especialistas brasileiros ocupando atividades de trabalho onde, no passado, só estrangeiros eram selecionados. Centros de exposições, de convenções e eventos em várias localidades (não só em grandes centros urbanos, mas também em regiões de diversidades potencialmente ambientais no Centro-Oeste) vêm ocupando um espaço destinado para a realização de grandes negócios e, conseqüentemente, envolvendo mais e mais empregados. Mesmo com dificuldade e tanto para ser feito, a mão-de-obra do mercado turístico começa a se qualificar valendo-se da educação com cursos de capacitação e especialização profissional, estímulos de miniempreendimentos dirigidos ao meio rural, programas de proteção da natureza, especialmente com a participação da mentalidade jovem e de outras iniciativas mantidas por entidades éticas e conscientes que começam a despontar, dando mostras de um esforço que permite vislumbrar a projeção da indústria do turismo como uma luz pequenina brilhando no fundo de um túnel comprido. Vemos, inclusive, com otimismo o panorama de captação cada vez maior do número de especialistas brasileiros ocupando atividades de trabalho, onde, no passado, só estrangeiros eram selecionados 3. Desenvolvimento econômico e indicadores de qualidade do turismo no Brasil O conjunto das medidas anteriormente mencionadas deve caminhar para o desenvolvimento econômico do turismo, entendido como o aumento contínuo do produto nacional, incorporando bens e serviços relacionados com a atividade turística, além da melhoria da qualidade de vida da população brasileira ao longo do tempo. Esse desenvolvimento no Brasil, com uma demanda turística receptiva internacional aquém da desejada, com a chegada de menos de 5 milhões de estrangeiros, muitas vezes revelando exclusivamente um crescimento quantitativo, deve estar voltado para a prática de um turismo equilibrado onde os poucos, mas que detêm o poder econômico, devem necessariamente com o governo contribuir para que sejam criadas condições econômicas de indicadores de qualidade (escolas, moradias, hospitais, t 11

12 saneamento, aeroportos, transporte) que atendam antes de tudo a maioria das pessoas e os seus interesses vitais. Temos ainda um longo percurso ao compararmos nossa economia com a dos países desenvolvidos. Riqueza sabemos que temos, mas infelizmente as condições de formação estrutural, histórica e outras de natureza exógena criaram um panorama difícil de ser consertado em curto prazo. Nem por isso devemos desistir dessa riqueza, que necessita lapidação por uma geração consciente, capaz e que deve cuidar do futuro. O conceito de riqueza é, na verdade, a formação do produto nacional do País (PIB com ressalvas) e esse agregado macroeconômico no Brasil é da ordem de US$ 750 bilhões, representando 42% da totalidade da América Latina (2002). A participação da economia do turismo nesse quadro reflete um envolvimento direto e indireto de 8%, ou seja, os produtos criados e consumidos representam aproximadamente US$ 60 bilhões, num país colocado mundialmente em 9 o lugar de poder de compra. Valor este relativamente comparado a muitos países industriais de primeiro plano como França, Estados Unidos, Itália e Espanha líderes receptivos da economia do turismo no mundo, e dos principais emissivos como Alemanha e Japão, mas que têm uma existência histórica, bem como um tipo de turismo e uma população distintos da nossa. É incrível mas tanto um país rico como um país pobre podem se beneficiar do turismo. Antes de tudo, é preciso se valer do conhecimento econômico e, compreendendo a base dessa complexidade aplicada ao caso brasileiro, que apresenta inúmeras possibilidades de modelos econômicos, definir sobre a gestão dos recursos limitados, escolhendo quais fatores de produção (terra, capital, trabalho e tecnologia) serão utilizados para produzir os bens e serviços turísticos que mais atendam aos interesses do perfil de nossa população e dos agentes econômicos envolvidos, com especial atenção na comunidade receptora de fluxos turísticos e em todas as demais pessoas (físicas, jurídicas) que circundam o grandioso sistema, em nível público e privado. Em particular, esse crescimento e desenvolvimento econômico sobreposto ao turismo deve sempre ser fundamentado em quatro grandes pilares: recursos humanos, recursos naturais, capital e tecnologia. Como esses fatores podem ser diferentes de país para Esse crescimento e desenvolvimento econômico sobreposto ao turismo deve sempre ser fundamentado em quatro grandes pilares: recursos humanos, recursos naturais, capital e tecnologia país, para cada um é assumida uma fórmula de eficiência ideal. Visando sempre o desenvolvimento sustentável, as ações futuras no turismo brasileiro devem observar um cuidadoso planejamento com base nos quatro fatores: a) Recursos Humanos (RH) Correspondendo à quantidade de empregados e à qualificação da força de trabalho. É o elemento que mais pesa no crescimento e desenvolvimento econômico do turismo. Os bens de capital, a tecnologia e outros fatores só podem ser mantidos por mão-de-obra qualificada e treinada, e a produtividade dessa área só é favorecida com educação adequada em todos os níveis. b) Recursos Naturais (RN) Equivalendo ao meio ambiente, os recursos naturais e artificiais, como terra (solo), petróleo, gás, recursos minerais, patrimônio, clima, florestas e água. Essenciais no turismo de grande parte do verde brasileiro, pólos turísticos urbanos da região sudeste também 12

13 podem prosperar significativamente com base em setores dependentes do trabalho e capital. c) Capital (K) Incluindo as estruturas de apoio ao turismo como vias de acesso, centrais elétricas, comunicação, fábricas, computadores, componentes e equipamentos similares. Para a economia da atividade turística, acrescentaria também os investimentos chamados de infra-estruturas sociais, consistindo em planos de grande dimensão que precedem o comércio e o negócio. Normalmente são as estradas, os aeroportos, os portos, os projetos de irrigação, abastecimento de água e medidas de saúde pública necessárias na oferta turística de um pólo turístico, avaliadas nos inventários turísticos. d) Tecnologia (T) Dependente da qualidade do conhecimento técnico e científico, necessita da competência de gestão. Corresponde às alterações no processo de produção, bem como à introdução de inovações, produtos ou serviços. Dentre os exemplos mais empregados ao desenvolvimento do turismo lembramos os meios de altíssima comunicação, os microcelulares e componentes, os minicomputadores, os modernos navios (resorts flutuantes), as aeronaves de nova geração e uma infinidade de aperfeiçoamentos técnicos que produzem conforto, rapidez, especialização e eficiência ao desenvolvimento das atividades turísticas. Mas no desenvolvimento precisamos lembrar que não podemos ter tudo ao mesmo tempo. Em economia, pela escassez das condições, é preciso priorizar os objetivos, atender aos benefícios das vantagens comparativas e, gradativamente, com o crescimento equilibrado regional, buscar grandezas na qualidade das propostas e políticas definidas para atingir o progresso do mercado turístico brasileiro. 4. Mensagem final: o homem como fator econômico do turismo Teríamos muito a discutir sobre o assunto. Para tanto é preciso continuar pesquisando, educando e conscientizando as gerações sobre tema tão dinâmico, sujeito a tantas variáveis incontroláveis. Finalizamos esta análise com uma breve mensagem aos estudiosos do turismo, especialistas ou não na economia do turismo. Quer queiram ou não, tudo gira na economia, na vida do homem na Terra. Se ele escolher aplicar recursos limitados na capacitação do fator de mão-de-obra, é uma decisão econômica. A dificuldade é qual caminho seguir para o engrandecimento do turismo brasileiro. Qual a fórmula mágica da eficiência para a economia do turismo em nosso País? Sem dúvida, pelas condições territoriais extensas dos milhões de quilômetros brasileiros, características da miscigenação populacional, biodiversidade de meio ambiente, modelo de cultura e de civilização, devemos enfatizar uma preocupação fundamental com os recursos humanos, sem esquecer dos outros fatores. São eles os responsáveis pelo futuro da economia do turismo considerando prioridade na educação e cujos resultados, assim esperamos, correspondam a ótimos frutos de uma incansável colheita. No plano universal mais elevado, é sempre o homem quem escolhe o seu destino por meio da economia, e no turismo isso não é diferente. Somente o ser humano tem condições de decidir o que fazer com os recursos naturais, a formação de seu capital e o direcionamento de seu progresso tecnológico e inovador para as atividades econômicas do setor turístico, como acontece no caso brasileiro. A Riqueza das Nações ressaltava o valor e a importância do trabalho humano e hoje, mais de dois séculos passados, continuamos confirmando seus princípios perfeitamente adequados à concepção do turismo moderno. Esperamos que nesse século XXI e no futuro o mesmo homem que habita esse planeta e que convive com tudo que aqui existe possa adequar sabiamente os recursos escassos disponíveis para satisfazer a suas infindáveis necessidades, especialmente de viagens e de turismo. 8 * Beatriz Helena Gelas Lage é economista pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA/ USP), professora doutora titular da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), orientadora de programas de pósgraduação e coordenadora do Curso de Especialização Economia do Turismo MBA/USP da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). 13

14 Turismo e as eleições de 2002 Silvio Barros * Acada ano de eleições o País tem a oportunidade de exercitar uma ampla discussão sobre as necessidades básicas da sociedade, bem como estabelecer um processo de avaliação de propostas e programas, de idéias e projetos que a classe política apresenta para conquistar a simpatia do eleitor. Talvez esta extraordinária oportunidade não esteja sendo plenamente aproveitada, mas sem dúvida percebe-se cada vez mais um envolvimento de diversas camadas da sociedade brasileira nestas avaliações e particularmente procurando articular-se de forma a expressar suas cobranças e demandas junto à classe política. Pelo menos teoricamente, o resultado do processo eleitoral deveria refletir na escolha daqueles candidatos que apresentaram as propostas mais convergentes com os anseios e necessidades da população. Aí está o marco referencial de uma sociedade madura e consciente. Na verdade, quanto mais se materialize esta situação, mais encorajados estarão os candidatos que efetivamente têm consistência, propostas, compromisso e disposição de emprestar quatro anos de suas vidas ao serviço da comunidade. No entanto, isso tudo é o processo político, e a articulação política não pode ser desconsiderada, as negociações partidárias, os interesses daqueles que detêm o patrimônio do voto. Já assistimos de maneira clara, nestes últimos meses, às conseqüências destes elementos no quadro sucessório da Presidência da República e ainda vamos ver muito mais até o término das eleições. Mas a pergunta é: o que tem o turismo a ver com isso e qual a ligação deste preâmbulo com a responsabilidade social? É exatamente esta análise que um país com as potencialidades e a realidade que vivemos deveria fazer cada vez com maior profundidade. Quais são efetivamente os grandes desafios que o Brasil precisa vencer, que deverão ser a base das demandas da população e deveriam estar refletidos nos programas de governo dos candidatos nas próximas eleições? l Geração de oportunidades de trabalho. l Redução das desigualdades sociais e melhor distribuição de renda. l Erradicação da pobreza. 14

15 FOTOS HELCIO NAGA l Investimento em saúde, educação, segurança e meio ambiente. l Aumento das exportações para enfrentar a globalização. É claro que existem muitas outras demandas; no entanto, estas provavelmente são as mais importantes e vamos sobre elas fazer nosso exercício de avaliação. Turismo e geração de oportunidades de trabalho O turismo, embora seja uma atividade essencialmente privada e que se desenvolve primordialmente onde existem atrativos, sejam naturais ou culturais, precisa de suporte público e governamental, num ambiente estável e saudável para poder produzir seus melhores resultados. É também, segundo o WTTC Conselho Mundial de Viagens e Turismo, a atividade que mais gera empregos em todo o planeta. Certamente a maior pressão sobre os candidatos será no sentido de apresentarem fórmulas mágicas para a geração de empregos, e não há dúvida também de que é exatamente isso que eles vão prometer nos palanques e nos programas de televisão. Ocorre no entanto que os políticos estarão prometendo empregos que devem ser gerados pelo setor privado, e surge aí a primeira grande oportunidade de convergência entre os interesses da sociedade, dos empresários e dos políticos. t O turismo, embora seja uma atividade essencialmente privada, precisa de suporte público e governamental, num ambiente estável e saudável 15

16 Hoje, isoladamente, este setor representa 3,4% do PIB nacional, mas se considerarmos o impacto total desta indústria na economia brasileira, os números são muito mais expressivos e vamos a 7,4%, muito abaixo porém da média mundial, que está na casa dos 11%. A economia de viagens e turismo representa não apenas os empregos e o faturamento dos hotéis, agências, operadoras, transportadores, parques temáticos, entretenimento; segundo o WTTC, o que precisamos efetivamente medir é a permeabilidade do nosso negócio e sua influência num contexto maior. Precisamos contabilizar os investimentos de capital, feitos na construção dos empreendimentos turísticos e na própria infra-estrutura pública que serve ao setor, desde os hotéis até os aeroportos. Precisamos computar quanto do faturamento e das oportunidades de trabalho da indústria de combustíveis ou de telecomunicações, por exemplo, são diretamente relacionados com as viagens e o turismo. Na verdade, são 52 setores da atividade econômica que têm interdependência maior ou menor com este setor. Por exemplo, durante o período em que centenas de operários estão trabalhando na construção de um hotel, estes empregos foram viabilizados na construção civil graças ao negócio do turismo. Turismo e a redução das desigualdades sociais Este tema pode ser abordado de diversos ângulos, mas vamos analisar a questão relacionada com as diferenças existentes dentro do nosso País, com regiões muito ricas, equiparadas às mais desenvolvidas do mundo, e regiões muito pobres, com Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) comparável ao das mais pobres do planeta. Felizmente, muitos dos principais destinos turísticos do Brasil estão localizados em regiões mais pobres, porém exercendo um enorme poder de atratividade sobre os cidadãos dos grandes centros, que têm poder aquisitivo para fazer turismo distribuindo geograficamente a renda. Num outro sentido, o turismo é verticalmente um grande O turismo é verticalmente um grande distribuidor de renda na medida em que integra os grandes negócios ao artesão, ao jangadeiro e ao vendedor de coco distribuidor de renda na medida em que integra, na sua cadeia produtiva, desde os grandes negócios de capital intensivo, como transportes e hospedagem, atingindo e beneficiando o artesão, o jangadeiro, o vendedor de coco na praia. Numa cidade onde o turismo seja intenso e borbulhante, fica evidenciado que todos ganham, direta ou indiretamente. 16

17 ...a posição do turismo como ferramenta de combate à pobreza certamente deveria estar priorizada nos planos de governo, com apoio da classe acadêmica do turismo... Não há dúvidas de que se trata de uma atividade que promove a integração cultural, a valorização econômica das tradições culturais, a preservação do patrimônio natural e fortalece o espírito patriótico. Turismo e erradicação da pobreza Na verdade, este foi o tema de um evento da Organização Mundial de Turismo (OMT), que o Brasil sediou em Natal recentemente. Estudos cada vez mais conclusivos estão sendo feitos por diversas organizações multilaterais, entre as quais o próprio Banco Mundial, constatando que a única e eficaz forma de eliminação da pobreza é a geração de riqueza. Enormes investimentos têm sido feitos em ações corretivas, compensatórias ou emergenciais; no entanto, serão sempre paliativos. Um país com as potencialidades ímpares que tem o Brasil, com vantagens competitivas extraordinárias no contexto turístico mundial, precisa apropriar-se desta oportunidade usando o que tem de melhor, que é sua gente alegre, pacífica e hospitaleira e o fantástico patrimônio natural que nos foi legado pelo Criador. Como um setor altamente profissionalizado, é claro que estes resultados não serão alcançados sem planejamento, sem investimento e determinação, mas a posição privilegiada do turismo como ferramenta de combate à pobreza e à miséria certamente deveria estar priorizada nos planos de governo, buscando o apoio e o envolvimento da classe acadêmica do turismo, que hoje representa um expressivo contingente de profissionais capacitados, formados e desejosos de contribuir com a construção de um Brasil socialmente mais justo e economicamente mais rico. Trata-se sim de um desafio, mas que pode ser vencido e contará com o respaldo financeiro e institucional de inúmeras entidades e organizações nacionais e estrangeiras. Turismo e investimentos públicos: saúde, educação, segurança e meio ambiente Estabelecer esta relação pode parecer um pouco mais difícil, no entanto, ela é bastante lógica. Como sempre disse o grande urbanista e planejador Jaime Lerner, uma cidade só pode ser boa para o turista se primeiro for boa para quem t 17

18 vive nela. Isso é uma verdade inquestionável e por si só estabelece a relação do setor com os investimentos públicos. A prova mais concreta desta relação pode ser testemunhada em programas como o Prodetur Nordeste, que investiu nos últimos anos centenas de milhões de dólares provenientes do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e dos governos federal e estaduais no Nordeste, em saneamento, estradas, aeroportos, segurança, planejamento urbano, preservação ambiental, enfim, possibilitou investimentos públicos alavancados na viabilização dos investimentos privados que geraram empregos e arrecadarão os tributos necessários para pagar os financiamentos. O modelo foi bem sucedido e desencadeou programas semelhantes, como o Proecotur na Amazônia, o Bid- Pantanal, o Prodetur Sul, e já foi firmado o contrato do Prodetur II para o Nordeste com mais US$ 400 milhões. Independentemente destes programas, que estão localizados em regiões específicas, centenas de prefeituras espalhadas em todo o Brasil já se aperceberam dos benefícios que o turismo pode trazer para a arrecadação municipal e têm feito investimentos infra-estruturais importantes, que vão desde urbanização e acessos a até mesmo construção de centros de convenções, importante equipamento alavancador da economia local. Para que possam ter recursos para investimentos em educação, saúde e segurança, é preciso que a economia das cidades esteja fortalecida, e o turismo como arrecadador de impostos, primordialmente, tem tido um papel preponderante, para o qual cada vez mais a sociedade e os políticos estão atentos. Turismo: aumento das exportações e o desafio da globalização O turismo já nasceu como atividade globalizada. Neste sentido tem experiência para compartilhar. A competitividade entre os destinos já vem ensinando os empresários do setor a estabelecer preços e padrões de qualidade competitivos. Um segmento que é responsável por 18

19 Não podem os empresários do setor de turismo esquecer de que o cenário onde suas empresas estão atuando tem impactos diretos na capacidade de obter retorno dos seus investimentos extraordinárias contribuições para ingresso de divisas em outros países, no Brasil, porém, sequer é tratado como segmento exportador. A estrutura de incentivo à exportação no Brasil não está adaptada para beneficiar o turismo. Estruturalmente, os benefícios fiscais e financeiros voltados à exportação se baseiam no conceito de que o produto é móvel e o mercado consumidor é fixo, mas no turismo o produto é fixo e quem se move é o consumidor. Os bilhões de dólares que anualmente ingressam no País provenientes dos viajantes estrangeiros que visitam o Brasil não recebem o tratamento de exportação mas produzem efetivamente os resultados econômicos tão desejáveis para o País. Dentro do espírito de corrigir tais distorções, o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC) instituiu recentemente o Fórum de Competitividade do Turismo e considerou o setor como estratégico para o aumento das exportações brasileiras. O objetivo do Fórum é identificar os gargalos e os entraves que impedem ou dificultam o setor de impulsionar sua contribuição positiva na balança comercial brasileira. Simultaneamente, o setor empresarial do turismo está desenvolvendo com a parceria da Embratur Instituto Brasileiro de Turismo um estudo sobre o assunto que apresentará ao governo sugestões e propostas de ajustes na contabilidade oficial e na política de incentivos à exportação que possam alavancar o viés exportador do turismo. Tudo isso, no entanto, exigirá instrumentalização legislativa e vontade política do Executivo para que possam ser implementadas e, mais uma vez, nos deparamos com a convergência, pelo menos teórica, dos interesses, sociais, empresariais e políticos. Em síntese, abordando apenas alguns aspectos da relação entre o turismo e a política, pode-se perceber a relevância que tem o assunto dentro do contexto atual dos desafios que estão à frente da sociedade brasileira e que serão alvo de amplas discussões durante a campanha eleitoral. Não podem os empresários do turismo esquecer de que o cenário onde suas empresas estão atuando tem impactos diretos na capacidade de obter retorno dos seus investimentos. Onde há poluição de praias, lixo na rua, falta de segurança, promoção incipiente ou inexistente, com certeza não haverá turistas para justificar o retorno do capital. Estas circunstâncias na realidade estão fora da governabilidade e do controle do empresário e de seu empreendimento, mas estão diretamente relacionadas com o que vulgarmente chamamos de vontade política. Esta relação de interdependência justifica perfeitamente o desenvolvimento por parte do setor turístico de uma estratégia madura e consistente de participação e envolvimento no processo político, nas eleições de 2002 e nas outras que virão. Aliás, o que não se justifica de forma alguma é a omissão e a alienação deste processo com cobranças futuras por esta mesma vontade política, tão imprescindível para a sustentabilidade dos negócios e empreendimentos turísticos. Todos estes elementos conformam um quadro bastante abrangente de RESPONSABILIDADE SOCIAL dos políticos, dos empresários e dos cidadãos que deverão estar amplamente refletidos nos programas de governo que cada partido apresentará para a análise e a aprovação dos eleitores brasileiros, em suma, responsáveis pela escolha dos rumos que definirão o futuro do nosso País. 8 * Silvio Barros é diretor para a América Latina do WTTC Conselho Mundial de Viagens e Turismo 19

20 Planejamento FOTOS ELCIO CARRIÇO integrado e sustentabilidade do turismo Carmélia Anna Amaral * Oprogresso humano passou a exigir instrumentos para sua viabilização, levando o homem a exercitar sua inteligência para criar e estabelecer inter-relações que se tornam cada vez mais complexas. Essa complexidade exige ordenamento, desenvolvimento e resultados. Para alcançar tal objetivo, cria-se então o planejamento, que tem a racionalidade como seu elemento regulador. Segundo Muñoz Amato, o planejamento é a formulação sistemática de um conjunto de decisões, devidamente integrado, que expressa os propósitos de uma empresa e condiciona os meios de alcançá-los. O planejamento é, portanto, um processo dinâmico que deve desenvolver-se em bases científicas para que o seu acompanhamento seja correto e possibilite os ajustamentos necessários ao longo do seu desenvolvimento. Uma marca das sociedades modernas é a ampliação do tempo livre, que provoca o desenvolvimento das atividades de lazer, conseqüentemente do turismo. Isso cria a necessidade de essa atividade ser inserida numa ação de planejamento. Planejamento é, sem dúvida, o meio correto para consecução do desenvolvimento turístico. Com as transformações ocorridas a partir do pós-guerra, as noções de desenvolvimento no âmbito de quaisquer atividades vêm redefinindo os parâmetros do planejamento, visando a um desenvolvimento sustentável. O caminho para o turismo sustentável e integrado é o processo de planejamento, que permite analisar a realidade e estabelecer os meios que transformem essa realidade, atendendo aos seus interesses, às suas necessidades, bem 20

A decolagem do turismo

A decolagem do turismo A decolagem do turismo OBrasil sempre foi considerado detentor de um enorme potencial turístico. Em 1994, no entanto, o país recebeu menos de 2 milhões de turistas internacionais, um contingente que, na

Leia mais

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM Imagens para explicar que às vezes o turista quer um lugar simples, no meio da natureza para descansar, basta estar limpo, asseado e arejado, nem todos querem luxo, existe vários perfis de clientes.(grifo

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

A força do turismo ECONOMIA. por Ana Lygia Monteferrario Leite Pezco Pesquisa & Consultoria e Frederico Araujo Turolla FGV-EESP e ESPM

A força do turismo ECONOMIA. por Ana Lygia Monteferrario Leite Pezco Pesquisa & Consultoria e Frederico Araujo Turolla FGV-EESP e ESPM ECONOMIA A força do turismo O Brasil é descrito como país privilegiado pela existência de exuberantes recursos naturais, pelo clima agradável e pela cultura receptiva. Por si só, essas características

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país.

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país. Fonte: http://www.portaldaindustria.org.br 25/02/2015 PRONUNCIAMENTO DO PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO NACIONAL (CDN) DO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE), NA SOLENIDADE

Leia mais

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil RESENHAS Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil Erika Helena Bautto Completa, abrangente e extremamente didática, Marketing Turístico e de Hospitalidade:

Leia mais

Observatório do Turismo

Observatório do Turismo USUS 2012 Observatório do Turismo Cidade de São Paulo Brasil Turismo no Mundo 9,0% Representatividade no PIB Mundial em 2011 US$ 6,3 TRILHÕES Movimentação Financeira em 2011 980 MILHÕES Viagens no Mundo,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca DURANTE OS TRABALHOS DA 8? CONFERÊNCIA

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável

O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável por Cláudia Cristina 1 O NOVO CONTEXTO GLOBAL E O DESAFIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL As profundas transformações econômicas, sociais e políticas

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HONG KONG SOBRE O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS CIDADES

DECLARAÇÃO DE HONG KONG SOBRE O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS CIDADES DECLARAÇÃO DE HONG KONG SOBRE O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS CIDADES 1. Nós, representantes dos governos nacionais e locais, grupos comunitários, comunidade científica, instituições profissionais, empresas,

Leia mais

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos Componente 1 Título da Ação Estratégia de Produto Turístico Item 1.4 Objetivos Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.983

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.983 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.983 TURISMO E MEIO AMBIENTE: PRINCIPIOS E CONDUTAS NORMATIVAS PARA O USUFRUTO DE RECURSOS/ATRATIVOS

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS

4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS 4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS A Petrobras foi criada em 3 de outubro de 1953, pela Lei 2.004, assinada pelo então presidente Getúlio Vargas, em meio a um ambiente de descrédito em relação

Leia mais

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira Lisboa, 5 de Julho 2012 Bruno Freitas Diretor Regional de Turismo da Madeira O Destino Madeira A Região Autónoma da Madeira (RAM) ocupa, desde

Leia mais

DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO

DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO educação para o trabalho Equipe Linha Direta DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO Evento realizado na CNI apresentou as demandas da indústria brasileira aos principais candidatos à Presidência da República Historicamente

Leia mais

www.idestur.org.br - info@idestur.org.br

www.idestur.org.br - info@idestur.org.br ROTEIROS PAULISTAS DE TURISMO EQUESTRE O Turismo Eqüestre que tem nos eqüídeos o principal atrativo ou, pelo menos, uma das principais motivações, já é reconhecido em diferentes países como um importante

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS De acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT) o turismo compreende as atividades realizadas

Leia mais

Centro Cultural e de Exposições de Maceió

Centro Cultural e de Exposições de Maceió Centro Cultural e de Exposições de Maceió Descrição Administrar, explorar comercialmente e desenvolver eventos culturais, de lazer e de negócios no Centro Cultural e de Exposições de Maceió, localizado

Leia mais

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Sustentabilidade e Competitividade SUSTENTABILIDADE pode ser entendida como

Leia mais

BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto*

BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto* BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto* *Carlos Daniel Baioto é professor de pós-graduação em gestão cooperativa na Unisinos, São Leopoldo, RS. É consultor nas áreas de projetos de tecnologias

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS OS BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DAS DIRETRIZES DA GESTÃO DE PROJETOS REUNIDAS NO PMBOK NO PLANEJAMENTO TURÍSTICO DE DESTINOS ALUNA: HELENA PERES

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939 TURISMO DE AVENTURA: ANÁLISES E QUESTIONAMENTOS SOBRE O PROCESSO DE CRIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA

Leia mais

Economia de mercado socialista da China: Papéis do governo e dos capitais privados e estrangeiros

Economia de mercado socialista da China: Papéis do governo e dos capitais privados e estrangeiros Economia de mercado socialista da China: Papéis do governo e dos capitais privados e estrangeiros Após a 3ª sessão plenária do 11º Congresso Nacional do Partido Comunista da China (PCCh) realizada em 1978,

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense

Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense Mostra Local de: Maringá Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch DOCUMENTO DE REFERÊNCIA Zig Koch O Programa E-CONS, Empreendedores da Conservação, é uma iniciativa idealizada pela SPVS - Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental e implementada em

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

A revolução da excelência

A revolução da excelência A revolução da excelência ciclo 2005 PNQ Foto: Acervo CPFL CPFL Paulista, Petroquímica União, Serasa e Suzano Petroquímica venceram o Prêmio Nacional da Qualidade 2005. A Albras, do Pará, foi finalista.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.902

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.902 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.902 O TURISMO DE EVENTOS ENQUANTO MECANISMO DE PRESERVAÇÃO E PROPAGAÇÃO DE IDENTIDADES CULTURAIS

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PEQUENOS negócios no BRASIL 99% 70% 40% 25% 1% do total de empresas brasileiras da criação de empregos formais da massa salarial do PIB das exportações

Leia mais

O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE

O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE 1 O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE GUILHERME ALVES DE SANTANA, MICHELLY ELAINE DE OLIVEIRA CONCEIÇÃO & EVERTON MEDEIROS BEZERRA Introdução Devido

Leia mais

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ (A) Teresina; (B) Cajueiro da Praia; (C) Luis Correia; (D) Parnaíba; (E) Ilha Grande Rota das Emoções: Jericoacoara (CE) - Delta (PI) - Lençóis Maranhenses (MA) Figura

Leia mais

III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LA RED MEDAMERICA EXPERIENCIAS DE DESARROLLO REGIONAL Y LOCAL EN EUROPA Y AMERICA LATINA

III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LA RED MEDAMERICA EXPERIENCIAS DE DESARROLLO REGIONAL Y LOCAL EN EUROPA Y AMERICA LATINA III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LA RED MEDAMERICA EXPERIENCIAS DE DESARROLLO REGIONAL Y LOCAL EN EUROPA Y AMERICA LATINA TALLER I: ERRADICACIÓN DE LA POBREZA Y DESARROLLO: UN NUEVO PARADIGMA DEL DESARROLLO

Leia mais

Formação para Gestores de Associações Comerciais e Empresariais. - Desenvolvimento Local -

Formação para Gestores de Associações Comerciais e Empresariais. - Desenvolvimento Local - Formação para Gestores de Associações Comerciais e Empresariais - Desenvolvimento Local - CURITIBA, MARÇO DE 2010 Capacitação para gestores de Associações Comerciais e Empresariais 1 A ASSOCIAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

Síntese do planejamento do Governo Federal para a Copa do Mundo 2014 Brasília, Setembro de 2012

Síntese do planejamento do Governo Federal para a Copa do Mundo 2014 Brasília, Setembro de 2012 Code-P0 Síntese do planejamento do Governo Federal para a Copa do Mundo 2014 Brasília, Setembro de 2012 Code-P1 O Brasil recebe os grandes eventos esportivos em um contexto favorável COPA OLIMPÍADAS Brasil

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

O ENEM de 2014 teve 15 mil candidatos idosos inscritos, o que mostra a vontade dessa população em investir em formação superior.

O ENEM de 2014 teve 15 mil candidatos idosos inscritos, o que mostra a vontade dessa população em investir em formação superior. IDOSOS O Solidariedade, ciente da importância e do aumento população idosa no País, defende o reforço das políticas que priorizam este segmento social. Neste sentido, destaca-se a luta pela consolidação

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPH0813 PLANO NACIONAL DE TURISMO: UM CAMINHO PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 A ATIVIDADE TURÍSTICA E O SEGMENTO DE EVENTOS. PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO GRAÇAS À COPA

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

GESTÃO NO SERVIÇO PÚBLICO

GESTÃO NO SERVIÇO PÚBLICO GESTÃO NO SERVIÇO PÚBLICO Susan Dignart Gestora Governamental - MT Cuiabá MT, dezembro de 2008 GESTÃO o que é? Muitas interpretações... Gestão = Administração: organizar os meios para atingir fins; Políticas

Leia mais

também padecem de preocupações de curto prazo; construção de um consenso falso; desinformação; lógicas oligárquicas; particularismos.

também padecem de preocupações de curto prazo; construção de um consenso falso; desinformação; lógicas oligárquicas; particularismos. O processo de COACHING aplicado nos pólos de crescimento econômico do País: uma abordagem sistêmica com foco na qualificação profissional e na sustentabilidade social das regiões. Por Wagner Duarte Nunca

Leia mais

A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*)

A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*) A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*) Enquanto o Brasil vinha insistindo em uma política energética privilegiando grandes usinas e extensas linhas de transmissão, cada vez mais distantes

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. 1.1 Até 2030, erradicar a pobreza extrema para todas as pessoas em todos os lugares, atualmente medida como pessoas vivendo com

Leia mais

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Carlos Henrique R. Tomé Silva 1 Durante dez dias, entre 13 e 22 de julho de

Leia mais

FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO SEBRAE / MT

FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO SEBRAE / MT MISSÃO SEBRAE Missão: Ser uma organização de desenvolvimento, ética e séria, gerando alternativas de soluções para nossos clientes tornarem-se competitivos alinhados à sustentabilidade da vida. ÁREA DE

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo em uma instituição privada de ensino superior no interior de São Paulo.

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo em uma instituição privada de ensino superior no interior de São Paulo. 467 RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo em uma instituição privada de ensino superior no interior de São Paulo. Gláucia Coutinho Bucioli Oliveira Orientador: Paulo de Tarso Oliveira I.

Leia mais

II Seminário Internacional de Comércio Justo e Solidário: perspectivas para a consolidação de um mercado consumidor brasileiro

II Seminário Internacional de Comércio Justo e Solidário: perspectivas para a consolidação de um mercado consumidor brasileiro II Seminário Internacional de Comércio Justo e Solidário: perspectivas para a consolidação de um mercado consumidor brasileiro (relatório síntese) (organização: FASE Nacional, Fundação Friedrich Ebert/

Leia mais

1. ENQUADRAMENTO DO SECTOR DO TURISMO

1. ENQUADRAMENTO DO SECTOR DO TURISMO 1 1. ENQUADRAMENTO DO SECTOR DO TURISMO As perspetivas de futuro do turismo a nível mundial, incluindo a sua contribuição para o desenvolvimento económico e social, são cada vez mais importantes. Existe

Leia mais

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996.

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. Doe, EOOCAC'~ 1-fJ~ Tõ~-5. - " ~ 9qr;, ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. EDUCAÇÃO PARA TODOS: ATINGINDO O OBJETIVO

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil. Marcelo Weishaupt Proni Unicamp

Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil. Marcelo Weishaupt Proni Unicamp Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil Marcelo Weishaupt Proni Unicamp A discussão sobre os megaeventos ainda é feita com base em informações precárias Sem dúvida,

Leia mais

Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável

Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável A educação é de importância crítica para promover o desenvolvimento sustentável. Por conseguinte, é essencial mobilizar os

Leia mais

ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013

ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013 LEGENDA: EM VERMELHO O QUE INCLUÍMOS NO FÓRUM EJA / RJ DE 17/6/2013 ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013 ILUMINADO DE VERDE PROPOSTA

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto 2012 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei n.º

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

DISCIPLINA: SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL AULA 01 => HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL.

DISCIPLINA: SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL AULA 01 => HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. DISCIPLINA: SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL AULA 01 => HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. PROBLEMÁTICA: REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E INTENSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES ANTRÓPICAS LINHA DO TEMPO:

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

PREFEITURA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PROGRAMA DE METAS Gestão 2013/2016 APRESENTAÇÃO... 2 I - VISÃO DO MUNICÍPIO... 3 II COMPROMISSO... 3 III PRINCÍPIOS DE GESTÃO... 3 IV DIRETRIZES ESTRATÉGIAS... 4 PROGRAMA DE METAS DESENVOLVIMENTO URBANO...

Leia mais

Gestão para um mundo melhor EMPREENDEDOR/Entrevista. Julho 1999.

Gestão para um mundo melhor EMPREENDEDOR/Entrevista. Julho 1999. GESTÃO PARA UM MUNDO MELHOR Gestão para um mundo melhor EMPREENDEDOR/Entrevista. Julho 1999. RESUMO: Para o consultor e empresário Oscar Motomura, a sociedade global precisa evoluir, abandonando sua ganância

Leia mais

TURISMO DE NEGÓCIO. Autores Mauricio Sanita de Azevedo Antonio Carlos Giuliani. Orientador Antonio Carlos Giuliani. 1. Introdução

TURISMO DE NEGÓCIO. Autores Mauricio Sanita de Azevedo Antonio Carlos Giuliani. Orientador Antonio Carlos Giuliani. 1. Introdução TURISMO DE NEGÓCIO Autores Mauricio Sanita de Azevedo Antonio Carlos Giuliani Orientador Antonio Carlos Giuliani 1. Introdução A indústria do turismo se tornou uma das principais atividades econômicas

Leia mais

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015 MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO Rosana Bignami Outubro_2015 ATRATIVOS CIDADES PESSOAS TRANSPORTES SISTEMA DE TRANSPORTE VEÍCULO ATENDE LOCAIS E ATENDE A MINHA EMPRESA ESTÁ PRONTA PARA O MARKETING? OUÇA

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

Revista Lumiere Setembro/2007 Empresas do futuro

Revista Lumiere Setembro/2007 Empresas do futuro Revista Lumiere Setembro/2007 Empresas do futuro Se hoje investir em responsabilidade socioambiental é uma opção, em breve será praticamente obrigatório para se manter no mercado. Especialistas da indústria

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil

entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil 10 Brasil-Portugal no Ceará ABRINDO PORTAS PARA O BRASIL PRESIDENTE DA ADIT BRASIL, FELIPE CAVALCANTE DESTACA O ATUAL PANORAMA DOS INVESTIMENTOS

Leia mais

3.14 Demanda atual e potencial

3.14 Demanda atual e potencial 3.14 Demanda atual e potencial O Estado do Ceará vem adquirindo, no cenário nacional, uma importância turística crescente. Em 1998, por exemplo, ocupou o terceiro lugar dentre os destinos mais visitados

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA2

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA2 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA2 ESTRATÉGIAS E INSTRUMENTOS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL AMBIENTAL E

Leia mais

Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável

Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável 2 Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável Fevereiro de 2011 1 2 Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável 1Apresentação Esta plataforma expressa a visão e os objetivos

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS CONTÁBEIS É POSSÍVEL?

A SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS CONTÁBEIS É POSSÍVEL? A SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS CONTÁBEIS É POSSÍVEL? JOSÉ HENRIQUE DOMINGUES CARNEIRO (Professor Rico) professor_rico@yahoo.com.br Fanpage: Professor RICO (48) 9969-7330 O Cenário atual das desigualdades

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências Extraído da Dissertação de Mestrado em Habitação de autoria de Orivaldo Predolin Júnior 2005, Predolin, O.J. A partir da idéia de que, para a melhoria da qualidade do produto final da construção civil

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro , Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro São Paulo-SP, 08 de novembro de 2008 Centrais, Senhoras e senhores ministros das Finanças e presidentes

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

PROJETOS SOCIAIS E OS OBJETIVOS DO MILÊNIO

PROJETOS SOCIAIS E OS OBJETIVOS DO MILÊNIO PROJETOS SOCIAIS E OS OBJETIVOS DO MILÊNIO DIFERENCIANDO OS TRÊS SETORES Primeiro Setor A origem e a destinação dos recursos são públicos. Segundo Setor Corresponde ao capital privado, sendo a aplicação

Leia mais

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE EDUCACAO INFANTIL INCLUSIVA EM CURITIBA VEJA COMO SUA EMPRESA PODE TRANSFORMAR ESTA IDEIA EM REALIDADE { Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura

Leia mais

Capacitación en turismo ecológico. Turª Ms. Ivane Fávero Secretária de Turismo e Cultura de Garibaldi Vice-Presidente da Aenotur

Capacitación en turismo ecológico. Turª Ms. Ivane Fávero Secretária de Turismo e Cultura de Garibaldi Vice-Presidente da Aenotur Capacitación en turismo ecológico Turª Ms. Ivane Fávero Secretária de Turismo e Cultura de Garibaldi Vice-Presidente da Aenotur Hospitalidade: Rede de Valores REDE HOTELEIRA PRESTADORES DE SERVIÇOS VINÍCOLAS

Leia mais

Relatório de Atividades em Inovação e Meio Ambiente 2010

Relatório de Atividades em Inovação e Meio Ambiente 2010 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE INOVAÇÃO Relatório de Atividades em Inovação e Meio Ambiente 2010 Tecnologia, comércio e desenvolvimento sustentável A criação

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO MTUR/DEAOT/CGQT Campinas, 20 de março de 2010 ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO POLÍTICAS DE INCENTIVO AO TURISMO NORMATIZAÇÃO DE CAMPINGS COPA DO MUNDO E OLIMPÍADAS REGISTRO

Leia mais

Declaração das ONGs: Ciência e Tecnologia com Inclusão Social

Declaração das ONGs: Ciência e Tecnologia com Inclusão Social III Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Declaração das ONGs: Ciência e Tecnologia com Inclusão Social Muito fizemos entre uma conferência e outra... 2 Não, não tenho caminho novo. O

Leia mais