Notafilia. Moedas Comunitárias Norte-americanas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Notafilia. Moedas Comunitárias Norte-americanas"

Transcrição

1 Notafilia Moedas Comunitárias Norte-americanas Armando Garcia Maio de 2010

2 Agradecem-se quaisquer contributos para a melhoria do presente documento, nomeadamente os relativos à correcção ou ampliação dos dados sobre as moedas comunitárias identificadas e às informações sobre novas moedas entretanto lançadas. Contactos que possibilitem a obtenção de cédulas aqui mencionadas serão igualmente muito apreciados. O contacto poderá ser: If you wish to add or to correct information of this document, please contact Thank you. Pág. 1

3 Notafilia - Moedas Comunitárias Norte-americanas Índice 1. - INTRODUÇÃO Objectivo Metodologia Codificação 2. - MOEDA COMUNITÁRIA Conceitos Base Moeda Local e Moeda de Trocas 3. - O CASO ESPECÍFICO DA AMÉRICA DO NORTE 4. MOEDAS COMUNITÁRIAS DO CANADÁ Hora ShuSwap Hora Maritime Hora Kootenay Hora Bow Chinook Hora Kingston 4.6. Barter Buck Dólar de Toronto Dólar de Salt Spring Dólar de Calgary Hora Tamworth OUR Dólar Dólar Unity Dólar Serenity Wampum Dólar Community Way Dólar Chemainus 5. MOEDAS COMUNITÁRIAS DOS ESTADOS UNIDOS AFRO Dólar Hora Ithaca Dólar Valley Hora Boulder Berkshare Kansas City Barter Buck Pág. 2

4 Neighborhood Exchange Hora Cascadia Hora Santa Fé Hora Lehight Valley Hora Portage Hora Dillo Hora Summit Barter Buck Hora Cuyahoga Hora Columbia Hora Great Lakes Mountain Money Hora Lopez Coconut Hora Buffalo Mountain Hora Waldo Hora Madison Hora Simply Dólar Equal Hora Green Mountain Mo Hora Chenango Hora Sound Dólar Sand Community Cash Hora BREAD Greenback Hora Gainesville Thread City Bread Berea Buck Burlington Bread Hora Sonoma SEED Hora Blooming Tucson Token Dólar High Desert FNN Dólar REAL Hora OURS Hora Floyd Pág. 3

5 Hora Baltimore Hora Corvallis Plenty Hora NoCo Leaps Common Cents Dólar de Humboldt County Hora River Bay Buck Trade Hora Anacostia Just Money Mendo Cheers Potomac Butte Buck Bernal Buck North Fork Share MoMo Pág. 4

6 1. INTRODUÇÃO 1.1. Objectivo Identificar as Moedas Comunitárias norte-americanas emissoras de cédulas próprias (papel-moeda), coligir as suas características essenciais e criar uma estrutura base que facilite o seu posterior enquadramento no âmbito da Notafilia Metodologia A metodologia utilizada passa por: Delimitar o âmbito da pesquisa, caracterizando o conceito de Moeda Comunitária; Coligir informação sobre as moedas comunitárias norte-americanas existentes; Caracterizar as moedas identificadas, dispondo a informação, sucessivamente, por Entidades Geopolíticas Emissoras de Papel-Moeda (nomeadamente Países e Territórios) e por ordem cronológica. Relativamente aos Países e Territórios a abranger, seguimos o critério da ONU, de acordo com a informação emitida pela Divisão de Estatística das Nações Unidas (1), que contempla, no sub-continente América do Norte, como Países apenas o Canadá e os Estados Unidos (2) e como Territórios as Bermudas, a Gronelândia e São Pedro e Miquelon (3). A abordagem relativamente ao conceito de Moeda Comunitária é efectuada no capítulo seguinte. Optámos ainda também por abordar a questão geral da moeda comunitária norte-americana enquadrando-a, nomeadamente do ponto de vista temporal, no que de similar se passa pelo mundo. A informação relativa às Moedas Comunitárias foi coligida essencialmente com recurso a dados dispersos na internet, preferencialmente nos sites oficiais, (1) - Cuja informação está disponível on-line em (2) - O México, muitas vezes considerado como da América do Norte, é incluído pela ONU na América Central. (3) Respectivamente, um Território Britânico Ultramarino, um País Autónomo do Reino da Dinamarca e uma Colectividade Ultramarina francesa. Pág. 5

7 complementada, sempre que possível e conveniente, por contactos com representantes das entidades emissoras. Os dados existentes são algumas vezes incompatíveis e com omissões ou mesmo erros significativos. Particularmente relevante na informação respeitante aos Estados Unidos, é de salientar o aparente vício de repetição de informação proveniente da mesma fonte, mantendo assim erros da lista original (vários deles comprovados) com a falsa impressão de se tratar de informação cruzada de origens distintas. Várias referências obtidas tratam como moedas efectivas algumas que não passaram de projecto ou mero processo de intenções (4). Para além disto, sites de referência na matéria (5) são ainda claramente deficitários na informação relativa ao Canadá e aos Estados Unidos. Optámos assim por ser criteriosos relativamente à inclusão das Moedas Comunitárias mencionadas face à existência de provas ou, pelo menos, ao que consideramos ser uma elevada probabilidade de efectivamente a moeda ter existido e não apenas ter sido um projecto não implementado, guardando-se a restante informação para eventual posterior tratamento. Mesmo assim, é de admitir a existência de algumas incorrecções nos dados explicitados. Como consequência do critério seguido é ainda de admitir uma eventualmente significativa não inclusão de várias moedas que efectivamente foram levadas à prática. Sempre que viável, acompanhamos o texto relativo a cada moeda com uma figura ilustrativa de uma das cédulas correspondentes, sempre que viável, de cédulas de colecção pessoal. No entanto, são na sua maioria não proprietárias, obtidas em sites oficiais, blogues ou sites de consulta geral. A sua proveniência é indicada em nota de rodapé Codificação Dado que este estudo se insere num mais vasto no âmbito da Notafilia, em que os sistemas monetários são codificados, optámos por atribuir desde já uma codificação relativa às moedas / sistemas monetários identificados. Utilizámos uma codificação composta por: três caracteres iniciais identificativos da Entidade Emissora enquadrante (País ou Território) da Moeda Comunitária, conforme código ISO 4217 de 3 caracteres (6) ; (4) Notámos esta desinformação sobretudo no tocante às Moedas Comunitárias dos EUA. (5) - Nomeadamente o (6) - International Organization for Standardization Standard International 4217 Codes for representation of currencies and funds e que pode ser consultado online em Concretiza CAN para o Canadá e USA para os Estados Unidos. Pág. 6

8 caracter C separado por hífen, que pretende ser identificador de moeda comunitária ; dois a seis caracteres próprios do sistema, igualmente separados por hífen. Exemplo para a moeda canadiana Dólar de Toronto: CAN-C-DTor; a moeda americana Hora Ithaca: USA-C-HIthac. Pág. 7

9 2. A MOEDA COMUNITÁRIA 2.1. Conceitos Base Não é objecto deste documento a análise dos fundamentos teóricos do funcionamento da Moeda Comunitária - que se deixa para os especialistas - nem mesmo a sua descrição histórica ou impacto social. Apenas tentamos ser coleccionadores de cédulas... Consideramos, no entanto, que o interesse pela colecção aumenta com o conhecimento associado aos itens coleccionados e, assim, julgamos pertinente uma pequena introdução ao assunto. Com as falhas que possa ter... E - convém salientar - como coleccionador de cédulas, omitimos desta abordagem as Moedas Comunitárias que não se baseiam em papel-moeda (com o advento dos cartões magnéticos e a possibilidade de partilha de informação em tempo real pela internet, são em cada vez maior número). Mas os conceitos base são, na sua essência, também aplicáveis a estas. Apenas os exemplos que focamos não o são. A maioria dos especialistas considera Moeda Comunitária - também designada por Moeda Alternativa, Moeda Local, Moeda de Troca ou Moeda Social dependendo dos contextos - a que é emitida por entidades privadas não sendo necessariamente suportada (nomeadamente a nível de reservas de valores) pelo Estado e que se destina a circular num âmbito restrito de uma área visando o desenvolvimento sócio-económico da comunidade que aí se sedia. As diferenças para um clássico Vale ou Voucher comercial residem quer em não ser um valor para ser descontado directamente na entidade emissora (7), mas sim para entrar em circulação numa área servindo para diversas transacções entre diversos intervenientes (como se vulgar dinheiro se tratasse) e - sobretudo - por ser destituída do cariz especulativo do lucro em proveito da entidade emissora ou de terceiros, actuando exclusivamente em prol do desenvolvimento da própria comunidade em que se insere, tendo muitas vezes até uma importante componente solidária associada. Aliás este último aspecto - o da não existência de lucros ou outras mais-valias destinadas a beneficiar a entidade emissora ou de qualquer outra entidade que (7) - Caso do vale português do Continente, cuja imagem se mostra ao lado. Imagem de vale de colecção pessoal. Pág. 8

10 não a própria comunidade a que se destina - é outras das características diferenciadoras relativamente ao dito dinheiro normal. Bem como a de não se enriquecer com a mera acumulação de dinheiro comunitário... Mas vamos desenvolver um pouco mais cada uma das componentes que focámos inicialmente relativamente à Moeda Comunitária: o seu cariz privado, a não imprescindibilidade de ter que ser lastrada, o seu âmbito restrito de circulação e o seu objectivo de desenvolvimento sócio-económico local ou comunitário. O cariz privado Relativamente ao cariz privado das emissões de Moeda Comunitária, há, desde logo, que notar que este aspecto não é novo nas emissões de papel-moeda; aliás está bem presente no início da utilização do papel-moeda, ainda antes das emissões passarem a ser controladas pelo Estado, normalmente através de um Banco Central. A Moeda Comunitária apesar de emitida também por privados, apresenta desde logo uma diferença essencial pois é emitida em alternativa, ou complementarmente, à moeda normal oficial - e daí também ser chamada de Moeda Alternativa - umas com uma taxa de conversão definida para esta e, nalguns casos até, introduzindo a designação desta na sua própria designação, outras com uma taxa de conversão indirecta, feita através de uma tabela de conversão do seu valor face a um lote de bens ou serviços (8). A não imprescindibilidade de ser lastrada Relativamente ao facto de não ser necessariamente suportada por reserva de valores pelo Estado, tal não resulta automaticamente de serem emissões privadas. Algumas delas são-no - no todo ou em parte - mas bastantes delas são lastradas apenas em bens e serviços da comunidade que a aceita. O actual dinheiro tem já um cariz fiduciário, ou seja, não tem um valor intrínseco pelo material de que é feito (nem sequer pelas reservas de valor que lhes estão associadas), mas sim um valor que lhe é atribuído de acordo com a confiança e aceitação geral relativamente à medida de valor que representa. A Moeda Comunitária leva ainda mais além este conceito dado que, na sua maioria, não são lastradas por quantia equivalente de moeda normal, valor em metal nobre ou outro qualquer suporte típico dos sistemas monetários, mas, (8) - Caso da moeda portuguesa Swap, de cuja parte da tabela se mostra na figura ao lado. Pág. 9

11 mesmo assim, são aceites como um valor padrão no meio restrito em que circulam. O seu lastro é - não raras vezes - apenas o dos bens e serviços da comunidade aderente, o da confiança em que possa ser usada em aquisições ou trocas de acordo com regras definidas, aceites e praticadas pela comunidade que a utiliza (9). Daí também a possibilidade da unidade padrão ser a que se estipule, fugindo a clássicos como o Dólar ou o Euro para as Unidade, Crédito, Talento e muitas outras designações localmente significativas ou até para sistemas radicalmente diferentes em termos de moeda, como é o caso da utilização de sistemas com base em unidades de tempo, normalmente ligadas à quantidade (temporal) de trabalho que pretende valorizar (10). Esta característica, de não necessitar obrigatoriamente de ser suportada ou escorada tal como a moeda normal, tenderia a fazer da Moeda Comunitária uma moeda com um baixo índice de credibilidade e de aceitação, o que só é contrariado pela existência de outros factores significativos. Verifica-se, nas experiências de utilização continuada de Moeda Comunitária, que mais do que o lastro, a confiança na moeda provém de um sentimento comum de grupo, de união em torno de valores e objectivos comuns, de um espírito de solidariedade social de um modo geral, só passível em ambientes restritos de circulação. O âmbito restrito de circulação Uma das importantes características da Moeda Comunitária é a de se vocacionar para um ambiente restrito de circulação, não em função de um país ou outro espaço geopolítico, mas em função da comunidade alvo e do objectivo - sócioeconómico - a atingir (11). Se a moeda dita normal pode ser considerada um instrumento político-económico, a Moeda Comunitária é, claramente, um instrumento sócio-económico. (9) - Parafraseando a conhecida In God We Trust das notas de dólar norte-americano, a inscrição In Each Other We Trust das cédulas do Dólar de Humbolt County, tal como em várias outras moedas comunitárias do continente norte-americano, é bem ilustrativa. Imagem de cédula de colecção pessoal. (10) - Caso da Hora Tamworth canadiana. Imagem de cédula de colecção pessoal. (11) - O fenómeno da Moeda Comunitária na Argentina pode considerar-se uma excepção a este princípio. E talvez uma das razões de base para o descrédito que se seguiu ao seu apogeu... Pág. 10

12 Este aspecto, do âmbito restrito de circulação, tem propiciado, na nossa opinião, algumas confusões e inexactidões de conceitos associados à Moeda Local (12) e Moeda Comunitária. O carácter local não é novo na Moeda nem nas emissões de papelmoeda. Bem pelo contrário, é um dos aspectos ligados ao seu aparecimento. Apenas como exemplo, veja-se o caso do Hansatsu (13) ; moeda emitida por Shoguns - Senhores da Guerra japoneses - para circular localmente na sua área directa de influência. Emitida por razões económicas e de afirmação de soberania, este tipo de moeda está bem mais próxima do conceito actual de moeda normal que do de Moeda Comunitária, que, como tal, consideramos não ser. Outro exemplo - bem conhecido a nível da Notafilia - é o das emissões locais de emergência, cujo tipo mais paradigmático é o das Notgeld (que significa precisamente emissão de emergência ) alemãs (14). Claro que num conceito mais local e abrangente relativamente às Moedas Comunitárias, as poderíamos incluir neste âmbito. Não o fazemos pois consideramos que emissões deste tipo são, essencialmente, decorrentes de situações anómalas de emergência - muitas vezes acompanhadas de um claro insuficiente controlo estatal - e não de emissões que sejam efectuadas por razões essencialmente sócio-económicas. As mesmas razões se aplicam às cédulas prisionais, outro tipo de cédulas locais que vem despertando progressivo interesse no âmbito da Notafilia. As razões da sua emissão não visam qualquer desenvolvimento sócioeconómico local, mas têm que ver sobretudo com razões de segurança. As Cédulas de Campos de Concentração (15) e as Cédulas POW (de Prisioneiros de Guerra) são talvez dois dos tipos mais conhecidos e, sem dúvida, dos historicamente mais interessantes. (12) - Que esperamos não agravar pois, como à frente abordamos, consideramos Moeda Local um dos dois tipos base de Moeda Comunitária. (13) - A imagem junto é de cédula emitida em 1730 pelo Shogun Ohgaki Clan para circular no seu domínio Mino. Colecção pessoal. (14) - A imagem junto é de cédula do tipo equivalente português à Notgeld alemã; as emissões efectuadas no pós Primeira Grande Guerra por Câmaras Municipais. No caso, pela Câmara Municipal de Mirandela. Imagem de cédula de colecção pessoal. (15) - Imagem de cédula de 1943 do gueto judeu de Theresienstadt. Colecção pessoal. Pág. 11

13 Similarmente, não consideramos também emissões - por alguns consideradas Locais - de (normalmente grandes) regiões administrativas do estado efectuadas, sobretudo, por razões orçamentais ou financeiras e que - só no limite - se poderiam considerar ser norteadas por razões de desenvolvimento sócio-económico de uma comunidade, muitas delas assumindo formas bem mais próximas de títulos de dívida pública do que de moeda de circulação. Vários exemplos se podem referir, desde os históricos Baby Bonds, que circularam no Luisiana no período pós guerra civil norte-americana até às bem mais actuais cédulas emitidas pelas províncias da República Argentina (16). O desenvolvimento sócio-económico local Mas a grande característica base das Moedas Comunitárias é que o seu objectivo se centra no desenvolvimento sócio-económico local. Injectando capital circulante ou facilitando trocas de produtos e serviços, actuando numa área populacional ou visando especificamente um segmento local da população, a Moeda Comunitária é essencialmente um instrumento económico e social e não um instrumento financeiro. Aliás, uma das características da Moeda Comunitária é a de não visar - e, na maioria dos casos até impossibilitar - ser usada, per si, de uma forma especulativa, geradora de mais-valias e até de acumulação de riqueza. Para isto, muitas delas têm associados conceitos de não possibilidade de juros (17), de valor máximo acumulável por pessoa, de desvalorização progressiva e periódica, etc. Por outro lado, não consideramos neste âmbito as moedas ditas Sociais mas vocacionadas para diferentes objectivos que não o desenvolvimento sócio-económico local, nomeadamente objectivos de divulgação ou até de cariz pedagógico. Várias destas têm um carácter temporário e estão ligadas a um evento específico (e daí as denominarmos Moedas Sociais de Evento ), constituindo Emissões Especiais (18), não objecto da presente abordagem. Um dos exemplos, ilustrado na figura ao lado, é o de moedas criadas e destinadas a serem usadas em fóruns relacionados com Economia Solidária, como é do Eco Sampa (19). (16) - Baby Bond, de Imagem de cédula de colecção pessoal. (17) - Um dos termos anglófonos aplicáveis é o de Usuryfree que, numa tradução livre se pode converter em livre de especulação. (18) - Categoria diferente que consideramos no âmbito da Notafilia, a par da Moeda Comunitária e não objecto da presente abordagem. (19) - O Eco Sampa foi aprovado, produzido, custeado e implementado no Fórum Municipal de Economia Solidária / III Feira Metropolitana de Economia Solidária de São Paulo, evento realizado em A imagem é de cédula de colecção pessoal. Pág. 12

14 2.2. Moeda Local e Moeda de Trocas As características que atrás focámos são ainda demasiadamente abrangentes, pela necessidade de incluir vários tipos de sistemas implementados pelo mundo e que julgamos configurarem o mesmo conceito essencial de Moeda Comunitária. Como em todas as análises, julgamos poder perder em correcção, mas ganhar em clareza, se as compartimentarmos em tipos base. Optámos fazê-lo considerando existirem essencialmente duas abordagens distintas que têm vindo a surgir e a se consolidarem um pouco por todo o mundo, e das quais podemos considerar decorrer todas as variantes implementadas: a Moeda Local e a Moeda de Trocas. A primeira - a Moeda Local - é emitida por entidades privadas gozando ou não de apoios estatais, tem (ou tenta ter) um lastro que lhe dê credibilidade e aceitação, dirige-se a uma comunidade de uma forma permanente e, normalmente, através de regras bem definidas (nomeadamente quanto à sua aceitação e utilização) e visa essencialmente desenvolver economicamente essa comunidade através da injecção de moeda complementar à oficial, provocando um aumento do poder de compra local potenciado ainda pela maior circulação que tem ao se confinar num espaço delimitado em que é válida. A segunda - a Moeda de Trocas - é também emitida por entidades privadas, quase nunca com apoios estatais (com eventual excepção de entidades regionais ou locais de cariz social), não é lastrada e constitui-se essencialmente como mecanismo de apoio a operações de trocas de bens e serviços mais abrangentes que a mera troca directa. Em muitos casos, a sua aceitação / validade é circunscrita - local e temporariamente - aos eventos específicos (Feiras de Trocas) para que foi criada. Moeda Local O grande objectivo da Moeda Local é o de injectar liquidez numa comunidade aumentando a circulação monetária e com isso conseguir um desenvolvimento económico - e, logo também, social - da comunidade abrangida. A teoria base é simples. Se a existência de moeda - dinheiro - é necessária para estimular a produção e o comércio e o incremento destes, por sua vez, gera mais emprego e dinheiro circulante (capacidade de compra), uma comunidade pode desenvolver-se com a injecção de capital que aumente o poder de compra dos membros dessa comunidade desde que esse novo poder de compra seja canalizado para estímulo da actividade económica no interior dessa comunidade e não se escoe para fora dela. Daí a lógica de uma moeda claramente local, válida apenas no interior da comunidade alvo. Pág. 13

15 A injecção de capital inicial pode - e tem sido - obtida de vários processos. Nas moedas mais sólidas, a produção é lastrada por reserva de moeda normal equivalente, o que se traduz numa sua maior credibilidade - e logo aceitação e capacidade de circular - aumentando a sua probabilidade de sucesso. Desde a captação de capital por estabelecimento de uma Associação em que os membros são cotados, à captação de fundos de ONG (Organizações Não Governamentais) e mesmo de entidades do Estado vocacionadas para o desenvolvimento social, vários têm sido os métodos utilizados. A circulação fechada da moeda criada é obtida pela sua aceitação, sendo vulgar o associativismo de estabelecimentos comerciais para tal e a existência de poucos pontos - e sempre locais - onde a moeda pode ser trocada por moeda normal. Nalguns casos existe até regulamentação impondo limites geográficos à sua circulação e validade ou às entidades - normalmente do comércio receptor da moeda - que a podem trocar. Aliás, a questão da regulamentação é um dos itens controversos em diversos países. Se uns apoiam a criação de Moeda Comunitária, como parte de medidas de cariz sócio-económico de apoio regional, é certo que, em quase todos, a produção de moeda é um direito apenas reservado ao Estado... A injecção de capital que se mantém em circulação no interior de uma comunidade é vital, mas insuficiente se não circular, ou seja, se não for sucessivamente usado para proceder a aquisições de bens e serviços. A rapidez com que circule é igualmente determinante neste caso podendo constituir um factor multiplicativo do capital injectado e, logo, dos aspectos benéficos que se pretendem alcançar. Uma das técnicas destinadas a aumentar o ritmo de circulação da moeda é dotar as cédulas de um prazo de validade ou de as depreciar findo um tempo determinado. Por exemplo, na Europa muitas são as moedas que sofrem desvalorizações ao fim de períodos fixos de tempo - por exemplo, de 2% por trimestre (20) - carecendo de algum mecanismo complementar - por exemplo, da aposição de um cupão de valor igual à desvalorização - para retomarem o seu valor. Consegue-se assim um efeito de aumento da rapidez da circulação (gastar agora, antes que desvalorize!), se bem que com efeitos negativos na aceitação comunitária de uma moeda que se deprecia face à normal em vigor a nível nacional. Este mecanismo de desvalorização automática da moeda e da necessidade de adquirir cupões para repor o valor inicial da moeda é um dos típicos mecanismos geradores de mais-valias em algumas moedas, nomeadamente em diversas (20) - Caso do AmmerLechTaler, moeda local da região alemã de Lech. Na figura ao lado é claramente visível os selos trimestrais no valor de 2 cêntimos (de Euro). A imagem é de cédula de colecção pessoal. Pág. 14

16 europeias, que permite a recuperação de custos pela entidade organizadora ou responsável pela gestão da moeda. Outros existem, sendo os mais vulgarizados o da existência de taxas de trocas de moeda (normalmente da comunitária pela nacional ) e o das taxas de participação. Nós, coleccionadores, poderemos introduzir outro efeito gerador de mais-valias. A retirada de circulação de papel-moeda por particulares ou a sua saída para canais de Notafilia, transforma as cédulas - papel-moeda - em objectos coleccionáveis ou em meras recordações, gerando assim uma mais-valia directa para a entidade emissora cifrada na diferença entre o seu valor facial e o seu bastante inferior custo da produção. Curiosamente, este é um aspecto (ainda) pouco explorado. Historicamente, este tipo de moeda encontra fundamentação histórica em teorias económicas no pós Primeira Grande Guerra, tendo destacando-se Silvio Gessel, alemão de nascimento (da zona de Sankt Vith, actualmente território belga) e os seus conceitos de Economia Livre ( Freiwirtschaft em alemão) e de Freigeld ( Dinheiro livre ). As primeiras moedas comunitárias foram a alemã Wara (21), em 1931 e a austríaca Worgl, dois anos depois, respectivamente da responsabilidade de um engenheiro de uma empresa mineira a tentar retomar a actividade e de um burgomestre de um município com a economia estagnada e graves problemas de desemprego. Ambos sem dinheiro... Ambas tiveram um enorme sucesso local; ambas foram proibidas pouco depois pelos respectivos Bancos Centrais... Actualmente, vive-se outro surto - bastante maior agora - de surgimentos de moedas comunitárias. Em países de economias avançadas, como a Alemanha, o Canadá ou os Estados Unidos e em locais de graves carências sócio-económicas, como é o caso de favelas brasileiras. Umas com objectivos principalmente económicos; outras com importantes vertentes sociais. O Chiemgauer alemão (22), com uma vertente mais económica, e o Palma brasileiro (23), de vertente mais social, foram ambos lançados em 2002 e constituem casos merecedores de especial destaque pelo seu claro cariz inovador, por (21) - Imagem ao lado foi obtida do site (22) - Imagem de cédula de colecção pessoal. (23) - Imagem da cédula do site Pág. 15

17 serem casos de consolidado sucesso e, sobretudo, por ambos se terem vindo a afirmar como exemplos, várias vezes replicados ou inspiradores da criação de outras moedas comunitárias dos respectivos países... Moeda de Trocas A troca é uma das mais antigas actividades sociais. Duas partes, pondo-se de acordo, concordam em trocar entre si dois produtos ou serviços que consideram equivalentes; é a troca directa. Uma das funções da moeda é precisamente de servir como medida de valor e assim viabilizar a quer a concretização de trocas não equilibradas entre bens e serviços - em que a moeda acompanha o produto ou bem menos valioso, compensando a sua menor valia - quer a troca indirecta, ou triangulação de trocas, em que a moeda recebida numa venda transporta o valor que viabiliza uma aquisição a terceira entidade. Fenómenos de troca directa ou de feiras de trocas têm ressurgido nas últimas décadas um pouco por todo o mundo, assentes mais em valências sociais do que em interesses económicos e em que princípios como a Honestidade e a Solidariedade se têm afirmado. O LETS - Local Exchange Trading System (24) - implementado em 1982 por Michael Linton no Canadá e a criação do primeiro Clube de Trocas (Club del Trueque (25) ) na Argentina em 1995, são actualmente reconhecidos marcos históricos nesta nova fase de trocas sociais que se vem afirmando um pouco por todo o mundo. Normalmente circunscrito a um nível local, este fenómeno já atingiu, no entanto, autenticas dimensões nacionais, como foi o caso das redes de trocas implementadas na Argentina, que, no seu apogeu em 2002, chegaram a envolver mais de 5 mil clubes, 2,5 milhões de pessoas e trocas de bens num valor estimado entre 400 milhões e 4 biliões de euros! Neste âmbito, a moeda é produzida, distribuída e controlada pelos seus utilizadores, constituindo-se essencialmente como uma medida de valor, sem um valor próprio intrínseco (segundo alguns, umas das razões para que as transacções que suporta não serem passíveis da aplicação de impostos ou quaisquer outras taxas), sem ser sujeita a inflação (uma couve é uma couve; uma hora de trabalho é uma hora de trabalho...) e sem ser passível de aplicações (24) - Curiosamente, Michael Linton veio posteriormente a afirmar (Novembro de 2000) que quando inventou o termo LETS não o fez pensando em qualquer acrónimo. Alguns britânicos consideram que provém do inglês Let s go ( vamos ), outros que significa Local Employment and Trade System, etc.. Adoptámos o significado mais usual. (25) - Na realidade, Trueque, que é normalmente traduzido por Troca neste contexto, é uma palavra castelhana que significa Barato. Ao lado, figura do célebre Arborito, cédulas de trocas que atingiu uma verdadeira dimensão de aceitação nacional (imagem de cédula de colecção pessoal). Pág. 16

18 usuárias (juros ou especulações não fazem sentido num instrumento que não vise acumular riqueza). As cédulas emitidas são assim, de um modo geral, bem menos elaboradas que as suas congéneres das Moedas Locais, pela menor necessidade de controlo, menor tendência a serem falsificadas e cariz bem mais temporário e precário. Pág. 17

19 3. O CASO ESPECÍFICO DA AMÉRICA DO NORTE O continente norte-americano tem um papel de relevo no actual surto de moedas comunitárias que alastra um pouco por todo o mundo. Não é consensual marcar um início para o aparecimento da Moeda Comunitária, até porque não é consensual a definição desta. O próprio papel-moeda aparece, como já referido, num conceito claramente local, mas que, na nossa óptica, não deve ser confundido com o de Moeda Comunitária. Menos controversa é a aceitação de casos como o Wara (Alemanha, 1931), do Worgl (Áustria, 1933), do Valor (França, 1935) ou da Libremoneda, de Silvio Gessel (Argentina, 1936), que julgamos reunirem todas as condições para serem considerados exemplos pioneiros de Moedas Comunitárias, mais concretamente de Moedas Locais. Nessa mesma década de 1930, quer o Canadá, quer os Estados Unidos efectuavam também emissões que, se não consideradas como Moedas Locais, tinham com estas grandes afinidades. São bem conhecidos os casos dos Certificados de Prosperidade de Alberta (1936) e dos vários Depression Scrips emitidos nos Estados Unidos na sequência da Grande Depressão. Pouco referido, mas que consideramos muito significativo, foi o caso do AFRO Dólar, verdadeira moeda comunitária, implementada na década de 1980 e vocacionada para a comunidade afro-americana de Chicago. Mas é nesta nova actual fase que o continente norte-americano assumiu um papel preponderante. O LETS - Local Exchange Trading System - implementado em 1982 por Michael Linton no Canadá, veio dar um novo enquadramento ao milenar fenómeno das trocas de bens e produtos e constituiu-se verdadeiramente como um modelo moderno replicado em todo o mundo. Na sua sequência, as Moedas de Trocas foram implementadas, viabilizando trocas equilibradas transcendendo as limitadas trocas directas. As primeiras Moedas Locais desta nova fase surgem em força na década de 1990, com pioneirismo para os Estados Unidos (1991) e o Canadá (1994) mas também um pouco por todo o mundo: México (1994), França (1994), Japão (1995), argentina (1996), Senegal (1998), Brasil (1999), etc. Na Argentina, o fenómeno adquire uma escala nacional, atinge o apogeu em 2002 e entra em descrédito, com graves consequências sociais. Mas a grande e estável referência foi e continua a ser a pioneira americana Hora Ithaca, lançada logo em 2001 e talvez a mais bem sucedida Moeda Comunitária de sempre. A filosofia da Hora adapta-se particularmente ao conceito de troca de serviços e é largamente adoptada, se bem que logo se Pág. 18

20 estabelecem equivalências para as moedas normais estatais, bem mais conhecidas e interiorizadas pelos cidadãos. Ainda na década de 1990, mas sobretudo na década de 2000, as moedas comunitárias sobrevivente e as novas entretanto implementadas, incorporaram progressivamente a capacidade de serem usadas para a aquisição de bens e serviços em estabelecimentos comerciais aderentes. Ou seja, no seu uso já não apenas como Moedas de Trocas, mas também (ou só) como Moedas Locais. Esta dupla função, com progressiva preponderância do uso como Moedas Locais em detrimento do uso como Moedas de Trocas, é muito característico das moedas comunitárias dos Estados Unidos. Muitas delas, apesar de se constituírem como Moeda Local - em que uma paridade com a moeda nacional (dólar) seria, á priori, mais conveniente continuaram a adoptar a designação de Hora, por nítida influência da Hora Ithaca, esta entretanto também já uma verdadeira Moeda Local. Para além do designado Dinheiro Kolkhoz, muito em uso na União Soviética na década de 1980 e que entrou em declínio na primeira metade da década de 1990 com a implosão do país e o fim das explorações agrícolas do tipo Kolkhoz e Sovkhoz em que circulava (26), as Moedas Locais puras só adquiriram preponderância na década de São referências mundiais casos mais sociais como o da moeda Palmas (Brasil, 2002) ou com uma vertente essencialmente mais economicista, tais como o Chiemgauer (Alemanha, 2003) ou a Libra de Totnes (Reino Unido, 2007). O Berkshare, da sua fase de 2006, é talvez o mais significativo exemplo norte-americano deste tipo. As moedas comunitárias apuradas com o apertado critério anteriormente mencionado são apresentadas nos seguintes capítulos, quer para o Canadá, quer para os Estados Unidos. Relativamente aos Territórios norte-americanos Bermudas, Gronelândia e São Pedro e Miquelon não foram obtidas informações sobre quaisquer moedas comunitárias existentes. Como curiosidade, refira-se que, actualmente, apenas as Bermudas têm sistema monetário próprio - o Dólar das Bermudas cujo funcionamento se aproxima bastante de uma moeda local. A última moeda contemplada no presente estudo cujo arranque se saúda foi a canadiana Dólar Chemainus ( Chemainus Dollar, no original), lançada em 23 de Abril de (26) - Os Kolkhozes e os Sovkhozes constituíram a base do sistema agrícola colectivizado da URSS. Estes dois tipos base pouco diferiam entre si; um Kolkhoz era uma cooperativa agrícola de produção (os que nela trabalhavam eram, portanto, membros de uma cooperativa) ao passo que um Sovkhoz era uma unidade agrícola do estado (e, consequentemente, quem lá trabalhava era funcionário do estado). No final da URSS representavam, respectivamente, 55% e 45% do total das unidades de produção agrícola. Pág. 19

21 4. MOEDAS COMUNITÁRIAS DO CANADÁ O Canadá tinha já tido uma primeira experiência em 1936, com uma emissão provincial com bastantes afinidades com as actuais Moedas Locais, os Certificados de Prosperidades de Alberta (27), mas foi no âmbito das Moedas de Trocas que o Canadá foi pioneiro. Com efeito, foi no Canadá que se iniciou o actual ciclo de trocas solidárias pois é geralmente aceite na comunidade internacional que tenha sido Michael Linton, numa região chamada Comax situada em Vancouver que, em 1982, implementou o conceito de LETS (Local Exchange Trading System (28) ). Tratava-se então de um sistema de trocas não envolvendo dinheiro, destinado a colmatar dificuldades económicas da comunidade, então a braços com uma crise decorrente de recessão da indústria madeireira, a sua principal actividade económica. E desde então a filosofia das trocas solidárias LETS expandiu-se por todo o mundo. Apesar de, originalmente, o sistema não envolver dinheiro, muitas são as associações que acabam por proceder a emissões de papel-moeda próprio - várias usando unidades específicas suas e até baseadas em unidades de tempo - pelo que vários sistemas com cédulas próprias se podem referenciar. Destes, destacamos, por ordem cronológica, os seguintes (Mai) - Hora ShuSwap; 1994 (Jun) Hora Maritime; Hora Kootenay; 1996 (Jan) - Hora Bow Chinook; 1996 (Nov) - Hora Kingston; 1998 (Fev) - Barter Buck; 1998 (Dez) - Dólar de Toronto; Dólar de Salt Spring; Dólar de Calgary; 2004 (Nov) - Hora Tamworth; 2004 (Nov) - OUR Dólar; Dólar Unity; Dólar Serenity; Wampum; (27) - Abordamos esta emissão no âmbito das Emissões Especiais, como Dólar de Alberta. (28) - Curiosamente, Michael Linton veio posteriormente a afirmar (Novembro de 2000) que quando inventou o termo LETS não o fez pensando em qualquer acrónimo. Alguns britânicos consideram que provém do inglês Let s go ( vamos ), outros que significa Local Employment and Trade System, etc.. Adoptámos o significado mais usual. Pág. 20

22 Dólar Community Way; Dólar Chemainus Hora ShuSwap ( Mai) A Hora ShuSwap (ShuSwap Hour) foi uma moeda comunitária de Salmon Arm, uma cidade de cerca de 16 mil habitantes, situada na região de Shuswap, na Província da Colômbia Britânica. O nome atribuído a esta moeda constitui um interessante jogo de palavras dado que, ao usar a maiúscula intermédia, liga o nome da região (Shuswap) ao termo Swap ( Troca ), característico dos clubes de trocas. A moeda foi lançada em 22 de Maio de 1994 por um grupo de voluntários que se associaram na organização sem fins lucrativos ShuSwap Barter Club. Seguindo o normal das moedas com a filosofia da Hora, tinha uma equivalência informal a 10 dólares canadianos e a quantidade colocada em circulação dependeu inicialmente do número de aderentes (4 Horas / aderente). Actuando como um misto de moeda de trocas e de moeda local com vários estabelecimentos a viabilizar a sua utilização entre 10 a 30% do valor da compra - um ano depois, havia já 600 Horas (valor equivalente a dólares canadianos) em circulação. Terá sido descontinuada provavelmente durante a primeira metade da década de 2000 (29). Consideramos que as cédulas emitidas, que abrangeram valores de 1 / 10, ¼, 1 / 2 e 1 Hora (respectivamente equivalentes a 1, 2,5, 5 e 10 dólares canadianos), consubstanciam o sistema CAN-C-HShuSw Hora ShuSwap (com emissões desde 1994) Hora Maritime ( Jun) A Hora Maritime (Maritime Hour) foi uma moeda comunitária que circulou em Halifax, então cidade e posteriormente região municipal com mais de 370 mil habitantes, da Província da Nova Escócia. Seguindo-se a uma fase prévia de talões de desconto comerciais, a moeda foi lançada em Junho de 1994 pela Regional Atlantic Trading Association (RATNA), envolvendo cerca de 3 dezenas de aderentes e uma dúzia de estabelecimentos comerciais. A uma grande aceitação logo no ano inicial, em que envolveu mais de duas centenas e meia de aderentes (Junho de 1995), seguiu-se um hiato de cerca de um ano, retomando depois numa escala menor até acabar por ser descontinuada (30). Seguindo o normal das moedas com a filosofia da Hora, a (29) Sabemos que em 1999 continuava activa, o que já não acontecia em (30) Terá sido descontinuado entre 1997 e Pág. 21

23 moeda representava uma hora de trabalho e tinha uma equivalência informal a 10 dólares canadianos. Consideramos que as cédulas emitidas, que abrangeram valores de 1 / 5 e 1 Hora (respectivamente equivalentes a 2 e 10 dólares canadianos), consubstanciam o sistema CAN-C-HMarit Hora Maritime (com emissões desde 1994) Hora Kootenay (1994) A Hora Kootenay ( Kootenay Barter Buck, no original) foi uma moeda comunitária implementada em Nelson, uma pequena cidade de menos de 10 mil habitantes da Província do Columbia Britânica, situada nas margens do lago Kootenay. A moeda foi criada em 1994, por influência então da congénere norte-americana Hora Ithaca e, como esta, baseouse em unidades de tempo. Emitida pelo Nelson Ecocentre, destinava-se inicialmente a financiar uma publicação local, o Barter Bulletin, mas três anos depois circulava já como uma moeda comunitária em Nelson, com um valor total que ascendia a 4 mil Horas, aceite por meia centena de comerciantes e usada normalmente por quase um milhar de habitantes locais (31), estimando-se terem sido postas em circulação um total de 40 mil Horas! Apesar de baseada em unidades de tempo, tinha uma equivalência informal a 10 Dólares canadianos e foram emitidas cédulas de 1 (10 C$), ½ (5 C$) e ¼ (2,5 C$) de Hora, existindo ainda um token metálico equivalente a 1 C$ ( 1 / 10 de Hora). Consideramos que as cédulas emitidas consubstanciam o sistema... CAN-C-HKoot Hora Kootenay (com emissões desde 1994) Hora Bow Chinook ( Jan) A Hora Bow Chinook ( Bow Chinook Barter Community HOURS, na língua original) foi uma moeda comunitária implementada na cidade de Calgary, na Província de Alberta. (31) - Dados de finais de A imagem da cédula foi obtida no site Pág. 22

24 A moeda foi lançada em 1 de Janeiro de 1996 pelo Arusha Centre, uma organização social da cidade que desenvolveu um programa de interacção social e económica, reaproveitando talentos e capacidades locais e fortalecer a economia local num contexto difícil de desemprego e crise económica (32). A moeda era baseada em unidades de tempo e tinha uma equivalência informal a 10 Dólares canadianos, sendo aceite por cerca de uma centena de entidades comerciais aderentes na cidade. Veio a terminar em 2002, substituída pelo Dólar de Calgary, precisamente na base de 10 Dólares para 1 Hora, sendo então trocados valores totais na ordem das Horas que então estavam em circulação. Consideramos que as cédulas emitidas, que abrangiam os valores de 1 / 10, ½ e 1 Hora, consubstanciam o sistema... CAN-C-HBoChi Hora Bow Chinook (com emissões entre 1996 e 2001) Hora Kingston ( Nov) A Hora Kingston (Kingston Hour) foi uma moeda comunitária de Kingston, uma cidade com 117 mil habitantes, sede do Condado de Frontenac, na Província do Ontário. A moeda foi lançada em Novembro de 1996 sob a responsabilidade do Ontario Public Interest Research Group (OPIRG) e contou com uma participação superior a três centenas de aderentes. Seguindo a filosofia da Hora com influência expressa da norte-americana Hora Ithaca - a moeda teve uma utilização essencialmente como moeda de troca, à qual foi estabelecida uma equivalência informal a 12 dólares canadianos. Terá sido descontinuada provavelmente durante a primeira metade da década de 2000 (33). As cédulas emitidas tinham a curiosa particularidade de usar tinta térmica que desaparecia ao toque, como medida de dificultar a sua falsificação. Consideramos que as cédulas emitidas consubstanciam o sistema CAN-C-HKings Hora Kingston (com emissões desde 1996). (32) A imagem foi obtida no site (33) Sabemos que em 1999 continuava activa, o que já não acontecia em Pág. 23

25 4.6. Barter Buck ( Fev) Barter Buck foi o nome dado a uma moeda comunitária de London, uma cidade de mais de 350 mil habitantes da Província do Ontário. A moeda foi lançada em Fevereiro de 1998 e tinha uma equivalência informal a par com o dólar canadiano. Terá sido descontinuada provavelmente durante a primeira metade da década de 2000 (34). Tal como a Hora Kingston, as cédulas do Barter Buck usavam a curiosa defesa contra falsificações através do uso de uma tinta térmica na impressão do seu logótipo, de modo que este desaparecia quando as cédulas eram manuseadas. Consideramos que as cédulas emitidas, que abrangeram (pelo menos) os valores de 1 e 10 Barter Bucks, consubstanciam o sistema CAN-C-BBuck Barter Buck (com emissões desde 1998) Dólar de Toronto ( Dez) O Dólar de Toronto ( Toronto Dollar no original) é uma moeda comunitária da zona de St. Lawrence de Toronto, capital da Província de Ontário e a mais populosa e comercial cidade do país. Sendo a mais duradoura moeda comunitária canadiana, o Dólar de Toronto foi lançado em 5 de Dezembro de 1998 e é gerido pela organização sem fins lucrativos Toronto Dollar Community Projects. Apesar de considerado de valor a par com o Dólar canadense - e de ser escorado por esta moeda - a sua aquisição beneficia de 10% (100 Dólares federais permitem a aquisição de 110 Dólares de Toronto). Ao invés, tem uma taxa de conversão de 10% quando trocado pela moeda nacional, taxa essa que reverte a favor de projectos de cariz social da região (35). Conta com o apoio do CIBC e do Royal Bank, duas grandes instituições bancárias do Canadá. O seu actual site é o (34) Sabemos apenas que em 1999 continuava activa, o que já não acontecia em (35) - Em 2008 deu a 35 projectos sociais um total de cerca de 110 mil dólares canadianos. A imagem é de cédula de colecção pessoal. Pág. 24

26 Consideramos que as cédulas emitidas, que abrangem os valores de 1, 2, 5, 10 e 20 Dólares e são impressas pela Canadian Bank Note Company (que também imprime os Dólares federais), consubstanciam o sistema... CAN-C-DTor Dólar de Toronto (com emissões desde 1998) Dólar de Salt Spring (2001) O Dólar de Salt Spring ( Salt Spring Dollar, no original) é uma moeda comunitária de Salt Spring (36), uma ilha de 10 mil habitantes na costa canadiana do Pacífico, na província canadiana da Colúmbia Britânica e um dos casos paradigmáticos de sucesso de uma moeda local. A moeda foi lançada em 15 de Setembro de 2001 e é gerida pela organização sem fins lucrativos Salt Spring Island Monetary Foundation (SSIMF). É valorizada a par com o dólar canadiano e totalmente escorada por uma combinação de dólares e ouro. Tem site próprio; o O seu sucesso está muito ligado à implantação que a moeda tem na ilha. É aceite pela quase totalidade do comércio e serviços da ilha, bem como pelos três bancos aí com sucursais (pode ser obtida inclusive em vulgares máquinas ATM!), pelo que circula indiferenciadamente a par com o dólar canadiano (37). O facto da ilha ser um apreciado local turístico contribui igualmente para o sucesso da moeda, pois o facto das cédulas constituírem recordações que os turistas levam, introduz mais-valias directas pela entrada do correspondente dinheiro federal sem quaisquer outras contra-partidas que não sejam as das próprias cédulas. Estimulando isso mesmo, em 2006 a SSIMF lançou até uma moeda própria destinada a constituir-se como recordação e objecto coleccionável. As próprias cédulas, para além de contemplarem já sofisticados dispositivos de segurança, são esteticamente cuidadas, sendo desenhadas por conceituados artistas. O símbolo da moeda é $$ que - conforme curiosa explicação oficial - é a sobreposição de dois S e dois I significando Salt Spring Island Issued. Consideramos que as cédulas emitidas, que abrangem os valores de 1, 2, 5, 10, 20, 50 e 100 Dólares, consubstanciam o sistema... CAN-C-DSaSpr Dólar de Salt Spring (com emissões desde 2001). (36) - Também designada pela sua forma mais antiga Saltspring. (37) A imagem ao lado é de cédula de colecção pessoal. Pág. 25

27 4.9. Dólar de Calgary (2002) O Dólar de Calgary (Calgary Dollar) é uma moeda comunitária da região de Calgary, a cidade mais populosa da Província de Alberta e a terceira mais populosa do país, com cerca de 1 milhão de habitantes. Colocados em circulação em Março de 2002, vieram substituir as Horas Bow Chinook, em funcionamento desde 1996 e dos quais são herdeiros directos, na base de 10 Dólares por 1 Hora, tendo sido então emitido um valor total de cerca de 38 mil Dólares. É emitido pela organização Arusha Centre, é valorizado na base da paridade com o Dólar canadiano e tem como símbolo C$ (similar também a uma das notações usuais do Dólar canadiano). O seu site é o www. calgarydollars.ca. As cédulas emitidas, atractivas e resistentes (são em poliéster) e contendo vários dispositivos de segurança, abrangem os valores de 1, 5 10, 25 e 50 Dólares, estes dois últimos valores lançados só em 2006 (38). Consideramos consubstanciarem o sistema... CAN-C-DCalg Dólar de Calgary (com emissões desde 2002) Hora Tamworth ( Nov) A Hora Tamworth ( Tamworth Hour no original) é uma moeda local da comunidade de Tamworth da cidade de Stone Mills, zona rural da província de Ontário. A moeda usa unidades de tempo e as cédulas são fornecidas por troca com o equivalente tempo de trabalho. Este sistema foi iniciado em Tamworth em as cédulas foram lançadas com data de 13 de Novembro desse ano - muito pela iniciativa de Thomas Kennedy, reconhecido activista das moedas comunitárias no Canadá, impulsionador de diversas outras iniciativas e organizações neste âmbito e que se auto-intitula de (38) - A imagem da cédula foi retirada do site Pág. 26

28 UsuryFree Criative (39). Apesar de usar unidades de tempo e de não ser escorada em qualquer moeda oficial, as próprias cédulas estabelecem uma equivalência para o dólar canadiano na base de 1 Hora para 12 Dólares. Foram emitidas cédulas de 1 / 12 (1 C$), 1 / 6 (2 C$), ¼ (3 C$), ½ (6 C$), 1 (12 C$) e 12 Horas (24 C$). Consideramos consubstanciarem o sistema... CAN-C-HTamw Hora Tamworth (com emissões desde 2004) OUR Dólar ( Nov) O OUR Dólar ( OUR Community Dollar, no seu original (40) ) é uma moeda comunitária oriunda de Waterloo, cidade a 100 Km a oeste de Toronto e com cerca de cerca de 100 mil habitantes da Província de Ontário. A moeda foi criada em 2004 mas, apesar da sua expressa vocação universalista (ser replicada em qualquer outro lugar), apenas ainda circula na zona de Waterloo e Wellington (41). A moeda não tem qualquer escoramento em moeda oficial; não obstante, a organização emissora, a OUR Community Currency Inc., incentiva a sua utilização conjunta com o dólar canadiano, com uma valorização a par à moeda federal. Tem site próprio; o A moeda foi consubstanciada por uma primeira série - a de Waterloo - lançada em Novembro de 2004 e que abrangeu os valores de 25 e 50 cêntimos e 1, 2, 5 e 10 OUR Dólares, tendo já sido emitida uma segunda série, em Janeiro de 2009, que abandonou os valores inferiores ao Dólar, mas introduziu os valores de 20 e 50 Dólares. As cédulas contemplam vários dispositivos de segurança, nomeadamente a nível do papel e coloração usados, logótipo, número de série e tinta UV (42). (39) - Usury Free pode ser traduzido como Livre de usuários mas também por Livre de Taxas... A imagem é de cédula de colecção pessoal. (40) - A associação entre OUR e our ( nosso ) e o correspondente NOSSO Dólar é óbvia, mas optámos por não fazer esta tradução. (41) - Em Novembro de 2009, o site oficial referia estar em planeamento o lançamento de uma outra série de cédulas - similares às em vigor mas com alguma simbologia local - para a zona de Ottawa. A entidade emissora afirmava ainda planear lançar outra moeda mas esta baseada em unidades de tempo: o OUR Community Hour. (42) - A figura é de cédula de colecção pessoal que foi gentilmente cedida por Gary Jones, fundador do OUR Community Program. Pág. 27

29 Consideramos que as cédulas emitidas consubstanciam o sistema... CAN-C-DOUR OUR Dólar (com emissões desde 2004) Dólar Unity (2006) O Dólar Unity ( Unity Dollar, no original) foi lançado em Madawaska Valley, uma recente povoação (criada apenas em 2001, por junção de várias já contíguas) de cerca de 4,5 mil habitantes na província de Ontário. A moeda foi criada em 2006 no âmbito da UsuryFree Network (impulsionada por Thomas Kennedy, o criador da Hora Tamworth) e visou não apenas constituir-se como uma moeda local em várias povoações na zona de Madawaska Valley, mas também ser uma moeda da rede UsuryFree e, como tal, ser aceite noutras comunidades aderentes a esta rede. As cédulas (43), cujo verso incluem publicidade como forma de custear a sua produção e que contemplam a mesma figura do leão alado já usada nas cédulas da Hora Tamworth, abrangem os valores de 1, 2, 3, 5, 10, 20 e 50 Dólares. Consideramos consubstanciarem o sistema... CAN-C-DUnity Dólar Unity (com emissões desde 2006) Dólar Serenity (2007) O Dólar Serenity (Serenity Dollar, no original), surge na sequência do Dólar Unity, expresso, desde logo, pela mesma estética utilizada nas cédulas que o consubstanciam. A moeda, de 2007, surge na zona de Tamworth - até porque é criada pelo mesmo Thomas Kennedy fundador da Hora Tamworth - mas contempla uma vocação de moeda aglutinadora de outras moedas locais aderentes à filosofia da Third Market Network e da UsuryFree Network (44), enquadrada numa mais abrangente BIS Network ( BIS significando Be In Serenity ). (43) - A imagem da cédula é do (44) - Já atrás referidas no âmbito da Hora Tamworth e do Dólar Unity. Pág. 28

30 A moeda, não escorada e financiada apenas pelas contribuições dos membros aderentes, tem uma equivalência informal para o Dólar canadiano, conforme aliás expresso nas suas cédulas. A sua utilização aconselhada é a de ser usada em complementaridade com a moeda oficial. Curiosa - e talvez arriscada face â legislação canadiana - é a indicação, como conselho, de que em transacções efectuadas com Dólar Serenity não deverá ser contemplado qualquer taxa ou imposto (45), reduzindo assim desde logo o custo do bem ou serviço transaccionado. O seu site é o Consideramos que as cédulas emitidas, que abrangem os valores de 1, 2, 3, 5, 10 e 20 Dólares, consubstanciam o sistema... CAN-C-DSeren Dólar Serenity (com emissões desde 2007) Wampum (2007) O Wampum é um interessante caso, de classificação controversa, mas que podemos situar algures entre a de uma moeda comunitária e a de uma emissão especial, com algumas características, para muitos, controversas. A moeda nasceu em Sharbot Lake, uma das zonas metropolitanas de Central Fontenac, na província canadiana de Ontário e uma das regiões de forte implantação da comunidade indígena dos Algonquim, povo índio original que na altura da colonização europeia se espalhava pela costa este da América, do que actualmente é a costa entre Carolina do Sul e a Nova Escócia. O termo Wampum é, aliás, um termo que resulta da contracção de Wampumpeak, palavra em algonquim para um ornamento de uma corrente de grânulos de conchas, antigamente usada também como dinheiro. Thomas Kennedy, o criador da Hora Tamworth, do Dólar Unity e do Dólar Serenity está envolvido também na criação do Wampum, em 2007, escorado na terra e na água, conforme referido num vídeo promocional. Não obstante, pretende ter uma equivalência informal ao dólar canadiano e foi constituído um Banco - o Anishinabe Wampum ( Anishinabe é o termo que o povo algonquim usa para se designar a si próprio e que significa Povo Original ) - que se auto-proclama como o primeiro banco algonquim da região de Sharbot Lake, região sede da também auto-proclamada primeira nação algonquin, a Shabot Obaadjiwan First Nation (45) - Incluindo o equivalente ao nosso IVA, o que permite, desde logo, reduzir o preço em cerca de 20%. A imagem é de cédula de colecção pessoal. Pág. 29

31 (anteriormente Sharbot Mishigama Algonquin Firts Nation) e que opera igualmente com moeda federal normal (46). CAN-C-Wampum Wampum (com emissões desde 2007). Como curiosidade, refira-se que as cédulas emitidas referem o valor quer em Dólares quer em língua algonquim, que tem designações numéricas específicas para dinheiro (47). Consideramos consubstanciarem o sistema Dólar Community Way (2009) O Dólar Community Way ( Community Way Dollar, no original) é uma moeda comunitária de Comox Valley, uma região e distrito administrativo situado na costa este da ilha de Vancover, província da Columbia Britânica. A moeda, cujo símbolo é CW$, insere-se numa estratégia de apoio social e desenvolvimento económico local da organização Comox Valley Community Way, que já em 2001 tinha iniciado um projecto-piloto com base então ainda em cartões. A moeda foi lançada em Agosto de 2009 e é escorada por doações de entidades participantes; por exemplo, comerciantes que ao doarem uma quantia à organização, não lhes transferem dinheiro directamente mas sim assumem a responsabilidade de aceitar o montante em CW$ equivalente à quantia doada, normalmente em comprar efectuadas nos seus estabelecimentos envolvendo pagamento misto em CW$ e dólares federais (48). O seu site actual é o Consideramos que as cédulas emitidas, que abrangem os valores de 1, 5, 10, 20 e 100 CW$, consubstanciam o sistema... CAN-C-DComW Dólar Community Way (com emissões desde 2009). (46) - Sobre esse Banco, o FDIC (Federal Deposit Insurance Corporation) emitiu um aviso relativamente à sua não conformidade como tal. (47) - No caso da figura da cédula (de colecção pessoal), Nanwabik é o termo para cinco em dinheiro. A figura da águia estilizada é o símbolo do povo Algoquim. (48) - A imagem da cédula foi retirada do site Pág. 30

32 4.16. Dólar Chemainus (2010) O Dólar Chemainus ( Chemainus Dollar, no original) é uma moeda comunitária de Chemainus Valley. Chemainus é uma cidade de cerca de 5 mil habitantes e de forte componente turística, situada na ilha de Vancouver, província da Columbia Britânica. A moeda, inspirada no Dólar de Saltspring (49) e cujo símbolo é CH$, foi lançada em 23 de Abril de 2010 pela organização sem fins lucrativos Chemainus Monetary Foundation e conta com o apoio do Coastal Community Credit Union. Estas duas associações escoram na totalidade a moeda emitida, que tem uma equivalência ao par com o dólar canadiano e é aceite também nas em instituições bancárias e de crédito locais (50). Dispõe de site próprio; o Consideramos que as cédulas emitidas, que têm a particularidade de usar cores similares às suas correspondentes de dólar canadiano e que abrangem os valores de 1, 5, 10, 20, 50 e 100 CH$, consubstanciam o sistema... CAN-C-DChem Dólar Chemainus (com emissões desde 2010). (49) E arriscamos nós também pelo congénere Dólar Community Way igualmente da ilha de Vancouver e lançado no ano anterior (50) Como curiosidade, refere-se que é até possível o depósito de CH$ em normais contas bancárias de dólares canadianos. Pág. 31

33 5. MOEDAS COMUNITÁRIAS DOS ESTADOS UNIDOS Os Estados Unidos tinham já uma história de emissões locais, nomeadamente na década de 1930 com emissões de emergência por altura da Grande Depressão, mas foi já na década de 1980, com o AFRO Dólar que se dá o aparecimento de uma moeda com as características que definimos para as actuais Moedas Comunitárias, no caso uma Moeda Local dirigida para a comunidade negra de Chicago. Se o AFRO Dólar acabou por ser uma experiência de curta duração, a Hora Ithaca, introduzida em 1991, veio a revelar-se como um dos casos de grande sucesso e uma referência a nível mundial, constituindo, para muitos, a moeda que marca o início do actual surto de Moedas Comunitárias. Em meados da década de 1990 (sobretudo no período de 1994 a 1998) várias moedas seguindo a filosofia da Hora Ithaca foram implementadas, mas se bem que algumas perduram até hoje, a maioria estima-se em mais de ¾ - extinguiu-se após um período de vida na ordem dos três anos. Após algum um abrandamento no surto do aparecimento de novas moedas, o fenómeno parece ganhar uma maior dinâmica agora no final da década de 2010, agora com uma preponderância das moedas baseadas no dólar, em detrimento das baseadas na filosofia da Hora, não sendo estranha a crescente influência da moeda Berkshare em paralelo com a sempre referência Hora Ithaca. Conceptualmente, as moedas baseadas na filosofia da Hora (cuja maior referência é a Hora Ithaca) seriam mais adaptadas a um funcionamento como Moeda de Trocas, tal como as baseadas no Dólar (com a maior referência a ser a Berkshare), seriam mais adaptadas ao funcionamento como Moedas Locais. No entanto, desde o seu início, as moedas comunitárias norte-americanas têm-se caracterizado por uma bem conseguida junção das funções típicas de Moeda de Troca, de apoio a grupos de trocas de bens e serviços, e de Moeda Local, ou seja de uma moeda mais adaptada a ser usada numa área restrita como incentivo à economia local. Ultimamente, com preponderância desta última em detrimento da primeira. Este fenómeno tem alastrado por todo o território norte-americano, não tendo vindo a ser dificultado pelo poder federal, que tem assumido a posição de considerar legal as moedas que não se confundam com o dólar federal. No entanto, é agora considerado que todas as aquisições efectuadas com essas moedas devem estar sujeitas a taxação de acordo com o seu valor normal de mercado, o que não acontecia com as Horas da década de 1990, que apenas eram vistas como uma medida de permuta de serviços e não como um contratual processo de compra e venda. Na génese, uma das diferencias significativas entre o conceito puro de Moeda Local e o de Moedas de Trocas Pág. 32

34 Convém ainda salientar a aparente abundância de informação existente na internet, nomeadamente de listas de moedas comunitárias implementadas por todo o país, mas a fraca qualidade da mesma. Com efeito, verificámos que muitas das listas apresentadas aparentemente provêm da mesma fonte, não constituindo assim várias fontes de informação, mas sim sendo a mesma inúmeras vezes repetida, com os mesmos erros e incorrecções. Várias são as referências a moedas comunitárias que não incluímos neste estudo, algumas por termos confirmado nunca (ou ainda não) terem saído da fase de projecto (apesar de algumas terem já papel-moeda), outras por não incluírem papel-moeda e, na sua maioria, por não as termos conseguido confirmar. Das mais referidas que não considerámos, destacam-se: Area Buck (não chegou a ser implementada), Asheville Currency (prevista já para 2010), Atlanta Hour, Bainbridge Buck, Blue Money, Boiser Hour, Brattleboro Hour (nunca implementada), Bristol Buck, Buffalo Hour, Bull City Buck, Cape Ann Dollar (sem papel-moeda), Capital Area Hour, Carrboro Cash, Charlottesville Hour, Davis Dollar (prevista já para 2010 e já com papel-moeda), Eastern Hour, Emerald Eco, Greyhound Buck, Houston Hour, Humbolt Hour, Kettle River Hour, Kitsap Hour, Kauai (prevista já para 2010 e já com papel-moeda), Life Dollar (sem papel-moeda), MAC (também prevista para 2010), Middletown Cash (sem papel-moeda) Milwaukee Hour, Missoula Hour (não implementada), Nokies (projecto actual), North Fork Helping Hands, Ozark (não implementada, apesar de ter papel-moeda), PDX Hour (prevista para 2011), Phx Bux (sem papel-moeda), Portland Hour (sem papel-moeda), Republic (já com papel-moeda), Rhine Bucks, San Juan Islands Hour, San Luis Obispo Hour, Santa Barbara Hour, Santa Monica Hour, Sequoia Hour, Skagit Dollar, Spuds, Stoneridge Hour, Torch (projecto actual), Tower Hour (prevista já para 2010), Tulsa Hour (nunca implementada), Ukiah Hour (nunca implementada, apesar de ter papelmoeda) e Wooster Hour. Certamente que algumas destas e muitas outras que desconhecemos - deveriam ter sido incluídas Das várias que, comprovadamente, foram implementadas, destacamos, por ordem cronológica: 198x - AFRO Dólar; 1991 (Out) - Hora Ithaca; 1991 (Nov) - Dólar Valley; 1993 (Jun?) Hora Boulder; 1993 (Jul?) - Berkshare; 1993 (Nov) Kansas City Barter Buck; 1993 Neighborhood Exchange; 1994 (/1993) Hora Cascadia; 1994 (Jan) Hora Santa Fé; 1994 (Mai) Hora Lehight Valley; 1994 (Mai?) Hora Portage; 1994 (Ago) Hora Dillo; 1994 (Set) Hora Summit; Pág. 33

35 Barter Buck; 1995 (Jan) - Hora Cuyahoga; 1995 (Abr) - Hora Columbia; 1995 (Jul) - Hora Great Lakes; 1995 (Jul) Mountain Money; 1995 (Nov) - Hora Lopez; Coconut; 1996 (Jan) - Hora Buffalo Mountain; 1996 (Jan) - Hora Waldo; 1996 (Mai) - Hora Madison; 1996 (Jun) - Hora Simply; 1996 (Out) - Dólar Equal; 1996 (Out) - Hora Green Mountain; 1996 (Out) - Mo; 1996 (Nov) - Hora Chenango; 1996 (Dec) - Hora Sound; 1997 (Mar) Dólar Sand; 1997 (Mai) Community Cash; 1997 (Mai) - Hora BREAD; 1997 (Jun) - Greenback; 1997 (Jun) - Hora Gainesville; 1997 (Jul) - Thread City Bread; 1997 (Dec) - Berea Buck; 1998 (Mai) - Burlington Bread; Hora Sonoma; 1999 (Fev) - SEED; 1999 (Set) - Hora Blooming; Tucson Token; 2000 (Jan) - Dólar High Desert; 2000 (Ago) - FNN; 2000 (Set) - Dólar REAL; 2001 (Set) - Hora OURS; 2001 (Out) - Hora Floyd; 2002 (Mai) - Hora Baltimore; 2002 (Mai) - Hora Corvallis; 2002 (Out) - Plenty; Hora NoCo; 2003(?) - Leaps; Pág. 34

36 2004 (Jul) - Common Cents; 2004 (Jul) - Dólar de Humboldt County; 2004 (Set) - Hora River; Bay Buck; 2006 (Fev) - Trade; 2006 (Out) - Hora Anacostia; 2007 Just Money; 2009 (Jan) - Mendo; 2009 (Mar?) - Cheers; 2009 (Mai) - Potomac; 2009 (Jun) Butte Buck; 2009 (Out) Bernal Buck; 2009 (Out?) North Fork Share; 2010 (Jan) - MoMo; 5.1. AFRO Dólar (198x) O AFRO - African-american Face Reserve Obligation - Dólar foi uma das primeiras moedas locais de relativamente grande circulação. Foi implementada na comunidade negra de Chicago, nos Estados Unidos, no final da década de 1980 por iniciativa de um banqueiro negro, de nome Price. Teve como objectivo estimular o comércio local, estabelecendo ainda um fundo que financiasse a aquisição de habitação, a abertura de novos postos de trabalho e a atribuição de bolsas de estudo. As notas emitidas, redimíveis em normais dólares norteamericanos, tinham como figura principal o activista negro Frederick Douglass, nascido escravo em Estas notas, das quais só se conhece um tipo de exemplar - de 20 AFRO Dólares - são actualmente um curioso e interessante artigo histórico, de muita procura, sobretudo, no âmbito da América Negra ( Black America ). Consideramos consubstanciar o sistema... USA-C-AFRO AFRO Dólar (com emissão em 198x). Pág. 35

37 5.2. Hora Ithaca ( Out) A Hora Ithaca (Ithaca Hour) é a moeda local de maior sucesso nos Estados Unidos e uma referência a nível mundial no respeitante a Moedas Comunitárias. Pioneira, tem inspirado a criação de muito outras similares um pouco por todo o mundo. Para além de aplicar o conceito de moeda local, reforçando a circulação de moeda no meio restrito da comunidade de Ithaca, cidade de cerca de 30 mil habitantes, sede do condado de Tompkins, no estado de Nova Iorque. A moeda introduziu ainda a inovação de se basear na hora de trabalho, apesar de, posteriormente, a fazer equivaler a 10 USD (então o valor médio da remuneração de uma hora de trabalho na região). O seu fundador, Paul Glover, lançou-a em Outubro de 1991, então envolvendo apenas 93 pessoas mas já com cédulas de 1 Hora e outras tantas de ½ Hora (equivalentes assim a dólares). Apesar de não lastrada - as cédulas referem aliás Este dinheiro, que tem nas mãos, está assente no verdadeiro capital real: os nossos músculos, as nossas ferramentas e os nossos recursos naturais - o seu sucesso foi tal que se estima que, logo na sua primeira década de existência, tenha sido a moeda de suporte a transacções que ascenderam a vários milhões de dólares. Actualmente, e conforme referido pela organização, a lista de entidades que aceita a moeda, publicada mensalmente, rivaliza com as páginas amarelas da região em quantidade de serviços anunciados. Envolverá mais de 2 mil aderentes, 300 empresas e o equivalente a 95 mil USD em circulação. Informações complementares podem ser obtidas actualmente nos sites e Inicialmente foram emitidas apenas notas de ½ e 1 Hora (com uma dimensão bastante superior às actuais), seguindo-se-lhes os valores de ¼ Hora (em 1992), 2 (1993), 1 / 8 (1994) e 1 / 10 (2002) Horas, cada uma já com várias datas de emissão. As cédulas actuais são já impressas em papel de alta qualidade, têm número de série e outros dispositivos de protecção contra falsificações (inclusive uma tinta térmica que desaparece quando fotocopiada). Parafraseando o dólar federal, são impressas com a inscrição In Ithaca we trust (51). Consideramos consubstanciarem o sistema... USA-C-HIthac Hora Ithaca (com emissões desde 1991). (51) - Confiamos em Ithaca, em clara alusão à inscrição do dólar federal In God we trust, Confiamos em Deus ). A imagem é de cédula de 1994, de colecção pessoal Pág. 36

38 5.3. Dólar Valley ( Nov) O Dólar Valley (Valley Dollar) é uma moeda local de Greenfield, cidade de quase 20 mil habitantes, sede do condado de Franklin no estado de Massachusets. A moeda, cuja abreviatura é V$, foi lançada em Novembro de 1991 e é gerida pela Valley Trade Connection (VTC), envolvendo ainda várias organizações das forças vivas da cidade e sendo aceite por algumas centenas de comerciantes locais. Com paridade informal ao dólar norte-americano, nomeadamente na sua utilização, o Dólar Valley era adquirido apenas por 95 cêntimos de dólar (o que constituía um bom incentivo), mas a sua troca era penalizada, revertendo apenas 90 cêntimos por cada Dólar Valley trocado. Estes 5% de maisvalia serviam para suportar os custos da sua exploração e o excedente era canalizado para organizações sociais locais. Durante o seu funcionamento, foi colocado em circulação um valor total de 59 mil V$, ou seja um equivalente a 59 mil dólares, estimando-se que tenham suportado transacções de um total de cerca de 250 mil dólares. A moeda viria a ficar inactiva em meados da década de 2000 (52). O seu site próprio, o entretanto também já foi descontinuado. As cédulas emitidas abrangeram os valores de 1, 5, 10 e 20 Dólar Valey. Consideramos consubstanciarem o sistema... USA-C-DVall Dólar Valley (com emissões entre 1991 e 200x) Hora Boulder (1993 Jun?) A Hora Boulder (Boulder Hour) foi uma moeda comunitária que circulou em Boulder, cidade com quase 100 mil habitantes, sede do Condado com o mesmo nome, do estado do Colorado. (52) Informação de 2004; provavelmente terá sido por volta de A imagem da cédula foi obtida num blogue da net. Pág. 37

39 A moeda foi uma das primeiras das muitas que seguiriam a filosofia da Hora Ithaca. Foi lançada em meados de 1993 pela Boulder Barter Network e no final desse ano tinha já cerca de 125 aderentes numa rede de trocas que abrangia quase meio milhar de serviços. Como mecanismos de recuperação de custos, previa uma taxação anual dos aderentes de 22 dólares e um custo de 2 dólares para a difusão dos serviços que cada um oferecia. Seguindo a linha da Hora Ithaca, a moeda representava uma hora de trabalho e tinha uma equivalência informal a 10 dólares federais. O projecto viria posteriormente a ser descontinuado (53). As cédulas abrangeram os valores de ½, 1 e 2 Horas (respectivamente equivalentes a 5, 10 e 20 dólares). Consideramos que as cédulas emitidas consubstanciam o sistema USA-C-HBould Hora Boulder (com emissões entre 1993 e 199x) Berkshare (1993 Jul?) Berkshare é o nome dado a uma moeda comunitária usada em na região de Berkshires, estado do Massachusetts, com a organização responsável a BersShares Inc a estar sediada em Great Barrington, localidade da região urbana de Pittsfield, capital do Condado de Berkshire. A moeda tem dois momentos principais: uma fase inicial em 1993 e a fase actual, com início em Na fase inicial, em 1993, a moeda Berkshire Farm Preserve Notes foi criada pela Schumacher Society e concretizada pela emissão de cédulas de apenas um valor facial de 1 Berkshare. A ideia era a moeda circular apenas durante os períodos de Verão nesse ano e nos dois anos seguintes, seis semanas em cada um deles. Os indivíduos aderentes recebiam um Berkshare por cada 10 dólares federais de despesa que faziam em estabelecimentos comerciais locais aderentes (que pagavam 150 dólares como (53) Desconhecemos quando, sabendo apenas ter sido antes de 2009, provavelmente bastante antes, ainda na década de A imagem da cédula foi obtida no site wwwratical.org. Pág. 38

40 taxa de adesão), que podiam mais tarde, em três dias consecutivos de Setembro, usar a par com os dólares federais para adquirir produtos e serviços também em lojas aderentes. Por outras palavras, era dado um desconto de 10% a canalizar para aquisições locais. A adesão foi grande. Nesse primeiro ano de 1993, foram emitidos (distribuídos) 75 mil Berkshares, dos quais 28 mil foram resgatados nos três dias de Setembro; sobraram assim 47 mil Berkshares (equivalentes a 47 mil USD) de descontos não reclamados. Após uns anos de dormência, a moeda foi reactivada em 29 de Setembro de 2006, agora com cédulas abrangendo os valores de 1, 5, 10, 20 e 50 Berkshares. A sua distribuição passou para a possibilidade de aquisição da moeda em bancos locais em que 100 Berkshares podem ser adquiridos por 90 dólares federais (actualmente já por 95 dólares), ou seja, consubstanciando um desconto automático de 10% (actualmente já só 5%) uma vez que depois o Berkshare é usado a par com o dólar federal. A aceitação foi novamente muito positiva, com várias empresas locais a aceitarem a moeda na aquisição de seus produtos ou serviços e já alguns milhões (!) (o primeiro milhão a ser obtido apenas nos nove primeiros meses) de Berkshares em circulação (54), o que torna esta moeda uma das mais bem sucedidas moedas comunitárias de sempre e, a par com a Hora Ithaca, uma das grandes referências para outras moedas comunitárias. O seu site actual é Consideramos que as cédulas emitidas consubstanciam o sistema... USA-C-Berks Berkshare (com emissões desde 1993) Kansas City Barter Buck ( Nov) O Kansas City Barter Buck (normalmente assim referido por ser de Kansas City, diferenciando-o de outros Barter Buck ) foi uma moeda comunitária que circulou na cidade de Kansas City, a cidade mais populosa do estado do Missouri, com quase meio milhão de habitantes. (54) Cerca de 400 empresas e 2,5 milhões de Berkshares em circulação, conforme informações de Setembro A imagem da cédula de 1993 foi obtida no site e a de 2006 é de cédula de colecção pessoal. Pág. 39

41 A moeda foi lançada em Novembro de 1993, então com Buck, envolvendo essencialmente um grande armazém e uma centena de aderentes e coordenado pela Greater Kansas City Greens, uma organização local político-social. Inicialmente esteve bastante ligado a um projecto rural, em que voluntários citadinos se envolviam em trabalho rural e eram pagos em Barter Buck, que podiam depois usar para comprar produtos agrícolas no armazém próprio de revenda, mas alargou-se depois a um conceito mais alargado de troca de bens e serviços entre os aderentes. Seguindo a linha da Hora Ithaca, a moeda representava uma hora de trabalho e tinha uma equivalência informal a 10 dólares federais. O projecto durou ainda alguns anos, vindo depois a ser descontinuado (55), provavelmente ainda durante a década de Consideramos que as cédulas emitidas consubstanciam o sistema USA-C-KaBuck Kansas City Barter Buck (com emissões entre 1993 e 199x) Neighborhood Exchange (1993) A moeda Neighborhood Exchange ( Moeda de Bairro, numa tradução literal) foi uma moeda comunitária que circulou num bairro (o PEN) de Takoma Park, cidade nos subúrbios de Washington DC, no estado de Maryland. A moeda, muitas vezes referida também como PEN Shares, foi lançada em 1993, destinando-se a constituir-se como uma moeda de troca na linha da Hora para a comunidade da zona urbana Philadelphia-Eastern Neighborhood (conhecida pela sigla PEN) de Takoma Park. Apesar de se vocacionar para uma área geograficamente muito pequena (constituída por apenas 550 fogos), teve uma relativamente grande adesão, envolvendo, segundo os responsáveis, um total de 317 aderentes. A moeda veio a cair na inactividade, provavelmente ainda na segunda metade da década de 1990 (56). As notas emitidas, um pouco menores que as do dólar federal e usando imagens do local Parque Thomas Seigler na face e uma planta da zona PEN no verso, usaram tom verde e papel reciclado. Consideramos consubstanciarem o sistema USA-C-NeExch Neighborhood Exchange (com emissões entre 1993 e 199x). (55) Terá sido descontinuado entre 1997 e (56) Seguramente entre 1995 e Pág. 40

42 5.8. Hora Cascadia ( ) A Hora Cascadia - Cascadia Hour Exchange, ou apenas CHE - é a designação de uma moeda de trocas oriunda de um Clube de Trocas de Eugene e que se implantou também em Portland, as duas maiores cidades do estado de Oregon. A moeda - na linha da Hora Ithaca - teve origem num clube de trocas em Eugene e foi lançada em 1994, com cédulas datadas de A sua área de influência foi grandemente alargada, passando também a incluir Portland, a maior cidade do estado de Oregon. Não obstante não ser lastrada por dinheiro federal, tem uma equivalência informal de 1 Hora para 10 dólares federais. Tem site actual, que pode ser consultado em e é já uma das mais antigas moedas comunitárias norte-americanas em circulação. Foram emitidas cédulas de ¼, ½, 1, 2 e 4 Horas (equivalentes, respectivamente, a 2,5, 5, 10, 20 e 40 USD) (57). Consideramos consubstanciarem o sistema... USA-C-CHE Hora Cascadia (com emissões datadas desde 1993) Hora Santa Fé ( Jan) A Hora Santa Fe (Santa Fe Hour) foi uma moeda comunitária que circulou em Santa Fé, cidade com uma população estimada em um pouco mais de 70 mil habitantes, capital do estado do Novo México. A moeda foi lançada pela organização Santa Fe Greens, um movimento político de cariz ecológico, em Janeiro de 1994, então como um meio de propiciar trocas de bens e serviços entre cerca de 70 participantes. Ao contrário das suas congéneres, considerou não existir qualquer equivalência ao dólar federal. O projecto durou ainda alguns anos, vindo depois a ser descontinuado (58), provavelmente ainda durante a própria década de Consideramos que as cédulas emitidas consubstanciam o sistema (57) Imagem do site oficial (58) Terá sido descontinuado algures entre 1997 e Pág. 41

43 USA-C-HSanFe Hora Santa Fé (com emissões entre 1994 e 199x) Hora Lehigt Valley ( Mai) A Hora Lehigt Valley (Lehigh Valley Barter Hour, na sua designação completa em língua original) foi uma moeda comunitária que circulou nas cidades de Bethlehem, Eastan e Allentown, as três principais cidades da região do Vale de Lehigt, no estado da Pensilvânia. A moeda, que adoptou o nome da região, foi lançada em Maio de 1994 em Bethlehem, envolvendo então quase uma centena de participantes e quatro grandes estabelecimentos comerciais locais. Foi iniciado pelo Lehigh Valley Greens, uma organização de cariz político e ambientalista, e teve, como mecanismo de suporte de custos, a taxação dos aderentes. A moeda tornou-se inactiva em Dezembro de Consideramos que as cédulas emitidas, que abrangeram valores de ¼, ½ e 1 Hora (59), consubstanciam o sistema USA-C-HLeVal Hora Lehigt Valley (com emissões entre 1994 e 1997) Hora Portage (1994 Mai?) A Hora Portage (Portage Hour) foi uma moeda comunitária que circulou na cidade de Kent a Cidade das Árvores uma cidade de quase 30 mil habitantes do Condado de Portage, estado do Ohio. A moeda, que adoptou o nome do Condado, foi lançada na Primavera de 1994, envolvendo então uma centena de participantes e foi gerida pela organização sem fins lucrativos Portage Association for Community Economics (PACE). A moeda terá sido descontinuada provavelmente por volta do final da década de 1990 (60). (59) Imagem obtida no site (60) Entre 1997 e Pág. 42

44 Consideramos que as cédulas emitidas consubstanciam o sistema USA-C-HPort Hora Portage (com emissões entre 1994 e 199x) Hora Dillo ( Ago) A Hora Dillo (Dillo Hour) é uma moeda comunitária de Austin, cidade com mais de 750 mil habitantes, capital do estado do Texas. A moeda, um dos casos notáveis de longevidade, é emitida desde Agosto de 1994, tendo então começado com pouco mais de uma centena de aderentes e meia dezena de estabelecimentos comerciais locais. É emitida pelo Armadillo Trading Club e apoiada pela organização sem fins lucrativos Bioregional Congress. Na linha das moedas deste tipo, tem uma equivalência informal de 1 Hora para 10 dólares federais. Consideramos que as cédulas emitidas, que abrangeram valores de ¼, ½ e 1 Hora (61), consubstanciam o sistema USA-C-HDillo Hora Dillo (com emissões desde 1994) Hora Summit ( Set) A Hora Summit (Summit Hour) foi uma moeda comunitária que circulou em Akron, cidade com mais de 200 mil habitantes e sede do Condado de Summit, estado do Ohio. A moeda, cuja designação deriva do Condado onde circulou, foi lançada pela organização Quaker (62) American Friends Service Committee em Setembro de 1994, então envolvendo cerca de centena e meia de participantes. Na linha da valorização normal deste tipo de moedas, a Hora Summit teve a equivalência informal a 10 dólares federais. O projecto durou ainda alguns anos, vindo a ser descontinuado provavelmente no início da década de 2000 (63). As informações sobre a moeda constavam no site (61) Imagem obtida no site (62) Movimento de cariz religioso, tipicamente activista do ponto de vista social. Mais recentemente, tiveram participações importantes na criação da Amnistia Internacional e do Greenpeace. (63) Entre 1997 e 2004, provavelmente em Pág. 43

45 da American Friends Service Committee, o entretanto também já não activo. Consideramos que as cédulas emitidas consubstanciam o sistema USA-C-HSummi Hora Summit (com emissões entre 1994 e 200x) Barter Buck (1994) O Barter Buck foi uma moeda comunitária que circulou em Indianápolis, cidade com cerca de 800 mil habitantes, capital do estado de Indiana. A moeda foi lançada em 1994 e envolveu essencialmente dois grandes armazéns e apenas meia centena de aderentes. Foi suportado por uma organização sem fins lucrativos, a Positive Change Network, bem como por fundos recebidos de organizações religiosas e fundo privados. O projecto durou ainda alguns anos, vindo depois a ser descontinuado (64), provavelmente na segunda metade da década de Consideramos que as cédulas emitidas consubstanciam o sistema USA-C-BartB Barter Buck (com emissões desde 1994) Hora Cuyahoga ( Jan) A Hora Cuyahoga (Cuyahoga Hour) foi uma moeda comunitária que circulou na cidade de Cleveland, que com quase meio milhão de habitantes é a mais populosa cidade do estado do Ohio, sede do Condado de Cuyahoga. A moeda foi lançada em Janeiro de 1995 por acção de activistas estudantes e de outros membros da comunidade, com o apoio das organizações NE Ohio Greens e Women for Racial and Economic Equality. Veio a ser descontinuada provavelmente por volta do final da década de 1990 (65). (64) Terá sido descontinuado algures entre 1997 e A imagem da cédula foi obtida no site (65) Entre 1997 e Pág. 44

46 Consideramos que as cédulas emitidas consubstanciam o sistema USA-C-HCuyah Hora Cuyahoga (com emissões entre 1995 e 199x) Hora Columbia ( Abr) A Hora Columbia (Columbia County Hour) foi uma moeda comunitária que circulou na cidade de Columbia, uma das principais cidades do estado do Missouri, com mais de 100 mil habitantes. A moeda foi lançada em Abril de 1995, então apenas envolvendo meia centena de aderentes e com a impressão das cédulas a ser custeada por donativos de particulares. Essencialmente por falta de direcção, este projecto teve dificuldades em continuar a sua implantação logo após o surto de interesse inicial do ano de arranque, vindo desde aí a cair na inactividade (66). Consideramos que as cédulas emitidas consubstanciam o sistema USA-C-HColum Hora Columbia (com emissões entre 1995 e 199x) Hora Great Lakes ( Jul) A Hora Great Lakes (Great Lakes Hour, ou seja, Hora dos Grandes Lagos) foi uma moeda comunitária de Detroit, que com mais de 900 mil habitantes é a mais populosa cidade do estado de Michigan, conhecido centro mundial da indústria automóvel e a cidade dominante da região dos Grandes Lagos (os Great Lakes que dão o nome à moeda), situados na fronteira com o Canadá e que constituem o maior sistema de lagos de água doce do mundo. A moeda foi lançada em Julho de 1995 envolvendo menos de 100 aderentes e meia dúzia de grandes armazéns. Foi mantida pela organização Detroit Greens e outros grupos comunitários, que custearam os seus custos de produção. A moeda terá sido descontinuada por volta do final da década de 1990 (67). (66) Terá sido descontinuado entre 1996 e 2004, provavelmente ainda na década de (67) Entre 1997 e A imagem foi obtida no site Pág. 45

47 Consideramos que as cédulas emitidas consubstanciam o sistema USA-C-HGrLak Hora Great Lakes (com emissões entre 1995 e 199x) Mountain ( Jul) A moeda Mountain Money (Barter Partner Network Mountain Money, mais vulgarizado apenas como Mountain Money, ou seja, Dinheiro da Montanha, numa tradução literal) foi uma moeda comunitária de Mars Hill, pequena cidade de menos de 2 mil habitantes, do Condado de Madison, na Carolina do Norte. A moeda, que emergiu num grupo de trocas do Condado de Madison e que se estendeu aos condados adjacentes, foi lançada em Julho de 1995 envolvendo então uma centena de aderentes. Seguindo a filosofia da Hora, foi mantida pela organização sem fins lucrativos In Our Own Way. A tentativa de se alargar para o conceito de moeda local não foi bem sucedida por ausência de lojas aderentes e a moeda terá sido descontinuada ainda na segunda metade da década de 1990 (68). A mesma designação de Mountain Money mas agora com a abreviatura de MoMo viria a ser usada também para outra moeda comunitária em 2010, no Condado de Saguache, Colorado. As cédulas emitidas eram datadas e numeradas e abrangeram os valores de ¼, ½ e 1 Mountain (Hora). Consideramos consubstanciarem o sistema USA-C-MountM Mountain Money (com emissões entre 1995 e 199x) Hora Lopez ( Nov) A Hora Lopez (Lopez Island Hour) foi uma moeda comunitária que circulou na Ilha Lopez (Lopez Island), uma pequena ilha com cerca de 77 Km 2 e pouco mais de 2 mil habitantes do estado de Washington. (68) Entre 1997 e Várias destas informações, nomeadamente a correcta designação da moeda e os dados sobre a sua circulação, foram prestadas directamente por Anne Whitefield, uma das responsáveis pela criação do projecto. Foi ela também que, graciosamente, nos enviou a cédula cuja imagem aqui se reproduz. Pág. 46

48 A moeda, que adoptou o nome da ilha, foi lançada em Novembro de 1995, envolvendo então menos de meia centena de participantes. Foi gerida por uma associação de elementos locais, a Lopez Island Commonwealth. Ainda na década de 1990 terá começado a entrar em declínio e no início dos anos 2000 foi mesmo descontinuada (69). Consideramos que as cédulas emitidas consubstanciam o sistema USA-C-HLopez Hora Lopez (com emissões entre 1995 e 200x) Coconut (1995) O Coconut (Côco, numa tradução literal) foi uma moeda comunitária de Kilauea, povoação de cerca de 2 mil habitantes e de um modo mais geral para toda a ilha de Kauai onde se situa, no Condado de Kauai, estado do Hawai. A moeda foi lançada em 1995 por uma associação de voluntários locais, a KARMA (Kauai Alternative Resource Management Agency), visando funcionar numa lógica mista de moeda de troca e moeda local. Parafraseando os dólares federais, o verso das notas Coconuts contém a frase In Aloha we trust, que podemos considerar exprimir o sentido de Confiamos no Hawai (70). A moeda tinha paridade informal ao dólar federal. O projecto durou ainda alguns anos, vindo depois a ser descontinuado (71), mas informação ainda pode ser consultada no site Recentemente, outra moeda comunitária para Kauai tem vindo a ser discutida, havendo hipótese de vir a ser implementada no início da década de 2010 uma eventual Hora Kauai. Consideramos que as cédulas emitidas, que abrangeram os valores de 1, 5 e 10 Coconuts, consubstanciam o sistema USA-C-Cocon Coconut (com emissões entre 1995 e 200x). (69) Entre 2001 e 2004, provavelmente logo em (70) Aloha é uma palavra havaiana que originalmente tinha um sentido de afecto, compaixão, mas que evoluiu para um sentido de cumprimento afectuoso. Mas a frase In Aloha we trust poderá ser entendida como Confiamos no Hawai, dado que Aloha é também a alcunha do estado do Hawai (alcunhado de Aloha State ). (71) Entre 2002 e A imagem da nota, apenas a preto e branco, foi obtida no site Pág. 47

49 5.21. Hora Buffalo Mountain ( Jan) A Hora Buffalo Mountain (Buffalo Mountain Hour) é uma moeda de trocas de Hardwick, pequena cidade de apenas cerca de 3 mil habitantes, centro comercial de uma região agrícola no estado de Vermont. A moeda - na linha da Hora Ithaca - foi lançada em Janeiro de 1996 e, tal como ela, tem uma equivalência informal de 1 Hora para 10 Dólares federais. Ao todo, terão sido colocadas em circulação um valor total na ordem das 525 Horas, usadas por cerca de uma centena de aderentes. Provavelmente ainda durante a década de 1990, a moeda tornou-se inactiva (72). Consideramos que as cédulas emitidas, que abrangeram os valores de ¼, ½ e 1 Hora (equivalentes, respectivamente, a 2,5, 5 e 10 USD), consubstanciam o sistema... USA-C-HBuffM Hora Buffalo Mountain (com emissões entre 1996 e 199x) Hora Waldo ( Jan) A Hora Waldo (Waldo Hour) foi uma moeda comunitária de Unity, uma pequena cidade de apenas 2 mil habitantes, originalmente fundada por Quakers e actualmente sede de condado, do estado de Maine. A moeda foi lançada em Janeiro de 1996 então envolvendo menos de 100 aderentes e foi mantida essencialmente por receitas provenientes de taxas de adesão e publicidade. A Hora Waldo terá sido descontinuada por volta do final da década de 1990 (73). Consideramos que as cédulas emitidas consubstanciam o sistema USA-C-HWaldo Hora Waldo (com emissões entre 1996 e 199x) Hora Madison ( Mai) A Hora Madison (Madison Hour) é uma moeda comunitária de Madison, cidade de cerca de 210 mil habitantes, capital do estado de Wisconsin. (72) Terá ficado inactiva entre 1997 e (73) Terá sido descontinuada entre 1997 e Pág. 48

50 A moeda - na linha da Hora Ithaca - foi lançada em 6 de Maio de 1996 então pela Housing Co-op e, tal como a que a inspirou, tem uma equivalência informal de 1 Hora para 10 dólares federais. Nos seus cinco primeiros anos, a moeda teve bastante sucesso, tendo sido colocado em circulação um valor total de 3.600, usadas por quase meio milhar de aderentes, nomeadamente diversas entidades empresariais. O seu site actual é o As cédulas emitidas abrangem os valores de ¼, ½ e 1 Hora (equivalentes, respectivamente, a 2,5, 5 e 10 USD), não são datadas e são numeradas, mas apenas por aposição de um carimbo no verso (74). Consideramos consubstanciarem o sistema... USA-C-HMadis Hora Madison (com emissões desde 1996) Hora Simply ( Jun) A Hora Simply (Simply Hour) foi uma moeda comunitária que circulou na cidade de Columbus, a capital do estado de Ohio e actualmente já com mais de 750 mil habitantes. A moeda foi criada pela organização sem fins lucrativos Simply Living e foi lançada em Junho de Terá sido descontinuada pouco anos depois (75). Consideramos que as cédulas emitidas consubstanciam o sistema USA-C-HSimpl Hora Simply (com emissões entre 1996 e 199x) Dólar Equal ( Out) O Dólar Equal (Equal Dollar ou Dólar Igual, numa tradução à letra) é uma moeda comunitária de Filadélfia, a maior cidade do estado de Pensilvânia. (74) A imagem é de cédula de colecção pessoal. (75) Terá sido descontinuado entre 1997 e O logótipo é da Simply Living, obtido no site oficial Pág. 49

51 A moeda, cujo símbolo é =$, foi lançada em Outubro de 1996 com o apoio da associação com a Resource for Human Development, uma organização responsável pela implementação de mais de centena e meia de projectos de índole humanitária. Com paridade com o dólar federal, cerca de 100 mil Dólar Equal foram emitidos nos primeiros cinco anos de circulação, envolvendo mais de mil participantes (76). O seu site oficial é o Foram emitidas cédulas de 1, 5, 10 e 20 Dólares que consideramos consubstanciarem o sistema... USA-C-DEqual Dólar Equal (com emissões desde 1996) Hora Green Mountain ( Out) A Hora Green Mountain (Green Mountain Hour, ou apenas GMH) é uma moeda comunitária de Montpelier, cidade de cerca de 8 mil habitantes, capital do estado de Vermont (é a mais pequena cidade norte-americana capital de estado federal). A moeda foi lançada em Outubro de 1996 e - na linha da Hora Ithaca e da sua vizinha Hora Buffalo Mountain lançada poucos meses antes - teve uma equivalência informal de 1 Hora para 10 Dólares federais. Curiosamente, o seu lançamento esteve associado a uma movimento que visou impedir o estabelecimento de uma loja McDonalds na cidade. Nos seus cinco primeiros anos, foi colocado em circulação um valor total superior a 600 Horas, usadas por mais de uma centena de aderentes, dos quais cerca de ¾ individuais e ¼ entidades comerciais, o que viabilizou a sua utilização quer como moeda de troca quer como moeda local. A moeda foi entretanto descontinuada, cerca do ano 2005 (77). O seu site, já inactivo, era o (76) Números que se terão mantido nos anos subsequentes. A imagem foi retirada do site oficial (77) Segundo informação prestada directamente pelo seu criador, Steven Gorelick, em Março de 2010, terá sido descontinuada por volta de A imagem é do verso de cédula de colecção pessoal, onde consta a assinatura de Steven Gorelick. Pág. 50

52 As cédulas emitidas, não datadas, abrangeram os valores de 1 / 10, ¼, ½ e 1 Hora (equivalentes, respectivamente, a 1, 2,5, 5 e 10 USD), eram numeradas e impressas localmente em papel de fabrico artesanal feito de feno e de folha de milho(!). Consideramos consubstanciarem o sistema... USA-C-HGreeM Hora Green Mountain (com emissões entre 1996 e 2005) Mo ( Out) O dinheiro de Mo (Mo Money (78) ) foi uma moeda comunitária de Nova Orleães, a mais populosa cidade do estado do Louisiana, com cerca de 340 mil habitantes e a considerada cidade-berço do jazz. A moeda, que derivou essencialmente de um projecto de trocas comunitárias, foi lançada em Outubro de 1996 e era gerida pela Campus Affiliate Project. Seguindo uma filosofia na linha da Hora, tinha no entanto uma equivalência informal a apenas 5 dólares federais (ao invés do mais usuais 10 ou dos menos habituais 12). A moeda terá sido descontinuada cerca do final da década de 1990 (79). As cédulas abrangeram apenas o valor de 1 Mo e eram feitas de um curioso papel reciclado com polpa de caule de banana(!). Consideramos consubstanciarem o sistema USA-C-Mo Mo (com emissões entre 1996 e 199x) Hora Chenango ( Nov) A Hora Chenango (Chenango Hour) foi uma moeda comunitária que circulou na cidade de New Berlin e, de um modo geral, no condado de Chenango, um condado com pouco mais de 50 mil habitantes do estado de Nova Iorque. A moeda, com origem numa experiência anterior de trocas por computador, foi lançada em Novembro de 1996, então envolvendo uma centena de participantes e meia dúzia de localmente importantes estabelecimentos comerciais. (78) Também o título de um filme de (79) Terá sido descontinuada entre 1998 e A imagem foi obtida no ex site oficial Web.archive.org/Web/ /members.aol.com/ALinNOLA/MoMoney.html. Pág. 51

53 O projecto durou pouco tempo, vindo depois a ser descontinuado, provavelmente ainda durante a década de 1990 (80). Consideramos que as cédulas emitidas consubstanciam o sistema USA-C-HChen Hora Chenango (com emissões entre 1996 e 199x) Hora Sound ( Dec) A Hora Sound (Sound Hour) é uma moeda comunitária de Olympia, uma cidade de apenas pouco mais de 40 mil habitantes mas que é a capital do estado de Washington. A moeda outra influenciada pela Hora Ithaca - foi lançada em Dezembro de 1996 por estudantes do colégio South Puget Sound e a organização Sustainable Community Roundtable (que encomendou um kit da Hora Ithaca), inicialmente com um total de Horas e envolvendo três centenas de participantes. Tal como as outras deste tipo, tem uma equivalência informal de 1 Hora para 10 Dólares federais. Nos anos subsequentes, o montante em circulação duplicou, aproximandose das Horas (46 mil USD) usadas por cerca de meio milhar de aderentes. A moeda foi entretanto já descontinuada, não se encontrando em circulação já em finais da década de 2000 (81), mas em 2008 uma nova moeda virtual (apenas usada como medida de valor on-line) com origem em o Life Dollar (82) assumiu a validade das cédulas ainda disponíveis, permitindo o seu câmbio. As cédulas emitidas abrangeram os valores de 1 / 10, 1 / 5 e 1 Hora (equivalentes, respectivamente, a 1, 2 e 10 USD) e eram numeradas. Consideramos consubstanciarem o sistema... USA-C-HSound Hora Sound (com emissões entre 1996 e 199x). (80) Terá sido descontinuado entre 1997 e (81) Terá sido descontinuada entre 2005 e 2008, provavelmente em A imagem da cédula foi obtida no site (82) Que assumiu esta designação precisamente em 2008, pois antes designou-se apenas Fourth Corner Exchange currency, Time Dollar e Terra Dollar. Apesar da designação Dollar, tem características essencialmente de Hora. Pág. 52

54 5.30. Dólar Sand ( Mar) O Dólar Sand (Sand Dollar) foi uma moeda comunitária que circulou em Bolinas, um aglomerado urbano de pouco mais de mil habitantes situado na área da baía de São Francisco, Califórnia. A moeda, que nasceu de um Clube de Trocas estudantil, foi lançada em Março de 1997, envolvendo então menos de uma centena de participantes e apenas um grande estabelecimento comercial. Tinha paridade informal ao dólar federal. Ainda na década de 1990, a moeda começou a entrar em declínio e foi mesmo descontinuada (83). Consideramos que as cédulas emitidas consubstanciam o sistema USA-C-DSand Dólar Sand (com emissões entre 1997 e 199x) Community Cash ( Mai) Community Cash ( Dinheiro Comunitário, numa tradução literal) foi uma moeda comunitária que circulou em Durango, uma cidade de cerca de 14 mil habitantes, sede do Condado La Plata, estado do Colorado. A moeda com o curioso símbolo Ca$h - surgiu na sequência de um Clube de Trocas e foi lançada em Maio de 1997, envolvendo então menos de uma centena de participantes (com uma taxa de adesão de 10 dólares federais) e meia dezena de grandes estabelecimentos comerciais. Foi gerida pela organização Women's Resource Center, uma organização de apoio social a mulheres. Ainda na década de 1990, a moeda começou a entrar em declínio e foi mesmo descontinuada, provavelmente logo no início da década de 2000 (84). Consideramos que as cédulas emitidas, cuja estética foi objecto de um alargado concurso local, curiosamente aberto a todas as idades incluindo crianças em idade escolar, consubstanciam o sistema USA-C-CoCash Community Cash (com emissões entre 1997 e 200x). (83) Provavelmente em (84) Até 2004, provavelmente em A imagem foi obtida no arquivo do site Pág. 53

55 5.32. Hora BREAD ( Mai) A Hora BREAD (também denominada Berkeley Bread) foi uma moeda local que circulou em Berkeley, cidade de um pouco mais de 100 mil habitantes, situada na costa da Baía de São Francisco, na Califórnia. A moeda foi lançada em Maio de 1997 pela associação BREAD (Berkeley Region Exchange And Development) que assim lhe deu o nome, homógrafo de Bread ( Pão ) associação aliás explorada na estética das próprias cédulas emitidas. Contava então com apenas pouco mais de duas dezenas de participantes, número que ascendeu a mais de três centenas (entre os quais duas dezenas de estabelecimentos comerciais) com a implantação da moeda. Seguindo a filosofia da Hora, a organização optou pela equivaler da sua Hora a 12 dólares federais. Logo no primeiro ano foram emitidas mais de 850 Horas (num valor equivalente superior a 10 mil dólares), estimando-se em cerca de 30 mil dólares o valor total emitido durante a vigência da moeda (85). A moeda tornou-se inactiva durante a primeira metade da década de 2000 (86). As cédulas emitidas abrangeram os valores de ¼, ½ e 1 Hora. Consideramos consubstanciarem o sistema USA-C-HBREAD Hora BREAD (com emissões entre 1997 e 200x) Greenback ( Jun) Greenback (Brooklyn Greenback) foi o nome dado a uma moeda comunitária que circulou em Brooklyn, uma área urbana densamente povoada e com cerca de 2,5 milhões de habitantes da cidade de Nova Iorque, estado do mesmo nome. A moeda, outra inspirada na Hora Ithaca, foi lançada em Junho de 1997 por iniciativa do partido político Brooklyn Green Party (87) com apoios do Central Brooklyn Partnership, do Brooklyn Society for Ethical Culture e do Central Brooklyn Federal Credit Union. Envolveu cerca de 200 aderentes, que assim trocavam bens e (85) Informação de Julho de A imagem da cédula foi obtida no site (86) Sabemos que estava já inactiva em (87) A imagem ao lado é o logo deste partido de cariz ecologista. Pág. 54

56 serviços entre eles, mas também 4 grandes armazéns, que permitiam a sua utilização também como moeda local. Foi objecto de equivalência informal a 12 dólares federais. Manteve-se em actividade até 2001 tendo sido emitidas cédulas num valor total de cerca de dólares. Consideramos que as cédulas emitidas, que abrangeram os valores de 1 / 8, ¼, ½ e 1 Greenback (respectivamente equivalentes a 1,5, 3, 6 e 12 dólares), consubstanciam o sistema USA-C-Greenb Greenback (com emissões entre 1997 e 2001) Hora Gainesville ( Jun) A Hora Gainesville (Gainesville Hour) foi uma moeda comunitária que circulou em Gainesville, cidade de cerca de 115 mil habitantes, sede do Condado de Alachua, na Flórida. A moeda foi lançada em 22 de Junho de 1997, num contexto de moeda de trocas pela organização Gainesville Barter Network. Seguindo o normal neste tipo de moeda, tinha uma equivalência informal a 10 dólares federais. Até ser descontinuada, cerca do ano de 2003, várias centenas de Horas foram colocadas em circulação (88). O seu site base, também já descontinuado, era o As cédulas eram feitas de papel espesso reciclado e a estética ficou a cargo de artistas locais. Tinham número de série (a três dígitos) à mão e aspecto bem curioso - cada cédula tinha inscrito em azul claro as iniciais de quem a tinha recebido e colocado em circulação. Foram emitidas cédulas de 1 Hora (desde 1997) e de ¼ Hora (desde 1998). Consideramos consubstanciarem o sistema USA-C-HGain Hora Gainesville (com emissões entre 1997 e 2003) Thread City Bread ( Jul) Thread City Bread foi o nome dado a uma moeda comunitária que circulou em Willimantic, uma cidade com cerca de 16 mil habitantes do estado de Conecticute. (88) Em 2001 existiam cerca de 600 Horas em circulação. Pág. 55

57 A moeda foi lançada em Julho de 1997 e, não obstante o nome, seguiu a filosofia da Hora inspirada na Hora Ithaca, com a Hora Thread City Bread a ter uma equivalência informal a 10 dólares federais. Foi gerida por um grupos de pessoas locais, que constituíram o Thread City Bread Committee e a moeda foi custeada essencialmente por donativos e taxas dos aderentes. No ano seguinte ao seu lançamento, circulavam 320 Horas (equivalentes a dólares) envolvendo cerca de uma centena de aderentes. A moeda veio a ser descontinuada, provavelmente cerca do início da década de 2000 (89). As cédulas emitidas abrangeram apenas os valores de ¼ e 1 Hora (respectivamente equivalentes a 2,5 e 10 dólares), eram numeradas e foram impressas localmente na Hall and Bill Printing Company. Consideramos consubstanciarem o sistema USA-C-ThCBr Hora Thread City Bread (com emissões entre 1997 e 200x) Berea Buck ( Dec) O Berea Buck foi uma moeda comunitária de Berea, uma cidade de cerca de 10 mil habitantes do Condado de Madison, estado do Kentucky. A moeda foi lançada em Dezembro de 1997 pela Mountain Association for Community Economic Development (MACED), com apoio do banco People¹s Bank of Madison County, da Berea Chamber of Commerce e do Turismo de Berea e envolvendo 38 comerciantes locais que concordaram em aceitar a moeda como pagamento, total ou parcial, de seus produtos e serviços a par com o dólar federal. No total, terão sido emitidos 6 mil Berea Bucks (equivalente a 6 mil dólares). A moeda terá sido descontinuada cerca do início da década de 2000 (90). Foram emitidas cédulas de 2 e 10 Berea Bucks (2 e 10 dólares), que consideramos consubstanciarem o sistema USA-C-BereaB Berea Buck (com emissões entre 1997 e 200x). (89) Sabemos que em 2004 já não estava activa. (90) Provavelmente por volta de Pág. 56

58 5.37. Burlington Bread ( Mai) Burlington Bread (O Pão de Burlington, numa tradução literal) foi o nome dado a uma moeda comunitária que circulou em Burlington, a maior cidade do estado de Vermont, com cerca de 40 mil habitantes. A moeda teve essencialmente dois momentos: em 1998 e em Em 1998 foi criada pelo Burlington Currency Project, tendo tido a sua primeira emissão em Maio desse ano. Envolveu cerca de uma centena de aderentes, que se quotizavam, e uma dúzia de grandes estabelecimentos locais. Tinha uma equivalência informal ao dólar federal. As cédulas, apenas a preto-e-branco, abrangeram então os valores de 1, 5 e 10, tendo sido emitidas duas séries, uma em 1998 e outra em Após um período de acalmia, reviveu em 2004 na sequência de uma convenção realizada na cidade e da adesão de um importante outfit local que aceitou o pagamento até 50% das compras aí efectuadas. Nesta segunda fase, nova emissão foi efectuada, agora no montante total de 15 mil dólares (Bread), valor entretanto duplicado em cinco anos. Pouco depois, no entanto, caiu novamente na inactividade (91).O seu antigo site, foi também já descontinuado. Consideramos que as cédulas emitidas, que abrangeram os valores de 1, 5, 10 e 20 Bread (também referidos como Slices, ou seja, Fatias ), consubstanciam o sistema USA-C-BBread Burlington Bread (com emissões entre 1998 e 200x). (91) Provavelmente por volta de As imagens das cédulas, representativas de ambas as fases, foram obtidas no site Pág. 57

59 5.38. Hora Sonoma (1998) A Hora Sonoma (Sonoma County Community Cash, passando posteriormente a Sonoma Time Hour) foi uma moeda comunitária de Santa Rosa, cidade com cerca de 155 mil habitantes, situada na área da Baía de São Francisco e capital do Condado de Sonoma, na Califórnia. A moeda, outra das que se basearam na Hora Ithaca, foi lançada em Inicialmente, a sua Hora foi valorizada em 10 dólares federais, valor que foi alterado pela organização em 1 de Janeiro de 2000, para 20 dólares e envolveu cerca de três centenas de aderentes e vários estabelecimentos comerciais. Como mecanismos de recuperação de custos contemplou um custo de adesão de 20 dólares e a inclusão de link para um site de aderentes, então com um custo de 5 dólares. A moeda caiu na inactividade em O seu antigo site, também já não está activo. As cédulas emitidas, que apenas abrangeram os valores de ¼ e 1 Hora, usaram um papel especial feito de dólares federais reciclados (feito pela Crane & Company), com a estética a ser da responsabilidade de artistas locais (92). Consideramos consubstanciarem o sistema USA-C-HSonom Hora Sonoma (com emissões entre 1998 e 2000) SEED ( Fevereiro) SEED sigla de Self-sufficient Ecological Economic Development (ou Mendocino SEED, na sua versão original completa) foi uma moeda comunitária de Fort Bragg, uma cidade de um pouco mais de 7 mil habitantes, do Condado de Mendocino, estado da Califórnia. A moeda, cuja designação joga com o termo seed ( semente ), foi lançada em 28 de Fevereiro de 1999 pela organização sem fins lucrativos Educational Explorations. A moeda foi baseada na filosofia da Hora Ithaca a SEED equivalia a uma Hora ou 10 dólares federais e envolveu inicialmente 160 aderentes, (92) Vária desta informação foi amavelmente fornecida por Mike Reins - que também nos proporcionou a própria cédula de cuja imagem de apresenta - um dos co-fundadores da moeda, bem como por Michael Sandler, outro dos responsáveis. A imagem oval consta no verso de ambas as cédulas. Pág. 58

60 número que cresceu para 3 centenas em 2001 e cerca de SEED em circulação. A moeda ter-se-á tornado inactiva na primeira metade da década de 2000 (93). USA-C-SEED SEED (com emissões entre 1999 e 200x). As cédulas abrangeram os valores de 1/ 8, ¼, ½ e 1 SEED. Consideramos consubstanciarem o sistema Hora Blooming ( Setembro) A Hora Blooming (Blooming Hour) foi uma moeda comunitária que circulou em Bloomington, uma cidade com cerca de 72 mil habitantes, sede do Condado de Monroe, estado de Indiana. A moeda foi lançada em Setembro de 1999 pela BloomingHOURS Local Currency and Exchange com o apoio da Bloomingfoods Coop e, seguindo o normal do sistema Hora, tinha uma equivalência informal a 10 dólares federais. O seu uso envolveu mais de duas centenas de aderentes e meia centena de estabelecimentos comerciais e, em 2001, existiam 720 Horas (equivalente portanto a dólares) em circulação. A moeda caiu na inactividade durante a primeira metade da década de 2000 (94). As cédulas emitidas abrangeram os valores de ¼, 1/2 e 1 Hora (respectivamente equivalentes a 2,5, 5 e 10 dólares). Consideramos consubstanciarem o sistema USA-C-HBloom Hora Blooming (com emissões entre 1999 e 200x) Tucson Token (1999) O Tucson Token foi uma moeda comunitária que circulou em Tucson, uma cidade com mais de meio milhão de habitantes, sede do Condado de Pima, estado do Arizona, a cerca de 100Km da fronteira mexicana. (93) Entre 2001 e A imagem foi obtida no site (94) Entre 2001 e Pág. 59

61 A moeda foi lançada em 1999 pela Tucson Traders, um clube de trocas local em funcionamento desde Tinha uma equivalência informal a par com o dólar federal e chegou aos 10 mil Tokens em circulação, usados para aquisições estimadas no valor de cerca de 40 mil dólares. Cerca de 2 centenas de aderentes e três dezenas de estabelecimentos locais, usavam a moeda como moeda local. Em 2001 a moeda foi descontinuada pelos responsáveis, se bem que ainda por alguns anos tenha continuado a ser usada de forma limitada (95). Terá caído na inactividade por volta de As cédulas emitidas, algo artesanais, abrangeram os valores de 1, 5 e 20 Tucson Tokens. Consideramos consubstanciarem o sistema USA-C-TucTok Tucson Token (com emissões entre 1999 e 2005) Dólar High Desert ( Jan) O Dólar High Desert (High Desert Dollar ou apenas HDD) foi uma moeda comunitária que circulou em Prescott, uma cidade com cerca de 43 mil habitantes, situada no Condado de Yavapai, estado do Arizona. A moeda foi lançada em Janeiro de 2000, emitida pela organização sem fins lucrativos Central Arizona Mutual Credit Association (CAMCA), com uma equivalência informal a par ao dólar federal. A sua utilização não apenas a Prescott, mas igualmente a uma relativamente vasta área, que incluía Prescott Valley, Chino Valley e comunidades adjacentes, nomeadamente Jerome, Sedona e Verde Valley. Para além disso, estabeleceu um protocolo de aceitação recíproca com a Flagstaff Neighborly Notes, da vizinha cidade de Flagstaff, o que alargou ainda mais a sua área de influência. A moeda terá sido já descontinuada, talvez ainda durante a primeira metade da década de 2000 (96). As cédulas emitidas abrangeram os valores de 1, 5, 10 e 20 Dólares, que consideramos consubstanciarem o sistema USA-C-DHiDes Dólar High Desert (com emissões entre 2000 e 200x). (95) Informações prestadas por um dos fundadores, o escritor Dan Dorsey, em Março de Dados de 2005 referem que algumas cédulas estariam ainda em circulação. A imagem foi obtida no site (96) Sabemos estar já descontinuada em Pág. 60

62 5.43. FNN ( Ago) As Flagstaff Neighborly Notes FNN constituíram uma moeda local de Flagstaff, uma cidade de cerca de 60 mil habitantes e sede do Condado de Cocomino, no Arizona. A moeda, cuja tradução à letra seria Notas de Vizinhança de Flagstaff, baseouse no conceito de hora padrão de trabalho, que, como habitual nos EUA, fez equivaler a 10 Dólares norte-americanos. Gerida pela Flagstaff Tea Party, foi lançada em Agosto de 2000 então com cerca de 320 Horas (3.200 USD) colocados em circulação, aceites por apenas cerca de uma dezena de comerciantes locais e algumas organizações sem fins lucrativos. Foi estabelecido ainda um protocolo de aceitação recíproca com a moeda Dólar High Desert, da vizinha cidade de Prescott. O tempo de vida da moeda foi curto, tendo sido descontinuada ainda na primeira metade da década de 2000 (97). O seu antigo site - igualmente já não se encontra activo. As cédulas emitidas abrangeram os valores de 1, ½ e 1 / 10 de Hora, com equivalência, respectivamente, a 10, 5 e 1 Dólar. Consideramos consubstanciarem o sistema... USA-C-FNN FNN (com emissões entre 2000 e 2003) Dólar REAL ( Set) O Dólar REAL (REAL Dollar) é uma moeda comunitária de Lawrence, cidade com cerca de 91 mil habitantes, sede do Condado de Douglas, no estado do Kansas. O nome dado à moeda é um curioso trocadilho pois há a tendência de ser lido e entendido como Dólar Real, quando os seus criadores dizem que REAL é um acrónimo de Realizing the Economic Alternatives in Lawrence. A moeda foi lançada em Setembro de 2000 e é gerida pela Lawrence Trade Organization (LTO). Um dos seus criadores, Boog Highberger, tinha já também estado envolvido na tentativa de lançar outra moeda comunitária em Lawrence (97) Em 2002/2003. A imagem é de cédula de colecção pessoal. Pág. 61

63 em meados da década de 1990, a Hora Larry/Konza, que no entanto não se concretizou (98). Tem equivalência a par ao dólar federal e é na totalidade escorada por esta moeda. A sua grande actividade deu-se no seu primeiro ano de circulação, em que se estima que cerca de 8 mil dólares terão sido lançados e aceites por uma centena de comerciantes locais. Apesar deste sucesso inicial, em 2004 a moeda era já dada como inactiva. As cédulas emitidas abrangeram os valores de 1, 3 e 10 Dólares REAL (99). Consideramos consubstanciarem o sistema USA-C-DREAL Dólar REAL (com emissões entre 2000 e 2004) Hora OURS ( Set) A Hora OURS (Oneonta s Useful Responsible Spending Hour na sua versão completa original) foi uma moeda comunitária que circulou em Oneonta, uma cidade de cerca de 14 mil habitantes do estado de Nova Iorque. A moeda, também referida apenas como Oneonta Hour, foi lançada em Setembro de 2001, muito sob a iniciativa individual de uma comerciante local (100), num contexto misto de Moeda de Trocas e Moeda Local, na linha do modelo Hora Ithaca. A sua designação é um curioso trocadilho com a palavra Ours ( Nossos, que no contexto de OURS Hours se traduziria por Nossa Hora ). Seguindo o padrão normal das moedas Hora, tinha uma equivalência informal a 10 dólares federais e um total equivalente a dólares (250 Horas) foi emitido nos primeiros meses de circulação. (98) Dennis Boog Highberger veio, mais tarde, a ser Mayor da cidade de Lawrence. (99) Imagem retirada do site oficial web.archive.org/web/ /lto.lawrence.ks.us/home.htm. (100) Annie Avery, responsável pela mercearia Green Earth. A imagem da nota foi obtida no site oficial da Hora Ithaca. Pág. 62

64 A moeda veio a ser descontinuada, provavelmente durante a segunda metade da década de 2000 (101). Tanto quanto saibamos, o anunciado site da moeda nunca se chegou a concretizar. As cédulas emitidas abrangeram os valores de ¼, ½ e 1 Hora. Consideramos consubstanciarem o sistema USA-C-HOURS Hora OURS (com emissões entre 2001 e 200x) Hora Floyd ( Out) A Hora Floyd (Floyd Hour) foi uma moeda comunitária que circulou em Floyd, antigamente designada por Jacksonville, uma pequena povoação de apenas meio milhar de habitantes, mas sede do Condado com o mesmo nome, no estado da Virgínia. A moeda, também referida como Floydian Scrip, foi lançada em 16 de Outubro de 2001 pela Floyd Hours, Inc. na sequência de um fórum sobre moeda local no ano anterior e inserida num contexto já antigo e de sucesso de trocas locais sem apoio de moeda física. A produção da moeda foi essencialmente custeada por donativos e venda de publicidade e veio também a ser usada como moeda local, aceite em alguns estabelecimentos comerciais locais. Aliás, foi precisamente quando estes estabelecimentos se recusaram a continuar a aceitar a moeda, pois já não a conseguiam fazer escoar, é que esta entrou rapidamente em declínio, vindo a ser descontinuada durante a segunda metade da década de 2000 (102), muito depois, no entanto, da Floyd Hours Inc. se ter dissolvido. As cédulas emitidas, cuja estética contemplava temas locais, apenas abrangeram os valores de ¼ e 1 Hora. Consideramos consubstanciarem o sistema USA-C-HFloyd Hora Floyd (com emissões entre 2001 e 200x) Hora Baltimore ( Mai) A Hora Baltimore (Baltimore Hour) é uma moeda comunitária de Baltimore, cidade com quase 650 mil habitantes, a maior cidade e o centro cultural do estado de Maryland. (101) Terá caído na inactividade entre 2002 e (102) Sabemos que ainda circulava em 2007, embora há muito a organização responsável já tivesse cessado a sua actividade. Pág. 63

65 A moeda começou a ser desenvolvida em Abril de 2001, sob influência da Berkeley Bread e foi lançada formalmente em Maio de 2002, essencialmente pela iniciativa individual de Brad Johnson, com apoio da Baltimore Community Foundation. Incidiu então sobre áreas específicas da cidade, nomeadamente Waverly e Charles Village e envolveu duas centenas de aderentes (que pagavam uma taxa de inscrição entre 1 e 25 dólares federais) e alguns estabelecimentos comerciais, numa lógica mista de moeda de troca e moeda local. Na linha das moedas deste tipo, teve uma equivalência informal de 1 Hora para 10 dólares federais. Este projecto foi de curta duração; a Hora Baltimore caiu na inactividade logo no ano seguinte, em Consideramos que as cédulas emitidas, que abrangeram valores de 1 / 10, ¼, ½ e 1 Hora, consubstanciam o sistema USA-C-HBalt Hora Baltimore (com emissões entre 2002 e 2003) Hora Corvallis ( Mai) A Hora Corvallis (Corvallis Hour Exchange e daí que seja também designada por Hour Exchange) é uma moeda comunitária de Corvallis, cidade de cerca de 50 mil habitantes, sede do Condado de Benton, estado de Oregon. A moeda foi lançada em Maio de 2002 e seis meses depois havia já quase 500 Horas em circulação. Como habitual neste tipo de moedas, a Hora Corvallis tem uma equivalência informal a 10 dólares federais. A esta primeira emissão seguiu-se outras em Maio de 2004 e em 2007 havia já mais de Horas (equivalente a 12 mil dólares) em circulação, envolvendo mais de uma centena de aderentes, incluindo duas dezenas de entidades comerciais e de produção agrícola. O seu site, actual, é o As cédulas emitidas abrangem os valores de 1 / 8, ¼, ½ e 1 Horas Corvallis (respectivamente equivalentes a 1.25, 2.5, 5 e 10 dólares), são numeradas e seladas a relevo (103). Consideramos consubstanciarem o sistema USA-C-HCorv Hora Corvallis (com emissões desde 2002). (103) A imagem é de cédula de colecção pessoal, obtida com a simpática colaboração das responsáveis Christina Calkins e Courtney Childs. Pág. 64

66 5.49. Plenty ( Out) A Plenty (com o símbolo P ) é uma moeda comunitária da região de Piedmont, zona planáltica do estado da Carolina do Norte, com organização actual sediada em Pittsboro, sede do condado de Chatham, mas abrangendo ainda os condados adjacentes de Orange, Durbon e parte do de Alamance. A moeda, cujo nome deriva de Piedmont Local EcoNomy Tender, teve dois momentos distintos: 2002 e Em 2002, o seu início, adoptou uma lógica similar às de outras moedas baseadas na Hora, com a sua unidade Plenty a ter uma equivalência informal a 10 Dólares federais. Foi lançado em Outubro de 2002 e era gerido pela organização sem fins lucrativos NCPlenty. Foram então emitidas cédulas de10, 5, 1, ½ e ¼ Plenty em papel de bambu. Centrado em Chapel Hill, cidade do condado de Orange, visou uma mais vasta região que incluía Orange, Durham e partes dos condados adjacentes de Chatham e Alamance. Terá sido colocado em circulação um valor total superior a 8 mil dólares. Após um período de quebra, em que a moeda praticamente cessou de circular, o Plenty foi reavivado em Maio de 2009, agora abandonando a lógica da Hora para passar a adoptar a do Dólar, com cédulas de 1, 5, 10, 20 e 50 Plenty, de estética igual às anteriores. Como curiosidade, refira-se que a nova organização, agora sediada em Piedmont, honrou as emissões de 2002 considerando-as ainda válidas. Como incentivo, as cédulas de 2009, no valor total de 15 mil Plenty, começaram por ser adquiridas na base de 10 Plenty para 9 dólares federais - o que incorporava assim, desde logo, um desconto de 10% nas aquisições usando a moeda comunitária - mas tal cessou em Julho de 2009, passando o Plenty a ficar valorizado a par com o dólar federal. O site mais antigo ainda pode ser consultado é o e o actual é o theplenty.org. Consideramos que as cédulas emitidas (104), na primeira e na segunda fase, consubstanciam o sistema... USA-C-Plenty Plenty (com emissões desde 2002). (104) A imagem ao lado é a comum do verso das várias cédulas, quer das de 2002, quer das de Imagem obtida no site oficial (de 2002) Pág. 65

67 5.50. Hora NoCo (2002) A Hora NoCo (NoCo vem de Northern Colorado) é uma moeda comunitária de Fort Collins, uma cidade com quase 140 mil habitantes, sede do Condado de Larimer, no estado do Colorado. A moeda foi lançada em 2002 no âmbito da organização Northern Colorado Local Currency and Barter Project com apoio do Center for Justice Peace and Environment e visou constituir-se não só como moeda local mas igualmente como moeda de apoio à rede de trocas. As cédulas emitidas abrangem apenas o valor de 1 / 2 Hora (105). Consideramos consubstanciarem o sistema USA-C-HNoCo Hora NoCo (com emissões desde 2002) Leaps (2003?) A Leaps é uma moeda comunitária da Ecovila Earthaven, situada a uma centena de quilómetros a sudeste de Asheville, no estado da Carolina do Norte. A Ecovila (106) Earthaven foi formada em 1994 uma meia centena de indivíduos vivendo em associação num terreno de cerca de 130 hectares. De acordo com uma lenda local, teria sido já o local de uma antiga povoação índia, provavelmente Cherokee. A vivência faz-se de acordo com princípios de Permacultura (107) e os seus habitantes são chamados a desempenhar um número médio de horas semanais (estipulada em 4) de trabalho comunitário. A moeda Leap surgiu, provavelmente em 2003, não só como forma de regular esse trabalho, mas também a se constituir como uma moeda de trocas de bens e serviços. O seu site actual é o A moeda que segue assim o clássico conceito de Hora - tem uma (inesperada) equivalência informal a uns invulgares 7 dólares federais. Consubstanciada em (105) Imagem de cédula obtida no site (106) O conceito de Ecovila tem que ver com uma comunidade que voluntariamente se concentra num dado espaço rural formando uma povoação, ou comuna, que prima por viver de acordos com regras de especial respeito pela natureza. (107) Método holístico para planejar, actualizar e manter sistemas de escala humana (jardins, vilas, aldeias e comunidades) ambientalmente sustentáveis, socialmente justos e financeiramente viáveis (Wikipédia). Pág. 66

68 papel-moeda colorido e brilhante com os dizeres tender and kind visionary economics ( uma economia visionária terna e amável, numa tradução literal), abrange os valores de ¼, ½ e 4 Leaps. Consideramos consubstanciar o sistema... USA-C-Leaps Leaps (com emissões desde 2003?) Common Cents ( Jul) Common Cents (Common Cents Community Currency, na sua versão original e completa) foi uma moeda comunitária de Cobleskill, uma cidade com menos de 7 mil habitantes situada no Condado de Schoharie, estado de Nova Iorque. A moeda cujo nome faz um curioso trocadilho com Senso Comum ( Common Sense na língua original) - foi lançada em 1 de Julho de 2004 por um conjunto de pessoas e de entidades comerciais locais, visando a sua utilização essencialmente como moeda local. Não obstante, a filosofia seguida foi a da tradicional Hora (mais adaptada à sua utilização como ou também - moeda de troca). A implantação da moeda acabou por não ser consolidada e esta veio a ser descontinuada pouco depois (108). Consideramos que as cédulas emitidas, que abrangeram valores de 1 / 10, ½ e 1 Hora, consubstanciam o sistema USA-C-CCents Common Cents (com emissões entre 2004 e 200x) Dólar de Humboldt County ( Jul) O Dólar de Humbolt County é uma moeda comunitária dirigida ao Condado de Humboldt (Humboldt County) - um dos 58 condados do estado norte-americano da Califórnia - baseada no dólar e associada a uma lista de ofertas e procuras de trabalhos e serviços, incentivando assim a maior criação de emprego local. A ideia surgiu em Julho de 2004, inicialmente na cidade de Arcata, mas veio a ser adoptada pela Democracy Unlimited of Humboldt County, sediada em Eureka e responsável pela Humboldt Exchange Community Currency, uma organização sem fins lucrativos. Nos primeiros 4 anos de actividade foram colocados em circulação 130 mil Dólares de Humbolt County (109),cujo uso aconselhado foi de ser associado ao dólar federal oficial. Dispõe de site oficial; o (108) Sabemos já estar inactiva em (109) Informação oficial em Abril de Pág. 67

69 Foram emitidas cédulas de 1, 5, 10, 20 e 50 dólares. Similarmente ao que acontece a outras suas antecedentes moedas comunitárias, as cédulas contemplam a frase In Each Other We Trust ( Confiamos em nós próprios ), o que constitui uma clara alusão à In God We Trust ( Confiamos em Deus ) das notas oficiais (110). Consideramos consubstanciarem o sistema... USA-C-DHumb Dólar de Humboldt County (com emissões desde 2004) Hora River ( Set) A Hora River (River Hours) é uma moeda comunitária de Hood River, uma cidade com cerca de 7 mil habitantes, sede do Condado com o mesmo nome, no estado de Oregon. A moeda foi lançada em Setembro de 2004 por um grupo de cidadãos da área de Columbia River Gorge, que formaram a entidade Gorge Local Currency Cooperative e suportaram, através de quotizações, os custos iniciais da produção da moeda. Seguindo o que é normal nas moedas que usam a filosofia da Hora, a Hora River tem uma equivalência informal a 10 dólares federais. A moeda tem vindo a ter um sucesso considerável; cinco anos depois de ter sido lançada, havia cerca de 19 mil Horas em circulação (equivalente a 190 mil dólares), embora envolvendo apenas 80 membros efectivos (111), tendo sido usada também para a concessão de micro-créditos (sem juros). Dispõe de site oficial actual; o As cédulas emitidas têm uma estética muito cuidada (concebida por artistas locais) e são impressas num papel especial que lhes confere um brilho e uma consistência anormalmente bem conseguida. Abrangem os valores de 1 / 10, ½ e 1 Hora (equivalentes, respectivamente, a 1, 5 e 10 dólares) e têm sido objecto de emissões anuais, se bem que algumas delas não abrangendo todos os valores (112). Consideramos que consubstanciam o sistema (110) A imagem é de cédula de colecção pessoal. (111) Dados da organização referidos a Abril de (112) Emissões de 2004 e 2005 com todos os valores, 2006 e 2008 apenas o de 1 / 10 e 2007 apenas os de ½ e 1 Hora. A imagem é de cédula de 1 Hora de 2007, de colecção pessoal. Pág. 68

70 USA-C-HRiver Hora River (com emissões desde 2004) Bay Buck (2005) O Bay Buck é uma moeda local de Traverse, cidade de cerca de 15 mil habitantes sede do condado de Grand Traverse, no estado do Michigan, conhecida como a Capital das Cerejas. A moeda circula já também nas vizinhas regiões de Cedar e Lake Leelenau. A moeda - cujo símbolo é BB - foi lançada em 7 de Novembro de 2005 e é gerida pela organização sem fins lucrativos Traverse Area Community Currency Corporation (TACCC). Apesar de não lastrada, tem uma equivalência informal a par ao Dólar norte-americano e pode ser trocada por este sem qualquer taxa aplicável. Um ano depois, no final de 2006, circulava já um valor total de cerca de 13 mil BB. A moeda dispõe de site: o As cédulas incorporam vários dispositivos de segurança, são numeradas e abrangem os valores de 1, 5, 10 e 20 BB (113. Consideramos consubstanciarem o sistema... USA-C-BBuck Bay Buck (com emissões desde 2005) Trade ( Fev) O Trade é uma moeda comunitária de Nevada City, uma pequena cidade de apenas 3 mil habitantes, sede do Condado de Nevada e Grass Valley, cidade de cerca de 10 mil habitantes no mesmo condado, no estado da Califórnia. A moeda foi lançada em 2006 pela TradeMarket (que numa tradução literal seria Mercado de Trocas numa única palavra) e o seu valor foi então indicado como o de uma chávena de café de 16 onças(!), na altura (Fevereiro de 2006) 1,75 dólares federais; na realidade, talvez um método de dissociar o Trade a uma equivalência directa com o dólar federal. A moeda tem vindo a ser utilizada numa lógica mista de moedas de trocas entre aderentes, que pagam (113) A imagem é de cédula de colecção pessoal. Pág. 69

71 uma taxa de inscrição de 35 dólares federais mas recebem 100 Trade, e moeda local com estabelecimentos comerciais locais. O seu site actual é o USA-C-Trade Trade (com emissões desde 2006). As cédulas emitidas usam um papel especial com fibras que lhe confere maior durabilidade, têm marca-deágua e abrangem os valores de ½, 1, 5 e 10 Trades (114). Consideramos consubstanciarem o sistema Hora Anacostia ( Out) A Hora Anacostia (Anacostia Hour) é uma moeda comunitária da região de Mount Rainier, uma cidade com menos de 9 mil habitantes, situada no Condado de Prince George, estado do Maryland. A moeda cujo nome significa Cidade de Trocas na língua dos índios Anacostan - foi lançada em Outubro de 2006 pela Anacostia HOURS Inc. (115), visando a sua utilização pelas comunidades de Mount Rainier, Brentwood, North Brentwood e Hyattsville. Seguindo o normal do sistema Hora, tem uma equivalência informal a 10 dólares federais e como mecanismos de recuperação de custos contempla taxas de adesão e taxas anuais de participação. Nos meses seguintes ao seu lançamento foram colocadas em circulação um valor total de 140 Horas, envolvendo cera de 70 aderentes (116). O seu actual site é o As cédulas emitidas abrangem os valores de ¼, ½ e 1 Hora (respectivamente equivalentes a 2,5, 5 e 10 dólares) e são numeradas. Consideramos consubstanciarem o sistema USA-C-HAnac Hora Anacostia (com emissões desde 2006). (114) Imagem da cédula obtida no site (115) Muito da iniciativa individual de Sayuri Miyaxaki, um professor e artista de raízes japonesas. (116) Dados de Janeiro de A figura foi obtida no site oficial, Pág. 70

72 5.58. Just Money (2007) Eventualmente estará perto do limite considerar como moeda comunitária a moeda Just Money, que circula em Germantown, uma comunidade localizada no Condado de Baltimore, estado de Maryland. As características base são, no entanto, as de uma Moeda Local. Nasceu essencialmente pela iniciativa de um informático local Peter James que envolveu nove outros comerciantes de Germantown e avançou com a criação da Just Money ( Só Dinheiro ). A moeda é inicialmente distribuída como empréstimo, aos aderentes, é passada aos respectivos clientes como vales ou bónus de descontos e depois apresentada e aceite pelos aderentes como pagamento, total ou parcial a par com o dólar federal, de bens e serviços que comercializam. Consideramos que as cédulas emitidas (117) consubstanciam o sistema USA-C-JMoney Just Money (com emissões desde 2007) Mendo ( Jan) Mendo (ou Mendo Credit) é a designação de uma moeda comunitária do Condado de Mendocino, centrada na cidade de Willits, estado da Califórnia. A moeda foi lançada em 15 de Janeiro de 2009 e, conforme referido na cédula, é escorada em produtos alimentares, com várias hipóteses de ressarcimento (trata-se portanto de um crédito) nele descritas. Nessa primeira emissão foram colocados em circulação 600 cédulas de 10 Mendo (adquiridas cada uma a 10 dólares federais). A moeda, produzida pela North Coast Opportunities (NCO), tem vindo a assumir-se como moeda local, envolvendo diversos estabelecimentos comerciais e mesmo bancários, como é o caso do Banco de Willits que, inclusive, procede à venda / distribuição da moeda. (117) A imagem foi obtida no site edição correspondente ao jornal de 30 de Março de Pág. 71

73 Consideramos que a cédula emitida, actualmente (118) apenas de 10 Mendo, consubstancia o sistema USA-C-Mendo Mendo (com emissões desde 2009) Cheers (2009 Mar?) A Cheers é uma moeda comunitária de Detroit, a conhecida capital do automóvel, cidade sede do Condado de Wayne e que, com mais de 900 mil habitantes, é a mais populosa do estado do Michigan. A moeda, cuja designação formal é de Detroit Community Scrip mas que é conhecida por Detroit Cheers ou apenas por Cheers, foi influenciada pela congénere Berkshares e foi lançada em 2009 por iniciativa privada de três estabelecimentos comerciais. Tem equivalência ao dólar federal e é totalmente escorada por moeda federal; a emissão é custeada pelas entidades comerciais aderentes que o pretendam fazer e que necessitam de depositar igual quantia em dólares federais. A emissão inicial, cerca de Março de 2009, foi de Cheers. As cédulas emitidas abrangem apenas o valor de 3 Cheers e têm uma face comum, diferenciando-se no verso, da responsabilidade de quem custeia a emissão (119). Consideramos consubstanciarem o sistema USA-C-Cheers Cheers (com emissões desde 2009) Potomac ( Mai) Potomac é uma moeda local da região de Washington DC, a capital dos Estados Unidos da América. A moeda surgiu informalmente em princípios de 2009 num contexto de vários encontros de trocas denominados Potomac Potlatches, tendo sido formalmente lançada em 3 de Maio de 2009 pelo grupo Community Exchange da Ecolocity DC & TransitionDC no fórum Faith, Economy & Ecology. Influenciada pela Berkshares, a moeda tornou-se então também uma moeda (118) Em Março de A figura foi obtida no site wwwtheoildrum.com. (119) A figura foi obtida no site Pág. 72

74 local, desde logo aceite por cerca de uma dezena de comerciantes locais. Com paridade ao dólar federal, a moeda é no entanto adquirida no Greater Washington Exchange por apenas 95 cêntimos, o que, desde logo, incorpora um desconto de 5% nas aquisições efectuadas nos comerciantes aderentes. No seu primeiro ano foram colocados em circulação cerca de um milhar de Potomacs. As cédulas emitidas abrangem os valores de 1, 5, 10 e 20 Potomac (120). Consideramos consubstanciarem o sistema USA-C-Potom Potomac (com emissões desde 2009) Butte Buck ( Jun) Butte Buck é o nome da moeda local de Crested Butte, uma pequena cidade de cerca de 2 mil habitantes e de Mt. Crested Butte, estância de turismo de desportos ao ar livre e de neve, no estado do Colorado. A moeda foi lançada em Junho de 2009, emitida pela Shadow Butte Development, em ligação com a Chambre of Commerce das duas localidades, disponibilizandose então cerca de 50 mil Butte Bucks. As cédulas destinaram-se a circular no comércio das duas localidades, mas apenas no Verão de 2009 pois expiravam em 7 de Setembro desse ano e com essa moeda, os aderentes puderam usufruir de descontos especiais desde logo por adquirirem cada dólar Butte por 80 cêntimos de dólar federal e ele ser usado com valor a par ao dólar federal. Para integrarem o projecto, os estabelecimentos aderentes pagaram uma taxa de adesão de 30 dólares federais. O sucesso foi tal, que a experiência voltou a ser replicada nos mesmos moldes; a Campanha de Inverno decorreu de 5 de Dezembro de 2009 a 15 de Janeiro de 2010, envolveu já a Chambre of Commerce das duas localidades e meia centena de estabelecimentos aderentes, tendo sido emitidos 35 mil Butte Buck, vendidos na mesma proporção de 100 para 80 dólares federais. (120) Como curiosidade, refira-se que as primeiras foram impressas em meados de 2009, na impressora de jacto de tinta do seu criador, Larry Chang. Também como curiosidade, refira-se que a cédula de 5 Potomac homenageia Frederick Douglass, ex activista negro nascido escravo e cuja imagem serviu de base também à única cédula do AFRO Dólar. A figura é de imagem de cédula de colecção pessoal. Pág. 73

75 As cédulas emitidas abrangeram os valores de 5, 10 e 20 Butte Bucks (121), que consideramos consubstanciar o sistema USA-C-ButteB Butte Buck (com emissões desde 2009) Bernal Buck ( Out) O Bernal Buck é um caso bastante curioso do que se pode considerar como Moeda Comunitária e que circula em Bernal Heights, uma zona com cerca de 25 mil habitantes, nos subúrbios de São Francisco, na Califórnia. O curioso da moeda é o facto de não emitir papel-moeda próprio, mas sim usar as próprias cédulas de dólares federais nas quais apenas são apostas etiquetas auto-colantes próprias (mas passíveis de serem retiradas sem qualquer dano para a cédulas), que assim se transformam em cédulas da moeda local Bernal Buck. A ideia foi lançada pela organização Bernal Heights Neighborhood Center na 21ª Fiesta on the Hill, em 18 de Outubro de 2009, associando a criação da moeda local ao conceito de donativo, pois cada etiqueta é fornecida por cada dólar de donativo a esta organização local de apoio social. A organização aconselha o uso das etiquetas sobretudo nas cédulas federais de 5 e 10 dólares. Refira-se ainda, como curiosidade, que as etiquetas são numeradas e passíveis de serem registadas on-line, viabilizando um histórico do sítio por onde o respectivo Bernal Buck passou e foi usado. Na realidade, dado basear-se em dólares federais normais (e a etiqueta ser retirável), os Bernal Bucks podem ser usados fora da região a que se destinam; o conceito de moeda local e os benefícios económicos locais que daí advêm provêm essencialmente da motivação fornecida aos utentes do Bernal Buck, quer a nível da consciencialização da ajuda o comércio local, quer através de incentivos no preço dos bens e serviços que os comerciantes aderentes propiciam ao Bernal Buck face ao normal dólar federal. O Bernal Buck dispõe de site informativo próprio: o Consideramos que as cédulas assim transformadas (122) consubstanciam o sistema (121) A imagem foi obtida no site do jornal Denver Post, correspondente à edição de 8 de Agosto de (122) As imagens foram obtidas no site oficial Pág. 74

76 USA-C-BernB Bernal Buck (com emissões desde 2009) North Fork Share (2009 Out?) O North Fork Share é uma moeda comunitária de North Fork, uma região com pouco mais de 3 mil habitantes, situada no Condado de Madera, na Califórnia. A moeda - que em abreviado é referida como NFShare ou mesmo apenas por Share - foi lançada na segunda metade de 2009 (123). Apesar de não o referir explicitamente, segue a filosofia da Hora Ithaca, com uma equivalência informal (actual, pois como referem os organizadores, este valor pode ser revisto em qualquer altura) a 12 dólares federais. No ano seguinte, tinha em circulação apenas cerca de 100 Shares, envolvendo meia centena de aderentes. O seu site oficial é o onde, entre outras informações, é divulgado o actual total de North Fork Shares em circulação. As cédulas emitidas, de estética muito cuidada e com papel e impressão especiais (resistentes a lavagem, como divulgado pela organização), abrangem os valores de ¼, ½ e 1 Shares. Consideramos consubstanciarem o sistema USA-C-NFShar Norte Fork Share (com emissões desde 2009) MoMo ( Jan) MoMo abreviatura de Mountain Money é uma moeda local do Condado de Saguache, região com cerca de 6 mil habitantes e cuja sede é a cidade de Saguache, no estado do Colorado. A moeda - inspirada na sua congénere Berkshare - tem paridade com o dólar federal, mas é obtida por 95 cêntimos, ou seja, incorpora desde logo um desconto de 5% quando empregue nas compras de bens e serviços nas empresas aderentes que, à altura do seu lançamento, eram cerca de duas dezenas. A responsabilidade pela sua implementação é da organização ScSEED Saguache County Sustainable Environment and Economic Development e da Saguache County Credit Union e foi lançada em 31 de Janeiro de Não tem site (123) Provavelmente em Outubro de A imagem da cédula foi obtida no site oficial Pág. 75

Notafilia. Moedas Comunitárias de Portugal

Notafilia. Moedas Comunitárias de Portugal Notafilia Moedas Comunitárias de Portugal Armando Garcia Dezembro de 2012 Nota Prévia Apesar de considerarmos ter feito uma ampla pesquisa documental e da informação disponível na internet e de termos

Leia mais

Notafilia. Moedas Comunitárias Brasileiras

Notafilia. Moedas Comunitárias Brasileiras Notafilia Moedas Comunitárias Brasileiras Armando Garcia Fevereiro de 2010 Agradecem-se quaisquer contributos para a melhoria do presente documento, nomeadamente os relativos à correcção ou ampliação dos

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO

A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO 1. Breve panorama da evolução histórica Em 1 de Janeiro de 1986, quando Portugal entra na então Comunidade Económica Europeia (CEE), o sector

Leia mais

TIPOS DE AVALIAÇÃO DE PROJECTOS

TIPOS DE AVALIAÇÃO DE PROJECTOS TIPOS DE AVALIAÇÃO DE PROJECTOS Ao olharmos só para uma árvore podemos ignorar a floresta OBJECTIVOS Distinguir e caracterizar cada um dos diferentes tipos de avaliação de projectos Enquadrar cada tipo

Leia mais

Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas Empresarias de Interesse Regional

Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas Empresarias de Interesse Regional Programa FINICIA 02.02.2006 retirado de www.iapmei.pt Caracterização dos eixos de intervenção Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas

Leia mais

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências O Conselho Técnico-Científico do ISCE Douro, na sua reunião de 6 de maio de 2015, deliberou, por unanimidade, assumir que todos os regulamentos do

Leia mais

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 UNIÓN EUROPEA 1 de junio de 2011 3. SUMÁRIO EXECUTIVO A avaliação do Plano de

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores CONTRIBUTO DA ASSOCIAÇÃO REGIONAL PARLAMENTO EUROPEU DOS JOVENS NÚCLEO AÇORES PARA O LIVRO BRANCO DO COMITÉ DAS REGIÕES SOBRE GOVERNAÇÃO A VÁRIOS NÍVEIS A (PEJ-A) responde ao desafio do Comité das Regiões

Leia mais

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual Benefícios Fiscais O Estatuto dos Benefícios Fiscais consagra um conjunto de medidas de isenção e redução da carga fiscal para diversos tipos de projectos e investimentos. Os incentivos e benefícios fiscais

Leia mais

www.ebase.pt Mudança da Moeda Local de Escudo para Euro

www.ebase.pt Mudança da Moeda Local de Escudo para Euro www.ebase.pt Mudança da Moeda Local de Escudo para Euro Índice Requisitos... 3 Preparação... 3 A Fazer... 3 Ficheiro de Moedas... 3 Configuração Modo de funcionamento... 4 Notas finais...5 Informação Geral...

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO 13.3.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 68/3 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 11 de Março de 2009 que altera a Directiva 94/19/CE relativa aos sistemas de garantia

Leia mais

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico.

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.07.2002 C (2002) 2943 Assunto: Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. Excelência, PROCEDIMENTO Por carta n.º

Leia mais

ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS

ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS AO ESTATUTO DE PME DE UMA EMPRESA A presente comunicação tem por objectivo incentivar a aplicação

Leia mais

Definição estrutural operacional de Salamon e Anhheir (1996)

Definição estrutural operacional de Salamon e Anhheir (1996) José Alberto Reis Definição estrutural operacional de Salamon e Anhheir (1996) 1) têm um relativo nível de organização; 2) são privadas, i.e. separadas do governo; 3) não distribuem lucros; 4) são auto

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI Nº 37/XI-1ª PROÍBE A APLICAÇÃO DE TAXAS, COMISSÕES, CUSTOS, ENCARGOS OU DESPESAS ÀS OPERAÇÕES DE MULTIBANCO ATRAVÉS DE CARTÕES DE DÉBITO Preâmbulo

Leia mais

Dynamic Currency Conversion

Dynamic Currency Conversion Serviço (DCC) Perguntas Frequentes 1- Quais as moedas abrangidas pelo serviço DCC? Com o serviço DCC o comerciante pode oferecer aos seus clientes com cartões emitidos em Libras Esterlinas, Dólares Norte-Americanos,

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

Contributo da ANAon para a Legislaça o do Jogo Online

Contributo da ANAon para a Legislaça o do Jogo Online Contributo da ANAon para a Legislaça o do Jogo Online Associação Nacional de Apostadores Online Argumentação principal: A ANAon (Associação Nacional de Apostadores On-line) é uma associação sem fins lucrativos,

Leia mais

Programa EDP SOLIDÁRIA

Programa EDP SOLIDÁRIA Programa EDP SOLIDÁRIA REGULAMENTO I. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1. A Fundação EDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada Angola Setembro 2009 No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada I.- Evolução recente das reservas cambiais 1. O dado mais relevante a assinalar na evolução da conjuntura económica e financeira

Leia mais

Auxílio estatal N 80/2010 Portugal Prorrogação do regime de recapitalização português

Auxílio estatal N 80/2010 Portugal Prorrogação do regime de recapitalização português COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 17.3.2010 C(2010)1733 final Assunto: Auxílio estatal N 80/2010 Portugal Prorrogação do regime de recapitalização português Excelência, I. ASPECTOS PROCESSUAIS 1. Em 20 de Maio

Leia mais

«RITAS CONTRA CHAMIÇOS»

«RITAS CONTRA CHAMIÇOS» «RITAS CONTRA CHAMIÇOS» Duas emissões de papel-moeda lançados entre os anos de 1921 e 1926, em Angola, um período entre guerras de grandes dificuldades económicas e caos financeiro Os anos entre 1921 e

Leia mais

MECENATO ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X BENEFÍCIOS RELATIVOS AO MECENATO. Artigo 56.º-C Noção de donativo

MECENATO ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X BENEFÍCIOS RELATIVOS AO MECENATO. Artigo 56.º-C Noção de donativo MECENATO (O artigo 87.º, n.º 3, alínea f), da Lei n.º 53-A/2006, de 29 de Dezembro (Lei do Orçamento do Estado para 2007), revogou o Estatuto do Mecenato aprovado pelo Decreto-Lei n.º 74/99, de 16 de Março.

Leia mais

11 Forum Panafricano sobre Modernização dos Serviços Públicos e Instituições do Estado

11 Forum Panafricano sobre Modernização dos Serviços Públicos e Instituições do Estado Reino de Marrocos Ministério da Função Pública e Modernização da Administração Centro Africano de Formação e Resquisa em Administração para o Desenvolvimento Fundação para o Reforço de Capacidades em Africa

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

No seu programa de 2000, no

No seu programa de 2000, no O Pacote IVA novas regras de localização das prestações de serviços P o r C l o t i l d e C e l o r i c o P a l m a Foram estabelecidas a nível comunitário novas regras de localização das prestações de

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X. Benefícios fiscais relativos ao mecenato. Artigo 61.º. Noção de donativo. Artigo 62.º

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X. Benefícios fiscais relativos ao mecenato. Artigo 61.º. Noção de donativo. Artigo 62.º ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X Benefícios fiscais relativos ao mecenato Artigo 61.º Noção de donativo Para efeitos fiscais, os donativos constituem entregas em dinheiro ou em espécie, concedidos,

Leia mais

Entrevista com... António de Sousa

Entrevista com... António de Sousa Entrevista com... António de Sousa Presidente da Associação Portuguesa de Bancos APB I: Depois de um ano e meio à frente da Associação Portuguesa de Bancos, que balanço faz do trabalho realizado? AS: Neste

Leia mais

Artigo 1.º Pessoas visadas

Artigo 1.º Pessoas visadas Resolução da Assembleia da República n.º 39/95 Convenção e o Protocolo entre a República Portuguesa e os Estados Unidos da América para Evitar a Dupla Tributação e Prevenir a Evasão Fiscal em Matéria de

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

BOLSA FULBRIGHT / FUNDAÇÃO CARMONA E COSTA PARA MESTRADO EM BELAS ARTES / DESENHO REGULAMENTO I DISPOSIÇÕES GERAIS

BOLSA FULBRIGHT / FUNDAÇÃO CARMONA E COSTA PARA MESTRADO EM BELAS ARTES / DESENHO REGULAMENTO I DISPOSIÇÕES GERAIS BOLSA FULBRIGHT / FUNDAÇÃO CARMONA E COSTA PARA MESTRADO EM BELAS ARTES / DESENHO REGULAMENTO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º - Objecto O presente Regulamento consagra as normas aplicáveis à atribuição

Leia mais

Descrição da Compilação

Descrição da Compilação Guia de candidatura a bolsas de investigação científica financiadas em conjunto pelo Ministério das Ciências e da Tecnologia da República Popular da China e pelo Fundo para o Desenvolvimento das Ciências

Leia mais

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO A noção de Empreendedorismo, como uma competência transversal fundamental para o desenvolvimento humano, social e económico, tem vindo a ser reconhecida

Leia mais

Objectivos do Capítulo

Objectivos do Capítulo Objectivos do Capítulo Descrever a função de finanças da Multinacional e mostrar como se enquadra na estrutura organizacional das MNE s Mostrar como as empresas adquirem fundos externos para operações

Leia mais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais 1 VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais VISABEIRA TURISMO > Hotelaria Entretenimento & Lazer Restauração

Leia mais

Impostos Diferidos e o SNC

Impostos Diferidos e o SNC Impostos Diferidos e o SNC Na vigência do anterior Plano Oficial de Contabilidade (POC) a Directriz Contabilistica (DC) nº 28, da Comissão de Normalização Contabilística (CNC) veio, em tempo, estabelecer

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros. Introdução aos mercados acionistas. DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues

Mercados e Investimentos Financeiros. Introdução aos mercados acionistas. DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues Introdução aos mercados acionistas DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues O Mercado Financeiro O Mercado Monetário Interbancário (MMI) é um mercado organizado, onde as instituições participantes trocam entre

Leia mais

Portugal num mundo em mudança TROCA DE INFORMAÇÕES BANCÁRIAS, RESIDÊNCIA FISCAL E OUTROS TEMAS

Portugal num mundo em mudança TROCA DE INFORMAÇÕES BANCÁRIAS, RESIDÊNCIA FISCAL E OUTROS TEMAS Portugal num mundo em mudança TROCA DE INFORMAÇÕES BANCÁRIAS, RESIDÊNCIA FISCAL E OUTROS TEMAS Porquê Portugal? Portugal é um país dinâmico, seguro, com uma taxa de criminalidade baixa, trabalhadores altamente

Leia mais

DAS PERPECTIVAS FUTURAS DA ECONOMIA MUNDIAL, AO FUTURO DA ECONOMIA PORTUGUESA por António Rebelo de Sousa

DAS PERPECTIVAS FUTURAS DA ECONOMIA MUNDIAL, AO FUTURO DA ECONOMIA PORTUGUESA por António Rebelo de Sousa DAS PERPECTIVAS FUTURAS DA ECONOMIA MUNDIAL, AO FUTURO DA ECONOMIA PORTUGUESA por António Rebelo de Sousa É do conhecimento geral que a economia mundial sofreu uma contracção de 2,2%, em 2009, com uma

Leia mais

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento Índice Pág *09 Como participar Pág *10 Calendário Pág *11 Os resultados Pág *12 Júri Pág *13 Regulamento Pág *01 Introdução Pág *02 Um programa alargado de intervenção Pág *05 Viver de Consciência Leve

Leia mais

Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio. internacional de produtos do sector têxtil e da

Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio. internacional de produtos do sector têxtil e da Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio internacional de produtos do sector têxtil e da Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio internacional de produtos do sector têxtil e da

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

DC21 - Contabilização dos Efeitos da Introdução do Euro (1) Directriz Contabilística nº 21

DC21 - Contabilização dos Efeitos da Introdução do Euro (1) Directriz Contabilística nº 21 DC21 - Contabilização dos Efeitos da Introdução do Euro (1) Directriz Contabilística nº 21 Dezembro de 1997 Índice 1. Introdução do Euro 2. Preparação e Apresentação das Demonstrações Financeiras 3. Definições

Leia mais

Visita a Portugal do Importador C & C Casa & Construção

Visita a Portugal do Importador C & C Casa & Construção Visita a Portugal do Importador C & C Casa & Construção Sector da Construção Brasil 21 a 25 de Outubro de 2013 Enquadramento Com uma extensão territorial de aproximadamente 8,5 milhões km 2, vastos recursos

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças

Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças A Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã, através do seu Departamento Jurídico e Fiscal, presta auxílio a empresas

Leia mais

Esta radiação que atinge o solo é constituída por três componentes:

Esta radiação que atinge o solo é constituída por três componentes: Energia Solar O Sol é a nossa principal fonte de energia, responsável pela manutenção das várias formas de vida existentes na Terra. Trata-se de um recurso praticamente inesgotável e constante, quando

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

Sistemas de Financiamento de Seguro de Depósitos: Comentários

Sistemas de Financiamento de Seguro de Depósitos: Comentários Sistemas de Financiamento de Seguro de Depósitos: Comentários Jean Roy, HEC-Montreal 1 IADI 2006, Rio de Janeiro Introdução Muito embora os sistemas financeiros tenham se beneficiado enormemente do progresso

Leia mais

Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Doutor João Serra, nos actos de lançamento das novas notas de 500 e 5000 escudos e do Livro História

Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Doutor João Serra, nos actos de lançamento das novas notas de 500 e 5000 escudos e do Livro História Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Doutor João Serra, nos actos de lançamento das novas notas de 500 e 5000 escudos e do Livro História da Moeda em Cabo Verde, Salão de Banquetes da Assembleia

Leia mais

Município de Arganil Câmara Municipal. Regulamento do Banco de Voluntariado de Arganil. Preâmbulo

Município de Arganil Câmara Municipal. Regulamento do Banco de Voluntariado de Arganil. Preâmbulo Município de Arganil Câmara Municipal Regulamento do Banco de Voluntariado de Arganil Preâmbulo A Lei nº 71/98, de 3 de Novembro, estabelece as bases do enquadramento jurídico do voluntariado, definindo-o

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de DECISÃO DO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Recomendação de Bruxelas, 16.10.2009 COM(2009) 570 final 2009/0158 (CNB) DECISÃO DO CONSELHO sobre o parecer a adoptar pela Comunidade Europeia relativamente

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Comitê de Investimentos 07/12/2010 Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Experiências Internacionais de Quantitative Easing Dados do Estudo: Doubling Your Monetary Base and Surviving: Some International

Leia mais

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP Intervenção do Secretário Executivo da CPLP Senhor Presidente, Senhores Ministros, Senhor Secretário de Estado do Turismo, Senhores Embaixadores Senhores Representantes

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. Decreto n. o 4 /2004 de 7 de Maio REGULARIZAÇÃO DE ESTRANGEIROS EM TERRITÓRIO NACIONAL

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. Decreto n. o 4 /2004 de 7 de Maio REGULARIZAÇÃO DE ESTRANGEIROS EM TERRITÓRIO NACIONAL REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto n. o 4 /2004 de 7 de Maio REGULARIZAÇÃO DE ESTRANGEIROS EM TERRITÓRIO NACIONAL A Lei de Imigração e Asilo N. 9/2003 de 15 de Outubro (LIA), veio definir

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

EURO. prodep. Antecedentes da Moeda Única:

EURO. prodep. Antecedentes da Moeda Única: Antecedentes da Moeda Única: Até Janeiro de 1999, os países da Comunidade Europeia tinham moedas diferentes, o que durante muito tempo causou grandes dificuldades ao grupo. Os Estados-membros verificaram

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À

SISTEMA DE INCENTIVOS À SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISOS PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS INOVAÇÃO PRODUTIVA EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Elisabete Félix Turismo de Portugal, I.P. - Direcção de Investimento PRIORIDADE

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

A Iniciativa das Américas, lançada em Miami, em Dezembro de 1994, por ocasião da Cimeira de Chefes de Estado e de Governo das Américas não deixava

A Iniciativa das Américas, lançada em Miami, em Dezembro de 1994, por ocasião da Cimeira de Chefes de Estado e de Governo das Américas não deixava INTRODUÇÃO 1 A Iniciativa das Américas, lançada em Miami, em Dezembro de 1994, por ocasião da Cimeira de Chefes de Estado e de Governo das Américas não deixava antever a amplitude nem as repercussões que

Leia mais

Decreto n.º 63/99, de 2 de Novembro

Decreto n.º 63/99, de 2 de Novembro Decreto n.º 63/99, de 2 de Novembro Cria um instrumento financeiro denominado obrigações hipotecárias. B.O. n.º 40 - I Série Decreto n.º 63/99 de 2 de Novembro O presente diploma, dando sequência à reforma

Leia mais

SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6.

SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6. SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6. E T-CPLP: Entrevistas sobre a CPLP CI-CPRI Entrevistado: Embaixador Miguel Costa Mkaima Entrevistador:

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

- Prospecto Informativo -

- Prospecto Informativo - - Prospecto Informativo - Designação Classificação Depósito Indexado Depósito Valor Energia USD (doravante referido por o Depósito ).. Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Factores

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO NORMAS DE FUNCIONAMENTO Preâmbulo O Voluntariado é uma actividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo, participando de uma forma livre, responsável

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO

NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO Lei nº 13/VIII/2012 De 11 de Julho Por mandato do povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea b) do artigo 175º da Constituição, o seguinte: CAPÍTULO I Considerações

Leia mais

A. Síntese e apresentação do estudo

A. Síntese e apresentação do estudo A. Síntese e apresentação do estudo 1. OBJECTIVOS DO PRESENTE ESTUDO O objectivo do presente estudo é a avaliação ex post da política de promoção publicitária dos produtos agrícolas no período de 1994-2000

Leia mais

Decreto-Lei n.º 15/83/M. de 26 de Fevereiro

Decreto-Lei n.º 15/83/M. de 26 de Fevereiro Decreto-Lei n.º 15/83/M de 26 de Fevereiro O Decreto-Lei n.º 35/82/M, de 3 de Agosto, ao regular o sistema de crédito e a estrutura financeira do Território, introduziu modificações importantes na organização

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Rua Amílcar Cabral, LUANDA ANGOLA Tlm.: +244 931 169 381/380 geral@sme.ao www.sme.ao. Página 1/15

Rua Amílcar Cabral, LUANDA ANGOLA Tlm.: +244 931 169 381/380 geral@sme.ao www.sme.ao. Página 1/15 Decreto-Lei n.º 17/09 de 26 de Junho Regras e procedimentos a observar no recrutamento, integração, formação e desenvolvimento dos trabalhadores no sector petrolífero Página 1/15 Considerando que a formação

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais

O Canadá é um país de contraste: uma extensa área (9.976.139 km 2 ) e um pequeno número de habitantes pouco mais de 30 milhões.

O Canadá é um país de contraste: uma extensa área (9.976.139 km 2 ) e um pequeno número de habitantes pouco mais de 30 milhões. Canadá O Canadá é um país de contraste: uma extensa área (9.976.139 km 2 ) e um pequeno número de habitantes pouco mais de 30 milhões. 1 A ocupação é dificultada principalmente no norte do país devido

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO SOBRE REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PÚBLICA PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS (REPORTADO A 25 DE MAIO DE 2012) O presente Relatório

Leia mais

CONTRIBUTO DA UGT SOBRE O PROGRAMA INTEGRADO DO REFORÇO DO COMBATE À EVASÃO E À FRAUDE FISCAL

CONTRIBUTO DA UGT SOBRE O PROGRAMA INTEGRADO DO REFORÇO DO COMBATE À EVASÃO E À FRAUDE FISCAL CONTRIBUTO DA UGT SOBRE O PROGRAMA INTEGRADO DO REFORÇO DO COMBATE À EVASÃO E À FRAUDE FISCAL I. INTRODUÇÃO No âmbito dos compromissos assumidos pelo Governo em sede de Concertação Social, o Governo apresentou

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais

Programa de Apoio ao Autoemprego

Programa de Apoio ao Autoemprego Programa de Apoio ao Autoemprego Relatório do Programa Operacional Agosto 2013 Promotor: Coordenação da Execução: Introdução Objectivo e enquadramento Este relatório foi redigido com base no estudo As

Leia mais

M Pesa. Mobile Banking Quénia

M Pesa. Mobile Banking Quénia M Pesa Mobile Banking Quénia Total de população do Quénia 43 Milhões 10 Milhões 22 Milhões O Quénia, apresenta actualmente uma população de 43 milhões de habitantes, dos quais cerca de 10 milhões tem acesso

Leia mais

Declaração de Amsterdam

Declaração de Amsterdam Pág. 1 de 9 CONGRESSO SOBRE O PATRIMÓNIO ARQUITECTÓNICO EUROPEU 21 25 de Outubro de 1975 Declaração de Amsterdam Tradução por António de Borja Araújo, Engenheiro Civil IST Maio de 2007 Pág. 2 de 9 O Congresso

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

http://www.iapmei.pt/iapmei-leg-03p.php?lei=7886

http://www.iapmei.pt/iapmei-leg-03p.php?lei=7886 IAPMEI - Legislação - Legislação Nacional - Incentivos-Portaria 1102/2010 de 25 de... Page 1 of 24 Portaria nº 1102/2010 de 25 de Outubro de 2010 DR 207 - SÉRIE I Emitido Por Ministério da Economia, da

Leia mais

Fiscalidade. As Mais valias e Menos Valias de Partes Sociais em sede de IRS

Fiscalidade. As Mais valias e Menos Valias de Partes Sociais em sede de IRS As Mais valias e Menos Valias de Partes Sociais em sede de IRS 1.1 Enquadramento Geral De acordo com o n.º 1 do artigo 10º do Código do IRS (CIRS) constituem mais-valias os ganhos obtidos que, não sendo

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22 MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA 1/22 INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE DA ACTIVIDADE DA EMPRESA... 4 ESTRUTURA DE CUSTOS... 7 VALOR ACRESCENTADO BRUTO... 7 ANÁLISE DOS FLUXOS DE TESOURARIA... 9 ANÁLISE DOS

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 31.12.2005 PT C 336/109 BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 15 de Dezembro de 2005 sobre uma proposta de regulamento (CE) relativo às informações sobre o ordenante que acompanham

Leia mais

Banco de Portugal. Carta-Circular nº 2/2012/DET, de 25-01-2012

Banco de Portugal. Carta-Circular nº 2/2012/DET, de 25-01-2012 Banco de Portugal Carta-Circular nº 2/2012/DET, de 25-01-2012 ASSUNTO: Regime Excepcional de Regularização Tributária de Elementos Patrimoniais colocados no exterior (RERT III). Regras de Transferência

Leia mais