FACULDADE DE SAÚDE TECSOMA Curso de Biomedicina. Bruno Henrique Ferreira da Cunha

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE SAÚDE TECSOMA Curso de Biomedicina. Bruno Henrique Ferreira da Cunha"

Transcrição

1 FACULDADE DE SAÚDE TECSOMA Curso de Biomedicina Bruno Henrique Ferreira da Cunha DOENÇA FALCIFORME: DIFICULDADES ENCONTRADAS FRENTE À CARÊNCIA DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO PARA PORTADORES NASCIDOS ENTRE 1999 A 2009; Paracatu 2012

2 Bruno Henrique Ferreira da Cunha DOENÇA FALCIFORME: DIFICULDADES ENCONTRADAS FRENTE À CARÊNCIA DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO PARA PORTADORES NASCIDOS ENTRE 1999 A 2009; Monografia apresentada ao curso de Biomedicina da Faculdade Tecsoma, como requisito parcial para obtenção do titulo de Bacharel em Biomedicina. Orientação temática: MSc. Márden Estevão Mattos Júnior. Co-Orientador (a): Ana Caroline Mendes de Almeida Co-Orientador (a): MSc.Cláudia Peres da Silva Orientador Metodológico: Geraldo B. B. de Oliveira Paracatu 2012

3 Cunha, Bruno Henrique Ferreira da C972. Doença falciforme: dificuldades encontradas frente à carência de um programa específico para portadores nascidos entre 1999 a / Bruno Henrique Ferreira da Cunha. Paracatu, f Orientador: Márden Estevão Mattos Júnior Monografia (Graduação) Faculdade Tecsoma, Bacharel em Biomedicina. 1. Doença falciforme. 2. Aconselhamento genético. 3. Hemoglobinopatias. 4. Equipe multiprofissional. I. Mattos Júnior, Márden Estevão. II. Faculdade Tecsoma. III. Título. CDU:

4 Bruno Henrique Ferreira da Cunha DOENÇA FALCIFORME: DIFICULDADES ENCONTRADAS FRENTE À CARENCIA DE UM PROGRAMA ESPECIFICO PARA PORTADORES NASCIDOS ENTRE 1999 A 2009; Monografia apresentada ao curso de Biomedicina da Faculdade Tecsoma, como requisito parcial para obtenção do titulo de Bacharel em Biomedicina. Prof (a): MS. Márden Estêvão Mattos Júnior - FATEC Orientador (a) Geraldo Benedito Batista de Oliveira - FATEC Orientador Metodológico MSc. Cláudia Peres da Silva Coordenadora do Curso Jôsimar Dornelas Moreira Professor Convidado Paracatu, 22 de junho 2012.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus por ter me dado a oportunidade de fazer um curso acadêmico. Agradeço à minha mãe por sempre me apoiar e me incentivar na hora mais complicada, nos momentos de fraqueza, onde pensava em desistir de tudo e voltar para casa. Agradeço a toda minha família e em especial a minha Irmã Andréia e ao meu primo Wilian que sempre me elogiou e me incentivou a lutar cada dia mais e mais e nunca desistir dos meus sonhos e que sempre terei obstáculos e que posso vencer todos com muita fé, humildade e sabedoria. Agradeço a minha namorada Carol por me ajudar incansavelmente na confecção deste trabalho, sempre me incentivar, elogiar, fortalecer minhas forças, para ficar sempre acordado, porque isso é difícil. Agradeço aos meus professores, orientadores e a todos os demais que sempre transmitiram conhecimentos. Agradeço aos pais das crianças que me receberam de braços abertos, colaboraram de todas as maneiras para a realização deste projeto que sem a participação deles não teria fruto algum.

6 Dedico este trabalho à minha mãe, por não medir esforços e sempre me acompanhar na minha trajetória acadêmica;

7 RESUMO A doença falciforme é uma das doenças hereditárias mais comum no mundo. É causada por herança recessiva com mutação do gene regulador da síntese de hemoglobina A (HbA), originando a mutante denominada hemoglobina S (HbS).Este trabalho teve o intuito de analisar a realidade vivenciada por paciente com DF nascidos entre 1999 a 2009, com o objetivo de sugestionar ao governo municipal e a quem interessar a necessidade de um programa especifico para portadores de hemoglobinopatias, que contenha um médico hematologista em seu quadro de profissionais. E de incentivar a criação de uma associação de portadores de DF, composta por portadores da doença e/ou seus responsáveis e por profissionais da área de saúde publica, afim de que se possam reivindicar melhorias nas condições advindas da doença. Tratase de um estudo de investigação que visa a análise quantitativa e qualitativa com abordagem descritiva, onde foram entrevistados 19 familiares de crianças portadoras de doença falciforme, devidamente cadastradas na Secretaria Municipal de Saúde de Paracatu-MG. A realização do estudo permitiu identificar algumas das dificuldades enfrentadas pelos familiares dos pacientes com doença falciforme, como o baixo nível de escolaridade, baixos salários e a não participação da mulher no sustento da casa. Em relação à doença, a grande maioria dos pais não dispõe de conhecimento concreto, e sim de forma superficial. Em 95% dos casos, os casais não tiveram aconselhamento genético e 90% não são acompanhadas sistematicamente por nenhum ESF. Todos, ou seja, 100% acham necessária a formulação de um programa específico que contenha em sua equipe multiprofissional um médico hematologista e a criação de uma associação. Diante disso, fica evidente a falha do município no que diz respeito à prevenção e orientação aos portadores da doença e seus familiares. Sendo de suma importância a criação de programa de atenção integral, com equipe multiprofissional para melhorar a qualidade de vida destes pacientes. Palavras-chave: Doença falciforme, aconselhamento genético, hemoglobinopatias, equipe multiprofissional, hemoglobina S.

8 ABSTRACT The sickle cell disease is one hereditary disease very commom in the world. It is caused by recesssive inheritance with mutation of the gene regulating the synthesis of hemoglobin A (HbA) resulting the mutant denominated hemoglobin S (HbS). this work was aimed to analyze the reality lived for patient with DF it was born between 1999 to 2009 with objective to suggestion for government municipal and the whom interested the necessity one of the specific program for patients with hemoglobinopathies that containing a hematologist in his cadre of professional. And to encourage the creation of an association of patients from DF, composed of patient of the disease and / or their guardians and professionals in the area public health, so that it can claim resulting improvements in disease. this is a study of the investigation that have aimed the analysis at quantitative and qualitative with descriptive approach, where were interviewed 19 families of children with sickle cell disease, duly registered at the Municipal Health Paracatu-MG. The realization of the study permitted some of the difficulties faced by families of patients with sickle cell disease, such as low education, low wages and non-participation of women in the sustenance of the home. In relation to the disease, the vast majority of parents do not have concrete knowledge, but in a superficial way. In 95% of cases, couples have not had genetic counseling and 90% are not systematically accompanied by any ESF. All, that is, 100% thought necessary to formulation a specific program that contains a multi-professional team in your hematologist and the creation of an association. Therefore, it is evident the failure of the municipality in that say regard to prevention and guidance for carriers of the disease and their families. being extremely important to create a program of comprehensive care, with multiprofessional team to improve the quality of life of these patients. Keywords: sickle cell disease, genetic counseling, hemoglobinopathies, multiprofessional team, hemoglobin S

9 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Faixa etária dos responsáveis pelas crianças portadores da doença falciforme Gráfico 2 Sexo dos responsáveis pelas crianças com Doença Falciforme Gráfico 3 - Etnia das mães das crianças portadoras de DF Gráfico 4 Etnia dos pais das crianças portadoras de DF Gráfico 5 Escolaridade dos responsáveis pelas crianças com DF Gráfico 6 Renda Familiar dos responsáveis pelas crianças com DF Gráfico 7 Conhecimento dos responsáveis sobre a Doença Falciforme Gráfico 8 Relação de Famílias que receberam o Aconselhamento Genético 41 Gráfico 9 Relaçao de idades das crianças com DF Gráfico 10 Se as crianças estão sendo acompanhadas por Centro especializado em Hemoglobinopatias Gráfico 11 Frequencia de consultas no Centro de referências para Hemoglobinopatias Gráfico 12 Porcentagem das famílias recebem acompanhamento sistemático pela ESF do município Gráfico 13 Tipo de atendimento preocupam em crises decorrestes da doença 45 Gráfico 14 Quantas vezes a criança foi internada nos últimos seis meses Gráfico 15 Necessidade de um médico Hematologista para a cidade de Paracatu-MG Gráfico 16 A criança faz uso de medicamentos psicotrópicos Gráfico 17 Existe uma aproximação entre os responsáveis das crianças para reivindicar melhorias Gráfico 18 Há em Paracatu uma Associaçao voltada ao cuidados de portadores da DF... 49

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Apresentação da distribuição dos dados quanto ao sexo e etnia das crianças...43

11 LISTA DE ABREVIATURAS AVC Acidente Vascular Cerebral AF Anemia Falciforme DF Doença Falciforme HbA Hemoglobina A HbA2 Hemoglobina A2 HbC Hemoglobina C HbF Hemoglobina Fetal HbS Hemoglobina S RN Recém Nascido SF Beta Talassemia SAF Beta + Talassemia STA Síndrome Torácica Aguda TN Triagem Neonatal AG Aconselhamento Genético

12 LISTA DE SIGLAS IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e estatística. NUPAD Núcleo de Pesquisa em Apoio Diagnóstico OMS Organização Mundial de Saúde PNTN Programa Nacional de Triagem Neonatal SUS Sistema Único de Saúde ECA Estatuto da Criança e Adolescente ESF Estratégia da Saúde SMS Secretaria Municipal de Saúde

13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Justificativa OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos DESESNVOLVMENTO Contexto Histórico da Anemia Falciforme Aspectos Epidemiológicos da Anemia Falciforme A Doença Falciforme Manifestações Clínicas da Anemia Falciforme Intervenções Terapêuticas para Anemia Falciforme Estatuto da Criança e do adolescente Triagem Neonatal para Anemia Falciforme Aconselhamento Genético para Anemia Falciforme METODOLOGIA Tipo de Estudo Local do Estudo Delimitação do Público Alvo Instrumentos para coleta de dados Aspectos Éticos Desenvolvimento do Estudo RESULTADOS E DISCUSSÃO Dados relacionados aos responsáveis Dados relacionados as crianças CONCLUSÃO E CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICES... 57

14 1 INTRODUÇAO A doença falciforme (DF) é um termo genérico que enquadra um grupo de hemoglobinopatias hereditária caracterizada pela presença de uma hemoglobina anormal, denominada Hemoglobina S (HbS). (FELIX, SOUZA, RIBEIRO, 2010). A doença manifesta-se em indivíduos homozigóticos para hemoglobina S e em combinação com outras hemoglobinas anormais, como hemoglobina C, ocasionando a hemoglobinopatia SC, hemoglobina D (hemoglobinopatia SD), talassemia (S-talassemia alfa e S-talassemia beta),entre outras. O individuo AS (heterozigotos para o gene S) são considerados apenas portadores do traço falciforme. (CANÇADO, 2007). As células falciformes têm sobrevida muito curta, de 16 a 20 dias, quando comparadas aos 120 dias do eritrócito normal. Em presença de baixa tensão de oxigênio, ocorre a polimerização da HbS, que culmina na transformação da forma clássica do eritrócito de bicôncavo para a de uma foice causando assim fenômenos de obstrução vascular, principalmente em pequenos vasos, episódios de dor e lesão de órgãos. (AZEVEDO, 2008). De acordo com Zago e Pinto (2007), entre as manifestações clínicas mais típicas da anemia falciforme podem ser mencionadas a anemia hemolítica crônica e, decorrente da oclusão da microvasculatura com isquemia tecidual, as crises dolorosas agudas osteoarticulares ou abdominais e lesões orgânicas crônicas com asplenia funcional, vasculopatia cerebral, insuficiência renal, pulmonar e cardíaca. A doença falciforme se define como uma doença hematológica hereditária mais prevalente no mundo, atingindo principalmente a negra, tendo se originado na África e chegando até a América pela imigração forçada dos escravos, com uma maior frequência onde a proporção de antepassados negros é maior. (PINHEIRO et al, 2006). É uma das doenças de caráter hereditário com maior prevalência no Brasil, no qual chega a cometer 0,1% a 0,3% da população negra, tendo uma tendência a atingir uma parcela cada vez mais significativa da população, devido aos variados graus de miscigenação racial existente em nosso país, torna-se um grave problema de saúde pública. (NUZZO; FONSECA, 2004). 13

15 Segundo estimativas da Organização Mundial de Saúde (OMS) a cada ano nascem no Brasil cerca de crianças portadoras de Doença Falciforme. (BRASIL, 2006). A morbidade associada à anemia falciforme exige acesso aos cuidados médicos assim como condições adequadas de moradia, alimentação e cuidados gerais de saúde. (NAOUM et al, 2000). A letalidade pode atingir até 25% das crianças nos primeiros cinco anos de idade, sendo as principais causas do óbito as infecções fatais, sequestro esplênico e crises aplasticas. (WATANABE, 2007). A identificação e o tratamento precoces da doença são, portanto requisitos a qualidade de vida das pessoas com anemia falciforme. Nesse mesmo, sentido, Paiva e Silva e outros (2003), afirmam que o diagnóstico precoce, sobretudo ao nascimento, e a terapia adequada representam papel fundamental na redução da morbidade e mortalidade dessas crianças; melhorando drasticamente a taxa de sobrevida e sua de vida, apesar de não possibilitar a cura clínica da doença. Em 2001, o Ministério da Saúde instituiu o Programa Nacional de Triagem Neonatal PNTN. A inclusão da pesquisa de hemoglobinopatias no PNTN Teste do Pezinho demonstrou ser um passo importante na diminuição das taxas de mortalidade por anemia falciforme nos primeiros dois anos de vida qualidade, pois permite a identificação precoce destes indivíduos e a introdução de profilaxia adequada para as infecções, com vacinas e seguimento ambulatorial regular. (WATANABE, 2007). De acordo com as normas estabelecidas pelo Ministério da Saúde, é de responsabilidade do Serviço de referencia em Triagem Neonatal à identificação e capacitação dos postos de coleta, a distribuição de material necessário, bem como o treinamento e conscientização dos recursos humanos, administrativos, e o serviço podem contar ainda com uma rede assistencial complementar que dá suporte ao tratamento e ao diagnóstico. (ALMEIDA et al, 2006 ). As pessoas com traço falciforme de acordo com Jesus (2010) necessitam quase sempre, de orientação genética, enquanto que as pessoas com doença falciforme necessitam de acompanhamento e tratamento clínico adequado, prestada por equipe multidisciplinar. Por essa razão, devem fazer parte da rede de assistência serviços especializados, principalmente em 14

16 hematologia para atender portadores de anemia falciforme com apresentações graves ou complicações decorrentes da doença. 1.1 Justificativa As pessoas com doença falciforme necessitam de assistência, prestada por equipe multiprofissional qualificada, sendo de fundamental importância o acompanhamento e o tratamento clínico. (JESUS, 2010). Com base no que foi exposto, venho desenvolver esse trabalho baseado na vivencia e contato com a verdadeira realidade enfrentada por familiares dos doentes, que queixam da estrutura oferecida pelo órgão publico municipal, com a colaboração de todos os envolvidos nesta situação, expondo a necessidade de se ter em Paracatu-MG um programa específico, que contenha um médico hematologista em seu quadro de funcionários, que atenda todas as necessidades desses pacientes, pois embora essa doença não tenha cura, faz-se imprescindível a assistência médica especializada adequada. 15

17 2 OBJETIVOS Aqui abordamos os principais objetivos de se desenvolver este trabalho, que por si só tem como foco de melhoria da qualidade do atendimento básico a saúde de portadores da anemia falciforme. 2.1 Objetivo Geral Analisar a realidade vivenciada por paciente com doença falciforme nascidos entre 1999 a 2009, com o intuito de sugestionar ao governo municipal e a quem interessar a necessidade de um programa especifico na área da saúde para portadores de hemoglobinopatias, que contenha um médico hematologista em seu quadro de profissionais. 2.2 Objetivos Específicos Analisar a incidência de pacientes com anemia falciforme em Paracatu- MG; Avaliar o sistema de atendimento de acordo com o grau de satisfação do paciente. Levantar dados bibliográficos relacionados com a doença, no âmbito municipal; Orientar ao público alvo, a importância de medidas profiláticas, Sugestionar a criação de uma associação, formada pelos responsáveis dessas crianças, por profissionais da área da saúde publica de Paracatu-MG e pelos próprios portadores da doença, quando forem de maior idade; 16

18 3. DESENVOLVIMENTO No decorrer do desenvolvimento será abordado a patogênese da anemia falciforme, bem como tratamento da mesma, com foco nos cuidados e atenção básica a saúde dos pacientes. 3.1 Contexto Histórico da Anemia Falciforme A anemia falciforme foi descrita pela primeira vez em caráter genético, por Herrick, em 1910, que observou eritrócitos perpendicularmente alongados e em forma de foice no sangue de um individuo de raça negra.. Esse sangue era proveniente de um jovem negro, originário de Granada (Ilhas Ocidentais), estudante do primeiro ano do Chicago College of Dental Sugery, chamado Walter Clement Noel, que foi admitido no hospital com anemia (SIQUEIRA et al, 2009). Segundo Neto e Pitombeira (2003), em 1917, o pesquisador Emmel observou a transformação da hemácia na sua forma normal, para forma de foice, in vitro, e em 1922, o termo anemia falciforme foi utilizado por Manson. De acordo com Castro e outros (2000) em 1923 foi demonstrado que o fenômeno de afeiçoamento era herdado por paciente com traço autossômico dominante, algum tempo depois Nell e Beer demonstraram a base genética da AF, afirmando que a heterozigose para o gene falciforme resultava no traço falciforme sem os sintomas clínicos típicos, porem a homozigose resultava em paciente com AF. Em 1927 Hahn e Gillespie afirmaram que o fato os eritrócitos normais se transformam em eritrócitos mutantes, quando há baixa tensão de oxigênio, transformando-os na forma conhecida em eritrócitos em foice. O gene que determina as doenças falciformes predomina no continente africano. Em decorrência do escravismo e dos processos recentes de emigração, o gene conhecido como HbS pode ser encontrado em todos os continentes. Em decorrência desse histórico, a doença ficou conhecida como doença de negros ; entretanto, em razão da intensa miscigenação ocorrida entre negros, brancos e indígenas no processo histórico de formação dos diferentes grupos humanos no Brasil, o gene pode ser encontrado em todo o território nacional, independente da cor de pele ou etnia. (KIKUCHI, 2007). 17

19 3.2 Aspectos Epidemiológicos da Anemia Falciforme A doença falciforme está entre as doenças genéticas de maior relevância epidemiológica no mundo e no Brasil, caracterizando-se por mutação no gene da globina beta da molécula de hemoglobina (GAG-GTG), acarretando na substituição do aminoácido ácido glutâmico por valina na posição 6 da cadeia beta, gerando assim a hemoglobina mutante (HbS). As moléculas de hemoglobina S podem sofre algumas modificações nas suas características físico-quimicas, resultando em uma polimerização das mesmas, onde vai resultar na deformação dos glóbulos vermelhos, gerando formas alongadas em aspectos de foice, comum na anemia falciforme. (DINIZ et al, 2009). Segundo Araujo (2007), as pessoas com DF além de pertencerem a uma classe social economicamente baixa, são submetidas ao racismo institucional ainda existente na sociedade, dificultando o acesso e a qualidade da atenção integral dispensada a elas. Consequentemente isso leva a uma vulnerabilidade e um maior risco de intercorrências que pode acarretar em sequelas fatais para esses pacientes. Por isso a necessidade de se ter uma equipe multiprofissional voltada para esclarecer e atender não só os doentes mas também seus familiares. De acordo com Nuzzo e Fonseca (2004), a taxa de mortalidade entre crianças menores de 5 anos com AF é de cerca de 25 a 30 %, decorrentes de infecções fatais, sequestro esplênico ou crises aplásticas, no entanto as maiores taxas de mortalidade ocorram nos 2 primeiros anos de vida, mas a inclusão obrigatória da triagem neonatal (teste do pezinho) vem demonstrando ser um passo importante para redução dessas taxas, pois possibilita a identificação precoce desses indivíduos e por consequência os mesmos recebem a profilaxia adequada. No Brasil a AF é a doença hereditária mais prevalente, chegando a acometer 0,1 a 0,3% da população negroide, com tendência de acometer cada vez mais significativa a população brasileira, pois o país apresenta grande miscigenação entre seus povos. (WATANABE, 2007; NUZZO;FONSECA, 2004). 18

20 Segundo Kikuchi (1999) a alta miscigenação entre negros e brancos, atingiu os estados como Rio de Janeiro, Minas Gerais e o litoral do nordeste, aumentando a prevalência do gene HbS, onde se for considerado apenas afrodescendente o índice varia de 6 a 10%, caracterizando portadores do traço falciforme. Segundo o Programa Nacional de Triagem Neonatal (PNTN), do Ministério da Saúde, citado por Felix,Souza e Ribeiro (2010), conforme se vislumbra. Nascem no Brasil crianças por ano com DF e com traço falciforme, e estima-se que pessoas sejam portadoras do traço falcêmico (HbAS) e entre a com DF. 4,7 O diagnóstico neonatal da DF foi implantado no Brasil através da Portaria nº 822, do Ministério da Saúde, de 06/06/2001, sendo que, em Minas Gerais, o Núcleo de Pesquisa em Apoio Diagnóstico (Nupad) já realizava exames para detecção de hemoglobinopatias desde 23/02/98. Em Uberaba, nos dez primeiros anos de implantação do programa (1998 a 2007), de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde de Uberaba e o Nupad, foram analisados neonatos, dos quais 998 (3,02%) são portadores de traço falciforme, 245 (0,74%) do traço da hemoglobinopatia C e 18 (0,05%) de DF.(FELIX;SOUZA;RIBEIRO, 2010). No Brasil dos óbitos decorrentes da AF, 78,6% ocorrem até os 29 anos de idade, e 37,5% concentra-se nos menores de nove anos, isso relata a elevada letalidade, que abrange especialmente jovens, demonstrando a gravidade da doença (FELIX;SOUZA;RIBEIRO, 2010). 3.3 A Doença Falciforme Segundo Watanabe (2007) a anemia falciforme é um distúrbio genético de caráter assintomático recessivo proveniente da herança genética dos pais do portador, corresponde a forma mais grave dentre as hemoglobinopatia. Na AF há ausência da HbA, onde predomina a HbS acompanhada de quantidades normais de HbA2 (em geral no valor de 2,5%) e um aumento moderado de HbF (em geral inferior a 8%, mas podendo atingir até 25% em alguns casos especiais). É uma doença de caráter crônico, que tem como algumas anormalidades o déficit de peso e estatura, atraso da maturação sexual e em 19

21 alguns casos prejuízo no desempenho escolar dos portadores, principalmente crianças. De acordo com Guedes (2007) as hemoglobinas do tipo S, responsáveis pela AF, têm o transporte de oxigênio prejudicado devido ao formato das hemácias e de algumas condições ambientais adversas, como mudanças climáticas, elevadas altitudes e a principal que é a ausência de oxigênio. Ao contrario dessa situação os portadores de hemoglobinas do tipo AS, não sofrem sintomatologia, só em alguns casos restritos, esses possuem apenas o traço falciforme, esses indivíduos devem ser encaminhados para o aconselhamento genético. A falcização pode ser reversível, com a reoxigenação, mas as hemácias falciformes são inflexíveis. A sua forma estranha e sua rigidez celular causam viscosidade sanguínea aumentada, diminuindo o fluxo sanguíneo e propiciando a falcização de outras células, porem esse processo leva algum tempo para ocorrer, por isso eritrócitos em forma de foice não são encontrados facilmente no sangue circulante, uma vez que quando retornam ao pulmão se reoxigenam e voltam à sua forma normal. (AZEVEDO, 2008). Segundo Nuzzo e Fonseca (2004), os glóbulos vermelhos na sua forma de foice não circulam adequadamente na microcirculação, tendo como consequência a obstrução do fluxo sanguíneo capilar como em sua própria destruição precoce. Esse mecanismo acarreta varias manifestações clinicas, com maior frequência após os 3 meses de idade. De acordo com Pereira e outros (2008) a DF é uma doença crônica, embora tratável, podendo apresentar um alto grau de sofrimento para o paciente, do ponto de vista medico, genético e psicossocial, além de se associar com outros tipos de hemoglobinopatias, onde suas complicações irão comprometer a qualidade de vida de seus portadores. A DF manifesta-se em indivíduos homozigotos para a HbS, e em combinações com outras hemoglobinas anormais, resultando em DF em vários graus: com herança de um gene de HbC (SC), um gene de Beta + talassemia (SAF), ou um gene de Beta Talassemia (SF).(NUZZO;FONSECA, 2004). 20

22 3.4 Manifestações Clínicas da Anemia Falciforme A anemia falciforme possui grandes complicações clínicas que podem prejudicar o desenvolvimento, a qualidade de vida e pode levar a morte, já que pode afetar vários órgãos. Essas complicações têm níveis hierarquizados de complexidade, num contínuo entre períodos de bem-estar ao de urgência e emergência. (GUIMARÃES; COELHO, 2010) Basicamente, a anemia falciforme caracteriza-se por anemia hemolítica crônica e por eventos repetidos de oclusão vascular pelos glóbulos vermelhos que determinam, progressivamente, inúmeras complicações clinicas como infarto nos diversos órgãos com elevada mortalidade (CANÇADO, 2007). A principal causa da anemia nesses pacientes refere-se à destruição precoce dos glóbulos vermelhos. A simples suplementação com ferro não corrige a anemia dos doentes falciformes, sendo, a princípio contraindicado, a não ser que apresentem associado à anemia ferropriva. (KIKUCHI, 2007). De acordo com Brasil (2001a), além da destruição precoce das hemácias outros fatores influenciam na evolução para anemia ou acentua-la: carência de ácido fólico, incapacidade renal, crises aplásticas e esplenomegalia. Laboratorialmente, a anemia hemolítica caracteriza-se por redução dos valores da hemoglobina e do hematócrito, associada ao aumento do número de reticulócitos e à diminuição da vida média dos eritrócitos Outras alterações laboratoriais indicativas de hemólise aumentada são aumento de bilirrubina indireta, aumento de desidrogenase lática e diminuição da haptoglobina. (BRASIL,2001). A vaso-oclusão falciforme é um evento fisiopatológico determinante na maioria dos sinais e sintomas presentes no quadro clínico dos pacientes com doença falciforme. É um processo complexo e de muitos passos, envolvendo células sanguíneas, proteínas plasmáticas e componentes da parede vascular. Entre alterações decorrentes da vaso-oclusão está as crises álgicas, úlceras de membros inferiores, síndrome torácica aguda (STA), sequestro esplênico, priapismo, necrose asséptica do fêmur, acidente vascular encefálico (AVE), retinopatia, insuficiência renal crônica, entre outros. (BATISTA; ANDRADE, 2005) 21

23 As crises dolorosas representam a manifestação mais frequente do processo de vaso-oclusão, causada pelo dano tissular isquêmico secundário a obstrução do fluxo sanguíneo pelas hemácias falciformes. Afeta principalmente as extremidades, joelhos, cotovelos, a coluna vertebral e o abdome. Em crianças menores de cinco anos ocorre a dactilíte (também chamada síndrome mão-pé ), que é a crise dolorosa que ocorre nos pequenos ossos das mãos e pés devido a uma inflamação aguda dos tecidos que revestem os ossos dos punhos, tornozelos dedos e artelhos. É a crise mais observada podendo ser, até mesmo, a primeira manifestação da doença na criança. (BRASIL, 2009a). De acordo com Brasil (2001a) existe vários fatores precipitantes da dor, entre eles estão: a infecção, alterações climáticas, fatores psicológicos, altitude, acidose, sono e apnéia, estresse e desidratação. Segundo Kikuchi(1999) as crises de hipersequestração esplênica é mais comum em crianças até cinco anos de idade quase, representando a segunda causa de morte nessa faixa etária. Esta é uma complicação causada pelo acumulo de glóbulos vermelhos no baço aumentando o seu volume, podendo estabelecer complicação grave, associada à alta letalidade devido ao choque hipovolêmico. As manifestações clínicas incluem mal estar súbito, dor abdominal e sintomas de anemia e hipovolemia. Naoum e outros (1997) frisam que a sequestração súbita de sangue pelo baço ocorre principalmente em criança desidratada ou com acidose metabólica. Ao exame físico apresenta palidez, observa-se aumento do baço e sinais de choque hipovolêmico. A família de pacientes falcêmicos deve ser orientada quanto à palpação do baço para diagnóstico precoce do aumento rápido deste e socorro imediato. (BRASIL, 2001a). Estes pacientes estão predispostos a desenvolver infecções por bacterias encapsuladas pneumonia, meningites, septicemias e osteomielites sendo a principal causa de morte, particularmente devido a defeitos de opsonização. (LEÃO et al, 2005) As infecções estão entre as principais causas de morte em crianças falciformes os agentes etiológicos envolvidos são patógenos habituais, porém causam infecções mais frequentes e graves que na população geral. As principais causas da vulnerabilidade a infecções no paciente falciforme são a disfunção esplênica, causada pela destruição progressiva do baço e a hipóxia tecidual facilitando locais de foco de infecção. A destruição do baço pode 22

24 acarretar em morte principalmente nos primeiros anos de vida, já que estes se tornam mais suscetíveis a infecções bacterianas. (BRAGA, 2007) Em seu trabalho, Nuzzo e Fonseca (2004), citam que os principais agentes etiológicos associados a episódios de infecção bacteriana invasiva nos indivíduos com anemia falciforme, em ordem decrescente de freqüência, são: Streptococos pneumoniae, Salmonella spp, Hib, Escherichia coli e Klebsiella spp.o Acidente Vascular Cerebral (AVC) é uma manifestação mais grave da doença falciforme, e apresenta-se sob duas formas, o tipo isquêmico e do tipo hemorrágico. O AVC isquêmico é decorrente do infarto em áreas irrigadas pelas artérias cerebrais do polígono de Willis, esse evento ocorre em 70 a 80% dos casos de AVC. O AVC hemorrágico é mais comum em adultos, ocorre em consequência de ruptura de pequenos vasos, a partir de neoformações vasculares ou de aneurismas. O AVC hemorrágico apesar de ser menos comum apresenta maior morbimortalidade. (BRASIL, 2009).O sinal clínico mais comum é a hemiparesia, seguido por afasia ou disfasia, convulsões e monoparesias. Cefaléia foi achado comum, mas, isoladamente, não é fator preditivo de AVC. (BRASIL, 2001). A síndrome torácica aguda (STA) é caracterizada pelo aparecimento de um infiltrado pulmonar, com alteração radiológica do tórax na presença de febre ou sintomas respiratórios, como dor torácica, dispneia, tosse e hiperventilação. (BRASIL, 2001).A crise aplástica geralmente associada a uma infecção, caracteriza-se por insuficiência da medula óssea devido a hiperatividade apresentando uma quadro anêmico grave acompanhando reticulopenia. (Naoum et al, 1997). Alterações hepáticas são comuns em doentes falciformes, ocorrendo predominantemente em homozigotos para anemia falciforme e em menor frequência em indivíduos com hemoglobinopatia SC ou Sβ talassemia. Os doentes falciformes podem apresentar alterações agudas causadas pelo processo de falcização, caracterizadas por dor no quadrante superior eicterícia. O diagnostico diferencial inclui crise aguda de falcização hepática, sequestro hepático e colestase intra-hepatica (TRAINA; SAAD, 2007) O priapismo é a ereção prolongada e dolorosa do pênis, por obstrução dos vasos que irrigam esse órgão. Pode estar relacionada ou não ao desejo sexual ou intercurso. A região apresenta edemaciada e extremamente 23

25 dolorosa. Pode ocorrer na doença falciforme em todas as faixas etárias, mas é mais comum após 10 anos de idade. (KIKUCHI, 2007) As ulceras de membros inferiores estão presentes em 8 a 10% dos portadores de doença falciforme. Trata-se de feridas que surgem ao redor do tornozelo e parte lateral da perna, bastante dolorosas e tendem a cronificar. Podem se iniciar na adolescência e parecem ser mais frequentes nos homens; estas feridas são constrangedoras aos adolescentes e limitam muito suas atividades sociais, comprometendo de forma significativa a qualidade de vida dos portadores acometidos. (KIKUCHI, 2007) 3.5 Intervenções Terapêuticas para Anemia Falciforme A anemia falciforme possui uma variabilidade clínica, uma vez que alguns pacientes têm o quadro grave e estão sujeitos a inúmeras complicações e frequentes hospitalizações, outros apresentam evolução mais benigna, e em alguns casos quase assintomáticos. Essa diferença clínica é ocasionada tanto por fatores hereditários como adquiridos. Entre estes fatores adquiridos mais relevantes está o nível socioeconômico, com as consequentes variações nas qualidades de alimentação, hidratação, prevenção de infecções (CHAMONE, et al 1998). Com isso, desenvolver ações educativas sistematizadas para as crianças e suas famílias, sobre a doença, triagem neonatal, sinais e sintomas que demandam atenção médica, hábitos saudáveis, vacinações especiais, medidas preventivas e profiláticas, entre outros aspectos, podem melhorar o grau de conhecimento sobre a doença e suas nuances e assim incrementar a adesão ao tratamento, aspecto de vital importância no controle da doença (ARAUJO, 2007).Nesses pacientes com doença falciforme, Braga (2007) revela que o tratamento deve ser iniciado já nos dois primeiros meses de vida. Desde a primeira consulta os pais e responsáveis devem ser educados e orientados quanto à importância de manter hidratação e nutrição adequadas e de conhecer os níveis de hemoglobina e sinais de palidez. Os familiares devem ser alertados também sobre a importância da prevenção das infecções, através das vacinações e do uso da penicilina profilática e encorajados a reconhecer as intercorrências da doença.o 24

26 diagnóstico e tratamento precoces aumentam a sobrevida e melhoram a qualidade de vida das pessoas com DF que, no entanto estes devem ser acompanhadas em centros de referência especializados com um programa de Atenção Integral. Esta integralidade é composta por assistência multiprofissional com foco no cliente, descentralizada, com ações organizadas e de eficácia comprovada na prevenção, integrada ao modelo do SUS e de forma humanizada. (BRASIL, 2001)A abordagem terapêutica da anemia falciforme pode ser classificada em medidas gerais destinadas a preservar a saúde e prevenir eventos clínicos desfavoráveis e medidas especificas, aplicadas de acordo com as manifestações apresentadas ao portador. A educação da família e do paciente representa um papel fundamental neste sentido. Da mesma forma, deve haver um claro vinculo do paciente e da família com um centro de atendimento especializado a tratar este tipo de doença, evitando recorrer a diferentes locais e hospitais. Uma vez que, não há tratamento especifico para as doenças falciformes, porém medidas gerais e preventivas no sentido de minimizar as consequências da anemia crônica, crises de falcização e susceptibilidade as infecções são fundamentais na terapêutica destes pacientes. (BRASIL, 2001).Ainda neste mesmo sentido, Braga (2007), ressalta que o acompanhamento ambulatorial visa não só a avaliação periódica dos diversos órgãos e sistemas, a fim de precocemente serem detectadas alterações, mas também a orientação do paciente e de seus familiares sobre a doença. A criação de vínculo dos pacientes e seus familiares com a equipe de saúde é fundamental, pois facilita a compreensão sobre a doença e consequentemente evita que os mesmos procurem diferentes hospitais, mantendo o acompanhamento em um único centro de referência. Segundo Leão e outros (2005) os pacientes que apresentarem dores leves ou moderadas podem ser tratadas, em casa, com bastante hidratação e analgésicos. O Ministério da Saúde afirma que pacientes com dores moderadas devem ingerir aspirina e aumentar a ingestão hídrica, sendo reavaliados depois de 24 horas. Ao paciente que apresenta dor intensa deve ser instituídos analgésicos mais potentes, com intervalos regulares. Se a dor é intensa e, o uso de morfina é indicado, esse paciente necessitará de internação hospitalar. 25

27 (BRASIL, 2001a).O prognóstico tem melhorado devido ao diagnóstico precoce e à melhor compreensão da doença, desempenhando papel decisivo a antibioticoterapia profilática com penicilina, nos cinco primeiros anos de vida, a imunização rotineira e contra germes encapsulados, a excelência da qualidade dos centros de hemoterapia e a sistematização no uso de hemocomponentes e quelantes do ferro são medidas que vêm mudando a história atual da doença falciforme (BRASIL, 2009). A transfusão de hemácias tem sido recurso terapêutico cada vez mais utilizado, uma vez que estudos têm demonstrado melhora no curso clinico da doença, sobretudo na redução expressiva do numero de internações, crise vaso-oclusiva e a Síndrome Torácica Aguda e por ter se tornado procedimento mais seguro. Estima-se que cerca de 20% a 30% dos pacientes com DF são mantidos em regime crônico de transfusão de hemácias. (CANÇADO; JESUS, 2007) De acordo com Cançado (2007), a inclusão da hidroxiuréia tem influenciado positivamente na sobrevida dos pacientes com doença falciforme, uma vez que reduziu o número de crises de vaso-oclusão, número de hospitalização, tempo de internação, menor incidência de STA e menor necessidade de transfusão de hemácias.no entanto, a doença continua a apresentar altos índices de mortalidade, pois as medidas terapêuticas ainda são insuficientes. Além disso, os investimentos públicos precisam ser ampliados. (BRASIL, 2006). Para melhor êxito do tratamento é essencial que haja a participação e conscientização dos familiares. Estudos realizados têm demonstrado que a maioria dos pacientes e famílias acometidas de doença puramente genéticas desconhecem a sua fisiopatologia e também não tiveram uma investigação adequada para certeza do diagnóstico tanto clínico quanto laboratorial. Dessa forma torna-se imprescindível o aconselhamento genético para esse fim e a contextualização do mesmo seja centrada na educação dos afetados e de seus familiares (MELO, et al., 2006). 26

28 3.6 Estatuto da Criança e do adolescente O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) foi criado em 13 de Julho de 1990, de acordo com a lei 8.069, garantindo os direitos de todos os infantes a saúde e as responsabilidades e obrigações voltadas diretamente as instituições garantidoras em promover o bem estar da criança e do adolescentes.(brasil,2008). O ECA no seu capitulo I garante à criança e ao adolescente o direito à vida e a saúde digna, retrata no seu artigo 7 diz que: A criança e o adolescente têm direito a proteção à vida e à saúde, mediante a efetivação de políticas sociais públicas que permitam o nascimento e o desenvolvimento sadio e harmonioso, em condições dignas de existência. (BRASIL,2008). De acordo com o citado acima, os órgãos públicos têm o dever de proporcionar condições adequadas para desenvolvimento a vida e a saúde digna das crianças, em especial das crianças portadoras de anemia falciforme, desenvolvendo políticas sociais públicas que beneficiem as mesmas.ocorre que na primazia da realidade existe uma omissão, no que diz respeito, a promoção de políticas de prevenção e assistência direcionadas as crianças portadoras de anemia falciforme e os seus pais portadores dos traços falciformes. No artigo 11 do capitulo 1 do ECA, diz que: É assegurado atendimento integral à saúde da criança e do adolescente, por intermédio do Sistema Único de Saúde, garantido o acesso universal e igualitário às ações e serviços para promoção, proteção e recuperação da saúde.(brasil,2008). Está relatado acima na citação que a criança e o adolescente tem direito à atendimento integral, com uma equipe multiprofissional qualificada para atender todas as necessidades dessas crianças e de seus familiares que buscam nos órgãos públicos um amparo. 27

29 3.7 Triagem Neonatal para Anemia Falciforme A Triagem Neonatal teve inicio na década de 50 e tem como principal objetivo o de diagnosticar precocemente diversas doenças congênitas que não apresentam sintomas no período neonatal, assim garantindo tratamento para as crianças nascidas, aumentando assim suas expectativas de vida. Porem só na década de 60, que os programas de triagem neonatal foram instalados em vários países, sendo que no Brasil teve início em 1976 na cidade de São Paulo apenas com a triagem da fenilcetonúria (ALMEIDA et al, 2006). Segundo Cançado e Jesus (2007), a Triagem Neonatal foi institucionalizada no Sistema Único de Saúde do Brasil por meio da portaria de 15 de Janeiro de 1992, tendo como testes o de fenilcetonuria e hipertiroidismo congênito. Em 2001 foi criado o Programa Nacional de Triagem Neonatal (PNTN) pela portaria 822/01 do Ministério da Saúde, incluindo a triagem para as hemoglobinopatias. O Ministério da Saúde vem trabalhando juntamente com a coordenação da Política Nacional de Sangue e Hemoderivados, para cumprir as regras estabelecidas pela Portaria 1.139, que foi criada em 2005, onde a mesma rege as diretrizes para a Política Nacional de Atenção Integral às Pessoas com Doença Falciforme e outras Hemoglobinopatias no âmbito do Sistema Único de Saúde (BRASIL, 2001a). De acordo com Sommer e outros (2006), os benefícios do diagnostico precoce e tratamentos dos pacientes com AF, fazendo assim que as taxas de morbidade e mortalidade nos primeiros cinco anos de vida caiam. Com isso também se pode ter uma maior expectativa de vida para esses pacientes, onde os mesmos fazem o uso de medicamentos que aliviam as crises da doença e melhoram sua qualidade de vida. Alguns princípios regem a inserção de certa patologia em um de Triagem Neonatal, onde são eles: a doença não deve apresentar características clinicas precoce; deve ser de fácil detecção laboratorial; permitir a realização de teste confiáveis (alta sensibilidade e especificidade); o programa deve ser economicamente viável e logístico para acompanhamento de casos detectados até o diagnostico final; os sinais e sintomas deves ser reduzidos ou eliminados através do tratamento e se deve existir um programa 28

30 de acompanhamento com quesitos mínimos necessários ao êxito do tratamento (ALMEIDA et al, 2006). Alguns países como os Estados Unidos e Cuba vem desenvolvendo trabalhos desde da década de 70 no âmbito da TN, usando técnicas de analise de DNA para o exame de vilosidade de coriônicas nos primeiros três meses de gestação ou para o exame do liquido aminiótico. Estas técnicas apresentam dois problemas principais: o auto custo do procedimento e mão-de-obra qualificada (BANDEIRA, 2007). É importante o estudo de hemoglobinas humanas anormais para a saúde pública do Brasil, onde temos um país que foi colonizado, absorvendo grande número de povos oriundos de outras regiões. Existem duas estratégias possíveis na triagem neonatal: a primeira relata o teste seletivo de RN filhos de casais sabidamente portadores do traço falciforme, ou que já tenham algum filho doente; já a segundo retrata a triagem universal de todos os RN (ALMEIDA et al, 2006). Segundo Cançado e Jesus (2007), o objetivo principal da TN é o de reduzir as taxas de morbimortalidade, mas esse objetivo tem esbarrado na imperiosa necessidade de seguimento dessas crianças e não apenas no diagnostico precoce dos mesmos. Quanto mais cedo se tem o diagnostico de doença falciforme, mais rapidamente podem-se instituir medidas que visem reduzir a morbimortalidade nesse grupo de pacientes e prevenir seqüelas para essas crianças, as famílias também são preparadas para o seguimento do tratamento. 3.8 Aconselhamento Genético para Anemia Falciforme Segundo Brasil (2001), o aconselhamento genético tem caráter assistencial, podendo ou não ter conseqüências preventivas ou eugênicas, é um componente importante na conduta médica, sendo considerada uma falha grave a sua omissão. É indispensável a participação de profissionais habilitados e qualificados nessa técnica, pois apresenta implicações psicológicas, sociais e jurídicas às famílias prestadas. Para Brunoni (2002), a definição mais bem aceita para AG é a da American Society of Humanan Genetics, trata-se de um processo comunicativo 29

31 que enfrenta problemas humanos, associados a doenças genéticas. Deve se ter indivíduos treinados para compreender os fatos médicos, apreciar o modo como a hereditariedade contribui para a doença, compreender alternativas para lidar com o risco que a doença desencadeia, escolher o mo de preparo das reuniões de acordo com a família entrevistada. O profissional para atuar no AG tem que ter uma postura diretiva e não coerciva, deixando o seu querer sobressair. Os pacientes devem ser conscientizados do problema em questão, sem serem privados do seu direito de reprodução, mas com plena consciência de alguns riscos que assumirão, como: grau de sofrimento físico, mental e social, imposta pela doença, a necessidade de um diagnostico precoce, o acompanhamento e tratamento desses paciente no decorrer de suas vidas, entre outras medida preventivas (BANDEIRA, 2007). De acordo com Brasil (2001), o aconselhamento genético baseia-se em alguns princípios éticos básicos: autonomia, privacidade, justiça, igualdade e qualidade. Sendo que na autonomia temos a decisão do casal em realizar os testes ou não, na privacidade temos o sigilo total, os resultados não podem ser liberados para outrem sem a autorização dos examinados. O principio da justiça garante a proteção de pessoas vulneráveis, tais como crianças, pessoas com retardo social, mental ou de culturas especiais. O principio da igualdade oferece acesso iguais aos testes para todos os indivíduos, sem levar em consideração a origem geográfica, raça e classe econômica, por fim o principio da qualidade que assegura que todos os testes realizados devem ter especificidade sensibilidade e adequadas. O AG no Brasil só veio a desencadear a partir das décadas de 60 e 70, com o interesse maior nas pesquisas de certas doenças ou grupo de doenças genéticas (BRUNONI, 2002). De acordo com Guimarães e outros (2009), o AG foi criado com o intuito de ajudar pessoas a resolverem no que se diz respeito. É um processo que lida com a ocorrência ou risco de uma doença hereditária na família, ajudando os seus componentes à compreenderem como a herança genética contribui para desencadear a doença. 30

32 4 METODOLOGIA No decorrer da metodologia será abordado quais métodos foram empregados para o desenvolvimento do trabalho, como elaboração de questionário, extratificação de resultados e plotagem de dados. 4.1 Tipo de Estudo O presente estudo é uma investigação que visa à análise quantitativa e qualitativa, com abordagem descritiva. De acordo com Marconi e Lakatos (2006), a pesquisa quantitativa caracteriza-se pelo emprego de quantificação tanto nas modalidades de coleta de informações, quanto no tratamento delas por meio de técnicas estatísticas. Quanto à pesquisa qualitativa difere-se por não adotar um instrumento estatístico, tais dados com base no processo de análise de um problema para a sua generalização, pois o método qualitativo preocupa-se em analisar e interpretar aspectos mais profundos, descrevendo a complexidade do comportamento humano. Fornecem análises mais detalhada sobre as investigações, hábitos, costumes, tendências de comportamento, etc. Já a análise descritiva observa, registra, analisa e ordena os dados, sem manipulá-los, isto é, sem interferência do pesquisador. Assim para coletar tais dados, utiliza-se de técnicas específicas, tais como: entrevistas, formulários, questionários, e observação, leitura analítica (ALMEIDA, 1996). Dessa forma, foi respeitado sempre o sigilo ético profissional, não adulterando as respostas e nem interferindo nas mesmas, respeitando as respostas escolhidas. 4.2 Local do Estudo O presente trabalho foi realizado na cidade de Paracatu, situada na região noroeste de Minas Gerais, tendo como delimitação ao norte a cidade de Unaí-MG, ao sul Vazante-MG e Guarda-Mor, ao leste João Pinheiro-MG e Lagoa Grande-MG e ao oeste Cristalina-GO. O município está distante a apenas 220 Km de Brasília, a Capital Federal, e a 500 Km de Belo Horizonte. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia Estatística IBGE, no ano de 31

33 2010, o município possuía uma população de aproximadamente mil habitantes.(ibge,2011). A cidade possui quinze ESF, a saber: ESF Aeroporto, ESF Alto do Açude, ESF Alto do Córrego, ESF Amoreiras, ESF Bela Vista, ESF Chapadinha, ESF JK, ESF Lagoa, ESF Novo Horizonte, ESF Nossa Senhora de Fátima, ESF Paracatuzinho, ESF Primavera, ESF São João Evangelista, ESF SESC e ESF Vila Mariana. Contendo ainda um laboratório municipal e seis laboratórios particulares e um CAPS. 4.3 Delimitação do Público Alvo Foram selecionados como critérios de inclusão os pacientes portadores de anemia falciforme, com diagnóstico confirmado pelo teste do pezinho, realizado pela secretaria municipal de saúde, nascidos entre os anos de 1999 a 2009, cadastrado no banco de dados da SMS de Paracatu- MG. Para seleção de amostra, foram considerados como critérios de exclusão, sujeito portadores de AF com idade superior ou inferior a estudada; pacientes não cadastrados nos registros da SMS e os nascidos entre 1999 a 2009, que se negaram a participar da pesquisa ou que não assinaram o Termo de Compromisso Livre e Esclarecido. 4.4 Instrumentos para coleta de dados Foi utilizado como instrumento de pesquisa a coleta de dados. Inicialmente foi realizada uma pesquisa no banco de dados da Secretaria Municipal de Saúde de Paracatu-MG, e a partir dos resultados obtidos dessa pesquisa, foi elaborado um questionário e entregue ao público escolhido. Esse questionário era constituído por questões de múltipla escolha e abertas para discursão de alguns tópicos importantes da doença, oferecendo ao entrevistado a liberdade e espontaneidade das respostas. 32

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias O que é hemoglobina É a proteína do sangue responsável em carregar o oxigênio para os tecidos Qual é a hemoglobina normal? FA recém-nascido AA

Leia mais

Glóbulos vermelhos (hemácias ou eritrócitos)

Glóbulos vermelhos (hemácias ou eritrócitos) Doença Falciforme Glóbulos vermelhos (hemácias ou eritrócitos) Fonte: BESSIS, M. - Corpuscules - essai sur la forme des globules rouges de l homme springer international - 1976 Hemoglobina Função: Captar

Leia mais

Diagnóstico de hemoglobinopatias pela triagem neonatal

Diagnóstico de hemoglobinopatias pela triagem neonatal 1º Congresso Médico de Guarulhos Práticas Clínicas no SUS 5 a 7 novembro de 2015 Diagnóstico de hemoglobinopatias pela triagem neonatal Dra Christiane M. S. Pinto Hematologista Pediatrica HMCA Guarulhos

Leia mais

Doença de Células Falciformes

Doença de Células Falciformes Doença de Células Falciformes Pedro P. A. Santos Médico Oncologista - Hematologista Setor de Oncologia e Hematologia Hospital da Criança Conceição Porto Alegre RS Setembro 2015 Doença Falciforme Breve

Leia mais

POLÍTICA ESTADUAL DE ATENÇÃO INTEGRAL ÀS PESSOAS COM DOENÇA FALCIFORME E OUTRAS HEMOGLOBINOPATIAS

POLÍTICA ESTADUAL DE ATENÇÃO INTEGRAL ÀS PESSOAS COM DOENÇA FALCIFORME E OUTRAS HEMOGLOBINOPATIAS POLÍTICA ESTADUAL DE ATENÇÃO INTEGRAL ÀS PESSOAS COM DOENÇA FALCIFORME E OUTRAS HEMOGLOBINOPATIAS Introdução As Hemoglobinopatias compreendem um grupo de distúrbios hereditários que afetam a síntese de

Leia mais

PAPEL DO ENFERMEIRO NO ENSINO AO AUTOCUIDADO DE ADOLESCENTES COM DOENÇA FALCIFORME. Odete Aparecida de Moura

PAPEL DO ENFERMEIRO NO ENSINO AO AUTOCUIDADO DE ADOLESCENTES COM DOENÇA FALCIFORME. Odete Aparecida de Moura PAPEL DO ENFERMEIRO NO ENSINO AO AUTOCUIDADO DE ADOLESCENTES COM DOENÇA FALCIFORME Odete Aparecida de Moura Autores Odete Aparecida de Moura 1, Ana Paula Pinheiro Chagas Fernandes 2, José Nélio Januário

Leia mais

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito do Traço Falcêmico

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito do Traço Falcêmico MANUAL DO PACIENTE - TENHO TRAÇO FALCÊMICO.... E AGORA? EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito do Traço Falcêmico Sabemos

Leia mais

Anemia Falciforme. Comunitários de Saúde Série A. Normas e Manuais Técnicos. Manual de. para Agentes

Anemia Falciforme. Comunitários de Saúde Série A. Normas e Manuais Técnicos. Manual de. para Agentes MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Especializada Manual de Anemia Falciforme para Agentes Comunitários de Saúde Série A. Normas e Manuais Técnicos Brasília DF 2006

Leia mais

Doença falciforme: Infecções

Doença falciforme: Infecções Doença falciforme: Infecções Célia Maria Silva Médica Hematologista da Fundação Hemominas celia.cmaria@gmail.com Eventos infecciosos Importância Incidência Faixa etária mais acometida (6m - 5a) Internações

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

Profa. Dra. Claudia Regina Bonini Domingos Laboratório de Hemoglobinas e Genética das Doenças Hematológicas Departamento de Biologia Instituto de

Profa. Dra. Claudia Regina Bonini Domingos Laboratório de Hemoglobinas e Genética das Doenças Hematológicas Departamento de Biologia Instituto de Hemoglobinopatias e Talassemias Profa. Dra. Claudia Regina Bonini Domingos Laboratório de Hemoglobinas e Genética das Doenças Hematológicas Departamento de Biologia Instituto de Biociências, Letras e Ciências

Leia mais

Meu bebê tem Doença Falciforme O que fazer?

Meu bebê tem Doença Falciforme O que fazer? Meu bebê tem Doença Falciforme O que fazer? Agência Nacional de Vigilância Sanitária 2 Guia Sobre Doenças Falciformes Diretor Presidente Gonzalo Vecina Neto Diretores Luiz Carlos Wandreley Lima Luiz Felipe

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO DE RESUMO. CUIDADOS DE ENFERMAGEM A CRIANÇA COM ANEMIA FALCIFORME: RELATO DE EXPERIÊNCIA Glacylena Soares de Andrade Castro

FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO DE RESUMO. CUIDADOS DE ENFERMAGEM A CRIANÇA COM ANEMIA FALCIFORME: RELATO DE EXPERIÊNCIA Glacylena Soares de Andrade Castro FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO DE RESUMO ESCOLHA SUA OPÇÃO DE APRESENTAÇÃO: Título: Relator: Autores: CUIDADOS DE ENFERMAGEM A CRIANÇA COM ANEMIA FALCIFORME: RELATO DE EXPERIÊNCIA Glacylena Soares de Andrade

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Júlio César Coelho do Nascimento (Enfermeiro Pós-graduando em Oncologia Clínica- Centro de Especialização em Enfermagem

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA

O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Aline Paula

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Nesta Edição: 1. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2. Intensificação das Ações

Leia mais

CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS OU REGIONAIS INSTRUMENTAL PARA GRUPO DE TRABALHO SAÚDE

CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS OU REGIONAIS INSTRUMENTAL PARA GRUPO DE TRABALHO SAÚDE CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS OU REGIONAIS INSTRUMENTAL PARA GRUPO DE TRABALHO SAÚDE II CONFERÊNCIA DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL Instrumental de Trabalho baseado nas Propostas Aprovadas na I Conferencia Estadual

Leia mais

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura?

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura? Volume1 O que é? O que é Hemofilia? Hemofilia é uma alteração hereditária da coagulação do sangue que causa hemorragias e é provocada por uma deficiência na quantidade ou qualidade dos fatores VIII (oito)

Leia mais

Abra as portas da sua empresa para a saúde entrar. Programa Viva Melhor

Abra as portas da sua empresa para a saúde entrar. Programa Viva Melhor Abra as portas da sua empresa para a saúde entrar. Programa Viva Melhor Apresentação Diferente das operadoras que seguem o modelo assistencial predominante no mercado de planos de saúde e focam a assistência

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 1 Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Nome fantasia: Projeto de volta prá casa Instituições: Núcleo de Epidemiologia do Serviço de Saúde Comunitária da Gerência de saúde Comunitária

Leia mais

Manual do Agente de Saúde

Manual do Agente de Saúde Manual do Agente de Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária 2 Guia Sobre Doenças Falciformes Introdução Segundo estimativas da Organização Mundial de Saúde, a cada ano nascem no Brasil cerca de

Leia mais

CAPTAÇÃO DE ALUNOS DO CURSO DE ENFERMAGEM PARA DOAÇÃO DE SANGUE FRENTE A CARÊNCIA VIVENCIADA 1

CAPTAÇÃO DE ALUNOS DO CURSO DE ENFERMAGEM PARA DOAÇÃO DE SANGUE FRENTE A CARÊNCIA VIVENCIADA 1 CAPTAÇÃO DE ALUNOS DO CURSO DE ENFERMAGEM PARA DOAÇÃO DE SANGUE FRENTE A CARÊNCIA VIVENCIADA 1 BENDER, Leticia Silmara 2 ; MARZARI, Carla 3 ; MENEGAZZI, Bruna Boff 4 ; NEVES, Bruna Sartori 5 ; QUADROS,

Leia mais

MISSÃO Ser uma instituição de excelência técnico-científica em hemoterapia e hematologia com elevado padrão ético e compromisso com a população.

MISSÃO Ser uma instituição de excelência técnico-científica em hemoterapia e hematologia com elevado padrão ético e compromisso com a população. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. Política Nacional de Atenção Integral à pessoa com Doença Falciforme ADRIANA TORRES SÁ ENFERMEIRA HEMOCE CRATO DOENÇA FALCIFORME DOENÇA

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Mortalidade Infantil. Epidemiologia dos Serviços de Saúde. Causas de Morte.

PALAVRAS-CHAVE: Mortalidade Infantil. Epidemiologia dos Serviços de Saúde. Causas de Morte. ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA Jessica Neves Pereira (latiifa@hotmail.com)

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Mutações. Escola Secundária Quinta do Marquês. Disciplina: Biologia e Geologia Professor: António Gonçalves Ano letivo: 2013/2014

Mutações. Escola Secundária Quinta do Marquês. Disciplina: Biologia e Geologia Professor: António Gonçalves Ano letivo: 2013/2014 Escola Secundária Quinta do Marquês Mutações Disciplina: Biologia e Geologia Professor: António Gonçalves Ano letivo: 2013/2014 Trabalho realizado por: Bárbara Dória, nº4, 11ºB Definição de mutação As

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

Nota Técnica Conjunta n 02/2015

Nota Técnica Conjunta n 02/2015 Nota Técnica Conjunta n 02/2015 DVSCA/DAPS/SAS/SESA DVPcD/DACC/SAS/SESA Assunto: Esclarecimentos e orientações sobre a coleta obrigatória do Teste do Pezinho nos Hospitais/Maternidades, Públicos e Privados,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI N o 6.234, DE 2002 Dispõe sobre o tratamento dos casos de hipotireoidismo congênito e de fenilcetonúria, diagnosticados precocemente. Autor:

Leia mais

PRINCÍPIOS DE GENÉTICA MÉDICA

PRINCÍPIOS DE GENÉTICA MÉDICA PRINCÍPIOS DE GENÉTICA MÉDICA Conceitos Genética / Genômica Doença genética Hereditariedade Congênito DNA / Gene / Locus / Alelo Homozigoto / Heterozigoto Cromossomos Autossomos Sexuais Dominante / Recessivo

Leia mais

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 Cenário 1) Nas últimas décadas, os países da América Latina e Caribe vêm enfrentando uma mudança

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Lista de Exercícios Herança Sexual

Lista de Exercícios Herança Sexual Meus queridos alunos, preparei para vocês uma lista de atividades abordando o conteúdo estudado por nós esta semana. Espero que vocês aproveitem o final de semana para resolver esses exercícios segundo

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal Grupo temático: Direito à vida, à saúde e a condições

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

CAPÍTULO 12 BIOLOGIA SOCIAL DA DOENÇA FALCIFORME

CAPÍTULO 12 BIOLOGIA SOCIAL DA DOENÇA FALCIFORME CAPÍTULO 12 343 BIOLOGIA SOCIAL DA DOENÇA FALCIFORME INTRODUÇÃO A biologia social agrupa uma série de situações vivenciadas pelo falcêmico no âmbito social que inclui qualidade de vida e relacionamento.

Leia mais

UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico

UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico 1. Assunto: Indicadores epidemiológicos, de morbidade: incidência, prevalência, taxa de ataque e taxa de ataque secundária..

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade.

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil Ruth Rangel * Fernanda Azevedo * Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Resumo A redução das desigualdades sociais tem sido

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Especialização Profissional Técnica

Leia mais

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Serviço Social DISCURSIVA Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do gabarito - Prova Objetiva (PO) 31/10/2011

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA IRAS As infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) consistem em eventos adversos ainda persistentes nos

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH Brasília, outubro de 2015 População Masculina 99 milhões (48.7%) População alvo: 20 a 59 anos População Total do Brasil 202,7 milhões de

Leia mais

Azul. Novembro. cosbem. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata.

Azul. Novembro. cosbem. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR Novembro Azul Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. NOVEMBRO AZUL Mês de Conscientização,

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO LÍVIA CRISTINA FRIAS DA SILVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE Ms. Maria de Fátima Lires Paiva Orientadora São Luís 2004 INTRODUÇÃO Sistema Único de Saúde - Universalidade

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GEFIS Nº 29 / 2010 Abordagem Sindrômica. Participação Legal do Enfermeiro. Programa de Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis. Programa de Atenção Integral em Doenças Prevalentes

Leia mais

CONCEITO: Principais tipos de anemia:

CONCEITO: Principais tipos de anemia: CONCEITO: Diminuição do número de HEMOGLOBINA contida nos glóbulos vermelhos como resultado da falta de um ou mais nutrientes essenciais à manutenção do organismo ou defeitos anatômicos das hemácias A

Leia mais

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO Título: AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA EM SAÚDE AO IDOSO NO MUNÍCIPIO DE ANÁPOLIS-EFETIVIDADE E RESOLUTIVIDADE Autores: Júlia Maria Rodrigues de OLIVEIRA, Marta Rovery de SOUZA. Unidade Acadêmica:

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS DOS NEONATOS PREMATUROS NASCIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ H.U.O.P.

CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS DOS NEONATOS PREMATUROS NASCIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ H.U.O.P. CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS DOS NEONATOS PREMATUROS NASCIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ H.U.O.P. Luana Muriel Casarolli 1 Aneline Maria Ruedell Juliana Montijo Pinto Rosa Déborah

Leia mais

ANEMIAS parte IV. Profª Carolina Garrido Zinn

ANEMIAS parte IV. Profª Carolina Garrido Zinn ANEMIAS parte IV Profª Carolina Garrido Zinn Hemoglobinopatias Doenças hereditárias causadas por diminuição ou anomalia da síntese de globina Afetam cerca de 7% da população mundial Hemoglobina Proteína

Leia mais

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Pressão controlada apresentação Chamada popularmente de pressão alta, a hipertensão é grave por dois motivos: não apresenta sintomas, ou seja,

Leia mais

PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DO CÂNCER DE PRÓSTATA: RELATO DE EXPERIÊNCIA DA FEIRA DE SAÚDE. Palavras chave: Saúde, Promoção da Saúde, Saúde do Homem.

PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DO CÂNCER DE PRÓSTATA: RELATO DE EXPERIÊNCIA DA FEIRA DE SAÚDE. Palavras chave: Saúde, Promoção da Saúde, Saúde do Homem. PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DO CÂNCER DE PRÓSTATA: RELATO DE EXPERIÊNCIA DA FEIRA DE SAÚDE SILVA¹, Lorrayne Emanuela Duarte da ; BORGES 2, Cristiane José; NOGUEIRA 3, Douglas José; SILVA 4, kelvia Donato da;

Leia mais

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PARA O ALEITAMENTO MATERNO

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PARA O ALEITAMENTO MATERNO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

História Natural das Doenças e Níveis de Aplicação de Medidas Preventivas

História Natural das Doenças e Níveis de Aplicação de Medidas Preventivas Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia História

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 Dispõe sobre o atendimento obrigatório aos portadores da Doença de Alzheimer no Sistema Único de Saúde - SUS, e dá outras providências.

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS Atenção à Saúde da Criança 1ª Edição SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS Belo Horizonte, 2005 GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Governador Aécio Neves da Cunha SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE

Leia mais

Alterações congénitas da formação da hemoglobina:

Alterações congénitas da formação da hemoglobina: ANEMIAS CAUSADAS POR DEFEITOS GENÉTICOS DA HEMOGLOBINA Alterações congénitas da formação da hemoglobina: TALASSEMIAS há uma síntese desequilibrada das cadeias globínicas HEMOGLOBINOPATIAS por alteração

Leia mais

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ O que é um registro de câncer? -Centro de coleta, armazenamento, processamento e análise - de forma sistemática e contínua - de informações (dados) sobre pacientes

Leia mais

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1 FISCO Saúde ANS 41.766-1 Programa de Atenção Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS Prezados Associados, Para facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços, o

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Requerimento (Do Sr. Hugo Leal)

Requerimento (Do Sr. Hugo Leal) Requerimento (Do Sr. Hugo Leal) Sugere ao Poder Executivo sejam tomadas providências no sentido de ser exigido a feitura de diagnóstico precoce de autismo em todas as unidades de saúde pública do país,

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA)

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) I- Introdução O acompanhamento do crescimento e desenvolvimento, do nascimento até os 5 anos de idade, é de fundamental

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 04: ATIVIDADES DO ENFERMEIRO ATIVIDADES DO ENFERMEIRO SUPERVISÃO GERENCIAMENTO AVALIAÇÃO AUDITORIA

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL FORTALEZA CEARÁ 2009 SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS

Leia mais

TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA

TÍTULO: SE TOCA MULHER CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO

Leia mais

Manual do Paciente. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Manual do Paciente. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária 2 Guia Sobre Doenças Falciformes Diretor Presidente Gonzalo Vecina Neto Diretores Luiz Carlos Wandreley Lima Luiz Felipe Moreira Lima Luiz Milton Veloso Costa Ricardo

Leia mais

PARECER Nº, DE 2006. Em 1º de agosto de 2003, a CAS recebeu emenda à proposição, apresentada pela Senadora Lúcia Vânia.

PARECER Nº, DE 2006. Em 1º de agosto de 2003, a CAS recebeu emenda à proposição, apresentada pela Senadora Lúcia Vânia. PARECER Nº, DE 2006 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em caráter não-terminativo, sobre os Projetos de Leis do Senado n os 237 e 504, de 2003, e nº 80, de 2004; e sobre os Projetos de Leis da Câmara n os

Leia mais

Fibrose Cística. Triagem Neonatal

Fibrose Cística. Triagem Neonatal Fibrose Cística Triagem Neonatal Fibrose cística Doença hereditária autossômica e recessiva, mais frequente na população branca; Distúrbio funcional das glândulas exócrinas acometendo principalmente os

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

Estudos de Coorte: Definição

Estudos de Coorte: Definição Estudos de Coorte: Definição São estudos observacionais onde os indivíduos são classificados (ou selecionados) segundo o status de exposição, sendo seguidos para avaliar a incidência de doença. São conduzidos

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais