Reagdo al6rgica em paciente ortodontico: um caso clfnico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reagdo al6rgica em paciente ortodontico: um caso clfnico"

Transcrição

1 Reagdo al6rgica em paciente ortodontico: um caso clfnico An allergic reaction to orthodontic appliances: a case report Luciste Macedo de Mauzcs l Fernatda Lopcs dc Souza 2 Ana Maria Bolognese 3 Orlando Chcuilarcsc a RESUMO Este trabalho apresenta o caso de uma paciente em tratamento ortoddntico, que demonstrou uma reaqao al6rgica i Parte met6lica da tala cervical do aparelho extra-oral. Feito o diagn6stico e o tratamento, em 15 dias a Paciente retornou sem a lesao. 56o apresentados outros casos semelhantes e discutidas as razdes e reaq6es associadas com este processo aldrgico. E feito um apanhado procurando relacionar a preval ncia, principalmente em relagso ao sexo e ao uso de aparelho ortoddntico fixo. UNITERMOS Alergia, Dermatite de contato, Sensibilidade, Niquel, Ortodontia. SUMMARY This work Presents a case of a patient that was undergoing orthodontic treatment and showed an allergic reaction to the metal buckle of her cervical headgear. The diagnose was made an the treatment prescribed,15 days after that she comes back with no symptoms. Other similar cases are presented and the reasons and reactions related to this allergic process discussed. This article tries to relate prevalence, specially in relation to sex and fixect orthodontic appliance. UNITERMS Allergy, Contact dermatitis, Hipersensitivity, Nickel, Orthodontics. Introdugio O niquel tem sido considerado uma das causas mais comuns da dermatite de contato, provocando mais reae6es do que todos os outros metais combinados.2 A exposiedo a este metal 6 inevit6vel, uma vez que este este presente em praticamente tudo: nas armaq6es dos 6culos, nos brin- cos/ nos bot6es metiilicos, nos rel6gios de pulsor e nas panelas. O niquel tamb6m pode ser encontrado na atmosfera, na 6gua que bebemos e nos alimentos. A m6dia de ingestdo de niquel por pessoa 6 de aproximadamente 300 trtg/ dia.].e A concentragdo de niquel na 6gu,a que consumimos 6 normalmente abaixo de 20 pg/l.1 AI6m ' Doutorarda (Ortodontia) pela LrFRJ ' Cirurgia-denLta fo.-uju'pau UrfiCS. 'ProF Adjunta da DiscipLina de Ortodontia da UFRJ ' Prof. Emdrito da UFRf

2 Reagao al6rgica em paciente ortod6ntico destas fontes comuns de niquel, as quais os individuos estao expostos normalmente, hd tamb6m a exposiqdo iatrog6nica ao ni quei, que pode ocorrer a partir de articulag6es prot6ticas, implantes dentais, placas e parafusos ortop6dicos, ligas para uso odontol6gico e aparelhos ortod6nticos.r O contato freqiiente com substancias que contenham niquel pode provocar reag6es a este metal. A incid6ncia de hipersensibilidade ao niquel na populaqdo 6 de aproximadamente 10%.2 Em mulheres, a freqiioncia de hipersensibilidade ao teste de contato ao niquel tem sido em tomo de 20%, sendo dez vezes maior do que em homens(2%).l 6 Kerosuo e cols.8 tamb6m observaram esta maior freqiidncia de reaqio positiva ao teste de contato ao niquel em mulheres. Segundo os autores,s este fato 6 ainda mais comum em mulheres que t6m orelha furada (usam brinco). Esta pode ser uma razdo pela qual os homens t m um menor ndmero de reag6es positivas ao teste. Por6m, outros fatores t6m sido associados ao desenvoivimento de sensibilidade ao niquel como irritagdo mecanica, maceragdo da pele, aumento da temperatura ambiente, aumento da intensidade e duraeso da exposiqdo. Fatores gen6ticos tamb6m t6m influ ncia na aquisigdo e regulagao da resposta imune, apesar deste fato ainda n6o ser conclusivo.2 Caso clinico Paciente de 27 anos, sexo feminino, estando sob tratamento ortod6ntico, apresentou reaedo al6rgica )s partes metiilicas da tala do extra-oral de tragdo cervical. A paciente chegou ao consult6rio relatando urticdria e irritaedo na pele do pescoqo. Ao exame clinico, foi observada uma 6rea eritematosa com vesiculas, no pescogo/ uma lesdo de cada lado, correspondendo em tamanho e localizagdo com as Partes metslicas da tala do aparelho extra-oral (Figuras 1,, 2 e 3). Foi feita palpagdo de linfonodos, mas estes ndo estavam comprometidos. A andlise da hist6ria clinica da paciente revelou que a mesma apresenta alergia a brincos que ndo sejam de ouro, provocando inflamagdo local e descamaq6o da pele ap6s o uso dos mesmos. A lesdo foi diagnosticada como sendo uma dermatite de contato. O tratamento rea\izado consistiu da remoedo do estimulo, ou seja, da troca da tala cervical por uma onde a parte met6lica nio entrasse em contato com a pele (Figura 4). Quinze dias ap6s, a paciente retornou sem nenhum sinal de reagdo al6rgica (Figura 5). Discussio O diagn6stico de alergia ao niquel se baseia principalmente na hist6ria clinica do paciente. E aifcl estabelecer uma relaqdo de causa,2 uma vez que este metal est6 presente em praticamente fudo.r Os aparelhos ortod6nticos s6o geralmente feitos de 18% de cromo e 8% de niquel.s Os fios de aqo inoxiddvel t m menos de 15"/" de niquel e este metal normalmente ndo ests disponivel para reagir devido A adigdo de uma camada de cromo, que forma uma pelicula de 6xido de cromo prevenindo a corrosao e restringindo a liberaqdo de niquei.a Alguns fios metdlicos com propriedades eldsticas podem conter mais de 50% de niquel,a o como 6 o caso dos fios de niquel-titanio, que contom aproximadamente 70% de niquel.'zo titanio 6 muito resistente i corrosio e parece ligar-se ao niquel, tornando esta liqa resistente d corrosso. 52 O odontin Gtritcha v. \ 11. 7, abr 1997

3 LrLci.ne Maceclo Lle Menezes et irl. Figura 1 Fotografra de perfil da paciente, coln aparelho extra-oral, cle iraqao cen,ical- Figura 2 Fotografia elo pescoqo cla paciente, aplesentanclo rlma lesao er'itematosa, com vesiculas, cor.repondenclo elr tanat ro e posiqao com a parte metilica cla tala Llo aparelho extr.a-or.al. Figura 3 Figura 4 Fotografia cle pelfil da paciente, com apalelho extra-oral, de tfaqio ce):\,ical, 15 Llias depois Figura 5 Fo (lll qo cla pactente, 15 cias clepois, sem qual- ID 53

4 Reagao alagica em paciente ortocl6ntico Em seus estr-rdos, Grimsdottir e cols.6 analisaram os diferentes metais de que eram compostos os aparelhos e dispositivos r-rsados em Ortodontia e o quanto de niquel e cromo seria liberado em soluqdo fisiol6gica salina. Foram analisados arcos faciais, bandas para molares, brsquetes e fios ortod6nticos. A conclusio deste traba- Iho foi que a liberagdo de niquel e cromo parece estar relacjonada com a composiqio e manufatura do material e ndo com a quantidade de cada metal na liga.6 Alem disto, aparelhos com soldas feitas a onro orl prata mostraram um aumento na liberagdo de niquel e cromo ao passo que as ligas contendo titanio liberavam pouco nique1, nestas condiq6es,o Barret e cols.r realizaram um trabalho semelhante, por6m usando saliva artificial como meio, a 37"C. Algumas das conclus6es deste trabalho foram que: aparelhos ortod6nticos liberam niqr"rel e cromo; a qr-rantidade de niquel liberada 6 aproximadamente 37 vezes maior do que a quantidade de cromo liberada; a quantidade estimada de liberagdo de niquel de um aparelho ortod6ntico completo ti menor qr-re 10% da quantidade ingerida na dieta diariamente. A literatr,rra descreve alguns casos de reag6es, na pele ou mucosa, associadas a sensibilidade ao niquel. Como no caso relatado por Greig,s de uma paciente com 16 anos que apresentava les6es no Pescoqo e nos pulsos. A paciente relatou que dormia com o pulso em contato com a parte metiilica da faixa cervical. A sugestao de Greigs foi de trocar esta faixa cervicai por uma onde o gancho fosse de pldstico. A paciente continuou a apresentar uma leve reag6o, entdo a opgio final foi de recobrir com um verniz de secagem riipida a parte pidstica da faixa cervical, que fica em contato com a pele. Em outro caso, relatado por Dulap e cols.,a uma paciente de 14 anos apresentou, ap6s a colocaqdo de fios de niquel-titanio, uma sensagdo de queimagso na mucosa ora1. Ap6s um m6s a paciente apresentava les6es macular eritematosas na mllcosa bucai, dorso da lingua e mlrcosa do paiato e, concomitantemente, hist6ria de alergia a brincos. Foi feita bi6psia de uma das les6es onde se identificou histologicamente, no epit6lio, edema intercelular com migragdo de linf6citos. No tecido conjuntivo predominava um infiltrado de linf6citos. Capilares e vonulas estavam dilatados e cheios de eritr6citos e neutr6filos. O diagn6stico foi de reaqao a16rgica. Removido o fio, a lesdo em 4 dias havia regredido, ou seja, removido o agente que continha niquel, cessou a reagdo al6rgica. Este caso tratado por Dunlap & cols.,a chamado de estomatite de contato, pode variar desde um eritema pouco visivel a um eritema forte, de coloragdo intensa, podendo ou ndo ter edema. Estes autores acham surpreendente que, havendo uma alta freqtioncia de reaq6es cr-rtaneas ao niquel, existam tdo poucos casos documentados de reagao oral, na literatura. Mas isso pode ser justificado pelo fato de que 6 necessdria uma concentraeao de 5 a 72 vezes maior de niquel para provocar uma reagio oral, se compararmos com a quantidade necessdria de niquel para provocar uma reaqdo na pele.e Bass e Cisnero2 analisaram 29 pacientes antes e depois destes comeqarem a usar aparelhos ortod6nticos. Conclr"riram que o tratamento ortod6ntico pode induzir a sensibilidade ao niquel. Dois dos pacientes pesquisados, com resposta negativa ao 54 ()rlodo tin Gnicln v l, n. 1, abr 1997

5 Luciane Macedo de Mmezes et al. teste de contato (sulfato de niquel), antes de comeqarem o tratamento ortod6ntico com uso de aparelhos fixos, ao final do tratamento deram resposta positiva ao teste. Apesar disto deve-se ter cautela ao afirmar que aparelho ortod6ntico pode sensibilizar uma pessoa ao niquel. Por n6o haver, neste trabalho,2 um grupo controle, poderia se dizer que com o tempo, devido a toda a exposiqdo a que se est6 sujeito, seria natural uma pequena porcentagem dos individuos tornar-se sensivel ao niquel. Num trabalho semelhante, Kerosuo e co1s.8 investigaram a relagdo entre pacientes sensiveis ao niquel, o sexo destes pacientes, a duraqdo e o tipo de tratamento ortod6ntico e a idade em que estes pacientes haviam furado a orelha. Foi realizado teste de contato para identificar quais os pacientes sensiveis ao niquel. Dos pacientes estudados, 79o/o eram sensiveis ao niquel. A proporgao em relaedo ao sexo era dez vezes maior para meninas (30". das meninas e 3% dos meninos eram positivos ao teste). A alergia ao niquel foi mais freqr.iente em pacientes com a orelha furada (31%) do que em pacientes que n6o tinham a orelha furada (2%). Segundo os autores,s o tratamento ortod6ntico pareceu ndo afetar a preval ncia de sensibilidade ao niquel. Ressaltam que nenhuma das pacientes que usaram aparelho ortod6ntico antes de furarem as orelhas apresentaram reagio ao teste de contato do niquel; enquanto que daque- 1as que haviam primeiro furado as orelhas e depois colocaram aparelho, 35% eram sensiveis ao niquel. Assim, os resultados desta pesquisas sugerem que o tratamento parece ndo aumentar o risco de aiergia ao niquel e que o uso de aparelhos ortod6nticos antes da sensibilizaqao por niquel (furar a oreiha) pode diminuir o risco de alergia. Bishara e cols.s tentaram observar alterag6es na quantidade de niquel no sangue de pacientes que passariam por tratamento ortod6ntico, com a colocaqdo de apare- Iho fixo completo. NAo verificaram diferenga significativa na quantidade de niquel das amostras de sangue dos pacientes, antes e ap6s a colocaqdo do aparelho. Segundo Schriver e cols.,r2 a reagso a16rgica ao niquel 6 descrita como sendo derivada do timo, uma imunidade celular dependente de linf6cito (reagdo de hipersensibilidade do tipo IVa). A persist ncia deste tipo de reagdo se deve A mem6ria do linf6cito. que 6 capaz de reconhecer antigenos especificos muitos anos ap6s o primeiro contato. Para alguns autores6, 1r o niquel 6 um hapteno, isto significa que ele pode ligarse a proteinas e agir como um antigeno, mas para agir como tai o niquel precisa ser Iiberado da liga. Para haver este tipo de reaqao 6 necessiiria uma exposigdo anterior ao alergeno. A aparoncia clinica desta les6o 6 de edema, vermelhiddo e vesiculas. Histologicamente o epit6lio sofre um edema inter e intracelular, com formagdo de vesiculas. Tamb6m sdo encontradas viirias combinae6es de c6lulas mononucleares, neutr6filos e eosin6filos. A dessensibilizagdo 6 dificil. A reagdo ndo responde ao anti-h is tam fn ico e sim ao cortic6ide. O antigeno deve estar presente para dar continuidade i reag6o.lr Percebe-se, com o que foi exposto, que a montagem de um aparelho fixo pode expor o individuo a uma nova fonte de niquel que, por menor que seja, nio deve ser desprezada. Deve-se fazer uma boa 55

6 Realao al6rgica em paciente ortodonlico anehse da hist6ria clinica dos pacientes e a1ert6-1os para a possibilidade de reagdo al6rgica ao material a ser utilizado. NAo se tem certeza do quanto os materiais usados em Ortodontia influem no processo al6rgico qr-re alguns pacientes podem apresentar. Deve-se agir como se todos os pacientes pudessem apresentar este tipo de reaqdo, observando-os com cuidado. Conclusio Neste caso, a hist6ria, exame clintco da paciente e a resposia obtida pelo tratamento adotado levam a crer qlre a lesdo deveuse A alergia pelo contato com o metal da tala cervical do aparelho extra-oral. Portanto, a possibilidade de alergia a metal em pacientes com hist6ria de dermatite de contato deve ser considerada, quando observadas tais 1es6es na pele. ENDEREqo pene connrsponoincra LUCIANE MACEDO DE MENEZES Rua Vicente da FontoLLra,2199 Corrj 402 Fone/Fax: (051) CEP: Porto Alegre - RS REFERENCIAS BIBLIOGRAIICAS 1 BARRET, R D ; BISHARA, S,E,; QUINN, J.K. Biodegradation of orthodontic appliances. Part L Bloclegraclation of nrckel and chromium in viho.47, / Otflrcd. Dslfofoc. O,"F/rop. St. Lords. v 103, n.1, p.8-14, Jar., t BASS, I.K.; CISNERO, GJ. Nickel hypersensihvity in the orthodontic pacient. A,r I. Orfhocl. DenLofac. Ottltop St. Louis v 103, n.3, p.280-5, Mar., BISHARA, S.E.; BARRET, R.D i SELIM, M.L OtLlrop. St. Louis. v.103, p 115-9, DUNLAP, C.L; VINCENT, S.K., BARKER, B.F. Allergic reaction to orthodontic wire: report of a case I Attl. Deufnl Asso.i. Chicago. \,118, p , Apr, GREIG, D.C.M. Contact dermatitis reaction to a metal buckle on cervical lreadgear. Br Derrf. /. Londor. v.155, p.6l-2, Jul., GRIMSDOTTIR, M.R.; GJERDET, N.R.; HENSTEN- PETERSEN, A. Composition and in vitro corrosion of ortlloclontic appliances. A t. I. Orthotl. Dctttofttc. Ottltop. St. Lorris. v 101, i.6, p525-32, Jn)J., , ]ONES, T K ; HENSEN, C.K.; SINGER, M.T; KESSLER, H P. Dental implications of nickel hypersensityvity,f. Prasflt Dcttt v.56, n.4, p.507-9, Oct., KEROSUO, H.; KUALLAA, A; KEROSUO, E.; KANERVA, L.; FIENSTEN-PETTERSEN, A. Nickel allergy ln adolescenis in relation to orthodontic treatment and piercirg of ears- Arr. I. Orthod. Dcntofnc. Orlrop St. Loujs. r'.i09, n.2, p.1,le-5.1, Feb., MAGNUSSO, N B.; BERGMAN. M.; BERGMAN. B.; SOREIvLA.RK R. Nickel allergy and nickel-containing dental alloys Scnrd. I. Det1f. Res. V 90, p.1,63-7, A?UD DUNLAP, C.L.; VINCENI S.K.; BARKER, B.F. Allergic reaction to orthodontic wire: report of a c^se. I AIlt. DetF lrl,4ssoci. Chicago. r'.118, p , Apr, l0 PARK, HY.; SHEARER. T.R. In vitlo release of nickel and chromiunt from simulated orthodontic appliances. At.l. Ott'lrcd. St. Louis. \,84, n2, p.1,56-9, RICKLES, N.H. Allergy in surface lesions of the oral mucosa. Ornl Srrrg. Oml Med Ornl Pnfhol v.33, r...5, p , M^y, SCHRIVER, W.R., SHEREFF, R.H; DOMINITZ, J.M.; SWINTAK, E.F Atlergic response to stainless steel wire. Ornl jtg. Ornl Med. Onl P1tltol r'.42, n 5, p , Nov., r Orfoda fin Gnticlttl v. I, n. 1, abr 1997

INCISIVOS MAXILARES IMPACTADOS

INCISIVOS MAXILARES IMPACTADOS Miguel da Nóbrega Médico Especialista em Estomatologia DUO Faculdade de Cirurgia Dentária Universidade Toulouse miguel.nobrega@ortofunchal.com INCISIVOS MAXILARES IMPACTADOS ETIOLOGIA Aos anos, na maior

Leia mais

1. Introdução. 2. Fios ortodônticos. Centro de Pós Graduação em Ortodontia

1. Introdução. 2. Fios ortodônticos. Centro de Pós Graduação em Ortodontia 1. Introdução O alinhamento e o nivelamento é o primeiro estágio do tratamento ortodôntico com aparelho fixo. Alinhamento significa colocar os braquetes e os tubos alinhados no sentido vestibulolingual.

Leia mais

COMPARAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RADIOGRÁFICO DE ANÁLISES CEFALOMÉTRICAS DISTINTAS *Luciano Sampaio Marques; **Luiz Fernando Eto

COMPARAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RADIOGRÁFICO DE ANÁLISES CEFALOMÉTRICAS DISTINTAS *Luciano Sampaio Marques; **Luiz Fernando Eto 1 COMPARAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RADIOGRÁFICO DE ANÁLISES CEFALOMÉTRICAS DISTINTAS *Luciano Sampaio Marques; **Luiz Fernando Eto Resumo da monografia apresentada no curso de especilização em Ortodontia da Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP PROPRIEDADES FÍSICAS DE FIOS ORTODÔNTICOS DE AÇO APÓS UTILIZAÇÃO CLÍNICA CRISTINA YURI OKADA KOBAYASHI

UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP PROPRIEDADES FÍSICAS DE FIOS ORTODÔNTICOS DE AÇO APÓS UTILIZAÇÃO CLÍNICA CRISTINA YURI OKADA KOBAYASHI UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP PROPRIEDADES FÍSICAS DE FIOS ORTODÔNTICOS DE AÇO APÓS UTILIZAÇÃO CLÍNICA Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Odontologia da Universidade Paulista UNIP para

Leia mais

Utilização de aços inoxidáveis em implantes

Utilização de aços inoxidáveis em implantes Utilização de aços inoxidáveis em implantes Buss GAM 1 ; Donath KS 2 ; Vicente MG 1 1 Unidade de Tecnovigilância NUVIG/Anvisa 2 Gerência de Materiais GGTPS/Anvisa Introdução Os requisitos gerais para a

Leia mais

HIPERSENSIBILIDADE AO NÍQUEL PRESENTE NO APARELHO ORTODÔNTICO FIXO METÁLICO. AVALIAÇÃO CLÍNICA, PERIODONTAL, HISTOPATOLÓGICA E IMUNOISTOQUÍMICA

HIPERSENSIBILIDADE AO NÍQUEL PRESENTE NO APARELHO ORTODÔNTICO FIXO METÁLICO. AVALIAÇÃO CLÍNICA, PERIODONTAL, HISTOPATOLÓGICA E IMUNOISTOQUÍMICA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS FACULDADE DE ODONTOLOGIA HIPERSENSIBILIDADE AO NÍQUEL PRESENTE NO APARELHO ORTODÔNTICO FIXO METÁLICO. AVALIAÇÃO CLÍNICA, PERIODONTAL, HISTOPATOLÓGICA E

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

ANADOR PRT paracetamol 750 mg. Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos 750 mg: embalagem com 20 e 256 comprimidos.

ANADOR PRT paracetamol 750 mg. Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos 750 mg: embalagem com 20 e 256 comprimidos. ANADOR PRT paracetamol 750 mg Antitérmico e analgésico Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos 750 mg: embalagem com 20 e 256 comprimidos. Outra forma farmacêutica e apresentação Solução oral: frasco

Leia mais

incisivos inferiores 1,3,4,6. Há também um movimento do nariz para frente, tornando o perfil facial menos côncavo e, conseqüentemente,

incisivos inferiores 1,3,4,6. Há também um movimento do nariz para frente, tornando o perfil facial menos côncavo e, conseqüentemente, Série Aparelhos Ortodônticos MÁSCARA FACIAL INTRODUÇÃO Inúmeras formas de tratamento têm sido relatadas para a correção precoce da má oclusão de Classe III. No entanto, talvez por muitos casos necessitarem

Leia mais

Recomendações a doentes para evitar Fotodermatite

Recomendações a doentes para evitar Fotodermatite Recomendações a doentes para evitar Fotodermatite 1. Contra-indicação Antes de prescrever produtos tópicos contendo cetoprofeno, reveja o diagrama no Anexo-1 com o doente. Os produtos contendo cetoprofeno

Leia mais

Dermazelaic (ácido azelaíco) Germed Farmacêutica Ltda. Gel. 150mg/g

Dermazelaic (ácido azelaíco) Germed Farmacêutica Ltda. Gel. 150mg/g Dermazelaic (ácido azelaíco) Germed Farmacêutica Ltda. Gel 150mg/g Dermazelaic ácido azelaico APRESENTAÇÕES Gel 150 mg/g: cartucho contendo bisnaga com 10 g, 15 g, 20 g ou 30 g de gel. USO TÓPICO USO ADULTO

Leia mais

Mycospor creme (bifonazol) Bayer S.A. Creme dermatológico 10 mg/ g

Mycospor creme (bifonazol) Bayer S.A. Creme dermatológico 10 mg/ g Mycospor creme (bifonazol) Bayer S.A. Creme dermatológico 10 mg/ g MYCOSPOR Bifonazol APRESENTAÇÕES Creme dermatológico contendo 10 mg de bifonazol em cada grama de creme. Embalagem contendo 15 g. USO

Leia mais

ALIVIUM ibuprofeno Gotas. ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml.

ALIVIUM ibuprofeno Gotas. ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml. ALIVIUM ibuprofeno Gotas FORMAS FARMACÊUTICAS/APRESENTAÇÕES: ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (acima de 6 meses

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1.NOME DO MEDICAMENTO Corsodyl Dental 2 mg/ml solução para lavagem da boca 2.COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada mililitro de Corsodyl Dental solução para

Leia mais

Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa. o superiores e splint removível vel inferior

Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa. o superiores e splint removível vel inferior Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa o superiores e splint removível vel inferior MORO, A.; et al. Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de aço superiores

Leia mais

MATERIAL RESTAURADOR UNIVERSAL INSTRUÇÕES DE USO

MATERIAL RESTAURADOR UNIVERSAL INSTRUÇÕES DE USO A Aura é um sistema de compósito restaurador fotopolimerizável, radiopaco e de alta resistência projetado para simplificar a busca da tonalidade ideal visando à alta estética. Possui uma abordagem sistemática

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PACIENTE DR. MARCOLINO ANTONIO PELLICANO DR. BENEDITO UMBERTO BUENO

IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PACIENTE DR. MARCOLINO ANTONIO PELLICANO DR. BENEDITO UMBERTO BUENO IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PACIENTE DR. MARCOLINO ANTONIO PELLICANO DR. BENEDITO UMBERTO BUENO 1 IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS PORQUE PODEM SER COLOCADOS QUANDO PODEM SER COLOCADOS COMO

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

HIPERSENSIBILIDADE. Pasta Dessensibilizante Colgate Sensitive Pró-Alívio TM com tecnologia Pro-Argin TM

HIPERSENSIBILIDADE. Pasta Dessensibilizante Colgate Sensitive Pró-Alívio TM com tecnologia Pro-Argin TM Pasta Dessensibilizante Colgate Sensitive Pró-Alívio TM com tecnologia Pro-Argin TM HIPERSENSIBILIDADE Produto em processo de aprovação junto à ANVISA www.colgateprofissional.com.br Apresentando Pro-Argin

Leia mais

BULA DE NALDECON DOR COMPRIMIDOS

BULA DE NALDECON DOR COMPRIMIDOS BULA DE NALDECON DOR COMPRIMIDOS BRISTOL-MYERS SQUIBB NALDECON DOR paracetamol Dores em geral Febre Uma dose = 2 comprimidos FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO NALDECON DOR é apresentado em displays com

Leia mais

Processo CFO-8015/2005 Processo CRO-MG Nº. Parecer Nº 412/2005

Processo CFO-8015/2005 Processo CRO-MG Nº. Parecer Nº 412/2005 412/2005 Interessado(a): Conselho Regional de Odontologia do Distrito Federal Assunto: Solicita parecer a respeito de piercing e tatuagem dental. Conselheiro-Relator: RUBENS CÔRTE REAL DE CARVALHO, CD

Leia mais

DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE RESVESTIMENTOS CERÂMICOS ANTICORROSIVOS EM SUBSTRATOS METÁLICOS DE AÇO AISI 316L

DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE RESVESTIMENTOS CERÂMICOS ANTICORROSIVOS EM SUBSTRATOS METÁLICOS DE AÇO AISI 316L ÓXIDOS NANOESTRUTURADOS DE TiO 2 /Al 2 O 3 : ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE RESVESTIMENTOS CERÂMICOS ANTICORROSIVOS EM SUBSTRATOS METÁLICOS DE AÇO AISI 316L Andreza Menezes Lima

Leia mais

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA 1 ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA INTRODUÇÃO O período da dentição mista inicia-se por volta dos 6 anos de idade com a erupção dos primeiros molares permanentes, e termina ao redor dos 12 anos de idade, com

Leia mais

Estimoral lisado bacteriano

Estimoral lisado bacteriano Estimoral lisado bacteriano Staphylococcus aureus, Streptococcus pyogenes, Streptococcus mitis, Streptococcus pneumoniae, Klebsiella pneumoniae, Branhamella catarrhalis, Haemophilus influenzae 1) IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção

Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção Um novo conceito de ver e atuar com os aparelhos ortodônticos removíveis José Roberto Ramos Na maioria dos casos, o emprego dos aparelhos ortodônticos

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE TEMPERATURA TERMÔMETROS DE RESISTÊNCIA

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE TEMPERATURA TERMÔMETROS DE RESISTÊNCIA INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE TEMPERATURA TERMÔMETROS DE RESISTÊNCIA Introdução O uso de termômetros de resistência esta se difundindo rapidamente devido a sua precisão e simplicidade

Leia mais

APRESENTAÇÃO DAS BANDAS TIPOS:

APRESENTAÇÃO DAS BANDAS TIPOS: 1 2 BANDAS ORTODÔNTICAS Introdução Para entendermos a real importância destes componentes de um aparelho ortodôntico, devemos inicialmente compreender qual a função da bandagem frente à um complexo sistema

Leia mais

- CAPÍTULO 2 MATERIAIS CONDUTORES

- CAPÍTULO 2 MATERIAIS CONDUTORES MATERIAIS ELÉTRICOS Prof. Rodrigo Rimoldi - CAPÍTULO 2 MATERIAIS CONDUTORES (Aula 6) Metais Mercúrio (Hg) Metais Único metal líquido à temperatura ambiente; Resistividade relativamente elevada (95 10-8

Leia mais

Hipersensibilidade à substância ativa, ao colofano e/ou a qualquer outros excipientes. Gengivite ulcerosa. Estomatite. Asma brônquica.

Hipersensibilidade à substância ativa, ao colofano e/ou a qualquer outros excipientes. Gengivite ulcerosa. Estomatite. Asma brônquica. RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO DURAPHAT 50 mg/ ml Suspensão Dental 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA 1 ml de suspensão contém 50 mg de Fluoreto de Sódio equivalente

Leia mais

Atividade à Distância Avaliativa - Probabilidade. 1 Probabilidade - Operações e Propriedades

Atividade à Distância Avaliativa - Probabilidade. 1 Probabilidade - Operações e Propriedades Universidade Estadual de Santa Cruz UESC Professora: Camila M. L Nagamine Bioestatística Atividade à Distância Avaliativa - Probabilidade Se ouço, esqueço; se vejo, recordo; se faço, aprendo. (Provérbio

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CITOTOXICIDADE DE UMA LIGA DE AÇO

AVALIAÇÃO DA CITOTOXICIDADE DE UMA LIGA DE AÇO Trabalho original AVALIAÇÃO DA CITOTOXICIDADE DE UMA LIGA DE AÇO INOXIDÁVEL COM BAIXA CONCENTRAÇÃO DE NÍQUEL CYTOTOXICITY EVALUATION OF STAINLESS STEEL ALLOY WITH LOW NICKEL CONCENTRATION MATHEUS MELO

Leia mais

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O QUE É ANDROPAUSA? Problemas hormonais surgidos em função da idade avançada não são exclusivos das mulheres. Embora a menopausa seja um termo conhecido

Leia mais

Prof.: Luiz Fernando Alves de Castro

Prof.: Luiz Fernando Alves de Castro Prof.: Luiz Fernando Alves de Castro Dia Nacional de Combate ao Câncer O Dia 27 de Novembro, Dia Nacional de Combate ao Câncer, é uma data que deve ser lembrada não para comemorarmos e, sim, para alertarmos

Leia mais

Cranberry. Tratamento e prevenção infecção urinária

Cranberry. Tratamento e prevenção infecção urinária Cranberry Tratamento e prevenção infecção urinária Nome científico: Vaccinium macrocarpon Família: Ericaceae Parte utilizada: fruto Ativos: antocianidinas, flavonóides, proantocianidinas, taninos condensados

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Alburex 20 albumina humana

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Alburex 20 albumina humana IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Alburex 20 albumina humana APRESENTAÇÃO Alburex 20: embalagem contendo 1 frasco-ampola com 50 ml de solução hiperoncótica de albumina humana para infusão (20%). VIA INTRAVENOSA

Leia mais

Proposta para a Padronização das Tomadas Fotográficas Intrabucais, com Finalidade Ortodôntica

Proposta para a Padronização das Tomadas Fotográficas Intrabucais, com Finalidade Ortodôntica Artigo Inédito Relatos clínicos e de técnicas, investigações científicas e revisões literárias Proposta para a Padronização das Tomadas Fotográficas Intrabucais, com Finalidade Ortodôntica A fotografia

Leia mais

MANTENEDORES DE ESPAÇO

MANTENEDORES DE ESPAÇO MANTENEDORES DE ESPAÇO Conceito São aparelhos ortodônticos usados para manter o espaço nas arcadas dentárias, por perda precoce de dentes decíduos. Classificação Quanto ao uso: fixos semifixos removíveis

Leia mais

Instrução de Uso. Tubos. Tubo Simples Indicado para primeiros e segundos molares. Possui um único slot para alojar o arco intraoral.

Instrução de Uso. Tubos. Tubo Simples Indicado para primeiros e segundos molares. Possui um único slot para alojar o arco intraoral. Instrução de Uso Tubos Os Tubos tem por finalidade transferir os esforços de: Arcos Intra e extra orais; Molas e Elásticos; Distalizadores; Barras transpalatinas e Quad Helix ; Placas Lábioativas. Promovem

Leia mais

Laboratórios Ferring

Laboratórios Ferring Pentasa Sachê mesalazina Laboratórios Ferring IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Pentasa Sachê mesalazina APRESENTAÇÕES Grânulos de liberação prolongada de: - 1 g disponível em embalagens com 50 sachês - 2 g

Leia mais

ENSINO CURRICULUM NACIONAL. Vírus do Herpes

ENSINO CURRICULUM NACIONAL. Vírus do Herpes Este módulo tem por objectivo ensinar aos alunos o modo como a actividade sexual pode levar à transmissão de micróbios e doenças. O Capítulo 2.3, Infecções Sexualmente Transmissíveis, ensina aos alunos

Leia mais

ALERGIAS NA INFÂNCIA

ALERGIAS NA INFÂNCIA ALERGIAS NA INFÂNCIA Tema: Alergias na Infância Objetivos Conceituar alergia, classificar os principais tipos e indutores das doenças alérgicas. Identificar e relacionar os fatores de risco associados

Leia mais

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 SISTEMA IMUNE E ALERGIA Por alergia, entendem-se as repostas imunes indesejadas contra substâncias que venceram as barreiras como, os epitélios, as mucosas e as enzimas.

Leia mais

DIFFERIN adapaleno CREME E GEL. 1,0 mg/g

DIFFERIN adapaleno CREME E GEL. 1,0 mg/g DIFFERIN adapaleno CREME E GEL 1,0 mg/g 1 DIFFERIN adapaleno APRESENTAÇÕES Creme dermatológico, contendo 1 mg de adapaleno por g de produto, em embalagens contendo 10g e 30g. Gel dermatológico, contendo

Leia mais

Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br

Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br Alérgenos de origem alimentar Características gerais glicoproteínas resistência térmica resistente à proteólise

Leia mais

ELETRICIDADE: CIRCUITOS ELÉTRICOS Experimento 1 Parte II: Medidas de corrente elétrica, tensão e resistência em circuitos de corrente

ELETRICIDADE: CIRCUITOS ELÉTRICOS Experimento 1 Parte II: Medidas de corrente elétrica, tensão e resistência em circuitos de corrente OBJETIVOS 9 contínua NOME ESCOLA EQUIPE SÉRIE PERÍODO DATA Familiarizar-se com o multímetro, realizando medidas de corrente, tensão e resistência. INTRODUÇÃO Corrente elétrica FÍSICA ELETRICIDADE: CIRCUITOS

Leia mais

dicloridrato de cetirizina Solução oral 1mg/mL

dicloridrato de cetirizina Solução oral 1mg/mL dicloridrato de cetirizina Solução oral 1mg/mL MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE dicloridrato de cetirizina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO Solução oral 1mg/mL Embalagem

Leia mais

Descrição do Método de Contenção Fixa, com Livre Acesso do Fio Dental

Descrição do Método de Contenção Fixa, com Livre Acesso do Fio Dental Dica Clínica Descrição do Método de Contenção Fixa, com Livre Acesso do Fio Dental Description of the Method of Fixed Retention, with Free Access of the Dental Floss Jaime Sampaio Bicalho * Karla Tonelli

Leia mais

Setup: um Auxílio no Diagnóstico Ortodôntico

Setup: um Auxílio no Diagnóstico Ortodôntico Setup: um Auxílio no Diagnóstico Ortodôntico CASO CLÍNICO Setup: a Diagnosis Assistance in Orthodontics Michelle Santos VIANNA* Armando Yukio SAGA** Fernando Augusto CASAGRANDE*** Elisa Souza CAMARGO****

Leia mais

Prova de Química Resolvida Segunda Etapa Vestibular UFMG 2011 Professor Rondinelle Gomes Pereira

Prova de Química Resolvida Segunda Etapa Vestibular UFMG 2011 Professor Rondinelle Gomes Pereira QUESTÃO 01 Neste quadro, apresentam-se as concentrações aproximadas dos íons mais abundantes em uma amostra de água típica dos oceanos e em uma amostra de água do Mar Morto: 1. Assinalando com um X a quadrícula

Leia mais

Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso

Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso Caso Clínico Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso José Euclides Nascimento* Luciano da Silva

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

BELPELE. Farmoquímica S/A GEL 3 mg/g. Belpele_AR011113_Bula Paciente

BELPELE. Farmoquímica S/A GEL 3 mg/g. Belpele_AR011113_Bula Paciente BELPELE Farmoquímica S/A GEL 3 mg/g BULA PACIENTE BELPELE adapaleno APRESENTAÇÕES: Gel adapaleno 3 mg/g (0,3%) embalagem contendo bisnaga com 30g. VIA TÓPICA USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 12 ANOS COMPOSIÇÃO:

Leia mais

acetilcisteína União Química Farmacêutica Nacional S.A xarope 20 mg/ml

acetilcisteína União Química Farmacêutica Nacional S.A xarope 20 mg/ml acetilcisteína União Química Farmacêutica Nacional S.A xarope 20 mg/ml acetilcisteína Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999. Xarope IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Xarope

Leia mais

Série Aparelhos Ortodônticos: Barra Transpalatina

Série Aparelhos Ortodônticos: Barra Transpalatina Série Aparelhos Ortodônticos barra transpalatina INTRODUÇÃO A barra transpalatina (BTP) tem sido aplicada na mecânica ortodôntica de forma crescente e em muitas situações clínicas. Isto pela característica

Leia mais

Luvas Cirúrgicas e Luvas de Procedimentos: Considerações sobre o seu uso

Luvas Cirúrgicas e Luvas de Procedimentos: Considerações sobre o seu uso BIT Boletim Informativo de Tecnovigilância, Brasília, Número 2, abril-maio-junho 2011 ISSN 2178-440X Luvas Cirúrgicas e Luvas de Procedimentos: Considerações sobre o seu uso Unidade de Tecnovigilância

Leia mais

União de Ensino Superior de Campina Grande Curso Fisoterapia Disciplina: Farmacologia Vias de Administração de Fármacos

União de Ensino Superior de Campina Grande Curso Fisoterapia Disciplina: Farmacologia Vias de Administração de Fármacos União de Ensino Superior de Campina Grande Curso Fisoterapia Disciplina: Farmacologia Vias de Administração de Fármacos Yanna C. F. Teles yannateles@gmail.com FARMACOCINÉTICA Estuda o caminho que os fármacos

Leia mais

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente).

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). Consiste na regularização do alvéolo (local onde está inserido o dente), geralmente após a

Leia mais

RAPILAX. Kley Hertz S/A Indústria e Comércio Solução Oral Gotas 7,5 mg/ml picossulfato de sódio

RAPILAX. Kley Hertz S/A Indústria e Comércio Solução Oral Gotas 7,5 mg/ml picossulfato de sódio RAPILAX Kley Hertz S/A Indústria e Comércio Solução Oral Gotas 7,5 mg/ml picossulfato de sódio RAPILAX picossulfato de sódio APRESENTAÇÃO Solução oral contendo: 7,5 mg/ml de picossulfato de sódio em frasco

Leia mais

Naramig GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Comprimidos 2,5mg

Naramig GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Comprimidos 2,5mg Naramig GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Comprimidos 2,5mg LEIA ESTA BULA ATENTAMENTE ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Naramig cloridrato de naratriptana APRESENTAÇÃO Naramig

Leia mais

DALAP (adapaleno) Biosintética Farmacêutica Ltda. Gel dermatológico 1 mg

DALAP (adapaleno) Biosintética Farmacêutica Ltda. Gel dermatológico 1 mg DALAP (adapaleno) Biosintética Farmacêutica Ltda. Gel dermatológico 1 mg BULA PARA PROFISSIONAL DE SAÚDE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO DALAP adapaleno APRESENTAÇÕES

Leia mais

Relaxante Muscular e Analgésico. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 200 mg de clorzoxazona e 300 mg de paracetamol em embalagens com 12 comprimidos.

Relaxante Muscular e Analgésico. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 200 mg de clorzoxazona e 300 mg de paracetamol em embalagens com 12 comprimidos. BULA DO PACIENTE IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Paralon Relaxante Muscular e Analgésico clorzoxazona 200 mg e paracetamol 300 mg Comprimidos APRESENTAÇÕES Comprimidos de 200 mg de clorzoxazona e 300 mg de

Leia mais

Confecção e instalação do Sky Hook

Confecção e instalação do Sky Hook Dica Clínica Confecção e instalação do Sky Hook Preparing and fitting the Sky Hook Laurindo Zanco Furquim * Resumo Nos casos de Classe III, principalmente naqueles com deficiência maxilar, o protocolo

Leia mais

Ciência e prática. Importância do tratamento ortodôntico como auxílio da reabilitação oral

Ciência e prática. Importância do tratamento ortodôntico como auxílio da reabilitação oral Importância do tratamento ortodôntico como auxílio da reabilitação oral 36 MAXILLARIS OUTUBRO 2015 Ciência e prática : Margarida Malta Médica dentista. Licenciada no Instituto Superior de Ciencias da Saúde

Leia mais

TÁGIDES Saúde e Bem-Estar

TÁGIDES Saúde e Bem-Estar TÁGIDES Saúde e Bem-Estar Estrada Nacional 1,Urbanização Quinta do Cabo, lojas 8 e 9, Povos 2600-009, Vila Franca de Xira Tel; 263209176 914376214 924376162 Email: tagides.sbe@gmail.com Ortodontia- Bases

Leia mais

Talerc. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. comprimido revestido 10 mg e 20 mg

Talerc. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. comprimido revestido 10 mg e 20 mg Talerc Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. comprimido revestido 10 mg e 20 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO TALERC cloridrato de epinastina

Leia mais

Placa bacteriana espessa

Placa bacteriana espessa A IMPORTÂNCIA DA SAÚDE BUCAL A saúde bucal é importante porque a maioria das doenças e a própria saúde começam pela boca. Por exemplo, se você não se alimenta bem, não conseguirá ter uma boa saúde bucal,

Leia mais

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas CEGUEIRA E CATARATA Perguntas e respostas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira 14. O que torna a pessoa cega? Somado aos acidentes e defeitos

Leia mais

ANEXO I - ENPI DEFINIÇÕES DE MCGEER PARA AS INFEÇÕES EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS

ANEXO I - ENPI DEFINIÇÕES DE MCGEER PARA AS INFEÇÕES EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS ANXO I - NPI Nota: Dia 20 de Abril de 2012, após realização de todas as sessões de formação, foram introduzidas pequenas alterações neste protocolo que estão realçadas a sombreado. DFINIÇÕS D MCGR PARA

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR Atuação e conceitos da Odontologia Hospitalar e Medicina Oral A Odontologia exercida pela grande maioria dos dentistas brasileiros enfoca

Leia mais

Retinopatia Diabética

Retinopatia Diabética Retinopatia Diabética A diabetes mellitus é uma desordem metabólica crónica caracterizada pelo excesso de níveis de glicose no sangue. A causa da hiper glicemia (concentração de glicose igual ou superior

Leia mais

1. Qual a fórmula do composto formado entre o cálcio, Ca (Z = 20) e o flúor F (Z = 9)?

1. Qual a fórmula do composto formado entre o cálcio, Ca (Z = 20) e o flúor F (Z = 9)? EXERCÍCIOS REVISÃO 1ª série 1. Qual a fórmula do composto formado entre o cálcio, Ca (Z = 20) e o flúor F (Z = 9)? 2. Qual a fórmula do composto formado entre o potássio, K (Z = 19) e o enxofre, S (Z =

Leia mais

ALIVIUM ibuprofeno Gotas

ALIVIUM ibuprofeno Gotas Dizeres de Bula FORMA FARMACÊUTICA/APRESENTAÇÃO: ALIVIUM ibuprofeno Gotas ALIVIUM Gotas apresentado-se em frascos de 30 ml. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (acima de 6 meses de idade) Composição: Cada ml de ALIVIUM

Leia mais

ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina

ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ZOLADEX acetato de gosserrelina Atenção: seringa com sistema de proteção da agulha APRESENTAÇÃO Depot de 3,6

Leia mais

I SEMINÁRIO DE EXTENSÃO DA UCB

I SEMINÁRIO DE EXTENSÃO DA UCB I SEMINÁRIO DE EXTENSÃO DA UCB 29 de setembro, 09 e 10 de outubro de 2012 MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO TRABALHO: Título do trabalho Perfil do paciente portador de Diabetes Mellitus tipo 2 atendidos no projeto

Leia mais

DIFFERIN ADAPALENO 0,1%

DIFFERIN ADAPALENO 0,1% MODELO DE BULA DIFFERIN ADAPALENO 0,1% Gel Tópico & Creme FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Gel tópico: bisnagas plásticas contendo 10g e 30 g Creme: bisnagas de alumínio contendo 30 g USO ADULTO (acima

Leia mais

REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS

REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS EXTRAÇÃO DE ELEMENTOS A definição original de oxidação foi a da reação que um elemento reage com oxigênio e é convertido em seu óxido. Comparativamente, redução

Leia mais

Associação Entre Capsaicina e Isoflavonas é Eficaz na Alopecia

Associação Entre Capsaicina e Isoflavonas é Eficaz na Alopecia Associação Entre Capsaicina e Isoflavonas é Eficaz na Alopecia Estímula o Crescimento Capilar Via Ativação de IGF-1 Eficácia Comprovada In Vivo e Através de Estudo Clínico Tratamento Livre de Efeitos Adversos

Leia mais

Por que optar por produtos Látex Free?

Por que optar por produtos Látex Free? Por que optar por produtos Látex Free? A alergia ao látex tornou-se um problema de grande preocupação médica, sendo no ano de 1.979 reconhecida como problema médico. Alguns pacientes representam grupo

Leia mais

Cloridrato de Tansulosina

Cloridrato de Tansulosina Cloridrato de Tansulosina Actavis Farmacêutica Ltda. Cápsulas gelatinosa dura de liberação prolongada 0,4 mg 1 I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO cloridrato de tansulosina Medicamento genérico Lei nº 9.787,

Leia mais

B BRAUN. Askina Calgitrol Ag. Curativo de Alginato e Prata para Feridas. SHARING EXPERTISE

B BRAUN. Askina Calgitrol Ag. Curativo de Alginato e Prata para Feridas. SHARING EXPERTISE Askina Calgitrol Ag Curativo de Alginato e Prata para Feridas. Askina Calgitrol Ag é um curativo desenvolvido pela tecnologia B. Braun que combina a alta capacidade de absorção do alginato de cálcio e

Leia mais

Keflaxina Sandoz do Brasil Ind. Farm. Ltda. Pó para Suspensão Oral 50 mg/ml

Keflaxina Sandoz do Brasil Ind. Farm. Ltda. Pó para Suspensão Oral 50 mg/ml Keflaxina Sandoz do Brasil Ind. Farm. Ltda. Pó para Suspensão Oral 50 mg/ml I. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Keflaxina cefalexina APRESENTAÇÃO Suspensão oral 250 mg/5ml. Embalagem contendo frasco com pó

Leia mais

Zina. (dicloridrato de levocetirizina)

Zina. (dicloridrato de levocetirizina) Zina (dicloridrato de levocetirizina) Bula para paciente Comprimido revestido 5 mg Zina (dicloridrato de levocetirizina) MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA Comprimido revestido

Leia mais

MARCADORES CARDÍACOS

MARCADORES CARDÍACOS Maria Alice Vieira Willrich, MSc Farmacêutica Bioquímica Mestre em Análises Clínicas pela Universidade de São Paulo Diretora técnica do A Síndrome Coronariana Aguda MARCADORES CARDÍACOS A síndrome coronariana

Leia mais

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo.

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo. Informação ao participante e consentimento informado para o parceiro VIH positivo Estudo PARTNER O estudo PARTNER é um estudo levado a cabo com casais em que: (i) um parceiro é VIH positivo e o outro é

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS

ORIENTAÇÕES PARA REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS ORIENTAÇÕES PARA REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS Tempo de Jejum O jejum para alguns exames não é obrigatório, para outros, é necessário que ele seja de 4, 8 ou 12 horas. Verifique com antecedência no

Leia mais

Resfenol Thermus Gotas. Kley Hertz Farmacêutica S.A. Solução oral paracetamol 200 mg/ml

Resfenol Thermus Gotas. Kley Hertz Farmacêutica S.A. Solução oral paracetamol 200 mg/ml Resfenol Thermus Gotas Kley Hertz Farmacêutica S.A. Solução oral paracetamol 200 mg/ml IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Resfenol Thermus Gotas paracetamol 200mg/mL APRESENTAÇÃO Solução oral contendo 200mg/mL

Leia mais

LIPNEO (ciprofibrato)

LIPNEO (ciprofibrato) LIPNEO (ciprofibrato) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido 100mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: LIPNEO ciprofibrato APRESENTAÇÃO Comprimido de 100mg: Embalagem com 30 comprimidos.

Leia mais

TIENAM (imipeném/cilastatina sódica), MSD Merck Sharp & Dohme Farmacêutica Ltda. Pó para solução injetável 500 mg/500 mg

TIENAM (imipeném/cilastatina sódica), MSD Merck Sharp & Dohme Farmacêutica Ltda. Pó para solução injetável 500 mg/500 mg TIENAM (imipeném/cilastatina sódica), MSD Merck Sharp & Dohme Farmacêutica Ltda. Pó para solução injetável 500 mg/500 mg IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: TIENAM (imipeném/cilastatina sódica), MSD APRESENTAÇÕES

Leia mais

Os efeitos do controle farmacológico no comportamento futuro de pacientes menores de três anos no consultório odontológico

Os efeitos do controle farmacológico no comportamento futuro de pacientes menores de três anos no consultório odontológico Os efeitos do controle farmacológico no comportamento futuro de pacientes menores de três anos no consultório odontológico Denise Espíndola ANTUNES; Luciane Ribeiro de Rezende Sucasas da COSTA; Cristiana

Leia mais

Cuidados profissionais para a higiene bucal HIGIENE BUCAL

Cuidados profissionais para a higiene bucal HIGIENE BUCAL HIGIENE BUCAL A Higiene bucal é considerada a melhor forma de prevenção de cáries, gengivite, periodontite e outros problemas na boca, além de ajudar a prevenir o mau-hálito (halitose). Higiene bucal é

Leia mais

Esse grupo também é conhecido como calcogênios. Todos os elementos desse grupo

Esse grupo também é conhecido como calcogênios. Todos os elementos desse grupo O GRUPO DO OXIGÊNIO GRUPO 16 OU VI Esse grupo também é conhecido como calcogênios. Todos os elementos desse grupo possuem 6 elétrons na camada de valência. Carga desses elementos: - 2 OXIGÊNIO O oxigênio

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO QUÍMICA APLICADA - MESTRADO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO QUÍMICA APLICADA - MESTRADO strado em Química Aplicada Seleção 2007 1/6 1 a etapa do Processo de Seleção 2007 - Parte 1 Questão 01: (A) Arranje, em ordem crescente de comprimento de onda, os seguintes tipos de fótons de radiação

Leia mais

cartões de bolso serié 3 Transmissão das ITS

cartões de bolso serié 3 Transmissão das ITS cartões de bolso serié 3 Transmissão das ITS 1 O que são ITS? São infecções causadas por vírus, bactérias ou outros micróbios, que se transmitem de pessoas infectadas para outras, através das relações

Leia mais

ORLIPID (orlistate) EMS SIGMA PHARMA LTDA. cápsula. 120mg

ORLIPID (orlistate) EMS SIGMA PHARMA LTDA. cápsula. 120mg ORLIPID (orlistate) EMS SIGMA PHARMA LTDA cápsula 120mg 1 ORLIPID (orlistate) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ORLIPID (orlistate) APRESENTAÇÕES Cápsulas de 120mg: Embalagem contendo 21, 30, 42, 60, 84 ou

Leia mais

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT APOIO: Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD Casa de Cultura da Beira/CCB CERjovem ATENÇAÕ MULHER MENINA! Fundação Portugal - África RESPOSTAS

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

bainha pote fio do termoelétrico solda do rabicho CARACTERÍSTICAS

bainha pote fio do termoelétrico solda do rabicho CARACTERÍSTICAS junta de medida bainha pote resina plug de fechamento isolação mineral fio do termoelétrico solda do rabicho rabicho TIPOS DE TERMOPARES: São: T, J, K, E, N na versão simples, duplo ou triplo isolados

Leia mais

Beclosol spray nasal aquoso dipropionato de beclometasona

Beclosol spray nasal aquoso dipropionato de beclometasona Modelo de Texto de Bula Beclosol spray nasal aquoso dipropionato de beclometasona suspensão tópica FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Beclosol spray nasal aquoso é uma suspensão aquosa microfina em aerosol,

Leia mais