CARTAS QUE ENSINAM A LER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARTAS QUE ENSINAM A LER"

Transcrição

1 1 CARTAS QUE ENSINAM A LER Juliana Seabra Laudares. Formada em Pedagogia e especialista em Alfabetização pela UNIR- Universidade Federal de Rondônia - Campus de Rolim de Moura. Professora da Escola Estadual do Ensino Fundamental e Médio Aluízio Pinheiro Ferreira do Estado de Rondônia. Tutora dos cursos de Pedagogia e Normal Superior da Unopar Virtual de Rolim de Moura-RO. ou Sintian Schmidt. Formada em Pedagogia pela Universidade de Caxias do Sul, especialista em Multimeios e Informática Educativa pela Faculdade da Serra Gaúcha, cursando especialização em Mídias na Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Assessora pedagógica de Informática Educativa da Secretaria Municipal da Educação e professora de Séries Iniciais do Ensino Fundamental na Escola Municipal Villa Lobos Caxias do Sul / RS. RESUMO: O projeto Cartas que ensinam a ler surgiu como uma possibilidade de desenvolver as habilidades de leitura e escrita com alunos do 3 ano do Ensino Fundamental de nove anos, de duas escolas, uma do Rio Grande do Sul e outra de Rondônia. O objetivo era promover um intercâmbio cultural, incentivar a leitura e a escrita de forma colaborativa, coesa e coerente e para isso a carta foi o principal recurso utilizado por ser um gênero textual que dá significado real à experiência vivida. O trabalho fundamentou-se no construtivismo piagetiano, no interacionismo de Vygostky, além dos princípios de alfabetização de Emília Ferreiro. A troca de correspondências aconteceu entre 60 alunos, durante o período letivo de 2008, e os avanços foram claramente percebidos quando, ao final do ano, mais de 90% dos alunos estavam alfabetizados. PALAVRAS-CHAVE: Aprendizagem, Comunicação e Alfabetização. 1

2 2 ABSTRACT: The project taught to read letters that appeared as a opportunity to develop skills of reading and writing with students of the 3rd year of elementary school for nine years, two schools, one of Rio Grande do Sul and one of Rondônia. The objective was to promote a cultural exchange, encouraging reading and writing in a collaborative, cohesive and coherent and that the letter was the main resource used as a textual genre that gives real meaning to the experience. The work was based on the Piagetian constructivism, the interaction of Vygostky, besides the principles of literacy in Emilia Ferreiro. The exchange of correspondence took place between 60 students during the school period in 2008, and advances have been clearly perceived, when the end of the year more than 90% of students were literate. KEYWORDS: Learning, Communication and literacy. INTRODUÇÃO Este texto relata a experiência pedagógica que vivenciamos enquanto professoras de escolas públicas envolvendo duas turmas de 3º ano do Ensino Fundamental de nove anos. Participaram da experiência, um total de 60 (sessenta) alunos. O intercâmbio teve início em um grupo de discussão virtual e prosseguiu na troca de s por meio dos quais fomos elaborando o projeto, trocando idéias e propostas de atividades e, inclusive, produzindo este relato. Para levar a bom termo a tarefa utilizamos os mais variados recursos de comunicação: carta, , blog, programas de internet, bem como a visualização das duas cidades através do programa Google Earth, mapa do Brasil, clips e slides com fotos dos pontos turísticos das duas cidades, com suas diferenças e semelhanças, hábitos e costumes regionais, bem como dados estatísticos dos habitantes etc. Também foram utilizados os diferentes espaços das escolas entre os quais a sala de aula, sala de laboratório de informática, sala de vídeo e biblioteca. O trabalho com textos e sua diversidade supõe uma concepção que valoriza o contexto e o texto propriamente dito. Por exemplo, quando o professor atua como escriba para os seus alunos assume e promove a real função social da carta, a comunicação, seja ela oral ou escrita. Possibilita às crianças que ainda não estão alfabetizadas participarem da mesma atividade que os demais colegas. Conforme Soto (2002, p. 01): Entre as práticas de ensino que o professor propõe aos alunos no período de ingresso no mundo letrado da escrita, e mesmo posteriormente a ele, a leitura e produção de cartas se nos oferece como uma atividade quase que evidente. Entre os muitos benefícios que pode oferecer, a carta apresenta a vantagem adicional de ser um 2

3 3 texto que é pensado como um diálogo que acontece a distância e por isso tem como características imanentes ser escrito e se realizar sem a presença dos interlocutores. O trabalho com este tipo de gênero textual, desencadeou atividades e situações propícias para uma aprendizagem significativa e contextualizada demonstrando a função da leitura e da escrita num contexto social, conforme evidencia a reflexão registrada no cujo fragmento destacamos abaixo: Acho que entre as atividades que vamos realizar no projeto seria importante manter a correspondência. Eu gostaria de trabalhar mais com eles a estrutura da carta, pois na primeira eu deixei bem livre. Pensei em projetar uma das suas cartas, analisar a estrutura e fazer uma carta coletiva usando o retroprojetor. Depois cada um poderia redigir a sua individualmente, mantendo a mesma estrutura e eu trabalharia com a auto-correção - isso levaria mais tempo, pois minha intenção é sentar com cada um para questionar suas hipóteses e orientar as correções necessárias. (Fragmento de - Sintian para Juliana; 01/05/2008) A comunicação sempre esteve em foco, os alunos tinham em seus novos parceiros de trabalho, leitores reais, pois como enfatiza Souto (2002, p.03) uma carta é um texto, ao mesmo tempo, livre e codificado, íntimo e público, que pode ser considerado como segredo e como algo voltado para a sociabilidade. O fato da maioria das pessoas terem a carta como um meio de comunicação favoreceu o seu uso dentro de sala de aula como recurso pedagógico. Sabe-se que as crianças segundo Weisz (2003, p.21):...constroem hipóteses sobre a escrita e seus usos a partir da participação em situações nas quais os textos têm uma função social de fato.... Vale ressaltar que este projeto intitulado cartas que ensinam a ler não surgiu como algo momentâneo! Planejamos trabalhar com este recurso porque vimos neste gênero textual uma oportunidade de parceria que seria muito importante tanto para nós professoras, quanto para os alunos envolvidos no projeto, pois a partir dos primeiros contatos percebemos que, embora distantes geograficamente, nossas turmas se assemelhavam em vários aspectos: Em relação às expectativas: -Aprender a ler e a escrever; -Fazer parte de um grupo social; Em relação às necessidades: -Ter autonomia em sala de aula; -Participar de atividades interativas em que exista o diálogo. Em relação às dificuldades: -Na leitura e na escrita; -Nas produções de textos, seja oral ou escrito; -No relacionamento e entrosamento com os demais colegas. 3

4 4 Por isso nosso planejamento foi orientado para os seguintes objetivos: a) Promover um intercâmbio cultural entre escolas; b) Reconhecer a carta como um importante gênero textual; c) Incentivar a leitura e a escrita de forma colaborativa e d) Desenvolver a escrita com coesão e coerência. Para descrever e analisar a experiência de trabalho aqui descrita, organizamos o texto da seguinte forma: na primeira parte descrevemos a vivência do projeto para as crianças dos dois grupos. Em seguida fazemos uma reflexão sobre a importância deste trabalho para as professoras envolvidas. Nas considerações finais demonstramos a importância da tecnologia para tornar acessível às crianças de escolas públicas a aprendizagem da escrita com significado de gêneros textuais como cartas e s. COMO FOI A EXPERIÊNCIA DO TRABALHO PARA AS CRIANÇAS Ao longo de todo o ano de 2008, atividades de alfabetização se configuraram como um dos requisitos básicos para o sucesso do projeto junto aos alunos, bem como para o avanço em suas hipóteses de leitura e escrita. Os avanços da turma nas suas hipóteses de escrita são incríveis! Agora a escrita tem um significado real para a turma. E na hora de responder a questão "O QUE MAIS GOSTA DE FAZER" fiquei surpresa porque muitos escolheram ESCREVER. (Fragmento de - Sintian para Juliana; 01/05/2008). O fragmento acima caracteriza uma das primeiras atividades realizadas para os alunos se conhecerem melhor, sendo uma atividade intitulada INTIMIDADE que consistia em responder perguntas de caráter pessoal, do tipo: O que você mais gosta de fazer? Qual a sua cor preferida? Qual o seu sonho? Bem como a descrição de suas características físicas. Atividades simples como pode ser o trabalho com mapas, nos proporcionaram um levantamento do conhecimento que os alunos possuíam e mostrou-se de grande aproveitamento, aliando tecnologia e educação. Fiz com eles a atividade do mapa que vc me enviou, pedi q traçassem o caminho e eles comentaram a distância, observaram as Siglas e foram tentando identificar os nomes dos Estados, pedi que contassem os Estados no mapa, levei pra sala o mapa do Brasil e fui mostrando à eles... Alguns alunos me surpreenderam quando pedi que pintassem os nossos Estados, como no caso de um aluno, que me disse assim: - Professora qual é a cor do Nordeste, ou seja ele queria pintar separando por região Norte, sul. nordeste etc...eu não sabia que ele tinha essa noção. Outro aluno pintou um caminho diferente, saiu de Rondônia, foi para Roraima e veio descendo até chegar no Rio Grande do Sul... Quando questionei ele, me respondeu dizendo que tinha percorrido um outro caminho... (interessante) (Fragmento de - Juliana para Sintian; 15/04/2008) É de fundamental importância que as escolas sejam locais que estimulem a curiosidade da criança, que haja atividades sistematizadas com objetivos claros pautados pela qualidade. O 4

5 5 saber deve ser construído de forma consistente pelo sujeito e entre os pares. Como enfatiza Perrenoud (2000, p.26):... a verdadeira competência pedagógica [...] consiste, de um lado, em relacionar os conteúdos a objetivos e, de outro, a situações de aprendizagem. Ao receber e ler uma carta destinada, esta faz com que as crianças sintam-se parte de um grupo social. Poder responder esta carta é colocar em jogo suas potencialidades e sentimentos. Saber do outro torna-se um momento de muita satisfação. Portanto, questões como letramento e alfabetização não são conceitos distintos neste projeto, conforme evidencia a correspondência a seguir: Carta da aluna Bianca (RS) para o aluno Alcídio (RO) Assim conforme Curto, Morillo e Teixidó (2000, p.69) Escrever e ler são atividades que servem para poder comunicar-se, para expressar idéias, experiências, opiniões, sentimentos, fantasias, realidades, e para ter acesso ao que os demais seres humanos, ao longo do espaço e do tempo, viveram, pensaram, sentiram. As necessidades e dificuldades apresentaram-se como elementos para a construção do planejamento, bem como os avanços surgidos durante a realização do projeto com a leitura e a escrita das cartas, que serviram de fonte para futuras intervenções junto aos alunos. Analisando as produções das crianças, pode-se perceber que elas reconheceram a carta como um meio de comunicação e procuraram legitimar a sua autoria, utilizando-se para isso de desenhos feitos por elas, colagem de uma ou outra figurinha que trouxeram de casa ou ao 5

6 6 assinarem os seus nomes, o fizeram com letras desenhadas e coloridas, dando assim identidade aos seus textos! Ou seja, tornar-se autor, significa apropriar-se de formas de ação que se tornaram suas, a partir do processo social. Ou como explica Vigotskii (2001, p.115): [...] a característica essencial da aprendizagem é que engendra a área de desenvolvimento potencial, ou seja, que faz nascer, estimula e ativa na criança um grupo de processos internos de desenvolvimento no âmbito das interrelações com outros que, na continuação, são absorvidos pelo curso interior de desenvolvimento e se convertem em aquisições internas da criança. Tanto as crianças de Rondônia quanto as do Rio Grande do Sul se preocuparam com o que estava acontecendo em ambos os lugares. Ficaram espantadas com o desmatamento acelerado no Estado de Rondônia, visivelmente observado nas imagens do Google Earth. Diversas vezes as crianças chegavam na sala de aula comentando o que ouviram no jornal sobre as cidades, o que se pode observar nos comentários a seguir: Professora eu ouvi no jornal de hoje que em Caxias do Sul fará muito frio! (Aluna da professora Juliana) Pergunta feita à professora Sintian por um de seus alunos após verem pelo Google Earth as imagens de satélite daquela região, que denota com exatidão a devastação das florestas: Professora não tem polícia lá em Rondônia para prender essas pessoas que destroem as árvores da floresta? As famílias, no início do projeto, não acreditavam que seus filhos estivessem se correspondendo com crianças de outro estado. Alguns pais se preocuparam alertando aos filhos para que não fornecessem em suas cartas informações como número de telefone e endereço de suas residências. Durante as rodas de conversa, as crianças relatavam que em casa os pais, diziam e/ou perguntavam coisas do tipo: Essas cartas são escritas pelas crianças deste estado mesmo? Acho que a professora que está escrevendo isso ai! Ta faltando letra aqui nesta palavra, essas crianças não sabem escrever? Diante desses comentários feitos pelos alunos das escolas de Vila Lobos/RS e Aluízio Pinheiro Ferreira/RO, o que nos impressionava eram as resposta dos pequenos dada aos seus pais, pois acrescentavam em suas falas o que tinham respondido aos pais: As crianças estão aprendendo a ler e escrever como a gente! Aprendemos com as cartas a ler e escrever, um ajuda o outro! A professora escreve o que a criança dita pra ela escrever! Quanto mais cartas a gente recebe mais a gente lê e escreve! 6

7 7 Importante observar na fala dos nossos alunos, o grau de maturidade que eles conquistaram a cada nova etapa construída. A noção daquilo que sabem e o que ainda vão ter que aprender. Questões como estas, de colocar-se no lugar do outro, de tentar ajudar para que a carta saísse perfeita aos olhos deles, são procedimentos que nos fazem perceber que as aprendizagens se dão por diversas formas. Não existe um único jeito de se ensinar e de se aprender! O fato é que os alunos precisam ser desafiados a querer saber e querer fazer. Carta do aluno Daniel (RO) ao aluno Daniel (RS) Isso foi possível por meio da escrita de cartas, utilizando-se deste gênero textual desenvolveuse de forma significativa a leitura e a escrita dos alunos das duas turmas do 3 ano do Ensino Fundamental do ensino de nove anos (antiga segunda série), portanto estas crianças estavam no segundo ano de escolarização. Nos dias atuais o gênero carta ganha novo fôlego, com a difusão de meios eletrônicos de escrita, agora com um novo estilo de se comunicar, vem sendo substituído pelo que é a forma de correio eletrônico mais difundida no mundo, mas é ainda uma realidade distante para muitos, portanto o método da carta em papel continua, principalmente por ser de fácil acesso à todos e pela função social que exerce. Com o desenrolar do projeto de intercâmbio nos preocupamos muito em manter vivo o interesse das crianças pelas outras. Isso fez com que planejássemos atividades para atender as 7

8 8 duas turmas, além das cartas. Ou seja, atividades de alfabetização onde pudessem pensar sobre o ato de ler e de escrever colocando em jogo suas hipóteses de leitura e de escrita. Diferenciavam-se, porém as atividades de acordo com o nível de conhecimento de cada aluno ou aluna. Com as crianças não alfabetizadas além do trabalho de atendimento individual, foi estimulada a troca de informações dentro de sala, entre os colegas. Em muitos momentos tanto professoras quanto alunos prestavam-se ao papel de escribas para terem registrado no papel a informação dada pelas crianças que ainda estavam em processo de alfabetização. Ao desenvolver atividades de construção de listas de nomes, títulos de histórias, e chegando propriamente nas cartas, foi sendo estabelecida uma construção mútua que proporcionou observar o desempenho de todos no processo de modificar a formação dos grupos conforme a necessidade, mostrando também a maturidade de cada um no processo de aprendizagem e a heterogeneidade existente em sala. Durante as produções individuais ou coletivas é importante orientar as crianças em aspectos que podem contribuir para que sua escrita fique cada vez melhor. Aspectos estes que denotam o quanto a criança compreendeu do que foi discutido e construído pelo grupo. O professor pode fazer perguntas sobre o conteúdo da mensagem, isto é, sobre a linguagem que se escreve. Mas também pode centrar a atenção nos aspectos gráficos da escrita: nas letras, nas palavras, na correspondência fonográfica ou nos procedimentos mais gerais do ato de escrever, tais como a direção, o alinhamento ou a organização geral do espaço gráfico. (TEBEROSKY e RIBERA, 2004, p. 63) Ao terem as cartas em mãos, escritas pelos colegas da outra escola, os alunos viveram um momento de alegria, chegavam a suspirarem por elas. Ao tomarem consciência do conteúdo da mesma pela leitura deles ou da professora, ficaram por um longo tempo olhando e tentando decifrar cada detalhe da carta. Preocuparam-se em respondê-la e deixaram transparecer esta preocupação por gestos e falas: Será que meu amigo vai gostar da minha cartinha? O que será que eu escrevo? Vou pensar! Professora como se escreve o nome da professora Sintian, bem certinho? Eu tenho que caprichar na letra senão a minha amiga não vai entender nada! Eu to tão feliz com minha cartinha! Faz o ponto da pergunta aí no quadro professora, quero copiar, eu to escrevendo uma pergunta pro meu amigo! Com o interesse de mostrar às crianças a responsabilidade que é descrever pessoas e lugares, foi trabalhada a concentração e a atenção nos detalhes das descrições feitas sobre cada aluno e sua cidade. 8

9 9 Ao compararmos as primeiras cartas escritas pelos alunos com as demais, verificamos aspectos importantes e necessários a este tipo de gênero textual que foram aprendidos de maneira satisfatória. A escrita de cartas demonstrou ser uma excelente prática pedagógica que favoreceu o aprendizado da leitura e da escrita significativamente. COMO FOI A EXPERIÊNCIA DO TRABALHO PARA AS PROFESSORAS Conforme Perrenoud (2000, p.38) a docência exige que os professores e professoras se perguntem constantemente: Como tornar o conhecimento apaixonante por si mesmo? Essa não é somente uma questão de competência, mas de identidade e de projeto pessoal do professor. Infelizmente, nem todos os professores apaixonados dão-se o direito de partilhar sua paixão, nem todos os professores curiosos conseguem tornar seu amor pelo conhecimento inteligível e contagioso. A competência aqui visada passa pela arte de comunicar-se, seduzir, encorajar, mobilizar, envolvendo-se como pessoa. Um projeto que envolva duas turmas de escolas e estados distintos requer clareza e conhecimento acerca do que as crianças já dominam e o que precisam aprender. É fundamental conhecê-las bem, principalmente no que diz respeito às suas expectativas, necessidades e dificuldades. Diante da diversidade de saberes dentro de uma mesma sala de aula faz-se necessário conhecer bem o novo grupo, para saber quais as melhores estratégias, métodos e materiais a serem usados, pois uma turma é sempre diferente da outra, por exemplo, crianças de diversas culturas, etnias ou religiões etc. Várias situações de aprendizagem foram criadas a partir da troca de informações entre nós, professoras e alunos. Tais como, a descrição das cidades após assistirem a um vídeo da mesma, mostrando no geral como era a cidade, fazendo comparações de como era e atualmente como está, estabelecendo um diálogo com os alunos sobre os costumes, os hábitos das pessoas destas cidades. As facilidades do mundo virtual e tecnológico nos proporcionaram avanços em nossa prática e conseqüentemente nos trouxeram muitos desafios. A troca de informações e ajuda mútua feznos desenvolver habilidades e técnicas de aproveitamento do tempo e da qualidade em nosso planejamento. Conforme enfatiza Ferreiro (2001, p.83): É necessário ampliar o horizonte da reflexão. As novas tecnologias são apenas um dos elementos da nova modernidade. Para a concretização do nosso planejamento, a distância poderia ser um empecilho, porém não o foi. Pelo contrário, 9

10 10 as descobertas e as várias possibilidades que se abriram por meio do uso das TIC (Tecnologia da Informação e Comunicação) foram nossas aliadas do começo ao fim. O intercâmbio entre as duas turmas enriqueceu o trabalho em sala de aula trazendo novas perspectivas de aprendizagem. Culturalmente, todos os envolvidos estreitaram laços de conhecimento e de amizade. Ao repensar nossa prática pedagógica demos conta da importância da nossa parceria para o sucesso do grupo, nossos anseios e expectativas eram diárias e, portanto, tínhamos a necessidade da troca de idéias, de sanar dúvidas etc. E isso é observável na troca de s diários. Mantínhamos contato por meio do nosso pessoal, agilizando assim nosso trabalho. Sobre nossa parceria, gostaria de mostrar alguns pontos que poderíamos explorar, informando a situação da minha sala, para que pudéssemos compatibilizar informações... Observação: Comentei com meus alunos, sobre a possibilidade deles conhecerem vc e seus alunos, estão ansiosos, pois estão muito interessados e animados com os blogs que eu tenho mostrado a eles. Eles já têm experiências com o uso da tecnologia e blogs, afinal já trabalhei algumas coisas com eles, e este é o segundo ano que estão comigo. Acho que o tema principal do projeto poderia ser a diversidade cultural nas varias regiões do país, preferencialmente as nossas, norte e sul, que são bem diferentes. Coisas que eles poderiam estar estudando juntos e demonstrando a opinião de cada aluno. Existem várias ramificações que poderíamos explorar, tais como COMIDAS TIPICAS, RELIGIÕES, FESTIVIDADES, MEIO AMBIENTE DIVERSIFICADO. De imediato, a minha primeira idéia seria esta, mas gostaria de saber a sua e se vc tem alguma outra sugestão, afinal estaremos desenvolvendo o melhor para os nossos alunos, e sei que faremos um bom trabalho. Seria um espaço de troca de saberes entre nossos alunos, que poderiam sugerir livros, estar escrevendo sobre algum fato que tenham presenciado, curiosidades, trava-linguas, etc. Ps. Por favor, me mande a lista dos nomes dos seus alunos, pois gostaria de fazer um trabalho com os meus esta semana, onde eles estarão escrevendo para os seus. (Fragmento de - Juliana para Sintian; 21/03/2008) Vamos lá então... Minha realidade é um pouco diferente... mas acho que esta parceria vai render belos frutos. Tenho 26 alunos frequentando as aulas (e 29 na lista). Destes, 60% está em processo de alfabetização. Mas acredito que a possibilidade de trocar informações com outras crianças vai acelerar muito o processo! Eles estão no 3 ano do Ensino Fundamental de 9 anos - o que equivaleria a 2ª série. Nossa escola se chama Villa Lobos e está localizada em um bairro de periferia muito distante da cidade (quase interior), que se chama Vila Lobos. Para localizar vcs, vou usar o Wikimapia, programa livre de mapas na internet (http://wikimapia.org/#lat= &lon= &z=17&l=9&m=a&v=2). Tente digitar Caxias do Sul na barra de pesquisa, escolha a opção Rio Grande do Sul, Brasil. O bairro fica no sul da cidade, praticamente interior do município. Estou mandando 3 imagens anexas para ilustrar o caminho, mas é mais legal direto na Internet!!! 10

11 11 Minha escola esta recebendo computadores agora e as crianças não tem acesso no bairro! Internet é um sonho distante, mas eu me proponho a digitar e publicar o que for preciso, fotografo, scaneio,... Depois levo eles até um telecentro de um bairro "próximo" para acessar o que for publicado. (Fragmento de - Sintian para Juliana; 21/03/2008). CONSIDERAÇÕES FINAIS A prática pedagógica, a partir do advento das TICs pode não ser mais uma atividade solitária, pois esses recursos permitem intercâmbios como o que foi relatado neste trabalho. Experiências como estas podem contribuir de forma significativa para tornar melhor o processo de ensino em classes de alfabetização e também proporcionar o aperfeiçoamento profissional docente. É importante considerar que, ao final do processo, não só os alunos aprenderam a ler por meio das cartas, mas também nós como docentes, aprendemos mais sobre nosso trabalho, sobre nosso próprio país e sobre os usos das cartas e dos s como ferramentas de intercâmbio no mundo atual. Ou como afirma Ferreiro (2001, p. 88) se não temos um projeto viável de sociedade para entregar a nossos alunos, Tenhamos pelo menos a coragem de prepará-los para que eles o inventem. REFERÊNCIAS FERREIRO, Emilia: O Construtivismo em Perspectiva. In: FERREIRO, Emilia. Atualidade de Jean Piaget. Porto Alegre: Artmed, (pp.77-89) CURTO, Lluís Maruni; MORILO, Maribel Ministral e TEIXIDÓ, Manuel Miralles. Escrever e Ler: Como as crianças aprendem e como o professor pode ensiná-las a escrever e a ler. Trad. Ernani Rosa. Porto Alegre: Artmed Editora, PERRENOUD, Philippe. Dez novas competências para ensinar. Trad. Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, SOTO, Ucy. Trabalhando com cartas. Boletim do Programa Salto Para o Futuro Série Varal de textos. Disponível em : <http://www.tvebrasil.com.br/salto/boletins2002/vdt/pgm5.htm>. Acesso em: 28 Maio 2009 TEBEROSKY, Ana; RIBERA, Núria. Contextos de alfabetização na aula. In: TEBEROSKY, Ana; GALLART, Marta Soler, et al. Contextos de alfabetização inicial. Trad. Francisco Settineri. Porto Alegre: Artmed,

12 12 VIGOTSKII, L. S. Aprendizagem e Desenvolvimento Intelectual na Idade Escolar. In. VIGOTSKII, L. S.; LURIA, A. R. e LEONTIEV, A. N. Linguagem, Desenvolvimento e Aprendizagem. 7 ed. São Paulo: Ícone, (p.p ) WEISZ, Telma. O diálogo entre o ensino e a aprendizagem. Palavra do professor. São Paulo: Ática,

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59. Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br. Apresentação

ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59. Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br. Apresentação ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59 Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br Graduada em pedagogia e fonoaudiologia, Pós-graduada em linguagem, Professora da Creche-Escola

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA CENTRO MUNICIPAL DE REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PROFESSORA FABÍOLA DANIELE DA SILVA A lingüística moderna

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

Blog e Flog como recursos de aprendizagem

Blog e Flog como recursos de aprendizagem 1 de 6 12/11/2008 20:24 Blog e Flog como recursos de aprendizagem Imprimir página Blog pedagógico: é possível visualizar um novo horizonte? Tânia Maria Moreira 1 Antes de ler este texto, pare, pense e

Leia mais

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino Pedagogia Profª Silvia Perrone Ensino de Língua Portuguesa Roteiro Teorias que orientam o ensino: empirista e construtivista. A visão de texto nas diferentes teorias. Ensinar a produzir textos na escola.

Leia mais

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA Escola de Ensino Médio João Barbosa Lima PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA DESPERTANDO O GOSTO PELA LEITURA E A ARTE DE ESCREVER Projeto na Sala de PCA da Área de Linguagens e Códigos PROEMI -Programa

Leia mais

Caracterização da Escola

Caracterização da Escola 28 O CORDEL DOS TIRADENTES Flávia Helena Pontes Carneiro* helena.flavia@gmail.com *Graduada em Pedagogia, Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, Professora

Leia mais

PÉ DE MOLEQUE, CANJICA, E OUTRAS RECEITAS JUNINAS: UM JEITO GOSTOSO DE APRENDER A LER E ESCREVER

PÉ DE MOLEQUE, CANJICA, E OUTRAS RECEITAS JUNINAS: UM JEITO GOSTOSO DE APRENDER A LER E ESCREVER PÉ DE MOLEQUE, CANJICA, E OUTRAS RECEITAS JUNINAS: UM JEITO GOSTOSO DE APRENDER A LER E ESCREVER C.E.I Prof.ª DULCE DE FARIA MARTINS MIGLIORINI Sala 4 2ª Sessão Professora Apresentadora: Iriana Aparecida

Leia mais

TEdAM. Educação Ambiental

TEdAM. Educação Ambiental 290 Educação Ambiental TEdAM Resumo O projeto TEdAm tem como meta principal introduzir novas formas de construção, cooperação e circulação de conhecimentos e informações, capazes de auxiliar o processo

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Escrita. Reescrita. Análise linguística. Celular.

PALAVRAS-CHAVE: Escrita. Reescrita. Análise linguística. Celular. A ESCRITA EM SUPORTES DIFERENTES: FOLHA DE PAPEL E CELULAR* Ednéia Aparecida Bernardineli BERNINI (PG-UEL) 1 RESUMO: Mesmo ouvindo-se um discurso de que os alunos não leem, nem escrevem, podemos observar

Leia mais

Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria

Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria Autora: Ana Cristina Fonseca Instituição: PUC-Campinas Fonseca.cris@uol.com.br Co -autor 1: Maria Auxiliadora Bueno Andrade

Leia mais

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 9 ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 POSSIBILIDADES DE PESQUISA E AUTORIA COM O APOIO DAS TECNOLOGIAS: A EXPERIÊNCIA DA TURMA B21 DA EMEF PROF. JUDITH MACEDO DE ARAÚJO NO LABORATÓRIO

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula.

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Sabrine Denardi de Menezes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus São Vicente do Sul RESUMO: A

Leia mais

PLANEJAMENTO ESCOLAR: ALFABETIZAÇÃO E ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA UNIDADE 2 ANO 1. Fevereiro de 2013

PLANEJAMENTO ESCOLAR: ALFABETIZAÇÃO E ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA UNIDADE 2 ANO 1. Fevereiro de 2013 PLANEJAMENTO ESCOLAR: ALFABETIZAÇÃO E ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA UNIDADE 2 ANO 1 Fevereiro de 2013 Iniciando a conversa Nesta unidade discutiremos a importância do planejamento das atividades, da organização

Leia mais

O PROJETO BEPA E A INVESTIGAÇÃO DIDÁTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES ALFABETIZADORES

O PROJETO BEPA E A INVESTIGAÇÃO DIDÁTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES ALFABETIZADORES O PROJETO BEPA E A INVESTIGAÇÃO DIDÁTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Resumo Fernanda Guinoza Matuda 1 Maria Elena Roman de Oliveira Toledo 2 Esta pesquisa buscou, por

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA. Marília Santarosa Feltrin 1 - ma_feltrin@yahoo.com.br

A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA. Marília Santarosa Feltrin 1 - ma_feltrin@yahoo.com.br A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA Marília Santarosa Feltrin 1 - ma_feltrin@yahoo.com.br Resumo: o presente trabalho cujo tema é a Evolução do desenho da criança teve por objetivo identificar o processo

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

AQUISIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA: LINGUAGEM ESCRITA E ORAL

AQUISIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA: LINGUAGEM ESCRITA E ORAL AQUISIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA: LINGUAGEM ESCRITA E ORAL Ana Virgínia Carvalho Moreira * Emanuela Maciel Cariri dos Santos * Fabiana Sousa dos Anjos * Geovânio Alves da Silva * Jardel Britto Ferreira *

Leia mais

A COMUNICAÇÃO ENTRE O ORIENTADOR DE MONOGRAFIAS E O ORIENTANDO DE PÓS-GRADUAÇÃO NOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

A COMUNICAÇÃO ENTRE O ORIENTADOR DE MONOGRAFIAS E O ORIENTANDO DE PÓS-GRADUAÇÃO NOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM A COMUNICAÇÃO ENTRE O ORIENTADOR DE MONOGRAFIAS E O ORIENTANDO DE PÓS-GRADUAÇÃO NOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Resumo ANDRADE, VALTER ZOTTO DE FAEL valterzotto@uol.com.br Eixo temático: Comunicação

Leia mais

O início de minha vida...

O início de minha vida... Relato 1 Memórias de minha vida Juliana Pedroso 1 O início de minha vida... Perceber com clareza é o mesmo que ter a visão iluminada pela Luz da Alma. Podemos ficar livres da ignorância e ver corretamente

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano VIII Número 15 Janeiro de 2010 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano VIII Número 15 Janeiro de 2010 Periódicos Semestral ENSINANDO A LER: AS ESTRATÉGIAS DE LEITURA SILVA, Joice Ribeiro Machado da 1 RESUMO Buscamos nessa pesquisa compreender como a criança poderá se tornar uma leitora competente através do letramento literário.

Leia mais

Experiência na formação de estudantes do curso profissionalizante normal

Experiência na formação de estudantes do curso profissionalizante normal Experiência na formação de estudantes do curso profissionalizante normal Vanessa Fasolo Nasiloski 1 Resumo O presente texto tem como objetivo central relatar a experiência de ensino desenvolvida com os

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO Eixo Temático 2 - Pesquisa e Práticas Educacionais Autora: Beatriz de Oliveira Abuchaim Orientadora: Maria Malta

Leia mais

LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA

LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA 1 LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA Maria de Nazaré da Silva Correa Jediã F. Lima Maria do Carmo S. Pacheco Maria do P. Socorro R. de Lima Maria Rita Brasil Raiolanda

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

DE PAIS 1º SEMESTRE DE

DE PAIS 1º SEMESTRE DE NOSSA FAMÍLIA Escola de Educação Infantil Ltda. REUNIÃO DE PAIS 1º SEMESTRE DE 2015 Mirian Claro de Oliveira Especialista em Neuroaprendizagem, Psicomotricidade, Psicopedagogia, Pedagogia A Importância

Leia mais

Atividade - Sequência Conrado Adolpho

Atividade - Sequência Conrado Adolpho Atividade - Sequência Conrado Adolpho Agora, eu quero lhe apresentar os 6 e-mails do conrado adolpho para vender o 8ps. Quero que você leia está sequência com muita atenção e, depois, responda às provocações

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PPP COMO OPORTUNIDADE PARA O ENSINO DE ESTATÍSTICA

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PPP COMO OPORTUNIDADE PARA O ENSINO DE ESTATÍSTICA Encontro Nacional de Educação Matemática A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PPP COMO OPORTUNIDADE PARA O ENSINO DE ESTATÍSTICA Thiarla avier Dal-Cin Zanon Prefeitura Municipal de Castelo/ES Universidade

Leia mais

Os 3 Passos da Fluência - Prático e Fácil!

Os 3 Passos da Fluência - Prático e Fácil! Os 3 Passos da Fluência - Prático e Fácil! Implemente esses 3 passos para obter resultados fantásticos no Inglês! The Meridian, 4 Copthall House, Station Square, Coventry, Este material pode ser redistribuído,

Leia mais

DA FOLHA DE PAPEL À TELA DIGITAL: CENAS DE LETRAMENTO EM OFICINAS DE TIRINHAS

DA FOLHA DE PAPEL À TELA DIGITAL: CENAS DE LETRAMENTO EM OFICINAS DE TIRINHAS DA FOLHA DE PAPEL À TELA DIGITAL: CENAS DE LETRAMENTO EM OFICINAS DE TIRINHAS Luiza Alice Lima Rocha 1 (UFC) Resumo: Frente ao avanço das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs), buscamos inseri-las

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI Resumo Rosangela de Sousa Cardoso Stabenow1 - UEL Cassiana Magalhães2 - UEL Grupo de Trabalho - Didática:

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso: Pedagogia - vespertino Disciplina: EDM0323 - Metodologia do ensino de português: a alfabetização. Docente: Prof.ª Nilce da Silva Aluna (nºusp): Flávia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TUTOR ON-LINE NA FORMAÇÃO DOCENTE

A IMPORTÂNCIA DO TUTOR ON-LINE NA FORMAÇÃO DOCENTE A IMPORTÂNCIA DO TUTOR ON-LINE NA FORMAÇÃO DOCENTE Curso de Especialização em Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva Página Inicial do AVA com a relação das disciplinas do Curso e Formação

Leia mais

PROJETO AUTOBIOGRAFIAS.

PROJETO AUTOBIOGRAFIAS. Experiências significativas no desenvolvimento de Projetos Sociais. PROJETO AUTOBIOGRAFIAS. Gabriela Junqueira De Marco. Faculdade de Educação, Ciências e Artes Dom Bosco de Monte Aprazível-SP. Alfsolidaria@faeca.com.br

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Albertina Marília Alves Guedes¹ Elisa Angélica Alves Guedes² Maria Nizete de Menezes Gomes

Leia mais

CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1

CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1 CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1 SILVEIRA, Lidiane 2 ; LIMA, Graziela Escandiel de 3 1 Relato de experiência 2 Pedagoga, Especialista em Alfabetização, professora

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA

MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA SANTOS, Jéssica Paula. UFG/REGIONAL/CATALÃO jessica-g-ts@hotmail.com SANTOS, Marina da Silva. UFG/REGIONAL/CATALÃO marinaavlis@hotmail.com Orientador: Dr.ª

Leia mais

O USO DAS REDES SOCIAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL COMO AUXILIO AS METODOLOGIAS DE ENSINO

O USO DAS REDES SOCIAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL COMO AUXILIO AS METODOLOGIAS DE ENSINO ISSN 2316-7785 O USO DAS REDES SOCIAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL COMO AUXILIO AS METODOLOGIAS DE ENSINO Gabriel Souza Germann da Silva Universidade Federal de Pelotas germann.gabriel.mat@gmail.com Antônio

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

Um na Estrada Caio Riter

Um na Estrada Caio Riter Um na Estrada Caio Riter PROJETO DE LEITURA 1 O autor Caio Riter nasceu em 24 de dezembro, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. É bacharel em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Pontifícia

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 799 INTERVENÇÃO EM ARTE COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE PHOTOSHOP Denise Penna Quintanilha Programa de Pós Graduação em

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E DES PORTO

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E DES PORTO CONCURSO: 2013 QUALIDADE EM GESTÃO E QUALIDADE NA PRÁTICA DA DOCÊNCIA GREICIANE KRUMM QUALIDADE NA PRÁTICA DOCÊNCIA PRESIDENTE GETÚLIO 2013 GREICIANE KRUMM Experiência apresentada para Associação dos Municípios

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA E INCLUSÃO DIGITAL NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB

FORMAÇÃO CONTINUADA E INCLUSÃO DIGITAL NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB FORMAÇÃO CONTINUADA E INCLUSÃO DIGITAL NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB Telma Cristina Gomes da Silva (PROLING/UFPB) telmapedist@hotmail.com Introdução A Cultura Digital impõe novos desafios pedagógicos

Leia mais

APRENDENDO A INCLUIR NO COTIDIANO ESCOLAR

APRENDENDO A INCLUIR NO COTIDIANO ESCOLAR APRENDENDO A INCLUIR NO COTIDIANO ESCOLAR ANGELA MARIA PARREIRAS RAMOS angelaramos7@gmail.com RESUMO O trabalho aqui apresentado é um relato de experiência do trabalho de um ano letivo com dois alunos

Leia mais

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS Prof. Dr. Richard Schütz www.sk.com.br Referência: SCHÜTZ, Ricardo. "Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil .

Leia mais

Acabei, posso ler? Quando a leitura se torna um prazer!

Acabei, posso ler? Quando a leitura se torna um prazer! Congreso Iberoamericano de las Lenguas en la Educación y en la Cultura / IV Congreso Leer.es Salamanca, España, 5 al 7 de septiembre de 2012 Acabei, posso ler? Quando a leitura se torna um prazer! Priscila

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais

Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais Datas: 11 e 18 de Setembro Horário: 14:00h às 17:40h Carga Horária: 8 horas Vagas: O número mínimo de inscritos será: 20 pessoas

Leia mais

As concepções de professoras alfabetizadoras acerca do conceito de letramento. PALAVRAS-CHAVE: Letramento. Alfabetização. Professoras. Concepções.

As concepções de professoras alfabetizadoras acerca do conceito de letramento. PALAVRAS-CHAVE: Letramento. Alfabetização. Professoras. Concepções. As concepções de professoras alfabetizadoras acerca do conceito de letramento RESUMO A recente incorporação do termo letramento no campo da educação brasileira associada com a ampliação do Ensino Fundamental

Leia mais

A COMPETÊNCIA LEITORA NOS ESPAÇOS DA COMUNIDADE DO PARANANEMA-PARINTINS/AM

A COMPETÊNCIA LEITORA NOS ESPAÇOS DA COMUNIDADE DO PARANANEMA-PARINTINS/AM 00092 A COMPETÊNCIA LEITORA NOS ESPAÇOS DA COMUNIDADE DO PARANANEMA-PARINTINS/AM Maria Valcirlene de Souza Bruce 1 Monica Silva Aikawa 2 Resumo: O artigo apresenta o resultado de uma intervenção pedagógica

Leia mais

Segundo Relatório de Intercâmbio de Longa Duração

Segundo Relatório de Intercâmbio de Longa Duração Segundo Relatório de Intercâmbio de Longa Duração Carlos Araujo RCRJ/Nova Iguaçu Odense, Danmark. Ainda depois de 4 meses na Dinamarca, este país ainda consegue fazer surpresas. Desde de agosto, a minha

Leia mais

O JORNAL EM SALA DE AULA: PARA ALÉM DO LETRAMENTO, O ALUNO COMO CENTRO DA NOTÍCIA

O JORNAL EM SALA DE AULA: PARA ALÉM DO LETRAMENTO, O ALUNO COMO CENTRO DA NOTÍCIA O JORNAL EM SALA DE AULA: PARA ALÉM DO LETRAMENTO, O ALUNO COMO CENTRO DA NOTÍCIA Ana Lhayse Feitoza Albuquerque analhayse@hotmail.com Beatriz Correia Neri de Araújo beatrizneri00@hotmail.com Thays Emanuela

Leia mais

CONSTRUÇÃO DA DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL OU NOS ANOS INICIAIS DO EF / EJA

CONSTRUÇÃO DA DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL OU NOS ANOS INICIAIS DO EF / EJA 1 FACULDADE DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIAS E LETRAS CURSO DE PEDAGOGIA TRABALHO ACADÊMICO INTERDISCIPLINAR VII: CONSTRUÇÃO DA DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL OU NOS ANOS INICIAIS DO EF / EJA Autor: Rejane Beatriz

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA Carine Almeida Silva noletocarine@gmail.com

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA Carine Almeida Silva noletocarine@gmail.com 1 ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA Carine Almeida Silva noletocarine@gmail.com RESUMO Este trabalho apresenta um relato de experiência ao realizar as atividades propostas no curso Alfabetização

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

PARCERIA FAMÍLIA E ESCOLA NO ENSINO DE HISTÓRIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DESTA RELAÇÃO

PARCERIA FAMÍLIA E ESCOLA NO ENSINO DE HISTÓRIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DESTA RELAÇÃO PARCERIA FAMÍLIA E ESCOLA NO ENSINO DE HISTÓRIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DESTA RELAÇÃO RESUMO Kelce Lanis Lira da Silva¹ Maria Claudia da Silva Madeira² O texto pretende contribuir para uma futura melhoria

Leia mais

Aprenda a Gerar Renda Utilizando Seus Conhecimentos em Promob e Projetos 3D.ACDEMY.COM.BR COMO GERAR RENDA COM PROJETO VERSÃO 1.0

Aprenda a Gerar Renda Utilizando Seus Conhecimentos em Promob e Projetos 3D.ACDEMY.COM.BR COMO GERAR RENDA COM PROJETO VERSÃO 1.0 Aprenda a Gerar Renda Utilizando Seus Conhecimentos em Promob e Projetos CAIO HENRIQUE TEODORO DOS SANTOS Página 1 Versão 1.0 2013 Esforcei-me ao máximo para transmitir em poucas páginas algumas dicas

Leia mais

JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA

JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA Valinhos, setembro de 2014 1 JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA Relato do Projeto

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 1 CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 04/2007 Mílada Tonarelli Gonçalves CENPEC - Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

LEITURA LITERÁRIA: REFLEXÕES SOBRE UMA EXPERIÊNCIA NA ESCOLA

LEITURA LITERÁRIA: REFLEXÕES SOBRE UMA EXPERIÊNCIA NA ESCOLA LEITURA LITERÁRIA: REFLEXÕES SOBRE UMA EXPERIÊNCIA NA ESCOLA BORTTOLIN, A. M. P. LITTERA/UNESC SILVEIRA, R. de F. K. da LITTERA/UNESC O presente texto mostra uma experiência de leitura literária na escola

Leia mais

São DVD-ROMs com mais de 1 500 conteúdos digitais, entre aulas, jogos interativos e exercícios, sendo mais de 200 voltados para a Educação Infantil.

São DVD-ROMs com mais de 1 500 conteúdos digitais, entre aulas, jogos interativos e exercícios, sendo mais de 200 voltados para a Educação Infantil. Maternal I O J. Piaget é o primeiro e único Sistema de Ensino do mercado que relaciona totalmente o material multimídia ao material gráfico em todos os segmentos. São DVD-ROMs com mais de 1 500 conteúdos

Leia mais

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Adriana M. das Virgens Chagas (adrianachagas3@hotmail.com) Aluna de graduação do curso de Pedagogia das Faculdades Integradas de Aracruz Luciana C.

Leia mais

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml Figura 96 - Trecho do desenho da paisagem local, formado por desenhos individuais colados justapostos um no outro, constituindo uma só peça, um extenso rolo A localização da escola, no tocante a sua topografia,

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS

UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS Jorge Ferreira da Silva Filho Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Viegas Ribas Pesquisador e Consultor Psicopedagógico

Leia mais

PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS. Palavras Chaves: Alfabetização, Letramento e Gêneros Literários.

PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS. Palavras Chaves: Alfabetização, Letramento e Gêneros Literários. PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS Zeni Aguiar do Nascimento Alves i Zênio Hélio Alves ii O SESC LER Zona Norte de Natal desenvolve atividades que evidenciam a questão da

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Sejam bem vindos ao ano letivo de 2016! EDUCAÇÃO INFANTIL

Sejam bem vindos ao ano letivo de 2016! EDUCAÇÃO INFANTIL Colégio Amorim / Santa Teresa Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio Rua Lagoa Panema, 466 Vila Guilherme Fone: 2909-1422 Diretoria de Ensino Região Centro Sejam bem vindos ao ano letivo

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 III A JOGOS DIVERTIDOS Fizemos dois campeonatos com a Turma da Fazenda, o primeiro com o seguinte trajeto: as crianças precisavam pegar água em um ponto e levar até o outro,

Leia mais

2. APRESENTAÇÃO. Mas, tem um detalhe muito importante: O Zé só dorme se escutar uma história. Alguém deverá contar ou ler uma história para ele.

2. APRESENTAÇÃO. Mas, tem um detalhe muito importante: O Zé só dorme se escutar uma história. Alguém deverá contar ou ler uma história para ele. 1.INTRODUÇÃO A leitura consiste em uma atividade social de construção e atribuição de sentidos. Assim definida, as propostas de leitura devem priorizar a busca por modos significativos de o aluno relacionar-se

Leia mais

NO MEU BAIRRO SE BRINCA DE...

NO MEU BAIRRO SE BRINCA DE... NO MEU BAIRRO SE BRINCA DE... Cintia Cristina de Castro Mello EMEF Alberto Santos Dummont RESUMO Este relato apresenta o trabalho desenvolvido no EMEF Alberto Santos Dumont, com as turmas 1ª e 3ª séries

Leia mais

Letramento: Um ano de histórias

Letramento: Um ano de histórias 1 Letramento: Um ano de histórias Joyce Morais Pianchão 1 RESUMO Ensinar a ler e escrever é a meta principal da escola. E para que todos exerçam seus direitos, exercendo com dignidade a sua cidadania na

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

O USO DO BLOG PARA OPORTUNIZAR EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS DE LEITURA E ESCRITA

O USO DO BLOG PARA OPORTUNIZAR EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS DE LEITURA E ESCRITA O USO DO BLOG PARA OPORTUNIZAR EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS DE LEITURA E ESCRITA Tatiana de Oliveira Souza 1 UFRN RESUMO Este artigo apresenta o resultado de pesquisa de natureza qualitativa sobre o projeto

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA GREICY GIL ALFEN A LUDICIDADE EM SALA DE AULA

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA GREICY GIL ALFEN A LUDICIDADE EM SALA DE AULA SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA GREICY GIL ALFEN A LUDICIDADE EM SALA DE AULA Projeto apresentado e desenvolvido na Escola Estadual Domingos Briante

Leia mais

ebook Aprenda como aumentar o poder de captação do seu site. por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação

ebook Aprenda como aumentar o poder de captação do seu site. por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação Sobre o Autor: Sempre fui comprometido com um objetivo de vida: TER MINHA PRÓPRIA EMPRESA. Mas assim como você, eu também ralei bastante

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

Educação Infantil, que espaço é este?

Educação Infantil, que espaço é este? Educação Infantil, que espaço é este? O material do sistema de ensino Aprende Brasil de Educação Infantil foi elaborado a fim de oferecer subsídios para reflexões, informações e sugestões que auxiliem

Leia mais

Respostas dos alunos sobre o curso

Respostas dos alunos sobre o curso Respostas dos alunos sobre o curso Aplicação INDICADOR: ENSINO QUESTÃO: EM TERMOS DE PRÁTICA PEDAGÓGICA, QUE ATIVIDADES VOCÊ CITARIA COMO UM DIFERENCIAL DO CURSO? FACULDADE: PÇL - NÚCLEO DE ARTE E TECNOLOGIA

Leia mais

EMPREGABILIDADE E MARKETING PESSOAL

EMPREGABILIDADE E MARKETING PESSOAL EMPREGABILIDADE E MARKETING PESSOAL 1 2 Para estar junto não é preciso estar perto, e sim do lado de dentro. Leonardo da Vinci CARO ALUNO Não existem limites para a educação a distância. Seus desafios

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais