RhythmNews. St. Jude Medical. Apresentação...1. CDI AnalyST com monitoramento do segmento ST...2. EnSite Navx reduz riscos com bons resultados...

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RhythmNews. St. Jude Medical. Apresentação...1. CDI AnalyST com monitoramento do segmento ST...2. EnSite Navx reduz riscos com bons resultados..."

Transcrição

1 St. Jude Medical RhythmNews Ano 2 - Volume 1 Prezado Doutor, Apresentação...1 CDI AnalyST com monitoramento do segmento ST...2 Alta fi delidade contínua no monitoramento para uma terapia efi caz EnSite Navx reduz riscos com bons resultados...5 Estudos revelam a efi ciência do mapeamento 3D A St. Jude Medical investe para que seus parceiros e pacientes obtenham a máxima segurança nos procedimentos. Para isso, a sensibilidade do profissional durante o procedimento deve ser continuada. Os dispositivos St. Jude Medical permitem uma avaliação contínua para decisões mais acertadas durante a terapia. Apresentamos aqui o novo CDI AnalyST. Primeiro dispositivo equipado com algoritmo de diagnóstico de Monitoramento ST de alta fi delidade aprovado no mercado. Sua aprovação, sob mais de eletrogramas de segmento registrados, possibilita uma terapia mais adequada específi ca para cada caso. O AnalyST vem representar aqui a nova geração de dispositivos que a St. Jude Medical irá disponibilizar ao longo deste ano, renovando toda linha de geradores. A telemetria sem fi o e a tecnologia SenseAbiltiy estará presente em todos, desde o marcapasso de câmara única, ao CDI com ressincronizador. Estudos revelam que o mapeamento 3D Ensite Navx para procedimentos de ablação reduz a exposição de médicos e pacientes à radiação da fluoroscopia em até 50% com os mesmos resultados. Reduzir os riscos faz parte da política de qualidade da empresa e nos aproxima da excelência nos produtos e serviços prestados. Essa preocupação constante em melhorar a cada procedimento, a cada lançamento de produto é que faz da St. Jude Medical uma das empresas médicas mais admiradas em todo mundo, e também constrói a credibilidade necessária para deixar tranquilos os que a ela se associam. Conheça melhor a St. Jude Medical e seus produtos no site br.sjm.com Atenciosamente, Equipe editorial da St. Jude Medical 1

2 Monitoramento do Segmento ST CARDIOVERSOR DESFIBRILADOR IMPLANTÁVEL (CDI) ANALYST O CDI AnalyST da St. Jude Medical é o primeiro CDI com um algoritmo diagnóstico de monitoramento ST de alta fidelidade aprovado no mercado. Este algoritmo de diagnóstico registra mudanças importantes do segmento ST e fornece informações contínuas e precisas para a compreensão dos casos clínicos. O conhecimento de uma mudança do segmento ST pode levar à correlação mais apurada dos eventos clínicos específicos, incluindo episódios de TV/FV, possibilitando ao médico tomar decisões precisas. Este novo algoritmo de diagnóstico de monitoramento ST demonstra o comprometimento da St. Jude Medical para o avanço e prática da medicina reduzindo riscos e contribuindo para o sucesso para todos os pacientes. A Síndrome Coronária Aguda (SCA) são patologias cardiovasculares isquêmicas resultantes da Doença Arterial Coronariana (DCA), definida como placas de gorduras depositadas durante muitos anos, restringindo o fluxo de sangue e o suprimento de oxigênio ao músculo cardíaco. Gerenciar a SCA continua sendo um desafio, apesar dos avanços no tratamento e é um enorme fardo médico, social e econômico de US$ 142,5 Bilhões, nos Estados Unidos anualmente. A SCA consiste principalmente do infarto do miocárdio com elevação do segmento ST (IMCEST), infarto do miocárdio sem a elevação do seguimento ST (IMSEST) e Angina Instável (AI). Pacientes com SCA apresentam piores prognósticos, pacientes com IM (IMCEST e IMSEST) representam 50% de todas as mortes relacionadas com doenças cardiovasculares. 1 em cada 3 pacientes com IMSEST (representam 30% a 45% de todos os casos de SCA) com morte em 24 horas do início da isquemia. Cerca de 25% dos homens e 38% das mulheres morrem dentro de um ano após terem um IM documentado. Pacientes com SCA apresentam uma alta taxa de recorrência pós tratamento. Aproximadamente 30% dos pacientes de SCA que recebem alta requerem uma nova hospitalização após os primeiros 6 meses. O CDI AnalyST fornece um diagnóstico de monitoramento do segmento ST contínuo e de alta fidelidade nas mudanças dos segmentos capturados. Considerando que aproximadamente 70% dos pa cientes que recebem um CDI hoje são isquêmicos e entre 25% e 60% dos eventos isquêmicos são silenciosos (não acompanhados por sintomas), torna-se ponderado o monitoramento contínuo através de ECG. O monitoramento do ECG é uma técnica usada para diagnosticar a isquemia miocárdica e arritmias, entretanto, ela tem limitações que afetam a utilidade desta ferramenta diagnóstica. Estas limitações incluem: a interferência eletromagnética (IEM), qualidade baixa do ECG, artefatos de movimento do paciente, artefatos de respiração, posicionamento do eletrodo fora do padrão e memória limitada. O CDI AnalyST supera muitas destas limitações ao fornecer monitoramento ST contínuo e de alta confiança, possibilitando que o médico revise e interprete, junto com outros achados clínicos relevantes, para tomar decisões apropriadas no gerenciamento do paciente (Figuras 1 e 2). Os eletrogramas intracardíacos (IEGMs) evitam os efeitos isolantes dos pulmões e tórax e apresentam amplitudes de sinal que são de 5 a 10 vezes maiores que os ECGs de superfície. Além disso, os IEGMs reduzem ruídos e sinais de artefatos, evitando a interface eletrodo/ pele. Demonstra-se que as mudanças no segmento ST isquêmico dos IEGMS são significamente mais sensíveis do que o ECG em ritmo Figura 1 - ECG de superfície Figura 2 - IEGM do CDI AnalyST 2

3 Mais Controle. Menos Risco. A St. Jude Medical dedica-se a reduzir riscos encontrando novas maneiras de aumentar o controle deixado nas mãos dos que salvam vidas. sinusal e estimulação ventricular. A St. Jude Medical se associou com a Angel Medical Systems para implementar o monitoramento ST no CDI AnalyST. Ambas as companhias escreveram especificações com relação ao método e processamento dos IEGMs para detectar e registrar as mudanças do ST. Os métodos e princípios básicos usados para registrar e detectar as mudanças através do EGM são os mesmos. Em relação a isso, a experiência clínica e resultados específicos alcançados pela Angel Medical Systems até agora confirmam o desempenho clínico esperado e a estabilidade em longo prazo do monitoramento ST do IEGM. A Angel Medical Systems conduziu um estudo clínico no Brasil para avaliar o dispositivo Guardian. Este estudo envolveu 20 pacientes de alto risco que tinham teste de estresse de exercício positivo e foram indicados para intervenção coronária percutânea (ICP). A análise temporária destes estudos incluiu mais de segmentos de eletrogramas (IEGMs) recuperados em mais de 22 pacientes por ano de acompanhamento. Não houve eventos falsos negativos durante o estudo, e dois eventos de mudança do ST que resultaram em alarmes ao paciente apropriado. Ambos os eventos de alarme foram validados pela angiografia sendo eventos de IMCEST/ruptura de placa. com fidelidade a isquemia, originária das artérias coronárias maiores. O vetor VD/carcaça foi mais sensível à isquemia do que outros vetores de IEGMs. O CDI AnalyST monitora constantemente e detecta mudanças de voltagem agudas no segmento ST de um EGM unipolar ventricular comparado ao segmento de referência isoelétrico. Ele mede as variações ST intrínsecas dos eventos ventriculares sentidos usando os eletrogramas unipolares de VD. A cada 90 segundos o segmento ST do IEGM é comparado a um segmento ST de referência de base, obtido pelo menos um dia antes. Um Episódio ST é registrado na detecção de uma mudança ST significativa definida por três desvios padrões ou mais (Figura 4). Os dados do segmento ST são categorizados dentro de histogramas, tendência de desvio do ST e registros de episódios do ST para fornecer ao usuário informações valiosas sobre o paciente. Figura 4: Diagnóstico da Monitorização do Segmento ST A. Tendência dos Devios Este diagnóstico mostra o alcance total dos desvios ao longo do tempo B. Histogramas Os desvios do seguimento ST são representados em um histograma que mostra visualmente a variação do ST C. Registro do Episodio ST São gravados os episódios mais significativos, permitindo visualizar os EGM gravados. Figura 3: CDI AnalyST com monitoramento ST O dispositivo AnalyST coleciona informações usando uma configuração ponta do eletrodo de ventrículo direito (VD) com a carcaça (Figura 3). Os estudos que demonstraram IEGMs permitem capturar e reproduzir A isquemia se apresenta normalmente no histograma com tendência negativa ou positiva nas frequências cardíacas elevadas (Figura 5). A ruptura de placa se apresenta com histogramas que apresentam tendências de distribuição bimodal negativa ou positiva em frequências cardíacas de repouso (Figura 6). 3

4 Figura 5: ST Histogram Data (Isquemia) Figura 6: ST Histogram Data (Ruptura de Placa) A informação do segmento ST pode ser recuperado do CDI AnalyST usando-se o Merlin Patient Care System, exatamente como outro dispositivo da St. Jude Medical. O médico pode receber notificações dos episódios de ST via , fax ou SMS, através do Merlin. net Patient Care Network. A notificação ao paciente está disponível através de um alerta vibratório. Exposição a fluoroscopia durante procedimentos de ablação REDUZINDO O RISCO PARA PACIENTES E MÉDICOS VISÃO GERAL Riscos da radiação associados com a fluoroscopia Pacientes e médicos são expostos a altas doses de radiação quando a fluoroscopia é utilizada em procedimentos eletrofisiológicos. Existe um considerável risco a saúde associada à exposição à radiação devido à fluoroscopia, incluindo queimaduras de pele, cataratas e tumores. Estudos mostram que existem diversas vantagens associadas ao uso de sistemas de mapeamento eletroanatômico para ajudar eletrofisiologistas a diagnosticar arritmias atriais. Benefícios dos sistemas de mapeamento 3D O benefício da utilização dos sistemas de mapeamento 3D junto com a terapia por RF pode ser alcançado sem acréscimo de tempo de procedimento. 2,3 r Altas taxas de sucesso dos procedimentos. 2,3 r Longo período livre da arritmia para a maioria dos pacientes. 2,6 r Significante redução no tempo de fluoroscopia e exposição à radiação. 2,3 O impacto da exposição à fluoroscopia em pacientes: De acordo com as diretrizes da Sociedade de Radiologia Intervencionista (SIR) procedimentos invasivos guiados fluoroscopicamente podem requerer o uso de quantidade significativa de radiação para sua realização. Isso pode colocar o paciente em risco a danos causados deterministicamente pela radiação [ex., queimaduras]. Somado a isso, todos os pacientes irradiados tem aumentado seu risco de problemas aleatórios de saúde [ex., câncer]. 7 Pesquisadores da Agencia Internacional de Energia Atômica (AIEA) explicam que ocorrem sérios efeitos a saúde devido à exposição à radiação quando certo limite é excedido. Queimaduras por radiação são frequentemente erroneamente diagnosticadas porque elas aparecem semanas após o procedimento e os pacientes podem consultar seus prestadores de saúde que podem não estar cientes de que uma lesão relacionada à exposição à radiação pode ter ocorrido. 8 Pacientes submetidos a procedimentos cardiológicos intervencionistas recebem tanta radiação quanto eles receberiam se eles tivessem a mil, ou mais, raios-x de tórax. 8 A exposição a radiação difere por tipo de procedimento 9 (Tabela 1). As diretrizes da SIR declara que pele e olhos estão sob risco quando a fluoroscopia é utilizada durante procedimentos intervencionistas: A pele no local onde a radiação entra no corpo recebe maior dose de radiação que qualquer tecido do corpo. Uma vez que o limite da dose é excedido, a lesão pode se tornar progressivamente mais severa com doses crescentes, embora a 4

5 Mais Controle. Menos Risco. A St. Jude Medical dedica-se a reduzir riscos encontrando novas maneiras de aumentar o controle deixado nas mãos dos que salvam vidas. verdadeira gravidade da maioria das lesões só se torna aparente semanas, ou meses, após o procedimento. 7 Varias instituições tem diretrizes relacionadas à exposição à radiação para pacientes: Uma hora de exposição à radiação é suficiente para causar os seguintes tipos de danos: r Depilação (perda de pelos) r Cataratas r Ferimentos na pele incluindo eritema 8 (vermelhidão) A severidade do dano depende de: r Equipamento e sua operação r Procedimento r Tamanho do paciente 8 (espessura corpórea) Procedimento Equivalente de exposição à radiação Angiografia coronariana 300 raios-x de tórax Stent coronariano 1000 raios-x de tórax Ablação cardíaca por RF 900 to 1500 raios-x de tórax Intervenção arterial periférica 1500 to 2500 raios-x de tórax 9 Tabela 1: Radiação por tipo de procedimento. Em 1994, o FDA (Food and Drug Administration) americano descobriu que pacientes tinham sofrido sérias queimaduras devido à exposição à radiação durante procedimentos guiados fluoroscopicamente, incluindo ablação por RF com cateter. Naquele momento, o FDA fez recomendações para se evitar danos a pele devido à exposição à radiação para fins medicinais. 4 Somado ao risco de queimaduras, a exposição à radiação coloca o paciente sob risco do câncer, com a probabilidade de tumores malignos crescendo de acordo com a magnitude da dose recebida. 8 Hindricks, e colaboradores, estimaram que exista de casos de câncer fatal por milhão de pacientes para cada hora de fluoroscopia durante ablação (assumindo doses efetivas totais de 8,3 msy por hora de fluoroscopia). 10 De acordo com a Fluoroscopy Clinical Competence Statement publicado no JACC em 2004, existe um atraso entre a exposição à radiação e o tempo que seu efeito se torna aparentes. Lesões na pele podem se tornar aparentes em poucas horas ou dias, mas existe um atraso mínimo de 2 a 5 anos entre a exposição à radiação e o diagnóstico de leucemia ou cânceres sólidos. O risco de tumores malignos relacionados à exposição à radiação é cumulativo e estende-se por vários anos. 1 De acordo com as diretrizes da SIR: Um tempo de fluoroscopia maior que 60 minutos não é por si só um valor de dose, mas é um indicador indireto de uma dose significativa de radiação. Não existe implicação de que uma dose abaixo do nível da dose significativa é segura ou que uma dose acima da dose significativa irá sempre causar um dano. De fato, pode ser desejável realizar acompanhamento para doses inferiores de radiação em situações especiais, tal como recente prévia irradiação da mesma região anatômica. 7 Pesquisadores da Universidade da Carolina do Norte Chapel Hill recentemente realizaram um estudo em um grande laboratório de eletrofisiologia e descobriram que o tempo médio de fluoroscopia para procedimentos de ablação por cateter [diagnóstico não especificado] era de 62 +/- 48 minutos. 5

6 cgy Dose média de radiação por peso do paciente 72,4 cgy Normal 119,1 cgy Sobrepeso Peso do Paciente Uma dose máxima na pele > 200 cgy (alta o suficiente para resultar em dano visível a pele) foi observada em: - 25% dos pacientes com sobrepeso 231,1 cgy Obeso - 38% dos pacientes obesos (17% receberam 300cGy) 40% dos pacientes ablacionados eram obesos O Fluoroscopy Clinical Competence Statement recomenda: Uma vez que a presença de lesão por radiação dá-se tardiamente ao procedimento e pode ser de difícil diagnóstico, existe a necessidade de alertar o paciente sobre a possibilidade de dano induzido pela radiação se o procedimento usar mais que 50 minutos de fluoroscopia (com equipamento moderno, bem calibrado) ou entregar mais que 4 Gy ao ponto referente a intervenção. O limite para tal alerta deve ser reduzido para 30 minutos se o paciente for obeso ou se o procedimento for realizado utilizando uma unidade de raios-x antiga (com mais do que 5 anos). 1 Recentemente, pesquisadores na Itália e Espanha estudaram o efeito cumulativo da exposição à radiação entre os pacientes admitidos em uma enfermaria de cardiologia. Pacientes tinham submetido-se a uma média de 36 exames que envolviam exposição à radiação. A dose efetiva cumulativa foi de 60,6 msy (média). A cardiologia intervencionista foi responsável por 48% da dose média de radiação recebida pelos pacientes. A exposição à radiação relacionada ao procedimento foi estimada por causar câncer em 1 a cada 200 pacientes. 11 De acordo com os pesquisadores do IAEA: A maioria das informações sobre lesões causadas por radiação é obtida de processos jurídicos, e isso indica que a frequência de ocorrência de tais lesões é de uma ou duas todo meses, nos EUA... Com muitas lesões, aparenta-se que o médico que realizou o procedimento não estava ciente que a dose absorvida pela pele estava aproximando ou excedendo níveis suficientes para causar lesões ou que o equipamento não havia sido testado para seu correto desempenho. Essa informação ilustra o risco dos pacientes que se submetem a procedimentos eletrofisiológicos, e as diretrizes tornam evidentes que o operador deve proteger os pacientes mantendo a exposição à radiação ao menor nível possível. O Impacto do Sistema de Mapeamento 3D na Fluoroscopia e no Tempo de Procedimento Estudos recentes têm demonstrado que o uso de sistemas de mapeamento 3D reduz significativamente o tempo de fluoroscopia durante os procedimentos de ablação por cateter, sem aumentar o tempo de procedimento. O sucesso no procedimentos e os resultados positivos para os pacientes foram iguais ou melhores, quando os sistemas de mapeamento 3D foram utilizados, como ilustrado nos estudos encontrados abaixo. 2,6 Esta seção enfoca estudos que foram conduzidos em várias instituições na França, Itália e Reino Unido. Os estudos abaixo demonstram que o tempo de fluoroscopia foi significativamente reduzido quando o Sistema EnSite Navx foi utilizado durante procedimentos de ablação para: r Fibrilação atrial r Flutter atrial r Outras arritmias atriais Nestes estudos, o tempo geral dos procedimentos diminuiu ou manteve-se o mesmo quando o sistema de mapeamento eletroanatômico foi utilizado (comparado com mapeamento convencional usando fluoroscopia). Os pesquisadores concluíram que há similar segurança e efetividade com o mapeamento 3D, com significante redução a exposição à fluoroscopia. Estudo 1 Este estudo foi conduzido por Rotter, Takahashi, Sanders, Haissaguerre, Jais, Hsu, Sacher, 6

7 Mais Controle. Menos Risco. A St. Jude Medical dedica-se a reduzir riscos encontrando novas maneiras de aumentar o controle deixado nas mãos dos que salvam vidas. Pasquié, Clementy e Hocini. 6 Mapeamento convencional (fluoro) e navegação não fluoroscópica (Ensite Navx) foram comparados. O estudo envolveu 72 pacientes com fibrilação atrial (81% paroxística e 19% persistente). Instituição participante r Hôpital Cardiologique Du Haut-Lévêque, e Université Victor Segalen Bordeaux 2, Boudeaux, França Rotter e colaboradores concluíram: O sistema de imagem não fluoroscópico avaliado é seguro e permite significante redução de exposição a fluoroscopia e duração de procedimento durante o isolamento das Veias Pulmonares e ablação linear do átrio esquerdo. A redução observada na exposição a fluoroscopia foi aproximadamente 50% durante o isolamento das Veias Pulmonares e ablação linear. Estudo 2 Esse estudo foi conduzido por Earley, Showkathali, Alzetani, Kistler, Gupta, Abrams, Horrocks, Harris, Sporton e Schilling. 2 Foram envolvidos 145 pacientes remetidos para ablação de flutter típico, taquicardia reentrante nodal e taquicardias atrioventriculares reentrantes, incluindo Wolff-Parkinson-White. O estudo comparou mapeamento conven- cional (fluoroscopia) com duas tecnologias de mapeamento não fluoroscópicas (Ensite Navx e o Sistema Carto). Instituição participante r Queen Mary University of London e St. Bartholomew s Hospital, Dominion House, West Smithfield, London UK Os autores descobriram que quando utilizado o Ensite Navx, os pacientes foram expostos a menos radiação do que quando utilizado mapeamento convencional ou o Sistema Carto. 2 Earley e seus colaboradores concluíram: Considerada a ablação por cateter das taquicardias supraventriculares mais comuns (ex. TRN, TSV, WPW e flutter atrial típico), o Ensite Navx e o Carto tem similar efetividade e segurança com relação a encontrada nos procedimentos convencionais guiados por fluoroscopia. Ambas as técnicas, entretanto, reduzem a exposição aos raios-x, com o Sistema EnSite Navx tendo um resultado significativamente maior que o Carto. Embora esse benefício seja atingido a um maior custo, existem benefícios a longo prazo para a comunidade e funcionários do laboratório. 2 RESUMO Os riscos a saúde associados à exposição à radiação são bem conhecidos, e esses riscos estão se elevando com o aumento das aplicações das técnicas de imagem. Ambos pacientes e operadores são expostos aos riscos da radiação durante procedimentos cardíacos. A redução da dose é essencial, porque quanto menor a dose, menor é o potencial de risco de efeitos adversos. Avançados sistemas de mapeamento como a tecnologia de navegação e visualização Ensite Navx reduzem significativamente a exposição à fluoroscopia para os pacientes, operadores e funcionários, sem que haja desvantagens em relação ao tempo de procedimento ou efetividade da ablação. Danos causados pela radiação são um dos riscos presentes nos procedimentos cardiovasculares; isso deve ser considerado na decisão risco-benefício e também deve ser minimizado através das decisões de condução dos pro cedimentos. REFERÊNCIAS 1. Hirshfeld JW, Balter S, Brinker JA, Kern MJ, Klein LW, Lindsay BD, Tommaso CL, Tracy CM, and Wagner LK. ACCF/AHA/ HRS/SCAI clinical competence statement on optimizing patient safety and image quality in fluoroscopically guided invasive cardiovascular procedures: a report of the American College of Cardiology/American Heart Association/American College of Physicians Task Force on Clinical Competence (ACCF/AHA/HRS/SCAI Writing Committee to Develop a Clinical Competence Statement on Fluoroscopy). J Am Coll Cardiol 2004;44: Earley MJ, Showkathali R, Alzetani M, et al. Radiofrequency ablation of arrhythmias guided by non-fluoroscopic catheter location: a prospective randomized trial. Eur Heart J. May 2006;27(10): Estner HL, Deisenhofer I, Luik A, et al. Electrical isolation of pulmonary veins in patients with atrial fibrillation: reduction of fluoroscopy exposure and procedure duration by the use of a non-fluoroscopic navigation system (NavX). Europace. Aug 2006;8(8): Hindricks G, Willems S, Kautzner J, et al. Effect of electroanatomically guided versus conventional catheter ablation of typical atrial flutter on the fluoroscopy time and resource use: a prospective randomized multicenter study. J Cardiovasc Electrophysiol. Jul 2009;20(7): Muto C, Canciello M, Carreras G, et al. Is it possible to create a linear lesion with no local electrograms? Comparison between a three-dimensional mapping system and conventional fluoroscopy for cavotricuspid isthmus ablation of typical atrial flutter. J Cardiovasc Med (Hagerstown). Jun 2007;8(6): Rotter M, Takahashi Y, Sanders P, et al. Reduction of fluoroscopy exposure and procedure duration during ablation of atrial fibrillation using a novel anatomical navigation system. Eur Heart J. Jul 2005;26(14): Stecker MS, Balter S, Towbin RB, et al. Guidelines for patient radiation dose management. J Vasc Interv Radiol. Jul 2009;20 (7 Suppl):S Rehani MM, Ortiz-Lopez P. Radiation effects in fluoroscopically guided cardiac interventions--keeping them under control. Int J Cardiol. May ;109(2): Picano E, Santoro G, Vano E. Sustainability in the cardiac cath lab. Int J Cardiovasc Imaging. Apr 2007;23(2): Taylor JB, Selzman KA. An evaluation of fluoroscopic times and peak skin doses during radiofrequency catheter ablation and biventricular internal cardioverter defibrillator implant procedures. Health Phys. Feb 2009;96(2): Bedetti G, Botto N, Andreassi MG, Traino C, Vano E, Picano E. Cumulative patient effective dose in cardiology. Br J Radiol. Sep 2008;81(969):

8 O RhythmNews é um boletim informativo da St. Jude Medical Brasil, uma publicação trimestral, distribuído gratuitamente aos médicos. Redação e Revisão: Alessandro Freitas, Denis Carneiro, Leonardo Annunziato, Marco Santos Colaboração: Cassiano Couto Editoração e Impressão: Kids Bureau e Gráfica - Entre em contato pelo Visite nosso site: br.sjm.com St. Jude Medical Brasil Ltda. Rua Frei Caneca, São Paulo - SP Tel Fax br.sjm.com ST. JUDE MEDICAL, o símbolo com nove quadrados e MORE CONTROL. LESS RISK. são marcas registradas da St. Jude Medical, Inc. e das suas empresas coligadas St. Jude Medical. Todos os direitos reservados.

Síndrome Coronariana Aguda

Síndrome Coronariana Aguda Síndrome Coronariana Aguda Wilson Braz Corrêa Filho Rio de Janeiro, 2010 Curso de Capacitação de Urgência e Emergência Objetivos: Apresentar a epidemiologia da síndrome coronariana aguda nas unidades de

Leia mais

Vasos com Diâmetro de Referência < 2,5 mm

Vasos com Diâmetro de Referência < 2,5 mm Intervenção Coronária Percutânea nas Diversas Morfologias Angiográficas: Vasos com Diâmetro de Referência < 2,5 mm Fernando Stucchi Devito Faculdade de Medicina FIPA Catanduva - SP Hospital São Domingos

Leia mais

ISQUEMIA SILENCIOSA É possível detectar o inesperado?

ISQUEMIA SILENCIOSA É possível detectar o inesperado? CURSO NACIONAL DE RECICLAGEM EM CARDIOLOGIA DA REGIÃO SUL Florianópolis 20-24 de setembro de 2006 ISQUEMIA SILENCIOSA É possível detectar o inesperado? Celso Blacher Definição Documentação objetiva de

Leia mais

Nome: Paulo Mendonça Ferreira Sexo: M Altura: 1.84 Peso: 98 Fumante: 0 Data de nascimento: 11/10/1981

Nome: Paulo Mendonça Ferreira Sexo: M Altura: 1.84 Peso: 98 Fumante: 0 Data de nascimento: 11/10/1981 Dados do Paciente Nome: Paulo Mendonça Ferreira Sexo: M Altura:.84 Peso: 98 Fumante: Data de nascimento: //98 O que é o Holter 4 Horas? O Holter 4 horas, ou Eletrocardiografia Dinâmica, é um exame que

Leia mais

Angiotomografia Coronária. Ana Paula Toniello Cardoso Hospital Nove de Julho

Angiotomografia Coronária. Ana Paula Toniello Cardoso Hospital Nove de Julho Angiotomografia Coronária Ana Paula Toniello Cardoso Hospital Nove de Julho S Aterosclerose S A aterosclerose é uma doença inflamatória crônica de origem multifatorial que ocorre em resposta à agressão

Leia mais

Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia Região Sul 20 a 24 de setembro de 2006 ACM - Florianópolis

Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia Região Sul 20 a 24 de setembro de 2006 ACM - Florianópolis Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia Região Sul 20 a 24 de setembro de 2006 ACM - Florianópolis Dr. José Carlos Moura Jorge Laboratório de Eletrofisiologia de Curitiba Bases Eletrofisiológicas e

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR AVALIAÇÃO PRÉ-ANESTÉSICA SISTEMA CARDIOVASCULAR Paulo do Nascimento Junior Departamento de Anestesiologia Faculdade de Medicina de Botucatu AVALIAÇÃO PRÉ-ANESTÉSICA: OBJETIVOS GERAIS ESCLARECIMENTO DO

Leia mais

Curso de capacitação em interpretação de Eletrocardiograma (ECG) Prof Dr Pedro Marcos Carneiro da Cunha Filho

Curso de capacitação em interpretação de Eletrocardiograma (ECG) Prof Dr Pedro Marcos Carneiro da Cunha Filho Curso de capacitação em interpretação de Eletrocardiograma (ECG) Prof Dr Pedro Marcos Carneiro da Cunha Filho Anatomia cardíaca Coração Anatomia cardíaca Coração Coração Coração Nó Sinoatrial Coração elétrico

Leia mais

Atividade Física e Cardiopatia

Atividade Física e Cardiopatia AF e GR ESPECIAIS Cardiopatia Atividade Física e Cardiopatia Prof. Ivan Wallan Tertuliano E-mail: ivantertuliano@anhanguera.com Cardiopatias Anormalidade da estrutura ou função do coração. Exemplos de

Leia mais

Serve como um valioso instrumento para o diagnóstico de várias patologias cardíacas e distúrbios hidroeletrolítico.

Serve como um valioso instrumento para o diagnóstico de várias patologias cardíacas e distúrbios hidroeletrolítico. ECG ECG É o registro dos fenômenos elétricos do coração registrado por um aparelho chamado eletrocardiográfo. Impulso elétrico passa pelo coração onde e se propaga para tecidos adjacentes que circundam

Leia mais

Avanços nos Algoritmos de Discriminação do Ritmo em CDIs de Dupla-Câmara

Avanços nos Algoritmos de Discriminação do Ritmo em CDIs de Dupla-Câmara Relampa 2007 20(3): 217-222. Espaço Publicitário St. Jude Medical Avanços nos Algoritmos de Discriminação do Ritmo em CDIs de Dupla-Câmara RESUMO Um desafio na terapia de Cardioversores-Desfibriladores

Leia mais

Há mais de uma lesão grave, como definir qual é a culpada? Devemos abordar todas ao mesmo tempo ou tentar estratificar? O papel do USIC, OCT e FFR

Há mais de uma lesão grave, como definir qual é a culpada? Devemos abordar todas ao mesmo tempo ou tentar estratificar? O papel do USIC, OCT e FFR Há mais de uma lesão grave, como definir qual é a culpada? Devemos abordar todas ao mesmo tempo ou tentar estratificar? O papel do USIC, OCT e FFR Dr. Miguel A. N. Rati Serviço de Hemodinâmica Hospital

Leia mais

Doença Coronária Para além da angiografia

Doença Coronária Para além da angiografia Reunião Clínica Hospital Fernando Fonseca Doença Coronária Para além da angiografia Sérgio Bravo Baptista Serviço de Cardiologia Agenda Avaliação funcional das lesões coronárias Fractional Flow Reserve

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO CARDIOVASCULAR

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO CARDIOVASCULAR ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO CARDIOVASCULAR Março de 2016 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DADOS EPIDEMIOLÓGICOS... 3 3. ESTRATIFICAÇÃO INDIVIDUAL DE RISCO CARDIOVASCULAR... 4 4. CALCULE O SEU RISCO E DE SEUS

Leia mais

RhythmNews. St. Jude Medical. Apresentação...1. Novos dispositivos e telemetria sem fio...2. Plug Cardíaco Amplatzer...6.

RhythmNews. St. Jude Medical. Apresentação...1. Novos dispositivos e telemetria sem fio...2. Plug Cardíaco Amplatzer...6. St. Jude Medical RhythmNews Ano 2 - Volume 2 Prezado Doutor, Apresentação...1 Novos dispositivos e telemetria sem fio....2 Características e vantagens dos novos geradores. Plug Cardíaco Amplatzer...6 Apresentação

Leia mais

Relatório de Holter ( 17%) ( 0%) Pausas. Elevação do ST

Relatório de Holter ( 17%) ( 0%) Pausas. Elevação do ST Relatório de Holter - Dados do Exame Nº do Exame Data do Exame: 5//004 :5 Protocolo: Holter de canais 85 M04-5896 - Dados do Paciente: Nome: Leizivan Batista Morgado Idade: 4 Sexo: F Altura:.6 Peso: 6

Leia mais

Critérios Diagnósticos das Taquicardias de QRS Estreito

Critérios Diagnósticos das Taquicardias de QRS Estreito Critérios Diagnósticos das Taquicardias de QRS Estreito Taquicardias Supraventriculares Taquicardia Sinusal / TRS Taquicardia Atrial 1:1, 2:1, condução variável, TAM Fibrilação Atrial Flutter Atrial (comum/incomum/atípico)

Leia mais

TROMBOEMBOLISMO PULMONAR EMERGÊNCIAS AÓRTICAS. Leonardo Oliveira Moura

TROMBOEMBOLISMO PULMONAR EMERGÊNCIAS AÓRTICAS. Leonardo Oliveira Moura TROMBOEMBOLISMO PULMONAR EMERGÊNCIAS AÓRTICAS Leonardo Oliveira Moura Dissecção da Aorta Emergência aórtica mais comum Pode ser aguda ou crônica, quando os sintomas duram mais que 2 semanas Cerca de 75%

Leia mais

O Processo de Enfermagem aplicado ao Sistema Cardiovascular

O Processo de Enfermagem aplicado ao Sistema Cardiovascular Curso preparatório para Concursos - ENFERMEIRO - 2012 O Processo de Enfermagem aplicado ao Sistema Cardiovascular Prof. Fernando Ramos - Msc 1 Eletrofisiologia e Eletrocardiografia cardíaca O Eletrocardiograma

Leia mais

Venda Proibida - Gratuito

Venda Proibida - Gratuito Histórico O conceito de telefone celular foi desenvolvido em 1960, tornando-se comercialmente disponível a partir de 1983, sendo lançado nos EUA em 1984. O telefone celular funciona semelhante a um telefone

Leia mais

Freqüência Cardíaca Ventriculares SupraVentriculares. Segmento ST Variabilidade da FC Pausas e QT

Freqüência Cardíaca Ventriculares SupraVentriculares. Segmento ST Variabilidade da FC Pausas e QT CLIICAL ARMADO Q. MOTEIRO Data do exame: /3/3 Hora de início: 7:: Paciente: Sexo: Documento: Marcapasso: GUSTAVO ALMEIDA BARROS Masculino ão possui Idade: Anos Tempo de análise: Médico Responsável: Médico

Leia mais

CATÉTERES VENOSOS CENTRAIS DE LONGA DURAÇÃO Experiência com 1000 catéteres

CATÉTERES VENOSOS CENTRAIS DE LONGA DURAÇÃO Experiência com 1000 catéteres CATÉTERES VENOSOS CENTRAIS DE LONGA DURAÇÃO Experiência com 1000 catéteres Hospital de S. Marcos. Braga Departamento de Cirurgia. Serviço de Cirurgia I Director: Dr. A. Gomes Grupo de Acessos Venosos Responsável:

Leia mais

Cadastro de Grupo de Pesquisa da Medicina Nuclear

Cadastro de Grupo de Pesquisa da Medicina Nuclear Cadastro de Grupo de Pesquisa da Medicina Nuclear Líder: - Lucas de Oliveira Vieira lucas.vieira@prestador.hsr.com.br Especialista em medicina nuclear MBA Gestão Executiva em saúde Vice-líder: - Vinícius

Leia mais

III Tema: Cateter irrigado para ablação de foco arritimogênico. V Códigos envolvidos: Rol de procedimentos da ANS: Correção cirúrgica das arritmias

III Tema: Cateter irrigado para ablação de foco arritimogênico. V Códigos envolvidos: Rol de procedimentos da ANS: Correção cirúrgica das arritmias Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 23/07 Tema: Cateter irrigado para ablação de foco arritimogênico I Data: 09/08/2007 II Responsáveis Técnicos: Christiane Guilherme Bretas; Célia

Leia mais

TÍTULO: OS MARCADORES BIOQUÍMICOS NO DIAGNÓSTICO DO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

TÍTULO: OS MARCADORES BIOQUÍMICOS NO DIAGNÓSTICO DO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: OS MARCADORES BIOQUÍMICOS NO DIAGNÓSTICO DO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

Curso Avançado em Gestão Pré-Hospitalar e Intra-Hospitalar Precoce do Enfarte Agudo de Miocárdio com Supradesnivelamento do Segmento ST

Curso Avançado em Gestão Pré-Hospitalar e Intra-Hospitalar Precoce do Enfarte Agudo de Miocárdio com Supradesnivelamento do Segmento ST Curso Avançado em Gestão Pré-Hospitalar e Intra-Hospitalar Precoce do Enfarte Agudo de Miocárdio com Supradesnivelamento do Segmento ST Perante a suspeita clínica de Síndrome coronária aguda (SCA) é crucial

Leia mais

Journal Club. Setor Abdome. Apresentação: Lucas Novais Bomfim Orientação: Dr. George Rosas

Journal Club. Setor Abdome. Apresentação: Lucas Novais Bomfim Orientação: Dr. George Rosas Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Setor Abdome Journal Club Apresentação: Lucas Novais Bomfim Orientação: Dr. George Rosas Data: 11.09.2013

Leia mais

O Custo do Mau Controle do Diabetes para a Saúde Pública

O Custo do Mau Controle do Diabetes para a Saúde Pública O Custo do Mau Controle do Diabetes para a Saúde Pública DR. AUGUSTO PIMAZONI NETTO Coordenador dos Grupos de Educação e Controle do Diabetes do Hospital do Rim e Hipertensão da Universidade Federal de

Leia mais

Cardiologia do Esporte Aula 2. Profa. Dra. Bruna Oneda

Cardiologia do Esporte Aula 2. Profa. Dra. Bruna Oneda Cardiologia do Esporte Aula 2 Profa. Dra. Bruna Oneda Eletrocardiograma O registro gráfico da atividade elétrica do coração é denominado eletrocardiograma. Onda P: despolarização dos átrios (contração

Leia mais

Qual o real benefício da radioterapia com intensidade modulada de feixe (IMRT) para o tratamento dos pacientes com câncer de cabeça e pescoço?

Qual o real benefício da radioterapia com intensidade modulada de feixe (IMRT) para o tratamento dos pacientes com câncer de cabeça e pescoço? Instituto de Radiologia do Hospital das Clínicas Instituto do Câncer do Estado de São Paulo Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Qual o real benefício da radioterapia com intensidade modulada

Leia mais

Solicitações de exames cardiológicos não invasivos: necessidades de saúde ou medicina defensiva?

Solicitações de exames cardiológicos não invasivos: necessidades de saúde ou medicina defensiva? 12º Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade Belém PA Solicitações de exames cardiológicos não invasivos: necessidades de saúde ou medicina defensiva? Dr. Roberto Morán Médico de Família

Leia mais

Especializanda: Renata Lilian Bormann - E4 Orientadora: Patrícia Prando Data: 16/05/2012

Especializanda: Renata Lilian Bormann - E4 Orientadora: Patrícia Prando Data: 16/05/2012 Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Especificidade da TC sem contraste no diagnóstico não invasivo da esteatose hepática: implicações na

Leia mais

CATETERISMO CARDÍACO. Prof. Claudia Witzel

CATETERISMO CARDÍACO. Prof. Claudia Witzel CATETERISMO CARDÍACO CATETERISMO CARDÍACO Método diagnóstico invasivo É avaliada a presença ou não de estreitamentos nas artérias coronárias secundário às "placas de gordura" além do funcionamento das

Leia mais

Um(ns) autor(es) português(es) no British Medical Journal

Um(ns) autor(es) português(es) no British Medical Journal Um(ns) autor(es) português(es) no British Medical Journal Prof. Doutor António Vaz Carneiro, MD, PhD, FACP Centro de Estudos de Medicina Baseada na Evidência Centro Colaborador Português da Rede Cochrane

Leia mais

Controle da frequência cardíaca na Fibrilação Atrial

Controle da frequência cardíaca na Fibrilação Atrial Controle da frequência cardíaca na Fibrilação Atrial Rogério Andalaft Médico assistente da seção médica de Eletrofisiologia Clínica e Arritmias Cardíacas Classificação da Fibrilação Atrial ACC/AHA/ESC

Leia mais

Contribuições do SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO para a Melhoria da Qualidade da Assistência e Segurança dos Pacientes

Contribuições do SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO para a Melhoria da Qualidade da Assistência e Segurança dos Pacientes Contribuições do SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO para a Melhoria da Qualidade da Assistência e Segurança dos Pacientes ABRIL/2011 O Universo de Atuação População 190.732.694 habitantes Fonte: IBGE 2010

Leia mais

Rua Afonso Celso, Vila Mariana - São Paulo/SP. Telefone: (11) Fax: (11)

Rua Afonso Celso, Vila Mariana - São Paulo/SP. Telefone: (11) Fax: (11) Boletim Científico SBCCV Data: 07/12/2015 Número 05 Angioplastia coronária não adiciona benefícios a longo prazo, em comparação ao tratamento clínico de pacientes com doença coronária estável, aponta análise

Leia mais

Curso anual de revisão em hemodinâmica e cardiologia intervencionista - SBHCI Riscos da exposição aos raios X em

Curso anual de revisão em hemodinâmica e cardiologia intervencionista - SBHCI Riscos da exposição aos raios X em Curso anual de revisão em hemodinâmica e cardiologia intervencionista - SBHCI 2012 São Paulo, 18 e 19 de outubro de 2012 Riscos da exposição aos raios X em intervenções cardiovasculares Lucía Canevaro,

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DE SURTO

INVESTIGAÇÃO DE SURTO INVESTIGAÇÃO DE SURTO DE ORIGEM HOSPITALAR Dra Dominique Thielmann Infectologista Coordenação da CCIH do Hospital Pró Cardíaco RJ Serviço de Doenças Infectoparasitárias HUPE / UERJ Laboratório DASA RJ

Leia mais

Indicações atuais de implante de marcapasso definitivo

Indicações atuais de implante de marcapasso definitivo 84 Vol XV N o 2 4 Artigo de Revisão Indicações atuais de implante de marcapasso definitivo Márcio Luiz Alves Fagundes 1, Fernando Eugênio S. Cruz Filho 1, Roberto M. Sá 2, Carlos Arthur F.B. dos Santos

Leia mais

Investimentos Socialmente Responsáveis

Investimentos Socialmente Responsáveis Investimentos Socialmente Responsáveis EUA, Mercados Emergentes e Brasil Agosto de 2009 Situação nos EUA Situação nos EUA Números do Segmento Fundos Abertos com Seleção de Ativos por Critérios de Responsabilidade

Leia mais

O Sistema de administração de contraste ACIST CVi. Simplificando a injeção de contraste. Bracco Group

O Sistema de administração de contraste ACIST CVi. Simplificando a injeção de contraste. Bracco Group O Sistema de administração de contraste ACIST CVi Simplificando a injeção de contraste Bracco Group Simplificando Procedimentos O sofisticado sistema de injeção de contraste ACIST CVi simplifica a administração

Leia mais

ARTERIAL PULMONAR XXXIV CONGRESSO DA SBHCI Roberto Max Lopes Belo Horizonte MG

ARTERIAL PULMONAR XXXIV CONGRESSO DA SBHCI Roberto Max Lopes Belo Horizonte MG CATETERISMO CARDÍACO NO MANEJO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL PULMONAR XXXIV CONGRESSO DA SBHCI 2012 Roberto Max Lopes Belo Horizonte MG Hipertensão pulmonar HP é um estado patofisiológico e hemodinâmico caracterizado

Leia mais

Sessão Interativa. Atualizações do Protocolo de Dor Torácica

Sessão Interativa. Atualizações do Protocolo de Dor Torácica Sessão Interativa Atualizações do Protocolo de Dor Torácica Paciente J.D.M., masculino, 57 anos, deu entrada no Pronto Atendimento com queixa de dor torácica com irradiação para braço esquerdo e mandíbula,

Leia mais

1969: Miocardiopatia - IECAC

1969: Miocardiopatia - IECAC 1969: Miocardiopatia - IECAC 1969:Estado da Guanabara IECAC Moderador da Seção Anatomo- Clinica 20.08.1969 1969: 5 aulas no curso de Hemodinâmica e Angiocardiografia - IECAC 1969:Estado da Guanabara IECAC

Leia mais

Atraso na admissão hospitalar de pacientes com acidente vascular cerebral isquêmico: quais fatores podem interferir?

Atraso na admissão hospitalar de pacientes com acidente vascular cerebral isquêmico: quais fatores podem interferir? Atraso na admissão hospitalar de pacientes com acidente vascular cerebral isquêmico: quais fatores podem interferir? Paula Souto Nogueira Renata Carolina Acri Miranda Monique Bueno Alves Introdução 15.000.0000

Leia mais

Ablação de Arritmias por Cateter com Mapeamento Eletroanatômico Exclusivo: uma Série de Casos

Ablação de Arritmias por Cateter com Mapeamento Eletroanatômico Exclusivo: uma Série de Casos Ablação de Arritmias por Cateter com Mapeamento Eletroanatômico Exclusivo: uma Série de Casos Catheter Ablation of Arrhythmias Exclusively Using Electroanatomic Mapping: A Series of Cases Leonardo Martins

Leia mais

Local de realização do exame: Unidade Morumbi. Elastografia US Fígado e Tireóide

Local de realização do exame: Unidade Morumbi. Elastografia US Fígado e Tireóide Local de realização do exame: Unidade Morumbi Elastografia US Fígado e Tireóide O que é Elastografia Hepática por Ultrassonografia? É uma técnica avançada e não invasiva associada à ultrassonografia convencional,

Leia mais

Carlos Alberto Pastore Nelson Samesima Rafael Munerato CMY

Carlos Alberto Pastore Nelson Samesima Rafael Munerato CMY folha de rosto.pdf 1 09/02/15 11:43 Carlos Alberto Pastore Nelson Samesima C M Y CM MY CY CMY K 5ª5ªedição 5ª edição edição AUTORES Nelson Samesima Eletrofisiologista. Doutor em Cardiologia pela Faculdade

Leia mais

Study of Personal Dosimetry Efficiency in Procedures of Abdominal Aortic Aneurism in Interventional Radiology

Study of Personal Dosimetry Efficiency in Procedures of Abdominal Aortic Aneurism in Interventional Radiology Study of Personal Dosimetry Efficiency in Procedures of Abdominal Aortic Aneurism Fernando A. Bacchim Neto¹, Allan F. F. Alves¹, Maria E. D. Rosa¹, Marcela de Oliveira¹, Carlos C. M. de Freitas², Regina

Leia mais

Serviço de Fisiologia

Serviço de Fisiologia Serviço de Fisiologia Aula Teórica-Prática: Electrocardiograma Características do ECG exame não invasivo, barato e versátil útil para avaliar orientação anatómica do coração dimensões relativas das diversas

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL

HIPERTENSÃO ARTERIAL HIPERTENSÃO ARTERIAL HIPERTENSÃO ARTERIAL A pressão arterial VARIA de batimento a batimento do coração, ajustando-se às atividades desenvolvidas ao longo do dia. Tais variações são fisiológicas e imperceptíveis,

Leia mais

aca Tratamento Nelson Siqueira de Morais Campo Grande MS Outubro / 2010

aca Tratamento Nelson Siqueira de Morais Campo Grande MS Outubro / 2010 Insuficiência ncia Cardíaca aca Tratamento Nenhum conflito de interesse Nelson Siqueira de Morais Campo Grande MS Outubro / 2010 nsmorais@cardiol.br Conceitos Fisiopatológicos A IC é uma síndrome com múltiplas

Leia mais

NT NATS HC UFMG 51/2015

NT NATS HC UFMG 51/2015 25/11/2015 NT NATS HC UFMG 51/2015 TEMA: Cirurgia bariátrica SOLICITANTE: JESP Consumo 4ª Secretaria-Juiz Antônio João de Oliveira NÚMERO DO PROCESSO: 9059263.70.2015.813.0024 Autor: Mateus Araújo do Nascimento

Leia mais

O que é choque elétrico. Efeitos das perturbações I. Efeitos das perturbações II. Manifestações. Corrente elétrica.

O que é choque elétrico. Efeitos das perturbações I. Efeitos das perturbações II. Manifestações. Corrente elétrica. O que é choque elétrico Corrente Elétrica Ícaro dos Santos É a perturbação de natureza e efeitos diversos que se manifesta no organismo humano quando este é percorrido por uma corrente elétrica Efeitos

Leia mais

Anticoagulação peri-procedimento: o que sabemos e o que devemos aprender? Luiz Magalhães Serviço de Arritmia - UFBA Instituto Procardíaco

Anticoagulação peri-procedimento: o que sabemos e o que devemos aprender? Luiz Magalhães Serviço de Arritmia - UFBA Instituto Procardíaco Anticoagulação peri-procedimento: o que sabemos e o que devemos aprender? Luiz Magalhães Serviço de Arritmia - UFBA Instituto Procardíaco Anticoagulação e Procedimentos Médicos No período perioperatório

Leia mais

NÚMERO: 008/2011 DATA: 31/01/2011 Diagnóstico Sistemático da Nefropatia Diabética

NÚMERO: 008/2011 DATA: 31/01/2011 Diagnóstico Sistemático da Nefropatia Diabética ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 008/2011 DATA: 31/01/2011 Diagnóstico Sistemático da Nefropatia Diabética Nefropatia; Diabetes Conselhos Directivos das Administrações Regionais de Saúde,

Leia mais

Utilização das transformadas wavelets na detecção de características em um sinal de ECG

Utilização das transformadas wavelets na detecção de características em um sinal de ECG Utilização das transformadas wavelets na detecção de características em um sinal de ECG Orientador: Prof. Dr. Aldo Artur Belardi Departamento: Engenharia Elétrica Candidato: Gabriel Diego Porfirio N FEI:.206.062-9

Leia mais

Aplicação do teste do HPV na citologia LSIL/ASC. Flávia de Miranda Corrêa

Aplicação do teste do HPV na citologia LSIL/ASC. Flávia de Miranda Corrêa Aplicação do teste do HPV na citologia LSIL/ASC Flávia de Miranda Corrêa Evolução da terminologia citológica Schiffman M et al. Human papillomavirus and cervical cancer. Lancet 2007; ; 370 (9590): 890-907.

Leia mais

1. Hipótese nula H0 é uma hipótese que contém uma afirmação de igualdade, tal como, = ou.

1. Hipótese nula H0 é uma hipótese que contém uma afirmação de igualdade, tal como, = ou. Aula 8 Testes de hipóteses Introdução Teste de hipótese é um processo que usa estatísticas amostrais para testar a afirmação sobre o valor de um parâmetro populacional. Pesquisas em campos tais como medicina,

Leia mais

Paulo Donato, Henrique Rodrigues

Paulo Donato, Henrique Rodrigues Paulo Donato, Henrique Rodrigues Serviço o de Imagiologia Hospitais da Universidade de Coimbra Director: Professor Doutor Filipe Caseiro Alves Janeiro 2007 1ª linha Doença cardíaca congénita Grandes vasos

Leia mais

Síndrome Coronariana Aguda no pós-operatório imediato de Cirurgia de Revascularização Miocárdica. Renato Sanchez Antonio

Síndrome Coronariana Aguda no pós-operatório imediato de Cirurgia de Revascularização Miocárdica. Renato Sanchez Antonio Síndrome Coronariana Aguda no pós-operatório imediato de Cirurgia de Revascularização Miocárdica Renato Sanchez Antonio Objetivo Isquemia perioperatória e infarto após CRM estão associados ao aumento

Leia mais

INDICAÇÕES DE LAPAROSCOPIA NO MANEJO DE MASSAS OVARIANAS

INDICAÇÕES DE LAPAROSCOPIA NO MANEJO DE MASSAS OVARIANAS INDICAÇÕES DE LAPAROSCOPIA NO MANEJO DE MASSAS OVARIANAS Ramon Andrade R3 Prof. Dr. Renato Ferrari - Orientador INTRODUÇÃO Avanço global do uso laparoscopia Laparoscopia ginecológica Doenças benignas Doenças

Leia mais

XXX Congresso Brasileiro de Cirurgia Segurança em Cirurgia Gerenciamento de Complicações Operatórias

XXX Congresso Brasileiro de Cirurgia Segurança em Cirurgia Gerenciamento de Complicações Operatórias XXX Congresso Brasileiro de Cirurgia Segurança em Cirurgia Gerenciamento de Complicações Operatórias Mauro Paes Leme Universidade Federal do Rio de Janeiro, HUCFF Instituto do Coração da UFRJ paesleme@hucff.ufrj.br

Leia mais

Qual o Fluxograma da Dor Torácica na Urgência? Pedro Magno

Qual o Fluxograma da Dor Torácica na Urgência? Pedro Magno Pedro Magno - EUA: 119.000.000 recorrências ao S. Urgência / ano - : 8-10% do total destas recorrências ao S. Urgência Pitts SR, US Dept of Health and Human Services, 2010. -Doentes com enfarte do miocárdio

Leia mais

Papel do IIb IIIa. Dr. Miguel Antonio Moretti. Unidade Clínica de Emergência, Instituto do Coração, HC, FMUSP, São Paulo, Brasil

Papel do IIb IIIa. Dr. Miguel Antonio Moretti. Unidade Clínica de Emergência, Instituto do Coração, HC, FMUSP, São Paulo, Brasil Página Inicial SCVC Area: English - Español - Português Papel do IIb IIIa Dr. Miguel Antonio Moretti Unidade Clínica de Emergência, Instituto do Coração, HC, FMUSP, São Paulo, Brasil Antes de mais nada

Leia mais

Abordagem intervencionista na síndrome coronária aguda sem supra do segmento ST. Roberto Botelho M.D. PhD.

Abordagem intervencionista na síndrome coronária aguda sem supra do segmento ST. Roberto Botelho M.D. PhD. Abordagem intervencionista na síndrome coronária aguda sem supra do segmento ST Roberto Botelho M.D. PhD. www.ict.med.br robertobotelho@mac.com 1 Objetivos Relevância do tema Para quem indicar Quando realizar

Leia mais

Hipertensão Arterial e a Prevenção Quaternária

Hipertensão Arterial e a Prevenção Quaternária Hipertensão Arterial e a Prevenção Quaternária Luiz Henrique Picolo Furlan Especialista em Saúde Coletiva e Cardiologia Mestre em Medicina Interna MBA em Gestão em Saúde Potenciais conflitos de interesse

Leia mais

BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA FUNÇÃO CARDIO-VASCULAR E EXERCÍCIO

BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA FUNÇÃO CARDIO-VASCULAR E EXERCÍCIO BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA FUNÇÃO CARDIO-VASCULAR E EXERCÍCIO Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD 1 Qual é o objetivo funcional do sistema CV? Que indicador fisiológico pode ser utilizado para demonstrar

Leia mais

Artigo Original. Descritores: Mapeamento Eletroanatômico, Fluoroscopia, Raios X

Artigo Original. Descritores: Mapeamento Eletroanatômico, Fluoroscopia, Raios X Experiência inicial de ablação por cateter sem uso de fluoroscopia Initial experience of catheter ablation without the use of fluoroscopy Experiencia inicial de ablación por catéter sin uso de fluoroscopia

Leia mais

Vigilância ativa em câncer de próstata. Marcos Tobias Machado Setor de Uro-oncologia

Vigilância ativa em câncer de próstata. Marcos Tobias Machado Setor de Uro-oncologia Vigilância ativa em câncer de próstata Marcos Tobias Machado Setor de Uro-oncologia Argumentos que justificam a vigilância ativa como opção terapêutica Câncer de próstata na era do PSA Apresentação clínica

Leia mais

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA www.gerenciamentoetreinamento.com Treinamentos Corporativos Contato: XX 12 9190 0182 E mail: gomesdacosta@gerenciamentoetreinamento.com SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA Márcio

Leia mais

SIM 16/17 T6 Processamento de Sinal e Imagem Médica. Hélder Filipe Pinto de Oliveira

SIM 16/17 T6 Processamento de Sinal e Imagem Médica. Hélder Filipe Pinto de Oliveira SIM 16/17 T6 Processamento de Sinal e Imagem Médica Hélder Filipe Pinto de Oliveira Resumo Sinal e Imagem Médica Sinal Digital Processamento de Sinal Processamento de Imagem Sinal e Imagem na Medicina

Leia mais

CONCLUSÕES DOS REVISORES

CONCLUSÕES DOS REVISORES CARDIOTOCOGRAFIA: o seu valor na obstetrícia atual. CORINTIO MARIANI NETO Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros Universidade Cidade de São Paulo CARDIOTOCOGRAFIA Análise da frequência cardíaca fetal

Leia mais

ESTUDOS DE COORTE. Baixo Peso Peso Normal Total Mãe usuária de cocaína

ESTUDOS DE COORTE. Baixo Peso Peso Normal Total Mãe usuária de cocaína UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA PREVENTIVA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA ESTUDOS DE COORTE 1) Com o objetivo de investigar

Leia mais

DOENÇAS DO MIOCÁRDIO E PERICÁRDIO. Patrícia Vaz Silva

DOENÇAS DO MIOCÁRDIO E PERICÁRDIO. Patrícia Vaz Silva DOENÇAS DO MIOCÁRDIO E PERICÁRDIO Patrícia Vaz Silva Curso Básico de Cardiologia Pediátrica - Coimbra, 4 e 5 de Abril de 2016 INTRODUÇÃO A. DOENÇAS DO MIOCÁRDIO Doenças do músculo cardíaco, caracterizadas

Leia mais

Quantificação da função ventricular esquerda em doentes com má janela ecocardiográfica. Liliana Lopes Hospital Garcia de Orta, Almada

Quantificação da função ventricular esquerda em doentes com má janela ecocardiográfica. Liliana Lopes Hospital Garcia de Orta, Almada Quantificação da função ventricular esquerda em doentes com má janela Liliana Lopes Hospital Garcia de Orta, Almada 27 de Abril de 2014 A imagem deverá apresentar uma boa definição do bordo endocárdico,

Leia mais

URGÊNCIA E EMERGÊNCIA. Prof. Adélia Dalva

URGÊNCIA E EMERGÊNCIA. Prof. Adélia Dalva URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Prof. Adélia Dalva 1. O tratamento emergencial da hipovolemia grave, em uma unidade de pronto atendimento, causada por choque hemorrágico, compreende as seguintes condutas terapêuticas,

Leia mais

CARCINOMA DUCTAL INVASOR INICIAL DA BIDIMENSIONAL VERSUS TRIDIMENSIONAL NÍVEIS I E II

CARCINOMA DUCTAL INVASOR INICIAL DA BIDIMENSIONAL VERSUS TRIDIMENSIONAL NÍVEIS I E II CARCINOMA DUCTAL INVASOR INICIAL DA MAMA D: A RADIOTERAPIA BIDIMENSIONAL VERSUS TRIDIMENSIONAL É INFERIOR NA ABRANGÊNCIA MAMÁRIA E NÍVEIS I E II Da Costa AB, Diaz OC, Carvalho MCR, Dias TM, Alves MS, Duarte

Leia mais

Resumos clínicos bifásicos

Resumos clínicos bifásicos Resumos clínicos bifásicos Desfibrilação da fibrilação ventricular e taquicardia ventricular Cenário A Physio-Control conduziu um estudo clínico cego, multicêntrico, prospectivo e randomizado com vários

Leia mais

LINHA DE CUIDADO EM CARDIOLOGIA PNEUMOLOGIA E DOENÇAS METABÓLICAS

LINHA DE CUIDADO EM CARDIOLOGIA PNEUMOLOGIA E DOENÇAS METABÓLICAS LINHA DE CUIDADO EM CARDIOLOGIA PNEUMOLOGIA E DOENÇAS METABÓLICAS Nome da atividade: Estágio Supervisionado em Fisioterapia Cardiovascular Tipo de atividade: Disciplina de Graduação Responsáveis: Profª

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESCORE HOSPITAL COMO PREDITOR DE MORTALIDADE E REINTERNAÇÃO EM PACIENTES ADMITIDOS EM ENFERMARIA CLÍNICA EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

AVALIAÇÃO DO ESCORE HOSPITAL COMO PREDITOR DE MORTALIDADE E REINTERNAÇÃO EM PACIENTES ADMITIDOS EM ENFERMARIA CLÍNICA EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO AVALIAÇÃO DO ESCORE HOSPITAL COMO PREDITOR DE MORTALIDADE E REINTERNAÇÃO EM PACIENTES ADMITIDOS EM ENFERMARIA CLÍNICA EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO William Damian Perdonsini Klein 1 ; Vander José Dall Aqua

Leia mais

Introdução ao Sistema Cardiovascular Propriedades da Fibra cardíaca Regulação da FC: Efeitos do Exercício. Lisete C. Michelini

Introdução ao Sistema Cardiovascular Propriedades da Fibra cardíaca Regulação da FC: Efeitos do Exercício. Lisete C. Michelini Introdução ao Sistema Cardiovascular Propriedades da Fibra cardíaca Regulação da FC: Efeitos do Exercício Lisete C. Michelini Para que serve o Sistema Cardiovascular? Organismos Unicelulares (não necessitam

Leia mais

Choque hipovolêmico: Classificação

Choque hipovolêmico: Classificação CHOQUE HIPOVOLÊMICO Choque hipovolêmico: Classificação Hemorrágico Não-hemorrágico Perdas externas Redistribuição intersticial Choque hipovolêmico: Hipovolemia Fisiopatologia Redução de pré-carga Redução

Leia mais

Avaliação de Tecnologias em Saúde

Avaliação de Tecnologias em Saúde Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Assunto: Dispositivo de Proteção Cerebral MO.MA Canoas, março de 2006 Avaliação da Câmara Técnica de Medicina Baseada

Leia mais

Preditores de lesão renal aguda em doentes submetidos a implantação de prótese aórtica por via percutânea

Preditores de lesão renal aguda em doentes submetidos a implantação de prótese aórtica por via percutânea Preditores de lesão renal aguda em doentes submetidos a implantação de prótese aórtica por via percutânea Sérgio Madeira, João Brito, Maria Salomé Carvalho, Mariana Castro, António Tralhão, Francisco Costa,

Leia mais

Podemos considerar RT hipofracionada da mama para todas as pacientes como padrão? SIM. Erlon Gil 21/06/13

Podemos considerar RT hipofracionada da mama para todas as pacientes como padrão? SIM. Erlon Gil 21/06/13 Podemos considerar RT hipofracionada da mama para todas as pacientes como padrão? SIM Erlon Gil 21/06/13 RT adjuvante EBCTCG Lancet 2005;366: 2087-2106 Contextualização 20-30% das mulheres não recebem

Leia mais

PESQUISA CLÍNICA (PESQUISA EM SERES HUMANOS) CNS/Res 196/1996

PESQUISA CLÍNICA (PESQUISA EM SERES HUMANOS) CNS/Res 196/1996 PESQUISA CLÍNICA (PESQUISA EM SERES HUMANOS) CNS/Res 196/1996 Pesquisa que, individual ou coletivamente, envolva o ser humano, de forma direta ou indireta, em sua totalidade ou parte dele, incluindo o

Leia mais

É a resposta à execução, sob demanda do operador, do seguinte comando CHM : DISPLAY-NSCLOG-FILECHAR

É a resposta à execução, sob demanda do operador, do seguinte comando CHM : DISPLAY-NSCLOG-FILECHAR Gestão do Sistema RRN 05437 Condição de Ativação da Mensagem É a resposta à execução, sob demanda do operador, do seguinte comando CHM : CRN 5711 DISPLAY-NSCLOG-FILECHAR DOCC: MMCC: CYB3WH02 B6P7WH02 000119

Leia mais

Setembro/2007 MACROECONOMIA, POLÍTICA, SETORIAL E PROJETOS

Setembro/2007 MACROECONOMIA, POLÍTICA, SETORIAL E PROJETOS Setembro/2007 ! " # $ % " &'( " % # ) % * ) + ",, % ) -.,, + -! 2.0% 1.8% 1.6% 1.4% 1.2% 1.0% 0.8% 0.6% 0.4% 0.2% 0.0% / Dow Jones S&P 500 Jan-07 Jan-07 Jan-07 Feb-07 Feb-07 Mar-07 Mar-07 Apr-07 Apr-07

Leia mais

Na hipertensão arterial

Na hipertensão arterial Erros frequentes na prática clínica como evitá-los? Na hipertensão arterial - Novembro de 2013 - Liliana Marta Serviço de Cardiologia, Hospital de Santarém Hipertensão Arterial Importante problema de saúde

Leia mais

As principais valvulopatias cardíacas cirúrgicas são representadas principalmente pelas alterações patológicas das válvulas Mitral, Tricúspide e

As principais valvulopatias cardíacas cirúrgicas são representadas principalmente pelas alterações patológicas das válvulas Mitral, Tricúspide e Valvulopatias Cardíacas I Visão cirúrgica Valvulopatias Mitrais As principais valvulopatias cardíacas cirúrgicas são representadas principalmente pelas alterações patológicas das válvulas Mitral, Tricúspide

Leia mais

NÓDULO PULMONAR SOLITÁRIO

NÓDULO PULMONAR SOLITÁRIO Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Medicina Hospital São Lucas SERVIÇO DE CIRURGIA TORÁCICA José Antônio de Figueiredo Pinto DEFINIÇÃO Lesão arredondada, menor que 3.0 cm

Leia mais

Radiologia Digital versus Analógica, CAD e Telerradiologia

Radiologia Digital versus Analógica, CAD e Telerradiologia Radiologia Digital versus Analógica, CAD e Telerradiologia Prof. Dr. Paulo Mazzoncini de Azevedo Marques (pmarques@fmrp.usp.br) Centro de Ciências das Imagens e Física Médica CCIFM (http://cci.fmrp.usp.br)

Leia mais

RhythmNews. St. Jude Medical. Apresentação...1. Fibrilação atrial paroxística em paciente. crônicas Compar ativo entre bainha deflectível

RhythmNews. St. Jude Medical. Apresentação...1. Fibrilação atrial paroxística em paciente. crônicas Compar ativo entre bainha deflectível St. Jude Medical RhythmNews Ano - Volume Apresentação... Fibrilação atrial paroxística em paciente com outr as complicações crônicas... O algoritmo AF Supression se mostrou eficiente no controle da FA

Leia mais

1969:Estado da Guanabara IECAC Comunicação Inter-Ventricular com Hipertensão Pulmonar-13/08/1969

1969:Estado da Guanabara IECAC Comunicação Inter-Ventricular com Hipertensão Pulmonar-13/08/1969 1969:Estado da Guanabara IECAC Comunicação Inter-Ventricular com Hipertensão Pulmonar-13/08/1969 1969:Estado da Guanabara IECAC Insuficiência Coronária 13.08.1969 1969:Certificado - Associação Médica Fluminense

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 505, DE 28 DE SETEMBRO DE 2010

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 505, DE 28 DE SETEMBRO DE 2010 Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 505, DE 28 DE SETEMBRO DE 2010 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria nº 2.848/GM, de 06 de novembro

Leia mais

Curso Preparatório para Concursos- Enfermeiro 2012 Infarto Agudo do Miocárdio

Curso Preparatório para Concursos- Enfermeiro 2012 Infarto Agudo do Miocárdio Curso Preparatório para Concursos- Enfermeiro 2012 Infarto Agudo do Miocárdio Prof. Fernando Ramos-Msc IAM: definição É a necrose da célula miocárdica resultante da oferta inadequada de oxigênio ao músculo

Leia mais

Curso de Reciclagem em Cardiologia ESTENOSE VALVAR AÓRTICA

Curso de Reciclagem em Cardiologia ESTENOSE VALVAR AÓRTICA Curso de Reciclagem em Cardiologia SBC- Florianópolis 2006 ESTENOSE VALVAR AÓRTICA Miguel De Patta ESTENOSE AÓRTICA- ETIOLOGIA Em todo o mundo : DR USA/ Europa Válvula aórtica tricúspide calcificada: senil

Leia mais

Diagnóstico Médico de Imagem Auxiliado por Computador

Diagnóstico Médico de Imagem Auxiliado por Computador Diagnóstico Médico de Imagem Auxiliado por Computador Fundamentos de Sistemas Multimídia Flávio Luiz Seixas 2005 Agenda Agenda: Sistemas CAD Telemedicina Princípios da Tomografia Computadorizada Processamento

Leia mais