COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO PROGRAMA DE MELHORIAS PARA ALVENARIA DE VEDAÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO GRUPO DE TRABALHO (GT) - LOGÍSTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO PROGRAMA DE MELHORIAS PARA ALVENARIA DE VEDAÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO GRUPO DE TRABALHO (GT) - LOGÍSTICA"

Transcrição

1 COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO PROGRAMA DE MELHORIAS PARA ALVENARIA DE VEDAÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO GRUPO DE TRABALHO (GT) - LOGÍSTICA

2 ÍNDICE LISTA DE FIGURAS...3 HISTÓRICO INTRODUÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE MATERIAIS ESPECIFICAÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO SIMPLES PARA EFEITO DE AQUISIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA PARA EFEITO DE AQUISIÇÃO INFORMAÇÕES MÍNIMAS NECESSÁRIAS NO PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PEDIDO DE COMPRA ESPECIFICAÇÃO DOS MATERIAIS NO PROJETO ELABORAÇÃO DO PEDIDO DE COMPRA DOS MATERIAIS SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES DE MATERIAIS CONTROLE DA QUALIDADE NO RECEBIMENTO DE MATERIAIS RECEBIMENTO E VERIFICAÇÃO DOS MATERIAIS EM OBRA VERIFICAÇÃO DOS MATERIAIS EM OBRA ENSAIOS DE LABORATÓRIO PREVISTOS EM NORMA CRITÉRIOS DE ACEITAÇÃO ARMAZENAMENTO ARMAZENAMENTO DE BLOCOS DE CONCRETO ARMAZENAMENTO DE ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA PLANEJAMENTO LOGÍSTICO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO GERENCIAL PLANEJAMENTO LOGÍSTICO DE PRODUÇÃO REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

3 LISTA DE FIGURAS FIGURA 01 ETAPAS ANALISADAS NO MANUAL...6 FIGURA 02 ESPECIFICAÇÃO PARA COMPRA...8 FIGURA 03 SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES...13 FIGURA 04 CONTROLE DA QUALIDADE DO RECEBIMENTO...14 FIGURA 05 FOTOS DE FRATURA EM BLOCO DE CONCRETO...19 FIGURA 06 FOTOS DE BLOCOS DEFEITUOSOS...19 FIGURA 07 EXEMPLOS DE INSPEÇÃO DE MEDIDAS DE BLOCOS DE CONCRETO...24 FIGURA 08 EXEMPLOS DE INSPEÇÃO DE MEDIDAS DE BLOCOS DE CONCRETO...25 FIGURA 09 ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DO MATERIAL...29 FIGURA 10 NÍVEIS ESTRATÉGICOS LOGÍSTICOS...31 FIGURA 11 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO GERENCIAL...35 FIGURA 12 - DIMENSIONAMENTO DA INFRA-ESTRUTURA DO CANTEIRO...36 FIGURA 13 CAMINHÃO ABASTECENDO SILO DE ARGAMASSA EM OBRA...38 FIGURA 14 CRONOGRAMA E DIMENSIONAMENTO DOS TRANSPORTES HORIZONTAIS E VERTICAIS...41 FIGURA 15 TRANSPORTE MANUAL DE BLOCOS DE CONCRETO...43 FIGURA 16 TRANSPORTE MANUAL DE BLOCOS DE CONCRETO...44 FIGURA 19 TRANSPORTE DE CAMINHÃO DE BLOCOS DE CONCRETO...48 FIGURA 20 TIPOS DE ARGAMASSA PARA ALVENARIA SEM FUNÇÃO ESTRUTURAL...52 FIGURA 21 FLUXOGRAMA DOS PROCESSOS DE FABRICAÇÃO DE ARGAMASSA NO CANTEIRO...53 FIGURA 22 FLUXOGRAMA DOS PROCESSOS DA ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA...56 FIGURA 23 SILOS DE ARGAMASSA NA OBRA...57 FIGURA 24 TIPOS DE PREPARO DAS MISTURAS DE ARGAMASSA PARA ALVENARIA SEM FUNÇÃO ESTRUTURAL...59 FIGURA 25 UTILIZAÇÃO EM OBRA

4 FIGURA 26 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO OPERACIONAL DA ALVENARIA SEM FUNÇÃO ESTRUTURAL NO CANTEIRO

5 HISTÓRICO Este relatório foi digitado e ilustrado por membros dos grupos de trabalho. Não tem uma formatação final e não foi revisado gramaticalmente. Pedimos a todos os leitores que colaborem com o aperfeiçoamento deste material, enviando suas sugestões, críticas e colaborações (especialmente nas ilustrações) ao coordenador e relator deste trabalho. Antecipadamente nos desculpamos e agradecemos. Este relatório é a conclusão dos trabalhos do grupo de logística, que faz parte do programa elaborado pela Comunidade da Construção de Campinas, com base nas respostas da pesquisa realizada com 25 construtoras da cidade. Baseado nestas respostas, foi detectada uma grande preocupação com a aquisição, recebimento e movimentação dos materiais utilizados em obra. Assim, foram estudadas as melhores práticas construtivas utilizadas nestas atividades. 5

6 1. INTRODUÇÃO Para garantir a qualidade na aquisição e recebimento de materiais, deve-se considerar o envolvimento dos diversos departamentos da empresa relacionados com essa atividade: departamentos de projetos e de compras e a obra. A qualidade na aquisição e recebimento visa integrar as seguintes etapas (SOUZA; MEKBEKIAN, 1996): especificação técnica para compra dos produtos; seleção e avaliação de fornecedores de materiais; controle no recebimento dos materiais em obra; controle no armazenamento e transporte dos materiais. PROJETOS AQUISIÇÃO LOGÍSTICA Especificação para Compra Seleção e Avaliação de Fornecedores Controle e Registro da Qualidade do Recebimento Armazenamento de Materiais Utilização do Material em Obra Figura 01 Etapas analisadas no manual A figura 01 ilustra as etapas principais analisadas para a elaboração deste manual. Ao fazer as especificações técnicas para a compra do produto, as mesmas devem ser claras, com requisitos bem definidos e documentados, garantindo que o pessoal de compras tenha uma comunicação eficiente com os fornecedores para reduzir eventuais desentendimentos. Especificações de materiais detalhadas permitem uma cotação de preço objetiva entre vários fornecedores, que resulta na escolha de fornecedores qualificados e capacitados. A escolha 6

7 dos fornecedores deve estar baseada em preço, prazo de entrega e conformidade dos produtos às normas relativas ao produto especificado. Durante a aquisição de materiais, as informações referentes à especificação e ao controle de recebimento dos materiais em obra devem ser documentadas e disponíveis em formulários simples e de manuseio fácil. Estes documentos irão compor o acervo técnico da empresa, auxiliando na tomada de decisões em escritório e na obra (SOUZA; MEKBEKIAN, 1995). O material já adquirido e entregue na obra, obrigatoriamente deve passar pelo controle de recebimento, que fará os registros da conformidade do produto. Estes registros somados às observações levantadas pelo pessoal da obra em relação ao prazo de entrega e o desempenho do material durante a execução, fornecerão subsídios para a melhoria contínua de todas as etapas. Portanto, as etapas envolvidas na aquisição e recebimento de materiais devem ser avaliadas periodicamente. 7

8 2. ESPECIFICAÇÃO DE MATERIAIS Neste item são apresentadas considerações para a especificação de materiais na compra com fornecedores (figura 02). PROJETOS AQUISIÇÃO LOGÍSTICA Especificação para Compra Seleção e Avaliação de Fornecedores Controle e Registro da Qualidade do Recebimento Armazenamento de Materiais Utilização do Material em Obra Figura 02 Especificação para compra 2.1 ESPECIFICAÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO SIMPLES PARA EFEITO DE AQUISIÇÃO Os blocos de concreto simples para alvenaria de vedação devem cumprir as disposições da norma NBR 7173 Blocos vazados de concreto simples para alvenaria sem função estrutural Especificação. 2.2 ESPECIFICAÇÃO DE ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA PARA EFEITO DE AQUISIÇÃO As argamassas industrializadas para assentamento de blocos de concreto devem atender às disposições da norma NBR Argamassa industrializada para assentamento de paredes e revestimentos de paredes e tetos Especificação. 8

9 Dica: No caso do material não ter certificado de conformidade, o comprador deverá verificar se o mesmo segue os ensaios mínimos previstos pela norma NBR. No caso da empresa fornecer o certificado de conformidade do material (emitido por órgão credenciado e acreditado), este deve ser renovado pela empresa fornecedora a cada quatro meses, a fim de assegurar a qualidade dos produtos e manter os dados do fornecedor atualizados no cadastro da empresa. Dica: Para se proceder à qualificação dos fornecedores, antes da primeira compra, deve-se exigir do fabricante o certificado de ensaio comprovando a conformidade do produto aos requisitos da norma. 9

10 3. INFORMAÇÕES MÍNIMAS NECESSÁRIAS NO PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PEDIDO DE COMPRA Neste item são apresentadas considerações para a elaboração do pedido de compra dos materiais. 3.1 ESPECIFICAÇÃO DOS MATERIAIS NO PROJETO BLOCOS DE CONCRETO Na especificação deverão constar as seguintes informações: Todas as dimensões nominais do bloco; Tipo do bloco (canaleta, jota, etc.); Resistência característica à compressão do bloco (MPa); Solicitação do laudo de ensaio do lote (quando fornecedor não certificado); Local de entrega; Forma de entrega (pallets, etc.); Programação de entrega; Norma técnica pertinente (NBR 7173 blocos de vedação). Uma vez de posse da especificação, o pessoal de compras deverá elaborar o pedido de compra, que será encaminhado para o fornecedor de blocos. Dica: Especialistas da área recomendam que o valor para a resistência característica à compressão deve estar em torno de 3,5 MPa. 10

11 3.1.2 ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA De acordo com a classe da argamassa, as especificações devem incluir: Resistência à Compressão (MPa); Teor de ar incorporado (%); Retenção de água (%). 3.2 ELABORAÇÃO DO PEDIDO DE COMPRA DOS MATERIAIS PEDIDO DE COMPRA PARA BLOCOS DE CONCRETO No pedido de compra deverão constar as seguintes informações: Dimensões nominais dos blocos (por tipo, conforme projeto de alvenaria ver Manual do Grupo de Trabalho - Projeto de Alvenaria de Concreto); Observação de que os blocos deverão atender aos requisitos previstos na NBR 7173 ; Resistência à Compressão (MPa) prevista; Quantidade de blocos; Preço Unitário; Preço Total; Endereço de entrega; Data e horário de entrega; Forma de entrega ( pallets, embalagens, etc); 11

12 Se a descarga está ou não incluída no fornecimento. Em caso afirmativo, o pedido deve ter um aviso esclarecendo que os blocos quebrados no ato da descarga deverão ser repostos pelo fornecedor. Aviso esclarecendo que os blocos serão ensaiados de acordo com os critérios previstos no item deste manual. Dica: Se possível, no pedido deverá constar o nome do responsável pelo recebimento e pelas inspeções visuais na data prevista PEDIDO DE COMPRA PARA ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA Neste pedido de compra deverão constar as seguintes informações: Quantidade de argamassa a ser entregue; Classe da Argamassa ( Segundo a NBR 13281); Preço unitário; Preço Total; Endereço de entrega; Data e horário de entrega; Forma de entrega (sacos, silos, etc). Dica: A argamassa deverá ser ensaiada em obra quanto às suas condições visuais, destacando que os lotes considerados inadequados para o recebimento serão devolvidos ao fornecedor para reposição ou desconto no pagamento. Esta cláusula deverá constar em contrato de compra do material. Dica: Verificar se a descarga está ou não incluída no fornecimento. 12

13 4. SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES DE MATERIAIS Neste item são apresentadas considerações para a seleção e avaliação de fornecedores de materiais (figura 03). PROJETOS AQUISIÇÃO LOGÍSTICA Especificação para Compra Seleção e Avaliação de Fornecedores Controle e Registro da Qualidade do Recebimento Armazenamento de Materiais Utilização do Material em Obra Figura 03 Seleção e avaliação de fornecedores A avaliação de fornecedores durante o recebimento de materiais deve ser realizada para certificar a qualidade do fornecimento e garantir a manutenção do histórico dos fornecedores. Esta avaliação se inicia com uma seleção prévia (se for o primeiro fornecimento de blocos ou argamassa) e uma avaliação do fornecimento ao longo dos contratos realizados. Dica: Sugere-se também que o comprador visite as instalações do fornecedor para fazer uma avaliação da capacidade de produção do mesmo e da qualidade dos materiais produzidos. Os meios e os critérios para tal verificação deverão ser estabelecidos no pedido de compra e/ou no contrato de fornecimento. 13

14 5. CONTROLE DA QUALIDADE NO RECEBIMENTO DE MATERIAIS Neste item são apresentadas considerações para o controle da qualidade dos materiais em obra (figura 04). PROJETOS AQUISIÇÃO LOGÍSTICA Especificação para Compra Seleção e Avaliação de Fornecedores Controle e Registro da Qualidade do Recebimento Armazenamento de Materiais Utilização do Material em Obra Figura 04 Controle da qualidade do recebimento 5.1 RECEBIMENTO E VERIFICAÇÃO DOS MATERIAIS EM OBRA RECEBIMENTO EM OBRA Deve-se considerar os seguintes aspectos no recebimento dos materiais em obra: No caso dos blocos de concreto, na nota fiscal (NF) deve constar a resistência à compressão prevista, bem como a data de fabricação dos lotes, objeto da entrega; Para a argamassa industrializada, na NF deve constar a classe da argamassa segundo NBR 13281, bem como a data de fabricação e a validade dos lotes objeto da entrega; A inspeção e recebimento dos blocos e/ou da argamassa cabe à pessoa designada para a verificação do cumprimento das especificações descritas no pedido de compra. 14

15 Dica: Sugere-se providenciar infra-estrutura para recebimento dos materiais (planejamento do canteiro, rampas, local adequado para carregamento e descarregamento ver item deste manual). O descarregamento pode ser realizado com grua, carrinho hidráulico ou outra forma conveniente, dependendo do tipo da material, ou seja, blocos, argamassa em sacos, ou silos, etc FORMAÇÃO DE LOTES/ AMOSTRAGEM Blocos de Concreto Para efeito de formação de lotes de blocos de concreto, deve-se levar em conta o tipo de inspeção/ensaio que será realizado, ou seja: a) Lote para inspeção visual (ver item 5.2.1) Nesse caso, o lote é o próprio caminhão recebido (aproximadamente 1000 blocos); b) Lote para verificação das dimensões e ensaios laboratoriais (ver itens e 5.3.1), levando-se em conta as seguintes condições: Para lotes de até blocos a amostra mínima (a) será de 10 blocos (a = 10 blocos). 15

16 Para lotes maiores que blocos, a amostra mínima (a) deverá ser calculada segundo a fórmula a seguir: a = 10 + a1, sendo: a1 = N / a1 = parte inteira do quociente N = número de blocos do lote Dica: Especialistas recomendam que o lote definido deve ser igual a capacidade de produção por turno e por máquina do fabricante, respeitando-se o teto máximo de blocos Argamassa Industrializada a) Argamassa em Sacos O tamanho do lote deve ser acordado entre fabricante e cliente e deve ser objeto de contrato. Na falta desse acordo, pode ser considerado um lote a quantidade de argamassa, de cada tipo e fabricante, de mesma data de fabricação. Uma vez estabelecido o tamanho, a amostragem deve ser feita para cada lote. Essa amostragem é feita, com uma amostra mínima de 50Kg, dividida em duas 16

17 partes aproximadamente iguais, identificadas e acondicionadas hermeticamente, para não perder as características. Um dos exemplares é usado para realização dos ensaios previstos em norma e o outro deve ser reservado para eventual comprovação de resultados. b) Argamassa dosada em obra, pré massa de caçamba e/ou central dosadora O tamanho do lote deve ser de no máximo 200 toneladas para cada classe de argamassa. A amostra consiste na quantidade de argamassa preparada com um saco de cimento, quantificando os outros componentes em função do traço escolhido para a aplicação pretendida. DICA: Deve ser reservada igual porção de materiais componentes da argamassa como testemunho para ensaios comprobatórios. Alternativamente, podem ser registradas todas as informações sobre os materiais empregados na preparação da argamassa, incluindo marca, tipo, procedência, lote de fabricação e outras informações de interesse, que possibilitem a realização de ensaios comprobatórios, caso necessários, com os mesmos materiais dosados na mesma proporção. DICA: Deve ser informado ao laboratório responsável pela realização dos ensaios de argamassa: a composição e sua porcentagem dos materiais componentes, a dosagem de água, bem como a forma de mistura utilizada. 17

18 5.2 VERIFICAÇÃO DOS MATERIAIS EM OBRA INSPEÇÃO VISUAL E VERIFICAÇÃO DOS MATERIAIS BLOCOS DE CONCRETO Antes da descarga do caminhão, recomenda-se realizar uma inspeção visual do lote sendo recebido. Essa inspeção tem por objetivo detectar a presença de defeitos (ver exemplos de defeitos nas figura 05 e figura 06 a seguir), os quais podem fornecer uma rápida e eficiente conclusão a respeito da qualidade do lote a ser descarregado. Deve ser verificada a presença dos seguintes aspectos: Peças quebradas; Arestas vivas sem a presença de trincas; Fraturas; Superfícies e arestas irregulares; Deformações; Falta de homogeneidade. 18

19 Figura 05 Foto de fratura em bloco de concreto Figura 06 Foto de blocos defeituosos 19

20 Uma vez realizada a avaliação do lote (um caminhão = aproximadamente blocos) segundo esse critério, caso sejam identificados 10 (dez) ou mais blocos com quaisquer dos defeitos acima, recomenda-se rejeitar o lote. IMPORTANTE: Esse critério deve ser objeto de negociação prévia com o fornecedor e constar no contrato/pedido de fornecimento. OBS.: Ver fluxograma para a realização de inspeções e ensaios para blocos sugerido no Anexo I. Dica: No caso de blocos aparentes (que não receberão revestimento), a inspeção também deverá contemplar a presença de pequenas lascas ou imperfeições na face que ficará exposta. Dica: A quebra de muitas peças no ato da descarga pode denotar blocos com cura deficiente ou resistência mecânica insuficiente ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA (SACOS) As argamassas fornecidas em sacos devem ter impressas, de forma bem visível, as seguintes informações, além das eventuais disposições legais vigentes: nome do fabricante; designação normalizada do produto; massa líquida de produto contida na embalagem; 20

21 indicação do tipo de argamassa (por exemplo: assentamento; múltiplo uso, revestimento interno ou externo, assentamento estrutural); composição qualitativa e quantitativa de água a ser incorporada ao produto, expressa em litros; data de fabricação e validade do produto; tempo de mistura e maturação, conforme NBR 13276; informações sobre o armazenamento do produto; tempo de utilização do produto. Além das informações mencionadas anteriormente, deve também ser realizada uma inspeção visual para checar as condições dos sacos, avaliando-se o estado de conservação dos mesmos (Por exemplo: alteração da embalagem, rasgos, violação, mudança de cor, pontos de umidade, argamassa com coloração amarelada e argamassa empedrada). Dica: A argamassa recebida em sacos deve ser vistoriada e dependendo do que foi acordado e constante do contrato, poderá ser recusada pelo cliente, caso o caminhão do fornecedor não tenha uma lona protetora. 21

22 VERIFICAÇÃO DAS DIMENSÕES PARA BLOCOS DE CONCRETO Uma vez aceito o lote de blocos através da inspeção visual (ver item ), os blocos deverão ser avaliados segundo às suas dimensões (ver figura 07 e figura 08 a seguir). Para efeito dessa avaliação durante o recebimento, seguem na tabela 01 as dimensões reais dos blocos de concreto, de acordo com a norma NBR Tabela 01 Dimensões reais Designação Largura Altura Comprimento (Blocos de 20 cm nominais) M (Blocos de 15 cm nominais) M (Blocos de 10 cm nominais) M

23 Todos os blocos da amostra terão verificadas as dimensões, que devem atender à tabela com tolerância de 3 mm para mais e 2 mm para menos (+ 3 mm e - 2 mm). Quanto à espessura das paredes dos blocos, o lote será aceito caso a inspeção na amostra de dez unidades encontre, no máximo, uma unidade defeituosa, considerando a espessura mínima de 15 mm e uma tolerância de 3 mm para mais e 2 mm para menos (+ 3 mm/ - 2 mm). Deve-se ainda verificar o esquadro dos blocos. OBS.: Ver detalhes de exemplo da verificação na figura 07 e figura

24 Figura 07 Exemplos de inspeção de medidas de blocos de concreto 24

25 Figura 08 Exemplos de inspeção de medidas de blocos de concreto 25

26 5.3 ENSAIOS DE LABORATÓRIO PREVISTOS EM NORMA BLOCOS DE CONCRETO Segundo a NBR 7173, nos blocos de concreto da amostra selecionada segundo os critérios mencionados no item , deverão ser realizados os seguintes ensaios: Resistência à Compressão Absorção de Água ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA Segundo a NBR 13281, para a argamassa industrializada deverão ser realizados os seguintes ensaios: Resistência à compressão (NBR 13279) Retenção de água (NBR 13277) Densidade de massa no estado fresco (Teor de ar incorporado NBR 13278) Dica: A Norma NBR recomenda também os seguintes ensaios: densidade de massa aparente no estado endurecido (NBR 13280); resistência à tração na flexão (NBR 13279); resistência potencial de aderência à tração (Projeto de Norma 18: ); coeficiente de capilaridade (Projeto de Norma 18: ). 5.4 CRITÉRIOS DE ACEITAÇÃO BLOCOS DE CONCRETO 26

27 Segundo a NBR 7173, os blocos de concreto deverão atingir os seguintes valores para serem aceitos: Resistência à compressão - Mínimo = 2,0 MPa Dica: Embora a norma NBR 7173 recomende uma resistência à compressão de no mínimo 2,0 MPa (média de 2,5 MPa) para blocos de vedação, especialistas recomendam que o bloco apresente no mínimo 3,5 MPa. Absorção de água - máxima = 10% Dica: Analogamente ao exposto na dica anterior, especialistas recomendam que a absorção seja no máximo 7%. Dica: Caso os blocos sejam destinados à alvenaria não exposta às intempéries ou não venham a ter contato com umidade, não serão necessários os ensaios de absorção. Dica: Os ensaios mencionados (resistência e absorção) são feitos normalmente depois que os blocos já foram aplicados na obra. Dessa forma, tais ensaios servem muito mais para avaliação do lote e do fornecedor do que para aceitação ou rejeição do lote Argamassa Industrializada Para o requisito resistência à compressão, a norma NBR divide as argamassas industrializadas em classes de P1 a P6. Analogamente, para os 27

28 requisitos de retenção de água e teor de ar incorporado, a norma classifica as argamassas de U1 a U6 e D1 a D6, respectivamente. Neste sentido, cada classe de argamassa deverá atender aos três requisitos mencionados previstos em norma. Apenas para efeito de referência, mencionamos a seguir os valores recomendados por especialistas para cada um destes requisitos: resistência à compressão entre 1,5 e 3,0 MPa (Classe P2); retenção de água entre 80% e 94% (Classes U3 e U4); massa específica a Kg/m 3 (Classes D3 e D4). 28

29 6. ARMAZENAMENTO Neste item são apresentadas considerações para o bom armazenamento dos materiais (Figura 09). PROJETOS AQUISIÇÃO LOGÍSTICA Especificação para Compra Seleção e Avaliação de Fornecedores Controle e Registro da Qualidade do Recebimento Armazenamento de Materiais Utilização do Material em Obra Figura 09 Armazenamento e transporte do material 6.1 ARMAZENAMENTO DE BLOCOS DE CONCRETO Os blocos deverão ser armazenados cobertos, protegidos da chuva em pilhas não superiores a 1,5 metro de altura (ou 7 blocos de altura), e de preferência, próximos ao local de transporte vertical ou de uso. No caso de armazenamento em lajes, verificar a resistência da mesma para evitar a concentração das cargas em pontos localizados. Deve-se armazenar os blocos em terreno plano sobre um lastro de brita ou piso cimentado. Atentar para não misturar blocos diferentes na mesma pilha e identificar as diferentes pilhas com placas para facilitar a visualização na obra. Recomenda-se ainda que a data de entrega e o local de estocagem sejam planejados com antecedência, de forma a evitar a préestocagem em calçadas públicas, interferência com outros serviços da obra ou a necessidade de transporte horizontal interno. 6.2 ARMAZENAMENTO DE ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA O armazenamento da argamassa deve ser feito em local previamente planejado, isento de umidade e deterioração. O armazenamento dos sacos deve respeitar 29

30 distâncias mínimas: do chão, da parede e do teto. O empilhamento dos sacos deve obedecer à seguinte recomendação: no caso de argamassa em sacos, o local deve permitir a utilização contínua dos sacos entregues a mais tempo, em detrimento da entrega dos mais novos (FIFO) PLANEJAMENTO LOGÍSTICO O planejamento logístico de uma obra envolve o manuseio de equipamentos e materiais na obra. É importante, definir uma estratégia para a racionalização de recursos materiais e humanos nesta etapa do planejamento (SILVA, 1999). O planejamento logístico, pode ser definido em três níveis: estratégico, gerencial e operacional (SILVA; CARDOSO, 1998). O planejamento logístico deve dispor o material, mão-de-obra e equipamento certo, no lugar certo, no tempo certo e nas condições desejadas. Na Figura 10, podemos observar a hierarquia entre os níveis citados: 1 FIFO First In, First Out (Primeiro que entra, é o primeiro que sai) 30

31 Nível Estratégico Nível Operacional Nível Gerencial Planejamento Figura 10 Níveis estratégicos logísticos Também é importante definir regras para o controle de estoque e uma avaliação constante dos materiais armazenados em obra, sempre verificando a viabilidade de se manter estoques, para o caso de uma necessidade. É importante planejar o uso de equipamentos, otimizando ao máximo seu uso. Ao se elaborar um projeto de canteiro, deve-se contemplar o estudo técnico e econômico para a movimentação de materiais e considerar o dimensionamento de equipamentos críticos para as diversas etapas da obra. IMPORTANTE: A prevenção e os cuidados com a contaminação do meio ambiente, inclusive na construção civil, também devem ser uma preocupação do planejamento estratégico. Este assunto tem sido objeto de preocupação constante não só dos 31

32 governantes e entidades do terceiro setor mas também de empresários conscientes e preocupados com o impacto ambiental de seus empreendimentos. Ao mesmo tempo, há também um foco na redução de custos e desperdícios e também na otimização dos canteiros de obras e no reaproveitamento de resíduos de materiais e matérias primas. A gestão de resíduos na construção civil, sejam restos de materiais danificados como blocos, argamassa, madeira, plásticos e outros tantos é não só uma demonstração de cidadania e respeito ao meio ambiente mas também uma forma de reduzir custos e otimizar os recursos empregados nas obras. Essa é uma questão estratégica e que deve ser discutida e avaliada com o devido cuidado na fase do planejamento estratégico da obra, de modo a adequar o canteiro de obras e suas atividades a essa visão. Há várias publicações acerca desse tema como é o caso do Manual Gestão Ambiental de Resíduos da Construção Civil A Experiência do Sinduscon- SP resultado do Programa de Gestão Ambiental de Resíduos de Canteiros de Obras e que reflete as diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão de resíduos na construção civil, criando responsabilidades para a cadeia gerador / transportador / receptor / municípios, da Resolução nº 307 do CONAMA, de Julho de

33 7.1 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ESTRATÉGICO Para a realização do planejamento estratégico é necessário reunir todas as informações e documentos relacionados ao empreendimento, definindo: Quem vai fazer? Como fazer? Onde fazer? O que fazer? Porquê fazer? Quando fazer? ELABORAÇÃO DE CRONOGRAMA DA OBRA A elaboração do cronograma da obra é fundamental para o planejamento de todas as suas atividades e durações. É importante identificar as atividades críticas para a definição da seqüência de atividades e a duração para o dimensionamento das equipes e equipamentos ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DA OBRA O orçamento da obra corresponde ao direcionamento do custo da obra e visa o lucro do empreendimento ELABORAÇÃO DO PROJETO DE CANTEIRO 33

34 É necessário se estudar e projetar o canteiro, analisando todas as etapas produtivas que serão executadas na obra. Pode-se comparar o canteiro a uma fábrica de obras (SOUZA, 2000). A elaboração do projeto de canteiro é fundamentada no cronograma e no orçamento da obra. Nesta fase, os engenheiros deverão se reunir e levantar todos os pontos favoráveis e desfavoráveis para a locação da Infra-estrutura básica. Sua missão é dotar a obra de uma infra-estrutura básica para execução das atividades. Dica: Um bom planejamento sempre deve ser aprimorado ao longo do empreendimento. 7.2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO GERENCIAL O Planejamento logístico gerencial deve ser discutido entre os gestores do projeto e da obra, a fim de estabelecerem metas e objetivos conjuntos como: qualidade mínima exigida na entrega de materiais, qualidade mínima de serviços executados, prazo de entrega e custo previsto para a execução. Normalmente, estes itens serão elaborados pelo gerente de obra e uma equipe. Os itens contemplados foram apresentados na Figura 11 e serão descritos no texto a seguir: 34

35 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO GERENCIAL COORDENAÇÃO DAS EQUIPES DE TRABALHO DIMENSIONAMENTO DA INFRA-ESTRUTURA PROJETO DE LIGAÇÕES HIDRÁULICA E ELÉTRICAS PROVISÓRIAS NO CANTEIRO CRONOMAGRAMA E DIMENSIONAMENTO DOS TRANSPORTES HORIZONTAIS E VERTICAIS PLANEJAMENTO DA LOCAÇÃO DAS CENTRAIS DE PRODUÇÃO INFRA ESTRUTURA PARA O PREPARO DOS MATERIAIS NOS CENTROS DE PRODUÇÃO Figura 11 Planejamento logístico gerencial COORDENAÇÃO DAS EQUIPES DE TRABALHO A necessidade de atender o cronograma é determinante para o dimensionamento das equipes. A mobilização, desmobilização, reaproveitamento de equipes e tempo de aprendizado, são etapas que devem ser dimensionadas e previstas no cronograma de trabalho DIMENSIONAMENTO DA INFRA-ESTRUTURA A Infra-estrutura deve ser dimensionada em função das equipes da obra, atividades e prazos a serem executados, área disponível, vias de acessos para a obra, disponibilidade de recursos financeiros, etc. No dimensionamento deve-se prever um estudo de viabilidade de alocação dos recursos planejados. O dimensionamento da infra-estrutura deve contemplar elementos como: 35

36 estoques escritório vestiário refeitório área de lazer ambulatório almoxarifados centrais de produção Na Figura 12, foram levantados seis tópicos fundamentais para garantir um dimensionamento satisfatório da infra-estrutura de canteiro: DIMENSIONAMENTO DA INFRA-ESTRUTURA DO CANTEIRO LOCALIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO LOCALIZAÇÃO DO ALOJAMENTO, ESCRITÓRIO E VESTUÁRIO ACOMODAÇÃO DO MATERIAL EM OBRA ACOMODAÇÃO DO EQUIPAMENTO EM OBRA LOCALIZAÇÃO DOS PONTOS DE DISTRIBUIÇÃO DESENVOLVIMENTO DE RELACIONAMENTO COM FORNECEDORES Figura 12 - Dimensionamento da infra-estrutura do canteiro 36

37 LOCALIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO Deve-se levar em conta: A proximidade do almoxarifado em relação ao local de recebimento, para facilitar o descarregamento de materiais; A proximidade do almoxarifado em relação ao ponto de distribuição. O ponto de distribuição é o ponto escolhido para a locação de um equipamento importante que fará a movimentação dos materiais na obra ( elevador, grua, ponte rolante, etc.) É importante ressaltar que as distâncias sejam encurtadas e distribuídas racionalmente pela obra. Nota: Em grandes obras, convém realizar estudos de viabilidade para verificar se existe a necessidade de locar dois almoxarifados ou mais na mesma obra LOCALIZAÇÃO DO ALOJAMENTO, ESCRITÓRIO E VESTIÁRIO Estas dependências devem ser dimensionadas considerando a quantidade de funcionários na obra. As dependências devem atender às necessidades da equipe (banheiros masculino e feminino quando necessário, refeitório em local arejado e escritório de fácil acesso). O alojamento, escritório e vestiário, se possível, devem ficar agrupados para evitar dispersão de pessoal na obra. 37

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário;

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário; A argamassa Matrix Assentamento Estrutural é uma mistura homogênea de cimento Portland, agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. 3. Indicação: Excelente para assentamento de

Leia mais

! Locação precisa de todas as paredes; ! Abrir frente para grande produtividade. ! Preparar uma ligação adequada com a

! Locação precisa de todas as paredes; ! Abrir frente para grande produtividade. ! Preparar uma ligação adequada com a Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 3 ALVENARIAS: EXECUÇÃO, Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR?

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR? Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 3 ALVENARIAS: EXECUÇÃO, Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS

PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS Conheça a PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS Mais de 80 anos de experiência O imigrante italiano Giovanni Pauluzzi e seus filhos Theo e Ferrucio construíram a primeira unidade da empresa em 1928, especializada

Leia mais

Alvenaria de Blocos de Concreto

Alvenaria de Blocos de Concreto Alvenaria de Blocos de Recomendações Gerais Est. Mun. Eduardo Duarte, 1100 - Esq. RST 287. Santa Maria - RS Fone: (55) 3221 2000 e-mail : prontomix@prontomix.com.br Conceitos Gerais O que é Alvenaria Estrutural?

Leia mais

Alvenaria de Vedação CARTILHA COM BLOCOS DE CONCRETO. Capacitação de equipes de produção. Realização. Recife - PE

Alvenaria de Vedação CARTILHA COM BLOCOS DE CONCRETO. Capacitação de equipes de produção. Realização. Recife - PE Alvenaria de Vedação COM BLOCOS DE CONCRETO CARTILHA Capacitação de equipes de produção Realização Recife - PE Gerência Regional ABCP N/NE Eduardo Barbosa de Moraes Gestão da Comunidade da Construção Roberto

Leia mais

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR?

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR? Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 3 ALVENARIAS: EXECUÇÃO, Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P11 BASE DE CONCRETO MAGRO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 3.1 CIMENTO... 3 3.2 AGREGADOS...

Leia mais

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA CONDIÇÕES DE INÍCIO Vigas baldrames impermeabilizadas e niveladas,

Leia mais

BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL

BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL Indice ALVENARIA ESTRUTURAL MANUAL DE EXECUÇÃO E TREINAMENTO...1 O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL?...1 Seu trabalho fica mais fácil...1 CUIDADOS QUE

Leia mais

EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS

EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS Você foi incumbido do planejamento da execução do edifício habitacional, constituído por um subsolo, um pavimento térreo e oito pavimentos tipo, com

Leia mais

Sistemas de mecanização. Engª Elza Nakakura

Sistemas de mecanização. Engª Elza Nakakura Sistemas de mecanização Engª Elza Nakakura Etapas de serviços de revestimento Etapas Convencional Projetado Recebimento/armazenagem Dosagem da argamassa 3 produtos Baias Peneirar areia Quantificação dos

Leia mais

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos Classificação dos materiais pétreos Fabricação de blocos cerâmicos Pedras naturais: encontradas in natura, usadas normalmente após beneficiamento. Ex.: agregados, placas de rocha para revestimento. Pedras

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO CONCEITO A tipologia estrutural composta por bloco, argamassa, graute e eventualmente armações é responsável por um dos sistemas construtivos

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL DE CONCRETO COM BLOCOS CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO PASSO A PASSO

ALVENARIA ESTRUTURAL DE CONCRETO COM BLOCOS CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO PASSO A PASSO ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO PASSO A PASSO ALVENARIA ESTRUTURAL EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA 2 SEGURANÇA COLETIVA 3 SEGURANÇA COLETIVA ANDAIME COM GUARDA

Leia mais

CAPÍTULO IV - ALVENARIA

CAPÍTULO IV - ALVENARIA CAPÍTULO IV - ALVENARIA Alvenaria é a arte ou ofício de pedreiro ou alvanel, ou ainda, obra composta de pedras naturais ou artificiais, ligadas ou não por argamassa. Segundo ZULIAN et al. (2002) também

Leia mais

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes!

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! Bloco de concreto As paredes são montadas a partir de componentes de alvenaria - os blocos. Portanto, é imprescindível que eles obedeçam

Leia mais

VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza. Elaine Valentim

VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza. Elaine Valentim VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza Elaine Valentim CONSTRUTORA DACAZA CENÁRIO - 2005 Mais de 20 anos no mercado; Focada na qualidade

Leia mais

METODOLOGIA DE EXECUÇÃO - PASSO A PASSO PARA CONSTRUIR ALVENARIAS DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO

METODOLOGIA DE EXECUÇÃO - PASSO A PASSO PARA CONSTRUIR ALVENARIAS DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO METODOLOGIA DE EXECUÇÃO - PASSO A PASSO PARA CONSTRUIR ALVENARIAS DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO Segurança Antes do início de qualquer serviço, verificar a existência e condições dos equipamentos de segurança

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

Melhorias nos processos construtivos baseado no estudo dos fluxos físicos no canteiro de obra em uma empresa de Fortaleza

Melhorias nos processos construtivos baseado no estudo dos fluxos físicos no canteiro de obra em uma empresa de Fortaleza Melhorias nos processos construtivos baseado no estudo dos fluxos físicos no canteiro de obra em uma empresa de Fortaleza Alessandra Luize Fontes Sales (Engª. Civil) luize.sales@ig.com.br José de Paula

Leia mais

Execução e Manutenção de Pavimento Intertravado. MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva

Execução e Manutenção de Pavimento Intertravado. MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva Execução e Manutenção de MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva Norma de Execução e Manutenção NBR 15953 com peças de concreto - Execução NBR 15953 Escopo Se aplica à pavimentação intertravada com peças de concreto

Leia mais

Recebimento de Materiais no Canteiro de Obras

Recebimento de Materiais no Canteiro de Obras Recebimento de Materiais no Canteiro de Obras Grupo de Materiais de Construção 1 Descarga FLUXOGRAMA GERAL: Recebimento e Identificação Testes Verificação da Quantidade e Qualidade Decisão de aceite ou

Leia mais

poder de compra x custo da construção poder de compra:

poder de compra x custo da construção poder de compra: w ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO poder de compra x custo da construção poder de compra: - Conceito Geral - Engenheiro Civil - Ph.D. (85)3244-3939 (85)9982-4969 luisalberto1@terra.com.br custo

Leia mais

Sistema de Forros Trevo Drywall

Sistema de Forros Trevo Drywall Nome da Empresa Endereço Tel/Fax (88) 3571-6019 Site E-mail DADOS DO FABRICANTE Trevo Industrial de Acartonados S/A. Av.Josias Inojosa de Oliveira 5000 - Distrito Industrial do Cariri Juazeiro do Norte

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS Sheyla Mara Baptista SERRA Dra., Eng., Professora Adjunto do Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de São

Leia mais

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas É composta por uma mistura homogênea de cimento Portland, cal hidratada e agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. O produto é oferecido na cor cinza. 3. Indicação: A argamassa

Leia mais

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria FICHA TÉCNICA DE PRODUTO 1. Descrição: A argamassa 2101 MATRIX Revestimento Interno, é uma argamassa indicada para o revestimento de paredes em áreas internas, possui tempo de manuseio de até 2 horas,

Leia mais

SELO CASA AZUL. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente

SELO CASA AZUL. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente SELO CASA AZUL Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS CATEGORIA CONSERVAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS Avalia o uso racional de materiais de construção

Leia mais

1. FERRAMENTAS. Elevação e Marcação. Trenas de 5m e 30m. Nível a laser ou Nível alemão. Pág.4 1. Ferramentas

1. FERRAMENTAS. Elevação e Marcação. Trenas de 5m e 30m. Nível a laser ou Nível alemão. Pág.4 1. Ferramentas ÍNDICE: 1. Ferramentas 2. Equipamentos de Proteção Individual - EPI 3. Serviços Preliminares 4. Marcação da Alvenaria 5. Instalação dos Escantilhões 6. Nivelamento das Fiadas 7. Instalação dos gabaritos

Leia mais

Procedimento de obra para recebimento de bloco cerâmico Estrutural

Procedimento de obra para recebimento de bloco cerâmico Estrutural Procedimento de obra para recebimento de bloco cerâmico Estrutural 1 OBJETIVO Procedimento padrão para recebimento blocos estruturais cerâmicos; 2 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA NBR 15270-2:2005 Componentes

Leia mais

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST.

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST. UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO: Mistura, transporte, lançamento, adensamento e cura. MATERIAIS E TECNOLOGIA CONSTRUTIVA 1 Prof. Angelo Just da Costa e Silva

Leia mais

Alvenaria racionalizada

Alvenaria racionalizada Como construir Alvenaria racionalizada A alvenaria de vedação pode ser definida como a alvenaria que não é dimensionada para resistir a ações além de seu próprio peso. O subsistema vedação vertical é responsável

Leia mais

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX Orientações técnicas para o melhor desempenho de sua concretagem Comodidade, economia e segurança 37 3231-4615 www.levemix.com.br ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

Leia mais

Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini

Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini O sistema de construção com paredes de concreto moldadas in loco permite executar com agilidade e economia obras de grande escala como condomínios,

Leia mais

IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil. Subsistema vedação vertical

IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil. Subsistema vedação vertical PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil Aula

Leia mais

MANUAL DO C L I E N T E

MANUAL DO C L I E N T E MANUAL DO C L I E N T E 1 Recebendo o revestimento na obra 1.1 Comparar a nota fiscal com o pedido SUMÁRIO 2 3 4 5 Manuseio e armazenamento 2.1 2.2 Ter cuidado no manuseio Empilhamento dos revestimentos

Leia mais

GANHOS POTENCIAS NA UTILIZAÇÃO DA ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA

GANHOS POTENCIAS NA UTILIZAÇÃO DA ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA GANHOS POTENCIAS NA UTILIZAÇÃO DA ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA REGATTIERI, Carlos Eduardo (1); SILVA, Luciano Luis Ribeiro da (2) (1) MSc. Eng. Civil. Associação Brasileira de Cimento Portland. Av. Torres

Leia mais

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II E ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II MÉTODO EXECUTIVO Cuidados no Recebimento Formas de Instalação

Leia mais

Bloco e tijolo de solo-cimento

Bloco e tijolo de solo-cimento MATERIAL OPÇÕES Veja abaixo os tipos de parede sem função estrutural (paredes de vedação) > ALVENARIA DE BLOCOS E TIJOLOS DE SOLO- CIMENTO > ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO > ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS

Leia mais

Dicas importantes para você construir ou reformar a sua casa.

Dicas importantes para você construir ou reformar a sua casa. Distribuição gratuita Dicas importantes para você construir ou reformar a sua casa. 1 Este folheto fornece informações úteis para orientá-lo na construção ou reforma de sua casa. Qualquer construção ou

Leia mais

Gestão da produção: Sistemas isolados. Gestão da produção: Funções envolvidas. Conteúdo. Gestão Integrada. Gestão Integrada

Gestão da produção: Sistemas isolados. Gestão da produção: Funções envolvidas. Conteúdo. Gestão Integrada. Gestão Integrada Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Especialização em Gerenciamento de Obras Gestão Integrada Conteúdo Gestão Integrada Getsão de Fluxos Físicos Gestão

Leia mais

KIT Porta IPUMIRIM. Manual técnico e instruções de instalação

KIT Porta IPUMIRIM. Manual técnico e instruções de instalação Manual técnico e instruções de instalação KIT Porta IPUMIRIM Este manual de instalação do Kit Faqueadas Ipumirim vai auxiliar e orientar construtores e consumidores com as informações necessárias com relação

Leia mais

Disciplina: Construção Civil I O Canteiro de Obras

Disciplina: Construção Civil I O Canteiro de Obras UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I O Canteiro de Obras André Luís Gamino Professor Área de Construção Civil Canteiro

Leia mais

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4 Gesso Acartonado Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Construção

Leia mais

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura.

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Definições Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Armadura: associação das diversas peças de aço, formando um conjunto para um

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

Blocos e Alicerces CONCEITO

Blocos e Alicerces CONCEITO CONCEITO Os blocos são elementos estruturais de grande rigidez que são ligados pelas vigas baldrame. Sua profundidade varia de 0,5 a 1 metro. São utilizados quando há atuação de pequenas cargas, como em

Leia mais

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS 1 Objetivo Utilizar o controle tecnológico como ferramenta imprescindível para execução do revestimento de argamassa e cerâmica em fachadas, aumentando a

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BASE DE SOLO-CIMENTO Grupo de Serviço PAVIMENTAÇÃO Código DERBA-ES-P-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de base de solo-cimento,

Leia mais

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO

Leia mais

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Concreto O preparo do concreto é uma série de operações executadas de modo a obter, á partir de um determinado número de componentes previamente conhecidos, um

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO: CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON OBRA: ENDEREÇO: REFORMA E ADEQUAÇÃO DE SALAS NO PRÉDIO DA UNIDADE DE NEGÓCIOS NORTE UNN, VISANDO A INSTALAÇÃO DO POSTO DE ENSAIO

Leia mais

9.7 FORMULÁRIOS DE CONTROLE DE QUALIDADE DA EXECUÇÃO

9.7 FORMULÁRIOS DE CONTROLE DE QUALIDADE DA EXECUÇÃO 9.7 FORMULÁRIOS DE CONTROLE DE QUALIDADE DA EXECUÇÃO Instrução de trabalho de concretagem de peça estrutural Fonte: Modelos elaborados e cedidos pela Construtora Giacomazzi Ltda., de Curitiba-PR. 1. OBJETIVO

Leia mais

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE LUIZA DE LIMA TEIXEIRA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA SP. PROJETO ESTRUTURAL 1 I - MEMORIAL DESCRITIVO DE CIVIL ESTRUTURAL 1 - Serviços Iniciais: ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL E CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS

TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL E CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL E CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS 4 - ALVENARIA APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE: Escolher a alvenaria adequada; Orientar a elevação das paredes (primeira fiada,

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL

ALVENARIA ESTRUTURAL Alvenaria Ministério Estruturalda Educação 18:04 Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Construção Civil II ( TC-025) Prof. José de Almendra Freitas Jr. freitasjose@terra.com.br Versão 2013

Leia mais

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO RAMPA NAÚTICA DE ARAGARÇAS-GO O presente memorial descritivo tem por objetivo fixar normas específicas para CONSTRUÇÃO DE UMA RAMPA NAÚTICA - RIO ARAGUAIA, em área de 3.851,89

Leia mais

Soluções para Alvenaria

Soluções para Alvenaria Aços Longos Soluções para Alvenaria BelgoFix Tela BelgoRevest Murfor BelgoFix Telas Soldadas Galvanizadas para Alvenaria BelgoFix : marca registrada da Belgo Bekaert Arames BelgoFix são telas soldadas

Leia mais

Soluções em Lajes Alveolares

Soluções em Lajes Alveolares Soluções em Lajes Alveolares Oferecer Soluções Inovadoras e bom atendimento é o nosso compromisso Presente no mercado da construção civil desde de 1977, o Grupo Sistrel vem conquistando o mercado brasileiro

Leia mais

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com.

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com. Site: www.conteste.com.br - E-mail: conteste@conteste.com.br 1 ÍNDICE 1 Controle Tecnológico em Pavimentação SOLOS 2 Controle Tecnológico em Pavimentação MATERIAIS BETUMINOSOS 3 Materiais Metálicos Ensaio

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

DIRETRIZES ESTRATÉGICAS PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA LOGÍSTICA EM CANTEIROS DE OBRAS

DIRETRIZES ESTRATÉGICAS PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA LOGÍSTICA EM CANTEIROS DE OBRAS DIRETRIZES ESTRATÉGICAS PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA LOGÍSTICA EM CANTEIROS DE OBRAS Thiago de Faria Falcão (1); Maria Carolina G. Oliveira Brandstetter (2); Tatiana Gondim do Amaral (3) (1) Programa de

Leia mais

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável Juliano Moresco Silva Especialista em Tecnologia do Concreto juliano.silva@azulconcretos.com.br

Leia mais

Ficha Técnica de Produto Argamassa Biomassa Código: AB001

Ficha Técnica de Produto Argamassa Biomassa Código: AB001 1. Descrição: A é mais uma argamassa inovadora, de alta tecnologia e desempenho, que apresenta vantagens econômicas e sustentáveis para o assentamento de blocos em sistemas de vedação vertical. O principal

Leia mais

5. ESTUDO DO LAY-OUT DE CANTEIRO

5. ESTUDO DO LAY-OUT DE CANTEIRO Soluções Consultoria 22 5. ESTUDO DO LAY-OUT DE CANTEIRO Foi feito um projeto específico para o canteiro de obras, conforme anexo. O engenheiro da obra iniciou sua participação nesta fase do processo.

Leia mais

Revestimento de fachadas: aspectos executivos

Revestimento de fachadas: aspectos executivos UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Setembro, 2009 Revestimento de fachadas: aspectos executivos Eng.º Antônio Freitas da Silva Filho Engenheiro Civil pela UFBA Julho de 1982; Engenheiro da Concreta Tecnologia

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

Bloco de vidro sem função estrutural

Bloco de vidro sem função estrutural MATERIAL OPÇÕES Veja abaixo os tipos de parede sem função estrutural (paredes de vedação) DE VIDRO DE CONCRETO CERÂMICOS > PAREDES DE CHAPAS DE GESSO ACARTONADO (DRYWALL) SÍLICO-CALCÁRIOS DE CONCRETO CELULAR

Leia mais

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO ETM 006 VERSÃO 02 Jundiaí 2015 ETM Especificação Técnica de Material CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE

Leia mais

Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod

Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod Davi Fagundes Leal 1,, Rita de Cássia Silva Sant Anna Alvarenga 2, Cássio de Sá Seron 3, Diôgo

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

Ficha Técnica de Produto Biomassa Piso e Azulejo Rápido Código: APR001

Ficha Técnica de Produto Biomassa Piso e Azulejo Rápido Código: APR001 1. Descrição: A é mais uma argamassa inovadora, de alta tecnologia e desempenho, que apresenta vantagens econômicas e sustentáveis para o assentamento e sobreposição de pisos, azulejos e pastilhas. O principal

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

concreto É unir economia e sustentabilidade.

concreto É unir economia e sustentabilidade. concreto É unir economia e sustentabilidade. A INTERBLOCK Blocos e pisos de concreto: Garantia e confiabilidade na hora de construir. Indústria de artefatos de cimento, que já chega ao mercado trazendo

Leia mais

bloco de vidro ficha técnica do produto

bloco de vidro ficha técnica do produto 01 Descrição: votomassa é uma argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para assentamento e rejuntamento de s. 02 Classificação técnica: ANTES 205 Bloco votomassa

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DE RECEBIMENTO E ARMAZENAMENTO DE REVESTIMENTOS CERÂMICOS Rev 02 1/5 1. Objetivo Este manual tem por objetivo orientar os usuários / clientes quanto aos itens a serem

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

assentamento e revestimento ficha técnica do produto

assentamento e revestimento ficha técnica do produto 01 Descrição: votomassa e revestimento é uma argamassa de uso geral que pode ser utilizada para o de elementos de alvenaria de vedação como blocos de concreto, blocos cerâmicos, e tijolos comuns. Também

Leia mais

SISTEMA DE VEDAÇÃO RACIONALIZADA

SISTEMA DE VEDAÇÃO RACIONALIZADA SISTEMA DE VEDAÇÃO RACIONALIZADA Concrete Show - 2011 Guilherme Coelho de Andrade PAE / 14 SISTEMA DE VEDAÇÃO RACIONALIZADA Gama Filho - Março de 2009 Guilherme Andrade PAE / 14 UM ÍCONE DA PESQUISA MCKINSEY

Leia mais

OFÍCIO DE PEDREIRO AUTOR: JOSÉ VIEIRA CABRAL

OFÍCIO DE PEDREIRO AUTOR: JOSÉ VIEIRA CABRAL OFÍCIO DE PEDREIRO AUTOR: JOSÉ VIEIRA CABRAL 3. ASSENTAMENTOS DE BLOCOS COMUNS. 4. COMO CALCULAR VOLUMES DE PEDRA E AREIA EM UM CAMINHÃO. 5. NORMAS REGULAMENTADORAS. 6. VOCABULÁRIO DE CONSTRUÇÃO CIVIL.

Leia mais

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA OBRA: ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PARA ESGOTO - ELEVADO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. CIVIL MICHAEL MALLMANN MUNICÍPIO: ITAPIRANGA - SC 1 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Deve ser

Leia mais

Manual Soluções Pisos

Manual Soluções Pisos Manual Soluções Pisos Soluções Pisos A ArcelorMittal dispõe da maior variedade de produtos para o desenvolvimento de soluções inovadoras para pisos de concreto, atendendo às mais variadas obras. A diversidade

Leia mais

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10 - -03 1/5 - -03 2/5 - -03 3/5 - -03 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Lastro de concreto magro, traço 1:4:8, cimento, areia e brita. Fundo e vigas de concreto armado, moldados in loco: - Fôrmas de tábuas de

Leia mais

O canteiro de obras é a área de trabalho fixa e temporária, onde se desenvolvem operações de apoio e execução de uma obra (NR-18).O conjunto de áreas

O canteiro de obras é a área de trabalho fixa e temporária, onde se desenvolvem operações de apoio e execução de uma obra (NR-18).O conjunto de áreas Infinite Cursos. O canteiro de obras é a área de trabalho fixa e temporária, onde se desenvolvem operações de apoio e execução de uma obra (NR-18).O conjunto de áreas destinadas à execução e apoio dos

Leia mais

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Localização no Website Tigre: Obra Predial Esgoto CAIXA MÚLTIPLA ESGOTO Função: A linha Caixa Múltipla Esgoto completa a solução

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES OBRA: ESTACIONAMENTOS DO COMPLEXO MULTIEVENTOS E CAMPUS DE JUAZEIRO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES 1/5 PISOS EXTERNOS Pavimentação em Piso Intertravado de Concreto Conforme delimitado

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0022 CRUZETAS DE CONCRETO ARMADO

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA Jefferson Bruschi da Silva (1); Cristiano Richter (2); Jean Marie Désir (3); (1) Universidade do Vale do Rio dos Sinos,

Leia mais

TRAÇO Proporções e consumo de materiais

TRAÇO Proporções e consumo de materiais TRAÇO Proporções e consumo de materiais Prof. Marco Pádua Em cada fase da obra usamos diferentes proporções de aglomerantes (cimento e cal), e agregados (areia e pedra) cujo objetivo pode visar: resistência,

Leia mais

Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa

Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa Será que é resistente? Aceita qualquer revestimento? E se molhar? Esse mar de dúvidas invade

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE O SISTEMA DE TRANSPORTE CONVENCIONAL E RACIONALIZADO DE BLOCOS PARA ALVENARIA DE VEDAÇÃO NO DISTRITO FEDERAL

COMPARAÇÃO ENTRE O SISTEMA DE TRANSPORTE CONVENCIONAL E RACIONALIZADO DE BLOCOS PARA ALVENARIA DE VEDAÇÃO NO DISTRITO FEDERAL ENTECA 2003 205 COMPARAÇÃO ENTRE O SISTEMA DE TRANSPORTE CONVENCIONAL E RACIONALIZADO DE BLOCOS PARA ALVENARIA DE VEDAÇÃO NO DISTRITO FEDERAL Márcio Hissashi Komeno João Claudio G. F. Oliveira Rosa Maria

Leia mais

CANTEIRO DE OBRAS CARTÃO DE VISITA DA OBRA!!! 26/02/2015. Sistema complexo, com muitos riscos associados

CANTEIRO DE OBRAS CARTÃO DE VISITA DA OBRA!!! 26/02/2015. Sistema complexo, com muitos riscos associados CANTEIRO DE OBRAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I Sistema complexo, com muitos riscos associados Análise prévia e criteriosa de

Leia mais

O custo da perda de blocos/tijolos e argamassa da alvenaria de vedação: estudo de caso na construção civil

O custo da perda de blocos/tijolos e argamassa da alvenaria de vedação: estudo de caso na construção civil O custo da perda de blocos/tijolos e argamassa da alvenaria de vedação: estudo de caso na construção civil Suenne Andressa Correia Pinho (UPE) - suenne_correia@hotmail.com Alberto Casado Lordsleem Jr.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Piratini

Prefeitura Municipal de Piratini MEMORIAL DESCRITIVO O presente Memorial Descritivo visa estabelecer as condições de materiais e execução referentes à construção de um Vestiário Esportivo, localizado na Av. 6 de julho s/n, em Piratini/RS,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito das especificações de materiais, julgue os itens a seguir. 51 Os cimentos CP III cimentos portland de alto-forno e CP IV cimento portland pozolânico são menos porosos e resistentes, sendo ideais

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais