Refinaria Presidente Bernardes - RPBC Cubatão - SP ESTUDO DE ESTABILIDADE ELETROMECÂNICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Refinaria Presidente Bernardes - RPBC Cubatão - SP ESTUDO DE ESTABILIDADE ELETROMECÂNICA"

Transcrição

1 Refinaria Presidente Bernardes - RPBC Cubatão - SP ESTUDO DE ESTABILIDADE ELETROMECÂNICA rev. Reg Tensão / Reg. Veloc. / Topologia FORNECIMENTO GEMULTILIN FEITO À PETROBRÁS - RPBC ATRAVÉS DO CONTRATO N Feito por Francisco Antonio Reis Filho (Consultor da GEMULTILIN) São Paulo, de novembro de 8 REV.

2 Sumário OBJETIVO... CONCLUSÕES... 3 METODOLOGIA... 4 CRITÉRIOS ADOTADOS... 5 DADOS DO SISTEMA E MODELOS UTILIZADOS Configuração do sistema Dados de linhas de transmissão Cargas Transformadores Geradores Reguladores Nível de curto nas barras relevantes da região... 6 RESULTADOS DAS SIMULAÇÕES Casos simulados Evento ct, Curto trifásico em RPBC AT 88, 99, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG Evento ct, Curto trifásico em H. Borden 88, 48, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG Evento ct3, Curto trifásico em Baixada 88, 473, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG Evento ct4, Curto trifásico em LIGHT, 995, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG Evento ct5, Curto trifásico em BT, 99, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG Evento ct7, Curto trifásico em TG3, 99, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG Evento ct8, Curto trifásico em TG4, 99, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG Evento ct9, Curto trifásico em TG5, 994, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG Evento ct, Curto trifásico em A, 9946, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG Evento ct, Curto trifásico em A6, 9945, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG Evento ct, Curto trifásico em PN-A, 997, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG Evento ct3, Curto trifásico em PN-A, 996, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG Evento ct, Curto trifásico em RPBC AT 88, 99, cenário P, paralelo TG3 e TG4...3

3 6..4 Evento ct4, Curto trifásico em LIGHT, 995, cenário P, paralelo TG3 e TG Evento ct5, Curto trifásico em BT, 99, cenário P, paralelo TG3 e TG Evento ct7, Curto trifásico em TG3, 99, cenário P, paralelo TG3 e TG Evento ct8, Curto trifásico em TG4, 99, cenário P, paralelo TG3 e TG Evento ct, Curto trifásico em A, 9946, cenário P, paralelo TG3 e TG Evento ct, Curto trifásico em PN-A, 997, cenário P, paralelo TG3 e TG Evento ct3, Curto trifásico em PN-A, 996, cenário P, paralelo TG3 e TG Evento ct, Curto trifásico em RPBC AT 88, 99, cenário P3, paralelo TG e TG Evento ct4, Curto trifásico em LIGHT, 995, cenário P3, paralelo TG e TG Evento ct5, Curto trifásico em BT, 99, cenário P3, paralelo TG e TG Evento ct6, Curto trifásico em TG, 998, cenário P3, paralelo TG e TG Evento ct7, Curto trifásico em TG3, 99, cenário P3, paralelo TG e TG Evento ct, Curto trifásico em A, 9946, cenário P3, paralelo TG e TG Evento ct, Curto trifásico em PN-A, 997, cenário P3, paralelo TG e TG Evento ct3, Curto trifásico em PN-A, 996, cenário P3, paralelo TG e TG Evento ct, Curto trifásico em RPBC AT 88, 99, cenário P4, paralelo TG Evento ct4, Curto trifásico em LIGHT, 995, cenário P4, paralelo TG Evento ct5, Curto trifásico em BT, 99, cenário P4, paralelo TG Evento ct6, Curto trifásico em TG, 998, cenário P4, paralelo TG Evento ct, Curto trifásico em A, 9946, cenário P4, paralelo TG Evento ct, Curto trifásico em PN-A, 997, cenário P4, paralelo TG Evento ct3, Curto trifásico em PN-A, 996, cenário P4, paralelo TG Evento ct, Curto trifásico em RPBC AT 88, 99, cenário I, ilhado TG3, TG4 e TG Evento ct4, Curto trifásico em LIGHT, 995, cenário I, ilhado TG3, TG4 e TG Evento ct5, Curto trifásico em BT, 99, cenário I, ilhado TG3, TG4 e TG Evento ct7, Curto trifásico em TG3, 99, cenário I, ilhado TG3, TG4 e TG Evento ct8, Curto trifásico em TG4, 99, cenário I, ilhado TG3, TG4 e TG Evento ct9, Curto trifásico em TG5, 994, cenário I, ilhado TG3, TG4 e TG Evento ct, Curto trifásico em A, 9946, cenário I, ilhado TG3, TG4 e TG Evento ct, Curto trifásico em A6, 9945, cenário I, ilhado TG3, TG4 e TG5...45

4 6..44 Evento ct, Curto trifásico em PN-A, 997, cenário I, ilhado TG3, TG4 e TG Evento ct3, Curto trifásico em PN-A, 996, cenário I, ilhado TG3, TG4 e TG Evento ct, Curto trifásico em RPBC AT 88, 99, cenário I, ilhado TG3 e TG Evento ct4, Curto trifásico em LIGHT, 995, cenário I, ilhado TG3 e TG Evento ct5, Curto trifásico em BT, 99, cenário I, ilhado TG3 e TG Evento ct7, Curto trifásico em TG3, 99, cenário I, ilhado TG3 e TG Evento ct8, Curto trifásico em TG4, 99, cenário I, ilhado TG3 e TG Evento ct, Curto trifásico em A, 9946, cenário I, ilhado TG3 e TG Evento ct, Curto trifásico em PN-A, 997, cenário I, ilhado TG3 e TG Evento ct3, Curto trifásico em PN-A, 996, cenário I, ilhado TG3 e TG Evento cm, Curto fase-terra em RPBC AT 88, 99, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG Evento cm4, Curto fase-terra em LIGHT, 995, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG Evento cm5, Curto fase-terra em BT, 99, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG Evento cm7, Curto fase-terra em TG3, 99, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG Evento cm8, Curto fase-terra em TG4, 99, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG Evento cm9, Curto fase-terra em TG5, 994, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG Evento cm, Curto fase-terra em RPBC AT 88, 99, cenário P, paralelo TG3 e TG Evento cm4, Curto fase-terra em LIGHT, 995, cenário P, paralelo TG3 e TG Evento cm5, Curto fase-terra em BT, 99, cenário P, paralelo TG3 e TG Evento cm7, Curto fase-terra em TG3, 99, cenário P, paralelo TG3 e TG Evento cm8, Curto fase-terra em TG4, 99, cenário P, paralelo TG3 e TG Evento cm, Curto fase-terra em RPBC AT 88, 99, cenário P3, paralelo TG e TG Evento cm4, Curto fase-terra em LIGHT, 995, cenário P3, paralelo TG e TG Evento cm5, Curto fase-terra em BT, 99, cenário P3, paralelo TG e TG Evento cm6, Curto fase-terra em TG, 998, cenário P3, paralelo TG e TG Evento cm7, Curto fase-terra em TG3, 99, cenário P3, paralelo TG e TG Evento cm, Curto fase-terra em RPBC AT 88, 99, cenário P4, paralelo TG Evento cm4, Curto fase-terra em LIGHT, 995, cenário P4, paralelo TG Evento cm5, Curto fase-terra em BT, 99, cenário P4, paralelo TG Evento cm6, Curto fase-terra em TG, 998, cenário P4, paralelo TG...6

5 6..74 Evento cm4, Curto fase-terra em LIGHT, 995, cenário I, ilhado TG3, TG4 e TG Evento cm5, Curto fase-terra em BT, 99, cenário I, ilhado TG3, TG4 e TG Evento cm7, Curto fase-terra em TG3, 99, cenário I, ilhado TG3, TG4 e TG Evento cm8, Curto fase-terra em TG4, 99, cenário I, ilhado TG3, TG4 e TG Evento cm9, Curto fase-terra em TG5, 994, cenário I, ilhado TG3, TG4 e TG Evento cm4, Curto fase-terra em LIGHT, 995, cenário I, ilhado TG3 e TG Evento cm5, Curto fase-terra em BT, 99, cenário I, ilhado TG3 e TG Evento cm7, Curto fase-terra em TG3, 99, cenário I, ilhado TG3 e TG Evento cm8, Curto fase-terra em TG4, 99, cenário I, ilhado TG3 e TG REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...66

6 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade OBJETIVO O objetivo do estudo é verificar os tempos de perda de estabilidade dos geradores da planta da RPBC para curtos trifásicos e fase-terra em condições operativas selecionadas, tal como número de máquinas operando. O cenário da análise é o atual (8), ou seja, sem a UTE Cubatão operando. Os principais aspectos envolvidos nesse estudo de estabilidade são, na sequência: Perda de sincronismo; Amortecimento de oscilações; Controle de tensão; Para análise desses aspectos consideram-se variações na tensão terminal ajustada e no nível de potência ativa e reativa com que a máquina está operando. CONCLUSÕES Os resultados obtidos da análise de transitórios eletromecânicos mostram que os tempos de estabilidade foram menores para os casos em que o sistema elétrico da RPBC opera de forma ilhada da rede básica. Verificou-se também que os casos de curto fase-terra os tempos de estabilidade foram muito maiores que para curto trifásico, devido aos níveis de corrente e potência de curto serem menores, pois o aterramento do sistema é alto. Em todos os casos o sistema suporta a presença da falta monofásica por um tempo bastante grande (mais de 5 s). Nas simulações não foi considerada a presença do PSS (estabilizador) para o regulador de tensão. Esses resultados permitem o ajuste adequado das funções de sobre-frequência dos relés dos geradores evitando risco de superação de velocidade admissível e conseqüentes danos. Os tempos de estabilidade estão apresentados nas tabelas 6.4 e 6.5 onde se verifica que os menores tempos ocorrem para curtos trifásicos nas barras dos geradores.

7 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade 3 METODOLOGIA A avaliação do comportamento dinâmico de um conjunto gerador e respectivos reguladores baseia-se no estudo da estabilidade transitória do grupo gerador, quando submetido a perturbações resultantes de distúrbios no sistema em que o mesmo encontra-se conectado. Para tanto, desenvolve-se a simulação temporal do sistema como um todo, a partir da ocorrência de impactos de diferentes magnitudes e variadas localizações na região de interesse, impactos estes provocados por variações bruscas de carga ou aberturas intempestivas de circuitos, sejam as mesmas decorrentes ou não de curto-circuitos. Enfocando-se o período pós-contingência, avalia-se todo o conjunto de variações sofridas pelo sistema, com destaque para as amplitudes e amortecimentos das oscilações sofridas pelas variáveis ao longo do tempo. Os reguladores de tensão associados às máquinas são modelados a partir do diagrama de blocos no domínio s. As simulações foram realizadas com o programa Anatem a partir de casos de fluxo ajustados com o programa Anarede, para as variadas configurações de rede. 4 CRITÉRIOS ADOTADOS Para avaliação da perda de sincronismo, foi verificado se houve estabilização do valor da defasagem angular entre a tensão nas barras de 4,6 kv da RPBC e uma barra de referência remota (UHE Itaipu) e se a tensão voltou ao valor pré-falta. A perda de sincronismo também pode ser verificada com base nos gráficos de freqüência da máquina, que indica se há aceleração excessiva, com a frequência não retornando ao valor de 6 Hz.

8 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade 3 5 DADOS DO SISTEMA E MODELOS UTILIZADOS 5. Configuração do sistema As simulações efetuadas neste trabalho baseiam-se na configuração indicada na figura 5. abaixo. Figura 5. Configuração do sistema na região de Cubatão com o sistema da RPBC. As barras 99 e as demais acima são devidas a inclusão da UTE RPBC, antes modelada no arquivo de fluxo como uma carga somente em 347. O ramal é do tipo derivação com comprimento desprezível para esse tipo de estudo (, km), localizado a aproximadamente,8 km de Henry Borden. 5. Dados de linhas de transmissão A Tabela 5. apresenta os parâmetros da linha H.Borden RPBC - Baixada 88 kv, com os dados retirados do deck de Anarede do ONS para estudo de estabilidade.

9 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade 4 trecho compr (km) r (%) x (%) Y (MVAr) H. Borden Baixada c5 6,3,459,45,6 H. Borden D#RPBC c6,8,9,938,49 D#RPBC Baixada c6 4,5,66,485,4 D#RPBC - RPBC,,4,9,5 Tabela 5. - Parâmetros da linhas de Transmissão no formato Anarede. Os parâmetros por unidade de comprimento são: r x c r x c (Ω/km) (Ω/km) (nf/km) / (µs/km) (Ω/km) (Ω/km) (nf/km) / (µs/km),4739,83 5,45 /,55,83,469 9,35 / 3,55 Tabela 5. - Parâmetros da Linhas de Transmissão. Os dados dos reatores e dos cabos estão apresentados a seguir: Local barra Reatância (%) Corrente (A) TG 99 4,6 TG , TG ,65 TG ,65 Light 996 6,65 Os circuitos modelados são os seguintes: Tabela 5.3 Reatores de 4,6 kv. 35 MCM 5 MCM R (Ω/km),595, X (Ω/km),3,34 R (Ω/km),3376,785 X (Ω/km),5,69 C (nf/km) 3,786 5,7788 C (nf/km) 4,3898 4,45 Tabela 5.4 Parâmetros dos cabos. De Para Descrição Cabos L (m) BT TG 9 x 5 MCM BT TG3 9 x 5 MCM BT TG4 9 x 5 MCM BT TG5 9 x 5 MCM BT Barra Light 9 x 5 MCM TG5 A6 3 x 35 MCM Light A 3 x 35 MCM Tabela 5.5 Cabos e comprimentos. Os bancos de capacitores estão indicados a seguir: local barra Q (MVAr) 997 PNA, 995 Light PNA, Tabela 5.6 Bancos de capacitores.

10 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Cargas As cargas consideradas foram modeladas com 8% de P constante e o restante com Z constante, com fator de potência,8 e com um saldo de potência vinda da rede elétrica de 6.5 MW (carga geração), conforme definido em reunião efetuada na RPBC na data de 6//8. Os valores de P da carga estão indicadas na figura 5. para o caso com todos geradores operando. Para a RPBC operando ilhada a carga é igual à soma da potência gerada mais as perdas. Para as configurações com um número diferente de máquinas operando a diferença entre a carga e a geração é de,5 MW conforme a tabela Transformadores Os dados básicos para a representação do transformador nas simulações são apresentados na tabela Geradores transformador Tensões Potência Xt Rat ligação kv MVA (%) (Ω) 88/4,6 7,56 / - 88/4,6 4,69 7, Y/Yat, /4,6 9,9 /Yat 3,84 Tabela 5. - Dados dos transformadores. A tabela 5.3 apresenta os dados utilizados para o modelamento no Anatem (reatâncias e constantes não saturadas). Características nominais TG TG3 TG4 TG5 Vn (kv) 4,6 4,6 4,6 4,6 fp,8,8,8,8 f (Hz) n (rpm) Sn (kva) 3,5 7,5 7,5 9,375 Xd (%) Xq (%) X'd (%) 4,6 9,5 9,5 7,9 X'q (%)* 4,6 9,5 9,5 7,9 X"d (%) 6,9,, 5, X (%)* T'd (s),4,4,4,4 T'q (s)*,4,4,4,4 T"d (s),6,5,5,6 T"q (s)*,6,5,5,6 Hg (s) 6,759 6,759 6,759 6,759 D (pu) * Tabela 5.3 Dados dos geradores de RPBC utilizados nas simulações. Os valores indicados com * foram estimados.

11 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade 6 A resistência de aterramento adotada para os geradores é de 9 Ω. A curva de saturação é do tipo: Dv=A*exp(B*(Vs-,8)) Os parâmetros utililizados para a curva de saturação do gerador foram: A =, e B = As potências despachadas por cada gerador também estão indicadas na figura 5., e são as mesmas para todos os cenários de geração a serem considerados. 5.6 Reguladores O regulador de tensão simulado é o Reivax RTX [4]. O diagrama de blocos é apresentado na Figura 5.: Figura 5. Diagrama de blocos do regulador de tensão Reivax RTX.

12 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade 7 O modelamento do regulador no programa ANATEM é o seguinte: (ncdu) ( nome cdu ) 99 RT_RPBC-TG REIVAX - RTX Power ( (EFPAR (npar) ( valpar ) ( DEFPAR #Ka. DEFPAR #T. DEFPAR #T 5. DEFPAR #Kp. DEFPAR #Vn -4.9 DEFPAR #Vp 7. DEFPAR #Alfan.7 ( graus) DEFPAR #Alfax.79 (7graus) ( DEFPAR #Vp/Vb 7. DEFPAR #Pi/ ( ( (nb) (tipo) (stip)s(vent) (vsai) ( p )( p )( p3 )( p4 ) (vmin) (vmax) ( IMPORT VTR Vt ENTRAD Vref 3 IMPORT VSAD Vpss 4 ENTRAD Alfa 5 SOMA Vref X -Vt X Vpss X 6 GANHO X X #Ka 7 LEDLAG X X3.#T.#T 8 LIMITA X3 X4 Vn Vp 9 GANHO X4 X5 #Kp SOMA X5 X6 Alfa X6 ENTRAD Alfan ENTRAD Alfax 3 FUNCAO RETA Alfan Lmax -.#Pi/ 4 FUNCAO RETA Alfax Lmin -.#Pi/ 5 LIMITA X6 Alfa Lmin Lmax 6 FUNCAO SIN Alfa sena 7 GANHO sena Ef/Vt #Vp/Vb 8 MULTPL Ef/Vt Efd Vt Efd 9 EXPORT EFD Efd ( ( (DEFVA (stip) (vdef) ( d ) ( DEFVAL Vn #Vn DEFVAL Vp #Vp DEFVAL Alfan #Alfan DEFVAL Alfax #Alfax DEFVAL VAR Alfa Alfa ( FIMCDU O diagrama de blocos do regulador de velocidade Woodward 55 adotado para os geradores TG e TG5 da RPBC é apresentado na figura 5.3:

13 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade 8 Figura 5.3 Diagrama de blocos do regulador de velocidade Woodward 55. O regulador de velocidade simulado tem a seguinte representação no programa Anatem: (ncdu) ( nome cdu ) Woodard RV_RPBC-TG ( ( ( (EFPAR (npar) ( valpar ) ( DEFPAR #K. DEFPAR #T.4 DEFPAR #TG 3. DEFPAR #TT. DEFPAR #TG3.5 DEFPAR #K. DEFPAR #Lmin. DEFPAR #Lmax.9 ( ( (nb) (tipo) (stip)s(vent) (vsai) ( p )( p )( p3 )( p4 ) (vmin) (vmax) ( IMPORT DWMAQ Dw ENTRAD Wref 3 SOMA Wref X -Dw X 4 LEDLAG X X. #K. #T 5 SOMA X X3 -X8 X3 6 GANHO X3 X4 #TG 7 SOMA X4 X5 X7 X5 8 LIMITA X5 X6 Lmin Lmax 9 WSHOUT X6 X7.. #K GANHO X7 X8 #TG3 GANHO Dw X9 #TT SOMA X6 Pm -X9 Pm 3 EXPORT PMEC Pm ( ( (DEFVA (stip) (vdef) ( d ) ( DEFVAL Lmin #Lmin DEFVAL Lmax #Lmax ( FIMCDU

14 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade 9 Para os geradores TG3, TG3 e TG5 foram utilizados reguladores de velocidade de usina hidroelétrica sendo adotado nesse caso o regulador igual ao de Bariri e outros usinas pequenas próximas. O modelamento no Anatem é o seguinte: ( (ncdu) ( nome cdu ) Bariri 993 RV_RPBC-TG3 ( ( ( (EFPAR (npar) ( valpar ) ( DEFPAR #At. DEFPAR #bp.5 DEFPAR #bt.4 DEFPAR #Dt.5 DEFPAR #Gmax.7 DEFPAR #Gmin. DEFPAR #PBmaq 7.5 DEFPAR #PBtur 7.5 DEFPAR #Qnl. DEFPAR #Td 4.7 DEFPAR #Tw.8 DEFPAR #Ty.5 ( ( (nb) (tipo) (stip)s(vent) (vsai) ( p )( p )( p3 )( p4 ) (vmin) (vmax) ( IMPORT DWMAQ Dw SOMA -Dw X -X6 X 4 LEDLAG X X4. #bp #Ty 5 WSHOUT X4 X5 #Td.#Td 6 GANHO X5 X6 #bt 7 LIMITA X3 X7 Gmin Gmax 8 DIVSAO X6 X8 X7 X8 9 FUNCAO X** X8 X9 FUNCAO RETA X9 X -.. PROINT X X. #Tw 3 SOMA X4 X3 X X3 5 MULTPL X3 X5 X9 X5 6 GANHO X5 X6 #At 7 SOMA -X X7 X6 X7 8 ENTRAD Pm 9 EXPORT PMEC Pmec GANHO Dw X #Dt 3 SOMA X4 X3 X5 X3 4 FRACAO X8 X4. #At 5 FUNCAO RETA X4 X5.#Qnl 6 SOMA X X6 X5 X6 7 FRACAO X7 Pmec #PBtur #PBmaq 8 FRACAO Pm X8 #PBmaq #PBtur ( ( (DEFVA (stip) (vdef) ( d ) ( DEFVAL Gmax #Gmax DEFVAL Gmin #Gmin

15 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade DEFVAL VAR Pm Pmec DEFVAL VAR X7 X5 ( FIMCDU ( 5.7 Nível de curto nas barras relevantes da região A seguir o nível de curto para a rede sem o modelamento detalhado da RPBC, nas barras relevantes, a partir do deck de curto ONS ano 8: ONS = SISTEMA INTERLIGADO = CONFIG DEZ/8 = VERSÃO 7//7 = BR8PP.ANA RELATORIO DE NIVEIS DE CURTO-CIRCUITO X X X X IDENTIFICACAO T R I F A S I C O M O N O F A S I C O NUM. NOME MOD(kA) ANG(gr) X/R MOD(kA) ANG(gr) X/R X-----X X X X X X X X 33 H.BORDEN 88N BAIXADA PET_CUB Com a inclusão da RPBC e com os geradores TG3, TG4 e TG5 conectados os valores seriam: RELATORIO DE NIVEIS DE CURTO-CIRCUITO X X X X IDENTIFICACAO T R I F A S I C O M O N O F A S I C O NUM. NOME MOD(kA) ANG(gr) X/R MOD(kA) ANG(gr) X/R X-----X X X X X X X X 3869 PET CUB Onde se nota um pequeno acréscimo na potência de curto circuito na derivação 3869 PET CUB6 88. Para a simulação dos curtos fase-terra nas barras de 88 kv e 4.6 kv da RPBC é necessário o uso dos reatores de curto equivalentes, o que depende da configuração considerada do sistema. Esses dados estão apresentados no item RESULTADOS DAS SIMULAÇÕES

16 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade O sistema é o apresentado na sua configuração completa, conforme a figura 5.. Foram considerados casos com o sistema operando em paralelo com a rede básica e de forma isolada. Para o sistema operando de forma isolada, foi aberta a ligação com o gerador TG se tornando a barra de referência. 6. Casos simulados O conjunto de casos elaborados considera o sistema da RPBC conectado por um dos circuitos conforme a figura 6. e operando isoladamente da rede básica, para as diferentes condições de operação do sistema no instante da perturbação. A condição que mais favorece a perda de sincronismo das unidades geradoras, é quando o despacho de potência ativa é máximo e a sobreexcitação também, ou seja, tensão terminal máxima. Para essa condição são simuladas faltas trifásicas e fase-terra, com duração variável da abertura, para avaliar o tempo máximo em que não ocorre perda de sincronismo dos geradores da RPBC. Os despachos considerados foram os seguintes: Condição Operação RPBC Geradores ligados P paralelo TG3, TG4 e TG5 P paralelo TG3 e TG4 P3 paralelo TG e TG3 P4 paralelo TG I ilhado TG3, TG4 e TG5 I ilhado TG3e TG4 Tabela 6. Condições operativas consideradas. Para a condição operativa P foram usadas as seguintes e principais condições operativas, sendo as mesmas adotadas quando possível para os outros casos: Importação da concessionária em 88 KV/4.6 KV : 6,5 MW O fluxo de potência ativa entre as barras Light e a barra BT é zerado. Despacho do gerador TG3 : 4,4 MW com fator de potência de.9 (. MVAr) Carga na barra do TG3 :,4 MW Despacho do gerador TG4 : 4,4 MW com fator de potência de.8 (3.3 MVAr) Carga na barra do TG4 : 3 MW Despacho do gerador TG5 : 3,8 MW com fator de potência de.75 (3.35 MVAr) Carga na barra do gerador TG5 : 5 MW Cargas em todos os circuitos com modelo P=8% constante e o restante Z constante (fator de potencio adotado,8)

17 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade As figuras a seguir mostram as cargas e despachos para cada das condições da tabela 6.. Figura 6. Cenário P paralelo entre os geradores TG3, TG4 e TG5.

18 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade 3 Figura 6. Cenário P paralelo entre os geradores TG3 e TG4. Figura 6.3 Cenário P3 paralelo entre os geradores TG e TG3.

19 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade 4 Figura 6.4 Cenário P4 paralelo entre a concessionária e o gerador TG. Figura 6.5 Cenário I ilhado e os geradores TG3, TG4 e TG5.

20 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade 5 Figura 6.6 Cenário I ilhado e os geradores TG3 e TG4. Foi usado o caso base de 8 do deck obtido no site da ONS para a simulação de transitórios eletromecânicos, com alterações para inclusão da UTE RPBC, carga pesada. Foram simuladas as seguintes perturbações (ct: curto trifásico / cm: curto monofásico): N o local Evento Perturbação Evento Perturbação 99 RPBC AT 88 ct Curto trifásico cm Curto fase-terra 48 H. Borden 88 ct Curto trifásico cm Curto fase-terra 473 Baixada 88 ct3 Curto trifásico cm3 Curto fase-terra 995 LIGHT ct4 Curto trifásico cm4 Curto fase-terra 99 BT ct5 Curto trifásico cm5 Curto fase-terra 998 TG ct6 Curto trifásico cm6 Curto fase-terra 99 TG3 ct7 Curto trifásico cm7 Curto fase-terra 99 TG4 ct8 Curto trifásico cm8 Curto fase-terra 994 TG5 ct9 Curto trifásico cm9 Curto fase-terra 9946 A ct Curto trifásico cm Curto fase-terra 9945 A6 ct Curto trifásico cm Curto fase-terra 997 PN-A ct Curto trifásico cm Curto fase-terra 996 PN-A ct3 Curto trifásico cm3 Curto fase-terra Tabela 6. Ocorrências simuladas.

21 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade 6 Os reatores equivalentes para simulação do curto fase terra, calculados pelo programa Anafas, para cada cenário analisado estão apresentados na tabela a seguir: N o local P TG3 4 e 5 P TG3 e 4 P3 TG e 3 condição P4 TG I TG3 4 e 5 I TG3 e 4 99 RPBC AT H. Borden Baixada LIGHT 4,55 4, 4,8 3,67 4,37 3,86 99 BT 4,4 3,9 3,9 3,49 4,35 3, TG 4,3 3,78 3,8 3,39 4,9 3,7 99 TG3 4,4 3,79 3,79 3,3 4, 3,75 99 TG4 4, 3,78 3,7 3,3 4, 3, TG5 4,4 3,7 3,7 3,3 4, 3, A 4,47 4, 4, 3,6 4,9 3, A6 4,7 3,65 3,65 3,5 4,5 3, PN-A,9,9,9,9,6,5 996 PN-A,8,8,8,8,5,4 Tabela 6.3- Reatores equivalentes.

22 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade 7 Considerando os cenários e eventos, foram simulados os seguintes casos, para os quais são indicados os tempos máximos de abertura para qua não haja perda de sincronismo: N o local P TG3 4 e 5 P TG3 e 4 P3 TG e 3 condição P4 TG I TG3 4 e 5 I TG3 e 4 ct 99 RPBC AT 88,45,65,,,65,5 ct 33 H. Borden 88,4 n n n - - ct3 985 Baixada 88,45 n n n - - ct4 995 LIGHT,9,8,95,95,85,5 ct5 99 BT,45,45,85,95,3,3 ct6 998 TG n n,65,95 n n ct7 99 TG3,9,8,75 n,35, ct8 99 TG4,9,8 n n,4, ct9 994 TG5,9 n n n,45 n ct 9946 A,35,85,5,9,9,5 ct 9945 A6 3,5 n n n,5º n ct 997 PN-A >5 >5 >5 >5, ct3 996 PN-A >5 >5 >5 >5 >5, Tabela 6.4 Tempos de estabilidade (s) para curto trifásico. Os casos indicados com não são considerados por não gerarem pertubação. Os casos indicados com n não foram simulados por ter baixa severidade quando comparados com os simulados. Conforme era de se esperar, os tempos de estabilidade foram menores para curtos no terminal da máquina. N o local P TG3 4 e 5 P TG3 e 4 P3 TG e 3 condição P4 TG I TG3 4 e 5 I TG3 e 4 cm 99 RPBC AT 88 >5 >5 >5 >5 - - cm 33 H. Borden 88 n n n n - - cm3 985 Baixada 88 n n n n - - cm4 995 LIGHT >5 >5 >5 >5 >5 >5 cm5 99 BT >5 >5 >5 >5 >5 >5 cm6 998 TG n n >5 >5 n n cm7 99 TG3 >5 >5 >5 n >5 >5 cm8 99 TG4 >5 >5 n n >5 >5 cm9 994 TG5 >5 n n n >5 n cm 9946 A >5 >5 >5 >5 >5 >5 cm 9945 A6 >5 >5 >5 >5 >5 >5 cm 997 PN-A >5 >5 >5 >5 >5 >5 cm3 996 PN-A >5 >5 >5 >5 >5 >5 Tabela 6.5 Tempos de estabilidade (s) para curto fase terra.

23 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade 8 Como o sistema é bem aterrado, os curtos fase-terra não foram capazes de gerar instabilidade nos geradores nem mesmo durando 5 segundos. Na análise dos resultados são utilizados os gráficos da defasagem angular as tensões nas barras BT e Light 4.6 kv assim como o comportamento da tensão terminal, freqüência, defasagem e potência acelerante dos geradores da RPBC, além de sua tensão de campo para os casos com perda de estabilidade. Os gráficos apresentados nos itens a seguir mostram as resultados obtidos para a duração das faltas conforme indicado nas tabelas 6.4 e 6.5, mostrando que não houve perda de sincronismo para esses tempos. Para alguns casos também é mostrada a situação com a falta durando um tempo bastante pequeno a mais que o tempo de estabilidade mostrando a perda de sincronismo.

24 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct, Curto trifásico em RPBC AT 88, 99, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG5 Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Pct LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG Instável (duração,5 s) Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Pct LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG5 DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG Estável (duração,45 s)

25 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade 6.. Evento ct, Curto trifásico em H. Borden 88, 48, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG5 Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Pct LIGHT BT 99 TG3 99 TG4 994 TG5-8 DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG Instável (duração,45 s) Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Pct LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG Estável (duração,4 s)

26 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade 6..3 Evento ct3, Curto trifásico em Baixada 88, 473, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG5 Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Pct LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG Instável (duração,5 s) Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Pct3 995 LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG Estável (duração,45 s)

27 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade 6..4 Evento ct4, Curto trifásico em LIGHT, 995, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG5 Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Pct LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG Instável (duração,95 s) Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Pct LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG Estável (duração,9 s)

28 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct5, Curto trifásico em BT, 99, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG5 Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Pct LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG Instável (duração,5 s) Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Pct LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG Estável (duração,45 s)

29 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct7, Curto trifásico em TG3, 99, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG5 Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Pct LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG Estável (duração,95 s) Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Pct7 995 LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG Estável (duração,9 s)

30 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct8, Curto trifásico em TG4, 99, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG5 Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Pct LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG Instável (duração,95 s) Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Pct8 995 LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG Estável (duração,9 s)

31 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct9, Curto trifásico em TG5, 994, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG5 Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Pct LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG Instável (duração,95) Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Pct9 995 LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG Estável (duração,9 s)

32 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct, Curto trifásico em A, 9946, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG5 Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Pct A 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG Instável (duração,4 s) Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Pct 9946 A 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG Estável (duração,35 s)

33 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct, Curto trifásico em A6, 9945, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG5 Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Pct LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG5 DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG Instável (duração 3,3 s) Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Pct LIGHT BT 99 TG3 99 TG4 994 TG5 DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG Estável (duração 3,5 s)

34 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct, Curto trifásico em PN-A, 997, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Pct 995 LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG Evento ct3, Curto trifásico em PN-A, 996, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG5.6 Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Pct LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG

35 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct, Curto trifásico em RPBC AT 88, 99, cenário P, paralelo TG3 e TG4 Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso pct LIGHT. 99 BT 99 TG3 99 TG4 DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG Evento ct4, Curto trifásico em LIGHT, 995, cenário P, paralelo TG3 e TG Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso pct4 995 LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG

36 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct5, Curto trifásico em BT, 99, cenário P, paralelo TG3 e TG Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso pct5 995 LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG Evento ct7, Curto trifásico em TG3, 99, cenário P, paralelo TG3 e TG Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso pct7 995 LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG

37 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct8, Curto trifásico em TG4, 99, cenário P, paralelo TG3 e TG Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso pct8 995 LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG Evento ct, Curto trifásico em A, 9946, cenário P, paralelo TG3 e TG Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso pct 9946 A 99 BT 99 TG3 99 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG

38 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct, Curto trifásico em PN-A, 997, cenário P, paralelo TG3 e TG Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso pct 995 LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG Evento ct3, Curto trifásico em PN-A, 996, cenário P, paralelo TG3 e TG4.6 Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso pct LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG

39 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct, Curto trifásico em RPBC AT 88, 99, cenário P3, paralelo TG e TG Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso P3ct 995 LIGHT 99 BT 998 TG 99 TG DELT 998 TG 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR TG 99 3 TG TG 99 3 TG Evento ct4, Curto trifásico em LIGHT, 995, cenário P3, paralelo TG e TG3. Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso P3ct LIGHT 99 BT 998 TG 99 TG DELT 998 TG 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR TG 99 3 TG3-998 TG 99 3 TG

40 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct5, Curto trifásico em BT, 99, cenário P3, paralelo TG e TG Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso P3ct5 995 LIGHT 99 BT 998 TG 99 TG DELT 998 TG 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR TG 99 3 TG TG 99 3 TG Evento ct6, Curto trifásico em TG, 998, cenário P3, paralelo TG e TG Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso P3ct6 995 LIGHT 99 BT 998 TG 99 TG DELT 998 TG 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR TG 99 3 TG TG 99 3 TG

41 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct7, Curto trifásico em TG3, 99, cenário P3, paralelo TG e TG3. Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso P3ct LIGHT 99 BT 998 TG 99 TG DELT 998 TG 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR TG 99 3 TG3-998 TG 99 3 TG Evento ct, Curto trifásico em A, 9946, cenário P3, paralelo TG e TG Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso P3ct 9946 A 99 BT 998 TG 99 TG DELT 998 TG 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR TG 99 3 TG TG 99 3 TG

42 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct, Curto trifásico em PN-A, 997, cenário P3, paralelo TG e TG3 Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso P3ct LIGHT 99 BT 998 TG 99 TG DELT 998 TG 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR TG 99 3 TG TG 99 3 TG Evento ct3, Curto trifásico em PN-A, 996, cenário P3, paralelo TG e TG3 Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso P3ct LIGHT 99 BT 998 TG 99 TG DELT 998 TG 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR TG 99 3 TG TG 99 3 TG

43 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct, Curto trifásico em RPBC AT 88, 99, cenário P4, paralelo TG Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso P4ct 995 LIGHT 99 BT 998 TG DELT 998 TG 5 I.SOLTE-3GR TG TG Evento ct4, Curto trifásico em LIGHT, 995, cenário P4, paralelo TG Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso P4ct4 995 LIGHT 99 BT 998 TG DELT 998 TG 5 I.SOLTE-3GR TG TG 3 4 5

44 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct5, Curto trifásico em BT, 99, cenário P4, paralelo TG Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso P4ct LIGHT 99 BT 998 TG DELT 998 TG 5 I.SOLTE-3GR TG TG Evento ct6, Curto trifásico em TG, 998, cenário P4, paralelo TG Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso P4ct6 995 LIGHT 99 BT 998 TG DELT 998 TG 5 I.SOLTE-3GR TG TG

45 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct, Curto trifásico em A, 9946, cenário P4, paralelo TG Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso P4ct A 99 BT 998 TG DELT 998 TG 5 I.SOLTE-3GR TG TG Evento ct, Curto trifásico em PN-A, 997, cenário P4, paralelo TG Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso P4ct LIGHT 99 BT 998 TG -64 DELT 998 TG 5 I.SOLTE-3GR TG TG

46 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct3, Curto trifásico em PN-A, 996, cenário P4, paralelo TG Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso P4ct LIGHT 99 BT 998 TG DELT 998 TG 5 I.SOLTE-3GR TG TG 5 5

47 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct, Curto trifásico em RPBC AT 88, 99, cenário I, ilhado TG3, TG4 e TG Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Ict 995 LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG Evento ct4, Curto trifásico em LIGHT, 995, cenário I, ilhado TG3, TG4 e TG5 Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Ict LIGHT 99 BT 99 TG3. 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG

48 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct5, Curto trifásico em BT, 99, cenário I, ilhado TG3, TG4 e TG5 Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Ict LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG Evento ct7, Curto trifásico em TG3, 99, cenário I, ilhado TG3, TG4 e TG5 Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Ict LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG

49 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct8, Curto trifásico em TG4, 99, cenário I, ilhado TG3, TG4 e TG5. Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Ict LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG Evento ct9, Curto trifásico em TG5, 994, cenário I, ilhado TG3, TG4 e TG Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Ict9 995 LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG

50 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct, Curto trifásico em A, 9946, cenário I, ilhado TG3, TG4 e TG Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Ict 9946 A 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG Evento ct, Curto trifásico em A6, 9945, cenário I, ilhado TG3, TG4 e TG5. Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Ict LIGHT 99 BT TG3 99 TG4 994 TG5 DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG

51 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct, Curto trifásico em PN-A, 997, cenário I, ilhado TG3, TG4 e TG5 Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Ict LIGHT.6 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG Evento ct3, Curto trifásico em PN-A, 996, cenário I, ilhado TG3, TG4 e TG Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Ict3 995 LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG5 5 5

52 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct, Curto trifásico em RPBC AT 88, 99, cenário I, ilhado TG3 e TG4 Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Ict LIGHT BT 99 TG3 99 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG Evento ct4, Curto trifásico em LIGHT, 995, cenário I, ilhado TG3 e TG4 Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Ict LIGHT 99 BT 99 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR 99 TG DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG

53 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct5, Curto trifásico em BT, 99, cenário I, ilhado TG3 e TG4 Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Ict LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG Evento ct7, Curto trifásico em TG3, 99, cenário I, ilhado TG3 e TG4 Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Ict LIGHT 99 BT 99 TG3 5 5 DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR 99 TG DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG

54 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct8, Curto trifásico em TG4, 99, cenário I, ilhado TG3 e TG4 Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Ict LIGHT BT 99 TG3 DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR 99 TG DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG Evento ct, Curto trifásico em A, 9946, cenário I, ilhado TG3 e TG4 Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Ict A 99 BT 99 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR 99 TG DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG

55 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade Evento ct, Curto trifásico em PN-A, 997, cenário I, ilhado TG3 e TG4 Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Ict LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG Evento ct3, Curto trifásico em PN-A, 996, cenário I, ilhado TG3 e TG4 Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Ict LIGHT 99 BT 99 TG TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG

56 RPBC Cubatão Estudo de Estabilidade 5 A seguir os gráficos obtidos para curto fase terra, mostrando que mesmo para faltas durando 5 s não há perda de sincronismo Evento cm, Curto fase-terra em RPBC AT 88, 99, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Pcm 995 LIGHT 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG Evento cm4, Curto fase-terra em LIGHT, 995, cenário P, paralelo TG3, TG4 e TG5.6 Tensões nas barras RPBC 4.6 kv : caso Pcm LIGHT.3 99 BT 99 TG3 99 TG4 994 TG DELT 99 3 TG3 5 I.SOLTE-3GR DELT 99 4 TG4 5 I.SOLTE-3GR -64 DELT TG5 5 I.SOLTE-3GR TG TG TG TG TG TG

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Florianópolis, agosto de 2000 Capítulo 1 Introdução 1.1 Controle de Freqüência e Tensão na Operação

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 3: Gerador síncrono Exercícios 3.1 Dois geradores síncronos estão montados no mesmo eixo e devem fornecer tensões em 60 Hz e 50 Hz, respectivamente. Determinar

Leia mais

Estabilidade Transitória

Estabilidade Transitória Estabilidade Transitória Revisão em janeiro 003. 1 Introdução A geração de energia elétrica dos sistemas de potência é constituída de máquinas síncronas. que operam com uma determinada freqüência. O sistema

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA GAT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA GAT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito de sistemas de distribuição de energia elétrica, julgue os itens a seguir. 4 Ao operar em tensão secundária, um sistema de distribuição de energia elétrica funciona

Leia mais

Simulação e Avaliação dos Esquemas de Proteção de Geradores Síncronos Contra Perda de Sincronismo

Simulação e Avaliação dos Esquemas de Proteção de Geradores Síncronos Contra Perda de Sincronismo 1 Simulação e Avaliação dos Esquemas de Proteção de Geradores Síncronos Contra Perda de Sincronismo Bernardo R. Bordeira e Sebastião E. M. de Oliveira Resumo--O presente trabalho avalia os principais esquemas

Leia mais

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Filippe Pereira Dolgoff Engenheiro de Aplicação Produtos e Sistema de Baixa Tensão ABB 1 INTRODUÇÃO Um sistema elétrico

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 20 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Seja um circuito RLC série alimentado por uma fonte de tensão e sem energia inicialmente armazenada.

Leia mais

II. IMPACTO DA SUPORTABILIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS

II. IMPACTO DA SUPORTABILIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS 1 Impactos da Suportabilidade de Geradores Síncronos Distribuídos a Afundamentos de Tensão na Proteção de Sobrecorrente e Anti-ilhamento Rafael S. Silva, Fernanda C. L. Trindade, Walmir Freitas Resumo--Este

Leia mais

PLANTA DA ULBRA USINA DE CANOAS /RS ESTUDO DE CURTO E SELETIVIDADE ORDEM DE COMPRA 210779

PLANTA DA ULBRA USINA DE CANOAS /RS ESTUDO DE CURTO E SELETIVIDADE ORDEM DE COMPRA 210779 RELATÓRIO DO ESTUDO DE CURTO CIRCUITO E DA PLANTA DA ULBRA - PARTE 1 CONFORME SOLICITAÇÃO DA ORDEM DE COMPRA STEMAC - 210779 EMITIDA EM 01/03/2007. REVISÃO 1 19/04/2007 Introdução. O presente documento

Leia mais

1- INTRODUÇÃO... 130 2 - OPERAÇÃO DO GERADOR SÍNCRONO INTERLIGADO AO SISTEMA ELÉTRICO... 131 2.1-GERADOR SÍNCRONO DURANTE DISTÚRBIOS NO SISTEMA

1- INTRODUÇÃO... 130 2 - OPERAÇÃO DO GERADOR SÍNCRONO INTERLIGADO AO SISTEMA ELÉTRICO... 131 2.1-GERADOR SÍNCRONO DURANTE DISTÚRBIOS NO SISTEMA 1- INTRODUÇÃO... 130 2 - OPERAÇÃO DO GERADOR SÍNCRONO INTERLIGADO AO SISTEMA ELÉTRICO... 131 2.1-GERADOR SÍNCRONO DURANTE DISTÚRBIOS NO SISTEMA ELÉTRICO - INFLUÊNCIA DOS REGULADORES E CONTRIBUIÇÃO PARA

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro 60 Capítulo V Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Os transformadores de aterramento são aplicados em muitas situações onde o arranjo do sistema elétrico exige que seja criado

Leia mais

Produção e Transporte de Energia 2. Produção e Transporte de Energia 2 - Definição de Condições de Ligação à Rede. J. A.

Produção e Transporte de Energia 2. Produção e Transporte de Energia 2 - Definição de Condições de Ligação à Rede. J. A. - Definição de Condições de Ligação à Rede J. A. Peças Lopes Introdução Grande Aumento da Produção Distribuída (PRE): A ligar fundamentalmente nas redes de distribuição e subtransmissão (MT e AT); Aparecimento

Leia mais

1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova

1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova EE.UFMG - ESCOLA DE ENGENHARIA DA UFMG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ELE 0 - CIRCUITOS POLIFÁSICOS E MAGNÉTICOS PROF: CLEVER PEREIRA 1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão.0 a 5 Novembro de 009 Recife - PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO GRUPO DE ESTUDO ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA -

Leia mais

Equivalentes de Redes Elétricas para Cálculo de Transitórios Eletromagnéticos no Programa ATP

Equivalentes de Redes Elétricas para Cálculo de Transitórios Eletromagnéticos no Programa ATP 1 Equivalentes de Redes Elétricas para Cálculo de Transitórios Eletromagnéticos no Programa ATP L. C. Zanetta Jr., C. E. M. Pereira, PEA-USP e A. A. C. Arruda, CTEEP Resumo - O presente projeto tem como

Leia mais

Aula 19. Modelagem de geradores síncronos trifásicos

Aula 19. Modelagem de geradores síncronos trifásicos Aula 19 Modelagem de geradores síncronos trifásicos Geradores Em problemas de fluxo de potência normalmente são especificadas as tensões desejadas para a operação do gerador e calculadas as injeções de

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

2 17/02/2012 Correções no texto CMAJ CSF CSF. 1 07/02/2012 Análise energização dos transformadores CMAJ CSF CSF

2 17/02/2012 Correções no texto CMAJ CSF CSF. 1 07/02/2012 Análise energização dos transformadores CMAJ CSF CSF 2 17/02/2012 Correções no texto CMAJ CSF CSF 1 07/02/2012 Análise energização dos transformadores CMAJ CSF CSF 0 27/07/2011 Emissão inicial CMAJ/NSC NSC CSF Nº Data Natureza da Revisão Elaborado Verificado

Leia mais

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação 34 Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação Por Alan Rômulo e Eduardo Senger* No artigo anterior foram abordados os métodos previstos na NFPA

Leia mais

6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s

6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s UNVERSDADE FEDERAL DE JUZ DE FORA Análise de Sistemas Elétricos de Potência 6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s E - m a i l : f l a v i o. g o m e s @ u f j f.

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO ENGENHARIA ELÉTRICA NOTAS DE AULA PROF. LUCIANO VITORIA BARBOZA SUMÁRIO Capítulo 1. Faltas Trifásicas Simétricas... 1 1.1. Introdução... 1 1.. Transitórios

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 6 Informações Requeridas e Obrigações

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 6 Informações Requeridas e Obrigações Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 6 Informações Requeridas e Obrigações Revisão 0 1 2 3 4 5 6 7 8

Leia mais

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores 22 Capítulo I Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Novo! As retiradas de geradores do sistema de potência devido a curto-circuitos, operação anormal ou

Leia mais

Estabilidade Transitória

Estabilidade Transitória PPGEE-UFPA Estabilidade Transitória Estabilidade de Sistemas de Potência Prof. João Paulo Vieira Estabilidade Transitória Capacidade de um sistema de potência em manter o sincronismo após sofrer uma grande

Leia mais

1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência

1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência 1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência 1.1 Introdução Em sistemas de potência, as unidades geradoras compreendem os equipamentos conectados ao sistema capazes de transformar vários tipos de energia

Leia mais

Gerencia de Planejamento do Sistema GPS FORMULÁRIO DE CONSULTA DE ACESSO

Gerencia de Planejamento do Sistema GPS FORMULÁRIO DE CONSULTA DE ACESSO A consulta de acesso deve ser formulada pelo acessante à acessada com o objetivo de obter informações técnicas que subsidiem os estudos pertinentes ao acesso, sendo facultada ao acessante a indicação de

Leia mais

GE INDUSTRIAL Consumer & Industrial,Supply T 55 11 2178 1700 F 55 11 2178-1792

GE INDUSTRIAL Consumer & Industrial,Supply T 55 11 2178 1700 F 55 11 2178-1792 Relatório de Estudos de Curto-Circuito e Seletividade para a Posterior Aplicação das Proteções Tipo G-60(Multifunção de Geradores) e F-60(Proteção da Conexão) do Fornecimento GEMULTILIN feito à PETROBRÁS-RPBC

Leia mais

Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias. Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1

Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias. Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1 Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1 A Empresa A PSYS Consultoria em Engenharia e Sistemas Ltda. surgiu do desejo de

Leia mais

TERMOS PRINCIPAIS UTILIZADOS EM TRANSFORMADORES

TERMOS PRINCIPAIS UTILIZADOS EM TRANSFORMADORES TRANSFORMADOR MONOFÁSICO: São transformadores que possuem apenas um conjunto de bobinas de Alta e Baixa tensão colocado sobre um núcleo. 1 TRANSFORMADOR TRIFÁSICO: São transformadores que possuem três

Leia mais

GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC

GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC GSC/018 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC SIMULAÇÃO DA RESPOSTA AO TRANSITÓRIO DE CHAVEAMENTO EM SISTEMAS

Leia mais

de Sistemas de Potência Aula 25 Compensação reativa Controles relacionados com a potência reativa disponíveis no sistema

de Sistemas de Potência Aula 25 Compensação reativa Controles relacionados com a potência reativa disponíveis no sistema Análise de Sistemas de Potência Aula 25 Compensação Reativa 7/06/2008 Compensação reativa O fluxo da potência reativa nos sistemas elétricos, está fortemente relacionado com a magnitude da tensão as perdas

Leia mais

Geração de Energia Elétrica

Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica Aspectos Dinâmicos da Geração Hidroelétrica Joinville, 21 de Março de 2012 Escopo dos Tópicos Abordados Controle de Carga-Frequência Regulação Primária Modelo do Sistema de

Leia mais

ESTUDO DE PROTEÇÃO METODOLOGIA DE CÁLCULO. SUBESTAÇÕES DE 15kV

ESTUDO DE PROTEÇÃO METODOLOGIA DE CÁLCULO. SUBESTAÇÕES DE 15kV ESTUDO DE PROTEÇÃO METODOLOGA DE CÁLCULO SUBESTAÇÕES DE 5kV Elaborado por Carlos Alberto Oliveira Júnior Maio 26 ÍNDCE. Obtenção dos dados...2.. Documentos necessários...2.2. Dados necessários...2 2. Cálculo

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO UTILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS

COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO UTILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO TILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS Paulo H. O. Rezende, Fabrício P. Santilho, Lucas E. Vasconcelos, Thiago V. Silva Faculdade de Engenharia Elétrica,

Leia mais

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA FAN Faculdade Nobre As linhas de transmissão são os equipamentos empregados para transportar grandes blocos de energia por grandes distâncias, entre os centros

Leia mais

DESAFIOS DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL COM O AUMENTO DAS FONTES RENOVÁVEIS INTERMITENTES. Abril/2014

DESAFIOS DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL COM O AUMENTO DAS FONTES RENOVÁVEIS INTERMITENTES. Abril/2014 DESAFIOS DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL COM O AUMENTO DAS FONTES RENOVÁVEIS INTERMITENTES Abril/2014 Dificuldades no Processo de Implantação dos Empreendimentos de Transmissão

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA

REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA 1 REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA revisão mar06 1 - Introdução A maioria dos sistemas elétricos de potência é em corrente alternada. As instalações em corrente contínua são raras e tem aplicações

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A figura acima apresenta o circuito equivalente monofásico de um motor de indução trifásico

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

Efeito do aterramento do sistema de distribuição na mitigação das sobretensões em consumidores de baixa tensão devidas a descargas atmosféricas

Efeito do aterramento do sistema de distribuição na mitigação das sobretensões em consumidores de baixa tensão devidas a descargas atmosféricas Title Efeito do aterramento do sistema de distribuição na mitigação das sobretensões em consumidores de baixa tensão devidas a descargas atmosféricas Registration Nº: (Abstract) 54 Company UNIVERSIDADE

Leia mais

Lista de Exercícios de Instalações Elétricas

Lista de Exercícios de Instalações Elétricas Lista de Exercícios de Instalações Elétricas 1 - Calcule a resistência elétrica equivalente entre os pontos A e B do circuito a seguir. Obs. todos os resistores possuem resistência igual a R. 2 - A figura

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO X SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO (GSC)

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO X SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO (GSC) SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GSC 04 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO X SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO (GSC) EXPERIÊNCIA DA CEMIG NA

Leia mais

CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA

CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA Paulo Eduardo Mota Pellegrino Introdução Este método permite calcular os valores de curto circuito em cada ponto do Sistema de energia elétrica (SEE). Enquanto

Leia mais

Controle do motor de indução

Controle do motor de indução CONTROLE Fundação Universidade DO MOTOR DE Federal de Mato Grosso do Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Controle do motor de indução Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto FAENG Faculdade

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 6 Informações Requeridas e Obrigações

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 6 Informações Requeridas e Obrigações Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 6 Informações Requeridas e Obrigações Revisão 0 Motivo da Revisão

Leia mais

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 16 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DOCUMENTO NORMATIVO DA TRANSMISSÃO DESIM -896-1 I JUN/1 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 NORMAS E TRABALHOS...1

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

3 Faltas Desbalanceadas

3 Faltas Desbalanceadas UFSM Prof. Ghendy Cardoso Junior 2012 1 3 Faltas Desbalanceadas 3.1 Introdução Neste capítulo são estudados os curtos-circuitos do tipo monofásico, bifásico e bifase-terra. Durante o estudo será utilizado

Leia mais

Alexandre Arcon, M.Sc. ABINEE TEC 2007 Abril, 2007. Soluções para Qualidade e Eficiência em Transmissão de Energia

Alexandre Arcon, M.Sc. ABINEE TEC 2007 Abril, 2007. Soluções para Qualidade e Eficiência em Transmissão de Energia Alexandre Arcon, M.Sc. Gerente Eng. Subest. ABB PSS - Subestações Soluções para Qualidade e Eficiência em Transmissão de Energia ABINEE TEC 2007 Abril, 2007 Sumário Introdução: Qualidade e eficiência em

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 DETERMINAÇÃO DA CORRENTE DE CURTO - CIRCUITO FASE TERRA NO MEIO INDUSTRIAL Felipe Miquelino¹; Edilberto Teixeira² 1 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG 2 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG fmiquelinof@gmail.com;

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

Proteção de Bancos de Capacitores Shunt

Proteção de Bancos de Capacitores Shunt 26 Capítulo XIII Proteção de Bancos de Capacitores Shunt Por Cláudio Mardegan* A utilização de bancos de capacitores em sistemas elétricos industriais tem crescido ultimamente devido ao fato de se constituir

Leia mais

Escolha do tipo de resistor de aterramento do neutro em sistemas elétricos industriais Paulo Fernandes Costa*

Escolha do tipo de resistor de aterramento do neutro em sistemas elétricos industriais Paulo Fernandes Costa* 62 Capítulo I Escolha do tipo de resistor de aterramento do neutro em sistemas elétricos industriais Paulo Fernandes Costa* Novo! A aplicação de resistores de aterramento do neutro em sistemas industriais,

Leia mais

VIII CIERTEC. Fortaleza - Brasil Agosto de 2013

VIII CIERTEC. Fortaleza - Brasil Agosto de 2013 ILHAMENTO VOLUNTÁRIO DE PCH PARA MELHORAR OS INDICADORES DE QUALIDADE DEC E FEC DO SISTEMA ELÉTRICO DE SUA REGIÃO DE INFLUÊNCIA Tema: Geração Distribuída Autores: PRISCILA MARIA BARRA FERREIRA CARLOS EDUARDO

Leia mais

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA. RUA SECUNDINO DOMINGUES 787, JARDIM INDEPENDÊNCIA, SÃO PAULO, SP TELEFONE (011) 2100-0777 - FAX (011) 2100-0779 - CEP 03223-110 INTERNET: http://www.equacional.com.br

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

Representação em PU P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s

Representação em PU P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s UNERDADE FEDERAL DE JU DE FORA Análise de istemas Elétricos de Potência Representação em PU P r o f. F l á v i o a n d e r s o n G o m e s E - m a i l : f l a v i o. g o m e s @ u f j f. e d u. b r E N

Leia mais

Submódulo 2.3. Requisitos mínimos para transformadores e para subestações e seus equipamentos

Submódulo 2.3. Requisitos mínimos para transformadores e para subestações e seus equipamentos Submódulo 2.3 Requisitos mínimos para transformadores e para subestações e seus equipamentos Rev. Nº. 0.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico.

Leia mais

CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003

CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003 CE 6003 CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003 APLICAÇÕES: Testes manuais em relés (eletromecânicos, estáticos, numéricos) Testes automáticos em relés. Testes dinâmicos em relés com reprodução

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

EESC-USP LABORATÓRIO DE CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA

EESC-USP LABORATÓRIO DE CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA LABORATÓRIO DE CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA Professores: Eduardo Nobuhiro Asada Luís Fernando Costa Alberto Colaborador: Elmer Pablo Tito Cari LABORATÓRIO N 9: MAQUINA SÍNCRONA: (ângulo de carga,

Leia mais

OANAFAS é um programa computacional

OANAFAS é um programa computacional ANAFAS Análise de Faltas Simultâneas OANAFAS é um programa computacional para cálculo de curtos-circuitos. Permite a execução automática de grande variedade de faltas e possui facilidades, como estudo

Leia mais

PROCEDIMENTO DE VIABILIZAÇÃO DE ACESSO AO SISTEMA ELÉTRICO DA ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO

PROCEDIMENTO DE VIABILIZAÇÃO DE ACESSO AO SISTEMA ELÉTRICO DA ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO GPLAN-002-REV00 INDET. 1 de 31 PROCEDIMENTO DE VIABILIZAÇÃO DE ACESSO AO SISTEMA ELÉTRICO DA ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO GPLAN-002-REV00 INDET. 2 de 31 1. OBJETIVO... 4 2. FASES DO PROCESSO DE ACESSO... 4

Leia mais

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo:

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo: ENGENHEIRO ELETRICISTA 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Um sistema de proteção contra descargas atmosféricas do tipo Franklin foi concebido para prover a segurança de uma edificação

Leia mais

PRIMERAS JORNADAS REGIONALES DE CALIDAD DE ENERGÍA 2006 8 y 9 de Setiembre de 2006 - Uruguai

PRIMERAS JORNADAS REGIONALES DE CALIDAD DE ENERGÍA 2006 8 y 9 de Setiembre de 2006 - Uruguai PRIMERAS JORNADAS REGIONALES DE CALIDAD DE ENERGÍA 2006 8 y 9 de Setiembre de 2006 - Uruguai CONEXÃO DE GERADORES COM O SISTEMA ELÉTRICO DE DISTRIBUIÇÃO Senne, E. F.; CPFL Energia; flausino@cpfl.com.br;

Leia mais

25 de Janeiro de 2009

25 de Janeiro de 2009 Pontifícia Universidade Católica do Paraná Concurso Público COPEL Edital 0/2008 Formação de Cadastro de Reserva 25 de Janeiro de 2009 PROVA: Função: ENGENHEIRO ELETRICISTA PLENO Eng. Planejamento Sistemas

Leia mais

XII SYMPOSIUM OF SPECIALISTS IN ELECTRIC OPERATIONAL AND EXPANSION PLANNING AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO HARMÔNICO DE SISTEMAS COM MÚLTIPLOS ELOS CCAT

XII SYMPOSIUM OF SPECIALISTS IN ELECTRIC OPERATIONAL AND EXPANSION PLANNING AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO HARMÔNICO DE SISTEMAS COM MÚLTIPLOS ELOS CCAT SP166 XII SIMPÓSIO DE ESPECIALISTAS EM PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO E EXPANSÃO ELÉTRICA XII SEPOPE 2 a 23 de Maio 212 May 2 th to 23 rd 212 RIO DE JANEIRO (RJ) - BRASIL XII SYMPOSIUM OF SPECIALISTS IN ELECTRIC

Leia mais

Medidas de mitigação de harmônicos

Medidas de mitigação de harmônicos 38 Apoio Harmônicos provocados por eletroeletrônicos Capítulo XII Medidas de mitigação de harmônicos Igor Amariz Pires* A maneira mais comum de mitigar harmônicos é por meio da utilização de filtros. O

Leia mais

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil VI SBQEE 2 a 24 de agosto de 25 Belém Pará Brasil Código: BEL 6 793 Tópico: Qualidade da Energia em Sistemas com Geração Distribuída IMPACTO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO AFUNDAMENTO DE TENSÃO EM REDES DE

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO MOMENTÂNEO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Introdução Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Potência é a quantidade de maior importância em

Leia mais

GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC

GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GSC-7 19 a 24 Outubro de 23 Uberlândia - Minas Gerais GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC ANÁLISE

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

Submódulo 3.4. Informações para a solicitação de acesso

Submódulo 3.4. Informações para a solicitação de acesso Submódulo Informações para a solicitação de acesso Rev. Nº. 0.0 0.1 0.2 0.3 0.4 0.5 1.0 1.1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Adequação

Leia mais

Submódulo 3.6. Requisitos técnicos mínimos para a conexão à rede básica

Submódulo 3.6. Requisitos técnicos mínimos para a conexão à rede básica Submódulo 3.6 Requisitos técnicos mínimos para a conexão à rede básica Rev. Nº. 0.0 0.1 0.2 0.3 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Adequação

Leia mais

LABORATÓRIO INTEGRADO III

LABORATÓRIO INTEGRADO III FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO INTEGRADO III Experiência 02: TRANSFORMADORES TRIFÁSICOS - FUNCIONAMENTO Prof. Norberto Augusto Júnior I) OBJETIVOS: Estudar

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

A Solução de Problemas com Harmônicos em um Cliente Industrial: Uma Cooperação entre Concessionária e Consumidor

A Solução de Problemas com Harmônicos em um Cliente Industrial: Uma Cooperação entre Concessionária e Consumidor 1 A Solução de Problemas com Harmônicos em um Cliente Industrial: Uma Cooperação entre Concessionária e Consumidor Flávio R. Garcia(*), Tércio dos Santos e Alexandre C. Naves SADEFEM S/A Ernesto A. Mertens,

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br

Leia mais

Capítulo IV. Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração. Aterramento do neutro

Capítulo IV. Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração. Aterramento do neutro 60 Capítulo IV Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração Paulo Fernandes Costa* Nos três capítulos anteriores, foram discutidos os aspectos da escolha e

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-015

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-015 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-015 CRITÉRIOS PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA - CONEXÃO EM MÉDIA TENSÃO NDU-015 ESE/EPB/EBO/EMG/ENF VERSÃO

Leia mais

Action₀EMS Power System Simulator

Action₀EMS Power System Simulator SCLN 212, Bloco D, Sala 101 Brasília DF CEP: 70.865-540 fone: +55 61 3340-8486 contato@spinengenharia.com.br www.spinengenharia.com.br Action₀EMS Power System Simulator Descrição Funcional 00101.01 Action₀EMS

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 6: Máquina Síncrona em Barramento Infinito Objetivo: Verificar, experimentalmente, como é feita a ligação de um gerador síncrono no barramento infinito. Teoria: As necessidades de energia elétrica

Leia mais

GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA - GPC

GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA - GPC SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPC - 26 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

Leia mais

Regulador Digital de Tensão DIGUREG

Regulador Digital de Tensão DIGUREG Regulador Digital de Tensão DIGUREG Totalmente digital. Software para parametrização e diagnósticos extremamente amigável. Operação simples e confiável. Ideal para máquinas de pequena a média potência.

Leia mais

Um Estudo da Aplicação do Relé de Taxa de Variação de Frequência para Detecção de Ilhamento de Geração Distribuída *

Um Estudo da Aplicação do Relé de Taxa de Variação de Frequência para Detecção de Ilhamento de Geração Distribuída * Um Estudo da Aplicação do Relé de Taxa de Variação de Frequência para Detecção de Ilhamento de Geração Distribuída * Rafael Brenner Sousa Campos, Sérgio Garcia Oliveira, Igor Kopcak, Wander Gonçalves da

Leia mais

Controle Automático de Geração (Regulação Secundária)

Controle Automático de Geração (Regulação Secundária) Controle Automático de Geração (Regulação Secundária) Controle Automático de Geração (Regulação Secundária) - I Unidade de Geração Centro de Operação do Sistema Controle Terciário de Tensão ~ água ou vapor

Leia mais

V SBQEE COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS TRIFÁSICOS ALIMENTANDO CARGAS NÃO LINEARES E DESEQUILIBRADAS. UMA ABORDAGEM ANALÍTICA E EXPERIMENTAL

V SBQEE COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS TRIFÁSICOS ALIMENTANDO CARGAS NÃO LINEARES E DESEQUILIBRADAS. UMA ABORDAGEM ANALÍTICA E EXPERIMENTAL V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 03 091 Tópico: Modelagens e Simulações COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 9: Acionamento de Motores Assíncronos Trifásicos e Monofásicos Objetivo: Verificar alguns tipos de acionamento de motores elétricos de indução trifásicos e monofásicos. Teoria: Os motores elétricos,

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA SOBRE A EFICÁCIA DE RELÉS BASEADOS EM MEDIDAS DE FREQÜÊNCIA PARA DETECÇÃO DE ILHAMENTO DE GERADORES DISTRIBUÍDOS

ANÁLISE COMPARATIVA SOBRE A EFICÁCIA DE RELÉS BASEADOS EM MEDIDAS DE FREQÜÊNCIA PARA DETECÇÃO DE ILHAMENTO DE GERADORES DISTRIBUÍDOS ANÁLISE COMPARATIVA SOBRE A EFICÁCIA DE RELÉS BASEADOS EM MEDIDAS DE FREQÜÊNCIA PARA DETECÇÃO DE ILHAMENTO DE GERADORES DISTRIBUÍDOS José Carlos M. Vieira Jr. Walmir Freitas André L. Morelato França DSEE/FEEC/UNICAMP

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

DPP/GPE -120 < IZPD C1+C2 < 1900 MW; 900 < IZPD + IZCO < 1900 MW; - Janela de tempo de observação de pré-falta =2,0 SEG.

DPP/GPE -120 < IZPD C1+C2 < 1900 MW; 900 < IZPD + IZCO < 1900 MW; - Janela de tempo de observação de pré-falta =2,0 SEG. 1. ECE 7.14.27 ESQUEMA DESABILITADO 2. ESQUEMA DE CONTROLE DE TENSÃO POR ABERTURA DA 3. EMPRESA RESPONSÁVEL: ELETRONORTE. 4. CATEGORIA DO ESQUEMA: Abertura de linhas de transmissão. 5. FINALIDA DE: Este

Leia mais

P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s

P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Análise de Sistemas Elétricos de Potência 1 5.3 Componentes Simétricas - Transformadores P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s E - m a i l : f l a v i o.

Leia mais

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição Professor Jorge Alexandre A. Fotius Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Em áreas urbanas com baixa densidade

Leia mais