3 Faltas Desbalanceadas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3 Faltas Desbalanceadas"

Transcrição

1 UFSM Prof. Ghendy Cardoso Junior Faltas Desbalanceadas 3.1 Introdução Neste capítulo são estudados os curtos-circuitos do tipo monofásico, bifásico e bifase-terra. Durante o estudo será utilizado o método das componentes simétricas. Assim, o problema poderá ser resolvido por fase. 3.2 Fundamentos das componentes simétricas As componentes simétricas permitem representar valores desbalanceados de tensão e corrente em três componentes simétricas balanceadas. Considere a representação fasorial da corrente mostrada na Figura 3.1. Figura 3.1 Representação das componentes simétricas. Os fasores giram no sentido horário. Assim, esses podem ser escritos como, sendo o operador de rotação a = 1 120º Eq. 3.1 fica claro que Eq. 3.2 Eq. 3.3 A ordem dos fasores é abc, sequencia de fase positiva. Quando a rodem for acb, tem-se a sequencia de fase negativa (Figura 3.1(b)). Os fasores de sequencia negativa podem ser representados por, Eq. 3.4

2 UFSM Prof. Ghendy Cardoso Junior Dependendo do tipo de falta, um terceiro conjunto de fasores balanceados deve ser considerado. Esse é chamado de sequencia zero, e as três fases estão em fase. Os fasores de sequencia zero podem ser representados por, Eq. 3.5 O método das componentes simétricas foi introduzido por Dr. C. L. Fortescue em Baseando-se na sua teoria, fasores trifásicos desbalanceados de sistemas trifásicos podem ser resolvidos por meio de três sistemas de fasores balanceados, denominados sequencia +, - e 0. Considere as correntes trifásicas desbalanceadas Ia, Ib e Ic mostradas na Figura 3.2. As componentes simétricas para tais correntes são encontradas a seguir. Eq. 3.6 De acordo com a definição de componentes simétricas, a eq. 3.6 pode ser rescrita como, ou Eq. 3.7 Eq. 3.8 Figura 3.2 Decomposição de um sistema desbalanceado em componentes simétricas.

3 UFSM Prof. Ghendy Cardoso Junior Na forma matricial, a eq. 3.8 fica, Onde A é conhecida como Matriz de Transformação Eq. 3.9 Resolvendo a eq. 3.9 para encontrar as componentes simétricas, A inversa de A é, Eq Eq Por meio das eq e 3.12, conclui-se que, Eq Substituindo a eq em 3.11, Eq ou, na forma de componentes simétricas Eq Eq A eq.3.15 permite concluir que a componente de sequencia zero da corrente é igual a um terço da soma das correntes de cada fase. Portanto, a sequencia zero não existe quando a soma das três correntes de fase for zero (por ex. sistema trifásico ligado em Y não aterrado). Se o neutro do sistema for aterrado, a corrente de sequencia zero flui entre o neutro e o terra. Expressões similares existem para a tensão. Logo, tensões desbalanceados em termos de componentes simétricas são, na forma matricial, As componentes simétricas em termos das tensões desbalanceadas são, Eq Eq. 3.17

4 UFSM Prof. Ghendy Cardoso Junior Na forma matricial A potencia aparente complexa em termos das componentes simétricas é, Eq Eq Substituindo a eq. 3.9 e 3.17 em 3.20, tem-se Eq Como AT = A, da eq. 3.13, ATA* = 3, e a potencia complexa fica Eq Eq A eq mostra que a potencia complexa total desbalanceada pode ser obtida a partir da soma das potências complexas. Nas deduções acima, I 0, I 1 e I 2 são referentes a fase a. Exemplo 3.1 Obtenha as componentes simétricas para as correntes Ia = 1,6 25º, Ib = 1,0 180º, Ic = 0,9 132º. As componentes simétricas e os fasores são mostrados na Figura 3.2 Assim, ver CHP10EX1.M Exemplo 3.2 As componentes simétricas da tensão são V a 0 = 0,6 90º, V a 1 = 1,0 30º, V a 2 = 0,8-30º. Determine os fasores desbalanceados. As componentes simétricas e os fasores são mostrados na Figura 3.3. Assim, ver CHP10EX2.M

5 UFSM Prof. Ghendy Cardoso Junior Figura 3.3 Transformação de componentes simétricas em componentes de fasores. 3.3 Impedâncias de sequência É a impedância de um equipamento que é percorrida por diferentes sequências. A impedância que se estabelece para a corrente de sequência positiva é a Z1. Para a sequência negativa é a Z2 e para a sequência 0 é a Z Impedância de sequência para carga em Y Uma carga trifásica balanceada com impedância própria e mútua é mostrada na Figura 3.4. As tensões fase-terra são, Figura 3.4 Carga balanceada em Y. Da lei de Kirchhoff tem-se, Eq Eq. 3.24

6 UFSM Prof. Ghendy Cardoso Junior Substituindo a eq em 3.23 e reescrevendo a eq.3.23 na forma matricial, tem-se ou, na forma compacta onde Eq Eq Escrevendo Vabc e Iabc em termos de suas componentes simétricas, tem-se Multiplicando a eq por A-1, tem-se Eq Eq onde Substituindo Zabc (eq.3.27), A-1(eq. 3.10), A (eq. 3.12) tem-se Eq Eq Realizando a multiplicação, tem-se Eq Se não houver acoplamento mútuo, Zm = 0, e a matriz de impedância fica Eq Eq A matriz de impedância tem elementos não zeros somente na diagonal principal. Portanto, para cargas balanceadas, as três sequências são independentes. Isto é, as correntes relativas a cada sequencia produzirão quedas de tensão somente na mesma sequência de fase. Esta é uma propriedade importante, já que permite analisar cada rede de sequencia para uma única fase.

7 UFSM Prof. Ghendy Cardoso Junior Impedância de sequência de linhas de transmissão Para dispositivos estáticos, tais como as LTs, as impedânicas Z1=Z2, pois as correntes e tensões se deparam com a mesma geometria da LT. Os condutor de aterramento está no caminho da sequência zero. Logo, Z0, que inclui o efeito do caminho de retorno pela terra, geralmete é diferente de Z1 e Z2. Para ter idéia da ordem da Z0, considere a seguinte configuração. Considere uma LT de 1m de comprimento com condutores equilateralmente espaçados, de acordo com a Figura 3.5. Figura 3.5 Corrente de sequência zero com retorno pela terra. Pelos condutores fluem correntes de sequência zero (monofásica) que retornam pelo neutro aterrado. A superfície da terra é aproximada a um condutor fictício equivalente localizado na distância média Dn em relação a cada uma das fases. Como o condutor n transporta a corrente de retorno em direção oposta, tem-se Como Ia0 = Ib0 = Ic0, tem-se Eq O fluxo concatenado da fase a é Eq Substituindo Ib0, Ic0 e In em termos de Ia0, tem-se Eq Como L0 = λa0/ia0, a indutância por fase em mh/km é Eq. 3.37

8 UFSM Prof. Ghendy Cardoso Junior O primeiro termo é a indutância de seq. positiva. Logo, a reatância de seq. zero é Eq Eq onde A Z0 de uma LT é maior que 3x Z1. Eq Impedância de sequência de máquinas síncronas X1 pode ser igual a X"d, X'd ou Xd, dependendo do caso estudado. X2 é aproximadamente igual a X"d. X0 é aproximadamente igual a X de dispersão. Eq Eq Impedância de sequência de transformadores As perdas no núcleo e a corrente de magnetização são da ordem de 1% do valor nominal. Logo, o ramo de magnetização é desprezado. O transformador é modelado por meio do equivalente série da impedância de dispersão. Como o transformador é um dispositivo estático, a impedância de dispersão não muda se a sequência de fase mudar. Logo, Eq Nos transformadores Y- ou -Y, a o lado de AT está adiantando em relação ao de BT em 30º, para a sequência positiva. Na sequência negativa o deslocamento angular é de -30º. A mostra algumas configurações de transformadores e o circuito de sequência zero.

9 UFSM Prof. Ghendy Cardoso Junior Exemplo 3.3 Figura 3.6 Circuito equivalente de sequência zero do transformador. Uma tensão de fase de 100 V é aplicada a uma carga trifásica balanceada conectada em Y, conforme mostra a Figura 3.7.

10 UFSM Prof. Ghendy Cardoso Junior Figura 3.7 Circuito elétrico do exemplo 3. Determine: a) as correntes de linha usando análise de malhas, sem fazer uso das componentes simétricas b) As correntes de linha por meio das componentes simétricas. Aplicando a LTC, tem-se: Pela LCK, tem-se: As duas equações na forma matricial fica, ou, na forma compacta, resolvendo o sistema de equações, tem-se as correntes de linha b) Pelo método das componentes simétricas onde da eq. 3.32, Assim, ver CHP10EX3.M

11 UFSM Prof. Ghendy Cardoso Junior Exemplo 3.4 Uma fonte trifásica desbalanceada tem os seguintes valores de tensão de fase Alimente a seguinte carga Sendo Zs = 8 + j24 e Zm = j4, e sabendo que o neutro da fonte e carga são solidamente aterrados, determine: a) A matriz de impedância de sequencia Z 012 b) As componentes de sequencia da tensão c) As componentes de sequencia da corrente d) As correntes de fase da carga e) A potência complexa fornecida para a carga em termos de componentes simétricas f) A potência complexa fornecida para a carga. Ver CHP10EX4.M 3.4 Componentes de sequência de geradores A Figura 3.8 representa um gerador síncrono trifásico aterrado por meio de Zn. O gerador está alimentando uma carga trifásica balanceada. Figura 3.8 Fonte trifásica balanceada.

12 UFSM Prof. Ghendy Cardoso Junior As tensões internas da máquina síncrona são, Aplicando a LTK em cada fase, tem-se: Eq Substituindo In = Ia + Ib +Ic, e escrevendo a eq na forma matricial, tem-se: Eq ou, na forma compacta Transformando para as componentes simétricas Multiplicando 4.48 por A -1, tem-se Eq Eq Eq onde Eq Realizando as multiplicações, tem-se Eq Como a emf gerada é balanceada, só existe tensão de sequência positiva Eq Substituindo E a 012 e Z 012 em 3.49, tem-se Eq reescrevendo a equação na forma de componente Eq. 3.53

13 UFSM Prof. Ghendy Cardoso Junior Eq Estas três equações podem ser representadas pelos três diagramas de sequência mostrados na Figura 3.9. Figura 3.9 Diagramas de sequência: (a) positiva; (b) negativa; (c) zero. Observações: as três sequencias são independentes. o diagrama de sequencia positiva é igual ao diagrama unifilar utilizado em estudos balanceados. somente a sequência positiva tem fonte de tensão. Portanto, a corrente de seq. positiva causa queda de tensão de sequência positiva. correntes de seq. negativa e zero causam quedas de tensão de seq. negativa e zero, somente. o neutro do sistema é referência para a seq. positiva e negativa, enquanto que o terra é referência para a seq. zero. a impedância de aterramento é refletida na seq. zero em 3Zn. sistemas trifásicos podem ser resolvidos separadamente para uma única fase. 3.5 Curto-circuito fase-terra A Figura 3.8 mostra um gerador síncrono trifásico aterrado por meio de Zn. Figura 3.10 Falta monofásica na fase a. Suponha que a falta ocorre na fase por meio de uma Zf e o gerador está a vazio. As condições de contorno no ponto de falta são:

14 UFSM Prof. Ghendy Cardoso Junior Eq Substituindo Ib = Ic = 0, as componentes simétricas das correntes (eq. 3.14) são Eq Da eq. acima tem-se Eq A tensão na fase a em termos das componentes simétricas é Substituindo a eq.3.54 na eq. 3.59, tem-se: Eq Eq Eq onde Z0 = Zs + 3Zn. Substituindo por Va da eq. 3.55, e sabendo que Ia = 3Ia 0, tem-se ou Eq A corrente de falta é Eq Eq Substituindo Ia na eq. 3.54, as componentes simétricas da tensão de fase no ponto de falta são obtidas. As eq e 3.62 podem ser representadas por meio da conexão do diagrama de sequência em série, conforme a Figura Nas faltas monofásicas, as impedâncias equivalentes de Thévenin no ponto de falta são obtidos para cada sequência. Se o gerador for solidamente aterrado, Zn = 0 e se a falta for do tipo franca, Zf = 0. Figura 3.11 Falta monofásica na fase.

15 UFSM Prof. Ghendy Cardoso Junior Curto-circuito bifásico A Figura 3.12 mostra um gerador síncrono trifásico com as fases a e b em curto-circuito, sendo a impedância de falta Zf. Considerando que o gerador está em vazio, as condições de contorno no ponto de falta são: Eq Eq Eq Figura 3.12 Falta bifásica entre as fases b e c. Substituindo Ia = 0, e Ib = - Ic na eq. 3.14, as componentes simétricas das correntes são Da eq. acima encontra-se Eq Eq Eq Da eq e 3.60, tem-se Da Eq. 3.16, tem-se Eq Eq Substituindo por Va1 e Va2 da eq e sabendo que Ia2 = - Ia1, tem-se Substituindo Ib da eq. 3.69, tem-se Eq Eq. 3.73

16 UFSM Prof. Ghendy Cardoso Junior Como (a - a 2 )(a 2 - a) = 3, e resolvendo para Ia1 tem-se Eq As correntes de fase são Eq A corrente de falta é ou Eq Eq Eq Substituindo Ia na eq. 3.54, as componentes simétricas da tensão de fase no ponto de falta são obtidas. As eq e 3.75 podem ser representadas por meio da conexão do diagrama de sequência em paralelo, conforme a Figura Se a falta for do tipo franca, Zf = 0. Figura 3.13 Conexão dos diagramas de sequência para falta bifásica. 3.7 Curto-circuito bifásico-terra A Figura 3.14 mostra um gerador síncrono trifásico com as fases a e b em curto-circuito, sendo a impedância de falta a terra Zf. Considerando que o gerador está em vazio, as condições de contorno no ponto de falta são: Eq Da eq. 3.16, as tensões de fase Vb e Vc são Eq Eq. 3.81

17 UFSM Prof. Ghendy Cardoso Junior Figura 3.14 Falta bifase-terra entre as fases a e b. Como, no ponto de falta Vb = Vc, tem-se Eq Em termos das componentes simétricas, a eq fica Eq Substituindo 3.84 e 3.83 em 3.81, tem-se Eq Eq Substituindo as componentes simétricas da tensão (eq. 3.54) em 3.85 e resolvendo para Ia0, tem-se Do mesmo modo, considerando a eq. 3.83, tem-se Eq substituindo Ia0 e Ia2 em 3.80 e resolvendo para Ia1, tem-se Eq. 3.87

18 UFSM Prof. Ghendy Cardoso Junior Eq As eq e 3.88 podem ser representadas pela conexão da seq. positiva em série com a combinação em paralelo da seq. negativa e zero, conforme mostra a Figura O valor de Ia1 encontrado na eq pode ser substituído nas eq e 3.87 de modo a encontrar o valor de Ia0 e Ia2. As correntes nas fases pode ser encontradas por meio da eq Finalmente, a corrente de falta é Eq Figura 3.15 Conexão dos diagramas de sequência para falta bifase-terra.

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO ENGENHARIA ELÉTRICA NOTAS DE AULA PROF. LUCIANO VITORIA BARBOZA SUMÁRIO Capítulo 1. Faltas Trifásicas Simétricas... 1 1.1. Introdução... 1 1.. Transitórios

Leia mais

1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova

1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova EE.UFMG - ESCOLA DE ENGENHARIA DA UFMG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ELE 0 - CIRCUITOS POLIFÁSICOS E MAGNÉTICOS PROF: CLEVER PEREIRA 1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova

Leia mais

6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s

6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s UNVERSDADE FEDERAL DE JUZ DE FORA Análise de Sistemas Elétricos de Potência 6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s E - m a i l : f l a v i o. g o m e s @ u f j f.

Leia mais

- SISTEMA TRIFÁSICO. - Representação senoidal

- SISTEMA TRIFÁSICO. - Representação senoidal - SISTEMA TRIFÁSICO - Representação senoidal As ligações monofásicas e bifásicas são utilizadas em grande escala na iluminação, pequenos motores e eletrodomésticos Nos níveis da geração, transmissão e

Leia mais

5.2 Componentes Simétricas P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s

5.2 Componentes Simétricas P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s UERSDDE FEDERL DE JU DE FOR nálise de Sistemas Elétricos de Potência 5. omponentes Simétricas P r o f. F l á v i o a n d e r s o n G o m e s E - m a i l : f l a v i o. g o m e s @ u f j f. e d u. b r E

Leia mais

Circuitos Elétricos Circuitos Magneticamente Acoplados

Circuitos Elétricos Circuitos Magneticamente Acoplados Introdução Circuitos Elétricos Circuitos Magneticamente Acoplados Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Os circuitos que estudamos até o momento

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito de sistemas de distribuição de energia elétrica, julgue os itens a seguir. 4 Ao operar em tensão secundária, um sistema de distribuição de energia elétrica funciona

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores Um gerador é qualquer máquina que transforma energia mecânica em elétrica por meio da indução magnética. Um gerador de corrente

Leia mais

UFSM Prof. Ghendy Cardoso Junior 2012 1

UFSM Prof. Ghendy Cardoso Junior 2012 1 UFSM Prof. Ghendy Cardoso Junior 2012 1 2 Faltas Balanceadas 2.1 Introdução O problema consiste em determinar as tensões de barra e as correntes nas linhas de transmissão para diferentes tipos de faltas.

Leia mais

. analogamente. Np Ns. a = Ns

. analogamente. Np Ns. a = Ns - Transformadores O transformador é um equipamento elétrico formado por bobinas isoladas eletricamente em torno de um núcleo comum. A bobina que recebe energia de uma fonte ca é chamada de primário. A

Leia mais

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo:

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo: ENGENHEIRO ELETRICISTA 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Um sistema de proteção contra descargas atmosféricas do tipo Franklin foi concebido para prover a segurança de uma edificação

Leia mais

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Capítulo 0 Transformadores DESTAQE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Os geradores elétricos, que fornecem tensões relativamente baixas (da ordem de 5 a 5 kv), são ligados

Leia mais

Representação em PU P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s

Representação em PU P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s UNERDADE FEDERAL DE JU DE FORA Análise de istemas Elétricos de Potência Representação em PU P r o f. F l á v i o a n d e r s o n G o m e s E - m a i l : f l a v i o. g o m e s @ u f j f. e d u. b r E N

Leia mais

VERIFICAÇÃO DE ADEQUAÇÃO PARA TC s PARA USO EM PROTEÇÃO

VERIFICAÇÃO DE ADEQUAÇÃO PARA TC s PARA USO EM PROTEÇÃO VERIFICAÇÃO DE ADEQUAÇÃO PARA TC s PARA USO EM PROTEÇÃO Superintendência Técnica Junho de 2010 ÍNDICE 1 OBJETIVO 3 2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS 3 3 CONDIÇÕES PARA QUE UM TC SEJA CONSIDERADO ADEQUADO 3 3.1

Leia mais

CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA

CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA Paulo Eduardo Mota Pellegrino Introdução Este método permite calcular os valores de curto circuito em cada ponto do Sistema de energia elétrica (SEE). Enquanto

Leia mais

EDI-34 Instalações Elétricas

EDI-34 Instalações Elétricas EDI-34 Instalações Elétricas Plano de Disciplina 2º semestre de 2015 1. Identificação Sigla e título: EDI-34 Instalações Elétricas Curso de Engenharia Civil-Aeronáutica Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Transformadores Para Instrumentos Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Sumário 1. Tipos de Transformadores. 2. Transformadores de Corrente - TCs. 3. Transformadores de Potencial TPs. 4. Ligação

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Monofásico 1.1 Introdução 1.1.1 Motores

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 20 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Seja um circuito RLC série alimentado por uma fonte de tensão e sem energia inicialmente armazenada.

Leia mais

Aula 05. Resistores em Série e em Paralelo Leis de Kirchhoff- Parte I

Aula 05. Resistores em Série e em Paralelo Leis de Kirchhoff- Parte I Aula 05 Resistores em Série e em Paralelo Leis de Kirchhoff- Parte I Circuito Elétrico Básico e suas componentes. \ Resistores em Série Em uma associação de resistores em série, a corrente elétrica ( contínua)

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA

REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA 1 REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA revisão mar06 1 - Introdução A maioria dos sistemas elétricos de potência é em corrente alternada. As instalações em corrente contínua são raras e tem aplicações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ ELISA BEATRIZ DE ABREU GUIMARÃES MARIANA TEIXEIRA PINTO NEUMANN

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ ELISA BEATRIZ DE ABREU GUIMARÃES MARIANA TEIXEIRA PINTO NEUMANN 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ ELISA BEATRIZ DE ABREU GUIMARÃES MARIANA TEIXEIRA PINTO NEUMANN PROGRAMA PARA CÁLCULO DE CURTO-CIRCUITO CURITIBA 2009 2 ELISA BEATRIZ DE ABREU GUIMARÃES MARIANA TEIXEIRA

Leia mais

Auto - Transformador Monofásico

Auto - Transformador Monofásico Auto - Transformador Monofásico Transformação de Tensão Transformação de tensão para várias tensões de entrada: U 2, U 3, U 23 = f (U 1 ) 1.1. - Generalidades A função do transformador é transformar a

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS II

CIRCUITOS ELÉTRICOS II CIRCUITOS ELÉTRICOS II Prof.: Helder Roberto de O. Rocha Engenheiro Eletricista Doutorado em Computação Corrente Elétrica Quantidade de carga elétrica deslocada por unidade de tempo As correntes elétricas

Leia mais

ESTUDO DO AUTOTRANSFORMADOR

ESTUDO DO AUTOTRANSFORMADOR ESTUDO DO UTOTRNSFORMDOR. onceito. O autotransformador é um equipamento semelhante ao transformador, possuindo a mesma finalidade. única diferença é que existe apenas um único enrolamento.. Estudo do utotransformador

Leia mais

Aula 4 Análise Circuitos Elétricos Prof. Marcio Kimpara

Aula 4 Análise Circuitos Elétricos Prof. Marcio Kimpara ELETICIDADE Aula 4 Análise Circuitos Elétricos Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 2 Fonte elétrica As fontes elétricas mantém a diferença de potencial (ddp) necessária para

Leia mais

Fundamentos de Máquinas Elétricas

Fundamentos de Máquinas Elétricas Universidade Federal do C Engenharia de nstrumentação, utomação e Robótica Fundamentos de Máquinas Elétricas rof. Dr. José Luis zcue uma Regulação de tensão Rendimento Ensaios de curto-circuito e circuito

Leia mais

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Introdução Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Potência é a quantidade de maior importância em

Leia mais

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua Experiência IV Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua 1. Introdução A máquina de corrente contínua de fabricação ANEL que será usada nesta experiência é a mostrada

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Filippe Pereira Dolgoff Engenheiro de Aplicação Produtos e Sistema de Baixa Tensão ABB 1 INTRODUÇÃO Um sistema elétrico

Leia mais

TRANSFORMADORES ADRIELLE C. SANTANA

TRANSFORMADORES ADRIELLE C. SANTANA TRANSFORMADORES ADRIELLE C. SANTANA Aplicações As três aplicações básicas dos transformadores e que os fazem indispensáveis em diversas aplicações como, sistemas de distribuição de energia elétrica, circuitos

Leia mais

5.0 Componentes Simétricas P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s

5.0 Componentes Simétricas P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s UNERSDDE FEDERL DE JUZ DE FOR nálise de Sistemas Elétricos de Potência 5. omponentes Simétricas P r o f. F l á v i o a n d e r s o n G o m e s E - m a i l : f l a v i o. g o m e s @ u f j f. e d u. b r

Leia mais

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro 60 Capítulo V Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Os transformadores de aterramento são aplicados em muitas situações onde o arranjo do sistema elétrico exige que seja criado

Leia mais

Medidas de mitigação de harmônicos

Medidas de mitigação de harmônicos 38 Apoio Harmônicos provocados por eletroeletrônicos Capítulo XII Medidas de mitigação de harmônicos Igor Amariz Pires* A maneira mais comum de mitigar harmônicos é por meio da utilização de filtros. O

Leia mais

Finalmente, para adaptar o nível de tensão às necessidades de consumo, são necessários outros transformadores (de distribuição).

Finalmente, para adaptar o nível de tensão às necessidades de consumo, são necessários outros transformadores (de distribuição). TRASFORMADORES TRFÁSCOS van Camargo Março de 007 ) ntrodução e Aspectos Construtivos Os transformadores trifásicos são equipamentos indispensáveis para o funcionamento de um sistema elétrico. O transformador

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 3: Gerador síncrono Exercícios 3.1 Dois geradores síncronos estão montados no mesmo eixo e devem fornecer tensões em 60 Hz e 50 Hz, respectivamente. Determinar

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

Circuitos Elétricos Senoides e Fasores

Circuitos Elétricos Senoides e Fasores Circuitos Elétricos Senoides e Fasores Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Introdução Corrente contínua x corrente alternada. Ver War of Currentes

Leia mais

COORDENAÇÃO E SELETIVIDADE DA PROTEÇÃO ELÉTRICA DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM COM A ENTRADA DA CARGA DA CORREIA TRANSPORTADORA

COORDENAÇÃO E SELETIVIDADE DA PROTEÇÃO ELÉTRICA DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM COM A ENTRADA DA CARGA DA CORREIA TRANSPORTADORA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA COORDENAÇÃO E SELETIVIDADE DA PROTEÇÃO ELÉTRICA DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM COM A ENTRADA DA CARGA DA CORREIA TRANSPORTADORA

Leia mais

APOSTILA DE ELETRICIDADE BÁSICA

APOSTILA DE ELETRICIDADE BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO APOSTILA DE ELETRICIDADE BÁSICA Prof. Andryos da Silva Lemes Esta apostila é destinada

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS CIRCUITOS TRIFÁSICOS EQUILIBRADOS E DESEQUILIBRADOS

CIRCUITOS ELÉTRICOS CIRCUITOS TRIFÁSICOS EQUILIBRADOS E DESEQUILIBRADOS E 0 RUTOS ELÉTROS RUTOS TRFÁSOS EQULRDOS E DESEQULRDOS RUTOS ELÉTROS RUTOS TRFÁSOS EQULRDOS E DESEQULRDOS maior parte das instalações elétricas domésticas e industriais é caracterizada por uma corrente

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Os seis critérios de dimensionamento de circuitos de BT: 1. Seção mínima; 2. Capacidade de condução de corrente; 3. Queda de tensão; 4. Proteção contra sobrecargas; 5. Proteção contra curtos-circuitos;

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I QUALIDADE DE ENERGIA 1-Introdução ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Desde o princípio do método de transmissão de energia elétrica utilizando CA, ou ondas senoidais, o aparecimento de componentes harmônicas é um

Leia mais

FACILIDADES DO PROGRAMA ANAFAS PARA ESTUDOS DE CURTO- CIRCUITO E PROTEÇÃO DE SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA. Pedro Cunha Kastrup Decourt

FACILIDADES DO PROGRAMA ANAFAS PARA ESTUDOS DE CURTO- CIRCUITO E PROTEÇÃO DE SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA. Pedro Cunha Kastrup Decourt FACLDADES DO PROGRAMA ANAFAS PARA ESTUDOS DE CURTO- CRCUTO E PROTEÇÃO DE SSTEMAS DE ENERGA ELÉTRCA Pedro Cunha Kastrup Decourt PROJETO SUBMETDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGE- NHARA ELÉTRCA DA

Leia mais

Estabilidade Transitória

Estabilidade Transitória PPGEE-UFPA Estabilidade Transitória Estabilidade de Sistemas de Potência Prof. João Paulo Vieira Estabilidade Transitória Capacidade de um sistema de potência em manter o sincronismo após sofrer uma grande

Leia mais

CEL 062 - Circuitos trifásicos

CEL 062 - Circuitos trifásicos CEL 062 - Circuitos trifásicos Alexandre Haruiti alexandre.anzai@engenharia.ufjf.br Baseado no material dos Profs. Pedro Machado de Almeida e Janaína Gonçalves de Oliveira pedro.machado@ufjf.edu.br janaina.oliveira@ufjf.edu.br

Leia mais

Lei de Coulomb: Campo Elétrico:

Lei de Coulomb: Campo Elétrico: Lei de Coulomb: Método para distribuição de cargas: Dividir a distribuição em infinitos dq Analisar feito por dq Dividir em suas componentes dfx e dfy Analisar se há alguma forma de simetria que simplifica

Leia mais

As leituras no voltímetro V e no amperímetro A, ambos ideais, são, respectivamente,

As leituras no voltímetro V e no amperímetro A, ambos ideais, são, respectivamente, 1. (Espcex (Aman) 015) Em um circuito elétrico, representado no desenho abaixo, o valor da força eletromotriz (fem) do gerador ideal é E 1,5 V, e os valores das resistências dos resistores ôhmicos são

Leia mais

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS 1. Um dinamo octopolar de 600 r.p.m. com enrolamento em série de 300 condutores activos tem um fluxo por pólo de 5x10 6 Maxwell. Calcule a força electromotriz produzida.

Leia mais

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores 22 Capítulo I Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Novo! As retiradas de geradores do sistema de potência devido a curto-circuitos, operação anormal ou

Leia mais

MÁQUINAS 1 CAPÍTULO 9

MÁQUINAS 1 CAPÍTULO 9 MÁQUA 1 CAÍTULO 9 TRAFORMADOR O transformador é um componente utilizado para converter o valor da amplitude da tensão de uma corrente alternada. O transformador é uma máquina elétrica que transfere energia

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A figura acima apresenta o circuito equivalente monofásico de um motor de indução trifásico

Leia mais

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Florianópolis, agosto de 2000 Capítulo 1 Introdução 1.1 Controle de Freqüência e Tensão na Operação

Leia mais

Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica

Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Existem diversas maneiras de se gerar energia elétrica. No mundo todo, as três formas mais comuns são por queda d água (hidroelétrica), pela queima

Leia mais

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador.

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador. CAPÍTULO 8 TRANSFORMADORES ELÉTRICOS 8.1 CONCEITO O transformador, representado esquematicamente na Figura 8.1, é um aparelho estático que transporta energia elétrica, por indução eletromagnética, do primário

Leia mais

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba EMENTA Carga Elétrica Campo Elétrico Lei de Gauss Potencial Elétrico Capacitância Corrente e resistência

Leia mais

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração.

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração. Quais são os métodos mais utilizados para controle de vibrações? Defina um absorvedor de vibração? Qual é função de um isolador de vibração? Por que um eixo rotativo sempre vibra? Qual é a fonte da força

Leia mais

EESC-USP LABORATÓRIO DE CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA

EESC-USP LABORATÓRIO DE CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA LABORATÓRIO DE CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA Professores: Eduardo Nobuhiro Asada Luís Fernando Costa Alberto Colaborador: Elmer Pablo Tito Cari LABORATÓRIO N 9: MAQUINA SÍNCRONA: (ângulo de carga,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Eletricidade Análise de Circuitos alimentados por fontes constantes Prof. Ilha Solteira,

Leia mais

Associação de resistores

Associação de resistores Associação de resistores É comum nos circuitos elétricos a existência de vários resistores, que encontram-se associados. Os objetivos de uma associação de resistores podem ser: a necessidade de dividir

Leia mais

ESTUDO DOS REQUISITOS ESSENCIAIS A ESPECIFICAÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA EM CONDIÇÕES NORMAIS DE OPERAÇÃO RODRIGO DA SILVA DELGADO

ESTUDO DOS REQUISITOS ESSENCIAIS A ESPECIFICAÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA EM CONDIÇÕES NORMAIS DE OPERAÇÃO RODRIGO DA SILVA DELGADO ESTUDO DOS REQUISITOS ESSENCIAIS A ESPECIFICAÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA EM CONDIÇÕES NORMAIS DE OPERAÇÃO RODRIGO DA SILVA DELGADO PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA

Leia mais

Circuitos Elétricos Capacitores e Indutores

Circuitos Elétricos Capacitores e Indutores Introdução Circuitos Elétricos e Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e indutores: elementos passivos, mas e indutores não dissipam energia

Leia mais

Leis de Kirchoff. a) 2, 2/3, 5/3 e 4. b) 7/3, 2/3, 5/3 e 4. c) 4, 4/3, 2/3 e 2. d) 2, 4/3, 7/3 e 5/3. e) 2, 2/3, 4/3 e 4.

Leis de Kirchoff. a) 2, 2/3, 5/3 e 4. b) 7/3, 2/3, 5/3 e 4. c) 4, 4/3, 2/3 e 2. d) 2, 4/3, 7/3 e 5/3. e) 2, 2/3, 4/3 e 4. Leis de Kirchoff 1. (Ita 2013) Considere o circuito elétrico mostrado na figura formado por quatro resistores de mesma resistência, R 10, e dois geradores ideais cujas respectivas forças eletromotrizes

Leia mais

Geradores. a) Complete a tabela abaixo com os valores da corrente I. V(V) R( ) I(A) 1,14 7,55 0,15 1,10 4,40 1,05 2,62 0,40 0,96 1,60 0,85 0,94 0,90

Geradores. a) Complete a tabela abaixo com os valores da corrente I. V(V) R( ) I(A) 1,14 7,55 0,15 1,10 4,40 1,05 2,62 0,40 0,96 1,60 0,85 0,94 0,90 Geradores 1. (Espcex (Aman) 2013) A pilha de uma lanterna possui uma força eletromotriz de 1,5 V e resistência interna de 0,05 Ω. O valor da tensão elétrica nos polos dessa pilha quando ela fornece uma

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas. E=0, 1 B=0, 2 E= B t, 3 E

Ondas Eletromagnéticas. E=0, 1 B=0, 2 E= B t, 3 E Ondas Eletromagnéticas. (a) Ondas Planas: - Tendo introduzido dinâmica no sistema, podemos nos perguntar se isto converte o campo eletromagnético de Maxwell em uma entidade com existência própria. Em outras

Leia mais

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO 3.1 Introdução. 3.1.1 Estator e Rotor. As máquinas elétricas girantes normalmente são constituídas por duas partes básicas: o estator e o rotor.

Leia mais

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Motor de Indução Geração do campo girante do estator Revisão Motor de Indução Velocidade de rotação do campo girante do estator

Leia mais

Capítulo 9 TRANSFORMADORES

Capítulo 9 TRANSFORMADORES Capítulo 9 TRANSFORMADORES Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos transformadores com base nas leis de Faraday e Lenz, mostra o papel dos transformadores em um sistema elétrico de corrente

Leia mais

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada ELETRICIDADE Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Associação de impedâncias As impedâncias

Leia mais

Lista de Exercícios Circuitos Trifásicos Equilibrados. Prof. Marcelo. Engenharia Elétrica IFG/Jataí

Lista de Exercícios Circuitos Trifásicos Equilibrados. Prof. Marcelo. Engenharia Elétrica IFG/Jataí Lista de Exercícios Circuitos Trifásicos Equilibrados Prof. Marcelo Engenharia Elétrica IFG/Jataí 8) Encontrar os parâmetros elétricos assinalados no circuito abaixo, e ilustrá-los através de um diagrama

Leia mais

LEIS DE KIRCHHOFF ANÁLISE DE REDES DC

LEIS DE KIRCHHOFF ANÁLISE DE REDES DC LEIS DE KIRCHHOFF ANÁLISE DE REDES DC 1. Análise de correntes nas malhas 2. Análise de tensão nodal 3. Superposição As Leis de Kirchhoff são assim denominadas em homenagem ao físico alemão Gustav Kirchhoff

Leia mais

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é:

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é: Questão 1: A tensão E no circuito abaixo vale: a) 0,5 V b) 1,0 V c) 2,0 V d) 5,0 V e) 10,0 V Questão 2: A resistência equivalente entre os pontos A e B na associação abaixo é de: a) 5 Ohms b) 10 Ohms c)

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 6: Máquina Síncrona em Barramento Infinito Objetivo: Verificar, experimentalmente, como é feita a ligação de um gerador síncrono no barramento infinito. Teoria: As necessidades de energia elétrica

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PATO BRANCO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO DE TECNOLOGIA EMMANUTENÇÃO INDUSTRIAL

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PATO BRANCO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO DE TECNOLOGIA EMMANUTENÇÃO INDUSTRIAL UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PATO BRANCO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO DE TECNOLOGIA EMMANUTENÇÃO INDUSTRIAL Paulo dos Santos CARACTERIZAÇÃO ELÉTRICA DE UM TRANSFORMADOR

Leia mais

Eletricidade Aplicada

Eletricidade Aplicada Eletricidade Aplicada Profa. Grace S. Deaecto Instituto de Ciência e Tecnologia / UNIFESP 12231-28, São J. dos Campos, SP, Brasil. grace.deaecto@unifesp.br Novembro, 212 Profa. Grace S. Deaecto Eletricidade

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais

Trabalho Prático Nº 6.

Trabalho Prático Nº 6. Trabalho Prático Nº 6. Título: Carga Predominantemente Resistiva, Carga Predominantemente Indutiva e Carga Resistiva e Indutiva em paralelo. Objetivo: Este trabalho prático teve como objetivo montar três

Leia mais

PARALELO DE TRANSFORMADORES TRIFÁSICOS

PARALELO DE TRANSFORMADORES TRIFÁSICOS PARALELO DE TRANSFORMADORES TRIFÁSICOS Quando temos por exemplo um transformador ligado a um barramento que alimenta um receptor de 50 KVA, se este receptor aumentar a procura de potência para 100KVA,

Leia mais

Proteção dos transformadores Parte I

Proteção dos transformadores Parte I 26 Capítulo IX Proteção dos transformadores Parte I Por Cláudio Mardegan* Normas e guias Para o desenvolvimento deste capítulo, proteção dos transformadores, as seguintes normas/guias foram consideradas:

Leia mais

Estabilidade Transitória

Estabilidade Transitória Estabilidade Transitória Revisão em janeiro 003. 1 Introdução A geração de energia elétrica dos sistemas de potência é constituída de máquinas síncronas. que operam com uma determinada freqüência. O sistema

Leia mais

Um capacitor não armazena apenas carga, mas também energia.

Um capacitor não armazena apenas carga, mas também energia. Capacitores e Dielétricos (continuação) Energia armazenada num capacitor Um capacitor não armazena apenas carga, mas também energia. A energia armazenada num capacitor é igual ao trabalho necessário para

Leia mais

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico Eletrodinâmica Circuito Elétrico Para entendermos o funcionamento dos aparelhos elétricos, é necessário investigar as cargas elétricas em movimento ordenado, que percorrem os circuitos elétricos. Eletrodinâmica

Leia mais

ANÁLISE DE CIRCUITOS RESISTIVO DC (03/12/2013)

ANÁLISE DE CIRCUITOS RESISTIVO DC (03/12/2013) Governo do Estado de Pernambuco Secretaria de Educação Secretaria Executiva de Educação Profissional Escola Técnica Estadual Professor Agamemnon Magalhães ETEPAM Aluno: Avaliação do Prof. (N5): ANÁLISE

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 DETERMINAÇÃO DA CORRENTE DE CURTO - CIRCUITO FASE TERRA NO MEIO INDUSTRIAL Felipe Miquelino¹; Edilberto Teixeira² 1 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG 2 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG fmiquelinof@gmail.com;

Leia mais

P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s

P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Análise de Sistemas Elétricos de Potência 1 5.3 Componentes Simétricas - Transformadores P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s E - m a i l : f l a v i o.

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila.

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Ex. 0) Resolver todos os exercícios do Capítulo 7 (Máquinas

Leia mais

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010 3 - Sistemas em Corrente Alternada Carlos Marcelo Pedroso 18 de março de 2010 1 Considerações sobre Potência e Energia A potência fornecida a uma carga à qual está aplicada um tensão instantânea u e por

Leia mais

Introdução. Aplicações

Introdução. Aplicações Motor de Passo Introdução Os motores de passo preenchem um nicho único no mundo dos motores controlados. Estes motores são usualmente empregados em aplicações de medição e de controle. Aplicações Aplicações

Leia mais

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos motores elétricos de corrente contínua, o papel do comutador, as características e relações

Leia mais

CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA - lista de exercícios sobre transformadores antonioflavio@ieee.org

CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA - lista de exercícios sobre transformadores antonioflavio@ieee.org 1ª. Questão Considere as seguintes impedâncias e tensões de um transformador cuja potência nominal é S N. Z AT : impedância de dispersão, referida à alta tensão, em ohms; Z BT : impedância de dispersão,

Leia mais

Pós-graduação 4. MODELAGEM DA CARGA. Modelagem da Carga. Análise de Redes Elétricas no Domínio da Freqüência LRC / UFMG

Pós-graduação 4. MODELAGEM DA CARGA. Modelagem da Carga. Análise de Redes Elétricas no Domínio da Freqüência LRC / UFMG Pós-graduação LRC / UFMG 4. MODELAGEM DA CARGA Modelagem da Carga 4.1. Considerações 4.2. Modelagens Modelo ZIP - Polinomial Análise de Redes Elétricas no Domínio da Freqüência Maria Helena Murta Vale

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE PROFESSOR ASSISTENTE 40 HORAS-DE ÁREA DO CONHECIMENTO: ELETROTÉCNICA

CONCURSO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE PROFESSOR ASSISTENTE 40 HORAS-DE ÁREA DO CONHECIMENTO: ELETROTÉCNICA CONCURSO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE PROFESSOR ASSISTENTE 40 HORAS-DE ÁREA DO CONHECIMENTO: ELETROTÉCNICA MATÉRIAS: ELETRICIDADE E MAGNETISMO, ELETROTÉCNICA, FUNDAMENTOS DE ELETRO-ELETRÔNICA ANEXO I PROGRAMA

Leia mais

Eletrotécnica. Comandos Elétricos

Eletrotécnica. Comandos Elétricos Eletrotécnica Comandos Elétricos Teoria e Aplicações Escola Técnica de Brasília - ETB Prof. Roberto Leal Ligação de Motores 1 Motor Elétrico Transformar energia elétrica em energia mecânica Motores de

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 9: Acionamento de Motores Assíncronos Trifásicos e Monofásicos Objetivo: Verificar alguns tipos de acionamento de motores elétricos de indução trifásicos e monofásicos. Teoria: Os motores elétricos,

Leia mais

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS Neste capítulo será apresentada uma prática ferramenta gráfica e matemática que permitirá e facilitará as operações algébricas necessárias à aplicação dos métodos

Leia mais