Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão"

Transcrição

1 Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes Djalma M. Falcão Redes Elétricas Inteligentes (REI) Smart Grid (SG) Um conceito É uma rede elétrica com elevada integração de tecnologia de informação, telecomunicações, sensoriamento/medição e automação, de forma a aumentar consideravelmente sua capacidade de atender cenários com fontes intermitentes e distribuídas de energia, altos requisitos de confiabilidade, baixo impacto no meio ambiente e compatível com os mercados de energia. Fonte: EPRI D.M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Slide 2 1

2 Impactos das REI Incluindo a Geração Distribuída (MIcro e Mini) Geração Centralizada Transmissão Distribuição Consumo Pequeno Moderado Grande Revolucionário D.M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Slide 3 Porque precisamos de REI? Melhoria da Confiabilidade Redução de Perdas Técnicas Comerciais Redução de Custos Operacionais Redução da Demanda Energia Ponta Fontes Intermitentes Geração Distribuída Minigeração Microgeração Veículos Elétricos Mercado Varejista REN 482/2012 Aneel D.M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Slide 4 2

3 O que as REI podem nos oferecer? Infraestrutura Avançada de Medição (AMI) Medidores Inteligentes Sistemas de Telecomunicação Processamento de grandes massas de dados (Big Data Management and Analytics) Sensores Automação da Rede de Distribuição Controle de Tensão e Fluxo de Reativos (VVO) Detecção e isolamento de faltas e restauração do fornecimento (FLISR): Selg Healing Controle e Estabilidade Tensão e Fluxo de Reativos Microrredes / Ilhamento Estabilidade Gerenciamento da Demanda Programas de Resposta da Demanda Tarifação Dinâmica Negociação no Varejo (Prosumidor) D.M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Slide 5 Geração Distribuída: Vantagens Aumento da capacidade do sistema elétrico sem aumento de sua infraestrutura (G+T+D) Redução de perdas Alívio de congestionamento do sistema de transmissão Melhoria da confiabilidade do fornecimento de energia Menor impacto ambiental (fontes renováveis) Podem ajudar a regulação de tensão D.M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Slide 6 3

4 Impactos na Rede Perfil de tensões Aumento das correntes de curto-circuito Qualidade da energia Proteção Estabilidade Ilhamento D.M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Slide 7 Controle de Tensão pu 1,10 Alterar modo de operação do regulador G 1,05 1,00 0,95 D.M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Slide 8 4

5 Controle Inteligente Centro de Supervisão e Controle Algoritmos de Controle de Tensão e Fluxo de Potência Reativa Ponto de medição (AMI ou dedicado) Ponto de ajuste ou chaveamento D.M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Slide 9 Ilhamento Ocorre quando parte da rede é desconectada da concessionária e a demanda local é atendida total ou parcialmente pela GD Ilhamento Não-intencional Riscos para equipamentos e equipes Prática atual: desligar GD tão rápido quanto possível Melhor solução Usar a GD para alimentar parte da demanda Exige recursos Sensores Comunicações Automação D.M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Slide 10 5

6 Microrredes Conceito É um sistema de energia limitado regionalmente, contituído por recursos energéticos distribuídos, consumidores e, opcionalmente, armazenamento Opera de forma autônoma, conectada ou não à concessionária Atua como um agente único perante a concessionária, agregando os recursos distribuídos Forma eficiente de comodar a geração distribuida (mini e micro) Características Buscadas Autonomia Estabilidade Compatibilidade Flexibilidade Escalabilidade Diferentes formatos e dimensões D.M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Slide 11 Pequeno Porte Grupo de residências, condomínios, edifícios, etc. Conexão em baixa tensão (220/127 V) Conectada à concessionária em MT Consumidor/produtor autônomo D.M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Slide 12 6

7 Microrrede em um Campus Universitário Agregam fontes de vários tipos para alimentar um conjunto de edifícios Capacidade na ordem de dezenas de MW Confiabilidade moderada a alta Em geral utilizada também como equipamento de pesquisa D.M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Slide 13 Microrredes Cooperativas ou da Concessionária Encapsulam uma parte da rede distribuição servindo a uma comunidade Podem ser privadas ou de propriedade da concessionária Agregam fontes de maior capacidade (PCHs, fazendas eólicas, etc.) Interagem diretamente com sistema de supervisão da concessionária D.M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Slide 14 7

8 Estudos de Integração Tipos de Estudo Interação entre as variações lenta da carga e da geração com relação ao perfil de tensão, perdas, etc. Penetração de harmônicos Estabilidade frente a perturbações nas fontes e desconexão do sistema de transmissão (ilhamento) Dinâmica rápida dos conversores Tipos de Ferramentas Grande flexibilidade para representar novos dispositivos Capacidade de tratar variações temporais em diferentes escalas de tempo Representação polifásica Representação geográfica da rede D.M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Slide 15 Simulight Tipos de Simulação Estática (fluxo de potência) Quase-Dinâmica (controles lentos) Dinâmica (estabilidade transitória) Representação trifásica, monofásica e mista Representação de subestações no nível de chaves, disjuntores e barramentos Simulação de múltiplas ilhas e microrredes Modelagem de relés e funções de proteção Representação de Geração Eólica, Fotovoltaica, PCH e PCT Representação gráfica georeferenciada dos alimentadores Versão acadêmica disponível em: D.M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Slide 16 8

9 Exemplo de Microrrede da Concessionária Região Sul do Estado do Rio de Janeiro Alimentador 25 kv 7.5 MW 48 km Atende municípios de Presidente Dutra Ataulfo de Paiva Getulandia Rio Claro Lídice PCH Rio do Braço Situada no município de Rio Claro Duas unidades de 6.6 MW cada D.M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Slide 17 Estudos de Ilhamento Interesse da empresa em atender demanda local com a PCH para melhorar índices de confiabilidade Ilhamentos Não-intencional (desligamento) Intencional (manutenção, redução da demanda) Religamento Estudos de Simulação Mostraram a viabilidade desde que introduzidos recursos mínimos de comunicação e automação Experimentos Testes de ilhamento realizados com sucesso ~ PCH 2 x 6.6 MW SIN Volta Redonda P. Dutra A. de Paiva Getulandia Rio Claro Lídice 25 kv 7.5 MW 48 km D.M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Slide 18 9

10 Projeto CPQd-Celpe Estudo do sistema elétrico da Ilha de Fernando de Noronha Condição atual Com a instalação de geração eólica e fotovoltaica Com recursos de Redes Elétricas Inteligentes (prova de conceito) Tipos de Estudo Regime Permanente (Fluxo de Potência) Dinâmica Eletromecânica (Estabilidade Transitória) Fenômenos Simulados Faltas Reconfiguração (recursos) Intermitência das fontes eólica e solar Recurso de automação e controle em ambiente de REI D.M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Slide 19 Sistema Elétrico de Fernando de Noronha 300kWp ou 400kWp 4,4 MW 4 unidades de 500kW ou 275kW 300kWp ou 400kWp 3 alimentadores 2,54 MW (pesada) 1.78 MW (média) 1,27 MW (leve) D.M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Slide 20 10

11 Obrigado Djalma M. Falcão COPPE/UFRJ Programa de Engenharia Elétrica Caixa Postal Rio de Janeiro RJ 11

Projeto Paraná Smart Grid. Integração com Cidades Inteligentes. Julio Shigeaki Omori

Projeto Paraná Smart Grid. Integração com Cidades Inteligentes. Julio Shigeaki Omori Projeto Paraná Smart Grid Integração com Cidades Inteligentes Julio Shigeaki Omori Agenda 1) Aspectos Introdutórios de Redes Inteligentes (Smart Grid) 2) Convergência Entre Redes e Cidades Inteligentes

Leia mais

Projeto Paraná Smart Grid Julio Shigeaki Omori

Projeto Paraná Smart Grid Julio Shigeaki Omori Projeto Paraná Smart Grid Julio Shigeaki Omori www.copel.com Agenda 1) Aspectos Introdutórios de Redes Inteligentes (Smart Grid) 2) Projeto Piloto Fazenda Rio Grande 3) Projeto Paraná Smart Grid Conceito

Leia mais

Processo de adesão ao sistema de compensação de energia (RN 482/12 e 687/15)

Processo de adesão ao sistema de compensação de energia (RN 482/12 e 687/15) Processo de adesão ao sistema de compensação de energia (RN 482/12 e 687/15) Agenda Cemig/Efficientia Histórico regulatório REN 687/15 Processo de adesão Status da GD no Brasil Status da GD em Minas Gerais

Leia mais

Geração Distribuída a Gás Natural em Santa Catarina. GT Geração Distribuída

Geração Distribuída a Gás Natural em Santa Catarina. GT Geração Distribuída Geração Distribuída a Gás Natural em Santa Catarina GT Geração Distribuída Florianópolis, 22 de maio de 2017 Sumário 1. Infraestrutura de Distribuição de Gás Natural; 2. Tarifas Aplicadas para Geração

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA. Iniciativas CEMIG

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA. Iniciativas CEMIG GERAÇÃO DISTRIBUÍDA Iniciativas CEMIG Sumário Geração Distribuída Resolução ANEEL 482/2012 Projetos CEMIG Sistemas isolados Sistemas conectados a rede Mineirão Usina Settesolar Arena do Jacaré Panorama

Leia mais

Álvaro Dias Júnior. 20 de Outubro de 2015, Foz do Iguaçu

Álvaro Dias Júnior. 20 de Outubro de 2015, Foz do Iguaçu Álvaro Dias Júnior 20 de Outubro de 2015, Foz do Iguaçu Cenário Econômico Brasileiro A importância do Brasil tanto na área econômica quanto política, tem aumentado nos últimos anos, apesar de um crescimento

Leia mais

Medium voltage products UniSec HBC Quadro de média tensão isolado a ar para a distribuição secundária

Medium voltage products UniSec HBC Quadro de média tensão isolado a ar para a distribuição secundária Medium voltage products UniSec HBC Quadro de média tensão isolado a ar para a distribuição secundária Quadro de média tensão isolado a ar para a distribuição secundária UniSec, o quadro de MT isolado a

Leia mais

Agradecimentos. Este trabalho foi desenvolvido no âmbito do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica

Agradecimentos. Este trabalho foi desenvolvido no âmbito do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica Agradecimentos Este trabalho foi desenvolvido no âmbito do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica regulado pela ANEEL Entidade proponente: AES Eletropaulo Gerente

Leia mais

Visão de futuro dos sistemas informatizados nas grandes empresas distribuidoras de energia

Visão de futuro dos sistemas informatizados nas grandes empresas distribuidoras de energia Soluções Tecnológicas S.A. Visão de futuro dos sistemas informatizados nas grandes empresas distribuidoras de energia Belo Horizonte, 14 de julho de 2017 Visão de futuro dos sistemas nas grandes empresas

Leia mais

Inserção de Novas Fontes Renováveis e Redes. da Operação

Inserção de Novas Fontes Renováveis e Redes. da Operação Inserção de Novas Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento da Operação Roberto Fontoura Gerente Executivo ONS Rio, 5.09.2012 1 Conteúdo Perspectiva de Novas Fontes Renováveis no Mundo Perspectiva

Leia mais

Otimize suas operações com Soluções Inteligentes em Eficiência Energética. São Paulo, 28 de outubro de 2016

Otimize suas operações com Soluções Inteligentes em Eficiência Energética. São Paulo, 28 de outubro de 2016 Otimize suas operações com Soluções Inteligentes em Eficiência Energética São Paulo, 28 de outubro de 2016 Combinamos os recursos de nossa organização global com as oportunidades de um mundo novo, aberto

Leia mais

14º Encontro Internacional de Energia. Aplicação de Smart Grid na Geração Distribuída

14º Encontro Internacional de Energia. Aplicação de Smart Grid na Geração Distribuída 14º Encontro Internacional de Energia Aplicação de Smart Grid na Geração Distribuída Paulo Ricardo Bombassaro Diretor de Engenharia das Distribuidoras CPFL Agosto/2013 CPFL Energia CPFL Energia 2012. Todos

Leia mais

ENERGIA EÓLICA NO BRASIL

ENERGIA EÓLICA NO BRASIL ENERGIA EÓLICA NO BRASIL MICROGERAÇÃO DISTRIBUIDA Eng. Mec. Egberto Rodrigues Neves SÃO PAULO MAIO 2016 Energia Eólica A Geração eólica : destaque na mídia. Grande porte ou grandes empreendimentos: Parques

Leia mais

Nova Era. Nova Energia. 6/Apr/2017

Nova Era. Nova Energia. 6/Apr/2017 Nova Era. Nova Energia. 6/Apr/2017 1 Quem Somos Uma organização global que integra a disponibilidade de recursos com as oportunidades de um mundo novo, aberto e conectado. Unimos forças e parcerias para

Leia mais

Consumo, geração e a modernização do sistema elétrico

Consumo, geração e a modernização do sistema elétrico Consumo, geração e a modernização do sistema elétrico Eletrônica de Potência para Redes Ativas de Distribuição Marcelo Lobo Heldwein, Dr. Sc. Cenário da economia (Brasil) EPE, Plano

Leia mais

A Inserção e Regulamentação da Minigeração AES Eletropaulo

A Inserção e Regulamentação da Minigeração AES Eletropaulo A Inserção e Regulamentação da Minigeração AES Eletropaulo 14º encontro de Energia Matriz Segura e Competitiva Fiesp - 05/08/13 Otavio Luiz Rennó Grilo Agenda Geração Distribuída - Sistema Alta Tensão

Leia mais

INSERÇÃO DE NOVAS FONTES RENOVÁVEIS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO

INSERÇÃO DE NOVAS FONTES RENOVÁVEIS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO INSERÇÃO DE NOVAS FONTES RENOVÁVEIS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO Mecanismos de promoção das fontes renováveis RIO DE JANEIRO, 30/04/2014 COPPE/UFRJ 1 Mecanismos de promoção de renováveis TARIFA

Leia mais

Telecomunicações: transferência de dados.

Telecomunicações: transferência de dados. CEMIG Um dos maiores e mais sólidos grupos de energia elétrica do Brasil e América Latina, que completa 63 anos em 2015. Principais Atividades Energia: geração, transmissão, distribuição, comercialização

Leia mais

IV SBSE Mesa Redonda 2

IV SBSE Mesa Redonda 2 IV SBSE Mesa Redonda 2 A Inserção de Fontes Eólicas de Geração Distribuída e os Desafios Impostos á Engenharia quanto à operação e Qualidade da Energia Elétrica Dalton O. C. Brasil ONS Goiânia, 17.05.2012

Leia mais

TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA TDE. Aula 4 Subestações

TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA TDE. Aula 4 Subestações TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA TDE Aula 4 Subestações Definição de Subestação (SE) Uma subestação é o conjunto de máquinas, aparelhos e circuitos cuja finalidade é controlar os níveis de tensão

Leia mais

Landis+Gyr Equipamentos de Medição Ltda. METERING

Landis+Gyr Equipamentos de Medição Ltda. METERING Landis+Gyr Equipamentos de Medição Ltda. METERING CENTRAL AMERICA & CARIBBEAN Smart Metering / Smart Grid Novas Tecnologias Novos Processos Medellin Colombia April 27-29, 2009 Medição Eletrônica Sem ela

Leia mais

Smart City / Safe City. Ernesto E. Fujita

Smart City / Safe City. Ernesto E. Fujita Smart City / Safe City Ernesto E. Fujita Por que discutir esse tema? Tragédias anunciadas... Como nós estamos nesse quesito? Um indicativo... THE SAFE CITIES INDEX 2015 Assessing urban security in the

Leia mais

Avaliação da Estabilidade de Sistemas de Distribuição Considerando a Presença de Elevada Penetração de Geração Distribuída

Avaliação da Estabilidade de Sistemas de Distribuição Considerando a Presença de Elevada Penetração de Geração Distribuída Avaliação da Estabilidade de Sistemas de Distribuição Considerando a Presença de Elevada Penetração de Geração Distribuída Alisson Guedes Chagas e Antônio Carlos Zambroni de Souza Cemig Distribuição S.A.

Leia mais

Inserção de Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento da Expansão

Inserção de Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento da Expansão Ministério de Minas e Energia Inserção de Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento Energético Nacional Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento da Expansão Pedro A. M-S. David

Leia mais

Sistemas de Potência e Energia

Sistemas de Potência e Energia UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Sistemas de Potência e Energia Departamento de Energia Elétrica Faculdade de Engenharia UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA E-mail: jopass@ieee.org Juiz de Fora, 30

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº

COMUNICADO TÉCNICO Nº Página 1 / 14 COMUNICADO TÉCNICO Nº 08-2013 CRITÉRIOS DE ACESSO EM MÉDIA TENSÃO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO SA PARA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDAS ADERENTES AO REGIME DE COMPENSAÇÃO 1. OBJETIVO Esse

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.021 PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA - SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais

Entidade de Classe representativa do complexo elétrico e eletrônico do Brasil

Entidade de Classe representativa do complexo elétrico e eletrônico do Brasil Smart Grid Rede Inteligente Visão Abinee www.abinee.org.br 10 junho 2010 Entidade de Classe representativa do complexo elétrico e eletrônico do Brasil Fundada em setembro de 1963 Entidade privada sem fins

Leia mais

Configurações e modos de operação dos inversores híbridos e seus requisitos técnicos para operação on-grid e off-grid

Configurações e modos de operação dos inversores híbridos e seus requisitos técnicos para operação on-grid e off-grid Configurações e modos de operação dos inversores híbridos e seus requisitos técnicos para operação on-grid e off-grid Prof. Me. Lucas Vizzotto Bellinaso lucas@gepoc.ufsm.br Prof. Dr. Leandro Michels michels@gepoc.ufsm.br

Leia mais

TE061 Introdução aos Sistemas de Energia Elétrica

TE061 Introdução aos Sistemas de Energia Elétrica TE061 Introdução aos Sistemas de Energia Elétrica Sistema de Energia Elétrica: conjunto de equipamentos (geradores, transformadores, LT, disjuntores, relés, medidores...) que operam em conjunto e de maneira

Leia mais

Instalações Elétricas de Sistemas Fotovoltaicos

Instalações Elétricas de Sistemas Fotovoltaicos Centro de Pesquisas de Energia Elétrica Instalações Elétricas de Sistemas Fotovoltaicos 22/set/15 Workshop USP/Abinee - A qualificação profissional e formação de mão de obra para atendimento da demanda

Leia mais

ANTONIO ROBERTO DONADON

ANTONIO ROBERTO DONADON PAINEL 9 GERAÇÃO PRÓPRIA E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS SISTEMAS METROFERROVIARIOS ANTONIO ROBERTO DONADON ANALISTA DE INOVAÇÃO CPFL PIRATININGA 20ª Semana de Tecnologia Metroferroviária P&D Usina Solar Tanquinho

Leia mais

A busca do equilíbrio financeiro no segmento da distribuição

A busca do equilíbrio financeiro no segmento da distribuição A busca do equilíbrio financeiro no segmento da distribuição III Seminário Internacional Desafios da Regulação no Setor Elétrico Coimbra, 15 de novembro de 2016 GRUPO ENERGISA Visão Geral GRUPO ENERGISA

Leia mais

Matriz Elétrica Brasileira e

Matriz Elétrica Brasileira e Matriz Elétrica Brasileira e as REI s 3 0 Seminário Inserção de Novas Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento Energético Nacional Rio de Janeiro, 20 de Setembro de 2016 Jeferson Borghetti

Leia mais

Gestão de Energia pelo Lado da Demanda

Gestão de Energia pelo Lado da Demanda Gestão de Energia pelo Lado da Demanda A participação do Consumo na Gestão Energética Encontro Nacional dos Conselhos de Consumidores Vitória, 27 de novembro de 2015 Marco Antonio Siqueira Necessária maior

Leia mais

Eng.. JOSIAS MATOS DE ARAUJO Diretor-Presidente da Eletrobras Eletronorte 26 de novembro de 2013

Eng.. JOSIAS MATOS DE ARAUJO Diretor-Presidente da Eletrobras Eletronorte 26 de novembro de 2013 1 Eng.. JOSIAS MATOS DE ARAUJO Diretor-Presidente da Eletrobras Eletronorte 26 de novembro de 2013 2 O Sistema Elétrico Brasileiro em Números Geração Instalada: 124.873 MW Linhas de Transmissão: 115.964

Leia mais

XXIII SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS - GPT

XXIII SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS - GPT XXIII SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA FI/GPT/24 18 a 21 de Outubro de 2015 Foz do Iguaçu - PR GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS

Leia mais

Padrão de Dados para Redes de Distribuição de Energia Elétrica

Padrão de Dados para Redes de Distribuição de Energia Elétrica Laboratório de Planejamento de Sistemas de Energia Elétrica Comissão de Padronização Padrão de Dados para Redes de Distribuição de Energia Elétrica Ilha Solteira, Janeiro de 2011 TR Dados da Linha (Código

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE CIÊNCIA, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE SÃO PAULO Faculdade de Tecnologia PLANO DE PESQUISA

INSTITUTO FEDERAL DE CIÊNCIA, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE SÃO PAULO Faculdade de Tecnologia PLANO DE PESQUISA INSTITUTO FEDERAL DE CIÊNCIA, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE SÃO PAULO Faculdade de Tecnologia PLANO DE PESQUISA ALUNOS: Jeniffer Silva de Vito Angelo Ribeiro Biagioni Lucia Helena Pereira

Leia mais

PD&I e o SETOR ELÉTRICO Vale a pena Investir?

PD&I e o SETOR ELÉTRICO Vale a pena Investir? PD&I e o SETOR ELÉTRICO Vale a pena Investir? José Mario Moraes e Silva jose.silva@lactec.org.br NATUREZA JURÍDICA ASSOCIAÇÃO CIVIL, DE DIREITO PRIVADO, ATUAÇÃO DE 55 ANOS NO MERCADO, AUTOSSUSTENTÁVEL,

Leia mais

CONCESSIONÁRIAS DE ENERGIA APLICAÇÕES

CONCESSIONÁRIAS DE ENERGIA APLICAÇÕES CONCESSIONÁRIAS DE ENERGIA APLICAÇÕES CONTEÚDO 03 VISÃO GERAL TECNOLOGIA: COMUNICADOR MANUTENÇÃO MONITORAMENTO 04 ROTEADOR 10 PREDITIVA 11 DE VARIÁVEIS 12 EMS - ENERGY MANAGEMENT SYSTEMS 02 VISÃO GERAL

Leia mais

Fabio Andrey Salles PRAEX TECHNOLOGY LTDA Thiago de Farias Pullig Ampla Energia e Serviços S/A

Fabio Andrey Salles PRAEX TECHNOLOGY LTDA Thiago de Farias Pullig Ampla Energia e Serviços S/A XXI Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2014-08 a 13 de novembro Santos - SP - Brasil Fabio Andrey Salles PRAEX TECHNOLOGY LTDA fabio.salles@praex.com.br Thiago de Farias Pullig

Leia mais

8 de agosto de Ricardo Lima Conselheiro de Administração - CCEE. Estrutura tarifária "ponta/fora da ponta Perspectiva dos atores

8 de agosto de Ricardo Lima Conselheiro de Administração - CCEE. Estrutura tarifária ponta/fora da ponta Perspectiva dos atores Estrutura tarifária "ponta/fora da ponta Perspectiva dos atores Seminário Autoprodução de Energia Elétrica na Ponta Impactos e Perspectivas 8 de agosto de 2012 Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Leia mais

CONEXÃO DE UMA MICRORREDE À REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA: UM ESTUDO DE CASO

CONEXÃO DE UMA MICRORREDE À REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA: UM ESTUDO DE CASO CONEXÃO DE UMA MICRORREDE À REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA: UM ESTUDO DE CASO FLÁVIO L. DA SILVA, JUSSARA F. FARDIN E JOOST P. REY Laboratório de Eletrônica de Potência e Acionamento Elétricos,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DO PRIMEIRO SISTEMA FOTOVOLTAICO CONECTADO À REDE ELÉTRICA E INTEGRADO À EDIFICAÇÃO DA AMAZÔNIA BRASILEIRA

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DO PRIMEIRO SISTEMA FOTOVOLTAICO CONECTADO À REDE ELÉTRICA E INTEGRADO À EDIFICAÇÃO DA AMAZÔNIA BRASILEIRA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DO PRIMEIRO SISTEMA FOTOVOLTAICO CONECTADO À REDE ELÉTRICA E INTEGRADO À EDIFICAÇÃO DA AMAZÔNIA BRASILEIRA Eng. Gilberto Figueiredo Dr. Wilson Macêdo Eng. Alex Manito

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER, OU DOCUMENTO EQUIVALENTE, SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

Élio Vicentni AES Eletropaulo Metropolitana - Eletr. de São Paulo S.A.

Élio Vicentni AES Eletropaulo Metropolitana - Eletr. de São Paulo S.A. XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil Élio Vicentni AES Eletropaulo Metropolitana - Eletr. de São Paulo S.A. elio.vicentini@aes.com

Leia mais

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Aula 03 Padrão de entrada. Ramal de ligação, poste particular e pontalete. Quadro de medição. Quadro de distribuição. Prof. Dra. Giovana Tripoloni

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 atualizado em 1/03/2016

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 atualizado em 1/03/2016 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 atualizado em 1/03/2016 Este documento tem caráter apenas orientativo e não tem força normativa. 1 O que é o Sistema de Compensação

Leia mais

Ezequiel Campos Pereira CEMIG Distribuição S.A. Arino Sulita Barbosa CEMIG Distribuição S.A.

Ezequiel Campos Pereira CEMIG Distribuição S.A. Arino Sulita Barbosa CEMIG Distribuição S.A. XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil Ezequiel Campos Pereira CEMIG Distribuição S.A. ezequiel.pereira@cemig.com.br Arino Sulita

Leia mais

Programas de P&D A experiência da Neoenergia. Fevereiro de 2017

Programas de P&D A experiência da Neoenergia. Fevereiro de 2017 Programas de P&D A experiência da Neoenergia Fevereiro de 2017 Índice O Grupo Neoenergia Inovação no Grupo Neoenergia O Programa de P&D da Neoenergia o o o Referências Temas Estratégicos Projetos de P&D

Leia mais

Mauricio Cruz Lopes. Critérios de Sustentabilidade do Projeto Ilha Pura - Vila dos Atletas

Mauricio Cruz Lopes. Critérios de Sustentabilidade do Projeto Ilha Pura - Vila dos Atletas Mauricio Cruz Lopes Critérios de Sustentabilidade do Projeto Ilha Pura - Vila dos Atletas Impacto da Construção Civil 20 a 30% de produção de gases de Efeito Estufa 12 a 16% de consumo de água 30% a 40%

Leia mais

Retificadores Tiristorizados Linha CF

Retificadores Tiristorizados Linha CF Retificadores Tiristorizados Linha CF Conceituada como fabricante de Retificadores Chaveados para Telecomunicações com certificados pela ANATEL a mais de 50 anos, a PROTECO traz ao mercado uma nova linha

Leia mais

Cidade Inteligente Búzios

Cidade Inteligente Búzios smartcities Cidade Inteligente Búzios Setembro de 2012 Agenda: 1. Grupo Enel 2. O projeto Cidade Inteligente 3. Avanços até o momento 4. Convênios com Universidades Nosso Grupo: 5ª maior empresa elétrica

Leia mais

Rede Mesh - Solução de comunicação para ambiente de smart grid

Rede Mesh - Solução de comunicação para ambiente de smart grid - Solução de comunicação para ambiente de smart grid 1 O que? meio de comunicação; Para que? medição, supervisão, monitoração, sensoriamento, comando, automação, controle, etc; Utilizar onde? redes de

Leia mais

Requisitos das concessionárias de energia para a conexão de GMG Sistema de Transferência Automática

Requisitos das concessionárias de energia para a conexão de GMG Sistema de Transferência Automática Requisitos das concessionárias de energia para a conexão de GMG Sistema de Transferência Automática Marcio Eli M Souza Eng. Tecnologia e Normalização 19/11/2015 Sumário Institucional Grupos Geradores Tipos

Leia mais

Revisão. Eficiência Energética:

Revisão. Eficiência Energética: Revisão Eficiência Energética: o Demanda crescente por energia o Recursos energéticos com duração finita o Desenvolvimento sem degradação ambiental Incentivos no Brasil o PROCEL o PEE Programa de Eficiência

Leia mais

Laboratório de Redes Elétricas Inteligentes na USP. Prof. Nelson Kagan

Laboratório de Redes Elétricas Inteligentes na USP. Prof. Nelson Kagan Laboratório de Redes Elétricas Inteligentes na USP Prof. Nelson Kagan 1 2 Tópicos Conceitos Gerais de Redes Elétricas Inteligentes Visão das Redes Elétricas Inteligentes e descrição de algumas funcionalidades

Leia mais

Jornadas Electrotécnicas ISEP. Equipamentos de Média M Tensão para Parques EólicosE

Jornadas Electrotécnicas ISEP. Equipamentos de Média M Tensão para Parques EólicosE Jornadas Electrotécnicas 2006 - ISEP Equipamentos de Média M e Alta Tensão para Parques EólicosE Jornadas Electrotécnicas 2006 - ISEP MW 50.000 45.000 40.000 35.000 30.000 25.000 20.000 15.000 10.000 5.000

Leia mais

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE. Fluxos de Potência entre dois Barramentos

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE. Fluxos de Potência entre dois Barramentos LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE Fluxos de Potência entre dois Barramentos Tópicos da Aula (parte 1) Modelos de Linhas de Transmissão Linhas Curtas: Fluxos da LT sem perdas ativas Diagrama Fasorial

Leia mais

High Voltage Substations. Artur Morais Março Ligue-se à Siemens Angola

High Voltage Substations. Artur Morais Março Ligue-se à Siemens Angola High Voltage Substations Foco Mercado Utilities Transporte e Distribuição Energia; Produção Energia (térmica, hidroeléctrica, eólica, fotovoltaica, etc) Indústria Oil and Gas; Pasta e Papel; Cimentos;

Leia mais

Planejamento nacional e Integração elétrica regional. Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica

Planejamento nacional e Integração elétrica regional. Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica Planejamento nacional e Integração elétrica regional Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica Foz do Iguaçu, Brasil 27 de novembro de 2015 Planejamento nacional e Integração elétrica regional

Leia mais

16 a 20 de maio de 2016 Inscrições abertas Vagas limitadas

16 a 20 de maio de 2016 Inscrições abertas Vagas limitadas 16 a 20 de maio de 2016 Inscrições abertas Vagas limitadas 9h 16/05 Abertura Boas-vindas Carlos Ribeiro, presidente do Conselho de Administração da ABCE 9:15 16/05 (manhã) Instrutor: Carlos Ribeiro Módulo

Leia mais

>>>Normas Técnicas Fotovoltaico >>>Processo Conexão à Rede >>>Requisitos Técnicos para Conexão >>>Redes Elétricas

>>>Normas Técnicas Fotovoltaico >>>Processo Conexão à Rede >>>Requisitos Técnicos para Conexão >>>Redes Elétricas 1 ormas & Redes Objetivos >>>ormas Técnicas Fotovoltaico >>>Processo Conexão à Rede >>>Requisitos Técnicos para Conexão >>>Redes Elétricas Fronius International GmbH / first name last name / Titel of presentation

Leia mais

Smart Grids A Visão da Copel

Smart Grids A Visão da Copel Smart Grids A Visão da Copel Agenda Sobre a Copel Smart Grids As Iniciativas da Copel Oportunidades Conclusões COPEL Distribuição Holding Comercializadora Renováveis Telecomunicações Geração e Transmissão

Leia mais

Aula 08 Retificadores controlados

Aula 08 Retificadores controlados Aula 08 Retificadores controlados Prof. Heverton Augusto Pereira Universidade Federal de Viçosa - UFV Departamento de Engenharia Elétrica - DEL Gerência de Especialistas em Sistemas Elétricos de Potência

Leia mais

Inovação Tecnológica no Setor de Energia Elétrica

Inovação Tecnológica no Setor de Energia Elétrica Inovação Tecnológica no Setor de Energia Elétrica Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE Máximo Luiz Pompermayer Superintendente

Leia mais

CUSTOS E TARIFAS DE TRANSMISSÃO

CUSTOS E TARIFAS DE TRANSMISSÃO CUSTOS E TARIFAS DE TRANSMISSÃO Mario Veiga mario@psr-inc.com Fórum APINE-Canal Energia 20/11/2006 Objetivos do modelo setorial Segurança de suprimento Modicidade tarifária 2 Estratégia do novo modelo

Leia mais

Energia Eólica no Saneamento

Energia Eólica no Saneamento Energia Eólica no Saneamento Pedro Alvim de Azevedo Santos, Eng. M.Sc. Professor Engenharia Mecânica Centro Universitário Católica de Santa Catarina pedro.santos@catolicasc.org.br Jaraguá do Sul, 18 de

Leia mais

A u l a 0 3 : R e p r e s e n t a ç ã o d o S i s t e m a E l é t r i c o d e P o t ê n c i a

A u l a 0 3 : R e p r e s e n t a ç ã o d o S i s t e m a E l é t r i c o d e P o t ê n c i a Análise de Sistemas Elétricos de Potência 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA A u l a 0 3 : R e p r e s e n t a ç ã o d o S i s t e m a E l é t r i c o d e P o t ê n c i a 1. Visão Geral do Sistema

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA

AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA 1 Introdução/recordação Sistemas de Potência Os sistemas de potência são divididos em três zonas funcionais para fins de planejamento, operação e análise: geração,

Leia mais

Relações com Investidores

Relações com Investidores 1 Copel Day August 23, 2010 Ronald Thadeu Ravedutti CEO 2 Agenda Economia Paranaense Estrutura Corporativa Destaques Financeiros Geração Transmissão Distribuição Telecom Sustentabilidade Corporativa Pontos

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO 2. CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS 1. APRESENTAÇÃO

1. APRESENTAÇÃO 2. CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS 1. APRESENTAÇÃO smart CCM 1. APRESENTAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO Os Centros de Controle de Motores de Baixa Tensão, modelo smart CCM são unidades modulares padronizadas, desenvolvidas em conformidade com a norma IEC 61439, garantindo

Leia mais

GABRIEL ANTONIO FANELLI DE SOUZA APLICAÇÃO DO CONCEITO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA A UM SISTEMA FOTOVOLTAICO RESIDENCIAL

GABRIEL ANTONIO FANELLI DE SOUZA APLICAÇÃO DO CONCEITO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA A UM SISTEMA FOTOVOLTAICO RESIDENCIAL UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus de Guaratinguetá GABRIEL ANTONIO FANELLI DE SOUZA APLICAÇÃO DO CONCEITO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA A UM SISTEMA FOTOVOLTAICO RESIDENCIAL Guaratinguetá

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÕES E PLANEJAMENTO

DIRETORIA DE OPERAÇÕES E PLANEJAMENTO NT- 6.012 Requisitos Mínimos para Interligação de Microgeração e Minigeração Distribuída com a Rede de Distribuição da AES Eletropaulo com Paralelismo Permanente Através do Uso de Inversores - Consumidores

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Integração de Parques Eólicos na Rede Elétrica do Brasil

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Integração de Parques Eólicos na Rede Elétrica do Brasil XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Integração de Parques Eólicos na Rede Elétrica do Brasil Gustavo de Almeida Siqueira

Leia mais

EDP Investor Day. 5 Anos de IPO EDP no Brasil

EDP Investor Day. 5 Anos de IPO EDP no Brasil EDP Investor Day 5 Anos de IPO EDP no Brasil Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Presidente Executivo Encontro Nacional do Setor Elétrico ENASE 2017 Rio de Janeiro (RJ) 18/05/2017 Focos Principais Representar

Leia mais

Título do Documento: Tipo: FECO-NT-01/14. Alterações FECO-D-04 e Compartilhamento de Infra-Estrutura. Nota Técnica

Título do Documento: Tipo: FECO-NT-01/14. Alterações FECO-D-04 e Compartilhamento de Infra-Estrutura. Nota Técnica Título do Documento: Alterações FECO-D-04 e Tipo: FECO-NT-01/14 Nota Técnica Alterações FECO-D-04 e Compartilhamento de Infra-Estrutura NOTA TÉCNICA FECO-NT-01/2014 1 - Alteração da Norma Técnica FECO-D-04,

Leia mais

Sensor transmissor sensor do valor de medição Construção

Sensor transmissor sensor do valor de medição Construção Sensor transmissor sensor do valor de medição Construção GEMÜ 12 Sensor transmissor com contato Reed (alternador) biestável instalado. GEMÜ 1251-1257 Sensor transmissor com contato Reed (NA) biestável

Leia mais

Renato Alvarenga Diretor de Comercialização e Logística Cam Brasil

Renato Alvarenga Diretor de Comercialização e Logística Cam Brasil Renato Alvarenga Diretor de Comercialização e Logística Cam Brasil 19 a 21 de outubro de 2009 Hotel Transamérica São Paulo BRASIL Agenda Introdução sobre veículos elétricos Desafios para a adoção em massa

Leia mais

MICRORREDES ELÉTRICAS E ARMAZENAMENTO DE ENERGIA

MICRORREDES ELÉTRICAS E ARMAZENAMENTO DE ENERGIA PPE/COPPE/UFRJ 3º Seminário de Inserção de Novas Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento Energético Nacional 20 e 21 de Setembro de 2016 MICRORREDES ELÉTRICAS E ARMAZENAMENTO DE ENERGIA

Leia mais

Soluções integradas para geração de energia

Soluções integradas para geração de energia Soluções integradas para geração de energia Reguladores de velocidade para turbinas, proteção elétrica, sistemas de excitação, sincronismo, automação e controle para centrais de geração de energia. Fundada

Leia mais

Apresentação de Itaipu e Furnas. Wilson Komatsu Abril de 2017

Apresentação de Itaipu e Furnas. Wilson Komatsu Abril de 2017 Apresentação de Itaipu e Furnas Wilson Komatsu Abril de 2017 Organização da Apresentação Introdução Itaipu Barragem Geração Furnas Transmissão CA Transmissão CC Observação: dados e imagens desta apresentação

Leia mais

Quedas de Tensão em Redes de Distribuição de Energia Elétrica. Prof. Origa

Quedas de Tensão em Redes de Distribuição de Energia Elétrica. Prof. Origa Quedas de Tensão em Redes de Distribuição de Energia Elétrica Prof. Origa Conteúdo Regulação de Tensão ( Regime Permanente ) Causas e Efeitos Causas:? Crescimento da carga Aumento da queda de tensão Efeitos:

Leia mais

4. CATEGORIA DO ESQUEMA - Alívio de Cargas. 6. DESCRIÇÃO DA LÓGICA DE FUNCIONAMENTO:

4. CATEGORIA DO ESQUEMA - Alívio de Cargas. 6. DESCRIÇÃO DA LÓGICA DE FUNCIONAMENTO: 1. ECE Nº 5.34.01 2. Esquema de Corte de Carga por sobrecarga nos Transformadores 230/69 kv 2X100MVA da SE Pici II. 3. EMPRESA RESPONSÁVEL. 4. CATEGORIA DO ESQUEMA - Alívio de Cargas. 5. FINALIDADE: Para

Leia mais

Perspectivas de Difusão de Recursos Energéticos Distribuídos (REDs) Workshop ERSE Lisboa, 11 novembro de 2016

Perspectivas de Difusão de Recursos Energéticos Distribuídos (REDs) Workshop ERSE Lisboa, 11 novembro de 2016 Perspectivas de Difusão de Recursos Energéticos Distribuídos (REDs) Workshop ERSE Lisboa, 11 novembro de 2016 Índice. 01 O Grupo Energisa e o setor de distribuição 02 Recursos Energéticos Distribuídos

Leia mais

Chave Seccionadora Abertura Sob Carga Isolada em SF6. Power Quality

Chave Seccionadora Abertura Sob Carga Isolada em SF6. Power Quality Chave Seccionadora Abertura Sob Carga Isolada em SF6 Power Quality Introdução As chaves de abertura sob carga isoladas em SF6, modelo JK-Arteche foram projetadas para atender as crescente exigências do

Leia mais

Permanente Programável Rotina Computacional

Permanente Programável Rotina Computacional Número do SEP 1.13.01 Categoria do esquema Alívio de carga. Empresa responsável CPFL Status Habilitado Nome Emissão: 06/07/2004 Esquemas de Alívio de Carregamento da Transformação 345/138 kv 5x150 MVA

Leia mais

Avanços na Qualidade da Energia e a Metodologia de Previsão de Grandezas Elétricas - MHPGE

Avanços na Qualidade da Energia e a Metodologia de Previsão de Grandezas Elétricas - MHPGE Avanços na Qualidade da Energia e a Metodologia de Previsão de Grandezas Elétricas - MHPGE Enoque Dutra Garcia FSM / CERTAJA Taquari/RS, Brasil enoquedg@gmail.com Luciane Neves Canha FSM Santa Maria/RS,

Leia mais

edp distribuição em números

edp distribuição em números edp distribuição em números a better energy, a better future, a better world CLIENTES E CONSUMOS EDP DISTRIBUIÇÂO 46 508 GWh 6 137 7,6 MWh/Clientes Porto 10 480 GWh 1 107 9,5 MWh/Clientes Lisboa 12 863

Leia mais

Redução de custo energético. Eficiência técnica e econômica. Energia limpa e soluções customizadas

Redução de custo energético. Eficiência técnica e econômica. Energia limpa e soluções customizadas Redução de custo energético Eficiência técnica e econômica Energia limpa e soluções customizadas NOSSA EMPRESA A Trader Energia atua em todo o Brasil comercializando energia elétrica, desenvolvendo projetos

Leia mais

ABINEE TEC Automação. Acionamentos de Motores de Média Tensão, com Transistores de Alta Tensão - Uma Nova Tecnologia.

ABINEE TEC Automação. Acionamentos de Motores de Média Tensão, com Transistores de Alta Tensão - Uma Nova Tecnologia. Automação Acionamentos de Motores de Média Tensão, com Transistores de Alta Tensão - Uma Nova Tecnologia Norton Petry Gerente de Desenvolvimento WEG Automação Ltda. 1 Quem somos Genuinamente BRASILEIRA

Leia mais

Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais

Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais 6º Painel - Direito da Concorrência e a Regulação Setorial harmonização e discordâncias Visão da Comercialização de Energia

Leia mais

Electricity price increase and effects on metering O aumento no preço da energia elétrica e os efeitos na medição Fabio Cavaliere de Souza

Electricity price increase and effects on metering O aumento no preço da energia elétrica e os efeitos na medição Fabio Cavaliere de Souza Electricity price increase and effects on metering O aumento no preço da energia elétrica e os efeitos na medição Fabio Cavaliere de Souza O aumento no preço o da energia elétrica e os efeitos na medição

Leia mais

Demanda tempo real Produção de fontes intermitentes. Realidade: penetração de energia eólica e solar é uma realidade no mundo todo

Demanda tempo real Produção de fontes intermitentes. Realidade: penetração de energia eólica e solar é uma realidade no mundo todo SMART-SEN: Um Modelo de Simulação do Sistema Elétrico Nacional com Presença de Geração de Renováveis Intermitentes: Impactos Operacionais, Regulatórios e Custos Equipe Básica: Prof. Dr. Paulo Barbosa Prof.

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Requisitos para Conexão de Microgeradores e Minigeradores ao Sistema de Distribuição da CELG D NTC-71

NORMA TÉCNICA CELG D. Requisitos para Conexão de Microgeradores e Minigeradores ao Sistema de Distribuição da CELG D NTC-71 NORMA TÉCNICA CELG D Requisitos para Conexão de Microgeradores e Minigeradores ao Sistema de Distribuição da CELG D NTC-71 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

Smart Grid Uma alternativa para reduzir o gasto com energia elétrica

Smart Grid Uma alternativa para reduzir o gasto com energia elétrica Smart Grid Uma alternativa para reduzir o gasto com energia elétrica Fernando Diego Silveira Nascimento 1, Sheyla Rodrigues Rabelo 2, Alan Magalhães Braga 2 Dr. Pedro Klécius Farias Cardoso 3 1 Graduando

Leia mais

A GERAÇÃO EÓLICA E OS DESAFIOS PARA A OPERAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO

A GERAÇÃO EÓLICA E OS DESAFIOS PARA A OPERAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO 1 A GERAÇÃO EÓLICA E OS DESAFIOS PARA A OPERAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO Angela C. S. L. Guimarães Pedro Bezerra Companhia Hidro Elétrica do São Francisco - Chesf 2 PROPOSTA DO TRABALHO MOTIVAÇÃO

Leia mais