XII SYMPOSIUM OF SPECIALISTS IN ELECTRIC OPERATIONAL AND EXPANSION PLANNING AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO HARMÔNICO DE SISTEMAS COM MÚLTIPLOS ELOS CCAT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XII SYMPOSIUM OF SPECIALISTS IN ELECTRIC OPERATIONAL AND EXPANSION PLANNING AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO HARMÔNICO DE SISTEMAS COM MÚLTIPLOS ELOS CCAT"

Transcrição

1 SP166 XII SIMPÓSIO DE ESPECIALISTAS EM PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO E EXPANSÃO ELÉTRICA XII SEPOPE 2 a 23 de Maio 212 May 2 th to 23 rd 212 RIO DE JANEIRO (RJ) - BRASIL XII SYMPOSIUM OF SPECIALISTS IN ELECTRIC OPERATIONAL AND EXPANSION PLANNING AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO HARMÔNICO DE SISTEMAS COM MÚLTIPLOS ELOS CCAT F. L. LIRIO F. C. VELIZ S. L. VARRICCHIO CEPEL PUC-RJ CEPEL BRASIL SUMÁRIO O Sistema Interligado Nacional (SIN) no horizonte 22 deve conter seis bipolos conectados ao subsistema Sudeste. A rede CA com múltiplas alimentações CC assim formada esta sujeita a interações harmônicas decorrentes da proximidade elétrica das diversas injeções harmônicas existentes. Neste artigo será apresentada uma avaliação do comportamento harmônico da rede CA do SIN considerando as injeções harmônicas dos elos de corrente contínua associados à Usina Hidrelétrica de Itaipu (UHE Itaipu), Aproveitamento Hidrelétrico do Rio Madeira (AHE Madeira) e Complexo Hidrelétrico de Belo Monte (CHE Belo Monte). PALAVRAS CHAVES Elos de corrente continua, correntes harmônicas, múltiplas alimentações CC, interação harmônica.

2 1. Introdução A configuração atual do Sistema Interligado Nacional (SIN) possui o sistema de transmissão de corrente contínua associado à Usina Hidrelétrica de Itaipu composto por dois bipolos de 315 MW na tensão de ±6 kv conectados à subestação Ibiúna 345 kv. No entanto os estudos de planejamento definiram que as usinas do Aproveitamento Hidrelétrico do Rio Madeira serão conectadas ao subsistema Sudeste através de dois bipolos de 315 MW na tensão de ±6 kv conectados na SE Araraquara 5 kv. Adicionalmente a este sistema, o grupo de estudos das alternativas de transmissão do Complexo Hidrelétrico de Belo Monte avaliou a possibilidade de escoar a potência gerada para o subsistema Sudeste utilizando dois bipolos de corrente contínua. Diversas subestações foram avaliadas para conexão destes bipolos ao subsistema Sudeste, tais como, Estreito, Nova Iguaçu, Fernão Dias, Bauru 44 kv e Oeste 44 kv. Sendo que o referido grupo de trabalho recomendou a adoção de dois bipolos de 4 MW na tensão de ±8 kv ligando a SE Xingu 5 kv as SEs de Estreito 5 kv e Nova Iguaçu 5 kv. Portanto, o SIN no horizonte de 22 deve conter seis bipolos (12 estações conversoras de 12 pulsos) conectadas ao subsistema Sudeste. A rede CA com múltiplas alimentações CC assim formada esta sujeito a interações harmônicas decorrentes da proximidade elétrica das diversas injeções harmônicas existentes. A avaliação do comportamento harmônico da rede CA do SIN considerando as injeções harmônicas dos elos de corrente contínua associados à UHE Itaipu, AHE Madeira e CHE Belo Monte foi apresentada em [6]. No entanto a alternativa com dois bipolos em Estreito 5 kv foi adotada no referido trabalho por ser a mais promissora nos estudos de planejamento por ocasião da concepção do artigo. Neste artigo será apresentada uma avaliação do comportamento harmônico da rede CA do SIN no horizonte 22, considerando as injeções harmônicas dos elos de corrente contínua associados à UHE Itaipu, AHE Madeira e CHE Belo Monte. No presente artigo a rede CA do SIN no horizonte 22 será representa no programa HarmZs [1] desenvolvido pelo CEPEL. Este programa permite a leitura de arquivos históricos do programa de fluxo de potência ANAREDE [2] do CEPEL e dos arquivos de dados dinâmicos do programa de estabilidade eletromecânica ANATEM [3] também do CEPEL. Esta leitura objetiva o aproveitamento de dados de componentes de rede como elementos "shunts", linhas de transmissão, transformadores, cargas e máquinas do sistema (resistências de armadura e reatâncias subtransitórias). Apesar deste aproveitamento, ainda existe a necessidade da leitura de dados complementares, necessários para análise do comportamento harmônico da rede elétrica, como por exemplo, os dados de filtros harmônicos e das fontes de correntes harmônicas. Neste artigo os filtros harmônicos das estações conversoras associadas ao AHE Madeira serão os considerados na etapa dos estudos de planejamento, enquanto os filtros harmônicos associados a transmissão de Itaipu serão representados conforme dados disponíveis da subestação de Ibiúna 345 kv. Neste artigo também será apresentada a descrição de um projeto de filtros harmônicos para a SE Estreito 5 kv. As fontes de correntes harmônicas serão obtidas com a utilização do programa HHVDC [4], desenvolvido pelo CEPEL. Neste programa os elos CCAT serão modelados individualmente com o objetivo de calcular as correntes harmônicas características resultantes da operação equilibrada dos elos de corrente contínua. As correntes harmônicas não características, resultantes da operação desequilibrada do elo (tensões de sequência negativa, desequilíbrio nas impedâncias do transformador e assimetria de disparo), também serão calculadas. Os resultados obtidos com o programa HHVDC serão validados com o programa de transitórios eletromagnéticos PSCAD/EMTDC [5]. As injeções harmônicas calculadas serão injetadas na rede CA modelada no programa HarmZs para cálculo das distorções harmônicas de tensão. 1

3 Os resultados obtidos servirão de base para uma avaliação da distorção harmônica do sistema com múltiplas alimentações CC e do nível de acoplamento harmônico entre as barras CA onde estão localizadas as estações conversoras das transmissões CCAT. 2. Dados do Sistema Elétrico 2.1. Rede Elétrica A configuração da rede elétrica utilizada neste artigo corresponde ao caso base do Plano Decenal 221 do ciclo definido pela EPE nos cenários de carga pesada, média e leve com o Norte Exportador. Neste cenário, os despachos dos elos CCAT associados à transmissão de Belo Monte são máximos. Na Figura 1 é mostrado um detalhe da rede elétrica do subsistema Sudeste do SIN, com destaque para as múltiplas alimentações CC eletricamente próximas Elos de Corrente Contínua Figura 1: Rede elétrica do Subsistema Sudeste do SIN Na configuração do SIN no horizonte 22, os conversores localizados em Ibiúna 345 kv, Araraquara II 5 kv, Estreito 5 kv e Nova Iguaçu 5 kv no subsistema Sul Sudeste possuem maior potencial de interação harmônica por estarem eletricamente próximos. A Tabela I a seguir resume as principais características destes conversores. Conversor Ibiúna 345 kv Araraquara II 5 kv (ABB) Araraquara II 5 kv (AREVA) Estreito 5 kv Nova Iguaçu 5 kv Tabela I: Características dos conversores Potência Nominal 6264 MW 2 bipolos de 3132 MW em ±6 kv 315 MW 1 bipolo de 315 MW em ±6 kv 315 MW 1 bipolos de 315 MW em ±6 kv 4 MW 1 bipolo de 4 MW em ±8 kv 4 MW 1 bipolo de 4 MW em ±8 kv Transformador retificador 16 trafos de 471 MVA 345/127.4 kv 17.8% 4 trafos de 945 MVA 5/254.6 kv 17.5% 4 trafos de 958 MVA 5/258 kv 17.5% 4 trafos de 1286 MVA 5/329.9 kv 15.% 4 trafos de 1286 MVA 5/329.9 kv 15.% Linha CC 6 kv 1.47 Ω 6 kv Ω 6 kv Ω 8 kv 19.6 Ω 8 kv Ω Transformador inversor 16 trafos de 45 MVA 345/122 kv 17.2% 8 trafos de MVA 5/236 kv 17.5% 8 trafos de 92 MVA 5/243 kv 15.% 4 trafos de 1286 MVA 5/329.9 kv 15.% 4 trafos de 1286 MVA 5/329.9 kv 15.% 2

4 2.3. Filtros Harmônicos Os filtros harmônicos utilizados neste estudo estão localizados nas subestações (SEs) de Ibiúna 345 kv (barra n 3691), Araraquara II 5 kv (barra n 522), Estreito 5 kv (barra n 432) e Nova Iguaçu 5 kv (barra nº 4326). Na Figura 2 está mostrado o conjunto de filtros harmônicos instalado na SE Ibiúna 345 kv. Nesta figura, estão mostrados quatro tipos de filtros: High pass (HP), 3º / 5º harmônicos (3/5), 11º / 13º harmônicos (11/13) e banco de capacitores. As legendas nas partes superiores dos retângulos indicam a quantidade e tipo de filtro. O total de potência reativa fornecido por este conjunto é de 37 Mvar. Os valores dos parâmetros dos filtros estão apresentados na Tabela II. Ibiúna 345 (kv) 5 x HP 2 x (3/5) 4 x (11/13) C 1 L 2 C 4 C 5 C 2 R 1 L 1 R 2 L 3 C 3 R 3 L 4 R 4 L 5 Figura 2: Conjunto de filtros instalado na SE Ibiúna 345 kv Tabela II: Valores dos parâmetros dos filtros de Ibiúna 345 kv Capacitância ( F) Indutância (mh) Resistência ( ) C L R C L R C L R C L R C L Na SE Araraquara II 5 kv estão instalados filtros definidos nos estudos de planejamento, que são conjuntos compostos por oito filtros do tipo mostrado na Figura 3. O total de potência reativa fornecida por cada conjunto é igual a 3682 Mvar. Os valores dos parâmetros deste filtro estão apresentados na Tabela III. Araraquara 5 kv / Estreito 5 kv Tabela III: Valores dos parâmetros do filtro de Araraquara II 5 kv C 1 R 1 L 1 Capacitância ( F) Resistência ( ) Indutância (mh) C R L C R 2.45 L C R R 3 R 2 C 3 C 2 L 2 Figura 3: Filtro da SE Araraquara II 5 kv 3

5 z filtro (pu) Na Figura 4 estão mostradas as curvas de reposta em frequência do módulo das impedâncias dos conjuntos de filtros harmônicos instalados em Ibiúna 345 kv (curvas azuis) e Araraquara II 5 kv (curvas vermelhas). Estas curvas foram traçadas em escala linear e logarítmica..4.3 Escala logarítmica 1.E-1 1.E Escala linear 1.E-3. 1.E Frequência (Hz) Figura 4: Módulo das impedâncias dos conjuntos de filtros instalados em Ibiúna 345 kv e Araraquara II 5 kv 3. Projeto de Filtros Harmônicos O desempenho harmônico de cargas não lineares no SIN, neste caso de elos de corrente contínua (elos CC), deve atender os limites impostos pelo ONS estabelecidos nos procedimentos de rede para novos acessantes. Estes procedimentos são baseados no método dos Lugares Geométricos (MLG), que representa a variação da admitância harmônica do SIN vista do PAC ao longo da vida útil da instalação, uma vez que considera diferentes anos, níveis de carga e contingências, além de considerar as incertezas dos modelos adotados para representar os equipamentos que compõe o SIN. Caso estes limites sejam ultrapassados (.6% e.3% para os harmônicos pares e ímpares, respectivamente, e 1.5% para o DHT - Distorção Harmônica Total), os novos acessantes deverão tomar medidas corretivas. Dentre estas medidas, a mais usual é a utilização de filtros passivos. Uma vez avaliado o desempenho harmônico, tanto do elo CC de Estreito quanto o de Nova Iguaçu, pelo MLG, verificou-se altas distorções harmônicas. A título de ilustração, na Figura 5 e na Figura 6, estão mostrados os lugares geométricos (LGs) do 11º e 13º harmônicos dos elos de Estreito e de Nova Iguaçu. Estes LGs foram construídos utilizando-se duas formas geométricas: setores angulares e polígonos. Dependendo da forma geométrica utilizada, diferentes valores de distorção máxima de tensão podem ser obtidos, conforme mostrado na Tabela IV (os valores que ultrapassaram os limites estão em vermelho). A definição de qual a melhor forma geométrica a ser utilizada será objeto de um novo trabalho. Atualmente, a forma adotada nos procedimentos de rede do ONS é o setor angular. Nestas figuras, Y(h 1), Y(h) e Y(h 1) denotam pontos de admitâncias no plano G B (condutância susceptância). Note que nos procedimento de rede, além das admitâncias do próprio harmônico (h), as admitâncias dos harmônicos imediatamente anterior (h 1) e imediatamente posterior (h 1), também devem ser consideradas na construção do LG de h. Portanto, foi necessário projetar filtros. Os parâmetros dos filtros foram obtidos por tentativa e erro, de modo a satisfazer tanto os limites de distorção harmônica impostos pelo ONS quanto os de suportabilidade elétrica de seus componentes. Necessitou-se projetar dois filtros passa-alta (11h e 13h) para o elo de Estreito e dois filtros de sintonia simples para o elo de Nova Iguaçu. Os valores dos parâmetros destes filtros estão mostrados na Tabela V. Após a inserção dos filtros nos elos CC e a re-utilização do MLG, as máximas distorções de tensão individuais e totais foram amortecidas aos valores aceitáveis mostrados na Tabela IV. Na Figura 7 estão mostradas as curvas de reposta em frequência do módulo das impedâncias dos filtros harmônicos instalados em Estreito 5 kv (curvas azuis) e Nova Iguaçu 5 kv (curvas vermelhas). Estas curvas foram traçadas em escala linear e logarítmica. 4

6 B( ) B( ) B( ) B( ) Y(h-1) Y(h+1) Y(h) (Casos Base h) HARMÔNICO : 11 (freq = 66 Hz) Y(h-1) Y(h+1) Y(h) (Casos Base h) HARMÔNICO : 13 (freq = 78 Hz) G( ) G( ) Figura 5: LGs dos harmônicos mais críticos em Estreito Y(h-1) Y(h+1) Y(h) (Casos Base h) Y(h-1) Y(h+1) Y(h) (Casos Base h) HARMÔNICO : 11 (freq = 66 Hz) HARMÔNICO : 13 (freq = 78 Hz) G( ) G( ) Freq (Hz) Figura 6: LGs dos harmônicos mais críticos em Nova Iguaçu Tabela IV: Máximas distorções harmônicas individuais e totais com e sem filtros Estreito Nova Iguaçu Estreito com filtros N. Iguaçu com filtros Setor Polígono Setor Polígono Setor Polígono Setor Polígono DHT

7 z filtro (pu) z filtro (pu) Tabela V: Filtros passa-alta para os elos CC de Estreito e de Nova Iguaçu Estreito Nova Iguaçu h Filtros passa-alta Banco de capacitores Filtros de sintonia simples Banco de capacitores R ( ) L(mH) C(uF) MVAr R ( ) L(mH) C(uF) MVAr E+ 1.E-1 1.E-2 1.E-3. 1.E Frequência (Hz) Frequência (Hz) Figura 7: Módulo das impedâncias dos filtros instalados em Estreito 5 kv e Nova Iguaçu 5 kv 4. Cálculo das Injeções Harmônicas 4.1. Utilização do Programa HHVDC O Programa HHVDC calcula os harmônicos de tensão CC e de correntes CA de um sistema CCAT. Neste cálculo, existe a possibilidade de se considerar assimetrias e desequilíbrios no lado do retificador e/ou inversor. Estas assimetrias/desequilíbrios são: desequilíbrios nas reatâncias entre transformadores e entre as fases de um mesmo transformador devido a tolerância no projeto de fabricação; assimetrias nos instantes de disparo das válvulas devido a problemas no sistema de controle; representação de desequilíbrios no sistema CA através de variações nas magnitudes e/ou fases das tensões. Na formulação do Programa HHVDC, tem-se as seguintes simplificações para análise da operação dos conversores: corrente na linha CC sem ondulação ( ripple ); tensões CA puramente senoidais (sem distorções) equilibradas ou não; as reatâncias de comutação dos transformadores dos conversores não são afetadas por este desequilíbrio de tensão; as resistências dos enrolamentos dos transformadores, as quedas de tensão nas válvulas e nos reatores CC somente são levadas em consideração no cálculo dos valores médios das tensões CC do retificador e do inversor sob a forma de quedas de tensão constantes. As hipóteses simplificadoras utilizadas no programa HHVDC são razoavelmente válidas na prática para a maioria dos harmônicos. No entanto as correntes harmônicas CA podem ser significativamente influenciadas pela impedância e pela corrente do lado CC. Isto é particularmente verdadeiro para harmônicos de baixa ordem, sendo recomendável que a análise destes harmônicos (principalmente o 3º harmônico) leve em conta os principais efeitos da interação [7]. Neste artigo utilizou-se o programa HHVDC para cálculo das correntes harmônicas considerando um desequilíbrio de 2,5% entre as impedâncias dos transformadores YY e Y. Neste tipo de desequilíbrio ocorre o surgimento de harmônicos ímpares não característicos na corrente CA. No entanto os 6

8 harmônicos múltiplos de três são nulos e as simplificações adotadas no HHVDC são perfeitamente validas, conforme será verificado na próxima subseção. A entrada de dados do HHVDC envolve o conhecimento de alguns parâmetros do sistema CA, transformadores dos conversores, conversores ou pontes conversoras e controle do sistema CCAT Verificação dos Resultados A comprovação dos resultados obtidos no programa HHVDC foi feita utilizando a comparação com o programa de transitórios eletromagnéticos PSCAD-EMTDC. No exemplo de verificação de resultados todo o sistema CCAT formado pelo bipolo Xingu - Estreito foi modelado no PSCAD-EMTDC e no programa HHVDC utilizando os dados apresentados na subseção 2.2. O sistema CCAT foi conectado a barras infinitas nos terminais CA do retificador (Xingu 5 kv) e do inversor (Estreito 5 kv), o despacho do bipolo foi ajustado em seu valor máximo (4 MW), sedo que as tensões CA adotadas neste exemplo são: Xingu 5 kv magnitude: 1.85 pu; ângulo: -18.5º; tap: 1.62; Estreito 5 kv magnitude:1.52 pu; ângulo: 44º; tap: A seguir são apresentados os resultados comparativos para o sistema considerando um desequilíbrio de 2.5% entre as impedâncias dos transformadores YY e Y : HHVDC PSCAD 12 6 HHVDC PSCAD Figura 8 Comparação entre EMTDC e HHVDC para a corrente injetada pelo bipolo de Estreito 5 kv: módulo e ângulo. Os resultados apresentados na Figura 8 demonstram que os valores obtidos no HHVDC são muito próximos aos do PSCAD-EMTDC. As diferenças observadas devem-se as simplificações adotadas na modelagem utilizada pelo Programa HHVDC que foram descritas na subseção anterior. 5. Cálculo das Distorções de Tensão Na Figura 1 são apresentados os valores de distorção de tensão para as subestações conversoras com e sem a presença dos filtros CA. Estes resultados foram obtidos com a aplicação das correntes harmônicas no cenário de carga leve. Os resultados sem a presença dos filtros CA tem o objetivo de verificar o acoplamento harmônico existente entre as subestações conversoras. Por sua vez os resultados considerando a presença dos filtros CA comprovam a eficacia do processo de filtragem na diminuição das distorções de tensão. Verifica-se que sem os filtros CA as maiores distorções de tensão ocorrem em Ibiúna, podendo atingir, por exemplo, valores de aproximadamente 8% para o 11º harmônico. Sem a presença dos filtros CA a distorção harmônica total (DHT) é de 8,4% em Ibiúna, 3,51% em Araraquara, 2,47% em Estreito e 3,23% em Nova Iguaçu. Observa-se que com a presença dos filtros CA as distorções são bastante reduzidas, sendo que os maiores valores de distorção são encontrados para o 25º harmônico em Estreito. Com a presença dos filtros CA a distorção harmônica total (DHT) é de,26% em Ibiúna,,6% em Araraquara,,89% em Estreito e,22% em Nova Iguaçu. 7

9 Figura 9 Distorções de tensão na SEs de Ibiúna 345 kv, Araraquara II 5 kv, Estreito 5 kv e Nova Iguaçu 5 kv considerando todas as injeções harmônicas: sem filtros CA e com filtros CA Na Figura 11 são apresentados os valores de distorção de tensão para as subestação de Ibiúna com e sem os filtros CA, considerando individualmente as injeções de corrente dos elos do sistema. Verificase que sem os filtros CA os maiores valores de DHT podem atingir 8,5% devido a injeção de corrente na própria barra. O maior valor de DHT em Ibiúna proveniente dos demais elos ocorre devido ao elo de Araraquara, no estanto esta distorção é inferior a 1,4%. Observa-se uma forte redução nas distorções de tensão quando os filtros CA são adicionados ao sistema, sendo que as maiores distorções são inferiores a,2%. Os valores de DHT em Ibiúna devido aos demais elos do sistema são inferiores a,3%, o que revela que o elo de Ibiúna sofre pouca influência dos demais elos do sistema Figura 1 Distorções de tensão na SE Ibiúna 345 kv considerando as injeções harmônicas individuais de Ibiúna, Araraquara, Estreito e Nova Iguaçu: sem filtros CA e com filtros CA Na Figura 11 são apresentados os valores de distorção de tensão para as subestação de Araraquara com e sem os filtros CA, considerando individualmente as injeções de corrente dos elos do sistema. Observa-se-se que sem os filtros CA os maiores valores de DHT podem atingir 4,3% considerando-se apenas a injeção de corrente na própria barra. O maior valor de DHT em Araraquara proveniente dos demais elos ocorre devido ao elo de Estreito, no estanto esta distorção é inferior a 2,4% e deve-se em grande parte a proximidade elétrica destes elos. Os maiores valores de distorção de tensão com a presença dos filtros CA ocorrem para o 11º harmônico, no entanto estas distorções são de aproximadamente,6%. Nesta situação os maiores valores de DHT são de,67% quando da injeção harmônica na própria barra de Araraquara. Os 8

10 valores mais significativos de DHT em Araraquara proveniente dos demais elos do sistema ocorre devido ao elo de Estreito e são de aproximadamente,12% Figura 11 Distorções de tensão na SE Araraquara 2 5 kv considerando as injeções harmônicas individuais de Ibiúna, Araraquara, Estreito e Nova Iguaçu: sem filtros CA e com filtros CA Na Figura 12 são apresentados os valores de distorção de tensão para as subestação de Estreito com e sem os filtros CA, considerando individualmente as injeções de corrente dos elos do sistema. Destaca-se que sem os filtros CA os maiores valores de DHT podem atingir 4,23% considerando-se apenas a injeção de corrente na própria barra. O maior valor de DHT em Estreito proveniente dos demais elos ocorre devido ao elo de Araraquara, sendo que este valor de distorção é de aproximadamente 3,3%. Este valor de DHT evidencia um forte acoplamento harmônico entre estas barras, sendo que os efeitos de interação são maiores em Estreito devido a Araraquara que o contrário em virtude do bipolo de Araraquara ser maior que o de Estreito. Quando os filtros CA estão presentes os maiores valores de distorção de tensão em Estreito não atingem,5%. Verifica-se que os maiores valores de DHT atigem aproximadamente,67% considerando-se apenas a injeção na barra de Estreito. O maior valor de DHT em Estreito, com a presença dos filtros CA, considerando-se as demais injeções harmônicas individuais ocorre devido a Araraquara (,17%) Figura 12 Distorções de tensão na SE Estreito 5 kv considerando as injeções harmônicas individuais de Ibiúna, Araraquara, Estreito e Nova Iguaçu: sem filtros CA e com filtros CA Na Figura 13 são apresentados os valores de distorção de tensão para as subestação de Nova Iguaçu com e sem os filtros CA, considerando individualmente as injeções de corrente dos elos do sistema. Observa-se que sem os filtros CA os maiores valores de DHT em Nova Iguaçu podem atingir 2,16% considerando-se apenas a injeção de corrente na própria barra. O maior valor de DHT em Nova Iguaçu 9

11 proveniente dos demais elos ocorre devido ao elo de Araraquara, sendo que este valor de distorção é de aproximadamente 2,6%. Apesar da DHT provocada por Araraquara em Nova Iguaçu ser menor que em Estreito, os valores de DHT em Nova Iguaçu devido a Araraquara são significativos quando comparado a DHT devido a injeção de corrente na própria barra de Nova Iguaçu. Quando os filtros CA estão presentes os maiores valores de distorção de tensão em Nova Iguaçu em virtude das injeções harmônicas individuais são inferiores a,2%. Verifica-se que os maiores valores de DHT atigem aproximadamente,25% considerando-se apenas a injeção na barra de Nova Iguaçu. O maior valor de DHT em Nova Iguaçu considerando-se apenas as demais injeções harmônicas individuais ocorre devido a Estreito (,12%) Figura 13 Distorções de tensão na SE Nova Iguaçu 5 kv considerando as injeções harmônicas individuais de Ibiúna, Araraquara, Estreito e Nova Iguaçu: sem filtros CA e com filtros CA 6. Conclusões Este artigo procurou descrever uma sequência de procedimentos para avaliação do comportamento harmônico de redes elétricas alimentadas por múltiplos elos CCAT. Foi apresentado um projeto de filtros CA para as SEs de Estreito e Nova Iguaçu, onde serão instalados os elos de corrente contínua provenientes do reforço da interligação Norte Sudeste em virtude principalmente da entrada em operação da CHE Belo Monte. Os dados dos filtros CA e da rede elétrica foram utilizados para construir o modelo da rede elétrica no HarmZs. As injeções de corrente harmônica dos elos CCAT foi calculada utilizando o HHVDC, foram apontadas restrições ao uso das simplificações adotadas neste programa e a validade dos resultados obtidos foi confirmada através de comparação com o programa de transitórios eletromagnéticos PSCAD-EMTDC. As correntes harmônicas foram adicionadas ao modelo da rede e as distorções harmônicas de tensão forma calculadas. A análise destes resultados permitiu comprovar a eficiência dos filtros CA e verificar em quais das SEs conversoras ocorrem os valores mais significativos de distorção de tensão. Através do cálculo das distorções harmônicas individuais e totais para cada SE conversora supondo a presença de cada uma das injeções de corrente de maneira individual foi possível avaliar o nível de acoplamento (interação harmônica) entre as SEs conversoras. Neste artigo, verificou-se que os estudos de análise do comportamento harmônico de redes elétricas com múltiplos elos CCAT podem ser realizados de maneira adequada utilizando-se os programas de análise de redes elétricas. Para esta finalidade os dados elétricos (tais como: parâmetros de rede elétrica, filtros CA e injeções harmônicas) devem ser tratados de maneira criteriosa na representação da rede elétrica. 1

12 BIBLIOGRAFIA [1] Manual de Utilização do Programa HarmZs versão 1.7. [2] Manual do Usuário do Programa de Análise de Redes Elétricas (ANAREDE) V [3] Manual do Usuário do Programa de Análise de Transitórios Eletromecânicos (ANATEM) V [4] Manual do Usuário do Programa HHVDC para Cálculo de Harmônicos em Sistemas de Transmissão CCAT versão 4.. [5] Manual do Usuário do Programa PSCAD/EMTDC V4.2.. [6] F.L. Lirio e S.L. Varricchio, "Avaliação do comportamento harmônico do SIN frente a inserção de múltiplos elos CCAT", XXI SNPTEE, Outubro 211. [7] F.C. Jusan, L.M.S. Carijó, G.S. Luz, R.A. Gonçalves, M.C. Lima, M.R. Cavalheiro, G. Oheidhin, "Sistemas de transmissão CCAT do Madeira Estudos de desempenho harmônico e rating dos filtros CA do bipolo 2", XXI SNPTEE, Outubro

ELO DE ITAIPU - FILTROS DE 3/5 HARMÔNICOS DA ESTAÇÃO INVERSORA DE IBIÚNA NECESSIDADE, ESPECIFICAÇÃO E PROJETO

ELO DE ITAIPU - FILTROS DE 3/5 HARMÔNICOS DA ESTAÇÃO INVERSORA DE IBIÚNA NECESSIDADE, ESPECIFICAÇÃO E PROJETO Puerto Iguazú Argentina XIII ERIAC DÉCIMO TERCER ENCUENTRO REGIONAL IBEROAMERICANO DE CIGRÉ 24 al 28 de mayo de 2009 XIII/PI-B4-03 Comité de Estudio B4 - Alta Tensión en Corriente Continua y Electrónica

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 016/2015

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 016/2015 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 016/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: Siemens Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Processo: 48500.000560/2015-44 EMENTA (Caso exista):

Leia mais

O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO 1.2 PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO 1.2 PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 1 O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO A indústria de energia elétrica tem as seguintes atividades clássicas: produção, transmissão, distribuição e comercialização, sendo que esta última engloba a medição

Leia mais

Capítulo 8 Fluxo de carga c.a/c.c.

Capítulo 8 Fluxo de carga c.a/c.c. Capítulo 8 Fluxo de carga c.a/c.c. 8.1 Introdução Um sistema de transmissão em corrente contínua (c.c.) que interliga dois sistemas de corrente alternada () é chamado de elo de corrente contínua (elo c.c.,

Leia mais

SISTEMÁTICA OPERACIONAL DE CONTROLE DA POTÊNCIA REATIVA DAS USINAS DE ANGRA 1 E ANGRA 2 DA CENTRAL NUCLEAR ALMTE. ÁLVARO ALBERTO

SISTEMÁTICA OPERACIONAL DE CONTROLE DA POTÊNCIA REATIVA DAS USINAS DE ANGRA 1 E ANGRA 2 DA CENTRAL NUCLEAR ALMTE. ÁLVARO ALBERTO SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GAT - 25 16 a 21 Outubro de 5 Curitiba - Paraná GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA - GAT SISTEMÁTICA

Leia mais

Análise Técnico/Financeira para Correção de Fator de Potência em Planta Industrial com Fornos de Indução.

Análise Técnico/Financeira para Correção de Fator de Potência em Planta Industrial com Fornos de Indução. Análise Técnico/Financeira para Correção de Fator de Potência em Planta Industrial com Fornos de Indução. Jeremias Wolff e Guilherme Schallenberger Electric Consultoria e Serviços Resumo Este trabalho

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA

REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA 1 REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA revisão mar06 1 - Introdução A maioria dos sistemas elétricos de potência é em corrente alternada. As instalações em corrente contínua são raras e tem aplicações

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP O CONTROLE DE TENSÃO

Leia mais

P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s

P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Análise de Sistemas Elétricos de Potência 1 5.3 Componentes Simétricas - Transformadores P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s E - m a i l : f l a v i o.

Leia mais

ANEXO 6F-CC LOTE LF-CC CONVERSORAS DO BIPOLO 2 - SE COLETORA PORTO VELHO E SE ARARAQUARA 2

ANEXO 6F-CC LOTE LF-CC CONVERSORAS DO BIPOLO 2 - SE COLETORA PORTO VELHO E SE ARARAQUARA 2 ANEXO 6F-CC LOTE LF-CC TRANSMISSÃO ASSOCIADA À INTEGRAÇÃO DAS USINAS DO RIO MADEIRA CONVERSORAS DO BIPOLO 2 - SE COLETORA PORTO VELHO E SE ARARAQUARA 2 CARACTERÍSTICAS E REQUISITOS TÉCNICOS BÁSICOS DAS

Leia mais

III Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica

III Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica ESTUDO SOBRE A EXPANSÃO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA NO BRASIL Tiago Forti da Silva Aluno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Unesp Bauru Prof. Dr. André Nunes de Souza Orientador

Leia mais

Simulação de Distúrbios no Sistema Elétrico de Distribuição como Suporte Técnico as Solicitações de Ressarcimentos de Danos

Simulação de Distúrbios no Sistema Elétrico de Distribuição como Suporte Técnico as Solicitações de Ressarcimentos de Danos 1 Simulação de Distúrbios no Sistema Elétrico de Distribuição como Suporte Técnico as Solicitações de Ressarcimentos de Danos N. C. de Jesus, H.R.P.M. de Oliveira, E.L. Batista, M. Silveira AES Sul - Distribuidora

Leia mais

* R. Real Grandeza, 281 Rio de Janeiro RJ CEP: 22283-900 Fone: (21) 5282188 / fax: (21) 5285576 / e-mail: alfarias@furnas.com.br

* R. Real Grandeza, 281 Rio de Janeiro RJ CEP: 22283-900 Fone: (21) 5282188 / fax: (21) 5285576 / e-mail: alfarias@furnas.com.br GAT/029 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA (GAT) ESQUEMA DE CONTROLE DE EMERGÊNCIAS NA CONFIGURAÇÃO FINAL DO

Leia mais

X I V E R I A C PROJETO BÁSICO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO ASSOCIADO ÀS USINAS DO RIO MADEIRA E A APLICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE REDE DO ONS

X I V E R I A C PROJETO BÁSICO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO ASSOCIADO ÀS USINAS DO RIO MADEIRA E A APLICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE REDE DO ONS X I V E R I A C PROJETO BÁSICO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO ASSOCIADO ÀS USINAS DO RIO MADEIRA E A APLICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE REDE DO ONS Dalton de O. C. do Brasil* ONS Rio de Janeiro /RJ - Brasil Mauro

Leia mais

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS 01 - Questão Esta questão deve ser corrigida? SIM NÃO Um transformador de isolação monofásico, com relação de espiras N

Leia mais

EFEITOS DOS ELOS DE TRANSMISSÃO DE CORRENTE CONTÍNUA NA ESTABILIDADE TRANSITÓRIA DOS SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA

EFEITOS DOS ELOS DE TRANSMISSÃO DE CORRENTE CONTÍNUA NA ESTABILIDADE TRANSITÓRIA DOS SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA ART427-07 - CD 262-07 - PÁG.: 1 EFEITOS DOS ELOS DE TRANSMISSÃO DE CORRENTE CONTÍNUA NA ESTABILIDADE TRANSITÓRIA DOS SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA J. R. Cogo J. E. M. de La-Rocque IEE-EFEI DE - UFPA Artigo

Leia mais

OANAFAS é um programa computacional

OANAFAS é um programa computacional ANAFAS Análise de Faltas Simultâneas OANAFAS é um programa computacional para cálculo de curtos-circuitos. Permite a execução automática de grande variedade de faltas e possui facilidades, como estudo

Leia mais

IX SIMPÓSIO DE ESPECIALISTAS EM PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO E EXPANSÃO ELÉTRICA

IX SIMPÓSIO DE ESPECIALISTAS EM PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO E EXPANSÃO ELÉTRICA IX SEPOPE 23 a 27 de maio de 24 May, 23 th to 27 rd 24 Rio de Janeiro (RJ) Brasil IX SIMPÓSIO DE ESPECIALISTAS EM PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO E EXPANSÃO ELÉTRICA IX SYMPOSIUM OF SPECIALISTS IN ELECTRIC OPERATIONAL

Leia mais

Manual de Utilização do Programa. HarmZs. Versão 1.9. CEPEL - Centro de Pesquisas de Energia Elétrica

Manual de Utilização do Programa. HarmZs. Versão 1.9. CEPEL - Centro de Pesquisas de Energia Elétrica Manual de Utilização do Programa HarmZs Versão 1.9 CEPEL - Centro de Pesquisas de Energia Elétrica Novembro 2009 Índice 1. Introdução 1 Introdução...1 2. Códigos de Execução 3 Introdução...3 Código de

Leia mais

VIII CIERTEC. Fortaleza - Brasil Agosto de 2013

VIII CIERTEC. Fortaleza - Brasil Agosto de 2013 ILHAMENTO VOLUNTÁRIO DE PCH PARA MELHORAR OS INDICADORES DE QUALIDADE DEC E FEC DO SISTEMA ELÉTRICO DE SUA REGIÃO DE INFLUÊNCIA Tema: Geração Distribuída Autores: PRISCILA MARIA BARRA FERREIRA CARLOS EDUARDO

Leia mais

ESTUDO DE APLICAÇÃO DO DISPOSITIVO SVC NA LINHA DE TRANSMISSÃO MESQUITA VIANA II

ESTUDO DE APLICAÇÃO DO DISPOSITIVO SVC NA LINHA DE TRANSMISSÃO MESQUITA VIANA II ESTUDO DE APLICAÇÃO DO DISPOSITIVO SVC NA LINHA DE TRANSMISSÃO MESQUITA VIANA II ALCEBÍADES R. BESSA, LUCAS F. ENCARNAÇÃO, PAULO J. M. MENEGAZ Departamento de Engenharia Elétrica, Universidade Federal

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPL 11 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL AVALIAÇÃO

Leia mais

GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPL - 16 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA - GAT

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA - GAT SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GAT 24 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA - GAT MODELAGEM

Leia mais

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 EE531 - Turma S Diodos Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 Professor: José Cândido Silveira Santos Filho Daniel Lins Mattos RA: 059915 Raquel Mayumi Kawamoto RA: 086003 Tiago

Leia mais

Implementação do Protótipo do. RHM operando com Corrente CA de. Alimentação de 12 Pulsos Imposta

Implementação do Protótipo do. RHM operando com Corrente CA de. Alimentação de 12 Pulsos Imposta Capítulo 7 Implementação do Protótipo do RHM operando com Corrente CA de Alimentação de 12 Pulsos Imposta 7.1 Introdução Durante os estudos realizados em laboratório, três protótipos do RHM proposto, operando

Leia mais

Transformadores a seco. Indutores e reatores (chokes) a seco Para aplicações de componentes eletrônicos de potência, transmissão e distribuição

Transformadores a seco. Indutores e reatores (chokes) a seco Para aplicações de componentes eletrônicos de potência, transmissão e distribuição Transformadores a seco Indutores e reatores (chokes) a seco Para aplicações de componentes eletrônicos de potência, transmissão e distribuição 2 Indutores e reatores (chokes) a seco Reatores ABB para requisitos

Leia mais

Questão 3: Um resistor de 10Ω é alimentado por uma tensão contínua de 50V. A potência dissipada pelo resistor é:

Questão 3: Um resistor de 10Ω é alimentado por uma tensão contínua de 50V. A potência dissipada pelo resistor é: Questão 1: Dois resistores de 1Ω e 2Ω, conectados em série, são alimentados por uma fonte de tensão contínua de 6V. A tensão sobre o resistor de 2Ω é: a) 15V. b) 2V. c) 4V. d) 5V. e) 55V. Questão 2:A resistência

Leia mais

2 Características do Sistema Interligado Nacional

2 Características do Sistema Interligado Nacional 2 Características do Sistema Interligado Nacional O Sistema Elétrico Brasileiro (SEB) evoluiu bastante ao longo do tempo em termos de complexidade e, consequentemente, necessitando de um melhor planejamento

Leia mais

DEFINIÇÃO DE FILTROS DE HARMÔNICOS

DEFINIÇÃO DE FILTROS DE HARMÔNICOS ART460-07 - CD 6-07 - PÁG.: 1 RESUMO DEFINIÇÃO DE FILTROS DE HARMÔNICOS João Roberto Cogo Escola Federal de Engenharia de Itajubá Av. BPS, 1303 - Caixa Postal 50-37500-000 - Itajubá - MG - Brasil Fone:

Leia mais

ANÁLISE DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM MEIA ONDA INTEGRADO AO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL. Daniel José Tavares de Souza

ANÁLISE DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM MEIA ONDA INTEGRADO AO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL. Daniel José Tavares de Souza ANÁLISE DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM MEIA ONDA INTEGRADO AO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL Daniel José Tavares de Souza Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica,

Leia mais

Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva

Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva anobra de capacitores Na ligação de capacitores a uma rede ocorre um processo transitório severo até que seja atingido

Leia mais

EEE934 Impactode GD àsredes Elétricas (http://www.cpdee.ufmg.br/~selenios)

EEE934 Impactode GD àsredes Elétricas (http://www.cpdee.ufmg.br/~selenios) Universidade Federal de Minas Gerais Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Área de Concentração: Engenharia de Potência EEE934 Impactode GD àsredes Elétricas (http://www.cpdee.ufmg.br/~selenios)

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA UTILIZANDO O PROGRAMA ANATEM

ANÁLISE DE DESEMPENHO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA UTILIZANDO O PROGRAMA ANATEM ANÁLISE DE DESEMPENHO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA UTILIZANDO O PROGRAMA ANATEM Pedro Henrique Rezende dos Santos Fontes PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA ESCOLA POLITÉCNICA

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 7 Cálculo de Perdas na Distribuição Revisão 0 1 2 3 Motivo da Revisão

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DE ESTUDOS E MEDIÇÕES DE QEE RELACIONADOS AOS NOVOS ACESSOS À REDE BÁSICA

INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DE ESTUDOS E MEDIÇÕES DE QEE RELACIONADOS AOS NOVOS ACESSOS À REDE BÁSICA INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DE ESTUDOS E MEDIÇÕES DE QEE RELACIONADOS AOS NOVOS ACESSOS À REDE BÁSICA Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua da Quitanda, 196 - Centro 20091-005 Rio de Janeiro RJ Tel

Leia mais

SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN NO DIA 10/11/2009 ÀS 22h13min

SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN NO DIA 10/11/2009 ÀS 22h13min PERTURBAÇÃO NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN NO DIA 10/11/2009 ÀS 22h13min Audiência Pública Brasília, 16 de dezembro de 2009 Sumário Condições Operativas no Instante da Perturbação Descrição da Perturbação

Leia mais

DIAGRAMA DE BLOCOS DE UMA FONTE DE TENSÃO

DIAGRAMA DE BLOCOS DE UMA FONTE DE TENSÃO DIAGRAMA DE BLOCOS DE UMA FONTE DE TENSÃO Essa deficiência presente nos retificadores é resolvida pelo emprego de um filtro Essa deficiência presente nos retificadores é resolvida pelo emprego de um filtro

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS GPL

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS GPL SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPL 14 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS GPL CONSIDERACOES

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 3: Gerador síncrono Exercícios 3.1 Dois geradores síncronos estão montados no mesmo eixo e devem fornecer tensões em 60 Hz e 50 Hz, respectivamente. Determinar

Leia mais

Formas de onda em uma fonte de alimentação linear

Formas de onda em uma fonte de alimentação linear Tipos de fontes de alimentação As fontes de alimentação podem ser construídas com duas tecnologias: linear ou chaveada. As fontes de alimentação lineares pegam os 127 V ou 220 V da rede elétrica e, com

Leia mais

MODELO DE SIMULAÇÃO PARA A OTIMIZAÇÃO DO PRÉ- DESPACHO DE UMA USINA HIDRELÉTRICA DE GRANDE PORTE

MODELO DE SIMULAÇÃO PARA A OTIMIZAÇÃO DO PRÉ- DESPACHO DE UMA USINA HIDRELÉTRICA DE GRANDE PORTE UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA - ELETROTÉCNICA ERNANI SCHENFERT FILHO LUCIANO CARVALHO DE BITENCOURT MARIANA UENO OLIVEIRA MODELO

Leia mais

Medidas de mitigação de harmônicos

Medidas de mitigação de harmônicos 38 Apoio Harmônicos provocados por eletroeletrônicos Capítulo XII Medidas de mitigação de harmônicos Igor Amariz Pires* A maneira mais comum de mitigar harmônicos é por meio da utilização de filtros. O

Leia mais

A. B. Vasconcellos, Dr; R. Apolônio, Dr; J. C. Oliveira, PhD; M. K. Kawaphara, Dr;J. E. Carvalho, Eng.; J. M. Pacheco, MSc; I. A. Bacca, Acad.

A. B. Vasconcellos, Dr; R. Apolônio, Dr; J. C. Oliveira, PhD; M. K. Kawaphara, Dr;J. E. Carvalho, Eng.; J. M. Pacheco, MSc; I. A. Bacca, Acad. Uma Proposta para a Melhoria do Desempenho de Sistemas de Transmissão Radiais em 230 kv sob o Ponto de Vista do Controle da Tensão: Reator a Núcleo Saturado A. B. Vasconcellos, Dr; R. Apolônio, Dr; J.

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 17 Procedimentos para Correção do Fator de Potência 05/04 1 Descrições Gerais 1.1 Determinação Nacional Visando a otimização do consumo racional de energia elétrica gerada no país,

Leia mais

Variações de tensão de curta duração - Parte I Por Gilson Paulillo, Mateus Teixeira, Ivandro Bacca e José Maria de Carvalho Filho*

Variações de tensão de curta duração - Parte I Por Gilson Paulillo, Mateus Teixeira, Ivandro Bacca e José Maria de Carvalho Filho* 36 Capítulo V Variações de tensão de curta duração - Parte I Por Gilson Paulillo, Mateus Teixeira, Ivandro Bacca e José Maria de Carvalho Filho* Entre os fenômenos que contribuem para a perda de qualidade

Leia mais

2.1. O Estudo de Inventário da UHE Colíder foi aprovado conforme a seguir discriminado:

2.1. O Estudo de Inventário da UHE Colíder foi aprovado conforme a seguir discriminado: ANEXO VIII AO EDITAL DE LEILÃO Nº. 03/2010-ANEEL ANEXO VIII CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DA UHE FERREIRA GOMES A exploração da UHE Ferreira Gomes, pela Concessionária,

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP)

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP) LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP) NOTA RELATÓRIO -.... Grupo:............ Professor:...Data:... Objetivo:............ 1 - Considerações gerais

Leia mais

Termoeletricidade com combustíveis fósseis

Termoeletricidade com combustíveis fósseis Comissão de Serviços de Infraestrutura Audiência pública: Investimento e gestão: desatando o nó logístico do País 1º ciclo: Energia e desenvolvimento do Brasil Painel 01: Eletricidade convencional Termoeletricidade

Leia mais

PROJETO DE ESTABILIZADORES DE SISTEMAS DE POTÊNCIA POR POSICIONAMENTO PARCIAL DE PAR DE PÓLOS COMPLEXOS CONJUGADOS

PROJETO DE ESTABILIZADORES DE SISTEMAS DE POTÊNCIA POR POSICIONAMENTO PARCIAL DE PAR DE PÓLOS COMPLEXOS CONJUGADOS PROJETO DE ESTABILIZADORES DE SISTEMAS DE POTÊNCIA POR POSICIONAMENTO PARCIAL DE PAR DE PÓLOS COMPLEXOS CONJUGADOS CARLOS HENRIQUE COSTA GUIMARÃES GLAUCO NERY TARANTO SERGIO GOMES JR. NELSON MARTINS COPPE/UFRJ

Leia mais

ESTUDOS PARA A LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO

ESTUDOS PARA A LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO ESTUDOS PARA A LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO Metodologia de Cálculo de Parâmetros Energéticos Médios: Rendimento e Perda Hidráulica Ministério de Minas e Energia GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DE MINAS

Leia mais

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA Existem dois tipos de corrente elétrica: Corrente Contínua (CC) e Corrente Alternada (CA). A corrente contínua tem a característica de ser constante no tempo, com

Leia mais

Medidas elétricas em altas frequências

Medidas elétricas em altas frequências Medidas elétricas em altas frequências A grande maioria das medidas elétricas envolve o uso de cabos de ligação entre o ponto de medição e o instrumento de medida. Quando o comprimento de onda do sinal

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 ANÁLISE DE DISTORÇÕES HARMÔNICAS Michelle Borges de Oliveira¹; Márcio Aparecido Arruda² ¹Universidade de Uberaba, Uberaba Minas Gerais ²Universidade de Uberaba, Uberaba Minas Gerais oliveiraborges.michelle@gmail.com;

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DO DESEMPENHO HARMÔNICO DE AEROGERADORES

ESTUDO COMPARATIVO DO DESEMPENHO HARMÔNICO DE AEROGERADORES ESTUDO COMPARATIVO DO DESEMPENHO HARMÔNICO DE AEROGERADORES Pedro A. B. Block, Fabio S. Retorta, Diogo B. Dahlke, Mateus D. Teixeira Institutos Lactec Av. Comendador Franco, nº 1341, Jardim Botânico. Curitiba,

Leia mais

Eletrônica de Potência II Capítulo 1. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org

Eletrônica de Potência II Capítulo 1. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org Eletrônica de Potência II Capítulo 1 cassiano@ieee.org 1 Componentes semicondutores em Eletrônica de Potência Diodo MOSFET IGBT GTO 2 Introdução Eletrônica de Potência é uma ciência aplicada que aborda

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 6 Informações Requeridas e Obrigações

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 6 Informações Requeridas e Obrigações Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 6 Informações Requeridas e Obrigações Revisão 0 1 2 3 4 5 6 7 8

Leia mais

METODOLOGIA DE PRECIFICAÇÃO DE ESQUEMAS DE HEDGE PARA UMA CARTEIRA DE USINAS

METODOLOGIA DE PRECIFICAÇÃO DE ESQUEMAS DE HEDGE PARA UMA CARTEIRA DE USINAS SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GAE-14 19 a 24 Outubro de 2003 Uberlândia - Minas Gerais GRUPO VI GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS EMPRESARIAIS - GAE METODOLOGIA DE PRECIFICAÇÃO

Leia mais

ABINEE TEC 2007. O uso de Elos de HVDC para Usinas Hidroelétricas Remotas ANHEMBI - SÃO PAULO - SP. John Graham

ABINEE TEC 2007. O uso de Elos de HVDC para Usinas Hidroelétricas Remotas ANHEMBI - SÃO PAULO - SP. John Graham ABINEE TEC 2007 ANHEMBI - SÃO PAULO - SP O uso de Elos de HVDC para Usinas Hidroelétricas Remotas John Graham 1. Introdução 2. Sistema Brasileiro Longa distancia Flexibilidade 3. Economia no Nível de Tensão

Leia mais

Estudo Submetido ao Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013

Estudo Submetido ao Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013 EFEITO DO DESBALANÇO DE CARGA NAS PERDAS TÉCNICAS DE TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO R. Salustiano* I. P. de Faria* G. P. Lopes* S. S. Pinto* M. L. B. Martinez* *LAT-EFEI / UNIFEI RESUMO Pequenas diferenças

Leia mais

Em 29 de janeiro de 2001.

Em 29 de janeiro de 2001. Nota Técnica n.º /2000-SRG/ANEEL Em 29 de janeiro de 2001. Assunto: Regulamentação do uso do Mecanismo de Realocação de Energia MRE para centrais hidrelétricas não despachadas centralizadamente. I - INTRODUÇÃO

Leia mais

RESTRIÇÕES AOS INTERCÂMBIOS ENTRE OS SUBMERCADOS

RESTRIÇÕES AOS INTERCÂMBIOS ENTRE OS SUBMERCADOS RESTRIÇÕES AOS INTERCÂMBIOS ENTRE OS SUBMERCADOS (Revisão 1) Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua da Quitanda, 196 - Centro 20091-005 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 2203-9400 Fax (+21) 2203-9444 2012/ONS

Leia mais

ANEMÔMETRO A FIO QUENTE

ANEMÔMETRO A FIO QUENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÀO ELTRÔNICA ANEMÔMETRO A FIO QUENTE Cayo Cid de França Moraes 200321285 Natal/RN ANEMÔMETRO

Leia mais

Equivalentes Dinâmicos de Redes Elétricas Multi-conectadas Utilizando Análise Modal

Equivalentes Dinâmicos de Redes Elétricas Multi-conectadas Utilizando Análise Modal Artigo GDS-31 apresentado no XX SNPTEE (22 a 25 de Novembro de 2009 - Recife - PE) Equivalentes Dinâmicos de Redes Elétricas Multi-conectadas Utilizando Análise Modal Franklin Clement Véliz Sergio Luis

Leia mais

3 Metodologia de calibração proposta

3 Metodologia de calibração proposta Metodologia de calibração proposta 49 3 Metodologia de calibração proposta A metodologia tradicional de calibração direta, novamente ilustrada na Figura 22, apresenta uma série de dificuldades e limitações,

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A À AUDIÊNCIA PÚBLICA 025/2011

CONTRIBUIÇÃO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A À AUDIÊNCIA PÚBLICA 025/2011 CONTRIBUIÇÃO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A À AUDIÊNCIA PÚBLICA 025/2011 NOTA TÉCNICA Nº 014/2011 SRD/ANEEL METODOLOGIA E CRITÉRIOS GERAIS PARA CÁLCULO DAS PERDAS TÉCNICAS NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO... TERCEIRO

Leia mais

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES)

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) Baixos valores de fator de potência são decorrentes de quantidades elevadas de energia reativa. Essa condição resulta em aumento na corrente total que

Leia mais

GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA - GPC

GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA - GPC SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPC - 3 16 a 21 Outubro de 25 Curitiba - Paraná GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA -

Leia mais

Capítulo IV. Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração. Aterramento do neutro

Capítulo IV. Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração. Aterramento do neutro 60 Capítulo IV Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração Paulo Fernandes Costa* Nos três capítulos anteriores, foram discutidos os aspectos da escolha e

Leia mais

Infraestrutura do Setor Elétrico: O Planejamento da Expansão do Sistema Brasileiro

Infraestrutura do Setor Elétrico: O Planejamento da Expansão do Sistema Brasileiro Infraestrutura do Setor Elétrico: O Planejamento da Expansão do Sistema Brasileiro Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica Empresa de Pesquisa Energética - EPE Infraestrutura do Setor

Leia mais

Desafios da incorporação de novas tecnologias no planejamento, caso Brasil. Dourival de Souza Carvalho Junior. EPE Empresa de Pesquisa Energética

Desafios da incorporação de novas tecnologias no planejamento, caso Brasil. Dourival de Souza Carvalho Junior. EPE Empresa de Pesquisa Energética Desafios da incorporação de novas tecnologias no planejamento, caso Brasil Dourival de Souza Carvalho Junior EPE Empresa de Pesquisa Energética dourival.carvalho@epe.gov.br Desafios da incorporação de

Leia mais

Acionamento de Motores CA

Acionamento de Motores CA Fundação Universidade Federal ACIONAMENTOS de Mato Grosso do CA Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Acionamento de Motores CA Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto Universidade Federal

Leia mais

Capítulo III Comparações entre algoritmos para análise dos resultados de SFRA Por Marcelo Eduardo de Carvalho Paulino*

Capítulo III Comparações entre algoritmos para análise dos resultados de SFRA Por Marcelo Eduardo de Carvalho Paulino* 44 Capítulo III Comparações entre algoritmos para análise dos resultados de SFRA Por Marcelo Eduardo de Carvalho Paulino* Os diferentes algoritmos para análise de resposta em frequência e comparação dos

Leia mais

EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA CIRCUITO EQUIVALENTE PARA REGULADOR DE TENSÃO TIPO INDUÇÃO

EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA CIRCUITO EQUIVALENTE PARA REGULADOR DE TENSÃO TIPO INDUÇÃO TELEFONE () 00-0777 - FAX () 00-0779 - CEP 033-0 CIRCUITO EQUIVALENTE PARA REGULADOR DE TENSÃO TIPO INDUÇÃO O artigo a seguir propõe um circuito equivalente para regulador de tensão, simples e prático,

Leia mais

Transmissão em Corrente Contínua

Transmissão em Corrente Contínua Transmissão em Corrente Contínua Panorama Atual e Perspectivas Futuras no Brasil Ultra-High Voltage Transmission Systems Brazilian SC B4 Transmissão em CCAT - Aspectos Conceituais E. H. Watanabe 1 B. Chuco

Leia mais

ESTUDO DE INSTALAÇÃO FOTOVOLTAICAS ISOLADAS E CONECTADAS À REDE ELÉTRICA. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

ESTUDO DE INSTALAÇÃO FOTOVOLTAICAS ISOLADAS E CONECTADAS À REDE ELÉTRICA. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. ESTUDO DE INSTALAÇÃO FOTOVOLTAICAS ISOLADAS E CONECTADAS À REDE ELÉTRICA Bolsista Apresentador: Diego Leonardo Bertol Moraes. Coordenador: Airton Cabral de Andrade Pontifícia Universidade Católica do Rio

Leia mais

SCQ/007 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil

SCQ/007 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil SCQ/007 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil STE INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DE VARIAÇÕES MOMENTÂNEAS DE TENSÃO NA OPERAÇÃO

Leia mais

EFEITO DAS CURVAS DE AVERSÃO SOBRE A OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO BRASILEIRO. Relatório Final(Versão 2)

EFEITO DAS CURVAS DE AVERSÃO SOBRE A OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO BRASILEIRO. Relatório Final(Versão 2) EFEITO DAS CURVAS DE AVERSÃO SOBRE A OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO BRASILEIRO Relatório Final(Versão 2) Preparado para DUKE ENERGY Preparado por MERCADOS DE ENERGIA/PSR Janeiro 24 ÍNDICE 1 OBJETIVO...

Leia mais

Objetivo Geral: - Conhecer o método mais utilizado para obter os parâmetros de um transformador de tensão a partir de ensaios.

Objetivo Geral: - Conhecer o método mais utilizado para obter os parâmetros de um transformador de tensão a partir de ensaios. ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é ver como filtros de freqüência utilizados em eletrônica podem ser construídos a partir de um circuito RC. 2. MATERIAL

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPL VII 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

Leia mais

6º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS

6º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS TÍTULO DO TRABALHO: Eficiência Energética no Acionamento de Máquinas AUTORES: Ayslan Caisson Norões Maia, Alexandre Cunha Oliveira

Leia mais

CARACTERÍSTICAS E REQUISITOS TÉCNICOS ESPECÍFICOS

CARACTERÍSTICAS E REQUISITOS TÉCNICOS ESPECÍFICOS ANEXO 6D LOTE D INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO COMPOSTAS POR LT 500 kv SAPEAÇU MORRO DO CHAPÉU II E LT 230 kv JUAZEIRO DA BAHIA II JUAZEIRO DA BAHIA III SE 500/230 kv MORRO DO CHAPÉU II E SE 500/230/69 kv

Leia mais

Sistemas trifásicos. Introdução

Sistemas trifásicos. Introdução Sistemas trifásicos Introdução Em circuitos elétricos de potência, a energia elétrica é gerada, transmitida, distribuída e consumida sob a forma e trifásica, Uma das vantagens dos circuitos trifásicos

Leia mais

Índice. Dados, Premissas e Critérios. 1 Introdução e Objetivo. 2 Alternativas Analisadas. 4 Cenários Analisados. 5 Análise Socioambiental

Índice. Dados, Premissas e Critérios. 1 Introdução e Objetivo. 2 Alternativas Analisadas. 4 Cenários Analisados. 5 Análise Socioambiental EPE Empresa de Pesquisa Energética Índice 1 Introdução e Objetivo 2 Alternativas Analisadas 3 Dados, Premissas e Critérios 4 Cenários Analisados 5 Análise Socioambiental 6 Linhas de Transmissão 7 Análise

Leia mais

PEA 2400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 111 PARTE 3 MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA

PEA 2400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 111 PARTE 3 MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA PEA 2400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 111 PARTE 3 MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA MOTORES DE CORRENTE CONTÍNUA: CONSTRUÇÃO PEA 2400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 112 ROTOR SUSTENTADO DENTRO DO ESTATOR POR MEIO DE MANCAIS

Leia mais

Desenvolvimento de um Aplicativo Computacional para Cálculo de Penetração Harmônica em Sistemas Elétricos e Projeto de Filtros Passivos Sintonizados

Desenvolvimento de um Aplicativo Computacional para Cálculo de Penetração Harmônica em Sistemas Elétricos e Projeto de Filtros Passivos Sintonizados 1 Desenvolvimento de um Aplicativo Computacional para Cálculo de Penetração Harmônica em Sistemas Elétricos e Projeto de Filtros Passivos Sintonizados ANDRÉIA CRICO DOS SANTOS, CARLOS EDUARDO TAVARES Resumo

Leia mais

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil VI SBQEE 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil Código: BEL 11 7608 Tópico: Modelagem e Simulações AVALIAÇÃO DE TÉCNICAS PARA AUMENTO DE SUPORTABILIDADE DE UM SISTEMA DE ACIONAMENTO À VELOCIDADE VARIÁVEL

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE TRANSFORMADOR SOB CARGAS NÃO-LINEARES

DIMENSIONAMENTO DE TRANSFORMADOR SOB CARGAS NÃO-LINEARES DIMENSIONAMENTO DE TRANSFORMADOR SOB CARGAS NÃO-LINEARES Cairo Rezende dos SANTOS; Paulo César M. MACHADO; Luiz Roberto LISITA Escola de Engenharia Elétrica e de Computação UFG cairorezende@hotmail.com,

Leia mais

COMPARAÇÃO ECONÔMICA ENTRE O TRANSPORTE DE GÁS E LINHA DE TRANSMISSÃO

COMPARAÇÃO ECONÔMICA ENTRE O TRANSPORTE DE GÁS E LINHA DE TRANSMISSÃO GPT/7 17 à de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO II PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS (GPT) COMPARAÇÃO ECONÔMICA ENTRE O TRANSPORTE DE GÁS E LINHA DE TRANSMISSÃO Eliane Aparecida

Leia mais

Escola SENAI Prof. Dr. Euryclides de Jesus Zerbini Campinas/SP. Eletrônica Analógica Laboratório

Escola SENAI Prof. Dr. Euryclides de Jesus Zerbini Campinas/SP. Eletrônica Analógica Laboratório Escola SENAI Prof. Dr. Euryclides de Jesus Zerbini Campinas/SP 2002 Eletrônica Analógica Laboratório Eletrônica Analógica Atividades de Laboratório SENAI, Departamento Regional de São Paulo, 2002 Trabalho

Leia mais

V SBQEE SOBRECARGA HARMÔNICA E IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE MONITORAMENTO E ALARME NAS SUBESTAÇÕES DE IBIÚNA E FOZ DO IGUAÇU DE FURNAS

V SBQEE SOBRECARGA HARMÔNICA E IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE MONITORAMENTO E ALARME NAS SUBESTAÇÕES DE IBIÚNA E FOZ DO IGUAÇU DE FURNAS V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 05 150 Tópico: Sistemas de Monitoramento e Tratamento de Dados SOBRECARGA HARMÔNICA

Leia mais

Aplicação do Método de Newton-Raphson no Controle da Resistência Externa de Geradores Eólicos Durante Afundamentos de Tensão

Aplicação do Método de Newton-Raphson no Controle da Resistência Externa de Geradores Eólicos Durante Afundamentos de Tensão Aplicação do Método de Newton-Raphson no Controle da Resistência Externa de Geradores Eólicos Durante Afundamentos de Tensão E. F. Cota 1, A. F. Bastos 1, S. R. Silva 2, H. A. Pereira 1,2 1 Universidade

Leia mais

Circuitos Retificadores

Circuitos Retificadores Circuitos Retificadores 1- INTRODUÇÃO Os circuito retificadores, são circuitos elétricos utilizados em sua maioria para a conversão de tensões alternadas em contínuas, utilizando para isto no processo

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão.0 a 5 Novembro de 009 Recife - PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO GRUPO DE ESTUDO ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA -

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO

INSTITUTO TECNOLÓGICO PAC - PROGRAMA DE APRIMORAMENTO DE CONTEÚDOS. ATIVIDADES DE NIVELAMENTO BÁSICO. DISCIPLINAS: MATEMÁTICA & ESTATÍSTICA. PROFº.: PROF. DR. AUSTER RUZANTE 1ª SEMANA DE ATIVIDADES DOS CURSOS DE TECNOLOGIA

Leia mais

PEA 2400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 60 CARACTERIZAÇÃO DAS PERDAS E RENDIMENTO NO TRANSFORMADOR EM CARGA: PERDAS NO FERRO (HISTERÉTICA E FOUCAULT)

PEA 2400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 60 CARACTERIZAÇÃO DAS PERDAS E RENDIMENTO NO TRANSFORMADOR EM CARGA: PERDAS NO FERRO (HISTERÉTICA E FOUCAULT) PEA 400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 60 CARACTERIZAÇÃO DAS PERDAS E RENDIMENTO NO TRANSFORMADOR EM CARGA: PERDAS NO FERRO (HISTERÉTICA E FOUCAULT) PERDAS CONSTANTES: p C INDEPENDENTES DA CARGA EFEITO DO CAMPO

Leia mais

3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de transmissão planar 3.1.Introdução

3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de transmissão planar 3.1.Introdução 3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de 3.1.Introdução Neste capítulo serão apresentadas diversas configurações que possibil itam a realização do transformador de impedância

Leia mais

DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Acionamentos Elétricos. Prof.: Hélio Henrique

DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Acionamentos Elétricos. Prof.: Hélio Henrique DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA Disciplina: Máquinas e Acionamentos Elétricos Prof.: Hélio Henrique 2 MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA 2.1 - COMPONENTES DA MÁQUINA CC Fig. 2-1 :

Leia mais