CONTRIBUIÇÃO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A À AUDIÊNCIA PÚBLICA 025/2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTRIBUIÇÃO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A À AUDIÊNCIA PÚBLICA 025/2011"

Transcrição

1 CONTRIBUIÇÃO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A À AUDIÊNCIA PÚBLICA 025/2011 NOTA TÉCNICA Nº 014/2011 SRD/ANEEL METODOLOGIA E CRITÉRIOS GERAIS PARA CÁLCULO DAS PERDAS TÉCNICAS NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO... TERCEIRO CICLO DE REVISÃO TARIFÁRIA PERIÓDICA DAS CONCESSIONÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELETRICA BELO HORIZONTE, 3 DE JUNHO DE

2 MINUTA CONTRIBUIÇÃO A AP 25 PERDAS TÉCNICAS 1. Introdução A ANEEL apresenta nessa Audiência Pública uma nova forma para calcular as Perdas Técnicas no Sistema de Distribuição em substituição à metodologia empregada no 2º Ciclo. Essa metodologia tem como pontos básicos o seguinte: Cálculo da Perda de Potência no Cobre, tanto nas redes quanto nos transformadores, com base na Demanda Média e cálculo da Perda de Energia a partir dessa Perda de Demanda Média multiplicada por um fator denominado Coeficiente de Perdas; Cálculo da demanda média na rede e transformadores a partir do consumo medido dos clientes de Baixa e Média Tensão sem considerar a energia não medida ou não faturada na BT, ou seja, sem considerar as Perdas Não Técnicas; Cálculo das Perdas nos Alimentadores a partir de uma única função que correlaciona as Perdas no Cobre com quatro parâmetros: Corrente, o Comprimento do Tronco, a Resistência do Tronco e o Comprimento do Ramal. Esta função foi obtida por regressão múltipla com dados dos alimentadores da COELBA e COPEL e viria substituir o método de cálculo das perdas dos alimentadores, conhecido como Modelo Arborescente Cálculo das Perdas na Rede Secundária pelo mesmo método do 2º Ciclo, porém enquadrando as redes em cada tipologia de Rede pelo seu comprimento; Padronização da extensão do Ramal do Cliente em 10 metros; Padronização da perda nos medidores em 1 W para os eletromecânicos e 0,5 W para os eletrônicos. Essa contribuição irá discorrer sobre cada um desses pontos, avaliando os aspectos positivos e negativos, sugerindo implementações e fazendo novas proposições. 2

3 2. Cálculo da Perda de Potência Média das Redes e Transformadores e cálculo da Perda de Energia a partir dessa Perda de Potência multiplicada pelo Coeficiente de Perdas A Proposta da ANEEL de calcular a Perda de Energia a partir da Perda de Potência Média multiplicada pelo Coeficiente de Perdas (função do Coeficiente de Variação) é uma proposta muito interessante e realmente um pouco mais simples. Na verdade, dá no mesmo calcular a Perda Máxima de Potência e multiplicar pelo Fator de Perdas para chegar à Perda de Energia, como calcular a Perda de Potência Média e multiplicar pelo Coeficiente de Perdas. A questão é que: tanto em um caso como no outro, para calcular corretamente as Perdas de Energia Anual e a Perda Máxima de Potência Anual (necessária ao cálculo do Custo do Cliente) deve-se considerar a variação anual da carga. A isto se relaciona o Fator de Carga Anual, que leva em consideração a variação da carga ao longo da semana, do mês e do ano. Porém, a relação da Perda de Potência Média com a Perda de Energia é uma relação mais direta, tornando-se mais transparente para o regulador, daí sua grande vantagem. % =% ê é =(1+ ) % =% ê é (1+ ) Onde CP é o Coeficiente de Perdas e CV é o Coeficiente de Variação entre a demanda de cada intervalo de medição e a demanda média anual. Esse Coeficiente de Variação é igual ao Desvio Padrão da demanda de cada intervalo de medição em relação à demanda média dividido pela demanda média. No entanto, a aplicação dessa formulação é apropriada desde que se calcule corretamente o Coeficiente de Variação para que se possa obter a real variabilidade da carga anual e, portanto, se chegar à Perda real de Energia. Para isto, o cálculo do Coeficiente de Variação da Carga deve necessariamente levar em consideração o seguinte: 3

4 a) Deve refletir a variabilidade da carga de cada elemento da rede, e não curvas agregadas, como das tipologias, que são utilizadas para outros fins; b) Deve levar em consideração a variação anual da carga, para que se obtenham as reais condições de carregamento da rede; c) Além disso, esse coeficiente, por coerência com o faturamento tanto dos clientes como da Rede Básica, deve ser calculado com a variação da carga dentro do intervalo de 15 em 15 min. No item 112 da NT 0014/2011, a ANEEL propõe calcular o CV dos transformadores de BT fazendo da ponderação do CV das curvas individuais dos transformadores da amostra e não com as curvas agregadas dos Transformadores-Tipo, o que está totalmente em concordância com a consideração a. Isto demonstra que o regulador compreende que a dispersão da demanda de cada intervalo em relação à demanda média deve representar a variabilidade de cada elemento individualmente e não da curva agregada das tipologias, o que é muito elogiável. Já no cálculo do CV dos alimentadores, a ANEEL propõe utilizar as curvas dos transformadores ao qual o alimentador está conectado. Isto é bem melhor que utilizar as curvas das tipologias das SEs, por exemplo, mas ainda não reflete a variação anual da carga de cada trecho do alimentador. Reflete a variação da carga do Tronco, porém não reflete bem a variação da carga dos Ramais do Alimentador. A variabilidade da carga dos ramais tende a ser maior que do alimentador tronco, variando em cada trecho de uma curva de carga de transformador MT/BT (extremidade da rede) até a curva de carga dos transformadores das SEs de AT/MT (tronco). Para a rede secundária, o regulador propõe usar o mesmo Coeficiente de Variação calculado para a transformação MT/BT, o que não é de forma alguma adequado, pois a curva de carga da rede secundária tem Fator de Carga mais baixo que do transformador, variando entre as curvas dos clientes (nas extremidades da rede) até a curva do trafo (no tronco junto ao transformador). A ANEEL propõe, por fim, que o CV dos ramais dos clientes seja calculado com a tipologia dos clientes tipo, o que também não nos parece adequado, pois a curva de carga dos ramais é muito mais parecida com a curva de carga do cliente individual. Em média, na CEMIG existem 4

5 1,3 consumidores por ramal, ou seja, praticamente 1 ramal para cada cliente. São 7,1 milhões de consumidores para 5,5 milhões de ramais. Quanto à segunda consideração, da necessidade de trabalhar com a variação anual da carga, verifica-se que o regulador não deu tratamento adequado. O tratamento que foi dado não considerou a sazonalidade da carga ao longo de todo ano. Consiste em calcular o Coeficiente de Variação do dia útil, do sábado e domingo e fazer uma média ponderada a seguir: = Além do fato de que o ano tem por volta de 250 dias úteis e não 265, pois 15 dias são feriados, cuja curva típica é semelhante ao domingo, essa média não percebe que o consumo do sábado e domingo/feriados é menor que o dia útil. Ou seja, não considera que a demanda média desses dias é menor que a demanda média do dia útil. Quando se reduz a demanda média dos sábados e domingos/feriados, o consumo do dia útil cresce e, portanto, a variação da carga, o carregamento do dia útil aumenta, e com este as perdas. A redução das perdas nos sábados, domingos/feriados não compensa o aumento das perdas no dia útil, pelo fato das perdas serem função do quadrado da corrente, como já se sabe. Se essas fórmulas não contemplam a variação da carga na semana, muito menos considera a sazonalização ao longo do ano, não sendo, portanto, totalmente adequadas. De forma que a consideração b variação anual da carga e a consideração c usar intervalos de integração de 15 em 15 min não foram devidamente tratados pela ANEEL. A proposta seguinte vem dar solução ao problema de forma simples e transparente que atende às preocupações do regulador e evita a assimetria de informações: Transformadores Medir a amostra dos transformadores (normalmente de 60 a 100 medições) durante todo ano e calcular a Média Ponderada dos Coeficientes de Variação Anual, calculado com a Curva anual de cada transformador da amostra. Não usar as curvas da tipologia, mas as curvas dos 365 dias do ano de cada transformador da amostra individualmente. Calcular esse Coeficiente de Variação com as curvas dos trafos de 15 em 15 min. 5

6 Alimentadores Medir os alimentadores (isto já será uma obrigação em 2013) durante todo o ano e calcular os Coeficientes de Variação Anual de cada Alimentador, que será a referência para o CV do Alimentador Tronco. Não usar a tipologia das SEs AT/MT, pois o fator de carga é muito maior que dos alimentadores. Não usar eventual tipologia de Alimentadores cuja variabilidade da carga também é menor que dos alimentadores individuais. Usar as 365 curvas diárias do ano de todos Alimentadores (ou de uma amostra se não for possível). Calcular esse Coeficiente de Variação com as curvas dos trafos de 15 em 15 min. Para os Ramais dos Alimentadores, utilizar a média aritmética do CV do Alimentador Tronco e o CV dos Transformadores MT/BT acima descrito. Ramal do Cliente Medir os consumidores da amostra durante todo o ano, calcular o Coeficientes de Variação Anual de cada cliente e calcular a Média Ponderada dos CVs dos clientes da amostra de BT, que seria a referência para o CV do Ramal do cliente. Rede Secundária Para a Rede Secundária, utilizar a média aritmética do CV dos Ramais do Cliente e o CV dos Transformadores MT/BT 3. Cálculo da demanda média na rede e transformadores a partir do consumo medido dos clientes de Baixa e Média Tensão sem considerar a energia não faturada A Proposta da ANEEL de calcular o fluxo médio nas redes sem considerar a energia não faturada é absolutamente incoerente, totalmente destituída de embasamento técnico, desprovida de argumentos relacionados a incentivos e sem outras justificativas de cunho social ou político. As Perdas Não Técnicas, ou seja, a energia não faturada, por definição, transita na rede de distribuição, e faz parte do carregamento da rede e, portanto, provoca Perdas Técnicas. No momento em que a distribuidora conseguir reduzir as Perdas Não Técnicas, o nível de carregamento das redes continuará absolutamente o mesmo. E consequentemente, as Perdas 6

7 Técnicas também continuarão as mesmas! Ou seja, não existe relação entre combate às Perdas Não Técnicas e Perdas Técnicas. Ao reduzir as Perdas Não Técnicas o que se altera na empresa é o faturamento, a receita, e não a compra de energia ou o fluxo de carga da rede. Conclusão: a redução de Perdas Não Técnicas não está associada à redução das Perdas Técnicas. De forma que não há absolutamente motivo para se calcular incorretamente as Perdas Técnicas, desconsiderando as Perdas Não Técnicas no fluxo das redes e transformadores. Finalmente, entendemos que, de certa forma, é incoerente que o regulador calcule de forma incorreta as Perdas Técnicas, desconsiderando a energia não faturada no fluxo, de forma a aumentar indevidamente e artificialmente, as Perdas Não Técnicas das empresas. E depois criar uma trajetória decrescente para Perdas Não Técnicas que não existem! Assim, considera-se inaceitável a desconsideração das perdas Não Técnicas no cálculo das Perdas Técnicas. 4. Cálculo das Perdas nos alimentadores a partir de uma única função que correlaciona as perdas com a Corrente, a Resistência do Tronco, com o Comprimento do Tronco e Comprimento do Ramal. A Proposta da ANEEL de calcular a Perda dos Alimentadores a partir de uma única função para todas as distribuidoras é muito questionável, pois as empresas possuem alimentadores com características muito distintas, principalmente quando se trata de Alimentadores Urbanos, Rurais e Subterrâneos. Fórmula ANEEL =0,98 exp ( 6,52+1,88ln( )+0,77ln( )+0,41ln( )+0,19 ln ( ) É de se esperar que seja necessário mais que uma fórmula para buscar reproduzir os diversos tipos características da rede de média tensão das empresas, como as empregadas no Modelo Arborescente. De forma, que este estudo deve ser amadurecido antes de implantado. Além disso, obviamente que a amostra de alimentadores, base para a Regressão Múltipla e definição dos parâmetros da equação, não foi de forma alguma representativa, a despeito do 7

8 regulador tentar defender esse ponto de vista em vários pontos da Nota Técnica. Definitivamente a COELBA e COPEL não representam as distribuidoras do país. Além disso, a regressão com os alimentadores da CEMIG geraram parâmetros da fórmula significativamente distintos da fórmula da ANEEL, principalmente para a Resistência e Comprimento do Tronco, como pode se ver na equação a seguir: Fórmula CEMIG =0,98 exp ( 5,41+1,56ln( )+0,39ln( )+0,06ln( )+0,29 ln ( ) As análises ainda são preliminares devido à escassez de prazo para melhores avaliações e contribuições nessa Audiência Pública, mas evidencia claramente que há necessidade de aprofundar os estudos. De forma que propomos que no 3º Ciclo se continue com a aplicação o Modelo Arborescente, comparado concomitantemente com esse modelo em estudo, para ver a sua real viabilidade de implantação. 5. Cálculo das Perdas na Rede Secundária pelo mesmo método do 2º Ciclo, porém enquadrando as redes em cada tipologia de Rede pelo seu Comprimento. A Proposta da ANEEL de enquadrar a rede de distribuição em baixa tensão apenas pela sua extensão levará a um enquadramento totalmente contrário ao real, principalmente para as redes rurais, de grande extensão, que pela tabela da ANEEL se enquadrariam quase todas na Tipologia 4 e 5, típicas de redes adensadas e, claro, urbanas. Tabela ANEEL Tipologia 1 Tipologia 2 Tipologia 3 Tipologia 4 Tipologia 5 L 100m 100<L 200m 200<L 350m 350<L 500m L 500m 8

9 A tabela abaixo apresenta a discrepância entre o enquadramento feito pela CEMIG em 2007, a partir de um algoritmo aplicado no sistema de geo-referenciamento que buscava o enquadramento segundo a tabela de comprimento das redes definida pela ANEEL. Formato Rede CEMIG Geo - Referenciamento % Tabela ANEEL Comprimento Rede Tipologia % % Tipologia % % Tipologia % % Tipologia % % Tipologia % % TOTAL % % % Verifica-se que enquanto 50% das Redes Secundárias da CEMIG enquadram-se nos Tipos 1 e 2, pelo novo critério da ANEEL representaria apenas 31%. Enquanto 18% das Redes enquadramse nos tipos 4 e 5, devido à característica pouco densa do sistema CEMIG, pelo novo critério, 40% estariam enquadrados nessa tipologia, o que não condiz com o sistema CEMIG. 6. Padronização da Extensão do Ramal do Cliente em 10 metros. Entendemos que a proposta da ANEEL de limitar o ramal do cliente em 10 metros não reflete a realidade das Distribuidoras. No caso específico da CEMIG onde as redes de Baixa Tensão em sua maioria são apenas de um lado da via com atendimento de clientes em ambos os lados, temos diversas situações onde o ramal de ligação precisa ser maior que o proposto, tais como: Passeios de diversos tamanhos - de 1 a 5 metros; Arborização das ruas impedindo às vezes que a ligação do cliente seja feita no poste mais próximo; Construções com avanço para via, sacadas e janelas, que por motivo de segurança dos moradores impedem que os ramais dos vizinhos passem pela frente de suas casas, obrigando a ligação destes em outro poste mais distantes; Estas ponderações são confirmadas no estudo realizado pela CEMIG, onde a extensão dos ramais de seus clientes é em média de 17 metros. 9

10 Conforme apresentado no item 2 Cálculo da Perda de Potência Média das Redes e Transformadores e cálculo da Perda de Energia a partir dessa Perda de Potência multiplicada pelo Coeficiente de Perdas, a CEMIG tem atualmente 5,5 milhões de ramais de ligação. Com a utilização dos 10 metros, conforme proposta ANEEL, teremos uma diferença de 38,5 milhões de metros de ramais de ligação. Ressalta-se que a média móvel das perdas técnicas referente ao segmento ramal do cliente na CEMIG é de aproximadamente MWh/ano, e a simples alteração do comprimento para 10 metros ocasionará a redução das perdas neste segmento em cerca de 40%. Diante do exposto, entendemos que deverá ser mantido o critério atual de utilização do comprimento do ramal, de acordo com característica de cada distribuidora. 7. Padronização da Perda dos Medidores em 1 W e 0,5 W. Para as perdas em circuitos de potencial de medidores, a ANEEL está considerando 0,5W em medidores eletrônicos e 1 W em medidores eletromecânicos. No caso de medidores eletromecânicos, os valores de perda máxima para o circuito de potencial estabelecidos pela Portaria Inmetro 285/2008 são: a) 2 W para medidores classe 1; b) 1,5 W para medidores classe 2. Baseado nisto, a Cemig avaliou uma amostra de medidores eletromecânicos monofásicos e polifásicos. No caso dos medidores monofásicos, em todos os 3 modelos, de fabricantes diferentes, o consumo verificado foi abaixo do estabelecido na Portaria do Inmetro (1,5 W), mas acima do valor considerado pela Aneel (1 W). Os valores obtidos foram 1,36W, 1,28W e 1,12W. No caso dos medidores polifásicos, de 3 modelos de fabricantes diferentes, os consumos verificados por circuito foram 1,2W, 1,12 W e 0,99W. Portanto, todos os modelos obtiveram perdas abaixo do máximo estabelecido em Portaria, mas 2 modelos ficaram acima do valor considerado pela Aneel. Portanto, para os medidores eletromecânicos, pode-se constatar que os valores estabelecidos pela Aneel estão subdimensionados e prejudicam as distribuidoras. 10

11 Ressalta-se que a Norma da ABNT 8377 e a Portaria Inmetro mantém os valores de perdas máximas há alguns anos e o parque de eletromecânicos é bastante antigo, com média superior a 15 anos. Ou seja, tais medidores foram comprados e instalados considerando tais valores. Quanto aos limites dos medidores eletrônicos, a Portaria Inmetro 431/2007 estabelece 2 W, para medidor monofásico, polifásico e multitensão, com fonte de alimentação capacitiva. Para medidores multifunção polifásicos em que a fonte de alimentação esteja ligada a uma única fase, ou com tensão auxiliar, a perda máxima total é de 6 W. Para os casos específicos citados na Tabela 14 devem ser respeitadas as perdas máximas abaixo: Tabela 14 - imite de consumo para medidores multigrandeza ou multifunção Tipo de medidor Monofásicos 2 elementos 1 (por elemento) (por elemento) 3 elementos 1 Medidor Multigrandeza 3 W 2,5 W 2 W Medidor Multifunção 5 W 3,5 W 3 W para Medidores polifásicos, as perdas são assumidas como igualmente partilhadas entre os elementos. No caso de falta de tensão em um dos elementos, é admitido que o consumo seja maior que o especificado, porém o medidor deve continuar a operar corretamente. Da mesma forma, a CEMIG avaliou uma amostra de medidores eletrônicos: Em 5 modelos de fabricantes distintos, os consumos verificados por circuito foram de 1,23 W, 1,0567 W (média de 3 circuitos), 0,89 W (média de 3 circuitos), 0,33 W e 0,32 W. Portanto, em todos os medidores, o consumo verificado foi abaixo do estabelecido na Portaria do Inmetro (2 W), mas na maioria foi acima do valor considerado pela Aneel (0,5 W). Por fim, destacamos um trecho da dissertação de mestrado de um empregado da própria Aneel (Hugo Lamin), em que afirma: 11

12 Perdas técnicas Outra vantagem dos medidores eletrônicos frente aos eletromecânicos refere-se ao consumo próprio do equipamento, ou seja, perdas técnicas. Enquanto medidores eletrônicos possuem perda técnica de 0,5W, o medidor eletromecânico apresenta valores maiores, totalizando 1,3 W (Eletropaulo, 2008). Porém, as perdas técnicas nos medidores eletrônicos aumentam à medida que o número de funcionalidades inseridas no equipamento também aumenta. Assim, o valor de perdas técnicas pode ultrapassar aquele indicado para os medidores eletromecânicos. Como existe um planejamento de expansão da medição eletrônica, baseado em legislação a ser estabelecida pela ANEEL, mas as funcionalidades dos medidores, apesar de ainda não definidas pela Aneel, provavelmente serão muitas além das existentes, infere-se que o valor de 0,5 W estará muito aquém dos valores que serão verificados na prática. Posto isto, entendemos que os valores de Perdas em circuitos de potencial a serem considerados sejam: Medidores Eletromecânicos: 1,3 W, por circuito de potencial; Medidores Eletrônicos: 1 W, por circuito de potencial. 8. Conclusão A metodologia proposta para cálculo da Perda de Potência no Cobre, tanto nas redes quanto nos transformadores, com base na Demanda Média e, cálculo da Perda de Energia a partir dessa Perda de Demanda Média, multiplicada por um fator denominado Coeficiente de Perdas, função do Coeficiente de Variação, é muito interessante por ser mais direto e transparente. No entanto, entende-se que deve-se calcular corretamente esse Coeficiente de Variação, levando em consideração a variabilidade anual da carga de cada elemento da rede individualmente, conforme propostas apresentadas neste documento. Quanto à nova metodologia para cálculo das perdas nos alimentadores, a CEMIG propõe que se aprofundem os estudos e que a ANEEL continue aplicando o Modelo Arborescente no 3º Ciclo, confrontando com o novo modelo proposto. 12

13 Concordamos com a manutenção da metodologia para o cálculo das perdas na rede secundária, porém é inaceitável o enquadramento das redes da CEMIG segundo os limites de comprimento definido pela ANEEL, pois é totalmente contrário às características de nossas redes, principalmente das rurais. Também é inaceitável a não consideração das Perdas Não Técnicas no fluxo que transita na Rede para o cálculo das Perdas Técnicas, pois não existe correlação entre redução de Perdas Não Técnicas, que nada mais é que energia não faturada, e redução de Perdas Técnicas. Além disso, é necessário ajustar o comprimento do Ramal do Cliente da CEMIG para 17 metros, bem como a perdas dos medidores para 1,3 W no medidor eletromecânico e 1,0 W no eletrônico. Por fim, para o 4º ciclo sugerimos que o cálculo das perdas seja feito com base no Sistema de geo-referenciamento, cujo cálculo é praticamente determinístico. A CEMIG atualmente calcula suas perdas pelo seu sistema de geo-referenciamento - GEMINI, em cada trecho da rede secundária, em cada transformador, em cada alimentador. O cálculo da corrente também é feito para cada trecho de cada elemento da rede, com base em um avançado modelo de composição da carga, a partir do consumo medido mais perdas não técnicas e perdas técnicas à jusante de cada trecho, que está sendo implementado, para vir a calcular a corrente nas 8760 horas do ano. O módulo de composição da carga considerará a variação da carga ao longo do ano (a CEMIG utilizará tipologia de cada semana curvas tipo de domingo a segundafeira de cada mês do ano e a energia de cada mês para compor a curva de carga de cada elemento da rede). Esse sistema simulará praticamente as perdas reais do sistema de distribuição. Isto está totalmente em consonância com o PRODIST, que determina no Módulo 2, Seção 2.4 que as distribuidoras devem informar à ANEEL o Sistema de Informação Geográfico Regulatório SIG-R. Nesse 3º ciclo, será possível consistir os dados informados pelas empresas e testar os modelos utilizados pelas empresas para cálculo das perdas reais utilizando o sistema de georeferenciamento que possibilitará ser confrontado com os modelos simplificados e validar sua aplicação. 13

AP 025/2011 Contribuição AES BRASIL 1

AP 025/2011 Contribuição AES BRASIL 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL Nº025/2011 Contribuição da AES Brasil à Audiência Pública nº025/2011 da ANEEL, que visa obter subsídios para aprimoramento da metodologia e do procedimento de cálculo de perdas

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 7 Cálculo de Perdas na Distribuição Revisão 0 Motivo da Revisão

Leia mais

Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Grande Escala

Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Grande Escala 1/6 Título Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Nº de Registro (Resumen) 8 Empresa o Entidad CEMIG DISTRIBUIÇÃO S/A CEMIG-D Autores del Trabajo Nombre País e-mail

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 7 Cálculo de Perdas na Distribuição Revisão 0 1 2 3 Motivo da Revisão

Leia mais

Nota Técnica n 0103/2014-SRD/ANEEL. Em 4 de dezembro de 2014. Processos: 48500.002869/2014-98

Nota Técnica n 0103/2014-SRD/ANEEL. Em 4 de dezembro de 2014. Processos: 48500.002869/2014-98 Nota Técnica n 0103/2014-SRD/ANEEL Em 4 de dezembro de 2014. Processos: 48500.002869/2014-98 Assunto: Análise das contribuições recebidas no âmbito da Audiência Pública nº 26/2014, que tratou do aprimoramento

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO. Nota Técnica nº 112/2007-SRD/ANEEL. Brasília, 12 de Dezembro de 2007

SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO. Nota Técnica nº 112/2007-SRD/ANEEL. Brasília, 12 de Dezembro de 2007 SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO Nota Técnica nº 112/2007-SRD/ANEEL Brasília, 12 de Dezembro de 2007 METODOLOGIA DE TRATAMENTO REGULATÓRIO DE PERDAS TÉCNICAS............................................

Leia mais

GESTÃO DAS PERDAS EM ALIMENTADORES DA COPEL

GESTÃO DAS PERDAS EM ALIMENTADORES DA COPEL COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

Aprimoramento da metodologia utilizada pela ANEEL para o cálculo das perdas de energia elétrica

Aprimoramento da metodologia utilizada pela ANEEL para o cálculo das perdas de energia elétrica CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 025/2010 Aprimoramento da metodologia utilizada pela ANEEL para o cálculo das perdas de energia elétrica Nota Técnica nº 014/2011-SRD/ANEEL, de 7 de Abril

Leia mais

Companhia Energética de Minas Gerais

Companhia Energética de Minas Gerais CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 41/2012 Companhia Energética de Minas Gerais AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução Normativa nº 334/2008 NOTA TÉCNICA /2012

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À CONSULTA PÚBLICA Nº 012/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO:

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À CONSULTA PÚBLICA Nº 012/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À CONSULTA PÚBLICA Nº 012/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE GRANDES CONSUMIDORES INDUSTRIAIS DE ENERGIA E DE CONSUMIDORES LIVRES ABRACE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA

Leia mais

Metodologia Regulatória de Cálculo de Perdas Técnicas do Cabeamento Primário de Redes de Distribuição - Aderência e Ajustes

Metodologia Regulatória de Cálculo de Perdas Técnicas do Cabeamento Primário de Redes de Distribuição - Aderência e Ajustes 1/5 Title Metodologia Regulatória de Cálculo de Perdas Técnicas do Cabeamento Primário de Redes de Distribuição - Aderência e Ajustes Registration Nº: (Abstract) Authors of the paper Name Country e-mail

Leia mais

06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE

06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE Nome do Trabalho Técnico Previsão do mercado faturado mensal a partir da carga diária de uma distribuidora de energia elétrica Laucides Damasceno Almeida Márcio Berbert

Leia mais

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Jobson Modena e Hélio Sueta *

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Jobson Modena e Hélio Sueta * 40 Capítulo VI Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Jobson Modena e Hélio Sueta * A ABNT NBR 15749, denominada Medição de resistência de aterramento e de potenciais na superfície

Leia mais

GABARITO - DEF30. Questão 1

GABARITO - DEF30. Questão 1 GABARITO - DEF30 Questão 1 a) Ensaio em aberto: Um dos lados do transformador é deixado em aberto, normalmente o lado de alta tensão. Instrumentos de medição são conectados para medir a corrente I 1, V

Leia mais

Nota Técnica 113/2007 SRD/SRE/ANEEL Metodologia para Projeção de Investimentos para o Cálculo do Fator X Contribuição da Audiência Publica 052/2007

Nota Técnica 113/2007 SRD/SRE/ANEEL Metodologia para Projeção de Investimentos para o Cálculo do Fator X Contribuição da Audiência Publica 052/2007 Nota Técnica 113/2007 SRD/SRE/ANEEL Metodologia para Projeção de Investimentos para o Cálculo do Fator X Contribuição da Audiência Publica 052/2007 1 1. Estrutura do Trabalho : De forma que se pudesse

Leia mais

FAQ CHAMADA PÚBLICA R.: Entendimento correto.

FAQ CHAMADA PÚBLICA R.: Entendimento correto. FAQ CHAMADA PÚBLICA 1. Conforme o item 8.1.6 do edital da Chamada Pública REE 002/2015 para as propostas de projetos que contemplarem a inclusão de geração de energia elétrica a partir de Fonte Incentivada

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA - AP 028/2014. Contribuição do Grupo Energias do Brasil EDP

AUDIÊNCIA PÚBLICA - AP 028/2014. Contribuição do Grupo Energias do Brasil EDP AUDIÊNCIA PÚBLICA - AP 028/2014 Contribuição do Grupo Energias do Brasil EDP 1. OBJETIVO Este documento apresenta as contribuições das distribuidoras EDP Bandeirante e EDP Escelsa, do Grupo EDP, à Audiência

Leia mais

O Índice de Aproveitamento de Subestações e o Planejamento da Expansão: um Estudo de Caso

O Índice de Aproveitamento de Subestações e o Planejamento da Expansão: um Estudo de Caso 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG O Índice de Aproveitamento de Subestações e o Planejamento da Expansão: um Estudo de Caso Engº Caius V. S. Malagoli Engº Adriano A. E. Merguizo Engº Luiz C.

Leia mais

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br CARTILHA Previdência Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO www.sulamericaonline.com.br Índice 1. Os Planos de Previdência Complementar e o Novo Regime Tributário 4 2. Tratamento Tributário Básico 5 3. Características

Leia mais

Capítulo 4 Calibração Onshore do Medidor Ultra-Sônico em Laboratório.

Capítulo 4 Calibração Onshore do Medidor Ultra-Sônico em Laboratório. 40 Capítulo 4 Calibração Onshore do Medidor Ultra-Sônico em Laboratório. Nesse capítulo chega-se ao ponto de partida para o pleno desenvolvimento desse trabalho, após um processo complicado de liberação

Leia mais

1 Introdução aos procedimentos do Programa de Eficiência Energética da ANEEL - ProPEE Apresentação dos princípios norteadores às propostas de

1 Introdução aos procedimentos do Programa de Eficiência Energética da ANEEL - ProPEE Apresentação dos princípios norteadores às propostas de 1 Introdução aos procedimentos do Programa de Eficiência Energética da ANEEL - ProPEE Apresentação dos princípios norteadores às propostas de projetos de eficiência energética 2 Motivações Os contratos

Leia mais

Programa de Eficiência Energética - Celpe Chamada Pública de Projetos REE 002/2015. Thiago Figueiredo Dezembro de 2015

Programa de Eficiência Energética - Celpe Chamada Pública de Projetos REE 002/2015. Thiago Figueiredo Dezembro de 2015 Programa de Eficiência Energética - Celpe Chamada Pública de Projetos REE 002/2015 Thiago Figueiredo Dezembro de 2015 Neoenergia em números Lucro Líquido - Distribuição: R$ 786 MM População Atendida: 26,5

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DAS TENSÕES

PADRONIZAÇÃO DAS TENSÕES AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RELATÓRIO DE ANÁLISE DAS CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 009/2011 NOTA TÉCNICA Nº 0153/2013-SRD/ANEEL, DE 20/06/2013 ANEXO 1 PADRONIZAÇÃO DAS

Leia mais

CP 013/14 Sistemas Subterrâneos. Questões para as distribuidoras

CP 013/14 Sistemas Subterrâneos. Questões para as distribuidoras CP 013/14 Sistemas Subterrâneos Questões para as distribuidoras 1) Observa-se a necessidade de planejamento/operacionalização de atividades entre diversos agentes (distribuidoras, concessionárias de outros

Leia mais

Tensão em regime permanente (DRC e DRP)

Tensão em regime permanente (DRC e DRP) Capítulo IX Modelo de relatório de qualidade da energia elétrica atendendo aos Procedimentos de Distribuição (Prodist) Por André Luís Grandi e Maria Jovita Siqueira* Este artigo propõe um modelo de análise

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 115, de 29 de junho de 1998 O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

Edital de Concorrência Pública Nacional (SQC) nº 40.10756/2006

Edital de Concorrência Pública Nacional (SQC) nº 40.10756/2006 Edital de Concorrência Pública Nacional (SQC) nº 40.10756/2006 Serviços de Consultoria Pessoa Jurídica para a elaboração de metodologia que permita mensurar, verificar e avaliar os resultados decorrentes

Leia mais

5. O Ofício nº 0385/2012-SRD/ANEEL, de 01/11/2012, solicitou esclarecimentos sobre os dados enviados pela ENERSUL por meio da carta supracitada.

5. O Ofício nº 0385/2012-SRD/ANEEL, de 01/11/2012, solicitou esclarecimentos sobre os dados enviados pela ENERSUL por meio da carta supracitada. Nota Técnica n 0182/2012-SRD/ANEEL Em 10 de dezembro de 2012. Processo nº: 48500.003435/2012-43 Assunto: Apuração das perdas na distribuição referentes ao 3º Ciclo de Revisão Tarifária Periódica da Empresa

Leia mais

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO)

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) Condições de atendimento Diretoria de Distribuição Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 48

COMUNICADO TÉCNICO Nº 48 Página 1 de 19 COMUNICADO TÉCNICO Nº 48 ATENDIMENTO DE NOVOS CONSUMIDORES LOCALIZADOS EM ÁREAS DE SISTEMAS SUBTERRÂNEOS DE DISTRIBUIÇÃO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

4) Considerando-se os pontos A(p1, q 1) = (13,7) e B (p 2, q 2) = (12,5), calcule a elasticidade-preço da demanda no ponto médio.

4) Considerando-se os pontos A(p1, q 1) = (13,7) e B (p 2, q 2) = (12,5), calcule a elasticidade-preço da demanda no ponto médio. 1) O problema fundamental com o qual a Economia se preocupa é o da escassez. Explique porque, citando pelo menos um exemplo. A escassez é o problema fundamental da Economia, porque, dadas as necessidades

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 112/2013

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 112/2013 CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 112/2013 OME DA INSTITUIÇÃO: Solarterra Imp e Com Ltda AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: (Resolução 176TA2706.pdf) EMENTA (Caso

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 6 Informações Requeridas e Obrigações

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 6 Informações Requeridas e Obrigações Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 6 Informações Requeridas e Obrigações Revisão 0 1 2 3 4 5 6 7 8

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA n o 001/2008:

CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA n o 001/2008: CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA n o 001/2008: Procedimentos para análise dos limites, condições e restrições para participação de agentes econômicos nas atividades do setor de energia elétrica

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GCR.26 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - IV GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO - GCR VANTAGEM COMPETITIVA

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

Resultados da Pesquisa

Resultados da Pesquisa Resultados da Pesquisa Experiências com Instalações de Sistemas Fotovoltaicos conectados à rede Paula Scheidt Manoel 26 de março de 2014 Metodologia Pesquisa online com instaladores convidados Número de

Leia mais

DESCONTO DE PVI EM FT TRANSFORMAÇÃO TRIFÁSICA

DESCONTO DE PVI EM FT TRANSFORMAÇÃO TRIFÁSICA DESCONTO DE PVI EM FT TRANSFORMAÇÃO TRIFÁSICA Desconto de PVI em FT Transformação Trifásica Contextualização No regulamento em vigor, os Transformadores Trifásicos são considerados para efeito de aplicação

Leia mais

Avaliação dos Investimentos nos Programas de P&D e de Eficiência Energética das Grandes Empresas de Eletricidade no Brasil: Ciclos 2002-03 e 2003-04

Avaliação dos Investimentos nos Programas de P&D e de Eficiência Energética das Grandes Empresas de Eletricidade no Brasil: Ciclos 2002-03 e 2003-04 21 a 25 de Agosto de 6 Belo Horizonte - MG Avaliação dos Investimentos nos Programas de P&D e de Eficiência Energética das Grandes Empresas de Eletricidade no Brasil: Ciclos 2-3 e 3-4 Herivelto Tiago Marcondes

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2014 NOTA TÉCNICA 353/2014 SFF/ANEEL

CONTRIBUIÇÕES À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2014 NOTA TÉCNICA 353/2014 SFF/ANEEL CONTRIBUIÇÕES À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2014 NOTA TÉCNICA 353/2014 SFF/ANEEL INSTITUIÇÃO DE INDICADORES PÚBLICOS DE SUSTENTABILIDADE PARA A FISCALIZAÇÃO DO EQUILÍBRIO ECONÔMICO E FINANCEIRO DAS DISTRIBUIDORAS

Leia mais

É recomendável ordenar e responder apenas àquelas perguntas que podem efetivamente contribuir para um aprofundamento da análise da organização.

É recomendável ordenar e responder apenas àquelas perguntas que podem efetivamente contribuir para um aprofundamento da análise da organização. Roteiro de Apoio Análise da Sustentabilidade Institucional Antonio Luiz de Paula e Silva alpsilva@fonte.org.br 1 O presente documento apresenta uma série de perguntas para ajudar no levantamento de dados

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2011 COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2011 COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2011 COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2011: Contribuições de 30/11/2011 a 30/12/2011 EMENTA:

Leia mais

METODOLOGIA DOS ESTUDOS PARA A

METODOLOGIA DOS ESTUDOS PARA A METODOLOGIA DOS ESTUDOS PARA A DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE NO ARMAZENAMENTO SUBTERRÂNEO DE GÁS NATURAL FEVEREIRO 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - X GRUPO DE ESTUDOS DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÈTRICOS - GDS

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - X GRUPO DE ESTUDOS DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÈTRICOS - GDS XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - X GRUPO DE ESTUDOS DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÈTRICOS - GDS ESTUDO

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA

NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA Resultados parciais da 1ª Revisão Periódica das tarifas dos serviços públicos de abastecimento de água e esgotamento sanitário prestados pela CAESB ANEXO XII FATOR X

Leia mais

Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução

Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução Artigo publicado na revista Lumiere Electric edição nº 166 Aplicações de investimentos dentro das empresas sempre são questionadas

Leia mais

Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008

Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008 Procedimento de Comercialização Versão: 3 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

Algoritmo. Iniciação do Sistema e Estimativa do consumo. Perfil do utilizador. Recolha de dados

Algoritmo. Iniciação do Sistema e Estimativa do consumo. Perfil do utilizador. Recolha de dados Algoritmo Iniciação do Sistema e Estimativa do consumo Recolha de dados O algoritmo do sistema de gestão, necessita obrigatoriamente de conhecer todos (ou grande maioria) os aparelhos ligados numa habitação

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A AP 001/2007

CONTRIBUIÇÕES DA COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A AP 001/2007 Diretoria de Distribuição - DDI Superintendência de Mercado e Regulação SMR Assuntos Regulatórios da Distribuição - DARE CONTRIBUIÇÕES DA COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A AP 001/2007 RESERVA DE CAPACIDADE Março/2007

Leia mais

XIX Seminário acional de Distribuição de Energia Elétrica. SE DI 2010 22 a 26 de novembro. São Paulo - SP - Brasil

XIX Seminário acional de Distribuição de Energia Elétrica. SE DI 2010 22 a 26 de novembro. São Paulo - SP - Brasil XIX Seminário acional de Distribuição de Energia Elétrica SE DI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Evolução Tecnológica na Redução de Perdas: Uma Experiência Prática Marisa Zampolli Glycon

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 019/2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 019/2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 019/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: COPEL DISTRIBUIÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: CONSULTA PÚBLICA N 019/2014

Leia mais

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 CUSTEIO VARIÁVEL COMO SUPORTE À TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 RESUMO: Inicialmente a contabilidade tinha o objetivo de controlar

Leia mais

Gostaria de contribuir com alguns pontos que julgo relevantes a respeito da resolução nº 482 da ANEEL, que seguem:

Gostaria de contribuir com alguns pontos que julgo relevantes a respeito da resolução nº 482 da ANEEL, que seguem: De: Filipe Ribas [mailto:filipe@solarenergy.com.br] Enviada em: segunda-feira, 22 de junho de 2015 22:02 Para: ap026_2015 Assunto: Contribuição Solar Energy do Brasil Boa noite, Gostaria de contribuir

Leia mais

Revisão Tarifária Escelsa. Etapa I. Reposicionamento Tarifário. Metodologia e Critérios

Revisão Tarifária Escelsa. Etapa I. Reposicionamento Tarifário. Metodologia e Critérios Revisão Tarifária Escelsa Etapa I Reposicionamento Tarifário Metodologia e Critérios APRESENTAÇÃO A ESCELSA foi privatizada em 11 de julho de 1995, sendo as concessões outorgadas pelo Decreto de 13 de

Leia mais

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL DA SALA AULA ATELIÊ 1 DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UFMS.

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL DA SALA AULA ATELIÊ 1 DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UFMS. ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL DA SALA AULA ATELIÊ 1 DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UFMS. Nathalya Luciano Buges - Acadêmica do Curso de Arquitetura e Urbanismo da UFMS

Leia mais

Simulação de Distúrbios no Sistema Elétrico de Distribuição como Suporte Técnico as Solicitações de Ressarcimentos de Danos

Simulação de Distúrbios no Sistema Elétrico de Distribuição como Suporte Técnico as Solicitações de Ressarcimentos de Danos 1 Simulação de Distúrbios no Sistema Elétrico de Distribuição como Suporte Técnico as Solicitações de Ressarcimentos de Danos N. C. de Jesus, H.R.P.M. de Oliveira, E.L. Batista, M. Silveira AES Sul - Distribuidora

Leia mais

Terminologias Introdutórias de Custo: Uma Pesquisa Exploratória Na Universidade Federal de Pernambuco Nos Cursos de Ciências Contábeis e Administração

Terminologias Introdutórias de Custo: Uma Pesquisa Exploratória Na Universidade Federal de Pernambuco Nos Cursos de Ciências Contábeis e Administração Terminologias Introdutórias de Custo: Uma Pesquisa Exploratória Na Universidade Federal de Pernambuco Nos Cursos de Ciências Contábeis e Administração Christianne Calado Vieira de Melo Lopes Julie Nathalie

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUA - PECE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENERGIAS RENOVÁVEIS, GERAÇÃO DISTRIBUÍDA

Leia mais

REDUÇÃO DAS BARREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE PEQUENO PORTE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS Contribuição Consulta Pública

REDUÇÃO DAS BARREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE PEQUENO PORTE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS Contribuição Consulta Pública REDUÇÃO DAS BARREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE PEQUENO PORTE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS Contribuição Consulta Pública nº015/2010 09 de Novembro de 2010 ÍNDICE I RESPOSTA AOS QUESTIONAMENTOS

Leia mais

Efeitos do Horário de Verão x Efeitos da Correção do Fator de Potência (BT)

Efeitos do Horário de Verão x Efeitos da Correção do Fator de Potência (BT) Efeitos do x Efeitos da Correção do Fator de Potência (BT) Ponto de Vista da Eficiência Energética 1 Fell, José Alexandre Eng.º de Marketing de Produto EPCOS do Brasil Ltda jose.fell@epcos.com GT de Capacitores

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

Audiência Pública Nº 005/2000. Contribuições da ABRATE

Audiência Pública Nº 005/2000. Contribuições da ABRATE Audiência Pública Nº 005/2000 Contribuições da ABRATE Agosto/2000 1 SUMÁRIO 1. INCLUSÃO DE PROCEDIMENTOS PARA RECLASSIFICAÇÃO... 3 2. TRATAMENTO DE INSTALAÇÃO COM PREVISÃO DE INCORPORAÇÃO FUTURA À REDE

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil cristian sippel Diogo Angelo Stradioto Rio Grande Energia SA APS Engenharia de Energia

Leia mais

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 Comentário geral: As provas apresentaram grau de dificuldade médio. Não houve uma preocupação da banca em aprofundar os conceitos ou dificultar a interpretação

Leia mais

O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO 1.2 PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO 1.2 PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 1 O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO A indústria de energia elétrica tem as seguintes atividades clássicas: produção, transmissão, distribuição e comercialização, sendo que esta última engloba a medição

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 071/2014. Associação Brasileira de Geradores de Energia - ABRAGE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

CONTRIBUIÇÕES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 071/2014. Associação Brasileira de Geradores de Energia - ABRAGE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL CONTRIBUIÇÕES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 071/2014 Associação Brasileira de Geradores de Energia - ABRAGE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Processo: 48500.003798/2014-41 - Definição

Leia mais

PLANEJAMENTO DA CONEXÃO DE USINAS FOTOVOLTAICAS NO NORTE DE MINAS WORKSHOP ENERGIA FOTOVOLTAICA NO NORTE DE MINAS GERAIS

PLANEJAMENTO DA CONEXÃO DE USINAS FOTOVOLTAICAS NO NORTE DE MINAS WORKSHOP ENERGIA FOTOVOLTAICA NO NORTE DE MINAS GERAIS PLANEJAMENTO DA CONEXÃO DE USINAS FOTOVOLTAICAS NO NORTE DE MINAS WORKSHOP ENERGIA FOTOVOLTAICA NO NORTE DE MINAS GERAIS Montes Claros, 11 de setembro de 2015 AGENDA Expansão do Sistema de Distribuição

Leia mais

Atualização do Valor do Patamar Único de Custo de Déficit - 2015

Atualização do Valor do Patamar Único de Custo de Déficit - 2015 Atualização do Valor do Patamar Único de Custo de Déficit - 2015 Ministério de Minas e Energia GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME/SPE Ministério de Minas e Energia Ministro Eduardo Braga

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº10/2016

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº10/2016 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº10/2016 NOME DA INSTITUIÇÃO: FCA Fiat Chrysler Brasil Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Audiência pública

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 da Reitoria da Universidade

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 004/2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 004/2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 004/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: ABRAGE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: aprimoramento do novo procedimento para

Leia mais

Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição.

Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição. Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição. De acordo com a Norma NBR 1001, um grande número de fatores influência a freqüência de calibração. Os mais importantes,

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS GEO 01 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS GEO 01 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS GEO 01 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para apoiar as ações do Programa Nacional de Crédito Fundiário

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 ANÁLISE ESTATÍSTICA DE DADOS DO INEP SOBRE A CORRELAÇÃO ENTRE O PERFIL PROFISSIONAL DOS PROFESSORES DA CIDADE DE SÃO CARLOS QUE ATUAM NA EDUCAÇÃO BÁSICA E, A BUSCA POR FORMAÇÃO CONTINUADA E INOVAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

2 ANÁLISE DE IRREGULARIDADES NA MEDIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

2 ANÁLISE DE IRREGULARIDADES NA MEDIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 24 2 ANÁLISE DE IRREGULARIDADES NA MEDIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 2.1 INTRODUÇÃO Como conseqüência direta das privatizações do mercado de energia, as concessionárias do setor elétrico começaram a investigar

Leia mais

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem)

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem) Considerações Iniciais É impossível saber, antes de amostrar, de que maneira os valores das variáveis irão se comportar: se dependente ou independente uma da outra. Devido as limitações da estatística

Leia mais

BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA

BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Eng. Carlos Alberto Alvarenga Solenerg Engenharia e Comércio Ltda. Rua dos Inconfidentes, 1075/ 502 Funcionários - CEP: 30.140-120 - Belo Horizonte -

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO DE UNIDADE DEFEITUOSA DE BANCO DE TRANSFORMADORES UTILIZANDO EQUIPAMENTO DE MANOBRA

SUBSTITUIÇÃO DE UNIDADE DEFEITUOSA DE BANCO DE TRANSFORMADORES UTILIZANDO EQUIPAMENTO DE MANOBRA SUBSTITUIÇÃO DE UNIDADE DEFEITUOSA DE BANCO DE TRANSFORMADORES UTILIZANDO EQUIPAMENTO DE MANOBRA Pedro Augusto Pinto Vallone Engenheiro Master III de Subestações Departamento de Engenharia Diretoria de

Leia mais

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso 7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso Saiba como colocar o PINS em prática no agronegócio e explore suas melhores opções de atuação em rede. Quando uma empresa

Leia mais

SISTEMA DE AUTOMONITORAMENTO INDIVIDUALIZADO DE TI s E MÉTODO DE DIAGNÓSTICO PARA SISTEMAS DE MEDIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SISTEMA DE AUTOMONITORAMENTO INDIVIDUALIZADO DE TI s E MÉTODO DE DIAGNÓSTICO PARA SISTEMAS DE MEDIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA DE AUTOMONITORAMENTO INDIVIDUALIZADO DE TI s E MÉTODO DE DIAGNÓSTICO PARA SISTEMAS DE MEDIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Luiz Carlos Grillo de Brito Julio César Reis dos Santos CENTRO DE PESQUISAS DE

Leia mais

ANÁLISE DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DE XINGUARA, PARÁ SOBRE O ENSINO DE FRAÇÕES

ANÁLISE DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DE XINGUARA, PARÁ SOBRE O ENSINO DE FRAÇÕES 1 ANÁLISE DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DE XINGUARA, PARÁ SOBRE O ENSINO DE FRAÇÕES Luciano Teles Bueno 1, Claudia Lisete Oliveira Groenwald 2 RESUMO O presente trabalho apresenta um estudo realizado com

Leia mais

Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor

Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) 10651/16 EF 206 ECOFIN 654 DELACT 127 NOTA DE ENVIO de: data de receção: 24 de junho de 2016 para: n. doc. Com.: Secretário-Geral da Comissão

Leia mais

Capítulo 3 Circuitos Elétricos

Capítulo 3 Circuitos Elétricos Capítulo 3 Circuitos Elétricos 3.1 Circuito em Série O Circuito Série é aquele constituído por mais de uma carga, ligadas umas as outras, isto é, cada carga é ligada na extremidade de outra carga, diretamente

Leia mais

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as Confiabilidade, calibração e definições importantes para os instrumentos de medir Os instrumentos de medição são os dispositivos utilizados para realizar uma medição e no âmbito da metrologia legal são

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APURAÇÃO DOS DADOS NECESSÁRIOS A CONTABILIZAÇÃO E FATURAMENTO DA ENERGIA EXPORTADA PARA A ARGENTINA E O URUGUAI.

PROCEDIMENTOS PARA APURAÇÃO DOS DADOS NECESSÁRIOS A CONTABILIZAÇÃO E FATURAMENTO DA ENERGIA EXPORTADA PARA A ARGENTINA E O URUGUAI. PROCEDIMENTOS PARA APURAÇÃO DOS DADOS NECESSÁRIOS A CONTABILIZAÇÃO E FATURAMENTO DA ENERGIA EXPORTADA PARA A ARGENTINA E O URUGUAI. 1 Sumário Conteúdo 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. PREMISSAS OPERACIONAIS...

Leia mais

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Objetivos

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família AULA 12 - AJUSTAMENTO DE CURVAS E O MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS Ajustamento de Curvas Sempre que desejamos estudar determinada variável em função de outra, fazemos uma análise de regressão. Podemos dizer

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 54 NOVA CAIXA DE MEDIÇÃO FABRICADA EM POLICARBONATO PARA LIGAÇÕES INDIVIDUAIS E COLETIVAS

COMUNICADO TÉCNICO Nº 54 NOVA CAIXA DE MEDIÇÃO FABRICADA EM POLICARBONATO PARA LIGAÇÕES INDIVIDUAIS E COLETIVAS COMUNICADO TÉCNICO Nº 54 NOVA CAIXA DE MEDIÇÃO FABRICADA EM POLICARBONATO PARA LIGAÇÕES INDIVIDUAIS E COLETIVAS Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia da Distribuição 1. OBJETIVO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº. 2. O hidrômetro individual será instalado em local de fácil acesso, tanto ao condômino como ao aferidor.

PROJETO DE LEI Nº. 2. O hidrômetro individual será instalado em local de fácil acesso, tanto ao condômino como ao aferidor. PROJETO DE LEI Nº DISPÕE SOBRE A INSTALAÇÃO DE HIDRÔMETROS INDIVIDUAIS EM CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS E COMERCIAIS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Art. 1º. Os projetos e construções de novos edifícios a serem

Leia mais

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte,

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte, LEI Nº 302/05 "DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS" O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: Celesc Distribuição S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Nota Técnica nº 025/2014

Leia mais

Introdução. Porto Alegre Bacia do Arroio Areia

Introdução. Porto Alegre Bacia do Arroio Areia Manejo integrado de bacias urbanas e planos diretores de drenagem urbana: Porto Alegre e Caxias do Sul - RS - Brasil Adolfo O. N. Villanueva, Ruth Tassi e Daniel G. Allasia Instituto de Pesquisas Hidráulicas

Leia mais

Análise do comportamento do consumo de água e energia elétrica do Edifício Ouro Negro

Análise do comportamento do consumo de água e energia elétrica do Edifício Ouro Negro Análise do comportamento do consumo de água e energia elétrica do Edifício Ouro Negro dezembro-08 1) População fixa Como parte da análise que será apresentada, considera-se importante também o acompanhamento

Leia mais

Contribuições à Audiência Pública AP 045/2008

Contribuições à Audiência Pública AP 045/2008 Contribuições à Audiência Pública AP 045/2008 27 de agosto de 2008 A) Contribuições gerais: 1) - No preâmbulo da minuta, falta citar a Lei 8078 de 11 de setembro de 1990, Código de Defesa do Consumidor.

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA: PRINCIPAIS DIFICULDADES DOS PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO 1

MODELAGEM MATEMÁTICA: PRINCIPAIS DIFICULDADES DOS PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO 1 MODELAGEM MATEMÁTICA: PRINCIPAIS DIFICULDADES DOS PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO 1 Resumo Claudenici Aparecida Medeiros da Silva Universidade Federal do Pará Campus de Marabá Pólo de Canaã dos Carajás nici_medeiros@hotmail.com

Leia mais

Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais IMPLANTAÇÃO DO LABORATÓRIO DE VAZÃO DE GÁS DA FUNDAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO DE MINAS GERAIS

Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais IMPLANTAÇÃO DO LABORATÓRIO DE VAZÃO DE GÁS DA FUNDAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO DE MINAS GERAIS Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais IMPLANTAÇÃO DO LABORATÓRIO DE VAZÃO DE GÁS DA FUNDAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO DE MINAS GERAIS V Seminário de Metrologia Aeroespacial V SEMETRA 21 a 24 de julho de

Leia mais

GABARITO - DEP34. Questão 1. Questão 2. Questão 3. Questão 4

GABARITO - DEP34. Questão 1. Questão 2. Questão 3. Questão 4 GABARITO - DEP34 Questão 1 Os TCs para serviço de proteção apresentam boas características de exatidão, 0,1%, 0,3%, 0,6% e 1,2%. Também apresentam uma baixa corrente de saturação, quando comparados com

Leia mais

Curvas de nível homotópicas a um ponto

Curvas de nível homotópicas a um ponto Curvas de nível homotópicas a um ponto Praciano-Pereira, T Sobral Matemática 6 de agosto de 2011 tarcisio@member.ams.org pré-prints da Sobral Matemática no. 2011.03 Editor Tarcisio Praciano-Pereira, tarcisio@member.ams.org

Leia mais

CÓPIA MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais

CÓPIA MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais Fl. 2 MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais PORTARIA CARF Nº 64, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2015. Dispõe sobre a Política de Gestão de Riscos do Conselho Administrativo de Recursos

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA LÍQUIDA DE EMPREENDIMENTO DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

PROCEDIMENTO PARA DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA LÍQUIDA DE EMPREENDIMENTO DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROCEDIMENTO PARA DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA LÍQUIDA DE EMPREENDIMENTO DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE REVISÕES REVISÃO DESCRIÇÃO DA REVISÃO ATO LEGAL 00 Revisão Inicial Resolução

Leia mais