Consolidando nosso Crescimento. Setembro 2006

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Consolidando nosso Crescimento. Setembro 2006"

Transcrição

1 Consolidando nosso Crescimento Setembro 2006

2 2 Agenda Empresa líder do setor elétrico Perspectivas de nossos negócios Como financiaremos a expansão Nossos resultados refletem a estratégia adotada

3 A Cemig é uma empresa com excelente potencial de crescimento 3 Empresa lucrativa Estrutura negocial de menor risco Ativos de eficiência operacional superior Situação financeira sólida Ótimo conceito já sedimentado Endividamento pequeno Capacidade gerencial reconhecida Empreendedor de sucesso Consolidador do setor elétrico

4 ...e busca assegurar a sua sustentabilidade economico-financeira 4 Justo equilíbrio econômico-financeiro A expansão da capacidade instalada nos seus três níveis de atuação para contribuir no esforço de gerar crescimento econômico Melhoria da capacidade financeira para financiar seus projetos Proteção dos interesses de seus acionistas, empregados, clientes e fornecedores Através de Seleção criteriosa de investimentos com retornos sempre superior ao WACC Aprimoramento tecnológico e operacional Melhores práticas gerenciais

5 Empresa de classe internacional no seu setor de atuação 5 Ativos totais : R$ 20 bilhões Patrimônio Líquido : R$ 7 bilhões Divida consolidada: R$ 5,9 bilhões Receita Líquida consolidada: R$ 9 bilhões Vendas de energia nos principais estados do Brasil Iniciando investimentos no exterior

6 Estrutura atual de negócios 6 CEMIG HOLDING Distribuição Geração e Transmissão Aimorés 49% UTE Ipatinga Transleste 25% ECTE 7,5% Gasmig 55,19% Funil 49% CEMIG PCH Transirapé 24,5% EATE 25% Infovias Way 69,25% Igarapava 14% Horizontes Centroeste 51% ETEP 25% Efficientia Porto Estrela 33,33% Sá Carvalho Transudeste 24% ENTE 18% Trading Queimado 82,5% Rosal Energia TransChile 49% ERTE 18% RME 25% Light S.A 79,39% Baguari 33% UTE Barreiro CGET Além das empresas GT e D, as participações diretas e indiretas da CEMIG compreendem 26 empresas e 7 consórcios Capim Branco S.A Capim Branco 21% Legenda Consórcios de Geração Empresas de Geração Empresas de Distribuição Empresas de Transmissão Gestão Tecnológica Comercialização Serviços Telecomunicações

7 A estrutura acionária diversificada possibilita uma visão de longo prazo 7 Nossa diversidade de acionistas possibilita uma ampla visão gerencial focada na sustentabilidade das atividades da Companhia. Listada nas maiores Bolsas de Valores BOVESPA Ordinárias: cmig3 Volume diário negociado: R$1 milhão Preferenciais: cmig4 Volume diário negociado: R$26,8 milhões NYSE ADR Razão: 1 ADR=1.000 preferenciais Aproximadamente 21 milhões de ADR emitidos Volume negociado : US$15 milhões LATIBEX Preferenciais: xcmig4 Ordinárias milhões Estrutura Acionária MG 51% SEB 33% Investidores Internacionais 6% Investidores locais 10% Total de ações milhões Preferenciais 91,279 milhões Investidores Internacionais 68% Investidores locais 29% MG e outros 3% Ações em tesouraria 69 milhões dados de 30 de junho de 2006

8 Governança corporativa: continua implementação das melhores práticas 8 Destaques: Conselho de Administração aprova a indicação de auditores externos Diretoria Executiva coordena a seleção do auditor externo 6 membros do Conselho de Administração indicados por acionistas minoritários Conselho Fiscal tem papel fundamental: Práticas contábeis Política de dividendos Prevenção de fraudes Análise das demonstrações contábeis Conformidade com a SOX Certificação da seção 302 Implantação dos controles internos de acordo com o programado para a certificação BOVESPA - Nível 1 NYSE - Práticas para as companhias listadas Código de Ética Conselho de Administração 14 membros Acionistas Diretoria Executiva Conselho Fiscal

9 Visão de longo prazo delineada no Plano Diretor 9 Foco no negócio de eletricidade Avaliação de oportunidades de expansão segue critérios rígidos de rentabilidade Carteira de negócios de baixo risco Equilíbrio adequado dos segmentos estruturais do negócio de energia elétrica: geração, transmissão e distribuição Forte presença em todos os segmentos que agregam valor Estabilidade financeira Objetivos claros garantem sustentabilidade de longo prazo Endividamento Fluxo de caixa Qualidade de crédito Padrões elevados de governança corporativa e integridade Incorporação de práticas que agreguem valor ao acionista Código de Ética O Estado de Minas, acionista majoritário, adotou código de ética para balizamento de suas ações

10 Plano Diretor aborda crescimento sustentável 10 Ampliação da área de atuação da CEMIG, com foco no setor elétrico Crescimento fora da área geográfica atual Primeiros passos em investimentos em projetos internacionais No País, a expansão até os limites regulatórios com crescimento sustentável Com segurança Agregando valor Atendimento ao interesse de longo prazo de nossos acionistas: Nova política de dividendos com payout de 50% e dividendos extraordinários, a cada dois anos, sempre que houver caixa livre Em 2006, a proposta para pagamento de dividendos será: Dividendos regulares: R$ milhões,ou seja, R$ 7,24 por mil ações Dividend yield: 8,19%

11 Responsabilidade Social como Valor Cultural 11 Somos destaque também quando se trata de responsabilidade social: Fomos selecionados pela sétima vez consecutiva para a composição do índice Mundial de Sustentabilidade da Dow Jones Desta vez como co-líder do setor Fomos também selecionados para o Índice de Sustentabilidade da Bovespa - ISE

12 Qualidade como fator de competitividade 12 Prêmio Mineiro da Qualidade A Cemig Distribuição S.A. recebeu o Prêmio Mineiro da Qualidade - PMQ. Critérios de Excelência do Prêmio Nacional da Qualidade reconhece as empresas que adotam práticas de gestão modernas, eficazes destaca-se em relação a referenciais de excelência do mercado. Certificação ISO Cemig Distribuição S.A. ampliou a certificação de seus processos operacionais pela Norma NBR ISO 9001:2000. mais de 80% da sua força de trabalho já atua em atividades certificadas por esta Norma garante a uniformidade dos procedimentos, a melhoria contínua, a previsibilidade das a operações da Empresa e o atendimento às necessidades dos clientes e de todas as partes interessadas.

13 13 Agenda Empresa líder do setor elétrico Perspectivas de nossos negócios Como financiaremos a expansão Nossos resultados refletem a estratégia adotada

14 Fatores que contribuirão para nosso sucesso 14 Gestão otimizada de ativos e passivos Capacidade de geração praticamente vendida a preços atrativos Maior participação de mercado Revisão tarifária favorável Alongamento do perfil da dívida Redução de custos operacionais como valor cultural Adequação aos custos padrão da ANEEL Disciplina ao investir Retorno superior ao WACC Início de construção somente após assegurar recursos.

15 Fundamentos garantem crescimento sustentável 15 Estamos implementando nossa estratégia de atingir a máxima participação de mercado nos segmentos que atuamos: Aquisição do controle da Light S.A. através da Rio Minas Energia Participações S.A. na qual detemos 25% de participação. Aquisição da participação do Grupo Schahin em cinco empresas de transmissão, em parceria com sócios privados. Entrada em operação das usinas de Irapé e Capim Branco I; Estamos focando em nosso negócio principal eletricidade: Venda da participação da Infovias na Way por R$91 MM; Vendemos nossa capacidade de geração pelo valor máximo permitido no segundo leilão de energia nova : 355 MW médios Preço médio de R$125,48 / MWh Prazo do contrato de 30 anos

16 A Cemig possui estrutura de negócios de baixo risco 16 Ativos de geração eficientes 97% do parque de centrais hidrelétricas Fornecimento de 60% da demanda total dos clientes Alta continuidade de serviço Menor custo operacional do setor Quinta maior capacidade de geração do Brasil Usina Capacidade Instalada Energia Assegurada (MW) (MW médios) Maiores Usinas Hidrelétricas São Simão Emborcação Nova Ponte Jaguara Miranda Três Marias Volta Grande Aimorés Outras Total Hidrelétricas Total Termeletricas Eólica 1 0 Total

17 Nossa presença estende-se a outros Estados 17 9% 5% 10% Mercado CEMIG 2005 Vendas a consumidores finais GWh Capacidade instalada MW Rosal Energia SA 55 MW 17% Industrial Residencial Comercial Rural Outros 01 Cliente industrial 26 GWh 59% 04 Clientes industriais GWh PCHs 11 MW 05 Clientes industriais 116 GWh 02 Clientes industriais 187 GWh

18 Expansão assegurada por investimentos e gestão eficiente 18 Nova concessão : Usina de Baguari, 140 MW, em parceria com Neoenergia e Furnas Entrada em operação das usinas de Irapé e Capim Branco I; Vendemos nossa capacidade de geração pelo valor máximo permitido no segundo leilão de energia nova : 355 MW médios Preço médio de R$125,48 / MWh Prazo do contrato de 30 anos

19 Marco regulatório da Transmissão é o mais antigo e mais bem-sucedido 19 Tornar-se uma das cinco maiores transmissoras do País. Competição pelos contratos de concessão : Novas concessões obtidas nos leilões organizados pela ANEEL. Concessão de 30 anos. Aquisições como via de acelerar o crescimento Reduzir custo operacional como forma de agregar valor aos investimentos já realizados. Revisão tarifária em curso : oportunidade de valorizar ainda mais os ativos construidos antes de 1995.

20 Perspectivas da Transmissão de energia 20 Linhas construídas antes de 1995 Concessão irá vencer em 8 de Julho de 2015 ANEEL pode conceder ou não 20 anos de extensão Retorno permitido será revisto no futuro próximo Extensão da rede de transmissão (Km) (das subestações da geração às subestações da distribuição) em 31 de dezembro, Voltagem das linhas de transmissão kv kv kv Total Capacidade de transformação (1) das subestações de transmissão em 31 de dezembro, Número de subestações MVA

21 Novo desafio : aproveitar as oportunidades do mercado internacional 21 Investimento no Chile Linha de transmissão Charrúa Nueva Telmuco: 220 kv, 190 km Período de concessão : 20 anos Investimento : US$60 milhões Parceiro : Alusa (51%) Início da operação : Julho 2008 Desenvolvimento de capacidade gerencial para operar nos ambientes regulatórios dos outros países

22 Aquisição da participação da SCHAHIN na TBE (5 Linhas de Transmissão) 22 TBE : conjunto de 5 linhas de transmissão totalizando km, dispersos no Brasil Parceria com MDU Brasil Ltda. e Brascan Brasil Ltda Descrição Enterprise Value (100%) 1301,80 229,78 624,10 123,74 256, ,08 Caixa e Aplicações 77,50 24,40 36,50 5,20 18,80 162,40 Endividamento Total 718,80 109,30 332,90 56,10 140, ,50 Equity Value (100%) 660,50 144,88 327,70 72,84 135, ,98 Equity Value (Part. Schahin) 330,25 57,95 163,85 36,42 67,53 656,00 Faturamento Bruto 218,80 49,20 113,60 20,10 50,80 452,50 Faturamento Líquido 208,40 46,70 96,50 19,20 48,30 419,10 EBITDA 178,60 40,00 84,20 15,70 38,70 357,20 Valores em R$ milhões

23 Nossos ativos já se estendem por todo território nacional 23 ERTE - Vila do Conde - Sta. Maria 230kV ETEP - Tucuruí - Vila do Conde - 500kV EATE - Tucuruí - Presid. Dutra - 500kV ENTE - Tucuruí - Açailândia - 500kV ECTE - Blumenau - Campos Novos - 500kV

24 Perspectivas da Distribuição de energia 24 Rede de distribuição mais extensa do Brasil Performance operacional Perdas são mínimas Dec/FEC dentro dos padrões requeridos Nós suprimos 96% das necessidades do estado de Minas Gerais Atendemos a uma área de concessão maior que qualquer país europeu 567 mil Km cidades e vilas 774 municípios Vendas 1º Sem Industrial Residencial Rural Comercial Outros Subtotal Suprimento - 88 Total Extensão da Rede de Distribuição em Milhas (de subestações de distribuição a consumidores finais) Em 31 de dezembro de Tensão da Rede de Distribuição kv kv... 6, , , kv... 2,784.4 (1) 2,823.5 (1) 2, ,5 kv + Outras Total... 9,966.8 (1) 9,995.4 (1) 10,056.9 Extensão da Rede de Distribuição em Milhas (de subestações de distribuição a consumidores finais) Em 31 de dezembro de Tipo de Rede de Distribuição Redes de distribuição urbanas aéreas... 52, , ,051.7 Redes de distribuição urbanas subterrâneas Redes de distribuição rurais aéreas , , ,769.3 Total , , ,260.3 (2) Capacidade de Transformação Abaixadora(3) de Subestações de Distribuição Em 31 de dezembro de Número de subestações MVA... 8,070 8,050 7,987

25 Light : Composição Acionária após a aprovação da aquisição 25 Light é a holding Light Energia : 852 MW de capacidade de geração Light Serviços de Eletricidade SA: Companhia de Distribuição de eletricidade 3.4 milhões de clientes Volume de vendas : Gwh Composição Acionária Light Minoritários: 10,4% EDF: 10,0% RME (valor complementar): 79,6% RME Cemig: 25,0% Andrade Gutierrez: 25,0% Pactual: 25,0% JLA: 25,0%

26 Impacto da Aquisição da Light na CEMIG 26 Posição em 31/12/2005 CEMIG LIGHT Cemig + Light Impacto (R$ milhões) Consolidada 100% 20% Receita Líquida Dívida Líquida* Patrimônio Líquido Ebitda Lucro Líquido Endividamento 41,2% 70,3% 43,7% 2,5% Dívida / Ebitda 2,6 5,8 2,7 0,2 * Dívida líquida: = dívida total + dívida com fundos de pensão disponibilidades

27 27 Programa de Investimentos Negócio º sem GERADORA TRANSMISSORA DISTRIBUIDORA Distribuição Ampliação e reforço de redes existentes Luz para Todos Outros Subtransmissão Holding Subtotal Outros Negócios Conciliação com Fluxo de Caixa * Subtotal INVESTIMENTO EM AQUISIÇÕES LIGHT TBE TOTAL (1 + 2 ) UHE Capim Branco II * Inclui Adiantamento a fornecedores e almoxarifado

28 28 Agenda Empresa líder do setor elétrico Perspectivas de nossos negócios Como financiaremos a expansão Nossos resultados refletem a estratégia adotada

29 Gestão Financeira aderente ao Plano Diretor 29 Nossa estratégia consolidada no Plano Diretor já resultou em revisão de nossa classificação de risco: Elevação de nosso rating pela agência Fitch Ratings, de A- para A+ (29/06/06); A Moody s também se prepara para rever sua avaliação; Estamos rolando nossas dívidas, alongando o vencimento e reduzindo custos: Emissão por CEMIG D (R$300 MM) e CEMIG GT (R$ 900 MM) em Notas Promissórias, a um custo de 103% do CDI (26/06/06). Em 27 de janeiro de 2006, aportamos os créditos da CRC em um FIDC no valor de R$ milhões: R$ 900 MM de quotas seniores R$ 759 MM de quotas subordinadas.

30 A Fitch Ratings atribuiu recentemente rating A+(bra) para a 1ª emissão de debêntures simples da Cemig Distribuição S.A 30 A atribuição de rating ressalta: a qualidade de crédito da Cemig como empresa integrada de energia; a forte posição da empresa em ativos de geração, transmissão e distribuição de energia; EBITDAs sustentáveis apurados pela empresa, baixo índice de alavancagem e relevante posição de liquidez; fluxo de caixa operacional crescente; restrições de endividamento impostas pelo seu Plano Diretor e incluídas em seu Estatuto; avanços importantes em relação à geração de caixa e no alongamento da dívida; fortalecimento dos principais índices financeiros.

31 Forte geração de caixa garante expansão 31 Nossa estratégia prevê alguns elementos chaves no financiamento da nossa expansão: Buscaremos parceiros que agreguem valor através de: redução da necessidade de recursos próprios transparência da avaliação econômico-financeira dos projetos acesso a financiamento de baixo custo Maximização de geração de caixa : Geração de excedentes Rolagem da dívida a vencer Busca das melhores oportunidades de captação de recursos de financiamento Melhoria contínua da classificação de risco de crédito Demonstração do Fluxo de Caixa (consolidado) Valores em milhões de Reais 2º Tri º Tri º Semestre Caixa no Início do Período Caixa Gerado pelas Operações Lucro Líquido Depreciação e Amortização Fornecedores 22 (111) (89) 91 Reajuste Tarifário Diferido (591) Outros Ajustes (31) 31 - (220) ICMS sobre TUSD (221) Atividade de Financiamento (521) (93) (614) 147 Financiamentos Obtidos Pagamentos de Empréstimos e Financiamentos (76) (59) (135) (818) Juros sobre Capital Próprio e Dividendos (503) (946) (1.449) (591) Atividade de Investimento (338) (222) (560) (1.356) Investimentos fora da Concessão (6) (9) (15) (69) Investimentos da Concessão (413) (233) (646) (1.360) Obrigações Especiais - Contribuições do Consumidor Outros (1) 1 - Caixa no Final do Período

32 Endividamento da Cemig Consolidada junho/ Principais indexadores Principais Credores CDI/Selic 64% Banco ItaúBBA R$1.290 milhões (22%) Debenturistas R$1.287 milhões (22%) Unibanco R$ 701 milhões (12%) Dólar 10% IGPM 19% RGR/Finel 5% Yen 1% Outros 1% Bradesco R$ 616 milhões (11%) Banco do Brasil R$ 592 milhões (10%) Eletrobrás R$ 274 milhões (5%) BNDES R$ 234 milhões (4%) Custo médio da dívida é de 10,96% a.a., a preços constantes (ref. junho/06)

33 Cronograma de vencimentos da dívida alongado 33 Reduzimos o risco cambial a quase zero Transações de hedge são responsáveis por quase 37% da exposição Complementadas por hedge natural de contratos de venda de energia. Descrição CEMIG Consolidada CEMIG GT CEMIG D Dívida R$ milhões R$ 2.684milhões R$ milhões Dívida em Moeda Estrangeira R$ 701 milhões (12%) R$ 196 milhões (7%) R$ 463 milhões (22%) Dívida Líquida (1) R$ milhões R$ milhões R$ milhões LAJIDA / Juros >= 2,8 2,96 2,54 3,70 Dívida / LAJIDA <= 3,36 3,00 2,75 1,98 Dívida / (PL + Dívida) <=53% 43,51% 46,34% 44,77% Prazo médio: 4,7 anos R$ milhões Valores referentes a junho/ a 2030

34 Oportunidades de captação de recursos, beneficiadas pela liquidez do mercado, garantem expansão da Empresa 34 Crédito Bancário Rolagem de dívida Cessão de recebíveis Mercado Local de Capitais Debêntures são a principal fonte de recursos para investimento (longo prazo, custo em IGP-M) FIDC (fundo de recebíveis) Mercado Internacional de Capitais Eurobonds Bônus perpétuos Agências Multilaterais IFC, JBIC,CAF Longo Prazo Sem IR sobre remessa de juros

35 35 Agenda Empresa líder do setor elétrico Perspectivas de nossos negócios Como financiaremos a expansão Nossos resultados refletem a estratégia adotada

36 Nosso lucro líquido cresceu 44% em Em 2005, nosso lucro líquido atingiu R$ 2 bilhões, ou R$ 12,36 por lote de mil ações, comparado a R$ 1,4 bilhões em Margem líquida : 24% Geração de caixa, medida pelo LAJIDA, somou R$ 2,5 bilhões, com crescimento de 10%, mesmo fortemente afetada por fatores não recorrentes: Margem LAJIDA : 30% O pagamento de dividendos conforme nova política: Dividendos regulares : R$ milhões, ou seja, R$ 7,24 por mil ações Dividendos extraordinários ( já pagos em 20/01/06): R$ 897 milhões, ou seja, R$ 5,53 por mil ações Dividend Yield: 14 % O retorno total para os acionistas alcançou 66% em 2005 Nosso P/L ( cotação de 29/12/2005) atingiu 7 vezes, o que mostra grande espaço para crescimento

37 A evolução dos últimos três anos mostra crescimento acelerado 37 A Administração já tem os meios para fazer face às necessidades de crescimento; R$ milhões Lucro Líquido Nossos acionistas estão alinhados com nosso objetivo comum de agregação de valor; Visão de longo prazo que nos permite tirar proveito de oportunidades de aquisição de ativos para atingir as metas de crescimento do Plano Diretor; Ao mantermos nossa excelente posição financeira, mostramos compromisso com o crescimento e o retorno dos acionistas. R$ milhões LAJIDA R$ milhões Valor de Mercado % Dividend Yield % Retorno Total para o Investidor

38 Resultado Consolidado de 2005 mostra lucratividade crescente em praticamente todos os investimentos 38 Valores R$ mil Empresa Lucro Líquido LAJIDA * Cemig Geração/Transmissâo Cemig Distribuição Cemig Holding ** ( ) Gasmig Infovias (966) Sá Carvalho Efficientia Ipatinga Horizontes Pai Joaquim Transleste Cogeração Rosal Energia Cemig Consolidado LAJIDA Lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização (Geração de Caixa) ** excluído resultado de equivalência patrimonial Lucro por Ação R$ por lote de mil ações 2,4 3,0 2,6 3,0 0,2 dez/97 dez/98 dez/99 dez/00 dez/01 dez/02 dez/03 dez/04 dez/05 (6,2) Margem LAJIDA 29,0 31,9 21,0 21,3 10,0-19,6 7,4 12,4 8,5 Margem Líquida 32,4 30,2 24,3 19,

39 Fundamentos garantem retomada após impacto de itens não recorrentes 39 Demonstração do Resultado Consolidado Valores em milhões de Reais 2º Tri º Tri º Semestre 06 2º Tri º Semestre Receita Líquida Despesas Operacionais (1.783) (1.693) (3.476) (1.290) (2.695) (6.342) Resultado Operacional LAJIDA Resultado Financeiro (108) (15) (123) (316) (166) (3) Resultado não Operacional (8) (12) (20) (12) (20) (53) Provisão IR, Cont. Social e IR Diferido (73) (183) (256) (134) (445) (471) Reversão JSCP Participações Minoritárias Lucro Líquido

40 Consolidando nosso Crescimento Setembro 2006

Pronta para crescer. Estratégias para assegurar crescimento sustentado

Pronta para crescer. Estratégias para assegurar crescimento sustentado Pronta para crescer Estratégias para assegurar crescimento sustentado 2 Termo de Renúncia Algumas declarações contidas nesta apresentação são projeções contidas no conceito da Lei de Valores Mobiliários

Leia mais

Fundamentos Garantem Crescimento Sustentável

Fundamentos Garantem Crescimento Sustentável Fundamentos Garantem Crescimento Sustentável Resultados do 1º Semestre de 2006 2 Termo de Renúncia Algumas declarações contidas nesta apresentação são projeções contidas no conceito da Lei de Valores Mobiliários

Leia mais

Luiz Fernando Rolla. Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações

Luiz Fernando Rolla. Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações Luiz Fernando Rolla Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações Nossa base de acionistas assegura liquidez América do Norte Canadá Estados Unidos México Europa Luxemburgo

Leia mais

Fundamentos sólidos garantem crescimento sustentável. 3º Trimestre 2007

Fundamentos sólidos garantem crescimento sustentável. 3º Trimestre 2007 Fundamentos sólidos garantem crescimento sustentável 3º Trimestre 2007 Termo de Renúncia Algumas declarações constantes nesta apresentação são projeções contidas no conceito da Lei de Valores Mobiliários

Leia mais

Crescimento com Sustentabilidade

Crescimento com Sustentabilidade Crescimento com Sustentabilidade Djalma Bastos de Morais Diretor Presidente Maio de 2008 1/XX Investimentos asseguram agregação de valor Nossa política de investimentos garante crescimento sustentável:

Leia mais

Gestão Financeira. Luiz Fernando Rolla. Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações.

Gestão Financeira. Luiz Fernando Rolla. Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações. Gestão Financeira Luiz Fernando Rolla Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações Maio de 2008 1/XX Estratégia Corporativa Gestão do Capital Gestão de Caixa Gestão de Participações

Leia mais

Crescer agregando valor

Crescer agregando valor Crescer agregando valor Marcio Araujo de Lacerda Presidente do Conselho de Administração Maio de 2008 1/XX Orientações do Governo Mineiro Para Minas Gerais: Um Estado para Resultados Visão: Tornar Minas

Leia mais

Companhia Energética de Minas Gerais - Cemig

Companhia Energética de Minas Gerais - Cemig Companhia Energética de Minas Gerais - Cemig Companhia Aberta - CNPJ 17.155.730/0001-64 CEMIG ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$ 922 MILHÕES NO 1º SEMESTRE 2007 Belo Horizonte, Brasil, 14 de agosto de 2007 Companhia

Leia mais

Demonstrações Financeiras Terceiro Trimestre de 2002

Demonstrações Financeiras Terceiro Trimestre de 2002 Demonstrações Financeiras Terceiro Trimestre de 2002 Diretoria de Finanças e Participações Diretoria de Relações com Investidores Agenda 2 Introdução Desempenho operacional Demonstrações Financeiras Perspectivas

Leia mais

Cumprindo Metas Agregando Valor para os Acionistas. Demonstrações Financeiras 2º Trimestre de 2004

Cumprindo Metas Agregando Valor para os Acionistas. Demonstrações Financeiras 2º Trimestre de 2004 Cumprindo Metas Agregando Valor para os Acionistas Demonstrações Financeiras 2º Trimestre de 2004 Agosto 2004 2 Termo de Renúncia Algumas declarações contidas nesta apresentação são projeções contidas

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS - CEMIG Companhia Aberta - CNPJ 17.155.730/0001-64

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS - CEMIG Companhia Aberta - CNPJ 17.155.730/0001-64 COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS - CEMIG Companhia Aberta - CNPJ 17.155.730/0001-64 ANÁLISE DO RESULTADO CONSOLIDADO NO PERÍODO DE JANEIRO A SETEMBRO DE 2005 EM COMPARAÇÃO AO PERÍODO DE JANEIRO A SETEMBRO

Leia mais

na Light S.A. Janeiro/2010

na Light S.A. Janeiro/2010 Aumento de participação na Light S.A. Janeiro/2010 Termo de Renúncia Algumas declarações constantes nesta apresentação são projeções contidas no conceito da Lei de Valores Mobiliários Americanos e estão

Leia mais

EDP Energias do Brasil. Novembro de 2009

EDP Energias do Brasil. Novembro de 2009 EDP Energias do Brasil Novembro de 2009 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

EDP Energias do Brasil. Novembro de 2009

EDP Energias do Brasil. Novembro de 2009 EDP Energias do Brasil Novembro de 2009 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2006

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2006 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2006 Senhores Acionistas, A CEMIG submete à apreciação de V.Sas. o Relatório da Administração em conjunto com as Demonstrações Financeiras e pareceres do Conselho Fiscal e dos

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014 Rio de Janeiro, 15 de maio de 2014. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014 Desempenho Operacional O total de venda, líquida da compra de energia, no primeiro trimestre de 2014 foi equivalente a 1.264,1

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00245-3 CIA ENERG MINAS GERAIS - CEMIG 17.155.730/0001-64 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00245-3 CIA ENERG MINAS GERAIS - CEMIG 17.155.730/0001-64 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 30/09/2006 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS

Leia mais

EARNINGS RELEASE 1º SEMESTRE 2007

EARNINGS RELEASE 1º SEMESTRE 2007 Geração e Transmissão S.A. Cemig Geração e Transmissão S.A CNPJ 06.981.176/0001-58 EARNINGS RELEASE 1º SEMESTRE 2007 1 ---------- Lucro Líquido A Cemig Geração e Transmissão apresentou, no primeiro semestre

Leia mais

Evolução do lucro líquido (em milhões de reais) - jan fev mar abr mai jun jul ago set

Evolução do lucro líquido (em milhões de reais) - jan fev mar abr mai jun jul ago set DISCUSSÃO E ANÁLISE PELA ADMINISTRAÇÃO DO RESULTADO NÃO CONSOLIDADO DAS OPERACÕES: PERÍODO DE JANEIRO A SETEMBRO DE 2001 COMPARATIVO AO PERÍODO DE JANEIRO A SETEMBRO DE 2000 (em milhões de reais, exceto

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Lisboa 31 de maio de 2012

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Lisboa 31 de maio de 2012 Apoio do BNDES à Infraestrutura Lisboa 31 de maio de 2012 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para implementação

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Rio de Janeiro, 10 de maio de 2013. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Desempenho Operacional LIGHT ENERGIA (GWh) 1T13 1T12 % Venda no Ambiente de Contratação Regulada 263,7 1.052,0-74,9% Venda no

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D (Em milhões de reais, exceto se indicado de outra forma) --------- Lucro do Período A Cemig Distribuição apresentou, no exercício de 2008, um lucro líquido de R$709

Leia mais

Oi e Portugal Telecom formalizam parceria e investimento estratégico

Oi e Portugal Telecom formalizam parceria e investimento estratégico Oi e Portugal Telecom formalizam parceria e investimento estratégico A parceria prevê capitalização da empresa brasileira em até R$ 12 bi, reduzindo alavancagem e ampliando capacidade de investimento,

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Maio de 2012

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Maio de 2012 Apoio do BNDES à Infraestrutura Rio de Janeiro Maio de 2012 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para implementação

Leia mais

Apresentação de Resultados 1T15

Apresentação de Resultados 1T15 Apresentação de Resultados 1T15 1 Destaques do Período Início da operação comercial de quatro parques do LEN A-3 2011 Início da operação comercial: 04 de março de 2015 Os outros 5 parques serão conectados

Leia mais

Teleconferência de Resultados 3T08 18 de Novembro de 2008

Teleconferência de Resultados 3T08 18 de Novembro de 2008 Teleconferência de Resultados 18 de Novembro de 2008 Palestrantes Abel Rochinha Presidente da Coelce Luiz Carlos Bettencourt Diretor Financeiro e de RI da Endesa Brasil 1 1 Destaques 2 Mercado AGENDA s

Leia mais

Foto: PCH São Joaquim Ana Raquel Paiva Martins 24/04/2008

Foto: PCH São Joaquim Ana Raquel Paiva Martins 24/04/2008 Modelos de Financiamento do BNDES para Projetos de Geração de Energia e Condições de Acesso às Linhas Foto: PCH São Joaquim Ana Raquel Paiva Martins 24/04/2008 1 Agenda BNDES Carteira do BNDES Políticas

Leia mais

Resultados 3T11. Teleconferência de Resultados 18 de Novembro de 2011

Resultados 3T11. Teleconferência de Resultados 18 de Novembro de 2011 Resultados 3T11 Teleconferência de Resultados 18 de Novembro de 2011 Agenda Perfil Coelce e Conquistas 1 Mercado de Energia 2 Resultados Operacionais 3 Resultados Econômico-Financeiros 4 Perguntas e Respostas

Leia mais

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira APIMEC RIO Resultados do 1T12 Diretoria Econômico-Financeira e de Relações com Investidores Aviso Esta apresentação pode conter considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas

Leia mais

Grupo Energisa Apresentação Institucional 2º trimestre de 2014

Grupo Energisa Apresentação Institucional 2º trimestre de 2014 Grupo Energisa Apresentação Institucional 2º trimestre de 2014 Apresentação Grupo Energisa Aspectos Técnicos e Comerciais Aspectos financeiros Crescimento 2 Grupo Energisa 3 Aquisição do Grupo Rede Em

Leia mais

Fitch Rebaixa Ratings da Light e de Suas Subsidiárias Para A+(bra) ; Perspectiva Estável

Fitch Rebaixa Ratings da Light e de Suas Subsidiárias Para A+(bra) ; Perspectiva Estável Fitch Rebaixa Ratings da Light e de Suas Subsidiárias Para A+(bra) ; Perspectiva Estável Fitch Ratings Rio de Janeiro, 19 de dezembro de 2014: A Fitch Ratings rebaixou, hoje, o Rating Nacional de Longo

Leia mais

Apresentação Corporativa Outubro de 2014

Apresentação Corporativa Outubro de 2014 Apresentação Corporativa Outubro de 2014 Grupo Light Estrutura diversificada com atuação nos segmentos de distribuição, geração e comercialização de energia 2 Light em números Distribuição Estado RJ Área

Leia mais

Resultados 4T12. Fevereiro, 2013

Resultados 4T12. Fevereiro, 2013 Resultados 4T12 Fevereiro, 2013 Principais destaques de 2012 Operacional Geração de energia 27% superior à garantia física e 3% acima da registrada em 2011 - Exposição ao mercado spot de 4,4% de setembro

Leia mais

Resultados 2005 Resultados 2005

Resultados 2005 Resultados 2005 Resultados 2005 Resultados 2005 Resultados 1T06 Bovespa: RSID3 NYSE (ADR): RSR2Y Receita Líquida alcança R$ 85,2 milhões VGV totaliza R$ 94,3 milhões Vendas contratadas crescem 63% São Paulo, 11 de maio

Leia mais

Demonstrativo de Preço

Demonstrativo de Preço 11:24 1/13 Demonstrativo de Preço 1. Sumário das Análises Apresentadas Nas análises apresentadas nesse documento demonstramos: (i) Como foi atingido o valor implícito da Telemig Celular (Operadora) (ii)

Leia mais

Anúncio de Reestruturação Financeira

Anúncio de Reestruturação Financeira Anúncio de Reestruturação Financeira 1 Considerações Futuras Algumas informações sobre o Plano de Reestruturação Financeira da Companhia apresentam nossas expectativas sobre o resultado que poderemos obter

Leia mais

ÍNDICE ANEXOS. 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4. a. Identificação do Empreendedor... 1/4. b. Informações sobre o Empreendedor...

ÍNDICE ANEXOS. 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4. a. Identificação do Empreendedor... 1/4. b. Informações sobre o Empreendedor... 2517-00-EIA-RL-0001-02 Março de 2014 Rev. nº 01 LT 500 KV MANAUS BOA VISTA E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS ÍNDICE 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4 a. Identificação do Empreendedor... 1/4 b. Informações

Leia mais

Remuneração aos Nossos Acionistas. Bonificação e Custo Atribuído

Remuneração aos Nossos Acionistas. Bonificação e Custo Atribuído Remuneração aos Nossos Acionistas Na reunião do Conselho de Administração do dia 3 de agosto foi deliberada a distribuição de Juros sobre Capital Próprio (JCP) complementares aos dividendos mensais, a

Leia mais

1T05. Celesc apresenta lucro líquido de R$ 23 milhões no 1 o trimestre de 2005. Resultado do 1 o trimestre de 2005. Principais Destaques

1T05. Celesc apresenta lucro líquido de R$ 23 milhões no 1 o trimestre de 2005. Resultado do 1 o trimestre de 2005. Principais Destaques Celesc apresenta lucro líquido de R$ 23 milhões no 1 o trimestre de 2005 Divulgação Imediata Cot. da Ação PNB CLSC6) em 31/03/05: R$ 0,90/ação Valoriz. No 1T05: -16% Valor de Mercado R$ : 694 milhões US$

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

Receita Operacional Líquida no trimestre de R$ 1.559,7 milhões (+7,0%) e acumulada de R$ 5.656,2 milhões (+11,3%)

Receita Operacional Líquida no trimestre de R$ 1.559,7 milhões (+7,0%) e acumulada de R$ 5.656,2 milhões (+11,3%) Resultados 4º Trimestre e Acumulado 2006 Web Conference Xx de Março de 2007 Erik Breyer Diretor Financeiro e de Relações com Investidores DESTAQUES Receita Operacional Líquida no trimestre de R$ 1.559,7

Leia mais

Apresentação de Resultados 2T11

Apresentação de Resultados 2T11 Apresentação de Resultados 2T11 Aviso Legal Aviso Legal Encontra-se em curso a distribuição pública inicial primária e secundária de certificados de depósitos de ações ( Units ) de emissão da Abril Educação

Leia mais

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Valor faz parte de plano de investimentos crescentes focado em manutenção, modernização e expansão das operações

Leia mais

O Apoio do BNDES ao Setor de PCHs. Campinas, 30 de Outubro de 2013.

O Apoio do BNDES ao Setor de PCHs. Campinas, 30 de Outubro de 2013. O Apoio do BNDES ao Setor de PCHs Campinas, 30 de Outubro de 2013. Evolução dos Desembolsos Hidrelétricas Térmicas Nuclear Energias Alternativas Distribuidoras Transmissoras Ferrovias Rodovias Portos,

Leia mais

Apresentação de Resultados 3T14

Apresentação de Resultados 3T14 Apresentação de Resultados 3T14 Destaques do Período Início da operação comercial dos parques do LER 2009 Maior complexo de energia eólica da América Latina: 14 parques, 184 aerogeradores, 294,4 MW de

Leia mais

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas CICLO APIMEC 2010 Índice RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas 3 RS no Brasil DADOS DEMOGRÁFICOS RS BRASIL População

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - RENOVA ENERGIA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - RENOVA ENERGIA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente 6 Demonstração

Leia mais

Apresentação da Companhia. Setembro de 2010

Apresentação da Companhia. Setembro de 2010 Apresentação da Companhia Setembro de 2010 Comprovada capacidade de execução Visão geral da Inpar Empreendimentos por segmento (1) Modelo de negócios integrado (incorporação, construção e venda) Comercial

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015

RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015 RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015 AVISO Nesta apresentação nós fazemos declarações prospectivas que estão sujeitas a riscos e incertezas. Tais declarações têm como base crenças e suposições

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14. 27 de fevereiro de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14. 27 de fevereiro de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14 27 de fevereiro de 2015 Magazine Luiza Destaques 2014 Vendas E-commerce Despesas Operacionais EBITDA Ajustado Luizacred Lucro Líquido Ajustado Crescimento da receita

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

Revisão Copel (CPLE6) Preço Teórico R$ 35,00 (COMPRA) 28.01.2009

Revisão Copel (CPLE6) Preço Teórico R$ 35,00 (COMPRA) 28.01.2009 Revisão Copel (CPLE6) Preço Teórico R$ 35,00 (COMPRA) 28.01.2009 Empresa Código Recomendação Fechamento* Preço-Teórico* Upside Risco Lote Copel PNB CPLE6 Compra 21,85 35,00 60,2% Elevado 1 EV/EBITDA (atual)

Leia mais

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Objeto Estabelecer uma política adequada de gerenciamento de riscos financeiros, de modo a resguardar as empresas do grupo Endesa Brasil de

Leia mais

Divulgação de resultados 3T13

Divulgação de resultados 3T13 Brasil Brokers divulga seus resultados do 3º Trimestre do ano de 2013 Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2013. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS NOTA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Curso: Administração de Empresas Turma: Disciplina: Administração Financeira Professor : Maxwell Lucena / Aluno(a): Maxwe R.A.: Assinatura: Data: / / 1ª. Questão

Leia mais

Ações Itaú em foco. Informativo para acionistas Ano 12 2º trimestre de 2015

Ações Itaú em foco. Informativo para acionistas Ano 12 2º trimestre de 2015 Ações Itaú em foco Informativo para acionistas Ano 12 2º trimestre de 2015 nº 47 www.itau.com.br/relacoes-com-investidores facebook.com/itauunibancori @itauunibanco_ri Remuneração aos Nossos Acionistas

Leia mais

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 Desempenho Em ambiente de queda da atividade na indústria automobilística, a Iochpe-Maxion apresentou um crescimento de 8,4% nas vendas no terceiro

Leia mais

12 portos marítimos (+8 terminais privados de uso misto) 409.473 km de rodovias. 18 aeroportos (9 internacionais)

12 portos marítimos (+8 terminais privados de uso misto) 409.473 km de rodovias. 18 aeroportos (9 internacionais) Fórum Nacional Eólico Carta dos Ventos Financiamento de Projetos José Maria Vilar Superintendente do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) Natal, 19.06.2009 Nordeste do Brasil: Infraestrutura 12 portos marítimos

Leia mais

Apresentação APIMEC. Agosto 2007 1

Apresentação APIMEC. Agosto 2007 1 Apresentação APIMEC Agosto 2007 1 Aviso Importante Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

Financiamento do BNDES às Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) Foto: PCH Cotiporã

Financiamento do BNDES às Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) Foto: PCH Cotiporã Financiamento do BNDES às Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) Ludmila Carvalho Colucci 06/04/2009 Foto: PCH Cotiporã 1 Agenda BNDES Carteira do BNDES Políticas Operacionais Operações Estruturadas Foto:

Leia mais

O Processo de Due Diligence: Realizando Aquisições com Segurança

O Processo de Due Diligence: Realizando Aquisições com Segurança O Processo de Due Diligence: Realizando Aquisições com Segurança Luiz Felipe Silva Veloso Superintendência de Aquisições Maio de 2008 1/XX O PROCESSO DE AQUISIÇÃO OPORTUNIDADES Mercado competitivo Globalizado

Leia mais

2005 Corretora em Nova York. Diversificação do portfólio. 2007 Expansão em Investment Bank, Consignado e Cartões. Estrutura acionária 3

2005 Corretora em Nova York. Diversificação do portfólio. 2007 Expansão em Investment Bank, Consignado e Cartões. Estrutura acionária 3 VISÃO GERAL - 2T5 Histórico 99 Início das operações como banco múltiplo 2002 Agência em Nassau 2005 Corretora em Nova York 2009 Início da parceria estratégica com o Banco do Brasil 205 BV Promotora (Consignado

Leia mais

RELEASE DE RESULTADOS 3T14

RELEASE DE RESULTADOS 3T14 RELEASE DE RESULTADOS 3T14 São Paulo, 30 de outubro de 2014. DESTAQUES DO PERÍODO E EVENTOS SUBSEQUENTES Início da operação comercial dos parques do LER 2009 Alto Sertão I Início da operação comercial

Leia mais

Brasil Telecom. Café da Manhã com Investidores Unibanco. Fevereiro 2003

Brasil Telecom. Café da Manhã com Investidores Unibanco. Fevereiro 2003 Brasil Telecom Café da Manhã com Investidores Unibanco Fevereiro 2003 1 Estratégia 2 Mercado Metas Metas Garantir a liderança na Região II, focando nos clientes de alto valor. Garantir a liderança na Região

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Porto Alegre, 3 de agosto de 2005 GERDAU S.A. CONSOLIDADO Resultados do 1º Semestre de 2005 Legislação societária brasileira Teleconferências 3 de agosto de 2005 Português: 13h00 Inglês: 15h00 Para participar:

Leia mais

Aos Acionistas e ao Conselho de Administração da Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG Belo Horizonte - MG

Aos Acionistas e ao Conselho de Administração da Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG Belo Horizonte - MG PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Acionistas e ao Conselho de Administração da Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG Belo Horizonte - MG 1. Examinamos os balanços patrimoniais individuais

Leia mais

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 54 RELATÓRIO ANUAL GERDAU 2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RESUMIDAS Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 GERDAU S.A. e empresas controladas BALANÇOS PATRIMONIAIS CONSOLIDADOS

Leia mais

RELATÓRIO DE CONJUNTURA: FINANCIAMENTO

RELATÓRIO DE CONJUNTURA: FINANCIAMENTO RELATÓRIO DE CONJUNTURA: FINANCIAMENTO Março de 2008 Nivalde J. de Castro Felipe Botelho Tavares PROJETO PROVEDOR DE INFORMAÇÕES ECONÔMICAS FINANCEIRAS DO SETOR ELÉTRICO Índice 1 FINANCIAMENTO DE EMPRESAS

Leia mais

Gestão dos Negócios. Desempenho da Economia. Consumo de Energia Elétrica GWh

Gestão dos Negócios. Desempenho da Economia. Consumo de Energia Elétrica GWh Desempenho da Economia Em 2005, o PIB do Brasil teve crescimento de 2,6 %, segundo estimativas do Banco Central. A taxa de desemprego registrou leve recuo, cedendo de 10,2 % em janeiro/05 para 9,6 % em

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA

BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA Por meio de um investimento estratégico de até R$314,7 milhões, a BNDESPAR ingressa no capital social da Renova Energia. Parceria de Longo Prazo A

Leia mais

Os resultados do segundo trimestre e primeiro semestre de 2014 consolidam as Empresas BRF S.A.

Os resultados do segundo trimestre e primeiro semestre de 2014 consolidam as Empresas BRF S.A. BRF RESULTADOS 2T14 Os resultados do segundo trimestre e primeiro semestre de 2014 consolidam as Empresas BRF S.A. As declarações contidas neste relatório relativas à perspectiva dos negócios da Empresa,

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS Calendário de Eventos Corporativos - 2010

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS Calendário de Eventos Corporativos - 2010 COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS Calendário de s Corporativos - 2010 Informações sobre a Companhia Denominação Social: Endereço da Sede: Endereço na Internet Diretor de Finanças, Relações com Investidores

Leia mais

Teleconferência Resultados 3T10

Teleconferência Resultados 3T10 Teleconferência Resultados 3T10 Sexta-feira, 5 de Novembro de 2010 Horário: 14:00 (horário de Brasília) 12:00 (horário US EDT) Tel: + 55 (11) 4688-6361 Código: LASA Replay: + 55 (11) 4688-6312 Código:

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2013 MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2013 MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO SUMÁRIO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2013... 2 MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO... 2 BREVE HISTÓRICO DA COMPANHIA... 4 NOSSOS NEGÓCIOS... 8 DESEMPENHO DE NOSSOS NEGÓCIOS... 11 AMBIENTE REGULATÓRIO... 28 RELACIONAMENTO

Leia mais

Embratel Participações S.A. (Embratel Participações ou Embrapar ) detém 99,0 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. ( Embratel ).

Embratel Participações S.A. (Embratel Participações ou Embrapar ) detém 99,0 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. ( Embratel ). Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 25 de Outubro de 2005. Embratel Participações S.A. (Embratel Participações ou Embrapar ) detém 99,0 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. ( Embratel ). (Os

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

Resultados 1T07 10 de maio de 2007

Resultados 1T07 10 de maio de 2007 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 102% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 32% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 1T07. As demonstrações financeiras da Companhia são elaboradas

Leia mais

RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 1T10 156.512.000,00

RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 1T10 156.512.000,00 RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 156.512.000,00 Resultados do RESULTADOS São Paulo, 14 de maio de 2010 A BRADESPAR [BM&FBOVESPA: BRAP3 (ON), BRAP4 (PN); LATIBEX: XBRPO (ON), XBRPP (PN)]

Leia mais

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Carlos Alberto Mattar Superintendente - SRD 13 de março de 2014 Rio de Janeiro - RJ Sumário I. Balanço 2013 II. Pautas para GTDC - 2014 III. Principais audiências

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

Resultados 1T15 Maio, 2015

Resultados 1T15 Maio, 2015 Resultados Maio, 2015 Destaques Afluência no SIN no de 62% da MLT 1 (vs. 64% no ) Hidrologia Nível de reservatórios do SIN encerraram em 30,1% vs. 40,5% em Rebaixamento médio do MRE de 20,7% no vs. 3,9%

Leia mais

JOINT VENTURE MPX / E.ON. Rio de Janeiro Janeiro 2012

JOINT VENTURE MPX / E.ON. Rio de Janeiro Janeiro 2012 JOINT VENTURE MPX / E.ON Rio de Janeiro Janeiro 2012 AVISO LEGAL Esta apresentação contém algumas afirmações e informações prospectivas relacionadas a Companhia que refletem a atual visão e/ou expectativas

Leia mais

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013 Apimec Florianópolis Dezembro 2013 Exoneração de Responsabilidades Esta apresentação não constitui uma oferta, convite ou pedido de qualquer forma, para a subscrição ou compra de ações ou qualquer outro

Leia mais

Relatório de Resultados 2T 2015

Relatório de Resultados 2T 2015 MMX - Resultados Referentes ao 2º trimestre de 2015 Rio de Janeiro, 14 de agosto de 2015 A MMX Mineração e Metálicos S.A. ( Companhia ou MMX ) (Bovespa: MMXM3) anuncia seus resultados referentes ao 2º

Leia mais

APIMEC 2012. APIMEC 2012 Flávio Donatelli Diretor de Relações com Investidores

APIMEC 2012. APIMEC 2012 Flávio Donatelli Diretor de Relações com Investidores APIMEC 2012 Flávio Donatelli Diretor de Relações com Investidores DURATEX S.A. Principais Acionistas em 31.Ago.2012 Governança Corporativa 0,2% 100% de ações ordinárias. 1 ação, 1 voto 12,1% Itaúsa e Famílias

Leia mais

Resultados 4T15 / 2015

Resultados 4T15 / 2015 Resultados / 2015 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários brasileira

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO L2 0 0 6 R E L AT Ó R I O A N U A EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO Prêmio de Seguros Participação no Mercado (em %) Mercado 74,2% Fonte: Susep e ANS Base: Nov/2006 Bradesco 25,8%

Leia mais

Resultados do 1T15 Maio, 2015

Resultados do 1T15 Maio, 2015 Resultados do Maio, 2015 Destaques Operacional e Qualidade do Serviço Redução de 0,83 p.p. nas perdas totais no vs., totalizando 9,3% FEC de 3,21 vezes, 26,5% menor do que no ; DEC de 9,08 horas, 7,8%

Leia mais

Ao completar 60 anos no mercado de capitais, o Grupo encerra o ano de 2007 com 140 mil acionistas

Ao completar 60 anos no mercado de capitais, o Grupo encerra o ano de 2007 com 140 mil acionistas RELATÓRIO ANUAL GERDAU 27 55 Ao completar 6 anos no mercado de capitais, o Grupo encerra o ano de 27 com 14 mil acionistas O Grupo Gerdau tem proporcionado aos seus 14 mil acionistas rentabilidade com

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

Resultados. 2T14 Junho, 2014

Resultados. 2T14 Junho, 2014 Resultados Junho, 2014 Destaques Operacional & Comercial Rebaixamento da garantia física de 6,2%, em linha com as projeções da Companhia Comercialização de ~100 MWm com prazo e preço médios de 4,5 anos

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

OI S.A. (Atual denominação de Brasil Telecom S.A.) 8ª Emissão Pública de Debêntures

OI S.A. (Atual denominação de Brasil Telecom S.A.) 8ª Emissão Pública de Debêntures OI S.A. (Atual denominação de Brasil Telecom S.A.) 8ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 Oi S.A. (atual denominação de BRASIL TELECOM S.A.) 8ª Emissão

Leia mais