Contexto Económico. Portugal Market Pulse 3T Principais Indicadores Económicos Previsões do FMI para 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contexto Económico. Portugal Market Pulse 3T 2012. Principais Indicadores Económicos Previsões do FMI para 2013"

Transcrição

1 Portugal Market Pulse 3T Contexto Económico Dando continuidade ao Acordo celebrado com a Troika, e mesmo com a implementação de duras medidas, o Governo avançou que não seria possível obter o principal objectivo pretendido, até ao final deste ano redução do défice para os 3%. Como tal, o Governo Português aproveitou a 5ª avaliação realizada em Setembro pela Equipa do FMI para negociar novas metas para o défice de Portugal, tendo conseguido o ajustamento de 5% para este ano e 4,5% para o próximo ano. Contudo, e mesmo com este acerto, foi preparado um novo pacote com medidas fiscais suplementares, as quais serão implementadas já a partir de Janeiro de 2013, sendo aplicadas através do novo Orçamento de Estado para 2013, que já se encontra aprovado. Principais Indicadores Económicos Previsões do FMI para 2013 % 3 25, ,00-5,00 5,27-1 / FMI -1,07 25,37-4,00 1,39 2,43 Euro França Alemanha Grécia Irlanda Itália Portugal Espanha Taxa Inflacção PIB Taxa Desemprego Evolução dos Principais Indicadores da Economia Portuguesa: previsões do FMI % 2 1 5,00 Taxa de Inlacção PIB Taxa de Desemprego Analisando as estimativas do FMI para o final deste ano em alguns dos Países Europeus, verificamos que, além de Portugal, Espanha e Grécia, a Itália encontra-se com um PIB negativo, sendo a situação complementada com altas taxas de inflação e desemprego. Apesar da situação actual e da permanente preocupação com o défice, a directora do FMI, Christine Lagarde, tem alertado para o perigo de uma austeridade excessiva que condicione o crescimento económico ,00 / FMI Tendo em conta o actual cenário da Economia Europeia, o FMI realizou alguns reajustes quanto às estimativas para os principais indicadores económicos de Portugal, prevendo que o PIB passe a positivo apenas em No entanto, e apesar de algumas dúvidas quanto a essa possibilidade, o FMI também prevê que a Taxa de Inflação baixe já no próximo ano. Tendências Governo acordou novas medidas fiscais que serão implementadas através do OE para 2013, dando continuidade ao Acordo da Troika, e com o objectivo de obter melhores resultados, mas de forma menos agressiva para os diversos interlocutores da economia portuguesa Portugal continua sujeito à possibilidade de contaminação, não só devido ao estado em que se encontra o País vizinho e à situação que persiste na Grécia, mas tendo em consideração o estado geral da Euro Tendo em conta os esforços efectuados e os resultados obtidos, Portugal deverá voltar aos mercados antes do final deste ano, aproveitando a baixa que registou nos juros da dívida nacional

2 Pulse Report Title Date 2 Entre Janeiro e Setembro de realizaram-se 145 operações, as quais totalizam m 2 de escritórios transaccionados, que representam um aumento de 40,52% face a igual período de Contudo, apesar dos indicadores acumulados deste ano serem comparativamente mais positivos do que em 2011, o resultado final encontra-se dependente da volatilidade do mercado e, como tal, existe uma grande expectativa quanto ao último trimestre de. Volume de Absorção acumulada (Jan a Set) a Absorção (m 2 ) Neste trimestre entraram dois edifícios no mercado de escritórios: o edifício da Avenida da Liberdade 259 (3.289 m 2 ), o qual foi ocupado pelo BPA, e o Edifício da Rua Laura Alves 4 (7.676 m 2 ), onde se instalou a CMVM. Resumo de Mercado Variação 2T 3T Valor Stock (m²) 4,5 M Volume de Absorção (m²) Oferta Disponível (m²) Taxa de Disponibilidade 12% Renda Prime (m²/mês) 18,50 Fonte: JLL/LPI Apesar do aumento do stock, registou-se um ligeiro aumento na absorção, provocando uma pequena descida na área disponível. Contudo, e uma vez que as oscilações não foram relevantes, a Taxa de Disponibilidade manteve-se / LPI No 3º trimestre deste ano registou-se uma absorção de m 2, os quais significaram um acréscimo de 17% face ao trimestre anterior e de 92% relativamente ao período homólogo. Evolução dos Valores de Rendas Prime 2005 a 3T Rendas Prime ( /m²/mês) ,50 15,50 14,50 11, T a 3T - A renda prime de escritórios tem permanecido estável desde o início deste ano, mantendo os valores para todas as zonas, com excepção para a zona 5 Parque das Nações, cuja renda verificou um decréscimo de 25 pb Principais Transacções - Janeiro a Setembro de : 10 Maiores transações de N.º Edifício Área Tomador 1 Rua Laura Alves CMVM 2 Torre Ocidente Sonae Sierra 3 Liberdade BPA 4 Cais Office Teleperformance 5 Gago Coutinho BES 6 Arquiparque I Sovena 7 Sintra Business Park Logica 8 Castilho ECS 9 Torre Ocidente Servdebt 10 Quinta da Fonte Stanley Security Solutions Aproveitamento das actuais condições do mercado para se reduzirem custos fixos, através da mudança de instalações Renegociação de contratos vigentes, de forma a baixar o valor das rendas que foram inicialmente acordadas Tendo em conta o cenário actual e as perspectivas futuras, os proprietários encontram-se disponíveis para negociar diversos tipos de incentivos, nomeadamente carência de rendas, aceitação de rendas progressivas ou escalonadas, bem como comparticipação no fit-out

3 Pulse Report Title Date 3 Retalho Desde o início deste ano que as rendas prime se têm mantido estabilizadas, devendo chegar ao final de apenas com um pequeno acerto quanto ao valor da renda prime praticada nos Centros Comerciais de referência no mercado. Evolução das Rendas Prime por segmento de Retalho T Rendas Prime ( /m 2 /mês) ,00 8,50 Comércio de Rua () Centros Comerciais (Prime) Retail Parks (Prime) Principais aberturas de Comércio de Rua do 3º Trimestre de Marca Localização A Padaria Portuguesa Origani Chiado Mood Pro Runner Parque das Nações Pop Doces Principe Real Arcádia Avenidas Novas Lisbon Lash Bar Santos Marella Rua Castilho Fonte: JLL Das lojas que abriram entre Julho e Setembro deste ano, destacamos a Pro Runner, não só por ter sido a loja inaugurada com maior dimensão, mas também por significar a entrada de uma nova marca no mercado, da actividade de Desporto T - 2T - 3T - Periodo Comportamento da Procura Prime Secundários Shopping Centres Baixa Retail Parks Comércio de Rua Alta Tal como se tem vindo a verificar ao longo de, a procura encontra-se mais direccionada para os sectores prime do Retalho, com especial atenção para lojas de rua em. Comércio de Rua O sector do Comércio de Rua continua a manifestar grande dinamismo, o qual ficou comprovado com a realização do Vogue Fashion Nigh Out em Setembro passado. O Príncipe Real tem-se consolidado como um novo destino para o comércio de rua. Conta com a presença de marcas de moda como Nuno Gama, Alexandra Moura, Ricardo Preto e Lidija Kolovrat, e tem-se tornado no local ideal para estabelecer conceitos mais direccionados para design de moda. Como é uma zona dinâmica, não só promove designers em ascensão, mas também o surgimento de novos conceitos, como é o caso de lojas vintage e confeitarias francesas, que se vão tornando uma referência em. Continuam a aparecer novos conceitos de retalho com o objectivo de conciliar as actuais tendências de mercado com as novas capacidades dos consumidores O comércio de rua de continua a demonstrar dinamismo, com novas marcas a mostrarem interesse em estarem presentes na capital portuguesa Destaque para a procura que se tem verificado por parte das marcas de luxo que manifestam um grande interesse em vir para Portugal.

4 Pulse Report Title Date 4 Investimento No terceiro trimestre deste ano registou-se apenas uma transacção no valor total de 15M, relativa à venda do Edifício de da Axa, localizado na zona 5 Parque das Nações. Assim, este trimestre registou uma quebra em cerca de 12%, relativamente ao volume transaccionado no trimestre anterior. Evolução do Volume de Investimento (acumulado entre o 1ºT e o 3ºT) 2006 a Volume de Investimento (M ) Misto 600 Industrial 500 Retalho Evolução das Yields 2006 a 3T Yields (%) 9,5 9,0 8,5 8,0 7,5 7,0 6,5 6,0 5,5 5, T1 T2 9,25 8,75 7,75 7,50 T3 Centros Comerciais (yield liquida) Retail Parks (yield liquida) Retalho Rua Industrial & Logística O montante acumulado entre o primeiro e o terceiro trimestre de atingiu um dos valores mais baixos desde M. Comparativamente com o mesmo período de 2011 registou-se uma descida de 45%. O segmento de escritórios é o que continua a demonstrar maior dinamismo, mantendo-se em crescimento desde o primeiro semestre de 2011 e representando cerca de 81% do volume de investimento total realizado até ao final do terceiro trimestre. De referir que o segmento de High Street continua a despertar o interesse junto de alguns investidores privados. Ao longo de as yields têm mantido a sua tendência ascendente, de forma a ajustarem-se ao actual panorama do mercado imobiliário. Assim, com excepção do sector de High Street, todos os restantes segmentos registaram uma subida de 25pb, entre o segundo e o terceiro trimestres deste ano. O facto de oferecer bons activos em quase todos os segmentos imobiliários, aliado ao ajuste de preços que tem vindo a registar-se, a capital portuguesa tem conseguido despertar o interesse de alguns investidores oportunísticos, que a encaram como uma alternativa mais viável a outros mercados mais consolidados / tradicionais. As rendas prime mantêm a tendência para estabilizar, mas verifica-se uma acentuada quebra nos produtos secundários, aumentando a diferença entre produtos prime e secundários As yields prime mantêm a sua tendência de ajuste às actuais condições de mercado com uma gradual e ligeira subida Continua a verificar-se a existência de boas oportunidades de investimento nos segmentos de escritórios e High Street, particularmente em zonas prime Proprietários encontram-se mais motivados para vender os seus activos, tendo em conta a necessidade de liquidez ou de rotatividade de activos, concedendo descontos, o que poderá resultar numa oportunidade adicional para potenciais investidores

5 Jones Lang LaSalle Av. Duque D Ávila nº º Dto. Tel.: Fax: Pedro Lancastre Director Geral Managing Director Walter Fábrega Director de Capital Markets Head of Capital Markets Sofia Coelho Directora de Avaliações & Research Head of Valuations & Research Patrícia Araújo Directora de Retalho & Consultoria Head of Retail and Consultancy Carlos Cardoso Director da Tetris Design & Build Managing Director Maria José Vaquero Directora de Gestão de Imóveis Head of Management Services Mariana Seabra Directora de Agência de e Corporate Solutions Head of Office Agency & Corporate Solutions Pedro Simões Director de Retail Leasing Head of Retail Leasing Portuguese Market Pulse 2.º T Pulse reports from Jones Lang LaSalle are frequent updates on real estate market dynamics. COPYRIGHT JONES LANG LASALLE IP, INC All rights reserved. No part of this publication may be reproduced or transmitted in any form or by any means without prior written consent of Jones Lang LaSalle. It is based on material that we believe to be reliable. Whilst every effort has been made to ensure its accuracy, we cannot offer any warranty that it contains no factual errors. We would like to be told of any such errors in order to correct them. Printing information: paper, inks, printing process, recycle directive.

Mercado de investimento mais dinâmico. Durante o primeiro trimestre do ano registaram-se 28 milhões de euros investidos em ativos de rendimento.

Mercado de investimento mais dinâmico. Durante o primeiro trimestre do ano registaram-se 28 milhões de euros investidos em ativos de rendimento. Market Pulse Mercado Imobiliário em Portugal Relatório Trimestral T1 2014 Destaques Mercado de investimento mais dinâmico. Durante o primeiro trimestre do ano registaram-se 28 milhões de euros investidos

Leia mais

Market Pulse. Destaques. Economia. Mercado Imobiliário em Portugal Relatório Trimestral T2 2015

Market Pulse. Destaques. Economia. Mercado Imobiliário em Portugal Relatório Trimestral T2 2015 Market Pulse Mercado Imobiliário em Portugal Relatório Trimestral T2 2015 Destaques Na primeira metade de 2015 o investimento em imobiliário comercial ultrapassou o volume total investido no ano passado,

Leia mais

Market Pulse. Destaques. Economia. Mercado Imobiliário em Portugal Relatório Trimestral T4 2015. Indicador 2015 (p) 2016 (p) 2017 (p)

Market Pulse. Destaques. Economia. Mercado Imobiliário em Portugal Relatório Trimestral T4 2015. Indicador 2015 (p) 2016 (p) 2017 (p) Market Pulse Mercado Imobiliário em Portugal Relatório Trimestral T4 2015 Destaques Em 2015 atingiu-se o recorde histórico de volume de investimento em Portugal, com um total de 1,8 mil milhões de euros,

Leia mais

Fevereiro 2010. Retailer Sentiment Inquérito aos operadores Portugal

Fevereiro 2010. Retailer Sentiment Inquérito aos operadores Portugal Fevereiro 2010 Retailer Sentiment Inquérito aos operadores On Point Retailer Sentiment Fevereiro 2010 2 Nota Introdutória O presente relatório foi realizado com base num inquérito efectuado pelo Departamento

Leia mais

Market Pulse. Destaques. Economia. Mercado Imobiliário em Portugal Relatório Trimestral T2 2014

Market Pulse. Destaques. Economia. Mercado Imobiliário em Portugal Relatório Trimestral T2 2014 Market Pulse Mercado Imobiliário em Portugal Relatório Trimestral T2 2014 Destaques O mercado de investimento mantém o dinamismo iniciado no final do ano passado. Durante os primeiros seis meses de 2014

Leia mais

637 milhões de euros de transacções de investimento em 2008

637 milhões de euros de transacções de investimento em 2008 O Mercado Português de Investimento Março 29 637 milhões de euros de transacções de investimento em 2 Em Portugal registou-se um total de transacções de investimento de aproximadamente 637 milhões em 2,

Leia mais

Press Release. Worx divulga WMarket Report 1ºS 2008

Press Release. Worx divulga WMarket Report 1ºS 2008 Press Release No: 77 / DZ Data: 15 de Setembro de 2008 Edifício Taurus, Campo Edifício Pequeno, Taurus, 48 4º 1000-081 Campo Pequeno, Lisboa 48 4º 1000-081 Lisboa + 351 217 999 960 tel. + 351 217 999 965

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013. As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal.

LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013. As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal. LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013 As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal Vítor Cóias 1. INTRODUÇÃO Nas últimas décadas a construção em Portugal tem

Leia mais

A COLOCAÇÃO DE ESCRITÓRIOS PODE VOLTAR AOS 150 MIL/170 MIL M2 EM 2009

A COLOCAÇÃO DE ESCRITÓRIOS PODE VOLTAR AOS 150 MIL/170 MIL M2 EM 2009 OJE 3 de Dezembro 2008 (1/5) A COLOCAÇÃO DE ESCRITÓRIOS PODE VOLTAR AOS 150 MIL/170 MIL M2 EM 2009 O take-up de ESCRITÓRIOS vai regredir em 2009 para o nível dos anos de 2004 e 2005, embora o preço das

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa.

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 8 Agosto 2008 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da Inovação GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

VALOR EM TEMPOS DE CRISE

VALOR EM TEMPOS DE CRISE IPD PORTUGAL 2009 JULHO 2010 1 Introdução 2 IPD 2009 - Retorno Total - Retorno das Rendas - Valorização do Capital 8 Análise Cushman & Wakefield Av. da Liberdade, 131 2º 1250-140 Lisboa, Portugal www.cushmanwakefield.com

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

Portugal Forte crescimento no início do ano

Portugal Forte crescimento no início do ano 8 Abr ANÁLISE ECONÓMICA Portugal Forte crescimento no início do ano Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento Nos primeiros meses do ano, a retoma do consumo privado teria impulsionado

Leia mais

Apartamentos Turísticos em Lisboa

Apartamentos Turísticos em Lisboa Apartamentos Turísticos em Lisboa Um Mercado em Crescimento Maio 2015 Apartamentos Turísticos em Lisboa Um mercado em crescimento Maio 2015 O que é um apartamento turístico? Pode ser uma questão difícil

Leia mais

BUSINESS BRIEFING MAIO 2012 INTRODUÇÃO

BUSINESS BRIEFING MAIO 2012 INTRODUÇÃO BUSINESS BRIEFING Análise IPD 2011 MAIO 2012 INTRODUÇÃO O Investment Property Databank (IPD) é um índice que analisa o retorno do investimento institucional direto em ativos imobiliários, assumindo-se

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Clara Synek * Resumo O aumento da incerteza relativo às perspectivas económicas, do mercado de trabalho,

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

BUSINESS BRIEFING Comércio de Rua Lisboa e Porto

BUSINESS BRIEFING Comércio de Rua Lisboa e Porto Comércio de Rua Lisboa e Porto MAIO 2015 Avenida da Liberdade. Fonte: C&W INTRODUÇÃO Numa fase em que o comércio de rua em Portugal atrai retalhistas e investidores de todo o mundo, a Cushman & Wakefield

Leia mais

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico 2º Trimestre de 2015 Recuperação sustentada do crescimento 1. Conjuntura Sectorial Nota: Os índices que se seguem resultam da média aritmética das

Leia mais

Portugal: Mantém-se o ritmo de recuperação débil, mas estável, em 4T14

Portugal: Mantém-se o ritmo de recuperação débil, mas estável, em 4T14 dez 1 ANÁLISE ECONÓMICA Portugal: Mantém-se o ritmo de recuperação débil, mas estável, em T1 Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento / Ana María Almeida Claudino Neste último trimestre

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL Índice de Pagamentos 2004 191 2005 184 2006 183 2007 182 2008 183 Desenvolvimento Económico (%) UE 27 - Média PIB per capita US 21.800 (2007) Crescimento do PIB 1,9 2,9

Leia mais

Presente. O que se segue?

Presente. O que se segue? 2012 REVISTA ANUAL PORTUGAL ESCRITÓRIOS Presente Economia: O resgate económico de Portugal acabou com a utópica visão do Governo de então, sobre a sustentabilidade financeira do país. 2012 é projectado

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

1. ANALISAR O MERCADO E A PROCURA

1. ANALISAR O MERCADO E A PROCURA Investimento ito regras para investir no Brasil Vários especialistas explicam, em oito passos, o que tem de fazer para financiar e avançar com um projecto imobiliário no Brasil. Brasil tornou-se numa das

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

NOSSA GENTE EurOpA CONTiNENTAl

NOSSA GENTE EurOpA CONTiNENTAl NOSSA GENTE Europa Continental NOSSA GENTE 02 A NOSSA EQUIPA A nossa equipa europeia de gestores de retail parks em França, Itália, Portugal e Espanha, com escritórios em Londres, Paris e Madrid. Charles

Leia mais

VALOR EM TEMPOS DE CRISE

VALOR EM TEMPOS DE CRISE IPD PORTUGAL 2008 AGOSTO 2009 1 Introdução 2 IPD 2008 - Retorno Total - Retorno das Rendas - Valorização do Capital 7 Análise A evolução do Índice Imobiliário Anual Português Imométrica/IPD (Investment

Leia mais

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal 31 de Janeiro de 2011 Alberto Soares IDENTIDADE FUNDAMENTAL DA MACROECONOMIA ECONOMIA ABERTA Poupança Interna + Poupança Externa Captada = Investimento

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL Índice de Risco de PORTUGAL Índice de Pagamentos Índice de Risco Explicação dos valores do Índice de Risco 190 180 170 160 150 140 130 120 110 100 2004 2005 2006 2007 2008 100 Nenhuns riscos de pagamento,

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

Direcção de Redes Comerciais & Cross Selling Banif Euro Corporates

Direcção de Redes Comerciais & Cross Selling Banif Euro Corporates Direcção de Redes Comerciais & Cross Selling Banif Euro Corporates Fundo de Investimento Mobiliário Aberto de Obrigações Julho de 2014 Banif Euro Corporates porquê? Trata-se de um Fundo de obrigações maioritariamente

Leia mais

BARÓMETRO PME COMÉRCIO E SERVIÇOS 4º TRIMESTRE 2013 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS

BARÓMETRO PME COMÉRCIO E SERVIÇOS 4º TRIMESTRE 2013 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 14 DE ABRIL 2014 BARÓMETRO PME COMÉRCIO E SERVIÇOS PRINCIPAIS RESULTADOS 1.1 - EVOLUÇÃO DO VOLUME DE NEGÓCIOS Volume de Negócios no 4º Trimestre de 2013 (t.v.h.) Aumentou em 42,5%

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

Market Pulse. Destaques. Economia. Mercado Imobiliário em Portugal Relatório Trimestral T4 2014

Market Pulse. Destaques. Economia. Mercado Imobiliário em Portugal Relatório Trimestral T4 2014 Market Pulse Mercado Imobiliário em Portugal Relatório Trimestral T4 2014 Destaques O mercado de investimento recuperou a atividade, segundo os dados provisórios da JLL, o volume total deverá situar-se

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS Angola Capítulo II II.1.1. Síntese 25 revelou-se como um ano de referência no comportamento da economia angolana: o produto interno bruto registou um crescimento real superior a 2% (um dos mais elevados

Leia mais

Imobiliário Comercial, Portugal MarketView

Imobiliário Comercial, Portugal MarketView Imobiliário Comercial, Portugal MarketView S2 2012 CBRE Global Research and Consulting ABSORÇÃO ESCRITÓRIOS STOCK NOVO RETALHO ABSORÇÃO ARMAZÉNS 66.000 m 2 0 m 2 60.500 m 2 TX. OCUPAÇÃO HOTÉIS VOL. INVESTIMENTO

Leia mais

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Apreciação Global Os dados estatísticos disponíveis para o 2º trimestre de 2014 parecem confirmar finalmente, e pela primeira vez em muitos

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

Sonae Sierra registou Resultado Líquido de 1,3 milhões no primeiro semestre

Sonae Sierra registou Resultado Líquido de 1,3 milhões no primeiro semestre Maia, 31 de Julho de 2008 Desempenho afectado por desvalorização dos activos ditada pelo mercado Sonae Sierra registou Resultado Líquido de 1,3 milhões no primeiro semestre Rendas cresceram 4,5% numa base

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Maia - Portugal, 5 de Março de 2015 Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Resultado Direto atinge 52,7 milhões EBIT de 106,1 milhões Resultado Indireto atinge 43,6 milhões Dois

Leia mais

ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS EM 2010

ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS EM 2010 ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS EM 1 ENQUADRAMENTO INTERNACIONAL Depois de uma das maiores recessões da história recente, 1 foi um ano de recuperação económica. Segundo a estimativa da Comissão Europeia,

Leia mais

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga)

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) G1 Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) 35 3 25 Em percentagem 2 15 1 5 Jan-91 Jan-92 Jan-93 Jan-94 Jan-95 Jan-96 Jan-97Jan-98 Jan-99 Jan- Jan-1 Sociedades não Financeiras

Leia mais

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 Av. Vasco da Gama, 1410 4431-956 Telefone 22-7867000 Fax 22-7867215 Registada na C.R.C. de sob o nº 500239037 Capital Social: Euro 35.000.000 Sociedade Aberta

Leia mais

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO J. Silva Lopes IDEFF, 31 de Janeiro de 2011 1 O ENDIVIDAMENTO PERANTE O EXTERIOR Posições financeiras perante o

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

Contexto económico internacional

Contexto económico internacional 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO Contexto económico internacional O ano de 21 ficou marcado pela crise do risco soberano na Zona Euro e pela necessidade de ajuda externa à

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Relatório de Mercado Portugal

Relatório de Mercado Portugal Relatório de Mercado Portugal Maio/2011 Dados Gerais Área População Densidade Capital Moeda Idioma 92.090 km² 11 Milhões 115 hab/km² Lisboa Euro Português Indicadores Macroeconômicos (2010) PIB: US$ 247

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Av. Fontes Pereira de Melo, 14 10º -1050-121 Lisboa Capital Social: 118.332.445 Euros - NIPC e Mat. na C.R.C. de Lisboa sob

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008

MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008 MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008 MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008 ÍNDICE 01 Relatório de Gestão... 1 02 Conjuntura Económica... 2 03 A Empresa... 3 04 Análise Financeira... 9 1 MEIOSTEC S.A.

Leia mais

MERCADO CORPORATIVO MAIS FAVORÁVEL AO INQUILINO EM 2013

MERCADO CORPORATIVO MAIS FAVORÁVEL AO INQUILINO EM 2013 4º TRIMESTRE 213 escritórios São paulo MARKET REPORT ESCRITÓRIOS RELATÓRIO DE PESQUISA DE ESCRITÓRIOS A+ A e B MERCADO CORPORATIVO MAIS FAVORÁVEL AO INQUILINO EM 213 Inventário Existente: 3.95 milhões

Leia mais

Nos 9 primeiros meses de 2004. Sonae Imobiliária SGPS, SA Lugar do Espido Via Norte Apartado 1197 4471-909 Maia Portugal

Nos 9 primeiros meses de 2004. Sonae Imobiliária SGPS, SA Lugar do Espido Via Norte Apartado 1197 4471-909 Maia Portugal Sonae Imobiliária SGPS, SA Lugar do Espido Via Norte Apartado 1197 4471-909 Maia Portugal Telefone Administração (+351) 22 010 44 34 (+351) 22 010 44 36 Geral (+351) 22 010 44 63 FAX (+351) 22 010 46 98

Leia mais

CB RICHARD ELLIS PORTUGAL

CB RICHARD ELLIS PORTUGAL CB RICHARD ELLIS PORTUGAL Apresentação da Empresa 2011 Índice Página 1. CB Richard Ellis 3 2. CB Richard Ellis no Mundo 4 3. CB Richard Ellis na Região EMEA 7 4. O Grupo CBRE Portugal 8 5. Prémios Internacionais

Leia mais

1. ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS

1. ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS 1. ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS 1.1. CONTEXTO MACROECONÓMICO INTERNACIONAL O enquadramento internacional em 13 foi marcado por uma recuperação gradual da atividade, com um crescimento mais expressivo

Leia mais

MARKETBEAT PORTUGAL OUTONO 2013. Economia. Uma publicação Cushman & Wakefield. Uma publicação Cushman & Wakefield

MARKETBEAT PORTUGAL OUTONO 2013. Economia. Uma publicação Cushman & Wakefield. Uma publicação Cushman & Wakefield MARKETBEAT PORTUGAL OUTONO 213 Lisboa o ponto de viragem Economia As últimas projeções para a economia portuguesa publicadas pelo Banco de Portugal no seu Boletim de Verão revelam uma manutenção da recessão

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO (RECTIFICAÇÃO) BES CRESCIMENTO OUTUBRO 2009 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

DOCUMENTO INFORMATIVO (RECTIFICAÇÃO) BES CRESCIMENTO OUTUBRO 2009 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO (RECTIFICAÇÃO) BES CRESCIMENTO OUTUBRO 2009 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Advertências ao investidor: 100% do capital investido garantido na maturidade Remuneração não garantida Possibilidade

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

RNGO11. Indicadores. O fundo foi lançado em: 20.7.2012; no valor de R$ 100,00 por cota. Não houve lançamentos secundário de cotas.

RNGO11. Indicadores. O fundo foi lançado em: 20.7.2012; no valor de R$ 100,00 por cota. Não houve lançamentos secundário de cotas. RNGO11 O fundo foi lançado em: 20.7.2012; no valor de R$ 100,00 por cota. Não houve lançamentos secundário de cotas. O fundo esteve em RMG até novembro de 2013 e pagou neste período um rendimento mensal

Leia mais

turbo warrants manual /////// www warrants commerzbank com ///////////////////////////////////////////////////////////////////// Warrants Estruturados Turbo warrants Turbo Warrants Acelere os seus investimentos

Leia mais

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007 26 de Outubro de 2010 Actividade do Bank Millennium (Polónia) no 3º Trimestre de 2010 O Banco Comercial Português, S.A. informa que o Bank Millennium S.A. com sede em Varsóvia, Polónia, entidade na qual

Leia mais

A evolução do Mercado Imobiliário português

A evolução do Mercado Imobiliário português A evolução do Mercado Imobiliário português Introdução Neste artigo será feita uma leitura da evolução do mercado imobiliário português desde 2008, altura em que ocorreu a crise da dívida subprime, período

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Portuguese Prime Property Box. Relatório de Gestão Exercício de 2011. Calmaria / Dead Calm

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Portuguese Prime Property Box. Relatório de Gestão Exercício de 2011. Calmaria / Dead Calm Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Portuguese Prime Property Box Relatório de Gestão Exercício de 2011 Calmaria / Dead Calm Comité de Investimentos João Paulo Batista Safara Sir Thomas d Eyncourt

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas)

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) 31 agosto 2015 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial, e as suas

Leia mais

BF INVEST FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO

BF INVEST FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO BF INVEST FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO *** RELATÓRIO E CONTAS DE 2006 Millennium bcp - Gestão de Fundos de Investimento, S.A. Av. José Malhoa, lote 1686 1070-157 LISBOA TELEF 21 721

Leia mais

SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta

SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadora Capital Social: 169.764.398 Euros sob o número único de matrícula e de pessoa colectiva 503 219 886 COMUNICADO

Leia mais

EFEITO IVA A 23% NO MERCADO DE FITNESS

EFEITO IVA A 23% NO MERCADO DE FITNESS EFEITO IVA A 23% NO MERCADO DE FITNESS ESTUDO AGAP AGAP AGAP Associação de Ginásios de Portugal 1 APRESENTAÇÃO AGAP AGAP é a única associação portuguesa que representa ginásios e health clubes Tem 750

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Revelando os Bons Investimentos nos mercados financeiros

Revelando os Bons Investimentos nos mercados financeiros Navegando na tempestade financeira do bear market secular nas bolsas e do bull market secular nas commodities Volume 4 - Edição 6 Setembro de 2008 Bemvindo! Bemvindo à edição de Setembro da Newsletter

Leia mais

Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011

Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011 Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011 Ministério da Saúde Lisboa, 19 de Setembro de 2011 0 1. Enquadramento A denominada prescrição electrónica de medicamentos

Leia mais

Comunicado de Resultados

Comunicado de Resultados Comunicado de Resultados Resultados Consolidados 30 de Junho de 2007 Sonae Distribuição S.G.P.S., SA Em destaque A Sonae Distribuição apresentou ao longo do primeiro semestre de 2007 um crescimento de

Leia mais

A economia Angolana não entrará em recessão: Esta é a frase de ordem! (1parte)

A economia Angolana não entrará em recessão: Esta é a frase de ordem! (1parte) 1 26 de Outubro de 2015 A economia Angolana não entrará em recessão: Esta é a frase de ordem! (1parte) Em Outubro de 2014 o Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2015 previa uma taxa de crescimento real

Leia mais

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Alguns Tópicos Essenciais Dia da Formação Financeira 31 de Outubro de 2012 Abel Sequeira Ferreira, Director Executivo Outubro, 31, 2012 Crescimento Económico

Leia mais

RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS. Série Estudos nº10

RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS. Série Estudos nº10 RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS Luís Portugal Série Estudos nº10 2 de Março de 2010 Actuarial - Consultadoria 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. EVOLUÇÃO DOS ÍNDICES... 3 3. RENTABILIDADE E

Leia mais

Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário

Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário 1. Objetivo do fundo O Fundo JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC. AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014

ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC. AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014 ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014 Colômbia Aspectos Gerais País muito jovem - 55% da população com menos de 30 anos. 7 Áreas Metropolitanas com

Leia mais

BARÓMETRO IMOBILIÁRIO IPD /JLL

BARÓMETRO IMOBILIÁRIO IPD /JLL BARÓMETRO IMOBILIÁRIO IPD /JLL 1ª EDIÇÃO - JUNHO DE 2015 msci.com MERCADO EM RECUPERAÇÃO Em 2015, a MSCI e a JLL decidiram lançar uma nova ferramenta com o objetivo de aumentar a transparência e visibilidade

Leia mais

PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO

PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO PORTUGAL PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO Actualização para o período 2005-2007 Dezembro 2004 Programa de Estabilidade e Crescimento 2005-2007 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO...1 II. ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO...2

Leia mais