BUSINESS BRIEFING MAIO 2012 INTRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BUSINESS BRIEFING MAIO 2012 INTRODUÇÃO"

Transcrição

1 BUSINESS BRIEFING Análise IPD 2011 MAIO 2012 INTRODUÇÃO O Investment Property Databank (IPD) é um índice que analisa o retorno do investimento institucional direto em ativos imobiliários, assumindo-se como uma ferramenta de benchmarking ao nível dos principais mercados mundiais. O principal indicador fornecido pelo IPD é o índice de retorno total, que reflete a rentabilidade dos ativos através de duas componentes: retorno do rendimento e valorização do capital. A utilização destas variáveis procura ilustrar a rentabilidade da operação e a evolução do seu valor ao longo do tempo, duas vertentes essenciais na gestão de qualquer ativo. Em Portugal, o índice existe desde o ano 2000 e representa atualmente um portfólio de cerca de ativos avaliados em aproximadamente 10 mil milhões. Neste Business Briefing exploramos os resultados do Índice IPD no ano 2011 à luz da atual conjuntura económica e do enquadramento do mercado imobiliário, concluindo sobre o comportamento do sector em 2011 e traçando expectativas sobre a sua evolução futura. Esta análise ganha especial relevo tendo em conta a situação que atualmente se vive no país e no mercado imobiliário em particular. A economia portuguesa atravessa hoje uma das suas fases mais difíceis desde o início da democracia, e o mercado imobiliário, pela sua elevada correlação com o crescimento económico e com a situação dos mercados financeiros, sentiu desde o primeiro momento os efeitos da crise. A redução do rendimento disponível das famílias, as quebras no consumo privado, o aumento da taxa de desemprego e a ausência quase total de financiamento na economia tiveram efeitos devastadores ao nível Cushman & Wakefield Av. da Liberdade, 131 2º Lisboa Portugal MAIO

2 MAIO 2012 do setor imobiliário. No que diz respeito à atividade de investimento institucional, o ano transato foi marcado pelo mais baixo volume de negócios dos últimos 10 anos, representando cerca de 284 milhões, dos quais 200 milhões foram canalizados para o imobiliário comercial, tendo sido os restantes 84 milhões investidos no setor residencial. Este enquadramento não é favorável a uma análise totalmente objetiva do estado do mercado. O reduzido volume de transações traduz-se numa ausência de comparáveis, dificultando uma estimativa dos valores justos dos ativos imobiliários. Tendo em conta esta ausência de informação, que se tem vindo a verificar desde 2009, a análise de indicadores como o IPD atinge maior importância por permitir avaliar o efeito que o atual enquadramento económico está a ter no valor dos imóveis, bem como a estratégia que os investidores institucionais estão a assumir para os seus portfólios. O presente documento pretende realizar este tipo de análise, contribuindo deste modo para uma maior informação num mercado que se pretende cada vez mais transparente. O portfólio IPD Em 2011, o Índice IPD representava uma carteira de 998 imóveis, cujo valor total no final do ano correspondia a aproximadamente 9,9 mil milhões. De acordo com estimativas do IPD, no final de 2011 esta carteira representou cerca de 65% do valor do mercado de investimento imobiliário nacional. Tanto em termos de número de ativos como em valor, o setor de retalho é o mais representativo na amostra, contando com 348 imóveis que correspondiam no final do ano a mais de 4,9 mil milhões de valor. O setor de escritórios é o 2º mais expressivo, totalizando 317 ativos avaliados em 2,7 mil milhões. Em 2011, o Índice IPD representava uma carteira de 998 imóveis, cujo valor total no final do ano correspondia a aproximadamente 9,9 mil milhões. De acordo com estimativas do IPD, no final de 2011 esta carteira representou cerca de 65% do valor do mercado de investimento imobiliário nacional. 65% do valor do mercado PORTFÓLIO IPD - Nº IMÓVEIS OUTROS 14% ÍNDICE IPD 2011 RETALHO 4,9 MIL MILHÕES RESIDENCIAL 2% RETALHO 35% ESCRITÓRIOS 2,7 mil milhões INDUSTRIAL 17% ESCRITÓRIOS 32% 2

3 Análise IPD 2011 PORTFÓLIO IPD - VALOR OUTROS 14% RESIDENCIAL 2% INDUSTRIAL 17% RETALHO 35% ESCRITÓRIOS 32% Embora os investidores internacionais representem apenas 14% dos participantes do índice, importa salientar que uma parte considerável do investimento estrangeiro em imobiliário nacional é efetuado através de fundos geridos por SGFII sedeadas em Portugal, pelo que o investimento estrangeiro representado no portfólio será com toda a certeza superior As quebras nas taxas de retorno do índice voltaram a ser sentidas de forma acentuada. Índice global Para uma análise dos resultados do portfólio IPD em 2011, importa ressalvar que a metodologia utilizada no Índice se baseia em valores de avaliação estáticos num determinado momento e não em transações reais. Este é um aspeto que deve ser tido em conta em qualquer análise efetuada aos resultados do IPD, uma vez que os mesmos são influenciados pela opinião dos avaliadores, tendo por base a sua interpretação dos diversos parâmetros económico-financeiros à data da avaliação. No entanto, considerando que em Portugal as práticas de mercado do RICS (uma das instituições reguladoras do setor mais reconhecidas ao nível mundial) são adotadas pela maioria dos profissionais de avaliação, e não havendo alternativa em termos de metodologia a esta abordagem, o IPD deve ser encarado como uma boa aproximação à realidade do mercado. Os dados do Índice IPD demonstram a crise vivida no setor desde 2008, refletindo na valorização e rentabilidade dos ativos o efeito da situação económica e financeira do país. A partir desse ano, o índice demonstrou quedas sucessivas, com a única exceção em 2010, onde, nos primeiros meses do ano, se assistiu no mercado em geral e na economia a um otimismo pouco fundamentado. Em 2011 as quebras nas taxas de retorno do índice voltaram a ser sentidas de forma acentuada. 3

4 MAIO 2012 Tendo em conta não só a tendência mas o valor absoluto dos retornos apurados pelo IPD ao longo dos últimos anos, é de notar que, apesar da forte crise vivida no setor, o portfólio não registou ainda, em termos globais, nenhum ano com desempenho negativo. Os anos de 2009 e 2011 apresentaram valorizações muito reduzidas, próximas de zero, mas o retorno negativo não foi sentido no portfólio. O setor de retalho, do mesmo modo que atingia no início da década rentabilidades muito elevadas, tendo em alguns anos apresentado retornos superiores aos 15%, foi o único a acusar retornos negativos, em 2009 e em RETORNO TOTAL 0,46% Retorno total do portfólio avaliado pelo IPD em 2011, representando uma quebra de quase 400 pontos base quando comparado aos 4,26% conseguidos em % 15% 4,26% 0,46% 10% % 0% 3,71% 2,38% 2,31% 0,46% -1,62% -5% Portfólio Global Retalho Escritórios Industrial Outros O retorno total do portfólio avaliado pelo IPD em 2011 situou-se nos 0,46%, representando uma quebra de quase 400 pontos base quando comparado aos 4,26% conseguidos em A rentabilidade positiva do índice apenas foi conseguida graças ao efeito de valorização das rendas, cujo retorno se situou nos 5,75%, face à desvalorização do capital, que sofreu uma quebra de 5%, maioritariamente penalizada pela subida das yields. O retorno do rendimento procura refletir a evolução do desempenho dos ativos, tratando-se de um importante indicador para a gestão operacional dos imóveis. Por outro lado, a valorização do capital expressa a evolução do valor de avaliação de final de ano dos imóveis. No entanto, importa salientar que o retorno das rendas tende a suavizar positiva ou negativamente os resultados globais obtidos, uma vez que o seu cálculo é expresso em percentagem do valor dos imóveis (incluindo eventuais investimentos) pelo que em situações de quebras significativas deste valor, o desempenho operacional poderá ser sobrevalorizado, verificando-se a situação inversa em anos de forte valorização. 4

5 Análise IPD 2011 Investimento em Retalho Analisando o desempenho do índice por setor, o retalho protagonizou o pior resultado, sendo o único com retorno negativo (-1,62%), repartido entre uma evolução positiva na componente rendimento (6,2%), não conseguindo anular o efeito negativo da quebra no retorno do capital (-7,4%). Se, por um lado, o desempenho negativo ao nível da valorização do capital não surpreende, uma vez que as referências de mercado apontam para uma subida de 125 pontos base nas yields de centros comerciais prime e de 200 pb nos retail parks, por outro, a evolução positiva do retorno do rendimento pode à partida sugerir uma incoerência com a evolução do mercado. No entanto, uma análise mais detalhada esclarece os resultados obtidos e reflete um setor de retalho nacional altamente profissionalizado, no qual os principais players tentam contornar os efeitos nocivos da crise com uma gestão dos seus ativos mais proactiva, com o objetivo de minimizar perdas. Assim, analisando a evolução da renda média do portfólio de retalho, confirma-se o efeito da crise no desempenho dos ativos, verificando-se quebras consideráveis no valor médio praticado que, em 2011, se situou nos 18/m 2 /mês face aos 23/m 2 /mês praticados em A taxa de desocupação revela de igual modo as dificuldades sentidas, passando de valores médios na ordem dos 3,5% no período para uma média anual de 11% no período No entanto, este indicador evidencia já uma tendência de recuperação face ao valor atingido em 2008, de 15% para os 10% contabilizados em Esta correção dos níveis de desocupação dos ativos é um dos fatores que explicam um retorno positivo da componente rendimento, pois ainda que os valores médios unitários tenham descido, a desocupação iniciou já um movimento descendente. Uma análise mais detalhada esclarece os resultados obtidos e reflete um setor de retalho nacional altamente profissionalizado, no qual os principais players tentam contornar os efeitos nocivos da crise com uma gestão dos seus ativos mais proactiva, com o objetivo de minimizar perdas. RENDA MÉDIA retalho /m 2 /mês /m 2 /mês TAXA DE DESOCUPAÇÃO - RETALHO Taxa de desocupação 16% 14% 12% 3,5% 11% 10% 8% % 4% 2% 0% 5

6 MAIO 2012 O enfoque dos proprietários nos resultados operacionais dos ativos também pode ser verificado ao nível das despesas líquidas, que no período pré-crise ( ) se situavam em média nos 47/m 2 face aos verificados em 2011, na ordem dos 38,5/m 2. De igual modo, a taxa líquida de investimento nos ativos desceu em 2011 para os 2,2%, face a uma média de 5,6% na última década. Esta maior preocupação dos proprietários na redução de custos, seja através da contenção de despesas operacionais ou de limitação de investimento nos ativos, permitiu um maior controle do retorno operacional líquido que não obstante ter registado quebras sucessivas desde 2009, se situava no ano passado nos 81%, não muito inferior à média de 84% verificada ao longo da década. Retorno operacional líquido - Retalho 84% TAXA DE RETORNO OPERACIONAL - RETALHO 95% 90% 81% Em % 80%, análise C&W 75% 70%, análise Cushman & Wakefield (C&W) Investimento em Escritórios Os ativos de escritórios no portfólio IPD foram os segundos mais afetados em termos de desempenho, verificando-se um retorno total de 2,38%, explicado por uma quebra em termos de capital de 2,68%, compensada pela evolução positiva do retorno de rendimento de 5,19%. Importa no entanto realçar que o conjunto de imóveis no setor de escritórios do portfólio IPD não se limita ao mercado da Grande Lisboa, incluindo também imóveis de escritórios na cidade do Porto e noutras localidades em Portugal, representando estas localizações cerca de 25%. O facto de que os mercados secundários do Porto e outras cidades tenham registado um maior impacto da crise na sua evolução desde 2009, influencia negativamente o índice global de escritórios. A tendência ascendente das yields prime de escritórios em 2011 explica a desvalorização de capital sentida no portfólio, apontando os níveis de referência das yields de mercado para aumentos de 75 pontos base, evolução menos acentuada do que a sentida nos ativos de retalho, mas ainda assim com um efeito nocivo no valor dos ativos. 6

7 Análise IPD 2011 A evolução da desocupação no portfólio IPD foi bastante desfavorável para os imóveis de escritórios, ao contrário da verificada nos ativos de retalho. A taxa de desocupação atingiu em 2011 o máximo da década, situando nos 27,3%, muito superior à verificada no mercado de escritórios da Grande Lisboa, que fechou o ano nos 11,4%. Este crescimento da desocupação pode ser explicado em parte por uma reduzida flexibilidade dos proprietários na revisão das rendas, tendo sido a renda média praticada em 2011 de 14,5/m 2 /mês, quase equivalente aos 14,6/m²/mês, valor médio da década. TAXA DE DESOCUPAÇÃO - ESCRITÓRIOS 30% 27,3% A taxa de desocupação para os imóveis de escritórios atingiu em 2011 o máximo da década, situando nos 27,3%, muito superior à verificada no mercado de escritórios da Grande Lisboa, que fechou o ano nos 11,4%. 25% 20% 15% RENDA MÉDIA ESCRITÓRIOS ,6/m 2 /mês 10% 5% ,5/m 2 /mês 0% O desempenho positivo nos ativos de escritórios no portfólio IPD é explicado essencialmente por um maior controle dos custos operacionais e por um investimento nulo em 2011, que se traduziu em taxas de rentabilidade operacionais satisfatórias tendo em conta o atual estado do mercado. TAXA DE RETORNO OPERACIONAL - ESCRITÓRIOS 95% 90% 85% 80% 75% 70%, análise C&W 7

8 MAIO 2012 Investimento em Industrial Os ativos industriais têm um peso de cerca de 11% na carteira IPD, contando com um total de 171 imóveis avaliados em mil milhões de euros. O desempenho destes imóveis em 2011 foi semelhante ao verificado para o setor de escritórios, atingindo um retorno total de 2,31%, dividido por um retorno de rendas de 4,79% e um rendimento de capital de -2,37%. No que diz respeito à desvalorização do capital, esta é mais uma vez confirmada pela evolução do mercado em geral, que registou nas yields prime do setor industrial uma subida de 100 pontos base de 2010 para A componente de retorno das rendas, à semelhança dos restantes setores, foi também positiva nos ativos industriais, na ordem dos 4,8%, ainda que inferior ao valor registado em 2010, de 5,5%. Neste caso, o crescimento verificado foi suportado maioritariamente pela quebra de valor no capital, efeito da metodologia do IPD, conforme explicado no capítulo Introdução, e, também, pela quebra no investimento, que neste setor se situou nos 0,34%. TAXA DE DESOCUPAÇÃO - INDUSTRIAL 30% 25% 20% 15% 2,31% O desempenho dos imóveis industriais em 2011 foi semelhante ao verificado para o setor de escritórios, atingindo um retorno total de 2,31%. 10% 5% 0% A evolução da taxa de desocupação dos imóveis industriais na carteira IPD, bem como do valor médio de rendas unitárias, resultou numa deterioração do desempenho operacional dos imóveis, que decresceu dos 89% em 2010 para os 85% em

9 Análise IPD 2011 TAXA DE RETORNO OPERACIONAL - INDUSTRIAL % 90% 80% 85% 75% 70% mihões Avaliação do conjunto de 161 imóveis englobados na categoria outros activos, constituida por imóveis residenciais, hotelaria, parques de estacionamento, equipamentos. O desempenho desta categoria foi o mais favorável de todo o portfólio., análise C&W Investimento em outros ativos A categoria de outros ativos engloba os imóveis residenciais do portfólio, com um peso muito residual, e outros segmentos como a hotelaria, parques de estacionamento, equipamentos, entre outros. No total, este conjunto de imóveis conta com 161 ativos avaliados no final de 2011 em milhões. O desempenho desta categoria foi o mais favorável de todo o portfólio, tendo registado um retorno total de 3,71%, composto por um retorno de capital de -2,02% e um retorno de rendas de 5,83%. A categoria outros ativos registou o melhor desempenho no retorno do capital, com uma quebra menos acentuada no valor dos imóveis. Importa no entanto salientar que, ao contrário dos outros setores, 2011 foi o ano em que se registou o pior desempenho para o retorno do capital nesta categoria. A rentabilidade das rendas foi a 2ª mais positiva do portfólio global, apenas ultrapassada pelos ativos de retalho. Estes resultados explicam-se por uma redução muito considerável da taxa de desocupação dos imóveis, que passou dos mais de 20% registados em 2010 para 11% em 2011, e por um aumento de mais de 3 pontos percentuais no retorno operacional, que se situou no final do ano passado próximo dos 95%. Taxa de desocupação outros activos 20% 11% Conclusões Desde 2008 que os dados do Índice IPD refletem o agravamento das condições do mercado imobiliário, retratando importantes quebras de valor nos ativos. Estas foram até 2011 compensadas pelo retorno das rendas mas, fruto também de uma gestão das carteiras mais profissional e pró-ativa, demonstrando uma tentativa dos proprietários em reduzir as perdas decorrentes da ascensão das yields. 9

10 MAIO 2012 Análise IPD 2011 Esta subida das yields prime de mercado, que no imobiliário comercial se situou entre os 125 e os 200 pontos base para o período , foi de facto a principal causa para as quebras registadas no valor do Índice IPD, verificando-se desde 2008 retornos negativos da componente capital, sempre compensados por retornos positivos do rendimento. Conforme já explicado, a base de cálculo do retorno do rendimento na metodologia IPD faz com que as quebras no valor dos ativos tenham um efeito de melhoria nesta variável. No entanto, a análise das variáveis de desempenho operacional das carteiras no seu total, permite verificar que desde 2008 os proprietários dos portfólios deram uma maior ênfase à gestão dos seus ativos. Registou-se uma correção ao nível das taxas de desocupação, que em 2008 se situavam próximo dos 21% e que, no final do ano passado, tinham reduzido para os 18%. Este controlo da desocupação foi conseguido através de uma redução no valor médio das rendas, que evoluiu dos 13,22/m 2 /mês em 2008 para os 11,60 /m 2 /mês em 2011 que resultou, naturalmente, num impacto ao nível da taxa de retorno operacional, que decresceu dos 88% em 2008 para os 84% em Esta redução de custos por parte dos proprietários foi também refletida nas despesas de investimento, que incluem o total de despesas de capital incorridas durante o período em análise, nomeadamente montantes afetos à construção, recuperação e melhoria dos imóveis e aquisição de imóveis, e cuja taxa reduziu dos 5,77% verificados em 2007 para 0,86% em Assim, a perceção de maior risco por parte dos investidores tornou-se na principal causa da perda de valor dos ativos imobiliários em Portugal, através do movimento de crescimento das yields. No entanto, o desempenho dos ativos evidenciou uma gestão mais profissionalizada, que tentou reduzir despesas operacionais e de investimento, bem como os níveis de desocupação dos ativos. A evolução futura do mercado de investimento imobiliário em Portugal nos próximos anos irá marcar as perspetivas de rentabilidade dos ativos imobiliários no futuro, através da evolução das yields de mercado, que, conforme se verifica pelos resultados do Índice IPD, têm um impacto determinante na rentabilidade global do imobiliário. Assim, a evolução da economia nacional e do seu processo de equilíbrio das contas públicas será crucial para aumentar a atratividade e confiança no mercado nacional, trazendo os fluxos de capital necessários a uma retoma do mercado de investimento imobiliário institucional, que se deverá traduzir num decréscimo das yields. Face à conjuntura económica que atravessamos, é cada vez mais necessária uma gestão pró-ativa dos imóveis, próxima dos ocupantes e que crie, sempre que possível, soluções que atenuem inevitáveis perdas % 21% 13,22/m 2 /mês 11,60/m 2 /mês taxa de desocupação valor médio das rendas taxa de retorno operacional, análise Cushman & Wakefield (C&W) 88% 84% De igual modo, a gestão profissionalizada dos ativos imobiliários continuará a assumir um papel de relevo, tratando-se de um fator crítico para a minimização de uma potencial perda de valor dos imóveis. A impossibilidade de controlar a evolução das yields por parte dos investidores, faz do retorno do rendimento e, consequentemente, da gestão operacional dos ativos, a única forma de minimizar quebras no retorno total dos ativos. Face à conjuntura económica que atravessamos, é cada vez mais necessária uma gestão pró-ativa dos imóveis, próxima dos ocupantes e que crie, sempre que possível, soluções que atenuem inevitáveis perdas. Para mais informações ou para obter cópias adicionais deste estudo, por favor contacte: Filipa Mota Carmo Marketing Este relatório contém informação publicamente disponível, e foi utilizada pela Cushman & Wakefield no pressuposto de ser correta e verdadeira. A Cushman & Wakefield declina qualquer responsabilidade, caso se venha a verificar o contrário. Nenhuma garantia ou representação, expressa ou implícita, é feita à veracidade da informação contida neste relatório, e a mesma é disponibilizada sujeita a erros. Para uma informação mais detalhada e atualizada sobre os vários sectores imobiliários aceda ao Knowledge Center da Cushman & Wakefield: Cushman & Wakefield. Direitos reservados. Cushman & Wakefield Av. da Liberdade, 131 2º Lisboa Portugal Tel.: Fax:

VALOR EM TEMPOS DE CRISE

VALOR EM TEMPOS DE CRISE IPD PORTUGAL 2009 JULHO 2010 1 Introdução 2 IPD 2009 - Retorno Total - Retorno das Rendas - Valorização do Capital 8 Análise Cushman & Wakefield Av. da Liberdade, 131 2º 1250-140 Lisboa, Portugal www.cushmanwakefield.com

Leia mais

VALOR EM TEMPOS DE CRISE

VALOR EM TEMPOS DE CRISE IPD PORTUGAL 2008 AGOSTO 2009 1 Introdução 2 IPD 2008 - Retorno Total - Retorno das Rendas - Valorização do Capital 7 Análise A evolução do Índice Imobiliário Anual Português Imométrica/IPD (Investment

Leia mais

BUSINESS BRIEFING Comércio de Rua Lisboa e Porto

BUSINESS BRIEFING Comércio de Rua Lisboa e Porto Comércio de Rua Lisboa e Porto MAIO 2015 Avenida da Liberdade. Fonte: C&W INTRODUÇÃO Numa fase em que o comércio de rua em Portugal atrai retalhistas e investidores de todo o mundo, a Cushman & Wakefield

Leia mais

O INVESTIMENTO EM HOTELARIA NA CIDADE DE LISBOA

O INVESTIMENTO EM HOTELARIA NA CIDADE DE LISBOA O INVESTIMENTO EM HOTELARIA NA CIDADE DE LISBOA JUNHO 2009 CONTEÚDOS 1 Desempenho histórico da hotelaria na cidade de Lisboa 5 Impacto do desempenho histórico sobre o valor dos hotéis e a rentabilidade

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

BUSINESS BRIEFING COMÉRCIO DE LUXO LISBOA E PORTO

BUSINESS BRIEFING COMÉRCIO DE LUXO LISBOA E PORTO BUSINESS BRIEFING COMÉRCIO DE LUXO 3ª EDIÇÃO DEZEMBRO 2012 INTRODUÇÃO O comércio de rua continua a demonstrar um crescimento significativo no nosso país, em contraciclo com a indústria dos conjuntos comerciais.

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 36. Construção em 2009 verificou dois andamentos

Conjuntura da Construção n.º 36. Construção em 2009 verificou dois andamentos Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas ANEOP Associação Nacional dos Empreiteiros

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

MERCADO DE HOTÉIS AS LOW COST E A HOTELARIA DO PORTO AEROPORTO FRANCISCO SÁ CARNEIRO

MERCADO DE HOTÉIS AS LOW COST E A HOTELARIA DO PORTO AEROPORTO FRANCISCO SÁ CARNEIRO 7 MERCADO DE HOTÉIS AS LOW COST E A HOTELARIA DO PORTO Abril 29 Sumário Executivo Aeroporto Francisco Sá Carneiro Hotelaria da Cidade do Porto 4 As Low Cost e a Hotelaria do Porto 5 Conclusões 6 Contactos

Leia mais

Tendências do Mercado de SST em Portugal. João Florindo

Tendências do Mercado de SST em Portugal. João Florindo Tendências do Mercado de SST João Florindo 1 O que nos preocupa na UE Para o universo de 217 milhões de trabalhadores da EU, registam-se: 4.000 mortes devido a acidentes de trabalho (EEAT 2011) 159.500

Leia mais

A mosca na sopa. PhotoDisc

A mosca na sopa. PhotoDisc A mosca na sopa O reduzido número de IPO continua a ser a mosca na sopa do capital de risco europeu. Não fosse o fraco volume de operações realizadas e a redução de fundos captados e o balanço da actividade

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais

Press Release. Worx divulga WMarket Report 1ºS 2008

Press Release. Worx divulga WMarket Report 1ºS 2008 Press Release No: 77 / DZ Data: 15 de Setembro de 2008 Edifício Taurus, Campo Edifício Pequeno, Taurus, 48 4º 1000-081 Campo Pequeno, Lisboa 48 4º 1000-081 Lisboa + 351 217 999 960 tel. + 351 217 999 965

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Clara Synek * Resumo O aumento da incerteza relativo às perspectivas económicas, do mercado de trabalho,

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

NEWSLETTER InCI ano III nº 25 Dezembro/ 2013

NEWSLETTER InCI ano III nº 25 Dezembro/ 2013 I NOTÍCIAS/INFORMAÇÕES Foi aprovado pelo Parlamento Europeu a revisão da legislação europeia sobre os contratos públicos de obras, bens e serviços e as concessões. Consulte aqui o comunicado de imprensa.

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Av. Fontes Pereira de Melo, 14 10º -1050-121 Lisboa Capital Social: 118.332.445 Euros - NIPC e Mat. na C.R.C. de Lisboa sob

Leia mais

A COLOCAÇÃO DE ESCRITÓRIOS PODE VOLTAR AOS 150 MIL/170 MIL M2 EM 2009

A COLOCAÇÃO DE ESCRITÓRIOS PODE VOLTAR AOS 150 MIL/170 MIL M2 EM 2009 OJE 3 de Dezembro 2008 (1/5) A COLOCAÇÃO DE ESCRITÓRIOS PODE VOLTAR AOS 150 MIL/170 MIL M2 EM 2009 O take-up de ESCRITÓRIOS vai regredir em 2009 para o nível dos anos de 2004 e 2005, embora o preço das

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

Menos Crédito e destruição de emprego continuam a refletir grave crise na Construção

Menos Crédito e destruição de emprego continuam a refletir grave crise na Construção Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 71 Agosto

Leia mais

Entrevista com GVA-Consultimo. Maria Inácia Reynolds Oliveira. Diretora Geral. Com quality media press para LA VANGUARDIA & Expresso

Entrevista com GVA-Consultimo. Maria Inácia Reynolds Oliveira. Diretora Geral. Com quality media press para LA VANGUARDIA & Expresso Entrevista com GVA-Consultimo Maria Inácia Reynolds Oliveira Diretora Geral Com quality media press para LA VANGUARDIA & Expresso O sector imobiliário em Portugal: análise evolução recente O sector Imobiliário

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

CONTACTO: Ana Rita Ribeiro comunicar-se@netcabo.pt

CONTACTO: Ana Rita Ribeiro comunicar-se@netcabo.pt IPD divulga Índice conjunto do Retorno do Investimento Imobiliário para a Europa REINO UNIDO E ALEMANHA PRESSIONAM RESULTADOS PAN-EUROPEUS EM BAIXA Lisboa, 27 de Maio de 2008 - O IPD, líder mundial em

Leia mais

Opiniões dos Empresários recuperam mas Consumo de Cimento bate mínimos históricos

Opiniões dos Empresários recuperam mas Consumo de Cimento bate mínimos históricos Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 73 Novembro

Leia mais

Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento

Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento 29 de setembro de 2014 INQUÉRITOS DE CONJUNTURA ÀS EMPRESAS E AOS CONSUMIDORES Setembro de 2014 Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica

Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Direção de Gestão de Informação e Comunicação Centro de Informação e Conhecimento Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Lisboa, janeiro de 2015 Introdução

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA Folha de Informação Rápida. CONSTRUÇÃO 3º Trimestre 2013

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA Folha de Informação Rápida. CONSTRUÇÃO 3º Trimestre 2013 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE CABO VERDE CABO VERDE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE INQUÉRITO DE CONJUNTURA

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

DESTAQUE. Informação à Comunicação Social. Inquéritos de Conjuntura às Empresas Abril de 2013. 11 Abril de 2013

DESTAQUE. Informação à Comunicação Social. Inquéritos de Conjuntura às Empresas Abril de 2013. 11 Abril de 2013 Inquéritos de Conjuntura às Empresas Abril de 2013 11 Abril de 2013 No 1º trimestre de 2013, constata-se que o indicador de clima 1 manteve a tendência descendente dos últimos trimestres, ou seja, o ritmo

Leia mais

O Setor da Construção em Portugal 2011

O Setor da Construção em Portugal 2011 O Setor da Construção em Portugal 2011 1º semestre FEVEREIRO 2012 Ficha Técnica Título: Relatório Semestral do Setor da Construção em Portugal 1º Sem. 2011 Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro

Leia mais

Resultados Consolidados

Resultados Consolidados Resultados Consolidados 2013 1. MENSAGEM DO PRESIDENTE DA COMISSÃO EXECUTIVA 2013 constitui um marco no processo de reposicionamento e recuperação da Inapa. Para além da melhoria do desempenho económico

Leia mais

RESULTADOS ANUAIS 2011

RESULTADOS ANUAIS 2011 RESULTADOS ANUAIS 2011 15 de Fevereiro de 2011 VAA - Vista Alegre Atlantis, SGPS, SA sociedade aberta com sede no Lugar da Vista Alegre em Ílhavo, com o número de contribuinte 500 978 654, matriculada

Leia mais

Portugal num mundo em mudança TROCA DE INFORMAÇÕES BANCÁRIAS, RESIDÊNCIA FISCAL E OUTROS TEMAS

Portugal num mundo em mudança TROCA DE INFORMAÇÕES BANCÁRIAS, RESIDÊNCIA FISCAL E OUTROS TEMAS Portugal num mundo em mudança TROCA DE INFORMAÇÕES BANCÁRIAS, RESIDÊNCIA FISCAL E OUTROS TEMAS Porquê Portugal? Portugal é um país dinâmico, seguro, com uma taxa de criminalidade baixa, trabalhadores altamente

Leia mais

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, nº 17 6A, 1070-313 Lisboa Portugal Capital

Leia mais

INQUÉRITO AOS OPERADORES LOGÍSTICOS 2010

INQUÉRITO AOS OPERADORES LOGÍSTICOS 2010 INQUÉRITO AOS OPERADORES LOGÍSTICOS 2010 MARÇO 2011 1 Sumário Executivo 2 Introdução 3 Análise 4 Conclusões 5 Contactos Cushman & Wakefield Av. da Liberdade, 131 2º 1250-140 Lisboa, Portugal www.cushmanwakefield.com

Leia mais

Actively Investing and Managing Property in Iberia

Actively Investing and Managing Property in Iberia Actively Investing and Managing Property in Iberia 1 PT Management Fund Management Investment Equity Providers & Placement Agents Property Management IMORENDIMENTO Actively Investing and Managing Property

Leia mais

ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA E EVOLUÇÃO DA CONSULTORIA RH EM PORTUGAL

ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA E EVOLUÇÃO DA CONSULTORIA RH EM PORTUGAL ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA E EVOLUÇÃO DA CONSULTORIA RH EM PORTUGAL Duarte Albuquerque Carreira, Coordenador editorial da revista Pessoal (da.carreira@moonmedia.info) João d Orey, Diretor Executivo da

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011 Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses Julho Esta nota resume as principais características e resultados do exercício de stress test realizado ao nível da União

Leia mais

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Apreciação Global Os dados estatísticos disponíveis para o 2º trimestre de 2014 parecem confirmar finalmente, e pela primeira vez em muitos

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Briefing EDP UNIVERSITY CHALLENGE 2013

Briefing EDP UNIVERSITY CHALLENGE 2013 Briefing EDP UNIVERSITY CHALLENGE 2013 1 1 Índice... 1 2 Introdução... 2 3 Contextualização... 3 3.1 Processos de liberalização energética noutros mercados... 3 3.2 Energia Elétrica... 4 3.3 Gás Natural...

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (Declaração de Rendimentos

Leia mais

Jerónimo Martins SGPS, S.A. Resultados do Ano 2010

Jerónimo Martins SGPS, S.A. Resultados do Ano 2010 Jerónimo Martins SGPS, S.A. Resultados do Ano 2010 Lisboa, 18 de Fevereiro de 2011 Fortes resultados numa envolvente marcada pelos desafios. Vendas consolidadas atingem 8,7 mil milhões de euros (crescimento

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA SUMÁRIO No primeiro trimestre de, a produção de seguro directo, relativa à actividade em Portugal das empresas de seguros sob a supervisão do ISP, apresentou, em termos globais, uma quebra de 29,8% face

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário

Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário 1. Objetivo do fundo O Fundo JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento

Leia mais

RELATÓRIO O SECTOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL EM 2010

RELATÓRIO O SECTOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL EM 2010 RELATÓRIO O Sector da Construção em Portugal em 2010 Setembro de 2011 Ficha Técnica Título: Relatório O Sector da Construção em Portugal em 2010 Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro Ministro

Leia mais

INQUÉRITO A RETALHISTAS 2010

INQUÉRITO A RETALHISTAS 2010 INQUÉRITO A RETALHISTAS 2010 NOVEMBRO 2010 1 Introdução 2 Sumário Executivo 3 Painel de Participantes 6 Vendas, Padrões de Consumo, Concorrência e Rentabilidade 11 Conjuntos Comerciais e sua Evolução 13

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÓMICOS, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL PARECER

COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÓMICOS, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL PARECER COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÓMICOS, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL PARECER PROPOSTA DE LEI N.º 162/X/3ª ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2008 PARTE I - CONSIDERANDOS 1. Nota Introdutória O Governo apresentou

Leia mais

11 Outubro de 2012 Inquéritos de Conjuntura às Empresas Outubro de 2012

11 Outubro de 2012 Inquéritos de Conjuntura às Empresas Outubro de 2012 11 Outubro de 2012 Inquéritos de Conjuntura às Empresas Outubro de 2012 No 3º trimestre de 2012 constata-se que, o indicador de clima 1 manteve a tendência descendente do último trimestre, ou seja, o ritmo

Leia mais

Presente. O que se segue?

Presente. O que se segue? 2012 REVISTA ANUAL PORTUGAL ESCRITÓRIOS Presente Economia: O resgate económico de Portugal acabou com a utópica visão do Governo de então, sobre a sustentabilidade financeira do país. 2012 é projectado

Leia mais

Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente.

Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente. Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente. A possibilidade de diversificar o investimento e se tornar sócio dos maiores empreendimentos imobiliários do Brasil. Este material tem o objetivo

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Portuguese Prime Property Box. Relatório de Gestão Exercício de 2011. Calmaria / Dead Calm

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Portuguese Prime Property Box. Relatório de Gestão Exercício de 2011. Calmaria / Dead Calm Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Portuguese Prime Property Box Relatório de Gestão Exercício de 2011 Calmaria / Dead Calm Comité de Investimentos João Paulo Batista Safara Sir Thomas d Eyncourt

Leia mais

UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2

UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2 UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2 Introdução SABE COM EXATIDÃO QUAL A MARGEM DE LUCRO DO SEU NEGÓCIO? Seja na fase de lançamento de um novo negócio, seja numa empresa já em

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

CB RICHARD ELLIS PORTUGAL

CB RICHARD ELLIS PORTUGAL CB RICHARD ELLIS PORTUGAL Apresentação da Empresa 2011 Índice Página 1. CB Richard Ellis 3 2. CB Richard Ellis no Mundo 4 3. CB Richard Ellis na Região EMEA 7 4. O Grupo CBRE Portugal 8 5. Prémios Internacionais

Leia mais

ENQUADUADRAMENTO DO SECTOR IMOBILIÁRIO MOÇAMBIQUE LANÇAMENTO DO LIVRO LEGISLAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO DE MOÇAMBIQUE

ENQUADUADRAMENTO DO SECTOR IMOBILIÁRIO MOÇAMBIQUE LANÇAMENTO DO LIVRO LEGISLAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO DE MOÇAMBIQUE ENQUADUADRAMENTO DO SECTOR IMOBILIÁRIO MOÇAMBIQUE LANÇAMENTO DO LIVRO LEGISLAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO DE MOÇAMBIQUE MERCADO IMOBILIÁRIO MOÇAMBIQUE 2014 Nelson Rêgo Diretor Geral da Prime Yield MZ ÍNDICE

Leia mais

LISBOA NA RUA SETEMBRO 2012 INTRODUÇÃO

LISBOA NA RUA SETEMBRO 2012 INTRODUÇÃO LISBOA NA RUA SETEMBRO 2012 INTRODUÇÃO A cidade de Lisboa tem ganho nos últimos anos um importante protagonismo como destino turístico no mercado internacional. Este facto é demonstrado pelos mais recentes

Leia mais

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas)

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) 31 agosto 2015 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial, e as suas

Leia mais

Venezuela. Dossier de Mercado. Maio 2008

Venezuela. Dossier de Mercado. Maio 2008 Venezuela Dossier de Mercado Maio 2008 Venezuela Dossier de Mercado (Maio 2008) Índice 1. O País...3 1.1 Venezuela em Ficha...3 1.2 Organização Política e Administrativa...4 1.3 Situação Económica...5

Leia mais

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno Atividade Turística Novembro de 2014 19 de janeiro de 2015 Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno As dormidas na hotelaria fixaram-se em

Leia mais

1. Primeiro de Janeiro, 04-05-2010, Capital de risco cresce 14% 1. 2. Diário Económico, 04-05-2010, Actividade de capital de risco cresceu 14% 2

1. Primeiro de Janeiro, 04-05-2010, Capital de risco cresce 14% 1. 2. Diário Económico, 04-05-2010, Actividade de capital de risco cresceu 14% 2 Revista de Imprensa 12-05-2010 1. Primeiro de Janeiro, 04-05-2010, Capital de risco cresce 14% 1 2. Diário Económico, 04-05-2010, Actividade de capital de risco cresceu 14% 2 3. Económico Online, 03-05-2010,

Leia mais

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Janeiro Dezembro 2013 1. Análise global Setor Elétrico e Eletrónico Confirma-se uma tendência decrescente na evolução do comércio externo

Leia mais

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL Índice de Pagamentos 2004 191 2005 184 2006 183 2007 182 2008 183 Desenvolvimento Económico (%) UE 27 - Média PIB per capita US 21.800 (2007) Crescimento do PIB 1,9 2,9

Leia mais

EMPRESAS DE MEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA - ANO DE 2010 -

EMPRESAS DE MEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA - ANO DE 2010 - EMPRESAS DE MEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA - ANO DE 2010 - FICHA TÉCNICA Título: Empresas de Mediação Imobiliária Análise Económico-Financeira Ano de 2010 Autoria: Henrique Graça Fernanda

Leia mais

AVALIAÇÃO E CONSULTORIA IMOBILIÁRIA (VALUATION & ADVISORY)

AVALIAÇÃO E CONSULTORIA IMOBILIÁRIA (VALUATION & ADVISORY) Valuation & Advisory América do sul A Cushman & Wakefield é a maior empresa privada de serviços imobiliários comerciais do mundo. Fundada em Nova York, em 1917, tem 250 escritórios em 60 países e 16.000

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais

CAIXAGEST SELECÇÃO ORIENTE 2008

CAIXAGEST SELECÇÃO ORIENTE 2008 CAIXAGEST SELECÇÃO ORIENTE 2008 Fundo Especial de Investimento Fechado RELATÓRIO & CONTAS 1º Semestre 2008 ÍNDICE AMBIENTE MACRO ECONÓMICO E MERCADOS FINANCEIROS 2 A EVOLUÇÃO DO MERCADO DE FIM EM PORTUGAL

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP AIMINHO Braga, 24 de Outubro, 2014 1 P a g e Distintas Entidades aqui presentes, Senhores Empresários, Minhas

Leia mais

MARKETBEAT PORTUGAL OUTONO 2013. Economia. Uma publicação Cushman & Wakefield. Uma publicação Cushman & Wakefield

MARKETBEAT PORTUGAL OUTONO 2013. Economia. Uma publicação Cushman & Wakefield. Uma publicação Cushman & Wakefield MARKETBEAT PORTUGAL OUTONO 213 Lisboa o ponto de viragem Economia As últimas projeções para a economia portuguesa publicadas pelo Banco de Portugal no seu Boletim de Verão revelam uma manutenção da recessão

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

FORMAÇÃO DOS PREÇOS E DAS MARGENS NOS SECTORES DO LEITE E DA CARNE UMA ANÁLISE PARA O PERÍODO 2000-2009

FORMAÇÃO DOS PREÇOS E DAS MARGENS NOS SECTORES DO LEITE E DA CARNE UMA ANÁLISE PARA O PERÍODO 2000-2009 Centro de Investigação Sobre Economia Portuguesa INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FORMAÇÃO DOS PREÇOS E DAS MARGENS NOS SECTORES DO LEITE E DA CARNE UMA ANÁLISE PARA

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Exercício de 2011 EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO - ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA

FICHA TÉCNICA. Exercício de 2011 EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO - ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA - - Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P. FICHA TÉCNICA Título: Empresas do Setor da Construção Análise Económico-Financeira Autoria:

Leia mais

EARLY DRIVE 1 FUNDO DE CAPITAL DE RISCO. Fundo para Investidores Qualificados. Actualização em Abril de 2006 APRESENTAÇÃO.

EARLY DRIVE 1 FUNDO DE CAPITAL DE RISCO. Fundo para Investidores Qualificados. Actualização em Abril de 2006 APRESENTAÇÃO. EARLY DRIVE 1 FUNDO DE CAPITAL DE RISCO Fundo para Investidores Qualificados Actualização em Abril de 2006 APRESENTAÇÃO 1 Sujeito a autorização e à supervisão pela CMVM (Comissão do Mercado de Valores

Leia mais

Fiscalidade no Sector da Construção

Fiscalidade no Sector da Construção Fiscalidade no Sector da Construção Conferência AICCOPN Os Fundos de Investimento Imobiliário para Arrendamento Habitacional Lisboa, 26 de Março de 2009 Paulo Alexandre de Sousa Director de Financiamento

Leia mais

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas?

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas? Que Private Label na Era das Marcas? Vila Nova de Famalicão, 26 de Novembro de 2008 Manuel Sousa Lopes Teixeira 1 2 INTELIGÊNCIA TÊXTIL O Sector Têxtil e Vestuário Português e o seu enquadramento na Economia

Leia mais

Venda de voos internacionais atinge em 2010 87,4% de todas as vendas BSP

Venda de voos internacionais atinge em 2010 87,4% de todas as vendas BSP Venda de voos pelas agências portuguesas acaba 2010 a cair, mas ainda fica acima de 2009 A venda de voos regulares pelas agências de viagens IATA portuguesas, um mercado que em 2008 ultrapassou os 900

Leia mais

INQUÉRITO AOS RETALHISTAS 2009

INQUÉRITO AOS RETALHISTAS 2009 JANEIRO 2010 1 Introdução 2 Sumário Executivo 3 Painel de Participantes 6 Rentabilidade, Vendas e Estratégia de Expansão 9 Conjuntos Comerciais e sua Evolução 11 Licenciamento Comercial 12 Conclusões Cushman

Leia mais

O Financiamento Bancário no Contexto Atual

O Financiamento Bancário no Contexto Atual Seminário: Modelos de Financiamento de Operações Urbanísticas: desafios e oportunidades O Financiamento Bancário no Contexto Atual José Herculano Gonçalves IST Lisboa, 28 Janeiro 2014 Direção de Financiamento

Leia mais

SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA

SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA O primeiro requisito para venda de uma empresa, total ou parcialmente, é apresentá-la de forma atraente,

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Contexto e objetivos do estudo... 3 Metodologia, definições e âmbito da análise... 4

Contexto e objetivos do estudo... 3 Metodologia, definições e âmbito da análise... 4 Índice Contexto e objetivos do estudo... 3 Metodologia, definições e âmbito da análise... 4 População alvo...4 Unidade amostral...4 Dimensão da população...4 Metodologia...4 Caracterização da amostra...4

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO TURÍSTICO

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO TURÍSTICO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO TURÍSTICO 1. Introdução O Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Turístico é um fundo fechado, autorizado através da Portaria nº. 229/95, publicado na II Série

Leia mais

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15 Agências de Viagens ÍNDICE Sumário Executivo 3 da procura - inverno 2014/15 Portugal - NUTS II Portugal - Principais NUTS II Principais 4 5 6 da procura - verão

Leia mais