PARECER JURÍDICO- PREVIDENCIÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARECER JURÍDICO- PREVIDENCIÁRIO"

Transcrição

1 PARECER JURÍDICO- PREVIDENCIÁRIO CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Cuida o presente trabalho de parecer cujo objeto consiste na análise da situação jurídico-previdenciária do consulente com o objetivo de lhe fornecer orientações que possam garantir um benefício previdenciário que melhor lhe atenda. Importante ressaltar que este trabalho tem caráter apenas sugestivo, podendo o segurado adotar a medida que julgar mais conveniente ou mesmo procurar uma orientação adicional de qualquer outro profissional especialista na área. Ressalte-se que inexiste direito adquirido por parte do segurado no tocante às regras jurídicas atualmente em vigor. Eventual alteração na legislação previdenciária poderá invalidar as conclusões aferidas pelo presente trabalho. Dessa forma, o parecer em questão não pode ser considerado como a última palavra no que se refere aos direitos previdenciários do consulente, não tendo, pois, caráter vinculativo, objetivando tão-somente fornecer um norte para o segurado. Por fim, importante ressaltar que este parecer é uma mera simulação, podendo ocorrer algumas variações quando da concessão do beneficio pelo INSS, até mesmo porque não se cogita correção monetária futura. CONCEITOS BÁSICOS Para melhor entendimento de como se procede ao cálculo dos benefícios da previdência social, torna-se imperioso deixar claros os seguintes conceitos: Regime Geral de Previdência Social - RGPS: É a previdência social pública destinada aos trabalhadores que não são servidores públicos efetivos abrangidos por um regime próprio de previdência social. O RGPS é gerido pelo INSS INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL 1

2 Salário-de-benefício: Baseia-se nos salários de contribuição realizados no período contributivo que se inicia em Julho/1994 e tem seu termo na data do requerimento administrativo do benefício. Deverão ser considerados 80% do período contributivo para fins de cálculo correspondente aos maiores salários-de-contribuição. Apurada a média no benefício de aposentadoria por tempo de contribuição incidirá o chamado fator previdenciário, 1 o qual é determinado levando-se em conta a idade do segurado, o tempo de contribuição e a expectativa de sobrevida do brasileiro medida anualmente pelo IBGE. No caso da aposentadoria por idade, o fator previdenciário somente é aplicado se for para aumentar a respectiva média. Renda Mensal Inicial: É a primeira mensalidade paga pelo INSS. É calculado utilizando-se um percentual sobre o salário-de-benefício a título de coeficiente de cálculo definido na Lei n /91 para cada modalidade de benefício previdenciário. Na hipótese da aposentadoria por tempo de contribuição o percentual é de 100% caso o segurado já tenha 35 anos de tempo (homem) ou 30 anos de tempo (mulher). DO TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO APURADO NO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL No Regime Geral de Previdência Social gerenciado pelo INSS, temos a seguinte contagem do tempo de contribuição do segurado: Dados do Segurado Nome CPF Data de Nascimento Idade 55 Período de Contribuições 1 O fator previdenciário foi introduzido no ordenamento jurídico brasileiro através da Lei de 29/11/1999, passando a incidir no benefício de aposentadoria por tempo de contribuição concedido a partir desta data, ressalvado a opção por sua incidência nos casos em que o direito já tivesse sido adquirido anteriormente à entrada em vigor da Lei. Excetua-se a aplicação do fator previdenciário, ainda, no benefício de aposentadoria por idade, onde o mesmo é opcional. 2

3 PERÍODO EMPRESA INÍCIO FIM FATOR MULT. TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO * TEMPO CONTRIBUIÇÃO CONVERTIDO CONCO- MITÂN- CIAS ANOS MESES DIAS ANOS MESES DIAS 1 o 01/08/ /02/ o 2 o 01/11/ /04/ o 3 o 3 o 01/02/ /08/ o 4 o 01/08/ /11/ o 6 o 5 o 20/12/ /06/ o 6 o 01/10/ /01/ o 7 o 7 o 02/01/ /08/ o 8 o 01/12/ /05/ o 02/06/ /11/ o 10 o 15/06/ /07/ o Conclusões CONCLUSÕES (CONSIDERANDO FATORES MULTIPLICADORES) TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO ANOS MESES DIAS CARÊNCIA Tempo de contribuição anterior a Constituição de 88 (05/10/88) Tempo de contribuição até o término do Buraco Negro (04/04/1991) Tempo de contribuição até a Emenda nº 20/98 - (16/12/1998) Tempo de contribuição até a Lei nº 9876/99 - (29/11/1999)

4 Tempo total de contribuição até a data fim do último período Tempo de Pedágio para Aposentadoria Proporcional Tempo Mínimo para Aposentadoria Proporcional com Pedágio Tempo a cumprir para aposentadoria proporcional Tempo a cumprir para aposentadoria por tempo de contribuição Idade mínima exigida para aposentadoria proporcional Idade Mínima Atingida IEPREV Instituto de Estudos Previdenciários De acordo com contagem de tempo acima realizada, o segurado possui, na presente data e conforme a análise dos elementos de provas repassados pelo consulente, o total de 40 anos e 7 meses e 22 dias de tempo de contribuição e 428 meses de carência, possuindo, portanto, o tempo mínimo de 35 anos de tempo de contribuição para obtenção do benefício de aposentadoria por tempo de contribuição. Isto posto, simular-se-ão algumas hipóteses de aposentadoria, conforme solicitado pelo consulente. DO VALOR DO BENEFÍCIO DO CONSULENTE Cogitam-se as seguintes hipóteses para a aposentadoria do consulente: 1ª hipótese Tipo de benefício: Aposentadoria por tempo de contribuição; Data do requerimento do benefício: 01/07/2014; Contribuição: nesta hipótese o beneficiário requererá imediatamente o benefício junto ao INSS Tempo de Contribuição: 40 anos, 7 meses e 22 dias Valor aproximado do benefício a receber: R$ 3.446,09 4

5 Espécie Aposentadoria por tempo de contribuição Período para o início do benefício A partir de 29/11/1999 Data de Início do Benefício 01/07/2014 Contribuição primária 40 ano(s), 7 mês(es) e 22 dia(s) Coeficiente do Cálculo 100% Soma das contribuições primárias R$ ,39 Divisor do cálculo da média primária 383 Média das contribuições primárias R$ 4.137,84 Idade em anos 55(55,99) Média das contribuições R$ 4.137,84 CT - Número de competências transcorridas desde 29/11/ ((40,6356 * 0,31) / 25,5) * (1 + (55,99 + Fórmula Fator (40,6356 * 0,31)) / 100) Fp - Fator Previdenciario 0,8328 Índice de reajuste no teto 1 Expectativa de Sobrevida 25,5 Renda Mensal Inicial R$ 3.446,09 2ª hipótese Tipo de benefício: Aposentadoria por tempo de contribuição; Data do requerimento do benefício: 17/07/2015; Contribuição: nesta hipótese o beneficiário contribuirá sobre o valor teto do INSS (atualmente R$ 4.390,24), até a data em que completa 57 anos de idade; Tempo de Contribuição: 41 anos, 8 meses e 8 dias Valor aproximado do benefício a receber: R$ 3.824,05. Espécie Aposentadoria por tempo de contribuição Período para o início do benefício A partir de 29/11/1999 5

6 Data de Início do Benefício 17/07/2015 Contribuição primária 41 ano(s), 8 mês(es) e 8 dia(s) Coeficiente do Cálculo 100% Soma das contribuições primárias R$ ,50 Divisor do cálculo da média primária 201 Média das contribuições primárias R$ 4.161,88 Idade em anos 57(57,04) Média das contribuições R$ 4.161,88 CT - Número de competências transcorridas desde 29/11/ ((41,6795 * 0,31) / 23,9) * (1 + (57,04 + Fórmula Fator (41,6795 * 0,31)) / 100) Fp - Fator Previdenciario 0,9188 Índice de reajuste no teto 1 Fórmula Expectativa de Sobrevida (0 * (((23,9 + 23,6 + 23,6) / 3) - 23,9)) + 23,9 Expectativa de Sobrevida 23,9 Renda Mensal Inicial R$ 3.824,05 3ª hipótese Tipo de benefício: Aposentadoria por tempo de contribuição Data do requerimento do benefício: 17/07/2016; Contribuição: nesta hipótese o beneficiário contribuirá sobre o valor teto do INSS (atualmente R$ 4.390,24), até a data em que completa 58 anos de idade; Tempo de Contribuição: 42 anos, 8 meses e 8 dias Valor aproximado do benefício a receber: R$ 4.002,02. Espécie Aposentadoria por tempo de contribuição Período para o início do benefício A partir de 29/11/1999 Data de Início do Benefício 17/07/2016 6

7 Contribuição primária 42 ano(s), 8 mês(es) e 8 dia(s) Coeficiente do Cálculo 100% Soma das contribuições primárias R$ ,64 Divisor do cálculo da média primária 211 Média das contribuições primárias R$ 4.180,36 Idade em anos 58(58,04) Média das contribuições R$ 4.180,36 CT - Número de competências transcorridas desde 29/11/ ((42,6795 * 0,31) / 23,67) * (1 + (58,04 + (42,6795 Fórmula Fator * 0,31)) / 100) Fp - Fator Previdenciario 0,9573 Índice de reajuste no teto 1 Fórmula Expectativa de Sobrevida (2 * (((23,2 + 22,8 + 22,9) / 3) - 23,2)) + 23,2 Expectativa de Sobrevida 23,67 Renda Mensal Inicial R$ 4.002,02 4ª hipótese Tipo de benefício: Aposentadoria por tempo de contribuição; Data do requerimento do benefício: 17/07/2017; Contribuição: nesta hipótese o beneficiário contribuirá sobre o valor teto do INSS (atualmente R$ 4.390,24), até a data em que completa 59 anos de idade; Tempo de Contribuição: 43 anos, 8 meses e 8 dias Valor aproximado do benefício a receber: R$ 4.226,49. Espécie Aposentadoria por tempo de contribuição Período para o início do benefício A partir de 29/11/1999 Data de Início do Benefício 17/07/2017 Contribuição primária 43 ano(s), 8 mês(es) e 8 dia(s) 7

8 Coeficiente do Cálculo 100% Soma das contribuições primárias R$ ,80 Divisor do cálculo da média primária 420 Média das contribuições primárias R$ 4.177,92 Idade em anos 59(59,04) Média das contribuições R$ 4.177,92 CT - Número de competências transcorridas desde 29/11/ ((43,6795 * 0,31) / 23,1) * (1 + (59,04 + (43,6795 * Fórmula Fator 0,31)) / 100) Fp - Fator Previdenciario 1,0116 Índice de reajuste no teto 1 Fórmula Expectativa de Sobrevida (3 * (((22, ,1) / 3) - 22,4)) + 22,4 Expectativa de Sobrevida 23,1 Renda Mensal Inicial R$ 4.226,49 5ª hipótese Tipo de benefício: Aposentadoria por tempo de contribuição; Data do requerimento do benefício: 17/07/2018; Contribuição: nesta hipótese o beneficiário contribuirá sobre o valor teto do INSS (atualmente R$ 4.390,24), até a data em que completa 60 anos de idade; Tempo de Contribuição: 44 anos, 8 meses e 8 dias Valor aproximado do benefício a receber: R$ 4.390,24. Espécie Aposentadoria por tempo de contribuição Período para o início do benefício A partir de 29/11/1999 Data de Início do Benefício 17/07/2018 Contribuição primária 44 ano(s), 8 mês(es) e 8 dia(s) Coeficiente do Cálculo 100% 8

9 Soma das contribuições primárias R$ ,49 Divisor do cálculo da média primária 230 Média das contribuições primárias R$ 4.215,03 Idade em anos 60(60,04) Média das contribuições R$ 4.215,03 CT - Número de competências transcorridas desde 29/11/ ((44,6795 * 0,31) / 22,4) * (1 + (60,04 + (44,6795 * Fórmula Fator 0,31)) / 100) Fp - Fator Previdenciario 1,0752 Índice de reajuste no teto 1 Fórmula Expectativa de Sobrevida (4 * (((21,6 + 21,2 + 21,4) / 3) - 21,6)) + 21,6 Expectativa de Sobrevida 22,4 Renda Mensal Inicial R$ 4.390,24 OBSERVAÇÕES Conforme PPP emitido pela empresa, no período de 02/06/1986 a 30/11/1998, o segurado esteve exposto ao agente nocivo ruído acima do limite definido pela legislação previdenciária. Sendo assim, tal período pode ser qualificado como especial, fazendo jus ao segurado a um adicional de 40% sobre o período laborado. Ressalte-se, porém, que, por reiteradas vezes, o INSS indefere a especialidade de períodos laborados com presença do agente nocivo ruído, podendo se fazer necessária a propositura de uma ação judicial caso a postura negativa da autarquia previdenciária se confirme. COMPARAÇÕES ENTRE HIPÓTESES Comparação entre as hipóteses 1 e 2 9

10 Nº DO CÁLCULO ESPÉCIE DIB BENEFÍCIO 337 Aposentadoria por tempo de contribuição 01/07/2014 R$ 3.446, Aposentadoria por tempo de contribuição 17/07/2015 R$ 3.824,05 Idade na última DIB: 57 anos Hipóteses em que o Segurado teve contribuição descontada diretamente de seu salário Total que deixou de receber caso tivesse se aposentado na primeira data R$ ,08 Total perdido R$ ,08 Diferença entre os dois benefícios R$ 377,96 Tempo mínimo necessário para recuperar as perdas Idade do segurado quando recuperar as perdas Idade do segurado de acordo com a expectativa de sobrevida (IBGE) 8 ano(s) e 4 65 ano(s) e 4 80 ano(s) e 10 Total de ganhos até atingir a idade esperada (incluindo 13º salário) R$ ,96 Comparação entre as hipóteses 1 e 3 Nº DO CÁLCULO ESPÉCIE DIB BENEFÍCIO 337 Aposentadoria por tempo de contribuição 01/07/2014 R$ 3.446, Aposentadoria por tempo de contribuição 17/07/2016 R$ 4.002,02 Idade na última DIB: 58 anos Hipóteses em que o Segurado teve contribuição descontada diretamente de seu salário Total que deixou de receber caso tivesse se aposentado na primeira data R$ ,16 Total perdido R$ ,16 Diferença entre os dois benefícios R$ 555,93 11 ano(s) e 5 Tempo mínimo necessário para recuperar as perdas 69 ano(s) e 5 Idade do segurado quando recuperar as perdas 10

11 Idade do segurado de acordo com a expectativa de sobrevida (IBGE) 81 ano(s) e 8 Total de ganhos até atingir a idade esperada (incluindo 13º salário) R$ ,94 Total que deixou de receber caso tivesse se aposentado na primeira data R$ ,16 Comparação entre as hipóteses 1 e 4 Nº DO CÁLCULO ESPÉCIE DIB BENEFÍCIO 337 Aposentadoria por tempo de contribuição 01/07/2014 R$ 3.446, Aposentadoria por tempo de contribuição 17/07/2017 R$ 4.226,49 Idade na última DIB: 59 anos Hipóteses em que o Segurado teve contribuição descontada diretamente de seu salário Total que deixou de receber caso tivesse se aposentado na primeira data R$ ,24 Total perdido R$ ,24 Diferença entre os dois benefícios R$ 780,40 12 ano(s) e 2 Tempo mínimo necessário para recuperar as perdas 71 ano(s) e 2 Idade do segurado quando recuperar as perdas 82 ano(s) e 1 Idade do segurado de acordo com a expectativa de sobrevida (IBGE) Total de ganhos até atingir a idade esperada (incluindo 13º salário) R$ ,40 Total que deixou de receber caso tivesse se aposentado na primeira data R$ ,24 Comparação entre as hipóteses 1 e 5 Nº DO CÁLCULO ESPÉCIE DIB BENEFÍCIO 337 Aposentadoria por tempo de contribuição 01/07/2014 R$ 3.446, Aposentadoria por tempo de contribuição 17/07/2018 R$ 4.390,24 Idade na última DIB: 60 anos Hipóteses em que o Segurado teve contribuição descontada diretamente de seu salário 11

12 Total que deixou de receber caso tivesse se aposentado na primeira data R$ ,32 Total perdido R$ ,32 Diferença entre os dois benefícios R$ 944,15 13 ano(s) e 5 Tempo mínimo necessário para recuperar as perdas 73 ano(s) e 5 Idade do segurado quando recuperar as perdas 82 ano(s) e 4 Idade do segurado de acordo com a expectativa de sobrevida (IBGE) Total de ganhos até atingir a idade esperada (incluindo 13º salário) R$ ,40 Total que deixou de receber caso tivesse se aposentado na primeira data R$ ,32 OBSERVAÇÕES IMPORTANTES O segurado poderá fazer o agendamento de sua aposentadoria por tempo de contribuição imediatamente quando completar o direito ou na data que entender pertinente, devendo ligar para o número 135. Ligue para este número para saber acerca da documentação necessária ou acesse o site Mesmo aposentado, se o consulente continuar trabalhando será obrigado a continuar contribuindo para a Previdência Social, embora exista uma tese de que, no futuro, poderá requerer a revisão do valor do seu benefício (desaposentação). Essa tese não é aceita pelo INSS, sendo necessária a propositura de ação judicial. Nosso escritório de advocacia está à disposição do consulente para postular futuramente em Juízo a concessão de um novo benefício de aposentadoria caso o mesmo continue recolhendo a contribuição previdenciária após a aposentadoria original. O segurado obrigatório não pode (regra geral) ficar mais de 12 meses sem contribuir para a Previdência Social, sob pena de perder a qualidade de segurado e ficar descoberto quanto aos benefícios de risco (auxílio-doença, aposentadoria por invalidez e pensão por morte); para o segurado facultativo, o chamado período de graça é de seis meses, período após o qual a pessoa física perde o vínculo jurídico com o INSS. A alíquota de 11% é válida apenas para o segurado contribuinte individual e facultativo de baixa renda que contribui sobre o salário 12

13 mínimo, não garantindo o direito à aposentadoria por aposentadoria por tempo de contribuição. Caso o salário-de-contribuição seja superior ao salário mínimo, o percentual é de 20%, aplicando-se o direito à aposentadoria por tempo de contribuição. Os autônomos que prestam serviços à pessoa jurídica a partir de abril de 2003 estão sujeitos ao desconto de sua contribuição previdenciário pelo tomador de serviço, que é obrigado a descontar 11% da remuneração do prestador e repassar para a Previdência Social. Nesse caso, a alíquota de 11% tem o mesmo valor da alíquota de 20% do contribuinte individual comum. Importante ressaltar que, no caso específico do empresário, a empresa é obrigada a recolher a alíquota de 20% e reter 11% do prolabore do empresário. Em se tratando de empresa inscrita no SIMPLES, faz-se apenas a retenção de 11% sobre a remuneração (pro-labore) do empresário, sendo dispensado o pagamento da contribuição patronal. O Código de Pagamento do contribuinte individual que contribui com a alíquota de 20% é Neste caso, o recolhimento pode variar entre 20% sobre o salario mínimo (R$ 724,00 recolhimento mensal de R$ 144,80) até o atual teto do RGPS (R$ 4.390,24 recolhimento mensal de R$ 878,05). O Código de Pagamento do contribuinte individual que contribui com a alíquota de 11% sobre o salário mínimo é 1163, excluindo-se o direito à aposentadoria por tempo de contribuição. O pagamento sobre um salário mínimo, de acordo com essa sistemática, corresponde ao valor mensal de R$ 79,64. O Código de Pagamento do segurado facultativo que contribui com a alíquota de 20% é Neste caso, o recolhimento pode variar entre 20% sobre o salario mínimo (R$ 724,00 recolhimento mensal de R$ 144,80) até o atual teto do RGPS (R$ 4.390,24 recolhimento mensal de R$ 878,05). O Código de Pagamento do segurado facultativo que contribui com a alíquota de 11% sobre o salário mínimo é 1473, excluindo-se o direito à aposentadoria por tempo de contribuição. O pagamento sobre um salário mínimo, de acordo com essa sistemática, corresponde ao valor mensal de R$ 79,64. 13

14 AGENCIAS DO INSS EM BELO HORIZONTE Horário de atendimento: segunda à sexta das 07h00m às 17h00m AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL BELO HORIZONTE-BARREIRO - AV. TITO FULGÊNCIO, 104 BARREIRO - BELO HORIZONTE AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL BELO HORIZONTE-FLORESTA - RUA PADRE EUSTAQUIO, º ANDAR PADRE EUSTAQUIO - BELO HORIZONTE AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL BELO HORIZONTE-OESTE - RUA ESPIRITO SANTO, 54 - TÉRREO CENTRO - BELO HORIZONTE AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL BELO HORIZONTE-PADRE EUSTÁQUIO - RUA PADRE EUSTAQUIO, º ANDAR PADRE EUSTAQUIO - BELO HORIZONTE AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL BELO HORIZONTE-SANTA EFIGÊNIA - RUA DOS TUPINAMBÁS, TÉRREO CENTRO - BELO HORIZONTE AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL BELO HORIZONTE-SUL - RUA DOS GUAICURUS, 312-2º ANDAR CENTRO - BELO HORIZONTE AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL BELO HORIZONTE-VENDA NOVA - RUA PADRE PEDRO PINTO 422 VENDA NOVA - BELO HORIZONTE 14

CURSO DE CÁLCULOS DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS PARTE 1. Professor Roberto de Carvalho Santos www.ieprev.com.br roberto@ieprev.com.

CURSO DE CÁLCULOS DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS PARTE 1. Professor Roberto de Carvalho Santos www.ieprev.com.br roberto@ieprev.com. CURSO DE CÁLCULOS DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS PARTE 1 Professor Roberto de Carvalho Santos www.ieprev.com.br roberto@ieprev.com.br Institutos Período básico de cálculo BPC Salário-de-contribuição SC

Leia mais

CURSO DE CÁLCULOS DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS PARTE 2. Professor Roberto de Carvalho Santos www.ieprev.com.br roberto@ieprev.com.

CURSO DE CÁLCULOS DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS PARTE 2. Professor Roberto de Carvalho Santos www.ieprev.com.br roberto@ieprev.com. CURSO DE CÁLCULOS DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS PARTE 2 Professor Roberto de Carvalho Santos www.ieprev.com.br roberto@ieprev.com.br PLANEJAMENTO PREVIDENCIARIO Documentos necessários CNIS DETALHADO: relação

Leia mais

DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS 1. APOSENTADORIA

DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS 1. APOSENTADORIA DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS 1. APOSENTADORIA 1.1 Aposentadoria por invalidez Destina-se aos professores cuja incapacidade ao trabalho é confirmada pelo setor de perícias médicas do INSS. Uma vez concedida

Leia mais

Benefícios Previdenciários do INSS Como são concedidos e calculados. Prof. Hilário Bocchi Júnior hilariojunior@bocchiadvogados.com.

Benefícios Previdenciários do INSS Como são concedidos e calculados. Prof. Hilário Bocchi Júnior hilariojunior@bocchiadvogados.com. Benefícios Previdenciários do INSS Como são concedidos e calculados Prof. Hilário Bocchi Júnior hilariojunior@bocchiadvogados.com.br SEGURIDADE SOCIAL Sistema de Seguridade Social Múltipla filiação Filiação

Leia mais

AÇÕES COLETIVAS PREVIDENCIÁRIAS SINPRO/RS. a) Repetição de Indébito incidência de contribuição previdenciária em verba indenizatória

AÇÕES COLETIVAS PREVIDENCIÁRIAS SINPRO/RS. a) Repetição de Indébito incidência de contribuição previdenciária em verba indenizatória AÇÕES COLETIVAS PREVIDENCIÁRIAS SINPRO/RS a) Repetição de Indébito incidência de contribuição previdenciária em verba indenizatória A contribuição previdenciária só incide sobre o salário (espécie) e não

Leia mais

Art. 32... Art. 39... IV -...

Art. 32... Art. 39... IV -... DECRETO Nº 8.145, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2013 Art. 1 o O Regulamento da Previdência Social - RPS, aprovado pelo Decreto n o 3.048, de 6 de maio de 1999, passa a vigorar com as seguintes alterações: Art. 19.

Leia mais

APOSENTADORIA DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA SEGURADA DO RGPS CONSIDERAÇÕES INICIAIS SOBRE CÁLCULOS

APOSENTADORIA DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA SEGURADA DO RGPS CONSIDERAÇÕES INICIAIS SOBRE CÁLCULOS APOSENTADORIA DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA SEGURADA DO RGPS CONSIDERAÇÕES INICIAIS SOBRE CÁLCULOS A presidenta Dilma Rousseff sancionou no dia 8 de maio de 2013 a Lei Complementar n. 142, que regulamenta

Leia mais

TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS ELABORAÇÃO: LIZEU MAZZIONI VERIFICAÇÃO JURÍDICA E REDAÇÃO FINAL: DR. MARCOS ROGÉRIO PALMEIRA

TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS ELABORAÇÃO: LIZEU MAZZIONI VERIFICAÇÃO JURÍDICA E REDAÇÃO FINAL: DR. MARCOS ROGÉRIO PALMEIRA TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS E POSSIBILIDADES DE APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL- RGPS ELABORAÇÃO: LIZEU

Leia mais

SOLICITE UM CÁLCULO PERSONALIZADO

SOLICITE UM CÁLCULO PERSONALIZADO Uma entidade voltada para a promoção e divulgação do Direito Previdenciário SOLICITE UM CÁLCULO PERSONALIZADO O IEPREV é composto por uma equipe de qualificados profissionais que, além de disponibilizarem

Leia mais

Tem direito aos benefícios previdenciários os BENEFICIÁRIOS, ou seja, todos os segurados e seus dependentes.

Tem direito aos benefícios previdenciários os BENEFICIÁRIOS, ou seja, todos os segurados e seus dependentes. CARTILHA DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO O REGIME GERAL DA PREVIDENCIA SOCIAL É REGIDO PELAS LEIS 8.212 E 8.213/91 E TEM POR FINALIDADE ASSEGURAR À SEUS FILIADOS RECEBER BENEFÍCIOS QUE SUBSTITUAM SUA RENDA.

Leia mais

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte?

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? 1 Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? A MP 664 de dezembro de 2014 previu uma carência de 24 meses para a obtenção do benefício pensão por morte. Depois de muita discussão no Congresso

Leia mais

A PREVIDÊNCIA SOCIAL BENEFÍCIOS DO RGPS. A Proteção Social no Brasil

A PREVIDÊNCIA SOCIAL BENEFÍCIOS DO RGPS. A Proteção Social no Brasil A PREVIDÊNCIA SOCIAL BENEFÍCIOS DO RGPS A Proteção Social no Brasil Seguridade Social ART. 194 da CRFB/88 A SEGURIDADE SOCIAL COMPREENDE UM CONJUNTO INTEGRADO DE AÇÕES DE INICIATIVA DOS PODERES PÚBLICOS

Leia mais

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA 1. INTRODUÇÃO A previdência social no Brasil pode ser divida em dois grandes segmentos, a saber: Regime Geral de Previdência Social (RGPS):

Leia mais

DECRETO Nº 5.545, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005

DECRETO Nº 5.545, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005 DECRETO Nº 5.545, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005 DOU 23-09-2005 Altera dispositivos do Regulamento da Previdência Social, aprovado pelo Decreto nº 3.048, de 6 de maio de 1999, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

RPPS X RGPS. Atuário Sergio Aureliano

RPPS X RGPS. Atuário Sergio Aureliano RPPS X RGPS Atuário Sergio Aureliano RPPS PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO E O SISTEMA PREVIDENCIÁRIO BRASILEIRO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS e REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA

Leia mais

Carência é o número mínimo de contribuições mensais indispensáveis para que o segurado tenha direito aos benefícios do INSS.

Carência é o número mínimo de contribuições mensais indispensáveis para que o segurado tenha direito aos benefícios do INSS. Apresentação A Cartilha das Aposentadorias tem o objetivo de ajudar os segurados a compreender os direitos e as regras previstas nas leis que regem as APOSENTADORIAS do Regime Geral de Previdência Social-INSS.

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. Educação Previdenciária

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. Educação Previdenciária Todo(a) brasileiro(a), a partir de 16 anos de idade, pode filiar-se à Previdência Social e pagar mensalmente a contribuição para assegurar os seus direitos e a proteção à sua família. Vejamos com isso

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ESTUDO ESTUDO QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Cláudia Augusta Ferreira Deud Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ABRIL/2007 Câmara dos Deputados

Leia mais

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 Nas questões de 01 a 10, marque a alternativa correta: 01) I. Os beneficiários da previdência social subdividem se em dependentes e segurados. Já os segurados, podem ser obrigatórios

Leia mais

Média aritmética dos 80% maiores salários de contribuição, multiplicado pelo fator previdenciário.

Média aritmética dos 80% maiores salários de contribuição, multiplicado pelo fator previdenciário. 1) Cálculo de Benefícios - Continuação 1.1) Aposentadoria por tempo de contribuição Média aritmética dos 80% maiores salários de contribuição, multiplicado pelo fator previdenciário. Fator Previdenciário

Leia mais

PRESTAÇÕES BENEFICIÁRIAS. Benefícios e Serviços

PRESTAÇÕES BENEFICIÁRIAS. Benefícios e Serviços Seguridade Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 20 PRESTAÇÕES BENEFICIÁRIAS Benefícios e Serviços As prestações compreendidas pelo Regime Geral de Previdência Social são expressas em benefícios

Leia mais

Apresentação. Lembrando que esta cartilha não substitui o regulamento do Plano BD Eletrobrás, recomendamos a leitura atenta do referido regulamento.

Apresentação. Lembrando que esta cartilha não substitui o regulamento do Plano BD Eletrobrás, recomendamos a leitura atenta do referido regulamento. Apresentação A Lei Nº 11.053, de 29.12.2004, faculta aos participantes de Planos de Previdência Complementar, estruturados na modalidade de Contribuição Definida (CD), como é o caso do novo Plano CD Eletrobrás,

Leia mais

A ANFIP, com o objetivo de esclarecer os segurados do Regime

A ANFIP, com o objetivo de esclarecer os segurados do Regime A ANFIP, com o objetivo de esclarecer os segurados do Regime Geral da Previdência Social (INSS) sobre a forma de estabelecer o valor da aposentadoria, vem através destas transparências demonstrar como

Leia mais

TERCEIRA TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

TERCEIRA TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ Processo nº 200970590073909 Relatora: Juíza Federal Ana Carine Busato Daros Recorrente: Pedro Raimundo Miranda Recorrido: Instituto Nacional do Seguro Social INSS VOTO Dispensado o relatório, nos termos

Leia mais

Código: Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Diretoria de Administração. Orientação Normativa

Código: Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Diretoria de Administração. Orientação Normativa Versão: 1/2007 Nome: para recolhimento de tributos previdenciários e IR I Introdução: Devido às dúvidas originadas por várias unidades da Fiocruz no que se refere ao recolhimento de Tributos Previdenciários

Leia mais

DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS

DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS 1. INTRODUÇÃO O direito previdenciário é o ramo do Direito que disciplina a estrutura das organizações, o custeio, os benefícios e os beneficiários do sistema previdenciário. A

Leia mais

Aposentadoria - Regra GERAL em vigor (Emenda Constitucional nº. 41/2003)

Aposentadoria - Regra GERAL em vigor (Emenda Constitucional nº. 41/2003) (TEMPO COMUM E/OU TEMPO DE MAGISTÉRIO) - Regra 09 Aposentadoria - Regra GERAL em vigor (Emenda Constitucional nº. ) De acordo com a Regra Geral que está em vigor desde 31/12/2003 (Emenda Constitucional

Leia mais

SISTEMAS ESPECIAIS DE PREVIDÊNCIA

SISTEMAS ESPECIAIS DE PREVIDÊNCIA Seguridade Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 36 SISTEMAS ESPECIAIS DE PREVIDÊNCIA Congressistas deputados federais e senadores tinham até 1997 um regime próprio de Previdência Social (I.P.C.)

Leia mais

19/02/2015. Auxílio Doença

19/02/2015. Auxílio Doença Lei 8213/91 (alterada pela MP 664) Auxílio Doença Art. 60. O auxílio-doença será devido ao segurado que ficar incapacitado para seu trabalho ou sua atividade habitual, desde que cumprido, quando for o

Leia mais

A importância da adoção do RPPS pelos Municípios. Subtítulo

A importância da adoção do RPPS pelos Municípios. Subtítulo A da adoção do RPPS pelos Municípios Subtítulo POR QUE INSTITUIR O RPPS? O art. 40 da Constituição Federal assegura aos servidores públicos titulares de cargo efetivo da União, dos Estados e dos Municípios

Leia mais

CARTILHA DA PREVIDÊNCIA

CARTILHA DA PREVIDÊNCIA INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDO E DEFESA DAS RELAÇÕES DE CONSUMO CARTILHA DA PREVIDÊNCIA EDIÇÃO ESPECIAL: Aposentadoria do INSS Tudo que o Trabalhador e o Aposentado precisa saber sobre seus direitos junto

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DESTINADA A DISCUTIR PROPOSTAS QUE INTERESSAM À CLASSE TRABALHADORA E AOS EMPRESÁRIOS EMENDA SUBSTITUTIVA GLOBAL

Leia mais

Prof. Adilson Sanchez Lei nº 8.213 (DOU de 25.07.91) Plano de Benefícios da Previdência Social PBPS

Prof. Adilson Sanchez Lei nº 8.213 (DOU de 25.07.91) Plano de Benefícios da Previdência Social PBPS Prof. Adilson Sanchez Prof. Adilson Sanchez www.adilsonsanchez.adv.br Lei nº 8.213 (DOU de 25.07.91) Plano de Benefícios da Previdência Social PBPS TÍTULO III Do Regime Geral de Previdência Social RGPS

Leia mais

Cartilha do Participante

Cartilha do Participante FACEAL Fundação Ceal de Assistência Social e Previdência Cartilha do Participante Manual de Perguntas e Respostas Plano Faceal CD Prezado leitor, A FACEAL apresenta esta cartilha de perguntas e respostas

Leia mais

www.adrianamenezes.com.br www.facebook.com/profadrianamenezes DICAS DE OUTUBRO / 2014

www.adrianamenezes.com.br www.facebook.com/profadrianamenezes DICAS DE OUTUBRO / 2014 DICAS DE OUTUBRO / 2014 DICA 01 É de dez anos o prazo de decadência de todo e qualquer direito ou ação do segurado ou beneficiário para a revisão do ato de concessão de benefício, a contar do dia primeiro

Leia mais

Previdência Social sob a forma de Regime Geral

Previdência Social sob a forma de Regime Geral Previdência Social sob a forma de Regime Geral Estrutura do Sistema Previdenciário no Brasil Regime Geral de Previdência Social (RGPS) Administrado pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS); Obrigatório,

Leia mais

Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE

Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE A Previdência Social no Brasil é um direito previsto pela Constituição Federal e se organiza por três regimes previdenciários

Leia mais

LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA AUXÍLIO-DOENÇA - PROCEDIMENTOS LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Sumário 1. Introdução 2. Conceito Auxílio-doença 2.1 Tipos de auxílio-doença 3. pagamento 4. Carência - Conceito 4.1 Independe de carência 4.2 Depende

Leia mais

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT CARTILHA DO PLANO D Cartilha - Plano D INTRODUÇÃO Você está recebendo a Cartilha do Plano D. Nela você encontrará um resumo das principais características do plano. O Plano D é um plano moderno e flexível

Leia mais

CARTILHA DO PLANO DE BENEFÍCIO DEFINIDO

CARTILHA DO PLANO DE BENEFÍCIO DEFINIDO CARTILHA DO PLANO DE BENEFÍCIO DEFINIDO Fevereiro/2012 Apresentação Prezado participante, Com o objetivo de mostrar como funciona a Fundação Coelce de Seguridade Social Faelce e o Plano de Benefícios Definidos,

Leia mais

CARTILHA PREVIDENCIÁRIA

CARTILHA PREVIDENCIÁRIA CARTILHA PREVIDENCIÁRIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES - IPREM IPREM Instituto de Previdência Municipal APRESENTAÇÃO Prezado Servidor, A Lei Complementar nº 35 de 05 de julho de

Leia mais

NOTA JURÍDICA N.º 001/2006 Cuiabá/MT, 04 de abril de 2006.

NOTA JURÍDICA N.º 001/2006 Cuiabá/MT, 04 de abril de 2006. NOTA JURÍDICA N.º 001/2006 Cuiabá/MT, 04 de abril de 2006. A MÉDIA ARITMÉTICA SIMPLES E O CÁLCULO DOS PROVENTOS DE APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS FACE A EMENDA CONSTITUCIONAL N.º 41, DE 2003 1.

Leia mais

As diversas opções de aposentadoria para os Servidores Públicos Federais

As diversas opções de aposentadoria para os Servidores Públicos Federais As diversas opções de aposentadoria para os Servidores Públicos Federais Secretaria de Estudos, Pesquisas e Políticas Públicas e Secretaria de Formação Política e Sindical. SINDICATO DOS TRABALHADORES

Leia mais

BENEFÍCIOS DO SERVIDOR PÚBLICO

BENEFÍCIOS DO SERVIDOR PÚBLICO BENEFÍCIOS DO SERVIDOR PÚBLICO Simulador de aposentadoria do Servidor Público? A Controladoria-Geral da União (CGU) disponibiliza, em seu site (http://www.cgu.gov.br/simulador/index.asp), um simulador

Leia mais

REVISÕES JUDICIAIS DE APOSENTADORIA E PENSÃO:

REVISÕES JUDICIAIS DE APOSENTADORIA E PENSÃO: REVISÕES JUDICIAIS DE APOSENTADORIA E PENSÃO: 1) Pedido de concessão de benefício na Justiça: Todo o segurado que tenha um pedido de concessão ou revisão de benefício previdenciário, que foi requerido

Leia mais

Para cada valor depositado pelo participante a título de contribuição básica a Patrocinadora depositará valor idêntico.

Para cada valor depositado pelo participante a título de contribuição básica a Patrocinadora depositará valor idêntico. Apresentação Este é o MANUAL DO PARTICIPANTE da PRECE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR, material explicativo que descreve, em linguagem simples e precisa, as características gerais do Plano CD, com o objetivo

Leia mais

Governo altera regras do Trabalho e da Previdência Social

Governo altera regras do Trabalho e da Previdência Social CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 23 janeiro de 2015 Organização:

Leia mais

Abono de Permanência. Modalidades de Aposentadoria. Contribuição Previdenciária do Servidor Inativo

Abono de Permanência. Modalidades de Aposentadoria. Contribuição Previdenciária do Servidor Inativo 1 Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Diretoria Geral de Gestão de Pessoas Departamento de Administração de Pessoal Divisão de Análise de Processos e Administração de Benefícios SUMÁRIO ABONO

Leia mais

Retenção de Impostos e Contribuições

Retenção de Impostos e Contribuições Retenção de Impostos e Contribuições COMO A FONTE PAGADORA DEVE DESCONTAR: IR PIS/PASEP COFINS CSLL ISS INSS Resumo do conteúdo: IR Fonte Assalariados / Pro Labore IR Fonte Terceiros e Não Assalariados

Leia mais

CONHEÇA AS OPÇÕES DE APOSENTADORIA DO SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL

CONHEÇA AS OPÇÕES DE APOSENTADORIA DO SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL CONHEÇA AS OPÇÕES DE APOSENTADORIA DO SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL Documento elaborado por Lindenmeyer Advocacia & Associados. Fonte: Constituição Federal Brasileira de 1988 e Lei 10.887/04 DICA: Primeiro,

Leia mais

APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO - Considerações Gerais

APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO - Considerações Gerais APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO - Considerações Gerais Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 10/04/2012. Sumário: 1 - Introdução 2 - Aposentadoria por Tempo de Contribuição - Conceito

Leia mais

DISTORÇÕES NA CONCESSÃO DA PENSÃO POR MORTE. Exemplos reais nos RPPS e no RGPS

DISTORÇÕES NA CONCESSÃO DA PENSÃO POR MORTE. Exemplos reais nos RPPS e no RGPS Os RPPS e as alterações nas regras de concessão do benefício de pensão por morte 1 DISTORÇÕES NA CONCESSÃO DA PENSÃO POR MORTE Exemplos reais nos RPPS e no RGPS 2 Caso 1 Homem nascido em 1920 que se aposentou

Leia mais

1 A SEGURIDADE SOCIAL NO BRASIL

1 A SEGURIDADE SOCIAL NO BRASIL Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 13 Nota do autor 4ª edição... 15 Nota do autor 3ª edição... 17 Nota do autor 2ª edição... 19 Nota do autor 1ª edição... 21 Guia de leitura da Coleção... 23 Capítulo

Leia mais

A Aposentadoria dos. Emendas Constitucionais

A Aposentadoria dos. Emendas Constitucionais A Aposentadoria dos Agentes Públicos P depois das Emendas Constitucionais Carlos Alberto Pereira de Castro Juiz do Trabalho Mestre em Direito Previdenciário rio Introdução Estudo da aposentadoria dos servidores

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO PREVIDENCIAL DOS PARTICIPANTES VINCULADOS AO INSTITUTO MINEIRO DE AGROPECUÁRIA - IMA REGULAMENTO ESPECÍFICO - RP6 CAPÍTULO I

REGULAMENTO DO PLANO PREVIDENCIAL DOS PARTICIPANTES VINCULADOS AO INSTITUTO MINEIRO DE AGROPECUÁRIA - IMA REGULAMENTO ESPECÍFICO - RP6 CAPÍTULO I DOS PARTICIPANTES VINCULADOS AO INSTITUTO MINEIRO DE AGROPECUÁRIA - REGULAMENTO ESPECÍFICO - RP6 CAPÍTULO I DAS PRESTAÇÕES PREVIDENCIAIS Art. 1º - O Regulamento Específico - RP6 disciplina a concessão

Leia mais

Série Concursos Públicos Direito Previdenciário Wagner Balera Cristiane Miziara Mussi 11ª para 12ª edição

Série Concursos Públicos Direito Previdenciário Wagner Balera Cristiane Miziara Mussi 11ª para 12ª edição p. 32 Substituir pelo texto abaixo: 45. 2009 (15/06) Ratificada pelo Brasil, a Convenção 102, de 1952, da OIT, aprovada pelo Decreto Legislativo 269, de 19.09.2008, do Congresso Nacional. 1 46. 2011 Lei

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL

PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL 55 No Brasil, há benefícios devidos ao segurado e àqueles que dependem do segurado. Para ter direito aos benefícios, é preciso estar inscrito no INSS e manter suas contribuições em dia. Na maior parte

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/DIR/2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/DIR/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/DIR/2011 ESTABELECE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA O PAGAMENTO DE SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOA FÍSICA, EM CARÁTER EVENTUAL, POR MEIO DE RECIBO DE PAGAMENTO A CONTRIBUINTE INDIVIDUAL

Leia mais

EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41/03

EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41/03 EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41/03 1. NOVAS REGRAS PARA OS SERVIDORES QUE INGRESSAREM NO SERVIÇO PÚBLICO APÓS A PROMULGAÇÃO DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA EC Nº 41/03. a) Principais Características. - fim da paridade

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/DIR/2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/DIR/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/DIR/2013 ESTABELECE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA O PAGAMENTO DE SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOA FÍSICA, EM CARÁTER EVENTUAL, POR MEIO DE RECIBO DE PAGAMENTO A CONTRIBUINTE INDIVIDUAL

Leia mais

Ministério da Previdência Social - MPS Gabinete do Ministro - GM Assessoria de Comunicação Social - ACS Secretaria de Previdência Social - SPS Coordenação-Geral de Legislação e Normas - CGLN Previdência

Leia mais

LEGISLAÇÃO. Inscrição e Filiação: Artigo 17 da Lei 8213/91; Artigo 18 do Decreto 3048/99; Artigo 3º e seguintes da IN 77

LEGISLAÇÃO. Inscrição e Filiação: Artigo 17 da Lei 8213/91; Artigo 18 do Decreto 3048/99; Artigo 3º e seguintes da IN 77 FILIAÇÃO É o vínculo que as pessoas estabelecem com a Previdência Social a partir do momento em que passam a exercer uma atividade remunerada ou a recolher as contribuições previdenciárias. Com a filiação,

Leia mais

REONERAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ASPÉCTOS JURÍDICOS

REONERAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ASPÉCTOS JURÍDICOS INTRODUÇÃO NORMAS LEI N. 12.546, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011, alterada pela Lei 12.715/2013 MEDIDA PROVISÓRIA N. 601, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012 (vigência encerrada no dia 3 de junho de 2013) MEDIDA PROVISÓRIA

Leia mais

TANHAÉM PREV Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Itanhaém

TANHAÉM PREV Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Itanhaém TANHAÉM PREV Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Itanhaém Superintendente: Luciano Moura dos Santos Diretor Adm. Financeiro: Olavo Lopes Perez Diretor de Benefícios: Karine Vecci Rua

Leia mais

REGRAS DE APOSENTADORIAS

REGRAS DE APOSENTADORIAS REGRAS DE APOSENTADORIAS Cartilha elaborada para reunião com servidores de Betim - Maio/2015 O IPREMB O IPREMB é uma autarquia que operacionaliza e administra o Regime Próprio de Previdência Social (RPPS)

Leia mais

Alterações no auxílio doença e trabalho e regras do seguro desemprego -Uma abordagem. destaque.

Alterações no auxílio doença e trabalho e regras do seguro desemprego -Uma abordagem. destaque. Alterações no auxílio doença e trabalho e regras do seguro desemprego -Uma abordagem empresarial dos temas em destaque. Professora: Luciana Saldanha Advogada, especialista em direito trabalhista e previdenciário.

Leia mais

PLANO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL DO PODER EXECUTIVO

PLANO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL DO PODER EXECUTIVO Universidade Federal de Mato Grosso Pró-Reitoria Administrativa Secretaria de Gestão de Pessoas PLANO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL DO PODER EXECUTIVO Cuiabá-MT Abril/2014 O QUE

Leia mais

37º FONAI Maceió-AL. Atualização Técnica Princípio para assessorar a gestão.

37º FONAI Maceió-AL. Atualização Técnica Princípio para assessorar a gestão. 37º FONAI Maceió-AL Atualização Técnica Princípio para assessorar a gestão. 26 a 30/11/2012 Oficina Técnica Regras de Aposentadoria no Setor Público Pessoal Civil Cleison Faé Aposentadoria no Setor Público

Leia mais

O regime complementar do servidor público

O regime complementar do servidor público O regime complementar do servidor público Leandro Madureira* RESUMO: O servidor que ingressou ou venha a ingressar no serviço publico a partir de 4 de fevereiro de 2013 tem a aposentadoria limitada ao

Leia mais

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR O futuro que você faz agora FUNPRESP-JUD Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Judiciário 2 Funpresp-Jud seja bem-vindo(a)! A Funpresp-Jud ajudará

Leia mais

Curso de Direito Previdenciário

Curso de Direito Previdenciário Curso de Direito Previdenciário dias 04, 08 e 10/07 Professora: Rita de Cássia Samyn Teixeira Sumário 1. Programa 2. Currículo da ministrante 3. Informações gerais 1. Programa: 1.1. Visão panorâmica do

Leia mais

Remuneração do síndico e INSS

Remuneração do síndico e INSS Remuneração do síndico e INSS Cerca de 85% dos síndicos são remunerados, isentos ou têm desconto na taxa No último censo realizado pelo SíndicoNet, em novembro de 2010 com 1.576 entrevistados, foi possível

Leia mais

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA O servidor público e as alterações do seu regime previdenciário Jose Luis Wagner Luciana Inês Rambo Flavio Alexandre Acosta Ramos Junho de 2009 1 1. Introdução Desde

Leia mais

Oficina de Aprimoramento: Revisão nos Benefícios: RGPS. Ester Moreno de Miranda Vieira ester.vieira@globo.com

Oficina de Aprimoramento: Revisão nos Benefícios: RGPS. Ester Moreno de Miranda Vieira ester.vieira@globo.com Oficina de Aprimoramento: Revisão nos Benefícios: RGPS Ester Moreno de Miranda Vieira ester.vieira@globo.com AÇÕES DE REVISÃO REVISIONAIS DE FATO PRAZO DECADENCIAL PROVA PRÉVIO REQUERIMENTO ADMINISTRATIVO

Leia mais

INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA PAGAMENTO DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ADVOGADOS E PERITOS PESSOA FÍSICA JURISDIÇÃO DELEGADA

INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA PAGAMENTO DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ADVOGADOS E PERITOS PESSOA FÍSICA JURISDIÇÃO DELEGADA 0 HONORÁRIOS PROFISSIONAIS DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ADVOGADOS E PERITOS PESSOA FÍSICA JURISDIÇÃO DELEGADA RESOLUÇÃO 541/2007 - CJF JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU SÃO PAULO NÚCLEO FINANCEIRO SEÇÃO DE

Leia mais

A Aposentadoria dos Servidores Públicos Federais

A Aposentadoria dos Servidores Públicos Federais A Aposentadoria dos Servidores Públicos Federais Carlos Alberto Pereira de Castro Curitiba, junho de 2008 Introdução Estudo da aposentadoria dos servidores públicos passou a ser relevante com as reformas

Leia mais

CÁLCULOS JUDICIAIS FUNCIONALIDADES

CÁLCULOS JUDICIAIS FUNCIONALIDADES FUNCIONALIDADES Tabelas Cadastro de Tabelas Permite cadastrar os índices econômicos que serão utilizados nos modelos de correção monetária. Os índices podem ser mensais ou diários, podem ter aplicação

Leia mais

Curso de Extensão em Direito Previdenciário

Curso de Extensão em Direito Previdenciário Curso de Extensão em Direito Previdenciário 2º Encontro Teoria Básica dos Benefícios Previdenciários do RGPS Requisitos para a concessão de benefícios previdenciários 1) Requisitos Genéricos a) Adquirir

Leia mais

MAGNO ANTÔNIO CORREIA DE MELLO

MAGNO ANTÔNIO CORREIA DE MELLO ALTERAÇÕES NORMATIVAS DECORRENTES DE REFORMAS PREVIDENCIÁRIAS IMPLEMENTADAS OU PROPOSTAS, CLASSIFICADAS POR ASSUNTO, A PARTIR DA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 20/98 - QUADRO COMPARATIVO - MAGNO ANTÔNIO CORREIA

Leia mais

Resumo das regras nas medidas provisórias nº 664 e nº 665

Resumo das regras nas medidas provisórias nº 664 e nº 665 Resumo das regras nas medidas provisórias nº 664 e nº 665 Cenário Aumentou o emprego e a formalização: 15,5 milhões no setor privado de 2003 a 2013 Base de segurados da previdência aumentou em 30 milhões

Leia mais

DIREITO PREVIDENCIÁRIO

DIREITO PREVIDENCIÁRIO Curso DIREITO PREVIDENCIÁRIO Turma 4 Local: Santa Maria - RS Dias 28 e 29 de agosto de 2008 (quinta e sexta-feira) SUMÁRIO: 1. Informações Gerais 2. Programa 3. Currículo da Ministrante 1. Informações

Leia mais

ALTERAÇÕES DIREITO PREVIDENCIÁRIO LEI N.º 13.135/2015 E MEDIDA PROVISÓRIA N.º 676/2015

ALTERAÇÕES DIREITO PREVIDENCIÁRIO LEI N.º 13.135/2015 E MEDIDA PROVISÓRIA N.º 676/2015 ALTERAÇÕES DIREITO PREVIDENCIÁRIO LEI N.º 13.135/215 E MEDIDA PROVISÓRIA N.º 676/215 1. Na Lei n.º 8.213/1991 foi alterada a definição dos dependentes da 3.ª Classe: Art. 16. São beneficiários do Regime

Leia mais

LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO PROCEDIMENTO SUMÁRIO: 1. Introdução 2. Carências 2.1. Carência - Aposentadoria Proporcional 2.2. Aplicabilidade 3. Salário-de-benefício

Leia mais

No âmbito do RPPS Regime Próprio de Previdência Social de Camaçari, não há exigência de cumprimento de carência para percepção deste beneficio.

No âmbito do RPPS Regime Próprio de Previdência Social de Camaçari, não há exigência de cumprimento de carência para percepção deste beneficio. ESPÉCIES DE BENEFÍCIOS PARA OS SEGURADOS 1. APOSENTADORIA Aposentadoria por Invalidez No âmbito do RPPS Regime Próprio de Previdência Social de Camaçari, não há exigência de cumprimento de carência para

Leia mais

A REGULAMENTAÇÃO DA PREVIDÊNCIA DOS S ERVIDORES: PROBLEMAS E ALTERNATIVAS. Carlos Alberto Pereira de Castro Juiz do Trabalho 2007

A REGULAMENTAÇÃO DA PREVIDÊNCIA DOS S ERVIDORES: PROBLEMAS E ALTERNATIVAS. Carlos Alberto Pereira de Castro Juiz do Trabalho 2007 A REGULAMENTAÇÃO DA PREVIDÊNCIA DOS S ERVIDORES: PROBLEMAS E ALTERNATIVAS Carlos Alberto Pereira de Castro Juiz do Trabalho 2007 Tópicos Problemas do regime antigo e da Previdência em geral O sistema vigente

Leia mais

Situação previdenciária do Estado do RS. Darcy Francisco Carvalho dos Santos Economista e contador Março/2011

Situação previdenciária do Estado do RS. Darcy Francisco Carvalho dos Santos Economista e contador Março/2011 Situação previdenciária do Estado do RS Darcy Francisco Carvalho dos Santos Economista e contador Março/2011 Despesa previdenciária dos principais estados Em % da RCL, 2009 Evolução do déficit previdenciário,

Leia mais

Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Políticas de Previdência Social SPS RPPS E RGPS

Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Políticas de Previdência Social SPS RPPS E RGPS RPPS E RGPS GUAXUPÉ MG AMOG - Associação dos Municípios da Microrregião da Baixa Mogiana. Pedro Antônio Moreira - AFRFB RGPS REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Art 201 ESTRUTURA DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

APOSENTADORIA INTEGRAL X INTEGRALIDADE

APOSENTADORIA INTEGRAL X INTEGRALIDADE APOSENTADORIA INTEGRAL X INTEGRALIDADE Alex Sandro Lial Sertão Assessor Jurídico TCE/PI alex.sertao@tce.pi.gov.br Até o advento da EC nº 41/03, era direito do servidor público aposentar-se com base na

Leia mais

Cartilha do Participante

Cartilha do Participante Benefício definido (Eletra 01) BENEFICIO DEFINIDO Cartilha do Participante Introdução A ELETRA Fundação Celg de Seguros e Previdência é uma entidade fechada de previdência privada, de fins previdenciários

Leia mais

ANO XXVI - 2015-4ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 09/2015

ANO XXVI - 2015-4ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 09/2015 ANO XXVI - 2015-4ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 09/2015 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS APOSENTADORIA POR IDADE - ATUALIZAÇÃO CONFORME IN INSS/PRES Nº 77/2015 CONSIDERAÇÕES... Pág. 262 APOSENTADORIA

Leia mais

FILIAÇÃO E INSCRIÇÃO NO RGPS Filiação

FILIAÇÃO E INSCRIÇÃO NO RGPS Filiação FILIAÇÃO E INSCRIÇÃO NO RGPS Filiação Filiação é o vínculo jurídico existente entre o trabalhador e o Regime Geral de Previdência Social - RGPS, sendo, sobretudo, a condição material que assegura o direito

Leia mais

Cartilha Plano A. Índice

Cartilha Plano A. Índice Cartilha Plano A Cartilha Plano A Índice Apresentação A Previnorte Histórico Patrimônio Plano de Benefícios e Plano de Custeio Salário Real de Contribuição Jóia Requisitos exigidos para filiação à PREVINORTE

Leia mais

www.lumenjuris.com.br

www.lumenjuris.com.br www.lumenjuris.com.br Grupo de Discussão www.yahoo.com.br Grupos: DIRPREVI Kerlly Huback Programação Noções sobre o Sistema de Previdência Primeira Reforma (EC n 20/98) Segunda Reforma (EC n 41/03) Terceira

Leia mais