LEGISLAÇÃO. Inscrição e Filiação: Artigo 17 da Lei 8213/91; Artigo 18 do Decreto 3048/99; Artigo 3º e seguintes da IN 77

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEGISLAÇÃO. Inscrição e Filiação: Artigo 17 da Lei 8213/91; Artigo 18 do Decreto 3048/99; Artigo 3º e seguintes da IN 77"

Transcrição

1 FILIAÇÃO É o vínculo que as pessoas estabelecem com a Previdência Social a partir do momento em que passam a exercer uma atividade remunerada ou a recolher as contribuições previdenciárias. Com a filiação, as pessoas tornam-se segurados efetivos da previdência, o que lhes garante direitos e acarreta obrigações, desde que contribuam.

2 INSCRIÇÃO Art. 4º, da IN 77 Considera-se inscrição, para os efeitos na Previdência Social, o ato pelo qual a pessoa física é cadastrada no Cadastro Nacional de Informações Sociais - CNIS mediante informações pessoais e de outros elementos necessários e úteis à sua caracterização, sendolhe atribuído um Número de Identificação do Trabalhador - NIT.

3 LEGISLAÇÃO Inscrição e Filiação: Artigo 17 da Lei 8213/91; Artigo 18 do Decreto 3048/99; Artigo 3º e seguintes da IN 77

4 FILIAÇÃO E INSCRIÇÃO Art. 3º, da IN 77 Filiação é o vínculo que se estabelece entre pessoas que contribuem para a Previdência Social e esta, do qual decorrem direitos e obrigações. 1º A filiação à Previdência Social decorre automaticamente do exercício de atividade remunerada para os segurados obrigatórios e da inscrição formalizada com o pagamento da primeira contribuição sem atraso para o segurado facultativo. 2º Filiado é aquele que se relaciona com a Previdência Social na qualidade de segurado obrigatório ou facultativo, mediante contribuição.

5 FILIAÇÃO E INSCRIÇÃO 3º O segurado que exercer mais de uma atividade remunerada é filiado obrigatório ao RGPS em relação a todas essas atividades. 4º Permanece filiado ao RGPS o aposentado que exercer atividade abrangida por este regime. 5º Não gera filiação obrigatória ao RGPS o exercício de atividade prestada de forma gratuita ou voluntária.

6 FILIAÇÃO E INSCRIÇÃO Art. 4º, da IN 77 Considera-se inscrição, para os efeitos na Previdência Social, o ato pelo qual a pessoa física é cadastrada no Cadastro Nacional de Informações Sociais - CNIS mediante informações pessoais e de outros elementos necessários e úteis à sua caracterização, sendo-lhe atribuído um Número de Identificação do Trabalhador - NIT. 1º O NIT, que identificará a pessoa física no CNIS, poderá ser um número de NIT Previdência, Programa de Integração Social - PIS, Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público - PASEP, Ministério do Trabalho e Emprego - MTE, Sistema Único de Saúde - SUS ou Cadastro Único para Programas Sociais - Cadunico.

7 FILIAÇÃO E INSCRIÇÃO Art. 6º da IN 77 A inscrição formalizada por segurado em categoria diferente daquela em que deveria ocorrer deve ser alterada para a categoria correta mediante apresentação de documentos comprobatórios, alterando-se, inclusive, os códigos de pagamento das respectivas contribuições, quando pertinente. Parágrafo único. No caso de alteração da categoria de segurado obrigatório para facultativo deverá ser solicitada declaração do requerente e realizadas pesquisas nos sistemas corporativos da Previdência Social a fim de comprovar a inexistência de filiação obrigatória, inclusive em regime próprio.

8 Trabalhador Doméstico FILIAÇÃO E INSCRIÇÃO Art. 18, da IN 77. A inscrição do filiado empregado doméstico será formalizada: I - para o que não possui cadastro no CNIS, a inscrição de dados cadastrais em NIT Previdência mediante informações pessoais e de outros elementos necessários e úteis a sua caracterização e para inclusão do vínculo observar o art. 19; ou II - para o que já possui cadastro no CNIS deve ser observado para inclusão do vínculo o art. 19.

9 Trabalhador Avulso FILIAÇÃO E INSCRIÇÃO Art. 14, da IN 77. A inscrição do filiado trabalhador avulso será formalizada com o cadastramento e registro no sindicato ou órgão gestor de mão de obra, responsável pelo preenchimento dos documentos que o habilitem ao exercício de atividade, sendo a inclusão automática no CNIS proveniente da declaração prestada em GFIP.

10 Contribuinte individual FILIAÇÃO E INSCRIÇÃO Art. 21, da IN 77. A inscrição do filiado contribuinte individual será formalizada na seguinte forma: I - para o que não possui cadastro no CNIS, mediante informações pessoais e de outros elementos necessários e úteis a sua caracterização ou informações prestadas pela pessoa jurídica tomadora dos serviços, declarando sua condição e exercício de atividade, nos termos do 2º do art. 4º da Lei 10666/03;

11 FILIAÇÃO E INSCRIÇÃO Contribuinte individual Art. 21, da IN 77. A inscrição do filiado contribuinte individual será formalizada na seguinte forma: II - para o que já possui cadastro no CNIS, mediante inclusão de atividade/ocupação em seu cadastro e havendo contribuições já recolhidas, deverá ser observado o primeiro pagamento sem atraso; e III - para o MEI, por meio do Portal do Empreendedor, no sítio sendo os dados enviados eletronicamente ao CNIS.

12 FILIAÇÃO E INSCRIÇÃO Segurado Facultativo Artigo 11, 2º, do Decreto 3048/99 É vedada a filiação ao Regime Geral de Previdência Social, na qualidade de segurado facultativo, de pessoa participante de regime próprio de previdência social, salvo na hipótese de afastamento sem vencimento e desde que não permitida, nesta condição, contribuição ao respectivo regime próprio.

13 FILIAÇÃO E INSCRIÇÃO Segurado Facultativo Art. 56, da IN 77. Para o facultativo, a inscrição representa ato de vontade e é formalizada após o primeiro recolhimento no código específico, da seguinte forma: I - quando não possui cadastro no CNIS, mediante apresentação de documentos pessoais e de outros elementos necessários e úteis a sua caracterização, bem como a inclusão da ocupação;

14 Segurado Facultativo FILIAÇÃO E INSCRIÇÃO II - quando possui cadastro no CNIS, se não houver contribuição, poderá ser efetuada a inclusão da ocupação e havendo contribuições já recolhidas, deverá ser observado o primeiro pagamento em dia, não podendo retroagir e não permitindo o pagamento de contribuições relativas às competências anteriores ao início da opção de filiação de facultativo.

15 FILIAÇÃO E INSCRIÇÃO Segurado Especial Artigo 17, parágrafo 4º, da Lei 8213/91 4 o A inscrição do segurado especial será feita de forma a vinculá-lo ao respectivo grupo familiar e conterá, além das informações pessoais, a identificação da propriedade em que desenvolve a atividade e a que título, se nela reside ou o Município onde reside e, quando for o caso, a identificação e inscrição da pessoa responsável pelo grupo familiar 5 o O segurado especial integrante de grupo familiar que não seja proprietário ou dono do imóvel rural em que desenvolve sua atividade deverá informar, no ato da inscrição, conforme o caso, o nome do parceiro ou meeiro outorgante, arrendador, comodante ou assemelhado.

16 ESPÉCIES DE PRESTAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS Art. 18, da Lei 8213/91. O Regime Geral de Previdência Social compreende as seguintes prestações, devidas inclusive em razão de eventos decorrentes de acidente do trabalho, expressas em benefícios e serviços: I - quanto ao segurado: a) aposentadoria por invalidez; b) aposentadoria por idade; c) aposentadoria por tempo de serviço; c) aposentadoria por tempo de contribuição; (Redação dada pela Lei Complementar nº 123, de 2006)

17 CNIS Artigo 19 do Decreto 3048/99 Os dados constantes do Cadastro Nacional de Informações Sociais - CNIS relativos a vínculos, remunerações e contribuições valem como prova de filiação à previdência social, tempo de contribuição e salários-de-contribuição. 1 o O segurado poderá solicitar, a qualquer momento, a inclusão, exclusão ou retificação das informações constantes do CNIS, com a apresentação de documentos comprobatórios dos dados divergentes, conforme critérios definidos pelo INSS, independentemente de requerimento de benefício, exceto na hipótese do art. 142.

18 ESPÉCIES DE PRESTAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS I- quanto ao segurado: d) aposentadoria especial; e) auxílio-doença; f) salário-família; g) salário-maternidade; h) auxílio-acidente; i) abono de permanência em serviço;

19 ESPÉCIES DE PRESTAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS II - quanto ao dependente: a) pensão por morte; b) auxílio-reclusão; III - quanto ao segurado e dependente: a) pecúlios; (Revogada pela Lei nº 9.032, de 1995) b) serviço social; c) reabilitação profissional.

20 SEGURADO APOSENTADO 2º do artigo 18, da Lei 8213/91 O aposentado pelo Regime Geral de Previdência Social RGPS que permanecer em atividade sujeita a este Regime, ou a ele retornar, não fará jus a prestação alguma da Previdência Social em decorrência do exercício dessa atividade, exceto ao saláriofamília e à reabilitação profissional, quando empregado. (Redação dada pela Lei nº 9.528, de 1997)

Previdência Social sob a forma de Regime Geral

Previdência Social sob a forma de Regime Geral Previdência Social sob a forma de Regime Geral Estrutura do Sistema Previdenciário no Brasil Regime Geral de Previdência Social (RGPS) Administrado pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS); Obrigatório,

Leia mais

Curso Plano de Benefícios da Previdência Social. Prof. Roberto de Carvalho Santos

Curso Plano de Benefícios da Previdência Social. Prof. Roberto de Carvalho Santos Curso Plano de Benefícios da Previdência Social Prof. Roberto de Carvalho Santos FILIAÇÃO/INSCRIÇAO DO BENEFICIÁRIO AO RGPS 2 FILIAÇÃO DO SEGURADO Afiliaçãoéovínculoqueseestabelece entre pessoas que contribuem

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. Educação Previdenciária

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. Educação Previdenciária Todo(a) brasileiro(a), a partir de 16 anos de idade, pode filiar-se à Previdência Social e pagar mensalmente a contribuição para assegurar os seus direitos e a proteção à sua família. Vejamos com isso

Leia mais

2 Evolução Legislativa da Previdência Social no Brasil, 4 Quadro esquemático, 8 Questões, 12

2 Evolução Legislativa da Previdência Social no Brasil, 4 Quadro esquemático, 8 Questões, 12 Nota, xi 1 Origens da Seguridade Social, 1 1.1 Poor Law, 1 1.2 Seguros privados, 2 1.3 Seguros sociais, 2 Quadro esquemático, 3 2 Evolução Legislativa da Previdência Social no Brasil, 4 Quadro esquemático,

Leia mais

Curso de Extensão em Direito Previdenciário

Curso de Extensão em Direito Previdenciário Curso de Extensão em Direito Previdenciário 2º Encontro Teoria Básica dos Benefícios Previdenciários do RGPS Requisitos para a concessão de benefícios previdenciários 1) Requisitos Genéricos a) Adquirir

Leia mais

Alterações no auxílio doença e trabalho e regras do seguro desemprego -Uma abordagem. destaque.

Alterações no auxílio doença e trabalho e regras do seguro desemprego -Uma abordagem. destaque. Alterações no auxílio doença e trabalho e regras do seguro desemprego -Uma abordagem empresarial dos temas em destaque. Professora: Luciana Saldanha Advogada, especialista em direito trabalhista e previdenciário.

Leia mais

Benefícios Previdenciários do INSS Como são concedidos e calculados. Prof. Hilário Bocchi Júnior hilariojunior@bocchiadvogados.com.

Benefícios Previdenciários do INSS Como são concedidos e calculados. Prof. Hilário Bocchi Júnior hilariojunior@bocchiadvogados.com. Benefícios Previdenciários do INSS Como são concedidos e calculados Prof. Hilário Bocchi Júnior hilariojunior@bocchiadvogados.com.br SEGURIDADE SOCIAL Sistema de Seguridade Social Múltipla filiação Filiação

Leia mais

REGIMES PREVIDENCIÁRIOS. Prof. Me. Danilo Ripoli

REGIMES PREVIDENCIÁRIOS. Prof. Me. Danilo Ripoli REGIMES PREVIDENCIÁRIOS parte 2 Prof. Me. Danilo Ripoli O PLANO DE BENEFÍCIOS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL No PBPS estão todas as normas que regem a relação jurídica entre segurados, dependentes e previdência

Leia mais

O Regime Geral de Previdência Social RGPS

O Regime Geral de Previdência Social RGPS O Regime Geral de Previdência Social RGPS Capítulo 5 O Regime Geral de Previdência Social RGPS Sumário 1. Introdução 2. Os beneficiários do RGPS: 2.1 Os segurados obrigatórios; 2.2. O segurado facultativo;

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL

PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL 55 No Brasil, há benefícios devidos ao segurado e àqueles que dependem do segurado. Para ter direito aos benefícios, é preciso estar inscrito no INSS e manter suas contribuições em dia. Na maior parte

Leia mais

19/02/2015. Auxílio Doença

19/02/2015. Auxílio Doença Lei 8213/91 (alterada pela MP 664) Auxílio Doença Art. 60. O auxílio-doença será devido ao segurado que ficar incapacitado para seu trabalho ou sua atividade habitual, desde que cumprido, quando for o

Leia mais

LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA AUXÍLIO-DOENÇA - PROCEDIMENTOS LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Sumário 1. Introdução 2. Conceito Auxílio-doença 2.1 Tipos de auxílio-doença 3. pagamento 4. Carência - Conceito 4.1 Independe de carência 4.2 Depende

Leia mais

APOSENTADORIA POR INVALIDEZ - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas

APOSENTADORIA POR INVALIDEZ - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas APOSENTADORIA POR INVALIDEZ - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 13/10/2011. Sumário: 1 - Introdução 2 - Aposentadoria por Invalidez 2.1 - Concessão

Leia mais

ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE MARÇO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 10/2015

ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE MARÇO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 10/2015 ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE MARÇO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 10/2015 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS RECOLHIMENTO EM ATRASO - TABELA MARÇO/2015...Pág. 307 APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO - ATUALIZAÇÃO

Leia mais

DECRETO Nº 5.545, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005

DECRETO Nº 5.545, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005 DECRETO Nº 5.545, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005 DOU 23-09-2005 Altera dispositivos do Regulamento da Previdência Social, aprovado pelo Decreto nº 3.048, de 6 de maio de 1999, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

CARTILHA DA PREVIDÊNCIA

CARTILHA DA PREVIDÊNCIA INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDO E DEFESA DAS RELAÇÕES DE CONSUMO CARTILHA DA PREVIDÊNCIA EDIÇÃO ESPECIAL: Aposentadoria do INSS Tudo que o Trabalhador e o Aposentado precisa saber sobre seus direitos junto

Leia mais

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte?

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? 1 Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? A MP 664 de dezembro de 2014 previu uma carência de 24 meses para a obtenção do benefício pensão por morte. Depois de muita discussão no Congresso

Leia mais

Contribuinte individual / facultativo aposentadoria por invalidez ou auxílio-doença

Contribuinte individual / facultativo aposentadoria por invalidez ou auxílio-doença Previdência social Benefícios Documentação específica, por categoria Contribuinte individual / facultativo aposentadoria por invalidez ou auxílio-doença Empregado(a) doméstico(a) aposentadoria por invalidez

Leia mais

CURSO DE CÁLCULOS DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS PARTE 1. Professor Roberto de Carvalho Santos www.ieprev.com.br roberto@ieprev.com.

CURSO DE CÁLCULOS DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS PARTE 1. Professor Roberto de Carvalho Santos www.ieprev.com.br roberto@ieprev.com. CURSO DE CÁLCULOS DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS PARTE 1 Professor Roberto de Carvalho Santos www.ieprev.com.br roberto@ieprev.com.br Institutos Período básico de cálculo BPC Salário-de-contribuição SC

Leia mais

Perguntas e Respostas. Previdência Social

Perguntas e Respostas. Previdência Social Perguntas e Respostas Previdência Social 1. Plano Simplificado de Previdência Social - PSPS 2. Categorias de segurados 3. Dependentes 4. Carência 5. Aposentadoria especial 6. Aposentadoria por idade 7.

Leia mais

Ministério da Previdência Social - MPS Gabinete do Ministro - GM Assessoria de Comunicação Social - ACS Secretaria de Previdência Social - SPS Coordenação-Geral de Legislação e Normas - CGLN Previdência

Leia mais

SEGURADO FACULTATIVO - Contribuição à Previdência Social - Novas Regras

SEGURADO FACULTATIVO - Contribuição à Previdência Social - Novas Regras SEGURADO FACULTATIVO - Contribuição à Previdência Social - Novas Regras Matéria atualizada com base na legislação vigente em 07/10/2011. Sumário 1 - Introdução 2 - Segurado Facultativo 2.1 - Filiação 2.1.1

Leia mais

Direito Previdenciário - Prof. Ítalo

Direito Previdenciário - Prof. Ítalo 51 BOAS DICAS DE BENEFÍCIOS Professor Italo Romano DICA 1 São 10 os benefícios previdenciários (REGRA 4 3 2 1). DICA 2 São 6 os segurados da Previdência Social (CADES F). DICA 3 Os beneficiários do sistema

Leia mais

FONTES DO DIREITO DA SEGURIDADE SOCIAL

FONTES DO DIREITO DA SEGURIDADE SOCIAL Seguridade Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 8 FONTES DO DIREITO DA SEGURIDADE SOCIAL As fontes do Direito da Seguridade Social podem ser material e formal. As fontes formais são as formas

Leia mais

FILIAÇÃO E INSCRIÇÃO NO RGPS Filiação

FILIAÇÃO E INSCRIÇÃO NO RGPS Filiação FILIAÇÃO E INSCRIÇÃO NO RGPS Filiação Filiação é o vínculo jurídico existente entre o trabalhador e o Regime Geral de Previdência Social - RGPS, sendo, sobretudo, a condição material que assegura o direito

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/DIR/2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/DIR/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/DIR/2011 ESTABELECE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA O PAGAMENTO DE SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOA FÍSICA, EM CARÁTER EVENTUAL, POR MEIO DE RECIBO DE PAGAMENTO A CONTRIBUINTE INDIVIDUAL

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

Tem direito aos benefícios previdenciários os BENEFICIÁRIOS, ou seja, todos os segurados e seus dependentes.

Tem direito aos benefícios previdenciários os BENEFICIÁRIOS, ou seja, todos os segurados e seus dependentes. CARTILHA DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO O REGIME GERAL DA PREVIDENCIA SOCIAL É REGIDO PELAS LEIS 8.212 E 8.213/91 E TEM POR FINALIDADE ASSEGURAR À SEUS FILIADOS RECEBER BENEFÍCIOS QUE SUBSTITUAM SUA RENDA.

Leia mais

INSS Diretoria de Benefícios

INSS Diretoria de Benefícios IV CONFERÊNCIA BRASILEIROS NO MUNDO INSS Diretoria de Benefícios Praia do Forte, 20 de novembro de 2013 Segurado Facultativo Segurado Facultativo É segurado facultativo: o maior de dezesseis anos de idade

Leia mais

Guia do Trabalhador. Previdência Social. Saiba como utilizar o seu seguro social

Guia do Trabalhador. Previdência Social. Saiba como utilizar o seu seguro social PREVMóvel e PREVBarco Unidades móveis de atendimento que percorrem as regiões que não possuem agências da Previdência Social. As visitas dessas unidades são agendadas pela Gerência Executiva do INSS da

Leia mais

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site:

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesu@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

SISTEMAS ESPECIAIS DE PREVIDÊNCIA

SISTEMAS ESPECIAIS DE PREVIDÊNCIA Seguridade Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 36 SISTEMAS ESPECIAIS DE PREVIDÊNCIA Congressistas deputados federais e senadores tinham até 1997 um regime próprio de Previdência Social (I.P.C.)

Leia mais

Quais as condições necessárias para que eu me cadastre como empreendedor individual? Faturar até R$ 36 mil por ano;

Quais as condições necessárias para que eu me cadastre como empreendedor individual? Faturar até R$ 36 mil por ano; cultura 1. Quais as condições necessárias para que eu me cadastre como empreendedor individual? 2. Faturar até R$ 36 mil por ano; Não participar de outra empresa, como sócio ou titular; Trabalhar sozinho

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE DO PREFEITO LEI COMPLEMENTAR Nº 118, DE 17 DE ABRIL 2006. Altera a Lei Complementar nº 008, de 16 de novembro de 1999, que dispõe sobre o estatuto dos servidores públicos da Administração Direta e Indireta dos Poderes

Leia mais

ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 49/2015 RIOS

ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 49/2015 RIOS ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 49/2015 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIO RIOS CONTRIBUINTE FACULTATIVO - ATUALIZAÇÃO - IN INSS/PRES Nº 77/2015 - ASPECTOS PREVIDENCIÁRIOS... Pág.1228

Leia mais

pela previdência social, além dos outros benefícios já previstos em lei;

pela previdência social, além dos outros benefícios já previstos em lei; COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 2.567, DE 2011 (Apensos os Projetos de Lei nºs 2.675, de 2011; 2.687, de 2011; 5.668, de 2009; 5.693, de 2009; 6.552, de 2009; 6.951, de 2010;

Leia mais

1 A SEGURIDADE SOCIAL NO BRASIL

1 A SEGURIDADE SOCIAL NO BRASIL Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 13 Nota do autor 4ª edição... 15 Nota do autor 3ª edição... 17 Nota do autor 2ª edição... 19 Nota do autor 1ª edição... 21 Guia de leitura da Coleção... 23 Capítulo

Leia mais

PRESTAÇÕES BENEFICIÁRIAS. Benefícios e Serviços

PRESTAÇÕES BENEFICIÁRIAS. Benefícios e Serviços Seguridade Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 20 PRESTAÇÕES BENEFICIÁRIAS Benefícios e Serviços As prestações compreendidas pelo Regime Geral de Previdência Social são expressas em benefícios

Leia mais

7 Natureza jurídica da contribuição da Seguridade Social, 18]

7 Natureza jurídica da contribuição da Seguridade Social, 18] Parte I - teoria da Seguridade Social, 1 1 evolução histórica, 3 1.1 Introdução, 3 1.2 Direito estrangeiro, 3 1.3 No Brasil, 4 2 Denominação e conceito, 7 2.1 Denominação, 7 2.2 Conceito, 8 2.3 Divisão,

Leia mais

GUIA DO SEGURADO da Previdência Social

GUIA DO SEGURADO da Previdência Social CÂMARA DOS DEPUTADOS GUIA DO SEGURADO da Previdência Social Conheça os direitos do seu seguro social. ANTONIO BULHÕES Deputado Federal PRB/SP BRASÍLIA Abril/2009 GUIA DO SEGURADO da Previdência Social

Leia mais

A Constituição Federal88 determina em seu art. 201 a garantia do benefício de salário-família aos trabalhadores de baixa renda.

A Constituição Federal88 determina em seu art. 201 a garantia do benefício de salário-família aos trabalhadores de baixa renda. SALÁRIO-FAMÍLIA - Considerações Gerais Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 07/05/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Salário-Família 3 - Beneficiários 3.1 - Filho - Equiparação 3.2 - Verificação

Leia mais

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 Nas questões de 01 a 10, marque a alternativa correta: 01) I. Os beneficiários da previdência social subdividem se em dependentes e segurados. Já os segurados, podem ser obrigatórios

Leia mais

Contribuinte individual / facultativo aposentadoria por idade

Contribuinte individual / facultativo aposentadoria por idade Previdência social Aposentadoria por idade Documentação específica, por categoria Contribuinte individual / facultativo aposentadoria por idade Empregado(a) doméstico(a) aposentadoria por idade Segurado

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR » Cacildo Baptista Palhares Júnior Advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de direito previdenciário da prova objetiva do concurso de 2010 para Defensor da União Com base no direito previdenciário,

Leia mais

Número de Identificação do Trabalhador NIT (PIS/Pasep) ou número de inscrição do contribuinte individual / facultativo.

Número de Identificação do Trabalhador NIT (PIS/Pasep) ou número de inscrição do contribuinte individual / facultativo. Previdência social Benefícios Documentação específica, por categoria Contribuinte individual e facultativo auxílio-reclusão Segurado(a) empregado(a) e desempregado(a) auxílio reclusão Empregado(a) doméstico(a)

Leia mais

SEGURO-DESEMPREGO - EMPREGADO DOMÉSTICO - Considerações

SEGURO-DESEMPREGO - EMPREGADO DOMÉSTICO - Considerações SEGURO-DESEMPREGO - EMPREGADO DOMÉSTICO - Considerações Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 26/10/2012. Sumário: 1 - Introdução 2 - Seguro-Desemprego 3 - Finalidade 4 - Requisitos 4.1

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/DIR/2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/DIR/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/DIR/2013 ESTABELECE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA O PAGAMENTO DE SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOA FÍSICA, EM CARÁTER EVENTUAL, POR MEIO DE RECIBO DE PAGAMENTO A CONTRIBUINTE INDIVIDUAL

Leia mais

Série Concursos Públicos Direito Previdenciário Wagner Balera Cristiane Miziara Mussi 11ª para 12ª edição

Série Concursos Públicos Direito Previdenciário Wagner Balera Cristiane Miziara Mussi 11ª para 12ª edição p. 32 Substituir pelo texto abaixo: 45. 2009 (15/06) Ratificada pelo Brasil, a Convenção 102, de 1952, da OIT, aprovada pelo Decreto Legislativo 269, de 19.09.2008, do Congresso Nacional. 1 46. 2011 Lei

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 240, DE 2015

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 240, DE 2015 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 240, DE 2015 Redação final do Projeto de Lei de Conversão nº 3, de 2015 (Medida Provisória nº 665, de 2014). A Comissão Diretora apresenta a redação final do Projeto de Lei

Leia mais

SUMÁRIO. Nota da Oitava Edição... 17 Prefácio... 19 Apresentação... 21

SUMÁRIO. Nota da Oitava Edição... 17 Prefácio... 19 Apresentação... 21 SUMÁRIO Nota da Oitava Edição... 17 Prefácio... 19 Apresentação... 21 Capítulo 1 DEFINIÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL... 23 1.1. Saúde... 24 1.2. Assistência social... 27 1.3. Previdência social... 28 1.3.1.

Leia mais

1/7. Prof. Wilson Roberto

1/7. Prof. Wilson Roberto 1/7 5. Contrato individual de trabalho: Contribuição Sindical, INSS, Salário-família, IRRF trabalho assalariado, PIS/PASEP, e CAGED Contribuição Sindical A contribuição sindical está prevista nos artigos

Leia mais

Roteiro dos documentos a serem anexados ao Formulário de Solicitação das Prestações de Benefícios BR/PT 07

Roteiro dos documentos a serem anexados ao Formulário de Solicitação das Prestações de Benefícios BR/PT 07 Acordo de Previdência Social entre a República Federativa do Brasil e a República Portuguesa Roteiro dos documentos a serem anexados ao Formulário de Solicitação das Prestações de Benefícios BR/PT 07 1

Leia mais

Quadro comparativo da Medida Provisória nº 665, de 30 de dezembro de 2014

Quadro comparativo da Medida Provisória nº 665, de 30 de dezembro de 2014 Quadro comparativo da 1 Lei nº 7.998, de 11 de janeiro de 1990 Art. 3º Terá direito à percepção do segurodesemprego o trabalhador dispensado sem justa causa que comprove: I - ter recebido salários de pessoa

Leia mais

Trabalhador avulso, segurado especial e segurado empregado, à exceção do doméstico pensão por acidente do trabalho

Trabalhador avulso, segurado especial e segurado empregado, à exceção do doméstico pensão por acidente do trabalho Previdência social Benefícios Documentação específica, por categoria Pensão por acidente do trabalho trabalhador avulso, segurado especial e segurado empregado, à exceção do doméstico Esposo(a) ou companheiro

Leia mais

XVII Congresso Brasileiro de Perícia Médica. Isenção de Carência do INSS Temporário x Definitivo

XVII Congresso Brasileiro de Perícia Médica. Isenção de Carência do INSS Temporário x Definitivo INSS - DIRETORIA DE BENEFÍCIOS XVII Congresso Brasileiro de Perícia Médica Isenção de Carência do INSS Temporário x Definitivo Filomena Maria Bastos Gomes Coordenadora Geral de Benefícios por Incapacidade

Leia mais

ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS ASSUNTOS TRABALHISTAS ANO XXI - 2010-3ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 47/2010

ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS ASSUNTOS TRABALHISTAS ANO XXI - 2010-3ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 47/2010 ANO XXI - 2010-3ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 47/2010 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS CAT - CADASTRO DA COMUNICAÇÃO DE ACIDENTE DE TRABALHO - CONSIDERAÇÕES Introdução - Conceito - Cuidados

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCAL PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO DO SEGURO SOCIAL SOCIAL. Educação Previdenciária

PREVIDÊNCIA SOCAL PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO DO SEGURO SOCIAL SOCIAL. Educação Previdenciária Como os trabalhadores e trabalhadoras podem contar com a proteção da Previdência Social? É isso que veremos nesta aula. A Previdência Social é um regime contributivo, portanto, para ter direitos aos benefícios,

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE GOV. VALADARES Departamento de Benefícios

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE GOV. VALADARES Departamento de Benefícios DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS DO SERVIDOR PÚBLICO O RPPS é estabelecido por lei elaborada em cada um dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal, e se destina exclusivamente aos servidores públicos titulares

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO

ACIDENTE DE TRABALHO CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA (CFM) RESOLUÇÃO CFM nº 1488/1988 É responsabilidade do médico estabelecer a relação causal ou o nexo técnico entre a doença e o trabalho História clínica e ocupacional Exame

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO

ACIDENTE DE TRABALHO ACIDENTE DE TRABALHO Conselho Federal de Medicina (CFM) RESOLUÇÃO CFM nº 1488/1988 É responsabilidade do médico estabelecer a relação causal ou o nexo técnico entre a doença e o trabalho História clínica

Leia mais

1º EPAC 1º Encontro de Profissionais e Acadêmicos de Contabilidade PREVIDÊNCIA SOCIAL

1º EPAC 1º Encontro de Profissionais e Acadêmicos de Contabilidade PREVIDÊNCIA SOCIAL - Sindicato dos Contabilistas de São Paulo 1º EPAC 1º Encontro de Profissionais e Acadêmicos de Contabilidade PREVIDÊNCIA SOCIAL Atividade Simultânea, saiba como apurar a contribuição previdenciária do

Leia mais

Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a)

Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a) Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a) Carteira de Trabalho e Previdência Social, devidamente anotada Devidamente anotada, especificando- se as condições do contrato de trabalho (data de admissão, salário

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO

ACIDENTE DE TRABALHO O QUE É É o que ocorre pelo exercício da atividade a serviço da empresa ou pelo exercício do trabalho, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte ou perda ou redução, permanente

Leia mais

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa PGMEI PGMEI Pág. 1 MANUAL DO PGMEI 1 Introdução 1.1 Apresentação do Programa O Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional para o Microempreendedor Individual (PGMEI) é um sistema

Leia mais

Altera a Instrução Normativa nº 20/INSS/PRES, de 10 de outubro de 2007.

Altera a Instrução Normativa nº 20/INSS/PRES, de 10 de outubro de 2007. Altera a Instrução Normativa nº 20/INSS/PRES, de 10 de outubro de 2007. 21/7/2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/PRES Nº 40, DE 17 DE JULHO DE 2009 DOU 21.07.2009 Altera a Instrução Normativa nº 20/INSS/PRES,

Leia mais

PEQUENAS COISAS QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE PREVIDÊNCIA (SOCIAL E PRIVADA) UNIVILLE Departamento de Economia

PEQUENAS COISAS QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE PREVIDÊNCIA (SOCIAL E PRIVADA) UNIVILLE Departamento de Economia 50 PEQUENAS COISAS QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE PREVIDÊNCIA (SOCIAL E PRIVADA) UNIVILLE Departamento de Economia Joinville SC, 2009 Elaboração: Prof. Airton Nagel Zanghelini 1 PREVIDÊNCIA: O QUE É ISSO?

Leia mais

Comentários do Primeiro Simulado Direito Previdenciário Aula 04 SEGURADOS DO RGPS

Comentários do Primeiro Simulado Direito Previdenciário Aula 04 SEGURADOS DO RGPS Comentários do Primeiro Simulado Direito Previdenciário Aula 04 SEGURADOS DO RGPS Segurados do Regime Geral de Previdência Social Obrigatórios Empregado Empregado Doméstico Contribuinte Individual Trabalhador

Leia mais

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009.

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009. M.E.I. (Micro empreendedor Individual) Lei Complementar numero 128 de 19 de dezembro de 2008. Considera-se MEI o empresário individual a que se refere o art. 966 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002

Leia mais

www.adrianamenezes.com.br www.facebook.com/profadrianamenezes DICAS DE OUTUBRO / 2014

www.adrianamenezes.com.br www.facebook.com/profadrianamenezes DICAS DE OUTUBRO / 2014 DICAS DE OUTUBRO / 2014 DICA 01 É de dez anos o prazo de decadência de todo e qualquer direito ou ação do segurado ou beneficiário para a revisão do ato de concessão de benefício, a contar do dia primeiro

Leia mais

Capítulo VII Conceitos Introdutórios de Benefícios

Capítulo VII Conceitos Introdutórios de Benefícios Capítulo VII Conceitos Introdutórios de Benefícios 297 Capítulo VII Conceitos Introdutórios de Benefícios QUESTÕES 1. CARÊNCIA 01. (FUNRIO Analista do Seguro Social INSS/2013) Independe de carência a concessão

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL Ministério da Previdência Social INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DIRETORIA DE ATENDIMENTO Programa de Educação Previdenciária ria Quem é considerado trabalhador rural? A partir de 25 de julho de 1991,

Leia mais

CNIS. Cadastro Nacional de Informações Sociais EXTRATO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL

CNIS. Cadastro Nacional de Informações Sociais EXTRATO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL CNIS Cadastro Nacional de Informações Sociais EXTRATO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL 2009 O que é? É o extrato cronológico de todas as informações laborais e previdenciárias do trabalhador, que o qualifica como

Leia mais

ALTERAÇÕES DIREITO PREVIDENCIÁRIO LEI N.º 13.135/2015 E MEDIDA PROVISÓRIA N.º 676/2015

ALTERAÇÕES DIREITO PREVIDENCIÁRIO LEI N.º 13.135/2015 E MEDIDA PROVISÓRIA N.º 676/2015 ALTERAÇÕES DIREITO PREVIDENCIÁRIO LEI N.º 13.135/215 E MEDIDA PROVISÓRIA N.º 676/215 1. Na Lei n.º 8.213/1991 foi alterada a definição dos dependentes da 3.ª Classe: Art. 16. São beneficiários do Regime

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO GRANDE DO SUL Alameda Montevideu, 244 - Bairro Nossa Srª da Dores - CEP 97050030 - Santa Maria - RS - www.jfrs.jus.

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO GRANDE DO SUL Alameda Montevideu, 244 - Bairro Nossa Srª da Dores - CEP 97050030 - Santa Maria - RS - www.jfrs.jus. : SEI / TRF4-1584178 - Decisão :: http://sei.trf4.jus.br/sei/controlador.php?acao=documento_imprimir_... de 1 26/09/2013 18:29 SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO GRANDE DO SUL Alameda Montevideu, 244 - Bairro Nossa

Leia mais

FILIAÇÃO REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL FILIAÇÃO INSCRIÇÃO INSCRIÇÃO INSCRIÇÃO

FILIAÇÃO REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL FILIAÇÃO INSCRIÇÃO INSCRIÇÃO INSCRIÇÃO FILIAÇÃO REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL FILIAÇÃO e INSCRIÇÃO É o vínculo jurídico que se estabelece entre o segurado e o RGPS. Decorre automaticamente da atividade remunerada, ou seja, no momento em

Leia mais

ANO XXVI - 2015-4ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 09/2015

ANO XXVI - 2015-4ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 09/2015 ANO XXVI - 2015-4ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 09/2015 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS APOSENTADORIA POR IDADE - ATUALIZAÇÃO CONFORME IN INSS/PRES Nº 77/2015 CONSIDERAÇÕES... Pág. 262 APOSENTADORIA

Leia mais

PUBLICADAS MEDIDAS PROVISÓRIAS QUE ALTERAM A LEGISLAÇÃO TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA

PUBLICADAS MEDIDAS PROVISÓRIAS QUE ALTERAM A LEGISLAÇÃO TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA Rio de Janeiro, 07 de janeiro de 2015. CIRCULAR 01/2015 JURÍDICO PUBLICADAS MEDIDAS PROVISÓRIAS QUE ALTERAM A LEGISLAÇÃO TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA Publicadas no Diário Oficial da União de 30/12/2014,

Leia mais

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa PGMEI PGMEI Pág. 1 MANUAL DO PGMEI 1 Introdução 1.1 Apresentação do Programa O Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional para o Microempreendedor Individual (PGMEI) é um sistema

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 253 DE 4 DE OUTUBRO DE 2000

RESOLUÇÃO Nº 253 DE 4 DE OUTUBRO DE 2000 RESOLUÇÃO Nº 253 DE 4 DE OUTUBRO DE 2000 Estabelece procedimentos para a concessão do benefício do Seguro-Desemprego ao Empregado Doméstico. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador CODEFAT,

Leia mais

Para cada valor depositado pelo participante a título de contribuição básica a Patrocinadora depositará valor idêntico.

Para cada valor depositado pelo participante a título de contribuição básica a Patrocinadora depositará valor idêntico. Apresentação Este é o MANUAL DO PARTICIPANTE da PRECE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR, material explicativo que descreve, em linguagem simples e precisa, as características gerais do Plano CD, com o objetivo

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A JANEIRO / 2015 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 06 07 07 08 09 09 10 11 12 13 14 15 15 16 17 18 19 20 20 21 22 23 23 24 25 26 27 28 29 31 31-1 - AGENDA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL-INSS - PRESIDENTE INSS Nº 51 DE 04.02.2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL-INSS - PRESIDENTE INSS Nº 51 DE 04.02.2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL-INSS - PRESIDENTE INSS Nº 51 DE 04.02.2011 D.O.U.: 07.02.2011 Altera dispositivos da Instrução Normativa nº 45/INSS/PRES, de 6 de agosto

Leia mais

Medidas Provisórias nº 664 e nº 665

Medidas Provisórias nº 664 e nº 665 Medidas Provisórias nº 664 e nº 665 Perguntas e respostas Ministério da Previdência Social Auxílio-Doença Benefício pago ao segurado em caso de incapacitação temporária para o trabalho por doença ou acidente

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ESTUDO ESTUDO QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Cláudia Augusta Ferreira Deud Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ABRIL/2007 Câmara dos Deputados

Leia mais

AUXÍLIO-DOENÇA. Prof. DANILO CÉSAR SIVIERO RIPOLI

AUXÍLIO-DOENÇA. Prof. DANILO CÉSAR SIVIERO RIPOLI AUXÍLIO-DOENÇA Prof. DANILO CÉSAR SIVIERO RIPOLI Lei nº. 8.213/91, art. 59 à 63 e RPS, art. 71 à 80. Contingência: incapacidade temporária do segurado para o seu trabalho habitual. Porém, somente será

Leia mais

Aposentadoria: quem tem direito?

Aposentadoria: quem tem direito? Aposentadoria: quem tem direito? M uitas dúvidas dos diretores regionais do SINTEA/PR referente à aposentadoria e ao tempo de aprendizado profissional foram sanadas durante o 35º Encontro Estadual de Técnicos

Leia mais

Resumo das regras nas medidas provisórias nº 664 e nº 665

Resumo das regras nas medidas provisórias nº 664 e nº 665 Resumo das regras nas medidas provisórias nº 664 e nº 665 Cenário Aumentou o emprego e a formalização: 15,5 milhões no setor privado de 2003 a 2013 Base de segurados da previdência aumentou em 30 milhões

Leia mais

Guia do Trabalhador. Previdência Social. Saiba como utilizar o seu seguro social

Guia do Trabalhador. Previdência Social. Saiba como utilizar o seu seguro social MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL MPS Gabinete do Ministro GM Assessoria de Comunicação Social ACS Previdência Social Guia do Trabalhador Saiba como utilizar o seu seguro social Brasília DF Maio/2003 Ministério

Leia mais

SEGURADO ESPECIAL. Como contribuir para Previdência Social e para o SENAR SENAR PERNAMBUCO. Atualização Agosto de 2013

SEGURADO ESPECIAL. Como contribuir para Previdência Social e para o SENAR SENAR PERNAMBUCO. Atualização Agosto de 2013 SEGURADO ESPECIAL? Como contribuir para Previdência Social e para o SENAR SENAR PERNAMBUCO Atualização Agosto de 2013 ATUALIZAÇÃO 2013 Alterações introduzidas pela IN/RFB Nº 971, de 13 de novembro 2009

Leia mais