Benefícios Previdenciários do INSS Como são concedidos e calculados. Prof. Hilário Bocchi Júnior

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Benefícios Previdenciários do INSS Como são concedidos e calculados. Prof. Hilário Bocchi Júnior hilariojunior@bocchiadvogados.com."

Transcrição

1 Benefícios Previdenciários do INSS Como são concedidos e calculados Prof. Hilário Bocchi Júnior

2 SEGURIDADE SOCIAL Sistema de Seguridade Social Múltipla filiação Filiação alternada (CTC) Saúde Assistência Social Pública Repartição Obrigatória Militares Institutos Próprios Regime Geral União Distrito Federal Estados Municípios Previdência Social Judiciário Pública Legislativo Complementar Capitalização Facultativa Privada Executivo Aberta Fechada Vínculo Empregatício Vínculo Institucional

3 Beneficiários Segurados e dependentes Empregado Empregado Doméstico Contribuinte Individual Obrigatório Avulso Beneficiários Segurados Dependentes Facultativo Servidor Público Aposentado que trabalha Segurado especial

4 Carência Relação com os benefícios Segurados carências maiores 10, 12, 180, regra transição e isenção Beneficiários x Prestações Benefícios Dependentes ---- isentos de carência Quanto ao segurado: APOSENTADORIA Especial Por idade Por tempo de serviço Por tempo de contribuição POR INCAPACIDADE (inclusive acidentário) Por invalidez Auxílio-doença Auxílio-acidente PRESTAÇÃO SAZONAL Salário-família Salário-maternidade Serviços programáveis de risco Quanto ao dependente: Pensão por morte Auxílio reclusão Quanto a ambos: Serviços social Reabilitação profissional Habilitação profissional

5 Aposentadoria por tempo de contribuição Aposentadoria por tempo de serviço ATÉ 15 DEZ APÓS 15 DEZ TRANSIÇÃO HOMEM Proporcional anos Integral anos HOMEM Integral anos HOMEM 53 anos Proporcional anos Integral anos MULHER Proporcional anos Integral anos MULHER Integral anos MULHER 48 anos Proporcional anos Integral anos SEM LIMITE ETÁRIO SEM LIMITE ETÁRIO COM LIMITE ETÁRIO e ADICIONAL TEMPO DE SERVIÇO 40%

6 Aposentadoria por tempo de contribuição regra de transição Adicional de tempo de contribuição (pedágio) 40% do tempo de serviço que faltava em 15/12/1998 Ex.: 15/12/ anos e 2 meses Faltavam 10 meses para completar o tempo de serviço 10 meses x 40% = 14 meses Somatória: 29 anos e 02 meses + 14 meses 30 anos e 04 meses além da idade

7 Aposentadoria por idade Risco social a ser coberto Idade avançada Nomenclatura anterior Aposentadoria por velhice Destinatário do benefício Todos segurados Modalidade do benefício Prestação continuada Espécie 41 (7 Rural; e, 8 Empregador Rural) Carência Variada de acordo com o segurado ou data da inscrição Qualidade de segurado Após a Lei n , de 8 de maio de 2003 (MP 83/2002 = período de 13/12/2002 até 08/05/2003) Art. 3º A perda da qualidade de segurado não será considerada para a concessão das aposentadorias por tempo de contribuição e especial. 1º Na hipótese de aposentadoria por idade, a perda da qualidade de segurado não será considerada para a concessão desse benefício, desde que o segurado conte com, no mínimo, o tempo de contribuição correspondente ao exigido para efeito de carência na data do requerimento do benefício.

8 Benefícios por incapacidade PP - Pedido de Prorrogação Até 15 dias antes da perícia Aposentadoria por invalidez 100% + 25% Análise da concessão Auxilio doença 91% Consolidação da lesão ou doença Auxílio-acidente 50% Análise de revisão PR - Pedido de Reconsideração Até 30 dias após o indeferimento Cessação do benefício Ação judicial

9 Aposentadoria especial Risco social a ser coberto Proteção à saúde do trabalhador (sem limite etário) 15 anos - trabalhos em mineração subterrânea, em frentes de produção, com exposição à associação de agentes físicos, químicos ou biológicos; 20 anos - trabalhos com exposição ao agente químico asbestos (amianto); - trabalhos em mineração subterrânea, afastados das frentes de produção, com exposição à associação de agentes físicos, químicos ou biológicos. 25 anos demais casos Requisitos especiais Habitualidade e permanência. Limites de tolerância Prova da atividade DSS8030, SB-40, PPP, LTCAT, Laudo Pericial Judicial (segurado empregado e não empregado) Carência Qualidade de segurado Aplicação da Lei n , de 8 de maio de 2003

10 Dependentes Condições e benefícios cônjuge SEGURADOS PREFERENCIAIS companheiro filho BENEFICIÁRIOS DEPENDENTES Menor tutelado e enteado SECUNDÁRIOS pais irmãos pessoa designada Classificação exaustiva - Dependência econômica - Fixação dos dependentes no momento do óbito (modificação) BENEFÍCIOS Art. 74. A pensão por morte será devida ao conjunto dos dependentes do segurado que falecer, aposentado ou não. Art. 80. O auxílio-reclusão será devido, nas mesmas condições da pensão por morte, aos dependentes do segurado recolhido à prisão, que não receber remuneração da empresa nem estiver em gozo de auxílio-doença, de aposentadoria ou de abono de permanência em serviço. R$ 915,05 Portaria nº 02, de 6/1/2012

11 Cálculo do valor dos benefícios Exceções Salário-família O valor da cota do salário-família, por filho ou equiparado de qualquer condição, até 14 anos de idade, ou inválido de qualquer idade Salário-maternidade Empregada ou trabalhadora avulsa Renda mensal igual a sua remuneração integral Empregada doméstica Último salário-de-contribuição Segurada especial 1/12 do valor sobre o qual incidiu sua última contribuição anual garantia de um sal. mínimo (art. 39) Demais seguradas 1/12 da soma dos doze últimos salários-de-contribuição 11

12 Cálculo do valor dos benefícios Regra geral Art. 28. O valor do benefício de prestação continuada, inclusive o regido por norma especial e o decorrente de acidente do trabalho, exceto o salário-família e o salário-maternidade, será calculado com base no salário-de-benefício. Benefícios calculados com base no salário-de-benefício Aposentadoria por idade Aposentadoria especial Auxílio-acidente de qualquer natureza Aposentadoria de ex-combatente Aposentadoria por tempo de contribuição Aposentadoria por tempo de serviço professor Auxílio-doença, inclusive de acidente do trabalho Aposentadoria por invalidez, inclusive acidentária São considerados no cálculo os aumentos decorrentes de: Dissídios ou acordos coletivos Disposição legal Atos de autoridades competentes Os voluntariamente concedidos, desde que de acordo com normas da empresa ou legislação: Preenchimento de vaga Designação Acesso Promoção Transferência Expansão da empresa Criação de novos cargos CORREÇÃO DO CNIS 12

13 Cálculo do valor dos benefícios PBC e o Salário-de-benefício O salário-de-benefício é fixado com base no PBC Período base de cálculo. O PBC é fixado, conforme o caso, a partir da: DAT Data do afastamento do trabalho DER Data da entrada do requerimento DPE Data da Publicação da Emenda Constitucional n. 20, de 15/12/1998. DPL Data da Publicação da Lei n DICB Data da Implementação das Condições Necessárias à Concessão do benefício. SALÁRIO-DE-BENEFÍCIO Até 28/11/1999: Média dos últimos 36 meses, apurado entre as últimas 48 contribuições. Após 29/11/1999: Média aritmética de 80% dos maiores salários-de-contribuição do PBC. Após 29/11/1999 (Para quem já era contribuinte): Média aritmética de 80% dos maiores saláriosde-contribuição de todo período contributivo, a partir de julho de Exceção1: Benefícios por incapacidade e pensão por morte com menos de 60% contribuições (será executada a média entre as existentes). Exceção2: Outros benefícios com menos de 60% contribuições (será executada a média entre as existentes pelo divisor mínimo de 60% do PBC). ALÍQUOTAS 13

14 PBC CNIS Segurado empregado Será utilizado como parâmetro relativo, não absoluto. Em caso de ausência, aplica-se o salário-mínimo. Modificação posterior poderá ser corrigida por meio de revisão. Segurado contribuinte individual Nos períodos sem contribuição não será considerado o salário mínimo. Serão consideradas apenas as contribuições contidas no CNIS. Modificação posterior poderá ser corrigida por meio de revisão. Salário-de-contribuição e o CNIS Utilização das informações pelo INSS 180 dias para fornecer extrato ao segurado Retificação; a qualquer tempo Hilário Bocchi Junior 14

15 Fator previdenciário A quem se aplica e sua fórmula Fórmula: f = Tc x a x [1 + (Id + Tc x a)] Es 100 f: fator previdenciário Tc: tempo de contribuição a: alíquota constante de 0,31 Id: idade Es: expectativa de sobrevida Serão somados ao tempo de contribuição do segurado: 5 anos para as mulheres 5 anos para os professores (aposentadoria diferenciada) 10 anos para as professoras (aposentadoria diferenciada) Aplica-se o Fator Previdenciário Aposentadoria por idade (opcional) Aposentadoria por tempo de contribuição Aposentadoria por tempo de professor Não se aplica o Fator Previdenciário Aposentadoria por idade (opcional) Auxílio doença, inclusive o acidentário Aposentadoria por invalidez, inclusive acidente - Auxílio-acidente, inclusive de qualquer natureza - Aposentadoria especial 15

16 Salário-de-benefício Atividades concomitantes Soma dos salários-de-contribuição (critério: cumprimento dos requisitos para concessão do benefício) Cumpriu requisitos Não Cumpriu requisitos em todas atividades em todas atividades Somatória de todas as contribuições Exemplo A Soma-se as contribuições das atividades que cumpriu Percentual da média do salário-de-contribuição de cada atividade, equivalente à relação entre o número de meses completo de contribuição e os do período de carência do benefício requerido. Exemplo B Se for por Tempo de serviço: Percentual da relação entre os anos de atividade e o número de anos de serviço considerado para a concessão do benefício. Exemplo C Exemplo A Qualquer benefício Atividade A ,00 Atividade B ,00 Somatória ,00 Exemplo B Ex.: Aposentadoria por idade Atividade A (180 contribuições) ,00 Atividade B (120 contribuições) ,00 Atividade A (integral) 1.000,00 Atividade B (120/180 = 66,6%) 666,66 Somatória 1.666,66 Exemplo C Aposentadoria por tempo contribuição Atividade A (35 anos contribuição) 1.000,00 Atividade B (15 anos contribuição) 1.000,00 Atividade A (integral) 1.000,00 Atividade B (15/35 = 42,85%) 428,50 Somatória 1.428,50 Limitação em razão de obediência ao limite máximo do Redução do salário-de-contribuição das atividades salário-de-contribuição (contribuiu em apenas uma) concomitantes em respeito ao limite máximo desse salário. Hilário Bocchi Junior 16

17 Obrigado Prof. Hilário Bocchi Júnior

PRESTAÇÕES BENEFICIÁRIAS. Benefícios e Serviços

PRESTAÇÕES BENEFICIÁRIAS. Benefícios e Serviços Seguridade Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 20 PRESTAÇÕES BENEFICIÁRIAS Benefícios e Serviços As prestações compreendidas pelo Regime Geral de Previdência Social são expressas em benefícios

Leia mais

DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS 1. APOSENTADORIA

DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS 1. APOSENTADORIA DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS 1. APOSENTADORIA 1.1 Aposentadoria por invalidez Destina-se aos professores cuja incapacidade ao trabalho é confirmada pelo setor de perícias médicas do INSS. Uma vez concedida

Leia mais

Tem direito aos benefícios previdenciários os BENEFICIÁRIOS, ou seja, todos os segurados e seus dependentes.

Tem direito aos benefícios previdenciários os BENEFICIÁRIOS, ou seja, todos os segurados e seus dependentes. CARTILHA DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO O REGIME GERAL DA PREVIDENCIA SOCIAL É REGIDO PELAS LEIS 8.212 E 8.213/91 E TEM POR FINALIDADE ASSEGURAR À SEUS FILIADOS RECEBER BENEFÍCIOS QUE SUBSTITUAM SUA RENDA.

Leia mais

19/02/2015. Auxílio Doença

19/02/2015. Auxílio Doença Lei 8213/91 (alterada pela MP 664) Auxílio Doença Art. 60. O auxílio-doença será devido ao segurado que ficar incapacitado para seu trabalho ou sua atividade habitual, desde que cumprido, quando for o

Leia mais

Curso de Extensão em Direito Previdenciário

Curso de Extensão em Direito Previdenciário Curso de Extensão em Direito Previdenciário 2º Encontro Teoria Básica dos Benefícios Previdenciários do RGPS Requisitos para a concessão de benefícios previdenciários 1) Requisitos Genéricos a) Adquirir

Leia mais

Direito Previdenciário - Prof. Ítalo

Direito Previdenciário - Prof. Ítalo 51 BOAS DICAS DE BENEFÍCIOS Professor Italo Romano DICA 1 São 10 os benefícios previdenciários (REGRA 4 3 2 1). DICA 2 São 6 os segurados da Previdência Social (CADES F). DICA 3 Os beneficiários do sistema

Leia mais

A ANFIP, com o objetivo de esclarecer os segurados do Regime

A ANFIP, com o objetivo de esclarecer os segurados do Regime A ANFIP, com o objetivo de esclarecer os segurados do Regime Geral da Previdência Social (INSS) sobre a forma de estabelecer o valor da aposentadoria, vem através destas transparências demonstrar como

Leia mais

Média aritmética dos 80% maiores salários de contribuição, multiplicado pelo fator previdenciário.

Média aritmética dos 80% maiores salários de contribuição, multiplicado pelo fator previdenciário. 1) Cálculo de Benefícios - Continuação 1.1) Aposentadoria por tempo de contribuição Média aritmética dos 80% maiores salários de contribuição, multiplicado pelo fator previdenciário. Fator Previdenciário

Leia mais

Previdência Social sob a forma de Regime Geral

Previdência Social sob a forma de Regime Geral Previdência Social sob a forma de Regime Geral Estrutura do Sistema Previdenciário no Brasil Regime Geral de Previdência Social (RGPS) Administrado pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS); Obrigatório,

Leia mais

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte?

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? 1 Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? A MP 664 de dezembro de 2014 previu uma carência de 24 meses para a obtenção do benefício pensão por morte. Depois de muita discussão no Congresso

Leia mais

A D V O G A D O S A S S O C I A D O S

A D V O G A D O S A S S O C I A D O S A D V O G A D O S A S S O C I A D O S QUEM É SEGURADO PELO INSS? É toda pessoa que contribui para a Previdência Social, mantida pelo INSS. Podem também ser beneficiários do Regime Geral da Previdência

Leia mais

7 Natureza jurídica da contribuição da Seguridade Social, 18]

7 Natureza jurídica da contribuição da Seguridade Social, 18] Parte I - teoria da Seguridade Social, 1 1 evolução histórica, 3 1.1 Introdução, 3 1.2 Direito estrangeiro, 3 1.3 No Brasil, 4 2 Denominação e conceito, 7 2.1 Denominação, 7 2.2 Conceito, 8 2.3 Divisão,

Leia mais

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de MEDIDA PROVISÓRIA Nº 664 DE 30.12.2014 (DOU 30.12.2014 ED. EXTRA; REP. DOU DE 02.01.2015) Altera as Leis nº 8.213, de 24 de julho de 1991, nº 10.876, de 2 junho de 2004,nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990,

Leia mais

2 Evolução Legislativa da Previdência Social no Brasil, 4 Quadro esquemático, 8 Questões, 12

2 Evolução Legislativa da Previdência Social no Brasil, 4 Quadro esquemático, 8 Questões, 12 Nota, xi 1 Origens da Seguridade Social, 1 1.1 Poor Law, 1 1.2 Seguros privados, 2 1.3 Seguros sociais, 2 Quadro esquemático, 3 2 Evolução Legislativa da Previdência Social no Brasil, 4 Quadro esquemático,

Leia mais

Série Concursos Públicos Direito Previdenciário Wagner Balera Cristiane Miziara Mussi 11ª para 12ª edição

Série Concursos Públicos Direito Previdenciário Wagner Balera Cristiane Miziara Mussi 11ª para 12ª edição p. 32 Substituir pelo texto abaixo: 45. 2009 (15/06) Ratificada pelo Brasil, a Convenção 102, de 1952, da OIT, aprovada pelo Decreto Legislativo 269, de 19.09.2008, do Congresso Nacional. 1 46. 2011 Lei

Leia mais

BENEFÍCIOS POR INCAPACIDADE

BENEFÍCIOS POR INCAPACIDADE BENEFÍCIOS POR INCAPACIDADE BENEFÍCIOS POR INCAPACIDADE Art. 201. A previdência social será organizada sob a forma de regime geral, de caráter contributivo e de filiação obrigatória, observados critérios

Leia mais

ALTERAÇÕES DIREITO PREVIDENCIÁRIO LEI N.º 13.135/2015 E MEDIDA PROVISÓRIA N.º 676/2015

ALTERAÇÕES DIREITO PREVIDENCIÁRIO LEI N.º 13.135/2015 E MEDIDA PROVISÓRIA N.º 676/2015 ALTERAÇÕES DIREITO PREVIDENCIÁRIO LEI N.º 13.135/215 E MEDIDA PROVISÓRIA N.º 676/215 1. Na Lei n.º 8.213/1991 foi alterada a definição dos dependentes da 3.ª Classe: Art. 16. São beneficiários do Regime

Leia mais

Alterações no auxílio doença e trabalho e regras do seguro desemprego -Uma abordagem. destaque.

Alterações no auxílio doença e trabalho e regras do seguro desemprego -Uma abordagem. destaque. Alterações no auxílio doença e trabalho e regras do seguro desemprego -Uma abordagem empresarial dos temas em destaque. Professora: Luciana Saldanha Advogada, especialista em direito trabalhista e previdenciário.

Leia mais

LEGISLAÇÃO. Inscrição e Filiação: Artigo 17 da Lei 8213/91; Artigo 18 do Decreto 3048/99; Artigo 3º e seguintes da IN 77

LEGISLAÇÃO. Inscrição e Filiação: Artigo 17 da Lei 8213/91; Artigo 18 do Decreto 3048/99; Artigo 3º e seguintes da IN 77 FILIAÇÃO É o vínculo que as pessoas estabelecem com a Previdência Social a partir do momento em que passam a exercer uma atividade remunerada ou a recolher as contribuições previdenciárias. Com a filiação,

Leia mais

PARECER JURÍDICO- PREVIDENCIÁRIO

PARECER JURÍDICO- PREVIDENCIÁRIO PARECER JURÍDICO- PREVIDENCIÁRIO CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Cuida o presente trabalho de parecer cujo objeto consiste na análise da situação jurídico-previdenciária do consulente com o objetivo de lhe

Leia mais

Medidas Provisórias nº 664 e nº 665

Medidas Provisórias nº 664 e nº 665 Medidas Provisórias nº 664 e nº 665 Perguntas e respostas Ministério da Previdência Social Auxílio-Doença Benefício pago ao segurado em caso de incapacitação temporária para o trabalho por doença ou acidente

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE GOV. VALADARES Departamento de Benefícios

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE GOV. VALADARES Departamento de Benefícios DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS DO SERVIDOR PÚBLICO O RPPS é estabelecido por lei elaborada em cada um dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal, e se destina exclusivamente aos servidores públicos titulares

Leia mais

www.adrianamenezes.com.br www.facebook.com/profadrianamenezes DICAS DE OUTUBRO / 2014

www.adrianamenezes.com.br www.facebook.com/profadrianamenezes DICAS DE OUTUBRO / 2014 DICAS DE OUTUBRO / 2014 DICA 01 É de dez anos o prazo de decadência de todo e qualquer direito ou ação do segurado ou beneficiário para a revisão do ato de concessão de benefício, a contar do dia primeiro

Leia mais

No âmbito do RPPS Regime Próprio de Previdência Social de Camaçari, não há exigência de cumprimento de carência para percepção deste beneficio.

No âmbito do RPPS Regime Próprio de Previdência Social de Camaçari, não há exigência de cumprimento de carência para percepção deste beneficio. ESPÉCIES DE BENEFÍCIOS PARA OS SEGURADOS 1. APOSENTADORIA Aposentadoria por Invalidez No âmbito do RPPS Regime Próprio de Previdência Social de Camaçari, não há exigência de cumprimento de carência para

Leia mais

FILIAÇÃO E INSCRIÇÃO NO RGPS Filiação

FILIAÇÃO E INSCRIÇÃO NO RGPS Filiação FILIAÇÃO E INSCRIÇÃO NO RGPS Filiação Filiação é o vínculo jurídico existente entre o trabalhador e o Regime Geral de Previdência Social - RGPS, sendo, sobretudo, a condição material que assegura o direito

Leia mais

DECRETO Nº 5.545, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005

DECRETO Nº 5.545, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005 DECRETO Nº 5.545, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005 DOU 23-09-2005 Altera dispositivos do Regulamento da Previdência Social, aprovado pelo Decreto nº 3.048, de 6 de maio de 1999, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

SALÁRIO MÍNIMO NOVO VALOR A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 DECRETO Nº 8.381 - DOU de 30.12.2014

SALÁRIO MÍNIMO NOVO VALOR A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 DECRETO Nº 8.381 - DOU de 30.12.2014 Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di Informativo 01/2015 SALÁRIO MÍNIMO NOVO VALOR A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 DECRETO Nº 8.381 - DOU de 30.12.2014 Foi publicado no Diário Oficial da

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/PRES Nº 20, DE 11 DE OUTUBRO DE 2007 - DOU DE 10/10/2007 CAPÍTULO II DAS PRESTAÇÕES EM GERAL. Seção I Da Carência

INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/PRES Nº 20, DE 11 DE OUTUBRO DE 2007 - DOU DE 10/10/2007 CAPÍTULO II DAS PRESTAÇÕES EM GERAL. Seção I Da Carência INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/PRES Nº 20, DE 11 DE OUTUBRO DE 2007 - DOU DE 10/10/2007 FUNDAMENTAÇÃO SUMÁRIO CAPÍTULO I ANEXO CAPÍTULO II DAS PRESTAÇÕES EM GERAL Seção I Da Carência Art. 53. Observado o disposto

Leia mais

Carência é o número mínimo de contribuições mensais indispensáveis para que o segurado tenha direito aos benefícios do INSS.

Carência é o número mínimo de contribuições mensais indispensáveis para que o segurado tenha direito aos benefícios do INSS. Apresentação A Cartilha das Aposentadorias tem o objetivo de ajudar os segurados a compreender os direitos e as regras previstas nas leis que regem as APOSENTADORIAS do Regime Geral de Previdência Social-INSS.

Leia mais

Categorias de Segurados

Categorias de Segurados INSTITUTO NACIONAL DA SEGURALIDADE SOCIAL - INSS A Previdência Social é o seguro social para a pessoa que contribui. É uma instituição pública que tem como objetivo reconhecer e conceder direitos aos seus

Leia mais

DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS

DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS 1. INTRODUÇÃO O direito previdenciário é o ramo do Direito que disciplina a estrutura das organizações, o custeio, os benefícios e os beneficiários do sistema previdenciário. A

Leia mais

CARTILHA DA PREVIDÊNCIA

CARTILHA DA PREVIDÊNCIA INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDO E DEFESA DAS RELAÇÕES DE CONSUMO CARTILHA DA PREVIDÊNCIA EDIÇÃO ESPECIAL: Aposentadoria do INSS Tudo que o Trabalhador e o Aposentado precisa saber sobre seus direitos junto

Leia mais

DIÁLOGOS SOCIAIS. Junho de 2015

DIÁLOGOS SOCIAIS. Junho de 2015 DIÁLOGOS SOCIAIS Resumo das regras das Leis nºs 13.135/2015 (MP nº 664/2014) e 13.134/2015 (MP nº 665/2014) relativas ao Ministério da Previdência Social Junho de 2015 Diálogos Sociais I. Benefícios Relacionados

Leia mais

GUIA DO SEGURADO da Previdência Social

GUIA DO SEGURADO da Previdência Social CÂMARA DOS DEPUTADOS GUIA DO SEGURADO da Previdência Social Conheça os direitos do seu seguro social. ANTONIO BULHÕES Deputado Federal PRB/SP BRASÍLIA Abril/2009 GUIA DO SEGURADO da Previdência Social

Leia mais

Francisco Luiz de Andrade Bordaz Advogado. À Cebracoop Central Brasileira das Cooperativas de Trabalho.

Francisco Luiz de Andrade Bordaz Advogado. À Cebracoop Central Brasileira das Cooperativas de Trabalho. À Cebracoop Central Brasileira das Cooperativas de Trabalho. Att. Consulta Formulada. Quesitos: 1) Quais são os direitos que os cooperados e seus dependentes, como segurados da Previdência Social, possuem?

Leia mais

LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA AUXÍLIO-DOENÇA - PROCEDIMENTOS LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Sumário 1. Introdução 2. Conceito Auxílio-doença 2.1 Tipos de auxílio-doença 3. pagamento 4. Carência - Conceito 4.1 Independe de carência 4.2 Depende

Leia mais

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site:

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesu@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

INFORMATIVO PREVIQUAM.

INFORMATIVO PREVIQUAM. INFORMATIVO PREVIQUAM. INSTITUIDO PELA LEI Nº. 480 DE 24/03/1994 O QUE É PREVIQUAM? É uma autarquia com personalidade jurídica própria que destina-se a assegurar aos Servidores públicos Municipais de São

Leia mais

FONTES DO DIREITO DA SEGURIDADE SOCIAL

FONTES DO DIREITO DA SEGURIDADE SOCIAL Seguridade Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 8 FONTES DO DIREITO DA SEGURIDADE SOCIAL As fontes do Direito da Seguridade Social podem ser material e formal. As fontes formais são as formas

Leia mais

CARTILHA PREVIDENCIÁRIA

CARTILHA PREVIDENCIÁRIA CARTILHA PREVIDENCIÁRIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES - IPREM IPREM Instituto de Previdência Municipal APRESENTAÇÃO Prezado Servidor, A Lei Complementar nº 35 de 05 de julho de

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO...21 INTRODUÇÃO...23

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO...21 INTRODUÇÃO...23 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO...21 INTRODUÇÃO...23 CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO PREVIDENCIÁRIO...25 1 Antecedentes históricos da função de advogado...25 2 O advogado na Constituição Federal...26

Leia mais

A Constituição Federal88 determina em seu art. 201 a garantia do benefício de salário-família aos trabalhadores de baixa renda.

A Constituição Federal88 determina em seu art. 201 a garantia do benefício de salário-família aos trabalhadores de baixa renda. SALÁRIO-FAMÍLIA - Considerações Gerais Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 07/05/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Salário-Família 3 - Beneficiários 3.1 - Filho - Equiparação 3.2 - Verificação

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ESTUDO ESTUDO QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Cláudia Augusta Ferreira Deud Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ABRIL/2007 Câmara dos Deputados

Leia mais

AUXÍLIO-DOENÇA. Prof. DANILO CÉSAR SIVIERO RIPOLI

AUXÍLIO-DOENÇA. Prof. DANILO CÉSAR SIVIERO RIPOLI AUXÍLIO-DOENÇA Prof. DANILO CÉSAR SIVIERO RIPOLI Lei nº. 8.213/91, art. 59 à 63 e RPS, art. 71 à 80. Contingência: incapacidade temporária do segurado para o seu trabalho habitual. Porém, somente será

Leia mais

Previdência Social. As Reformas da. Emenda Constitucional 47/05. Daisson Portanova. Outubro/2009

Previdência Social. As Reformas da. Emenda Constitucional 47/05. Daisson Portanova. Outubro/2009 As Reformas da Previdência Social IV encontro do FUNSEMA Seminário de Previdência da Região Metropolitana Emenda Constitucional 47/05 Outubro/2009 Daisson Portanova ESTRUTURA DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO PREVIDENCIÁRIO

ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO PREVIDENCIÁRIO ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO PREVIDENCIÁRIO INÍCIO EM 07/07/2012 COORDENADORES DO CURSO: MARCELO DA FONSECA GUERREIRO - Juiz Federal e Mestre em Direito. Foi Juiz Titular do 7º. Juizado Previdenciário/RJ.

Leia mais

A Previdência Social oferece:

A Previdência Social oferece: POPULAÇÃO BRASILEIRA Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas sticas de 2010, a população brasileira era de 191 milhões de habitantes, sendo o 5º 5 País s mais populoso do mundo (china,

Leia mais

XVII Congresso Brasileiro de Perícia Médica. Isenção de Carência do INSS Temporário x Definitivo

XVII Congresso Brasileiro de Perícia Médica. Isenção de Carência do INSS Temporário x Definitivo INSS - DIRETORIA DE BENEFÍCIOS XVII Congresso Brasileiro de Perícia Médica Isenção de Carência do INSS Temporário x Definitivo Filomena Maria Bastos Gomes Coordenadora Geral de Benefícios por Incapacidade

Leia mais

AÇÕES COLETIVAS PREVIDENCIÁRIAS SINPRO/RS. a) Repetição de Indébito incidência de contribuição previdenciária em verba indenizatória

AÇÕES COLETIVAS PREVIDENCIÁRIAS SINPRO/RS. a) Repetição de Indébito incidência de contribuição previdenciária em verba indenizatória AÇÕES COLETIVAS PREVIDENCIÁRIAS SINPRO/RS a) Repetição de Indébito incidência de contribuição previdenciária em verba indenizatória A contribuição previdenciária só incide sobre o salário (espécie) e não

Leia mais

Resumo das regras nas medidas provisórias nº 664 e nº 665

Resumo das regras nas medidas provisórias nº 664 e nº 665 Resumo das regras nas medidas provisórias nº 664 e nº 665 Cenário Aumentou o emprego e a formalização: 15,5 milhões no setor privado de 2003 a 2013 Base de segurados da previdência aumentou em 30 milhões

Leia mais

DISTORÇÕES NA CONCESSÃO DA PENSÃO POR MORTE. Exemplos reais nos RPPS e no RGPS

DISTORÇÕES NA CONCESSÃO DA PENSÃO POR MORTE. Exemplos reais nos RPPS e no RGPS Os RPPS e as alterações nas regras de concessão do benefício de pensão por morte 1 DISTORÇÕES NA CONCESSÃO DA PENSÃO POR MORTE Exemplos reais nos RPPS e no RGPS 2 Caso 1 Homem nascido em 1920 que se aposentou

Leia mais

TANHAÉM PREV Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Itanhaém

TANHAÉM PREV Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Itanhaém TANHAÉM PREV Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Itanhaém Superintendente: Luciano Moura dos Santos Diretor Adm. Financeiro: Olavo Lopes Perez Diretor de Benefícios: Karine Vecci Rua

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Valéria Porto Diretora do Departamento de Normas e Procedimentos Judiciais de Pessoal Brasília, 15 de março de 2012 Regras de Aposentadorias REGRA GERAL REGRA DO DIREITO ADQUIRIDO REGRAS DE TRANSIÇÃO Artigo

Leia mais

A PREVIDÊNCIA SOCIAL BENEFÍCIOS DO RGPS. A Proteção Social no Brasil

A PREVIDÊNCIA SOCIAL BENEFÍCIOS DO RGPS. A Proteção Social no Brasil A PREVIDÊNCIA SOCIAL BENEFÍCIOS DO RGPS A Proteção Social no Brasil Seguridade Social ART. 194 da CRFB/88 A SEGURIDADE SOCIAL COMPREENDE UM CONJUNTO INTEGRADO DE AÇÕES DE INICIATIVA DOS PODERES PÚBLICOS

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO GRANDE DO SUL Alameda Montevideu, 244 - Bairro Nossa Srª da Dores - CEP 97050030 - Santa Maria - RS - www.jfrs.jus.

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO GRANDE DO SUL Alameda Montevideu, 244 - Bairro Nossa Srª da Dores - CEP 97050030 - Santa Maria - RS - www.jfrs.jus. : SEI / TRF4-1584178 - Decisão :: http://sei.trf4.jus.br/sei/controlador.php?acao=documento_imprimir_... de 1 26/09/2013 18:29 SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO GRANDE DO SUL Alameda Montevideu, 244 - Bairro Nossa

Leia mais

1 A SEGURIDADE SOCIAL NO BRASIL

1 A SEGURIDADE SOCIAL NO BRASIL Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 13 Nota do autor 4ª edição... 15 Nota do autor 3ª edição... 17 Nota do autor 2ª edição... 19 Nota do autor 1ª edição... 21 Guia de leitura da Coleção... 23 Capítulo

Leia mais

Art. 32... Art. 39... IV -...

Art. 32... Art. 39... IV -... DECRETO Nº 8.145, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2013 Art. 1 o O Regulamento da Previdência Social - RPS, aprovado pelo Decreto n o 3.048, de 6 de maio de 1999, passa a vigorar com as seguintes alterações: Art. 19.

Leia mais

PEQUENAS COISAS QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE PREVIDÊNCIA (SOCIAL E PRIVADA) UNIVILLE Departamento de Economia

PEQUENAS COISAS QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE PREVIDÊNCIA (SOCIAL E PRIVADA) UNIVILLE Departamento de Economia 50 PEQUENAS COISAS QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE PREVIDÊNCIA (SOCIAL E PRIVADA) UNIVILLE Departamento de Economia Joinville SC, 2009 Elaboração: Prof. Airton Nagel Zanghelini 1 PREVIDÊNCIA: O QUE É ISSO?

Leia mais

Material disponibilizado pela Professora:

Material disponibilizado pela Professora: Material disponibilizado pela Professora: 01) (TRF 3ª REGIÃO - JUIZ FEDERAL SUBSTITUTO - 19/03/2006) Podem beneficiar-se do auxílio-acidente: a) o estrangeiro domiciliado e contratado no Brasil para trabalhar

Leia mais

PESCADOR INDUSTRIAL DIREITOS E DEVERES PREVIDENCIÁRIOS ODILON TEODORO DA CRUZ/ASSISTENTE TÉCNICO

PESCADOR INDUSTRIAL DIREITOS E DEVERES PREVIDENCIÁRIOS ODILON TEODORO DA CRUZ/ASSISTENTE TÉCNICO Ministério da Previdência Social SECRETARIA DE POLITICA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL COORDENAÇÃO-GERAL DE LEGISLAÇÃO E NORMAS- CGLN PESCADOR INDUSTRIAL DIREITOS E DEVERES PREVIDENCIÁRIOS ODILON TEODORO DA CRUZ/ASSISTENTE

Leia mais

Cartilha do Participante

Cartilha do Participante Benefício definido (Eletra 01) BENEFICIO DEFINIDO Cartilha do Participante Introdução A ELETRA Fundação Celg de Seguros e Previdência é uma entidade fechada de previdência privada, de fins previdenciários

Leia mais

-Homens, Aposentadoria por tempo de contribuição: -Mulheres, Aposentadoria por tempo de contribuição:

-Homens, Aposentadoria por tempo de contribuição: -Mulheres, Aposentadoria por tempo de contribuição: DA APOSENTADORIA Aposentadoria por: I- Idade e Tempo de Contribuição: -Homens, Aposentadoria por tempo de contribuição: 35 anos de contribuição e 60 anos de idade, 10 anos de serviço público e 05 anos

Leia mais

SISTEMAS ESPECIAIS DE PREVIDÊNCIA

SISTEMAS ESPECIAIS DE PREVIDÊNCIA Seguridade Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 36 SISTEMAS ESPECIAIS DE PREVIDÊNCIA Congressistas deputados federais e senadores tinham até 1997 um regime próprio de Previdência Social (I.P.C.)

Leia mais

CURSO DE CÁLCULOS DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS PARTE 2. Professor Roberto de Carvalho Santos www.ieprev.com.br roberto@ieprev.com.

CURSO DE CÁLCULOS DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS PARTE 2. Professor Roberto de Carvalho Santos www.ieprev.com.br roberto@ieprev.com. CURSO DE CÁLCULOS DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS PARTE 2 Professor Roberto de Carvalho Santos www.ieprev.com.br roberto@ieprev.com.br PLANEJAMENTO PREVIDENCIARIO Documentos necessários CNIS DETALHADO: relação

Leia mais

Aposentadoria: quem tem direito?

Aposentadoria: quem tem direito? Aposentadoria: quem tem direito? M uitas dúvidas dos diretores regionais do SINTEA/PR referente à aposentadoria e ao tempo de aprendizado profissional foram sanadas durante o 35º Encontro Estadual de Técnicos

Leia mais

RPPS X RGPS. Atuário Sergio Aureliano

RPPS X RGPS. Atuário Sergio Aureliano RPPS X RGPS Atuário Sergio Aureliano RPPS PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO E O SISTEMA PREVIDENCIÁRIO BRASILEIRO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS e REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA

Leia mais

1. Segurados do Regime Geral continuação:

1. Segurados do Regime Geral continuação: 1 DIREITO PREVIDENCIÁRIO PONTO 1: Segurados do Regime Geral continuação PONTO 2: Alíquotas de Contribuição dos Segurados Obrigatórios PONTO 3: Requisitos para Concessão do Beneficio PONTO 4: Dependentes

Leia mais

A proteção previdenciária do brasileiro no exterior

A proteção previdenciária do brasileiro no exterior A proteção previdenciária do brasileiro no exterior Hilário Bocchi Junior Especialista em Previdência Social 1 A Seguridade Social está prevista no capítulo II do título VIII (Da Ordem Social) da Constituição

Leia mais

Prova Comentada TRT/SP Direito Previdenciário. XX. (Analista Judiciário Área Judiciária/TRT-2/FCC/2014):

Prova Comentada TRT/SP Direito Previdenciário. XX. (Analista Judiciário Área Judiciária/TRT-2/FCC/2014): Prova Comentada TRT/SP Direito Previdenciário XX. (Analista Judiciário Área Judiciária/TRT-2/FCC/2014): 54. Uma vez criados por lei do ente federativo, vinculam-se aos regimes próprios de previdência social

Leia mais

Para cada valor depositado pelo participante a título de contribuição básica a Patrocinadora depositará valor idêntico.

Para cada valor depositado pelo participante a título de contribuição básica a Patrocinadora depositará valor idêntico. Apresentação Este é o MANUAL DO PARTICIPANTE da PRECE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR, material explicativo que descreve, em linguagem simples e precisa, as características gerais do Plano CD, com o objetivo

Leia mais

Proposta de ajustes nas despesas do FAT e da Previdência. 29 de Dezembro de 2014

Proposta de ajustes nas despesas do FAT e da Previdência. 29 de Dezembro de 2014 Proposta de ajustes nas despesas do FAT e da Previdência 29 de Dezembro de 2014 Políticas para o Mercado de Trabalho nos governos Lula e Dilma 2 Aumento do poder de negociação dos trabalhadores, com forte

Leia mais

Tudo o que você quer saber sobre a Previdência Social. 2 edição

Tudo o que você quer saber sobre a Previdência Social. 2 edição Tudo o que você quer saber sobre a Previdência Social a 2 edição Ministério da Previdência e Assistência Social MPAS Secretaria Executiva SE Secretaria de Previdência Social SPS Assessoria de Comunicação

Leia mais

CURSO DE CÁLCULOS DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS PARTE 1. Professor Roberto de Carvalho Santos www.ieprev.com.br roberto@ieprev.com.

CURSO DE CÁLCULOS DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS PARTE 1. Professor Roberto de Carvalho Santos www.ieprev.com.br roberto@ieprev.com. CURSO DE CÁLCULOS DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS PARTE 1 Professor Roberto de Carvalho Santos www.ieprev.com.br roberto@ieprev.com.br Institutos Período básico de cálculo BPC Salário-de-contribuição SC

Leia mais

Medida provisória 664/14, um atentado aos direitos sociais e previdenciários.

Medida provisória 664/14, um atentado aos direitos sociais e previdenciários. Medida provisória 664/14, um atentado aos direitos sociais e previdenciários. (Marilinda Marques Fernandes*) PRELIMINARMENTE O Governo Federal, em manifesta contradição com suas declarações de compromisso

Leia mais

APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO - Considerações Gerais

APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO - Considerações Gerais APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO - Considerações Gerais Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 10/04/2012. Sumário: 1 - Introdução 2 - Aposentadoria por Tempo de Contribuição - Conceito

Leia mais

REGIMES PREVIDENCIÁRIOS. Prof. Me. Danilo Ripoli

REGIMES PREVIDENCIÁRIOS. Prof. Me. Danilo Ripoli REGIMES PREVIDENCIÁRIOS parte 2 Prof. Me. Danilo Ripoli O PLANO DE BENEFÍCIOS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL No PBPS estão todas as normas que regem a relação jurídica entre segurados, dependentes e previdência

Leia mais

BENEFÍCIOS DO SERVIDOR PÚBLICO

BENEFÍCIOS DO SERVIDOR PÚBLICO BENEFÍCIOS DO SERVIDOR PÚBLICO Simulador de aposentadoria do Servidor Público? A Controladoria-Geral da União (CGU) disponibiliza, em seu site (http://www.cgu.gov.br/simulador/index.asp), um simulador

Leia mais

37º FONAI Maceió-AL. Atualização Técnica Princípio para assessorar a gestão.

37º FONAI Maceió-AL. Atualização Técnica Princípio para assessorar a gestão. 37º FONAI Maceió-AL Atualização Técnica Princípio para assessorar a gestão. 26 a 30/11/2012 Oficina Técnica Regras de Aposentadoria no Setor Público Pessoal Civil Cleison Faé Aposentadoria no Setor Público

Leia mais

MEMO Nº 06/2015. Assunto: Alterações provocadas pela MEDI DA PROVI SÓRI A Nº 664, DE 30/12/2014 PREVIDÊNCIA SOCIAL

MEMO Nº 06/2015. Assunto: Alterações provocadas pela MEDI DA PROVI SÓRI A Nº 664, DE 30/12/2014 PREVIDÊNCIA SOCIAL Aos Clientes Visão Consultoria MEMO Nº 06/2015 Tarumã,SP, 29 de Janeiro de 2015. Assunto: Alterações provocadas pela MEDI DA PROVI SÓRI A Nº 664, DE 30/12/2014 PREVIDÊNCIA SOCIAL Prezados (as) Senhores

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO

ACIDENTE DE TRABALHO ACIDENTE DE TRABALHO Conselho Federal de Medicina (CFM) RESOLUÇÃO CFM nº 1488/1988 É responsabilidade do médico estabelecer a relação causal ou o nexo técnico entre a doença e o trabalho História clínica

Leia mais

Quais os documentos exigidos para a concessão da aposentadoria por tempo de contribuição?

Quais os documentos exigidos para a concessão da aposentadoria por tempo de contribuição? Aposentadoria por Tempo de Contribuição Quem tem direito? Para ter direito à aposentadoria integral o trabalhador homem deve comprovar pelo menos 35 anos de contribuição e a trabalhadora mulher, 30 anos.

Leia mais

Apresentação. Contagem, Minas Gerais, julho de 2015. José Prata Araújo

Apresentação. Contagem, Minas Gerais, julho de 2015. José Prata Araújo Apresentação Durante muitos anos no Brasil, a previdência social foi tratada como sendo um assunto exclusivo de aposentados e pensionistas. Trata-se de um grave erro. Felizmente, mais recentemente, a questão

Leia mais

CARTILHA DA PREVIDÊNCIA MUNICIPAL. TatuíPrev. Instituto de Previdência Própria de Tatuí

CARTILHA DA PREVIDÊNCIA MUNICIPAL. TatuíPrev. Instituto de Previdência Própria de Tatuí CARTILHA DA PREVIDÊNCIA MUNICIPAL TatuíPrev Instituto de Previdência Própria de Tatuí 2013 APRESENTAÇÃO A PREVIDÊNCIA SOCIAL é um direito do trabalhador e de sua família, garantido pela Constituição Federal,

Leia mais

Orientações sobre Benefícios do INSS

Orientações sobre Benefícios do INSS Orientações sobre Benefícios do INSS A PREFEITURA DE GUARULHOS MANTÉM UM CONVÊNIO COM O INSS AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL DE GUARULHOS PARA REQUERIMENTO DOS SEGUINTES BENEFÍCIOS: AUXÍLIO DOENÇA PREVIDENCIÁRIO,

Leia mais

A APOSENTADORIA DO PROFESSOR

A APOSENTADORIA DO PROFESSOR A APOSENTADORIA DO PROFESSOR TIAGO FAGGI ON I BACHUR advogado militante nas áreas cível, comercial e previdenciária (formado pela Faculdade de Direito de Franca em 1998); sócio-fundador de Bachur e Vieira

Leia mais

A PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO

A PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Previdência Social A PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO SALVADOR-BA, 17 DE JULHO DE 2004 PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO RPPS INSTITUÍDOS NO BRASIL Possibilidade

Leia mais