2 OBJETIVOS 2.1 OBJETIVO GERAL 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2 OBJETIVOS 2.1 OBJETIVO GERAL 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS"

Transcrição

1 1- INTRODUÇÃO O presente projeto discute a importância do ato de ler e contar histórias no espaço da educação infantil para estimular e incentivar leitores desde pequenos. Acredita-se que essa atividade seja necessária e imprescindível para o processo de desenvolvimento da criança auxiliando-a na formação humana e, por isso deve ser valorizada e desenvolvida no meio escolar a fim de potencializar a imaginação, a linguagem, a memória, a expressividade, o gosto pela leitura, além de contribuir no processo de aprendizagem e socialização da criança. Nota-se que a contação de histórias é uma forma de humanizar e fazer laços, ações que são percebidas ao ver a presença das narrações ao longo da história da humanidade, caracterizando a busca do conhecimento. É um dos meios mais antigos de interação humana. A história aquieta, serena, prende a atenção, informa, socializa e ensina. E dessa forma a criança constrói seu próprio conhecimento, alicerçado em sua interação e nos estímulos recebidos. Assim, ocorre o desenvolvimento das potencialidades intelectuais, e elas adquirem o gosto pela literatura. Partindo desses pressupostos, a coordenação pedagógica desenvolveu o projeto ler, contar, recontar e encantar é só começar com o objetivo de orientar e acompanhar as educadoras na realização de atividades de leitura e contação de histórias com as crianças do Centro de Educação Infantil Sônia Borges Silveira.

2 2 OBJETIVOS 2.1 OBJETIVO GERAL Estimular os professores para que eles percebam a importância da leitura e da contação de histórias para crianças desde os berçários. Ao ouvir histórias lidas ou contadas, elas têm seu desenvolvimento cognitivo, emocional e social estimulado. 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Proporcionar aos professores sessões de estudos e de preparação para a elaboração e execução do projeto. Sugerir aos professores, formas ou maneiras de como a literatura infantil pode ser trabalhada, metodologia diversificada, uso de recursos variados, bem como registrar a trajetória da execução do projeto. Orientar os professores na seleção de livros, os quais devem conter histórias e versos, obras que sejam significativas e que possam atravessar anos da infância. É necessário investir em obras que abordam as relações pessoais, o cotidiano, as brincadeiras. É importante contar e encantar Orientar os professores que para trabalhar a leitura e a contação de histórias para os pequenos, primeiro é preciso ler antes de escolher ou selecionar. Mostrar/orientar os professores que o tempo da criança é diferente do tempo do adulto e de todas as crianças, por isso precisa ser respeitado. A leitura não é um exercício com início, meio e fim. Ela pode ser interrompida, feita em partes não ser terminada, o importante é envolver as crianças. Acompanhar os professores em todas as etapas do desenvolvimento do projeto, sugerindo metodologias, confeccionando materiais, obras literárias, enfim, trabalhar junto com a equipe docente. Desenvolver vínculos entre a escola, a família e a leitura, incentivando os pais para participarem da execução do projeto, lendo ou contando uma história, e prestigiando as apresentações teatrais das crianças. Orientar os professores para que saibam ouvir as crianças e não interrompê-las em suas narrativas, bem como comemorar quando elas comentarem o que ouviram.

3 Esclarecer aos professores que um conto lido é diferente de uma história contada. Incentivar e elogiar os professores em suas realizações de leitura e de contação de histórias com as crianças.

4 3 - JUSTIFICATIVA As crianças do Centro de Educação Infantil têm idade entre quatro meses a quatro anos. Elas necessitam do aprendizado da fala, do brincar, da socialização, de interagir com outras pessoas, outras crianças. Precisam ouvir para aprender a falar e se expressar. São filhos de pais e mães trabalhadoras, em geral nas usinas canavieiras, como também mães que trabalham como empregadas domésticas e que passam o dia todo fora de casa. Quando elas chegam em seus lares, não têm tempo para conversar com seus filhos e muito menos ler para eles, pois ainda têm que cuidar dos afazeres de casa, lavar, passar, cozinhar e outros. Em finais de semana, as crianças passam o dia todo assistindo televisão ao invés de dialogar com os pais, ouvir histórias contadas por eles, boas leituras, enfim, conversar com seus pais. A leitura, a contação de histórias, as cantigas, e as conversas com as crianças na primeira infância são fundamentais para a construção do sujeito, para o desenvolvimento da fala, para a ampliação e enriquecimento do vocabulário. Como as crianças permanecem na escola dez horas diária, justifica-se o desenvolvimento do projeto, cujo objetivo é proporcionar às crianças uma aprendizagem lúdica e estimuladora, tornando a leitura e a contação de histórias um ato de prazer e de aprendizagem.

5 4 PROBLEMÁTICA Os educadores de educação infantil precisam estar cientes de que os bebês estão literalmente criando seus cérebros enquanto se comunicam. Eles também precisam lembrar que os bebês e as crianças pequenas são poderosos pensadores e construtores de significados e necessitam das atividades diárias para poder compreender seu mundo de pessoas e objetos. Eles devem encontrar modos de atender as necessidades individuais complexas das crianças. E o que se percebe muitas vezes é o despreparo por parte de muitos educadores, falta de conhecimento com relação ao desenvolvimento infantil, que não exercitam o ato de ler e que muitas vezes não oferecem condições para o aprendizado infantil. Para transformar essa realidade é imprescindível que os educadores dos primeiros anos de vida nutram a escuta e a fala das crianças, porque são meios importantes de dar sentido ao mundo. A capacidade de expressão oral ajuda as crianças a se tornarem parte de uma cultura e de uma comunidade. O currículo dos primeiros anos de vida deve ser repleto de conversas, brincadeiras, narrativas, leituras, poesias, poemas e muita ludicidade.

6 5 - HIPÓTESES A leitura e a contação de histórias na primeira infância é fundamental para construção do sujeito. Leitura e contação de histórias para bebês são importante para construção da linguagem e da relação deles com as pessoas que os cercam. Portanto, ler ou contar para eles, auxilia-os na construção de significados para as coisas. Textos poéticos e literários, ou seja, textos variados auxiliam na construção de uma linguagem rica, harmoniosa, tendo em vista que o falar cotidiano é pobre. Disponibilidade e cumplicidade com as leituras e histórias feitas com as crianças fazem com que o contato com elas se torne profundo e prazeroso. Histórias lidas ou contadas desenvolvem a comunicação e o diálogo das crianças, fazendo-as conhecer outros mundos, outras culturas

7 6 - REFERENCIAIS TEÓRICOS A arte de contar histórias é uma tradição antiga. Nossos avôs e nossos pais nos contaram belíssimas histórias, fazendo-nos viajar pelo mundo da imaginação. Podemos dizer que o ato de contar histórias para as crianças está presente em todas as culturas letradas ou não, desde os primórdios do homem. Toda história por mais simples que seja, transmite algo a mais no desenvolvimento da criança. Além disso, contar bem uma história pode entrar na comunicação oral, ser convincente, saber argumentar, contar não só pela magia do contador, mas pela magia de encantar. Esta fantástica viagem pelo mundo da leitura auxilia no desenvolvimento do imaginário, da criatividade e até mesmo no autoconhecimento uma vez que trabalha as emoções de cada indivíduo. Contar histórias, fazer leituras na primeira infância é fundamental na construção do sujeito, tornando-o autônomo, criativo, com capacidade de expressão. Ao contar histórias para os pequenos, damos a eles a chance de encontrarem nelas ecos de sentimentos que ainda não conseguem explicar, embora os experimentem com frequência. O bebê vem ao mundo com uma sensibilidade muito grande à voz humana. Ao ouvir tenta construir significados. A fala se forma assim, ouvindo os outros falarem. É durante a leitura que os bebês têm a oportunidade de ouvir e esse tempo é fundamental. Na primeira infância, o hábito de ler, de contar histórias deve ser integrado ás competências naturais que as crianças têm. Assim elas constroem significados para as coisas. A partir de então, a linguagem começa a se transformar em uma companheira para a vida toda. E para que isso aconteça é necessário ler para os bebês livros que falem com eles, e não sobre eles. Devemos ler textos poéticos e literários. Nossa língua é uma fonte inesgotável de produção de frases e de encontro de palavras, coisas que só são descobertas quando temos o hábito de ler e de contar histórias para eles. Cabrejo Parra (entrevista concedida à Revista Nova Escola- janeiro/fevereiro-2013) fala que para ler para criança pequena, a primeira coisa é ter disponibilidade para amar as obras destinadas às crianças. Isso pode parecer um pouco romântico, no entanto durante a leitura de um adulto para uma criança, é preciso haver cumplicidade. Se você não gostar da historia lida, não adianta nada. Se a criança comenta a leitura, é interessante que o leitor faça

8 uma festa, comemore, para que ela se dê conta de que está sendo ouvida de verdade. Desta forma, é importante que o educador tenha consciência em fomentar a leitura desde cedo. Segundo Edmir Perrotti (entrevista concedida à Revista Pátio julho/ setembro/ 2010), contar histórias é uma arte, é fantástico e tem de ser cultivada desde cedo. É muito importante a narração para os pequenos, mas é necessário permitir que eles contem histórias para nós adultos e para seus colegas. Saber ouvir é uma arte fundamental. Cada criança tem sua própria história, seu modo de interpretá-la e, portanto, pode querer comentar ou fazer uma nova versão. Então é necessário que o narrador escute, preste atenção em seus ouvintes. Afinal não é só o contador que desempenha esse papel. Despolarizar esse ato é contribuir com o crescimento do ser humano enquanto pessoa, que ouve e sabe ouvir, e assim o educador propicia oportunidades de as crianças se desenvolverem com autonomia e independência. Deixar as crianças levarem um livro para a casa para ser lido com seus familiares, é um fato que deve ser considerado. As crianças desde muito pequenas, podem construir uma relação prazerosa com a leitura. Compartilhar essas descobertas com seus familiares é um fator positivo nas aprendizagens das crianças, dando um sentido mais amplo para a leitura. (RCNEI, V.3, p. 135). Ler ou contar histórias é um momento valioso para a educação integral das crianças, de sonhar, imaginar, criar, de pensar, enfim, crescer enquanto pessoa. Abramovich (2007) destaca a importância de a criança ouvir muitas histórias e comenta que esta ação é que formará o bom leitor, propiciando um caminho absolutamente infinito de descobrimento e compreensão do mundo. Segundo a referida autora a contação de histórias tem papel fundamental no desenvolvimento intelectual. Quando a criança se interessa pela leitura, sua imaginação é estimulada, bem como o desenvolvimento comunicativo, na interação com o narrador, com os colegas e na interação sociocultural; ajuda ainda no seu desenvolvimento físico- motor, no seu esforço de ouvir e recontar as histórias para outras crianças. Além disso, a leitura e a contação de história se constitui em um ótimo instrumento para ensinar sem que se torne monótono. A criança está começando a conhecer o mundo, e esta descoberta realizada de forma prazerosa. É através duma história que se podem descobrir outros lugares, outros tempos, outros jeitos de agir e de ser, outra ética, outra ótica... E ficar sabendo História, Geografia, Filosofia, Política, Sociologia, sem precisar saber o nome disso tudo e muito menos achar que tem cara de aula... Porque, se tiver, deixa de ser literatura, deixa de ser prazer e passa a ser Didática, que é outro departamento, não estão preocupados em abrir as portas do mundo. (ABRAMOUVICH 2007, p17). De acordo com os autores citados, percebe-se que além de transmitir, a literatura infantil é responsável pelo desenvolvimento da comunicação e do diálogo da criança com

9 outros mundos, além de ser ótima opção de recreação e divertimento. Assim, quanto mais cedo esta atividade for introduzida na vida da criança, maior será a facilidade para a formação de adulto fascinado pelo mundo da leitura. É importante destacar que, mesmo em meio a Alta Tecnologia as histórias infantis permanecem insubstituíveis. O que elas proporcionam às crianças, nenhum equipamento, por mais moderno que seja pode transmitir. Ler ou contar história é algo inexplicável, contagioso, interativo e estimulador. Portanto, ler, contar, encantar é só começar.

10 7 METODOLOGIA 7.1 METODOLOGIA DA COORDENADORA PEDAGÓGICA VILMA MARIA LEITE BARBOSA 1º - Passo Conversa com os professores durante os planejamentos para discutir a importância das histórias lidas ou contadas desde os berçários, pois a leitura, o diálogo, o olhar nos olhos, os gestos, a contação de histórias aguçam a imaginação das crianças. Esse é o momento de envolver os professores e esclarecê-los de que ao ouvir histórias, os bebês assim como as crianças pequenas têm seu desenvolvimento cognitivo, emocional e social estimulados. As atividades serão desenvolvidas de forma individual ou em grupo, em sala, no pátio, no salão do refeitório e através de visitas à Biblioteca do SESI, de acordo com as condições climáticas e as necessidades das crianças. 2º - Passo Auxiliar os professores na seleção de bibliografias que servirão de referências para a elaboração do projeto. 3º - Passo Assessorar os professores na elaboração do projeto, levando em consideração as faixas etárias das crianças, bem como suas necessidades. 4º - Passo Ajudar os professores na seleção de livros, os quais devem conter histórias e versos, enfim, obras significativas que possam atravessar anos da infância. É necessário investir em obras que abordam o cotidiano, as brincadeiras, as relações pessoais, e que possam encantar as crianças.

11 5º - Passo Orientar os professores que para trabalhar a leitura e a contação de histórias para os pequenos, primeiro é preciso ler, interagir com a obra, conhecer seus personagens, ou até mesmo ensaiar essa atividade para poder encantar as crianças. 6º - Passo Confeccionar juntamente com os professores materiais como aventais, fantoches, cartazes, personagens e outros objetos para serem utilizados na leitura e contação de histórias. 7º - Passo Assessorar os professores na execução do projeto, em todas as turmas, bem como acompanhar as atividades em sala, no pátio e no salão do refeitório. 8º - Passo Realizar mensalmente com os educadores dramatizações envolvendo toda a comunidade escolar (educadores, alunos e pais). 9º - Passo Reunir com os professores para avaliar a aprendizagem das crianças, como elas interagirem com as atividades e com os livros. Enfim, quais os progressos que a leitura e a contação de histórias propiciaram às crianças. 10º - Passo Registrar todo desenvolvimento do projeto mediante relatórios ou fotos para comprovar sua execução.

12 7.2 METODOLOGIA DA COORDENADORA PEDAGÓGICA OLGA PORFIRIA DE ALCARÁ MENDES As atividades serão desenvolvidas de forma individual e também no coletivo, em um ambiente de cooperação e diálogo, com a ajuda das professoras e das auxiliares de desenvolvimento infantil, na intenção de que este projeto possa proporcionar mudanças e alcançar os objetivos propostos. Primeiramente será feito reuniões com os professores em dias de planejamento para discutir a importância de se trabalhar a literatura infantil desde cedo com as crianças, despertando o gosto pela leitura, aguçando a imaginação e a criatividade. Também, em dias de planejamento serão confeccionados materiais como: máscaras, fantoches, cartazes pela coordenação pedagógica para auxiliar os educadores no desenvolvimento do projeto. Acompanhamento e orientação aos professores na elaboração do cronograma de atividades, sugerindo atividades e metodologias diferenciadas para estimular a leitura e contação de histórias. As atividades serão realizadas em sala, no pátio do CEI ou no salão do refeitório, conforme escolha das professoras, levando em consideração as condições climáticas. Haverá também visitas à biblioteca do SESI, onde serão feitas leituras e contações de histórias conforme o planejamento da bibliotecária. Uma vez por mês, será dramatizada uma história, no salão do refeitório, com a participação de todas as turmas. Os pais serão convidados a prestigiar esse evento. Serão utilizados materiais diversos, como livros de literatura infantil, poesias, poemas, aventais, fantoches, músicas, fantasias demais acessórios para melhor dramatizar as histórias. Todas as atividades realizadas com as crianças pelas professoras serão orientadas e acompanhadas pela coordenação pedagógica conforme registro em ata ou também por meio de fotos.

13 8- CRONOGRAMAS 8.1: CRONOGRAMA DA COORDENADORA PEDAGÓGICA OLGA P. DE ALCARÁ MENDES DATA AÇÃO 03/06/2013 Reunião da coordenação pedagógica para decidir o tema do projeto. 04/06 a 10/06/2013 Seleção de bibliografias e estudos para a fundamentação teórica 11/06 a 14/06/2013 Elaboração do projeto da coordenação pedagógica. 17/06/2013 Apresentação e discussão sobre o tema com os professores 25/06/ a 04/07/ /06/2013 Confecção de materiais como: máscaras, fantoches, cartazes pela coordenação pedagógica. Acompanhamento e assessoramento aos professores na elaboração do cronograma de atividades. 27/06/2013 Sessão de estudos com os professores sobre leitura e contação de histórias. 28/06/2013 Seleção de livros de contação de história para as crianças. 24/06 a 04/07/2013 Acompanhamento e orientação do desenvolvimento das atividades dos professores com as crianças por nível, fora da sala de aula. 18/07/2013 Apresentação e dramatização de histórias infantil envolvendo todas as turmas. 23/07 a 01/11/2013 Acompanhamento e assessoramento aos professores na contação de histórias com aventais, livros, fantoches, fantasias e outros, durante o

14 desenvolvimento do projeto. 05/08 a 09/08/2013 Dramatização da história, em sala no nível I B, I C, II A, II C. 18/08 a 29/10/2013 Segunda- Feira- Acompanhar realização de atividades no nível I B. Terça Feira- Acompanhar realização de atividades no nível I C. Quarta Feira- Acompanhar realização de atividades no nível II A. Quinta- Feira- Acompanhar realização de atividades no nível II C. 30/10/2013 Encerramento do projeto com apresentações dos alunos para todo o CEI 01/11/2013 Avaliação final do projeto da coordenação pedagógica, pelos professores. Avaliação de desempenho dos professores no desenvolvimento do projeto com as crianças pela coordenação pedagógica 04/11/2013 Encerramento do projeto com apresentações e dramatizações dos alunos para os pais.

15 8.2 CRONOGRAMA DA COORDENADORA PEDAGÓGICA VILMA MARIA LEITE BARBOSA DATA AÇÃO 03/06/2013 Reunião da coordenação pedagógica para decidir o tema do projeto. 04/06 a 10/06/2013 Seleção de bibliografias e estudos para a fundamentação teórica. 11/06 a 14/06/2013 Elaboração do projeto da coordenação pedagógica para orientar os professores nas práticas de leituras e de contação de histórias. 17/06/2013 Apresentação e discussão sobre o tema com os professores e sugestões de leituras para maior entendimento sobre o tema. 24/06 a 05/07/2013 Confecção de materiais como: aventais, fantoches, cartazes e máscaras pela coordenação pedagógica. 25/06/2013 Sessão de estudos com os professores sobre a leitura e contação de histórias na primeira infância e suas implicações. 25/06 a 05/07/2013 Acompanhamento e orientação na elaboração do projeto dos professores, por nível e turma. 18/07/2013 Apresentação e dramatização de histórias infantis envolvendo todas as turmas e as ADIs. 22/07 a 04/11/ /07/2013 Acompanhamento e assessoramento aos professores no desenvolvimento do projeto com suas respectivas turmas. Visita à Biblioteca do SESI pelas turmas dos Prés: IA e IB -Contação de histórias pelas bibliotecárias.

16 08/08/2013 Dramatização de histórias por todas as turmas, no salão do refeitório. 23/07 a 29/10 Segunda Feira Acompanhar realização de atividades no nível II B. Terça Feira Acompanhar realização de atividades no Pré IA. Quarta Feira Acompanhar realização de atividades no nível I A. Quinta Feira Acompanhar realização de atividades no Pré I B. 01/11/2013 Reunião com os professores para discutir as apresentações do encerramento do projeto para os pais. 30/11/2013 Apresentações teatrais dos alunos para os educadores e para os colegas do CEI. 04/11/2013 Encerramento do projeto dos professores com apresentações teatrais doa alunos para os pais. 05/11/2013 Avaliação do desempenho dos professores no desenvolvimento do projeto com as crianças pela coordenação pedagógica. Avaliação do projeto da coordenação pedagógica pelos professores.

17 9- AVALIAÇÃO 9.1- AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS COORDENADORA OLGA A avaliação da aprendizagem dos alunos foi feitas através de observação e registros, tanto da prática pedagógica dos professores como do envolvimento e aceitação das crianças nas atividades propostas. A avaliação foi contínua, por meio de observação minuciosa de todo o comportamento do educando, em trabalhos coletivos e individuais, através de registro de atividades, resposta oral e participação, reprodução oral e garatujas e concentração, atenção, cantigas, respeitando a faixa etária de cada criança, bem como a capacidade de cooperação, socialização, espontaneidade, interação. Tudo foi registrado mediante relatórios e fotos, o que servirá para auxiliar na avaliação da aprendizagem das crianças, como também será para a autoavaliação da coordenação pedagógica 9.2- AVALIAÇÃO DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Avaliação do projeto da coordenação pedagógica pelos professores foi feita através de relatórios escritos, em anexos. Como pode analisar foi muito bem recebido e aceito esse projeto tanto pelos educadores quanto pelos educandos.

18 9.3 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS COORDENADORA VILMA MARIA LEITE BARBOSA A avaliação da aprendizagem dos alunos foi feita no decorrer da realização do projeto mediante observação e registro escrito, levando em consideração o interesse e o envolvimento dos alunos nas atividades propostas. Durante o desenvolvimento do projeto, percebeu-se um grande avanço na aprendizagem das crianças, tornaram-se mais autônomas e independentes, com capacidade de expressão e criatividade, sem contar o gosto que tomaram pela leitura. A forma de interação com as histórias lida ou contada contribuiu para a socialização entres as crianças e os livros. Houve melhora significativa na fala e na comunicação, percebido tanto em sala de aula como nas apresentações e dramatizações AVALIAÇÃO DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA PELOS PROFESSORES A avaliação do projeto da coordenação pedagógica pelos professores foi feita mediante relatórios escritos, através dos quais pode-se dizer o quanto essa forma de trabalho beneficiou a aprendizagem dos alunos e o aperfeiçoamento da prática pedagógica. E que os estudos realizados com a coordenação pedagógica deu maior sentido às práticas de leituras e contação de histórias com bebês e crianças pequenas, servindo também para a autoavaliação da coordenação pedagógica.

19 10- REFERÊNCIAS ABRAMOVICH, Fanny. Literatura Infantil: gostosuras e bobices. São Paulo: Scipione, (2007) BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília. MEC/SEF v. CRAIDY. Carmem M. Educação infantil pra que te quero?. Porto Alegre, RS: Artmed, SARAIVA, J.A. MUGG, E. e colaboradores. Literatura na escola. Porto Alegre, RS: Artmed, REVISTA PÁTIO. Porto Alegre: Artsmed, Ano VIII, Nº 24, Julho/Setembro 2010 REVISTA NOVA ESCOLA. São Paulo: Abril, Nº 259, Janeiro/Fevereiro 2013.

20 - Contação de História no salão do refeitório - II B - Musica dramatizada Sítio do Seu Lobato com fantoches - Pré I A Brincando de faz-de-conta - Berçário I A Contação de história no cantinho da leitura Pré I B - Contação de história com utilização de fantoches no - História contada e dramatizada Pré I A cantinho da leitura Pré I B

21 - História recontada pela criança Pré I A Diálogo informal na rodinha: momento de reflexão. Sessão de estudos com as educadoras Folheação de revistas - Berçário I A Dramatização da história: Bumba Boi- Pré I A

22 - Contação de histórias com utilização de acessórios. - Folheação de livros e revistas - Berçário I B - Contação de história da Branca de Neve com Avental. - Sessão de estudos com as professoras - Visita a Biblioteca do SESI. - História com avental Os Três Porquinhos.

23 Apresentação da música dramatizada do sapinho II A Dramatização da música: seu lobo está? I C Dramatização do conto: festa no céu- II C

24 Dramatização da música: Linda rosa juvenil- Pré I B Dramatização da música: Bonequinha - II B Visita a Biblioteca do SESI

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

CRECHE MUNICIPAL MACÁRIA MILITONA DE SANTANA PROJETO LITERATURA INFANTIL: "MUNDO ENCANTADOR"

CRECHE MUNICIPAL MACÁRIA MILITONA DE SANTANA PROJETO LITERATURA INFANTIL: MUNDO ENCANTADOR CRECHE MUNICIPAL MACÁRIA MILITONA DE SANTANA PROJETO LITERATURA INFANTIL: "MUNDO ENCANTADOR" CUIABÁ-MT 2015 CRECHE MUNICIPAL MÁCARIA MILITONA DE SANTANA 1- Tema: "Mundo Encantador" 1.2- Faixa etária: 2

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL EVELISE RAQUEL DE PONTES (UNESP). Resumo O ato de contar histórias para crianças da educação infantil é a possibilidade de sorrir, criar, é se envolver com

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

BIBLIOTECA VIVA: CONHECENDO O MUNDO ATRAVÉS DOS LIVROS RESUMO

BIBLIOTECA VIVA: CONHECENDO O MUNDO ATRAVÉS DOS LIVROS RESUMO BIBLIOTECA VIVA: CONHECENDO O MUNDO ATRAVÉS DOS LIVROS Camila Alves de Araujo Maria 1 ; Juciene da Silva Gomes 2 ; Ireny Morassu ³; Maria José de Jesus Alves Cordeiro 4 UEMS Cidade Universitária de Dourados-

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães.

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. Autores: DILMA ANTUNES SILVA 1 ; MARCELO NASCIMENTO 2. Modalidade: Relato de experiência.

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

PROJETO MAGIA DAS HISTÓRIAS INFANTIS

PROJETO MAGIA DAS HISTÓRIAS INFANTIS COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PROJETO MAGIA DAS HISTÓRIAS INFANTIS SÉRIE: Berçário A Berçário

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO

ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO Projeto escolar com a temática Livro Amigo produzido no ano de 2012, 2013 e em andamento em 2014, por todos os integrantes da escola e comunidade.

Leia mais

A importância da leitura na fase infantil.

A importância da leitura na fase infantil. EDIÇÃO II VOLUME 3 01/04/2011 A importância da leitura na fase infantil. O desenvolvimento de interesses e hábitos permanentes de leitura é um processo constante, que principia no lar, aperfeiçoa-se sistematicamente

Leia mais

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves TEMA : BRINCANDO E APRENDENDO NA ESCOLA Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves Autora: Prof a Cássia de Fátima da S. Souza PÚBLICO ALVO Alunos de 04 anos TEMA: BRINCANDO E

Leia mais

PROJETO ERA UMA VEZ...

PROJETO ERA UMA VEZ... PROJETO ERA UMA VEZ... TEMA: Contos de Fada PÚBLICO ALVO: Alunos da Educação Infantil (Creche I à Pré II) JUSTIFICATIVA O subprojeto Letramento e Educação Infantil, implantado na EMEI Sementinha, trabalha

Leia mais

]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt. Nossas ações durante o ano de 2013. Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. Leitura livre.

]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt. Nossas ações durante o ano de 2013. Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. Leitura livre. ]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. ANO 2013-1ª EDIÇÃO A equipe gestora está sempre preocupada com o desempenho dos alunos e dos educadores, evidenciando

Leia mais

ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014

ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014 ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014 Justificativa do Projeto Conhecer o corpo humano é conhecer a vida, poucos assuntos são tão fascinantes para os alunos quanto esse. Por menores que sejam as crianças,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE FLORESTA ISEF PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO FLORESTA PE 2013 SUMÁRIO I. JUSTIFICATIVA II. OBJETIVO A. GERAIS B. ESPECIFICOS III. DESENVOLVIMENTO IV. CRONOGRAMA

Leia mais

Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL MENDONÇA, Magda Letícia Bezerra 1 Palavras-chave: Histórias, Educação infantil A presente apresentação refere-se a parte do trabalho

Leia mais

O LÚDICO NA APRENDIZAGEM

O LÚDICO NA APRENDIZAGEM O LÚDICO NA APRENDIZAGEM RESUMO Aline Hahn Affeldt Prof. Janaina de Souza Aragão Centro Universitário Leonardo da Vinci-UNIASSELVI Pedagogia (PED 7051) Metodologia e Conteúdos Básicos de Comunicação e

Leia mais

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014 C O L É G I O L A S A L L E Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 2000 - Fone (045) 3252-1336 - Fax (045) 3379-5822 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ PROGRAMA DE 2014 DISCIPLINA: LINGUAGEM

Leia mais

CAIXA MÁGICA. Sala 6 Língua Portuguesa EF I. E.E. Heidi Alves Lazzarini. Professora Apresentadora: Renata Lujan dos Santos Mufalo.

CAIXA MÁGICA. Sala 6 Língua Portuguesa EF I. E.E. Heidi Alves Lazzarini. Professora Apresentadora: Renata Lujan dos Santos Mufalo. CAIXA MÁGICA Sala 6 Língua Portuguesa EF I E.E. Heidi Alves Lazzarini Professora Apresentadora: Renata Lujan dos Santos Mufalo Realização: Justificativa Toda história, por mais simples que pareça, transmite

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL GEANE SANTANA ROCHA QUIXABEIRA CMEI Criança Feliz geanezinha@gmail.com ANADIR FERREIRA DA SILVA Secretaria Municipal de Educação laurapso@hotmail.co.uk

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Evelise Raquel de Pontes Mariane Soares Sana Orientadora: Renata Junqueira de Souza. Instituição: Universidade Estadual

Leia mais

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA Escola de Ensino Médio João Barbosa Lima PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA DESPERTANDO O GOSTO PELA LEITURA E A ARTE DE ESCREVER Projeto na Sala de PCA da Área de Linguagens e Códigos PROEMI -Programa

Leia mais

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS COMO RECURSO METODOLÓGICO PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS COMO RECURSO METODOLÓGICO PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS COMO RECURSO METODOLÓGICO PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Resumo: José Roniero Diodato Marilene Severina de Oliveira Ana Claudia do Nascimento Glauciane

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR ANNA PAULA SILVA (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS), ELIANE FERREIRA PINTO (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS). Resumo A reciclagem tem como principal foco a conscientização

Leia mais

Projeto Paz na Escola

Projeto Paz na Escola Projeto Paz na Escola Olímpia Terezinha da Silva Henicka Dariléia Marin Em uma sociedade como a nossa, na qual a riqueza é tão mal distribuída, a preocupação com a sobrevivência deve ser maior que as preocupações

Leia mais

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES Mércia Rodrigues Gonçalves Pinheiro, UESB RESUMO O presente trabalho foi articulado através de pesquisa de campo, utilizando observação direta e entrevista

Leia mais

Projeto de Atuação Pedagógica junto ao Museu. Internacional de Ufologia, História e Ciência. Victor Mostajo.

Projeto de Atuação Pedagógica junto ao Museu. Internacional de Ufologia, História e Ciência. Victor Mostajo. Projeto de Atuação Pedagógica junto ao Museu Internacional de Ufologia, História e Ciência Victor Mostajo. Cátia Bairro Ferreira Santa Maria, RS 2009. 1 Oficina Lúdico Pedagógica - Dinossauros A criança

Leia mais

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E AS PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO DESENVOLVIDO NA PUCGOIÁS/GOIÂNIA

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E AS PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO DESENVOLVIDO NA PUCGOIÁS/GOIÂNIA GT 13 - DIÁLOGOS ABERTOS SOBRE A EDUCAÇÃO BÁSICA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E AS PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO DESENVOLVIDO NA PUCGOIÁS/GOIÂNIA Daniella

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

IFA MIRIM PROJETO: LEIA PARA MIM!

IFA MIRIM PROJETO: LEIA PARA MIM! IFA MIRIM PROJETO: LEIA PARA MIM! Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história.

Leia mais

Atividade Pedagógica Teatro de fantoches. Junho 2013

Atividade Pedagógica Teatro de fantoches. Junho 2013 Atividade Pedagógica Teatro de fantoches Junho 2013 III D Teatro de fantoches A criança que ainda não sabe ler convencionalmente pode fazê-lo por meio da escuta da leitura do professor, ainda que não possa

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 II A Jogos As crianças da Turma dos Amigos, desde os primeiros dias de aula, têm incluídos em sua rotina as brincadeiras com jogos de encaixe. Vários jogos estão disponíveis

Leia mais

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE SÃO VICENTE AUTOR(ES): MARIA DE FATIMA

Leia mais

Projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil

Projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil Projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil - Justificativa: O projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil iniciou no segundo semestre

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

A FORMAÇÃO DE LEITORES EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES: CONHECENDO UMA EXPERIÊNCIA.

A FORMAÇÃO DE LEITORES EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES: CONHECENDO UMA EXPERIÊNCIA. A FORMAÇÃO DE LEITORES EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES: CONHECENDO UMA EXPERIÊNCIA. Francisca Fabiana Ferreira da Silva 1 fabiana.igor@hotmail.com Francisca Mônica Paz de Sousa Dantas 2 monnyka@hotmail.com

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Organização do espaço e do tempo na Educação Infantil. TEMA 03 Profª Luciana Ribeiro Pinheiro

Organização do espaço e do tempo na Educação Infantil. TEMA 03 Profª Luciana Ribeiro Pinheiro Organização do espaço e do tempo na Educação Infantil TEMA 03 Profª Luciana Ribeiro Pinheiro DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL (2010) (p. 19-20) Organização de Espaço, Tempo e

Leia mais

CAIXA DE LEITURA - UM MUNDO DE FANTASIAS E DESCOBERTAS: UMA EXPERIÊNCIA DE CAMPO NUMA CRECHE MUNICIPAL

CAIXA DE LEITURA - UM MUNDO DE FANTASIAS E DESCOBERTAS: UMA EXPERIÊNCIA DE CAMPO NUMA CRECHE MUNICIPAL CAIXA DE LEITURA - UM MUNDO DE FANTASIAS E DESCOBERTAS: UMA EXPERIÊNCIA DE CAMPO NUMA CRECHE MUNICIPAL Márcia da Silva Cavalcanti, Graduanda de Pedagogia, UEPB O trabalho, Caixa de leitura um mundo de

Leia mais

CONTANDO HISTÓRIAS COM FANTOCHES NA EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATANDO A EXPERIÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE PEDAGOGIA/UFRN

CONTANDO HISTÓRIAS COM FANTOCHES NA EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATANDO A EXPERIÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE PEDAGOGIA/UFRN CONTANDO HISTÓRIAS COM FANTOCHES NA EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATANDO A EXPERIÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE PEDAGOGIA/UFRN Autoras: Claydianne dos Santos Freitas - Estudante do Curso de Pedagogia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CENTRO DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL BRASIL-ALEMANHA ALUNO: GINO BONA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CENTRO DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL BRASIL-ALEMANHA ALUNO: GINO BONA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CENTRO DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL BRASIL-ALEMANHA ALUNO: GINO BONA CONTOS DE FADAS NO ENSINO DA LÍNGUA ALEMÃ PARA A PRÉ-ESCOLA BÁSICA MUNICIPAL DR. ADALBERTO TOLENTINO DE

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRIZOLA, Silene Francisca dos Santos. (UNEMAT) silenefsb@hotmail.com SILVA, Maria Ivonete da. (UNEMAT) ivonete0304@hotmail.com RESUMO Este projeto foi desenvolvido

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: OBSERVAÇÃO PARTICIPATIVA NO ESTÁGIO Monica Isabel

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA Connie, a Vaquinha 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S): A Ponte 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) O episódio A Ponte faz parte da série Connie,

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Exposição e relato de experiências de Objetos Educacionais Construção de Instrumentos Musicais Artesanais. Rio Verde GO

Exposição e relato de experiências de Objetos Educacionais Construção de Instrumentos Musicais Artesanais. Rio Verde GO EMEFTI PROFESSOR WALDYR EMRICH PORTILHO GESTORA: GERLIANESANTANA GOUVEIA CABRAL COORD. ÁREA: ARISTÓTELES MESQUITA DE LIMA NETTO PROFESSORA SUPERVISORA: ELIZANGELA F. RODRIGUES Exposição e relato de experiências

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO USO DE TEXTOS LITERÁRIOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CONTRIBUIÇÕES DO USO DE TEXTOS LITERÁRIOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL CONTRIBUIÇÕES DO USO DE TEXTOS LITERÁRIOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Fabiana de Menezes Silva¹ Albertina Marília Alves Guedes² ¹Graduada em Pedagogia da Universidade de Pernambuco, Campus Petrolina. E-mail:

Leia mais

PREFEITURA DE CAXIAS DO SUL. SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA BIBLIOTECA PÚBLICA MUNICIPAL Dr. DEMETRIO NIEDERAUER

PREFEITURA DE CAXIAS DO SUL. SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA BIBLIOTECA PÚBLICA MUNICIPAL Dr. DEMETRIO NIEDERAUER PREFEITURA DE CAXIAS DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA BIBLIOTECA PÚBLICA MUNICIPAL Dr. DEMETRIO NIEDERAUER PROJETO MONTEIRO LOBATO - 2010 Caxias do Sul, agosto de 2010. Dados de identificação: E.M.E.F.

Leia mais

NOME DO PROJETO PROJETO MERGULHANDO NA LEITURA 2013 PÚBLICO ALVO Educação Infantil e Ensino Fundamental I

NOME DO PROJETO PROJETO MERGULHANDO NA LEITURA 2013 PÚBLICO ALVO Educação Infantil e Ensino Fundamental I NOME DO PROJETO PROJETO MERGULHANDO NA LEITURA 2013 PÚBLICO ALVO Educação Infantil e Ensino Fundamental I OBJETIVOS GERAIS: Promover o hábito da leitura entre os alunos; Proporcionar ao aluno o prazer

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 I A ADAPTAÇÃO Estamos chegando ao final do período de adaptação do grupo IA e a cada dia conhecemos mais sobre cada bebê. Começamos a perceber o temperamento, as particularidades

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

A leitura, um bem essencial

A leitura, um bem essencial A leitura, um bem essencial A leitura, um bem essencial A leitura é uma competência básica que todas as pessoas devem adquirir para conseguirem lidar de forma natural com a palavra escrita. Mas aprender

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER NO UNIVERSO INFANTIL Ana Maria Martins anna_1280@hotmail.com Karen de Abreu Anchieta karenaanchieta@bol.com.br Resumo A importância do ato de ler no cotidiano infantil é de

Leia mais

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto:

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto: PROJETO ANIMAIS 1. Tema: O mundo dos animais Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza e Sociedade (x) Matemática 2. Duração: 01/06

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO CIÊNCIA DAINFORMAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO CIÊNCIA DAINFORMAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO CIÊNCIA DAINFORMAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA A LITERATURA INFANTIL COMO INSTRUMENTO DE FORMAÇÃO DE LEITORES NA BIBLIOTECA

Leia mais

O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA

O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA Profa. Me. Michele Costa (Professora do Curso de Pedagogia das Faculdades COC) 06 e 07/04/2010 CONVERSAREMOS SOBRE: Planejamento e RCN: Oralidade na Educação

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Histórias do Senhor Urso 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S): O piado da coruja 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) O episódio O piado da Coruja

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Maracaju 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Pedagogia Obs.: Para proposta

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Outubro 2013

Atividades Pedagógicas. Outubro 2013 Atividades Pedagógicas Outubro 2013 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO IV A GRUPO IV B GRUPO IV C GRUPO IV

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA PÓLO GUARAI AS PRÁTICAS DE LEITURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA PÓLO GUARAI AS PRÁTICAS DE LEITURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA PÓLO GUARAI AS PRÁTICAS DE LEITURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Mara Luiza Silva 1 Resumo Este artigo relata o desenvolvimento

Leia mais

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA Gabriela Arcas de Oliveira¹; Joice Gomes de Souza²; Giana Amaral Yamin³. UEMS- CEP, 79804970- Dourados-MS, ¹Bolsista

Leia mais

Letramento: Um ano de histórias

Letramento: Um ano de histórias 1 Letramento: Um ano de histórias Joyce Morais Pianchão 1 RESUMO Ensinar a ler e escrever é a meta principal da escola. E para que todos exerçam seus direitos, exercendo com dignidade a sua cidadania na

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE ESTAGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE ARAPIRACA-AL: INTERVENÇÕES E REFLEXÕES.

EXPERIÊNCIA DE ESTAGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE ARAPIRACA-AL: INTERVENÇÕES E REFLEXÕES. 1 EXPERIÊNCIA DE ESTAGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE ARAPIRACA-AL: INTERVENÇÕES E REFLEXÕES. Eixo temático: Estágio supervisionado James dos Santos Ramos Universidade Federal de

Leia mais

PEDAGOGIA EM ESPAÇOS SOCIAIS: OLHARES E REFLEXÕES EM CAMPOS DE ESTÁGIO¹

PEDAGOGIA EM ESPAÇOS SOCIAIS: OLHARES E REFLEXÕES EM CAMPOS DE ESTÁGIO¹ PEDAGOGIA EM ESPAÇOS SOCIAIS: OLHARES E REFLEXÕES EM CAMPOS DE ESTÁGIO¹ ALVES, T. C.²; RENK, E. F.³; LEÃO, T.J.E. 4 ¹ Trabalho desenvolvido na disciplina de Estágio Curricular Supervisionado II Espaços

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Histórias do Senhor Urso. 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S) O Desfile a fantasia. 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) O episódio O desfile a

Leia mais

Projeto Educação Infantil 2011. Walter Armellei Júnior - diretor Alessandra Thomaz Vicente Lee - coordenadora

Projeto Educação Infantil 2011. Walter Armellei Júnior - diretor Alessandra Thomaz Vicente Lee - coordenadora Projeto Educação Infantil 2011 Walter Armellei Júnior - diretor Alessandra Thomaz Vicente Lee - coordenadora 1ª parte Fundamentação e escolhas de linha de atuação Fundamentação e escolhas de linha de atuação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO: PEDAGOGIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO: PEDAGOGIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO: PEDAGOGIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA I. Dados de Identificação: Escola:Escola Estadual Arthur Damé Professor (a): Professora supervisora do Pibid:

Leia mais

USANDO O ALFABETO MÓVEL COMO RECUSO DE RECUPERAÇÃO

USANDO O ALFABETO MÓVEL COMO RECUSO DE RECUPERAÇÃO USANDO O ALFABETO MÓVEL COMO RECUSO DE RECUPERAÇÃO Vera Lucia de Souza 1 ; Monique de Campos Ribeiro 2 ; Maria Rosa Leite da Silva 3; Kátia Nakamura 4; Maria de Lourdes dos Santos 5 1Bolsista/PIBID/PEDAGOGIA/UFGD.

Leia mais

MÚSICA E CONSTRUÇÃO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1

MÚSICA E CONSTRUÇÃO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 MÚSICA E CONSTRUÇÃO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 Autora: Juliete Soares de Albuquerque Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Co-autora: Geruslandia Almeida

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Conhecendo o Rosquinha. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Balinha e Dentinho encontram um cachorro perdido

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

O CURRÍCULO DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA NECESSÁRIA

O CURRÍCULO DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA NECESSÁRIA 1 O CURRÍCULO DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA NECESSÁRIA Joelma da Silva Moreira 1 Angela Maria Corso 2 RESUMO: O presente artigo, na condição de trabalho de conclusão de curso, pretende

Leia mais

Conhecendo O. História. Aprender com emoção, aprender para sempre. Nesta Edição:

Conhecendo O. História. Aprender com emoção, aprender para sempre. Nesta Edição: Página 1 Conhecendo O Nesta Edição: História 1 Corpo Docente Visita à Sabesp 2 Visita à Prefeitura Feira de Ciências 3 Festa Junina Festa do dia das mães 4 Visita ao Lar Irmã Julia Visita ao Viveiro Projeto

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Índice 1. Objetivos gerais:... 4 2. Objetivos específicos:... 5 3. Estratégias Educativas e Pedagógicas... 6 4. Atividades Sócio-Educativas... 7 5. Propostas

Leia mais

PROJETO RECICLAGEM. 1. Tema: Reciclar é bom, Reutilizar é melhor e Reduzir é melhor ainda. Área de abrangência: 2. Duração: 01 /03 a 31/03

PROJETO RECICLAGEM. 1. Tema: Reciclar é bom, Reutilizar é melhor e Reduzir é melhor ainda. Área de abrangência: 2. Duração: 01 /03 a 31/03 PROJETO RECICLAGEM 1. Tema: Reciclar é bom, Reutilizar é melhor e Reduzir é melhor ainda. Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita de Cássia Rangel Alves Rita.alves_2007@hotmail.com Paula Sabrina Barbosa de Albuquerque Paulasabrina.ba@hotmail.com

Leia mais

Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA

Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA Em ação! PARTE 1: (5 minutos) Procure alguém que você não conhece ou que conhece

Leia mais

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTOR(ES): STELA FERNANDES

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MINHA CIDADE É UM MORANGO

PROJETO DE PESQUISA MINHA CIDADE É UM MORANGO UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL Maria Rosane Flach Rosangela Beatriz Dienstmann

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua Marechal Floriano Peixoto, 61 Cep:84430-000 Fone/Fax:(42)34361327 e-mail: iuvalcidesmunhoz@seed.pr.gov.br Imbituva - Paraná Projeto de Leitura

Leia mais

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA 1 UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA INTRODUÇÃO Compreende-se que na promoção de ações de estímulo à leitura, a escola tem como instrumento

Leia mais

JUSTIFICATIVA E ARTICULAÇÃO COM O PROJETO PEDAGÓGICO:

JUSTIFICATIVA E ARTICULAÇÃO COM O PROJETO PEDAGÓGICO: DENOMINAÇÃO DO PROJETO : Convivência Social, Ética e Valores Humanos na Educação Infantil INÍCIO EM: 06 e 07 / 02 / 12 TÉRMINO EM : 05 / 12 / 12 TOTAL DE 156 HORAS Nunca estamos preparados para a surpresa

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATERNAL I

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATERNAL I COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE MATERNAL I SÉRIE: EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL

Leia mais