EFEITO DA ESCALA NA OBTENÇÃO DE PARÂMETROS MORFOMÉTRICOS EM PEQUENA BACIA EXPERIMENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EFEITO DA ESCALA NA OBTENÇÃO DE PARÂMETROS MORFOMÉTRICOS EM PEQUENA BACIA EXPERIMENTAL"

Transcrição

1 EFEITO A ESCALA NA OBTENÇÃO E PARÂMETROS MORFOMÉTRICOS EM PEQUENA BACIA EXPERIMENTAL Aline de Aleida Mota 1* ; Masato Kobiyaa 2 ; Roberto Fabris Goerl 3 ; Fernando Grison 4 ; Joana Nery Giglio 5 ; Albert Teixeira Cardoso 6 & Gean Paulo Michel 7 Resuo O presente trabalho teve por objetivo avaliar a influência da escala da base cartográfica e da resolução do ME na estiativa de alguns parâetros orfoétricos na bacia do rio Araponga (ARA) (5,3 ha). Fora identificadas duas bases cartográficas disponíveis até aquele oento. Na prieira base cartográfica não é possível observar o rio Araponga, e na segunda o detalhe não era suficiente. Por isso realizou-se levantaento topográfico co uso de GPS e estação total de toda a área da bacia. A rede de drenage foi extraída co o uso do Arc Hydro e apoiada nas observações de capo. A prieira diferença que pode ser notada entre os MEs derivados do levantaento topográfico e o da SEPLAN é a deliitação da bacia, que udou drasticaente auentando a área da bacia. As observações de capo se ostrara uito úteis na extração da rede de drenage. As diferenças entre valores de parâetros orfoétricos estiados chegara a 27,9%. O levantaento topográfico ais detalhado se ostrou uito iportante para o estudo hidrológico de pequenas bacias. As diferenças identificadas na estiativa de parâetros orfoétricos da bacia são significativas e pode influenciar outros cálculos. Palavras-Chave escala da base topográfica; levantaento topográfico; bacia do rio Araponga MAP SCALE EFFECT ON MORFOMETRIC PARAMETERS ESTIMATION IN A SMALL EXPERIMENTAL BASIN Abstract This study aied to assess the influence of ap scale and EM resolution on soe orphoetric paraeters estiation in Araponga river basin (ARA) (5.3 ha). Up to that tie, two available cartographic bases were identified. It is not possible to observe Araponga river on the first cartographic basis, and the second was not enough detailed. So, the entire basin area was surveyed by using GPS and total station. The drainage network was extracted by using Arc Hydro and inforation of the field observations. The first difference that can be noticed between the EMs derived fro surveying and SEPLAN is the delineation of the basin, which has drastically changed with the increasing of the basin area. The field observations cae about to be very useful on drainage network extracting. The differences between the estiated orphoetric paraeters reached 27.9%. The ost detailed survey proved to be very iportant for the hydrological studies of sall basins. The differences identified on the estiation of orphoetric paraeters are significant and can influence other calculations. Keywords cartographic base scale; survey; Araponga river basin 1 Bolsista do CNPq, outoranda do PPG - Recursos Hídricos e Saneaento Abiental, IPH/UFRGS, Av. Bento Gonçalves, 9500, Caixa Postal 15029, Porto Alegre/RS, , Brasil. E-ail: 2 Bolsista do CNPq, Professor associado IV, IPH/UFRGS. E-ail: 3 Bolsista Reuni, outorando do Prograa de Pós-Graduação e Geografia, UFPR. E-ail: 4 Professor Assistente I, Engenharia Hídrica, CTec/UFPel, E-ail: 5 Mestre e Engenharia Abiental, PPGEA/ENS/UFSC. E-ail: 6 Mestre e Engenharia Abiental, PPGEA/ENS/UFSC. E-ail: 7 Bolsista do CNPq, outorando do PPG - Recursos Hídricos e Saneaento Abiental, IPH/UFRGS. E-ail: *Autor Correspondente XX Sipósio Brasileiro de Recursos Hídricos 1

2 1. INTROUÇÃO A significativa contribuição científica de estudos de onitoraento hidrológico e pequenas bacias experientais para o avanço da hidrologia física é indiscutível (Whitehead & Robinson, 1993; Jones & Swanson, 2001). A aioria destes estudos foi realizada nas décadas de 60 e 70, e envolvia a questão dos ecanisos de geração de vazão (Hewlett & Hibbert, 1961; Ragan, 1967; Tsukaoto, 1963). Meso após ais de cinquenta anos, este tea configura entre as pesquisas que estão na fronteira da ciência hidrológica. A eficiência do onitoraento e entendiento dos processos hidrológicos está condicionada a utilização de ua escala espaço-teporal adequada de observação. Por exeplo, a escala do fluxo subsuperficial não-saturado é relativa a 1 de perfil de solo, (Blöschl & Sivapalan, 1995). Por isso, a escala de pequenas bacias, e até apenas encostas destas bacias é essencial para o desenvolviento da hidrologia. No Brasil, Rocha & Kurtz (2001) definira icrobacia desde a perspectiva do planejaento integrado co enfoque e atividades de reflorestaento. Segundo esses autores, pequena bacia é aquela que te área enor que ha e cartas na escala de 1: Para Toebes & Ouryvaev (1970), as pequenas bacias te área de no áxio 4 k 2. Na área da hidrologia urbana, Ponce (1989) define pequena bacia coo sendo aquela na qual a vazão pode ser odelada considerando que a chuva seja constante no tepo e no espaço. Para os autores do presente trabalho, pequenas bacias são aquelas de no áxio 1 k 2 e co sistea fluvial de no áxio 2ª orde. No Brasil, há grande carência de dados hidrológicos de pequenas bacias. A instalação e coleta de dados tivera coo seu principal agente o setor de geração de energia hidrelétrica. esta fora, há poucas estações e bacias co área enor que 500 k 2. O onitoraento das pequenas bacias reveste-se, portanto, de fundaental iportância para copleentação da rede de inforações hidrológicas, alé de sua natural vocação para o estudo detalhado dos processos físicos, quíicos e biológicos atuantes no ciclo hidrológico (Paiva & Paiva, 2001). No início do estudo de deterinada bacia hidrográfica, os parâetros orfoétricos da esa deve ser analisados. Para isto é necessário ter bases cartográficas. Alé disso, a partir das bases topográficas tabé é possível extrair inforações hidrológicas coo a rede drenage co a aplicação de algoritos coo o 8 proposto por (O Callaghan & Mark, 1984), ou proposto por (Tarboton, 1997). iversos autores (por exeplo, Wise, 2000; Thopson et al., 2001; Chaplot, 2005; Sørensen & Seibert, 2007; Aryal & Bates, 2008) ostrara que a escala da base topográfica, assi coo a resolução do Modelo igital de Elevação (ME) influencia tanto na obtenção de parâetros orfoétricos coo e siulações hidrológicas baseadas na topografia da bacia. Wang & Yin (1998) coprovara que a área da bacia tabé é ua das causas de erros associados à extração da rede de drenage. Poré, eles trabalhara e ua variação de 150 a 1000 k 2, e alerta sobre a necessidade de ua investigação sobre o efeito de escala na obtenção desses parâetros e bacias enores. E concordância, McMaster (2002) verificou que rios de prieira e segunda orde não são identificados e bases derivadas da interpretação de fotografias aéreas por conta da copa da vegetação ipedir a visualização desses rios. Por conta desta dificuldade, esse autor recoendou então, a cobinação de visitas a capo para localização adequada desses rios de enor orde. Assi, na tendência de detalhar ainda ais a escala, Taufique & Vivoni (2011) realizara o prieiro estudo buscando identificar estes esos ipactos da resolução do ME na escala de encosta, poré co o foco e variação da uidade do solo. XX Sipósio Brasileiro de Recursos Hídricos 2

3 iante do exposto, o presente trabalho teve por objetivo avaliar a influência da escala da base cartográfica e da resolução do ME na estiativa de alguns parâetros orfoétricos de ua pequena bacia experiental localizada no norte do estado de Santa Catarina. 2. ÁREA E ESTUO A bacia do rio Araponga (ARA) está localizada na zona rural do unicípio de Rio Negrinho, norte do estado de Santa Catarina (Mota, 2012). A bacia dista cerca de 25 k do seu centro urbano do unicípio. Co respeito ao seu posicionaento geográfico, a bacia está W e S. O rio Araponga drena na direção sudeste até o rio do Salto, que a jusante recebe contribuição do rio Feio e deságua no rio Corredeiras (Figura 1). Assi, a ARA está nas cabeceiras da bacia do rio Corredeiras (BHRC), e passou a integrar a Rede de Bacias-escola proposta por Kobiyaa et al. (2008) a partir de Paraná Rio Grande do Sul Santa Catarina Vertedor ARA Estradas Rios C. N. (eq. 10) ARA Zona Urbana k BHRC Rio Negrinho Figura 1 Localização da bacia hidrográfica do rio Araponga. 3. MATERIAIS E MÉTOOS 3.1 Identificação das inforações geográficas disponíveis O prieiro passo consistiu e coletar pontos na exutória da ARA para sua localização prévia e bases cartográficas existentes. Estes pontos fora coletados co uso de GPS de navegação da arca Garin odelo GPSap 76CSx. As bases cartográficas disponíveis até aquele oento era duas: (1) Carta topográfica digital São Bento do Sul (SG-22-Z B-I-3) na escala 1:50000, disponível no sítio da Epagri/Cira (Centro de Inforações de Recursos Abientais e de Hidroeteorologia de Santa Catarina) que resultado de ua parceria deste centro co o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). (2) Ortofotocarta digital resultado de u XX Sipósio Brasileiro de Recursos Hídricos 3

4 levantaento contratado pela SEPLAN (Secretaria de Planejaento e Meio Abiente) da Prefeitura Municipal de Rio Negrinho, e escala 1: A escala da cobertura aerofotogaétrica é 1:20.000, o vôo foi realizado e 04/2005 e a restituição e 07/2006. Nesta base cartográfica é possível visualizar o rio Araponga. Poré, observações e capo peritira concluir que o detalhe apresentado nesta base cartográfica não é suficiente para estudos hidrológicos e escala de detalhe. Não é possível observar o rio Araponga na carta topográfica digital do IBGE/EPAGRI. Meso quando se utiliza ferraentas coo o Arc Hydro (ESRI, 2011), e que se pode gerar a rede de drenage utilizando a base topográfica, o rio Araponga não aparece. Então esta base cartográfica foi excluída da análise. Este tabé é o caso para os dados obtidos do SRTM (Shuttle Radar Topographic Mission) 3.2 Levantaento topográfico Coo as bases cartográficas existentes não apresentava detalhe satisfatório para o estudo foi realizado u levantaento topográfico e capo. O prieiro passo para o levantaento topográfico foi levantar 2 pontos utilizando o receptor L1/L2 odelo Trible GPS 5700 e antena ZephyrTM, co precisão noinal estática horizontal de 5 + 0,5 pp e vertical de pp (Trible, 2001). Os pontos fora aterializados co piquetes de adeira. Os locais escolhidos para instalação dos pontos de base fixa fica livres de obstáculos que ipeça ou dificulte o rastreio do sinal pelo GPS, be coo garante a visibilidade necessária para posterior levantaento co estação total. O étodo de levantaento foi o estático pós-processado, sendo que o período de rastreaento de cada ponto foi de 6 horas. E seguida, os dados do GPS fora pós-processados no Trible Geoatics Office, v juntaente co inforações de estações da rede brasileira onitoraento contínuo (RBMC), disponibilizadas pelo IBGE e seu sítio. O processaento constituiu da triangulação dos dados obtidos e capo co as estações instaladas nas cidades de Curitiba/PR (UFPR), Ibituba/SC (IMBT) e Lages (SCLA). As coordenadas planialtiétricas pós processadas dos 2 pontos fora utilizadas coo estação e ré iniciais do levantaento topográfico co a estação total odelo Leica TCR407. O levantaento foi feito e 13 dias distribuídos ao longo de 4 eses de trabalho. Fora coletados 1690 pontos, incluindo estações e os pontos irradiados, sendo a densidade édia de pontos na área levantada de 2,5 pontos/100 2 (Figura 2(a)). 3.3 Extração da rede de drenage e estiativa dos parâetros orfoétricos A rede de drenage e abas as bases cartográficas foi extraída co o uso do algorito 8 proposto por O Callaghan & Mark (1984), disponível no Arc Hydro (extensão do ArcGIS). E geral, considera-se que justaente por ser ais avançado, a estiativa da rede de drenage gerada pelo algorito, proposto por Tarboton (1997), te elhor qualidade. Poré, coo ostrou McMaster (2002), e bacias declivosas e co a rede de drenage be deterinada, a aplicação do algorito 8 não prejudica a qualidade da rede de drenage extraída. U dos parâetros utilizados para extração da rede de drenage é o valor ínio de área de acuulação a partir do qual se estabelece o início do rio. É evidente que este parâetro influencia significativaente na rede de drenage resultante (Usul & Pasaogullari, 2004; Fernández et al., 2012). Por isso, a adoção de valor para este parâetro te que ser uito cautelosa. urante o XX Sipósio Brasileiro de Recursos Hídricos 4

5 levantaento de capo, e e outras visitas à bacia fora levantados tabé pontos co GPS nos locais de nascentes e cursos d água. Então, o procediento consistiu e testar diversos valores para o liiar até que se obtivesse a rede de drenage ais próxia àquela levantada e capo (Figura 2(b)). O valor utilizado para abas as bases corresponde a 7% do valor áxio apresentado no apa de acuulação. Os deais parâetros fora estiados diretaente dos odelos digitais do terreno gerados co as duas bases cartográficas, e das respectivas redes de drenage extraídas. (a) P.L. X Ponto início Estradas (b) [ Ponto controle [ Nascente Curso d'água E Confluência C.N. (eq. 5 ) ARA [ [ E E [ E X X Figura 2 Coleta de dados durante o levantaento topográfico. (a) pontos de início localizados na estrada e todos os pontos resultantes do levantaento topográfico; e (b) pontos coletados co GPS e utilizados coo referência para a extração da rede de drenage e pontos de controle do levantaento. 4. RESULTAOS E ISCUSSÃO O ME obtido da interpolação dos pontos do levantaento topográfico revela u grau de detalhe que não podia ser observado quando no ME gerado da interpolação das curvas de nível da base cartográfica SEPLAN. A prieira diferença que pode ser notada é a deliitação da bacia, que udou drasticaente auentando a área da bacia (Figura 3). Alé disso, o levantaento topográfico possibilitou a identificação de encostas uito ais declivosas do que aquelas apresentadas no ME da base SEPLAN. Na Figura 3(b) são apresentadas a rede de drenage que estava disponível na base da SEPLAN e aquela extraída no ME gerado co as esas curvas, poré foi adotado o valor ínio de área de acuulação coo explicado na seção 3.3 de aneira que a rede de drenage respeitasse as observações e capo. Então, utilizando os esos dados de altietria foi possível XX Sipósio Brasileiro de Recursos Hídricos 5

6 obter ua rede de drenage uito ais próxia aquela do levantaento topográfico apenas ajustando o liiar co a observação da rede de drenage e capo. (a) Rios C. N. (eq. 5 ) Elevação () 1006,4 880,4 (b) Rios SEPLAN Rios C.N. (eq 10) Elevação () 1001,4 879,3 Figura 3 Modelos igitais de Elevação ARA. (a) Base cartográfica obtida a partir do levantaento topográfico, escala 1:5.000, resolução do ME: 1 ; e (b) Base cartográfica do levantaento aéreo da Prefeitura Municipal de Rio Negrinho, escala 1:10.000, resolução do ME 2. Na Tabela 1 são apresentados alguns parâetros orfoétricos estiados no intuito de coparar as 2 bases. Pela verificação da diferença, percebe-se que a aioria estava subestiada co a base de enor detalhe. Os parâetros relacionados ao copriento da drenage e à área da bacia fora os que apresentara aiores diferenças, seguidos pela diferença aproxiada de 18% no períetro. Tabela 1 Parâetros orfoétricos e coparação das duas escalas. Parâetro unidade 1: :5.000 iferença (%) Área (ha) 4,24 5,26-19,5 Copriento da drenage () 364,80 506,25-27,9 ensidade de drenage (/ 2 ) 0, , ,5 Períetro () 817,57 994,21-17,8 Cota nascente () 969,97 964,05 0,6 Cota exultória () 879,31 880,67-0,2 Copriento do rio principal () 292,25 276,62 5,7 eclividade édia do canal (/) 0,31 0,30 2,9 XX Sipósio Brasileiro de Recursos Hídricos 6

7 5. CONCLUSÕES Após a constatação de que as bases cartográficas disponíveis não apresentava grau de detalhe suficiente para o estudo proposto na pequena bacia experiental do rio Araponga, concluise que u levantaento topográfico ais detalhado seria necessário. Esta atividade se ostrou uito iportante para o estudo hidrológico de pequenas bacias. Isso porque fora identificadas diferenças significativas na estiativa de parâetros orfoétricos da bacia. O parâetro relativo ao copriento da rede de drenage foi o que apresentou aior diferença, sendo 27,9% enor na base co enos detalhe do que na base ais detalhada. Alé disso, a área da bacia, estiada e aproxiadaente 4,2 ha, passou a ser 5,3 ha, o que representa ua diferença de 19,5%. É iportante notar que a deliitação da bacia se alterou significativaente. O reconheciento e levantaento detalhado das características fisiográficas das pequenas bacias são fundaentais no estudo das esas. Apesar de pequenas bacias tendere a ser ais hoogêneas, ua pequena heterogeneidade pode ter u efeito relativaente aior do que teria se a bacia fosse aior. Os parâetros orfoétricos de bacias hidrográficas são iportantes não apenas para caracterização do objeto de estudo, as tabé para aplicação de diversos odelos e étodos hidrológicos. U exeplo de parâetro hidrológico que pode ser estiado a partir de parâetros orfológicos da bacia é o tepo de concentração. Mota (2012) verificou que o tepo de concentração é bastante sensível aos parâetros orfoétricos da bacia. Assi, é extreaente iportante que se tenha o detalhaento adequado para análises hidrológicas e pequenas bacias. Este detalhaento está relacionado inicialente co o reconheciento da área e capo. Confore resultado da Figura 3(b), após a siples inspeção e capo das características da rede de drenage e coleta de dados de GPS já foi possível extrair a rede de drenage ais fidedigna. A iportância da observação destes liites e capo, principalente e bacias de prieira e segunda orde, tabé é evidenciada por McMaster (2002). A influência da escala da base cartográfica foi coprovada a partir da diferença obtida nos parâetros orfoétricos. Alé disso, coo a resolução do ME depende da escala dos dados altiétricos utilizados, a rede de drenage extraída tabé foi influenciada. Assi coo tabé alertara Sørensen & Seibert (2007), no caso deste trabalho o ME ais detalhado se fez necessário, as é iportante observar que ne sepre o ME de aior resolução é o ais útil. Isto depende uito do estudo ou análise que se pretende realizar. Por exeplo, para estudar ecanisos de geração de vazão, a inforação de topografia deve ser e ua resolução ais refinada. Portanto, ua das principais conclusões deste trabalho, que está e concordância co Wise (2000), é que tanto a qualidade do ME deve ser analisada para cada caso, de fora que os resultados obtidos seja coerentes. REFERÊNCIAS ARYAL, S.K. & BATES, B.C. (2008) Effects of catchent discretization on topographic index distributions. Journal of Hydrology 359(1-2), pp BLÖSCHL, G. & SIVAPALAN, M. (1995) Scale issues in hydrological odelling: a review. Hydrological Processes 9(3-4), pp CHAPLOT, V. (2005) Ipact of EM esh size and soil ap scale on SWAT runoff, sedient, and NO3 N loads predictions. Journal of Hydrology 312(1 4), pp ESRI (2011) Arc Hydro Tools Overview. Redlands: ESRI, 15p. XX Sipósio Brasileiro de Recursos Hídricos 7

8 FERNÁNEZ,.C.J.; VALERIANO, M.M.; ZANI, H.; ANRAES FILHO, C.O. (2012) Extração autoática de redes de drenage a partir de odelos digitais de elevação. Revista Brasileira de Cartografia 64/5, pp HEWLETT, J.. & HIBBERT, A.R. (1961) Increases in water yield after several types of forest cutting. International Association of Scientific Hydrology. Bulletin, 6(3), pp JONES, J.A. & SWANSON, F.J. (2001) Hydrologic inferences fro coparisons aong sall basin experients. Hydrological Processes 15(12), pp KOBIYAMA, M.; MOTA, A.A.; CORSEUIL, C.W. (2008) Recursos hídricos e saneaento. 1. ed. Curitiba: Organic Trading, 160p. MAHMOO, T.H. & VIVONI, E.R. (2011) Breakdown of hydrologic patterns upon odel coarsening at hillslope scales and iplications for experiental design. Journal of Hydrology 411(3 4), pp MCMASTER, K.J. (2002) Effects of digital elevation odel resolution on derived strea network positions. Water Resources Research 38(4), pp MOTA, A.A. (2012) Tepo de concentração e pequena bacia experiental. Florianópolis: UFSC/CTC/ENS,. 131f. issertação (Mestrado e Engenharia Abiental) - Prograa de Pós-Graduação e Engenharia Abiental, Universidade Federal de Santa Catarina. O CALLAGHAN, J., & MARK,. (1984) The extraction of drainage networks fro digital elevation data, Coputer Vision, Graphics and Iage Processing 28, pp PAIVA, J.B.. & PAIVA, E.M.C.. (2001) Hidrologia aplicada à gestão de pequenas bacias hidrográficas. Porto Alegre: Editora ABRH, 628 p. PONCE, V.M. (1989) Engineering hydrology, principles and practices. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall. 640 p. RAGAN, R.M. (1967) An experiental investigation of partial area contributions, Inter. Ass. Sci. Hydrol. In: Proc. Berne Syposiu, pp ROCHA, J.S.M. & KURTZ, S.M.J.M. (2001) Manual de anejo integrado de bacias hidrográficas. 4. ed. Santa Maria: Edições UFSM CCR/UFSM, 302 p. SØRENSEN, R. & SEIBERT, J. (2007) Effects of EM resolution on the calculation of topographical indices: TWI and its coponents. Journal of Hydrology 347(1-2), pp TARBOTON,. (1997) A new ethod for the deterination of flow directions and upslope areas in grid digital elevation odels. Water Resources Research 33, pp THOMPSON, J.A.; BELL, J.C.; BUTLER, C.A. (2001) igital elevation odel resolution: effects on terrain attribute calculation and quantitative soil-landscape odeling. Geodera 100(1 2), pp TOEBES, C. & OURYVAEV, V. (1970) Representative and experiental basins, an international guide for research and practice. Paris: UNESCO. 348 p. TRIMBLE. (2001) 5700 GPS Receiver: User Guide. Sunnyvale, CA. 168 p. TSUKAMOTO, Y. (1963) Stor discharge fro an experiental watershed. Journal of the Japanese Forestry Society, 45, pp USUL, N. & PAŞAOĞULLARI, O. (2004) Effect of ap scale and grid size for hydrological odeling. In GIS and Reote Sensing in Hydrology, Water Resources and Environent IAHS Publ pp WANG, X. & YIN, Z. (1998) A coparison of drainage networks derived fro digital elevation odels at two scales. Journal of Hydrology 210(1 4), pp WHITEHEA, P.G. & ROBINSON, M. (1993) Experiental basin studies - an international and historical perspective of forest ipacts. Journal of Hydrology 145(3-4), pp WISE, S. (2000) Assessing the quality for hydrological applications of digital elevation odels derived fro contours. Hydrological Processes 14, pp XX Sipósio Brasileiro de Recursos Hídricos 8

KpClasseASIM: UMA FERRAMENTA PARA ESTIMATIVA DO COEFICIENTE DO TANQUE CLASSE A RESUMO

KpClasseASIM: UMA FERRAMENTA PARA ESTIMATIVA DO COEFICIENTE DO TANQUE CLASSE A RESUMO Revista Brasileira de Agricultura Irrigada v.6, nº. 4, p. 96-30, 01 ISSN 198-7679 (On-line) Fortaleza, CE, INOVAGRI http://www.inovagri.org.br DOI: 10.717/rbai.v6n400094 Protocolo 094.1 4/08/01 Aprovado

Leia mais

APLICAÇÃO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS: PROBLEMA DO PARAQUEDISTA EM QUEDA LIVRE

APLICAÇÃO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS: PROBLEMA DO PARAQUEDISTA EM QUEDA LIVRE APLICAÇÃO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS: PROBLEMA DO PARAQUEDISTA EM QUEDA LIVRE Tatiana Turina Kozaa 1 Graziela Marchi Tiago E diversas áreas coo engenharia, física, entre outras, uitas de suas aplicações

Leia mais

KPCLASSEASIM: UMA FERRAMENTA PARA ESTIMATIVA DO COEFICIENTE DO TANQUE CLASSE A

KPCLASSEASIM: UMA FERRAMENTA PARA ESTIMATIVA DO COEFICIENTE DO TANQUE CLASSE A KPCLASSEASIM: UMA FERRAMENTA PARA ESTIMATIVA DO COEFICIENTE DO TANQUE CLASSE A T. D. C. Peixoto 1 ; S. L. A. Levien ; A. H. F. Bezerra 3 ; S. T. A. da Silva 4 RESUMO: A evapotranspiração de referência

Leia mais

2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil

2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil 2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil Inicialente, vai se expor de ua fora uita sucinta coo é criado o preço spot de energia elétrica do Brasil, ais especificaente, o CMO (Custo Marginal de Operação).

Leia mais

Estudo da Resistividade Elétrica para a Caracterização de Rejeitos de Minério de Ferro

Estudo da Resistividade Elétrica para a Caracterização de Rejeitos de Minério de Ferro Estudo da Resistividade Elétrica para a Caracterização de Rejeitos de Minério de Ferro Hector M. O. Hernandez e André P. Assis Departaento de Engenharia Civil & Abiental, Universidade de Brasília, Brasília,

Leia mais

CAPíTULO 10 - ACELERAÇÃO DE CORIOL\S E CORRENTES GEOSTRÓFICAS

CAPíTULO 10 - ACELERAÇÃO DE CORIOL\S E CORRENTES GEOSTRÓFICAS 1 CAPíTULO 10 - ACELERAÇÃO DE CORIOL\S E CORRENTES GEOSTRÓFICAS 1. Introdução Seja u vetor à nu sistea de coordenadas (x, y, z), co os versores T,], k, de odo que - - - A = A 1 i + A 2 j + A 3 k. A derivada

Leia mais

Ensino Fundamental no Brasil: a Média do Gasto Por Aluno, o IDEB e Sua Correlação nos Municípios Brasileiros.

Ensino Fundamental no Brasil: a Média do Gasto Por Aluno, o IDEB e Sua Correlação nos Municípios Brasileiros. Ensino Fundaental no Brasil: a Média do Gasto Por Aluno, o IDEB e Sua Correlação nos Municípios Brasileiros. Autoria: Jaie Crozatti Resuo: Para contribuir co a discussão da gestão de políticas públicas

Leia mais

INCORPORAÇÃO DOS IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS POSITIVOS RELACIONADOS AOS USOS MÚLTIPLOS DA ÁGUA NOS ESTUDOS DE INVENTÁRIO HIDRELÉTRICO

INCORPORAÇÃO DOS IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS POSITIVOS RELACIONADOS AOS USOS MÚLTIPLOS DA ÁGUA NOS ESTUDOS DE INVENTÁRIO HIDRELÉTRICO INCORPORAÇÃO DOS IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS POSITIVOS RELACIONADOS AOS USOS MÚLTIPLOS DA ÁGUA NOS ESTUDOS DE INVENTÁRIO HIDRELÉTRICO Katia Cristina Gacia 1 ; Jorge M. Daázio; Silvia Helena Pires; Denise

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MODELO DE TRANSFORMADORES EM FUNÇÃO DA FREQUÊNCIA

AVALIAÇÃO DO MODELO DE TRANSFORMADORES EM FUNÇÃO DA FREQUÊNCIA Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Departaento de Engenaria Elétrica AVALIAÇÃO DO MODELO DE TANSFOMADOES EM FUNÇÃO DA FEQUÊNCIA Por Alexandre de Castro Moleta Orientador: Prof.Dr. Marco Aurélio

Leia mais

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica Aula 6 Prieira Lei da Terodinâica 1. Introdução Coo vios na aula anterior, o calor e o trabalho são foras equivalentes de transferência de energia para dentro ou para fora do sistea. 2. A Energia interna

Leia mais

SALTO CAXIAS UM PROBLEMA DE FLUTUAÇÃO NA COROA POLAR EVIDENCIADO PELO AGMS

SALTO CAXIAS UM PROBLEMA DE FLUTUAÇÃO NA COROA POLAR EVIDENCIADO PELO AGMS SALTO CAXIAS UM PROBLEMA DE FLUTUAÇÃO NA COROA POLAR EVIDENCIADO PELO AGMS Pedro Massanori Sakua, Álvaro José Noé Fogaça, Orlete Nogarolli Copel Copanhia Paranaense de Energia Paraná Brasil RESUMO Este

Leia mais

ecotec pro O futuro é Vaillant Vaillant, especialistas em Condensação www.vaillant.pt info@vaillant.pt

ecotec pro O futuro é Vaillant Vaillant, especialistas em Condensação www.vaillant.pt info@vaillant.pt O futuro é Vaillant Vaillant, especialistas e Condensação ecotec pro www.vaillant.pt info@vaillant.pt Caldeira ural ista de condensação, co pré-aqueciento de A.Q.S. Vaillant Group International GbH Berghauser

Leia mais

ESTUDO DE VAZÕES E COTAS EM UMA BACIA HIDROGRÁFICA, CEARÁ, BRASIL

ESTUDO DE VAZÕES E COTAS EM UMA BACIA HIDROGRÁFICA, CEARÁ, BRASIL ESTUDO DE VAZÕES E COTAS EM UMA BACIA HIDROGRÁFICA, CEARÁ, BRASIL B. P. H. G. Cardoso 1 ; F. F de. Araújo 2 RESUMO: Este trabalho objetivou possibilitar um levantamento estatístico das vazões e cotas de

Leia mais

UMA HEURÍSTICA PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER

UMA HEURÍSTICA PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER Pesquisa Operacional na Sociedade: Educação, Meio Aente e Desenvolviento 2 a 5/09/06 Goiânia, GO UMA HEURÍSTICA PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER E. Vendraini Universidade Estadual

Leia mais

4 UM MODELO DE SAZONALIZAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA DE PCHS EM PORTFOLIOS PCH+BIOMASSA

4 UM MODELO DE SAZONALIZAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA DE PCHS EM PORTFOLIOS PCH+BIOMASSA EM PORTFOLIOS PCH E BIOMASSA 48 4 UM MODELO DE SAZONALIZAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA DE PCHS EM PORTFOLIOS PCH+BIOMASSA Confore explicado no capitulo anterior, a decisão do agente hidráulico de coo sazonalizar

Leia mais

A Teoria dos Jogos é devida principalmente aos trabalhos desenvolvidos por von Neumann e John Nash.

A Teoria dos Jogos é devida principalmente aos trabalhos desenvolvidos por von Neumann e John Nash. Teoria dos Jogos. Introdução A Teoria dos Jogos é devida principalente aos trabalhos desenvolvidos por von Neuann e John Nash. John von Neuann (*90, Budapeste, Hungria; 957, Washington, Estados Unidos).

Leia mais

Modelagem e Simulação de um Sistema de Comunicação Digital via Laço Digital de Assinante no Ambiente SIMOO

Modelagem e Simulação de um Sistema de Comunicação Digital via Laço Digital de Assinante no Ambiente SIMOO Modelage e Siulação de u Sistea de Counicação Digital via Laço Digital de Assinante no Abiente SIMOO Luciano Agostini 1 Gaspar Steer 2 Tatiane Capos 3 agostini@inf.ufrgs.br gaspar@inf.ufrgs.br tatiane@inf.ufrgs.br

Leia mais

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Construção de u sistea de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Roberto Scalco, Fabrício Martins Pedroso, Jorge Tressino Rua, Ricardo Del Roio, Wellington Francisco Centro Universitário do Instituto

Leia mais

Delimitação automática de sub-bacias hidrográficas no município de Ouro Preto-MG. Jairo Rodrigues Silva 1 Ana Clara Mourão Moura 2

Delimitação automática de sub-bacias hidrográficas no município de Ouro Preto-MG. Jairo Rodrigues Silva 1 Ana Clara Mourão Moura 2 Delimitação automática de sub-bacias hidrográficas no município de Ouro Preto-MG Jairo Rodrigues Silva 1 Ana Clara Mourão Moura 2 1 Instituto Federal Minas Gerais - Campus Ouro Preto - IFMG-OP Rua Pandiá

Leia mais

Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft - Comercialização

Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft - Comercialização Classificação: Docuento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR Nº 20/203-BNDES Rio de Janeiro, 7 de aio de 203 Ref.: Produto BNDES Autoático Ass.: Prograa BNDES para o Desenvolviento da Indústria Nacional

Leia mais

Análise de risco aplicada a instalaçõe industriais de refrigeração que utilizam amônia

Análise de risco aplicada a instalaçõe industriais de refrigeração que utilizam amônia http://dx.doi.org/10.5902/2236117016368 Revista do Centro do Ciências Naturais e Exatas - UFSM, Santa Maria Revista Eletrônica e Gestão, Educação e Tecnologia Abiental - ReGet e-issn 2236 1170 - V. 19,

Leia mais

1. Definições Iniciais

1. Definições Iniciais O Básico da Criptografia usada na Internet Alessandro Martins Mestrando e Redes de Coputadores - PESC/COPPE Universidade Federal do Rio de Janeiro {artins@ufrj.br} RESUMO O objetido deste texto é apresentar

Leia mais

ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO MODELO SINMAP À RESOLUÇÃO DO MDT NA SIMULAÇÃO DE DESLIZAMENTOS NA BACIA DO RIO SAGRADO SERRA DO MAR PARANAENSE

ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO MODELO SINMAP À RESOLUÇÃO DO MDT NA SIMULAÇÃO DE DESLIZAMENTOS NA BACIA DO RIO SAGRADO SERRA DO MAR PARANAENSE ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO MODELO SINMAP À RESOLUÇÃO DO MDT NA SIMULAÇÃO DE DESLIZAMENTOS NA BACIA DO RIO SAGRADO SERRA DO MAR PARANAENSE Moura Bueno, K.E. (UFPR) ; Santos, I. (UFPR) ; Bauer Schultz,

Leia mais

COMPONENTES DE SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS

COMPONENTES DE SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS COMPONENTES DE SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS 4.1. Introdução A coleta e o transporte das águas residuárias desde a orige até o lançaento final constitue o fundaento básico do saneaento de ua população.

Leia mais

Segmentação por Agrupamentos Fuzzy C- means em Imagens LiDAR Aplicados na Identificação de Linhas de Transmissão de Energia Elétrica

Segmentação por Agrupamentos Fuzzy C- means em Imagens LiDAR Aplicados na Identificação de Linhas de Transmissão de Energia Elétrica Segentação por Agrupaentos Fuzzy C- eans e Iagens LiDAR Aplicados na Identificação de Linhas de Transissão de Energia Elétrica Anderson J. Azabuja Guiera 1, 2 Tania Mezzadri Centeno 1 Myria Regattieri

Leia mais

Evolução dos fragmentos florestais em microbacias ínstaveis e seus significados ambientais na mata atlantica.

Evolução dos fragmentos florestais em microbacias ínstaveis e seus significados ambientais na mata atlantica. Evolução dos fragentos florestais e icrobacias ínstaveis e seus significados abientais na ata atlantica. Otávio Marques 1, Ricardo Valcarcel 2, Ivan José Lia Teixeira 3 1 Acadêico de Engenharia Florestal

Leia mais

UHE Igarapava Como o monitoramento do entreferro evitou danos de grande monta no gerador

UHE Igarapava Como o monitoramento do entreferro evitou danos de grande monta no gerador UHE Igarapava Coo o onitoraento do entreferro evitou danos de grande onta no gerador utores: Raiundo Jorge Ivo Metzker, CEMIG Marc R. Bissonnette, VibroSystM ndré Tétreault, VibroSystM Jackson Lin, VibroSystM

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Sistemas de Partículas

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Sistemas de Partículas www.engenhariafacil.weebly.co Resuo co exercícios resolvidos do assunto: Sisteas de Partículas (I) (II) (III) Conservação do Moento Centro de Massa Colisões (I) Conservação do Moento Na ecânica clássica,

Leia mais

UMA NOVA HEURÍSTICA DE TROCAS PARA O PROBLEMA DE SEQUENCIAMENTO DE TAREFAS EM PROCESSADORES UNIFORMES

UMA NOVA HEURÍSTICA DE TROCAS PARA O PROBLEMA DE SEQUENCIAMENTO DE TAREFAS EM PROCESSADORES UNIFORMES UMA NOVA HEURÍSTICA DE TROCAS PARA O PROBLEMA DE SEQUENCIAMENTO DE TAREFAS EM PROCESSADORES UNIFORMES Felipe Martins Müller UFSM / CT / DELC 97105-900 Santa Maria - RS Fone:(055)220-8523 FAX:(055)220-8030

Leia mais

Topografia Aplicada à Engenharia Civil AULA 06

Topografia Aplicada à Engenharia Civil AULA 06 Topografia Geoática plicada à Engenharia Civil UL 06 Declividade, Irradiações, Interseções, Levantaentos a Trena e ússola e Orientações sobre o Trabalho Prático Laboratório de Cartografia Digital - CTUFES

Leia mais

SIMULADOR DO COMPORTAMENTO DO DETECTOR DE ONDAS GRAVITACIONAIS MARIO SCHENBERG. Antônio Moreira de Oliveira Neto * IC Rubens de Melo Marinho Junior PQ

SIMULADOR DO COMPORTAMENTO DO DETECTOR DE ONDAS GRAVITACIONAIS MARIO SCHENBERG. Antônio Moreira de Oliveira Neto * IC Rubens de Melo Marinho Junior PQ SIMULADOR DO COMPORTAMENTO DO DETECTOR DE ONDAS GRAVITACIONAIS MARIO SCHENBERG Antônio Moreira de Oliveira Neto * IC Rubens de Melo Marinho Junior PQ Departaento de Física, ITA, CTA, 18-9, São José dos

Leia mais

ATIVIDADE DE COMPOSTAGEM

ATIVIDADE DE COMPOSTAGEM ATIVIDADE DE COMPOSTAGEM 1. Identificação Epresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-ail: Atividade: Localização do epreendiento (Endereço): Bairro: CEP: Contato:

Leia mais

UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA DE GERADORES HIDRELÉTRICOS E EÓLICOS POR CONSUMIDORES LIVRES

UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA DE GERADORES HIDRELÉTRICOS E EÓLICOS POR CONSUMIDORES LIVRES UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA DE GERADORES HIDRELÉTRICOS E EÓLICOS POR CONSUMIDORES LIVRES George Martins Silva Universidade Estadual do Ceará - UECE Av. Dr. Silas Munguba,

Leia mais

SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO

SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO 44 SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO Resuo Jair Sandro Ferreira da Silva Este artigo abordará a aplicabilidade das Equações Diferenciais na variação de teperatura de u corpo. Toareos

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS 1º Lucas de Castro Valente*, 2º Raphael Marotta, 3º Vitor Mainenti 4º Fernando Nogueira 1

Leia mais

2007.2. Como o Pensamento Sistêmico pode Influenciar o Gerenciamento de Projetos

2007.2. Como o Pensamento Sistêmico pode Influenciar o Gerenciamento de Projetos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - UFPE CENTRO DE INFORMÁTICA CIN GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 2007.2 Coo o Pensaento Sistêico pode Influenciar o Gerenciaento de Projetos TRABALHO DE GRADUAÇÃO

Leia mais

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da Universidade do Estado da Bahia UNEB Departaento de Ciências Exatas e da Terra DCET I Curso de Engenharia de Produção Civil Disciplina: Física Geral e Experiental I Prof.: Paulo Raos 1 1ª LISTA DE DINÂMICA

Leia mais

a EME GUIA PARA OBTER O MELHOR PREÇO Editorial do Ministério da Educação

a EME GUIA PARA OBTER O MELHOR PREÇO Editorial do Ministério da Educação a EME 1 ÍNDICE a EME 2 O que é necessário para pedir u orçaento gráfico 3 O forato é iportante 4 Colocar arge para corte (BLEED) 5 Qual o elhor suporte para entregar o seu projecto 6 Coo enviar iagens,

Leia mais

ANÁLISE MULTIVARIADA PARA O CONTROLE DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRU

ANÁLISE MULTIVARIADA PARA O CONTROLE DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRU V ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO ANÁLIE MULTIVARIADA PARA O CONTROLE DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRU Jeniffer Fonseca Zanitt (UFJ) jzanitt@gail.co Daniela Carine Raires de Oliveira

Leia mais

Índice de Custo Benefício (ICB) de Empreendimentos de Geração Termelétrica

Índice de Custo Benefício (ICB) de Empreendimentos de Geração Termelétrica Índice de Custo Benefício (ICB) de Epreendientos de Geração Terelétrica Metodologia de Cálculo Leilões de Copra de Energia Elétrica Proveniente de Novos Epreendientos de Geração Ministério de Minas e Energia

Leia mais

Análise comparativa do ambiente de aviários de postura com diferentes sistemas de acondicionamento

Análise comparativa do ambiente de aviários de postura com diferentes sistemas de acondicionamento Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Abiental v.13, n.6, p.788 794, 2009 Capina Grande, PB, UAEA/UFCG http://www.agriabi.co.br Protocolo 016.08 22/01/2008 Aprovado e 27/03/2009 Análise coparativa

Leia mais

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ JULIA S. MELLO 1 ; DANIEL de C. VICTORIA 2 Nº 10505 RESUMO Sistemas de Informação Geográfica (SIG) são importantes ferramentas

Leia mais

NPT 024 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS PARA ÁREAS DE DEPÓSITOS

NPT 024 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS PARA ÁREAS DE DEPÓSITOS Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 024 Sistea de chuveiros autoáticos para áreas de depósitos CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Nora de Procediento Técnico 104páginas SUMÁRIO 1 2 3 4 5 Objetivo

Leia mais

Índice de Custo Benefício (ICB) de Empreendimentos de Geração Termelétrica

Índice de Custo Benefício (ICB) de Empreendimentos de Geração Termelétrica Índice de Custo Benefício (ICB) de Epreendientos de Geração Terelétrica Metodologia de Cálculo Coordenação Geral Maurício Tiono Tolasqui José Carlos de Miranda Farias Equipe Técnica Danielle Bueno de Andrade

Leia mais

Modificação da Rugosidade de Fibras de Carbono por Método Químico para Aplicação em Compósitos Poliméricos

Modificação da Rugosidade de Fibras de Carbono por Método Químico para Aplicação em Compósitos Poliméricos Modificação da Rugosidade de Fibras de Carbono por Método Quíico para Aplicação e Copósitos Poliéricos Liliana Burakowski Departaento de Física, ITA Mirabel C. Rezende Divisão de Materiais, Instituto de

Leia mais

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa:

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa: 6 FUVEST 09/0/202 Seu é Direito nas Melhores Faculdades 07. Obras célebres da literatura brasileira fora abientadas e regiões assinaladas neste apa: Co base nas indicações do apa e e seus conhecientos,

Leia mais

Método Simbólico. Versus. Método Diagramas de Euler. Diagramas de Venn

Método Simbólico. Versus. Método Diagramas de Euler. Diagramas de Venn IV Método Sibólico Versus Método Diagraas de Euler E Diagraas de Venn - 124 - Método Sibólico Versus Método Diagraas de Euler e Diagraas de Venn Para eplicar o que é o Método Sibólico e e que aspecto difere

Leia mais

José Luiz Fernandes Departamento de Engenharia Mecânica - PUC-Rio jlf@mec.puc-rio.br

José Luiz Fernandes Departamento de Engenharia Mecânica - PUC-Rio jlf@mec.puc-rio.br PROPAGAÇÃO DE TRINCAS POR FADIGA NO AÇO API-5L-X60 José Luiz Fernandes Departaento de Engenharia Mecânica - PUC-Rio jlf@ec.puc-rio.br Jaie Tupiassú Pinho de Castro Departaento de Engenharia Mecânica -

Leia mais

Estudo da viabilidade económica da implementação de uma microturbina

Estudo da viabilidade económica da implementação de uma microturbina Departaento de Engenharia Mecânica Rao de Terodinâica e fluidos Gestão da Energia Estudo da viabilidade econóica da ipleentação de ua icroturbina Coordenação do trabalho: Professor Fausto Freire André

Leia mais

INDICADORES DA QUALIDADE DE MISTURA DE SÓLIDOS PARTICULADOS

INDICADORES DA QUALIDADE DE MISTURA DE SÓLIDOS PARTICULADOS VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 1 de agosto de 010 Capina Grande Paraíba - Brasil August 18 1, 010 Capina Grande Paraíba Brazil INDICADORES

Leia mais

GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS

GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS - Produtos Cartográficos - Geoprocessamento - Sistemas de Informações Geográficas (GIS) - Serviços de Mapas - Demo de um GIS aplicado na PMSP CARTOGRAFIA (conceitos)

Leia mais

COMPOSTAGEM. INFLUENCIA NA TEORIA ZERI, NA SUSTENTABILIDADE GLOBAL E NA REDUÇÃO DA POLUIÇÃO URBANA

COMPOSTAGEM. INFLUENCIA NA TEORIA ZERI, NA SUSTENTABILIDADE GLOBAL E NA REDUÇÃO DA POLUIÇÃO URBANA COMPOSTAGEM. INFLUENCIA NA TEORIA ZERI, NA SUSTENTABILIDADE GLOBAL E NA REDUÇÃO DA POLUIÇÃO URBANA Jorge Orlando Cuéllar Noguera Doutorando e Gestão abiental - UFSC -c.p. 5074 CEP 97110-970 Santa Maria

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS DADOS AMOSTRAIS E DO PÓS-PROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO AUTOMÁTICA DO LIMITE DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

INFLUÊNCIA DOS DADOS AMOSTRAIS E DO PÓS-PROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO AUTOMÁTICA DO LIMITE DE BACIAS HIDROGRÁFICAS INFLUÊNCIA DOS DADOS AMOSTRAIS E DO PÓS-PROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO AUTOMÁTICA DO LIMITE DE BACIAS HIDROGRÁFICAS Weriskiney Araújo Almeida 1 * & Michel Castro Moreira 2 Resumo O presente trabalho teve

Leia mais

Geração de modelo digital de elevação e obtenção automática da hidrografia da bacia do rio Grande

Geração de modelo digital de elevação e obtenção automática da hidrografia da bacia do rio Grande Geração de modelo digital de elevação e obtenção automática da hidrografia da bacia do rio Grande Michael Pereira da Silva Graduando Eng. Sanitária e Ambiental, ICADS-UFBA. Michel Castro Moreira Professor

Leia mais

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE ATUADORES E SENSORES EM ESTRUTURAS INTELIGENTES

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE ATUADORES E SENSORES EM ESTRUTURAS INTELIGENTES XIV CONRESSO NACIONAL DE ESUDANES DE ENENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica LOCALIZAÇÃO ÓIMA DE AUADORES E SENSORES EM ESRUURAS INELIENES Sione Nishioto

Leia mais

Plano de ação setorial de racionalização das TIC no Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social

Plano de ação setorial de racionalização das TIC no Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social Plano de ação setorial de racionalização das TIC no Horizonte 2012-2016 Versão de Trabalho Dezebro 2014 Grupo de Projeto para as Tecnologias de Inforação e Counicação 1 Título: Plano de ação setorial de

Leia mais

Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição de Energia Elétrica

Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição de Energia Elétrica Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição Revisão 05 07/2015 NORMA ND.22 ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Gerência Executiva de Engenharia, Planejaento e Operação Rua

Leia mais

3.3. O Ensaio de Tração

3.3. O Ensaio de Tração Capítulo 3 - Resistência dos Materiais 3.1. Definição Resistência dos Materiais é u rao da Mecânica plicada que estuda o coportaento dos sólidos quando estão sujeitos a diferentes tipos de carregaento.

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE MAPAS DE LIGAÇÃO POR MEIO DE SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO VIA CADEIAS DE MARKOV

CONSTRUÇÃO DE MAPAS DE LIGAÇÃO POR MEIO DE SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO VIA CADEIAS DE MARKOV CONSTRUÇÃO DE MAPAS DE LIGAÇÃO POR MEIO DE SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO VIA CADEIAS DE MARKOV Moysés NASCIMENTO 1 Cose Daião CRUZ Ana Carolina Capana NASCIMENTO 1 Adésio FERREIRA 3 Luiz Alexandre PETERNELLI

Leia mais

SIG aplicado à caracterização morfométrica de bacias hidrográficas estudo de caso da bacia hidrográfica do rio Cubatão do Sul Santa Catarina/Brasil

SIG aplicado à caracterização morfométrica de bacias hidrográficas estudo de caso da bacia hidrográfica do rio Cubatão do Sul Santa Catarina/Brasil SIG aplicado à caracterização morfométrica de bacias hidrográficas estudo de caso da bacia hidrográfica do rio Cubatão do Sul Santa Catarina/Brasil Marcelo Pedroso Curtarelli ¹ ¹ Universidade Federal de

Leia mais

SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS USANDO REDES NEURAIS E MÁQUI- NAS DE VETOR DE SUPORTE

SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS USANDO REDES NEURAIS E MÁQUI- NAS DE VETOR DE SUPORTE SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS USANDO REDES NEURAIS E MÁQUI- NAS DE VETOR DE SUPORTE RODRIGO S. MARTINS, VICTOR J. L. DUARTE, ANDRÉ L. MAITELLI, ANDRÉS O. SALAZAR, ADRIÃO D. D. NETO Laboratório

Leia mais

CONCEPÇÃO DE SISTEMAS DE SEGUIMENTO DE TRAJETÓRIAS COMPLEXAS PARA AERONAVES COMERCIAIS

CONCEPÇÃO DE SISTEMAS DE SEGUIMENTO DE TRAJETÓRIAS COMPLEXAS PARA AERONAVES COMERCIAIS Revista Iberoaericana de Ingeniería Mecánica. Vol. 7, N.º 2, pp. 63-74, 203 CONCEPÇÃO DE SISTEMAS DE SEGUIMENTO DE TRAJETÓRIAS COMPLEXAS PARA AERONAVES COMERCIAIS TÉO C. REVOREDO, JULES G. SLAMA 2, FÉLIX

Leia mais

CALORIMETRIA. Relatório de Física Experimental III 2004/2005. Engenharia Física Tecnológica

CALORIMETRIA. Relatório de Física Experimental III 2004/2005. Engenharia Física Tecnológica Relatório de Física Experiental III 4/5 Engenharia Física ecnológica ALORIMERIA rabalho realizado por: Ricardo Figueira, nº53755; André unha, nº53757 iago Marques, nº53775 Grupo ; 3ªfeira 6-h Lisboa, 6

Leia mais

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino MÓDULO DE WEIBULL F. Jorge Lino Departaento de Engenharia Mecânica e Gestão Industrial da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Rua Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto, Portugal, Telf. 22508704/42,

Leia mais

Componentes de um sistema de realidade virtual

Componentes de um sistema de realidade virtual p prograação Coponentes de u sistea de realidade virtual Neste artigo apresenta-se a idéia de u projeto que perite a siulação de u passeio ciclístico utilizando a realidade virtual. Os sentidos do ciclista

Leia mais

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS ESLUÇÕES E ESPSTAS QUESTÃ : 0, t C t + 4 a) Co t, teos: 0, C t + 4 0, C 0,04 5 esposta: 0,04 0, t b) De 0,04, teos: t + 4 0,04(t + 4) 0,t t + 4 5t t 5t + 4 0 t ou t 4 Co t, teos t 4. esposta: 4 P-5/P-

Leia mais

Propagação do Potencial de Ação ao Longo do Axônio

Propagação do Potencial de Ação ao Longo do Axônio 5910187 Biofísica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 1 Propagação do Potencial de Ação ao Longo do Axônio Os experientos originais de Hodgkin e Huxley que os levara ao seu odelo era realizados e condições

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DAS COMPANHIAS AÉREAS BRASILEIRAS COM UMA VARIAÇÃO DO MODELO DE LI E REEVES

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DAS COMPANHIAS AÉREAS BRASILEIRAS COM UMA VARIAÇÃO DO MODELO DE LI E REEVES AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DAS COMPANHIAS AÉREAS BRASILEIRAS COM UMA VARIAÇÃO DO MODELO DE LI E REEVES Juliana Quintanilha da Silveira Eliane Ribeiro Pereira 2 Teresa Cristina Vilardo Doingues Correia João

Leia mais

Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Nome: R.A. Gabarito 4 a lista de exercícios

Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Nome: R.A. Gabarito 4 a lista de exercícios Engenharia Quíica Físico Quíica I. O abaixaento da pressão de vapor do solvente e soluções não eletrolíticas pode ser estudadas pela Lei de Raoult: P X P, onde P é a pressão de vapor do solvente na solução,

Leia mais

Nome. Instituição. Linha de ação

Nome. Instituição. Linha de ação Noe RESERVATÓRIO DE MADEIRA TRATADA PARA CAPTAÇÃO DE ÁGUA DA CHUVA Instituição ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PROFESSOR MANSUETO BOFF Linha de ação Atualente, devido ao cresciento populacional, a água te se

Leia mais

BUSCANDO ÁREAS DE DRENAGEM MÍNIMA PARA DEFINIÇÃO DA REDE DE DRENAGEM A PARTIR DA LITOLOGIA

BUSCANDO ÁREAS DE DRENAGEM MÍNIMA PARA DEFINIÇÃO DA REDE DE DRENAGEM A PARTIR DA LITOLOGIA BUSCANDO ÁREAS DE DRENAGEM MÍNIMA PARA DEFINIÇÃO DA REDE DE DRENAGEM A PARTIR DA LITOLOGIA Mino Viana Sorribas 1 ; Paulo Rógenes Monteiro Pontes 2 ; Walter Collischonn 3, Rodrigo Cauduro Dias de Paiva

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO Instituto da Água - Direcção de Serviços de Recursos Hídricos Sónia Fernandes, Ana Catarina Mariano, Maria Teresa Álvares, Maria

Leia mais

LEITURA E INTERPRETAÇÃO NBR ISO 9001:2008

LEITURA E INTERPRETAÇÃO NBR ISO 9001:2008 LEITURA E INTERPRETAÇÃO NBR ISO 9001:2008 APRESENTAÇÃO Instrutora: Noe: Márcia Assunção Foração: Graduada e Pós-graduada... Exp. Profissional:... 10 anos Objetivo do curso: Disseinar a interpretação dos

Leia mais

Medidas de Desempenho em Computação Paralela

Medidas de Desempenho em Computação Paralela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Capus Curitiba Prograa de Pós-graduação e Engenharia e Inforática (CPGEI) Laboratório de Bioinforática Medidas de Desepenho e Coputação Paralela Heitor

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO TOPOGRÁFICA DOS VINHEDOS NO VALE DOS VINHEDOS, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL

AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO TOPOGRÁFICA DOS VINHEDOS NO VALE DOS VINHEDOS, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO TOPOGRÁFICA DOS VINHEDOS NO VALE DOS VINHEDOS, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL ELISEU WEBER, ELIANA CASCO SARMENTO, HEINRICH HASENACK Universidade Federal do Rio Grande do Sul, eweber@portoweb.com.br

Leia mais

Plano de ação sectorial de racionalização das TIC no Ministério da Solidariedade e da Segurança Social

Plano de ação sectorial de racionalização das TIC no Ministério da Solidariedade e da Segurança Social Plano de ação sectorial de racionalização das TIC no Horizonte 2012-2016 Grupo de Projeto para as Tecnologias de Inforação e Counicação 1 Título: Plano de ação sectorial de racionalização das TIC no Ministério

Leia mais

XVI CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 22 a 26 de outubro de 2007

XVI CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 22 a 26 de outubro de 2007 CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO GRANDE UTILIZANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS MARCELO R. VIOLA 1 ; CARLOS R. DE MELLO 2 ; GILBERTO COELHO 3 ; MATHEUS F. DURÃES 4 ; LÉO

Leia mais

Carina Petsch Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS carinapetsch@gmail.com

Carina Petsch Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS carinapetsch@gmail.com ANÁLISE COMPARATIVA DA ACURACIDADE DA REDE DE DRENAGEM GERADA AUTOMATICAMENTE E EXTRAÍDA DE CARTA TOPOGRÁFICA: ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA PR. Carina Petsch Universidade Federal do Rio

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Nuérico Faculdade de ngenhari Arquiteturas e Urbaniso FAU Prof. Dr. Sergio Pilling (IPD/ Física e Astronoia) VI Integração Nuérica Objetivos: O objetivo desta aula é apresentar o étodo de integração

Leia mais

ATRIBUTOS FÍSICOS DO SOLO E CRESCIMENTO RADICULAR DE SOJA EM LATOSSOLO ROXO SOB DIFERENTES MÉTODOS DE PREPARO DO SOLO (1)

ATRIBUTOS FÍSICOS DO SOLO E CRESCIMENTO RADICULAR DE SOJA EM LATOSSOLO ROXO SOB DIFERENTES MÉTODOS DE PREPARO DO SOLO (1) ATRIBUTOS FÍSICOS DO SOLO E CRESCIMENTO RADICULAR DE SOJA... 703 ATRIBUTOS FÍSICOS DO SOLO E CRESCIMENTO RADICULAR DE SOJA EM LATOSSOLO ROXO SOB DIFERENTES MÉTODOS DE PREPARO DO SOLO (1) I. C. DE MARIA

Leia mais

Aula 4. Inferência para duas populações.

Aula 4. Inferência para duas populações. Aula 4. Inferência para duas populações. Teos duas aostras independentes de duas populações P e P : população P aostra x, x,..., x n população P aostra y, y,..., y Observação: taanho de aostras pode ser

Leia mais

ALTITUDES E GEOPOTENCIAL 1 S. R. C. de Freitas 1 & D. Blitzkow 2

ALTITUDES E GEOPOTENCIAL 1 S. R. C. de Freitas 1 & D. Blitzkow 2 ALTITUDES E GEOOTENCIAL 1 S. R. C. de Freitas 1 & D. Blitzkow 1 Universidade Federal do araná, Curso de ós-graduação e Ciências Geodésicas, Cx. ostal 19011, 81531-990, Curitiba, R, Brasil, e-ail: sfreitas@ufpr.br

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DOCUMENTAL EM FLORIANÓPOLIS: ANÁLISE DE FUNCIONALIDADES BASEADA NOS REQUISITOS DO E-ARQ BRASIL

SISTEMAS DE GESTÃO DOCUMENTAL EM FLORIANÓPOLIS: ANÁLISE DE FUNCIONALIDADES BASEADA NOS REQUISITOS DO E-ARQ BRASIL SISTEMAS DE GESTÃO DOCUMETAL EM FLORIAÓPOLIS: AÁLISE DE FUCIOALIDADES BASEADA OS REQUISITOS DO E-ARQ BRASIL Suélle Chrystina Leal da lva Graduanda no Curso de Arquivologia UFSC suelle.lealdasilva@gail.co

Leia mais

Determinação de caminhos de contaminação das águas por líquidos poluentes

Determinação de caminhos de contaminação das águas por líquidos poluentes Determinação de caminhos de contaminação das águas por líquidos poluentes Sergio Rosim 1 Alexandre Copertino Jardim 1 João Ricardo de Freitas Oliveira 1 Henrique Rennó de Azeredo Freitas 1 1 Instituto

Leia mais

XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX. Atlas Copco Compressores de Ar Portáteis Maior produtividade em todas as situações

XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX. Atlas Copco Compressores de Ar Portáteis Maior produtividade em todas as situações Atlas Copco Copressores de Ar Portáteis Maior produtividade e todas as situações XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX A Atlas Copco é líder undial e copressores de ar portáteis,

Leia mais

XVII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA I ENCONTRO DE ENGENHARIA DE SISTEMAS IV WORKSHOP DE LASER E ÓPTICA NA AGRICULTURA 27 a 31 de outubro de 2008

XVII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA I ENCONTRO DE ENGENHARIA DE SISTEMAS IV WORKSHOP DE LASER E ÓPTICA NA AGRICULTURA 27 a 31 de outubro de 2008 ESTUDO DA COMPOSIÇÃO FÍSICA DO BAGAÇO DE CANA JOYCE MARIA GOMES COSTA 1* ; JOHNSON CLAY PEREISA SANTOS 2 ; JEFFERSON LUIZ GOMES CORRÊA 3 ; VIVIANE MACHADO DE AZEVEDO 4 RESUMO O objetivo deste trabalho

Leia mais

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante.

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante. Questão 01 - Alternativa B :: Física :: Coo a distância d R é percorrida antes do acionaento dos freios, a velocidade do autoóvel (54 k/h ou 15 /s) peranece constante. Então: v = 15 /s t = 4/5 s v = x

Leia mais

PROTÓTIPO DE SISTEMA DE SUPORTE À DECISÃO PARA GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS INTEGRADO A UM SIG: IPH-SISDEC

PROTÓTIPO DE SISTEMA DE SUPORTE À DECISÃO PARA GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS INTEGRADO A UM SIG: IPH-SISDEC PROTÓTIPO DE SISTEMA DE SUPORTE À DECISÃO PARA GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS INTEGRADO A UM SIG: IPH-SISDEC Margarita M. Pereira Pessoa 1 ; Rafael H. Bloedow Kayser 2 ; Carlos Ruberto Fragoso Jr.

Leia mais

b) Dalton proporções definidas. c) Richter proporções recíprocas. d) Gay-Lussac transformação isobárica. e) Proust proporções constantes.

b) Dalton proporções definidas. c) Richter proporções recíprocas. d) Gay-Lussac transformação isobárica. e) Proust proporções constantes. APRFUDAMET QUÍMIA 2012 LISTA 9 Leis ponderais e voluétricas, deterinação de fórulas, cálculos quíicos e estudo dos gases. Questão 01) A Lei da onservação da Massa, enunciada por Lavoisier e 1774, é ua

Leia mais

Algoritmo para a simulação computacional da colisão tridimensional de dois corpos

Algoritmo para a simulação computacional da colisão tridimensional de dois corpos Algorito para a siulação coputacional da colisão tridiensional de dois corpos André C. Sila, Aérico T. Bernardes Departaento de Engenharia de Minas Uniersidade Federal de Goiás (UFG) A. Dr. Laartine Pinto

Leia mais

Plano de ação sectorial de racionalização das TIC no MEC 2.0

Plano de ação sectorial de racionalização das TIC no MEC 2.0 Plano de ação sectorial de racionalização das TIC no 2.0 Horizonte 2014-2016 Grupo de Projeto para as Tecnologias de Inforação e Counicação 1 Título: Plano de ação sectorial de racionalização das TIC no

Leia mais

Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) É ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO DE OPERAÇÕES DE DEFESA CIVIL Departaento de Proteção Contra Incêndio, Explosão e Pânico NORMA TÉCNICA n. 28/2008 Manipulação,

Leia mais

Avaliação de híbridos F1 de café (Coffea arabica L.) e respectivos genitores, com marcadores RAPD'

Avaliação de híbridos F1 de café (Coffea arabica L.) e respectivos genitores, com marcadores RAPD' Bioteenologia Avaliação de híbridos F1 de café (Coffea arabica L.) e respectivos genitores, co arcadores RAPD' José Roberto M. FONTES - UFV; Ney. S. SAKIYAMA - UFV (sakiyaa@ail.ufv.br); Antônio A. CARDOSO

Leia mais

ALGORITMO GENÉTICO E PROGRAMAÇÃO MATEMÁTICA NA RESOLUÇÃO DE UM MODELO MATEMÁTICO PARA UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO DE BEBIDAS

ALGORITMO GENÉTICO E PROGRAMAÇÃO MATEMÁTICA NA RESOLUÇÃO DE UM MODELO MATEMÁTICO PARA UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO DE BEBIDAS ALGORTMO GENÉTCO E PROGRAMAÇÃO MATEMÁTCA NA RESOLUÇÃO DE UM MODELO MATEMÁTCO PARA UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO DE BEBDAS Claudio Fabiano Motta Toledo Departaento de Ciência da Coputação Universidade

Leia mais

Capítulo VII. Por Sérgio Feitoza Costa*

Capítulo VII. Por Sérgio Feitoza Costa* 44 Equipaentos para subestações de T&D Capítulo VII Distâncias de segurança de subestações e sisteas de proteção contra incêndios e subestações Este fascículo ve apresentando conceitos de engenharia para

Leia mais

APLICAÇÃO E IMPORTÂNCIA DOS SIG S E O GEOPROCESSAMENTO NA APRESENTAÇÃO DE MAPAS TEMÁTICOS PARA ESTUDOS DE SEGURANÇA PÚBLICA NA CIDADE DE MARINGÁ-PR

APLICAÇÃO E IMPORTÂNCIA DOS SIG S E O GEOPROCESSAMENTO NA APRESENTAÇÃO DE MAPAS TEMÁTICOS PARA ESTUDOS DE SEGURANÇA PÚBLICA NA CIDADE DE MARINGÁ-PR São Paulo, 8 a 12 de setebro de 2014. APLICAÇÃO E IMPORTÂNCIA DOS SIG S E O GEOPROCESSAMENTO NA APRESENTAÇÃO DE MAPAS TEMÁTICOS PARA ESTUDOS DE SEGURANÇA PÚBLICA NA CIDADE DE MARINGÁ-PR Rafael Gregoleti

Leia mais

XXXII ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA SISTEMA BRASILEIRO DE FINANCIAMENTO À EDUCAÇÃO BÁSICA: PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS, LIMITAÇÕES E ALTERNATIVAS

XXXII ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA SISTEMA BRASILEIRO DE FINANCIAMENTO À EDUCAÇÃO BÁSICA: PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS, LIMITAÇÕES E ALTERNATIVAS XXXII ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA SISTEMA BRASILEIRO DE FINANCIAMENTO À EDUCAÇÃO BÁSICA: PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS, LIMITAÇÕES E ALTERNATIVAS Reynaldo Fernandes reynaldo.fernandes@fazenda.gov.br Ministério

Leia mais

PREENCHIMENTO DE FALHAS DE DADOS OBSERVADOS DE VAZÃO UTILIZANDO A EQUAÇÃO DE MANNING

PREENCHIMENTO DE FALHAS DE DADOS OBSERVADOS DE VAZÃO UTILIZANDO A EQUAÇÃO DE MANNING PREENCHIMENTO DE FALHAS DE DADOS OBSERVADOS DE VAZÃO UTILIZANDO A EQUAÇÃO DE MANNING *Marilia Ferreira Tamiosso 1 & Camila Ferreira Tamiosso 2 & Ronaldo Kanopf de Araújo 3 & Jussara Cabral Cruz 4 & João

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE PROGRAMAS COMPUTACIONAIS PARA A ANÁLISE DE UMA ESTRUTURA E VERIFICAÇÃO DOS RESULTADOS DE ACORDO COM A NBR 6118:2003

COMPARAÇÃO ENTRE PROGRAMAS COMPUTACIONAIS PARA A ANÁLISE DE UMA ESTRUTURA E VERIFICAÇÃO DOS RESULTADOS DE ACORDO COM A NBR 6118:2003 COMPRÇÃO ENTRE PROGRMS COMPUTCIONIS PR NÁLISE DE UM ESTRUTUR E VERIFICÇÃO DOS RESULTDOS DE CORDO COM NBR 6118:003 EVILÁSIO DE SOUZ TRJNO Projeto Final de graduação apresentado ao corpo docente do Departaento

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS NA REGIÃO DE MANAUS AM 1

CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS NA REGIÃO DE MANAUS AM 1 CAMINHOS DE GEOGRAFIA - revista on line http://www.seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/ ISSN 1678-6343 Instituto de Geografia ufu Programa de Pós-graduação em Geografia CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DE BACIAS

Leia mais