Resoluções de Exercícios

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resoluções de Exercícios"

Transcrição

1 Resoluções de Exercícios BIOLOGIA II 01 Princípios Básicos que Regem a Transmissão das Características Genéticas e Aspectos Genéticos do Funcionamento do Corpo Humano e Conceitos Básicos As frases 1, 2, 3 e 4 estão corretas. A frase 5 apresenta erro, pois, onde se encontra a palavra mitose, deveria estar escrito meiose, e onde está escrito meiose, deveria estar escrito mitose. O indivíduo é heterozigoto Cc e 50% dos seus gametas conterão o gene C e 50%, o gene c. 10 cromossomos = 5 pares de cromossomos. São 16 genes alelos em cada par de cromossomos, logo, um total de 80 genes, e os gametas apresentarão a metade, ou seja, 5 cromossomos e 40 genes. As variáveis de uma característica são fenótipos. Alguns genes podem se manifestar de forma mais ou menos intensa dependendo das condições ambientais (norma de reação). No gato siamês, existe uma enzima que catalisa a produção do pigmento em temperaturas inferiores a 34 o C. Nos apêndices, a temperatura corpórea é favorável à enzima, logo, o pigmento é produzido, justificando a coloração escura nestas partes do gato. No restante do corpo, a temperatura está acima de 34 o C, não favorecendo a ação enzimática e, consequentemente, não há produção de pigmento e a cor do pelo é mais clara. 01 A Os cromossomos que são do mesmo tamanho e apresentam genes para a mesma característica são homólogos. No esquema, os genes que estão representados com as mesmas letras referem-se à mesma característica. Heterozigose significa apresentar alelos diferentes (Aa e Ff). Na ausência de dominância, o heterozigoto apresenta fenótipo médio. A pneumonia é uma doença que não está relacionada a fator genético; é, portanto, um caráter adquirido devido a fatores ambientais. As demais cenas referem-se à herança genética, são herdadas dos antecessores e passíveis de transmissão. 05 D O gene é definido como sendo um segmento de DNA que contenha uma informação genética. A proposição primeira é falsa. As demais proposições são verdadeiras. O fenótipo resulta da interação entre o ambiente e os genes que se expressam. 07 D O que define nossos fenótipos são nossos genes (que, em alguns casos, têm sua expressão variável em função do meio), recebidos de nossos pais. Não há transmissão de genes de tios para sobrinhos ou de avós para netos. Obviamente que, havendo parentesco, há similaridades, em maior ou menor grau, contudo, não é tecnicamente correto atribuir a herança genética aos avós, ao contrário do que propõe o senso comum. 08 A O gene é o segmento de DNA que codifica a síntese de um polipeptídio. 09 A É sabido que o fenótipo é a manifestação da interação entre genótipo e meio ambiente. O tratamento à base de insulina diminui os efeitos da alteração fisiológica decorrente do genótipo específico, mas não tem o poder de alterar o DNA. Portanto, por alterar somente o fenótipo, a insulina administrada em um indivíduo não causará nenhum efeito em sua descendência. Casais de pigmentação da pele normal, que apresentam genótipo Aa, podem ter filhos albinos. O gene para o albinismo é recessivo e não se manifesta nos indivíduos heterozigotos. São albinos apenas os indivíduos de genótipo aa. Tanto na fenocópia quanto na norma de reação ocorre influência do meio, as duas podem ser espontâneas ou provocadas, reversíveis ou não. No entanto, na norma de reação, o ambiente diferente pode fazer com que o gene tenha intensidade de funcionamento variável, enquanto que, na fenocópia, isso não ocorre. A genealogia não nos dá subsídios para determinarmos qual dos dois caracteres é recessivo, logo, qualquer conclusão sobre o genótipo é precipitada. Casal normal teve um filho e uma filha normais e, com anomalias, um filho e uma filha. Tio por parte de mãe casado com mulher anômala e sem filhos. Filha normal casada com rapaz normal teve dois filhos normais e uma filha anômala. biologia ii biologia Volume 01 7

2 05 B Veja o casal 1x2; os parentais possuem o mesmo fenótipo e os descendentes, fenótipos diferentes. Os diferentes são recessivos, obrigatoriamente. 06 D O caráter em estudo (negrito) é autossômico e recessivo, pois os indivíduos 1 e 2 são fenotipicamente iguais e possuem um filho (5) com fenótipo diferente. Considerando os alelos A e a, o genótipo de 6 é heterozigoto (Aa). 07 B Por se tratar de um caráter recessivo, os indivíduos 2, 3, 6, 10 e 11 são homozigotos. 08 B Pais de mesmo fenótipo com filho de fenótipo diferente, os pais são heterozigotos e o filho é homozigoto recessivo. 09 C Veja que, na genealogia em análise, no caso 3x4, ambos os parentais apresentam o mesmo fenótipo e produzem um descendente com fenótipo afetado, logo, este é recessivo e os parentais são heterozigotos. Essa conclusão é suficiente para garantirmos que o indivíduo 1 tem que ser normal heterozigoto. Claro, também, que outros heterozigotos existem, por exemplo: as filhas da mulher 1 e o pai da mulher 3. O ambiente determinando uma cópia de uma manifestação genética de alguém é conhecida como fenocópia. 02 Genética de Mendel (Primeira Lei) e Concepções Pré-Mendelianas 01 A A 1 a lei de Mendel diz que os fatores (genes) para a mesma característica se separam na formação dos gametas, indo apenas um do par para cada gameta. O resultado de 89 denteadas e 29 lisas é, aproximadamente, 3 denteadas para 1 lisa (3 : 1), o que se obtém quando cruzam heterozigotos Dd x Dd. Somente o homem teve essa mutação e apenas uma vez, apresentando apenas um alelo S. Logo, o casal é: Ss x ss, gerando 50% de filhos Ss e 50% ss e apenas metade dos descendentes Ss devem ser homens e vão manifestar o fenótipo aranha. Portanto, 25%. BLOCO 04 Cobaias cinzas são dominantes, pois tiveram descendentes de cor preta. Para determinarmos se uma mosca cinza é homozigota ou heterozigota, o procedimento correto é analisar a prole resultante do cruzamento dessas cobaias com outra preta (recessiva). É o cruzamento teste. Se nascer algum descendente preto, o dominante é heterozigoto, caso contrário é homozigoto. Tanto nos casos com dominância quanto nos casos sem dominância, a proporção genotípica é a mesma (1 : 2 : 1). A proporção fenotípica é de 3 : 1 nos casos com dominância e de 1 : 2 : 1 nos casos sem dominância. 03 D O retrocruzamento se refere ao cruzamento com algum indivíduo da geração anterior. 01 Na dominância, um gene chamado dominante se manifesta mesmo estando em heterozigose. No caso de sensibilidade ao PTC, o gene dominante codifica uma enzima que age determinando a capacidade dos indivíduos sentirem o gosto amargo. O alelo recessivo, que determina a não capacidade dos indivíduos sentirem o gosto amargo, também codifica uma enzima, porém o seu efeito fica mascarado pela ação do gene dominante. 02 O que determina a frequência de indivíduos portadores de uma certa característica em uma população é a frequência com que o gene aparece na população, e não o seu efeito de dominância ou recessividade. Embora o gene que causa a polidactilia seja dominante, a sua frequência na população é muito baixa, logo, a quantidade de pessoas com tal característica é insignificante. 03 A) SS ou Ss. B) EE ou Ee. C) NN ou Nn. D) VV ou Vv. Cc x Cc 1/4 CC = 1/4 16 = 4 CC 1/2 Cc = 1/2 16 = 8 Cc 1/4 cc = 1/4 16 = 4 cc Quando heterozigotos (Aa) são cruzados, os descendentes esperados são AA, Aa, Aa e aa. Considerando que semente lisa é dominante; que 2/3 das sementes lisas são Aa e que 630 sementes eram lisas, a proporção de sementes heterozigotas dentre as lisas é 2/3 x 630, que é igual a A Sementes lisas puras cruzadas com sementes rugosas puras fornecem descendentes, em F 1, 100% heterozigotas lisas. A autofecundação dessas lisas heterozigotas forneceu: 1/4 lisa pura; 1/2 lisa heterozigota; e 1/4 rugosa. Logo, o caráter rugoso é o recessivo. O gráfico nos mostra que casais com idade superior a, aproximadamente, 26 anos não correm risco de gerar filhos doentes. Os dados da questão nos permitem concluir que: O caráter batata é recessivo e o normal é dominante. Nessas condições, o cruzamento BB x bb não resultará em nenhum descendente batata. Probabilidade de A ser portador do alelo do albinismo é igual à probabilidade de A ser heterozigoto para o locus. Então, Aa x Aa = 1/3AA e 2/3Aa. Como A não é albino, o genótipo aa é excluído. A probabilidade de C ser albino é a probabilidade de A ser portador (Aa) combinada (multiplicada) pela probabilidade de A transmitir o alelo recessivo (a), assumindo que A é portador (Aa). Então, Aa x aa = 1/2Aa e 1/2aa. Ou seja, a probabilidade de C ser albino é 2/3 x 1/2 = 1/3. Probabilidade de nascer uma criança do sexo feminino: 2 1 Probabilidade de nascer uma criança com galactosemia: 2 1 Probabilidade de nascer uma criança do sexo feminino e com galactosemia: x = x = biologia Volume 01 biologia ii

3 08 B A probabilidade de Filó ser Cc é ½ e a probabilidade de apresentar um descendente cinza também é ½. A probabilidade final é ½ ½. 09 C Alelos: s (síndrome de Spoan) e S (normalmente). Pais: SS x Ss Filhos: 50% SS (normais) e 50% Ss (normais e portadores do alelo s, causador da síndrome) = 26 A probabilidade de Roberta ser heterozigota (Aa) e portadora do alelo recessivo (a) para o albinismo é 2/3. A probabilidade de João ser heterozigoto é 1/2. Nada se pode afirmar a respeito das probabilidades genotípicas para os avós paternos de Roberta. BLOCO E Pelo fato de existirem 3 fenótipos (longo, redondo e ovais), percebe-se que não há dominância entre os genes para longo e redondo. 02 B Como o genótipo AA é letal, somente os indivíduos Aa e aa nascem. Portanto, a proporção esperada é de 2 : 1. Aa x Aa Aa = (Aa) Alelos: HBA normal; HBS mutante. O genótipo heterozigoto é HBAHBS e não há predominância entre esses alelos, porque os portadores de uma cópia do gene mutante (HBS) apresentam glóbulos vermelhos normais e falcêmicos. 05 B Este é um típico caso de codominância. Nas flores em questão, os fatores para coloração vermelha (V) e branca (B) são codominantes. Plantas heterozigóticas para esses fatores possuem flores cor-de-rosa. O cruzamento entre duas plantas com flores cor-de-rosa gerará plantas com flores das três cores nas proporções 1 planta com flores vermelhas: 2 plantas com flores cor-de-rosa : 1 planta com flores brancas. (pais VB x VB; geração filial 1 VV : 2 VB : 1 BB). 06 C Endocruzamento é o nome dado a cruzamentos entre indivíduos próximos geneticamente. A prole resultante deste tipo de cruzamento tem um índice maior de apresentar os genes recessivos provenientes de ambos os pais, caso ambos sejam heterozigotos. Em casos de letalidade, a proporção mendeliana clássica de 3 : 1 é modificada para 2 : 1, pois os homozigotos dominantes não nascem. 08 C Legenda: A = acondroplásicos e aa = normais. Se o casal é acondroplásico e já tem uma menina normal, conclui-se que são heterozigotos. Casal: Aa x Aa Gametas: A,a A,a Gametas A a A AA Aa a Aa aa A probabilidade de vir a ter um menino é 1/2. A probabilidade de vir a nascer com acondroplasia é 3/4. A probabilidade de vir a ter um menino com acondroplasia é 1/2 x 3/4 = 3/8. 09 D Os indivíduos da mesma família são mais parecidos geneticamente e podem ter genes para uma mesma doença. 10 B No cruzamento teste, procede-se da seguinte maneira: cruza-se o indivíduo de genótipo desconhecido com um outro sabidamente recessivo. Se a prole demonstrar somente indivíduos com fenótipos dominantes, é certo que o parental desconhecido é homozigoto dominante. Porém, se na prole aparecer pelo menos um com o fenótipo recessivo, comprova-se que o parental é heterozigoto. 03 Genética de Mendel (Segunda Lei) e Noções de Probabilidade (Simples, Composta e Condicional) BLOCO E A chance de passar o gene A ao filho é 1/2 e deste passar ao neto é 1/2 e, por sua vez, deste passar ao bisneto é 1/2. A chance dos três eventos ocorrerem é 1/2 x 1/2 x 1/2 = 1/8 = 12,5%. O homem é Pp e a mulher é pp, sendo 1/2 a chance de terem uma criança com polidactilia. Logo, para terem 6 crianças, temos que multiplicar as probabilidades para cada evento: 1/2 x 1/2 x 1/2 x 1/2 x 1/2 x 1/2 = 1/64. Pelo enunciado, podemos descobrir que olhos castanhos são dominantes e o casal é heterozigoto, logo, podem ter filhos AA, Aa, Aa e aa. Para qualquer filho do casal, é 1/4 a chance de nascer com olhos azuis e 3/4 a chance de nascer com olhos castanhos. 04 D A fórmula 2 n resolve este tipo de questão, onde n representa o número de pares híbridos. AaBb 2 n = 2 2 = 4 AaBB 2 n = 2 1 = 2 AaBbCc 2 n = 2 3 = 8 AaBBcc 2 n = 2 1 = 2 AaBbcc 2 n = 2 2 = 4 05 D Qq x Qq c m = = 31, 6% 4 filhos com queratose? BLOCO 05 O cruzamento entre heterozigotos para dois pares de genes (AaBb x AaBb) pode ser resolvido separadamente: Aa x Aa e Bb x Bb. Em cada caso, a probabilidade de nascer alguém heterozigoto é 1/2. Portanto, a proporção de heterozigotos será 1/2 x 1/2 = 1/4 de um total de 192, ou seja B Os genes que estão no mesmo cromossomo não apresentam segregação independente, indo juntos para o mesmo gameta. Exceção feita para os casos de crossing-over, que serão estudados em outro capítulo. 03 A Como os genes se encontram em cromossomos diferentes e estes se agregam e se recombinam, os gametas ocorrem na mesma proporção. 04 D Carlos e Lúcia (anômalos) tiveram Pedro (normal), logo, o gene para a anomalia é dominante. O neto de Carlos tem genótipo Aa e Lia, sua esposa, também é Aa. Conclui-se, portanto, que, para o bisneto de Carlos ser anômalo (AA ou Aa), a probabilidade é de 3/4 ou 75%. Há um total de 25 filhos, sendo 7 filhos únicos. A probabilidade, portanto, é de 7/ E Branco e longo (puro) x Escuro e curto (puro) aall x AALL 100% AaLI (pelos escuros e curtos). biologia ii biologia Volume 01 9

4 07 B Alelos: S normalidade; s anemia falciforme Pais: Ss Ss Filhos: 25% SS; 50% Ss; 25% ss P( ss) = 0,5 0,25 = 0,125 = 12,5% 08 C Alelos: G (normal) e g (galactosemia) Pais: Gg x Gg Descendência esperada: GG, Gg, Gg e gg. Probabilidade de filho normal = 3/4, então, de os três serem normais é de (3/4) 3, que é igual a 27/ B Legenda: A_ = Late ; aa = Não late B_ = Orelha ereta ; bb = orelhas caídas O cruzamento entre heterozigotos para dois pares de genes (AaBb x AaBb) pode ser resolvido separadamente. Casal: Aa x Aa Gametas: A,a A,a Gametas A a A AA Aa a Aa aa A probabilidade de nascer filhote que late ao correr é 3/4. Casal: Bb x Bb Gametas: B,b B,b Gametas A b B BB Bb b Bb bb A probabilidade de nascer filhote que late ao correr e com orelhas caídas é 3/4 x 1/4 = 3/16 = 18,7% A afirmativa III está incorreta, pois as duas leis de Mendel se referem a eventos meióticos. 04 Polialelia ou Alelos Múltiplos (Cor dos Coelhos e Sistema ABO), Antígenos, Anticorpos, Sistema MN, Sistema Rh e Eritroblastose Fetal BLOCO 07 Para o casal Rr x rr, os filhos possíveis são: Rr e rr. Para ter a doença, a criança deve ser Rh + (Rr). A chance de que seja menino e Rh + é 1/2 x 1/2 = 1/4. O homem é I A I B MM e a mulher é I B _ MN. Não é impossível para o casal poder ter filhos A, AB e B, M ou MN. Mas não é possível filho N. 03 B A mulher é Rh negativo e, se o marido for Rh positivo, poderão ter filho com eritroblastose fetal, ainda mais que o filho será A, igual à mãe, ou O, não havendo incompatibilidade ABO entre mãe e filho para auxiliar na prevenção contra a doença. 01 Os indivíduos do grupo O possuem genótipo ii. Mesmo que ele possua o gene H, codificador do antígeno H, ele não produzirá as enzimas transferases: N-acetil-galactosamina e D-galactose, codificadas pelos genes I A e I B, respectivamente. Não sendo capaz de produzir as transferases, não há como produzir os aglutinógenos A e B. 02 Sim, é possível. Para tanto, basta que o individuo I A I B não possua o gene H, isto é, ele seja: I A I B hh. Na situação ora descrita, o indivíduo não possui capacidade de produzir o antígeno H e, por consequência, não produzirá aglutinógenos A e B, comportando-se de um modo semelhante a um outro indivíduo com fenótipo grupo O. 01 A) Se, durante a gestação ou mesmo durante o parto, mães de fator Rh que nunca foram sensibilizadas e gestaram o primeiro filho de fator Rh + tiveram contato com o sangue do primeiro filho, o organismo materno, então, passou a produzir anticorpos em quantidade suficiente para agredir o sangue do filho em uma segunda gestação. B) Partindo da premissa de que a mãe nunca antes fora sensibilizada, o seu plasma não contém anticorpos, logo, não há razão para apreensões. Porém, se, durante o parto, houve passagem de hemácias do feto para o organismo materno, isso nos causará apreensão, pois o organismo materno passará, nessa hipótese, a produzir anticorpos que, se não for tomada a devida precaução, farão o segundo filho ser acometido de eritroblastose. BLOCO 06 Fazendo pela fórmula: N o de genótipos = n(n + 1)/2, onde n representa o n o de alelos, teremos 3(3 + 1)/2 = 6. Consulte a tabela de genótipos e fenótipos para esta característica que se encontra na apostila teórica. Casal: C + C h x C ch C a Gametas C ch C a C + C + C ch C + C a C h C ch C h C h C a Serão obtidos: selvagem, 50% (C + C ch e C + C a ); chinchila, 25% (C ch C h ); e himalaia, 25% (C h C a ). BLOCO 06 Se a fêmea é marrom, apresenta C 1 e teve filho albino (cc), ela é C 1 c. Como a ninhada com macho 2 originou filhotes cremes e albinos, conclui-se que o macho 2 possui C 2 e c. 02 A Casal: I A i x I B i Gametas: I A, i I B, i Gametas I B i I A I A I B I A i i I B i ii 10 biologia Volume 01 biologia ii

5 03 B A transfusão realizada proporcionou a mistura de sangues incompatíveis com a presença de anticorpos contrários; logo, as hemácias do receptor foram aglutinadas juntamente com as do doador. De acordo com os dados, pode-se concluir que: 30% é do grupo B, 10% é do O, 40% é do A e 20% do AB. Assim sendo, 40% podem doar para indivíduos do grupo B, ou seja, 320 doadores 05 B Lâmina I, sangue AB, lâmina 2, sangue O; lâmina 3, sangue B; e lâmina 4, sangue A. Feita essa discriminação, percebe-se que, de um indivíduo de sangue B cruzado com um sangue O, os descendentes só poderão ser O ou B. A sugestão 2 traduz o cruzamento teste, ou seja, o reprodutor que originar filhotes de orelha curta é heterozigoto. 07 A P(aglutinogênio A nas hemácias) = P(A + ) + P(A ) + P(AB + ) + P(AB ) = = ,5 + 0,5 = P(A + ) = = 0,755 0,76 76% Pais: I A i x I B i (Guilherme e Joana ou Joana e Guilherme). Filhos: 25% I A I B, 25% I A i, 25% I B i e 25% ii. 09 D Regina é receptora universal. Roberto não pode receber sangue de Flávia, pois ele tem anti-b e ela é do grupo B. Se Roberto (ii) se casar com Flávia e esta for homozigota, 100% dos filhos terão sangue tipo B. Regina possui, de fato, aglutinogênios A e B nas hemácias. Roberto é homozigoto (ii) e Regina, heterozigota (AB). A mãe da referida mulher é do grupo O, logo, a possibilidade dela ser do grupo AB é nula. BLOCO 07 Se nasceu criança B e O, conclui-se que o pai é I B i e se nasceram crianças MM e NN, conclui-se que o pai é MN. Como nasceu criança Rh (rr), conclui-se que o pai possui r, podendo ser rr ou Rr. Portanto, a opção com a resposta possível é a C. O pai deve ser Rh positivo e a mãe deve ser Rh negativo para que possa nascer criança com a doença. A primeira criança normal foi Rh positivo, sensibilizando a mãe, e as outras morreram por serem Rh positivo. 03 B Para ocorrer eritroblastose fetal, a mãe tem que ter Rh, o pai Rh + e o filho Rh +. Como a mãe tem fator Rh +, ela poderá receber sangue com Rh + e Rh, logo, não há problema aparente de receber sangue dos seus filhos. O caso do pai é perigoso, haja vista que o pai tem fator Rh, só poderá receber sangue com fator Rh. Como não podemos identificar o filho ou a filha que se enquadre nessa condição, por medida de segurança, não se deve cogitar a transfusão dos filhos ou filhas para o pai. 05 C Para ocorrer a eritroblastose fetal, a mãe tem que ter o fator Rh e o feto fator Rh +. Durante a gestação ou durante o parto, tem que haver mistura de sangue fetal com o sangue materno, isto é, antígenos do feto têm que sensibilizar o organismo da mãe. Lembrando que a eritroblastose fetal, se não forem tomadas as precauções, só irá atingir a próxima gestação. Sendo Capitu pertencente ao grupo sanguíneo AB Rh + e Ezequiel, provavelmente, dos grupos A ou AB e Rh positivo ou negativo, Ezequiel poderia ser filho de ambos, por pertencer ao grupo A Rh positivo. 07 B A mulher Rh é sensibilizada por transfusão Rh + ou pela passagem de hemácias de filhos Rh + pela placenta. 08 E Sendo seu novo sangue Rh +, ela não produzirá anti-rh, portanto, não poderá gerar uma criança com eritroblastose fetal. 09 E O indivíduo do grupo O (VI) só pode receber sangue O, portanto, 25 litros. O casal TN x TN pode ter descendentes: Gametas: T, N T, N Gametas T N T TT TN N TN NN Os indivíduos TT morrem na infância e os demais chegam à idade adulta, sendo os TN anêmicos e o NN normal, portanto, 2/3. O cruzamento entre Aa x aa apresenta 1/2 de chance de nascer Aa, independente de resultados anteriores. 02 A Os heterozigotos não serão exatamente iguais nem ao pai nem à mãe, indicando que não houve dominância por parte dos genes do pai nem da mãe. Pelo enunciado, descobrimos que o casal é heterozigoto, logo, podem ter filhos AA, Aa, Aa e aa. Para qualquer filho do casal é 1/4 a chance de nascer albino e 3/4 a chance de nascer com pigmentação normal da pele. 04 B O homem 3 é aa, pois a anomalia é recessiva. A mulher 11 é Aa, pois é filha de pai afetado. Assim sendo, o casal pode ter filhos: 50% aa e 50% Aa. A chance de nascer menina é 1/2. A chance de que nasça menina e afetada é 1/2 x 1/2 = 1/4. Os indivíduos 13, 14 e 16 são normais e filhos de pais heterozigotos (7 x 8), podendo ser AA ou aa. 06 D Em cada par será 1/2 a chance de passar para o gameta o cromossomo paterno, portanto, como são quatro pares, teremos: 1/2 x 1/2 x 1/2 x 1/2 = 1/16 O indivíduo 6 é heterozigoto (BO), pois apresenta gene B e possui pai do grupo O (OO). 08 D A incompatibilidade para o sistema ABO entre mãe e filho destrói as hemácias do filho que entram na mãe após o parto, evitando que a mãe se sensibilize para o sistema Rh. Como a mulher e o marido atendem às condições para terem criança com eritroblastose fetal, esta incompatibilidade seria útil para diminuir a preocupação do doutor com a possibilidade do casal vir a ter criança doente. 09 A O indivíduo do grupo AB não pode doar sangue para outros tipos sanguíneos, pois apresenta aglutinogênios A e B em suas hemácias. O homem é destro (Cc) e não enrola a língua (ee). A mulher é canhota (cc) e enrola a língua (Ee). A chance de ter uma filha é 1/2; a chance de ser cc é 1/2; a chance de ser ee é 1/2. Multiplicando-se as três probabilidades (regra do e), teremos: 1/2 x 1/2 x 1/2 = 1/8 = 12,5%. biologia Ii biologia Volume 01 11

Resoluções de Exercícios

Resoluções de Exercícios Resoluções de Exercícios EA: EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EH: EXERCITANDO HABILIDADES TC: TAREFA DE CASA BIOLOGIA II DARWIN Capítulo 01 EA - BLOCO 01 HEREDITARIEDADE E DIVERSIDADE DA VIDA Princípios Básicos

Leia mais

I. Os anticorpos são transferidos através da placenta.

I. Os anticorpos são transferidos através da placenta. Revisão para recuperação Questão 01) A descoberta dos sistemas sanguíneos ABO e Rh teve grande impacto na área médica, pois permitiu realizar transfusões de sangue apenas entre pessoas de grupos sanguíneos

Leia mais

10.04. Este casal poderá ter uma criança com Eritroblastose Fetal. A probabilidade é de 50%. CRUZAMENTO Mulher Homem rr X Rr

10.04. Este casal poderá ter uma criança com Eritroblastose Fetal. A probabilidade é de 50%. CRUZAMENTO Mulher Homem rr X Rr BIO 4E aula 10 10.01. Para que ocorra a Eritroblastose Fetal (Doença Hemolítica do Recém Nascido) a mãe deve ter sangue Rh - e ter sido sensibilizada, e a criança deve ser Rh +. 10.02. Quando uma mulher

Leia mais

ENSINO MÉDIO. Disciplina: BIOLOGIA Professor: GUSTAVO Série: 2ª ABC

ENSINO MÉDIO. Disciplina: BIOLOGIA Professor: GUSTAVO Série: 2ª ABC ENSINO MÉDIO Disciplina: BIOLOGIA Professor: GUSTAVO Série: 2ª ABC 1- A Doença de Huntington (DH) é uma anomalia autossômica com caráter dominante, cuja manifestação ocorre na fase adulta, com uma progressiva

Leia mais

No início do século XX, o austríaco Karl Landsteiner, misturando o sangue de indivíduos diferentes, verificou que apenas algumas combinações eram

No início do século XX, o austríaco Karl Landsteiner, misturando o sangue de indivíduos diferentes, verificou que apenas algumas combinações eram No início do século XX, o austríaco Karl Landsteiner, misturando o sangue de indivíduos diferentes, verificou que apenas algumas combinações eram compatíveis. Descobriu, assim, a existência do chamado

Leia mais

BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO

BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO Professor: CRISTINO RÊGO Disciplina: CIÊNCIAS Assunto: FUNDAMENTOS DE GENÉTICA Belém /PA BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO 1. (UFMG) Indique a proposição que completa, de forma correta, a afirmativa abaixo:

Leia mais

Ensino Médio 2º ano classe: Prof. Gustavo Nome: nº. Lista de Exercícios 1ª Lei de Mendel, exceções e Sistema ABO e Rh

Ensino Médio 2º ano classe: Prof. Gustavo Nome: nº. Lista de Exercícios 1ª Lei de Mendel, exceções e Sistema ABO e Rh . Ensino Médio 2º ano classe: Prof. Gustavo Nome: nº Lista de Exercícios 1ª Lei de Mendel, exceções e Sistema ABO e Rh. 1- Em um experimento, preparou-se um conjunto de plantas por técnica de clonagem

Leia mais

Genética Monoibridismo e Alelos Múltiplos

Genética Monoibridismo e Alelos Múltiplos Genética Monoibridismo e Alelos Múltiplos Aula Genética - 3º. Ano Ensino Médio - Biologia Prof a. Juliana Fabris Lima Garcia Hibridação Definição: O cruzamento entre indivíduos homozigotos que apresentam

Leia mais

Quando dois eventos devem acontecer simultaneamente as probabilidades individuais devem ser MULTIPLICADAS.

Quando dois eventos devem acontecer simultaneamente as probabilidades individuais devem ser MULTIPLICADAS. Regra do E Quando dois eventos devem acontecer simultaneamente as probabilidades individuais devem ser MULTIPLICADAS. Regra do OU Quando deve acontecer um evento ou outro, as probabilidades devem ser SOMADAS.

Leia mais

Alelos múltiplos na determinação de um caráter

Alelos múltiplos na determinação de um caráter Alelos múltiplos na determinação de um caráter Determinados gene pode sofrer ao longo do tempo diversas mutações e originar vários alelos esse fenômeno é chamado de polialelia. São bastante frequentes

Leia mais

01 - (UNIMEP RJ) 02 - (GAMA FILHO RJ) 03 - (UFPA) 04 - (UFRJ) 05 - (FUVEST SP)

01 - (UNIMEP RJ) 02 - (GAMA FILHO RJ) 03 - (UFPA) 04 - (UFRJ) 05 - (FUVEST SP) 01 - (UNIMEP RJ) Assinale a alternativa que apresenta um casal que pode ter descendentes com todos os tipos sangüíneos do sistema ABO. a) IA i x IA IB b) i i x i I c) IA IB x IA IB d) IA IA x IB i e) nenhuma

Leia mais

GENÉTICA. a) 180 b) 240 c) 90 d) 120 e) 360

GENÉTICA. a) 180 b) 240 c) 90 d) 120 e) 360 GENÉTICA 1. O gene autossômico que condiciona pêlos curtos no coelho é dominante em relação ao gene que determina pêlos longos. Do cruzamento entre coelhos heterozigotos nasceram 480 filhotes, dos quais

Leia mais

2ª LISTA - GENÉTICA - 3º ANO - CMCG - PROF. BELAN

2ª LISTA - GENÉTICA - 3º ANO - CMCG - PROF. BELAN 2ª LISTA - GENÉTICA - 3º ANO - CMCG - PROF. BELAN 1. (FUVEST) A cor dos pelos nas cobaias é condicionada por uma série de alelos múltiplos com a seguinte escala de dominância: C (preta) > C 1 (marrom)

Leia mais

Matéria: biologia Assunto: hereditariedade e diversidade da vida Prof. enrico blota

Matéria: biologia Assunto: hereditariedade e diversidade da vida Prof. enrico blota Matéria: biologia Assunto: hereditariedade e diversidade da vida Prof. enrico blota Biologia Princípios Básicos de Genética A genética é a parte da biologia que trata do estudo dos genes e de suas manifestações,

Leia mais

Leis de Mendel. Genética Biologia III

Leis de Mendel. Genética Biologia III Leis de Mendel Genética Biologia III Mendel (1822-1884) Por que ervilhas? Variedades com características bem definidas, sem formas intermediárias; Fácil cultivo; Ciclo reprodutivo curto; Grande número

Leia mais

Apostila de Biologia 11 Leis de Mendel

Apostila de Biologia 11 Leis de Mendel Apostila de Biologia 11 Leis de Mendel Matheus Borges 1.0 Conceitos Básicos Herança biológica ou hereditariedade: características básicas da espécie que herdamos como também as características individuais.

Leia mais

Resoluções das atividades

Resoluções das atividades LIVRO BIOLOGIA Resoluções das atividades Sumário Capítulo 5 Genética do sangue e eritroblastose fetal Capítulo 6 Herança dos cromossomos sexuais Capítulo 7 Lei da Segregação Independente e interação gênica

Leia mais

Nome: Nº Ano: 3º Turma: Disciplina: Biologia Professor: Wanessa Data: / /

Nome: Nº Ano: 3º Turma: Disciplina: Biologia Professor: Wanessa Data: / / Nome: Nº Ano: 3º Turma: Disciplina: Biologia Professor: Wanessa Data: / / 1ª Lei de Mendel 01. Ordene as duas colunas e assinale a ordem certa. Atividade 1 Lista de exercícios Genética 05. Qual a probabilidade

Leia mais

GENÉTICA 1ª Lei de Mendel

GENÉTICA 1ª Lei de Mendel GENÉTICA 1ª Lei de Mendel 1) Um rato marrom foi cruzado com duas fêmeas pretas. Uma delas teve 7 filhotes pretos e 6 filhotes de cor marrom. A outra teve 14 filhotes de cor preta. Os genótipos do macho

Leia mais

BIOLOGIA. Professor (a): Robyson 3º Ano Matutino 1 Bimestre. Aluno (a): Nº. a) 15% b) 25% c) 50% d) 100% e) 0%

BIOLOGIA. Professor (a): Robyson 3º Ano Matutino 1 Bimestre. Aluno (a): Nº. a) 15% b) 25% c) 50% d) 100% e) 0% Lista: BIOLOGIA 01 Professor (a): Robyson 3º Ano Matutino 1 Bimestre ata: 18 / 03 / 2015 Aluno (a): Nº 01. (UFPE) Renato (III.1), cuja avó materna e avô paterno eram albinos, preocupado com a possibilidade

Leia mais

O albinismo é uma doença metabólica hereditária, resultado de disfunção gênica na produção de melanina. Para que a doença se manifeste é necessário

O albinismo é uma doença metabólica hereditária, resultado de disfunção gênica na produção de melanina. Para que a doença se manifeste é necessário O albinismo é uma doença metabólica hereditária, resultado de disfunção gênica na produção de melanina. Para que a doença se manifeste é necessário que a mutação esteja em homozigose (doença autossômica

Leia mais

Genética Conceitos Básicos

Genética Conceitos Básicos Genética Conceitos Básicos O que é genética? É o estudo dos genes e de sua transmissão para as gerações futuras. É dividida em: Genética Clássica Mendel (1856 1865) Genética Moderna Watson e Crick (1953).

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / / ENSINO: ( ) Fundamental (x) Médio SÉRIE: _3ª TURMA: TURNO: DISCIPLINA: _BIOLOGIA PROFESSOR: Silas Miranda 01- A genealogia abaixo apresenta

Leia mais

01/10/2012 GENÉTICA ANÁLISE DO HEREDOGRAMA PADRÃO DE HERANÇA AUTOSSÔMICO III. Autossômico recessivo - Fenótipo preto

01/10/2012 GENÉTICA ANÁLISE DO HEREDOGRAMA PADRÃO DE HERANÇA AUTOSSÔMICO III. Autossômico recessivo - Fenótipo preto GENÉTICA Heredogramas e Probabilidades ANÁLISE DO HEREDOGRAMA PADRÃO DE HERANÇA AUTOSSÔMICO Indivíduo sexo masculino normal Indivíduo sexo feminino normal Indivíduo sexo masculino afetado Indivíduo sexo

Leia mais

Primeira Lei de Mendel. Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.br/

Primeira Lei de Mendel. Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.br/ 0 Primeira Lei de Mendel Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.br/ Primeira Lei de Mendel Mendel demonstrou que a herança não é obra do acaso e sim determinada por

Leia mais

Lei da Segregação. Experimentos de Mendel

Lei da Segregação. Experimentos de Mendel Lei da Segregação Os trabalhos do monge Agostinho Gregor Mendel, realizados há mais de um século, estabeleceram os princípios básicos da herança, que, até hoje, são aplicados nos estudos da Genética. A

Leia mais

Primeira e Segunda Lei de Mendel, Polialelia, Sangue e Sexo

Primeira e Segunda Lei de Mendel, Polialelia, Sangue e Sexo Primeira e Segunda Lei de Mendel, Polialelia, Sangue e Sexo 1. Em uma espécie de planta, a forma dos frutos pode ser alongada, oval ou redonda. Foram realizados quatro tipos de cruzamento entre plantas

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA GENÉTICA

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA GENÉTICA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA GENÉTICA PROFESSORA: SANDRA BIANCHI ASSUNTOS ESTUDADOS NA GENÉTICA ESTUDO DOS GENES E DA HEREDITARIEDADE A GENÉTICA E A MATEMÁTICA ESTUDANDO PROBABILIDADE FÓRMULA GERAL: P(A) =

Leia mais

Lista de Exercícios GENÉTICA 1ª e 2ª Lei de Mendel Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net

Lista de Exercícios GENÉTICA 1ª e 2ª Lei de Mendel Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net Lista de Exercícios GENÉTICA ª e 2ª Lei de Mendel Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net 0 - (ACAFE SC/203) A imagem abaixo trata-se de um: a) hemograma, gráfico usado em genética para representar

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES EM GENÉTICA - PARTE I

DESENVOLVENDO HABILIDADES EM GENÉTICA - PARTE I DESENVOLVENDO HABILIDADES EM GENÉTICA - PARTE I Leia o texto abaixo com atenção. Considere que, nos pombos, a ausência de s é condicionada geneticamente. Nos cruzamentos que um criador realizava, ele observou

Leia mais

Biologia LIVRO 3 Unidade 1 Avaliação capítulos 1, 2, 3 e 4 Genética PRIMEIRA LEI DE MENDEL.

Biologia LIVRO 3 Unidade 1 Avaliação capítulos 1, 2, 3 e 4 Genética PRIMEIRA LEI DE MENDEL. PRIMEIRA LEI DE MENDEL. 1. Estabeleça, no quadro, a relação correta entre as colunas dos termos e respectivas definições presentes no estudo de genética. ( a ) penetrância ( b ) expressividade ( c ) dominância

Leia mais

PLANO DE AULA Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert

PLANO DE AULA Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert PLANO DE AULA Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nível de Ensino: Ensino Médio Ano/Série: 3º ano Disciplina: Biologia Quantidade de aulas: 2 2. TEMA

Leia mais

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013 1. (Fuvest 92) Nos anos 40, o famoso cineasta Charlie ChapIin foi acusado de ser o pai de uma criança, fato que ele não admitia. Os exames de sangue revelaram que a mãe era do grupo A, a criança do grupo

Leia mais

Aula 14 Sistema ABO. Grupo sangüíneo (fenótipo) Aglutinogênio (hemácias) Aglutinina (soro) Anti - B. Anti - A. A e B.

Aula 14 Sistema ABO. Grupo sangüíneo (fenótipo) Aglutinogênio (hemácias) Aglutinina (soro) Anti - B. Anti - A. A e B. Aula 14 Sistema ABO A transfusão de sangue incompatível pode provocar queda de pressão, escurecimento da visão, desmaio e até a morte. Esses efeitos são devidos a uma reação de aglutinação, ou seja reunião

Leia mais

01) Observe a genealogia a seguir:

01) Observe a genealogia a seguir: COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO. LISTA DE REVISÃO DE GENÉTICA TERCEIRÃO PROF. NANNI 01) Observe a genealogia a seguir: Sabendo-se

Leia mais

GENÉTICA MENDELIANA ou GENÉTICA QUALITATIVA

GENÉTICA MENDELIANA ou GENÉTICA QUALITATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA DISCIPLINA DE GENÉTICA GENÉTICA MENDELIANA ou GENÉTICA QUALITATIVA Profa. Dra. Mônica Gusmão Engenheira Agrônoma Profa. Mônica Gusmão PERGUNTAS FUNDAMENTAIS DOS PADRÕES

Leia mais

3-Esquematize o exame de tipagem sanguínea e possíveis resultados.

3-Esquematize o exame de tipagem sanguínea e possíveis resultados. Lista de exercícios para prova mensal do 3º bimestre 1-Diferencie autossomos de heterossomos. 2-Defina e exemplifique: a) Herança ligada ao sexo b) Herança restrita ao sexo c) Herança influenciada pelo

Leia mais

b) qual ou quais os possíveis grupos sangüíneos usados erroneamente na transfusão?

b) qual ou quais os possíveis grupos sangüíneos usados erroneamente na transfusão? Listão de biologia 1. (G2) O pai e a mãe de um par de gêmeos monozigóticos têm tipo sangüíneo A. Uma outra criança desse casal é do grupo sangüíneo O. a) Quais os genótipos do pai e da mãe? b) Qual é a

Leia mais

1 GENÉTICA MENDELIANA

1 GENÉTICA MENDELIANA 1 GENÉTICA MENDELIANA Gregor J. Mendel nasceu em 1822, no ano de 1843 ingressou no mosteiro Altbriinn, que pertencia à Ordem dos Agostinianos, na antiga cidade de Bruiinn, Áustria, hoje Brno, República

Leia mais

De acordo com a segunda lei de Mendel, assinale o que for correto, no que ser refere ao cálculo referente aos tipos de gametas formados por um

De acordo com a segunda lei de Mendel, assinale o que for correto, no que ser refere ao cálculo referente aos tipos de gametas formados por um De acordo com a segunda lei de Mendel, assinale o que for correto, no que ser refere ao cálculo referente aos tipos de gametas formados por um indivíduo. 01) Considerando-se um indivíduo AaBbcc pode-se

Leia mais

ANTÍGENO OU AGLUTINOGÊNIO (nas hemácias)

ANTÍGENO OU AGLUTINOGÊNIO (nas hemácias) HERANÇA DOS GRUPOS SANGÜÍNEOS NA ESPÉCIE HUMANA SISTEMA ABO É um caso de polialelia porque existem três alelos envolvidos (I A, I B, i); O alelo I A determina a produção do antígeno ou aglutinogênio A

Leia mais

Programa de Retomada de Conteúdo 3º Bimestre

Programa de Retomada de Conteúdo 3º Bimestre Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio, Rua Cantagalo 305, 313, 325, 337 e 339 Tatuapé Fones: 2293-9166 Diretoria de Ensino Região LESTE 5 Programa de Retomada de Conteúdo 3º Bimestre Nome:

Leia mais

Genética Grupos sanguíneos

Genética Grupos sanguíneos Genética Grupos sanguíneos 1- Em um banco de sangue, existe o seguintes estoque: 12 litros de sangue do tipo A, 7 litros de sangue do tipo B, 3 litros de sangue do tipo AB e 10 litros de sangue do tipo

Leia mais

Genética. Leis de Mendel

Genética. Leis de Mendel Genética Leis de Mendel DEFINIÇÕES GENES: Pedaços de DNA síntese de determinada proteína. LOCUS GÊNICO: É o local ocupado pelo gene no cromossomo. GENES ALELOS: Situam-se no mesmo Locus Gênico. HOMOZIGOTOS:

Leia mais

Entendendo a herança genética. Capítulo 5 CSA 2015

Entendendo a herança genética. Capítulo 5 CSA 2015 Entendendo a herança genética Capítulo 5 CSA 2015 Como explicar as semelhanças entre gerações diferentes? Pai e filha Avó e neta Pai e filho Avó, mãe e filha Histórico Acreditava na produção, por todas

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas FAEM - DZ Curso de Zootecnia Genética Aplicada à Produção Animal

Universidade Federal de Pelotas FAEM - DZ Curso de Zootecnia Genética Aplicada à Produção Animal Universidade Federal de Pelotas FAEM - DZ Curso de Zootecnia Genética Aplicada à Produção Animal Genética clássica: mono, di e polihibridismo, alelismo múltiplo. A PRIMEIRA LEI DE MENDEL OU PRINCÍPIO DA

Leia mais

BIOLOGIA Prof.: Camacho Lista: 08 Aluno(a): Turma: Data: 01/04/2015

BIOLOGIA Prof.: Camacho Lista: 08 Aluno(a): Turma: Data: 01/04/2015 BIOLOGIA Prof.: Camacho Lista: 08 Aluno(a): Turma: Data: 01/04/2015 Questão 01) Uma mulher pertencente ao tipo sanguíneo A, Rh casa-se com um homem pertencente ao tipo B, Rh+, que nasceu com eritroblastose

Leia mais

Lista de Exercícios Herança Sexual

Lista de Exercícios Herança Sexual Meus queridos alunos, preparei para vocês uma lista de atividades abordando o conteúdo estudado por nós esta semana. Espero que vocês aproveitem o final de semana para resolver esses exercícios segundo

Leia mais

c) 9 tipos diferentes. d) 27 tipos diferentes.

c) 9 tipos diferentes. d) 27 tipos diferentes. 1 EXERCÍCIOS 2ª LEI DE MENDES (César) 1) De acordo com a segunda lei de Mendel, dois caracteres se distribuem, quanto ao genótipo, em F2, em: a) 4 tipos diferentes. b) 8 tipos diferentes. c) 9 tipos diferentes.

Leia mais

Primeira Lei de Mendel -> recebe mais dois nomes: dominância completa (heterozigoto manifesta uma das duas características) ou monohibridismo

Primeira Lei de Mendel -> recebe mais dois nomes: dominância completa (heterozigoto manifesta uma das duas características) ou monohibridismo Genética 1ª Lei de Mendel Começa a fazer a divisão com os indivíduos parentais, puros, com base na cor dos parentais. Alelos, partes de um cromossomo, são genes situados na mesma posição de cromossomos

Leia mais

13.01. Os casos onde dois ou mais genes influenciam uma só característica são denominados de Interações Genéticas. RREE, RrEE, RrEe, RREe

13.01. Os casos onde dois ou mais genes influenciam uma só característica são denominados de Interações Genéticas. RREE, RrEE, RrEe, RREe BIO 5E aula 13 13.01. Os casos onde dois ou mais genes influenciam uma só característica são denominados de Interações Genéticas. 13.02. FENÓTIPOS Rosa Ervilha Noz Simples GENÓTIPOS RRee, Rree rree, rree

Leia mais

Dominância Incompleta Codominância Alelos Múltiplos (polialelismo) Alelos Letais Epistasia (interação génica)

Dominância Incompleta Codominância Alelos Múltiplos (polialelismo) Alelos Letais Epistasia (interação génica) Dominância Incompleta Codominância Alelos Múltiplos (polialelismo) Alelos Letais Epistasia (interação génica) Dominância Incompleta Codominância Alelos Múltiplos (polialelismo) Alelos Letais Epistasia

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento Bio - Genética

Exercícios de Aprofundamento Bio - Genética . (Unesp 205) Fátima tem uma má formação de útero, o que a impede de ter uma gestação normal. Em razão disso, procurou por uma clínica de reprodução assistida, na qual foi submetida a tratamento hormonal

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com SISTEMA ABO O Sistema ABO foi o primeiro dos grupos sanguíneos descobertos (1900, 1901) no início do século XX em 1900),

Leia mais

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013 1. (Fuvest 91) No porquinho-da-índia existe um par de genes autossômicos que determina a cor da pelagem: o alelo dominante B determina a cor preta e o recessivo b, a cor branca. Descreva um experimento

Leia mais

INTERAÇÃO GÊNICA EPISTASIA POLIGENIA OU HERANÇA QUANTITATIVA. PM/Bombeiro - PR. Oromar Ciências Humanas Parte 03. Foto das cristas de galinhas

INTERAÇÃO GÊNICA EPISTASIA POLIGENIA OU HERANÇA QUANTITATIVA. PM/Bombeiro - PR. Oromar Ciências Humanas Parte 03. Foto das cristas de galinhas INTERAÇÃO GÊNICA Ocorre quando dois ou mais pares de genes, situados em cromossomos homólogos diferentes, interagem entre si para determinar uma mesma característica. FENÓTIPOS Crista ervilha Crista rosa

Leia mais

1ª LEI DE MENDEL 17/05/2012. 1) Conceitos Prévios. a) Genética

1ª LEI DE MENDEL 17/05/2012. 1) Conceitos Prévios. a) Genética 1) Conceitos Prévios a) Genética É a ciência que estuda a transmissão de características hereditárias de pais para filhos ao longo das gerações. b) Gene Segmento da molécula de DNA capaz de determinar

Leia mais

UNIDADE IV GENÉTICA. Profº Pablo 1.1 PRINCIPAIS TERMOS GENÉTICOS

UNIDADE IV GENÉTICA. Profº Pablo 1.1 PRINCIPAIS TERMOS GENÉTICOS UNIDADE IV GENÉTICA 11... IINNTTRRODDUUÇÇÃÃO I Genética (do grego genno; fazer nascer) é a ciência dos genes, da hereditariedade e da variação dos organismos. Ramo da biologia que estuda a forma como se

Leia mais

Genética Básica. Coordenador: Victor Martin Quintana Flores. Exercícios Resolvidos

Genética Básica. Coordenador: Victor Martin Quintana Flores. Exercícios Resolvidos Genética Básica Coordenador: Victor Martin Quintana Flores Exercícios Resolvidos Genética Mendeliana 1- Uma planta de ervilha heterozigota que é alta e amarela, HhAa, é autofertilizada. Qual é a probabilidade

Leia mais

A herança simultânea de duas ou mais características

A herança simultânea de duas ou mais características A herança simultânea de duas ou mais características UNIDADE 4 GENÉTICA CAPÍTULO 17 Aula 1/3 A segunda lei de Mendel Meiose e segunda lei Calculando os tipos de gametas 1. SEGUNDA LEI DE MENDEL A ANÁLISE

Leia mais

Genética Humana. Faculdade Anísio Teixeira. Prof João Ronaldo Neto

Genética Humana. Faculdade Anísio Teixeira. Prof João Ronaldo Neto Genética Humana Faculdade Anísio Teixeira Prof João Ronaldo Neto Jan/2012 Herança Multifatorial Herança Monogênica Herança Cromossômica Padrões de Herança Distúrbios Monogênicos São determinados por um

Leia mais

Módulo III Bio 1 - Gabarito Unidade 1 Genética

Módulo III Bio 1 - Gabarito Unidade 1 Genética Módulo III Bio 1 - Gabarito Unidade 1 Genética Cap. 01 Conceitos em genética 1. Dizemos que um determinado gene é recessivo quando sua expressão (fenótipo): a) só acontece em heterozigose. b) só ocorre

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 46 SISTEMA AB0

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 46 SISTEMA AB0 BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 46 SISTEMA AB0 Fenótipo Aglutinogênio (hemácias) Aglutinina (plasma) A A Anti-B B B Anti-A Genótipos I A I A ou I A i/ AA ou AO I B I B ou I B i/ BB ou BO AB A e B - I A I B /

Leia mais

Gregor Mendel (1822-1884) Experiência de Mendel. Experiência de Mendel

Gregor Mendel (1822-1884) Experiência de Mendel. Experiência de Mendel Parte da Biologia que estuda as leis da hereditariedade Como as informações dos genes são transmitidas de pais para filhos atraés das gerações Pai da Genética Gregor Mendel (1822-1884) Na época não se

Leia mais

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013 1. (Fuvest 94) Considere a figura a seguir que representa o resultado da primeira divisão meiótica de uma célula feminina: a) Indique o genótipo do embrião formado a partir da fecundação do óvulo resultante

Leia mais

POLIALELISMO E GRUPOS SANGUÍNEOS

POLIALELISMO E GRUPOS SANGUÍNEOS POLIALELISMO E GRUPOS SANGUÍNEOS 1) UFRS - Coelhos podem ter quatro tipos de pelagem: chinchila, himalaia, aguti e albina, resultantes das combinações de quatro diferentes alelos de um mesmo loco. Num

Leia mais

GENÉTICA MENDELIANA. Msc. Carlos Figueirêdo

GENÉTICA MENDELIANA. Msc. Carlos Figueirêdo GENÉTICA MENDELIANA Msc. Carlos Figueirêdo MENDELISMO 1. Termos e expressões 2. Mendel 3. Experimentos de Mendel 4. Primeira lei de Mendel 5. Segunda lei de Mendel Termos e expressões Característica:

Leia mais

ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA 3º Trimestre/2014 GABARITO

ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA 3º Trimestre/2014 GABARITO NOME: ANO: 2º EM Nº: PROF.(A): Claudia Lobo DATA: ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA 3º Trimestre/2014 GABARITO 1. A fenilcetonúria é uma doença que tem herança autossômica recessiva. Considere

Leia mais

Primeira Lei de Mendel e Heredograma

Primeira Lei de Mendel e Heredograma Primeira Lei de Mendel e Heredograma 1. (UFC-2006) Leia o texto a seguir. A Doença de Alzheimer (D.A.) (...) é uma afecção neurodegenerativa progressiva e irreversível, que acarreta perda de memória e

Leia mais

Calendário 4º Bimestre 2ºA,B,D 16/10 Apresentação Trabalhos (Presença obrigatória TODOS) (sexta) Durante período de Aula. Calendário 4º Bimestre 2ºC

Calendário 4º Bimestre 2ºA,B,D 16/10 Apresentação Trabalhos (Presença obrigatória TODOS) (sexta) Durante período de Aula. Calendário 4º Bimestre 2ºC Calendário 4º Bimestre 2ºA,B,D 16/10 Apresentação Trabalhos (Presença obrigatória TODOS) (sexta) Durante período de Aula 30/10 isto Caderno - Exercícios Genética Parte 1 (3 Pontos) 13/11 isto Caderno -

Leia mais

A FAMÍLIA SILVA E SEUS GENES. Os filhos são diferentes, mas todos são Silva. Saiba como! ALBINO PIGMENTADO PROCEDIMENTO

A FAMÍLIA SILVA E SEUS GENES. Os filhos são diferentes, mas todos são Silva. Saiba como! ALBINO PIGMENTADO PROCEDIMENTO A FAMÍLIA SILVA E SEUS GENES Os filhos são diferentes, mas todos são Silva. Saiba como! ALBINO PIGMENTADO PROCEDIMENTO PROCEDIMENTO PARTE 1 Determinação dos genótipos dos pais 1.1. Observar a aparência

Leia mais

daltônico. Esta doença traz como consequência problemas nas células denominadas de cones, que ajudam a enxergar cores.

daltônico. Esta doença traz como consequência problemas nas células denominadas de cones, que ajudam a enxergar cores. BIO V7 CAP 19 19.01 O genótipo do casal III-2 e III-3 é X A X a x X a y. Fazendo o cruzamento os filhos podem ser: X A X a, X A Y, X a X a, X a Y. Como se pode observar qual é o masculino e qual é o feminino,

Leia mais

GENÉTICA. Prof. André Maia

GENÉTICA. Prof. André Maia GENÉTICA Prof. André Maia É a parte da Biologia que estuda os mecanismos através dos quais as características são transmitidas hereditariamente (de pai para filho) através das gerações. Termos e Conceitos

Leia mais

Padrões de Transmissão

Padrões de Transmissão Padrões de Transmissão Gênica Padrões de Transmissão Gênica DISCIPLINA: GENÉTICA BÁSICA PROFA. ZULMIRA LACAVA E LUZIRLANE BRAUN Heranças Monogênicas ou Mendelianas 1 1ª Lei de Mendel Modelo pressupôs que

Leia mais

O primeiro a realizar trabalhos rigorosos nesta área foi Gregor Mendel, baseando-se na análise estatística de resultados experimentais obtidos em

O primeiro a realizar trabalhos rigorosos nesta área foi Gregor Mendel, baseando-se na análise estatística de resultados experimentais obtidos em O primeiro a realizar trabalhos rigorosos nesta área foi Gregor Mendel, baseando-se na análise estatística de resultados experimentais obtidos em cruzamentos realizados com a ervilheira (Pisum sativum).

Leia mais

Os estudos de Mendel

Os estudos de Mendel Os estudos de Mendel Além de estudar isoladamente diversas características fenotípicas da ervilha, Mendel estudou também a transmissão combinada de duas ou mais características. Em um de seus experimentos,

Leia mais

Lista de Exercícios Complementares Meiose, Primeira Lei de Mendel e Casos Especiais da Primeira Lei Prof. Daniel Lucena

Lista de Exercícios Complementares Meiose, Primeira Lei de Mendel e Casos Especiais da Primeira Lei Prof. Daniel Lucena Lista de Exercícios Complementares Meiose, Primeira Lei de Mendel e Casos Especiais da Primeira Lei Prof. Daniel Lucena 1-(ANHMEBI-MED 2014) Ao realizar meiose, um organismo diploide, duplo heterozigoto

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e Saúde Aula 13 Conteúdo: Grupos Sanguíneos. Aplicando o sistema ABO.

Unidade IV Ser Humano e Saúde Aula 13 Conteúdo: Grupos Sanguíneos. Aplicando o sistema ABO. Unidade IV Ser Humano e Saúde Aula 13 Conteúdo: Grupos Sanguíneos. Aplicando o sistema ABO. 2 Habilidade: Compreender como os grupos sanguíneos se comportam geneticamente (genótipo e fenótipo). Conhecer

Leia mais

Lista de Exercícios GENÉTICA Grupos Sanguíneos Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net

Lista de Exercícios GENÉTICA Grupos Sanguíneos Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net Lista de Exercícios GENÉTICA Grupos Sanguíneos Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net 01 - (MACK SP/2013) b) os candidatos III e IV podem ser excluídos da paternidade. c) o candidato I é o pai

Leia mais

a) Qual é a probabilidade de o genótipo da primeira criança ser igual ao de seus genitores?

a) Qual é a probabilidade de o genótipo da primeira criança ser igual ao de seus genitores? 1. (Unifesp 2015) Charles Darwin explicou o mecanismo evolutivo por meio da ação da seleção natural sobre a variabilidade dos organismos, mas não encontrou uma explicação adequada para a origem dessa variabilidade.

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Capítulo 1 O Pré-Mendelismo e a Genética Mendeliana...1 Capítulo 2 A redescoberta do trabalho de Mendel, monoibridismo e o estudo de heredogramas... 2. Capítulo 3 Herança

Leia mais

As flores de uma determinada planta podem ser brancas, vermelhas ou creme. A cor branca (ausência de deposição de pigmento) é condicionada por alelo

As flores de uma determinada planta podem ser brancas, vermelhas ou creme. A cor branca (ausência de deposição de pigmento) é condicionada por alelo As flores de uma determinada planta podem ser brancas, vermelhas ou creme. A cor branca (ausência de deposição de pigmento) é condicionada por alelo recessivo (aa). O alelo A determina a deposição de pigmento.

Leia mais

(www.joseferreira.com.br. Adaptado)

(www.joseferreira.com.br. Adaptado) Questão 01 - (FGV) A imagem da lâmina a seguir mostra um resultado obtido em teste de tipagem sanguínea humana para os sistemas ABO e Rh. O método consiste, basicamente, em pingar três gotas de sangue

Leia mais

Parte de biologia que estuda a lei da hereditariedade, ou seja, a forma como as informações dos genes são transmitidas para os descendentes.

Parte de biologia que estuda a lei da hereditariedade, ou seja, a forma como as informações dos genes são transmitidas para os descendentes. Genética Capítulo 1 Conceitos Fundamentais e a Primeira Lei de Mendel Parte de biologia que estuda a lei da hereditariedade, ou seja, a forma como as informações dos genes são transmitidas para os descendentes.

Leia mais

HERANÇA MONOGÊNICA 1ª LEI DE MENDEL. Gregor Mendel : => Nasceu na Morávia, império Austro-húngaro. Gregor Mendel

HERANÇA MONOGÊNICA 1ª LEI DE MENDEL. Gregor Mendel : => Nasceu na Morávia, império Austro-húngaro. Gregor Mendel Genética Mendeliana: aquela determinada por um ou poucos genes, cuja epressão não é influenciada ou é pouco afetada pelo meio. HERANÇA MONOGÊNICA => Conceito de gene (mas não o termo) => foi proposto pela

Leia mais

Roteiro de aula prática 3º ano Prática 3 Primeira Lei de Mendel

Roteiro de aula prática 3º ano Prática 3 Primeira Lei de Mendel Roteiro de aula prática 3º ano Prática 3 Primeira Lei de Mendel Pergunta: Nós herdamos características dos nossos pais? Como isso acontece? Objetivos: Ensinar sobre as leis de transmissão de características

Leia mais

Biologia 5 aulas 11 e 12

Biologia 5 aulas 11 e 12 Biologia 5 aulas e 2 MODIFICAÇÕES DA 2ª LEI DE MENDEL COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA. Plantas de ervilha originadas de sementes amarelas e lisas, ambos traços dominantes, foram cruzadas com plantas originadas

Leia mais

Mendel Por que Ervilhas?

Mendel Por que Ervilhas? Mendel Por que Ervilhas? Conclusão: Enunciado da 1 a lei: A 1 a lei também pode ser chamada de: Cruzamentos: 1 a Lei de Mendel Exemplo: altura Base citológica da 1 a lei P: Alta X Baixa F1: Baixa F2: Alta

Leia mais

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013 1. (Unesp 97) Em gatos, as cores marrom e branca dos pêlos têm sido descritas como devidas a, pelo menos, um par de genes. Considere o cruzamento de gatos homozigotos brancos e marrons. Qual a proporção

Leia mais

GENÉTICA HUMANA HISTÓRICO 26/08/2013 GREGOR MENDEL AULA 3 RELAÇÃO GENÓTIPO-FENÓTIPO

GENÉTICA HUMANA HISTÓRICO 26/08/2013 GREGOR MENDEL AULA 3 RELAÇÃO GENÓTIPO-FENÓTIPO GENÉTICA HUMANA AULA 3 RELAÇÃO GENÓTIPO-FENÓTIPO CURSO: Psicologia SÉRIE: 2º Semestre CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 Horas/aula CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 Horas HISTÓRICO GREGOR MENDEL 1822 Nasceu em Heinzendorf,

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL HELENA KOLODY - ENSINO MÉDIO E PROFISSIONAL - TERRA BOA - PR - Professora Leonilda Brandão da Silva

COLÉGIO ESTADUAL HELENA KOLODY - ENSINO MÉDIO E PROFISSIONAL - TERRA BOA - PR - Professora Leonilda Brandão da Silva COLÉGIO ESTADUAL HELENA KOLODY - ENSINO MÉDIO E PROFISSIONAL - TERRA BOA - PR - Professora Leonilda Brandão da Silva RESUMO - Livro Biologia Hoje - Volume 3 - Sergio Linhares e Fernando Gewandsznajder

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 55 HERANÇA LIGADA AO SEXO

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 55 HERANÇA LIGADA AO SEXO BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 55 HERANÇA LIGADA AO SEXO Mulher portadora Homem não afectado Gene normal Gene alterado Mulher portadora Mulher não afectada Homem não afectado Homem afectado Homem afectado

Leia mais