DESCENTRALIZAÇÃO DA POLÍTICA DE SAÚDE NO BRASIL: AVANÇOS E DESAFIOS Fabiola Sulpino Vieira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESCENTRALIZAÇÃO DA POLÍTICA DE SAÚDE NO BRASIL: AVANÇOS E DESAFIOS Fabiola Sulpino Vieira"

Transcrição

1 ISSN Vol. 7, No. 2 - Jul/Dez 2008 SEGURO SOCIAL, FOCALIZAÇÃO OU PROVISÃO UNIVERSAL? VANTAGENS E DESVANTAGENS DE DIFERENTES SISTEMAS DE PROTEÇÃO SOCIAL COMO MEIO PARA REDUÇÃO DA POBREZA Luis Henrique Paiva DESCENTRALIZAÇÃO DA POLÍTICA DE SAÚDE NO BRASIL: AVANÇOS E DESAFIOS Fabiola Sulpino Vieira O MITO DO INCHAÇO DA FORÇA DE TRABALHO DO EXECUTIVO FEDERAL Marcelo Viana Estevão de Moraes, Tiago Falcão Silva e Patricia Vieira da Costa CARGOS EM COMISSÃO E FUNÇÕES DE CONFIANÇA: DIFERENÇAS CONCEITUAIS E PRÁTICAS Aldino Graef A ESTRUTURA DE REGULAMENTAÇÃO E DE REGULAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO: É POSSÍVEL MELHORAR? Ricardo Takemitsu Simabuku

2 Revista de Políticas Públicas e Gestão Governamental

3 ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ESPECIALISTAS EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL Especialistas em Políticas Públicas e Gestão Governametal - uma carreira a serviço da cidadania DIRETORIA Presidente: Ricardo Vidal de Abreu Diretor Administrativo-Financeiro: Rodrigo Ribeiro Novaes Diretora Sócio-Cultural: Cynthia Campos Rangel Diretor de Comunicação e Divulgação: Leonardo Lanna Guillén Diretora de Estudos e Pesquisas: Jana Petaccia de Macedo Diretor de Assuntos Parlamentares e Articulação Institucional: Antônio Fernando Decnop Martins Diretor de Assuntos Profissionais: Marcos Toscano Siebra Brito Suplentes: Roberto Seara Pojo Rego, Rodrigo Zerbone Loureiro e Franco Cesar Bernardes CONSELHO FISCAL: Iracema Hitomi Fujiyama, Fernando Pimentel e Sylvio Kelsen Coelho. Suplentes: Darci Bertholdo e Pedro Bertone CONSELHO DE ÉTICA: Carmem Priscila Bocchi, José Augusto dos Reis Gomes e Golbery Lessa Revista de Políticas Públicas e Gestão Governamental : Res Pvblica / Associação Nacional dos Especialistas em Políticas Públicas e Gestão Governamental. Ano 1, n.1 (set. 2002)-. Brasília : ANESP, Semestral ISSN Administração Pública Periódicos. 2. Gestão Governamental Periódicos. 3. Politica Pública Periódicos. I. Associação Nacional dos Especialistas em Políticas Públicas e Gestão Governamental. II. Título: ResPvblica. CDD CDU 35 (05) Editora: Jana Petaccia de Macedo - Comissão Editorial: Carolina Gabas Stuchi, Fernanda Bittencourt Vieira, Leila Ollaik, Marcello Barra, Márcia Muchagata, Sério Ligiero, Golbery Luíz Lessa de Moura e Trajano Augustus Tavares Quinhões - Projeto Gráfico: Wagner Alves /Anagraphia BR Diagramação e Produção: Acqua Design. Associação Nacional dos Especialistas em Políticas Públicas e Gestão Governamental. Endereço: SGAS 902 Lote 74 Bloco B Sala Ed. Athenas - CEP: Brasília/DF. FONES: (61) / / FAX: (61) / Site: exemplares - circulação dirigida RES PVBLICA é uma publicação semestral da Associação Nacional dos Especialistas em Políticas Públicas e Gestão Governamental - ANESP. O conteúdo dos artigos publicados não necessariamente expressa a opinião da ANESP.

4 Página 3 Revista de Políticas Públicas e Gestão Governamental Sumário 5 20 anos de realizações 7 20 anos da aula inaugural da Carreira de EPPGG 9 A Anesp nos 20 anos da aula inaugural da Carreira de EPPGG 13 Editorial 15 Seguro social, focalização ou provisão universal? Vantagens e desvantagens de diferentes sistemas de proteção social como meio para redução da pobreza Luis Henrique Paiva 27 Descentralização da política de saúde no Brasil: avanços e desafios Fabiola Sulpino Vieira 43 O mito do inchaço da força de trabalho do Executivo federal Marcelo Viana Estevão de Moraes, Tiago Falcão Silva e Patricia Vieira da Costa 61 Cargos em comissão e funções de confiança: diferenças conceituais e práticas Aldino Graef 73 A estrutura de regulamentação e de regulação do setor elétrico brasileiro: é possível melhorar? Ricardo Takemitsu Simabuku

5

6 Página 5 Revista de Políticas Públicas e Gestão Governamental 20 anos de realizações As principais políticas públicas do País estão fazendo seus 20 anos, as suas origens remontam à Constituição Federal de 1988 e ao ambiente de florescimento democrático do período. A carreira de Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental - EPPGG é criada, então, como um instrumento de criação e administração das políticas públicas do Estado ou, juridicamente: formulação, avaliação e implementação de políticas públicas. Em 10 de maio de 1989, é fundada a ANESP Associação Nacional dos Especialistas em Políticas Públicas e Gestão Governamental: uma associação livremente formada pelos membros da carreira de EPPGG. Além da missão de lutar pelos interesses corporativos, como toda a associação tem, a ANESP, pelo princípio da própria carreira, coloca para si mesma a missão de ajudar a pensar o Estado. Esse idealismo foi um dos motores que fez com que, em 6 de outubro de 1989, fosse aprovada a Lei que cria a carreira de EPPGG. Antes disso, já havia sido realizado concurso para a primeira turma de gestores que, com determinação, superaram desafios de uma carreira ainda em formação e tornaram-se pioneiros deste corpo técnico que hoje está em franca expansão. Desde então, a ANESP, por meio das gestões ao longo desses 20 anos, colecionou diversas realizações e a Res Pvblica, revista editada pela ANESP, é um grande marco. Dois processos beneficiam este ciclo virtuoso da revista: o amadurecimento do setor público brasileiro e da carreira de EPPGG. Os artigos apresentados na Res Pvblica vêm conferindo alta qualidade às suas edições e um interessante movimento de sintonia entre o mundo profissional e acadêmico. No entanto, não se pode deixar de mencionar os inúmeros desafios que ainda persistem no curso de realizações da Associação e da Res Pvblica. A intensidade das transformações sentidas nos ajuda a compreender que esses desafios são estimulantes, mas requerem esforços contínuos e dedicação. A regularização das edições da Res Pvblica, como exemplo, será finalmente alcançada este ano, fruto de um grande esforço de equipe e de participação ativa dos associados. A carreira é representada por aproximadamente 900 servidores nas diversas áreas da administração pública, e esse número, por mais que represente uma pequena parcela dos servidores públicos e que se encontre disperso, é capaz de acumular e produzir um especial conhecimento a cerca das experiências que vivencia no setor público e os artigos publicados nesta revista estão aqui para comprovar. Podemos dizer, assim, nestes 20 anos de realizações, a ANESP é uma das principais arenas de debates a cerca das questões de Estado e, principalmente, sobre o tema da gestão pública no País. Isso se deve sobretudo à importância e seriedade com que são tratados por seus associados e à sua preocupação pela permanência desses temas na agenda setting de políticas do país. O tema da gestão pública, especialmente neste ano, ganhou força na agenda pública e a ANESP quer contribuir decisivamente para que este tema torne-se uma constante em todas as atividades desempenhadas pelo setor público brasileiro. Talvez porque, passados 20 anos da designação das grandes missões constitucionais e dos processos de universalização de várias políticas públicas, está claro que é impossível se avançar com melhorias e inovações em políticas públicas valendo-se de um Estado

7 que está no limite de suas capacidades. É mais do que chegada a hora de uma coletividade integrada em torno do tema da gestão pública! Temos consciência da relevância do momento nacional e internacional que hoje nos encontramos e das nossas potencialidades para realizações. No entanto, acreditamos com assertividade que as oportunidades de crescimento e desenvolvimento do país passam necessariamente e primordialmente por um intenso movimento de integração. Esta comemoração de hoje, nossos 20 anos de realizações, é quem sabe um grande exemplo de como podemos fazer acontecer, juntos. Diretoria da ANESP

8 Página 7 Revista de Políticas Públicas e Gestão Governamental 20 anos da aula inaugural da Carreira de EPPGG Boa tarde a todos, Há exatos vinte anos tive o prazer e o privilégio de participar da primeira aula ministrada na Escola Nacional de Administração Pública. Acredito ter assistido àquela aula pelo melhor ângulo: o do aluno, já que fui parte integrante, por mérito e sorte, e da 1ª Turma de Especialistas em Políticas Públicas e Gestão Governamental. Era extremamente jovem à época, mas tinha a plena consciência da interconexão dos eventos que presenciava: o nascimento de uma escola, de uma carreira e de um novo projeto para a Administração Pública. A Nova República, apesar das turbulências iniciais, trazia consigo uma forte expectativa de mudança na forma de condução do Estado. Ao final do embate político e social que moldou a Constituição da República de 1988, ficou claro que se esperava da nova ordem uma conjunção da democracia formal com uma forte expansão das políticas sociais. Não bastava o voto livre, a liberdade de expressão; era necessário mais. Era necessário forjar um Estado democrático que pudesse atuar eficientemente para reduzir as tantas desigualdades econômicas, regionais e raciais que permeavam e ainda permeiam nossa estrutura social. Assim, a Constituição promoveu uma impressionante ampliação dos direitos sociais, estruturou o Sistema Único de Saúde, fixou metas de universalização da educação, estipulou direitos e políticas para minorias... Fixadas as diretrizes, naturalmente vem a pergunta: como conduzir essa empreitada extremamente ousada e ambiciosa? Como superar a tradicional visão negativa do Serviço Público inchado e vagaroso? Hoje estamos aqui para celebrar a resposta certa a essas questões, que é o movimento de profissionalização do Estado. E a criação da ENAP e da carreira de Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental são dois marcos fundamentais do início e desenvolvimento desse processo. Os vinte anos que se passaram foram palco de uma série de batalhas relevantes: os que conhecem bem a história da Carreira e da Escola sabem que nada foi fácil. A Carreira chegou mesmo a ser extinta, para depois ser recriada; a Escola, por sua vez, também foi alvo de um Projeto de Lei que pretendia sua extinção. A própria sobrevivência dessas instituições e, diria, do projeto de profissionalização da Administração Pública foi sustentada com o incessante esforço de seus defensores. Todos os que tomaram parte nesse esforço, independentemente de idade ou tempo de serviço público, devem ser reconhecidos por sua atuação crucial. Hoje a ENAP tem um papel e uma presença incontestável na Administração Pública Federal, sendo um dos pilares da política de capacitação de servidores públicos; a Escola tem renome internacional e vem se envolvendo fortemente em questões substantivas para a gestão pública, inclusive através de suas áreas de pesquisa e cooperação internacional. A Carreira de Especialistas em Políticas Públicas e Gestão Governamental, por sua vez, já conta com cerca de 800 integrantes, formados em 12 Turmas, ocupando posições estratégicas em quase todos os órgãos da administração direta. No entanto, não acho que esse evento deva se transformar num culto romântico ao passado da Escola e da Carreira. O passado deve servir sempre de símbolo e lição, mas não podemos nos perder nele ou deixar que seus ecos redivivos pautem nossa atuação. Penso, pelo

9 contrário, que é hora de olhar pra frente e compreender os novos desafios que se apresentam. O Brasil se encontra numa grande encruzilhada: nos precipitamos no mundo desenvolvido ao mesmo tempo em que conservamos estruturas arcaicas. O desempenho da economia é incontestavelmente positivo, ainda que numa época de problemas financeiros internacionais; a geração de empregos formais e informais bate recorde; a distribuição de renda melhora de maneira lenta, porém constante; o país ganha peso na política internacional. E, no entanto, ainda temos uma educação de qualidade insuficiente, um sistema de saúde pública precarizado, um serviço civil excessivamente burocrático... E é pesaroso reconhecer que o Brasil que está ficando para trás é justamente o Brasil de baixa renda, que depende da escola pública, do hospital público, da advocacia pública... Enfim, fica pra trás a parcela da população que necessita de políticas sociais incisivas e bem elaboradas, bem como de um serviço público ágil e acessível. Não tenho dúvidas de que o caminho para a equalização dessa situação passa por um novo avanço na profissionalização do Estado. Acredito, no entanto, que esse movimento não será vitorioso se não soubermos reinventá-lo, concebê-lo em novos contornos. O mundo do trabalho, na sua esfera técnica e organizacional, mudou radicalmente nesses vinte anos que se passaram. A memória é ingrata e insiste em me fazer recordar do contexto em que entramos no Serviço Público. Num plano maior, por exemplo, lembro que a Guerra Fria não tinha acabado definitivamente, a Constituição mal havia sido promulgada, a hiper-inflação era parte de nossas vidas e os Planos Econômicos mudavam com freqüência assustadora. Mas o que me deixa mais impressionado é a grande diferença nas rotinas de trabalho: os computadores eram grandes, raros e pouco funcionais; não havia telefone celular; não havia ; a pesquisa era feita em bibliotecas e arquivos públicos... Por aí vai. Aposto, aliás, que as novas gerações nunca ouviram falar de coisas como o famoso programa carta certa... A revolução da tecnologia da informação e a conseqüente mudança no próprio ritmo das transformações históricas e sociais, exigem uma nova postura do bom profissional. Se antes podíamos nos conformar com uma noção estática de formação e capacitação para o trabalho, hoje sabemos que a formação e a capacitação são processos permanentes e em constante renovação. O servidor não pode deixar de se atualizar constantemente, sob risco de se tornar obsoleto. Outro desafio de nosso tempo é a operacionalização do conhecimento, isto é, sua tradução em termos concretos de trabalho. Não podemos nos dar ao luxo de cultivar um conhecimento meramente teórico e abstrato; é preciso buscar também o saber fazer, o conhecimento voltado para a prática. É imprescindível, também, intensificar o trabalho em rede e o intercâmbio profissional entre servidores e suas instituições, utilizando para isso as inúmeras ferramentas tecnológicas que facilitam e organizam os empreendimentos coletivos. Poderia citar ainda muitos outros desafios a serem enfrentados pelos que buscam a constante modernização do Serviço Público, mas sinto que os exemplos dados já transmitem com fidelidade minha linha de pensamento. Confesso aos senhores meu otimismo com o futuro comum desta Escola e de nossa Carreira. Penso que conseguiremos responder bem as novas demandas que se apresentam à Administração Pública. A incontestável consolidação dessas duas instituições que hoje completam 20 anos de história conjunta não me deixa pensar o contrário. Termino com um breve verso do poeta russo Vladimir Maiakovski: Por enquanto, há problemas de sobra. O tempo é escasso, mãos à obra: é preciso transformar a vida para cantá-la em seguida. Lembro que nosso tempo também é escasso e a obra que intentamos construir, possivelmente, estará sempre inacabada. Marcelo Viana Estevão de Moraes Secretário de Gestão da SEGES/MPOG

10 Página 9 Revista de Políticas Públicas e Gestão Governamental A Anesp nos 20 anos da aula inaugural da Carreira de EPPGG Em nome da Diretoria, eu gostaria de agradecer ao convite feito à ANESP para esta mesa e, inicialmente, refletir sobre o significado dessa presença. Os membros da carreira de EPPGG sempre tiveram um debate intenso sobre o Estado e sobre como tratar a coisa pública realmente como pública, e por meio da ANESP, procuraram ofertar seus pontos de vista aos governos que se sucederam. De certa forma, essas questões parecem estar no sangue de cada um dos gestores e um requisito implícito no concurso. Entendo que a presença nessa mesa é o reconhecimento das contribuições oferecidas pela ANESP ao longo desses anos. Então, aproveito a oportunidade para agradecer aos meus antecessores e ex-diretores em nome do meu imediato antecessor : Sr. Amarildo Baesso. Agradeço à organização deste evento e da Sessão Solene no Senado ao apoio institucional do Ministério do Planejamento, da Secretaria de Gestão e do Sr. Secretário Marcelo Viana, da ENAP e sua Presidente Sra. Helena Kerr e dos diretores da ANESP. Em nome dos técnicos envolvidos dessas instituições, agradeço à Sra. Natalia Koga, da ENAP, e ao Sr. Aldino Graef, da SEGES. Ainda, uma figura muito importante, o Sr. Marcos Evandro Cardoso Santi, ex-gestor de corpo, pois que é atualmente Consultor do Senado, mas gestor de alma, uma vez que seu voluntarismo foi essencial para que os dois eventos ocorressem e, há algum tempo, para a história da ENAP e da Carreira de Gestor. Como ele, aqui se encontram outros colegas que já foram gestores ou fizeram o curso de formação da ENAP, cujo entusiasmo com a carreira se deu por procurar sempre aprimorar o trato da coisa pública e também por enfrentar com ética esta missão. Mas para que esses princípios sejam percebidos em pessoas com origens tão diferentes e, mesmo após sua saída da carreira, devem existir características comuns que possam reuní-las em um conjunto. O fato comum significativo é que todos passaram por um curso de formação na ENAP. Um curso adaptado à conjuntura de cada época, mas com um princípio básico de respeito à coisa pública. Conforme seu Decreto de criação de 1986, a ENAP foi criada considerando (1) as diretrizes traçadas à Reforma da Administração Pública Federal (...) ; (2) a determinação do Governo de estatuir, novos critérios de seleção e admissão, mediante concurso público, de seus servidores civis, bem assim de lhes submeter a capacitação e a promoção ao cumprimento de cursos e estágios; (3) a intenção de propiciar, aos integrantes dos quadros de carreira, com base no critério da qualificação profissional, o acesso às funções administrativas e gerenciais do setor público; (4) a necessidade de contar, a Administração, com órgãos especializados para as atividades de formação, aperfeiçoamento, profissionalização e treinamento de seu pessoal civil.

11 Percebe-se que várias coisas que temos como hoje consolidadas e fora de questão foram um enorme desafio à época. A própria burocracia já foi um grande desafio a ser vencido, pois que o Relatório do Embaixador Rouanet, que lança a semente para a criação da ENAP e da carreira de Gestor, data de No primeiro resgate da idéia na Nova República, tem papel fundamental os novos membros do governo que perceberam a relevância do projeto, com destaque para o Professor Gileno Marcelino na então Secretaria da Administração Pública SEDAP. A carreira de gestor e a ENAP surgem, então, no contexto da reforma democrática do País e da primeira Reforma Administrativa pós-ditadura, sendo a ENAP e a Secretaria de Administração Pública as matrizes desta Reforma. Após sua criação, a ENAP tem como primeira tarefa a formação dos Especialistas em Políticas Públicas e Gestão Governamental, cuja aula inaugural se deu há exatamente 20 anos e foi a primeira aula desta Escola. A despeito das intempéries vividas durante a Nova República, os projetos da ENAP e da carreira nasceram. Mas os recém-nascidos correram riscos no governo seguinte. Um grande esforço de persuasão, feito pelos próprios gestores, foi necessário para demonstrar a validade dos dois projetos. A ENAP foi mantida, mas não houve novos concursos para a carreira até a economia se estabilizar. A estabilização macroeconômica e um novo governo abrem um período de re-planejamento para o Estado. Os projetos são recuperados, a carreira de gestor, a partir de 1995, tem novos concursos e a ENAP consegue se preparar para alçar novos vôos e cumprir sua missão de profissionalização do pessoal civil. De 1995 até hoje, o crescimento da carreira possibilitou que ela participasse de forma mais ativa dos movimentos e prioridades de cada mandato. Participação que tem seu reflexo na mobilidade dos gestores. Por isso, a mobilidade é cara aos membros da carreira, ela é um dos fatores que possibilita que o papel de intermediário entre o comando político e o grupo operacional seja exercido. Por sua vez, a carreira responde à necessidade do Estado de quadros permanentes com capacidade de direção, o que implica na valorização de um profissional com visão generalista e sistêmica dos problemas da administração pública e, por meio da mobilidade, na possibilidade do profissional desse quadro vir a preencher essa lacuna, e ser uma garantia da boa continuidade das políticas em momentos de transição. Atualmente, o governo, ao recompor sua força de trabalho mais especializada, procurando dar a ela um pouco do perfil generalista e determinando um lócus próprio de atuação, coloca um desafio enorme de competição para a carreira de gestor governamental. Saber competir será a chave para a continuidade do sucesso da carreira. As discussões no seio da carreira são intensas, mas correspondem apenas ao lado da oferta da força de trabalho. A carreira, sabedora de suas qualidades, não tem medo de competição. Desde a sua criação compete pelo espaço de alta direção. Mas necessita saber o que a demanda (o governo e a sociedade) entende como suas necessidades de trabalho para poder sugerir novas formas de atuação e ações de capacitação a serem oferecidas dentro da Política de Desenvolvimento de Pessoal. Uma outra resposta complementar é atrair pessoas competentes por meio de melhor remuneração. Cabe lembrar que, nesse governo, o processo de recuperação dos salários do poder executivo tem sido feito de forma bastante equilibrada. Nesse sentido, quero agradecer o empenho dos representantes do governo nesta mesa pela compreensão que tem da importância da carreira, pelo que suas instituições já fizeram e pelo que ainda hão de fazer para que a carreira continue sendo a grande fonte de talentos do serviço público federal. Hoje, temos diversas carreiras similares nos governos estaduais que se espelharam na carreira de gestor e que reiteram e ratificam o sucesso da fórmula aplicada na União. Uma característica de uma idéia boa, é que sua propagação a faz suportar diferentes culturas políticas ao longo do tempo, ou no caso, demonstrar que é uma

12 aliada dos processos e contratos definidos legitimamente pelo processo democrático e, assim, servir à cidadania. Desta forma, a carreira tem sido gerida de modo a se adaptar com sucesso às mudanças ocorridas em seu ambiente sem perder a sua essência. Na qualidade não apenas de Presidente da ANESP, mas como EPPGG do Ministério do Planejamento, aluno da ENAP, enfim, servidor com compromisso, tenho a compreensão de como essas instituições interagem e articulam-se e aqui é a oportunidade de dizer que apenas com essa sólida, constante e respeitosa relação de trocas e contato que será possível fazer com que a carreira, a ENAP e o Ministério do Planejamento atinjam os seus desígnios. Ricardo Vidal de Abreu Presidente da ANESP na cerimônia de comemoração dos 20 anos da aula inaugural da Carreira de Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental na Escola Nacional de Administração Pública - ENAP Brasília, 11 de agosto de 2008

13

14 Página 13 Revista de Políticas Públicas e Gestão Governamental Editorial Os artigos presentes nesta edição da Res Pvblica prestam um importante serviço à sociedade. Além de possuírem forte sintonia com grandes eixos de ação da atual agenda pública do país, tornam-se valiosos instrumentos de análises acuradas sobre temas que frequentemente são estigmatizados e sujeitos a argumentações rasas e descuidadas. As políticas sociais e o tema da gestão pública são hoje catalisadores de intensos esforços da administração pública. Exigem do Estado tônus e agilidade para responder demandas de grande impacto no país e, por isso, são essenciais para compreensão consistente das políticas públicas. Estudos dedicados e cuidadosos sobre esses temas oxigenam as vias de acesso a informações e experiências, conferindo uma saudável aproximação entre a realidade e as políticas públicas. No artigo Seguro social, focalização ou provisão universal? Vantagens e desvantagens de diferentes sistemas de proteção social como meio para redução da pobreza Luis Henrique Paiva estabelece uma interessante comparação entre os modelos de provimento de proteção social pelo Estado utilizados em diversos países, enfatizando as experiências na América Latina e apontando algumas conclusões já possíveis de serem apresentadas. A reflexão que apresenta aspectos positivos e negativos sobre escolhas e possibilidades das políticas públicas é importante, pois confere ao gestor subsídios sólidos e fundamentais para sustentar suas decisões. No caso das políticas sociais aqui analisadas, particularmente relativas à provisão de de benefícios para o público mais pobre, é central apresentar para a sociedade os custos e ganhos obtidos com sua implementação e desmistificar argumentos infundados e simplistas sobre esse tema. No entanto, o autor deixa claro que esses modelos não devem ser considerados como uma panacéia para todos os problemas sociais enfrentados pelo país, ou seja, não podem ser considerados modelo acabado de proteção social. Eles muitas vezes estabelecem relação complementar com os regimes de seguro social já existentes, como, no caso do Brasil, a provisão universal de educação e saúde. A complementariedade e integração são, assim, fatores essenciais para o sucesso das políticas sociais. No artigo Descentralização da política de saúde no Brasil: avanços e desafios Fabiola Sulpino Vieira apresenta uma visão mais específica de política social, relacionada à saúde. Sugere que diversos aspectos a serem levados em consideração quando do processo de descentralização de uma política, especialmente quando esta apresenta alto nível de complexidade, como é o caso das políticas de saúde no Brasil. Estabelece que o sucesso dessa descentralização depende de ações de coordenação e regulação que se dão de forma centralizada. Assim, faz o contraponto da necessidade da coexistência desses dois movimentos que supostamente seriam de natureza antagônica, mas que aqui se apresentam complementares e indissociáveis. A autora sugere que a superação da competição entre entes federados no Brasil é crucial para estabelecer políticas de saúde mais consistentes, ou seja, o princípio da corresponsabilização entre esses atores é fundamental para a promoção da governança pública e para conferir efetividade das políticas em questão. Com o artigo O mito do inchaço da força de trabalho do Executivo federal Marcelo Viana Estevão de Moraes, Tiago Falcão Silva e Patricia Vieira da Costa demonstram com dados consistentes e assertivos a desconexão entre os argumentos sobre o inchaço da força de trabalho no poder Executivo e a realidade que se apresenta na administração pública federal. A relevância do estudo é notória ao qualificar o debate sobre a gestão de pessoas no serviço público e elevar a sua discussão a níveis mais profundos de análise como a importância da qualificação e diversificação do corpo técnico, como criação de novas carreiras e substituição dos terceirizados, e a necessidade

15 de focalização de oferta de força de trabalho naqueles setores mais demandantes, conferindo racionalidade à gestão do setor público. Outro importante movimento em prol da gestão pública meritocrática e do aperfeiçoamento das dinâmicas da administração pública é apontado por Aldino Graef no artigo Cargos em comissão e funções de confiança: diferenças conceituais e práticas. Um momento dedicado à recapitulação dos preceitos da Constituição para o exercício da conceituação de termos que possuem uso indiscriminado e sem conexão com seus significados. Especialmente relevante para seu objeto de estudo, pois estão aqui envolvidas atividades de alto nível e intensa participação no processo decisório das políticas públicas, que são as atividades de direção, chefia e assessoramento. Esse resgate é recurso essencial para conferir eixo às inovações nas políticas de gestão de pessoas, como o projeto de implantação das Funções Comissionadas do Poder Público (FCPE), citada pelo autor. Por fim, no artigo A estrutura de regulamentação e de regulação do setor elétrico brasileiro: é possível melhorar? Ricardo Takemitsu Simabuku também faz referência aos aspectos negativos resultantes da elevada complexidade das políticas públicas em determinados setores, como o elétrico, e apresenta iniciativas de grande impacto para a promoção da governança na gestão do setor público baseadas numa inovação institucional que permita aumento da participação, do controle social e da qualidade dos serviços prestados ao cidadão. O artigo é contemporâneo nos debates essenciais da administração pública ao apontar que a existência de ineficiências no Estado não impede que se busque o seu constante aperfeiçoamento, que necessariamente passa por essa consolidação de sua qualidade institucional e administrativa. Com isto, as políticas públicas se tornam menos complexas, mais efetivas e próximas de todos. Boa leitura!

16 Página 15 Revista de Políticas Públicas e Gestão Governamental Seguro social, focalização ou provisão universal? Vantagens e desvantagens de diferentes sistemas de proteção social como meio para redução da pobreza Por Luis Henrique Paiva A proteção social pode ser entregue de acordo com três modelos: o seguro social (na qual se supõe cobertura para aqueles que contribuem com o seguro), provisão universal (na qual todos os cidadãos têm direito à proteção social, sob certas condições) e a provisão focalizada (na qual a proteção social fornecida pelo Estado volta-se para os mais pobres). A evidência histórica nos diz que países desenvolvidos que adotaram modelos universalistas (ou seguro social amplamente disseminado) apresentam melhores resultados na luta contra a pobreza e a desigualdade que países que adotaram um welfare state residual (fortemente baseado em políticas focalizadas apenas nos mais pobres). Políticas focalizadas, entretanto, fazem sentido não apenas em função de problemas fiscais, mas também como alternativas para que o Estado chegue a minorias que não conseguem se beneficiar de políticas universais.

17 Revista de Políticas Públicas e Gestão Governamental Vol. 7 - N o 2 Jul/Dez 2008 Seguro social, focalização ou provisão universal? Vantagens e desvantagens de diferentes sistemas de proteção social como meio para redução da pobreza. (16) INTRODUÇÃO Há um vasto debate acadêmico e político sobre a melhor maneira para que o Estado entregue proteção social por meio de esquemas focalizados, universais ou baseados no seguro social. Esse debate é motivado, primeiramente, pelo fato de envolver tecnicalidades relativamente complexas e, muitas vezes, lições incertas que se pode derivar da evidência empírica. Em segundo lugar, não se pode deixar de mencionar que esse debate também reflete um conflito entre visões diferentes da boa sociedade (Pratt, 1998). Se for possível sumarizar esse último ponto, alguns acadêmicos, frequentemente baseados no chamado conceito negativo de liberdade (Berlin, 1969), embora aceitando a existência de benefícios sociais, não apenas questionam a própria idéia de direitos sociais como algo necessário para que os indivíduos sejam livres, como também sustentam que essa idéia pode na verdade representar um risco para a liberdade individual. Essa postura tende a estar associada a uma proteção social residual, na qual benefícios e serviços são frequentemente focalizados nos pobres (ou nos mais pobres) e não são entregues aos cidadãos como direitos. Por outro lado, acadêmicos baseados no conceito positivo de liberdade acreditam que os indivíduos não poderiam ter uma vida social e política inteiramente participativa na ausência de certas condições sociais. Esse argumento responde pela articulação próxima entre os conceitos de direitos sociais e cidadania (King e Waldron, 1988). Como consequência, um padrão social básico deveria ser compreendido como um direito e garantido a todos os cidadãos, e benefícios e serviços voltados para assegurar esse padrão social básico deveriam ser entregues em uma base universal e compreensiva. Esse é um debate importante e legítimo. Mas dificilmente poderia ser examinado dentro das limitações de um artigo como este. Nesse sentido, meu objetivo aqui é antes examinar os argumentos encontrados na literatura a respeito do quão efetivas são as políticas sociais baseadas em três diferentes concepções, no que diz respeito à redução da pobreza. Para isso, considerarei aqui a definição oferecida por D. Collard, de acordo com quem políticas sociais universais são aquelas que têm um critério do tipo gatilho (trigger

18 criterion): uma vez satisfeito o critério, elas tornam automaticamente uma pessoa elegível àquele benefício a despeito dos seus rendimentos; por outro lado, políticas seletivas ou focalizadas também consideram certos critérios de elegibilidade, mas adicionam um que as caracterizam: o critério da baixa renda. 1 A provisão de proteção social por meio do seguro social, por sua vez, pode ser entendida como um caso especial de universalismo 2, marcado todavia por uma importante restrição: ele cobre apenas aqueles que contribuem para a política e essa contribuição está, em geral, associada ao trabalho. 3 Pretendo, nas seções seguintes, apresentar os argumentos dos defensores das políticas universais, das políticas baseadas no seguro social e das políticas focalizadas (ou, em outras palavras, as razões pelas quais seus defensores acreditam que elas sejam a melhor maneira de reduzir a pobreza), bem como as principais críticas que essas abordagens recebem na literatura acadêmica. Na seção final, pretendo avaliar como a experiência internacional nos permite avaliar tais argumentos. EM DEFESA DO UNIVERSALISMO Os defensores da abordagem universalista frequentemente sugerem que as desigualdades sociais e econômicas não devem ser consideradas como o resultado de decisões individuais. Ao contrário, o mercado das sociedades capitalistas, especialmente em períodos de rápida mudança, produz seus ganhadores e perdedores e, como consequência, não vai produzir por si só um acesso justo a coisas importantes como saúde, educação, renda de subsistência, moradia, etc. (Pratt, 1998). Na medida em que a pobreza deve ser vista como sistêmica e não residual, a melhor maneira de cuidar do problema deveria ser por meio de políticas sociais universais e não discriminatórias. Como regra, os indivíduos não podem ser responsabilizados por enfrentar o desemprego, a doença ou a pobreza e a maneira correta de entregar proteção social nesses casos não pode provocar, ela mesma, sentimentos de humilhação e estigma, tantas vezes associados aos mecanismos de focalização projetados para excluir os não pobres (Titmuss, 2000; Pratt, 1998; Sunesson et al., 1998; Mkandawire, A provisão de proteção social por meio do seguro social, por sua vez, pode ser entendida como um caso especial de universalismo, marcado todavia por uma importante restrição: ele cobre apenas aqueles que contribuem para a política e essa contribuição está, em geral, associada ao trabalho. 2005). Humilhação e estigma não parecem ser a melhor maneira para ajudar os indivíduos a superar a pobreza. Políticas sociais universais têm, de acordo com seus defensores, várias outras vantagens. Elas tendem, por exemplo, a apresentar altas taxas de cobertura da população-alvo (take-up rates) e baixos custos administrativos. Políticas focalizadas, ao contrário, como regra baseadas em um aparato burocrático massivo criado para excluir os não pobres e selecionar os pobres merecedores, tendem a ser altamente burocratizadas ( quem ajuda os pobres a preencher todos os formulários das políticas focalizadas?, pergunta Titmuss), a apresentar altos custos administrativos e baixa taxa de cobertura da população-alvo. Em outras palavras, políticas focalizadas, orientadas para a exclusão dos não pobres, no final acabam também excluindo parte dos próprios pobres (devido à burocracia massiva e, às vezes, às restrições excessivas), enquanto as políticas universais gastam menos dinheiro com a administração e mais com os próprios beneficiários. Essas características levariam as políticas universais a ser mais efetivas como meio de redução da pobreza. As políticas universais também evitam a fórmula serviços pobres para pessoas pobres (Titmuss, 2000; Amartya Sen, 1995) e são mais resistentes a períodos de cortes orçamentários (retrenchment). O mecanismo por trás desses dois fenômenos é o mesmo: à medida que

19 Revista de Políticas Públicas e Gestão Governamental Vol. 7 - N o 2 Jul/Dez 2008 Seguro social, focalização ou provisão universal? Vantagens e desvantagens de diferentes sistemas de proteção social como meio para redução da pobreza. serviços e benefícios são voltados exclusivamente para grupos que são politicamente frágeis (algo que, por definição, os mais pobres são), elas tendem a apresentar baixa qualidade e ser mais sujeitas a cortes. Ao contrário, benefícios e serviços universais tendem a ser mais resistentes, na medida em que possuem um grande e diverso grupo de beneficiários que as apóiam, e a apresentar melhor qualidade (já que a pressão desses beneficiários sobre o governo é mais forte). O último argumento aponta para o que Mkandiwire (2005) chama de paradoxo da redistribuição : quanto mais as políticas sociais são focadas nos mais pobres, menos elas têm um impacto durável sobre a pobreza e a redução da desigualdade. O acesso universal é [de acordo com o autor] um dos mais efetivos modos de assegurar apoio político pela classe média para os impostos necessários para financiar programas de bem-estar social. Essas são as razões que levam os defensores da provisão universal de proteção social a acreditar que essa é a melhor maneira de reduzir a pobreza. EM DEFESA DO SEGURO SOCIAL (18) Comparado com a provisão universal de proteção social, o seguro social tem algumas particularidades que podem ser consideradas vantajosas do ponto de vista da redução da pobreza. A primeira é que benefícios e serviços fornecidos por meio do mecanismo de seguro social estão em geral disponíveis apenas para aqueles que trabalham no setor formal da economia. Esse mecanismo pode ser considerado um incentivo importante para que os cidadãos não apenas se engajem em algum trabalho (o que é por si só um importante fator que atenua a pobreza), como evitem trabalhar na economia informal (contribuindo, assim, para o financiamento dos benefícios e serviços públicos). Esse tipo de incentivo não está presente na provisão de proteção social que se vale de mecanismos universais ou de focalização. 4 Além disso, os benefícios pagos por meio de um seguro social são quase sempre baseados em impostos cobrados sobre a folha de pagamento. Essa característica não apenas permite uma relação consistente entre custos e financiamento (contribuições, ou prêmios, pagas especialmente para o financiamento de benefícios, por

20 aqueles que podem vir a utilizá-los), como também permitem a existência de benefícios cujo valor varia de acordo com o valor do salário (earnings-related benefits). Uma vez que a própria noção de pobreza pode ser considerada relativa, pode-se considerar aceitável (e, talvez, desejável) que o valor do benefício seja, em alguma extensão, relacionado ao valor dos salários e apenas contribuições baseadas na folha podem justificar a conexão entre salários e benefícios (Kesselman, 1995). Assim, o seguro social, de acordo com os seus defensores, poderia lidar com a pobreza de maneira ainda mais adequada que o universalismo, já que mantêm um caráter fundamentalmente universal, adicionando, entretanto, incentivos para o trabalho e uma fonte de financiamento sólida e apropriada. EM DEFESA DA FOCALIZAÇÃO Na sua forma mais radical, a defesa da focalização como a mais apropriada maneira de entregar a proteção social está baseada no argumento econômico segundo o qual saúde, educação, moradia e provisões para aposentadoria não são considerados bens públicos e, assim, poderiam e deveriam ser providos pelo mercado (e não por quase-mercados, como muitas vezes se defende), de acordo com o mecanismo de preços de mercado. O passo seguinte é considerar que (a) os serviços deveriam ser pagos; (b) os pobres deveriam ser elegíveis a uma redução ou remissão dos preços desses serviços; (c) a remissão dos preços precisaria ser determinada pela aplicação de testes de pobreza como critério de elegibilidade ; e (d) o mercado proveria o ambiente adequado para a eficiência dos provedores dos serviços. 5 Na sua forma mais branda, entretanto, a defesa da focalização está baseada em um argumento que Pratt considera ao menos superficialmente, (...) tanto atrativo quando forte : em uma situação marcada pela escassez de recursos e demandas ilimitadas, é justo e razoável alocar recursos especialmente naqueles que não são os que estão em melhor situação (Pratt, 1998). Políticas universais ou baseadas no seguro social caracterizam welfare states generosos, mas caros, que tentam chegar a todos os cidadãos igualmente. Entretanto, os defensores dos mecanismos da focalização acreditam que em uma situação de restrições orçamentárias e vastas demandas, essas políticas não chegariam a todos os cidadãos igualmente e, se uma clara decisão de privilegiar os pobres não for tomada, serviços e benefícios tendem a ser capturados pela classe média, sub-representando os pobres entre seus beneficiários. Embora esse argumento possa ser considerado algo enviesado ideologicamente, mesmo os críticos da abordagem da focalização reconhecem que políticas universais ou de seguro social são muitas vezes mais generosas com grupos específicos da população (especialmente aqueles relacionados com o projeto de construção nacional servidores públicos, militares e com o projeto de industrialização ) que com os demais setores e tendem a apresentar um viés urbano, ao mesmo tempo em que marginalizam grandes setores da população (Mkandawire, 2005). Todavia, Mkandawire insinua que essa é uma característica de alguns países específicos, notavelmente na América Latina, e não uma característica inerente dos welfare states baseados na provisão de proteção social por meio de políticas universais ou de seguro social. Finalmente, é importante registrar o argumento de que seriam as políticas focalizadas, e não as universais, as mais resistentes a cortes orçamentários: uma vez que benefícios focalizados ocupam um espaço limitado nos sistemas de política social, eles têm uma maior chance de sobreviver a períodos de recuo nos gastos públicos. 6 Assim, os defensores da abordagem da focalização acreditam que essa é a melhor alternativa para reduzir a pobreza, já que prioriza os pobres (ou os mais pobres) e maximiza o impacto do orçamento alocado na proteção social. EVIDÊNCIA EMPÍRICA E DISCUSSÃO De acordo com Mkandawire (2005), a história mostra que o universalismo caracteriza em grande medida a escolha feita pelos países que melhor lidam com a pobreza e com a desigualdade. Para simplificar bastante a análise desse ponto, o autor parece basicamente (embora não totalmente, como veremos) certo: a evidência histórica mostra que países desenvolvidos que construíram estados de bem-estar institucionais (para mencionar a terminologia de Titmuss),

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 41 Discurso na cerimónia de celebração

Leia mais

A Organização de Carreiras do Poder Executivo da Administração Pública Federal Brasileira

A Organização de Carreiras do Poder Executivo da Administração Pública Federal Brasileira A Organização de Carreiras do Poder Executivo da Administração Pública Federal Brasileira Aldino Graef Brasília, 7 de julho de 2009 CONFERÊNCIA NACIONAL DE RECURSOS HUMANOS ORGANIZAÇÃO DO PODER EXECUTIVO

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Cotas Socioeconômicas sim, Étnicas não

Cotas Socioeconômicas sim, Étnicas não Este é um tema atual de debate na sociedade brasileira, motivado principalmente pela discussão das cotas étnicas e, a partir do Projeto de Lei nº 3627/04, com ênfase nas socioeconômicas (origem dos alunos

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Agnaldo dos Santos Observatório dos Direitos do Cidadão Participação Cidadã (Instituto Pólis) Apresentação O Observatório dos Direitos do Cidadão,

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*)

A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*) A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*) Enquanto o Brasil vinha insistindo em uma política energética privilegiando grandes usinas e extensas linhas de transmissão, cada vez mais distantes

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.421, DE 05 DE ABRIL DE 2010. (publicada no DOE nº 062, de 05 de abril de 2010 2ª edição) Institui a Carreira

Leia mais

Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro. Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo, Towers Watson

Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro. Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo, Towers Watson Saúde e produtividade: o valor de uma força de trabalho saudável para o sucesso nos negócios Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca r f Considerei particularmente oportuno

Leia mais

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Brasília, 22 de novembro de 2012 É uma honra recebê-los

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA APRESENTAÇÃO

O BRASIL SEM MISÉRIA APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O BRASIL SEM MISÉRIA O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome decidiu organizar este livro por vários motivos. Um deles é evitar que o histórico da construção do Plano Brasil

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 10. PLANEJAMENTO RIO DE JANEIRO,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO Número e Título do Projeto Função no Projeto: Resultado: Atividades: Antecedentes: (breve histórico justificando a contratação)

Leia mais

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Os expoentes do eixo de garantia de renda do Plano Brasil sem Miséria são o Programa Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada (BPC), ambos

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

Governança, risco e. compliance Chega de redundâncias. 24 KPMG Business Magazine

Governança, risco e. compliance Chega de redundâncias. 24 KPMG Business Magazine Governança, risco e compliance Chega de redundâncias 24 KPMG Business Magazine Programa Risk University transmite aos executivos uma visão abrangente dos negócios A crise financeira de 2008 ensinou algumas

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

PPA 2012-2015 PLANO DE DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGICO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO

PPA 2012-2015 PLANO DE DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGICO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO 100 - ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE GOIÁS O Programa Escola do Legislativo tem como objetivo principal oferecer suporte conceitual de natureza técnico-científica

Leia mais

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI Autoriza a concessão de bolsas de estudo e de pesquisa a participantes de programas de formação inicial e continuada de professores para a educação básica. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo Governança Sustentável nos BRICS Resumo executivo Sumário executivo A rapidez com que, nos últimos anos, as economias emergentes do Brasil, da Rússia, da Índia, da China e da África do Sul vêm se aproximando

Leia mais

Planejamento Estratégico nos Órgãos Públicos

Planejamento Estratégico nos Órgãos Públicos Planejamento Estratégico nos Órgãos Públicos Juan Cristóbal Bonnefoy ILPES-CEPAL Curso-seminário Políticas orçamentárias e gestão pública por resultados Caucaia, Ceará, Brasil, agosto de 2005 Pilares do

Leia mais

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA Tarciso Dal Maso Jardim 1 A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável,

Leia mais

EDITAL MDS/PNUD. Qualificação de Parceiros para Implementação de Projetos de Inclusão Produtiva

EDITAL MDS/PNUD. Qualificação de Parceiros para Implementação de Projetos de Inclusão Produtiva EDITAL MDS/PNUD De 31/08/2005 (DOU) Qualificação de Parceiros para Implementação de Projetos de Inclusão Produtiva O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome - MDS e o Programa das Nações

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa

Os fundos de confiança como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa César Jaramillo Avila - aurbana@quito.gov.ec Coordenador do Programa Municipal de Agricultura Urbana da

Leia mais

Rotinas de DP-Professor: Robson Soares

Rotinas de DP-Professor: Robson Soares Rotinas de DP-Professor: Robson Soares Capítulo 3 Agregando Pessoas -Recrutamento e Seleção de Pessoas Nesse capítulo veremos com as organizações agregam pessoas através do recrutamento e seleção de pessoas.

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Linha Direta INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Desmistificado, ensino técnico brasileiro passa a ser a possibilidade mais rápida de inserção no mercado de trabalho TECNOLOGIA

Leia mais

Dom Macedo Costa. ESTADO DA BAHIA Município de Dom Macedo Costa Prefeitura Municipal Onde Pulsa o Desenvolvimento

Dom Macedo Costa. ESTADO DA BAHIA Município de Dom Macedo Costa Prefeitura Municipal Onde Pulsa o Desenvolvimento Terça-feira 54 - Ano I - Nº 98 Dom Macedo Costa LEI MUNICIPAL Nº 400/2010 De 27 de dezembro de 2010 Dispõe sobre a criação do Sistema Municipal de Cultura e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas.

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas. Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues; Senhor Vice-Presidente do Conselho Diretivo da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas e Presidente da Comissão Organizadora

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

Fortaleza, 4 de novembro de 2013.

Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, no V Fórum Banco Central sobre Inclusão Financeira Senhoras e senhores, boa tarde a todos.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade visão das lideranças A Excelência de qualquer organização depende da sinergia entre três fatores:

Leia mais

DISCURSO DO SECRETÁRIO-GERAL DA ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS, JOSÉ MIGUEL INSULZA, NA SESSÃO DE ABERTURA DA QUARTA CÚPULA DAS AMÉRICAS

DISCURSO DO SECRETÁRIO-GERAL DA ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS, JOSÉ MIGUEL INSULZA, NA SESSÃO DE ABERTURA DA QUARTA CÚPULA DAS AMÉRICAS DISCURSO DO SECRETÁRIO-GERAL DA ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS, JOSÉ MIGUEL INSULZA, NA SESSÃO DE ABERTURA DA QUARTA CÚPULA DAS AMÉRICAS Mar del Plata, 4 de novembro de 2005. Senhor Presidente da Nação

Leia mais

ORGANIZAÇÕES DO 3º SETOR

ORGANIZAÇÕES DO 3º SETOR CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO São João da Boa Vista Mestrado Acadêmico em Desenvolvimento Sustentável ORGANIZAÇÕES DO 3º SETOR ORGANIZAÇÕES SOCIAIS (O.S.) Titulação de ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Vida Universitária Maio 2007 Ano XVII Nº 172

Vida Universitária Maio 2007 Ano XVII Nº 172 Mercado exige velocidade na atualização profissional Trabalhadores precisam estar capacitados para solucionar problemas, ser criativos e flexíveis e gostar da sua atividade A competição pela colocação

Leia mais

Sumário Executivo. Avaliação Econômica do Programa Mais. Centro de Integração Empresa Escola (CIEE/RJ)

Sumário Executivo. Avaliação Econômica do Programa Mais. Centro de Integração Empresa Escola (CIEE/RJ) Sumário Executivo Avaliação Econômica do Programa Mais Centro de Integração Empresa Escola (CIEE/RJ) O objetivo deste documento é descrever os resultados da avaliação de impacto realizada para o Programa

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.094, DE 24 DE ABRIL DE 2007. Dispõe sobre a implementação do Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação, pela União

Leia mais

Position Paper. As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos. Edição Nº1. www.ipledu.com +55 11 2364 9355

Position Paper. As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos. Edição Nº1. www.ipledu.com +55 11 2364 9355 Position Paper Edição Nº As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos www.ipledu.com +55 64 955 O ipl Institute of Performance and Leadership é uma empresa especializada

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA 008/2012 PARA INSCRIÇÕES E SELEÇÃO CURSO DE EXTENSÃO EM GESTÃO DE PROCESSOS ADMINISTRATIVOS

EDITAL DE ABERTURA 008/2012 PARA INSCRIÇÕES E SELEÇÃO CURSO DE EXTENSÃO EM GESTÃO DE PROCESSOS ADMINISTRATIVOS ecretaria da dministração e dos ecursos umanos EDITAL DE ABERTURA 008/2012 PARA INSCRIÇÕES E SELEÇÃO CURSO DE EXTENSÃO EM GESTÃO DE PROCESSOS ADMINISTRATIVOS 1. DA REALIZAÇÃO A Fundação para o Desenvolvimento

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS www.tecnologiadeprojetos.com.br Diretoria de Acompanhamento e Avaliação de Projetos da Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais DAPE/SEE-MG RELATÓRIO DE PESQUISA 1 : CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

O PIBID E A FORMAÇÃO DE ALUNOS DA EJA: UMA EXPERIÊNCIA COM EDUCAÇÃO FINANCEIRA 1

O PIBID E A FORMAÇÃO DE ALUNOS DA EJA: UMA EXPERIÊNCIA COM EDUCAÇÃO FINANCEIRA 1 O PIBID E A FORMAÇÃO DE ALUNOS DA EJA: UMA EXPERIÊNCIA COM EDUCAÇÃO FINANCEIRA 1 Resumo: Delane Santos de Macedo 2 Universidade Federal do Recôncavo da Bahia delayne_ba@hotmail.coml Gilson Bispo de Jesus

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 15, DE 2013.

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 15, DE 2013. ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 15, DE 2013. Institui a Política de Acessibilidade do Senado Federal. A COMISSÃO DIRETORA DO SENADO FEDERAL, no uso das competências que lhe foram conferidas pelo art. 98, inciso

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Unidade de Coordenação do PROFAZ/ES

Unidade de Coordenação do PROFAZ/ES Governo do Estado do Espírito Santo Secretaria de Estado da Fazenda do Espírito Santo Subsecretaria de Estado da Receita Subsecretária do Tesouro Estadual Subsecretário de Estado para Assuntos Administrativos

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA ENSINO MÉDIO. Construindo valores na escola e na sociedade. Edital nº 584, de 16 de setembro de 2005

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA ENSINO MÉDIO. Construindo valores na escola e na sociedade. Edital nº 584, de 16 de setembro de 2005 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA ENSINO MÉDIO Construindo valores na escola e na sociedade Edital nº 584, de 16 de setembro de 2005 O Ministério da Educação - MEC, por meio deste edital de seleção pública de

Leia mais

DIAGNÓSTICO GERAL DAS ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS ESTADUAIS PESQUISA PNAGE

DIAGNÓSTICO GERAL DAS ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS ESTADUAIS PESQUISA PNAGE DIAGNÓSTICO GERAL DAS ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS ESTADUAIS PESQUISA PNAGE Fernando Luiz Abrucio DIMENSÃO DO ESTADO Principais Problemas Precariedade das informações Falta de Bancos de Dados compartilhados

Leia mais

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL - PNEF A EDUCAÇÃO FISCAL COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA CONTEXTO Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das

Leia mais

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho SOMOS TOD@S UFRB Síntese da Proposta de Trabalho Chapa SOMOS TOD@S UFRB Reitor: Silvio Soglia Vice-Reitora: Georgina Gonçalves "Aquele que quer aprender a voar um dia precisa primeiro aprender a ficar

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Controle Externo

Tribunal de Contas da União. Controle Externo Tribunal de Contas da União Controle Externo 1224 Controle Externo Objetivo Assegurar a efetiva e regular gestão dos recursos públicos federais em benefício da sociedade e auxiliar o Congresso Nacional

Leia mais

Óticas para o Desenho, Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas CHAMADA PARA DEBATE

Óticas para o Desenho, Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas CHAMADA PARA DEBATE Presidência da República Secretaria de Assuntos Estratégicos Óticas para o Desenho, Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas CHAMADA PARA DEBATE TEXTOS PARA DISCUSSÃO Óticas para o Desenho, Monitoramento

Leia mais

Programa Bolsa Família: Avanço recentes e principais resultados

Programa Bolsa Família: Avanço recentes e principais resultados Programa Bolsa Família: Avanço recentes e principais resultados Luis Henrique Paiva Secretário Nacional de Renda de Cidadania Dezembro de 2014 2011-2014: Ciclo de Aperfeiçoamento do PBF e do Cadastro Único

Leia mais

Gestão por programas: uma nova concepção de orçamento

Gestão por programas: uma nova concepção de orçamento ... Cadernos FUNDAP n. 22, 2001, p. 111-116 Gestão por programas: uma nova concepção de orçamento Sandra Lúcia Fernandes Marinho SINOPSE A Portaria n. 42, de 14 de abril de 1999, do Ministério de Planejamento,

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2012

Brasília, 9 de maio de 2012 Brasília, 9 de maio de 2012 Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento no Sebrae para lançamento do Plano de Ação para Fortalecimento do Ambiente Institucional para a Adequada Inclusão Financeira

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414

DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414 DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414 Nome da Operação Acre: Fortalecimento de Políticas Públicas para a Melhoria da Prestação de Serviços

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 13 Discurso na solenidade de abertura

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 1: resumo expandido de comunicação científica A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO E A COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA: UMA ANALISE

Leia mais

VI política de recursos humanos. Gestão de Pessoas

VI política de recursos humanos. Gestão de Pessoas VI política de recursos humanos Gestão de Pessoas mensagem presidencial GESTÃO DE PESSOAS O Governo Federal estabeleceu, em todos os setores, um processo amplo de diálogo e de participação. Assim, a opção

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

5. Tendências na Gestão de Pessoas *

5. Tendências na Gestão de Pessoas * 5. Tendências na Gestão de Pessoas * Trabalho há mais de dez anos como coach e consultora de desenvolvimento humano e organizacional. Minha formação acadêmica é em Engenharia Eletrônica, e antes da grande

Leia mais

Proposta da ANDIFES para a Universidade do Século XXI

Proposta da ANDIFES para a Universidade do Século XXI Proposta da ANDIFES para a Universidade do Século XXI 1 Com muita honra e responsabilidade, falo uma vez mais em nome da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior

Leia mais

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL Prof.ª Mônica Ferreira dos Santos José Augusto Guilhon de Albuquerque é sociólogo e professor da USP. No Serviço Social alguns autores já usaram seu referencial. Weisshaupt

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL 1. O que é a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)? A Lei de Responsabilidade Fiscal é um código

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

2. QUATRO CENÁRIOS PARA O RIO GRANDE DO NORTE

2. QUATRO CENÁRIOS PARA O RIO GRANDE DO NORTE 2. QUATRO CENÁRIOS PARA O RIO GRANDE DO NORTE 35 1 Este capítulo apresenta uma síntese de quatro cenários prospectivos elaborados pelo Mais RN. O documento completo, contendo o detalhamento dessa construção,

Leia mais

CAPÍTULO V DO ACESSO AOS MERCADOS. Seção única. Das Aquisições Públicas

CAPÍTULO V DO ACESSO AOS MERCADOS. Seção única. Das Aquisições Públicas CAPÍTULO V DO ACESSO AOS MERCADOS Seção única Das Aquisições Públicas Art. 42. Nas licitações públicas, a comprovação de regularidade fiscal das microempresas e empresas de pequeno porte somente será exigida

Leia mais

A Lei 13.019/2014 O ponto de vista das organizações. Porto Velho, 02.12.2015

A Lei 13.019/2014 O ponto de vista das organizações. Porto Velho, 02.12.2015 A Lei 13.019/2014 O ponto de vista das organizações. Porto Velho, 02.12.2015 INTRODUÇÃO As organizações do Terceiro Setor vêm recebendo grande destaque nas políticas públicas. A autora Monica Bose realizou

Leia mais