Atividade 3 os anos Marcos/Juliano ago/09

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Atividade 3 os anos Marcos/Juliano ago/09"

Transcrição

1 Biologia Atividade 3 os anos Marcos/Juliano ago/09 Nome: Nº: Turma: Caríssimas e caríssimos! Dando continuidade ao nosso trabalho, mantida a distância corporal entre nós (prevenção), mas preservada a lembrança (continuamos a lembrar que é hora de trabalho), vamos iniciar nossa revisão do conteúdo de Biologia pelo estudo dos seres vivos. Para isso, começaremos discutindo o que é saúde e doença. Posteriormente, analisaremos dados e finalizaremos com a construção de uma tabela. Como sugestão, tente preencher a tabela somente com os conhecimentos de que você dispõe, sem consultar coisa alguma. Isso pode servir como autoavaliação desses conhecimentos. Após essa etapa do preenchimento, você pode consultar diferentes materiais para verificar se o que preencheu está correto e completar o que falta. Nosso livro-texto tem algumas das respostas, mas será preciso ampliar a pesquisa. Esse conteúdo será retomado no final do mês de agosto, por meio desta ficha, mas até o dia 14/08 você poderá tirar dúvidas através do endereço eletrônico que está no nosso portal. Bom trabalho! SAÚDE E DOENÇAS A saúde não é obtida por meio do combate às doenças ou com a melhoria de medidas médicas; não é um fenômeno isolado, mas o resultado das condições em que a população vive. Não se pode separar o indivíduo do seu contexto social, econômico e ambiental. Moradia, qualidade da água consumida, tratamento de esgoto, possibilidade de obtenção de alimentos e acesso a medicina preventiva, são alguns fatores que determinam o padrão de saúde da população. É muito difícil encontrar uma boa classificação para os tipos de doenças existentes, principalmente porque em muitos casos, várias são as causas de uma doença. De uma forma geral, podemos dividi-las em dois grandes grupos, considerando a origem da doença: Doenças infecciosas Causadas por um organismo patogênico, tal como vírus, bactérias e protozoários. Podem ser ou não contagiosas, diretamente ou através de um vetor. Vamos considerar aqui também as doenças causadas por vermes. Muitas dessas doenças, com alta capacidade de transmissão, causam um número grande de casos na população, situação conhecida como epidemia.

2 A definição de epidemia está relacionada a dois fatores: o número de casos de uma determinada doença e certo espaço de tempo. Em outras palavras, epidemia é um grande e repentino aumento no número de casos de uma doença, numa população qualquer. Alguns fatores são indispensáveis para que ocorra uma epidemia, como a presença do microrganismo causador da doença e a existência de um grande número de pessoas sensíveis à doença, ou seja, sem imunidade. Uma epidemia pode ser de grandes proporções. Quando é mundial, como atualmente a AIDS ou a gripe A, recebe o nome de pandemia. As pequenas epidemias são chamadas de surtos, podendo ocorrer em apenas uma cidade, um bairro ou mesmo uma escola. Algumas doenças são restritas a certas áreas ou regiões e, geralmente, são aquelas que necessitam de um vetor para haver contágio. Neste caso, falamos em endemias. É o caso da esquistossomose (barriga d água), que só existe onde ocorre um tipo de caramujo, o biunfalária, que é essencial para o desenvolvimento de uma etapa da vida do verme causador da doença. Existem alguns problemas de saúde que, embora não sejam transmissíveis, também são tratados como epidemias. É o caso do abuso do álcool, do tabagismo, do uso de drogas e até da violência. Doenças não-infecciosas Essas doenças têm várias causas, mas não resultam do contágio por microrganismos; assim, não são transmitidas para outras pessoas. Grosso modo, poderíamos dividi-las em alguns grupos (classificação ampla e arbitrária): Doenças degenerativas, decorrentes da velhice; Doenças causadas por substâncias que agridem o corpo; Doenças causadas pela falta de algum nutriente ou doenças carenciais; Doenças de nascença ou congênitas; Problemas de origem mental, muitas vezes sem explicações claras; Doenças hereditárias, que existem desde o momento da concepção. 2

3 Atividade 1 A tabela abaixo apresenta as 10 principais causas de mortes, nos EUA, em três épocas diferentes. Analise-a atentamente e faça o que se pede: a) Você conhece as todas as doenças citadas? Em caso negativo, procure no dicionário ou faça uma pesquisa rápida para saber um pouco mais sobre cada uma delas. b) Fazendo uma comparação entre os três anos analisados e com a classificação de doenças sugerida no texto Saúde e doenças, que conclusões você pode tirar? c) Sugira uma explicação (ou várias) para a sua resposta anterior. Tabela 1 - Principais causas de morte nos EUA em 1900, 1967 e Causas de morte 1. Pneumonia e gripe 2. Tuberculose 3. Diarreia e enterite 4. Doenças cardíacas 5. Hemorragia cerebral 6. Nefrite 7. Acidentes 8. Câncer 9. Difteria 10. Meningite 1. Doenças cardíacas 2. Câncer 3. Hemorragia cerebral 4. Acidentes 5. Pneumonia e gripe 6. Certas doenças da infância 7. Arteriosclerose geral 8. Diabetes melito 9. Outras doenças circulatórias 10. Enfisema pulmonar % de todas as mortes 11,8 11,3 8,3 8,0 6,2 5,2 4,2 3,7 2,3 2,0 39,0 16,8 10,9 6,1 3,1 2,6 2,0 1,9 1,6 1,6 3

4 Doenças cardíacas 2. Câncer 3. Acidentes e efeitos adversos 4. Doenças cerebrovasculares 5. Obstruções pulmonares crônicas 6. Diabetes melito 7. Pneumonia e gripe 8. Suicídio 9. Homicídios e intervenções legais 10. Doenças crônicas do fígado e cirrose 27,2 26,2 6,2 5,4 4,4 2,8 2,6 2,2 1,6 1,5 Fonte: MMWR Weekly, 48 (30); 664-8, Atividade 2 As doenças citadas na tabela a seguir são todas infecciosas. Você deverá pesquisar no nosso livro-texto ou em outras fontes o grupo dos agentes causadores de cada uma (vírus, bactéria, protozoários, vermes platelmintos, vermes nematelmintos). Se souber o nome científico, além do grupo, escreva-o. 4

5 Doença Organismo causador Formas de contágio Sintomas principais Formas de prevenção Gripe A Caxumba Esquistossomose ou barriga d água Gonorreia Sífilis Aids Herpes Lombriga Febre amarela Amarelão Solitária ou teníase Pneumonia

6 Hanseníase Catapora Oxiuríase Malária Filariose Dengue Hepatite A Hepatite B Hepatite C HPV Poliomielite ou paralisia infantil Raiva Giardíase Leishmaniose 6

7 Doença de Chagas Tiberculose Tétano Meningite meningocócica Cisticercose G:\Editoração\Ped2009\Biologia\Atividade do site- Recuperação 02-3C.doc 7

Multicausalidade das doenças Conceitos básicos

Multicausalidade das doenças Conceitos básicos Biologia 1ª série Multicausalidade das doenças Conceitos básicos Profª Reisila Mendes Saúde é o estado de completo bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência de doença. Homeostase Equilíbrio

Leia mais

PROFESSOR: Leonardo Mariscal

PROFESSOR: Leonardo Mariscal PROFESSOR: Leonardo Mariscal BANCO DE QUESTÕES BIOLOGIA - 3ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== Doenças 01- (UFRS 2011)

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 01. Quanto ao indicador mortalidade, constase que nos países mais desenvolvidos ou com menor grau de desigualdade social e melhor qualidade da atenção a saúde, os níveis de mortalidade

Leia mais

Saneamento Básico COMPLEXO ARAUCÁRIA

Saneamento Básico COMPLEXO ARAUCÁRIA Saneamento Básico COMPLEXO ARAUCÁRIA Olá, caros Alunos, Na aula de hoje, vamos aprender mais sobre o Saneamento Básico, Um novo projeto desenvolvido aqui em nosso Município, chamado COMPLEXO ARAUCÁRIA

Leia mais

Rede Pública ou Particular?

Rede Pública ou Particular? Vacinar seu filho na feito com carinho para você ganhar tempo! Rede Pública ou Particular? guia rápido das vacinas e principais diferenças Um guia de utilidade pública com as fichas de 10 vacinas para

Leia mais

UFPI - CT - DRHGA SANEAMENTO SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA. Definição

UFPI - CT - DRHGA SANEAMENTO SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA. Definição UFPI CT DRHGA DISCIPLINA: Saneamento II Carga horária: horas 6 créditos Horário: Seguas, quartas e sextas 6: 8: horas Local: Sala 55 Professores: Carlos Ernao da Silva email: carlosernao@gmail.com 88 Página:

Leia mais

ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho;

ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho; ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1 Caso suspeito ou confirmado de: 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho; 2. Acidente de Trabalho

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

Directivas de gestão relativa às doenças transmissíveis colectivas crèches 2012.5.1

Directivas de gestão relativa às doenças transmissíveis colectivas crèches 2012.5.1 Directivas de gestão relativa às doenças transmissíveis colectivas crèches 2012.5.1 I. Directivas relativas às doenças transmissíveis colectivas crèches 1. Critérios de notificação crèche Quando as crianças

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA 1 ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA À SAÚDE ASSUNTOS DESTE INFORME Agravos notificados

Leia mais

Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase

Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase Corrimentos Gonorréia Clamídia Tricomonías e múltiplos bactéria NÃO SIM Candida albicans Neisseria gonorrhoeae Chlamydia trachomatis

Leia mais

Semana Europeia da Vacinação

Semana Europeia da Vacinação Diverte-te com esta Sopa de Letras sobre Vacinação: N A J I X S E B I G D F P O U M E R L H F S Q B I K R C W U O T A B H I G I E N E Y SAÚDE VACINA PREVENÇÃO BACTÉRIA IMUNIDADE CONTÁGIO HIGIENE INFEÇÃO

Leia mais

Platelmintos e Nematelmintos

Platelmintos e Nematelmintos Platelmintos e Nematelmintos Verminoses Características PLATELMINTOS:VERMES ACHATADOS Platelmintos: PLATELMINTOS:ESQUISTOSSOMOSE LARVA CERCÁRIA CARAMUJO Biomphalaria FEZES COM OVOS LARVA MIRACÍDIO PLATELMINTOS:ESQUISTOSSOMOSE

Leia mais

Parasitoses - Ve V rminoses Prof. Tiago

Parasitoses - Ve V rminoses Prof. Tiago Parasitoses - Verminoses Prof. Tiago INTRODUÇÃO PLATELMINTOS E NEMATÓDEOS: RESPONSÁVEIS POR ALGUMAS PARASITOSES CONHECIDAS COMO VERMINOSES. TENÍASE E ESQUISTOSSOMOSE SÃO CAUSADAS POR PLATELMINTOS; ASCARIDÍASE

Leia mais

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR Enfª Dda. Verginia Rossato Enfª Danieli Bandeira Santa Maria, 2012 Portaria GM/MS nº 2529, de 23 de novembro de 2004 Institui o Subsistema Nacional de Vigilância

Leia mais

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Central de Atendimento: (61) 3329-8000 Calendário de Vacinação do Prematuro Vacinas BCG ID (intradérmica) Hepatite B (HBV) Pneumocócica conjugada Recomendações

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: qualidade de vida Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: qualidade de vida Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: qualidade de vida Prof. Enrico Blota Biologia Qualidade de vida Imunidade Imunologia é o ramo que estuda as formas de combate a agentes invasores patogênicos, bem como substâncias

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 01. Qual das opções abaixo relacionadas constitui as Leis Orgânicas da Saúde do Brasil: a) Lei Federal nº 8.689/93 e Lei Federal nº 8.080/90; b) Lei Federal nº 8.112/90 e Lei

Leia mais

VÍRUS. Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html

VÍRUS. Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html VÍRUS Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html RESUMO -Os vírus não pertencem a nenhum reino específico, são estudados como um caso à parte. -Os vírus são

Leia mais

Adultos e idosos também precisam se vacinar

Adultos e idosos também precisam se vacinar ANO VII N.º 10 Abril 2013 Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Adultos e idosos também precisam se vacinar Na hora de cuidar da própria saúde, muitos adultos e idosos não dão importância

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO N 01/2013

EDITAL DE RETIFICAÇÃO N 01/2013 EDITAL DE RETIFICAÇÃO N 0/203 A PREFEITURA MUNICIPAL DE TABOAO DA SERRA, no uso de suas prerrogativas e atribuições legais, torna pública a retificação e inclusão de cargo no Concurso Público Nº 0/203,

Leia mais

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 XV 55 Novembro de 2014 Especial Vigilância Ambiental da Dengue em Porto Alegre XV 54 Fevereiro de 2014 Atual Cenário Epidemiológica da

Leia mais

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus.

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. SAÚDE AMBIENTAL DOENÇAS CAUSADAS PELA FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO HEPATITE A Doença causada por vírus. Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. Falta de higiene,

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde. Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde

Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde. Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde 1 FLUXO DA VIGILÂNCIA SISTEMAS SETORIAIS RELACIONADOS COM SAÚDE E AMBIENTE (Saúde, Educação, Des. Urbano,

Leia mais

Saúde é, segundo a OMS, o estado completo de bem-estar físico, mental, moral e social do indivíduo, não significando apenas a ausência de doenças.

Saúde é, segundo a OMS, o estado completo de bem-estar físico, mental, moral e social do indivíduo, não significando apenas a ausência de doenças. Introdução O presente material servirá para auxiliar os estudos do tema, bem como à resolução de questões de vestibular relacionadas ao mesmo, inclusive às da nossa monitoria dessa semana. Não pretendemos

Leia mais

Estrutura epidemiológica dos problemas de saúde: o agente, o hospedeiro e o ambiente

Estrutura epidemiológica dos problemas de saúde: o agente, o hospedeiro e o ambiente Estrutura epidemiológica dos problemas de saúde: o agente, o hospedeiro e o ambiente IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade Residência Professores: Pauline Lorena

Leia mais

b) Explique por que eles são considerados parasitas intracelulares obrigatórios.

b) Explique por que eles são considerados parasitas intracelulares obrigatórios. 1º BIM P2 LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS 7º ANO Aluno (a): Professor: Turma: Turno:... Data: / /2014 Unidade: ( ) Asa Norte ( ) Águas Lindas ( )Ceilândia ( ) Gama ( )Guará ( ) Pistão Norte ( ) Recanto das

Leia mais

Determinantes do Processo Saúde-Doença. Prevalência e Fatores de Risco. Vigilância Epidemiológica

Determinantes do Processo Saúde-Doença. Prevalência e Fatores de Risco. Vigilância Epidemiológica Determinantes do Processo Saúde-Doença Prevalência e Fatores de Risco Vigilância Epidemiológica Indicadores de Saúde É o que indica, ou seja, o que reflete uma particular característica (...) revela a

Leia mais

Saneamento Básico, Dignidade da Pessoa Humana e Realização dos Valores Fundamentais

Saneamento Básico, Dignidade da Pessoa Humana e Realização dos Valores Fundamentais 38 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 17 Saneamento Básico, Dignidade da Pessoa Humana e Realização dos Valores Fundamentais João Batista Damasceno 1 RESUMO Nosso trabalho busca analisar as disposições

Leia mais

PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014

PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014 PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014 Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território

Leia mais

Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer

Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer Vigilância epidemiológica no Brasil 1990: Sistema de Informação de Agravos de Notificação SINAN 2007 SINAN Net - http://dtr2004.saude.gov.br/sinanweb/

Leia mais

PARASITISMO E SAÚDE HUMANA

PARASITISMO E SAÚDE HUMANA PARASITISMO E SAÚDE HUMANA Antes de começar O que é um parasita? O que é um hospedeiro? Qual a diferença entre um ciclo monoxeno e um heteroxeno? Qual a diferença entre endemia, epidemia e pandemia? Endemia

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS

NORMA PROCEDIMENTAL REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS 10.03.002 1/09 1. FINALIDADE Estabelecer procedimentos e disciplinar o processo para realização de exames laboratoriais no Hospital de Clínicas - HC. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todas as unidades do HC, em

Leia mais

PROVA PRÁTICA ACS CONCURSO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE MARACANAÚ

PROVA PRÁTICA ACS CONCURSO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE MARACANAÚ QUESTÃO 01 O Agente Comunitário de Saúde tem como objetivo principal contribuir para a qualidade de vida das pessoas e da comunidade. Analise as opções abaixo e marque a alternativa incorreta: A) Conhecer

Leia mais

Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG

Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG Nome: Nota: INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA (LEIA ATENTAMENTE!) 1. A prova é individual

Leia mais

Vírus e Viroses. Professora Gilcele

Vírus e Viroses. Professora Gilcele Vírus e Viroses Professora Gilcele Quais são as principais características dos vírus? - São organismos acelulares; - São parasitas intracelulares obrigatórios; - Não possuem metabolismo próprio, portanto

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Manual das ações programáticas 1 M o d e l o S a ú d e T o d o D i a PROGRAMA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE AGRAVOS TRANSMISSÍVEIS INDICE INTRODUÇÃO... 5 FLUXOGRAMA DO ENVIO

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 01. A Dengue é um problema sério de saúde pública, a sua eliminação depende muito da participação popular. Mas a população precisa ter conhecimento das ações de controle, realizadas

Leia mais

MATEMÁTICA. Logaritmos Função seno e função cosseno Sistemas lineares Cilindro Cone INGLES

MATEMÁTICA. Logaritmos Função seno e função cosseno Sistemas lineares Cilindro Cone INGLES MATEMÁTICA Logaritmos Função seno e função cosseno Sistemas lineares Cilindro Cone INGLES - If Clauses - Passive Voice - Verbal tenses - Text interpretation BIOLOGIA CAPÍTULOS DA FRENTE 1 Os Vírus Explique

Leia mais

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde?

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? DICAS DE SAÚDE 2 Promova a sua saúde. Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? Veja o gráfico : 53% ao estilo de vida 17% a fatores hereditários 20% a condições ambientais 10% à assistência médica

Leia mais

Política de Vacinação

Política de Vacinação Rol de s cobertas por esta Política Catapora ou Varicela contra Varicela Biken Crianças de 1 a 12 anos: esquema vacinal em dose única. Pacientes imunocomprometidos: portadores de leucemia linfóide aguda

Leia mais

Profª.Drª.Sybelle de Souza Castro Coordenadora do Núcleo de Vigilância Epidemiológica do HC_UFTM

Profª.Drª.Sybelle de Souza Castro Coordenadora do Núcleo de Vigilância Epidemiológica do HC_UFTM ATUALIZAÇÃO EM VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Profª.Drª.Sybelle de Souza Castro Coordenadora do Núcleo de Vigilância Epidemiológica do HC_UFTM Vigilância Epidemiológica Pressupõe a coleta e análise de todas

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Conceito: Forma tradicional de utilização da Epidemiologia nos serviços de saúde.

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Conceito: Forma tradicional de utilização da Epidemiologia nos serviços de saúde. VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Conceito: Forma tradicional de utilização da Epidemiologia nos serviços de saúde. Vigilância: (1) Observação de pessoas (2) Observação de doenças ou danos à saúde - VE Com vistas

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Centro de Informações Estratégias e Resposta em

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Centro de Informações Estratégias e Resposta em Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Centro de Informações Estratégias e Resposta em Vigilância em Saúde Gerência Técnica do SINAN FLUXO DE RETORNO

Leia mais

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com VIROSES Prof. Edilson Soares www.profedilson.com CATAPORA OU VARICELA TRANSMISSÃO Saliva Objetos contaminados SINTOMAS Feridas no corpo PROFILAXIA Vacinação HERPES SIMPLES LABIAL TRANSMISSÃO Contato

Leia mais

Sumario de Assuntos por Boletim Epidemiológico NÚMERO DO BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO

Sumario de Assuntos por Boletim Epidemiológico NÚMERO DO BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO Sumario de Assuntos por Boletim Epidemiológico AGRAVO NÚMERO DO BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS 3-4 - 13-14 - 17-18 - 28-34 - 36-38 - 42-44 - 45 Cobertura Vacinal 7-8 - 9-10 - 12-14 - 16-18 - 19-22 - 23-25

Leia mais

Bactérias e Doenças Associadas

Bactérias e Doenças Associadas Bactérias e Doenças Associadas Disenteria Bacilar Agente Etiológico: Bactérias do gênero Shigella Forma de transmissão: Água e alimentos contaminados com as fezes dos doentes. Sintomas: Infecção intestinal,

Leia mais

Hepatites Virais 27/07/2011

Hepatites Virais 27/07/2011 SOCIEDADE DIVINA PROVIDÊNCIA Hospital Nossa Senhora da Conceição Educação Semana Continuada de Luta Contra em CCIH as Hepatites Virais 27/07/2011 Enfº Rodrigo Cascaes Theodoro Enfº CCIH Rodrigo Cascaes

Leia mais

Epidemiologia Vigilância Epidemiológica Conceitos Básicos. Nara Melo SMS - Recife

Epidemiologia Vigilância Epidemiológica Conceitos Básicos. Nara Melo SMS - Recife Epidemiologia Vigilância Epidemiológica Conceitos Básicos Nara Melo SMS - Recife Epidemiologia Histórico Grécia antiga (ano 400 a.c.) Hipócrates Dos Ares, Águas e Lugares Era Moderna (século XVII) Meados

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES

RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES MERCOSUL/GMC/RES. N 23/08 RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Resolução N 22/08 do Grupo Mercado Comum. CONSIDERANDO: Que a Resolução

Leia mais

Prof. João Carlos. aula 3. botânica e parasitoses

Prof. João Carlos. aula 3. botânica e parasitoses Prof. João Carlos aula 3 botânica e parasitoses Briófitas : musgos Os musgos (verdes) produzem gametas, seus filhos produzem esporos Esporos gametas Pteridófitas: samambaias Ciclo das samambaias O gameta

Leia mais

TEMA: VERMINOSES HUMANAS

TEMA: VERMINOSES HUMANAS TEMA: VERMINOSES HUMANAS COLEGIO ESTADUAL MARIO AUGUSTO TEIXIRA DE FREITAS NOME: DEISIANE FELZEMBOURGH N 10 2 ANO TURMA: F VESPERTINO PROFESSORA: CAROLINA INTRODUÇÃO Verminoses é um grupo de doenças causadas

Leia mais

Homeopatia. Copyrights - Movimento Nacional de Valorização e Divulgação da Homeopatia mnvdh@terra.com.br 2

Homeopatia. Copyrights - Movimento Nacional de Valorização e Divulgação da Homeopatia mnvdh@terra.com.br 2 Homeopatia A Homeopatia é um sistema terapêutico baseado no princípio dos semelhantes (princípio parecido com o das vacinas) que cuida e trata de vários tipos de organismos (homem, animais e plantas) usando

Leia mais

Nome/Código arquivo: 2014_01_13_Mem. Reunião Saúde _ Guarda Municipal-Altamira/Pará.

Nome/Código arquivo: 2014_01_13_Mem. Reunião Saúde _ Guarda Municipal-Altamira/Pará. Assunto: Orientar e esclarecer as dúvidas da população sobre as Ações Preventivas na Área de Saúde Pública em virtude da construção da UHE Belo Monte. Redator: Ranney Matos dos Santos Data: 13_01_2014

Leia mais

SISTEMA IMUNOLÓGICO SISTEMA IMUNOLÓGICO SISTEMA IMUNOLÓGICO

SISTEMA IMUNOLÓGICO SISTEMA IMUNOLÓGICO SISTEMA IMUNOLÓGICO Biologia Aula: 09 e 10 Prof. Oromar UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA ALUNOS

Leia mais

O Estado de S.Paulo 30/01/2007 câncer câncer Vigilância Sanitária Anvisa Medicamentos medicamentos câncer câncer câncer câncer câncer INCIDÊNCIA

O Estado de S.Paulo 30/01/2007 câncer câncer Vigilância Sanitária Anvisa Medicamentos medicamentos câncer câncer câncer câncer câncer INCIDÊNCIA O Estado de S.Paulo Vida & Liberada droga contra câncer de pulmão Tarceva é o 1º remédio de terapia-alvo para combater a doença; um mês de tratamento custará R$ 8 mil Adriana Dias Lopes O primeiro remédio

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO SES Nº 3244 DE 25 DE ABRIL DE 2012

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO SES Nº 3244 DE 25 DE ABRIL DE 2012 RESOLUÇÃO SES Nº 3244 DE 25 DE ABRIL DE 2012 Acrescenta agravos estaduais a Lista Nacional de Doenças de Notificação Compulsória e dá outras providências. O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, Gestor do Sistema

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Lisiane Morelia Weide Acosta Mestre em Epidemiologia/UFRGS

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Lisiane Morelia Weide Acosta Mestre em Epidemiologia/UFRGS VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Lisiane Morelia Weide Acosta Mestre em Epidemiologia/UFRGS Vigilância Epidemiológica VIGILÂNCIA EM SAÚDE: Mais do que a soma das VIGILÂNCIA SANITÁRIA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

Leia mais

Epidemiologia de Doenças Transmissíveis. Introdução à teoria matemática

Epidemiologia de Doenças Transmissíveis. Introdução à teoria matemática Epidemiologia de Doenças Transmissíveis Introdução à teoria matemática 14 milhões de mortes por DTs (1999) CAUSAS Africa Americas Médio Orien Europa SE Asia Total Doenças não transmissíveis 2300057 4255439

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CN

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CN SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CN Título do Podcast Área Segmento Duração Doenças Causadas por Micro-organismos Ciências Ciências da Natureza Ensino Fundamental 4min 53seg Habilidades: H25 Identificar

Leia mais

FOME E EPIDEMIA NA ÁFRICA. Col. Santa Clara Prof. Marcos

FOME E EPIDEMIA NA ÁFRICA. Col. Santa Clara Prof. Marcos FOME E EPIDEMIA NA ÁFRICA Col. Santa Clara Prof. Marcos EPIDEMIA E PANDEMIA EPIDEMIA [ epi = sobre + demia = doença]: é a ocorrência simultânea de um grande número de casos da mesma doença, em um determinado

Leia mais

Ministério da Saúde. Caderneta de. Saúde. Pessoa Idosa

Ministério da Saúde. Caderneta de. Saúde. Pessoa Idosa Ministério da Saúde Caderneta de Saúde da Pessoa Idosa CADERNETA DE SAÚDE DA PESSOA IDOSA 1. APRESENTAÇÃO O Estatuto do Idoso representou uma grande conquista social e um marco na garantia de direitos.

Leia mais

Serviço de Epidemiologia Hospitalar: Hospital de Clínicas/UFPR

Serviço de Epidemiologia Hospitalar: Hospital de Clínicas/UFPR Serviço de Epidemiologia Hospitalar: Hospital de Clínicas/UFPR Comunicações: 1. Vigilância da Coqueluche; 2. Vigilância das Síndromes Respiratórias Agudas Graves; 3. Liberação de tratamento para tuberculose

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 4.º ANO/EF 2015

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 4.º ANO/EF 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC Minas E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 4.º ANO/EF 2015 Caro (a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados na

Leia mais

5 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de Ciências Nome: SANEAMENTO BÁSICO. Aparência de uma cidade limpa.

5 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de Ciências Nome: SANEAMENTO BÁSICO. Aparência de uma cidade limpa. 5 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de Ciências Nome: Leia este texto. SANEAMENTO BÁSICO Aparência de uma cidade limpa. Saneamento básico é o conjunto de cuidados que se tem com a água, o esgoto

Leia mais

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ,

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ, VACINAÇÃO DE GESTANTES Isabella Ballalai (MD) Diretora Médica da VACCINI - Clínica de Vacinação Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ Edimilson Migowski (MD, PhD, MSc) Professor Adjunto de

Leia mais

VIGILÂNCIA EM SAÚDE CONCEITOS

VIGILÂNCIA EM SAÚDE CONCEITOS VIGILÂNCIA EM SAÚDE CONCEITOS Superintendência de Vigilância em Saúde Centro de Informações Estratégicas e Respostas às Emergências em Saúde Pública Setembro /2013 Evolução do conceito de vigilância em

Leia mais

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM CALENDÁRIOS VACINAIS Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM VACINA É PARA A VIDA TODA... Oportunidades para a Vacinação criança adolescente adulto Programa infantil Catch up (repescagem)

Leia mais

Instrumento Administrativo Política Institucional Nº 02.03 Política de Vacinação

Instrumento Administrativo Política Institucional Nº 02.03 Política de Vacinação Rev: 03 Data: 19/07/2010 Página 1 de 5 Anexo I - Rol de Vacinas cobertas por esta Política Vacina Nome da Droga Pré-requisitos para cobertura Documentação necessária Observação Crianças de 1 a 12 anos:

Leia mais

Câmara Municipal de Itápolis 1

Câmara Municipal de Itápolis 1 Câmara Municipal de Itápolis 1 Apresentação Prezado Cidadão, Esta é a Cartilha da Boa Saúde de Itápolis, uma publicação da Câmara Municipal de Vereadores que tem por objetivo trazer à população informações

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS Resolução da Diretoria Colegiada RDC no 57, de 16 de dezembro de 2010. Determina o Regulamento Sanitário para Serviços que desenvolvem atividades relacionadas

Leia mais

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAS

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAS DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAS DEFINIÇÃO São doenças cuja gravidade, magnitude, transcendência, capacidade de disseminação do agente causador e potencial de causar surtos e epidemias exigem medidas

Leia mais

Educa teu filho no caminho que deve andar, e quando grande não se desviará dele Prov.22.6

Educa teu filho no caminho que deve andar, e quando grande não se desviará dele Prov.22.6 Educa teu filho no caminho que deve andar, e quando grande não se desviará dele Prov.22.6 Bateria de Exercícios Data: 11/03/2016 Turma: 2º Ano Área II Matemática 1) Determine o sinal das expressões: a)

Leia mais

C n o c n e c i e tos o s i ni n ci c ai a s C n o c n e c i e tos o s i ni n ci c ai a s

C n o c n e c i e tos o s i ni n ci c ai a s C n o c n e c i e tos o s i ni n ci c ai a s Conceitos iniciais Parasita: organismo que vive em associação com outros e dos quais retiram os meios para a sua sobrevivência, normalmente prejudicando o organismo hospedeiro. Hospedeiro: organismo que

Leia mais

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio vírus Vírus - Características Gerais Seres acelulares Desprovidos de organização celular Não possuem metabolismo próprio Capazes de se reproduzir apenas no interior de uma célula viva nucleada Parasitas

Leia mais

2º ano do Ensino médio Lista de exercícios sobre vírus e bactérias

2º ano do Ensino médio Lista de exercícios sobre vírus e bactérias 1 2º ano do Ensino médio Lista de exercícios sobre vírus e bactérias 1) A palavra vírus vem do Latim virus que significa fluido venenoso ou toxina. Sobre os vírus biológicos, é correto afirmar-se que a)

Leia mais

Biologia Professor Vianna 2ª série / 1º trimestre

Biologia Professor Vianna 2ª série / 1º trimestre Biologia Professor Vianna 2ª série / 1º trimestre Módulo 3 PLATELMINTOS E NEMATELMINTOS 1 Ao abrir o envelope com o resultado de seu exame parasitológico de fezes, Jequinha leu Positivo para ovos de Ascaris

Leia mais

Epidemiologia Hospitalar

Epidemiologia Hospitalar Epidemiologia Hospitalar Construindo um novo pensar na Vigilância Epidemiológica... Secretaria da Saúde A implantação dos NHE Márcia Sampaio Sá SESAB/SUVISA/DIVEP Setembro-2009 I Encontro Nacional de Vigilância

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

7º ANO Ensino Fundamental

7º ANO Ensino Fundamental E n s in o F o r t e e d e R e s u l t a do s Estudante: Centro Educacio nal Juscelino K ub itschek G u a r á Exercícios Rec. Semestral 2º Bimestre C I Ê N C I A S 7º ANO Ensino Fundamental Data: / / Turno:

Leia mais

CARTILHA BEM-ESTAR PATROCÍNIO EXECUÇÃO

CARTILHA BEM-ESTAR PATROCÍNIO EXECUÇÃO CARTILHA BEM-ESTAR PATROCÍNIO EXECUÇÃO Cartilha Informativa Alimentação saudável e atividade física: as bases essenciais para a construção de um organismo saudável Alimentos saudáveis associados à atividade

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO DICIONÁRIO DE DADOS SINAN NET

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO DICIONÁRIO DE DADOS SINAN NET MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA COORDENAÇÃO GERAL DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS GT SINAN SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO DICIONÁRIO

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

Orientação sobre Vacinação. Para proteger a criança contra as doenças contagiosas

Orientação sobre Vacinação. Para proteger a criança contra as doenças contagiosas 31 Orientação sobre Vacinação Para proteger a criança contra as doenças contagiosas A cidade de Yokohama realiza vários tipos de vacinações, com a colaboração da Associação Médica de Yokohama. Antes de

Leia mais

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO Morrem mais brancos por causa naturais e negros por motivos externos. A s estatísticas de morbidade e mortalidade têm sido utilizadas por epidemiologistas, demógrafos

Leia mais

IMUNIZAÇÕES. Jacy Amaral Freire de Andrade (*)

IMUNIZAÇÕES. Jacy Amaral Freire de Andrade (*) IMUNIZAÇÕES Jacy Amaral Freire de Andrade (*) Imunização é um campo crescente do conhecimento científico que tem exigido um repensar constante do calendário ideal de vacinação, o qual deve ser adaptado

Leia mais

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco.

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. BIOSSEGURANÇA/RISCO S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. SIGLÁRIO ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária CAT Comunicação de Acidente de Trabalho CDC Centro

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - SMS EDITAL Nº. 001/2012 ANEXO VI

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - SMS EDITAL Nº. 001/2012 ANEXO VI PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - SMS EDITAL Nº. 001/2012 ANEXO VI CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CARGO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE - ACS LÍNGUA PORTUGUESA 1. Interpretação de textos

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA. CONCEITOS EPIDÊMICOS Professor Esp. André Luís Souza Stella

EPIDEMIOLOGIA. CONCEITOS EPIDÊMICOS Professor Esp. André Luís Souza Stella EPIDEMIOLOGIA CONCEITOS EPIDÊMICOS Professor Esp. André Luís Souza Stella CONCEITOS EPIDÊMICOS - ENDEMIA ENDEMIA: É uma doença localizada em um espaço limitado denominado faixa endêmica. Isso quer dizer

Leia mais