Nome da operação. Região País Setor. Número da operação Instrumento de crédito Mutuário(s) Entidade executora

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nome da operação. Região País Setor. Número da operação Instrumento de crédito Mutuário(s) Entidade executora"

Transcrição

1 Nome da operação Região País Setor DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DO PROGRAMA (PID) ETAPA CONCEITUAL <5 de novembro de 2013> Relatório nº: AB7437 (O número do relatório é gerado automaticamente pelo IDU e não deve ser alterado.) Número da operação Instrumento de crédito Mutuário(s) Entidade executora DPL Fortalecimento da Gestão Fiscal e do Gerenciamento dos Recursos Hídricos AMÉRICA LATINA E CARIBE Brasil Administração pública Setor financeiro (60%); Água, saneamento e proteção contra inundações em geral (40%) P Empréstimo para Políticas de Desenvolvimento ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SEFAZ-RS Av. Mauá, o andar Rio Grande do Sul Brasil Tel.: (+55 51) Secretaria da Fazenda Av. Mauá, o andar Brasil Tel.: (+55 51) Data de elaboração do DIP 1 de novembro de 2013 Data estimada de conclusão da 9 de abril de 2014 avaliação Data estimada de aprovação 22 de maio de 2014 pela Diretoria Executiva Decisão após revisão interna Após a revisão interna, tomou-se a decisão de seguir em frente com a preparação da operação. Outras decisões {opcional} As equipes podem acrescer outras decisões caso assim desejem ou excluir esta linha se não houver nada a acrescer. Principais questões em termos de desenvolvimento e justificativa para o envolvimento do Banco O Rio Grande do Sul tem indicadores socioeconômicos que o posicionam como um dos principais Estados do Brasil, mas ele fica para trás em relação aos seus pares quando o seu desempenho recente é examinado. O produto interno bruto (PIB) per capita do Estado está estimado em R$ , ou 121,2% da média nacional. Contudo, entre 2002 e 2012, o Estado registrou uma taxa de crescimento média um ponto percentual inferior à média nacional (2,6% frente a 3,6%). Dois problemas agudos e interconectados contribuem para essa situação: o gerenciamento dos recursos hídricos e as deficiências fiscais de caráter estrutural. Esses dois problemas se reforçam mutuamente em um círculo vicioso. Por um lado, inundações e secas

2 provocam um aumento da volatilidade do PIB, o que, por sua vez, leva a uma queda das receitas e a uma elevação das despesas do Estado. Além disso, os problemas com recursos hídricos ainda sem solução impedem o Estado de tirar partido de uma importante fonte de crescimento em potencial (o aumento da produtividade no cultivo de milho, soja e feijão), o que elevaria a sua receita de forma permanente. Isso também estabilizaria a renda dos residentes mais pobres de áreas rurais. A pressão de baixa sobre as receitas e a pressão de alta sobre os gastos, ambas decorrentes dos constantes episódios de inundações e secas, apenas agravam os problemas fiscais estruturais que limitam a capacidade do Estado para investir e oferecer serviços públicos de boa qualidade. Portanto, o problema fiscal está impedindo os investimentos que o Estado precisaria fazer para oferecer serviços de regularização da água. Ele também provoca a falta dos recursos necessários para executar ou fazer com que o setor privado promova os investimentos necessários para ampliar a irrigação no Estado. O principal problema referente aos recursos hídricos é a concentração da alta pluviosidade no tempo e no espaço, o que leva a episódios generalizados de alternância entre inundações e graves secas. Na última década, foram registrados episódios de seca em cinco anos. Em 2011, a seca afetou 1,8 milhão de pessoas, e a maior parte do Rio Grande do Sul ficou em estado de emergência em decorrência da seca até março de O potencial de irrigação para atenuar os problemas relacionados às secas é alto. A geografia do Estado é favorável à implementação de programas de irrigação: rios caudalosos, pluviosidade irregular porém alta e solo adequado para culturas mecanizadas. Na verdade, a irrigação vem sendo praticada no Estado há mais de 30 anos e o transformou no principal produtor de arroz do Brasil. Contudo, o potencial de irrigação não foi explorado em virtude da falta de informações hidrometeorológicas e piezométricas, bem como sobre a qualidade da água; da fraca cobertura do tratamento das águas residuais, o que provoca a poluição da água, e de sistemas ineficazes de concessão de direitos sobre os recursos hídricos, levando a crescentes conflitos entre os usuários e os múltiplos usos dos recursos hídricos. Na frente fiscal, o Rio Grande do Sul se vê restringido por um elevado endividamento, pela baixa capacidade para mobilizar receitas e por uma grande demanda por despesas públicas. Em consequência, o Estado enfrenta uma deterioração dos serviços públicos e não consegue fazer investimentos. O Rio Grande do Sul tem o coeficiente de investimento mais baixo entre todos os Estados brasileiros, uma vez que as suas receitas próprias são usadas, na quase totalidade, para fazer face a despesas correntes, e os elevados níveis de endividamento o impedem de obter empréstimos de forma ampla. A baixa capacidade para mobilizar receitas é explicada pelas exportações relativamente altas (isentas de tributação segundo legislação federal), alíquotas de ICMS mais baixas do que as de outros Estados, sobretudo em setores que geram grandes volumes de receita, e o uso generalizado de incentivos fiscais. A maior demanda do lado da despesa é explicada por vinculações orçamentárias mais altas, 1 pelo elevado nível de endividamento e pelo envelhecimento da população. Objetivo(s) proposto(s) A finalidade da operação proposta é fortalecer a gestão fiscal a fim de aumentar o espaço fiscal e apoiar os esforços do governo para obter avanços na irrigação sustentável e no gerenciamento integrado dos recursos hídricos. Para tanto, o empréstimo ajudará o Estado a formular e 1 Por exemplo, no Rio Grande do Sul, 35% da receita estadual está vinculada à educação, embora a Constituição Federal estipule uma vinculação de 25%.

3 implementar práticas e ferramentas para gerir o abastecimento de água e a demanda por esse recurso. As políticas apoiadas pela operação proposta estão alinhadas plenamente com o plano plurianual (PPA). O objetivo de desenvolvimento do programa (ODP) nesta operação é fortalecer a gestão fiscal para aumentar o espaço fiscal e apoiar os esforços do governo para obter avanços no gerenciamento integrado dos recursos hídricos. O ODP está alinhado plenamente com os objetivos estratégicos do Governo. Especificamente, esta operação contribuirá indiretamente para a consecução de três objetivos do Governo, quais sejam: elevar a taxa de crescimento do emprego, da renda e dos investimentos; promover o desenvolvimento regional e melhorar a qualidade de vida e erradicar a extrema pobreza. O resultado esperado desta operação é um aumento do espaço fiscal, o qual seria usado para elevar os investimentos públicos e melhorar a prestação de serviços, sobretudo nos setores de recursos hídricos e irrigação. A expansão do espaço fiscal seria obtida por meio do aumento da eficiência na arrecadação, da economia nas despesas sem fazer cortes nos serviços do Governo e da melhoria da gestão dos passivos contingentes. Essas medidas beneficiariam todos os cidadãos do Estado, mas, em especial, os que mais dependem dos serviços do Governo. Os resultados esperados do pilar do gerenciamento dos recursos hídricos são uma redução do impacto dos episódios de seca sobre a produção agrícola. Isso será alcançado mediante a ampliação da agricultura irrigada e o gerenciamento integrado dos recursos hídricos. Os beneficiários diretos desse pilar seriam os pequenos e médios produtores sem acesso a ferramentas para a agricultura irrigada. Descrição preliminar A operação proposta é um Empréstimo para Políticas de Desenvolvimento (DPL), de uma parcela, no montante de US$ 280 milhões para o Estado do Rio Grande do Sul. A operação está estruturada em torno de dois pilares: o pilar fiscal e o pilar dos recursos hídricos e da irrigação. Pilar I. Fortalecimento da gestão fiscal para aumentar o espaço fiscal. O tema recorrente do pilar fiscal é aumentar as receitas e promover a economia nas despesas, elevando os recursos disponíveis para aumentar os investimentos. Este pilar apoia as ações de política destinadas a elevar as receitas, não por meio de aumentos das alíquotas dos impostos nem mediante a redução da renúncia fiscal, mas ao aumentar a eficiência da arrecadação no Estado. Do lado da despesa, este pilar apoia ações de política destinadas a gerar economia nas despesas. Essa economia pode ser obtida no curto prazo por exemplo, por meio de ações visando à política de compras ou, mais no médio e longo prazo, mediante ações referentes ao custeio e aos passivos contingentes. No curto prazo, a fim de buscar oportunidades para economizar nas despesas, a atenção se voltará para os insumos e processos, enquanto, no longo prazo, as ações vão ter como objetivo assentar as bases para uma abordagem mais abrangente, na qual as informações sobre produtos e resultados sejam levadas em consideração. Pilar II. Irrigação e gerenciamento dos recursos hídricos. Este pilar tem como objetivo promover a irrigação sustentável e fortalecer o sistema de gerenciamento dos recursos hídricos do Estado. Apoia ações de política que promovam o planejamento estratégico para a irrigação sustentável visando à geração de renda e ao desenvolvimento econômico. Do ponto de vista do gerenciamento dos recursos hídricos, este pilar apoia ações de política que fortaleçam as instituições, o planejamento e as ferramentas associados a esses recursos, fortalecendo a integração entre o sistema de gerenciamento dos recursos hídricos e a sua multiplicidade de

4 usuários. Impactos sociais e sobre a pobreza e aspectos ambientais Impactos sociais e sobre a pobreza As ações de política apoiadas por esta operação devem ter um impacto positivo sobre a pobreza, uma vez que vão contribuir para a sustentabilidade fiscal, promover a responsabilidade social e melhorar a gestão da água, com a possibilidade de impactos positivos sobre a produção agrícola. A Análise do Impacto Social e sobre a Pobreza (PSIA) se concentra nos impactos distributivos esperados das políticas apoiadas pelo Pilar 2 Irrigação e gerenciamento dos recursos hídricos. A avaliação se baseia na análise de dados secundários sobre os resultados das consultas públicas feitas pelo Estado com as principais partes interessadas. De modo geral, a expectativa é que a combinação dos resultados sociais e econômicos dessas políticas seja positiva para a população pobre e vulnerável nas áreas rurais menos favorecidas e cause um impacto positivo sobre a economia e a receita do Estado. A sustentabilidade da produção agrícola e o aumento da resiliência a eventos climáticos são os principais impactos esperados das políticas relacionadas à irrigação e gerenciamento dos recursos hídricos. A sustentabilidade da produção agrícola é tida como essencial para a economia do Estado, assim como para o aumento das receitas estaduais e a ampliação da sua capacidade de investimento. O principal objetivo dessas políticas é aumentar a resiliência dos pequenos, médios e grandes produtores agrícolas a eventos climáticos (secas cíclicas e sazonais). Essa meta será alcançada por meio do estímulo ao reforço do abastecimento de água nas propriedades rurais e da promoção do uso de sistemas de irrigação. Isso vai ter como consequências a elevação da produtividade e uma produção mais sustentável. A referida meta também será alcançada mediante a redução dos conflitos relacionados ao uso da água, pois os processos decisórios relacionados ao gerenciamento dos recursos hídricos vão ser mais participativos e transparentes, e, por extensão, mediante o fortalecimento da responsabilidade social e do controle sobre a implementação dos planos de gerenciamento desses recursos. Combinadas, as ações de política visam a quatro das oito principais restrições à expansão das áreas irrigadas no Estado. Elas estão relacionadas com: os processos de licenciamento e concessão de direitos sobre o uso da água, o acesso a crédito, a promoção do uso de instalações para armazenar água nas propriedades rurais e a assistência técnica disponível. Além disso, o aumento da produtividade e da sustentabilidade das principais culturas do Estado deve contribuir indiretamente para a sustentabilidade da economia urbana dos municípios pequenos e pobres, onde os setores varejista e de serviços dependem bastante da renda da população rural para aumentar as suas vendas e os seus ganhos. Os efeitos distributivos e em favor dos pobres dessas políticas podem ser demonstrados por algumas características do sistema de subsídios a ele incorporado e pelo impacto em potencial nos meios de subsistência dos pequenos agricultores familiares. Por um lado, essas políticas vão favorecer os pequenos produtores rurais com subsídios maiores. Dentro do programa "Mais Água, Mais Renda", existem diferenças entre as condições de financiamento para os pequenos, médios e grandes produtores. Os pequenos vão receber subsídios equivalentes a 100% da primeira e da última parcela; já no caso dos médios e grandes, esses subsídios são reduzidos para

5 75% e 50% dessas parcelas, respectivamente. O impacto positivo dessas políticas deve ser maior sobre os meios de subsistência dos pequenos produtores familiares do que sobre a renda dos médios e grandes agricultores. Os pequenos produtores têm menos capital e menos acesso a crédito para ampliar os sistemas de reserva de água e de irrigação nas suas terras. Além disso, são mais vulneráveis a eventos climáticos, pois os seus bens e economias para enfrentar as perdas nos anos de seca são comparativamente menores. Além disso, devido ao calendário agrícola, o período de colheita das principais culturas se estende ao longo da estação seca e elas são mais dependentes da disponibilidade de água durante essa estação. Em consequência, os seus ganhos e capacidade de recuperação sofrem os maiores impactos em virtude dos ciclos de estiagem. Uma estimativa do impacto econômico positivo dessas políticas pode ser extraída da comparação da produção de milho (uma das principais culturas semeadas pelos pequenos produtores familiares) em terras secas e em terras irrigadas. Avaliações recentes apontam diferenças pertinentes em produtividade por hectare: nos anos com condições de tempo favoráveis, a diferença em favor das áreas irrigadas equivale a 49%, ao passo que, nos anos de baixa pluviosidade, essa diferença sobe para 90%. Ademais, os retornos financeiros obtidos nos terrenos irrigados são 68% superiores aos obtidos nas terras secas nos anos de condições de tempo favoráveis; nos anos de baixa pluviosidade, essa taxa sobe para 162%. Aspectos ambientais A expectativa é que o Pilar I não produza um impacto ambiental significativo, enquanto as ações de política apoiadas pelo Pilar II devem resultar em impactos positivos. A Lei que institui a Política Estadual de Irrigação está centrada no gerenciamento integrado dos recursos hídricos no nível das bacias hidrográficas. Além disso, estabelece um Plano Diretor de Irrigação no Contexto dos Usos Múltiplos da Água em todo o Estado do Rio Grande do Sul, elaborado em coordenação com as entidades ambientais e de recursos hídricos do Estado, que participaram desse processo. Essa política também estipula que todos os programas de irrigação no Estado devem ser compatíveis com os seus princípios e objetivos, como o uso sustentável e o gerenciamento dos recursos hídricos e dos solos para irrigação. As ações referentes ao gerenciamento dos recursos hídricos vão reforçar a capacidade para gerenciar esses recursos e, ao mesmo tempo, ampliar os conhecimentos sobre a quantidade e a qualidade da água para os seus múltiplos usos. Outras avaliações dos impactos ambientais vão ser executadas visando à etapa do Comitê de Operações Regionais (ROC). Financiamento provisório Fonte: (milhões de US$) Mutuário 0 Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento 280 Mutuário/beneficiário BIRD Outros (especifique) Total Contatos Banco Mundial

6 Contato: Rafael Chelles Barroso Cargo: Economista Tel.: Fax: Localidade: Brasília, Brasil (BIRD) Mutuário Contato: Odir Tonollier Cargo: Secretário de Estado Tel.: (+55 51) Para mais informações, entre em contato com: The InfoShop The World Bank 1818 H Street, NW Washington, D.C Telephone: (+1 202) Fax: (+1 202) Web:

DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414

DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414 DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414 Nome da Operação Acre: Fortalecimento de Políticas Públicas para a Melhoria da Prestação de Serviços

Leia mais

Nome da Operação Região País Setor

Nome da Operação Região País Setor Nome da Operação Região País Setor DOCUMENTO DE INFORMAÇÕES DE PROGRAMA (PID) ESTÁGIO DE CONCEITO 7 de novembro de 2013 Relatório N o.: AB7421 (Número do relatório gerado automaticamente pela IDU, e não

Leia mais

CAF: Um banco de desenvolvimento ao serviço da água na América Latina

CAF: Um banco de desenvolvimento ao serviço da água na América Latina CAF: Um banco de desenvolvimento ao serviço da água na América Latina Apoio financeiro e técnico no setor água O CAF apoia os esforços que os países da região realizam para garantir que toda a população

Leia mais

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 O Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007 é um instrumento chave para a cooperação internacional em matéria de café, e participar dele

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

Iniciativa de Água Potável e Saneamento

Iniciativa de Água Potável e Saneamento Banco Interamericano de Desenvolvimento Iniciativa de Água Potável e Saneamento Recife - PE, 11 de junho de 2007 Desde 1990 América Latina realizou avanços na provisão de água e saneamento... Coberturas

Leia mais

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe.

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe. O Brasil Melhorou 36 milhões de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos 42 milhões de brasileiros ascenderam de classe Fonte: SAE/PR O Brasil Melhorou O salário mínimo teve um aumento real de 70% Em 2003,

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

Novos Prefeitos e Prefeitas 2013

Novos Prefeitos e Prefeitas 2013 Novos Prefeitos e Prefeitas 2013 Curso de Prefeitos Eleitos 2013 a 2016 ARDOCE Missão Ser um banco competitivo e rentável, promover o desenvolvimento sustentável do Brasil e cumprir sua função pública

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza Grupo Banco Mundial Construindo um mundo sem pobreza Enfoque Regional! O Banco Mundial trabalha em seis grandes regiões do mundo: 2 Fatos Regionais: América Latina e Caribe (ALC)! População total: 500

Leia mais

9 de fevereiro de2012. 12 de julho de 2012

9 de fevereiro de2012. 12 de julho de 2012 Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO SOBRE PROJETO (PID) FASE DE AVALIAÇÃO Relatório n o. AB6969 Nome

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA PARECER Nº, DE 2015 1 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 218, de 2011, do Senador EUNÍCIO OLIVEIRA, que dispõe sobre o empregador arcar com os

Leia mais

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil Seminário Riscos e Gestão do Regulamentação para gestão do seguro rural em eventos catastróficos Otávio Ribeiro Damaso Secretário Adjunto de Política Econômica / otavio.damaso@fazenda.gov.br Campinas,

Leia mais

Avaliar o plano de investimento na agricultura de Moçambique: Segunda ronda

Avaliar o plano de investimento na agricultura de Moçambique: Segunda ronda Avaliar o plano de investimento na agricultura de Moçambique: Segunda ronda James Thurlow Instituto Internacional de Pesquisa em Política Alimentar, Washington DC Coautores: Rui Benfica e Benedito Cunguara

Leia mais

Medidas em apoio aos Produtores Rurais afetados pela seca/estiagem. JENNER GUIMARÃES DO RÊGO Secretário de Fundos Regionais e Incentivos Fiscais

Medidas em apoio aos Produtores Rurais afetados pela seca/estiagem. JENNER GUIMARÃES DO RÊGO Secretário de Fundos Regionais e Incentivos Fiscais Medidas em apoio aos Produtores Rurais afetados pela seca/estiagem JENNER GUIMARÃES DO RÊGO Secretário de Fundos Regionais e Incentivos Fiscais 1.397 municípios sofrem com a estiagem. SECA aproximadamente

Leia mais

IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA. (parte 1)

IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA. (parte 1) 6 Sistemas de irrigação (parte 1) 6.1 Considerações iniciais Aplicação artificial de água ao solo, em quantidades adequadas, visando proporcionar a umidade necessária ao desenvolvimento das plantas nele

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

Desafios e metas do Estado de São Paulo

Desafios e metas do Estado de São Paulo 1º Seminário Saneamento Básico Universalização do Saneamento: Desafios e Metas para o Setor 07 de novembro de 2011 Desafios e metas do Estado de São Paulo Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO É o maior bioma brasileiro depois da Amazônia, com aproximadamente 2 milhões de km² e está concentrado na região Centro Oeste do Brasil;

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE FUNDOS REGIONAIS E INCENTIVOS FISCAIS

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE FUNDOS REGIONAIS E INCENTIVOS FISCAIS MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE FUNDOS REGIONAIS E INCENTIVOS FISCAIS SBN Q 02, Lote 11, Ed. Apex Brasil, Portaria B, Gabinete - CEP: 70.041-907 - Brasília- DF Telefone: (61) 3414-5867

Leia mais

Marco de Política para o Reassentamento Involuntário

Marco de Política para o Reassentamento Involuntário Marco de Política para o Reassentamento Involuntário Introdução O Marco de Políticas serve para orientar as equipes estaduais para os casos em que a construção de infra-estrutura hídrica com financiamento

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj. Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015 CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.br A mudança do clima e a economia Fonte: Adaptado de Margulis

Leia mais

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas:

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas: 11. ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA O presente capítulo consiste da avaliação econômica do Plano Estadual de Recursos Hídricos. Esta avaliação objetiva quantificar e demonstrar os impactos da implementação

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

Programa de Capacitação em RPP- Relação Público Privadas

Programa de Capacitação em RPP- Relação Público Privadas Programa de Capacitação em RPP- Relação Público Privadas O que é o BID Organismo multilateral de desenvolvimento que tem como propósito financiar projetos viáveis de desenvolvimento econômico, social e

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO (Tradução não oficial 1 ) Recomendação 202 RECOMENDAÇÃO RELATIVA AOS PISOS NACIONAIS DE PROTEÇÃO SOCIAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta

O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta Dilma Rousseff. É também um desafio administrativo e de gestão ao impor ao setor público metas

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI)

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) - 1 - ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) ANEXO I PRIMEIRA REUNIÃO INTERAMERICANA DE MINISTROS OEA/Ser./XLIII.1 E ALTAS AUTORIDADES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza FOME ZERO O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza Seminário Internacional sobre Seguro de Emergência e Seguro Agrícola Porto Alegre, RS -- Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 Alguns

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 Evolução das transferências constitucionais e do Programa Bolsa Família entre os anos 2005 e 2012: uma análise comparativa MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

INDICADORES DE GESTÃO AMBIENTAL

INDICADORES DE GESTÃO AMBIENTAL 4 GESTÃO AMBIENTAL 4.1 INDICADORES DE GESTÃO AMBIENTAL As informações da publicação do IBGE Perfil dos Municípios Brasileiros, de 2008, contribuíram para a construção dos indicadores Estrutura da Gestão

Leia mais

La Experiencia del PRONAF Eco Dendê en Brasil

La Experiencia del PRONAF Eco Dendê en Brasil La Experiencia del PRONAF Eco Dendê en Brasil Taller sobre el Acceso a Créditos para la Agricultura Familiar en América Latina - Cadena Productiva de Palma Bogotá Colombia Junio 2015 O MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RELATÓRIO DE QUE? AVALIAÇÃO: Avaliação anual avaliamos a execução durante o ano, a entrega dos produtos e os seus impactos. AVALIAÇÃO PARA QUE? OBJETIVOS: Prestar

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

DOCUMENTO DE INFORMAÇÕES DO PROJETO (DIP) ETAPA DE AVALIAÇÃO Relatório nº: PIDA613

DOCUMENTO DE INFORMAÇÕES DO PROJETO (DIP) ETAPA DE AVALIAÇÃO Relatório nº: PIDA613 Nome do projeto Região País DOCUMENTO DE INFORMAÇÕES DO PROJETO (DIP) ETAPA DE AVALIAÇÃO Relatório nº: PIDA613 Projeto de Transporte Sustentável do Estado de São Paulo (P127723) AMÉRICA LATINA E CARIBE

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

Lei de Responsabilidade Fiscal

Lei de Responsabilidade Fiscal AOF Lei de Responsabilidade Fiscal PLANEJAMENTO Lei de Diretrizes Orçamentárias Lei Orçamentária Anual Execução Orçamentária e do Cumprimento das Metas RECEITA PÚBLICA Previsão e da Arrecadação Renúncia

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Garo Batmanian Banco Mundial Seminário Latino Americano de Avaliação Ambiental Estratégica Brasília, 28 de agosto de 2006 Estratégia

Leia mais

A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade

A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade outubro 2014 A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade Por Mark Weisbrot, Jake Johnston e Stephan Lefebvre* Center for Economic and Policy Research 1611 Connecticut

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

DOCUMENTO DE INFORMAÇÕES DO PROJETO (DIP) ETAPA CONCEITUAL Relatório nº: PIDC1054

DOCUMENTO DE INFORMAÇÕES DO PROJETO (DIP) ETAPA CONCEITUAL Relatório nº: PIDC1054 Nome do projeto Região País DOCUMENTO DE INFORMAÇÕES DO PROJETO (DIP) ETAPA CONCEITUAL Relatório nº: PIDC1054 Desenvolvimento de sistemas para prevenir incêndios florestais e monitorar a cobertura da vegetação

Leia mais

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas Adaptação em Gestão das Águas Meta e objetivos da sessão Meta considerar como a adaptação às mudanças climáticas pode ser incorporada na gestão

Leia mais

Prof. Marcus Tomasi UDESC/ESAG

Prof. Marcus Tomasi UDESC/ESAG Prof. Marcus Tomasi UDESC/ESAG O QUE É O PDDE... Consiste na assistência financeira anual, pelo FNDE, às escolas públicas da educação básica das redes estaduais, municipais e do Distrito Federal. O objetivo

Leia mais

DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DE PROJETO (DIP) ESTÁGIO CONCEITUAL Relatório n o : PIDC859

DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DE PROJETO (DIP) ESTÁGIO CONCEITUAL Relatório n o : PIDC859 DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DE PROJETO (DIP) ESTÁGIO CONCEITUAL Relatório n o : PIDC859 Nome do Projeto Região País Setor(es) Tema(s) Instrumento de Empréstimo ID do Projeto Mutuário(s) Agência Implementadora

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL TEMAS VOLUME DE RECURSOS Do aporte nacional, garantir para o RS no mínimo 20% (vinte por cento) dos recursos para financiamento agropecuário de forma oportuna, tempestiva e suficiente. Aumentar os limites

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº MENSAGEM Nº Senhores membros da Câmara Municipal, Submeto à elevada deliberação de V. Exªs. o texto do projeto de lei que institui o Plano Plurianual para o período de 2002 a 2005. Este projeto foi elaborado

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

DOCUMENTO DE INFORMAÇÕES DO PROJETO (PID) ETAPA DE AVALIAÇÃO Relatório nº: PIDA534

DOCUMENTO DE INFORMAÇÕES DO PROJETO (PID) ETAPA DE AVALIAÇÃO Relatório nº: PIDA534 Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Nome do projeto Região País Setor(es) Instrumento de crédito Número do projeto Mutuário(s)

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Aliança / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,06% ao ano, passando de 37.188 para 37.415 habitantes.

Leia mais

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL: Planejamento. GERENCIAMENTO AMBIENTAL: Execução e Controle. GESTÃO ETAPAS: 1. Definição dos Objetivos do Planejamento = metas. 2. Inventário/ Banco de

Leia mais

WP Board No. 980/05 Rev. 1

WP Board No. 980/05 Rev. 1 WP Board No. 980/05 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 12 janeiro 2006 Original: inglês Projetos/Fundo

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

Economia Política da Prevenção e Tratamento das DST e Aids

Economia Política da Prevenção e Tratamento das DST e Aids IV Congresso Brasileiro de Prevenção das DST e AIDS Economia Política da Prevenção e Tratamento das DST e Aids Sérgio Francisco Piola Belo Horizonte, 7 de novembro de 2006. O Programa Brasileiro tem tido

Leia mais

IGC Mozambique. A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique

IGC Mozambique. A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique IGC Mozambique A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique 09 de Março de 2012 1 Introdução Uma visão retrospectiva mostra uma década que já aponta a grande clivagem da economia

Leia mais

DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DA AMERICA LATINA E O CARIBE

DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DA AMERICA LATINA E O CARIBE DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DA AMERICA LATINA E O CARIBE CSA, São Paulo, 18 de março de 2014 Carlos Mussi CEPAL Onde estão hoje a América Latina e o Caribe? Aprendendo do passado Mais

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE Unidade de Gestão Local UGL Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável Microbacias II TERMO DE REFERÊNCIA

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE Unidade de Gestão Local UGL Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável Microbacias II TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA AVALIAÇÃO FINANCEIRA E ACOMPANHAMENTO DE PROJETOS 1. IDENTIFICAÇÃO DO TERMO DE REFERÊNCIA 1.1. Número: 05/2011 2. IDENTIFICAÇÃO DO CONTRATANTE 2.1. Contratante

Leia mais

Estratégia Urbano-Ambiental para a América Latina e o Caribe PNUMA/UN-HABITAT (Versão 12-02-04)

Estratégia Urbano-Ambiental para a América Latina e o Caribe PNUMA/UN-HABITAT (Versão 12-02-04) Urbanização na região Estratégia Urbano-Ambiental para a América Latina e o Caribe PNUMA/UN-HABITAT (Versão 12-02-04) Contexto Regional A concentração da população da América Latina e do Caribe em áreas

Leia mais

Departamento de Geração de Renda e

Departamento de Geração de Renda e Departamento de Geração de Renda e Agregação de Valor - DGRAV ESTRUTURA DO MDA Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Secretaria da Agricultura Familiar SAF Secretaria de Reordenamento Agrário - SRA

Leia mais

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida 30 DE NOVEMBRO DE 2011 CONTEXTO Durante os últimos anos,

Leia mais

CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL

CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Recomendações para a construção de um sistema tributário mais justo, que aumente a competitividade do

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH Objetivo Geral PROPOR PROGRAMAS, AÇÕES E ESTRATÉGIAS, INTERSETORIAIS E INTERINSTITUCIONAIS, VISANDO ASSEGURAR O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO E SUSTENTÁVEL DOS USOS

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

PROPOSTAS DO III SEMINARIO SUL BRASILEIRO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA O TURISMO RURAL

PROPOSTAS DO III SEMINARIO SUL BRASILEIRO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA O TURISMO RURAL O Seminário Sul Brasileiro vem sendo organizado desde 2005, como um evento paralelo a Suinofest, festa gastronômica de derivados da carne suína, por um grupo formado pela UERGS, ACI-E, EMATER e Secretaria

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Desoneração da carga tributária. (versão preliminar)

Desoneração da carga tributária. (versão preliminar) CONTAG Coletivo Nacional de Política Agrícola Desoneração da carga tributária sobre os produtos alimentícios (versão preliminar) Brasília, 24 de abril de 2009. Objetivo geral: subsidiar a proposta de discussão

Leia mais

Educação Fiscal e Financiamento. 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015

Educação Fiscal e Financiamento. 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015 Educação Fiscal e Financiamento 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015 Vinculação Constitucional de Recursos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Art. 212. A União aplicará,

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº2.557 0/08

LEI MUNICIPAL Nº2.557 0/08 LEI MUNICIPAL Nº2.557 0/08 INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Caeté, Minas Gerais, aprova: Art. 1º - Fica instituída a Política

Leia mais

Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais

Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais (ENSP/FIOCRUZ) Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres (CEPEDES) Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) AS MUDANÇAS SOCIOAMBIENTAIS

Leia mais

Calendário 2015 Clima

Calendário 2015 Clima Calendário 2015 Clima 15 a 28 de Setembro - Assembléia Geral da ONU (Nova York) 70º Assembléia Geral Dia 28 de Setembro Relatório do Secretário Geral Ban Ki-Moom Principais temas: Clima e Objetivos do

Leia mais

!)JUM--ENTS. Ofício GG n 629/2013 Rio de Janeiro, 17 de outubro 2013.

!)JUM--ENTS. Ofício GG n 629/2013 Rio de Janeiro, 17 de outubro 2013. !)JUM--ENTS GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Ofício GG n 629/2013 Rio de Janeiro, 17 de outubro 2013. DR. JIM YONG KIM President The World Bank 1818 H Street, NW 20433 Washington, DC, USA. c/c DEBORAH

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO MATO GRANDE 17/06/2015

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO MATO GRANDE 17/06/2015 PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO MATO GRANDE 17/06/2015 1 PROGRAMAÇÃO DO EVENTO 08H ÀS 09H 09H ÀS 09:H30 09H30 ÀS 10H 10H ÀS 10:15 10H15 ÀS 12H 12H ÀS 13H 13H ÀS 13H30 CREDENCIAMENTO ABERTURA DO EVENTO CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Hering inicia o ano com crescimento de 41% do EBITDA e salto de 35% em vendas

Hering inicia o ano com crescimento de 41% do EBITDA e salto de 35% em vendas Blumenau, 07 de maio de 2008 Cia. Hering (Bovespa: HGTX3), uma das maiores empresas de varejo e design de vestuário do Brasil, divulga os resultados do 1º trimestre de 2008 (1T08). As informações operacionais

Leia mais

Apoio à comercialização da agricultura familiar

Apoio à comercialização da agricultura familiar Apoio à comercialização da agricultura familiar Programa de Aquisição de Alimentos 1. Contexto Liberalização dos mercados de produtos agrícolas (anos 90) Intenso processo de concentração de capitais no

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

Benchmarking Internacional de Transferência de Tecnologia América Latina. Rui Trigo Morais

Benchmarking Internacional de Transferência de Tecnologia América Latina. Rui Trigo Morais Benchmarking Internacional de Transferência de Tecnologia América Latina Rui Trigo Morais Para caracterizar devidamente os instrumentos de transferência de I&D na América Latina, as suas especificidades,

Leia mais

Ações de Educação Ambiental do INEA com foco em recursos hídricos. Gerência de Educação Ambiental (GEAM/DIGAT/INEA)

Ações de Educação Ambiental do INEA com foco em recursos hídricos. Gerência de Educação Ambiental (GEAM/DIGAT/INEA) Ações de Educação Ambiental do INEA com foco em recursos hídricos Gerência de Educação Ambiental (GEAM/DIGAT/INEA) Ações: Agenda Água na Escola (SEA); Cartilha de atividades de sensibilização, pesquisa

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa

Os fundos de confiança como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa César Jaramillo Avila - aurbana@quito.gov.ec Coordenador do Programa Municipal de Agricultura Urbana da

Leia mais

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013 PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL novembro de 2013 EVOLUÇÃO DO FINANCIAMENTO RURAL 160,0 1200% 140,0 1100% 1000% 120,0 900% BILHÕES 100,0 80,0 60,0 40,0 424% 349% 800% 700% 600%

Leia mais

A experiência de Belo Horizonte:

A experiência de Belo Horizonte: A experiência de Belo Horizonte: a construção de uma capital sustentável Vasco de Oliveira Araujo Secretário Municipal de Meio Ambiente Prefeitura de Belo Horizonte Junho 2012 Belo Horizonte e RMBH (34

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária Setembro de 2012 A política agrícola anunciada para a agricultura empresarial se caracterizou por assegurar o necessário apoio ao produtor rural.

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL VI SEMINÁRIO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL I ENCONTRO LATINO-AMERICANO DE SANEAMENTO RURAL INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL Ernani Ciríaco de Miranda Diretor SNSA/MCIDADES

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

Maputo, 7 de Novembro 2013

Maputo, 7 de Novembro 2013 Maputo, 7 de Novembro 2013 Agenda Este seminário tem por objectivo apresentar o estudo sobre a situação do acesso a finanças rurais e agrícolas em Moçambique 1. Introdução 2. Perfil da População Rural

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais