IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL À LUZ DA PRODUÇÃO LIMPA: O CASO DA HJ BAHIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL À LUZ DA PRODUÇÃO LIMPA: O CASO DA HJ BAHIA"

Transcrição

1 JOÃO PEDRO BRAGA TEIXEIRA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL À LUZ DA PRODUÇÃO LIMPA: O CASO DA HJ BAHIA Monografia apresentada à Escola Politécnica da Universidade Federal da Bahia para obtenção do título de Especialista em Gerenciamento e Tecnologias Ambientais no Processo Produtivo. Orientador: Profª Drª Márcia Mara de Oliveira Marinho Salvador 2006

2 AGRADECIMENTOS Aos meus pais, Domingos Duarte Teixeira e Alzenir Braga Teixeira, meus ídolos, pela orientação e amor incondicional, em todas as fases da minha vida, e pelo esforço incansável para garantir meu sucesso profissional e como ser humano. Aos meus irmãos, Claudia, Domingos, Duílio, Rodrigo, Auzenia e Daiane, pelos incentivos, união e amizade acima de tudo. A minha namorada, Gabriela, e a sua mãe, Maria Neide, pelo companheirismo e apóio em todos os momentos. A professora Márcia Marinho, pela sua atenção, acompanhamento e compreensão prestados em cada fase desta pesquisa. A Rede de Tecnologias Limpas e Minimização de Resíduos da UFBA - TECLIM, e aos seus professores e funcionários, pela infra-estrutura que subsidiou a elaboração deste trabalho. A HJ BAHIA LTDA, pela aceitação de realização das pesquisas, e, especialmente, ao seu diretor Abraão Bahia, pela confiança depositada. A CARAIBA METAIS, pela disponibilidade de acesso aos seus estabelecimentos, sem a qual seria impossível a realização do estudo de caso. A cada pessoa que, a sua maneira, contribuiu com esta pesquisa.

3 RESUMO Um conjunto de fatores, formado pela acelerada degradação ambiental, pelo aumento das penalidades regulamentares e pela crescente consciência dos mercados e consumidores que passaram a exigir produtos e processos ambientalmente corretos, vem disseminando nas empresas a urgência com relação à necessidade de implementação de um Sistema de Gestão Ambiental (SGA). No entanto, embora existam esforços direcionados neste sentido, muitas empresas não aproveitam a oportunidade para incluir, no bojo da implantação do referido sistema, tecnologias ambientais modernas e proativas, como as de Produção Limpa (PL), capazes de otimizar a utilização dos recursos disponíveis e prevenir a poluição e a geração de resíduos, em vez do tratá-los. Além disso, as pequenas e micro empresas prestadoras de serviços industriais enfrentam sérias dificuldades para se adequarem aos procedimentos ambientais vigentes nos estabelecimentos de grandes empresas que já possuem um SGA ou que está em fase de implementação. Esta pesquisa justifica-se assim pela necessidade crescente de implementação de SGAs, não apenas para obter a certificação ambiental desejada, mas também para adotar princípios e práticas de PL em todas as fases do processo. Além disso, este trabalho busca incentivar as pequenas e micro empresas do ramo de prestação de serviços a também implementarem seu próprio SGA. Desta forma, baseando-se numa ampla revisão bibliográfica e em pesquisas de campo, é proposta neste trabalho uma metodologia para implementação de um SGA em pequenas e micro empresas, contemplando os princípios da Produção Limpa integrados aos requisitos da ISO Finalmente, é avaliada a aplicabilidade da proposta em uma pequena empresa prestadora de serviços de manutenção industrial. Palavras-chave: Sistema de Gestão Ambiental, Produção Limpa, Pequenas e Micro Empresas Prestadoras de Serviços.

4 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS...07 LISTA DE TABELAS...08 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS INTRODUÇÃO O Caso em Estudo Objetivos e Delimitações Justificativas Métodos e Estrutura da Pesquisa FUNDAMENTOS TEÓRICOS Histórico dos Sistemas de Gestão Ambiental A Série ISO A Norma NBR ISO Requisitos para Implementar um SGA Política Ambiental Planejamento Implementação e Operação Verificação e Ação Corretiva Análise Crítica pela Administração Benefícios da Certificação Ambiental O Conceito da Produção Limpa Princípios e Instrumentos da Produção Limpa Produção Limpa X Fim de Tubo Implantando a Produção Limpa A Realidade das Pequenas e Micro Empresas PROPOSTA DE METODOLOGIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE UM SGA À LUZ DA PRODUÇÃO LIMPA Avaliação Ambiental Inicial Aspectos e Impactos Ambientais Identificação dos Aspectos e Impactos Avaliação da Significância dos Impactos Fluxogramas e Lay outs Análise Quali-quantitativa de Resíduos Controles Operacionais e Planos de Emergência Requisitos Legais e Regulamentares Política Ambiental Objetivos, Metas e Programas Redução de Impactos Ambientais Negativos Realização de Treinamentos e Conscientização Meios de Comunicação e Controle de Documentos Medição e Monitoramento Ações Corretivas e Preventivas...71

5 3.8 Auditorias Internas Análise Crítica do SGA Síntese Diferencial da Proposta ESTUDO DE CASO A HJ Bahia Avaliação Ambiental Inicial da HJ Bahia Sistemas de Gestão Existentes Políticas e Práticas Existentes Aspectos Ambientais Requisitos Legais Aspectos e Impactos Ambientais da HJ Bahia Requisitos Legais e Regulamentares da HJ Bahia Política Ambiental da HJ Bahia Programa de Gestão Ambiental da HJ Bahia CONCLUSÕES REFERÊNCIAS ANEXO 1 LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA DIAGNÓSTICO AMBIENTAL INICIAL ANEXO 2 MATRIZ DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DA HJ BAHIA ANEXO 3 PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA HJ BAHIA COM PRODUÇÃO LIMPA...126

6 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Técnicas para Redução da Poluição Figura 2 Alternativas de PL para Minimização de Resíduos Figura 3 Exemplo de Política Ambiental com Compromissos de PL Figura 4 Dados Gerais da HJ Bahia Figura 5 Organograma da HJ Bahia... 82

7 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Componentes do Ecotime Tabela 2 Aspectos e Impactos Ambientais Tabela 3 Avaliação da Significância dos Impactos Ambientais Tabela 4 Análise Quali-quantitativa de Resíduos Tabela 5 Controles Operacionais e Planos de Emergência Tabela 6 Programa de Gestão Ambiental Tabela 7 Diferenciais da Proposta de Implementação de SGA com PL... 74

8 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABETRE Associação Brasileira de Empresas de Tratamento de Resíduos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas ACV Análise de Ciclo de Vida BSI British Standards Institute CEBDS Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável CEMPRE Compromisso Empresarial para a Reciclagem CNTL Centro Nacional de Tecnologias Limpas CONAMA Conselho Nacional de Meio Ambiente EIA Estudo de Impacto Ambiental EMAS Eco-Management and Auditing Scheme FIEB Federação das Indústrias do Estado da Bahia FIESP Federação das Indústrias do Estado de São Paulo HJ BAHIA Hidrojato Bahia Locação de Mão de Obra Ltda. ISO International Organization for Standardization NBR Norma Brasileira NRPL Núcleo Regional de Produção Mais Limpa OHSAS Occupational Health and Safety Assessment Series OMC Organização Mundial do Comércio ONG Organização Não Governamental

9 ONU Organização das Nações Unidas PGA Programa de Gestão Ambiental PL Produção Limpa P+L Produção Mais Limpa PNUMA Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais RIMA Relatório de Impacto Ambiental SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SGA Sistema de Gestão Ambiental SGQ Sistema de Gestão da Qualidade TECLIM Rede de Tecnologias Limpas e Minimização de Resíduos na Indústria TL Tecnologia Limpa UE União Européia UNILIVRE Universidade Livre do Meio Ambiente UNEP United Nations Environmental Program

10 11 1 INTRODUÇÃO A expansão dos diversos setores de produção, o crescimento econômico e o desenvolvimento tecnológico ocorridos nas últimas décadas proporcionaram muitos benefícios à sociedade como um todo. Porém, unidos ao rápido crescimento populacional e ao comportamento inadequado de consumo, resultaram em conseqüências indesejadas. A poluição ambiental associada a estes fatos gerou a formação de um passivo com difíceis problemas a serem resolvidos. A grande quantidade de resíduos que foi e continua sendo depositada no meio ambiente alertou de vez o mundo para o risco iminente que corremos e às incertezas futuras. Segundo a Associação Brasileira de Empresas de Tratamento de Resíduos (ABETRE), a indústria brasileira terá de investir cerca de cinco bilhões de reais para tratar parte do passivo ambiental existente, um valor que aumenta meio bilhão a cada ano. Atualmente, o Brasil gera 2,9 milhões de toneladas de resíduos industriais perigosos por ano e somente 28% desse total têm destino conhecido. A maior parte dos rejeitos é depositada em lixões a céu aberto, o que acaba provocando contaminações no solo e lençol freático. O Ministério da Saúde identificou nada menos do que 15 mil locais afetados no país pela poluição química. A estimativa é de que sete milhões de pessoas estão expostas ao perigo (www.abetre.com.br. Acesso em: 3 nov. 2003). Aliados aos problemas da degradação ambiental, estão os atuais fatores associados às regulamentações governamentais, além das vigilâncias e pressões por parte de Organizações não Governamentais ONGs. A falta de uma política ambiental próativa pode levar as empresas a terem altos custos no tratamento de seus resíduos, em conformidade com as exigências legais de cada setor, e às vezes muitos prejuízos com processos de remediação ou recuperação do meio ambiente. Isto acontece nos casos em que ocorre a disposição incorreta sem o devido tratamento. Atualmente, a sociedade de uma forma geral também tem contribuído para pressionar o mundo empresarial quanto às preocupações ambientais. Está surgindo um perfil de consumo onde coloca o conceito de qualidade além da simples

11 12 adequação ao uso e ao preço. Isso se constata quando deixam de comprar produtos que de uma forma direta ou indireta contribuam para a degradação ambiental do planeta. Por outro lado, as pressões de ordem econômica mundial estão aumentando ainda mais a competitividade do mercado. Acordos internacionais, boicotes às importações, certificações de produtos e processos, e os chamados selos verdes são algumas das exigências e barreiras, tarifárias ou não, que o cenário atual impõe para a sobrevivência empresarial. Podemos citar, como exemplo, o bloqueio da importação de gasolina do Brasil feito pelos Estados Unidos, em 1996, alegando razões ambientais, sendo o caso levado a julgamento na OMC; boicotes impetrados pela Alemanha e Inglaterra a produtos brasileiros em vista das queimadas na Amazônia; e outros produtos, como o camarão, também já foi boicotado devido à maneira como eram pescados (www.unilivre.org.br. Acesso em: 17 nov. 2003). Assim, a acelerada degradação do meio ambiente, o aumento da atividade regulamentadora, a crescente consciência dos consumidores que passaram a exigir produtos que não agridam ao meio ambiente e a nova ordem econômica supracitada são algumas das razões para que se venha crescendo nas empresas a urgência com relação à necessidade de implementação de sistemas de gestão ambiental. A problemática ambiental, então como fator de preocupação do mundo empresarial, pode ser dividida em três fases: A fase negra quando a degradação ambiental era considerada uma etapa necessária para garantir o conforto do homem, e o pensamento ecológico era visto como radicalismo ou exibicionismo; A fase reativa busca da redução dos impactos ambientais e adequação à legislação para evitar ou reduzir as penalidades afins, cujo pensamento ainda persiste em muitas organizações hoje em dia; A fase pró-ativa ainda muito recente, que posiciona o meio ambiente como estratégia do negócio e fator de sucesso na gestão empresarial.

12 13 Assim, como o fator ambiental é uma realidade que não pode deixar de ser considerada, ou melhor, deve-se levar em conta obrigatoriamente, algumas empresas já estão incorporando-o ao seu processo produtivo. Elas estão conciliando práticas saudáveis com lucratividade, reduzindo custos, reforçando o marketing da empresa com relação à sua postura ambientalmente correta, e ganhando confiança do mercado. Desta forma, a questão ambiental deixou de ser encarada como um ônus para a indústria e hoje é fator de competitividade, favorecendo a inserção das empresas no mercado globalizado (ASSOCIAÇÃO..., 2003). Neste cenário, surge então uma metodologia gerencial capaz de ajudar as organizações a diferenciar os seus negócios de forma ambientalmente responsável. As normas internacionais da série ISO vêm oferecendo para as organizações o atendimento à crescente demanda da sociedade e do mercado com os aspectos relacionados à poluição e ao uso de recursos naturais. A implantação de um Sistema de Gestão Ambiental (SGA) traz para a empresa, além da certificação perante a norma ISO 14001, a melhoria da imagem junto aos diversos setores sociais e a garantia de um programa contínuo de aprimoramento do desempenho ambiental e organizacional, com conseqüente racionalização dos custos, agregando valores aos negócios da empresa (ASSOCIAÇÃO..., 1996b). Porém, embora as empresas estejam direcionando esforços para implementação de SGA s, não aproveitam a oportunidade para avaliar amplamente as situações existentes e incluir, no bojo da implantação do sistema, a adoção de tecnologias ambientais, que permitiriam uma melhor utilização de seus recursos produtivos e um controle ambiental mais eficaz das suas atividades (FERNANDEZ, DUARTE e SOBRAL, 1998). Kiperstok (2001) pesquisou a aplicação da equação mestra que calcula o impacto ambiental, no intuito de analisar se as atuais atitudes de controle da poluição são suficientes para reverter ou se quer reduzir a velocidade com que se dá o processo de degradação do meio ambiente. Nesta pesquisa, o impacto ambiental global foi calculado e projetado que, em 50 anos, considerando que a população se duplique e que o consumo ou renda per cápita cresça cinco vezes, haverá um crescimento do

13 14 impacto ambiental global de até 10 vezes. Esta projeção, também chamada de Fator 10, sugere uma mudança na forma de consumo e avanços tecnológicos que permitam reduzir o impacto ambiental por unidade de produto de 10 vezes, para pelo menos manter os níveis atuais do impacto global. Independente da precisão das projeções, o Fator 10 coloca para o setor produtivo um grande desafio para a metade deste século: estancar o processo de degradação ambiental provocado pelo crescimento populacional e econômico. No entanto, as práticas tradicionais de proteção ambiental, que se baseiam apenas no tratamento e disposição de resíduos, não geram expectativas para vislumbrar qualquer redução ou reversão do impacto ambiental global (KIPERSTOK, 2001). Assim, as limitações de proteção ambiental oferecidas pelas denominadas técnicas de fim de tubo (prática que admite o resíduo como um fato inevitável e a certeza da necessidade do tratamento), aliados aos custos agregados à produção, têm mudado o pensamento empresarial. A nova idéia é direcionar a solução dos problemas para sua fonte, ou seja, privilegiar as medidas de prevenção da poluição e minimização ou eliminação da geração de resíduos (ATIYEL, 2001). A filosofia da Produção Limpa (PL) surge então com estas características, proporcionando às indústrias maior redução de custos e aumento da lucratividade, adotando não só medidas de controle na fonte, mas também a busca por uma maior eco-eficiência ou produtividade no uso dos recursos naturais (KIPERSTOK e outros, 2002). Neste caso, analisa o ciclo completo de produtos ou processos, onde, segundo Atiyel (2001), identifica articulações ao longo da cadeia produtiva e entre os diversos setores da produção, agregando novos graus de liberdade ao desafio de minimizar os resíduos gerados, maximizando os ganhos econômicos. No entanto, apesar do avanço das tecnologias ambientais, onde se observam atualmente algumas organizações obtendo ganhos reais com os benefícios da implementação da Produção Limpa, ainda persiste em muitas a postura reativa. Grande parte das indústrias ainda se limita a cumprir a legislação, adotando as técnicas de fim de tubo, com o único propósito de evitar as penalidades

14 15 regulamentadoras. Por outro lado, algumas empresas vêm implementando um SGA apenas no intuito de obter a desejada certificação ambiental perante a ISO Quando se analisa o setor de terceirização de serviços na indústria, observa-se que a situação é ainda mais preocupante. Além do desconhecimento dos benefícios gerados com a adoção das práticas de Produção Limpa, não há sinais de mobilização para a obtenção de uma certificação ambiental nas pequenas empresas prestadoras de serviços. Esta deficiência, porém, diminui um pouco nos casos de contratos em que a indústria ou empresa contratante já é certificada, atendendo um dos requisitos da ISO 14001, que prega a comunicação e o fomento de mecanismos para que fornecedores e prestadores de serviços adequem-se ao SGA presente ou passem também a certificarem-se (ASSOCIAÇÃO..., 1996a). Segundo uma pesquisa do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), as pequenas e micro empresas prestadoras de serviços apresentam sérias dificuldades para se adequarem às legislações regulamentadoras nas plantas de seus clientes, influenciando negativamente no funcionamento do SGA local. Já no caso das médias e grandes, apenas 17% adota a certificação ambiental, porém, esta é uma tendência real para toda esta classe de empresas. Por isso, atendendo as demandas do mercado, criou-se a expectativa da divulgação de um cadastro de pequenas empresas prestadoras de serviços com um sistema de gestão ambiental implantado (SERVIÇO..., 2004d). Numa outra pesquisa, Ribeiro (2001) investigou os mecanismos aplicados pelas grandes empresas da indústria química e petroquímica da Bahia, certificadas na ISO 14001, para induzir seus micro e pequenos fornecedores e prestadores de serviços a adotarem procedimentos ambientais nas operações dentro dos seus estabelecimentos. Nesta pesquisa, não foi verificada, nas pequenas e micro empresas, qualquer iniciativa visando minimizar os impactos ambientais nas plantas de seus clientes e nem qualquer conhecimento sobre Produção Limpa.

15 O Caso em Estudo No contexto da prestação de serviços de manutenção, surgiu, em 2001, a HJ BAHIA LTDA, uma empresa baiana de porte pequeno, especializada em limpeza industrial, que mantém contratos de gerenciamento global de manutenção com industrias de variados tamanhos e ramos de atividade. Entre estes, estão as industrias química e petroquímica, a de papel e celulose, a siderúrgica, a mecânica, a alimentícia, a naval e a de construção civil (HIDROJATO..., 2005). A HJ Bahia dispõe de um dossiê, onde contém informações sobre os vários serviços de manutenção oferecidos, entre os quais, podemos citar os seguintes: serviços com utilização de equipamentos de hidrojato, alta pressão, auto vácuo e pigs; corte a frio; teste hidrostático; limpeza química manual e mecânica; movimentação de recheios e aspiração de resíduos industriais. A HJ Bahia mantém sua sede administrativa e unidade operacional no município de Dias D Ávila, no estado da Bahia, com mão de obra e equipamentos que podem ser deslocados até as plantas de seus clientes para a prestação do serviço contratado, ou ainda receber equipamentos terceiros em suas instalações para a devida manutenção. A maioria dos contratos da HJ trata da realização de serviços nas plantas dos contratantes. Analisando a postura em relação ao meio ambiente, na HJ Bahia, assim como na maioria das pequenas e micro-empresas prestadoras de serviços de manutenção industrial, também não se verifica qualquer sistema de gestão implantado, apesar da necessidade de apresentar um PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais) por contrato firmado. Além disso, a empresa engrossa a lista das que desconhecem os princípios de utilização da Produção Limpa, que poderiam ser aplicados aos seus processos, produtos ou serviços. Entretanto, a HJ compreende claramente as novas demandas e, ciente das suas deficiências, está empenhada a mudar seu quadro atual.

16 Objetivos e Delimitações Esta monografia tem como objetivo geral propor uma metodologia para implementação de um SGA em pequenas e micro-empresas, contemplando os requisitos da ISO e os princípios da Produção Limpa, e avaliar a sua aplicabilidade em uma pequena empresa prestadora de serviços de manutenção industrial. Como objetivos específicos, este trabalho pretende: Pesquisar na literatura as características envolvidas no processo de implementação de um SGA, segundo os requisitos da NBR ISO e as técnicas de apóio da NBR ISO 14004, e as referências que abordam os conceitos de Produção Limpa, seus princípios e técnicas e as formas de implantação na gestão de empresas; Investigar oportunidades de introduzir PL durante toda a fase de implementação do SGA, visando otimizar os processos para a utilização racional dos recursos e prevenção da poluição, priorizando o controle nas fontes geradoras; Propor uma metodologia de implementação de um SGA, para pequenas e microempresas prestadoras de serviços, inserindo os princípios e técnicas da Produção Limpa em todas as etapas do processo; Avaliar a aplicabilidade da metodologia proposta em numa pequena empresa que presta serviços de manutenção industrial. Esta pesquisa foi realizada nas duas unidades da HJ Bahia, a administrativa e o almoxarifado, e também no estabelecimento de um de seus clientes, já que a HJ é uma empresa prestadora de serviço. Vale ressaltar que a aplicação da proposta desta pesquisa (capítulo 4) limita-se até a conclusão da etapa de planejamento do SGA. As etapas posteriores ficam com sugestão para continuidades das pesquisas.

17 Justificativas Este trabalho justifica-se pelas abordagens já feitas em sua introdução, as quais serão resumidas nos itens a seguir. Vale ressaltar que estas justificativas também servem de hipóteses e direcionam a linha da pesquisa para nosso objetivo principal que é estudar a inserção dos princípios da Produção Limpa nas etapas de implementação de um SGA. São elas: A acelerada degradação do meio ambiente, gerando as preocupações globais para com os riscos iminentes e futuros; O aumento da atividade regulamentadora, com legislações cada vez mais rigorosas, e os custos gerados pelas penalidades afins; As pressões recentes da sociedade quanto à imagem das empresas e à exigência de qualidade de produtos e processos ambientalmente corretos; O cenário econômico atual que privilegia o crescimento e a sobrevivência das empresas com certificados ambientais, e condena as atividades das que ainda não tem certificação; A falta de conhecimento da filosofia da Produção Limpa que ainda existe em muitas empresas e a postura reativa de outras para visualizar os benefícios com a adoção destas práticas; As perdas de oportunidades que ainda existe em não introduzir a Produção Limpa no bojo das implantações de SGA s, pois, na maioria das vezes, busca-se unicamente conseguir a certificação ambiental e o mínimo requerido pela ISO 14001; O mercado promissor que desponta para pequenas e micro empresas prestadoras de serviços de manutenção que tenham certificado ambiental e as perspectivas reais de ganhos para setor.

18 Métodos e Estrutura da Pesquisa Este trabalho é baseado em revisões bibliográficas e pesquisas de campo, necessários para contemplar a integração de um SGA com a abordagem da Produção Limpa e propor uma metodologia única de implementação. Também é feito um estudo de caso, onde é escolhida uma empresa cuja realidade se aplica ao nosso objetivo, para ser avaliada a aplicabilidade da metodologia proposta. A revisão bibliográfica foi realizada através de consulta às normas internacionais da série ISO e suas inter-relações, e às diversas fontes acadêmicas, como livros, teses, dissertações, monografias, artigos, papers, etc. Além destas fontes, foram feitos também acessos à internet (a rede mundial de computadores) para consultar algumas home pages ou páginas de interesse. Vale ressaltar que toda a legislação ambiental e os requisitos legais pertinentes também foram consultados. Para orientar a construção da metodologia de implementação do SGA com base na Produção Limpa, foram utilizados recursos obtidos das seguintes fontes: consultas à literatura ou revisão bibliográfica, entrevistas realizadas com profissionais do setor de consultoria ambiental, consultas feitas a órgãos que fazem certificações, e a experiência acumulada do pesquisador em implementações de sistemas de gestão ambiental. Quanto à estrutura deste trabalho, ele está dividido em cinco capítulos, incluindo este primeiro que abordou na sua introdução as questões ambientais atuais e sua evolução, apresentou os objetivos e as delimitações, expôs as justificativas e descreve os métodos e estrutura da pesquisa. Este primeiro capítulo teve como objetivo principal a sensibilização do leitor quanto às necessidades emergências da esfera empresarial: a implementação de sistemas de gestão ambiental e adoção de práticas de Produção Limpa. O capítulo 2 apresenta os fundamentos teóricos ou revisão bibliográfica, onde é feita uma pesquisa do histórico dos sistemas de gestão ambiental e do surgimento da série ISO 14000, relacionando os principais requisitos da ISO para se

19 20 implementar um SGA e as vantagens advindas da certificação ambiental. Nesta oportunidade, também são abordados o conceito da Produção Limpa, seus princípios e instrumentos, as formas de implantação e as diferenças em relação às práticas tradicionais de proteção ambiental. No final, é feita uma abordagem em relação a atual situação das pequenas e micro empresas prestadoras de serviços na indústria. O capítulo 3 utiliza os fundamentos teóricos do capitulo 2 como base para construir uma metodologia de fácil implementação de um SGA, com os princípios da Produção Limpa inseridos, onde identificam-se as melhores oportunidades de aplicação em todas as etapas. Para isso, são desenvolvidos questionários e relatórios específicos, adaptados ao nosso objetivo de integrar as duas culturas e para a realidade das pequenas e micro empresas prestadoras de serviços industriais. No capítulo 4, é realizado o estudo de caso da empresa escolhida. Neste estudo, é avaliada a aplicabilidade da metodologia sugerida (capítulo 3) na HJ Bahia, que está em processo de preparação inicial para implementar seu SGA. Nesta etapa, estudou-se a aderência da proposta, colhendo informações das atividades da empresa tanto nas suas unidades próprias quanto na planta de um de seus clientes com o qual está mantendo contrato de manutenção e já tem um SGA implementado. Finalmente, no capítulo 5, são feitas as conclusões e recomendações, apontando os resultados finais obtidos do estudo de caso, as dificuldades encontradas, as oportunidades de melhoria e sugestões para continuidade das pesquisas.

20 21 2 FUNDAMENTOS TEÓRICOS 2.1 Histórico dos Sistemas de Gestão Ambiental Os anos 60, influenciados pela poluição do meio ambiente em muitos paises industrializados, foram considerados como a década da conscientização. Já na década de 70, após a Conferência de Estocolmo em 1972, foram formados os primeiros órgãos ambientais e estabelecidas as primeiras legislações, ficando conhecida como a década da regulamentação e do controle ambiental. A década de 80 foi marcada pela preocupação global com a conservação do meio ambiente: em 1987, foi firmado o protocolo de Montreal, e, no relatório da Comissão de Desenvolvimento e Meio Ambiente das Nações Unidas (Brundtland Comission), chamado de Nosso Futuro em Comum, foi introduzido o conceito de desenvolvimento sustentável 1, incitando algumas indústrias a desenvolverem sistemas de gestão ambiental mais eficientes (SERVIÇO..., 2004c). Em 1992, 179 paises reuniram-se no Brasil para a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento Sustentável, ficando conhecida como ECO 92 ou RIO 92. Este encontro mostrou que a questão ambiental ultrapassava os limites das ações isoladas para se constituir numa preocupação de todos. Isto se demonstra no relatório então aprovado, conhecido como Agenda 21: Defrontamo-nos com (...) a deteriorização contínua dos ecossistemas de que depende nosso bem-estar. Não obstante, caso se integrem as preocupações relativas a meio ambiente e desenvolvimento e a elas se dedique mais atenção, será possível satisfazer as necessidades básicas, elevar o nível da vida de todos, obter ecossistemas mais bem protegidos e gerenciados e construir um futuro mais próspero e seguro. São metas que nação alguma pode atingir sozinha; juntos, porém, podemos numa associação mundial em prol do desenvolvimento sustentável. (ASSEMBLÉIA..., 1992, Preâmbulo, item 1.1). 1 Segundo o Relatório Brundtland, Desenvolvimento Sustentável é o desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade de as futuras gerações satisfazerem suas próprias necessidades. (COMISSÃO..., 1991).

21 22 A partir de então, com o aumento das normas e legislações, as empresas começaram a adotar sistemas de gestão ambiental para não perderem sua competitividade no mercado, surgindo em vários países diferenciados modelos. Adaptando a auditoria contida nos Sistemas de Gestão de Qualidade (SGQ) ao sistema de gestão ambiental, surgiram, em 1992, as normas britânicas BSI 7750 (British Standards Institute Especificação para Sistemas de Gestão Ambiental), as quais serviram de base para a publicação, em 1996, de um sistema mundial de normas ambientais: a série ISO Vale acrescentar que, em 1995, o Conselho da União Européia (EU) adotou um sistema de auditoria e gestão ambiental, conhecido como EMAS (Eco-Management and Auditing Scheme) (SERVIÇO..., 2004c). Depois da ISO 14000, foram então disseminados novos conceitos como Certificação Ambiental, Atuação Responsável e Gestão Ambiental, modificando a postura reativa que marcava, até recentemente, a relação entre o mundo empresarial de um lado e os órgãos fiscalizadores e as ONG s do outro (MAIMON, 1999). 2.2 A Série ISO A ISO (International Organization for Standardization), ou Organização Internacional para Normalização é uma organização não governamental, fundada em 1947, com sede em Genebra, na Suíça, e está presente em mais de 120 países. A entidade que atua no Brasil como representante da ISO é a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), criada em 1940 e constituída de 28 Comitês por área de atividade (ASSOCIAÇÃO..., 2005). Depois da experiência com a elaboração das normas da série ISO 9000 (SGQ) e influenciada pela decisão de alguns países em criar suas próprias normas de gestão e certificação ambiental, a ISO estabeleceu em 1996 um conjunto de normas internacionais sobre gestão ambiental para possibilitar às empresas a certificação dos seus produtos e serviços. Essa nova série recebeu a designação de ISO

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 MÓDULO C REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001 ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001/04 Sumário A.) A Organização ISO...3 B.) Considerações sobre a elaboração

Leia mais

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES Eng. ZULMAR TEIXEIRA Rio, 19/10/2010 PRINCÍPIOS DA GESTÃO MODERNA III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES SUCESSO DO EMPREENDIMENTO ABORDAGEM DE PROCESSO SÉCULO XXI O SÉCULO DO DESAFIO O

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003.

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003. NORMA ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003. http://www.ibamapr.hpg.ig.com.br/14001iso.htm ii Índice INTRODUÇÃO...3

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso Página 1 NORMA ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) INTRODUÇÃO 1 ESCOPO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL 4.0. Generalidades

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

Gestão Ambiental. Definição. Processo de articulação das ações a

Gestão Ambiental. Definição. Processo de articulação das ações a Definição Processo de articulação das ações a dos diferentes agentes sociais que interagem em um dado espaço, visando garantir a adequação dos meios de exploração dos recursos ambientais às especificidades

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO OHSAS 18001 SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO IMPORTANTE: A BSI-OHSAS 18001 não é uma Norma Britânica. A BSI-OHSAS 18001 será cancelada quando da inclusão do seu conteúdo

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

9001:2000 - EPS - UFSC)

9001:2000 - EPS - UFSC) Implantação de um sistema de gestão da qualidade conforme a norma ISO 9001:2000 numa pequena empresa de base tecnológica, estudo de caso: Solar Instrumentação, Monitoração e Controle Ltda. Gustavo Slongo

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012 Atuação Responsável anos 1992-2012 Programa Atuação Responsável 20 anos do Atuação Responsável no Brasil Requisitos do Sistema de Gestão Associação Brasileira da Indústria Química Associação Brasileira

Leia mais

Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR - CDTN

Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR - CDTN Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR - CDTN PUBLICAÇÃO CDTN 931 Sistema de Gestão Ambiental SGA de acordo com as Normas NBR ISO 14001 e 14004, da

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO MODELO INTEGRADO DE GESTÃO - UM ESTUDO DE CASO

APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO MODELO INTEGRADO DE GESTÃO - UM ESTUDO DE CASO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO

Leia mais

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países)

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países) A SÉRIE ISO 14.000 A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE NORMALIZAÇÃO (ISO) ISO => Internacional Organization for Standardization Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça),

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das futuras gerações satisfazerem suas próprias

Leia mais

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

Programas de Certificação Ambiental. Sistemas de gestão ambiental (SGA).

Programas de Certificação Ambiental. Sistemas de gestão ambiental (SGA). Programas de Certificação Ambiental. Sistemas de gestão ambiental (SGA). Programas de Certificação Ambiental HOJE EM DIA as empresas estão VIVNCIANDO um ambiente de incertezas e sofrem pressões constantes

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação.

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação. ISO 9001 A ISO 9001 é um Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) standard que exige que uma dada organização satisfaça as suas próprias exigências e as dos seus clientes e reguladores. Baseia-se numa metodologia

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Conselho Técnico da ABNT; Superintendente, ABNT/CB 38 Vice Presidente do ISO/TC 207 (Normas ISO 14000) Presidente, Conselho Empresarial de Meio Ambiente

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição Ambiental

Leia mais

GEOGRAFIA, MEIO AMBIENTE E CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Henrique Elias Pessoa Gutierres

GEOGRAFIA, MEIO AMBIENTE E CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Henrique Elias Pessoa Gutierres GEOGRAFIA, MEIO AMBIENTE E CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Henrique Elias Pessoa Gutierres Nas últimas décadas, o mundo tem testemunhado o desenvolvimento da consciência ambiental em diferentes setores da sociedade,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos. Sociedade dos Engenheiros e Arquitetos do Estado do RJ 27/11/2015

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos. Sociedade dos Engenheiros e Arquitetos do Estado do RJ 27/11/2015 Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Conselho Técnico da ABNT; Superintendente, ABNT/CB 38 Vice Presidente do ISO/TC 207 (Normas ISO 14000) Presidente, Conselho Empresarial de Meio Ambiente

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES M. H. M. Nunes(*), L. M. Castro * Mineração de Alumínio da Votorantim Metais, maura.nunes@vmetais.com.br. RESUMO

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 1 REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 2 1. CARACTERIZAÇÃO DO SETOR 1.1. Definição do Gerenciamento A definição do gerenciamento pode ser dada sob diversos enfoques, dentre os quais destacamos o texto escrito por

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental Cronograma finalização da disciplina GA I Instrumentos de Gestão Ambiental São ferramentas que auxiliam o gestor no seu plano de gestão ambiental Política e Legislação Ambiental Licenciamento Ambiental

Leia mais

A nova ABNT NBR ISO 14001:2004 mudanças e implicações

A nova ABNT NBR ISO 14001:2004 mudanças e implicações A nova ABNT NBR ISO 14001:2004 mudanças e implicações Handson Cláudio Dias Pimenta (UFRN) handsonpimenta@hotmail.com Reidson Pereira Gouvinhas (UFRN) reodspn@ct.ufrn.br Resumo O presente trabalho versa

Leia mais

XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF

XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF Sistema de Gestão Ambiental na Estação Antártica Comandante Ferraz SGA/EACF

Leia mais

NBR ISO 14001 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL - ESPECIFICAÇÀO E DIRETRIZES PARA USO

NBR ISO 14001 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL - ESPECIFICAÇÀO E DIRETRIZES PARA USO Sumário NBR ISO 14001 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL ESPECIFICAÇÀO E DIRETRIZES PARA USO 1 Objetivos e campo de aplicação 2 Referências normativas 3 Definições 4 Requisitos do sistema de gestão ambiental

Leia mais

Programa de Rotulagem de Sustentabilidade Selo SustentaX para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré-Ocupação

Programa de Rotulagem de Sustentabilidade Selo SustentaX para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré-Ocupação para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré- Revisão de 11/05/21 2ª. Revisão 31/05/21 Revisão Técnica Nome: Eng. Alexandre Schinazi Cargo: Engenheiro CREA: 246223 Assinatura: Data: Aprovação

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Outubro/2007 PRODIR GESTÃO DA QUALIDADE NO PROCESSO DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS Engº. Fernandes J. dos Santos outubro/07

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 14001 EM SUA NOVA VERSÃO ESTÁ QUASE PRONTA Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 14000 foram emitidas pela primeira vez

Leia mais

Sistema Gestão Ambiental

Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental - ISO 14001 Agora você vai conhecer o Sistema de Gestão Ambiental da MJRE CONSTRUTORA que está integrado ao SGI, entender os principais problemas ambientais

Leia mais

Gestão de Instalações Desportivas

Gestão de Instalações Desportivas Gestão de Instalações Desportivas Ambiente, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Módulo 10 sessão 3 Gestão de Instalações Desportivas 1.3. Sistemas integrados de qualidade, ambiente e segurança Ambiente,

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001) Prof. Livre Docente Otávio J. Oliveira UNESP CONTEXTUALIZAÇÃO - Diluição

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 2011 WANDERSON S. PARIS INTRODUÇÃO Não se pretende aqui, reproduzir os conteúdos das normas ou esgotar o tema versado por elas. A ideia é apenas

Leia mais

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Qual o significado de ISO? ISO International Organization for Standardization, é uma organização não governamental com sede em Genebra, na Suíça, que foi criada em 1946

Leia mais

ABNT NBR 16001 NORMA BRASILEIRA. Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos. Social responsibility Management system Requirements

ABNT NBR 16001 NORMA BRASILEIRA. Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos. Social responsibility Management system Requirements NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 16001 Primeira edição 30.11.2004 Válida a partir de 30.12.2004 Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos Social responsibility Management system Requirements Palavras-chave:

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Direitos Reservados Monteiro Associados

APRESENTAÇÃO. Direitos Reservados Monteiro Associados APRESENTAÇÃO PROPÓSITO Fazer a DIFERENÇA no DESENVOLVIMENTO saudável e sustentável das PESSOAS e das ORGANIZAÇÕES. VISÃO VISÃO DA EMPRESA TERMOS NOTÓRIO RECONHECIMENTO DA NOSSA COMPETÊNCIA NA GESTÃO DAS

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo CAU/SP Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo Estudo para implantação do SGA, PE e A3P Sistema de Gestão Ambiental do CAU/SP Programa de Ecoeficiência do CAU/SP Agenda Ambiental na Administração

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre VI-093 SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA NAS ÁREAS DE MEIO AMBIENTE, QUALIDADE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL UMA ABORDAGEM PRÁTICA NA INDÚSTRIA PETROFLEX-CABO/PE Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS Valdir Frigo Denardin * Glaucia Vinter ** Resumo A preocupação

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS Valdir Frigo Denardin * Glaucia Vinter ** Resumo A preocupação

Leia mais

Certificação e Auditoria Ambiental

Certificação e Auditoria Ambiental Certificação e Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental - 1 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental A auditoria ambiental consiste em processo sistemático de inspeção, análise e avaliação das condições

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NORMAS ISO 14000 CONCEITOS A preocupação com a estabilidade das linhas tênues de amarração dos ecossistemas conduz os estudiosos a analisar os fatores que podem gerar a ruptura desses sistemas. GESTORES

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

3. O Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética

3. O Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética A implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade segundo a norma NBR ISO/IEC 17025 no Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética da Universidade Federal de Santa Catarina. Eduardo

Leia mais

Questões jurídicas e de riscos referentes aos processos de licenciamento e operação de Shoppings Centers

Questões jurídicas e de riscos referentes aos processos de licenciamento e operação de Shoppings Centers Associação Brasileira de Lojistas de Shoppings ALSHOP Questões jurídicas e de riscos referentes aos processos de licenciamento e operação de Shoppings Centers São Paulo, 26 de julho de 2012 Marcelo Drügg

Leia mais