Da teoria à terapia: o jeito de ser da gestalt

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Da teoria à terapia: o jeito de ser da gestalt"

Transcrição

1 REFLEXÃO / REFLECTION / REFLECIONE Da teoria à terapia: o jeito de ser da gestalt From the theory to the therapy: the way of being of gestalt De la teoría a terapia: la manera de dar de la gestalt RESUMO Francisco Alberto de Brito Monteiro Júnior Psicólogo. Especialista em Psicologia da Educação. Aluno do Curso de Comunicação Jornalismo da UFPI. Trata-se de uma reflexão teórica acerca da evolução do conceito de Gestalt, palavra de origem alemã, passando pela Psicologia da Gestalt, até sua aplicabilidade prática dentro do processo terapêutico, quando vem a ser chamada de Gestalt-terapia. Partindo da perspectiva do todo gestáltico, o sujeito é visto em seu aspecto mais dinâmico e completo, sendo parte integrante e inalienável do universo que o rodeia. Universo esse holístico, onde todas as coisas estão interconectadas entre si de modo indissociável. O gestalt-terapeuta é aquele que enxerga além do outro para que esse outro enxergue além dele próprio, quebrando seus bloqueios de contato e proporcionando-lhe um encontro pleno para consigo e com o mundo. Para tal, o gestalt-terapeuta precisa entrelaçar-se com a teoria, fazer dela uma arte vivencial, confundir-se com ela e permitir que seja transformadora tanto para si quanto para o cliente. Descritores: Gestalt. Psicologia. Terapia. ABSTRACT It is treated of a theoretical reflection about the evolution of the concept of Gestalt, word of German origin, going by the Psychology of Gestalt, until your practical applicability inside of the therapeutic process, when it comes to be called Gestalt-therapy. Leaving of the perspective of the gestaltic whole, the subject is seen in your more dynamic and complete aspect, being integral and inalienable part of the universe that surrounds him. Universe that holistic, where all the things are interconnected to each other inseparably. The gestalt-therapist is that that sees besides the other for that another to see besides him own, breaking the contact blockades of him and providing him a full encounter for I get and with the world. For such, the gestalt-therapist needs to interlace with the theory, to do a living art of it, to get confused with it and to allow that is so much changed for itself as for the client. Descriptors: Gestalt, Psychology, T herapy. RESUMEN Submissão: 30/10/2009 Aprovação: 30/11/2009 Se trata de una reflexión teórica sobre la evolución del concepto de Gestalt, palabra de origen alemán, pasando por la Psicología de la Gestalt, hasta su aplicabilidad práctica dentro del proceso terapeutico, cuando viene a ser llamada de Gestalt-terapia. Partiendo de la perspectiva del todo gestáltico, el sujeto es visto en su aspecto más dinámico y completo, siendo parte integrante e inalienable del universo que está a su alrededor. Universo ese holístico, donde todas las cosas están interconectadas entre si de modo indisociable. El gestalt-terapeuta es aquél que ve además de otro para que ese otro vea además de él própio, quebrando sus bloqueos de contacto y proporcionándole un encuentro pleno para consigo y con el mundo. Para tal, el gestalt-terapeuta necesita enlazarse con la teoría, hacer de ella un arte vivencial, confundirse con ella y permitir que sea transformadora tanto para si cuanto para el cliente. Descriptores: Gestalt. Psicología. Terapia. 49

2 1 INTRODUÇÃO Segundo William Shakespeare ( ), Você faz suas escolhas e suas escolhas fazem você. Essa frase de gênio, de alguém que não era psicólogo, mas que entendia, ou pelos menos tentava compreender, a complexidade da existência e, sobretudo, do ser humano, parece refletir a experiência-vivência de ser um gestalt-terapeuta. O indivíduo escolhe a Gestalt-terapia e a Gestalt-terapia escolhe o indivíduo. A Gestalt-terapia trabalha os sentimentos do outro, a fim de que esse outro cumpra sua missão, perceba-se vivo e dinâmico e, sobretudo, cheio de infinitas possibilidades. O gestalt-terapeuta assume, portanto, função de catalisador da auto-percepção de si mesmo e do mundo, popularmente conhecida como awareness, a redescoberta de que ainda se está vivo e pronto para fechar velhas portas, atravessar novas janelas e fazer outros contatos plenos, necessitando, o gestalt-terapeuta, sentir realmente a interconexão de todas as coisas e ser um ser-no-mundo, tendo também consciência de sua própria consciência e do seu importantíssimo papel nessa redescoberta do outro. No dizer do personagem Melquíades, no livro Cem anos de solidão, as coisas (todas) têm vida própria. Tudo é uma questão de despertar a sua alma (MÁRQUEZ, 2009). Este trabalho tem, pois, como objetivo fazer uma reflexão acerca de como a Gestalt passou de um conceito, a princípio abstrato, para se tornar uma psicoterapia de fato, hoje absolutamente difundida dentro da Psicologia e com métodos eficazes de ajuda terapêutica, pondo o cliente em contato tanto consigo mesmo quanto com o outro, ampliando seu campo perceptivo. Do lado do terapeuta, a Gestalt-terapia implica toda uma gama de sentimentos e sensações, uma vez que se faz necessário vestir realmente a camisa e vivenciar essa experiência humanista. O máximo que pode acontecer é todos saírem transformados ao final, na grande maioria das vezes para melhor terapeuta e cliente. 2 DA PSICOLOGIA DA GESTALT À GESTALT-TERAPIA Gestalt é uma palavra alemã que não possui tradução exata para o português ou para qualquer outra língua, mas que, segundo Braghirolli et al (1997), significa, aproximadamente, o todo, a estrutura, a forma, a organização. Engelmann (2002) credita isso ao fato de desde o século XIX o substantivo alemão Gestalt possuir dois significados: um como forma e outro como entidade concreta. Este último foi utilizado pelos gestaltistas de Berlim; por isso não se encontra a palavra em outras línguas, de modo que quando escreviam em outro idioma decidiam mantê-la no original. Mais do que Gestalt, Ginger e Ginger (1995) colocam que o correto mesmo seria dizer Gestaltung, pois indica ação prevista, acabada ou ainda em curso, implicando assim um processo de formação. Durante o século XIX e início do século XX, a Psicologia havia se consolidado como um ramo da Biologia, e limitava-se a estudar o comportamento do cérebro do homem. Época em que os estudos sobre a percepção humana da forma tinham em comum a análise atomista, procuravam o conjunto a partir de seus elementos. Sob esse ponto de vista, o homem tenderia somente a perceber uma imagem por meio de suas partes componentes, compreendendo-as por associações de experiências passadas. Em oposição direta a isto, ainda no início do século XX, surgiu a Teoria da Gestalt, ou configuração, com as idéias de psicólogos alemães e austríacos, como Christian von Ehrenfels ( ), Wolfgang Köhler ( ) e Kurt Koffka ( ), juntamente com Max Wertheimer ( ), inicialmente voltada apenas para o estudo da psicologia e dos fenômenos psíquicos. A Gestalt, entretanto, acabou ampliando seu campo de aplicação e tornou-se uma verdadeira corrente de pensamento filosófico. Segundo Schultz e Schultz (2001), o foco primordial da rebelião gestaltista foi o aspecto da obra de Wilhelm Wundt acerca do seu atomismo ou elementarismo, o pressuposto wundtiano da condição fundamental dos elementos sensoriais. A Teoria da Gestalt ou psicologia da Gestalt, afirma, entre outras coisas que não se pode ter conhecimento do todo por meio das partes, e sim das partes por meio do todo; os conjuntos possuem leis próprias e que são regidas por seus elementos (e não o contrário, como antes se pensava); e só por intermédio da percepção da totalidade é que o cérebro pode de fato perceber, decodificar e assimilar uma imagem ou um conceito. Schultz e Schultz (2001) citam duas grandes influências para essa noção gestaltista da percepção: o filósofo alemão Immanuel Kant ( ), com a sua ênfase na unidade de um ato perceptivo, e o movimento fenomenológico, quando refere à descrição imparcial da experiência imediata tal como ela ocorre. Ginger e Ginger (1995) conceituam Gestalt como a psicologia segundo a qual o campo receptivo se organiza de maneira espontânea, sob a forma de conjuntos estruturados e significantes. Não se pode reduzir a percepção de uma totalidade à soma dos estímulos percebidos, uma vez que o todo é diferente de suas partes. Máxima essa atribuída aos gestaltistas que Engelmann (2002), por outro lado, considera errada, afirmando que a psicologia da Gestalt é anterior à existência das partes, pois a Gestalt de início vai ser dividida em partes. De acordo com Rodrigues (2006), a psicologia da Gestalt foi um campo estritamente experimental, que se ocupou em trazer questionamentos que foram contrários à visão mecanicista (causa-efeito) e à atomística (que tem o átomo como a menor parte ou elemento constitutivo das coisas). Psicologia da Gestalt e Gestalt-terapia são, portanto, campos de atuação diferentes e preocupações distintas. Enquanto a psicologia da Gestalt foi um campo de pesquisa que trouxe novas perspectivas para entender a maneira com a qual o homem se relaciona com o mundo, a Gestalt-terapia se preocupa com o campo clínico, com as técnicas de trabalho e estudos que visam dar ao homem as condições necessárias para seu próprio crescimento. Fritz Perls ( ) é tido como o criador da Gestalt-terapia, que além de ser uma psicoterapia é também compreendida como uma autêntica filosofia existencial, uma arte de viver. Essa forma particular de conceber as relações do indivíduo com o mundo enfatiza a tomada de consciência da experiência atual ( o aqui e o agora, que inclui o ressurgimento eventual de uma vivência antiga) e reabilita a percepção emocional e corporal, pondo em destaque os processos de bloqueio, quando desmascara evitações, medos e inibições, assim como as ilusões, deixando claro que cada um é responsável por suas escolhas e suas evitações (GIN- GER; GINGER, 1995). A princípio, de acordo com Ginger e Ginger (1995), Perls, no ano do batismo oficial da nova terapia, 1951, nomeara seu método terapêutico de terapia da concentração, em oposição ao método psicanalítico da livre associação. Entretanto, essa concentração do cliente no presente, na experiência vivida no aqui e agora, à época já não passava de um mero aspecto técnico, levando Perls a sugerir Gestalt-terapia, um nome mais global para o novo método. Apesar dos protestos dos pesquisadores gestaltistas, que acreditavam que o método de Perls não se encaixava na Teoria da Gestalt, o termo prevaleceu e se impôs em todo o mundo. Para Perls, Hefferline e Goodman (1997), a Gestalt-terapia se ali- 50

3 menta da noção da psicologia da gestalt clássica. Advém, portanto, de um conjunto de dados sem fim e rudimentar que é apresentado pelo ambiente e organizado e moldado pelo sujeito da percepção em todos que possuem forma e estrutura. Todos que são subjetivamente estruturados, e não os dados brutos incognoscíveis componentes da experiência de uma pessoa. De acordo com Braghirolli et al (1997), os gestaltistas ilustram essa noção de todo mostrando que uma melodia, por exemplo, não pode ser decomposta em suas notas musicais componentes sem que perca a estrutura que a identifica e, inversamente, se constituirá na mesma melodia tocada com outras notas (por exemplo, com uma mudança de escala). Dessa perspectiva do todo, atribui-se à Gestalt um conceito holístico, no qual tudo está interconectado entre si, como fazendo parte, em essência, da mesma coisa, do mesmo todo que move o Universo. Quem pontua essa questão muito bem é Ginger e Ginger (1995, p. 84): A visão holística da Gestalt se insere, é evidente, nessa percepção do mundo que poderíamos qualificar de taoísta em que nunca interessa ao terapeuta um sinal isolado, um gesto ou uma palavra, até um comportamento complexo mais elaborado, mas antes a interconexão permanente do indivíduo global com seu meio geral, social e cósmico, o todo num fluxo incessante que só podemos apreender por uma vigilância constante, no aqui e agora, com seu cortejo ininterrupto de Gestalts que se formam, se realizam e se dissolvem num processo em perpétua turbulência. Dentro desse fluxo contínuo, a experiência do self (eu) varia de tamanho e finalidade dependendo do que esteja acontecendo. Pode, por exemplo, diminuir, ficar ínfimo, quando se perde na contemplação de uma obra de arte ou se estar embriagado de amor, ou expandir, tomar toda a figura do awareness (consciência da consciência), quando se sente dor, no caso o self se torna a dor (PERLS et al, 1997). Pode-se compreender a partir desse contexto um outro conceito importante em Gestalt: figura/fundo. De maneira simples, como abordam Schultz e Schultz (2001), a figura seria o objeto observado para o qual temos uma tendência em organizar a percepção, enquanto o fundo seria o segundo plano sobre o qual a figura se destaca. Para Perls et al (1997), o processo de formação de figura/fundo é dinâmico no qual as urgências e recursos do campo progressivamente emprestam suas forças ao interesse, brilho e potência dominante. Já Ponciano (1997), diz que a função do self é se colocar como figura e/ou fundo nas relações exteriores. A Gestalt-terapia como conhecemos atualmente possui diversas influências, desde a psicologia da Gestalt à filosofia existencial, passando pela psicanálise de Freud (reformulando as teorias dos mecanismos de defesa e trabalho com os sonhos), a teoria de campo de Kurt Lewin, as religiões orientais (como o Zen Budismo), a fenomenologia, e outras. De acordo com Ginger e Ginger (1995), da fenomenologia a Gestalt-terapia reteve alguns aspectos. Entre os quais, podemos citar a importância maior em descrever do que explicar (o como precede o porquê) e a vivência imediata tal como é percebida ou sentida corporalmente. Outro aspecto refere-se ao aqui e agora, o que conduz à importância de uma tomada de consciência do corpo e do tempo vivido, como experiência única de cada ser humano. Do existencialismo, ela absorveu o primado da vivência concreta em relação aos princípios abstratos, a singularidade de cada existência humana e a noção de responsabilidade de cada pessoa que participa ativamente da construção de seu projeto existencial e confere um sentido original ao que ocorre e ao mundo que a rodeia, construindo assim sua liberdade. Da psicologia da gestalt apresentada por Wertheimer, Kohler e Koffka, a Gestalt-terapia herdou alguns princípios gestataltistas da organização da percepção. Schultz e Schultz (2001) falam que esses princípios são essencialmente leis ou regras a partir das quais organizamos o nosso mundo perceptivo. Essa organização acontece de forma espontânea e instantânea sempre que se vê ou se ouve diferentes formas ou padrões; assim partes do campo se combinam e se unem para formar estruturas que são distintas do fundo. Uma influência importante para a Gestalt-terapia foi a teoria do campo de Kurt Lewin ( ). Este, de acordo com Ginger e Ginger (1995), extrapolou os princípios da teoria da Gestalt para uma teoria geral do campo psíquico, estudando a interdependência entre a pessoa e seu meio social, o que proporcionou a criação da dinâmica de grupos. Ponciano (1999) coloca que o pressuposto básico metodológico da teoria de campo é a relação pessoa/campo (ambiente), e que é a partir da noção de campo (pessoa/meio) que se pensa a questão da energia como força transformadora, por meio da emoção e das relações pessoa-mundo. O campo é a totalidade dos fatos co-existentes em dado momento e concebido em termos de mútua interdependência. Sua significação depende da percepção de correlação entre sujeito e objeto. O comportamento é determinado por forças subjacentes no campo, que deve ser compreendido partindo de descrições psicológicas e não somente de forças físicas ou fisiológicas. Pode-se perceber a tendência de a teoria de campo formar um conjunto de informações e postulados que aponta, em sua totalidade, para um novo modelo, um novo paradigma de se entender a pessoa humana de maneira inteira e integradora (PONCIANO, 1999). Abordando a fronteira de contato, margem flutuante onde ego e outro se encontram e algo acontece, Perls et al (1997) fala que é, precisamente, nesse local de encontros entre self e outro e de afastamento para ambos que a psicologia pode explicar melhor a responsabilidade que as pessoas têm em moldar sua própria experiência. Ademais, é na fronteira de contato que ocorre o crescimento, pois é onde a necessidade emergente de uma pessoa e o que está disponível no ambiente para satisfazê- -la se juntam ou se digladiam, dependendo se o encontro for amigável ou não-amigável. Esse ciclo de satisfação de necessidades também pode ser chamado de ciclo de auto-regulação organísmica, ciclo de experiência ou, como é popularmente conhecido, ciclo do contato. Em sua obra O Ciclo do Contato, Ponciano (1997) define contato como sendo sinônimo de encontro pleno, de mudança, de vida. Contato possui um significado especial para o gestalt-terapeuta, uma vez que a Gestalt está centrada no conceito de contato e na natureza das relações de contato da pessoa consigo e com o mundo exterior. O contato é, portanto, a matéria-prima da relação psicoterapêutica e define a qualidade do processo. Tudo na natureza é contato e sem contato tudo perde o sentido. O universo do contato é o da totalidade, por isso é que a psicoterapia, como função do contato, ocorre somente quando se faz a totalidade. Nesse sentido, totalidade, consciência e contato formam o tripé da mudança. Trata-se de uma força mobilizadora, síntese harmoniosa das diferenças, fruto da relação de diferença eu-mundo e eu-no-mundo. O contato pleno acontece quando as funções sensitivas, motoras e cognitivas se unem, num dinâmico movimento dentro-fora-dentro, para, por meio de uma consciência emocionada, proporcionar no sujeito bem-estar, uma escolha, uma opção real por si mesmo (PONCIANO, 1997). 3 APLICANDO A GESTALT-TERAPIA Como terapia, a Gestalt permite ao terapeuta lançar mão de alguns conceitos e técnicas no processo de ajuda ao cliente. Estando a Gestalt 51

4 centrada no conceito de contato, fala-se muito em fechar gestalt, quando o processo foi adiante e não ficou nada em aberto. Quando fica, quando as gestalts não se fecham, é porque ocorreu um bloqueio em uma das fases do ciclo, como postula Ponciano (1997). Dentre os bloqueios de contato, pode-se destacar: fixação, o processo pelo qual o sujeito se apega excessivamente a pessoas, idéias ou coisas, e temendo surpresas diante do novo e da realidade, sente-se incapaz de explorar situações que flutuam rapidamente, permanecendo fixado em coisas e emoções medo de correr riscos; introjeção, que é o processo através do qual o sujeito obedece e aceita opiniões arbitrárias, normas e valores que pertencem aos outros, engolindo coisas dos outros sem querer, e sem conseguir defender seus direitos por medo da sua própria agressividade e da dos outros gosta de ser mimado; e projeção, processo pelo qual o sujeito possui dificuldade de identificar o que é seu, atribuindo ao outro, ao mau tempo, coisas de que não gosta em si próprio, bem como a responsabilidade pelos seus fracassos. Desconfia de todo mundo como prováveis inimigos gosta que os outros façam as coisas no seu lugar. Em contraposição aos bloqueios de contato, temos os fatores de cura, que estão sempre atrelados aos primeiros, destacando-se: fluidez, processo pelo qual o sujeito se movimenta, localiza-se no tempo e no espaço, deixando posições antigas e renovando-se, mais solto e espontâneo e com vontade de criar e recriar a própria vida; consciência: processo pelo qual se dá conta de si mesmo de maneira mais clara e reflexiva, está mais atento ao que ocorre à sua volta, percebe-se relacionando com mais reciprocidade com as pessoas e coisas; e mobilização, processo pelo qual sente necessidade de se mudar, de exigir seus direitos, de separar suas coisas das dos outros, de sair da rotina, de expressar seus sentimentos exatamente como sente e de não ter medo de ser diferente. Ponciano (1997) postula que a idéia do ciclo como processo terapêutico passa pela compreensão de que o processo da saúde ou da cura possui uma lógica, uma seqüência na qual uma coisa depende da outra e onde tudo afeta tudo. Entretanto, nenhuma pessoa está em um único ponto no Ciclo do Contato, e sim em vários, seja na direção da cura, seja na direção dos bloqueios, mesmo porque cada ponto do ciclo contém todos os outros. Por outro lado, a pessoa geralmente está mais em um ponto do que em outro, por isso se pode dizer que alguém é mais tipicamente um introjetor, um confluente e assim por diante. Em relação às técnicas utilizadas pela Gestalt, Ginger e Ginger (1995) colocam que elas só têm sentido em seu contexto global, isto é, integradas em um método coerente e praticadas de acordo com uma filosofia geral. Assim, o essencial da Gestalt não está em suas técnicas, e sim no espírito geral do qual ela procede e que as justifica. Ginger e Ginger (1995) citam também algumas das técnicas que a Gestalt usa, como, por exemplo, o exercício de awareness, que se trata de estar atento ao fluxo constante das sensações físicas (exteroceptivas e proprioceptivas), dos sentimentos, de tomar consciência da sucessão ininterrupta de figuras que aparecem no primeiro plano, sobre o fundo formado pelo conjunto da situação que se vive e do sujeito que se é, no plano corporal, emocional, imaginário, racional ou comportamental. Tem- -se, também, o hot seat (cadeira quente), uma das técnicas mais utilizadas pelos gestalt-terapeutas. Coloca-se o cliente diante de uma cadeira vazia, na qual, conforme sua vontade, ele pode projetar um personagem imaginário com o qual deseja se relacionar. Esta é uma oportunidade do cliente expressar o que está preso em sua garganta. Depois, ele se coloca no lugar desse personagem imaginário e elabora uma resposta para si mesmo. Geralmente, obtém uma nova dimensão para a sua angústia. Uma outra técnica, o monodrama se trata de uma variação do psicodrama, em que o próprio protagonista desempenha, de maneira alternada, os diferentes papéis da situação por ele evocada (ele mesmo, a esposa, os filhos, o chefe). Troca sempre de lugar quando for mudar de papel para que a situação fique clara. Essa técnica facilita a encenação do próprio sentimento, à medida que este emerge da situação, sem interferência eventual na problemática pessoal de um parceiro anterior, que pode não estar na mesma sintonia, como ocorre no psicodrama. Por fim, a amplificação, que torna mais explícito o que está implícito, projetando na cena exterior aquilo o que acontece na cena interior. Permite, assim, que todos adquiram mais consciência do modo como se comportam aqui e agora, na fronteira do contato com o meio. Além das citadas, existem diversas outras técnicas e maneiras de se trabalhar em Gestalt-terapia. Isso dependerá do estilo pessoal de cada terapeuta, de seu modo de ser, uma vez que ser gestalt-terapeuta está intimamente associado à própria vivência do terapeuta como humanista, ao modo de perceber o mundo e a si mesmo. No entender de Erthal (2004), o principal instrumento de trabalho do psicólogo é ele próprio. Ela defende uma compreensão fenomenológica do cliente, apoiada na descrição que ele traz para dentro do consultório, na vivência dele de sua própria situação. Cabe ao terapeuta a função de receptor sem valores morais (ou seja, neutralidade absoluta), considerando o contexto, a díade e o sentido certo da comunicação desse cliente. A interação profissional-cliente nunca pode ser considerada unilateral, uma vez que existe um impacto que cada parte da díade estabelece na relação. É pela fala e pela linguagem que as pessoas comunicam seus sentimentos, pensamentos e intenções. Mas, apesar dessa função social, há ainda a função egocêntrica, na qual não existe preocupação em saber com que se está falando. Trata-se de um falar para si mesmo, o que expressa uma forma alienada e onipotente. Toda linguagem é uma forma de comportamento interpessoal. A personalidade do falante está incluída no comunicado pela própria forma sutil ou discreta como se expressa. Não se pode não comunicar (no sentido de que não é possível conceber a não-expressão), pois o silêncio, a forte introspecção, já é em si uma comunicação. O trabalho do terapeuta é, praticamente, seguir as falas de seu cliente, mescladas pela criteriosa escolha de cada intervenção feita (ERTHAL, 2004). Erthal (2004) articula dez tipos de intervenções para que o terapeuta baseie cada vivência, cada momento entre ele e o cliente, e assim conduza a sessão sempre se apoiando na verdade do seu cliente, naquilo o que ele está, de uma forma ou de outra, trazendo para o âmbito do consultório e para a realidade da terapia. Dentre as intervenções, pode-se destacar: a refletora de vivências emocionais (interpretação vivencial), na qual o terapeuta transcende o conteúdo verbal daquilo que é expresso pelo cliente a fim de obter uma compreensão do sentimento contido nas formulações e assim expressar esse sentimento de maneira correta; a inquisitiva, talvez uma das mais usadas, na qual a intenção do terapeuta é obter dados maiores sobre um determinado assunto, estimulando o cliente a continuar falando, com especificação do foco de atenção. As perguntas podem facilitar o campo perceptual do cliente, transmitir o interesse do terapeuta em pesquisar com mais profundidade o assunto, no entanto é preciso cuidado para não usar em demasia e banalizar a intervenção. O psicólogo iniciante geralmente fica ansioso e conduz a entrevista com um bombardeamento de perguntas que facilitam a sua atuação, bloqueando o fluxo espontâneo da comunicação do cliente, que por sua vez termina se 52

5 acostumando a ser indagado e apenas espera pela próxima pergunta; e o confronto, cujo objetivo é mostrar as contradições que o cliente apresenta, a fim de possibilitar maneiras novas de se perceber. As respostas de conteúdo não-verbal facilitam esse confronto ao apontar para as discrepâncias, como, por exemplo, o cliente relatar algum acontecimento triste só que com uma expressão de felicidade. Isso demonstra uma incongruência que pode ser a indicação de alguma coisa com o poder de acarretar efeitos de significativa mudança no jeito em que a pessoa vê a si mesma e sente a si mesma na frente do outro. É fácil, por fim, obter a percepção de que a Gestal-terapia se apóia na relação terapeuta-cliente, dentro de uma visão holística e, sobretudo, humanista, para alcançar o resultado a que se propõe um resgate da harmonia e do bom funcionamento do organismo, em todos os aspectos (físicos, psicológicos) que o circundam. Segundo Cardella (1994), para que a relação tenha realmente natureza terapêutica, deve ocorrer o fenômeno do amor, concebido pela autora como um estado e um modo de ser caracterizados pela integração e diferenciação de um indivíduo, que lhe permite ver, aceitar e encontrar o outro como único, singular e semelhante na condição de humano. O amor é a polaridade oposta do egocentrismo e do sofrimento emocional, o amor é de natureza incondicional, o que implica a capacidade de amar o diferente e não apenas o semelhante, e, quando recíproco na relação, proporciona aos indivíduos um sentimento mútuo (do latim muto, que significa mudar) de plenitude. Além de tornar possível o verdadeiro Encontro, proporciona também um sentimento de transcendência de si mesmo e de harmonia com a humanidade e a existência. Envolve fatores como maturidade emocional, responsabilidade e posse da própria vida, auto-sustentação e independência em relação aos outros. Nas palavras românticas do grande poeta Dante Alighieri ( ): O amor me move: só por ele eu falo. Refletindo sobre o amor terapêutico, Cardella (1994) acredita que na relação terapeuta-cliente o amor pode acontecer e se manifesta sob características distintas das demais formas de amar. As atitudes amorosas do terapeuta facilitam o desenvolvimento do potencial de amor do cliente, devendo ser a base para o trabalho psicoterapêutico, juntamente com conhecimentos teóricos, filosóficos e técnicos, sem os quais a relação terapêutica seria, obviamente, descaracterizada. O trabalho terapêutico é, em si, uma prática de amor, pela qual o terapeuta cria condições para que o cliente possa ouvir, ver, compreender, aceitar e amar a si mesmo. Parafraseando seu próprio conceito de amor, Cardella (1994, p. 59) define: O amor terapêutico manifesta-se através de um estado e um modo de ser caracterizados pela integração e diferenciação da personalidade que nos permite ver, aceitar e encontrar o outro (cliente) como um ser único, diferenciado, e semelhante na sua condição de humano. 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS Ser um gestalt-terapeuta é estar em contato pleno com todas as coisas, com todos os pontos infinitos que integram o Universo, seja o físico ou o psicológico. E isso constantemente, pois não existe hora marcada para se ajudar uma pessoa; o gestalt-terapeuta não permanece gestalt-terapeuta somente dentro do consultório, mas, sobretudo, fora dele, quando vai para casa, quando enfrenta a fila do pão, quando está entre amigos, quando também precisa de ajuda. Trata-se da responsabilidade que temos perante nós mesmos e o outro, esse outro que é a essência do gestalt-terapeuta, cuja meta é ajudá- -lo, abraçá-lo, mostrar que ele não está sozinho. O filósofo Platão (428/27 a.c. 347 a.c.) postulou algo inusitado, que nem por isso deixa de ser verdadeiro: O corpo humano é a carruagem, eu, o homem que a conduz, os pensamentos as rédeas, os sentimentos são os cavalos. O gestalt-terapeuta seria aquele que alimentaria os cavalos na noite anterior para que a viagem flua harmoniosa e chegue ao seu destino, a fim de que a carruagem cumpra sua missão existencial e tenha, ela própria, sentido. Para ser gestalt-terapeuta, portanto, é preciso amar incondicionalmente e ver o outro (cliente) como a si próprio, transcender o técnico e o profissional e ser, sobretudo, um artista, já que Perls diz que a Gestalt-terapia é uma arte, uma arte do bem, da paz e da harmonia que precisam ser buscadas dentro de cada um. Não basta apenas ter afinidade e conhecer a teoria, é necessário confundir-se com ela, uma vez que Gestalt-terapia é, acima de tudo, um jeito de ser. REFERÊNCIAS BRAGHIROLLI, E. M. et al. Psicologia geral. 14. ed. Petrópolis (RJ): Vozes, ENGELMANN, A. A psicologia da gestalt e a ciência empírica contemporânea. Teoria. e Pesquisa. 2002, vol.18, no.1, p GINGER, S., GINGER, A. Gestalt: uma terapia do contato. 2. ed. São Paulo (SP): Summus, MÁRQUEZ, G. G.Cem anos de solidão. Editora: Record, SCHULTZ, D. P., SCHULTZ, S. E. História da psicologia moderna. 14. ed. São Paulo (SP): Cutrix, RODRIGUES, H. E. O que é gestalt-terapia? Disponível em <www.geocities.com/hotsprings/resort/2631/>. Acesso em: 10 jan PERLS, F. S., HEFFERLINE, R., GOODMAN, P. Gestalt-terapia. Tradução Fernando Rosa Ribeiro. 2. ed. São Paulo (SP): Summus, RIBEIRO, J. P. O ciclo do contato. 2. ed. São Paulo (SP): Summus, Gestalt-terapia de curta duração. 2. ed. São Paulo (SP): Summus, YONTEF, G. M. Processo, diálogo e awareness. São Paulo (SP): Summus, ERTHAL, T. C. S. Treinamento em psicoterapia vivencial. São Paulo (SP): Livro Pleno, CARDELLA, B. H. P. O amor na relação terapêutica: uma visão gestáltica. 3. ed. São Paulo (SP): Summus,

Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado

Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado distinto por cada pessoa. o conhecimento do mundo se obtém

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO. Surge na Alemanha por entre 1910-1920 KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) MAX WERTHEIMER (1880 1943)

CONTEXTUALIZAÇÃO. Surge na Alemanha por entre 1910-1920 KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) MAX WERTHEIMER (1880 1943) GESTALT CONTEXTUALIZAÇÃO Surge na Alemanha por entre 1910-1920 MAX WERTHEIMER (1880 1943) KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) Eu faço as minhas coisas Você faz as suas. Não estou neste

Leia mais

Teóricos da abordagem fenomenológica. Prof. Roberto Peres Veras

Teóricos da abordagem fenomenológica. Prof. Roberto Peres Veras Teóricos da abordagem fenomenológica Prof. Roberto Peres Veras Psicologia Fenomenológica Técnica Método Teoria Concepção de homem Concepção de mundo Filosofia Fenomenologia - Escola Filosófica Edmund Husserl

Leia mais

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Kelly Gonçalves da Silva gsilva.kelly@gmail.com Instituto de Psicologia 12º período Clara Castilho Barcellos

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma.

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. Gestalt 29 de setembro de 2006 Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. '''ORIGEM DA PSICOLOGIA DA FORMA''' Durante o

Leia mais

Andrea Simone Schaack Berger

Andrea Simone Schaack Berger A Criança e seus Encontros: uma conversa sobre a visão holística na Gestalt-Terapia e sua influência na forma de ver o cliente e o trabalho psicoterápico Andrea Simone Schaack Berger A Gestalt-Terapia

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos.

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos. Psicoterapia comportamental infantil Eliane Belloni 1 A psicoterapia comportamental infantil é uma modalidade de atendimento clínico que visa propiciar mudanças no comportamento da criança a partir de

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Seminário - Gestalt terapia

Seminário - Gestalt terapia Seminário - Gestalt terapia Deivid Gasparin - 1099442473 Laura Savioli - 121354 Michele Shiraishi 57378 VISÃO DE MUNDO E DE HOMEM - Visão de mundo: O conceito de mundo e pessoa funciona como uma gestalt,

Leia mais

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM Faz aquilo em que acreditas e acredita naquilo que fazes. Tudo o resto é perda de energia e de tempo. Nisargadatta Atualmente um dos desafios mais importantes que se

Leia mais

ENFOQUE HOLÍSTICO DA DOENÇA E DA SAÚDE: UMA POSSIBILIDADE DE INTEGRAÇÃO A PARTIR DA ESCUTA DO CORPO

ENFOQUE HOLÍSTICO DA DOENÇA E DA SAÚDE: UMA POSSIBILIDADE DE INTEGRAÇÃO A PARTIR DA ESCUTA DO CORPO ENFOQUE HOLÍSTICO DA DOENÇA E DA SAÚDE: UMA POSSIBILIDADE DE INTEGRAÇÃO A PARTIR DA ESCUTA DO CORPO Prof. Ms. Andrea Simone Schaack Berger * A natureza, por si própria, quando a deixamos operar, tira-se

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

PSICOLOGIA DA FORMA (GESTALT)

PSICOLOGIA DA FORMA (GESTALT) ULT FATI DISCIPLINA: PSICOLOGIA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO PROF. FRACASSO - AULA 29/08/12 ================================================================ MATERIAL DE APOIO FONTE: http://www.igestalt.psc.br/hist.htm

Leia mais

PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude

PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude 1 Dossiê Gilberto C. Cury Presidente da SBPNL - Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística Responsável por trazer a PNL ao Brasil, em 1981 gilberto@pnl.com.br PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude

Leia mais

Transcrição entrevista Vitória Pamplona, psicoterapeuta psicodramatista e coordenadora de grupos de gestantes e casais grávidos Psicologia da UFF

Transcrição entrevista Vitória Pamplona, psicoterapeuta psicodramatista e coordenadora de grupos de gestantes e casais grávidos Psicologia da UFF Transcrição entrevista Vitória Pamplona, psicoterapeuta psicodramatista e coordenadora de grupos de gestantes e casais grávidos Psicologia da UFF Qual a origem do psicodrama? O psicodrama foi criado por

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito

Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito Autor: Regis Mesquita Blog Nascer Várias Vezes - http://www.nascervariasvezes.com/ "Não ser autêntico é uma forma de evitar aquilo

Leia mais

TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL

TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL Christiano de Oliveira Pereira 1 RESUMO O caráter específico de cada indivíduo é resultante de todas as experiências

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil.

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. 1 Autora :Rosângela Azevedo- PIBID, UEPB. E-mail: rosangelauepb@gmail.com ²Orientador: Dr. Valmir pereira. UEPB E-mail: provalmir@mail.com Desde

Leia mais

BASES PSICOLÓGICAS DO PACTO SOCIAL

BASES PSICOLÓGICAS DO PACTO SOCIAL BASES PSICOLÓGICAS DO PACTO SOCIAL GESTALT Max WERTHEIMER (1880 1943) Kurt KOFFKA (1886 1941) Wolfgang KÖHLER (1887 1967) Alemanha, 1912 O TERMO ALEMÃO QUER DIZER FORMA OU CONFIGURAÇÃO. Os gestaltistas

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM CAROLINE SILVA DE OLIVEIRA Discente do Curso de Licenciatura Plena do Curso de Educação Física das Faculdades Integradas

Leia mais

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Aline Trindade A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Introdução Existem várias maneiras e formas de se dizer sobre a felicidade. De quando você nasce até cerca dos dois anos de idade, essa

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO E S C O L A D E A R T E S, C I Ê N C I A S E H U M A N I D A D E

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO E S C O L A D E A R T E S, C I Ê N C I A S E H U M A N I D A D E UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO E S C O L A D E A R T E S, C I Ê N C I A S E H U M A N I D A D E Trabalho proposto pela disciplina de Orientado por Professor Dr. Fernando Coelho Mário Januário Filho 5365372

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

Intervenções terapêuticas

Intervenções terapêuticas Alexa B. Leirner A arte não reproduz o invisível, em vez disso, torna visível. (Paul Klee) 1 Objetivos Conhecer como a Gestalt Terapia aborda a intervenção terapêutica no trabalho com as imagens de arte.

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

Autor: Rabbi Yehuda Ashlag

Autor: Rabbi Yehuda Ashlag Autor: Rabbi Yehuda Ashlag A Kabbalah ensina a correlação entre causa e efeito de nossas fontes espirituais. Estas fontes se interligam de acordo com regras perenes e absolutas objetivando gols maiores

Leia mais

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes:

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes: Teoria Geral de Sistemas Uma introdução As Teorias Clássicas (Administração Científica e Teoria Clássica), a Abordagem Humanística (Teoria das Relações Humanas), a Teoria Estruturalista e a Teoria da Burocracia

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA Rita Bomfati. UNESPAR- FAP ritabomfati1@gmail.com Resumo: A importância da formação musical do musicoterapeuta (conhecimento de ritmos e instrumentos, história da

Leia mais

Núcleo de Materiais Didáticos 1

Núcleo de Materiais Didáticos 1 Modelos de Aprendizagem e Gestão do Conhecimento Aula 4 Prof. MSc. Cícero Caiçara Jr. ccaicara@fatecinternacional.com.br MBA em Gestão de Recursos Humanos Ciclo de Kolb Aprendizagem Vivencial 1984 David

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido

Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido Carla do Eirado Silva carlaeirado@gmail.com 11º período Instituto de Psicologia Cintia Siqueira de Oliveira cintia_imjc@hotmail.com 10º

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

MEDITANDO À LUZ DO PATHWORK. Clarice Nunes

MEDITANDO À LUZ DO PATHWORK. Clarice Nunes PROGRAMA PATHWORK DE TRANSFORMAÇÃO PESSOAL PATHWORK - RIO DE JANEIRO/ESPÍRITO SANTO HELPERSHIP FORMAÇÃO HELPER Coordenadora do PPTP HELPERSHIP MARIA DA GLÓRIA RODRIGUES COSTA MEDITANDO À LUZ DO PATHWORK

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

Resumo. Leonel Fonseca Ivo. 17 de novembro de 2009

Resumo. Leonel Fonseca Ivo. 17 de novembro de 2009 Resumo Leonel Fonseca Ivo 17 de novembro de 2009 1 Teoria de Sistemas A Teoria de Sistemas (TS) é um ramo específico da Teoria Geral de Sistemas (TGS), cujo objetivo é produzir teorias e formulações conceituais

Leia mais

A Teoria de Campo Gestalt

A Teoria de Campo Gestalt A Teoria de Campo Gestalt MARIA APPARECIDA MAMEDE NEVES A Teoria de Campo Gestalt foi inicialmente desenvolvida de modo formal no início da década de 20, pelo filósofo e psicólogo alemão Max Wertheimer

Leia mais

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado A pesquisa e o tema da subjetividade em educação Fernando Luis González Rey 1 A subjetividade representa um macroconceito orientado à compreensão da psique

Leia mais

Metodologia da Catequese com Crianças. Ligia Aparecida de Oliveira

Metodologia da Catequese com Crianças. Ligia Aparecida de Oliveira Metodologia da Catequese com Crianças Ligia Aparecida de Oliveira O que é ser Criança? Watson, Piaget ou Freud? Eis a Questão. John B. Watson, psicólogo americano, é o principal responsável pela teoria

Leia mais

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS.

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS. BARBOSA, S. L; BOTELHO, H. S. Jogos e brincadeiras na educação infantil. 2008. 34 f. Monografia (Graduação em Normal Superior)* - Centro Universitário de Lavras, Lavras, 2008. RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

Coaching e Mentoring

Coaching e Mentoring Coaching e Mentoring Prof. MBA de Gestão Estratégica de Pessoas Mentoring/ Coaching / Counseling Mentoring Coaching Counseling Aconselhamento de Carreira. Realizado em médio e longo prazos. Planejamento

Leia mais

Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente

Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente Aula Expositiva pelo IP.TV Dinâmica Local Interativa Interatividade via IP.TV e Chat público e privado Email e rede

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

VYGOTSKY E O PAPEL DA BRINCADEIRA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL

VYGOTSKY E O PAPEL DA BRINCADEIRA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL VYGOTSKY E O PAPEL DA BRINCADEIRA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL Elisa Nélia da Cunha Brasiliense 1 Resumo: O objetivo deste texto é expor, segundo Vygotsky, a importância das brincadeiras de fazde-conta

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

GABARITO COMENTADO. A resposta correta é a opção 4, conforme consta na tabela das Necessidades Humanas Básicas, à página 65 da apostila.

GABARITO COMENTADO. A resposta correta é a opção 4, conforme consta na tabela das Necessidades Humanas Básicas, à página 65 da apostila. ADMINISTRAÇÃO SEMESTRE ESPECIAL MP2 (reposição) 18/11/2008 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO 2008/2 GABARITO COMENTADO A. Sobre as conclusões e contribuições da experiência de Hawthorne, pode-se afirmar que:

Leia mais

Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO Introdução Nossa inteligência pode ser caracterizada pela nossa capacidade de identificar padrões, e o sistema visual é o nosso

Leia mais

Fundamentos do Comportamento de Grupo

Fundamentos do Comportamento de Grupo Fundamentos do Comportamento de Grupo 1: Motivação no trabalho e suas influências sobre o desempenho: Definir e classificar os grupos; Analisar as dinâmicas presentes nos grupos; Refletir sobre a influência

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

GESTALT // FRANCYMEDIA GESTALT 1. DEFINIÇÃO

GESTALT // FRANCYMEDIA GESTALT 1. DEFINIÇÃO GESTALT 1. DEFINIÇÃO Gestalt, a psicologia da forma. Fundada dentro da filosofia por Max Wertheimmer, Kurt Koffka e Wolfgan Koller, a gestalt traz novas perguntas e respostas para a psicologia. Ela se

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

O BRINCAR E A CLÍNICA

O BRINCAR E A CLÍNICA O BRINCAR E A CLÍNICA Christine Nunes (psicóloga clínica, candidata da SPRJ) RESUMO: O presente trabalho, propõe a uma breve exposição do que pensa Winnicott sobre o brincar e a sessão analítica estendendo

Leia mais

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA 1 A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA Glória Maria Alves Ferreira Cristofolini RESUMO Sala de aula, lugar de construção do saber, de alegrias e sensibilidades. É assim que penso o verdadeiro sentido

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO

ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO Considera-se como fundador da psicologia moderna Wilhelm Wundt, por ter criado, em 1879, o primeiro laboratório de psicologia na universidade de Leipzig, Alemanha. A psicologia

Leia mais

Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon

Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon Soraya Vieira SANTOS; Marília Gouvea de MIRANDA (PPGE/FE/UFG) soraya_vieira@hotmail.com marília.ppge@uol.com.br Palavras-chave: Wallon;

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES.

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. Eder Gomes da Silva 1 Resumo: O presente artigo trazer um estudo teórico buscando adquirir

Leia mais

MOTIVAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES

MOTIVAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES MOTIVAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES 1 Paulo Sertek Mestre em Tecnologia e Desenvolvimento email: psertek@xmail.com.br www.ief.org.br Nas organizações mecanicistas, o homem é visto apenas por fora, em suas ações,

Leia mais

Valores educacionais do Olimpismo

Valores educacionais do Olimpismo Valores educacionais do Olimpismo Aula 3 Busca pela excelência e equilíbrio entre corpo, vontade e mente Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Detalhar o valor busca pela excelência 2 Apresentar estratégias

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL Autor: Adalberto de Carvalho Júnior CPFL Paulista, uma empresa do Grupo CPFL Energia RESUMO A promoção do entendimento do indivíduo com relação a sua

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Caminhando Com as Estrelas

Caminhando Com as Estrelas Caminhando Com as Estrelas Espiritualidade que Liberta Com Alessandra França e Jaqueline Salles Caminhando Com as Estrelas Espiritualidade que Liberta Aula 1 Com Alessandra França Temas: O Reino dos Céus

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

Sem Mais Desculpas Treinamentos E porque? O que é vender no mundo de hoje O que você verá neste curso:

Sem Mais Desculpas Treinamentos E porque? O que é vender no mundo de hoje O que você verá neste curso: A Sem Mais Desculpas Treinamentos defende um conceito chamado Comportamento Comercial. Acreditamos que todas as pessoas, em todas as funções, necessitam ter uma visão e uma atitude comercial daquilo que

Leia mais

O ERRO COMO ELEMENTO PARTICIPATIVO DO PROCESSO DO APRENDER: UM RECORTE DE ESTÁGIO BÁSICO

O ERRO COMO ELEMENTO PARTICIPATIVO DO PROCESSO DO APRENDER: UM RECORTE DE ESTÁGIO BÁSICO O ERRO COMO ELEMENTO PARTICIPATIVO DO PROCESSO DO APRENDER: UM RECORTE DE ESTÁGIO BÁSICO Autora: Maria Carolina Santana de Castro*, *Acadêmica do Curso Bacharelado em Psicologia da Faculdade Santa Maria

Leia mais

Competência individual essencial

Competência individual essencial Competência individual essencial Introdução Objetivo Reflexão e aprofundamento sobre o processo básico da comunicação, a fim de que haja maior exatidão na compreensão do significado daquilo que se quer

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http:// Teoria de Sistemas A Teoria Geral dos Sistemas tem por finalidade identificar as propriedades, princípios e leis

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

Motivação. Robert B. Dilts

Motivação. Robert B. Dilts Motivação Robert B. Dilts A motivação é geralmente definida como a "força, estímulo ou influência" que move uma pessoa ou organismo para agir ou reagir. De acordo com o dicionário Webster, motivação é

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

100 FRASES para um dia mais feliz. de Ana Flávia Miziara

100 FRASES para um dia mais feliz. de Ana Flávia Miziara 100 FRASES para um dia mais feliz de Ana Flávia Miziara Você está alegre? A vida está sorrindo para você? Você se lembrou de sorrir hoje? Lembre-se que a alegria é a fartura da vida e da mente. A vida

Leia mais

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica PRAXIS A palavra práxis é comumente utilizada como sinônimo ou equivalente ao termo prático. Todavia, se recorrermos à acepção marxista de práxis, observaremos que práxis e prática são conceitos diferentes.

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

A experiência emocional atualizadora em Gestaltterapia de curta duração

A experiência emocional atualizadora em Gestaltterapia de curta duração ARTIGOS A experiência emocional atualizadora em Gestaltterapia de curta duração Self-actualization emotional experience in short-term Gestalttherapy Ênio Brito Pinto * Professor Titular do Instituto de

Leia mais

A teoria da Matriz de Identidade e a Teoria dos Papéis. Cybele Ramalho (PROFINT)

A teoria da Matriz de Identidade e a Teoria dos Papéis. Cybele Ramalho (PROFINT) A teoria da Matriz de Identidade e a Teoria dos Papéis Cybele Ramalho (PROFINT) Matriz de Identidade A matriz de identidade é o lugar onde a criança se insere desde o nascimento, relacionando-se com outros

Leia mais

RENASCER PARA O CORPO. VIVER PLENAMENTE.

RENASCER PARA O CORPO. VIVER PLENAMENTE. RENASCER PARA O CORPO. VIVER PLENAMENTE. Elen Patrícia Piccinini Leandro Dierka Patrícia Asinelli Silveira RESUMO Em meio à correria e compromissos do dia a dia é difícil prestar atenção em nosso corpo.

Leia mais

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 1 RELATÓRIO FINAL PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL PANORAMA SOCIAL Viviani Bovo Campinas - Brasil Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 2 Relatório para Certificação

Leia mais

Design Web - Percepção. Elisa Maria Pivetta

Design Web - Percepção. Elisa Maria Pivetta Design Web - Percepção Elisa Maria Pivetta GESTALT Percepção Visual Elisa Maria Pivetta Percepção visual No sentido da psicologia e das ciências cognitivas é uma de várias formas de percepção associadas

Leia mais

UFMG - 2005 4º DIA FILOSOFIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2005 4º DIA FILOSOFIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2005 4º DIA FILOSOFIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Filosofia Questão 01... a filosofia não é a revelação feita ao ignorante por quem sabe tudo, mas o diálogo entre iguais que se fazem cúmplices

Leia mais

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE Inicialmente faz-se necessário entender o que é grupo social, a sua importância e contribuição na vida de uma pessoa, para posteriormente

Leia mais