Da teoria à terapia: o jeito de ser da gestalt

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Da teoria à terapia: o jeito de ser da gestalt"

Transcrição

1 REFLEXÃO / REFLECTION / REFLECIONE Da teoria à terapia: o jeito de ser da gestalt From the theory to the therapy: the way of being of gestalt De la teoría a terapia: la manera de dar de la gestalt RESUMO Francisco Alberto de Brito Monteiro Júnior Psicólogo. Especialista em Psicologia da Educação. Aluno do Curso de Comunicação Jornalismo da UFPI. Trata-se de uma reflexão teórica acerca da evolução do conceito de Gestalt, palavra de origem alemã, passando pela Psicologia da Gestalt, até sua aplicabilidade prática dentro do processo terapêutico, quando vem a ser chamada de Gestalt-terapia. Partindo da perspectiva do todo gestáltico, o sujeito é visto em seu aspecto mais dinâmico e completo, sendo parte integrante e inalienável do universo que o rodeia. Universo esse holístico, onde todas as coisas estão interconectadas entre si de modo indissociável. O gestalt-terapeuta é aquele que enxerga além do outro para que esse outro enxergue além dele próprio, quebrando seus bloqueios de contato e proporcionando-lhe um encontro pleno para consigo e com o mundo. Para tal, o gestalt-terapeuta precisa entrelaçar-se com a teoria, fazer dela uma arte vivencial, confundir-se com ela e permitir que seja transformadora tanto para si quanto para o cliente. Descritores: Gestalt. Psicologia. Terapia. ABSTRACT It is treated of a theoretical reflection about the evolution of the concept of Gestalt, word of German origin, going by the Psychology of Gestalt, until your practical applicability inside of the therapeutic process, when it comes to be called Gestalt-therapy. Leaving of the perspective of the gestaltic whole, the subject is seen in your more dynamic and complete aspect, being integral and inalienable part of the universe that surrounds him. Universe that holistic, where all the things are interconnected to each other inseparably. The gestalt-therapist is that that sees besides the other for that another to see besides him own, breaking the contact blockades of him and providing him a full encounter for I get and with the world. For such, the gestalt-therapist needs to interlace with the theory, to do a living art of it, to get confused with it and to allow that is so much changed for itself as for the client. Descriptors: Gestalt, Psychology, T herapy. RESUMEN Submissão: 30/10/2009 Aprovação: 30/11/2009 Se trata de una reflexión teórica sobre la evolución del concepto de Gestalt, palabra de origen alemán, pasando por la Psicología de la Gestalt, hasta su aplicabilidad práctica dentro del proceso terapeutico, cuando viene a ser llamada de Gestalt-terapia. Partiendo de la perspectiva del todo gestáltico, el sujeto es visto en su aspecto más dinámico y completo, siendo parte integrante e inalienable del universo que está a su alrededor. Universo ese holístico, donde todas las cosas están interconectadas entre si de modo indisociable. El gestalt-terapeuta es aquél que ve además de otro para que ese otro vea además de él própio, quebrando sus bloqueos de contacto y proporcionándole un encuentro pleno para consigo y con el mundo. Para tal, el gestalt-terapeuta necesita enlazarse con la teoría, hacer de ella un arte vivencial, confundirse con ella y permitir que sea transformadora tanto para si cuanto para el cliente. Descriptores: Gestalt. Psicología. Terapia. 49

2 1 INTRODUÇÃO Segundo William Shakespeare ( ), Você faz suas escolhas e suas escolhas fazem você. Essa frase de gênio, de alguém que não era psicólogo, mas que entendia, ou pelos menos tentava compreender, a complexidade da existência e, sobretudo, do ser humano, parece refletir a experiência-vivência de ser um gestalt-terapeuta. O indivíduo escolhe a Gestalt-terapia e a Gestalt-terapia escolhe o indivíduo. A Gestalt-terapia trabalha os sentimentos do outro, a fim de que esse outro cumpra sua missão, perceba-se vivo e dinâmico e, sobretudo, cheio de infinitas possibilidades. O gestalt-terapeuta assume, portanto, função de catalisador da auto-percepção de si mesmo e do mundo, popularmente conhecida como awareness, a redescoberta de que ainda se está vivo e pronto para fechar velhas portas, atravessar novas janelas e fazer outros contatos plenos, necessitando, o gestalt-terapeuta, sentir realmente a interconexão de todas as coisas e ser um ser-no-mundo, tendo também consciência de sua própria consciência e do seu importantíssimo papel nessa redescoberta do outro. No dizer do personagem Melquíades, no livro Cem anos de solidão, as coisas (todas) têm vida própria. Tudo é uma questão de despertar a sua alma (MÁRQUEZ, 2009). Este trabalho tem, pois, como objetivo fazer uma reflexão acerca de como a Gestalt passou de um conceito, a princípio abstrato, para se tornar uma psicoterapia de fato, hoje absolutamente difundida dentro da Psicologia e com métodos eficazes de ajuda terapêutica, pondo o cliente em contato tanto consigo mesmo quanto com o outro, ampliando seu campo perceptivo. Do lado do terapeuta, a Gestalt-terapia implica toda uma gama de sentimentos e sensações, uma vez que se faz necessário vestir realmente a camisa e vivenciar essa experiência humanista. O máximo que pode acontecer é todos saírem transformados ao final, na grande maioria das vezes para melhor terapeuta e cliente. 2 DA PSICOLOGIA DA GESTALT À GESTALT-TERAPIA Gestalt é uma palavra alemã que não possui tradução exata para o português ou para qualquer outra língua, mas que, segundo Braghirolli et al (1997), significa, aproximadamente, o todo, a estrutura, a forma, a organização. Engelmann (2002) credita isso ao fato de desde o século XIX o substantivo alemão Gestalt possuir dois significados: um como forma e outro como entidade concreta. Este último foi utilizado pelos gestaltistas de Berlim; por isso não se encontra a palavra em outras línguas, de modo que quando escreviam em outro idioma decidiam mantê-la no original. Mais do que Gestalt, Ginger e Ginger (1995) colocam que o correto mesmo seria dizer Gestaltung, pois indica ação prevista, acabada ou ainda em curso, implicando assim um processo de formação. Durante o século XIX e início do século XX, a Psicologia havia se consolidado como um ramo da Biologia, e limitava-se a estudar o comportamento do cérebro do homem. Época em que os estudos sobre a percepção humana da forma tinham em comum a análise atomista, procuravam o conjunto a partir de seus elementos. Sob esse ponto de vista, o homem tenderia somente a perceber uma imagem por meio de suas partes componentes, compreendendo-as por associações de experiências passadas. Em oposição direta a isto, ainda no início do século XX, surgiu a Teoria da Gestalt, ou configuração, com as idéias de psicólogos alemães e austríacos, como Christian von Ehrenfels ( ), Wolfgang Köhler ( ) e Kurt Koffka ( ), juntamente com Max Wertheimer ( ), inicialmente voltada apenas para o estudo da psicologia e dos fenômenos psíquicos. A Gestalt, entretanto, acabou ampliando seu campo de aplicação e tornou-se uma verdadeira corrente de pensamento filosófico. Segundo Schultz e Schultz (2001), o foco primordial da rebelião gestaltista foi o aspecto da obra de Wilhelm Wundt acerca do seu atomismo ou elementarismo, o pressuposto wundtiano da condição fundamental dos elementos sensoriais. A Teoria da Gestalt ou psicologia da Gestalt, afirma, entre outras coisas que não se pode ter conhecimento do todo por meio das partes, e sim das partes por meio do todo; os conjuntos possuem leis próprias e que são regidas por seus elementos (e não o contrário, como antes se pensava); e só por intermédio da percepção da totalidade é que o cérebro pode de fato perceber, decodificar e assimilar uma imagem ou um conceito. Schultz e Schultz (2001) citam duas grandes influências para essa noção gestaltista da percepção: o filósofo alemão Immanuel Kant ( ), com a sua ênfase na unidade de um ato perceptivo, e o movimento fenomenológico, quando refere à descrição imparcial da experiência imediata tal como ela ocorre. Ginger e Ginger (1995) conceituam Gestalt como a psicologia segundo a qual o campo receptivo se organiza de maneira espontânea, sob a forma de conjuntos estruturados e significantes. Não se pode reduzir a percepção de uma totalidade à soma dos estímulos percebidos, uma vez que o todo é diferente de suas partes. Máxima essa atribuída aos gestaltistas que Engelmann (2002), por outro lado, considera errada, afirmando que a psicologia da Gestalt é anterior à existência das partes, pois a Gestalt de início vai ser dividida em partes. De acordo com Rodrigues (2006), a psicologia da Gestalt foi um campo estritamente experimental, que se ocupou em trazer questionamentos que foram contrários à visão mecanicista (causa-efeito) e à atomística (que tem o átomo como a menor parte ou elemento constitutivo das coisas). Psicologia da Gestalt e Gestalt-terapia são, portanto, campos de atuação diferentes e preocupações distintas. Enquanto a psicologia da Gestalt foi um campo de pesquisa que trouxe novas perspectivas para entender a maneira com a qual o homem se relaciona com o mundo, a Gestalt-terapia se preocupa com o campo clínico, com as técnicas de trabalho e estudos que visam dar ao homem as condições necessárias para seu próprio crescimento. Fritz Perls ( ) é tido como o criador da Gestalt-terapia, que além de ser uma psicoterapia é também compreendida como uma autêntica filosofia existencial, uma arte de viver. Essa forma particular de conceber as relações do indivíduo com o mundo enfatiza a tomada de consciência da experiência atual ( o aqui e o agora, que inclui o ressurgimento eventual de uma vivência antiga) e reabilita a percepção emocional e corporal, pondo em destaque os processos de bloqueio, quando desmascara evitações, medos e inibições, assim como as ilusões, deixando claro que cada um é responsável por suas escolhas e suas evitações (GIN- GER; GINGER, 1995). A princípio, de acordo com Ginger e Ginger (1995), Perls, no ano do batismo oficial da nova terapia, 1951, nomeara seu método terapêutico de terapia da concentração, em oposição ao método psicanalítico da livre associação. Entretanto, essa concentração do cliente no presente, na experiência vivida no aqui e agora, à época já não passava de um mero aspecto técnico, levando Perls a sugerir Gestalt-terapia, um nome mais global para o novo método. Apesar dos protestos dos pesquisadores gestaltistas, que acreditavam que o método de Perls não se encaixava na Teoria da Gestalt, o termo prevaleceu e se impôs em todo o mundo. Para Perls, Hefferline e Goodman (1997), a Gestalt-terapia se ali- 50

3 menta da noção da psicologia da gestalt clássica. Advém, portanto, de um conjunto de dados sem fim e rudimentar que é apresentado pelo ambiente e organizado e moldado pelo sujeito da percepção em todos que possuem forma e estrutura. Todos que são subjetivamente estruturados, e não os dados brutos incognoscíveis componentes da experiência de uma pessoa. De acordo com Braghirolli et al (1997), os gestaltistas ilustram essa noção de todo mostrando que uma melodia, por exemplo, não pode ser decomposta em suas notas musicais componentes sem que perca a estrutura que a identifica e, inversamente, se constituirá na mesma melodia tocada com outras notas (por exemplo, com uma mudança de escala). Dessa perspectiva do todo, atribui-se à Gestalt um conceito holístico, no qual tudo está interconectado entre si, como fazendo parte, em essência, da mesma coisa, do mesmo todo que move o Universo. Quem pontua essa questão muito bem é Ginger e Ginger (1995, p. 84): A visão holística da Gestalt se insere, é evidente, nessa percepção do mundo que poderíamos qualificar de taoísta em que nunca interessa ao terapeuta um sinal isolado, um gesto ou uma palavra, até um comportamento complexo mais elaborado, mas antes a interconexão permanente do indivíduo global com seu meio geral, social e cósmico, o todo num fluxo incessante que só podemos apreender por uma vigilância constante, no aqui e agora, com seu cortejo ininterrupto de Gestalts que se formam, se realizam e se dissolvem num processo em perpétua turbulência. Dentro desse fluxo contínuo, a experiência do self (eu) varia de tamanho e finalidade dependendo do que esteja acontecendo. Pode, por exemplo, diminuir, ficar ínfimo, quando se perde na contemplação de uma obra de arte ou se estar embriagado de amor, ou expandir, tomar toda a figura do awareness (consciência da consciência), quando se sente dor, no caso o self se torna a dor (PERLS et al, 1997). Pode-se compreender a partir desse contexto um outro conceito importante em Gestalt: figura/fundo. De maneira simples, como abordam Schultz e Schultz (2001), a figura seria o objeto observado para o qual temos uma tendência em organizar a percepção, enquanto o fundo seria o segundo plano sobre o qual a figura se destaca. Para Perls et al (1997), o processo de formação de figura/fundo é dinâmico no qual as urgências e recursos do campo progressivamente emprestam suas forças ao interesse, brilho e potência dominante. Já Ponciano (1997), diz que a função do self é se colocar como figura e/ou fundo nas relações exteriores. A Gestalt-terapia como conhecemos atualmente possui diversas influências, desde a psicologia da Gestalt à filosofia existencial, passando pela psicanálise de Freud (reformulando as teorias dos mecanismos de defesa e trabalho com os sonhos), a teoria de campo de Kurt Lewin, as religiões orientais (como o Zen Budismo), a fenomenologia, e outras. De acordo com Ginger e Ginger (1995), da fenomenologia a Gestalt-terapia reteve alguns aspectos. Entre os quais, podemos citar a importância maior em descrever do que explicar (o como precede o porquê) e a vivência imediata tal como é percebida ou sentida corporalmente. Outro aspecto refere-se ao aqui e agora, o que conduz à importância de uma tomada de consciência do corpo e do tempo vivido, como experiência única de cada ser humano. Do existencialismo, ela absorveu o primado da vivência concreta em relação aos princípios abstratos, a singularidade de cada existência humana e a noção de responsabilidade de cada pessoa que participa ativamente da construção de seu projeto existencial e confere um sentido original ao que ocorre e ao mundo que a rodeia, construindo assim sua liberdade. Da psicologia da gestalt apresentada por Wertheimer, Kohler e Koffka, a Gestalt-terapia herdou alguns princípios gestataltistas da organização da percepção. Schultz e Schultz (2001) falam que esses princípios são essencialmente leis ou regras a partir das quais organizamos o nosso mundo perceptivo. Essa organização acontece de forma espontânea e instantânea sempre que se vê ou se ouve diferentes formas ou padrões; assim partes do campo se combinam e se unem para formar estruturas que são distintas do fundo. Uma influência importante para a Gestalt-terapia foi a teoria do campo de Kurt Lewin ( ). Este, de acordo com Ginger e Ginger (1995), extrapolou os princípios da teoria da Gestalt para uma teoria geral do campo psíquico, estudando a interdependência entre a pessoa e seu meio social, o que proporcionou a criação da dinâmica de grupos. Ponciano (1999) coloca que o pressuposto básico metodológico da teoria de campo é a relação pessoa/campo (ambiente), e que é a partir da noção de campo (pessoa/meio) que se pensa a questão da energia como força transformadora, por meio da emoção e das relações pessoa-mundo. O campo é a totalidade dos fatos co-existentes em dado momento e concebido em termos de mútua interdependência. Sua significação depende da percepção de correlação entre sujeito e objeto. O comportamento é determinado por forças subjacentes no campo, que deve ser compreendido partindo de descrições psicológicas e não somente de forças físicas ou fisiológicas. Pode-se perceber a tendência de a teoria de campo formar um conjunto de informações e postulados que aponta, em sua totalidade, para um novo modelo, um novo paradigma de se entender a pessoa humana de maneira inteira e integradora (PONCIANO, 1999). Abordando a fronteira de contato, margem flutuante onde ego e outro se encontram e algo acontece, Perls et al (1997) fala que é, precisamente, nesse local de encontros entre self e outro e de afastamento para ambos que a psicologia pode explicar melhor a responsabilidade que as pessoas têm em moldar sua própria experiência. Ademais, é na fronteira de contato que ocorre o crescimento, pois é onde a necessidade emergente de uma pessoa e o que está disponível no ambiente para satisfazê- -la se juntam ou se digladiam, dependendo se o encontro for amigável ou não-amigável. Esse ciclo de satisfação de necessidades também pode ser chamado de ciclo de auto-regulação organísmica, ciclo de experiência ou, como é popularmente conhecido, ciclo do contato. Em sua obra O Ciclo do Contato, Ponciano (1997) define contato como sendo sinônimo de encontro pleno, de mudança, de vida. Contato possui um significado especial para o gestalt-terapeuta, uma vez que a Gestalt está centrada no conceito de contato e na natureza das relações de contato da pessoa consigo e com o mundo exterior. O contato é, portanto, a matéria-prima da relação psicoterapêutica e define a qualidade do processo. Tudo na natureza é contato e sem contato tudo perde o sentido. O universo do contato é o da totalidade, por isso é que a psicoterapia, como função do contato, ocorre somente quando se faz a totalidade. Nesse sentido, totalidade, consciência e contato formam o tripé da mudança. Trata-se de uma força mobilizadora, síntese harmoniosa das diferenças, fruto da relação de diferença eu-mundo e eu-no-mundo. O contato pleno acontece quando as funções sensitivas, motoras e cognitivas se unem, num dinâmico movimento dentro-fora-dentro, para, por meio de uma consciência emocionada, proporcionar no sujeito bem-estar, uma escolha, uma opção real por si mesmo (PONCIANO, 1997). 3 APLICANDO A GESTALT-TERAPIA Como terapia, a Gestalt permite ao terapeuta lançar mão de alguns conceitos e técnicas no processo de ajuda ao cliente. Estando a Gestalt 51

4 centrada no conceito de contato, fala-se muito em fechar gestalt, quando o processo foi adiante e não ficou nada em aberto. Quando fica, quando as gestalts não se fecham, é porque ocorreu um bloqueio em uma das fases do ciclo, como postula Ponciano (1997). Dentre os bloqueios de contato, pode-se destacar: fixação, o processo pelo qual o sujeito se apega excessivamente a pessoas, idéias ou coisas, e temendo surpresas diante do novo e da realidade, sente-se incapaz de explorar situações que flutuam rapidamente, permanecendo fixado em coisas e emoções medo de correr riscos; introjeção, que é o processo através do qual o sujeito obedece e aceita opiniões arbitrárias, normas e valores que pertencem aos outros, engolindo coisas dos outros sem querer, e sem conseguir defender seus direitos por medo da sua própria agressividade e da dos outros gosta de ser mimado; e projeção, processo pelo qual o sujeito possui dificuldade de identificar o que é seu, atribuindo ao outro, ao mau tempo, coisas de que não gosta em si próprio, bem como a responsabilidade pelos seus fracassos. Desconfia de todo mundo como prováveis inimigos gosta que os outros façam as coisas no seu lugar. Em contraposição aos bloqueios de contato, temos os fatores de cura, que estão sempre atrelados aos primeiros, destacando-se: fluidez, processo pelo qual o sujeito se movimenta, localiza-se no tempo e no espaço, deixando posições antigas e renovando-se, mais solto e espontâneo e com vontade de criar e recriar a própria vida; consciência: processo pelo qual se dá conta de si mesmo de maneira mais clara e reflexiva, está mais atento ao que ocorre à sua volta, percebe-se relacionando com mais reciprocidade com as pessoas e coisas; e mobilização, processo pelo qual sente necessidade de se mudar, de exigir seus direitos, de separar suas coisas das dos outros, de sair da rotina, de expressar seus sentimentos exatamente como sente e de não ter medo de ser diferente. Ponciano (1997) postula que a idéia do ciclo como processo terapêutico passa pela compreensão de que o processo da saúde ou da cura possui uma lógica, uma seqüência na qual uma coisa depende da outra e onde tudo afeta tudo. Entretanto, nenhuma pessoa está em um único ponto no Ciclo do Contato, e sim em vários, seja na direção da cura, seja na direção dos bloqueios, mesmo porque cada ponto do ciclo contém todos os outros. Por outro lado, a pessoa geralmente está mais em um ponto do que em outro, por isso se pode dizer que alguém é mais tipicamente um introjetor, um confluente e assim por diante. Em relação às técnicas utilizadas pela Gestalt, Ginger e Ginger (1995) colocam que elas só têm sentido em seu contexto global, isto é, integradas em um método coerente e praticadas de acordo com uma filosofia geral. Assim, o essencial da Gestalt não está em suas técnicas, e sim no espírito geral do qual ela procede e que as justifica. Ginger e Ginger (1995) citam também algumas das técnicas que a Gestalt usa, como, por exemplo, o exercício de awareness, que se trata de estar atento ao fluxo constante das sensações físicas (exteroceptivas e proprioceptivas), dos sentimentos, de tomar consciência da sucessão ininterrupta de figuras que aparecem no primeiro plano, sobre o fundo formado pelo conjunto da situação que se vive e do sujeito que se é, no plano corporal, emocional, imaginário, racional ou comportamental. Tem- -se, também, o hot seat (cadeira quente), uma das técnicas mais utilizadas pelos gestalt-terapeutas. Coloca-se o cliente diante de uma cadeira vazia, na qual, conforme sua vontade, ele pode projetar um personagem imaginário com o qual deseja se relacionar. Esta é uma oportunidade do cliente expressar o que está preso em sua garganta. Depois, ele se coloca no lugar desse personagem imaginário e elabora uma resposta para si mesmo. Geralmente, obtém uma nova dimensão para a sua angústia. Uma outra técnica, o monodrama se trata de uma variação do psicodrama, em que o próprio protagonista desempenha, de maneira alternada, os diferentes papéis da situação por ele evocada (ele mesmo, a esposa, os filhos, o chefe). Troca sempre de lugar quando for mudar de papel para que a situação fique clara. Essa técnica facilita a encenação do próprio sentimento, à medida que este emerge da situação, sem interferência eventual na problemática pessoal de um parceiro anterior, que pode não estar na mesma sintonia, como ocorre no psicodrama. Por fim, a amplificação, que torna mais explícito o que está implícito, projetando na cena exterior aquilo o que acontece na cena interior. Permite, assim, que todos adquiram mais consciência do modo como se comportam aqui e agora, na fronteira do contato com o meio. Além das citadas, existem diversas outras técnicas e maneiras de se trabalhar em Gestalt-terapia. Isso dependerá do estilo pessoal de cada terapeuta, de seu modo de ser, uma vez que ser gestalt-terapeuta está intimamente associado à própria vivência do terapeuta como humanista, ao modo de perceber o mundo e a si mesmo. No entender de Erthal (2004), o principal instrumento de trabalho do psicólogo é ele próprio. Ela defende uma compreensão fenomenológica do cliente, apoiada na descrição que ele traz para dentro do consultório, na vivência dele de sua própria situação. Cabe ao terapeuta a função de receptor sem valores morais (ou seja, neutralidade absoluta), considerando o contexto, a díade e o sentido certo da comunicação desse cliente. A interação profissional-cliente nunca pode ser considerada unilateral, uma vez que existe um impacto que cada parte da díade estabelece na relação. É pela fala e pela linguagem que as pessoas comunicam seus sentimentos, pensamentos e intenções. Mas, apesar dessa função social, há ainda a função egocêntrica, na qual não existe preocupação em saber com que se está falando. Trata-se de um falar para si mesmo, o que expressa uma forma alienada e onipotente. Toda linguagem é uma forma de comportamento interpessoal. A personalidade do falante está incluída no comunicado pela própria forma sutil ou discreta como se expressa. Não se pode não comunicar (no sentido de que não é possível conceber a não-expressão), pois o silêncio, a forte introspecção, já é em si uma comunicação. O trabalho do terapeuta é, praticamente, seguir as falas de seu cliente, mescladas pela criteriosa escolha de cada intervenção feita (ERTHAL, 2004). Erthal (2004) articula dez tipos de intervenções para que o terapeuta baseie cada vivência, cada momento entre ele e o cliente, e assim conduza a sessão sempre se apoiando na verdade do seu cliente, naquilo o que ele está, de uma forma ou de outra, trazendo para o âmbito do consultório e para a realidade da terapia. Dentre as intervenções, pode-se destacar: a refletora de vivências emocionais (interpretação vivencial), na qual o terapeuta transcende o conteúdo verbal daquilo que é expresso pelo cliente a fim de obter uma compreensão do sentimento contido nas formulações e assim expressar esse sentimento de maneira correta; a inquisitiva, talvez uma das mais usadas, na qual a intenção do terapeuta é obter dados maiores sobre um determinado assunto, estimulando o cliente a continuar falando, com especificação do foco de atenção. As perguntas podem facilitar o campo perceptual do cliente, transmitir o interesse do terapeuta em pesquisar com mais profundidade o assunto, no entanto é preciso cuidado para não usar em demasia e banalizar a intervenção. O psicólogo iniciante geralmente fica ansioso e conduz a entrevista com um bombardeamento de perguntas que facilitam a sua atuação, bloqueando o fluxo espontâneo da comunicação do cliente, que por sua vez termina se 52

5 acostumando a ser indagado e apenas espera pela próxima pergunta; e o confronto, cujo objetivo é mostrar as contradições que o cliente apresenta, a fim de possibilitar maneiras novas de se perceber. As respostas de conteúdo não-verbal facilitam esse confronto ao apontar para as discrepâncias, como, por exemplo, o cliente relatar algum acontecimento triste só que com uma expressão de felicidade. Isso demonstra uma incongruência que pode ser a indicação de alguma coisa com o poder de acarretar efeitos de significativa mudança no jeito em que a pessoa vê a si mesma e sente a si mesma na frente do outro. É fácil, por fim, obter a percepção de que a Gestal-terapia se apóia na relação terapeuta-cliente, dentro de uma visão holística e, sobretudo, humanista, para alcançar o resultado a que se propõe um resgate da harmonia e do bom funcionamento do organismo, em todos os aspectos (físicos, psicológicos) que o circundam. Segundo Cardella (1994), para que a relação tenha realmente natureza terapêutica, deve ocorrer o fenômeno do amor, concebido pela autora como um estado e um modo de ser caracterizados pela integração e diferenciação de um indivíduo, que lhe permite ver, aceitar e encontrar o outro como único, singular e semelhante na condição de humano. O amor é a polaridade oposta do egocentrismo e do sofrimento emocional, o amor é de natureza incondicional, o que implica a capacidade de amar o diferente e não apenas o semelhante, e, quando recíproco na relação, proporciona aos indivíduos um sentimento mútuo (do latim muto, que significa mudar) de plenitude. Além de tornar possível o verdadeiro Encontro, proporciona também um sentimento de transcendência de si mesmo e de harmonia com a humanidade e a existência. Envolve fatores como maturidade emocional, responsabilidade e posse da própria vida, auto-sustentação e independência em relação aos outros. Nas palavras românticas do grande poeta Dante Alighieri ( ): O amor me move: só por ele eu falo. Refletindo sobre o amor terapêutico, Cardella (1994) acredita que na relação terapeuta-cliente o amor pode acontecer e se manifesta sob características distintas das demais formas de amar. As atitudes amorosas do terapeuta facilitam o desenvolvimento do potencial de amor do cliente, devendo ser a base para o trabalho psicoterapêutico, juntamente com conhecimentos teóricos, filosóficos e técnicos, sem os quais a relação terapêutica seria, obviamente, descaracterizada. O trabalho terapêutico é, em si, uma prática de amor, pela qual o terapeuta cria condições para que o cliente possa ouvir, ver, compreender, aceitar e amar a si mesmo. Parafraseando seu próprio conceito de amor, Cardella (1994, p. 59) define: O amor terapêutico manifesta-se através de um estado e um modo de ser caracterizados pela integração e diferenciação da personalidade que nos permite ver, aceitar e encontrar o outro (cliente) como um ser único, diferenciado, e semelhante na sua condição de humano. 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS Ser um gestalt-terapeuta é estar em contato pleno com todas as coisas, com todos os pontos infinitos que integram o Universo, seja o físico ou o psicológico. E isso constantemente, pois não existe hora marcada para se ajudar uma pessoa; o gestalt-terapeuta não permanece gestalt-terapeuta somente dentro do consultório, mas, sobretudo, fora dele, quando vai para casa, quando enfrenta a fila do pão, quando está entre amigos, quando também precisa de ajuda. Trata-se da responsabilidade que temos perante nós mesmos e o outro, esse outro que é a essência do gestalt-terapeuta, cuja meta é ajudá- -lo, abraçá-lo, mostrar que ele não está sozinho. O filósofo Platão (428/27 a.c. 347 a.c.) postulou algo inusitado, que nem por isso deixa de ser verdadeiro: O corpo humano é a carruagem, eu, o homem que a conduz, os pensamentos as rédeas, os sentimentos são os cavalos. O gestalt-terapeuta seria aquele que alimentaria os cavalos na noite anterior para que a viagem flua harmoniosa e chegue ao seu destino, a fim de que a carruagem cumpra sua missão existencial e tenha, ela própria, sentido. Para ser gestalt-terapeuta, portanto, é preciso amar incondicionalmente e ver o outro (cliente) como a si próprio, transcender o técnico e o profissional e ser, sobretudo, um artista, já que Perls diz que a Gestalt-terapia é uma arte, uma arte do bem, da paz e da harmonia que precisam ser buscadas dentro de cada um. Não basta apenas ter afinidade e conhecer a teoria, é necessário confundir-se com ela, uma vez que Gestalt-terapia é, acima de tudo, um jeito de ser. REFERÊNCIAS BRAGHIROLLI, E. M. et al. Psicologia geral. 14. ed. Petrópolis (RJ): Vozes, ENGELMANN, A. A psicologia da gestalt e a ciência empírica contemporânea. Teoria. e Pesquisa. 2002, vol.18, no.1, p GINGER, S., GINGER, A. Gestalt: uma terapia do contato. 2. ed. São Paulo (SP): Summus, MÁRQUEZ, G. G.Cem anos de solidão. Editora: Record, SCHULTZ, D. P., SCHULTZ, S. E. História da psicologia moderna. 14. ed. São Paulo (SP): Cutrix, RODRIGUES, H. E. O que é gestalt-terapia? Disponível em <www.geocities.com/hotsprings/resort/2631/>. Acesso em: 10 jan PERLS, F. S., HEFFERLINE, R., GOODMAN, P. Gestalt-terapia. Tradução Fernando Rosa Ribeiro. 2. ed. São Paulo (SP): Summus, RIBEIRO, J. P. O ciclo do contato. 2. ed. São Paulo (SP): Summus, Gestalt-terapia de curta duração. 2. ed. São Paulo (SP): Summus, YONTEF, G. M. Processo, diálogo e awareness. São Paulo (SP): Summus, ERTHAL, T. C. S. Treinamento em psicoterapia vivencial. São Paulo (SP): Livro Pleno, CARDELLA, B. H. P. O amor na relação terapêutica: uma visão gestáltica. 3. ed. São Paulo (SP): Summus,

Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado

Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado distinto por cada pessoa. o conhecimento do mundo se obtém

Leia mais

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Kelly Gonçalves da Silva gsilva.kelly@gmail.com Instituto de Psicologia 12º período Clara Castilho Barcellos

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO. Surge na Alemanha por entre 1910-1920 KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) MAX WERTHEIMER (1880 1943)

CONTEXTUALIZAÇÃO. Surge na Alemanha por entre 1910-1920 KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) MAX WERTHEIMER (1880 1943) GESTALT CONTEXTUALIZAÇÃO Surge na Alemanha por entre 1910-1920 MAX WERTHEIMER (1880 1943) KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) Eu faço as minhas coisas Você faz as suas. Não estou neste

Leia mais

PSICOLOGIA DA FORMA (GESTALT)

PSICOLOGIA DA FORMA (GESTALT) ULT FATI DISCIPLINA: PSICOLOGIA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO PROF. FRACASSO - AULA 29/08/12 ================================================================ MATERIAL DE APOIO FONTE: http://www.igestalt.psc.br/hist.htm

Leia mais

Teóricos da abordagem fenomenológica. Prof. Roberto Peres Veras

Teóricos da abordagem fenomenológica. Prof. Roberto Peres Veras Teóricos da abordagem fenomenológica Prof. Roberto Peres Veras Psicologia Fenomenológica Técnica Método Teoria Concepção de homem Concepção de mundo Filosofia Fenomenologia - Escola Filosófica Edmund Husserl

Leia mais

Andrea Simone Schaack Berger

Andrea Simone Schaack Berger A Criança e seus Encontros: uma conversa sobre a visão holística na Gestalt-Terapia e sua influência na forma de ver o cliente e o trabalho psicoterápico Andrea Simone Schaack Berger A Gestalt-Terapia

Leia mais

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma.

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. Gestalt 29 de setembro de 2006 Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. '''ORIGEM DA PSICOLOGIA DA FORMA''' Durante o

Leia mais

GESTALT // FRANCYMEDIA GESTALT 1. DEFINIÇÃO

GESTALT // FRANCYMEDIA GESTALT 1. DEFINIÇÃO GESTALT 1. DEFINIÇÃO Gestalt, a psicologia da forma. Fundada dentro da filosofia por Max Wertheimmer, Kurt Koffka e Wolfgan Koller, a gestalt traz novas perguntas e respostas para a psicologia. Ela se

Leia mais

Intervenções terapêuticas

Intervenções terapêuticas Alexa B. Leirner A arte não reproduz o invisível, em vez disso, torna visível. (Paul Klee) 1 Objetivos Conhecer como a Gestalt Terapia aborda a intervenção terapêutica no trabalho com as imagens de arte.

Leia mais

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN Precursor SMUTS 1926 EVOLUÇÃO E HOLISMO HOLISMO - GREGO HOLOS TOTAL COMPLETO - UNIFICAÇÃO Descartes séc. XVII Divisão do indivíduo em duas entidades separadas, mas inter-relacionadas:

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE CRIATIVIDADE E SAÚDE NA GESTALT TERAPIA

RELAÇÃO ENTRE CRIATIVIDADE E SAÚDE NA GESTALT TERAPIA RELAÇÃO ENTRE CRIATIVIDADE E SAÚDE NA GESTALT TERAPIA Selma Ciornai A afinidade da Gestalt terapia com as artes existe desde o seu começo Frederick Perls trabalhou em teatro, teve aulas de pintura, e muitas

Leia mais

Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido

Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido Carla do Eirado Silva carlaeirado@gmail.com 11º período Instituto de Psicologia Cintia Siqueira de Oliveira cintia_imjc@hotmail.com 10º

Leia mais

Lilian Meyer Frazão * * *

Lilian Meyer Frazão * * * * * * U Lilian Meyer Frazão m conceito central em Gestalt-Terapia é o conceito de awareness1, que se caracteriza pela consciência de si e a consciência perceptiva; é a tomada de consciência global no momento

Leia mais

CORPO EM TERAPIA. Palavras-chave: Gestalt-terapia, percepção, contato, psicologia corporal.

CORPO EM TERAPIA. Palavras-chave: Gestalt-terapia, percepção, contato, psicologia corporal. CORPO EM TERAPIA CARRIJO, Aline Franciele, Rodrigues* CASADEI, Gabriela, Macedo* GUIRADO, Luma* MINARDI, Marcela, Zamboni* RAAD, Ana, Carolina* TONNET, Vanessa* BERVIQUE, Janete de Aguirre** RESUMO: O

Leia mais

A Teoria de Campo Gestalt

A Teoria de Campo Gestalt A Teoria de Campo Gestalt MARIA APPARECIDA MAMEDE NEVES A Teoria de Campo Gestalt foi inicialmente desenvolvida de modo formal no início da década de 20, pelo filósofo e psicólogo alemão Max Wertheimer

Leia mais

EXPERIMENTO PILOTO: IDENTIFICAÇÃO - TORNANDO-SE UMA SANDÁLIA PRATA

EXPERIMENTO PILOTO: IDENTIFICAÇÃO - TORNANDO-SE UMA SANDÁLIA PRATA EXPERIMENTO PILOTO: IDENTIFICAÇÃO - TORNANDO-SE UMA SANDÁLIA PRATA COUTINHO, Daniele Aparecida Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: danicoutinho2009@hotmail.com

Leia mais

ENFOQUE HOLÍSTICO DA DOENÇA E DA SAÚDE: UMA POSSIBILIDADE DE INTEGRAÇÃO A PARTIR DA ESCUTA DO CORPO

ENFOQUE HOLÍSTICO DA DOENÇA E DA SAÚDE: UMA POSSIBILIDADE DE INTEGRAÇÃO A PARTIR DA ESCUTA DO CORPO ENFOQUE HOLÍSTICO DA DOENÇA E DA SAÚDE: UMA POSSIBILIDADE DE INTEGRAÇÃO A PARTIR DA ESCUTA DO CORPO Prof. Ms. Andrea Simone Schaack Berger * A natureza, por si própria, quando a deixamos operar, tira-se

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

A experiência emocional atualizadora em Gestaltterapia de curta duração

A experiência emocional atualizadora em Gestaltterapia de curta duração ARTIGOS A experiência emocional atualizadora em Gestaltterapia de curta duração Self-actualization emotional experience in short-term Gestalttherapy Ênio Brito Pinto * Professor Titular do Instituto de

Leia mais

RESENHA BIBLIOGRÁFICA

RESENHA BIBLIOGRÁFICA RESENHA BIBLIOGRÁFICA BERVIQUE, Profa. Dra. Janete de Aguirre Docente do Curso de Psicologia FASU / ACEG - Garça-SP Brasil e-mail: jaguirreb@uol.com.br 1. IDENTIDADE DA OBRA MAY, Rollo O homem à procura

Leia mais

Silvia Ivancko Gestalt-Terapeuta pelo Instituto Sedes Sapientiae 1983- SP Mestre em Psicossomática- PUC-SP Especialista em Psicologia Hospitalar-

Silvia Ivancko Gestalt-Terapeuta pelo Instituto Sedes Sapientiae 1983- SP Mestre em Psicossomática- PUC-SP Especialista em Psicologia Hospitalar- Silvia Ivancko Gestalt-Terapeuta pelo Instituto Sedes Sapientiae 1983- SP Mestre em Psicossomática- PUC-SP Especialista em Psicologia Hospitalar- HC.-USP Especialista em Stress e Psiconeuroimunologia I.P.S.P.

Leia mais

Universidade Lusíada de Lisboa

Universidade Lusíada de Lisboa Universidade Lusíada de Lisboa Instituto de Psicologia e Ciências da Educação Mestrado em Psicologia Clínica 1º Ano 1º Semestre Ano Lectivo de 2010/2011 PSICOTERAPIAS Docente: Professora Doutora Teresa

Leia mais

EXPERIMENTO-PILOTO: ARTE GESTALT E A AMPLIAÇÃO DA CONSCIÊNCIA

EXPERIMENTO-PILOTO: ARTE GESTALT E A AMPLIAÇÃO DA CONSCIÊNCIA EXPERIMENTO-PILOTO: ARTE GESTALT E A AMPLIAÇÃO DA CONSCIÊNCIA 1 AYALA, Sarita Carvalho GARCIA, Suzany Kemp PEREIRA, Claudia Carolina RODRIGUES, Annelise Brandão SILVA, Gislaine Cristina Guerra 2 BERVIQUE,

Leia mais

Revista da Abordagem Gestáltica: Phenomenological Studies ISSN: 1809-6867 revista@itgt.com.br

Revista da Abordagem Gestáltica: Phenomenological Studies ISSN: 1809-6867 revista@itgt.com.br Revista da Abordagem Gestáltica: Phenomenological Studies ISSN: 1809-6867 revista@itgt.com.br Instituto de Treinamento e Pesquisa em Gestalt Terapia de Goiânia Brasil Ribari Fujioka, Thais EXPERIMENTOS

Leia mais

ExpressARTE. Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Manual da Formanda drmadorr1manda. Dança Movimento Amalgama

ExpressARTE. Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Manual da Formanda drmadorr1manda. Dança Movimento Amalgama ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Manual da Formanda drmadorr1manda Dança Movimento Amalgama Autor: Amalgama Companhia de Dança (Ana Alexandra Battaglia) Título: Dança Movimento

Leia mais

Gestalt terapia. conceitos Fundamentais. Lilian Meyer Frazão. [organizadoras]

Gestalt terapia. conceitos Fundamentais. Lilian Meyer Frazão. [organizadoras] Gestalt terapia conceitos Fundamentais Lilian Meyer Frazão Karina Okajima Fukumitsu [organizadoras] Gestalt terapia Conceitos fundamentais Copyright 2014 by autores Direitos desta edição reservados por

Leia mais

Unificação Fechamento Continuidade

Unificação Fechamento Continuidade UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Curso: 1081 - COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA Matriz: 421 - COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA Componente Curricular: EXPRESSÃO GRÁFICA

Leia mais

MULTIMEIOS DA COMUNICAÇÃO

MULTIMEIOS DA COMUNICAÇÃO MULTIMEIOS DA COMUNICAÇÃO RINALDIi, Andréia Cristina Alves; ROSA, Antonio Valin; TIVO,,Emerson dos Santos; OLIVEIRA JÚNIOR, José Mendes de; REIS, Marcela Alves dos; SANTOS JÚNIOR,Sergio Silva dos; FREITAS,

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação, 13 Apresentação da Gestalt-terapia, 15 Introdução à obra, 17. Verbetes

SUMÁRIO. Apresentação, 13 Apresentação da Gestalt-terapia, 15 Introdução à obra, 17. Verbetes Apresentação, 13 Apresentação da Gestalt-terapia, 15 Introdução à obra, 17 SUMÁRIO Verbetes Agressão, 19 Ajustamento criativo, 20 Ansiedade, 22 Aqui e agora, 24 Assimilação, 26 Atualização, 27 Auto-apoio,

Leia mais

A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO RESUMO

A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO RESUMO A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO Fany Patrícia Fabiano Peixoto Orientadora: Eugenia Cordeiro Curvêlo RESUMO O termo psicossomática esclarece a organização

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Terapia de Casal Débora Kalwana Flávia Verceze Júlia Montazzolli

Leia mais

Pré-Vestibular Social PSICOLOGIA

Pré-Vestibular Social PSICOLOGIA PSICOLOGIA Quem nunca pensou em procurar ajuda de um psicólogo naqueles momentos mais difíceis? Ele com certeza é nossa principal referência nessas horas, pois é o profissional que cuida da nossa mente,

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM CAROLINE SILVA DE OLIVEIRA Discente do Curso de Licenciatura Plena do Curso de Educação Física das Faculdades Integradas

Leia mais

INSTITUTO DE TREINAMENTO E PESQUISA EM GESTALT TERAPIA DE GOIÂNIA-ITGT

INSTITUTO DE TREINAMENTO E PESQUISA EM GESTALT TERAPIA DE GOIÂNIA-ITGT INSTITUTO DE TREINAMENTO E PESQUISA EM GESTALT TERAPIA DE GOIÂNIA-ITGT 1 O DIÁLOGO ABORTADO COMO A GÊNESE DOS TRANSTORNOS DA INFÂNCIA 1 Virginia Elizabeth Suassuna Martins Costa 2 O interesse em desenvolver

Leia mais

MEDITANDO À LUZ DO PATHWORK. Clarice Nunes

MEDITANDO À LUZ DO PATHWORK. Clarice Nunes PROGRAMA PATHWORK DE TRANSFORMAÇÃO PESSOAL PATHWORK - RIO DE JANEIRO/ESPÍRITO SANTO HELPERSHIP FORMAÇÃO HELPER Coordenadora do PPTP HELPERSHIP MARIA DA GLÓRIA RODRIGUES COSTA MEDITANDO À LUZ DO PATHWORK

Leia mais

TAOÍSMO E ZEN-BUDISMO NA METODOLOGIA DA GESTALT-TERAPIA.

TAOÍSMO E ZEN-BUDISMO NA METODOLOGIA DA GESTALT-TERAPIA. TAOÍSMO E ZEN-BUDISMO NA METODOLOGIA DA GESTALT-TERAPIA. REIS, Esp. Dayran Karam dos Graduada em Psicologia na Faculdade de Ciências da Saúde de Garça (FASU). Graduada em Direito, Especialista em Direito

Leia mais

A Dança na Terceira Idade

A Dança na Terceira Idade A Dança na Terceira Idade Bárbara Costa Carolina Miguel Leonardo Delarete Pimenta Na terceira idade, geralmente, o ser humano sofre algumas alterações de um declínio geral no aspecto biopsicossocial. Como

Leia mais

EXPERIMENTO-PILOTO:CONTATO E AMPLIAÇÃO DA CONSCIÊNCIA.

EXPERIMENTO-PILOTO:CONTATO E AMPLIAÇÃO DA CONSCIÊNCIA. EXPERIMENTO-PILOTO:CONTATO E AMPLIAÇÃO DA CONSCIÊNCIA. PINHÃO, Rebeca Acadêmica do Curso de Psicologia (FAEF). e-mail: rebecapinhao@hotmail.com SANTOS, Eduardo Araujo dos Acadêmico do Curso de Psicologia

Leia mais

Transcrição entrevista Vitória Pamplona, psicoterapeuta psicodramatista e coordenadora de grupos de gestantes e casais grávidos Psicologia da UFF

Transcrição entrevista Vitória Pamplona, psicoterapeuta psicodramatista e coordenadora de grupos de gestantes e casais grávidos Psicologia da UFF Transcrição entrevista Vitória Pamplona, psicoterapeuta psicodramatista e coordenadora de grupos de gestantes e casais grávidos Psicologia da UFF Qual a origem do psicodrama? O psicodrama foi criado por

Leia mais

SOBRE MÃOS: DA MÃOZADA À TERAPIA

SOBRE MÃOS: DA MÃOZADA À TERAPIA 1 SOBRE MÃOS: DA MÃOZADA À TERAPIA Paulo Borges RESUMO A apresentação deste artigo refere-se à parte teórica do pôster homônimo e destina-se a ilustrar uma reflexão a respeito das mãos presentes no trabalho

Leia mais

ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO

ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO Considera-se como fundador da psicologia moderna Wilhelm Wundt, por ter criado, em 1879, o primeiro laboratório de psicologia na universidade de Leipzig, Alemanha. A psicologia

Leia mais

SOBRE A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO EM FORMALIZAÇÃO: FAZER COLETIVO, GESTÃO PARTICIPATIVA E DESEJO

SOBRE A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO EM FORMALIZAÇÃO: FAZER COLETIVO, GESTÃO PARTICIPATIVA E DESEJO SOBRE A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO EM FORMALIZAÇÃO: FAZER COLETIVO, GESTÃO PARTICIPATIVA E DESEJO Eixo Temático: Processos organizativos, comunidades e práticas sociais Autores: Manoela Lage UERJ (manoelalage@yahoo.com.br)

Leia mais

P TEORIA R A DA O X MUDANÇA L

P TEORIA R A DA O X MUDANÇA L COMUNIDADE GESTÁLTICA: CLÍNICA E ESCOLA DE PSICOTERAPIA ESPECIALIZAÇÃO E FORMAÇÃO EM GESTALT-TERAPIA P TEORIA R A DA O X MUDANÇA L GIORDANE ANDRADE DE PAULA FLORIANÓPOLIS 2008 2 GIORDANE ANDRADE DE PAULA

Leia mais

Qual a diferença entre ver e perceber? Percepção Visual. Gestalt 02/04/2014. Prof. José Wilker. Prof. José Wilker. Prof.

Qual a diferença entre ver e perceber? Percepção Visual. Gestalt 02/04/2014. Prof. José Wilker. Prof. José Wilker. Prof. Percepção Visual conceitos iniciais Qual a diferença entre ver e perceber? Prof. José Wilker Prof. José Wilker 1 2 A percepção da obra de arte Campo visual humano padrão A percepção da obra de arte e sua

Leia mais

13. A Gestalt e o Ensino de Geometria

13. A Gestalt e o Ensino de Geometria 13. A Gestalt e o Ensino de Geometria Claudia Georgia Sabba Introdução Cada vez mais os professores buscam em outras áreas recursos que os auxiliem na construção do conhecimento de seus aprendizes. Utilizar

Leia mais

OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO

OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO 1 RESUMO OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO Glória Maria A. F. Cristofolini Nada se passa na mente que o corpo não manifeste, cita Hermógenes. Quando a medicina ocidental passou a

Leia mais

Seminário - Gestalt terapia

Seminário - Gestalt terapia Seminário - Gestalt terapia Deivid Gasparin - 1099442473 Laura Savioli - 121354 Michele Shiraishi 57378 VISÃO DE MUNDO E DE HOMEM - Visão de mundo: O conceito de mundo e pessoa funciona como uma gestalt,

Leia mais

COLÉGIO MARISTA S.LUÍS ENSINO RELIGIOSO PROF.:Francisco Ferreira. Evolução histórica das reflexões sobre a Felicidade

COLÉGIO MARISTA S.LUÍS ENSINO RELIGIOSO PROF.:Francisco Ferreira. Evolução histórica das reflexões sobre a Felicidade COLÉGIO MARISTA S.LUÍS ENSINO RELIGIOSO PROF.:Francisco Ferreira Evolução histórica das reflexões sobre a Felicidade O Bem Pessoal e o Comunitário O que é o Bem? Bem é a qualidade de excelência ética que

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Grade Curricular - Psicologia (Psicologia - integral)

Grade Curricular - Psicologia (Psicologia - integral) Grade Curricular - Psicologia (Psicologia - integral) SEMESTRE 1 - Obrigatórias BIO0105 Biologia 6 0 6 MAE0112 Introducao a Probabilidade e a Estatistica I 4 0 4 PSA0113 Psicologia da Aprendizagem PSE0101

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos).

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). A sistematização antropológica que segue corresponde à perspectiva apresentada

Leia mais

Conceitos Introdutórios

Conceitos Introdutórios Alexa B. Leirner Pintar aquilo que vemos diante de nós é uma arte diferente de pintar o que vemos dentro de nós. (Carl.Gustav Jung) 1 Objetivos Apresentar em linhas gerais os principais objetivos e o programa

Leia mais

Modelos de Intervenção em PEA

Modelos de Intervenção em PEA Braga 2008 1 de Março o de 2008 Modelos de Intervenção em PEA João Teixeira Centro de Estudos e Apoio à Criança a e Família APPDA-Norte Modelos de Intervençao em PEA 1943 Kanner e Asperger identificam

Leia mais

O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às. A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com

O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às. A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às transformações. Eixo temático 3 A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com intensidade pela dupla, seja

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

ADAPTAÇÃO ESCOLAR. O início da vida escolar: da dependência familiar para autonomia social

ADAPTAÇÃO ESCOLAR. O início da vida escolar: da dependência familiar para autonomia social ADAPTAÇÃO ESCOLAR O início da vida escolar: da dependência familiar para autonomia social Lélia de Cássia Faleiros* Esse tema ADAPTAÇÃO ESCOLAR - tem sido motivo de grandes inquietações, principalmente

Leia mais

Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO Introdução Nossa inteligência pode ser caracterizada pela nossa capacidade de identificar padrões, e o sistema visual é o nosso

Leia mais

A EXPERIÊNCIA NO TRATAMENTO PSICOLÓGICO COM PESSOAS SURDAS: UM ESTUDO DE CASO

A EXPERIÊNCIA NO TRATAMENTO PSICOLÓGICO COM PESSOAS SURDAS: UM ESTUDO DE CASO A EXPERIÊNCIA NO TRATAMENTO PSICOLÓGICO COM PESSOAS SURDAS: UM ESTUDO DE CASO Adriana Cattalini, Silvia Aparecida Fornazari. Centro Universitario Católico Salesiano Auxilium UNISALESIANO /Lins,SP. acattalini@bol.com.br,

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

Núcleo de Materiais Didáticos 1

Núcleo de Materiais Didáticos 1 Modelos de Aprendizagem e Gestão do Conhecimento Aula 4 Prof. MSc. Cícero Caiçara Jr. ccaicara@fatecinternacional.com.br MBA em Gestão de Recursos Humanos Ciclo de Kolb Aprendizagem Vivencial 1984 David

Leia mais

Processo de Mudança & Entrevista motivacional

Processo de Mudança & Entrevista motivacional Processo de Mudança & Entrevista motivacional Ruth Borges Dias GESF 17/11/2008 Etapas do Processo de mudança de Prochaska e DiClemente Pré-contemplação Contemplação Preparação Ação Manutenção Recaída

Leia mais

Competência individual essencial

Competência individual essencial Competência individual essencial Introdução Objetivo Reflexão e aprofundamento sobre o processo básico da comunicação, a fim de que haja maior exatidão na compreensão do significado daquilo que se quer

Leia mais

BASES PSICOLÓGICAS DO PACTO SOCIAL

BASES PSICOLÓGICAS DO PACTO SOCIAL BASES PSICOLÓGICAS DO PACTO SOCIAL GESTALT Max WERTHEIMER (1880 1943) Kurt KOFFKA (1886 1941) Wolfgang KÖHLER (1887 1967) Alemanha, 1912 O TERMO ALEMÃO QUER DIZER FORMA OU CONFIGURAÇÃO. Os gestaltistas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE Rede7 Mestrado em Ensino do Inglês e Francês no Ensino Básico ÁREAS DE DESENVOLVIMENTO: DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE Teorias Psicodinâmicas A Psicanálise de Sigmund Freud A perspectiva de

Leia mais

PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude

PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude 1 Dossiê Gilberto C. Cury Presidente da SBPNL - Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística Responsável por trazer a PNL ao Brasil, em 1981 gilberto@pnl.com.br PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude

Leia mais

Work$hop Ciência do $uce$$o E Pro$peridade

Work$hop Ciência do $uce$$o E Pro$peridade PROF. MARCELINO FERNANDE$ Work$hop Ciência do $uce$$o E Pro$peridade professormarcelino@hotmail.com WORK$HOP CIÊNCIA DO $UCE$$O E PRO$PERIDADE Objetivo do workshop Entregar ferramentasda Ciênciado Sucessocom

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

Coaching e Constelação Sistêmica A Dança das Ferramentas Colaboração entre estas duas metodologias trazendo resultados mais abrangentes

Coaching e Constelação Sistêmica A Dança das Ferramentas Colaboração entre estas duas metodologias trazendo resultados mais abrangentes Coaching e Constelação Sistêmica A Dança das Ferramentas Colaboração entre estas duas metodologias trazendo resultados mais abrangentes Bert Hellinger soube muito bem como integrar conhecimentos de várias

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA Marcio Luiz Ribeiro Bacelar Wilson Camilo Chaves A expressão retificação subjetiva está presente tanto nas

Leia mais

Núcleo 2.1 - Abordagem Junguiana: fundamentos teóricos e intervenção

Núcleo 2.1 - Abordagem Junguiana: fundamentos teóricos e intervenção Núcleo 2.1 - Abordagem Junguiana: fundamentos teóricos e intervenção Departamentos envolvidos: Psicodinâmica, Desenvolvimento, Psicologia Social e Métodos e Técnicas Professores: Eloisa Marques Damasco

Leia mais

100 FRASES para um dia mais feliz. de Ana Flávia Miziara

100 FRASES para um dia mais feliz. de Ana Flávia Miziara 100 FRASES para um dia mais feliz de Ana Flávia Miziara Você está alegre? A vida está sorrindo para você? Você se lembrou de sorrir hoje? Lembre-se que a alegria é a fartura da vida e da mente. A vida

Leia mais

O Quente e o Frio: Integração dos Aspectos Emocionais nas Terapias Cognitivo - Comportamentais

O Quente e o Frio: Integração dos Aspectos Emocionais nas Terapias Cognitivo - Comportamentais O Quente e o Frio: Integração dos Aspectos Emocionais nas Terapias Cognitivo - Clínica Psiquiátrica dos H.U.C. Maio, 2003 Magda Reis Mara Prata Sem qualquer excepção, homens e mulheres de todas as idades,

Leia mais

Vivência da Paz e Valores Humanos: Ação Transdisciplinar como Caminho

Vivência da Paz e Valores Humanos: Ação Transdisciplinar como Caminho Vivência da Paz e Valores Humanos: Ação Transdisciplinar como Caminho RESUMO Rosa Maria Viana (Universidade Salgado Oliveira/rosamviana@yahoo.com.br) Cirlena Procópio (Universidade Salgado Oliveira/cprocopio@brturbo.com.br)

Leia mais

A filosofia ganha/ganha

A filosofia ganha/ganha A filosofia ganha/ganha Interdependência Talvez nunca tenha existido, na história da humanidade, uma consciência tão ampla sobre a crescente interdependência entre os fatores que compõem nossas vidas,

Leia mais

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins 2. Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins As considerações iniciais deste capítulo dizem respeito à faculdade do juízo, elemento sem o qual não é possível entender o fundamento

Leia mais

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo PSICOTERAPIA Categoria: GRUPO Categoria: Custos administrativos e operacionais Área: Medicina Preventiva - Programa Viver Bem Responsáveis:

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS PARADIGMAS CONTEMPORÂNEOS DA EDUCAÇÃO COM OS PILARES DA EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI 1 E ABORDAGENS DA ANÁLISE TRANSACIONAL.

INTEGRAÇÃO DOS PARADIGMAS CONTEMPORÂNEOS DA EDUCAÇÃO COM OS PILARES DA EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI 1 E ABORDAGENS DA ANÁLISE TRANSACIONAL. 1 INTEGRAÇÃO DOS PARADIGMAS CONTEMPORÂNEOS DA EDUCAÇÃO COM OS PILARES DA EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI 1 E ABORDAGENS DA ANÁLISE TRANSACIONAL Paradigmas da educação Competências Paradigmas contemporâneos

Leia mais

2. OBJETIVO E CONCEPÇÃO DA PROVA

2. OBJETIVO E CONCEPÇÃO DA PROVA Aptidão Dança 1. INTRODUÇÃO O Curso de Graduação em Dança da Unicamp tem como objetivo formar o intérprete e criador em Dança, profissional capaz de contribuir como agente transformador da realidade, responsável

Leia mais

1 Nesta dissertação, será utilizada a sigla CDA para situar o local onde o trabalho foi desenvolvido.

1 Nesta dissertação, será utilizada a sigla CDA para situar o local onde o trabalho foi desenvolvido. 1 Introdução As demências, principalmente a do tipo Alzheimer, vêm despertando interesse no meio acadêmico. Os diferentes saberes como a Medicina, a Psicologia, a Antropologia, a Sociologia entre outros,

Leia mais

Centro Universitário de Brasília Faculdade de Ciências da Saúde - FCS Curso de Psicologia SAÚDE E DOENÇA EM GESTALT TERAPIA

Centro Universitário de Brasília Faculdade de Ciências da Saúde - FCS Curso de Psicologia SAÚDE E DOENÇA EM GESTALT TERAPIA Centro Universitário de Brasília Faculdade de Ciências da Saúde - FCS Curso de Psicologia SAÚDE E DOENÇA EM GESTALT TERAPIA Brasília Novembro de 2003 WALDIR BEZERRA MIRANDA SAÚDE E DOENÇA EM GESTALT TERAPIA

Leia mais

HEALING E DESENVOLVIMENTO HUMANO, UM CAMINHO PARA A EXPRESSÃO ESPIRITUAL DO SER.

HEALING E DESENVOLVIMENTO HUMANO, UM CAMINHO PARA A EXPRESSÃO ESPIRITUAL DO SER. 1 Resumo HEALING E DESENVOLVIMENTO HUMANO, UM CAMINHO PARA A EXPRESSÃO ESPIRITUAL DO SER. Cynthia Sampaio Healing e Desenvolvimento Humano constitui uma abordagem de auto desenvolvimento que envolve o

Leia mais

Para que serve a terapia?

Para que serve a terapia? Para que serve a terapia? Por Matias José Ribeiro Para um número cada vez maior de pessoas, fazer terapia tem sido uma maneira de superar suas angústias existenciais e conquistar um pouco mais de felicidade.

Leia mais

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE Nathalia Leite Gatto Nota-se que as disciplinas ligadas ao movimento na educação infantil, tanto curriculares

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Habilidades sociais. Clínica

Habilidades sociais. Clínica Clínica Habilidades sociais Já se tornou lugar-comum achar que a busca pela terapia se dá apenas quando há alguma questão estritamente individual a ser resolvida. Mas essa crença cai por terra no momento

Leia mais

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA 1 A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA Glória Maria Alves Ferreira Cristofolini RESUMO Sala de aula, lugar de construção do saber, de alegrias e sensibilidades. É assim que penso o verdadeiro sentido

Leia mais

OS INSTRUMENTOS MUSICAIS COMO FORMA DE EXPRESSÃO DA

OS INSTRUMENTOS MUSICAIS COMO FORMA DE EXPRESSÃO DA 68 OS INSTRUMENTOS MUSICAIS COMO FORMA DE EXPRESSÃO DA SONORIDADE INTERNA AUTORA: ANA PAULA CHIZZOLINI CERVELLINI 4 Integrar a música à terapia é integrar o corpo, porque a música é feita, dita, tocada

Leia mais

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS Irmgard Birmoser de Matos Ferreira 1 Apresento aqui algumas reflexões sobre aspectos presentes na experiência do brincar que me parecem merecer

Leia mais

A Visão. Uma Introdução

A Visão. Uma Introdução 1 A Visão Uma Introdução Muitas pessoas sabem, já desde a infância ou juventude, o que querem ser na vida quando forem adultos, como, por exemplo, médico(a), enfermeiro (a), músico (a), advogado (a), ou

Leia mais

9. Papel, funções, atuação, limites e possibilidades do pesquisador na concepção burocrática e na concepção complexa de metodologia da pesquisa;

9. Papel, funções, atuação, limites e possibilidades do pesquisador na concepção burocrática e na concepção complexa de metodologia da pesquisa; Setor de Estudos: Fundamentos Teóricos Metodológicos da Psicologia 1. Conhecimentos popular, filosófico, religioso, artístico e científico: relações, construções, dificuldades e desafios do pesquisador;

Leia mais

14/05/2013. Psicologia da Personalidade II. MAJZampieri. Representante. Frederick Perls (1897-1967) Antecedentes Perls Gestal-terapia

14/05/2013. Psicologia da Personalidade II. MAJZampieri. Representante. Frederick Perls (1897-1967) Antecedentes Perls Gestal-terapia Psicologia da Personalidade II MAJZampieri Representante Frederick Perls (1897-1967) Antecedentes Perls Gestal-terapia 1 Gestalt-terapia final do século XIX - análise atomística Tentava compreender a experiência

Leia mais

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO

Leia mais