Resumo. Abstract. Universidade Presbiteriana Mackenzie. Carla Nunes Cantiere (IC) e Luiz Renato Carreiro Rodrigues (Orientador) Apoio: PIBIC CNPq

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resumo. Abstract. Universidade Presbiteriana Mackenzie. Carla Nunes Cantiere (IC) e Luiz Renato Carreiro Rodrigues (Orientador) Apoio: PIBIC CNPq"

Transcrição

1 INTERVENÇÃO NEUROPSICOLÓGICA NOS DOMÍNIO VERBAL E EXECUTIVO PARA TREINO DE HABILIDADES DE ATENÇÃO E CONCENTRAÇÃO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINAIS DE DESATENÇÃO E HIPERATIVIDADE Carla Nunes Cantiere (IC) e Luiz Renato Carreiro Rodrigues (Orientador) Apoio: PIBIC CNPq Resumo Esse estudo teve por objetivo a construção de um protocolo de treino cognitivo, aplicado em uma escola pública do ensino fundamental abrangendo as 5ª, 6ª e 8ª séries, localizada na região norte da Cidade de São Paulo. Os participantes apresentavam sinais de desatenção e/ou hiperatividade e foram encaminhados pelo professor. Foram aplicados testes de atenção (TECON II e TEDIF II) para melhor identificação desses sinais. Os pais dos participantes antes do início da pesquisa responderam um questionário comportamental (CBCL/6-8 anos) para que pudéssemos assim melhor analisar a queixa trazida pelos professores e a observada pelos pais. As sessões foram distribuídas em 8 encontros com duração média de 50 As atividades selecionadas utilizavam o domínio verbal, executivo, memória e flexibilidade cognitiva para execução das tarefas. Com a aplicação do protocolo foi possível perceber uma melhora significativa na concentração, memória, raciocínio e controle motor dos participantes, porém devido a pouca quantidade de sujeitos em ambos os grupos, se faz necessário uma melhor averiguação. Com base na literatura científica e nos poucos estudos referentes o treino de habilidades de estudos é importante nos voltarmos para a pesquisa na área de reabilitação, cada vez mais frequente e necessária. Palavras-chave: desatenção, hiperatividade, treino cognitivo. Abstract This study aimed to build a cognitive training protocol, applied in 5th, 6th and 8th grades of an elementary public school, located in the northern of São Paulo city. The participants showed signs of inattention and / or hyperactivity and were referred by the teacher. Tests of attention were administered (TECON II and TEDIF II) for better identification of these signals. Parents of the participants, in the beginning of the study, completed a behavioral questionnaire (CBCL/6-8 years) so that we might better understand the teachers and parents complaining. The sessions were divided into eight meetings lasting an average of 50 minutes. The activities selected used the verbal and executive domains beyond memory and cognitive flexibility to perform the tasks. With the application of the protocol was possible to realize a significant improvement in concentration, memory, reasoning and motor control of the participants, but in function of small number of subjects in both groups, it is necessary to better investigate. Based on scientific literature and in the few studies on the skills training studies is important to turn to research in the area of rehabilitation, increasingly frequent and necessary. Key-words: inattention, hyperactivity, cognitive training.

2 VII Jornada de Iniciação Científica - 20 INTRODUÇÃO A reabilitação neuropsicológica tem demonstrado eficácia na melhora das funções cognitivas, no desempenho das atividades de vida diária e no aumento da qualidade de vida de pacientes com diferentes tipos de doenças que afetam o sistema nervoso (DE VREESE et al., 200). Esta pode ser compreendida como um método ativo hábil em capacitar indivíduos com déficits cognitivos ocasionados por lesão ou doença, para que esses adquiram um nível de funcionamento social, físico e psíquico adequado (MC LELLAN, 99). A preocupação da reabilitação é em ampliar as funções cognitivas através do bemestar psicológico, da habilidade em atividades de vida diária e do relacionamento social (CLARE; WOODS, 200). Observou-se na literatura científica e na prática neuropsicológica uma à escassez de estudos relacionados ao treino cognitivo e especialmente relacionados a estudos sistematizados que avaliassem sua eficácia. Frente a isso, procurou-se construir um programa de intervenção pudesse ser implantado. Para tanto, fez-se necessário o planejamento do que poderia adentrar a esse programa, que tipo de atividades lúdicas e jogos poderiam ser selecionados, e qual função se pretendia trabalhar com a sua escolha. Desse modo, tal trabalho teve por objetivo desenvolver, implementar, e avaliar um programa de treino de função cognitiva em crianças com sinais de desatenção e hiperatividade. Há poucos estudos sistematizados que procuram analisar as intervenções psicológicas ou neuropsicológicas para o manejo das funções cognitivas. Em decorrência disso, a identificação das técnicas de intervenção neuropsicológica mais adequada e as respostas a estas intervenções em crianças com sinais de desatenção e hiperatividade, são questões ainda não adequadamente respondidas e que precisam ser melhor investigadas. A partir desta sistematização foi proposto um programa de intervenções e avaliação de resultados, mas foi na ocorrência das sessões que se pode perceber o que poderia ser modificado, melhorado, ou até mesmo excluído. Assim, foi possível pensar em possibilidades, que somente a aplicação nos daria essa perspectiva. REFERENCIAL TEÓRICO Hübner e Pontes (2007) enfatizam que a neuropsicologia é uma área ainda recente. Avanços decorrentes do término da Primeira e Segunda Guerras Mundiais na área da reabilitação neuropsicológica foram frequentes, uma vez que cientistas passaram a se interessar pelos diferentes tipos de lesões que influenciavam o comportamento humano, e como consequentemente poderia se obter a melhora destas. 2

3 Mcmillan e Greenwood (993) enfatizam que a reabilitação neuropsicológica deve navegar pelos campos da neuropsicologia clínica, análise comportamental, retreinamento cognitivo, psicoterapia individual e grupal. Para Hübner e Pontes (2007) a investigação do comportamento proporciona, frente a seus inúmeros procedimentos, a promoção de aprendizagem e alterações comportamentais numa reabilitação neuropsicológica. A utilização da abordagem comportamental para a reabilitação é uma técnica de raciocínio clínico e não um amontoado fixo de métodos que devem ser seguidas rigidamente (WILSON et al., 994).Segundo D Almeida e colaboradores (2004) a melhora da qualidade de vida dos pacientes e familiares é o enfoque da reabilitação, que prioriza o emprego das funções totais ou parciais, preservadas por meio do ensino de estratégias compensatórias, aquisição de novas habilidades e a adaptação às perdas permanentes. Não existe uma única maneira de planejamento de programas de reabilitação adequados. O que precisa ficar claro no decorrer do processo é que nem sempre se consegue restaurar a função cognitiva prejudicada, mas podem-se encontrar maneiras eficientes de contornar essa situação minimizando os problemas cotidianos. O primeiro passo a ser seguido é a realização de uma avaliação neuropsicológica (HÜBNER; PONTES, 2008). A diferença entre reabilitação cognitiva e neuropsicológica, é que a primeira preocupa-se em capacitar pacientes e familiares a conviver, lidar, contornar, reduzir ou superar as deficiências cognitivas resultantes da lesão neurológica, limitando-se principalmente na melhora das funções cognitivas por meio de treinos cognitivos. Já a segunda amplia seus objetivos, dando um passo além ao interessar-se pelas alterações de comportamento e mudanças emocionais (WILSON et al., 996). A reabilitação cognitiva é um componente da reabilitação neuropsicológica, e esta abarca ainda a psicoterapia, o estabelecimento de um ambiente terapêutico, o trabalho com familiares e o trabalho de ensino protegido com os pacientes (PRIGATANO, 999). A reabilitação neuropsicológica é uma técnica que vem sendo aplicada em muitos casos de distúrbios que afetam o sistema nervoso como Alzheimer e Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Segundo o DSM-IV (994), o TDAH é caracterizado por padrões de desatenção e hiperatividade/impulsividade severos e frequentes, que causam comprometimento no desenvolvimento da criança, quando comparados àqueles tipicamente observado em indivíduos com mesmo nível de desenvolvimento. Os sintomas hiperativo-impulsivos que ocasionam prejuízos devem aparecer antes dos 7 anos de idade, embora muitas pessoas venham a ser diagnosticadas tardiamente, após a presença dos sintomas por alguns anos. Este comprometimento pode se estender em diferentes situações, tais como nas esferas de relacionamento familiar e educacional. O transtorno não é diagnosticado se os sintomas presentes forem melhor explicados por alguma outra condição ou transtorno mental. 3

4 VII Jornada de Iniciação Científica - 20 Transtornos psiquiátricos e cognitivos, tal como o transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) estão associados a alterações nas funções executivas e no córtex pré-frontal (ARDILA; OSTROSKY-SOLIS, 996; GAZZANIGA et al., 2006). A presença de comorbidade em indivíduos com TDAH é alta, uma vez que há a ocorrência de outros transtornos psiquiátricos, tais como transtorno de desafio e oposição, transtorno de conduta, depressão, transtorno bipolar, transtornos de ansiedade (STEELE; JENSEN; QUINN, 2006). As funções executivas se situam dentre os aspectos mais complexos da cognição, que abrangem seleção de informações, integração de informações atuais junto às previamente memorizadas, planejamento, monitoramento e flexibilidade cognitiva (GAZZANIGA et al., 2002; LEZAK, 995). Com relação ao TDAH pode-se dizer que as características mais frequentemente relatadas são dificuldades em manter os níveis necessários de atenção, impulsividade e inquietude motora e psíquica, acarretando comprometimentos acadêmicos, psicossociais, familiares, aumento na probabilidade ao uso de substâncias psicoativas na adolescência e altas taxas de desemprego e divórcio na vida adulta (MARCÍLIO, 2004). Dentre essas dificuldades citadas anteriormente podemos enfatizar a atenção que segundo Riccio (2002) não pode ser definida apenas como um constructo único, pois engloba diversos subcomponentes como: atenção focalizada capacidade de direcionar o foco da atenção para um determinado estímulo ou grupo de estímulos; atenção sustentada (ou vigilância); atenção seletiva inibição da resposta a estímulos relevantes; atenção alternada - capacidade de alternar o foco da atenção, voluntariamente, entre vários estímulos. As crianças com TDAH podem ter presente em suas vidas dificuldades escolares, problemas emocionais e desempenho relevantemente insatisfatório como adultos se comparados a outros indivíduos. Todavia, o reconhecimento precoce da dificuldade, bem como o tratamento apropriado, pode fazer com que estes ultrapassem barreiras (MOURA, 200; BARROS, 2002; MEYER; BLECHERT, 2005). Para Diniz e colaboradores 2008 as características relativas ao TDAH variam frente à disposição das informações selecionadas, como no caso de professores que normalmente dão mais ênfase aos sintomas do que os pais. Pensando nisso é necessário a utilização de diversas fontes de informação, para se ter uma melhor exatidão na observação e identificação dos critérios de avaliação. Para Zorzi (999) a aquisição e o desenvolvimento da linguagem se estabelecem por diversos componentes, dentre os quais podemos citar o desenvolvimento cognitivo. O processamento da linguagem oral e escrita acontece por intermédio da atenção, esta última é importante desde o início da aquisição da linguagem oral e uma vez comprometida pode interferir significativamente no desenvolvimento da linguagem, tais como o domínio das estruturas lingüísticas, capacidade de comunicação, podendo até se estender a problemas nas relações interpessoais por falta de interação verbal adequada. 4

5 Estudos relacionados à reabilitação neuropsicológica tem demonstrado eficácia na melhora das funções cognitivas, no desempenho das atividades de vida diária e no aumento da qualidade de vida de pacientes com doença degenerativas do sistema nervoso como a Doença de Alzheimer (DE VREESE et al., 200). A preocupação da reabilitação é em ampliar as funções cognitivas através do bem-estar psicológico, da habilidade em atividades de vida diária e do relacionamento social (CLARE; WOODS, 200). Ceravolo (2006) em seu artigo Cognitive rehabilitation of attention deficit after brain damage: from research to clinical practice descreve que existe a necessidade de estudos mais rigorosos de programas de tratamento disponíveis para avaliar a eficácia da reabilitação de déficits atencionais. Michel e Mateer (2006) escreveram um artigo com o objetivo de resumir e sistematizar as evidências de reabilitação de déficits de atenção em indivíduos com lesão cerebral por traumatismo ou AVC. Tais autores verificam que a atenção é uma habilidade que pode ser treinada e que um método possível de reabilitação é o treino direto de processo atencionais básicos. Nesta mesma linha de raciocínio, Sohlberg e Mateer (200) apontam uma série de possibilidades de intervenção para melhorar gerenciar problemas atencionais e eles sugerem que tais técnicas podem ser efetivas para crianças e adolescentes com TDAH. MÉTODO Foram selecionadas e desenvolvidas técnicas de intervenção neuropsicológicas baseadas em dados da literatura que estudam reabilitação de funções executivas e de outras funções cognitivas associadas a ela, tais como memória operacional, atenção, flexibilidade e seleção apropriada de estratégias comportamentais frente a mudanças ambientais. Para a busca de referências específicas sobre técnicas de reabilitação da atenção, foram feitas buscas em portais específicos (tais como biblioteca virtual de saúde (BVS-PSI), PubMed, Scielo, dentre outros) com palavras específicas concernentes ao tema. Todas as técnicas utilizadas foram baseadas em atividades lúdicas que privilegiaram jogos infantis de diferentes naturezas. PARTICIPANTES As técnicas selecionadas foram articuladas em um programa e implementadas por meio de uma intervenção neuropsicológica com um grupo de crianças com sinais de desatenção e hiperatividade. Participaram do segundo momento desse estudo, 8 adolescentes no grupo (8ª séries) e 0 crianças no grupo 2 (5ª e 6ª séries). As crianças e os adolescentes foram avaliados por meio de instrumentos neuropsicológicos e comportamentais, como testes de atenção, questionário comportamental (como o CBCL/6-8 anso). Como critérios de 5

6 VII Jornada de Iniciação Científica - 20 inclusão os participantes foram identificados com presença característica de desatenção e hiperatividade identificada pela bateria de avaliação descrita acima. Todos os procedimentos metodológicos aqui descritos foram submetidos e aprovados pelo Comitê de Ética em Pesquisa Envolvendo Seres Humanos da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Os responsáveis legais dos participantes tomaram conhecimento sobre este projeto por meio de carta de informação ao participante da pesquisa. Foram respeitadas todas as normas éticas para a seleção da amostra, dentre outras exigências do referido comitê. Os responsáveis pelas crianças e adolescentes foram contatados, por intermédio do coordenador da escola, para convite à participação e em seguida foi marcado um dia para explicação da pesquisa e de todo o procedimento necessário. Após a aprovação os responsáveis assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido e posteriormente foram marcadas as sessões de avaliação e intervenção. Os dados foram analisados qualitativamente por meio da observação das sessões, onde foram avaliados os aspectos de interação, cumprimento de tarefas, esforço para realização, capacidade de concentração. Foram observadas também as interações dos participantes quanto aos sinais de desatenção e hiperatividade. LOCAL DAS ATIVIDADES O espaço utilizado foi a própria sala de aula da escola, em horário não letivo. O ambiente da sala era amplo, porém sua localização se dava ao redor de uma quadra de futebol, o que por muitas vezes atrapalhava a continuidade das tarefas devido às janelas que tinham ao seu redor, em que era possível avistar pessoas conversando. INSTRUMENTOS E PROCEDIMENTOS O protocolo foi composto por 8 sessões de 50 minutos aproximadamente. O objetivo do programa é o treino cognitivo de habilidades como: memória, atenção, flexibilidade cognitiva. Para uso do treino de habilidades de estudo, um folder não publicado intitulado desenvolvimento de comportamentos pró-estudo escrito por Pergher e colaboradores foi utilizado com consentimento dos autores. As atividades que envolveram esse protocolo foram dadas tanto em sala de aula, quanto para casa, com tarefas que exigiam domínio verbal, executivo, memória operacional e flexibilidade cognitiva, como pode ser visto no quadro a seguir. 6

7 Grupo I ADOLESCENTES Primeiro Encontro Tedif II, Tecom II Foram aplicados testes de atenção concentrada (TECOM II e atenção difusa (TEDIF II). Utilização de testes de atenção para entende melhor como essa dificuldade se apresenta Habilidade de Estudos * O texto utilizado trabalhado foi Eu sei mais não devia de Marina Colasanti. Foi pedido para que o adolescente lesse esse texto, e respondesse as questões apresentadas. Treinar a seleção e organização de informações. 30 Segundo Encontro Jogo da Memória a Era do Gelo Achar a figura correspondente a formação do par correto. Treinar a capacidade em se manter atento a detalhes, bem como a memória Onde está? Após olhar atentamente por minuto a imagem dada, tentando guardar o maior número possível de informações. O adolescente deverá responder um questionário que verifica a quantidade de informações armazenada. Treinar habilidade de atenção 20 Terceiro Encontro Quebra- Cabeça Sherek com 50 peças Montar a figura apresentada através do encaixe de partes específicas. Treinar a capacidade do adolescente quanto à memória operacional, atenção, organização viso-espacial Onde está? Após olhar atentamente por minuto a imagem dada, tentando guardar o maior número possível de informações. O adolescente deverá responder um questionário que verifica a quantidade de informações armazenada. Treinar habilidade de atenção 20 Sexto Encontro Treino de Habilidades de Estudo * Estudo do texto a velha contrabandista de Stanislaw Ponte Preta. Ler atentamente ao texto dado, levantar dúvidas que não ficaram esclarecidas. Reproduzir aquilo que foi lido. Consolidar o conhecimento do texto, a partir de destaques, grifos, anotações e resumos 30 2 Jogo de Dominó com expressões faciais Achar a figura correspondente ao par que deseja formar. Treinar a capacidade em perceber detalhes, obtendo como conseqüência a formação do par correto. 20 7

8 VII Jornada de Iniciação Científica - 20 Grupo I CRIANÇAS Primeiro Encontro Tedif II, Tecom II Foram aplicados testes de atenção concentrada (TECOM II e atenção difusa (TEDIF II). Utilização de testes de atenção para entende melhor como essa dificuldade se apresenta Habilidade de Estudos * O texto utilizado foi O nome de Regina Villaça Foi pedido para que a criança lesse o texto, e respondesse as questões apresentadas. Porém devido a não adesão a atividade não foi possível a conclusão. Treinar a seleção e organização de informações. 0 3 Onde está? Após olhar atentamente por minuto a imagem dada, tentando guardar o maior número possível de informações. A criança deverá responder um questionário que verifica a quantidade de informações armazenada. Treinar habilidade de atenção 20 Segundo Encontro Jogo da Memória a Era do Gelo Achar a figura correspondente à formação do par correto. Treinar a capacidade em se manter atento a detalhes, bem como a memória Habilidade de Estudos * O texto utilizado foi O nome de Regina Villaça Foi pedido para que a criança lesse esse texto, e respondesse as questões apresentadas. Descobrir a melhor maneira de se entender o texto, a partir da seleção, organização de informações, elaborando questões. 20 Terceiro Encontro Habilidade de Estudos Continuação do texto utilizado foi O nome de Regina Villaça Foi pedido para que a criança lesse esse texto, e respondesse as questões apresentadas. Descobrir a melhor maneira de se estudar, a partir da seleção, organização, de informações, elaborando questões, bem como relacionar essas informações com outras previamente vistas Onde está? Após olhar atentamente por minuto a imagem dada, tentando guardar o maior número possível de informações. Após o término do tempo deverá responder um questionário que verifica q quantidade de informações armazenada. Treinar habilidade de atenção 20 8

9 Quarto Encontro Quebra- Cabeça Sherek com 50 peças Montar a figura apresentada através do encaixe de partes específicas. Treinar a capacidade do adolescente quanto à memória operacional, atenção, organização viso-espacial Onde está o Wally? Encontrar as figuras propostas pela atividade. Treinar habilidade de atenção 0 Quinto Encontro Treino de Habilidades de Estudo * Estudo do texto a velha contrabandista de Stanislaw Ponte Preta. Ler atentamente ao texto dado, levantar dúvidas que não ficaram esclarecidas.reproduzir aquilo que foi estudado. Consolidar o conhecimento do texto. Se seus destaques, grifos, anotações e resumos forem bem feitos, não será necessário reler todo o texto Jogo dos 7 erros Achar os erros que compõem a figura determinada. Treinar a capacidade da criança em detectar erros comparando duas figuras apresentadas. 0 Sexto Encontro Treino de Habilidades de Estudo Estudo do texto a velha contrabandista de Stanislaw Ponte Preta. Ler atentamente ao texto dado, levantar dúvidas que não ficaram esclarecidas.reproduzir aquilo que foi estudado. Consolidar o conhecimento do texto. Se seus destaques, grifos, anotações e resumos forem bem feitos, não será necessário reler todo o texto Onde está? Após olhar atentamente por minuto a imagem dada, tentando guardar o maior número possível de informações. Após o término do tempo deverá responder um questionário que verifica q quantidade de informações armazenada. Treinar habilidade de atenção 0 Sétimo Encontro Jogo do Equilíbrio Era do Gelo Colocar o personagem no local que o dado indicava, sem para isso deixar desequilibrar o penhasco. Treinar habilidade motora e capacidade de concentração Quebra- Cabeça Sherek com 50 peças Montar a figura apresentada através do encaixe de partes específicas. A figura será mostrada pelo período de minuto. Treinar a capacidade do adolescente quanto à memória operacional, atenção, organização viso-espacial. 25 9

10 VII Jornada de Iniciação Científica - 20 Oitavo Encontro Jogo da Memória com figuras de tangram. Achar a figura correspondente à formação do par correto. Treinar a capacidade da criança em se manter atenta a detalhes, bem como a memória Jogo dos 7 erros Achar os erros que compõem a figura determinada. Treinar a capacidade da criança em detectar erros comparando duas figuras apresentadas. 0 3 Labirintos Encontrar o caminho adequado para ligar um ponto a outro. Treinar atenção e organização visoespacial. 0 4 Onde está? Após olhar atentamente por minuto a imagem dada, tentando guardar o maior número possível de informações. Após o término do tempo deverá responder um questionário que verifica q quantidade de informações armazenada. Treinar habilidade de atenção 0 RESULTADOS E DISCUSSÃO GRUPO I - ADOLESCENTES Na ª sessão com adolescentes foi aplicado os testes TECON-2 e TEDIF-2. O treino de habilidades de estudo foi realizado com o texto eu sei mas não devia, e a resposta ao questionário foi uma atividade feita em sala de aula. Apesar de terem dito que haviam entendido o texto, ao questionar do que se tratava, isso não ocorreu. Foi feita uma releitura desse texto por mais duas vezes para então poder responder o questionário adequadamente. A 2ª sessão com adolescentes foi trabalhada com o jogo da memória Era do Gelo com 32 pares. Na primeira tentativa demoraram cerca de 0 minutos a primeira dupla a conseguir completar a atividade e 5 minutos a última. Para trabalhar a idéia de fixação de informação a atividade foi repetida. Com isso a atividade levou 5 minutos para a primeira dupla conseguir, e 0 minutos a última dupla. Outra atividade trabalhada foi o jogo Onde está com a figura fazenda, apesar da pouca concentração na imagem, fizeram a tarefa adequadamente. Os 0 minutos finais da sessão foram utilizados para explicar como funcionava o jogo Sudoku, atividade essa passada como lição de casa, mas diante da queixa da dificuldade em realizá-la, as instruções foram repassadas. A 3ª sessão começa antes do horário porque no corredor eles informam que não haviam conseguido fazer o jogo sudoku em casa e reexplico como a tarefa deve ser feita. Passamos para as atividades do dia, começamos com o quebra-cabeça Sherek de dificuldade média 0

11 com 50 peças, atividade essa realizada em dupla. O tempo total de montagem levou cerca de 30 Comento que gostaria de trabalhar outro texto com eles, como eles são contrários a proposta, pergunto o que eles gostariam de trabalhar. Eles pedem o jogo de onde está e trabalhamos então com a imagem prateleira e quarto de dormir. A 6º sessão foi marcada pela falta consecutiva coletiva em duas sessões anteriores. A ocorrência dessas faltas evidenciou a impossibilidade de um trabalho contínuo, como pode ser visto na realização da leitura do texto a velha contrabandista, algumas dicas de como a leitura poderia ser facilitada haviam sido dadas na primeira sessão, mas com a inconstância da presença nesse trabalho, e a dificuldade em entender a história, novamente foi-se comentado o que poderia ajudar. Partimos então para um jogo de dominó com expressões faciais, que muitas vezes acabou confundindo na resposta do par correto, Nas sessões 4ª, 5ª 7ª e 8ª ocorreram faltas coletivas novamente. ANÁLISE DO GRUPO I ADOLESCENTES A maior dificuldade apresentada por esse grupo foi a frequência nas sessões. Inicialmente ao conversar sobre as atividades foi comentado que as atividades inicialmente passariam de fáceis, médias, difíceis e que se por acaso eles achassem que estava fácil ou difícil demais, eles teriam liberdade para dizerem e os ajustes seriam feitos. A atividade de leitura de texto só pode ter sido realizada apenas uma vez, ao término da leitura relataram terem compreendido o texto, mas ao questionar elementos do texto, não foi possível perceber dados que comprovassem esse fato. Eles não queriam ler o texto em voz alta, e eu ressaltava a importância deles fazerem isso, o que possibilitava evidenciar também a falta de hábito de leitura, bem como o esquecimento de várias palavras durante o exercício. Quando se questionava se tinham alguma dúvida relacionada ao texto, diziam que não, mas quando rebatia essa questão perguntando o significado de algumas palavras, não sabiam. O jogo sudoku não teve aceitação e fica difícil afirmar se devido a dificuldade com números, ou realmente o não entendimento, uma vez que aconteceram tantas faltas. A ocorrência dessas faltas evidenciou a impossibilidade de um trabalho contínuo, não sendo possível afirmar uma evolução significativa no desempenho avaliado por falta de dados. Cabe ressaltar que os barulhos em sala de aula eram excessivos, não por causa do grupo, mas pelas atividades que ocorrem externamente, visto que estávamos perto de uma quadra de futebol, e apesar do barulho incomodar, isso não impediu que as atividades fossem realizadas. As atividades passadas para casa nunca foram entregues, pedido esse feito para que eu pudesse corrigir e comentar o que eles haviam feito.

12 VII Jornada de Iniciação Científica - 20 GRUPO II - CRIANÇAS A ª sessão com as crianças das 5ªs e 6ªs séries foi aplicado os testes tecon - 2 e tedif - 2. O treino de habilidades de estudo foi realizado em sequência com o texto o nome, mas devido a grande demora para ler o conteúdo e o desânimo em responder as perguntas relacionadas ao entendimento do texto. A resposta ao questionário foi atividade deixada para casa, junto com outras atividades. Em seguida começamos a trabalhar a atividade onde está, para isso a imagem crianças na praia foi utilizada. Tal atividade foi feita em dupla, porém houve uma grande discussão pela resposta certa, raramente sendo possível um consenso, o que me fez separar as duplas, vindo cada um a trabalhar individualmente. A 2ª sessão foi marcada pelo uso do jogo da memória a Era do Gelo, inicialmente dividido em partes, com a seleção de 2, 6 e 32 pares consecutivamente, o que fez com que eles prestassem cada vez mais atenção, pois o grau de dificuldade ia aumentando. Ainda que a dificuldade em se trabalhar em dupla seja grande, aqui pode ser superada pela não necessidade de tomada de decisões, pois ou se acertava ou errava. Essa tarefa tomou 30 minutos da sessão. E como eles não trouxeram o texto o nome com as perguntas respondidas, leram o texto novamente e responderam as questões coletivamente. Como o tempo que tínhamos não foi possível responder a todas as perguntas, lição essa passada para casa. A 3ª sessão o texto o nome não havia sido terminado em casa, o que me fez terminar em sala de aula as respostas que eles não completaram, utilizando aproximadamente 30 minutos da sessão. Com a insistência deles pelo jogo onde está foram utilizadas as imagens prateleira e o melhor amigo do homem. Nessa sessão foi possível ter uma conversa franca, sobre o porquê eles estavam ali. A 4ª sessão foi trabalhada a atividade quebra-cabeça Sherek com 50 peças em dupla, e vendo a dificuldade que eles tinham em montar o quebra-cabeça, mudei a estratégia para trios. A atividade consumiu 40 minutos da sessão, apesar do tempo alto, a ideia em saber como era o quebra-cabeça manteve-os atentos a tarefa, já que a caixa do quebra-cabeça não havia sido disponibilizada como ajuda na montagem, mesmo assim a montagem não foi concluída. Foi utilizado o jogo onde está o Wally para finalizar as atividades, o mais interessante é que nesse momento eles pararam de querer contar a resposta do exercício para o amigo que estava próximo, marcavam a resposta na folha, e em seguida cobriam com a mão a espera da nova instrução. A 5º sessão apenas uma criança compareceu, o que possibilitou um intenso trabalho individual. Especificamente esse participante é o que mais apresentou dificuldades, como crises de ausência, esmurrar a cabeça, mexer as pernas, falar sozinho, andar pela sala. 2

13 Nesse dia foi possível realizar a leitura do texto a velha contrabandista, mas ao fazer perguntas relacionadas ao texto ele próprio apresentou o movimento de querer olhar o texto novamente, pedi então para que ele relesse alto e compartilhasse comigo a leitura. Respondeu as perguntas prontamente, mas palavras como contrabandista e odontólogo não sabia o significado. Sem dar a resposta prontamente, fiz com que ele pensasse no que poderia ser. Logo em seguida nos 0 minutos finais da sessão o jogo de 7 erros foi apresentado a criança que achou com facilidade os 4 primeiros erros, sendo que os 3 últimos o estimulo teve que ser frequente para que a atividade fosse terminada. Na 6º sessão foi trabalhado o texto a velha contrabandista com o restante da turma, embora a criança que havia vindo na sessão anterior estivesse presente nessa, dei a ela outras atividades como onde está e ligar os pontos. Mas como ele se lembrava das respostas queria participar e a leitura do texto somente foi bem sucedida apenas na terceira vez. O grupo apresentou as mesmas dificuldades que a criança anterior e com as mesmas dicas eles conseguiram chegar à resposta correta. Em seguida o jogo onde está com a imagem um dia na fazenda foi apresentado. A 7ª sessão se pautou nas atividades de jogo do equilíbrio da Era do gelo 3 e no quebracabeças com 50 peças do Sherek. Nesse dia uma das crianças ficou pedindo para sair para jogar bola. Duas outras ficaram brigando e chamando um ao outro de burro. Outra chegou 20 minutos atrasada, o que acabou dificultando ele a entender o que estava acontecendo, pois o jogo da Era do Gelo era o centro das atenções daquele dia, tendo assim dificuldades de adentrar ao jogo, pois as crianças não queriam que ele entrasse no meio. Nos 30 minutos finais foi possível montar o quebra-cabeça, tarefa essa concluída em trios. A 8ª sessão foi marcada pelo descontentamento de algumas crianças com o término das atividades. Mesmo assim eles cumpriram todas as tarefas corretamente e para minha surpresa, sem os habituais pedidos de idas ao banheiro, ou acontecimentos semelhantes que tinham como objetivo fugir da atividade proposta. Foi trabalhado nesse dia o jogo de memória com imagens de tangram, primeiramente com 6 imagens e depois com 2. Apesar das imagens serem difíceis em dupla, eles encontraram o par. Feito isso a tarefa seguinte foi o jogo dos 7 erros individualmente, como eles estavam acostumados com essa atividade para casa não foi tão difícil encontrar os erros. Labirintos e o jogo onde está com a imagem quarto de dormir, ambas as atividades foram realizadas com sucesso e nessa sessão por ser a última, optei por mesclar atividades que eles gostavam de realizar. 3

14 VII Jornada de Iniciação Científica - 20 ANÁLISE GRUPO II CRIANÇAS Esse grupo se mostrou com frequentes dispersões, tais como: conversar com o amigo do lado, se interessar pelo o que o outro está fazendo, se esquecendo de sua própria atividade; levantar da cadeira sem o término do que havia sido pedido; mexer no celular, querer sair para comer, pedir para ir ao banheiro, comentar que está chato, olhar para a janela, querer ouvir música, cantar. Todos esses comportamentos eram controlados de maneira a impedir que eles acontecessem, o que por muitas vezes, fez com que eu me tornasse chata, na visão deles, ditando ordens, visto que eles teciam comentários como: você fica me pedindo para fazer um monte de coisas, faz você. Eles comentavam que eu estava mandando neles, foi nesse momento que pude conversar abertamente com eles e perguntar o porquê eles achavam que estavam ali? Obtive como respostas as dificuldades que os pais e professores me relataram e questionei-os, se realmente eles concordavam com isso, pois me parecia pela descrição deles, que todos eram muito ruins, mas que ali eu estava vendo sim que eles tinham dificuldades, mas eles também eram bons em várias coisas e mostrei a cada um o que mais me chamava atenção de suas características positivas, como: Você presta atenção em cada detalhe e é por isso que perde muito tempo para fazer, mas também quando faz não erra, olha só que importante. / Sua memória é muito boa e isso te ajuda a lembrar mais fácil das coisas. / Você gosta dos números e vai super bem sempre que temos que trabalhar com eles. / Você adora ficar me contando um monte de coisas, que parecem fugir do que realmente te peço, mas no fundo são detalhes que te ajudam a lembrar de cada trecho que aconteceu na história, você trabalha melhor assim. E ao conversar com o grupo disse que o que eles precisavam perceber, era o que facilita, e o que não facilita nas atividades que eles realizavam. Eu posso querer saber de tudo, mas é preciso pensar se tenho tempo pra isso, como por exemplo, na hora da prova. Mas se eu estiver em casa, estudando é possível. É importante que eu saiba trabalhar das duas maneiras. E pude perceber que eles sabem das próprias dificuldades, mas isso não faz com que eles queiram (coloco aqui em aspas, pois acredito que esse comportamento muito se deve a baixa auto-estima, presente neles) mudar. Baseando-se na literatura científica podese citar um artigo português, que comenta que alunos que não vão bem em aprendizagens escolares, ou atividades cognitivas, possuem discursos e imagens pessoais pouco propícia a expressão de suas habilidades. (ALMEIDA; BALÃO apud BARROS et al., 988, barros; almeida, 99; FARIA, 995). Os comentários que eles teciam durante as tarefas eram: Você é burro... Que lerdo... Eu consigo, você não... É muito difícil... É chato... Não sei fazer... Não consigo... Faz pra mim... Me ajuda? E ficava estabelecido aí uma constante discussão sobre quem conseguia fazer, e quem não. No começo tentei trabalhar com atividades em conjunto, mas esses comentários eram muito frequentes e impediam que 4

15 alguns alunos realizassem a atividade, por isso passei a trabalhar mais individualmente com eles. No começo me eles ficavam sempre na tentativa de não fazer a atividade, de criticar uns aos outros, ou a tarefa era muito fácil, ou muito difícil, mas raramente enfrentavam suas dificuldades. Algumas coisas começaram a mudar quando conversamos a respeito do motivo que os fazia estar ali. Algumas observações devem ser levadas em consideração, como os barulhos em sala de aula que eram excessivos, tanto externo quanto internamente. Em parte pelas atividades que ocorrem fora da classe, visto que estamos perto de uma quadra de futebol, assim como a necessidade das pessoas que estão jogando bola em observar o que está sendo feito na sala de aula, chamando atenção dos alunos, impedindo algumas vezes que as atividades fossem realizadas. Cabe ressaltar também que esse grupo é extremamente disperso com as atividades que ocorrem dentro da classe. O jogo sudoku não pareceu agradar ao grupo, ainda que diversas vezes a explicação de como funcionava foi dada, com o tempo ele deixou de entrar nas atividades para casa. E a leitura de textos foi possível dividi-la em etapas: ler calmamente tentando entender o que o texto quer falar; grifar as palavras que não fazem sentido; ver se não é possível encontrar um significado nessas palavras apenas com a compreensão da frase que envolve essa palavra e por último utilizar o dicionário para entender aquilo que não ficou claro. Ao conversar com os participantes sobre como eles haviam percebido esse processo, obtive como resposta, uma percepção da melhora nas atividades escolares, nas funções de atenção e concentração, assim como um sentimento de confiança em relação a suas próprias capacidades. Cabe ressaltar que Almeida (2002) é importante que os professores descubram maneiras eficazes de ajudar os alunos a pensar e aprender. Os protocolos de treino cognitivo não devem ser entendidos como receitas e sim como facilitadores ao traçar estratégias de aprendizagem e estudo, possibilitando assim que o aluno crie uma autonomia na utilização das táticas desenvolvidas, frente as suas características pessoais e ao que determinada situação permite (ALMEIDA, 2002, página 9). CONCLUSÕES Esse estudo teve por objetivo o desenvolvimento, a implementação, e avaliação de um programa de treino de função cognitiva em crianças com sinais de desatenção e hiperatividade. Durante esse trabalho foi possível perceber a grande dificuldade na leitura de textos com um grau de dificuldade inicial fácil, indo aumentando com o passar das sessões. Ainda que essa mudança de níveis respeitasse o desenvolvimento dos alunos nas sessões, 5

16 VII Jornada de Iniciação Científica - 20 trabalhar com texto era algo extremamente difícil, pois liam rapidamente, pulando palavras, linhas, vírgulas, fazendo com que a compreensão do texto fosse extremamente superficial. Foi possível perceber uma mudança, ainda que pequena na leitura, na compreensão e na atenção ao que o texto quer dizer. Mas devido ao pouco tempo de trabalho, tal resultado permite imaginar que possivelmente com a utilização dessas técnicas no cotidiano do aluno essas dificuldades serão melhor enfrentadas. Vale ressaltar que esse processo pode se apresentar inconstante e demorado, por isso é necessário considerar que por muito tempo o aluno se comportou dessa maneira desajustada as atividades e é difícil estabelecer novos padrões de comportamento. Às vezes esse desajuste pode significar apenas algo passageiro. Pensando em ambos os grupos pode-se perceber a grande quantidade de faltas foi muita elevada, o que faz questionar se isso é uma prática habitual, ou falta de motivação. Não havia como melhorar uma dificuldade, se não se estivesse disposto a enfrentá-la, então parti como pressuposto trabalhar as dificuldades do grupo, ora individuais, ora coletivas, conforme elas iam aparecendo. Embora tenha me questionado inúmeras vezes se surtiria efeito ligar para essas crianças cobrando a participação delas. Hoje penso que talvez se assim tivesse agido, provavelmente teria sim um grupo coeso, e provavelmente motivado pela obrigação e não propriamente em achar uma maneira de enfrentar seus problemas. E o que estaria eu modelando? Novos comportamentos sim, mas pautados em quê? Que fizessem um resultado relevante aparecer. Todos sem exceção demonstraram muita dificuldade nas atividades realizadas, ainda que no início relatassem a tarefa como sendo muito fácil, demoravam um tempo elevado para conclusão da mesma e frequentemente as respostas se apresentavam de maneira impulsiva levando ao erro. O fácil na verdade era compreender essa atitude em ser impulsivo, por uma dificuldade sim, mas muitas vezes era na ideia de se livrar do exercício que a pressa vinha, bem como a vontade em beber água, ir ao banheiro, dentre outros comportamentos, que com o tempo pude aprender a tentar reluzi-los. Dizer que não podiam realizar esses comportamentos não bastava, pois eles continuavam perguntando. Com o passar das sessões essas perguntas foram diminuindo, aparecendo poucas vezes. De todas as crianças quero chamar a atenção para três casos específicos, um menino que ao término da pesquisa começou a chegar com frequência atrasado, para ser mais exata na anti-penúltima e penúltima sessão veio com 0/5 minutos para o término da sessão e assim que chegava perguntava se teria presença. E na última sessão faltou, o que me faz 6

17 pensar que talvez ele estivesse descontente com o fim das atividades. Outro comportamento que cabe ressaltar é de uma menina sempre empenhada em vir às sessões e também pro fim das atividades começou a se ausentar nas 3 últimas sessões. Perguntas essas que não poderei responder por falta de base para isso. E um menino que muito me chamou atenção pela rapidez nas atividades, embora tenha comparecido com pouca frequência, sempre que vinha comparado ao grupo tinha uma facilidade maior em encontrar as respostas das atividades, o que por vezes fez com que ele ficasse impaciente em sala. Para manejar isso, eu propunha algumas atividades extras a ele para que ele nesse espaço não perdesse o foco. Os efeitos positivos percebidos em todos os participantes foi uma maior motivação para enfrentar as dificuldades, sendo visível uma evolução da capacidade de concentração, atenção, memória, raciocínio e controle dos impulsos. Esse estudo se propõe a abrir espaço para futuras pesquisas, mas devido ao grande número de faltas, bem como a quantidade pequena de participantes, é possível sim perceber sua eficácia, mas essa afirmação é algo que precisa ser considerado com parcimônia devido no momento não ser possível perceber os possíveis resultados futuros e a durabilidade dessa intervenção REFERENCIAS ABREU, A., Videogame um bem ou mal? Um breve panorama da influência dos jogos eletrônicos na cultura individual e coletiva, 2003 ( ALMEIDA, L. S. Facilitar a aprendizagem: Ajudar os alunos a aprender a pensar. Psicologia escolar e Educacional, v. 6, n. 2, p , ALMEIDA, L. S; Balão, S. G.Treino cognitivo de alunos com dificuldades na aprendizagem: reflexões em torno de uma experiência no 5º ano, Revista Portuguesa de Educação, v. 9, n. 2, p. 29-4, 996. ALVES, L. Análise das performances em teste de atenção sustentada: comparação entre jogadores e não-jogadores de videogame Universidade Federal de Minas Gerais, BH, AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION, Referência Rápida aos Critérios Diagnósticos do DSM-IV-TR, Artmed, ARDILA, A.; OSTROSKY-SOLIS, F. El diagnóstico del daño cerebral: enfoque neuropsicológico, Mexico, Editorial Trillas, 99. ÁVILA, R., Resultados da reabilitação neuropsicológica em paciente com doença de Alzheimer leve, Revista de Psiquiatria Clínica, n. 30, p ,

18 VII Jornada de Iniciação Científica - 20 BARROS, M. G. J. Jogo infantil e hiperatividade. Rio de Janeiro: Sprint, p. 50, CAPOVILLA, A. G. S.; ASSEF, E. C. S.; COZZA, H. F. P., Avaliação neuropsicológica das funções executivas e relação com desatenção e hiperatividade, Avaliação Psicológica, v. 6, n., p. 5-60, CAPOVILLA, A. G. S. Contribuições da neuropsicologia cognitiva e da avaliação neuropsicológica à compreensão do funcionamento cognitivo humano. Cadernos de Psicopedagodia, v. 6, n., São Paulo, CERAVOLO, M.G. Cognitive rehabilitation of attention deficit after brain damage: from research to clinical practice, Eura Medicophys., v. 42, n., p. 49-5, CLARE, L.; WOODS, R. T. Cognitive rehabilitation in dementia. A special issue of neuropsychological rehabilitation. Psychological Press New York, 200. D ALMEIDA, A.; PINNA, D.; MARTINS, F.; SIEBRA, G.; MOURA, I. Reabilitação cognitiva de pacientes com lesão cerebral adquirida. CienteFico IV () DE VREESE, L. P.; NERI, M.; FIORAVANTI, M.; BELLOI, L.; ZANETTI, O. Memory rehabilitation in Alzheimer s disease: a review of progress. Int. Journal of geriatric Psychiatric, v. 6 p , 200. GAZZANIGA, M.S.; IVRY, R.B.; MANGUN, G.R. Neurociência Cognitiva: a Biologia da Mente, Artmed, 2a edição, KOLB, B.; WHISHAW, I. Q., Neurociências do comportamento, Manole, MARCÍLIO, L. F. Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade/Impulsividade: diagnóstico e tratamento farmacológico. Em L. E. L. R. Valle & F. C. Capovilla (Orgs.), Temas multidisciplinares de neuropsicologia & aprendizagem p Ribeirão Preto: Tecmedd, MC LELLAN, D. L. Functional recovery and principles of disability medicine. In: Swash M.; Oxbury J. Clinical Neurology. Churchill Livingstone, London, p , 99. MCMILLAN, T. M.; GREENWOOD, R. J. Model of rehabilitation programme for the brain injured adult Model services and suggestions for chance in UK. Clin Rehabil 7 p , 993. MEYER, T. D.; BLECHERT, J. Are there attention deficits in people putatively at risk for affective disorders? Journal Affective Disorders, v. 84, n., p , MICHEL, J.A.; MATEER, C.A. Attention rehabilitation following stroke and traumatic brain injury. A review. Eura Medicophys., v. 42, n., p ,

19 MISSAWA, D. A.; ROSSETTI, C. B. Desempenho de crianças com e sem dificuldades de atenção no jogo Mancala Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Arquivos Brasileiros de Psicologia, v. 60, n. 2, MOURA, C. B. Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. Pediatria Moderna, v. 35, n. 8, p , 200. PERGHER, N. e colaboradores Desenvolvimento de comportamentos pró-estudo, texto não publicado. PONTES, L. M. M.; HÜBNER, M. M. C. A; reabilitação neuropsicológica sob a ótica da psicologia comportamental, Revista de Psiquiatria Clínica, v. 35, n., p. 6-2, PRIGATANO, G. P. Principles of neuropsychological rehabilitation. Oxford University Press, Oxford, 989. SILVA, R. A.; SOUZA, L. A. P.; Aspectos Linguísticos e sociais relacionados ao transtorno de Déficit de Atenção/ Hiperatividade Rev Cefac, São Paulo, v. 7, n. 3, p , SOHLBERG, M.M.; MATEER, C.A. Improving attention and managing attentional problems. Adapting rehabilitation techniques to adults with ADD. Ann N Y Acad Sci., v. 93, p , 200. WILSON, B. A.; COCKBURN, J.; BADDELEY, A. D.; EVANS, J. J.; SHIEL, A. Errolers learning in the rehabilitation of memory impaired people. Neuropycholl Rehabil 4: p , 994. WILSON, B. A. Reabilitação das deficiências cognitivas. In: Nitrini, R.; Caramelli, P.; Mansur, L. L. Neuropsicologia: das bases anatômicas à reabilitação. Clínica Neurológica HCFMUSP, São Paulo, p , 996. WILSON, B. A.; HEBERT, C. M.; SHIEL, A. Behavioral approaches in neuropsychological rehabilitation: optimizing rehabilitation procedures. Psychology Press, New York, ZORZI, J. L. Aquisição de linguagem infantil: desenvolvimento, alterações, terapia. São Paulo: Pancast, 993 p. 05. ZORZI, J. L. A intervenção fonoaudiológica nas alterações de linguagem infantil. Rio de Janeiro: Revinter, 999 p. 39. Contato: e 9

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

CONHECIMENTO DO PROFESSOR SOBRE TDAH E SUA RELAÇÃO COM O DESEMPENHO ESCOLAR DO ALUNO HIPERATIVO

CONHECIMENTO DO PROFESSOR SOBRE TDAH E SUA RELAÇÃO COM O DESEMPENHO ESCOLAR DO ALUNO HIPERATIVO CONHECIMENTO DO PROFESSOR SOBRE TDAH E SUA RELAÇÃO COM O DESEMPENHO ESCOLAR DO ALUNO HIPERATIVO ALINE OLIVEIRA SALGUEIRO* CLÁUDIA ROBERTA GASPARETTO NÁDIA HARUMI INUMARU RESUMO: O presente trabalho investiga

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Estruturas das Sessões em TCC

Estruturas das Sessões em TCC Estruturas das Sessões em TCC Eliana Melcher Martins - Mestre em Ciências pelo Depto. de Psicobiologia da UNIFESP - Especialista em Medicina Comportamental pela UNIFESP - Psicóloga Clínica Cognitivo Comportamental

Leia mais

Vencedores! Ideias de Negócio. Passos para criar. Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais!

Vencedores! Ideias de Negócio. Passos para criar. Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais! Por Rafael Piva Guia 33 Prático Passos para criar Ideias de Negócio Vencedores! Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais! Que bom que você já deu um dos

Leia mais

TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA

TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA 1 TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA Introdução Quando nos deparamos com um aluno que apresenta dificuldade de aprendizagem, as perguntas

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

Ana Beatriz Bronzoni

Ana Beatriz Bronzoni Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular da Universidade Federal de Viçosa Viçosa (MG) - CEP 36570-000 CNPJ: 07.245.367/0001-14 Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular Universidade Federal

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA.

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. Rosângela de Fátima Cavalcante França* Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESUMO Este texto apresenta de forma resumida

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO Prof. Dr. Carlo Schmidt Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial INTRODUÇÃO Caracterização: Do que estamos falando? TDAH Autismo O que essas condições têm

Leia mais

DISLEXIA E TDAH: SUBSÍDIOS ÀS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS ERONICE DE SOUZA LEÃO PSICOPEDAGOGA

DISLEXIA E TDAH: SUBSÍDIOS ÀS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS ERONICE DE SOUZA LEÃO PSICOPEDAGOGA DISLEXIA E TDAH: SUBSÍDIOS ÀS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS ERONICE DE SOUZA LEÃO PSICOPEDAGOGA DISLEXIA E TDAH: SUBSÍDIOS ÀS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NEM TODAS AS DIFICULDADES DE APRENDER SÃO TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM

Leia mais

A Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF):

A Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF): A Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF): Há sempre mais do que uma única história* Por que o tema é importante? Provavelmente, cada vez que você leva sua criança a uma

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

A DIVERSIDADE NA ESCOLA

A DIVERSIDADE NA ESCOLA Tema: A ESCOLA APRENDENDO COM AS DIFERENÇAS. A DIVERSIDADE NA ESCOLA Quando entrei numa escola, na 1ª série, aos 6 anos, tinha uma alegria verdadeira com a visão perfeita, não sabia ler nem escrever, mas

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Tanise Coppetti Universidade Federal de Santa Maria tani_coppetti@hotmail.com Resumo: Este trabalho apresenta uma atividade a respeito de equações

Leia mais

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES Marcos Aurélio Alves e Silva- UFPE/CAA Alcicleide Ramos da Silva- UFPE/CAA Jucélia Silva Santana- UFPE/CAA Edelweis José Tavares Barbosa- UFPE/CAA

Leia mais

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Paloma Rodrigues Cunha¹, Larissa Costa Pereira¹, Luã Carvalho Resplandes², Renata Fonseca Bezerra³, Francisco Cleiton da Rocha 4

Leia mais

+ de 100 Estudos. O Estudo IHAMS

+ de 100 Estudos. O Estudo IHAMS + de 100 Estudos Mantemos um esforço de pesquisa e desenvolvimento ativo, com novos jogos, exercícios e novos estudos. Atualmente, existem mais de 60 artigos de periódicos publicados sobre os benefícios

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

COGNITIVE TRAINING IN CHILDREN AND ADOLESCENTS WITH SIGNS OF INATTENTION AND HYPERACTIVITY:

COGNITIVE TRAINING IN CHILDREN AND ADOLESCENTS WITH SIGNS OF INATTENTION AND HYPERACTIVITY: TREINO COGNITIVO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINAIS DE DESATENÇÃO E HIPERATIVIDADE: PROPOSTA DE PROTOCOLO DE INTERVENÇÃO NEUROPSICOLÓGICA NOS DOMÍNIOS VERBAL E EXECUTIVO COGNITIVE TRAINING IN CHILDREN

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO Por que ler este livro? Você já escutou histórias de pessoas que ganharam muito dinheiro investindo, seja em imóveis ou na Bolsa de Valores? Após ter escutado todas essas

Leia mais

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização Juliana Ferreira Universidade Estadual Paulista UNESP- Araraquara E-mail: juliana.ferreiraae@gmail.com Silvio Henrique

Leia mais

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 660 ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Camila Rodrigues Costa 1, 2 Matheus

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas DOMÍNIO E IMAGEM DE UMA FUNÇÃO: UMA ABORDAGEM POR MEIO DO JOGO BINGO DAS FUNÇÕES Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio (EMAIEFEM) GT 10 ADELSON CARLOS MADRUGA Universidade

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA COM A MODELAGEM MATEMÁTICA POR MEIO DO ESTUDO DA RITALINA NO ORGANISMO

UMA EXPERIÊNCIA COM A MODELAGEM MATEMÁTICA POR MEIO DO ESTUDO DA RITALINA NO ORGANISMO UMA EXPERIÊNCIA COM A MODELAGEM MATEMÁTICA POR MEIO DO ESTUDO DA RITALINA NO ORGANISMO Renata Karoline Fernandes Universidade do Norte do Paraná/Universidade Estadual de Londrina renatakaroline@hotmail.com

Leia mais

O papel do CRM no sucesso comercial

O papel do CRM no sucesso comercial O papel do CRM no sucesso comercial Escrito por Gustavo Paulillo Você sabia que o relacionamento com clientes pode ajudar sua empresa a ter mais sucesso nas vendas? Ter uma equipe de vendas eficaz é o

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

0 ponto - Não há perda de memória óbvia. Esquecimentos irregulares que não interferem com as atividades diárias

0 ponto - Não há perda de memória óbvia. Esquecimentos irregulares que não interferem com as atividades diárias Para fazer o teste é preciso focar nas mudanças que eventualmente tenham ocorrido na capacidade cognitivas e funcionais do paciente. Em cada categoria, deve ser escolhida a frase que melhor descrever o

Leia mais

O que fazer em meio às turbulências

O que fazer em meio às turbulências O que fazer em meio às turbulências VERSÍCULO BÍBLICO Façam todo o possível para viver em paz com todos. Romanos 12:18 OBJETIVOS O QUÊ? (GG): As crianças assistirão a um programa de auditório chamado Geração

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA A importância do bem-estar psicológico dos funcionários é uma descoberta recente do meio corporativo. Com este benefício dentro da empresa, o colaborador pode

Leia mais

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas Manual de Aplicação do Jogo da Escolha Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas 1 1. Como o jogo foi elaborado O Jogo da Escolha foi elaborado em 1999 pelo Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

Valores educacionais do Olimpismo

Valores educacionais do Olimpismo Valores educacionais do Olimpismo Aula 3 Busca pela excelência e equilíbrio entre corpo, vontade e mente Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Detalhar o valor busca pela excelência 2 Apresentar estratégias

Leia mais

1. Ao clicar no link http://edukatu.org.br/ você verá a página inicial do Edukatu.

1. Ao clicar no link http://edukatu.org.br/ você verá a página inicial do Edukatu. Bem vindo ao Edukatu! Para nós, do Instituto Akatu, é uma grande alegria contar com sua participação e engajamento no Edukatu Rede de Aprendizagem para o Consumo Consciente! Para participar, é fácil! Siga

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

COMO FAZER A TRANSIÇÃO

COMO FAZER A TRANSIÇÃO ISO 9001:2015 COMO FAZER A TRANSIÇÃO Um guia para empresas certificadas Antes de começar A ISO 9001 mudou! A versão brasileira da norma foi publicada no dia 30/09/2015 e a partir desse dia, as empresas

Leia mais

Apresentadoras: Ana Paula Corrêa Julia Tognozzi Orientação: Profa. Dra. Mariza R. Feniman Co-orientação: Maria Renata José

Apresentadoras: Ana Paula Corrêa Julia Tognozzi Orientação: Profa. Dra. Mariza R. Feniman Co-orientação: Maria Renata José Apresentadoras: Ana Paula Corrêa Julia Tognozzi Orientação: Profa. Dra. Mariza R. Feniman Co-orientação: Maria Renata José "Você já pensou o porquê das crianças irem mal na escola, mesmo sendo inteligentes

Leia mais

Prática com Projeto em aulas de Matemática: um desafio Antonio Roberto Barbutti arbarbutti@hotmail.com EMEF Padre Francisco Silva

Prática com Projeto em aulas de Matemática: um desafio Antonio Roberto Barbutti arbarbutti@hotmail.com EMEF Padre Francisco Silva Prática com Projeto em aulas de Matemática: um desafio Antonio Roberto Barbutti arbarbutti@hotmail.com EMEF Padre Francisco Silva Resumo: Este trabalho é resultado do curso de formação Gestar II Matemática,

Leia mais

Aprendendo a ESTUDAR. Ensino Fundamental II

Aprendendo a ESTUDAR. Ensino Fundamental II Aprendendo a ESTUDAR Ensino Fundamental II INTRODUÇÃO Onde quer que haja mulheres e homens, há sempre o que fazer, há sempre o que ensinar, há sempre o que aprender. Paulo Freire DICAS EM AULA Cuide da

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

Queila Medeiros Veiga TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

Queila Medeiros Veiga TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Marcos Legais 1988 Constituição Federal (art. 208, III) direito das pessoas com necessidades especiais de receberem educação, preferencialmente na rede regular

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DO PROJETO EXPRESSÕES NUMÉRICAS E RADICIAÇÃO: UMA ABORDAGEM CONTEXTUALIZADA NA ESCOLA MARIA DO CARMO CARNEIRO.

EXPERIÊNCIAS DO PROJETO EXPRESSÕES NUMÉRICAS E RADICIAÇÃO: UMA ABORDAGEM CONTEXTUALIZADA NA ESCOLA MARIA DO CARMO CARNEIRO. EXPERIÊNCIAS DO PROJETO EXPRESSÕES NUMÉRICAS E RADICIAÇÃO: UMA ABORDAGEM CONTEXTUALIZADA NA ESCOLA MARIA DO CARMO CARNEIRO. Francisca Valdielle Gomes Silva Discente do Curso de Matemática da Universidade

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA

UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA RESUMO José Jorge de Sousa; Francisco Aureliano Vidal Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio. Atividade: Reflexão sobre Amadurecimento e Relacionamento Interpessoal

Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio. Atividade: Reflexão sobre Amadurecimento e Relacionamento Interpessoal Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio Atividade: Reflexão sobre Amadurecimento e Relacionamento Interpessoal Público: Oitavos anos Data: 25/5/2012 181 Dentro deste tema, foi escolhida para

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

UMA PROPOSTA DE LETRAMENTO COM FOCO NA MODALIDADE ORAL DE LINGUAGEM EM SUJEITOS COM SÍNDROME DE DOWN

UMA PROPOSTA DE LETRAMENTO COM FOCO NA MODALIDADE ORAL DE LINGUAGEM EM SUJEITOS COM SÍNDROME DE DOWN UMA PROPOSTA DE LETRAMENTO COM FOCO NA MODALIDADE ORAL DE LINGUAGEM EM SUJEITOS COM SÍNDROME DE DOWN RESUMO DANTAS 1, Leniane Silva DELGADO 2, Isabelle Cahino SANTOS 3, Emily Carla Silva SILVA 4, Andressa

Leia mais

e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal.

e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal. e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal. Entre os gregos e romanos antigos, havia divergências quanto à maneira de ver e considerar

Leia mais

PCN em Ação Relatório 5ª a 8ª série

PCN em Ação Relatório 5ª a 8ª série 1 PCN em Ação Relatório 5ª a 8ª série Antonia Terra de Calazans Fernandes Mimoso do Sul - 02 a 05 de maio de 2000 Assistiu e ajudou na coordenação: Marísia Buitoni Caracterização do Grupo Estavam presentes

Leia mais

1 USE SUA RAZÃO E DEIXE AS EMOÇÕES POR ÚLTIMO

1 USE SUA RAZÃO E DEIXE AS EMOÇÕES POR ÚLTIMO BEM VINDO AO GUIA DE 10 PASSOS DE COMO MELHORAR MUITO A SUA VIDA FINANCEIRA! APROVEITE! 1 USE SUA RAZÃO E DEIXE AS EMOÇÕES POR ÚLTIMO Quando se trata do nosso dinheiro, a emoção sempre tende a ser um problema.

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que Introdução A formação continuada iniciou-se com um diagnóstico com os profissionais que atuam nos Centros de Educação Infantil do nosso município para saber o que pensavam a respeito de conceitos essenciais

Leia mais

Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com

Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com Autismo: um olhar pedagógico Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com Algumas reflexões iniciais: Primeiramente, é importante dizer que não há respostas prontas para todas as questões

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

PRINCÍPIOS DA INSTRUÇÃO PROGRAMADA 1. Se você ler cada um dos quadros cuidadosamente, provavelmente cometerá muito poucos erros.

PRINCÍPIOS DA INSTRUÇÃO PROGRAMADA 1. Se você ler cada um dos quadros cuidadosamente, provavelmente cometerá muito poucos erros. PRINCÍPIOS DA INSTRUÇÃO PROGRAMADA 1 INSTRUÇÕES Existem diferenças entre um Curso Programado ou Programa em Instrução Programada e um livro - texto comum. A primeira diferença é que o material se apresenta

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO MAR/ABRIL 2013 [Edição 6]

BOLETIM INFORMATIVO MAR/ABRIL 2013 [Edição 6] BOLETIM INFORMATIVO MAR/ABRIL 2013 [Edição 6] O tema central desta edição do Boletim Informativo será a Psicologia Infantil. A Psicologia Infantil é a área da Psicologia que estuda o desenvolvimento da

Leia mais

DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES

DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES Rogério Sousa AZEVEDO (1); Iara M Cavalcante NOLETO (2) (1 e 2) Instituto Federal de

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS

MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS Caro leitor: O objetivo principal deste Manual de Observação para o Educador: conhecendo melhor a prática profissional

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos.

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos. Psicoterapia comportamental infantil Eliane Belloni 1 A psicoterapia comportamental infantil é uma modalidade de atendimento clínico que visa propiciar mudanças no comportamento da criança a partir de

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Blue Mind Desenvolvimento Humano

Blue Mind Desenvolvimento Humano Conhecendo o Coaching Por Fábio Ferreira Professional & Self Coach pelo Instituto Brasileiro de Coaching, com certificação internacional pela European Coaching Association e Global Coaching Community,

Leia mais

Estudo x trabalho: aprenda a vencer a rotina de atividades rumo ao sucesso

Estudo x trabalho: aprenda a vencer a rotina de atividades rumo ao sucesso Estudo x trabalho: aprenda a vencer a rotina de atividades rumo ao sucesso Sumário introdução 03 Capítulo 5 16 Capítulo 1 Pense no futuro! 04 Aproveite os fins de semana Capítulo 6 18 Capítulo 2 07 É preciso

Leia mais

Implantação de ERP com sucesso

Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso, atualmente ainda é como um jogo de xadrez, você pode estar pensando que está ganhando na implantação, mas de repente: Check Mate. Algumas

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010 PROJETO DE LEI Nº 157/2010 A semana de conscientização sobre transtornos de aprendizagem, no âmbito do Estado do Espírito Santo. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Fica

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

EDUCAÇÃO ALIMENTAR PARA CRIANÇAS MATRICULADAS EM ESCOLAS PÚBLICAS DOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS/PB

EDUCAÇÃO ALIMENTAR PARA CRIANÇAS MATRICULADAS EM ESCOLAS PÚBLICAS DOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS/PB EDUCAÇÃO ALIMENTAR PARA CRIANÇAS MATRICULADAS EM ESCOLAS PÚBLICAS DOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS/PB LINS SANTOS 1, Carlos Augusto MARINHO DA SILVA FILHO 2, Carlos Roberto ARAÚJO SILVA 3, Débora

Leia mais

4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores

4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores 4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores Como descrevemos no capitulo II, a Paralisia Cerebral é uma lesão neurológica que ocorre num período em que o cérebro ainda não completou

Leia mais

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS Jéssica Molina Quessada * Mariana Caroline Brancalhão Guerra* Renata Caroline Barros Garcia* Simone Taís Andrade Guizelini* Prof. Dr. João Juliani ** RESUMO:

Leia mais

OBJETIVOS. Compreender a importância de uma boa organização do estudo; Ser capaz de rentabilizar o estudo de uma forma mais efetiva;

OBJETIVOS. Compreender a importância de uma boa organização do estudo; Ser capaz de rentabilizar o estudo de uma forma mais efetiva; OBJETIVOS Definir objetivos de estudo a nível pessoal; Compreender a importância de uma boa organização do estudo; Ser capaz de rentabilizar o estudo de uma forma mais efetiva; Sensibilizar os E.E. para

Leia mais

Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade

Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade Nathália Fernandes Andreza Aparecida Polia Ranielí Gonçalves de Souza Halessandra Medeiros O Transtorno do Déficit de Atenção

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa Ricardo Pereira Antes de começar por Ricardo Pereira Trabalhando na Templum Consultoria eu tive a rara oportunidade

Leia mais

Criação de um site sobre Comunicação

Criação de um site sobre Comunicação Luciano Conceição Martins Criação de um site sobre Comunicação UNICAMP Universidade Estadual de Campinas Introdução: Um site é um conjunto de arquivos feitos através de códigos de programação. E, estes

Leia mais

PROJETO ESCOLA PARA PAIS

PROJETO ESCOLA PARA PAIS PROJETO ESCOLA PARA PAIS Escola Estadual Professor Bento da Silva Cesar São Carlos São Paulo Telma Pileggi Vinha Maria Suzana De Stefano Menin coordenadora da pesquisa Relator da escola: Elizabeth Silva

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO JAN/FEV.

BOLETIM INFORMATIVO JAN/FEV. BOLETIM INFORMATIVO JAN/FEV. 2013 [Edição 5] Mais um ano se inicia, novas oportunidades, novas aprendizagens e para iniciamos esse novo ano, algo comum de se fazer são as METAS. A Meta que destitinei ao

Leia mais